Your SlideShare is downloading. ×
2ºANO - Segundo Reinado
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Introducing the official SlideShare app

Stunning, full-screen experience for iPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

2ºANO - Segundo Reinado

867
views

Published on


0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
867
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. PERÍODOPERÍODOREGENCIALREGENCIAL(1831-1940)(1831-1940)
  • 2. Período Regencial 1. Regência Trina Provisória (abril/junho 1831)– “ em caso de impedimento do Imperador de exercer o poder,este será exercido por um membro da Família Imperial,maior de 25 anos, ou, na ausência desse membro, por trêspessoas eleitas (composta pela Câmara dos Deputados e peloSenado), por um período de quatro anos.”– Composta pelo senador Nicolau de Campos Vergueiro, JoséJoaquim de Campos e pelo brigadeiro Francisco de Lima eSilva.– Medidas: retorno do ministério brasileiro ao poder,anistiados presos políticos.– Limites: proibida de conceder títulos de nobreza e denegociar acordos com o estrangeiro.
  • 3. 2. Regência Trina Permanente (1831 a 1835)– A criação da Guarda Nacional: tropa composta pormembros da aristocracia, fiel ao governo e capaz degarantir a ordem– As correntes políticas:• Restauradores (caramurus) – retorno de D. Pedro I• Moderados (chimangos) - monarquistas• Exaltados (jurujubas ou farroupilhas)- republicanos– Código do Processo Criminal de 1832• Maior autonomia para os municípios – eleições dos Juizes dePaz– O Ato Adicional de 1834• Mudança na Constituição de 1824• Descentralização do poder, maior autonomia das províncias,abolição do Conselho de Estado, manutenção do PoderModerador, Rio de Janeiro torna-se município neutro e acapital é transferida para Niterói, transformação da RegênciaTrina em Una.
  • 4. A Regência Una de Feijó(1835 a 1837) Eleito pelo voto direto – experiência republicana Contradição: centralização do poder nas mãos doregente e autonomia político-administrativa dasprovíncias. Eclosão da Farroupilha e da Cabanagem Progressistas ( defendem o Ato Adicional) XRegressistas (revisão do Ato Adicional) Maioria do Parlamento contrária a Feijó. A renúncia de Feijó (1837) – encerramento da“Maré Liberal”
  • 5. A Regência Una de AraújoLima (1837 a 1840) Fusão do partido em dois: Liberal e Conservador “Maré Conservadora” O ministério das capacidades A Lei Interpretativa do Ato Adicional (1840):anulação da autonomia da províncias e revisão doCódigo de Processo Criminal Eclodem a Balaiada e a Sabinada devido asmedidas centralizadoras. O Clube da Maioridade e o Golpe: arquitetadopelo Partido Liberal.
  • 6. As rebeliões regenciaisRazões e resultados: A Cabanagem (PA) A Sabinada (BA) A Balaiada (MA) A Farroupilha (RS) A Malês (BA)
  • 7. SEGUNDO REINADOSEGUNDO REINADO1840-18891840-1889
  • 8. A) POLÍTICA INTERNA3 fases:Consolidação (1840 – 1850):Conciliação (1850 – 1870):Crise (1870 – 1889):2 correntes políticas:Liberais: profissionais liberais urbanos, latifundiáriosligados a produção para o mercado interno (áreas maisnovas).Conservadores: grandes comerciantes, latifundiáriosligados ao mercado externo, burocracia estatal.
  • 9. Sem divergências ideológicas, disputavam o poder masconvergiam para a conciliação. Ambos representavamelites econômicas."Não há mais nada parecido com um saquarema doque um luzia no poder.“Holanda Cavalcanti
  • 10. Parlamentarismo às avessas:Poder legislativo subordinado ao executivo.Imperador = peça central nas decisões.
  • 11. A Revolução Praieira (PE – 1848):Causas: concentração fundiária e crise econômica.Líderes: Pedro Ivo e Abreu Lima.Jornal “Diário Novo” – Rua da Praia.Manifesto ao Mundo: voto universal, liberdade deimprensa, abolição da escravidão, proclamação daRepública, nacionalização do comércio, direito aotrabalho.Última grande revolta do período.Influência das revoluções liberais européias.
  • 12. Quem viver em Pernambuconão há de estar enganado:Que, ou há de ser Cavalcanti,ou há de ser cavalgado."(Quadra popular)
  • 13. B) ECONOMIA:Café: principal produto.Mercado externo (EUA/EUROPA).Alto valor.Solo (“terra roxa”) e clima favoráveis.Região Sudeste.Desenvolvimento dos transportes (estradas de ferro,portos).Desenvolvimento de comunicações (telégrafo, telefone).Desenvolvimento de atividades urbanas paralelas(comércio, bancos, indústrias)
  • 14. Vale do Paraíba (RJ – SP): 1ª zona de cultivo. Iníciono final do século XVIII. Latifúndio escravistatradicional, sem inovações técnicas. Principal atéaproximadamente 1860-70.Oeste paulista: 2ª zona de cultivo. Inícioaproximadamente a partir de 1850. Tecnologicamentemais avançado. Introdução do trabalho de imigrantesparalelamente ao escravismo. “Terra Roxa”.
  • 15. Açúcar: decadênciaConcorrência externa.Açúcar de beterraba (Europa).Queda no preço.Outros produtos:Algodão (MA): importante entre 1861 e 1865 (18%)Guerra de Secessão (EUA)Borracha (AM e PA): importante a partir de 1880(8%)II Revolução Industrial – automóveis.Couros e peles (6 – 8%)Fumo (2 – 3%)
  • 16. A “Era Mauá” (1850 – 1870):Início da industrialização.Irineu Evangelista de Souza (Barão e Visconde deMauá).Causas:Tarifa Alves Branco (1844):Aumento de tarifas para importados.Aumento de arrecadação para o Estado.Estímulo involuntário para a indústrianacional.Fim do tráfico negreiro (1850):Lei Eusébio de QueirósLiberação de capitais.
  • 17. Mercado interno.Bens de consumo não duráveis.Setor têxtil: principal.Surto industrial que não alterou o a estrutura econômicanacional.Motivos do fracasso:Falta de apoio do governo.Sabotagens (oposição de latifundiários).Concorrência inglesa.
  • 18. C) SOCIEDADE:A imigração:Superação da crise do escravismo.Mito do “embranquecimento”.Necessidade de mão-de-obra (cafeicultura – sudeste).Ocupação e defesa (região sul).Crise econômica e social em países europeus.A crise do escravismo:Oposição inglesa (Bill Aberdeen – 1845).Lei Eusébio de Queirós (1850).Fim do tráfico de escravos.Tráfico interprovincial (NE – SE).Aumento do valor dos escravos.
  • 19. Movimento abolicionista: intelectuais, camadas médiasurbanas, setores do exército.Prolongamento da escravidão por meio de leis inócuas:Lei do Ventre Livre (1871).Lei dos Sexagenáriosou Saraiva-Cotegipe (1885).Radicalização do movimento abolicionista – caifazes.Lei Áurea (1888):Fim da escravidão sem indenizações.Marginalização de negros.Crise política do império.
  • 20. D) POLÍTICA EXTERNA:A Questão Christie (1863 – 1865):Rompimento de relações diplomáticas entre BRA e ING.Causas:Roubo de carga de navio inglês naufragado no RS(ING exige indenização);Prisão de marinheiros ingleses no RJ (ING exigedesculpas).W. D. Christie (embaixador inglês no Brasil) aprisiona5 navios brasileiros no porto do RJ a título deindenização.BRA paga indenização mas exige desculpas da ING porinvadir porto do RJ.Arbítrio internacional de Leopoldo I (BEL) favorável aoBRA;BRA rompe relações diplomáticas com a ING.ING desculpa-se oficialmente em 1865.
  • 21. Conflitos platinos:Causa básica: controle da navegação na Bacia do Prata.Causas secundárias:Disputas territoriais e enfraquecimento de rivais.Acesso a províncias do interior, especialmente MT(BRA).A Guerra do Paraguai (1865 – 1870):Causas:PAR sem saída para o mar (anexações no BRA eARG).“Mau exemplo” – oposição inglesa ao projetoparaguaio.Rompimento de relações diplomáticas com o BRA(represália a invasão do URU e deposição de Aguirre).Invasão paraguaia ao MT e ARG (1865).
  • 22. E) A CRISE GERAL DO IMPÉRIO (1870):A questão religiosa:Igreja atrelada ao Estado (Constituição de 1824).Padroado e Beneplácito.1864 – Bula Syllabus (Papa Pio IX): maçons expulsosdos quadros da Igreja.D. Pedro II proíbe tal determinação no Brasil.Bispos de Olinda e Belémdescumprem imperador e sãopresos.Posteriormente anistiados.Igreja deixa de prestar apoio aoImperador.
  • 23. Questão militar:Exército desprestigiado pelo governo: baixos soldos,pouca aparelhagem e investimentos.Exército fortalecido nacionalmente após a Guerra doParaguai.Punições do governo a oficiais que manifestavam-sepoliticamente.Sena Madureira, Cunha Matos.Penetração de idéias abolicionistas e republicanaspositivistas nos quadros do exército associam o Império aoatraso institucional e tecnológico do país.
  • 24. Questão Republicana:1870: Manifesto Republicano (RJ) – dissidênciaradical do Partido Liberal.1873: Fundação do PRP (Partido RepublicanoPaulista), vinculado a importantes cafeicultores doEstado.Descompasso entre poderio econômico dos cafeicultoresdo Oeste Paulista e sua pequena participação política.Abolicionismo em contradição com o escravismodefendido por velhas elites aristocráticas cariocas.Idéia do Federalismo – maior autonomia estadual.Apoio de classes médias urbanas, também poucorepresentadas pelo governo imperial.
  • 25. Questão Abolicionista:Abolição da Escravidão (1888) retira do governo imperialsua última base de sustentação: aristocracia tradicional.Império é atacado por todos os setores, sendo associado aoatraso e decadência.
  • 26. A Proclamação daRepública (15/11/1889):1888 – D. Pedro II tentaimplementar reformas políticasinspiradas no republicanismoatravés de Visconde de Ouro Preto:Autonomia provincial,liberdade de culto e ensino,senado temporário, facilidadesde crédito...Reformas negadas peloparlamento que é dissolvido peloimperador.Republicanos espalham boatos desupostas prisões de líderesmilitares.Marechal Deodoro da Fonsecalidera rebelião que depõe D. PedroII.