Intensivo BBSaúde Pública e Administração
PROF. ISMAEL COSTA           produzido por Ismael Costa               ismac@globo.com
ismac@globo.comWWW.BLOGPROFISMAEL.BLOGSPOT.COM              produzido por Ismael Costa                  ismac@globo.com
produzido por Ismael Costa    ismac@globo.com
produzido por Ismael Costa    ismac@globo.com
Editora Águia                 Douradaproduzido por Ismael Costa    ismac@globo.com
SAÚDE PÚBLICA           produzido por Ismael Costa               ismac@globo.com
1. Conjunto de atividades que permitem reunir informaçõesindispensáveis para conhecer, a cada momento, o comportamentoou a...
1. Conjunto de atividades que permitem reunir informaçõesindispensáveis para conhecer, a cada momento, o comportamentoou a...
2. Em relação aos elementos da cadeia de transmissão das infecçõesparasitárias, considere: (3º TRF 2009)I. Vetor: é um ani...
2. Em relação aos elementos da cadeia de transmissão das infecçõesparasitárias, considere: (3º TRF 2009)I. Vetor: é um ani...
HOSPEDEIRO             PRIMÁRIO                  AGENTE                  ETIOLÓGICO                           VETORHOSPEDE...
3- Casos de doença como cólera, febre amarela urbana, varíola epeste são de notificação imediata à OMS porque: (Santos/SP ...
3- Casos de doença como cólera, febre amarela urbana, varíola epeste são de notificação imediata à OMS porque: (Santos/SP ...
Critérios do CENEPI para escolha das doenças de notificação                             compulsória:       Na magnitude (m...
FALSAS NOTIFICAÇÕES mais comuns •   Toxoplasmose                              •      Linfogranuloma venéreo •   Varicela (...
4- População residente , nascidos e óbitos infantis nos distritos A,B, Ce D do município X , ano de 2004.                 ...
óbitos           Mortalidade infantil             População residente nascidos vivos                                      ...
4- População residente , nascidos e óbitos infantis nos distritos A,B, Ce D do município X , ano de 2004.                 ...
5-Casuística de morbidade que se destaca por seus valores maioresdo que zero sobre os eventos de saúde ou não-doença. É te...
5-Casuística de morbidade que se destaca por seus valores maioresdo que zero sobre os eventos de saúde ou não-doença. É te...
Secretaria estadual de saúde e defesa civil do Estado do Rio deJaneiro – Enfermeiro-20106-No último dia do mês de agosto, ...
Secretaria estadual de saúde e defesa civil do Estado do Rio deJaneiro – Enfermeiro-20106-No último dia do mês de agosto, ...
Nossa senhora do socorro/SE – 20117-Analise as assertivas e assinale a alternativa que aponta a(s) correta(s).Além das fon...
Estudos Epidemiológicos       • Investigação Epidemiológica de campo         confirmação de diagnóstico.       • Inquérito...
Nossa senhora do socorro/SE – 20117-Analise as assertivas e assinale a alternativa que aponta a(s) correta(s).Além das fon...
UFPA 20118-Em um pronto socorro da cidade, deu entrada uma senhora de 58 anosde idade, casada, apresentando múltiplas lesõ...
Novas definições (Port. 104/2011)    • I - Doença: significa uma enfermidade ou estado clínico,      independentemente de ...
UFPA 20118-Em um pronto socorro da cidade, deu entrada uma senhora de 58 anosde idade, casada, apresentando múltiplas lesõ...
IABAS 20119-Doenças transmissíveis emergentes são as que surgiram, ou foramidentificadas, em período recente ou aquelas qu...
Tendência das DIP´s no Brasil – cont.    • Doenças emergentes são aquelas associadas à descoberta de      agentes até entã...
IABAS 20119-Doenças transmissíveis emergentes são as que surgiram, ou foramidentificadas, em período recente ou aquelas qu...
Magé -201210-De acordo com os dados do Caderno de Informação de Saúdepara o Brasil, disponibilizado pelo DATASUS, a maior ...
Magé -201210-De acordo com os dados do Caderno de Informação de Saúdepara o Brasil, disponibilizado pelo DATASUS, a maior ...
11-São doenças de notificação compulsória imediata, os casossuspeitos ou confirmados de: (Diadema/SP 2010)(A) febre amarel...
11-São doenças de notificação compulsória imediata, os casossuspeitos ou confirmados de: (Diadema/SP 2010)(A) febre amarel...
UFF/RJ-RESIDÊNCIA-201212-A taxa de mortalidade infantil, considerada um dos melhores indicadores dasaúde da população de u...
UFF/RJ-RESIDÊNCIA-201212-A taxa de mortalidade infantil, considerada um dos melhores indicadores dasaúde da população de u...
13. De acordo com as normas de vacinas do Ministério da Saúde, écorreto afirmar em relação à vacina contra a febre amarela...
Bacterianas            ViraisAtenuadas    BCG ID                 Rotavírus VO             Cólera VO              Sarampo S...
13. De acordo com as normas de vacinas do Ministério da Saúde, écorreto afirmar em relação à vacina contra a febre amarela...
14. Os imunobiológicos conservam as suas propriedades quando serespeita algumas normas. Uma delas é: (Gov Bahia-2010)(A) c...
14. Os imunobiológicos conservam as suas propriedades quando serespeita algumas normas. Uma delas é: (Gov Bahia-2010)(A) c...
15. O programa de imunização do SUS confere, para populaçãoidosa, proteção imunitária por meio das vacinas: (TCU PB 2006)(...
15. O programa de imunização do SUS confere, para populaçãoidosa, proteção imunitária por meio das vacinas: (TCU PB 2006)(...
16. A conservação de vacinas inclui cuidados como os que constam em: (TJPE -2007)(A) uso de geladeira exclusiva para imuno...
17. João tem 45 anos e procura a sala de vacinação para atualizarseu esquema vacinal. Ele vai viajar a trabalho para Goiân...
- vacina dupla adulto - tomou uma dose no dia 25/08/2005 e outraem 25/02/2006.- vacina contra febre amarela - não recebeu ...
- vacina dupla adulto - tomou uma dose no dia 25/08/2005 e outraem 25/02/2006.- vacina contra febre amarela - não recebeu ...
18. A profilaxia do tétano para uma vítima de ferimento corto-contuso profundo, que recebeu quatro doses de vacina contra ...
Imunização contra tétano em caso de ferimento                                   produzido por Ismael Costa                ...
18. A profilaxia do tétano para uma vítima de ferimento corto-contuso profundo, que recebeu quatro doses de vacina contra ...
19. Ao supervisionar as ações do aplicador da sala de vacinas, oenfermeiro deve considerar que, de uma maneira geral, (TRE...
19. Ao supervisionar as ações do aplicador da sala de vacinas, oenfermeiro deve considerar que, de uma maneira geral, (TRE...
Unimontes/MG-Enfermeiro do trabalho – 201020-A todo trabalhador dos serviços de saúde deve ser fornecido,gratuitamente, al...
Unimontes/MG-Enfermeiro do trabalho – 201020-A todo trabalhador dos serviços de saúde deve ser fornecido,gratuitamente, al...
21. Secretária, 27 anos, cortou a mão esquerda ao abrir pacotecontendo um estilete. O enfermeiro, ao verificar a carteira ...
21. Secretária, 27 anos, cortou a mão esquerda ao abrir pacotecontendo um estilete. O enfermeiro, ao verificar a carteira ...
22. O soro antiofídico, o leite materno e a vacinação conferem,respectivamente, imunidade(A) passiva, ativa e ativa.(B) at...
22. O soro antiofídico, o leite materno e a vacinação conferem,respectivamente, imunidade(A) passiva, ativa e ativa.(B) at...
Hospital regional de Santa Maria/DF- Enfermeiro do trabalho - 200923- Um dos objetivos das vacinas de interesse ocupaciona...
Hospital regional de Santa Maria/DF- Enfermeiro do trabalho - 200923- Um dos objetivos das vacinas de interesse ocupaciona...
Valinhos/SP-Enfermeiro do trabalho – 200824-Ao vacinar um grupo de funcionários contra hepatite B, sendoesta vacina a 3ª d...
produzido por Ismael Costa    ismac@globo.com
Valinhos/SP-Enfermeiro do trabalho – 200824-Ao vacinar um grupo de funcionários contra hepatite B, sendoesta vacina a 3ª d...
25. Um trabalhador, com histórico de hipersensibilidade quando dautilização de soro heterólogo anti-rábico, necessita ser ...
25. Um trabalhador, com histórico de hipersensibilidade quando dautilização de soro heterólogo anti-rábico, necessita ser ...
ENADE-Enfermagem-201026-O programa de controle médico de saúde ocupacional (PCMSO) é umadiretriz para orientar o empresari...
a) Pneumocóccica, menigocócica C conjugada e tríplice viral.b) Tríplice viral, Hepatite A e B, Cólera (oral).c) Febre amar...
a) Pneumocóccica, menigocócica C conjugada e tríplice viral.b) Tríplice viral, Hepatite A e B, Cólera (oral).c) Febre amar...
27. No Programa Nacional de Controle da Tuberculose constaI. vontade/decisão política;II. acesso aos exames laboratoriais ...
27. No Programa Nacional de Controle da Tuberculose constaI. vontade/decisão política;II. acesso aos exames laboratoriais ...
28-Um usuário com alto risco de tuberculose necessita ser orientadopela enfermagem sobre o procedimento da coleta de escar...
28-Um usuário com alto risco de tuberculose necessita ser orientadopela enfermagem sobre o procedimento da coleta de escar...
29-Numa determinada empresa você identificou numa campanha de busca ativade tuberculose uma pessoa com resultado de bacilo...
29-Numa determinada empresa você identificou numa campanha de busca ativade tuberculose uma pessoa com resultado de bacilo...
30-Atualmente a tuberculose vem despontando com dados preocupantes no Brasil e nomundo. Dados da Organização Mundial de Sa...
30-Atualmente a tuberculose vem despontando com dados preocupantes no Brasil e nomundo. Dados da Organização Mundial de Sa...
• Esquema I – Básico – Indicado para Casos novos e  retratamentos – Pacientes Adolescentes e Adultos.• – 1º Fase: 2 meses ...
• Esquema II – Tuberculose Meningoencefalica – Pacientes  Adolescentes e Adultos.• – 1º Fase – 2 meses de Rifampicina, Pir...
31-O Brasil, desde 1985, vem reestruturando suas ações de saúde voltadas àeliminação da hanseníase no país. Várias doenças...
31-O Brasil, desde 1985, vem reestruturando suas ações de saúde voltadas àeliminação da hanseníase no país. Várias doenças...
32-A fonte de infecção e manutenção da cadeia epidemiológica dahanseníase está relacionada às pessoas que constituem oscas...
32-A fonte de infecção e manutenção da cadeia epidemiológica dahanseníase está relacionada às pessoas que constituem oscas...
Classificação operacional para fins detratamento quimioterápico.           Paucibacilar (PB): casos com até cinco lesões d...
Esquemas               Paucibacilar (PB)                                         Multibacilar (MB)                        ...
produzido por Ismael Costa    ismac@globo.com
produzido por Ismael Costa    ismac@globo.com
33. As ações de procura de casos de tuberculose estão voltadas paraos grupos de maior probabilidade de apresentar a doença...
33. As ações de procura de casos de tuberculose estão voltadas paraos grupos de maior probabilidade de apresentar a doença...
34- Um dos desafios no controle da tuberculose é impedir que o pacienteabandone o tratamento, levando o bacilo que causa a...
34- Um dos desafios no controle da tuberculose é impedir que o pacienteabandone o tratamento, levando o bacilo que causa a...
35-Um usuário foi submetido a vários exames laboratoriais porqueapresenta quadro clínico compatível com hepatite. Os resul...
35-Um usuário foi submetido a vários exames laboratoriais porqueapresenta quadro clínico compatível com hepatite. Os resul...
36-A Doença Sexualmente Transmissível (DST) caracterizada porlesão ulcerada, dolorosa e destrutiva, róseo-avermelhada, com...
Síndromes clínicas principais                                                                                             ...
36-A Doença Sexualmente Transmissível (DST) caracterizada porlesão ulcerada, dolorosa e destrutiva, róseo-avermelhada, com...
37-Em relação às características das hepatites virais é correto afirmar que a: (TJ PE2007)(A) A pode ser fulminante em 20%...
produzido por Ismael Costa                                       ismac@globo.comSAÚDE PÚBLICA, ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMEGM,...
produzido por Ismael Costa    ismac@globo.com
37-Em relação às características das hepatites virais é correto afirmar que a: (TJ PE2007)(A) A pode ser fulminante em 20%...
38-Existem duas formas de dengue: a clássica e a hemorrágica. A dengue clássica:(TJ PE 2007)(A) e a hemorrágica podem leva...
38-Existem duas formas de dengue: a clássica e a hemorrágica. A dengue clássica:(TJ PE 2007)(A) e a hemorrágica podem leva...
39-Um paciente com diagnóstico de dengue deve ser orientado aretornar imediatamente ao serviço de saúde, por piora do quad...
Sinais de alarme    • dor abdominal intensa e continua;    • vômito persistente;    • hipotensão postural ou Lipotímia;   ...
Sinais de choque    • hipotensão arterial;    • pressão arterial convergente (PA diferencial <    20 mmhg);    • extremida...
39-Um paciente com diagnóstico de dengue deve ser orientado aretornar imediatamente ao serviço de saúde, por piora do quad...
40-Quanto à transmissão vertical do HIV é correto afirmar que: (TREPB 2007)(A) ocorre entre 60 a 80% das gestações quando ...
40-Quanto à transmissão vertical do HIV é correto afirmar que: (TREPB 2007)(A) ocorre entre 60 a 80% das gestações quando ...
41-Uma das formas de transmissão vertical da AIDS é: (TRF 4º reg2001)(A) pai soropositivo, mãe soronegativa e filho sorone...
41-Uma das formas de transmissão vertical da AIDS é: (TRF 4º reg2001)(A) pai soropositivo, mãe soronegativa e filho sorone...
42-O papiloma vírus humano:(TRT 3º reg 2009)(A) é uma doença sexualmente transmissível e todos os tipos devírus possibilit...
42-O papiloma vírus humano:(TRT 3º reg 2009)(A) é uma doença sexualmente transmissível e todos os tipos devírus possibilit...
Itá/SC-201143-A infecção pelo HIV pode ser dividida em quatro fases clínicas: infecção aguda, faseassintomática, fase sint...
Itá/SC-201143-A infecção pelo HIV pode ser dividida em quatro fases clínicas: infecção aguda, faseassintomática, fase sint...
44-O Ministério da Saúde preconiza a implementação dequimioprofilaxia dos contatos íntimos, nos seguintes tipos demeningit...
44-O Ministério da Saúde preconiza a implementação dequimioprofilaxia dos contatos íntimos, nos seguintes tipos demeningit...
45. Em relação à biossegurança no controle da transmissão detuberculose multiresistente, uma das medidas de proteçãorespir...
45. Em relação à biossegurança no controle da transmissão detuberculose multiresistente, uma das medidas de proteçãorespir...
46-A quimioprofilaxia indicada para os contatos íntimos de casos de doençameningocócica é:A) a droga de escolha é a rifamp...
46-A quimioprofilaxia indicada para os contatos íntimos de casos de doençameningocócica é:A) a droga de escolha é a rifamp...
FHEMIG 200947-Segundo a Organização Mundial de Saúde a tuberculose (TB) persiste como umapreocupação sanitária internacion...
FHEMIG 200947-Segundo a Organização Mundial de Saúde a tuberculose (TB) persiste como umapreocupação sanitária internacion...
48. Considere o modo de transmissão de doenças para o homem:I. Leptospirose: contato com a urina de ratos infectados.II. F...
48. Considere o modo de transmissão de doenças para o homem:I. Leptospirose: contato com a urina de ratos infectados.II. F...
49. Realizou-se teste de Mitsuda em uma família de pai hansenianoforma Virchowiana. Na leitura do teste verificou-se reaçã...
49. Realizou-se teste de Mitsuda em uma família de pai hansenianoforma Virchowiana. Na leitura do teste verificou-se reaçã...
50. Os exames empregados para detectar Doença de Chagas,tuberculose e hepatite são, respectivamente, (3º TRF 2009)(A) Mach...
50. Os exames empregados para detectar Doença de Chagas,tuberculose e hepatite são, respectivamente, (3º TRF 2009)(A) Mach...
INTERVALO – 10 MIN
ADMINISTRAÇÃO EMENFERMAGEM          produzido por Ismael Costa              ismac@globo.com
1. Existe uma instituição de saúde em que o serviço de enfermagempossui uma estrutura rigidamente hierarquizada e com subo...
1. Existe uma instituição de saúde em que o serviço de enfermagempossui uma estrutura rigidamente hierarquizada e comsubor...
Teoria             ênfase            autor                Observação                                                estudo...
1. Existe uma instituição de saúde em que o serviço de enfermagempossui uma estrutura rigidamente hierarquizada e comsubor...
2. Uma auxiliar de enfermagem está indecisa sobre o que fazer: aenfermeira a orientou para administrar o medicamento com l...
2. Uma auxiliar de enfermagem está indecisa sobre o que fazer: aenfermeira a orientou para administrar o medicamento com l...
3- A Valorização de regras e normas tem influenciado a prática deenfermagem, contribuindo para um estilo administrativohie...
3- A Valorização de regras e normas tem influenciado a prática deenfermagem, contribuindo para um estilo administrativohie...
4-Correlacione os principais representantes de cada escola daadministração às suas respectivas teorias e assinale a opção ...
4-Correlacione os principais representantes de cada escola daadministração às suas respectivas teorias e assinale a opção ...
Questão 51. Teoria Científica2. Teoria Clássica3. Teoria das relações humanas4. Teoria burocrática5. Teoria dos sistemas( ...
Marque a sequência correta:A) 3 4 5 1 3B) 3 5 1 2 4C) 4 1 3 2 2D) 5 3 2 4 1E) 3 5 2 2 4                         produzido ...
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Intensivo bb
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Intensivo bb

4,325 views
4,156 views

Published on

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
4,325
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1,090
Actions
Shares
0
Downloads
79
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Intensivo bb

  1. 1. Intensivo BBSaúde Pública e Administração
  2. 2. PROF. ISMAEL COSTA produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  3. 3. ismac@globo.comWWW.BLOGPROFISMAEL.BLOGSPOT.COM produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  4. 4. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  5. 5. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  6. 6. Editora Águia Douradaproduzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  7. 7. SAÚDE PÚBLICA produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  8. 8. 1. Conjunto de atividades que permitem reunir informaçõesindispensáveis para conhecer, a cada momento, o comportamentoou a história natural de um agravo. A partir desse conhecimento,detectar ou prever mudanças que possam ocorrer nos fatores que ocondicionam, com a finalidade de recomendar medidas oportunasque levem à prevenção e ao controle do agravo. (3º TRF 2009)Essa definição do Ministério da Saúde refere-se à(A) Vigilância Sanitária.(B) Política de Atenção Básica à Saúde.(C) Agência Nacional de Saúde.(D) Vigilância Epidemiológica.(E) Diretrizes Nacionais de Implantação para Saúde do Trabalhador. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  9. 9. 1. Conjunto de atividades que permitem reunir informaçõesindispensáveis para conhecer, a cada momento, o comportamentoou a história natural de um agravo. A partir desse conhecimento,detectar ou prever mudanças que possam ocorrer nos fatores queo condicionam, com a finalidade de recomendar medidasoportunas que levem à prevenção e ao controle do agravo. (3º TRF2009)Essa definição do Ministério da Saúde refere-se à(A) Vigilância Sanitária.(B) Política de Atenção Básica à Saúde.(C) Agência Nacional de Saúde.(D) Vigilância Epidemiológica.(E) Diretrizes Nacionais de Implantação para Saúde do Trabalhador. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  10. 10. 2. Em relação aos elementos da cadeia de transmissão das infecçõesparasitárias, considere: (3º TRF 2009)I. Vetor: é um animal que transmite um agente de um hospedeiropara o outro.II. Hospedeiro: pode ser o homem ou um animal, sempre exposto aoparasita ou ao vetor transmissor, quando for o caso.III. Fômites: são veículos animados ou inanimados de uso pessoal.Está correto o que se afirma em(A) I, apenas.(B) III, apenas.(C) I, II e III.(D) I e II, apenas.(E) I e III, apenas produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  11. 11. 2. Em relação aos elementos da cadeia de transmissão das infecçõesparasitárias, considere: (3º TRF 2009)I. Vetor: é um animal que transmite um agente de um hospedeiropara o outro.II. Hospedeiro: pode ser o homem ou um animal, sempre exposto aoparasita ou ao vetor transmissor, quando for o caso.III. Fômites: são veículos animados ou inanimados de uso pessoal.Está correto o que se afirma em(A) I, apenas.(B) III, apenas.(C) I, II e III.(D) I e II, apenas.(E) I e III, apenas produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  12. 12. HOSPEDEIRO PRIMÁRIO AGENTE ETIOLÓGICO VETORHOSPEDEIROSECUNDÁRIO FÔMITES produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  13. 13. 3- Casos de doença como cólera, febre amarela urbana, varíola epeste são de notificação imediata à OMS porque: (Santos/SP – 2005)a) São virulentasb) São transmissíveisc) São de notificação compulsóriad) Podem ser gravese) Podem causar uma pandemia produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  14. 14. 3- Casos de doença como cólera, febre amarela urbana, varíola epeste são de notificação imediata à OMS porque: (Santos/SP – 2005)a) São virulentasb) São transmissíveisc) São de notificação compulsóriad) Podem ser gravese) Podem causar uma pandemia produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  15. 15. Critérios do CENEPI para escolha das doenças de notificação compulsória: Na magnitude (medida pela freqüência); Potencial de disseminação; Transcendência (medida pela letalidade, severidade, relevância social e econômica); Vulnerabilidade (existência de instrumentos de prevenção); Compromissos internacionais de erradicação, eliminação ou controle; Doenças incluídas no Regulamento Sanitário Internacional; Epidemias, surtos e agravos inusitados. produzido por Ismael Costa ismac@globo.comSAÚDE PÚBLICA, ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMEGM, SUS
  16. 16. FALSAS NOTIFICAÇÕES mais comuns • Toxoplasmose • Linfogranuloma venéreo • Varicela (catapora) • Donovanose • Herpes genital • Tricomoníase • Herpes Zoster • Amebíase • Parotidite epidêmica • Giardíase (caxumba) • Ver portaria 104/2011 • Escarlatina • Condiloma • Tracoma • Conjuntivite produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  17. 17. 4- População residente , nascidos e óbitos infantis nos distritos A,B, Ce D do município X , ano de 2004. População residente nascidos vivos óbitos infantisDistrito A 70018 1282 20Distrito B 27870 406 8Distrito C 86251 1291 21Distrito D 58606 1181 16 As taxas de mortalidade nos Distritos , em ordem decrescente, são: a) C, A, B ,D b) C, A, D, B c) B, C, A , D d) A, D, B, C e) D, B, A, C produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  18. 18. óbitos Mortalidade infantil População residente nascidos vivos infantis (*1000)Distrito A 70018 1282 20 15,60 3ºDistrito B 27870 406 8 19,70 1ºDistrito C 86251 1291 21 16,27 2ºDistrito D 58606 1181 16 13,55 4º produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  19. 19. 4- População residente , nascidos e óbitos infantis nos distritos A,B, Ce D do município X , ano de 2004. População residente nascidos vivos óbitos infantisDistrito A 70018 1282 20Distrito B 27870 406 8Distrito C 86251 1291 21Distrito D 58606 1181 16 As taxas de mortalidade nos Distritos , em ordem decrescente, são: a) C, A, B ,D b) C, A, D, B c) B, C, A , D d) A, D, B, C e) D, B, A, C produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  20. 20. 5-Casuística de morbidade que se destaca por seus valores maioresdo que zero sobre os eventos de saúde ou não-doença. É termodescritivo da força com que subsistem as doenças nas coletividades,é considerado por Rouquayrol, 1993, como conceito de: (EAOT-2005)a) incidência.b) latência.c) prevalência.d) ocorrência produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  21. 21. 5-Casuística de morbidade que se destaca por seus valores maioresdo que zero sobre os eventos de saúde ou não-doença. É termodescritivo da força com que subsistem as doenças nas coletividades,é considerado por Rouquayrol, 1993, como conceito de: (EAOT-2005)a) incidência. (casos novos = intensidade)b) latência.c) prevalência. (total de casos = persistência)d) ocorrência produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  22. 22. Secretaria estadual de saúde e defesa civil do Estado do Rio deJaneiro – Enfermeiro-20106-No último dia do mês de agosto, foram contabilizados 30 casos deuma determinada doença transmissível. Ao correr do mês desetembro, esse contingente, por motivos diversos, sofreu baixa emcinco casos antigos e acréscimo de dez casos novos. Nesse exemplohipotético, a prevalência para a doença transmissível no último diado mês de setembro será de:a) 10 casos.b) 25 casos.c) 30 casos.d) 35 casos.e) 40 casos. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  23. 23. Secretaria estadual de saúde e defesa civil do Estado do Rio deJaneiro – Enfermeiro-20106-No último dia do mês de agosto, foram contabilizados 30 casos deuma determinada doença transmissível. Ao correr do mês desetembro, esse contingente, por motivos diversos, sofreu baixa emcinco casos antigos e acréscimo de dez casos novos. Nesse exemplohipotético, a prevalência para a doença transmissível no último diado mês de setembro será de:a) 10 casos.b) 25 casos.c) 30 casos.d) 35 casos.e) 40 casos. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  24. 24. Nossa senhora do socorro/SE – 20117-Analise as assertivas e assinale a alternativa que aponta a(s) correta(s).Além das fontes regulares de coleta de dados e informações para analisar,do ponto de vista epidemiológico, a ocorrência de eventos sanitários, podeser necessário, em determinado momento ou período, recorrerdiretamente à população ou aos serviços para obter dados adicionais oumais representativos, que podem ser coletados porI. Inquérito.II. Levantamento epidemiológico.III. Investigação.(A) Apenas a I está correta.(B) Apenas a II está correta.(C) Apenas a III está correta.(D) Apenas I e III estão corretas.(E) I, II e III estão corretas. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  25. 25. Estudos Epidemiológicos • Investigação Epidemiológica de campo confirmação de diagnóstico. • Inquéritos epidemiológicos – Estudo amostral para avaliação. • Levantamento epidemiológico. –Análise de séries históricas para estudo de tendências (uso de registro existentes, geralmente não é amostral). • Sistemas de Vigilância Sentinela – Pesquisa de sinais de alerta produzido por Ismael Costa ismac@globo.comSAÚDE PÚBLICA, ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMEGM, SUS
  26. 26. Nossa senhora do socorro/SE – 20117-Analise as assertivas e assinale a alternativa que aponta a(s) correta(s).Além das fontes regulares de coleta de dados e informações para analisar,do ponto de vista epidemiológico, a ocorrência de eventos sanitários, podeser necessário, em determinado momento ou período, recorrerdiretamente à população ou aos serviços para obter dados adicionais oumais representativos, que podem ser coletados porI. Inquérito.II. Levantamento epidemiológico.III. Investigação.(A) Apenas a I está correta.(B) Apenas a II está correta.(C) Apenas a III está correta.(D) Apenas I e III estão corretas.(E) I, II e III estão corretas. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  27. 27. UFPA 20118-Em um pronto socorro da cidade, deu entrada uma senhora de 58 anosde idade, casada, apresentando múltiplas lesões na face e no tóraxposterior e fratura no braço direito. Durante a anamnese, a senhorarelatou ter sido agredida com socos e pontapés pelo seu parceiro que, naocasião, estava extremamente alcoolizado. Após análise dessa situação,segundo a terminologia adotada em legislação nacional e emconformidade com a Portaria 104/11, do Ministério da Saúde, deve-sedefini-la como:(A) emergência.(B) doença.(C) agravo.(D) evento.(E) urgência. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  28. 28. Novas definições (Port. 104/2011) • I - Doença: significa uma enfermidade ou estado clínico, independentemente de origem ou fonte, que represente ou possa representar um dano significativo para os seres humanos; • II - Agravo: significa qualquer dano à integridade física, mental e social dos indivíduos provocado por circunstâncias nocivas, como acidentes, intoxicações, abuso de drogas, e lesões auto ou heteroinfligidas; • III - Evento: significa manifestação de doença ou uma ocorrência que apresente potencial para causar doença; produzido por Ismael Costa ismac@globo.comSAÚDE PÚBLICA, ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMEGM, SUS
  29. 29. UFPA 20118-Em um pronto socorro da cidade, deu entrada uma senhora de 58 anosde idade, casada, apresentando múltiplas lesões na face e no tóraxposterior e fratura no braço direito. Durante a anamnese, a senhorarelatou ter sido agredida com socos e pontapés pelo seu parceiro que, naocasião, estava extremamente alcoolizado. Após análise dessa situação,segundo a terminologia adotada em legislação nacional e emconformidade com a Portaria 104/11, do Ministério da Saúde, deve-sedefini-la como:(A) emergência.(B) doença.(C) agravo.(D) evento.(E) urgência. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  30. 30. IABAS 20119-Doenças transmissíveis emergentes são as que surgiram, ou foramidentificadas, em período recente ou aquelas que assumiram novascondições de transmissão, seja devido a modificações das característicasdo agente infeccioso, seja passando de doenças raras e restritas paraconstituírem problemas de Saúde Pública. Reemergentes, por sua vez, sãoas que ressurgiram, enquanto problema de Saúde Pública, após terem sidocontroladas no passado. Podemos citar como exemplos de doençasemergente e reemergente respectivamente:(A) cólera e dengue;(B) esquistossomose e cólera;(C) dengue e meningite;(D) gripe H1N1 e dengue;(E) malária e cólera. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  31. 31. Tendência das DIP´s no Brasil – cont. • Doenças emergentes são aquelas associadas à descoberta de agentes até então desconhecidos, ou as que se expandem ou ameaçam expandir-se para áreas consideradas indenes Ex: AIDS e as Hantaviroses • Reemergentes - São doenças, que estavam controladas, ou eliminadas de uma determinada região, e que vieram a ser reintroduzidas (cólera, dengue). • Declinante: Erradicadas - varíola (em 73), pólio (em 1989). Em declínio – Sarampo, raiva humana, difteria, coqueluche e o tétano (imunopreviníveis), doença de Chagas, febre tifóide, oncocercose, a filariose e a peste. • Persistentes: tuberculose e as hepatites virais, especialmente as hepatites B e C, leptospirose, meningites leishmanioses (visceral e tegumentar), esquistossomose, malária, febre amarela. produzido por Ismael Costa ismac@globo.comSAÚDE PÚBLICA, ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMEGM, SUS
  32. 32. IABAS 20119-Doenças transmissíveis emergentes são as que surgiram, ou foramidentificadas, em período recente ou aquelas que assumiram novascondições de transmissão, seja devido a modificações das característicasdo agente infeccioso, seja passando de doenças raras e restritas paraconstituírem problemas de Saúde Pública. Reemergentes, por sua vez, sãoas que ressurgiram, enquanto problema de Saúde Pública, após terem sidocontroladas no passado. Podemos citar como exemplos de doençasemergente e reemergente respectivamente:(A) cólera e dengue;(B) esquistossomose e cólera;(C) dengue e meningite;(D) gripe H1N1 e dengue;(E) malária e cólera. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  33. 33. Magé -201210-De acordo com os dados do Caderno de Informação de Saúdepara o Brasil, disponibilizado pelo DATASUS, a maior causa demortalidade em crianças menores de um(1) ano em 2008 foram:A) doenças do aparelho respiratório.B) algumas afecções originadas no período perinatal.C) algumas doenças infecciosas e parasitárias.D) causas externas de morbidade e mortalidade.E) neoplasias (tumores). produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  34. 34. Magé -201210-De acordo com os dados do Caderno de Informação de Saúdepara o Brasil, disponibilizado pelo DATASUS, a maior causa demortalidade em crianças menores de um(1) ano em 2008 foram:A) doenças do aparelho respiratório.B) algumas afecções originadas no período perinatal.C) algumas doenças infecciosas e parasitárias.D) causas externas de morbidade e mortalidade.E) neoplasias (tumores). produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  35. 35. 11-São doenças de notificação compulsória imediata, os casossuspeitos ou confirmados de: (Diadema/SP 2010)(A) febre amarela, doença de chagas aguda e poliomielite.(B) dengue pelo sorotipo DENV 4, leptospirose e leishmaniosevisceral.(C) doença de chagas aguda, rubéola (viagem ao exterior nos últimos30 dias ou contato com quem viajou) e esquistossomose.(D) difteria, tétano e malária.(E) tétano, raiva humana e sarampo (viagem ao exterior nos últimos30 dias ou contato com quem viajou). produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  36. 36. 11-São doenças de notificação compulsória imediata, os casossuspeitos ou confirmados de: (Diadema/SP 2010)(A) febre amarela, doença de chagas aguda e poliomielite.(B) dengue pelo sorotipo DENV 4, leptospirose e leishmaniosevisceral.(C) doença de chagas aguda, rubéola (viagem ao exterior nosúltimos 30 dias ou contato com quem viajou) e esquistossomose.(D) difteria, tétano e malária.(E) tétano, raiva humana e sarampo (viagem ao exterior nosúltimos 30 dias ou contato com quem viajou). produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  37. 37. UFF/RJ-RESIDÊNCIA-201212-A taxa de mortalidade infantil, considerada um dos melhores indicadores dasaúde da população de um país, é calculada assim: divide-se o número total deóbitos de crianças menores de um ano pelo total de nascidos vivos, no mesmoperíodo e local, e se multiplica o resultado por mil. Dessa forma, é possíveldeterminar a proporção de crianças que morrem antes de completar um ano devida. Face ao exposto, assinale a alternativa incorreta.(A) A taxa de mortalidade infantil tem sido analisada levando-se em consideraçãodois componentes: a mortalidade neonatal e a pós-neonatal.(B) A redução da mortalidade infantil no Brasil tem sido atribuída a diversosfatores, como a queda da fecundidade, aumento da prevalência do aleitamentomaterno, imunização e terapia de reidratação oral.(C) As principais causas de mortalidade infantil no Brasil vêm sofrendo alteraçõesao longo do tempo. Até a década de 1980, prevaleciam as afecções neonatais, quetêm relação direta com a atenção à saúde durante a gravidez e o parto. Nosúltimos anos, predomina o componente pósneonatal, principalmente devido àscausas externas.(D) Mesmo com o desenvolvimento econômico, a taxa de mortalidade infantil noBrasil ainda é superior à de muitos países vizinhos, economicamente menosdesenvolvidos. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  38. 38. UFF/RJ-RESIDÊNCIA-201212-A taxa de mortalidade infantil, considerada um dos melhores indicadores dasaúde da população de um país, é calculada assim: divide-se o número total deóbitos de crianças menores de um ano pelo total de nascidos vivos, no mesmoperíodo e local, e se multiplica o resultado por mil. Dessa forma, é possíveldeterminar a proporção de crianças que morrem antes de completar um ano devida. Face ao exposto, assinale a alternativa incorreta.(A) A taxa de mortalidade infantil tem sido analisada levando-se em consideraçãodois componentes: a mortalidade neonatal e a pós-neonatal.(B) A redução da mortalidade infantil no Brasil tem sido atribuída a diversosfatores, como a queda da fecundidade, aumento da prevalência do aleitamentomaterno, imunização e terapia de reidratação oral.(C) As principais causas de mortalidade infantil no Brasil vêm sofrendo alteraçõesao longo do tempo. Até a década de 1980, prevaleciam as afecções neonatais,que têm relação direta com a atenção à saúde durante a gravidez e o parto. Nosúltimos anos, predomina o componente pósneonatal, principalmente devido àscausas externas.(D) Mesmo com o desenvolvimento econômico, a taxa de mortalidade infantil noBrasil ainda é superior à de muitos países vizinhos, economicamente menosdesenvolvidos. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  39. 39. 13. De acordo com as normas de vacinas do Ministério da Saúde, écorreto afirmar em relação à vacina contra a febre amarela: (GovBahia-2010)(A) Após aberto o frasco, o prazo máximo de validade é de 8 horas.(B) A partir dos 6 meses de idade todas as crianças podem receberessa vacina.(C) Deve ser aplicada por via subcutânea.(D) A dose de reforço é aplicada a cada 5 anos.(E) Deve ser aplicada no deltóide ou glúteo, 1 mL da vacina. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  40. 40. Bacterianas ViraisAtenuadas BCG ID Rotavírus VO Cólera VO Sarampo SC Febre Tifóide * VO Caxumba SC Rubéola SC Varicela SC VOP Febre Amarela SCInativadas Difteria Gripe IM/SCTODAS IM Tétano VIP Coqueluche Raiva Hib Hepatite B Meningocócica Hepatite A Pneumocócica Febre Tifóide por Ismael Costa produzido ismac@globo.com
  41. 41. 13. De acordo com as normas de vacinas do Ministério da Saúde, écorreto afirmar em relação à vacina contra a febre amarela: (GovBahia-2010)(A) Após aberto o frasco, o prazo máximo de validade é de 8 horas.(B) A partir dos 6 meses de idade todas as crianças podem receberessa vacina.(C) Deve ser aplicada por via subcutânea.(D) A dose de reforço é aplicada a cada 5 anos.(E) Deve ser aplicada no deltóide ou glúteo, 1 mL da vacina. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  42. 42. 14. Os imunobiológicos conservam as suas propriedades quando serespeita algumas normas. Uma delas é: (Gov Bahia-2010)(A) colocar os imunobiológicos virais na porta da geladeira.(B) colocá-los na caixa de transporte em contato direto com o gelo.(C) estocar os imunobiológicos bacterianos no freezer.(D) proceder ao registro da temperatura no interior da geladeira,duas vezes por semana.(E) dispor o gelo na caixa de transporte de forma que os circundem. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  43. 43. 14. Os imunobiológicos conservam as suas propriedades quando serespeita algumas normas. Uma delas é: (Gov Bahia-2010)(A) colocar os imunobiológicos virais na porta da geladeira.(B) colocá-los na caixa de transporte em contato direto com o gelo.(C) estocar os imunobiológicos bacterianos no freezer.(D) proceder ao registro da temperatura no interior da geladeira,duas vezes por semana.(E) dispor o gelo na caixa de transporte de forma que os circundem. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  44. 44. 15. O programa de imunização do SUS confere, para populaçãoidosa, proteção imunitária por meio das vacinas: (TCU PB 2006)(A) tétano e dupla adulto.(B) tetravalente e sarampo.(C) hepatite A e BCG.(D) dupla adulto e gripe.(E) sarampo e BCG. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  45. 45. 15. O programa de imunização do SUS confere, para populaçãoidosa, proteção imunitária por meio das vacinas: (TCU PB 2006)(A) tétano e dupla adulto.(B) tetravalente e sarampo.(C) hepatite A e BCG.(D) dupla adulto e gripe.(E) sarampo e BCG. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  46. 46. 16. A conservação de vacinas inclui cuidados como os que constam em: (TJPE -2007)(A) uso de geladeira exclusiva para imunobiológicos e manutenção detemperatura abaixo de 12 °C para as vacinas virais.(B) disposição dos frascos de vacinas em caixas perfuradas de papelão ouplástico e temperatura abaixo de 2 °C para as vacinas bacterianas.(C) colocação de frascos de água e sal na parte inferior da geladeira emanutenção da temperatura entre 8 e 10 °C.(D) abertura da porta da geladeira de estoque de vacinas o menornúmero de vezes possível no dia e manutenção da temperatura entre 4 e8 °C.(E) controle da temperatura no mínimo duas vezes ao dia e colocação dosdiluentes de vacinas nas prateleiras superiores da geladeira ou na porta. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  47. 47. 17. João tem 45 anos e procura a sala de vacinação para atualizarseu esquema vacinal. Ele vai viajar a trabalho para Goiânia.Apresenta carteira de vacina e presta as seguintes informações sobreseu estado vacinal: (TJ PE -2007)- vacina dupla adulto - tomou uma dose no dia 25/08/2005 e outraem 25/02/2006.- vacina contra febre amarela - não recebeu nenhuma dose.- vacina contra sarampo, caxumba e rubéola – não recebeu nenhumadose.- vacina contra gripe - tomou uma dose em 30/06/04.- vacina contra pneumonia - não recebeu nenhuma dose.Respeitando as atuais orientações do Ministério da Saúde, deve-seaplicar as vacinas produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  48. 48. - vacina dupla adulto - tomou uma dose no dia 25/08/2005 e outraem 25/02/2006.- vacina contra febre amarela - não recebeu nenhuma dose.- vacina contra sarampo, caxumba e rubéola – não recebeu nenhumadose.- vacina contra gripe - tomou uma dose em 30/06/04.- vacina contra pneumonia - não recebeu nenhuma dose.(A) dupla adulto e contra febre amarela.(B) contra gripe e contra sarampo, caxumba e rubéola.(C) contra febre amarela, pneumonia e a dupla adulto.(D) contra sarampo, caxumba e rubéola e contra febre amarela.(E) dupla adulto, contra gripe e pneumonia. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  49. 49. - vacina dupla adulto - tomou uma dose no dia 25/08/2005 e outraem 25/02/2006.- vacina contra febre amarela - não recebeu nenhuma dose.- vacina contra sarampo, caxumba e rubéola – não recebeu nenhumadose.- vacina contra gripe - tomou uma dose em 30/06/04.- vacina contra pneumonia - não recebeu nenhuma dose.(A) dupla adulto e contra febre amarela.(B) contra gripe e contra sarampo, caxumba e rubéola.(C) contra febre amarela, pneumonia e a dupla adulto.(D) contra sarampo, caxumba e rubéola e contra febre amarela.(E) dupla adulto, contra gripe e pneumonia. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  50. 50. 18. A profilaxia do tétano para uma vítima de ferimento corto-contuso profundo, que recebeu quatro doses de vacina contra otétano, sendo a última dose há sete anos, inclui: (TRE PB 2007)(A) imunização passiva com soro.(B) vacinação contra o tétano.(C) penicilina benzatina em dose única.(D) lavagem do ferimento com água e sabão e imunização passivacom soro.(E) debridamento do ferimento e penicilina benzatina em doseúnica. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  51. 51. Imunização contra tétano em caso de ferimento produzido por Ismael Costa ismac@globo.comSAÚDE PÚBLICA, ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMEGM, SUS
  52. 52. 18. A profilaxia do tétano para uma vítima de ferimento corto-contuso profundo, que recebeu quatro doses de vacina contra otétano, sendo a última dose há sete anos, inclui: (TRE PB 2007)(A) imunização passiva com soro.(B) vacinação contra o tétano.(C) penicilina benzatina em dose única.(D) lavagem do ferimento com água e sabão e imunização passivacom soro.(E) debridamento do ferimento e penicilina benzatina em doseúnica. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  53. 53. 19. Ao supervisionar as ações do aplicador da sala de vacinas, oenfermeiro deve considerar que, de uma maneira geral, (TRE PB2007)(A) a realização de compressas quentes no local da aplicação davacina não é recomendada.(B) a sala deve ser ventilada, ensolarada, com a luz solar incidindo naárea de preparo dos imunobiológicos.(C) a VOP (vacina oral contra a poliomielite) necessita de intervalo deduas horas entre a aplicação da vacina e as refeições ou mamadas.(D) o local da úlcera da BCG deve ser mantida coberta com curativofechado.(E) os imunobiológicos devem ser conservados em geladeira a umatemperatura que varia de +4 °C a + 10 °C. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  54. 54. 19. Ao supervisionar as ações do aplicador da sala de vacinas, oenfermeiro deve considerar que, de uma maneira geral, (TRE PB2007)(A) a realização de compressas quentes no local da aplicação davacina não é recomendada.(B) a sala deve ser ventilada, ensolarada, com a luz solar incidindo naárea de preparo dos imunobiológicos.(C) a VOP (vacina oral contra a poliomielite) necessita de intervalo deduas horas entre a aplicação da vacina e as refeições ou mamadas.(D) o local da úlcera da BCG deve ser mantida coberta com curativofechado.(E) os imunobiológicos devem ser conservados em geladeira a umatemperatura que varia de +4 °C a + 10 °C. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  55. 55. Unimontes/MG-Enfermeiro do trabalho – 201020-A todo trabalhador dos serviços de saúde deve ser fornecido,gratuitamente, além da imunização estabelecida pelo PCMSO, osprogramas de imunização ativa contra:A) tétano, hepatite C, tríplice viral.B) tétano, difteria, hepatite B.C) meningite C, hepatite B, tríplice viral.D) meningite C, hepatite C, difteria. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  56. 56. Unimontes/MG-Enfermeiro do trabalho – 201020-A todo trabalhador dos serviços de saúde deve ser fornecido,gratuitamente, além da imunização estabelecida pelo PCMSO, osprogramas de imunização ativa contra:A) tétano, hepatite C, tríplice viral.B) tétano, difteria, hepatite B.C) meningite C, hepatite B, tríplice viral.D) meningite C, hepatite C, difteria. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  57. 57. 21. Secretária, 27 anos, cortou a mão esquerda ao abrir pacotecontendo um estilete. O enfermeiro, ao verificar a carteira devacinação, constatou que a funcionária havia recebido o reforço davacina dT quando tinha 25 anos. Nessa situação, o enfermeiro deveorientá-la a receber o próximo reforço dessa vacina: (3º TRF 2009)(A) imediatamente.(B) aos 30 anos.(C) aos 31 anos.(D) aos 34 anos.(E) aos 35 anos. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  58. 58. 21. Secretária, 27 anos, cortou a mão esquerda ao abrir pacotecontendo um estilete. O enfermeiro, ao verificar a carteira devacinação, constatou que a funcionária havia recebido o reforço davacina dT quando tinha 25 anos. Nessa situação, o enfermeiro deveorientá-la a receber o próximo reforço dessa vacina: (3º TRF 2009)(A) imediatamente.(B) aos 30 anos.(C) aos 31 anos.(D) aos 34 anos.(E) aos 35 anos. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  59. 59. 22. O soro antiofídico, o leite materno e a vacinação conferem,respectivamente, imunidade(A) passiva, ativa e ativa.(B) ativa, ativa e ativa.(C) passiva, passiva e ativa.(D) ativa, ativa e passiva.(E) ativa, passiva e ativa. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  60. 60. 22. O soro antiofídico, o leite materno e a vacinação conferem,respectivamente, imunidade(A) passiva, ativa e ativa.(B) ativa, ativa e ativa.(C) passiva, passiva e ativa.(D) ativa, ativa e passiva.(E) ativa, passiva e ativa.Recebeu anticorpos=passiva, recebeu antígeno (vacina)=ativa produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  61. 61. Hospital regional de Santa Maria/DF- Enfermeiro do trabalho - 200923- Um dos objetivos das vacinas de interesse ocupacional é proteger ostrabalhadores de doenças relacionadas diretamente às suas atividades e aoambiente de trabalho. Acerca das vacinas, assinale a opção correta.(A) A vacina tríplice viral imuniza o trabalhador contra o tétano.(B) A vacina contra influenza é administrada no período da primavera.(C) Profissionais que trabalham com rede de esgoto e tratamento de águadevem receber, além das demais vacinas, a vacina contra febre tifóide.(D) Para aplicação de vacinas, a via intravenosa é melhor que aintramuscular, devido ao rápido poder de absorção. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  62. 62. Hospital regional de Santa Maria/DF- Enfermeiro do trabalho - 200923- Um dos objetivos das vacinas de interesse ocupacional é proteger ostrabalhadores de doenças relacionadas diretamente às suas atividades e aoambiente de trabalho. Acerca das vacinas, assinale a opção correta.(A) A vacina tríplice viral imuniza o trabalhador contra o tétano.(B) A vacina contra influenza é administrada no período da primavera.(C) Profissionais que trabalham com rede de esgoto e tratamento de águadevem receber, além das demais vacinas, a vacina contra febre tifóide.(D) Para aplicação de vacinas, a via intravenosa é melhor que aintramuscular, devido ao rápido poder de absorção. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  63. 63. Valinhos/SP-Enfermeiro do trabalho – 200824-Ao vacinar um grupo de funcionários contra hepatite B, sendoesta vacina a 3ª dose do esquema, qual orientação estesfuncionários deverão receber?a) comparecer ao ambulatório para coleta de sangue para realizaçãodo exame laboratorial (anti-HBs) após 30 dias da 3ª dose.b) Comparecer ao ambulatório para coleta de sangue para realizaçãode exame laboratorial (anti-hbs) após 90 dias da 3ª dose.c) Na vacinação contra hepatite B não há necessidade de realizaçãodeste exame.d) Comparecer ao ambulatório para coleta de sangue para realizaçãode exame laboratorial (HbsAg) após 60 dias da 3ª dose. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  64. 64. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  65. 65. Valinhos/SP-Enfermeiro do trabalho – 200824-Ao vacinar um grupo de funcionários contra hepatite B, sendoesta vacina a 3ª dose do esquema, qual orientação estesfuncionários deverão receber?a) comparecer ao ambulatório para coleta de sangue pararealização do exame laboratorial (anti-HBs) após 30 dias da 3ªdose.b) Comparecer ao ambulatório para coleta de sangue para realizaçãode exame laboratorial (anti-hbs) após 90 dias da 3ª dose.c) Na vacinação contra hepatite B não há necessidade de realizaçãodeste exame.d) Comparecer ao ambulatório para coleta de sangue para realizaçãode exame laboratorial (HbsAg) após 60 dias da 3ª dose. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  66. 66. 25. Um trabalhador, com histórico de hipersensibilidade quando dautilização de soro heterólogo anti-rábico, necessita ser imunizadocontra o tétano. Nesta condição clínica, o Programa Nacional deImunizações indica a aplicação da: (Metrô-SP 2005)(A) vacina antitetânica com esquema normal.(B) vacina dupla tipo adulto com esquema normal.(C) vacina antitetânica fracionada semanal.(D) imunoglobulina humana antitetânica.(E) soro antitetânico fracionado semanal. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  67. 67. 25. Um trabalhador, com histórico de hipersensibilidade quando dautilização de soro heterólogo anti-rábico, necessita ser imunizadocontra o tétano. Nesta condição clínica, o Programa Nacional deImunizações indica a aplicação da: (Metrô-SP 2005)(A) vacina antitetânica com esquema normal.(B) vacina dupla tipo adulto com esquema normal.(C) vacina antitetânica fracionada semanal.(D) imunoglobulina humana antitetânica.(E) soro antitetânico fracionado semanal. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  68. 68. ENADE-Enfermagem-201026-O programa de controle médico de saúde ocupacional (PCMSO) é umadiretriz para orientar o empresariado no estabelecimento de um plano desaúde ocupacional para o trabalhador. Em muitas atividades, há risco aumentado de aquisição e de transmissãode doenças infecciosas no ambiente de trabalho. É importante a educaçãoem relação ao emprego correto das técnicas de proteção individual, assimcom a indicação correta das técnicas de proteção individual, assim como aindicação correta da vacinação adequada, preferencialmente ao ingressodo profissional em sua atividade. BALLALAI,I;MIGOWSKI,E. Imunização e prevenção nas empresas: um guiade orientação para a saúde dos negócios e do trabalhador. Rio deJaneiro,2006.São vacinas recomendadas para todos os profissionais de saúde pelocalendário de vacinação ocupacional da Sociedade Brasileira deimunizações: produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  69. 69. a) Pneumocóccica, menigocócica C conjugada e tríplice viral.b) Tríplice viral, Hepatite A e B, Cólera (oral).c) Febre amarela, meningocócica C conjugada, difteria, coqueluche e tétano.d) Hepatite A e B, meningocócica C conjugada e tríplice viral.e) Raiva, meningocócica C conjugada e tríplice viral. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  70. 70. a) Pneumocóccica, menigocócica C conjugada e tríplice viral.b) Tríplice viral, Hepatite A e B, Cólera (oral).c) Febre amarela, meningocócica C conjugada, difteria, coqueluche e tétano.d) Hepatite A e B, meningocócica C conjugada e tríplice viral.e) Raiva, meningocócica C conjugada e tríplice viral. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  71. 71. 27. No Programa Nacional de Controle da Tuberculose constaI. vontade/decisão política;II. acesso aos exames laboratoriais (rede de laboratórios disponíveis);III. garantia de medicamentos;IV. sistema de informações, registro ágil e normas atualizadas.As diretrizes referentes a DOTS (Directly Observed TreatmentStrategy) estão descritas em: (Metrô-SP 2005)(A) IV, apenas.(B) I, II, III e IV.(C) II, III, IV, apenas.(D) I, apenas.(E) III, apenas. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  72. 72. 27. No Programa Nacional de Controle da Tuberculose constaI. vontade/decisão política;II. acesso aos exames laboratoriais (rede de laboratórios disponíveis);III. garantia de medicamentos;IV. sistema de informações, registro ágil e normas atualizadas.As diretrizes referentes a DOTS (Directly Observed TreatmentStrategy) estão descritas em: (Metrô-SP 2005)(A) IV, apenas.(B) I, II, III e IV.(C) II, III, IV, apenas.(D) I, apenas.(E) III, apenas. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  73. 73. 28-Um usuário com alto risco de tuberculose necessita ser orientadopela enfermagem sobre o procedimento da coleta de escarro parabaciloscopia. Uma dessas orientações é:(Gov.Bahia 2010)(A)coletar um volume de escarro compreendido entre 5 a 10 mL.(B) evitar a coleta no período da manhã, ao despertar.(C) coletar o escarro obtida da faringe ou por aspiração de secreçõesnasais.(D) coletar amostra de saliva, e de secreções da árvore brônquica eda faringe.(E) manter exposto a luz solar, por 1 hora, o frasco com a secreçãocoletada, antes de entregá-lo no recurso de saúde produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  74. 74. 28-Um usuário com alto risco de tuberculose necessita ser orientadopela enfermagem sobre o procedimento da coleta de escarro parabaciloscopia. Uma dessas orientações é:(Gov.Bahia 2010)(A)coletar um volume de escarro compreendido entre 5 a 10 mL.(B) evitar a coleta no período da manhã, ao despertar.(C) coletar o escarro obtida da faringe ou por aspiração de secreçõesnasais.(D) coletar amostra de saliva, e de secreções da árvore brônquica eda faringe.(E) manter exposto a luz solar, por 1 hora, o frasco com a secreçãocoletada, antes de entregá-lo no recurso de saúde produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  75. 75. 29-Numa determinada empresa você identificou numa campanha de busca ativade tuberculose uma pessoa com resultado de baciloscopia de escarro positiva .Sua conduta deve ser, além de providenciar o início imediato do tratamento dopaciente, (TJ PE 2007)(A) recomendar isolamento respiratório do doente no domicílio até a negativaçãodo exame e pedir cultura de escarro dos contatos domiciliares que tenhamsintomatologia associada a tuberculose ou a Aids.(B) pedir radiografia de tórax dos adultos que moram com o doente e iniciarquimioprofilaxia para as crianças abaixo de 7 anos independente do estadovacinal.(C) aplicar teste tuberculínico nas pessoas que dividem ambiente de trabalho como doente e realizar vacina BCG id nos comunicantes domiciliares do caso.(D) pedir teste HIV do doente, caso o mesmo tenha apresentado perda de pesosignificativa e vacinar com BCG id as crianças que apresentem teste tuberculínicomaior que 10 mm.(E) notificar o caso à autoridade sanitária e orientar a realização do exame deescarro aos contatos domiciliares que apresentem tosse há mais de 3 semanas. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  76. 76. 29-Numa determinada empresa você identificou numa campanha de busca ativade tuberculose uma pessoa com resultado de baciloscopia de escarro positiva .Sua conduta deve ser, além de providenciar o início imediato do tratamento dopaciente, (TJ PE 2007)(A) recomendar isolamento respiratório do doente no domicílio até a negativaçãodo exame e pedir cultura de escarro dos contatos domiciliares que tenhamsintomatologia associada a tuberculose ou a Aids.(B) pedir radiografia de tórax dos adultos que moram com o doente e iniciarquimioprofilaxia para as crianças abaixo de 7 anos independente do estadovacinal.(C) aplicar teste tuberculínico nas pessoas que dividem ambiente de trabalho como doente e realizar vacina BCG id nos comunicantes domiciliares do caso.(D) pedir teste HIV do doente, caso o mesmo tenha apresentado perda de pesosignificativa e vacinar com BCG id as crianças que apresentem teste tuberculínicomaior que 10 mm.(E) notificar o caso à autoridade sanitária e orientar a realização do exame deescarro aos contatos domiciliares que apresentem tosse há mais de 3 semanas. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  77. 77. 30-Atualmente a tuberculose vem despontando com dados preocupantes no Brasil e nomundo. Dados da Organização Mundial de Saúde mostram que cerca de 8 milhões de casosnovos e 3 milhões de mortes ocorrem em todo o mundo. Dentre os fatores que favorecema proliferação da doença encontram-se:(TRE PB 2007)I. o aparecimento de bacilos resistentes, falta de supervisão diária da ingestão dosmedicamentos pelos profissionais das Unidades Básicas de Saúde.II. a alta densidade demográfica e ocupação urbana desordenada, nos grandes centros,baixa imunidade decorrente das más condições de vida.III. o surgimento da AIDS, precárias condições de moradia e alimentação nas aglomeraçõesdas comunidades carentes.IV. a falta de vagas hospitalares para a internação dos pacientes diagnosticados ou comsuspeita da doença, surgimento da AIDS.Está correto o que se afirma APENAS em(A) I e II.(B) II e III.(C) III e IV.(D) I, II e III.(E) I, III e IV. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  78. 78. 30-Atualmente a tuberculose vem despontando com dados preocupantes no Brasil e nomundo. Dados da Organização Mundial de Saúde mostram que cerca de 8 milhões de casosnovos e 3 milhões de mortes ocorrem em todo o mundo. Dentre os fatores que favorecema proliferação da doença encontram-se:(TRE PB 2007)I. o aparecimento de bacilos resistentes, falta de supervisão diária da ingestão dosmedicamentos pelos profissionais das Unidades Básicas de Saúde.II. a alta densidade demográfica e ocupação urbana desordenada, nos grandes centros,baixa imunidade decorrente das más condições de vida.III. o surgimento da AIDS, precárias condições de moradia e alimentação nas aglomeraçõesdas comunidades carentes.IV. a falta de vagas hospitalares para a internação dos pacientes diagnosticados ou comsuspeita da doença, surgimento da AIDS.Está correto o que se afirma APENAS em(A) I e II.(B) II e III.(C) III e IV.(D) I, II e III.(E) I, III e IV. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  79. 79. • Esquema I – Básico – Indicado para Casos novos e retratamentos – Pacientes Adolescentes e Adultos.• – 1º Fase: 2 meses de Rifampicina, Pirazinamida Isoniazida e Etambutol• – 2º Fase: 4 meses de Rifampicina e Isoniazina.• 2RHZE/4RH• Esquema I – Básico – Indicado para Casos Novos e Retratamentos – Crianças Menores de 10 anos.• – 1º Fase – 2 meses de Rifampicina, Pirazinamida Isoniazida.• – 2º Fase – 4 meses de Rifampicina e Isoniazina.• 2RHZ/4RH produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  80. 80. • Esquema II – Tuberculose Meningoencefalica – Pacientes Adolescentes e Adultos.• – 1º Fase – 2 meses de Rifampicina, Pirazinamida Isoniazida e Etambutol.• – 2º Fase – 7 meses de Rifampicina e Isoniazina.• 2RHZE/7RH• Esquema II – Tuberculose Meningoencefalica – Crianças Menores de 10 anos.• – 1º Fase – 2 meses de Rifampicina, Pirazinamida Isoniazida.• – 2º Fase – 7 meses de Rifampicina e Isoniazina.• 2RHZ/7RH• Estão abolidos os esquemas IR Ismael Costa produzido por e III ismac@globo.com
  81. 81. 31-O Brasil, desde 1985, vem reestruturando suas ações de saúde voltadas àeliminação da hanseníase no país. Várias doenças podem parecer com ahanseníase e exigem seguras diferenciações. Considera-se um caso de hanseníasequando uma pessoa apresenta lesões da pele:(TRE PB 2007)(A) com alteração de sensibilidade, acometimento de nervos com ou semespessamento neural, baciloscopia positiva.(B) com ou sem alteração de sensibilidade, acometimento de nervos comespessamento neural, baciloscopia positiva.(C) com alteração de sensibilidade, acometimento de nervos com espessamentoneural, baciloscopia positiva.(D) sem alteração de sensibilidade, acometimento de nervos com ou semespessamento neural, baciloscopia negativa.(E) sem alteração de sensibilidade, acometimento de nervos com espessamentoneural, baciloscopia positiva ou negativa. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  82. 82. 31-O Brasil, desde 1985, vem reestruturando suas ações de saúde voltadas àeliminação da hanseníase no país. Várias doenças podem parecer com ahanseníase e exigem seguras diferenciações. Considera-se um caso de hanseníasequando uma pessoa apresenta lesões da pele:(TRE PB 2007)(A) com alteração de sensibilidade, acometimento de nervos com ou semespessamento neural, baciloscopia positiva.(B) com ou sem alteração de sensibilidade, acometimento de nervos comespessamento neural, baciloscopia positiva.(C) com alteração de sensibilidade, acometimento de nervos com espessamentoneural, baciloscopia positiva.(D) sem alteração de sensibilidade, acometimento de nervos com ou semespessamento neural, baciloscopia negativa.(E) sem alteração de sensibilidade, acometimento de nervos com espessamentoneural, baciloscopia positiva ou negativa. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  83. 83. 32-A fonte de infecção e manutenção da cadeia epidemiológica dahanseníase está relacionada às pessoas que constituem oscasos:(TRF 4º reg 2010)(A) de reatividade positiva.(B) positivos ao teste de Vidigal.(C) pluricelulares.(D) multibacilares.(E) paucibacilares. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  84. 84. 32-A fonte de infecção e manutenção da cadeia epidemiológica dahanseníase está relacionada às pessoas que constituem oscasos:(TRF 4º reg 2010)(A) de reatividade positiva.(B) positivos ao teste de Vidigal.(C) pluricelulares.(D) multibacilares.(E) paucibacilares. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  85. 85. Classificação operacional para fins detratamento quimioterápico. Paucibacilar (PB): casos com até cinco lesões de pele. Formas: Indeterminada e Tuberculoide – Não contagiosa Multibacilar (MB): casos com mais de cinco lesões de pele. Formas: Dimorfa e Virchowiana - Contagiosa • ATENÇÃO (ANOTAR!) : CASOS COM BAAR + , MESMO COM MENOS DE 5 LESÕES SÃO CONSIDERADOS MULTIBACILARES! produzido por Ismael Costa ismac@globo.comSAÚDE PÚBLICA, ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMEGM, SUS
  86. 86. Esquemas Paucibacilar (PB) Multibacilar (MB) Mais de 5 lesões de pele, ou com Até 5 lesões de pele baciloscopia positiva. Tratamento Tratamento Rifampicina mensal supervisionada Rifampicina mensal supervisionada (600mg) (600mg) Dapsona* - 1 dose mensal, Dapsona - 1 dose mensal, supervisionada de 100mg. Doses supervisionada de 100mg. Doses diárias auto-administradas de 100 diárias auto-administradas de 100 mg mg Clofazimina - 1 dose mensal *** superviso nada de 300mg, doses diárias auto-administradas de 50 mg. Critério de alta Critério de alta 6 doses em até 9 meses 12 doses em até 18 meses * Também conhecida como Sulfona produzido por Ismael Costa ismac@globo.comSAÚDE PÚBLICA, ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMEGM, SUS
  87. 87. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  88. 88. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  89. 89. 33. As ações de procura de casos de tuberculose estão voltadas paraos grupos de maior probabilidade de apresentar a doença, quaissejam:(TRF 4º reg 2010)(A) pessoas com tosse e expectoração por três semanas.(B) indivíduos com resultado negativo à prova tuberculínica.(C) imunodeprimidos, com linfócito inferior a 3.500 cels/mm3.(D) imunodeprimidos, com nível sérico de CD4 inferior a 1.000cels/mm3.(E) indivíduos infectados pelo HIV, com resultado à provatuberculínica de 3 mm ou mais de endurecimento. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  90. 90. 33. As ações de procura de casos de tuberculose estão voltadas paraos grupos de maior probabilidade de apresentar a doença, quaissejam:(TRF 4º reg 2010)(A) pessoas com tosse e expectoração por três semanas.(SINTOMÁTICO RESPIRATÓRIO)(B) indivíduos com resultado negativo à prova tuberculínica.(C) imunodeprimidos, com linfócito inferior a 3.500 cels/mm3.(D) imunodeprimidos, com nível sérico de CD4 inferior a 1.000cels/mm3.(E) indivíduos infectados pelo HIV, com resultado à provatuberculínica de 3 mm ou mais de endurecimento. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  91. 91. 34- Um dos desafios no controle da tuberculose é impedir que o pacienteabandone o tratamento, levando o bacilo que causa a doença a criar resistênciaaos produtos. Apesar de ter cura e de o Sistema Único de Saúde (SUS) fornecer amedicação contra a doença, a tuberculose acomete 85 mil pessoas a cada ano noBrasil, levando cerca de 6 mil a óbitos. Para isso, o Ministério da Saúde adota umaproposta de intervenção que aumenta a probabilidade de cura dos doentes emfunção da garantia do tratamento assistido, contribuindo para a interrupção datransmissão da doença. A estratégia de controle da tuberculose recomendadainternacionalmente, é: (Câmara dos deputados -2008)(A) fracionar as doses dos medicamentos nos três primeiros meses de tratamento.(B) adotar a aplicação de BCG intramuscular a toda população exposta a doença.(C) investir e incentivar os casos recém diagnosticados e desistir dos faltosos.(D) investir no DOTS – tratamento diretamente supervisionado para a tuberculose.(E) internar todos os casos bacilíferos, tratando todos os comunicantes com oesquema I (um), em 03 (três) meses. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  92. 92. 34- Um dos desafios no controle da tuberculose é impedir que o pacienteabandone o tratamento, levando o bacilo que causa a doença a criar resistênciaaos produtos. Apesar de ter cura e de o Sistema Único de Saúde (SUS) fornecer amedicação contra a doença, a tuberculose acomete 85 mil pessoas a cada ano noBrasil, levando cerca de 6 mil a óbitos. Para isso, o Ministério da Saúde adota umaproposta de intervenção que aumenta a probabilidade de cura dos doentes emfunção da garantia do tratamento assistido, contribuindo para a interrupção datransmissão da doença. A estratégia de controle da tuberculose recomendadainternacionalmente, é: (Câmara dos deputados -2008)(A) fracionar as doses dos medicamentos nos três primeiros meses de tratamento.(B) adotar a aplicação de BCG intramuscular a toda população exposta a doença.(C) investir e incentivar os casos recém diagnosticados e desistir dos faltosos.(D) investir no DOTS – tratamento diretamente supervisionado para atuberculose.(E) internar todos os casos bacilíferos, tratando todos os comunicantes com oesquema I (um), em 03 (três) meses. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  93. 93. 35-Um usuário foi submetido a vários exames laboratoriais porqueapresenta quadro clínico compatível com hepatite. Os resultadosque confirmaram que a hepatite é do tipo C foram:(Gov.Bahia 2010)(A) IgM anti VH reagente e IgG anti VHA negativo.(B) antiHBc total positivo e AgHBe presente.(C) antiHBs negativo e AntiHBc IgM elevado.(D)) anti VHC reagente e PCR positivo.(E) TGO inalterado e TGP alterado produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  94. 94. 35-Um usuário foi submetido a vários exames laboratoriais porqueapresenta quadro clínico compatível com hepatite. Os resultadosque confirmaram que a hepatite é do tipo C foram:(Gov.Bahia 2010)(A) IgM anti VH reagente e IgG anti VHA negativo.(B) antiHBc total positivo e AgHBe presente.(C) antiHBs negativo e AntiHBc IgM elevado.(D)anti VHC reagente e PCR positivo.(E) TGO inalterado e TGP alterado produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  95. 95. 36-A Doença Sexualmente Transmissível (DST) caracterizada porlesão ulcerada, dolorosa e destrutiva, róseo-avermelhada, comcomprometimento ganglionar inguinal supurativo, é: (TCU PB 2006)(A) Monilíase(B) Cancro Mole(C) Hepatite A(D) Condiloma(E) Tricomoníase produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  96. 96. Síndromes clínicas principais TransmissãoSíndrome DST Agente Tipo Curável Sexual Sífilis Treponema Pallidum Bactéria Sim Sim Cancro Mole Haemophilus Ducrey Bactéria Sim Sim Úlceras Herpes genital Herpes simplex 2 (HSV 2) Vírus Sim Não Donovanose Klebsiella Granulomatis Bactéria Sim Sim Linfogranuloma Chlamydia Trachomatis Bactéria Sim Sim Múltiplos - Ex: Vaginose bacteriana Bactéria Não Sim Gardnerella Vaginallis Candida Albicans e Candidíase algumas espécies não- Fungo Não SimCorrimento albicans Gonorréia Neisseria Gonorrhoeae Bactéria Sim Sim Clamídia Chlamydia Trachomatis Bactéria Sim Sim Tricomoníase Trichomonas Vaginallis Protozoário Sim Sim Papilomavirus Hominis Verrugas Condiloma acuminado Vírus Sim Não (HPV) produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  97. 97. 36-A Doença Sexualmente Transmissível (DST) caracterizada porlesão ulcerada, dolorosa e destrutiva, róseo-avermelhada, comcomprometimento ganglionar inguinal supurativo, é: (TCU PB 2006)(A) Monilíase(B) Cancro Mole(C) Hepatite A(D) Condiloma(E) Tricomoníase produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  98. 98. 37-Em relação às características das hepatites virais é correto afirmar que a: (TJ PE2007)(A) A pode ser fulminante em 20% dos casos, tem transmissão fecal oral e períodode incubação de até 90 dias.(B) B tem transmissão percutânea, o doente pode desenvolver um estado deportador crônico e nos casos de icterícia acentuada há colestase associada.(C) C tem transmissão sexual e pelo leite materno, pode ser diagnosticada com apesquisa de anticorpos por testes de ensaio imunoenzimático (Elisa), e osmarcadores anti-VHC estão presentes apenas na fase pré-ictérica.(D) A e C não desenvolvem o estado de portador crônico, impedem a doação desangue, e os anticorpos da classe IgM podem persistir por até 6 meses após ainfecção.(E) B e C podem evoluir para fulminante em 30% dos casos. Ambas têmtransmissão parenteral e podem ser prevenidas com vacinação no primeiro ano devida. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  99. 99. produzido por Ismael Costa ismac@globo.comSAÚDE PÚBLICA, ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMEGM, SUS
  100. 100. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  101. 101. 37-Em relação às características das hepatites virais é correto afirmar que a: (TJ PE2007)(A) A pode ser fulminante em 20% dos casos, tem transmissão fecal oral e períodode incubação de até 90 dias.(B) B tem transmissão percutânea, o doente pode desenvolver um estado deportador crônico e nos casos de icterícia acentuada há colestase associada.(C) C tem transmissão sexual e pelo leite materno, pode ser diagnosticada com apesquisa de anticorpos por testes de ensaio imunoenzimático (Elisa), e osmarcadores anti-VHC estão presentes apenas na fase pré-ictérica.(D) A e C não desenvolvem o estado de portador crônico, impedem a doação desangue, e os anticorpos da classe IgM podem persistir por até 6 meses após ainfecção.(E) B e C podem evoluir para fulminante em 30% dos casos. Ambas têmtransmissão parenteral e podem ser prevenidas com vacinação no primeiro ano devida. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  102. 102. 38-Existem duas formas de dengue: a clássica e a hemorrágica. A dengue clássica:(TJ PE 2007)(A) e a hemorrágica podem levar a pessoa à morte. De acordo com estatísticas doMinistério da Saúde, cerca de 35% das pessoas com dengue hemorrágica morrem.O objetivo do Ministério da Saúde é que esse número seja reduzido a menos de5%.(B) e a hemorrágica são causadas pelo mesmo vírus. Porém, a clássica pelossorotipos DEN-1, DEN-2 e a hemorrágica pelos DEN-3 e DEN-4. A infecção por umdeles confere proteção permanente para o outro sorotipo.(C) apresenta os mesmos sintomas da hemorrágica com exceção da presença desangramento pelo nariz, boca e gengivas freqüentes na dengue hemorrágica.(D) apresenta-se geralmente com febre, dor de cabeça, no corpo, nas articulaçõese por trás dos olhos. A dengue hemorrágica é a forma mais severa da doença,além dos sintomas citados, é possível ocorrer sangramento e ocasionalmentechoque.(E) diferencia-se da hemorragia pela forma de transmissão e pela gravidade doquadro ocasionada pela menor virulência do agente etiológico. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  103. 103. 38-Existem duas formas de dengue: a clássica e a hemorrágica. A dengue clássica:(TJ PE 2007)(A) e a hemorrágica podem levar a pessoa à morte. De acordo com estatísticas doMinistério da Saúde, cerca de 35% das pessoas com dengue hemorrágica morrem.O objetivo do Ministério da Saúde é que esse número seja reduzido a menos de5%.(B) e a hemorrágica são causadas pelo mesmo vírus. Porém, a clássica pelossorotipos DEN-1, DEN-2 e a hemorrágica pelos DEN-3 e DEN-4. A infecção por umdeles confere proteção permanente para o outro sorotipo.(C) apresenta os mesmos sintomas da hemorrágica com exceção da presença desangramento pelo nariz, boca e gengivas freqüentes na dengue hemorrágica.(D) apresenta-se geralmente com febre, dor de cabeça, no corpo, nasarticulações e por trás dos olhos. A dengue hemorrágica é a forma mais severada doença, além dos sintomas citados, é possível ocorrer sangramento eocasionalmente choque.(E) diferencia-se da hemorragia pela forma de transmissão e pela gravidade doquadro ocasionada pela menor virulência do agente etiológico. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  104. 104. 39-Um paciente com diagnóstico de dengue deve ser orientado aretornar imediatamente ao serviço de saúde, por piora do quadro dadengue, se apresentar: (TRE PB 2007)(A) cefaléia e prostração.(B) artralgia e febre.(C) exantema e mialgia.(D) dor abdominal intensa e contínua e vômitos persistentes.(E) mal estar e dor retro-orbitária. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  105. 105. Sinais de alarme • dor abdominal intensa e continua; • vômito persistente; • hipotensão postural ou Lipotímia; • pressão diferenciada <20mmHg (PA convergente); • hepatomegalia dolorosa; • hemorragia importantes (hematêmese e/ou melena); • agitação e/ou letargia; • diminuição da diurese; • diminuição repentina da temperatura corpórea ou hipotermia; • aumento repentino do hematócrito; • desconforto respiratório. produzido por Ismael Costa ismac@globo.comSAÚDE PÚBLICA, ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMEGM, SUS
  106. 106. Sinais de choque • hipotensão arterial; • pressão arterial convergente (PA diferencial < 20 mmhg); • extremidades frias, cianose; • pulso rápido e fino; • enchimento capilar lento ( > 2 segundos). produzido por Ismael Costa ismac@globo.comSAÚDE PÚBLICA, ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMEGM, SUS
  107. 107. 39-Um paciente com diagnóstico de dengue deve ser orientado aretornar imediatamente ao serviço de saúde, por piora do quadro dadengue, se apresentar: (TRE PB 2007)(A) cefaléia e prostração.(B) artralgia e febre.(C) exantema e mialgia.(D) dor abdominal intensa e contínua e vômitos persistentes.(E) mal estar e dor retro-orbitária. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  108. 108. 40-Quanto à transmissão vertical do HIV é correto afirmar que: (TREPB 2007)(A) ocorre entre 60 a 80% das gestações quando a mãe estáinfectada.(B) é menos freqüente entre gestantes assintomáticas do que entreaquelas que apresentam os sintomas da doença.(C) a contaminação da criança ocorre, principalmente, no momentodo parto.(D) é prevenida por meio de administração de imunoglobulina àcriança logo após o nascimento.(E) nos casos de pai e mãe infectados, o risco de contaminação dacriança é cerca de duas vezes maior. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  109. 109. 40-Quanto à transmissão vertical do HIV é correto afirmar que: (TREPB 2007)(A) ocorre entre 60 a 80% das gestações quando a mãe estáinfectada.(B) é menos freqüente entre gestantes assintomáticas do que entreaquelas que apresentam os sintomas da doença.(C) a contaminação da criança ocorre, principalmente, no momentodo parto.(D) é prevenida por meio de administração de imunoglobulina àcriança logo após o nascimento.(E) nos casos de pai e mãe infectados, o risco de contaminação dacriança é cerca de duas vezes maior. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  110. 110. 41-Uma das formas de transmissão vertical da AIDS é: (TRF 4º reg2001)(A) pai soropositivo, mãe soronegativa e filho soronegativo.(B) mãe soropositiva passa o vírus para o filho pelo aleitamentomaterno.(C) pai e mãe soronegativos e filho soropositivo.(D) contaminação por material perfurocortante.(E) pais e filhos contaminados por transfusão sangüínea. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  111. 111. 41-Uma das formas de transmissão vertical da AIDS é: (TRF 4º reg2001)(A) pai soropositivo, mãe soronegativa e filho soronegativo.(B) mãe soropositiva passa o vírus para o filho pelo aleitamentomaterno.(C) pai e mãe soronegativos e filho soropositivo.(D) contaminação por material perfurocortante.(E) pais e filhos contaminados por transfusão sangüínea. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  112. 112. 42-O papiloma vírus humano:(TRT 3º reg 2009)(A) é uma doença sexualmente transmissível e todos os tipos devírus possibilitam o surgimento do câncer de colo de útero.(B) transmite-se por contato, direto ou indireto, com a pele infectadapor meio de relações sexuais, podendo causar lesões na vagina,pênis e ânus.(C) é fator impeditivo para a realização de parto normal, com anecessidade de programação do parto cesárea.(D) pode ser tratado cirurgicamente com laser ou via tópica,dependendo do tipo de lesão.(E) é passível de imunização em qualquer faixa etária,independentemente de idade, sexo ou atividade sexual. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  113. 113. 42-O papiloma vírus humano:(TRT 3º reg 2009)(A) é uma doença sexualmente transmissível e todos os tipos devírus possibilitam o surgimento do câncer de colo de útero.(B) transmite-se por contato, direto ou indireto, com a pele infectadapor meio de relações sexuais, podendo causar lesões na vagina,pênis e ânus.(C) é fator impeditivo para a realização de parto normal, com anecessidade de programação do parto cesárea.(D) pode ser tratado cirurgicamente com laser ou via tópica,dependendo do tipo de lesão.(E) é passível de imunização em qualquer faixa etária,independentemente de idade, sexo ou atividade sexual. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  114. 114. Itá/SC-201143-A infecção pelo HIV pode ser dividida em quatro fases clínicas: infecção aguda, faseassintomática, fase sintomática inicial e AIDS. Sendo assim , analise os itens abaixo:I-A infecção aguda ocorre em cerca de 50 a 90% dos pacientes. O tempo de exposição e ossintomas são de 5 a 30 dias. As manifestações podem variar desde um quadro gripal atéuma síndrome , que se assemelha a uma mononucleose.II-Na fase assintomática o estado clínico básico é mínimo ou inexistente, a valiação da cargaviral e TCD4+ devem ser realizadas,idealmente, a cada seis meses, pelo serviçoespecializado.III- Na fase sintomática inicial, o portador do HIV pode apresentar sinais e sintomasinespecíficos como: sudorese noturna, fadiga , emagrecimento, cefaléia e astenia.IV-Uma vez instalada a AIDS, as pessoas portadoras do HIV, apresentam sinais e sintomasde processos oportunistas, representados principalmente por doenças como pneumonias emeningites, tumores e linfomas e alterações neurológicas induzidas pelo HIV.Podemos afirmar que estão corrtetos os itens:a) I, III e IV.b) II e III.c) II, III e IV.d) I, II, III e IVe) I e IV produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  115. 115. Itá/SC-201143-A infecção pelo HIV pode ser dividida em quatro fases clínicas: infecção aguda, faseassintomática, fase sintomática inicial e AIDS. Sendo assim , analise os itens abaixo:I-A infecção aguda ocorre em cerca de 50 a 90% dos pacientes. O tempo de exposição e ossintomas são de 5 a 30 dias. As manifestações podem variar desde um quadro gripal atéuma síndrome , que se assemelha a uma mononucleose.II-Na fase assintomática o estado clínico básico é mínimo ou inexistente, a valiação da cargaviral e TCD4+ devem ser realizadas,idealmente, a cada seis meses, pelo serviçoespecializado.III- Na fase sintomática inicial, o portador do HIV pode apresentar sinais e sintomasinespecíficos como: sudorese noturna, fadiga , emagrecimento, cefaléia e astenia.IV-Uma vez instalada a AIDS, as pessoas portadoras do HIV, apresentam sinais e sintomasde processos oportunistas, representados principalmente por doenças como pneumonias emeningites, tumores e linfomas e alterações neurológicas induzidas pelo HIV.Podemos afirmar que estão corrtetos os itens:a) I, III e IV.b) II e III.c) II, III e IV.d) I, II, III e IVe) I e IV produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  116. 116. 44-O Ministério da Saúde preconiza a implementação dequimioprofilaxia dos contatos íntimos, nos seguintes tipos demeningites: (HUAP-2009)(A) virais e por pseudomonas.(B) meningocócica e tuberculosa.(C) meningocócica e por haemophillus.(D) por estafilococos e estreptococos.(E) meningocócica e por salmonella. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  117. 117. 44-O Ministério da Saúde preconiza a implementação dequimioprofilaxia dos contatos íntimos, nos seguintes tipos demeningites: (HUAP-2009)(A) virais e por pseudomonas.(B) meningocócica e tuberculosa.(C) meningocócica e por haemophillus.(D) por estafilococos e estreptococos.(E) meningocócica e por salmonella. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  118. 118. 45. Em relação à biossegurança no controle da transmissão detuberculose multiresistente, uma das medidas de proteçãorespiratória é o uso de máscara: (TJ PE -2007)(A) N95 para profissionais de saúde e cirúrgica para pacientesconfirmados e suspeitos.(B) cirúrgica para pacientes suspeitos e para profissionais de saúde.(C) cirúrgica para profissionais de saúde e N95 para pacientesconfirmados.(D) N95 para profissionais de saúde e para pacientes confirmados esuspeitos.(E) cirúrgica para pacientes confirmados e para profissionais desaúde. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  119. 119. 45. Em relação à biossegurança no controle da transmissão detuberculose multiresistente, uma das medidas de proteçãorespiratória é o uso de máscara: (TJ PE -2007)(A) N95 para profissionais de saúde e cirúrgica para pacientesconfirmados e suspeitos.(B) cirúrgica para pacientes suspeitos e para profissionais de saúde.(C) cirúrgica para profissionais de saúde e N95 para pacientesconfirmados.(D) N95 para profissionais de saúde e para pacientes confirmados esuspeitos.(E) cirúrgica para pacientes confirmados e para profissionais desaúde. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  120. 120. 46-A quimioprofilaxia indicada para os contatos íntimos de casos de doençameningocócica é:A) a droga de escolha é a rifampicina, na dose 2.400mg, divididas em 4 tomadas,VO, de 12/12 horas, para adultos. Em crianças de 1 mês até 12 anos, devem seradministrados 10mg/kg/dose em 4 tomadas, com intervalos de 12/12 horas,sendo a dose máxima de 600mg. Para recém-nascidos, usar 5mg/kg/dose de12/12 horas, em 4 tomadasB) a droga de escolha é a tetraciclina, na dose 500mg, VO, de 6/6 horas, paraadultos. Em crianças de 5 até 12 anos, devem ser administrados 5mg/kg/dose em4 tomadas, com intervalos de 6/6 horas, sendo a dose máxima de 1000mg. Paracrianças menores que 5 anos, usar 5mg/ kg/dose de 6/6 horas, em 4 tomadasC) a droga de escolha é a penicilina benzatina, na dose 1.200.000 U, IM, doseúnica, para adultos. Em crianças de até 27 Kg:, injeção IM em dose única de300.000 a 600.000 U. Para crianças acima de 27Kg, dose única IM de 900.000 UD) a droga de escolha é a penicilina benzatina, na dose 1.200.000 U, IM, 3 diasconsecutivos, para adultos. Em crianças de até 27 Kg:, injeção IM em de 300.000 a600.000 U por 3 dias consecutivos. Para crianças acima de 27 Kg, dose única IM de900.000 U por 3 dias consecutivos. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  121. 121. 46-A quimioprofilaxia indicada para os contatos íntimos de casos de doençameningocócica é:A) a droga de escolha é a rifampicina, na dose 2.400mg, divididas em 4 tomadas,VO, de 12/12 horas, para adultos. Em crianças de 1 mês até 12 anos, devem seradministrados 10mg/kg/dose em 4 tomadas, com intervalos de 12/12 horas,sendo a dose máxima de 600mg. Para recém-nascidos, usar 5mg/kg/dose de12/12 horas, em 4 tomadasB) a droga de escolha é a tetraciclina, na dose 500mg, VO, de 6/6 horas, paraadultos. Em crianças de 5 até 12 anos, devem ser administrados 5mg/kg/dose em4 tomadas, com intervalos de 6/6 horas, sendo a dose máxima de 1000mg. Paracrianças menores que 5 anos, usar 5mg/ kg/dose de 6/6 horas, em 4 tomadasC) a droga de escolha é a penicilina benzatina, na dose 1.200.000 U, IM, doseúnica, para adultos. Em crianças de até 27 Kg:, injeção IM em dose única de300.000 a 600.000 U. Para crianças acima de 27Kg, dose única IM de 900.000 UD) a droga de escolha é a penicilina benzatina, na dose 1.200.000 U, IM, 3 diasconsecutivos, para adultos. Em crianças de até 27 Kg:, injeção IM em de 300.000 a600.000 U por 3 dias consecutivos. Para crianças acima de 27 Kg, dose única IM de900.000 U por 3 dias consecutivos. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  122. 122. FHEMIG 200947-Segundo a Organização Mundial de Saúde a tuberculose (TB) persiste como umapreocupação sanitária internacional. E o Brasil, juntamente com outros 21 países emdesenvolvimento, retrata 80% dos casos mundiais da doença. Dessa forma, o controle da TBé fundamental para se alcançar um nível de excelência em saúde pública no nosso País.Considerando a situação acima descrita e baseando-se nas orientações do Ministério daSaúde, analise as seguintes afirmativas e assinale com V as verdadeiras e com F as falsas.( ) A transmissão da TB ocorre quando gotículas contendo os bacilos expelidos por umdoente com TB pulmonar ao tossir, espirrar ou falar em voz alta são inaladas por pessoassadias.( ) A propagação da TB está intimamente ligada às condições de vida da população, tende aproliferar em áreas de grande concentração humana, com precários serviços deinfraestrutura urbana, como saneamento e habitação, onde coexistem a fome e a miséria.( ) A hospitalização para o tratamento de TB não é recomendada como protocolo a não serem casos especiais como, por exemplo, complicações graves ou intolerânciamedicamentosa.( ) A vacina BCG é prioritariamente indicada para as crianças de zero a 10 anos de idade,sendo obrigatória para menores de um ano.Assinale a alternativa que apresenta a sequência de letras CORRETA.A) (V) (V) (F) (F)B) (F) (F) (F) (V)C) (V) (V) (V) (F)D) (F) (F) (V) (V produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  123. 123. FHEMIG 200947-Segundo a Organização Mundial de Saúde a tuberculose (TB) persiste como umapreocupação sanitária internacional. E o Brasil, juntamente com outros 21 países emdesenvolvimento, retrata 80% dos casos mundiais da doença. Dessa forma, o controle da TBé fundamental para se alcançar um nível de excelência em saúde pública no nosso País.Considerando a situação acima descrita e baseando-se nas orientações do Ministério daSaúde, analise as seguintes afirmativas e assinale com V as verdadeiras e com F as falsas.( ) A transmissão da TB ocorre quando gotículas contendo os bacilos expelidos por umdoente com TB pulmonar ao tossir, espirrar ou falar em voz alta são inaladas por pessoassadias.( ) A propagação da TB está intimamente ligada às condições de vida da população, tende aproliferar em áreas de grande concentração humana, com precários serviços deinfraestrutura urbana, como saneamento e habitação, onde coexistem a fome e a miséria.( ) A hospitalização para o tratamento de TB não é recomendada como protocolo a não serem casos especiais como, por exemplo, complicações graves ou intolerânciamedicamentosa.( ) A vacina BCG é prioritariamente indicada para as crianças de zero a 10 anos de idade,sendo obrigatória para menores de um ano.Assinale a alternativa que apresenta a sequência de letras CORRETA.A) (V) (V) (F) (F)B) (F) (F) (F) (V)C) (V) (V) (V) (F)D) (F) (F) (V) (V produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  124. 124. 48. Considere o modo de transmissão de doenças para o homem:I. Leptospirose: contato com a urina de ratos infectados.II. Febre tifóide: ingestão de água e alimentos contaminados comfezes contendo Salmonella typhi.III. Febre amarela: picada pelo vetor Aedes aegypti.Está correto o que consta em(A) I, apenas.(B) I, II e III.(C) II, apenas.(D) III, apenas.(E) I e III, apenas. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  125. 125. 48. Considere o modo de transmissão de doenças para o homem:I. Leptospirose: contato com a urina de ratos infectados.II. Febre tifóide: ingestão de água e alimentos contaminados comfezes contendo Salmonella typhi.III. Febre amarela (URBANA): picada pelo vetor Aedes aegypti.Está correto o que consta em(A) I, apenas.(B) I, II e III.(C) II, apenas.(D) III, apenas.(E) I e III, apenas. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  126. 126. 49. Realizou-se teste de Mitsuda em uma família de pai hansenianoforma Virchowiana. Na leitura do teste verificou-se reaçãofortemente positiva na esposa e reação negativa nos dois filhos.Baseando-se nestes dados, pode-se afirmar que(A) toda família apresenta suscetibilidade para a formaindeterminada.(B) a esposa apresenta a doença na forma Virchowiana.(C) os filhos poderão desenvolver a doença da forma Virchowiana.(D) os filhos possuem imunidade contra a doença.(E) a esposa está desenvolvendo a doença na forma dimorfa. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  127. 127. 49. Realizou-se teste de Mitsuda em uma família de pai hansenianoforma Virchowiana. Na leitura do teste verificou-se reaçãofortemente positiva na esposa e reação negativa nos dois filhos.Baseando-se nestes dados, pode-se afirmar que(A) toda família apresenta suscetibilidade para a formaindeterminada.(B) a esposa apresenta a doença na forma Virchowiana.(C) os filhos poderão desenvolver a doença da forma Virchowiana.(D) os filhos possuem imunidade contra a doença.(E) a esposa está desenvolvendo a doença na forma dimorfa. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  128. 128. 50. Os exames empregados para detectar Doença de Chagas,tuberculose e hepatite são, respectivamente, (3º TRF 2009)(A) Machado Guerreiro, Pesquisa de BK e HBs Ag.(B) Pesquisa de BK, Machado Guerreiro e VDRL.(C) Pesquisa de BK, VDRL e Machado Guerreiro.(D) Machado Guerreiro, Pesquisa de BK e HTs At.(E) Machado Guerreiro, VDRL e Pesquisa de BK. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  129. 129. 50. Os exames empregados para detectar Doença de Chagas,tuberculose e hepatite são, respectivamente, (3º TRF 2009)(A) Machado Guerreiro, Pesquisa de BK e HBs Ag.(B) Pesquisa de BK, Machado Guerreiro e VDRL.(C) Pesquisa de BK, VDRL e Machado Guerreiro.(D) Machado Guerreiro, Pesquisa de BK e HTs At.(E) Machado Guerreiro, VDRL e Pesquisa de BK. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  130. 130. INTERVALO – 10 MIN
  131. 131. ADMINISTRAÇÃO EMENFERMAGEM produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  132. 132. 1. Existe uma instituição de saúde em que o serviço de enfermagempossui uma estrutura rigidamente hierarquizada e com subordinaçãointegral de um indivíduo a outro, e de um serviço a outro; as pessoase as relações interpessoais não são devidamente consideradas, e aspropostas de trabalho resultam em atividades rotineiras comavaliações exclusivamente quantitativas. Baseando-se nessasinformações, pode-se afirmar que a enfermagem está aplicando ateoria administrativa (Gov Bahia-2010)(A) contingencial.(B) das relações humanas.(C) de liderança.(D) clássica.(E) matricial. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  133. 133. 1. Existe uma instituição de saúde em que o serviço de enfermagempossui uma estrutura rigidamente hierarquizada e comsubordinação integral de um indivíduo a outro, e de um serviço aoutro; as pessoas e as relações interpessoais não são devidamenteconsideradas, e as propostas de trabalho resultam em atividadesrotineiras com avaliações exclusivamente quantitativas. Baseando-senessas informações, pode-se afirmar que a enfermagem estáaplicando a teoria administrativa (Gov Bahia-2010)(A) contingencial.(B) das relações humanas.(C) de liderança.(D) clássica.(E) matricial. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  134. 134. Teoria ênfase autor Observação estudo de tempos e movimentos, científica tarefas taylor padronização de tarefas, homo economicus disciplina hierarquia, unidade de clássica estrutura fayol comando racionalidade, meritocracia, burocrática estrutura weber impessoalidade, regras e normas homem social, liderança, organizaçãorelações humanas pessoas mayo informal motivação humana, homem comportamental pessoas + estrutura vários administrativo, teoria das decisões estruturalista pessoas + estrutura vários homem organizacional dos sistemas ambiente bertalanfy homem funcional, conceito de sistema conceito de contingência, variáveis contingencial ambiente vários dependentes e independentes produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  135. 135. 1. Existe uma instituição de saúde em que o serviço de enfermagempossui uma estrutura rigidamente hierarquizada e comsubordinação integral de um indivíduo a outro, e de um serviço aoutro; as pessoas e as relações interpessoais não são devidamenteconsideradas, e as propostas de trabalho resultam em atividadesrotineiras com avaliações exclusivamente quantitativas. Baseando-senessas informações, pode-se afirmar que a enfermagem estáaplicando a teoria administrativa (Gov Bahia-2010)(A) contingencial.(B) das relações humanas.(C) de liderança.(D) clássica.(E) matricial. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  136. 136. 2. Uma auxiliar de enfermagem está indecisa sobre o que fazer: aenfermeira a orientou para administrar o medicamento com leite,enquanto o enfermeiro supervisor lhe diz que não concorda comesse procedimento, porque os medicamentos à base de ferro devemser administrados acompanhados de uma fonte de vitamina C. Deacordo com Fayol, a indecisão da auxiliar de enfermagem deve-se:(TCU-PB-2006)(A) à falha de comunicação da auxiliar de enfermagem para com ossuperiores.(B) à estrutura matricial do serviço de enfermagem.(C) ao erro na funcionalidade da auxiliar de enfermagem.(D) à dualidade de comando.(E) à eqüidade gerencial entre a auxiliar de enfermagem e osenfermeiros. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  137. 137. 2. Uma auxiliar de enfermagem está indecisa sobre o que fazer: aenfermeira a orientou para administrar o medicamento com leite,enquanto o enfermeiro supervisor lhe diz que não concorda comesse procedimento, porque os medicamentos à base de ferro devemser administrados acompanhados de uma fonte de vitamina C. Deacordo com Fayol, a indecisão da auxiliar de enfermagem deve-se:(TCU-PB-2006)(A) à falha de comunicação da auxiliar de enfermagem para com ossuperiores.(B) à estrutura matricial do serviço de enfermagem.(C) ao erro na funcionalidade da auxiliar de enfermagem.(D) à dualidade de comando.(E) à eqüidade gerencial entre a auxiliar de enfermagem e osenfermeiros. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  138. 138. 3- A Valorização de regras e normas tem influenciado a prática deenfermagem, contribuindo para um estilo administrativohierárquico. O termo que melhor caracteriza esta forma deorganização é:a)Clássicab)Normativac)Humanísticad)Burocráticae)Científica produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  139. 139. 3- A Valorização de regras e normas tem influenciado a prática deenfermagem, contribuindo para um estilo administrativohierárquico. O termo que melhor caracteriza esta forma deorganização é:a)Clássicab)Normativac)Humanísticad)Burocráticae)Científica produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  140. 140. 4-Correlacione os principais representantes de cada escola daadministração às suas respectivas teorias e assinale a opção correta.Teoristas:I-Max Weber ( ) Funções administratrivasII-F.Taylor ( ) Teoria X e YIII-H.Fayol ( ) Administração científicaIV-McGregor ( ) Organização burocrática ( ) Necessidades humanas básicasa) (III) (IV) (II) (I) (-)b) (III) (I) (-) (IV) (II)c) (IV) (III) (I) (II) (-)d) (III) (IV) (I) (II) (-)e) (IV) (III) (-) (II) (I) produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  141. 141. 4-Correlacione os principais representantes de cada escola daadministração às suas respectivas teorias e assinale a opção correta.Teoristas:I-Max Weber ( ) Funções administratrivasII-F.Taylor ( ) Teoria X e YIII-H.Fayol ( ) Administração científicaIV-McGregor ( ) Organização burocrática ( ) Necessidades humanas básicasa) (III) (IV) (II) (I) (-)b) (III) (I) (-) (IV) (II)c) (IV) (III) (I) (II) (-)d) (III) (IV) (I) (II) (-)e) (IV) (III) (-) (II) (I) produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  142. 142. Questão 51. Teoria Científica2. Teoria Clássica3. Teoria das relações humanas4. Teoria burocrática5. Teoria dos sistemas( )Prioriza o bem-estar, a interação, os sentimentos do indivíduo e sua inserção no grupo detrabalho, deixando de lado o rigor das regras e normas compatíveis as teorias anteriores.( )Conceitua o “homem funcional” caracterizado pela importância no que diz respeito aosrelacionamentos interpessoais.( )Enfatizou os princípios da divisão de trabalho, autoridade, responsabilidade, disciplina,unidade decomando, unidade de direção, subordinação do interesse particular pelo interesse geral,remuneração, hierarquia, equidade.( )Preocupa-se com a organização que se estabelece diante de uma adequada estrutura e ofuncionamento compatível com essa estrutura.( )Visa a eficiência administrativa como objetivo básico, com enfoque na racionalização ena adequação dos instrumentos usados nas organizações segundo os resultados almejados. produzido por Ismael Costa ismac@globo.com
  143. 143. Marque a sequência correta:A) 3 4 5 1 3B) 3 5 1 2 4C) 4 1 3 2 2D) 5 3 2 4 1E) 3 5 2 2 4 produzido por Ismael Costa ismac@globo.com

×