Uploaded on

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
301
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4

Actions

Shares
Downloads
7
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. O Blogue do Agrupamento de Escolas Dr. Augusto César Pires de Lima, Canal Interativo da Biblioteca Escolar Isabel Maria Chaves dos Santos Pereira Orientação: Mestre Carla CoelhoMaio, 2011 Projecto Final: Leitura, Aprendizagem e Integração das Bibliotecas nas Actividades Educativas
  • 2. Ao Arlindo, à Rita e ao Diogo,por todo o amor, paciência, apoio ededicação. Com muito amor…2
  • 3. Agradecimentos Ao Arlindo pelo amor, paciência, apoio, ajuda, carinho e dedicação ao longo detodo o curso de Pós Graduação. Não foi um período fácil. Teve de tomar sobre si váriasresponsabilidades que costumavam ser partilhadas. A sua compreensão foi fundamentalpara o desenvolvimento e conclusão deste processo. Nos momentos de dúvida, difíceis,lá esteve a dar-me força e alento! Aos meus filhos Rita e Diogo, pelo tempo que lhes tirei a favor das aulas, doestudo e da investigação, quero agradecer e pedir desculpa. Espero poder compensá-losdas minhas “ausências”. Espero que esta formação nos permita aproximar, fazer sorrir onosso futuro e melhorar a nossa vida… À minha orientadora Mestre Carla Coelho pelo excelente Ser Humano que é,pelo apoio e disponibilidade demonstrada, por ter estado sempre presente desde o inícioà conclusão deste projecto. Os seus ensinamentos foram valiosos. Aos meus professores da Pós Graduação em Leitura, Aprendizagem e Integraçãodas Bibliotecas nas Actividades Educativas, o meu agradecimento pelos conhecimentose pelas experiências transmitidas. Aos colegas de curso com quem partilhei tantos momentos, desejo muita sorte. 3
  • 4. Resumo Este trabalho enquadra-se na modalidade “Projecto” e tem como objectivo criara simulação de uma aplicação pratica para a Biblioteca do Agrupamento de Escolas Dr.Augusto César Pires de Lima, no Porto. Demonstrando a pertinência e a relevância doMarketing para o planeamento de serviços da Biblioteca, nomeadamente através doBlogue da Biblioteca que constituirá um Canal Interativo para promoção dos seusprodutos, serviços e actividades. Pretendo com a elaboração do presente trabalho, construir um projecto práticopara as Bibliotecas do Agrupamento de Escolas Dr. Augusto César Pires de Lima, noPorto e através da criação de um Blogue criar interactividade entre as 4 Bibliotecas doAgrupamento, a Comunidade Educativa em geral. O projecto será dividido em duas partes. Obedecerá a uma estrutura que permitaperceber todo o processo de análise e execução. A primeira parte será o enquadramento teórico. Será feita a caracterização doAgrupamento e das Bibliotecas para o qual o trabalho irá ser concebido e aplicado. Asegunda parte corresponderá à elaboração de um projecto prático. Numa primeiraanálise será feita um Plano Estratégico de Marketing para um serviço e posteriormenteserá feita a operacionalização do Plano de Marketing (PM) através da criação de umBlogue que será Canal Interactivo da Biblioteca. Posteriormente, desenvolvemos asestratégias e as acções definidas para cada uma das variáveis do Marketing-mix. Este projecto pretende demonstrar a importância do PM para o sucesso dasactividades desenvolvidas na Biblioteca. Este estudo permitiu, também, compreender opapel da Biblioteca no processo de ensino aprendizagem dos alunos Tive como base as aprendizagens efetuadas nas disciplinas da pós-graduação emLeitura, Aprendizagem e Integração das Bibliotecas nas Actividades Educativas, emespecial nas disciplinas leccionadas pela orientadora deste trabalho a Mestre CarlaCoelho, nomeadamente “Animação e Promoção das Bibliotecas (Marketing) ”. Serão degrande importância na elaboração do presente trabalho como suporte teórico e técnicoas disciplinas de Planeamento de Bibliotecas (Dr. Miguel Coelho), as disciplinas deGestão: recursos humanos (RH), equipamentos e financiamentos (Dr. Vasco Pinho);Ambientes Digitais Escolares (Dr. Tiago Fernandes). 4
  • 5. Palavras-chave: Biblioteca, Biblioteca Escolar, Marketing, Plano de Marketing, Blogue,Canal Interactivo, Professor Bibliotecário, Web 2.0 5
  • 6. Abstract This work fits in the "Project" and aims to create a simulation of a practicalapplication for the Library of the Group of Schools Dr. Augusto César Pires de Lima,Porto. Demonstrating the relevance and importance of Marketing for the planning ofLibrary services, including through the Librarys blog which will be an interactivechannel for promoting their products, services and activities. I intend with the preparation of this study was to construct a practical project forthe Libraries Group of Schools Dr. Augusto César Pires de Lima, Porto and by creatinga blog to create interactivity between the four libraries of the Consortium, theEducational Community in general . The project will be divided into two parts. Follow a structure that allows torealize the whole process of analysis and execution. The first part is the theoretical framework. There will be grouped andcharacterization of the Libraries for which the work will be developed andimplemented. The second part corresponds to the development of a practical project. Ina first analysis will be a strategic Marketing plan for a service and then will be theoperationalization of the Marketing Plan by creating a blog that will be the channelsinteractive library. Subsequently, we develop strategies and actions defined for eachvariables Marketing-mix. This project aims to demonstrate the importance of the Marketing Plan for thesuccess of activities in the Library. This study also allowed us to understand the role of library in teaching andlearning process of students. I had made based on the learning in the disciplines of graduate school inReading, Learning and Integration of Libraries in Education Activities, especially incourses taught by the teacher and guiding this work Master Carla Coelho, including"Animation and promotion of libraries (Marketing).” Will be of great importance in thepreparation of this work as a theoretical support and technical disciplines of planningLibraries (Dr. Michael Cole), the disciplines of management: human resources,equipment and financing (Dr. Vasco Pinho); Digital Environments School (Dr . TiagoFernandes). 6
  • 7. Key-words: Library, School Library, Marketing, Marketing Plan, Blog, InteractiveChannel, Teacher Librarian, Web 2.0 7
  • 8. Lista de siglasBE – Biblioteca escolarBPMP – Biblioteca Publica Municipal do PortoCMP – Câmara Municipal do PortoCP – Conselho PedagógicoMABE – Modelo de Avaliação das Bibliotecas EscolaresPB – Professor BibliotecárioPM – Plano de MarketingRBE – Rede de Bibliotecas EscolaresRH – Recursos HumanosSWOT – Strenghts, Weaknesses, Opportunities and ThreatsTIC – Tecnologias da Comunicação e da InformaçãoVE – Vida Escolar 8
  • 9. ÍndiceAgradecimentos……………………………………………………………………………………………………………………….3Resumo ............................................................................................................................. 4Abstract ............................................................................................................................ 6Lista de siglas .................................................................................................................... 8Índice de Ilustrações ....................................................................................................... 11Introdução ............................................................................................................. 12Parte I – Enquadramento do Caso de Estudo ........................................................... 141. Agrupamento de Escolas Dr. Augusto César. Pires de Lima ....................................... 14 1.1. Caracterização Física do Agrupamento ............................................................... 15 1.2. Caracterização dos Alunos do Agrupamento ...................................................... 15 1.3. Caracterização do Corpo Docente ....................................................................... 16 1.4. Caracterização dos Pais e Encarregados de Educação ........................................ 172. A Biblioteca e a Vida Social e Escolar ......................................................................... 183. Plano de Dinamização da Biblioteca Escolar .............................................................. 224. A importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Atualidade ......... 235. O Novo Papel das Bibliotecas Escolares ..................................................................... 256. Web e Bibliotecas 2.0 ................................................................................................. 257. As Bibliotecas Escolares 2.0 ........................................................................................ 27Parte II - Plano de Marketing do Blogue das Bibliotecas do Agrupamento Dr. AugustoCésar Pires de Lima................................................................................................. 288. Apresentação do Projeto: a Pertinência da Criação de um Blogue ........................... 289. Análise Situacional ...................................................................................................... 31 9.1. Gestão, Recursos Humanos, Equipamentos e Financiamentos .......................... 32 9.2. Análise SWOT ....................................................................................................... 3210. Objetivos de Marketing do Blogue ........................................................................... 34 10.1. Objectivos de Marketing.................................................................................... 3511. Segmentação e Definição do Público-alvo ............................................................... 35 9
  • 10. 12. Posicionamento ........................................................................................................ 3613. Operacionalização do Plano de Marketing para o Blogue da BE ............................. 37 13.1. Marketing–mix ................................................................................................... 3814. Orçamento ................................................................................................................ 4815. Plano de Implementação .......................................................................................... 4816. Proposta de Avaliação: medir o impacto ................................................................. 5117. Conclusão ......................................................................................................... 5318. Limitações e Constrangimentos ao Projecto………………………………………………………54Bibliografia / Referências bibliográficas ......................................................................... 57 10
  • 11. Índice de IlustraçõesFigura 1 – Augusto César Pires de Lima.......................................................................... 14Figura 2 - Logótipo do Agrupamento Vertical Dr.A.C.Pires de Lima .............................. 43Figura 3 - Imagem de marca do Blogue da Biblioteca....................................................43Figura 4 - Actividades de Matemática na Biblioteca ...................................................... 44Figura 5 - Apoio a campanhas de solidariedade............................................................. 45Figura 6 - Divulgação da Feira do Livro 2010.................................................................. 45Figura 7 - Filme do mês de Dezembro 2010 .................................................................. 46Figura 8 - Filme do mês de Março 2011 ......................................................................... 46Figura 9 - Escritora Ana Saldanha na Biblioteca a 21 de Março ..................................... 46Figura10 - 23 de Abril..................................................................................................... 47Figura11 - Sugestões de Leitura ..................................................................................... 47Figura12 - Participação da BE nas correntes de escrita e encontro com os escritores: 47Figura13 - Nº de visitantes até ao dia 10 de Maio de 2011 ........................................... 51Quadro 1 – Análise SWOT .............................................................................................. 34Quadro 2 - Implementação e controlo dos objectivos estratégicos do Blogue ............. 50Quadro 3 - Informação semanal de acesso ao Blogue ................................................... 52Quadro 4 - Opinião sobre o Blogue ................................................................................ 52 11
  • 12. Introdução Este projeto resulta da necessidade diagnosticada pela Coordenadora dasBibliotecas do Agrupamento de Escolas Augusto César Pires de Lima, tendo comoprincipal objetivos criar o Blogue da Biblioteca e apresentar um PM para a promoçãodaquele serviço. Este PM pretende dar um contributo relevante para um planeamentomais eficaz do Blogue da Biblioteca, sua melhor implementação e torná-lo o verdadeiroCanal Interativo da Escola. O Blogue foi criado no ano letivo 2009/2010. Apesar de apresentar já mais deseis mil e trezentos visitantes e alguns comentários, pensamos que ainda não foi feita adevida divulgação do mesmo e que este ainda não é usado da forma mais eficaz. Énecessário a implementação de um PM para a sua promoção e implementação junto daComunidade Educativa de forma a torná-lo pertença de Todos. O grande desafio deste PM consiste em trabalhar todos os elementos que ocompõem e contextualiza-lo na realidade de um serviço da Escola, a Biblioteca,adequando a sua oferta às necessidades do seu público-alvo e detetando novas áreas deintervenção. Este projeto visa, ainda, valorizar a interligação entre as estratégias e as políticasde Marketing estabelecidas e os resultados pretendidos para as Bibliotecas Escolares(BE) no domínio da aplicação do MABE. Face aos novos desafios que se apresentam às BE e aos Professores Bibliotecário(PB) do século XXI urge desenvolver mecanismos de gestão para fazer face aosdiferentes constrangimentos que se vivem e desempenhar o seu papel da melhor forma,com evidências marcantes. Torna-se essencial desenvolver ações contínuas depromoção da BE, articulando adequadamente os serviços oferecidos pela Biblioteca aoseu público-alvo e às suas necessidades, desejos e gostos. Dinamizar atividades e proporações que contribuam para o sucesso do processo de ensino-aprendizagem. É pois fundamental contextualizar e interiorizar a relevância do contributo doPM para uma melhor orientação e sensibilização concreta da BE. A elaboração de umPM para um serviço da Escola, nomeadamente da biblioteca constitui uma novidade emais-valia que num universo educativo que ainda não possui uma ferramenta Web para 12
  • 13. comunicar e interagir com a Comunidade Escolar. Estamos cientes que tal podeapresentar também constrangimentos devido à sua especificidade. Segundo, Armstrong (1982) o PM deve partir da reunião de informação queavalia a situação na qual irá ser utilizado, medindo-se previamente os efeitos sobre todoo sistema, sendo assim uma valiosa ajuda na definição estratégica. Kotler (2002) refereque são vários os aspetos para elaborar qualquer PM: qualidade, consolidação,organização da informação, planeamento estratégico, identificação dos segmentos demercado, política de determinação de preços, acessibilidade, comunicação e ainda ocomércio eletrónico e a Internet. Neste sentido, desenvolveu-se este projeto para a Biblioteca do AgrupamentoVertical Dr. A. C. Pires de Lima, dividido em duas partes fundamentais: na primeiraparte faz-se apresentação do patrono da Escola, o enquadramento teórico, caracterizaçãodo Agrupamento e apresentação do projeto da Biblioteca que justificam a relevânciadeste projeto. Na segunda parte apresentado o Plano Estratégico de Marketing e arespetiva operacionalização. É apresentada uma proposta de avaliação do projetoatravés da medição do seu impacto por instrumentos criados para o efeito. 13
  • 14. Parte I – Enquadramento do Caso de Estudo1. Agrupamento de Escolas Dr. Augusto César. Pires de Lima O Nosso Patrono Augusto César Pires de Lima Figura 1 – Augusto César Pires de Lima Augusto César Pires de Lima, advogado de profissão, notabilizou-se comoProfessor, filólogo e etnógrafo. Entregou-se à docência com verdadeiro espírito dededicação e revelou-se um pedagogo no pleno sentido do termo. Dotado de grandeinteligência e cultura, exerceu influência sobre gerações de estudantes, por ter sidocapaz de equacionar, na sua época, os objectivos da educação dentro dos parâmetros damodernidade. Seguindo-lhe o exemplo de vida através dos nossos actos, à luz do nosso tempo,devemos adoptar comportamentos que se traduzam num envolvimento de todos oselementos da Comunidade Educativa, para a construção de uma Escola que responda àsnecessidades actuais da sociedade e do meio em que se insere. 14
  • 15. Assim sendo, “a Escola num meio rural, não pode ter os mesmos programasdaquela que funcione num meio urbano (…) A verdade é que não pode o estado imporum método único aos Professores, porque isso seria extinguir neles o espíritoinventivo.” E, (…) “o respeito não exclui o espírito de observação, o carácterindependente, numa palavra, a personalidade.” (Topa, F., 1993)1.1. Caracterização Física do Agrupamento O Agrupamento Vertical Dr. Augusto César Pires de Lima, é constituído porquatro estabelecimentos, três de Educação Pré-escolar/1º ciclo do Ensino Básico e umdo 2º e 3º ciclo do Ensino Básico, que é também a Escola Sede do Agrupamento: EB1com JI do Campo 24 de Agosto; EB1 com JI da Alegria, EB1 com JI do Sol; EB 2/3 Dr.Augusto César Pires de Lima. Assim sendo, todas as Escolas do Agrupamento possuemuma Biblioteca mas nem todas estão integradas na Rede de Bibliotecas Escolares(RBE). Pertencem à RBE as seguintes Escolas: • EB 2/3 Dr. Augusto César Pires de Lima; • EB1 com JI do Campo 24 de Agosto; • EB1 com JI do Sol. Não pertence à RBE: • EB1 com JI da Alegria.1.2. Caracterização dos Alunos do Agrupamento Para se efectuar uma melhor caracterização dos alunos do agrupamentoefectuamos o seguinte levantamento: 15
  • 16. • Meio sociocultural e económico profundamente desfavorecido, com 77% dos alunos a beneficiar do Serviço de Apoio Social Escolar (SASE) apresentando graves problemas disciplinares. • Subvalorização da Escola por parte de alguns educandos. • Na Escola convivem várias nacionalidades, situação que se tem vindo a acentuar nos últimos anos. • Existe um elevado número de alunos com necessidades educativas especiais aos quais nem sempre é possível dar a resposta adequada aos seus problemas por falta de condições no agrupamento. • Reduzido interesse pela leitura. • Muitos alunos chegam ao 5º ano sem saber ler e/ou escrever. • Grau de familiarização com as TIC ainda é bastante baixo (por vezes nulo). • Alguns discentes não têm computador e dos que têm muitos não têm acesso à Internet. • Dominam com dificuldade as novas tecnologias. • As aspirações futuras dos alunos são muito limitadas. • Temos muitos alunos a viver em casas de acolhimento e colégios internos da segurança social. Ou seja, muitos são seguidos pela Comissão de Protecção da Criança e Juventude (CPCJ) devido à gravidade das situações do seu meio familiar. A nossa Escola, localizada numa zona problemática da cidade do Porto, debate-se com sérios problemas sociais e disciplinares. A BE e as suas actividades são umaforma de integrar os alunos na Escola, de promover a igualdade de direitos e ademocratização do ensino.1.3. Caracterização do Corpo Docente Para se efectuar uma melhor caracterização do corpo docente do agrupamentoefectuamos o seguinte levantamento: • Corpo docente heterogéneo, grande parte em processo de reforma. 16
  • 17. • Os Professores apresentam-se desmotivados e esgotados com a sobrecarga de burocracia. • Existe, ainda, Professores com grandes dificuldades na utilização das Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) e das ferramentas da Web 2.0. • As aulas de substituição na Escola e para a grande maioria uma “tortura”. • Existe muitos Professores contratados e a substituir Professores que se encontram de baixa por período prolongado. • A Biblioteca representa actualmente uma mais-valia na Vida Escolar (VE), apresentando alternativas à sobrecarga de trabalho e variedade de actividades. • A Biblioteca faz parte da vida de muitos Professores que se envolvem nas actividades dinamizadas e participam em trabalhos de parceria. • O Blogue é uma ferramenta de fácil consulta e visualização e pela qual nutrem bastante simpatia.1.4. Caracterização dos Pais e Encarregados de Educação Para se efectuar uma melhor caracterização dos pais e encarregados de educaçãodo agrupamento efectuamos o seguinte levantamento: • A associação de pais existe mas tem pouca expressão na Escola. • O nível económico sócio cultural dos pais/encarregados de educação é bastante desfavorecido. • Envolvem-se pouco na VE dos educandos e, consequentemente, da própria Escola. • As suas ambições são muito limitadas. • A cultura de Escola apresenta-se por vezes como uma violência simbólica para as suas vivências. O envolvimento das famílias na VE dos seus educandos é praticamenteinexistente, constituindo assim um constrangimento para a Escola e a BE. Este é umobstáculo, que pretendemos vencer, inicialmente nas três Escolas EB1JI doAgrupamento e posteriormente, numa segunda fase, na EB23. Num futuro próximo os 17
  • 18. alunos dos Jardins-de-infância, integrarão as turmas do 1º ciclo e os alunos das EB1 irãoingressar na EB23. Se as famílias estiverem já familiarizadas na cooperação com a BE,a nossa função será dar continuidade ao trabalho iniciado. De salientar que a Escola estálocalizada numa zona problemática da cidade do Porto, o meio sociocultural eeconómico é profundamente desfavorecido, sem perspetivas de futuro, assiste-se a umasubvalorização da Escola por parte de alguns educandos e dos seus encarregados deeducação, debatemo-nos com casos familiares muito graves. Os pais de nívelsociocultural baixo são normalmente os que mais se alheiam da participação na Escola.Debatemo-nos com a questão: Educar as crianças ou reeducar os pais? A BE e as suas atividades são uma forma de integrar os alunos na Escola, depromover a igualdade de direitos, a democratização do ensino, motivar e conquistar ospais para o envolvimento na educação dos filhos. A crescente importância atribuída à educação e à formação das crianças estáligada à consciência crescente do papel que a colaboração Escola-família desempenhano seu sucesso educativo. Em Portugal, a reduzida participação da família na VD é um problema aindamuito comum e representa um desafio a vencer. Podemos seguir o exemplo de outrospaíses, situadas num patamar acima do nosso que têm propostas fantásticas no campode ligação da Escola à família, como por exemplo, a Espanha e a Escócia. Urge conquistar as famílias dos nossos alunos para a Escola e a BE.2. A Biblioteca e a Vida Social e Escolar Os processos de modernização do ensino que envolveram a massificação, adiversificação e democratização dos sistemas educativos, pretendiam promover odesenvolvimento socioeconómico e a mobilidade social. A aplicação de políticas deigualdade de oportunidades no acesso à escolaridade teve em alguns casos efeitosperversos, o acentuar de desigualdades sociais perante a Escola. Verificamos que édifícil avaliar e contabilizar o contributo da educação para o próprio desenvolvimento. A Escola continua a oferecer propostas obsoletas de atividades de ensino eaprendizagem. Perante uma tão grande diversidade de alunos, mantêm-se os mesmosregulamentos e normas de conduta que poderão levar a conflitos e penalizar o mais 18
  • 19. desfavorecido, através de regras disciplinares ou através da avaliação, conduzindo asituações de insucesso. Bourdieu e Passeron, sociólogos franceses, desenvolveram aTeoria da Reprodução em torno da ideia de que a Escola exerce um poder de violênciasimbólica, levando à manutenção das relações sociais e de classe. À conceçãodeterminista proposta pela Reprodução, Boudon contrapõe com o individualismometodológico, onde o fenómeno social deve ser concebido como resultado da agregaçãode ações individuais. O sujeito é colocado no centro de decisão apesar de condicionadopor fatores socioculturais condicionados às suas origens sociais. As características dassuas famílias são muito importantes para entender as decisões e atitudes dos jovens,quer em relação à Escola quer em relação às opções de vida. As desigualdades de oportunidades face à Escola são minuciosas eprofundamente analisadas por Anne Van Haecht (1992), na sua obra “A Escola à provada sociologia”. A Escola tem sido desde a década de 60 do século XX, objecto denumerosas análises críticas, quer científicas, quer politicas. A sociologia da educaçãoexpandiu-se nesses anos, numa época em que os responsáveis pelas grandes reformasEscolares, um pouco por toda a Europa Ocidental, defendiam a ideia de uma possíveldemocratização do ensino. É importante seguir o desenvolvimento da sociologia geralpara compreender as modificações teóricas que afetaram as investigações relativas aocampo escolar. O Agrupamento Pires de Lima representa vivamente a teoria da reprodução deBourdieu e Passeron, onde a violência simbólica é evidente. Os alunos são de classesocial e económica muito desfavorecida, os seus pais/encarregados de educação não têmformação, estão na maioria desempregados e têm poucas ambições de vida. Uma grandepercentagem dos educandos é pouco ambiciosa, sem perspectivas de futuro e cominteresses divergentes dos da Escola. Esta é um lugar onde são obrigados a estar. Assuas vivências e valores diferem das verdades absolutas que muitas vezes a Escoladefende. A violência simbólica é evidente, o que o sistema educativo preconiza não vaide encontro à sua realidade. Provavelmente, grande parte deles seguirá as pisadas dospais. Dificilmente se aplicará a teoria de Boudon, pois o meio familiar, o desinteresse eo insucesso escolar podem influenciar e determinar uma situação de abandono precocedo sistema de ensino e a entrada precoce no mundo do trabalho precário. Atualmente, assistimos a mudanças na promoção da diversidade culturalexistente nas Escolas. Grande parte das Escolas Portuguesas tem de lidar com umavariedade de etnias, línguas, religiões, culturas. Os Professores, nem sempre preparados, 19
  • 20. esforçam-se para apoiar todos os alunos, muitas vezes sem saber como atuar. São alunosque engrossam as fileiras dos apoios sócio educativos, do insucesso, das reprovações,do abandono precoce e por vezes dos comportamentos desviantes. No entanto, atravésda frequência da BE essas assimetrias poderão ser esbatidas e muitos problemasultrapassados. O livre acesso a diferentes recursos, a leitura, o visionamento de filmes, apesquisa, o empréstimo domiciliário, permitem aos alunos aceder de forma democráticaao saber. Perante os resultados obtidos pelos alunos portugueses, nos últimos anos, foipublicado o Despacho nº100/2010, de 5 de Janeiro de 2010, sobre o Regime de Apoio aProjetos de Escolas, para melhoria dos resultados e do sucesso escolar, redução dastaxas de retenção e abandono no Ensino Básico. Será que irá produzir os resultados esperados sem perverter o inicialmentepretendido? Os esforços conjugam-se no sentido de combater o insucesso, o abandonoescolar e promovem-se Programas de Aprendizagem ao Longo da Vida. A conjunturaeconómica e a crise que vivemos actualmente privilegiam o ensino e as aprendizagens. A utilização de diferentes recursos constitui atualmente uma forma de fomentara autonomia e o espírito crítico dos alunos. O Professor perante as diferentesferramentas que estão ao seu dispor, nomeadamente as da Web 2.0, tem o dever deimplementar experiências diversificadas de aprendizagem. Neste domínio, o PB podeser um dinamizador da mudança e a Biblioteca palco de grandes “revoluções” culturaise sociais. A BE tem passado por transformações assinaláveis resultantes da evolução doparadigma tecnológico e das implicações profundas no acesso, uso e comunicação dainformação. Neste contexto passaram de espaços organizados com recursos destinadosao acesso da informação ao lazer a espaços de trabalho e à construção de conhecimento. A Dra. Teresa Calçada (2010), responsável máxima pela RBE em Portugal,considera que "As Bibliotecas Públicas e Escolares são cada vez mais um instrumentode justiça e integração social". As Bibliotecas poderão ajudar a resolver os problemas eparadigmas sociais existentes e serão uma ponte para a mobilidade social. Penso quepoderão proporcionar o acesso a diversos recursos, instrumentos e documentos a quealguns alunos não têm acesso. Poderão permitir diminuir as clivagens sociais em termosde conhecimentos, mas não irão resolver os problemas sociais e da cultura escolarinstituída. 20
  • 21. Diferentes raças, religiões, ideais políticos, origens sociais, devem ter as mesmasoportunidades no acesso ao conhecimento. A Biblioteca é um espaço democrático ondetodos têm lugar e podem usufruir de recursos de igual forma (na minha Escolaconvivem alunos de doze nacionalidades diferentes – 4 continentes) e nós PBtrabalhamos para e com a Comunidade Educativa e com a sociedade em geral. As orientações educacionais que estão presentes na Lei de Bases do SistemaEducativo Português, e o documento que define os perfis de competência para osProfessores (Decreto-Lei Nº 240/2001 de 30 de Agosto), referem a necessidade de oensino-aprendizagem se processar de forma a estabelecer uma ligação ao quotidiano, apromover a autonomia do aluno e a desenvolver competências que facilitem aaprendizagem ao longo da vida, recorrendo a metodologias ativas e a recursosdiversificados. Assim, é fundamental que se reflita sobre a aprendizagem baseada emvariados recursos e não se viva confinado ao Manual Escolar. Esta questão envolvefortemente a BE, pois não podemos falar de diferentes recursos se estes não estiveremdisponíveis na Escola de forma organizada. A BE é um parceiro da Escola, dasociedade, sempre em ação, promovendo a cultura, o saber ao alcance de todos e amobilidade social. Diversificar os recursos utilizados no processo de aprendizagem éuma responsabilidade acrescida da Biblioteca pois é a esta que cabe a tarefa de facultaros recursos e meios necessários para que a mudança educacional se concretize. Aquantidade e a qualidade de recursos disponibilizados pela BE são de extremaimportância para o sucesso do processo, pois um ensino que estabelece metas maisexigentes de atuação torna-se mais rico e mais enriquecedor. Uma aprendizagembaseada no uso efetivo de uma larga variedade de recursos traz imensos benefícios parao processo de ensino-aprendizagem em qualquer grau de ensino. Assim, a BE constitui um contributo essencial para o sucesso educativo, sendoum recurso fundamental para o ensino e a aprendizagem, podendo-se estabelecer umarelação entre a qualidade do trabalho e da BE e os resultados escolares dos alunos. Há fatores decisivos no sucesso da missão da Biblioteca. Em sintonia com arealidade em que se insere podem ser feitos ajustes na organização e funcionamento daBE. Desenvolvendo uma abordagem essencialmente qualitativa, orientada para umaanálise dos processos e resultados, numa perspetiva formativa, permitindo identificar asnecessidades e as fragilidades com vista à melhoria. 21
  • 22. Em suma, as BE assumem, nos nossos dias, um papel fulcral na dinamização doprocesso de ensino aprendizagem, através de projetos sistémicos, que conduzem apráticas pedagógicas assertivas, centradas no indivíduo e na construção doconhecimento3.Plano de Dinamização da Biblioteca Escolar O Plano de Dinamização da BE foi elaborado com base no conhecimentoprofundo do contexto educativo. Procedeu-se à análise da realidade do nossoAgrupamento e o projeto delineado vai de encontro às necessidades educativas daComunidade Escolar. Pretende-se que o Projeto da BE tenha consistência e queresponda a aspetos essenciais que é fundamental desenvolver na nossa escola:corresponder aos interesses dos alunos, colmatar lacunas em determinadas áreas,desenvolver competências em vários domínios, sensibilizar para diferentes questões. Anossa Biblioteca é um espaço de liberdade, democrático, de possibilidade de escolha,respeitando gostos e interesses onde se podem formar cidadãos e leitores competentes, éum centro de recursos com entidade própria e tenta participar activamente na vida sociale cultural da comunidade. Uma das principais funções da nossa BE é a promoção dogosto pela leitura. Neste âmbito, pretendemos implementar um conjunto de actividadesde animação para a leitura tentando assim atingir objetivos significativos no domínio dapromoção da leitura. O nosso projeto é vasto e plurifacetado para poder corresponder adiferentes interesses e situações. Em função dos objetivos delineados, foi possíveldefinir os recursos e as atividades que se enquadravam no projeto e que permitirão umaavaliação objetiva do mesmo. Existem laços estreitos entre o projeto da BE, o ProjetoEducativo de Escola e o Projeto Curricular de Escola e de Turma, o que permitetrabalhar em sintonia, articulando objetivos e atividades conjuntas e inter-relacionadasque permitem que o trabalho em parceria se torne mais produtivo e mais facilmente sealcancem propósitos comuns, designadamente no desenvolvimento do gosto pelo livro,pela leitura e na literacia da informação. A proposta apresentada surgiu de um trabalho conjunto entre PB, equipa daBiblioteca e os restantes Professores (coordenadores de departamento), com o objetivode que essas atividades respondam de forma eficaz às necessidades da Escola, 22
  • 23. implicando a partir da leitura todas as áreas disciplinares. Estas atividades serãocomplementadas com oficinas de escrita, dramatizações, exposições, workshop, feira dolivro e tertúlias. No domínio da promoção da leitura é fundamental existir um conjuntoalargado de atividades e formas de atuação que possa chegar a diferentes alunos, commotivações e interesses diversificados e tentaremos que o Blogue seja o Canal Interativona Comunidade Escolar através de um PM.4. A importância das Tecnologias de Informação e Comunicaçãona Atualidade As TIC assumem um papel fundamental na construção de uma Escola centradana formação de indivíduos capazes de construir o seu próprio conhecimento, eintegradora de todos os alunos. O desenvolvimento de novas TIC tem permitido ampliar as oportunidades querde alunos quer de Professores, no que concerne ao ensino e à aprendizagem, através dacombinação de diferentes recursos tecnológicos e humanos. A sua presença no sistemade ensino implica a reflecção sobre pontos intrínsecos à educação, como: didática,metodologia, avaliação, planeamento e aprendizagens. Atualmente, Informação e Comunicação são sinónimos de poder: ter acapacidade de comunicar significa poder aceder a informações, e interagir para aobtenção de novos dados, também eles portadores de informação. O objetivo das TIC é promover a cultura e a formação essencial aodesenvolvimento da sociedade da informação e propor uma visão estratégica quepermita ampliar horizontes. As TIC criaram novos espaços de construção do conhecimento. Atualmente,para além da Escola há uma diversidade de espaços educativos. Cada vez mais osalunos podem estudar em casa e dai aceder ao ciberespaço da formação e daaprendizagem à distância, procurar fora da Escola a informação disponível nas redes decomputadores e em serviços disponibilizados pela Internet que correspondem àsexigências pessoais de conhecimento. O ciberespaço criou uma nova ideia de tempo erompeu com a ideia de tempo próprio para a aprendizagem. O espaço de aprendizagempode ser em qualquer lugar, o tempo de aprender é hoje e sempre. As consequências de 23
  • 24. tudo isto para a Escola, para o Professor, aluno, e para a educação em geral sãoenormes. As mudanças tecnológicas são rápidas e plenas de oportunidades, mas tambémimprevisíveis e cheias de incertezas. Os ambientes de aprendizagem do futuro serão,com certeza, abertos e flexíveis, combinando diferentes modos e estilos deaprendizagem, dependendo do objecto de estudo, do aluno, do Professor, do contexto,respeitando o nível de desenvolvimento cognitivo de cada um. Teremos de propor aosalunos abordagens multidisciplinares que os preparem para lidar com as incertezas deum mundo global em que a aprendizagem e o conhecimento são os únicos instrumentospara evitar a exclusão social e para promover a inclusão social. Os Professores devemdominar uma série de novas competências porque os desafios do futuro são enormes. AInternet é um espaço a que acedemos para procurar informação num ambientedescentralizado de autoridade onde o conhecimento é construído de forma colaborativaonde todos somos livres para aceder, utilizar e reeditar informação. Todos nóseducadores e formadores do século XXI, temos de estar preparados para enfrentar osdesafios das ferramentas da Web 2.0 e conhecer os potenciais de utilização educativa. A tecnologia introduziu profundas mudanças na nossa vida. A forma comocomunicamos, como aprendemos e como nos divertimos assume hoje formas diferentes.Contudo, a Escola, salvo raras exceções e experiências singulares, fruto de um ou outroimpulso tecnológico externo a ela, tem tido muita dificuldade em adaptar-se a estasextraordinárias transformações na sociedade, e continua a desenvolver-se num ambientede aprendizagem que pouco mudou desde há 200 anos. No acto de ensinar e aprenderpredomina ainda o material impresso, os alunos continuam a ser vistosfundamentalmente como simples consumidores de informação e são avaliados emfunção disso, e a própria disposição espaço e do mobiliário da sala de aula deixariamuito confortável um Professor do século XIX. Em contraposição, os jovens que frequentam hoje o sistema de ensino mudaramprofundamente na sua composição social, interesses, solicitações e estilos de vida(Cardoso et al. 2005). A multiplicação dos dispositivos de acesso à Internet e odesenvolvimento da Web social determinaram um incremento significativo dos fluxosde informação, criando a ilusão de que o conhecimento está ao alcance de todos e àdistância de um clique no rato, mas onde os espaços e tempos para a reflexão e aabstração são cada vez mais escassos. A Escola e os Professores são diariamente confrontados com enormes desafios,quer do ponto de vista metodológico em relação àquilo que lhes era tradicionalmente 24
  • 25. exigido, quer do ponto de vista epistemológico, pois o velho paradigma da Escola comolocal de transmissão do conhecimento não corresponde nem às necessidades dasociedade nem às expectativas dos jovens.5. O Novo Papel das Bibliotecas Escolares O contributo das BE estrutura-se em dois grandes eixos: o ensino da Literacia daInformação e a Promoção da Transversalidade dos Saberes, ou seja o desenvolvimentoda capacidade de transformar a informação em conhecimento e a gestão da inovação damudança, contrariando a progressiva segmentação, simplificação e descontextualizaçãodos recursos de informação disponíveis on-line. Este novo papel da BE implica que esta deve assumir-se como um centro deaprendizagem ao serviço do currículo, integrada no processo de ensino-aprendizagem edesenvolvendo o seu plano de ação em articulação com os departamentos curriculares, ecapaz de criar mais-valias comportamentais, formativas e de aprendizagem junto dosalunos. Para que a BE assuma este papel central na escola é necessária uma estratégiaclara orientada para a aprendizagem, com um plano de ação a longo prazo, articuladocom o Projeto Educativo e com os Planos Curriculares da Escola, o que implica trabalhocolaborativo e uma equipa multidisciplinar, estável, motivada, dinâmica e coesa, queassegure as rotinas inerentes à gestão e dinamização das atividades e liderada por umPB qualificado.6. Web e Bibliotecas 2.0 A expressão Web 2.0, segundo Tim OReilly, não tem fronteiras bem definidas,mas sim, um núcleo gravitacional, onde orbitam vários conceitos e recomendações, dosquais se destacam dois: a Web como plataforma e a inteligência coletiva. Uma das principais novidades da Web 2.0 é a sua semelhança com umaplataforma que disponibiliza um conjunto de ferramentas de produção e partilha de 25
  • 26. conteúdos, tendencialmente gratuitas e fáceis de utilizar, em que publicar on-line deixade exigir a criação de páginas Web e saber alojá-las num servidor. O utilizador deixa deser um mero consumidor de informação, para se tornar ele próprio produtor, aodisponibilizar os seus próprios conteúdos ou acrescentando valor aos que encontra narede. Muitos sítios da Web 2.0 são hoje verdadeiros aplicativos (por exemplo, o Googledisponibiliza processador de texto, gestor de correio, folha de cálculo, apresentaçãoeletrónica, agenda, agregador de conteúdos, construção e alojamento de páginas, etc.).As suas funcionalidades, a maioria das quais de acesso gratuito são muito fáceis de usar. Na base da Web 2.0 está a participação dos utilizadores: acrescentam valor àrede, o serviço melhora quanto mais pessoas o usam, qualquer utilizador pode criarconteúdos e avaliar os que encontra. Sempre que os utilizadores adicionam conteúdo esítios novos, esses passam a integrar a estrutura da rede à medida que outros utilizadoresdescobrem esse novo conteúdo e se ligam a ele. Mais do que uma tecnologia, a Web 2.0 pode então ser definida como uma novaatitude, uma nova forma de as pessoas se relacionarem com e na Internet: a rede deixade ligar apenas máquinas, passa a unir pessoas, um processo com implicações sociaisprofundas. As Escolas, começam a acordar para a nova realidade da Web, num esforçode ir ao encontro das mudanças. Na maior parte dos casos são os jovens quem emprimeiro traz a Web 2.0 para os computadores da Escola. A partir de 2005, apareceram os primeiros estudos internacionais sobre Web 2.0envolvendo Bibliotecas, Bibliotecários e Ferramentas Tecnológicas, originando oconceito de Biblioteca 2.0. A Biblioteca 2.0 resulta da conjugação de três fatoresinterligados entre si, e que são intrínsecos à própria noção de Web 2.0: ferramentas,conteúdo social e atitudes. O termo Biblioteca 2.0 foi concebido por Michael Casey no seu BlogueLibrayCrunch em 2005 e com ele pretendia designar o tipo de Biblioteca resultante daaplicação dos princípios da Web 2.0 à biblioteconomia. Maness (2006) aponta quatro características que definem a Biblioteca 2.0: • Centrada no utilizador: o utilizador participa na criação de conteúdos e serviços disponibilizados na Web pela Biblioteca. • Disponibiliza uma experiência multimédia: tanto as coleções como os Serviços da Biblioteca 2.0 contêm componentes vídeo, áudio, realidade virtual. • Socialmente rica: interage com os utilizadores quer de forma síncrona (por ex. IM - mensagens instantâneas) quer de forma assíncrona (por ex. wikis). 26
  • 27. • Inovadora ao serviço da comunidade: procura constantemente a inovação e acompanha as mudanças que ocorrem na comunidade, adaptando os seus serviços para permitir aos utilizadores procurar, encontrar e utilizar a informação.7. As Bibliotecas Escolares 2.0 As Bibliotecas actuais estão perante um novo paradigma, tornando-se fundamental eurge que as BE se transformem em Bibliotecas 2.0. O desafio consistem em deixaremde ser simples centros de disponibilização de recursos e tornarem-se verdadeiros centrosde conhecimento, ao serviço da aprendizagem e do currículo. E este não é somente umdesafio tecnológico, mas também um desafio pedagógico e organizacional. A Web 2.0permite o envolvimento da comunidade, coloca ao alcance de qualquer utilizadorferramentas de trabalho colaborativo e instrumentos eficazes para estratégias deaprendizagem baseadas na construção do conhecimento, de forma gratuita etecnologicamente pouco exigentes, ao assumir-se como uma rede de pessoas e não demáquinas, proporciona às Bibliotecas um poderoso meio de Promoção da Literacia daInformação e de alargamento da sua base de competências e funções. Este é umcaminho longo, onde os desafios são enormes porque implicam um conjunto demudanças e uma nova atitude na forma de ver as Bibliotecas. Mais do que ainfraestrutura tecnológica, a exigência é de RH qualificados e sobretudo motivados. Éobviamente necessária formação, uma equipa dinâmica, um projeto sólido e umaestratégia bem definida. Mas sobretudo uma vontade de inovar, de fazer melhor, deousar fazer a diferença. A Biblioteca do Agrupamento Dr. Augusto César Pires de Lima pretende fazerdiferença e tornar-se numa verdadeira BE 2.0. 27
  • 28. Parte II - Plano de Marketing do Blogue das Bibliotecas doAgrupamento Dr. Augusto César Pires de Lima8. Apresentação do Projeto: a Pertinência da Criação de umBlogue O PM é um documento com uma estrutura formal, que disciplina o planeador acolocar as suas ideias, factos e conclusões de uma forma lógica, que possa sercompreendida por outros (Westwood, 2007). Assim, o PM é um instrumento que partedos objectivos da organização e aponta as estratégias para os atingir. Westwood (op.cit.) explica também que o Plano deve conter as informações fundamentais a seremtransmitidas e deve, ainda, ser claro e conciso e que todos os detalhes excessivos ouirrelevantes devem ser excluídos. Cohen (2006) refere que todo PM deve conter uma estrutura planeada ou,mesmo, um esboço antes de se iniciar a sua elaboração. Desta forma, garante-se quenenhuma informação relevante é deixada de fora e que toda a informação apresentadasegue uma organização lógica. Para o autor é essencial o plano ser apresentado numamaneira lógica, sem omitir nada. Para a sua concepção o PM requer recursos humanos elogísticos pelo que as empresas devem ponderar a sua importância antes de oexecutarem, podendo algumas empresas evitar o Planeamento de Marketing devido aotempo e ao esforço necessário para o elaborar. O PM deve ser elaborado anualmente, mas cada caso deve ser analisado, tendoem consideração as suas condições específicas. Muito embora Kerin (2008) expliqueque é importante perceber que não existe um Plano “genérico” de Marketing que seaplique a todas as organizações em todas as situações, Cohen (op. cit.) refere queencontra secções comuns em todos os PM. No entanto, o autor também defende queexistem diversas formas de organizar o Plano. O Blogue apresenta múltiplas funcionalidades, é uma ferramenta de interaçãoque permite uma mais intensa e melhor comunicação entre emissor e recetor, promotorade uma participação construtiva e de uma dinâmica reflexiva sobre diferentes temáticas.Possibilita ao aluno, que publica num espaço visível a todos, a possibilidade de se tornar 28
  • 29. ator no fenómeno da comunicação global, aumentando também o seu sentido deresponsabilidade relativamente ao que pretende comunicar ao exterior (textos, análisede obras literárias, relatórios de visitas de estudo, artigos para o Jornal da Escola,publicação de fotos, vídeos…) possibilitando a integração e uma melhoria da auto-estima dos discentes. Proporciona debates em torno de temas atuais e umaaprendizagem a partir de múltiplas perspetivas e promovendo uma reflexão sobre aprópria aprendizagem. Sendo relativamente fácil convencer os alunos a escrever emBlogues, estes têm um efeito motivador, aumentando o interesse dos alunos pelaaprendizagem e promovendo o desenvolvimento de competências básicas, comoanalisar, sintetizar, selecionar informação de diferentes fontes para posteriormenteproduzir textos/conhecimento. Com o benefício de ser perfeitamente compatível com avertente lúdica da aprendizagem pelo que pode ser utilizado para disponibilizarpequenos sites como Webquest e Caça ao Tesouro, atividades orientadas para pesquisana Web. Pode funcionar como espaço de intercâmbio e colaboração entre Escolas epermitir o benchmarking. É instrumento que pode ser usado como complemento aoensino presencial, constituindo um complemento do desenvolvimento das competênciasessenciais das disciplinas de acordo com o Currículo Nacional, bem como um veículoprivilegiado de comunicação para avisos, informações, indicação de trabalhos/pesquisasa realizar, ligação para materiais de consulta, divulgação de textos de apoio às aulas,sugestão de leitura e de sites de relevo pedagógico, fidedignos do ponto de vistacientífico, fomentando uma maior autonomia e maior rigor científico e intelectual, umespirito crítico mais aguçado e a aquisição de mais competências de literaciainformacional, condição fulcral para o sucesso da educação formal e permanente A exposição mediática possibilita um acompanhamento mais próximo doprocesso de ensino/aprendizagem por parte dos pais / encarregados de educação, assimcomo permite aos docentes a apresentação de informação cientificamente correta eadequada ao nível etário dos seus alunos, da autoria e responsabilidade de pessoas e/ouinstituições, colmatando a dificuldade de encontrar opiniões credíveis de verdadeirosentendidos na matéria que nos possam providenciar a informação desejada, Permite aconstrução da memória de uma instituição, uma vez que está na origem de um novo tipode publicação editorial, os bloks, ou seja, livros publicados com conteúdos saídos deWeblogs. Estes consistem num serviço inovador de qualidade que promove o domíniodas tecnologias digitais, preparando os cidadãos para atingirem assuas metas pessoaisnum mundo em mudança. A Internet permite dar a conhecera BE e os seus serviços a 29
  • 30. custo reduzido, quando comparado com outros meios. As BE só se justificam em funçãodo valor que os seus utilizadores lhes atribuem e da troca como exterior de algo que acomunidade valorize. Pode permitir e fazer a mudança, a revolução num sistema de ensino! http://bibliotecapiresdelima.blogspot.com/ O fundamental que o Blogue da Biblioteca do Agrupamento constitua uma mais-valia no âmbito da promoção das atividades desenvolvidas e a desenvolver pela BE e setorne um Canal de Comunicação Interativo.8.1. Objetivos do Blogue da Biblioteca Escolar do AgrupamentoEnunciamos de seguida os objectivos do Blogue: • Ser o Canal Interativo da Biblioteca com a Comunidade Escolar; • Constituir um núcleo de ação pedagógica integrada; • Permitir animar para a leitura; • Estimular o interesse pela leitura, despertar a sensibilidade para a ilustração, a cor, o desenho e ajudar o leitor a compreender melhor; • Desenvolver as competências dos leitores; • Envolver os alunos em diferentes tarefas, atividades e funções; • Despertar e fortalecer o interesse pelos materiais de leitura como fonte de entretenimento e lazer; • Fazer viver a palavra escrita e fazer compreender como funciona; • Transmitir informação; • Aproximar os Pais/Encarregados de Educação e a Comunidade Educativa da Escola; • Permitir o contacto com diferentes escritores e estilos de escrita; • Promover exposições dos trabalhos dos alunos; • Abrir a Escola à Comunidade Educativa e facultar-lhes o acesso à cultura. • Promover a BE, suscitando o interesse para a utilização da mesma; • Integração plena da BE na dinâmica educativa da Escola; 30
  • 31. • Dar a conhecer os recursos que a BE oferece, facilitando o acesso aos seus serviços; • Articular atividades desenvolvidas na sala de aula e na BE; • Estimular o uso pedagógico da Biblioteca pelos Professores; • Apoiar o desenvolvimento do currículo; • Diversificar os modelos de ensino-aprendizagem; • Permitir sonhar e criar; • Aprender o prazer de ler; • Desenvolver estratégias de apropriação dos livros; • Criar leitores competentes e imaginativos; • Potenciar hábitos de leitura; • Ler, descodificar, interpretar e reinterpretar; • Perceber a importância da Escola, da convivência e do processo de ensino- aprendizagem; • Aproximar Pais/Encarregados de Educação da Escola; • Unir a CE em torno de um projeto.9. Análise Situacional A análise situacional tem como objectivo crucial estabelecer um diagnóstico dasituação da BE procedeu-se inicialmente à análise da sua situação interna e externa.Neste sentido, para a formulação da análise SWOT [em que o termo SWOT é uma siglainglesa para Forças ou Pontos fortes (Strengths), Fraquezas ou Pontos Fracos(Weaknesses), Oportunidades (Opportunities) e Ameaças (Threats)] foi necessário acompreensão de todos os recursos e capacidades do serviço, tendo-se em consideraçãotodos os fatores relativos aos recursos e capacidades e análise do meio, da concorrência,do mercado, dos fornecedores e de todos os intermediários. 31
  • 32. 9.1. Gestão: Recursos Humanos, Equipamentos e Financiamentos A avaliação da posição competitiva é efetuada através do recurso a uma matrizde dois eixos (o eixo das variáveis internas e o eixo das variáveis externas), cada um dosquais composto por duas variáveis: pontos fortes (Strenghts) e pontos fracos(Weaknesses) ao nível interno da organização; oportunidades (Opportunities) e ameaças(Threats) do meio envolvente, isto é, ao nível externo da organização. Ao construir a matriz as variáveis são sobrepostas, facilitando a sua análise e aprocura de sugestões para a tomada de decisões, sendo uma ferramenta imprescindívelna formação de Planos de Negócio e na definição de Estratégia9.2. Análise SWOT A análise SWOT consiste numa ferramenta utilizada pelas instituições aelaborarem a sua análise situacional, cuja criação é atribuída a Kenneth Andrews eRoland Christensen, dois Professores da Harvard Business Scholl, consiste num modelode avaliação da posição competitiva de uma organização e neste caso será feita aavaliação da posição competitiva das Bibliotecas do Agrupamento de Escolas Dr.Augusto César Pires de Lima. A análise SWOT permitiu apresentar as oportunidades e ameaças, que resultamdo ambiente em que a Biblioteca, bem como as forças e fraquezas internas àorganização. No quadro seguinte representa-se a análise SWOT do caso de estudo. 32
  • 33. Ambiente interno Pontos fortes: Pontos fracos: - Proactividade e dinâmica do PB; - Excesso de tarefas para o PB; - Adesão dos alunos aos projetos e - Equipa insuficiente em número, horário e atividades da BE; formação; - Nº elevado de utilizadores que - Falta de assistentes operacionais na BE a frequentam a BE; tempo inteiro e com formação em - Espaço dentro da BE para a promoção e Biblioteconomia que permitam o realização do evento. funcionamento em horário alargado e o apoioAmbiente - PB com formação específica na área e à realização de diferentes tarefas;Externo proactivo; - Os pais e a comunidade envolvente usam - Empréstimo domiciliário a alunos, muito pouco o serviço da BE; Professores e funcionários; - Atividades pouco divulgadas para o exterior - Elaboração de Plano de Acão para 4 - Falta de orçamento próprio da BE anos e aplicação do modelo de - Inexistência de Regimento da BE; autoavaliação; - Horário da B.E. não adaptado às - Grupo dos amigos da BE; necessidades dos utilizadores; - Empatia criada com a Comunidade - Disposição do mobiliário; Educativa. - Coleção desatualizada. - Blogue da Biblioteca;Oportunidades: - Criar condições para que pais/ - Conquistar visitantes e participantes no- Formação especializada proporcionada Encarregados de Educação e comunidade Blogue;pela RBE e pela Pós graduação; envolvente interajam com a BE; - Possibilidade de divulgação e promoção das- Criação de parcerias com diferentes - Promover obras como ferramentas atividades desenvolvidas;departamentos curriculares; pedagógicas; - Utilização das ferramentas Web 2.0 na- Estabelecer redes de trabalho - Envolver os alunos na dinamização do divulgação do Blogue.cooperativo, desenvolvendo projetos de evento para a interação Escola/Família; - Reequacionar o horário de funcionamentoparceria com entidades locais. - Estimular a criatividade dos alunos na da BE de forma a maximizar o- Plano Tecnológico da Educação (PTE); elaboração de diferentes materiais aproveitamento da equipa tendo em conta as- Facilidade de acesso aos Blogues promocionais do evento. necessidades da Comunidade Educativa; - Apoio e valorização da BE pela - O Coordenador da BE promover sessões de Direção; formação para a equipa de apoio.Ameaças: -Fazer com que as famílias participem - Distribuição de guiões de informação para- Elevado grau de iliteracia por parte das mais na VE e dos seus educandos; apoio aos utilizadores da BE;famílias; -Sensibilizar toda a Comunidade -Implementar o PDC (Política de-Inexistência de computador e acesso à Educativa para a importância do uso das Desenvolvimento da Coleção) de formaInternet em algumas famílias; TIC e das ferramentas da Web 2.0 criteriosa, de acordo com as necessidades dos-Desmotivação das famílias para o - Corrigir assimetrias culturais; grupos disciplinares e dos alunos.consumo cultural; - Tornar o Blog da Biblioteca numa- Baixo nível de expectativas face às Ferramenta de Promoção Cultural daaprendizagens dos seus educandos; Leitura e do Saber.- Inexistência de verbas orçamentais -Garantir a organização do espaço eatribuídas à BE pelo ME. assegurar a gestão funcional e pedagógica- Partilha de momentos de leitura em dos RH e materiais afetos à BE;família, um ato pouco frequente; -Apoiar as atividades curriculares e-Ruído na comunicação entre a Escola e favorecer o desenvolvimento dos hábitos 33
  • 34. as famílias. e competências de leitura da literacia da-Equipa da Biblioteca selecionada pelo informação e das competências digitais,Diretor de forma ambígua; trabalhando colaborativamente com todas- O débil nível sociocultural dos alunos e as estruturas do agrupamento;meio envolvente à Escola; - Apoiar e divulgar as atividades livres,-Excesso de tarefas atribuídas ao corpo extracurriculares e de enriquecimentodocente. curricular incluídas no plano de atividades ou projeto educativo; -Melhorar a imagem e o desempenho da BE e do PB. Quadro 1 – Análise SWOT 10. Objetivos de Marketing do Blogue O desenvolvimento da orientação para a Comunidade Educativa deve ser a principal missão da BE, prestadora de serviços que deseja ser eficiente em Marketing. Essa orientação envolve toda a organização, dedicando uma atenção fundamental às necessidades e expectativas da Comunidade Educativa. Assim sendo é fundamental que haja uma determinação prévia dos objetivos para assegurar a coerência da estratégia com a política geral da organização. Mais concretamente, a definição clara de objetivos é extremamente importante, tanto ao nível estratégico como ao nível operacional, orientando a organização para os resultados que pretende atingir. Ou seja, enquanto os objetivos consistem no que se pretende atingir, as estratégias são a forma de lá chegar. Assim sendo, praticamente em todos os domínios de atividade torna-se fundamental saber quais as pretensões da Biblioteca antes mesmo de escolher o caminho. Os objetivos de Marketing devem ser específicos e quantificáveis, de forma existir um alvo que se possa apontar (Westwood, 2007). Simultaneamente, podem ser difíceis, mas devem ser exequíveis. Neste sentido, o autor refere que a meta é estabelecer objetivos que sejam um desafio, mas que possam ser atingidos com esforço. A biblioteca deve estabelecer objetivos desafiantes, mas que sejam alcançáveis, sob pena de causarem uma forte desmotivação. No mesmo sentido, Cohen (2006) refere que se deve utilizar os objetivos como diretrizes para garantir que beneficiarão a missão global da empresa através da adequação, mensurabilidade, viabilidade, aceitabilidade, 34
  • 35. flexibilidade, motivação, compreensibilidade, compromisso e participação das pessoas.Assim sendo, os objetivos consistem numa linha orientadora para todos oscolaboradores da empresa, pretendendo que todos laborem para os alcançar e queestejam, particularmente, todos alinhados neste propósito. Este projecto foidesenvolvido, tendo em consideração o contexto da sua aplicação.10.1. Objectivos de Marketing: • Dar a conhecer a existência de uma nova ferramenta ao serviço da Comunidade Escolar; • Blogue das Bibliotecas constituir-se o Canal Interativo da Escola; Desenvolvimento da imagem de marca da Biblioteca; • Criar uma identidade gráfica da imagem do Blogue da Biblioteca; • Criar valor para os utilizadores do serviço; • Identificar as necessidades dos nossos seguidores; • Orientar e canalizar desejos; • Estimular a procura do Blogue e dos serviços promovidos pela BE; • Estratégia de promoção da BE e valorização do seu serviço; • Atrair ao Blogue alunos Professores Comunidade Educativa. Informar do trabalho desenvolvido; • Interagir; • Comunicar; • Aumentar o número de famílias na envolvência da Escola; • Aumentar o número de “amigos da Biblioteca”; • Satisfazer os utilizadores.11. Segmentação e Definição do Público-alvo A Comunidade Educativa têm diferentes necessidades e/ou desejos quanto aotipo de serviço que pretendem. Dificilmente a Biblioteca conseguirá satisfazer asnecessidades dos seus seguidores de forma análoga. No entanto conhecendo o nosso 35
  • 36. público-alvo poderemos desenvolver atividades que vão cobrindo as necessidades detodos embora, possa não ser simultaneamente pode ser constantemente. Assim sendo,dividimos os utilizadores do serviço por actuais e potenciais, sendo os primeiros aComunidade Escolar, alunos, pais, encarregados de educação, Associação de pais,funcionários, Biblioteca Pública Municipal do Porto, Comunidade local e os segundos aRede da BE, outras BE, resumindo toda a comunidade Web.Geográfico-Porto – BonfimDemográfico- Idades Alunos e famílias – maiores de 3 anos- Sexo: Masculino e Feminino;- Nível Socioeconómico: Classe média/média baixa;- Escolaridade: A média das famílias possui a escolaridade básica e os alunos …Psicográficos e comportamentais Será feito um estudo com base num inquérito lançado aos alunos e famíliassobre estilos de vida, comportamentos, gostos…. Ex. de questão - Quanto tempo dedicaà leitura por semana?12. Posicionamento Com a criação do Blogue pretendemos envolver a Escola com a ComunidadeEducativa e conquistar as famílias para a Escola, tornando-as participantes ativos noprocesso educativo dos seus educandos. Pretendemos ainda que a visão da Escola sejamodificada e que esta seja vista como um local de partilha, onde o sucesso de cada atordepende da atuação de todos os outros. Desejamos também que as famílias 36
  • 37. desenvolvam hábitos culturais e percecionem que estes só poderão ser concretizados nainter-relação social, onde a Escola é o primeiro parceiro. O posicionamento da Biblioteca consiste na forma como pretende ser vista peloseu público-alvo. Neste sentido, o posicionamento é importante para transmitircredibilidade das atividades e serviços desenvolvidos pela Biblioteca.13. Operacionalização do Plano de Marketing para o Blogue da BE O PM é um documento com uma estrutura formal, que disciplina o planeador acolocar as suas ideias, factos e conclusões de uma forma lógica, que possa sercompreendida por outros (Westwood, 2007). Assim, o PM é um instrumento que partedos objectivos da organização e aponta as estratégias para os atingir. Westwood (op.cit.) explica também que o Plano deve conter as informações fundamentais a seremtransmitidas e deve, ainda, ser claro e conciso e que todos os detalhes excessivos ouirrelevantes devem ser excluídos. Cohen (2006) refere que todo PM deve conter uma estrutura planeada ou,mesmo, um esboço antes de se iniciar a sua elaboração. Desta forma, garante-se quenenhuma informação relevante é deixada de fora e que toda a informação apresentadasegue uma organização lógica. Para o autor é essencial o plano ser apresentado numamaneira lógica, sem omitir nada. Para a sua concepção o PM requer recursos humanos elogísticos pelo que as empresas devem ponderar a sua importância antes de oexecutarem, podendo algumas empresas evitar o Planeamento de Marketing devido aotempo e ao esforço necessário para o elaborar. O PM deve ser elaborado anualmente, mas cada caso deve ser analisado, tendoem consideração as suas condições específicas. Muito embora Kerin (2008) expliqueque é importante perceber que não existe um Plano “genérico” de Marketing que seaplique a todas as organizações em todas as situações, Cohen (op. cit.) refere queencontra secções comuns em todos os PM. No entanto, o autor também defende queexistem diversas formas de organizar o Plano. Atualmente é conferido à Biblioteca um papel fundamental no acesso àinformação, assumindo relevo na sociedade e no desenvolvimento das comunidadespois promovem o acesso à informação gerindo-a e disponibilizando-a em diferentes 37
  • 38. suportes. Permitem o acesso à informação através de um serviço organizado em funçãodos interesses e necessidades dos utentes. Através da operacionalização de um projeto prático elaborado para asBibliotecas do Agrupamento de Escolas Dr. Augusto César Pires de Lima pretende-secriar interactividade entre as 4 Bibliotecas do Agrupamento, a Comunidade Educativaem geral e toda a comunidade Web. Para divulgarmos o nosso produto - ou seja, toda a oferta de serviços que aBiblioteca faz escolhemos o Blogue, que constituirá assim um Canal Interativo parapromoção dos seus produtos, serviços e actividades. Para atingirmos os objetivos da criação deste Blogue será necessário umenvolvimento de todos os parceiros, desde direção, docentes, alunos e pessoal assistentetécnico. Utilizaremos as variáveis do Marketing-mix para operacionalizar o nosso PM.13.1. Marketing – mix Jerome McCarthy (1960) introduz o termo Marketing-mix, que divide em quatrovariáveis, frequentemente designadas pelos "quatro P’s", Produto, Preço, Praça (pontode venda/distribuição) e Promoção. Belch e Belch (2008) explicam que o Marketing-mix facilita o processo de trocae o desenvolvimento de relacionamentos através duma análise cuidadosa dasnecessidades e dos desejos dos consumidores, desenvolvendo, assim, um produto ouserviço que satisfaça essas necessidades, oferecendo-o a um determinado preço,tornando-o disponível, por meio de determinado local ou canal de distribuição, edesenvolvendo um plano de promoção ou comunicação para criar conhecimento esuscitar interesse. Para Parmerlee (2000) o Marketing-mix é como, quando e onde osobjectivos serão alcançados. Neste sentido, é necessário desenvolver as acções deMarketing mais adequadas e eficazes para alcançar os objectivos pretendidos. O Marketing-mix é composto pelos seguintes elementos essenciais: produto,preço, comunicação e distribuição, sendo estas variáveis a razão para actividade deMarketing e, consequentemente, da definição de todas as acções para atingir as metas,os objectivos e o público-alvo (Kerin et al., 2008). Neste sentido, as acções definidaspara cada uma das variáveis têm como principal objectivo implementar a estratégia da 38
  • 39. empresa. Mais concretamente, a tarefa básica do Marketing é combinar os quatroelementos no PM de forma coerente, atingindo assim mais facilmente os resultadospretendidos. Seguidamente, apresentam-se de forma mais pormenorizada as quatro variáveisprincipais do Marketing-mix: o produto/serviço, a distribuição, o preço e acomunicação, iniciando-se com uma breve revisão da literatura da variável.13.1.1. Produto/serviço O produto consiste em dar a conhecer, organizar e renovar aquilo que a empresavende aos seus clientes, quer seja um bem ou um serviço (Lindon et al., 2004). Maisespecificamente, este “P” do Marketing-mix refere-se ao produto ou serviço em si, tantona sua forma física como nas suas características, nomeadamente a produção, aqualidade, a marca, o design, a embalagem, serviço, garantia (Kerin et al., 2008). Hoffman e Bateson (2006) referenciam que os gestores que tenham uma visãomais ampla dos seus produtos podem fazer um trabalho mais eficiente, compreendendoas necessidades do cliente e satisfazendo essas necessidades com maior eficiência, coma finalidade de diferenciar as ofertas dos seus produtos das dos concorrentes. A Blogue da Biblioteca do Agrupamento é um produto/serviço aberto àcomunidade com vista a interagir e criar sinergias positivas. Pretende compreender asnecessidades dos nossos utilizadores e satisfazer essas mesmas necessidades comeficiência e eficácia, dando a conhecer, organizando e renovando todo o serviço eactividades desenvolvidos na BE. O seu lema é distinguir-se através dos seusprodutos/serviços, tendo em consideração as características dos mesmos, nomeadamentea fiabilidade, o desempenho, a acessibilidade, a exclusividade, entre outros. Visamosalcançar a satisfação dos nossos utilizadores e visitantes.13.1.2. Distribuição Distribuir produtos é entregá-los no local certo, em quantidade suficiente, comas características pretendidas, no momento exacto e com os serviços necessários à suavenda (Lindon et al., 2004). 39
  • 40. Um canal de distribuição corresponde ao percurso de um produto ou serviço,desde o período da produção ao do consumo pelo cliente, através das lojas, canais,cobertura, transporte, entre outros (Kerin et al., 2008). Lovelock e Wirtz, (2006) referem que o rápido crescimento da Internet e osmeios de comunicação móveis, redireccionam a estratégia de Marketing de serviço quedeve também abordar questões de lugar, ciberespaço e tempo, dando uma ênfaseespecial à rapidez, à programação e ao acesso electrónico. Belch e Belch (2008) explicam que os serviços on-line fornecem informação e aoportunidade de comprar e encomendar uma ampla gama de produtos ou serviços.Neste sentido, as empresas que podem disponibilizar serviços on-line, tornam maisacessíveis os seus serviços para os clientes, obtendo, assim, uma vantagem competitivasobre os seus concorrentes. O Blogue da Biblioteca é um serviço que beneficia das vantagens dasTecnologias da informação e Comunicação e que obrigatoriamente tem como canal dedistribuição o ciberespaço, ou seja a entrega do seu produto/serviço aos utilizadores éfeita do acesso à Internet. Encontra-se em acesso permanente e rápido, implicandosomente ligação à Internet. Plataforma Web e em horário alargado, de 24h por dia,proporcionando uma grande comodidade aos utilizadores.13.1.3. Preço As três outras variáveis do Marketing-mix (produto, distribuição e comunicação)criam valor de utilização ou de imagem, enquanto a variável preço, para além detambém poder contribuir para a imagem, pretende transformar esse valor em lucro paraa empresa (Lindon et al., 2004). O Blogue assume-se como um caso particular e especial pois é umproduto/serviço de acesso, praticamente, gratuito. Não tem custos directos para osutilizadores e representará uma mais-valia nas suas práticas. Implica simplesmente aexistência de um computador com acesso à Internet. O Blogue é de acesso livre e gratuito. O trabalho técnico fica a cargo da PB eCoordenadora das Bibliotecas do Agrupamento, responsável pela sua criação emanutenção. 40
  • 41. 13.1.4. Promoção/ Comunicação Com a perspectiva de atingir eficazmente o público-alvo, a empresa devedeterminar os objectivos da comunicação. Lovelock e Wirtz (2006) revelam que éimportante definir objectivos claros para a comunicar eficazmente com o mercado,aconselhando uma estrutura de verificação das comunicações através do modelo dos 5W’s: Quem (who) é nosso público-alvo? O que (what) precisamos comunicar econseguir? Como (how) devemos comunicar? Onde (where) devemos comunicar? EQuando (lhe) é que as comunicações devem ocorrer? Clow e Baak (2006) destacam que, actualmente, a força das empresas são asTIC, pois permitem a integração da publicidade e da comunicação de Marketing. Nocaso do Blogue da Biblioteca é uma força crucial. Considerou-se assim este “P” do Marketing-mix essencial para que este projetoseja bem-sucedido, pois faz a interligação direta entre a estratégia e o público-alvo.Assim sendo, vai determinando as ações necessárias para implementar as estratégias deMarketing definidas. Antes de desenhar a comunicação devemos de responder àsquestões do modelo dos 5 W’s, who? what? how? where? when?. Quem é o nossoalvo? O que precisamos de comunicar para conseguir os objetivos? Como devemoscomunicar? Onde devemos comunicar? Quando é que as comunicações devem ocorrer?WHO - Quem é o nosso público-alvo, o nosso “target”? Uma das componentes fundamentais do Marketing é o conhecimento doshábitos, das necessidades e anseios do segmento de mercado a que determinado produtose destina, de modo a antecipar e satisfazer as necessidades do seu alvo. O Agrupamento Vertical Dr. A.C. Pires de Lima integra alunos do ensino préprimário, 1º,2º e 3º ciclo cuja faixa etária vai dos 3 aos 16 anos. Ao promover um novoproduto tivemos em consideração as características mais relevantes desta faixa assimcomo das suas famílias e da comunidade educativa em geral.WHAT - O que precisamos de comunicar? É necessário chegar junto do público-alvo através duma comunicação objetiva,efetiva e concreta de forma a motivá-los à visita e participação no Blogue. Comunicar 41
  • 42. toda a informação útil e relevante. Eventos, concursos, filme do mês, escritor do mês,livro do mês, entre outros.HOW – Como precisamos de comunicar?Verificar quais os suportes mais eficazes para cada um dos grupos alvo através dosseguintes pontos: • Comunicação do Blogue – Cartazes colocados em diferentes pontos estratégicos da Comunidade indicando o seu endereço do Blogue; • Marcadores de livros com endereço do Blogue; • Enviar endereço do Blogue para todos os emails conseguidos, quer de Professores, quer de alunos e seus familiares.WHERE – Onde devemos comunicar?Utilizando o ciberespaço de que dispomos e o espaço físico da (s) Escola (s),expositores junto ao bar, no átrio principal, no polivalente, na cantina, nos blocos ondeos alunos têm aulas, nas três EB1JI do Agrupamento, nos expositores da junta defreguesia do Bonfim, na BPMP, entre outros que se considerem oportunos, eficientes eeficazes.WHEN – Quando é que a comunicação deve ocorrer?Sempre, deve ser contínua e permanentemente atualizada. Neste sentido, a criação doBlogue atendeu a critérios específicos: • Os conteúdos, as cores, o tipo de letra e ícones utilizados, tudo foi pensado ao pormenor, na ótica do nosso público-alvo, em cuja construção e desenvolvimento ele deverá participar ativamente. Para cativar o nosso público- alvo é fundamental o conhecimento e o respeito pelos seus interesses. O utilizador deve colaborar na elaboração do Blogue de forma a tornar-se cúmplice, envolver-se com a comunidade educativa; 42
  • 43. • Fazendo parte de um todo orgânico, o Blogue não poderá deixar de remeter para a instituição em que se insere, pelo que terá forçosamente de conter o logótipo da Escola; • Dado o nível etário do “alvo preferencial”, no Blogue a vertente lúdica assume alguma relevância; • Está em constante atualização, para manter um nível elevado de interesse pela novidade e mostrar à comunidade o trabalho desenvolvido pela BE; • O Blogue promove a vivência de toda a Escola e recolhe contributos para o Jornal da Escola “Arco Iris”, divulga informações pertinentes de todas as estruturas, apoia alunos e docentes em disciplinas das áreas curriculares disciplinares e não disciplinares, anuncia eventos, promove concursos e fóruns de discussão, divulga links e outros Blogues de relevância pedagógica, lançar desafios a alunos, pais e Professores.Para a criação da imagem de marca do Blogue da Biblioteca entendemos importante queo logótipo da escola estivesse integrado, como se pode visualizar a seguir: Figura2 - Logótipo do Agrupamento Vertical Dr.A.C.Pires de Lima Figura 3 - Imagem de marca do blogue da Biblioteca 43
  • 44. Figura4 - Actividades de Matemática na Biblioteca 44
  • 45. Figura 5 - Apoio a campanhas de solidariedade Figura 6 - Divulgação da Feira do Livro 2010 45
  • 46. Figura 7 - Filme do mês de Dezembro 2010 Figura 8 - Filme do mês de Março 2011 Figura 9 - Escritora Ana Saldanha na Biblioteca a 21 de Março 46
  • 47. Figura10 - 23 de Abril Figura11 - Sugestões de LeituraFigura12 - Participação da BE nas correntes de escrita e encontro com os escritores: 47
  • 48. 14. Orçamento A Biblioteca não possui contabilidade própria nem orçamento definido eatribuído pelos órgãos de gestão do Agrupamento. É um item que não está bem definidopela RBE e Ministério da Educação, o que limita em muitos aspectos a sua actuação, odesenvolvimento de actividades em termos de promoção e divulgação. Aproveitando o facto de o Blogue ser uma ferramenta gratuita, fácil de criar econsultar, não implicando custos para a escola, foi apresentado o projecto em linhasgerais, à Direcção do Agrupamento e pedida autorização para a criação do Blogue. Éuma ferramenta gratuita que pode permitir gerar receita para a Biblioteca e só necessitaem termos de equipamento Computador com ligação à Internet e em termos de RH:Professora Bibliotecária responsável pela criação e manutenção. Todo o orçamento ésuportado pelo Ministério da Educação, quer em termos de recursos físicos e humanos.Para divulgar o produto/serviço da Biblioteca, o meio mais eficazes é o Blogue daBiblioteca, que não apresenta custos directos para a escola A demonstração das mais-valias deste recurso e do projecto permitiu que fossedada autorização à implementação do mesmo.15. Plano de Implementação Este ponto do PM é crucial para verificar a coerência com os objectivos deMarketing definidos. O sucesso do Plano de uma empresa na implementação das acções deMarketing-mix desenvolvidas consiste no controlo das estratégias definidas. SegundoCohen, (2006) para implementar um PM com sucesso, deve-se controlá-lo para garantirque os objectivos e metas planeadas foram atingidos. Aconselha-se, ainda, a registartodas as acções do PM num cronograma e medir a alocação de recursos previstos contraos que na realidade foram usados, juntamente com o período em que estes devem serutilizados. 48
  • 49. O Plano de Implementação definirá com o detalhe possível quem o fará, quando,como e o respetivo custo. Assim sendo, a implementação é a etapa final do processo doPM. Elementos fundamentais para a criação do Blogue: PB que é também elementoda equipa PTE, Equipa da BE, coordenadores de estabelecimento/departamento,representantes das Associações de Pais, Funcionária da BE, alunos. Apresenta uma relação custo/qualidade bastante boa tendo em conta ascaracterísticas de criação e manutenção do Blogue. Acção Detalhe da acção Responsável Cronograma pela acção da acçãoReunião com Apresentação do projecto na Direcção da PB Coordenadora Outubro deDireção escola e pedido de autorização para a da BE 2009 dinamização do mesmoCriação do Criar um Blogue apelativo para as PB Coordenadora Novembro deBlogue Bibliotecas do Agrupamento da BE 2009Criação de um Criar um conjunto de regras que norteie a PB Coordenadora Novembro deregulamento missão do Blogue da BE 2009actualizadoDivulgação do Através de diferentes meios divulgar o PB Coordenadora DiariamenteBlogue Blogue: Moodle, vitrinas, cartazes, da BE marcadores de livrosActualização do Manter o Blogue permanentemente PB Coordenadora Sempre que éBlogue actualizado, atractivo e em permanente da BE oportuno, comunicação com o utilizador diário/semanalElaboração de Elaborar instrumentos de avaliação do PB Coordenadora Junho 2010instrumentos de Blogue, quer em suporte papel, quer digitais da BE Maio 2011avaliação quer inseridos no próprio BlogueAplicação dos Mensalmente aplicar os instrumentos de fora PB Coordenadora Fim de cadainstrumentos à aleatórios a alunos, professores e da BE período lectivocomunidade Encarregados de educaçãoeducativaAvaliação do Através do número de visitantes, do PB Coordenadora Início de cadaimpacto do aumento do número dos amigos da BE dos da BE períodoBlogue participantes nas actividades e frequentadores e utilizadores dos serviços 49
  • 50. Participação Solicitar no início de cada período PB Coordenadora Uma vez pordos resultados autorização para comunicar em CP os da BE trimestreem CP resultados do PM do Blogue da BEQuadro 2. Implementação e controlo dos objectivos estratégicos do Blogue(Fonte: Sistematização própria) 50
  • 51. 16. Proposta de Avaliação: medir o impacto Com o objectivo de medirmos o impacto do PM, colocamos um contador devisitas no Blogue. Sempre que um utilizador visita o Blogue o serviço escolhido,sitemeter actualiza o número de visitantes. Figura13 - Nº de visitantes até ao dia 12 de Maio de 2011Semanalmente recebemos um relatório no email associado ao Blogue a informar donúmero total de acessos por hora, por dia e por semana Biblioteca Pires de Lima (s32bibliotecapiresdelima) -- Site Summary --- Visits Total ........................ 6,410 Average per Day ................. 23 Average Visit Length .......... 9:39 This Week ...................... 158 Page Views Total ....................... 18,964 Average per Day ................. 63 Average per Visit .............. 2.8 This Week ...................... 440Dados referentes a 5 de Maio de 2011--- Page Views this Week ---DayHour 4/29 4/30 5/1 5/2 5/3 5/4 5/5 Total---- ----- ------ ------ ------ ------ ------ ------ -------1 0 0 0 4 0 1 0 52 0 0 0 0 2 0 0 23 0 0 0 0 0 0 0 04 0 0 0 0 0 0 0 05 0 0 0 0 0 0 0 06 0 0 0 0 0 0 0 07 0 0 0 0 0 1 1 2 51
  • 52. 8 0 0 0 0 0 0 0 09 1 0 0 4 7 5 7 2410 17 0 0 2 3 5 9 3611 3 0 0 1 8 6 22 4012 8 0 0 13 16 11 26 7413 2 0 0 3 8 2 18 3314 3 0 0 3 5 4 7 2215 7 0 0 7 7 2 10 3316 1 0 0 6 6 19 3 3517 1 0 0 9 3 3 7 2318 1 1 1 0 7 2 3 1519 1 0 1 3 2 2 1 1020 0 0 8 0 4 3 0 1521 0 0 3 0 0 0 5 822 1 1 0 4 0 9 0 1523 0 2 3 0 18 2 0 2524 0 1 0 15 5 1 1 23------ ------ ------ ------ ------ ------ ------ -------46 5 16 74 101 78 120 440Quadro3 - Informação semanal de acesso ao BlogueFonte: reports@sitemeter.comPara sabermos a opinião dos nossos visitantes, mensalmente colocamos uma sondagempara a classificação do Blogue.Qual a tua opinião acerca do Blogue? Muito Bom Bom Razoável MauQuadro 4 - Opinião sobre o Blogue Os utilizadores são convidados no Blogue a comentarem todas as notícias,actividades e participarem activamente na construção do Blogue. Na Biblioteca existe uma caixa onde os utilizadores e “Amigos da Biblioteca”podem deixar de forma livre e anónima todas as suas opiniões, sugestões que nospermitem aferir a qualidade do trabalho desenvolvido e a comunicação estabelecidacom a comunidade escolar. Mensalmente procedemos à análise e tratamento dasopiniões/sugestões e aferimos os resultados. 52
  • 53. 17. Conclusão O objectivo primordial deste trabalho foi a elaboração de um PM. Antes daelaboração deste projecto para a Biblioteca, havia um grande desconhecimento dasverdadeiras potencialidades deste serviço e de todas as actividades que aí eramdesenvolvidas. Apresentava ainda outras lacunas, nomeadamente ao nível da imagemcorporativa, totalmente inexistente. Sendo o Blogue o canal mais importante para adivulgação/promoção das actividades e serviços da Biblioteca, o PM para o Blogue -Canal Interactivo da escola era absolutamente indispensável. Um dos principais contributos deste projecto foi o Blogue das Bibliotecas ter-seconstituído como o principal e único Canal Interativo da Escola, permitiu dar a conhecera existência de uma nova ferramenta ao serviço da Comunidade Escolar, desenvolver aimagem de marca da Biblioteca, criar uma identidade gráfica da imagem do Blogue daBiblioteca, criar valor para os utilizadores do serviço, identificar as necessidades dosnossos seguidores, estimular a procura do Blogue e dos serviços promovidos pela BE. Aestratégia de promoção da BE permitiu a valorização do seu serviço e atrair ao Bloguealunos, Professores e Comunidade Educativa. Permite informar do trabalhodesenvolvido, interagir, comunicar. Conseguimos aumentar o número de famílias naenvolvência da Escola, aumentar o número de “amigos da Biblioteca” e satisfazer osutilizadores. A nova tecnologia usada permite recolher indícios das áreas de maiorinteresse dos utilizadores. O Blogue garante a divulgação de novas actividades junto dosutilizadores da BE. Com estes contributos acredita-se agora, que estão reunidas as condições para iniciarum novo ciclo, assente numa gestão moderna da Biblioteca do século XXI, flexível,com qualidade, com foco no utilizador e com as estruturas necessárias para umdesenvolvimento sustentável. As limitações foram várias, nomeadamente o facto de todo o projecto ter sidodesenvolvido praticamente sem ajuda o que o tornou moroso e por vezes difícil deimplementar. Assim, através deste PM acredita-se ter contribuído para reforçar a importância dasferramentas das TIC e do Marketing no planeamento dos serviços da Biblioteca. Apesarde já antes existir uma expectativa positiva quanto à utilidade da implementação de umPM do Blogue, a verdade é que nunca tinha sido feito anteriormente um esforço parasistematizar todas as acções a desenvolver pela Biblioteca numa perspectiva de 53
  • 54. Marketing. Desta forma, este trabalho confirmou a extrema utilidade do Marketing naconjuntura actual para melhor adequação do tipo de serviços e actividadesdesenvolvidos pela Biblioteca às necessidades dos seus utilizadores. Assim, o interessee o carácter inovador deste projecto decorrem em primeiro lugar da então inexistênciade um trabalho desta natureza na Biblioteca do Agrupamento Vertical Dr. A.C. Pires deLima que permitisse estabelecer de forma inequívoca o conjunto das acções deMarketing apresentadas. Podendo ser encarado por outros serviços semelhantes, noutrasBibliotecas, como um estímulo à reorientação para uma perspectiva de Marketing 54
  • 55. 18. Limitações e Constrangimentos ao Projecto Foram e são várias as limitações e constrangimentos à implementação edesenvolvimento do projecto: • A escola, sendo bastante problemática, implica que os seus gestores tenham falta de disponibilidade para as questões relacionadas com a biblioteca e não lhe dediquem o tempo, que com certeza gostariam; • O reduzido apoio em termos de equipa e a sua falta de formação na área da biblioteconomia e no domínio das TIC; • A falta de assistente operacional com formação; • A coordenadora da biblioteca e autora do presente projecto acumula um número muito elevado de tarefas o que condiciona profundamente o seu trabalho e obriga a uma grande dispersão. Coordenar quatro bibliotecas com todas as tarefas que lhe estão inerentes, nomeadamente a avaliação segundo o MABE, leccionar uma turma de 9º ano, preparar as aulas, fazer vigilâncias de exames, • A desmotivação e desânimo do corpo docente devido à sobrecarga de trabalho e desvalorização da profissão decorrente da actual conjuntura económica, social e educacional que o país atravessa, implica que nem sempre estão disponíveis para trabalhar em parceria com a biblioteca; • O blogue é actualizado fora do horário normal atribuído pois, o computador de trabalho da equipa da BE ainda não tem Internet, assim, as tarefas relacionadas com o Blogue, tratamento de informação e imagens, construção de documentos são feitas em casa em horário pós laboral. • O acesso à informação referente às quatro escolas do agrupamento não é tarefa fácil o que implica que, muita informação referente às bibliotecas e ao trabalho desenvolvido não seja por vezes, divulgado no tempo útil desejado. • O desconhecimento da importância do Marketing e das suas técnicas técnicas leva à desconfiança e a um trabalho redobrado para que a implementação do plano de Marketing do Blogue tenha sucesso. 55
  • 56. Apesar de todos os constrangimentos e limitações que enfrentamos, aimplementação do plano de marketing do Blogue permitiu que os seus objectivosfossem alcançados e que o Blogue se tenha instituído como o único canal interactivo doAgrupamento e único até ao momento. A implementação do projecto tem-se apresentado como um aliciante desafiodiário perante a diversidade de obstáculos a vencer. 56
  • 57. Bibliografia / Referências bibliográficasAaker, D. A., Cumaru, V. e Day, G. S. (2004), Marketing Research, Hoboken: JohnWiley.Afonso, Natércio (1997). As famílias no novo modelo de gestão das escolas. RevistaESES, 5 (Janeiro), 31-51.Armstrong, J. S. (1982), “The Value of Formal Planning for Strategic Decisions”,Strategic Management Journal, Vol. 3, pp. 197-211.Belch, G. e Belch, M. A. (2008), Propaganda e Promoção: Uma Perspectiva daComunicação Integrada de Marketing, São Paulo: McGraw Hill.Belz, F. M. e Peattie, Ken (2009), Sustainability Marketing: a Global Perspective,Glasgow: Wiley.Benavente, Ana; «Da construção do sucesso escolar — equacionar a questão e debaterestratégias», in Seara Nova, nº18, Lisboa, 1988.Bertrand, Yves; Paul Valois; Paradigmas educacionais, Lisboa, Instituto Piaget, 1994.Boudon, Raymond La Logique du social, Paris, Hachette, 1979.Boudon, Raymond ; LExplication des normes sociales, , Paris, PUF, 2001.Bourdieu, Pierre; Jean-Claude Passeron; La reproduction. Eléments pour une théorie dusystème denseignement, Paris, Editions de Minuit, 1970.Calçada, Teresa. « O nó da Rede a Rede nós”, in palestra proferida em Seminário emFamalicão, BIBLIOTECA Municipal de Vila Nova de Famalicão,22 de Outubro de2010.Calixto, José António; "Bibliotecas Públicas: um projecto (de) vida". Comunicaçãoapresentada no colóquio As bibliotecas em transformação, Centro Cultural de Belém,Lisboa, 25 de Novembro de 1997.Carvalho, C. (2008), A Qualidade do Serviço Público: O Caso da Loja do Cidadão,Porto: [FEP-UP]. 57
  • 58. Casey, Michael e Laura C. Savastinuk - Library 2.0: a guide to participatory libraryservice,Cervo, A. L. e Bervian, P. A, Metodologia Científica, São Paulo: Makron Books.Charlot, Bernard; La relación com el saber, formación de maestros y profesores,educación y globalización. Cuestiones para la educación de hoy. Montevideo: EdicionesTrilce, 2008.Christensen, C. Roland e Andrews Ken, publish Business Policy: Text and Cases, agroundbreaking strategy textClow, K. e Baack, D. (2006), Integrated Advertising, Promotion, and MarketinCommunications, New Jersey: Pearson/Prentice Hall.Cohen, W. A. (2006), The Marketing Plan, Hoben: John Wiley & Sons Clow, K. eBaack, D. (2006), Integrated Advertising, Promotion, and Marketing Communications,New Jersey: Pearson/Prentice Hall.Davies, Don; Ramiro Marques e Pedro Silva. Os professores e as famílias. Acolaboração possível. 2.ª ed., Lisboa: Livros Horizonte.Davies, Don. et al.(1997). As escolas e as famílias em Portugal: Realidade eperspectivas. Lisboa: Livros Horizonte.Deed (sd), A educação na sociedade actual. Mobilidade social e escolar: (in) sucessoeducativo - factores psico-sociológicos e pedagógicos, em http://www.moodle.univ-ab.pt/moodle/mod/resource/view.php?id=531051 [consultado em Março de 2011].Decreto-Lei Nº 240/2001 de 30 de AgostoDespacho nº100/2010, de 5 de Janeiro de 2010Diogo, José (1995) - Cultura da escola e interacção com a família: Contributo para oestudo das dinâmicas de envolvimento das famílias na vida escolar. Dissertação deMestrado. Universidade Nova de Lisboa, Faculdade de Ciências e Tecnologia.Dunst, C. (2010), “Practitioners’ Self-Evaluations of Contrasting Types of ProfessionalDevelopment”, Journal of Early Intervention, Vol. 32, Nº 4, pp. 239-254. 58
  • 59. Epstein, J.L. (1997) Coates, L., Salinas, K.C., Sanders, M.G., & Simon, B.S. School,Family, and Community Partnerships: Your Handbook for Action. Thousand Oaks, CA:Corwin Press.Giglione, Rodolphe; Matalon, Benjamin (1997). O inquérito: teoria e prática. Oeiras:Celta.Grnroos, C. (2000), Service Management and Marketing: A Customer RelationshipManagement Approach, New York: John Wiley.Haden, K., Chaddock, M., Hoffsis, G., Lloyd, J., Reed, W., Ranney, R. e Weinstein, G.(2010), “Preparing Faculty for the Future: AAVMC Members Perceptions ofProfessional Development Needs”, Journal of Veterinary Medical Education, Vol. 37,Nº 3, pp. 220-232Hacht, Anne Van; A escola à prova da sociologia, Lisboa, Instituto Piaget, 1992.Hill, Manuela Magalhães; Hill, Andrew (2000). Investigação por questionário. Lisboa:Sílabo.Hill, T. e Westbrook, R. (1972), “SWOT Analysis: It’s Time for a Product Recall”,Long Range Planning, Vol. 30, Nº 1, pp. 46-52.Hoffman, K. D. e Bateson, J. E. (2006), Services Marketing: Concepts, Strategies andCases. Ohio: Thomson South-Western.Kellett, Peter M. (2001) . Managing conflict in a negotiated world: a narrative approachto achieving dialogue and change. London: Sage.Ken, Haycock (1997).Reinventing school libraries: alternatives, models and options forthe future”, In Forging forward: National Symposium on Information, Literacy and theSchool Library in Canada. Draft. Ottawa, ON: Canadian education Association,National Library of Canada.Kerin, R. A. e Hartley, S. W. e Berkowitz, E. N. e Ridelius, W. (2008), Marketing. SãoPaulo: McGrawHill. 59
  • 60. Koo, L. C., Koo, H. e Luk, L. (2008), “A Pragmatic and Holistic approach to StrategicFormulation through Adopting Balanced Scorecard, SWOT Analysis and Blue OceanStrategy – a Case Study Manufacturer in China”, International Journal of Managerialand Financial Accounting, Vol. 1, Nº 2, pp. 127-146.Kotler, P., Hayes, T. e Bloom, P. N. (2004, Marketing de Serviços Profissionais:Estratégias Inovadoras para Impulsionar sua Actividade, sua Imagem e seus Lucros, SãoPaulo: Manole.Lambin, J. (2000), Marketing Estratégico, Lisboa: McGraw-Hill de Portugal, Lda.Lencastre, P. (2007), O Livro da Marca, Lisboa: Dom Quixote.Lei de Bases do Sistema Educativo PortuguêsLima, Jorge Ávila (2002). As culturas colaborativas nas escolas. Porto: Porto Editora,Lindon, D.; Lendrevie, J.; Lévy, J.; Dionísio, P. e Rodrigues, J. V. (2004), MercatorXXI: Teoria e Prática do Marketing. Lisboa: Dom Quixote.Lovelock, C. e Wirtz, J. (2006), Services Marketing: People, Technology, Strategy. SãoPaulo: Pearson.Marques, Ramiro (1989) A escola e os pais: como colaborar? Lisboa: Texto Editora.McCarthy, J. (1960), Basic Marketing: A Managerial Approach. Illinois: Irwin.Melo, Luiza Baptista. Estatísticas e avaliação da qualidade e do desempenho embibliotecas e serviços de informação: investigações recentes e novos projectos. [Emlinha]. Disponível em www: <http://s.app.telepac.pt/apbad/congresso8/com20.pdf>.Morin, Edgar - Os sete saberes necessários à educação do futuro / Edgar Morin;tradução de Catarina Eleonora F. da Silva e Jeanne Sawaya; revisão técnica de Edgardde Assis Carvalho. – 2. ed. – São Paulo : Cortez; Brasília, DF: UNESCO, 2000.Ochôa, Paula; Pinto, Leonor Gaspar. Os bibliotecários como catalisadores da mudança:o caso do Observatório da Qualidade em Serviços de Informação e Conhecimento. [Emlinha]. (2005).Abril de 2011]. Disponível em www: <http://sapp.telepac.pt/apbad/congresso8/com32.pdf>. 60
  • 61. OReilly, Tim; What is Web 2.0 Design Patterns and Business Models for the Next,2009.Parmerlee, D. (2006), Preparing the Marketing Plan. Chicago: NTC.Perrenoud, Philippe; Ofício de aluno e sentido do trabalho escolar. Porto Editora.Portugal, 1995.Pickton, D. W. e Wright, S. (1998), “What’s SWOT in Strategic Analysis”, StrategicChange, Vol. 7, pp. 101-109.Proença, J. F. (2008), Marketing de Serviços Públicos: Casos de Estudo Portugueses,Lisboa: Escolar editora.Pinto, Francisco (2004), Balanced Scorecard – Alinhar Mudança, Estratégia ePerformanceRocha, J. A. Oliveira (2001) – Gestão Pública e Modernização Administrativa. Lisboa:INA.Stoer, Stephen; “Construindo a Escola Democrática através do «Campo daRecontextualização Pedagógica» ”, Educação, Sociedade e Culturas, 1994.Stoer, Stephen; “A Reforma Educativa e a Formação Inicial e Contínua de Professoresem Portugal: Perspectivas Inter/multiculturais” in A. Nóvoa e T. Popkewitz, ReformasEducativas e Formação de Professores, Lisboa: Educa, 1992.Topa, Francisco, “Augusto César Pires de Lima, um exemplo vivo para o nosso tempo”in palestra proferida em colóquio, Porto, CMP, 1993Villas-Boas, Maria Adelina. A relação escola-família-comunidade inserida naproblemática da formação de professores. FPCEUL.Villas-Boas, Maria Adelina. et al..(1998).”Uma visão da relação escola / família /comunidade nas escolas do 1º ciclo”. Lisboa: DAPP – ME.Westwood, J. (2007), O Plano de Marketing, São Paulo: M.Books.Zenhas, Armanda (2006). O Papel do Director de Turma na Colaboração Escola-Família. Porto: Porto Editora. 61