Nanotecnologia Bens de Capital

575 views
513 views

Published on

Apresentação efetuada em 03/out/11, por João Alfredo Saraiva, Pres do IPDMAQ, na oportunidade do evento de Nanotecnologia realizado pela ABDI no Senai Mário Amato - SBC

Published in: Business
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
575
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
5
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Nanotecnologia Bens de Capital

  1. 1. 1<br />DEMANDAS DO SETOR DE BENS DE CAPITAL EM NANOTECNOLOGIA<br />03 de outubro de 2011<br />João Alfredo Saraiva Delgado<br />
  2. 2. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS<br />
  3. 3. A ABIMAQ<br />ABIMAQ – uma das mais importantes entidades no setor industrial brasileiro. Tem como missão a promoção do desenvolvimento sustentável do setor de bens de capital, em termos de produtos, serviços e ações político-institucionais .<br />A indústria brasileira de bens de capital mecânicos (BKM) é constituída por cerca de 4.500 empresas, responsáveis por mais de 250.000 empregos diretos e, segundo dados do IPEA, por 1,6 milhões de postos de trabalho em sua cadeia produtiva. O setor alcançou, em 2010, um faturamento da ordem de R$ 80 bilhões, com exportações superiores a US$ 9 bilhões.<br />
  4. 4. A ABIMAQ E A INDÚSTRIA <br />DE BENS DE CAPITAL<br />A ABIMAQ representa 4,500 empresas com os seguintes perfis: <br />PORTE<br />LOCALIZAÇÃO<br />69% São Paulo<br />11% Rio Grande do Sul<br />6% Rio de Janeiro<br />5% Santa Catarina<br />4% Paraná<br />3% Minas Gerais<br />2% Demais regiões<br />
  5. 5. ESCRITÓRIOS REGIONAIS<br />SRMG - BELO HORIZONTE <br />SRNN - NORTE-NORDESTE <br />SRPI - PIRACICABA <br />SRPR - CURITIBA <br />SRRJ - RIO DE JANEIRO <br />SRRP- RIBEIRÃO PRETO <br />SRRS - PORTO ALEGRE <br />SRSC- JOINVILLE <br />SRVP - VALE DO PARAÍBA<br />SRDF -BRASÍLIA<br />
  6. 6. SERVIÇOS E BENEFÍCIOS PRESTADOS PELA ABIMAQ<br />Câmaras Setoriais;<br />Indicadores Econômicos e Dados Estatísticos;<br />IPDMAQ (Orientação Empresarial em Tecnologia e Inovação);<br />- DATAMAQ;<br /> - Oportunidades de Negócios<br /> - Treinamentos;<br /> - Atestados de Produção nacional<br /> - Defesa Comercial<br />Comércio Exterior,<br /> - Promoção Comercial;<br /> - Inteligência de Mercado;<br /> - Negociações Internacionais<br /> - Defesa Comercial<br />Financiamentos<br />Consultoria Jurídica, Trabalhista, Civil, Comercial e Tributária;<br />Feiras no Brasil;<br />Centro de Convenções;<br />Portal B2B;<br />
  7. 7. CÂMARAS SETORIAIS<br />15. Máquinas e Equipamentos para Madeira. 16. Máquinas-Ferramenta e Sistemas Integrados da Manufatura. 17. Máquinas. e Implementos Agrícolas.18. Máquinas. para a Indústria Alimentícia, Farmacêutica e Refrigeração.19. Máquinas. Rodoviárias. 20. Projetos e Equipamentos. Pesados. 21. Máquinas. Equipamentos. Instrumentos para Controle da Qualidade, Ensaio e Medição. 22. Transmissão Mecânica. 23. Válvulas Industriais. 24. Motores.25. Vedações.26. Sindicato nacional das Indústrias de Equipamentos para Saneamento Básico e Ambiental.<br />01. Ar Comprimido e Gases. <br />02. Bombas e Motobombas.<br />03. Máquinas e Equipamentos para <br /> Cimento e Mineração.<br />04. Equipamentos de Irrigação. <br />05. Equipamentos Navais e de Offshore. <br />06. Fornos e Estufas Industriais. <br />07. Fabricantes de Ferramentas. <br />08. Ferramentaria e Modelação. <br />09. Equipamentos para Ginástica. <br />10. Equipamentos Hidráulicos, Pneumáticos<br /> e Automação Industrial.<br />11. Máquinas e Acessórios para Indústria do <br /> Plástico.<br />12. Equipamentos. para Movimentação e <br /> Armazenagem.<br />13. Máquinas e Acessórios Têxteis. <br />14. Máquinas e Equipamentos Gráficos. <br />
  8. 8. 8<br />DEMANDAS DO SETOR DE BENS DE CAPITAL EM NANOTECNOLOGIA<br />
  9. 9. 9<br />DEMANDAS DO SETOR DE BENS DE CAPITAL EM NANOTECNOLOGIA<br />Relacionado<br />Espera-se que os conhecimentos gerados pela Nanociência e Nanotecnologia originem mudanças em quase todas as áreas. Tirando partido dos comportamentos peculiares da matéria e da energia, à escala atómica e molecular, espera-se poder implementar materiais e estruturas nanoscópicas com propriedades e funcionalidades específicas.<br />As descobertas da nanotecnologia, permitirão reduções significativas no consumo de matérias-primas e de energia, devido ao emprego de processos de produção e ao uso de equipamentos mais eficientes, diminuindo assim os resíduos nos vários ciclos da vida dos produtos.<br /><ul><li>Tecnologia de fronteira
  10. 10. Mudanças de paradigma
  11. 11. Oportunidade para aprimoramento de máquinas</li></li></ul><li>10<br />DEMANDAS DO SETOR DE BENS DE CAPITAL EM NANOTECNOLOGIA<br />ABDI<br />
  12. 12. 11<br />DEMANDAS DO SETOR DE BENS DE CAPITAL EM NANOTECNOLOGIA<br />No âmbito da Estratégia Nacional de Nanotecnologia é necessário a Construção de uma Agenda Tecnológica Setorial específica para Bens de Capital que tenha como vetor principal o “Estudo Prospectivo da Nanotecnologia” de forma a completá-lo com a identificação daquelas que podem ser transbordadas de forma viável para o setor de Máquinas e Equipamentos.<br />Entendemos que a metodologia adotada para o estudo “Perspectivas de Desenvolvimento Tecnológico para a Indústria de Bens de Capital para Energia Renovável (IBKER), possa ser adotada de forma rápida para, a partir de um painel de especialistas, identificar os principais recortes para a construção dessa Agenda.<br />
  13. 13. Objetivo<br />O objetivo do estudo deve ser avaliar as perspectivas de desenvolvimento tecnológico para a Indústria de Bens de Capital com foco em Nanotecnologia (IBKNano), esperadas para o horizonte dos próximos 20 anos, visando subsidiar iniciativas posteriores no sentido de construir uma agenda tecnológica para essa indústria e subsidiar ações de Política Industrial.<br /> Devem ser selecionados os setores com maior impacto no desenvolvimento tecnológico em nanotecnologia<br />Energias Renováveis<br /><ul><li>Petróleo e Gás
  14. 14. Meio Ambiênte
  15. 15. Outras Máquinas</li></ul>Para esses setores serão analisados o conjunto de equipamentos relacionados à ütilização de Nanotecnologia<br />12<br />DEMANDAS DO SETOR DE BENS DE CAPITAL EM NANOTECNOLOGIA<br />
  16. 16. 13<br />DEMANDAS DO SETOR DE BENS DE CAPITAL EM NANOTECNOLOGIA<br />
  17. 17. 14<br />DEMANDAS DO SETOR DE BENS DE CAPITAL EM NANOTECNOLOGIA<br />Segmentação Industrial-Tecnológica<br />Estruturais: Matéria-prima, fundidos, forjados, laminados, caldeiraria<br />Subsistemas mecânicos: Redutores, rolamentos, eixos, geradores, motores<br />Subsistemas hidráulicos e pneumáticos: HP + conexões, tubulações, vedações, lubrificação<br />Subsistemas elétricos: Motores, controles, componentes, painéis<br />Subsistemas eletrônicos: Servo motores, CLP´s, CNC, sensores<br />Materiais auxiliares: Energia, lubrificantes, ferramentas<br />Sub-sistemas de TIC (Tecnologias de Informação e Comunicação): Software, automação de projetos, automação de manufatura<br />Eficiência e sustentabilidade: Conservação, mecanismos limpos<br />
  18. 18. 15<br />Metodologia<br />Objeto<br />
  19. 19. 16<br />DEMANDAS DO SETOR DE BENS DE CAPITAL EM NANOTECNOLOGIA<br />ABDI<br />
  20. 20. 17<br />DEMANDAS DO SETOR DE BENS DE CAPITAL EM NANOTECNOLOGIA<br />Desenvolvimento do Trabalho:<br />Mapeamento e Análise de Estudos Prospectivos  Perspectivas Viáveis <br />Consulta/Oficina para Definição da Rota Tecnológica  Rota e Macroações<br />Consulta de Priorização de Macroações<br />Detalhamento das Macroações priorizadas<br />Oficina para seleção de n projetos<br />Elaboração de n Projetos Tecnológicos<br />
  21. 21. 18<br />DEMANDAS DO SETOR DE BENS DE CAPITAL EM NANOTECNOLOGIA<br />Metodologia<br />A complexidade do setor acarreta que o recorte analítico vá além da atividade produtiva propriamente dita, enfocando a cadeia produtiva comandada pela produção dos equipamentos e também os setores usuários. Neste sentido, tanto os fornecedores de materiais, peças e componentes, quanto os demandantes destes bens farão parte do escopo da pesquisa. Na medida do necessário, também as atividades de serviços prestados aos fabricantes serão contempladas. <br />A complexidade tecnológica em termos de funções, especificações e produção deste conjunto de equipamentos também requer a construção de uma segmentação tecnológica adequada para a IBKNano, que viabilize o mapeamento e a organização das trajetórias de inovação esperadas. <br />
  22. 22. OBRIGADO!<br />João Alfredo Saraiva Delgado<br />joao.delgado@abimaq.org.br<br />(11) 5582-6320<br />19<br />DEMANDAS DO SETOR DE BENS DE CAPITAL EM NANOTECNOLOGIA<br />

×