Your SlideShare is downloading. ×
Mandado de segurança. decadência não verificada. direito. vagas
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Saving this for later?

Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime - even offline.

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Mandado de segurança. decadência não verificada. direito. vagas

426
views

Published on

MANDADO DE SEGURANÇA. DECADÊNCIA NÃO VERIFICADA. DIREITO …

MANDADO DE SEGURANÇA. DECADÊNCIA NÃO VERIFICADA. DIREITO
LÍQUIDO E CERTO NÃO DEMONSTRADO. APROVAÇÃO FORA DO NÚMERO DE VAGAS PREVISTA NO EDITAL. MERA EXPECTATIVA DE DIREITO. CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE PROFESSORES FEITA DE FORMA REGULAR E DE ACORDO COM A CONSTITUIÇÃO FEDERAL, LEI
FEDERAL N. 8.745/1993 E LEI ESTADUAL N. 6.915/1997. ORDEM DENEGADA DE ACORDO COM O PARECER MINISTERIAL MODIFICADO EM BANCA.


0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
426
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
2
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Superior Tribunal de JustiçaRECURSO EM MANDADO DE SEGURANÇA Nº 34.319 - MA (2011/0096723-4)RELATOR : MINISTRO MAURO CAMPBELL MARQUESRECORRENTE : SANDRA NÍVEA DUTRA DE MORAISADVOGADO : CARLOS LEVY FERREIRA GOMESRECORRIDO : ESTADO DO MARANHÃOPROCURADOR : ORLICA MARIA MARTINS PEREIRA E OUTRO(S) RELATÓRIO O EXMO. SR. MINISTRO MAURO CAMPBELL MARQUES (Relator):Cuida-se de recurso ordinário em mandado de segurança interposto por Sandra Nívea Dutrade Morais, inconformada com o aresto proferido pelas Câmara Cíveis Reunidas do Tribunalde Justiça do Estado do Maranhão e assim ementado: MANDADO DE SEGURANÇA. DECADÊNCIA NÃO VERIFICADA. DIREITO LÍQUIDO E CERTO NÃO DEMONSTRADO. APROVAÇÃO FORA DO NÚMERO DE VAGAS PREVISTA NO EDITAL. MERA EXPECTATIVA DE DIREITO. CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE PROFESSORES FEITA DE FORMA REGULAR E DE ACORDO COM A CONSTITUIÇÃO FEDERAL, LEI FEDERAL N. 8.745/1993 E LEI ESTADUAL N. 6.915/1997. ORDEM DENEGADA DE ACORDO COM O PARECER MINISTERIAL MODIFICADO EM BANCA. Em suas razões, a recorrente narra que não foi nomeada para o cargo de professorpara o qual obteve aprovação fora do número de vagas ofertadas no edital 001/2009 doconcurso público realizado pela Secretaria Estadual de Educação. Aponta, ainda a contrataçãoprecária de outrem para o exercício das funções do cargo para o qual ele obteve aprovação.Por fim, disserta sobre o seu eventual direito à nomeação. Não foram apresentadas contrarrazões. O parecer ministerial foi pelo não provimento do recurso. É o relatório.Documento: 19282076 - RELATÓRIO, EMENTA E VOTO - Site certificado Página 1 de 4
  • 2. Superior Tribunal de JustiçaRECURSO EM MANDADO DE SEGURANÇA Nº 34.319 - MA (2011/0096723-4) EMENTA ADMINISTRATIVO. RECURSO ORDINÁRIO EM MANDADO DE SEGURANÇA. CONCURSO PÚBLICO. CANDIDATA APROVADA NO CERTAME FORA DO NÚMERO DE VAGAS. CONVOCAÇÃO E CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA. PRETERIÇÃO. DIREITO SUBJETIVO À NOMEAÇÃO. 1. Trata-se, na origem, de mandado de segurança impetrado com o objetivo de obter nomeação e posse em razão de aprovação em concurso público fora do número de vagas previsto no edital. 2. A instância ordinária denegou a segurança tendo em vista que, embora a recorrente tenha sido aprovada no concurso, sua classificação encontra-se fora do número de vagas previsto no edital. 3. O STJ adota o entendimento de que a mera expectativa de nomeação dos candidatos aprovados em concurso público (fora do número de vagas) convola-se em direito líquido e certo quando, dentro do prazo de validade do certame, há contratação de pessoal de forma precária para o preenchimento de vagas existentes, com preterição daqueles que, aprovados, estariam aptos a ocupar o mesmo cargo ou função. Precedentes. 4. No caso dos autos, comprovou-se que o prazo de validade do concurso não se expirou por ocasião da realização de concurso para contratação precária de candidatos para o exercício das funções do cargo para o qual a recorrente obteve aprovação, de modo que merece reforma o acórdão da Corte de origem, sobretudo quando se observa que o art. 2º, inc. VII, da Lei estadual n. 6.915/1997, a qual regula a contratação temporária de professores no âmbito do Estado do Maranhão, fixa que a contratação temporária somente é possível quando não existam candidatos aprovados em concurso público e devidamente habilitados. 5. Recurso ordinário em mandado de segurança provido. VOTO O EXMO. SR. MINISTRO MAURO CAMPBELL MARQUES (Relator):Trata-se, na origem, de mandado de segurança impetrado com o objetivo de obter nomeação eposse em razão de aprovação em concurso público fora do número de vagas previsto noedital. A instância ordinária denegou a segurança tendo em vista que, embora a recorrentetenha sido aprovada no concurso, sua classificação encontra-se fora do número de vagasDocumento: 19282076 - RELATÓRIO, EMENTA E VOTO - Site certificado Página 2 de 4
  • 3. Superior Tribunal de Justiçaprevisto no edital. Penso que assiste razão à recorrente. O STJ adota o entendimento de que a mera expectativa de nomeação dos candidatosaprovados em concurso público (fora do número de vagas) convola-se em direito líquido ecerto quando, dentro do prazo de validade do certame, há contratação de pessoal de formaprecária para o preenchimento de vagas existentes, com preterição daqueles que, aprovados,estariam aptos a ocupar o mesmo cargo ou função. Nesse sentido, confiram-se os seguintesprecedentes: ADMINISTRATIVO. CONCURSO PÚBLICO. ENFERMEIRA. CANDIDATA APROVADA NO CERTAME. CONVOCAÇÃO E CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA. PRETERIÇÃO. NÃO COMPROVAÇÃO. EDITAL. AUSÊNCIA. NÃO DEMONSTRAÇÃO DO NÚMERO DE VAGAS OFERECIDAS. FALTA DE PROVA PRÉ-CONSTITUÍDA. DILAÇÃO PROBATÓRIA. IMPOSSIBILIDADE. 1. O Tribunal de Justiça piauiense julgou extinto o feito, sem resolução de mérito, por ausência de prova pré-constituída, nos termos do art, 6º, § 5º, da Lei 12.016/2009. 2. Com efeito, o STJ adota o entendimento de que a mera expectativa de nomeação dos candidatos aprovados em concurso público (fora do número de vagas) convola-se em direito líquido e certo quando, dentro do prazo de validade do certame, há contratação de pessoal de forma precária para o preenchimento de vagas existentes, com preterição daqueles que, aprovados, estariam aptos a ocupar o mesmo cargo ou função. 3. Todavia, in casu, não há nos autos cópia do edital de abertura do concurso, com o número de vagas oferecidas, nem a devida documentação acerca das supostas contratações temporárias. Há apenas a posição da candidata-recorrente na comarca para a qual concorreu. 4. Desse modo, não se verificam razões a ensejar revisão do julgado, que corretamente entendeu inexistir prova pré-constituída, condição de procedibilidade do Mandado de Segurança, com base no art. 6º da Lei 12.016/2009. 5. Recurso Ordinário não provido. (RMS 34.369/PI, Rel. Ministro HERMAN BENJAMIN, SEGUNDA TURMA, julgado em 20/10/2011, DJe 24/10/2011) No caso dos autos, comprovou-se que o prazo de validade do concurso não seexpirou por ocasião da realização de concurso para contratação precária de candidatos para oexercício das funções do cargo para o qual a recorrente obteve aprovação, de modo quemerece reforma o acórdão da corte de origem, sobretudo quando se observa que o art. 2º, inc.VII, da Lei Estadual n. 6.915/1997, a qual regula a contratação temporária de professores noâmbito do Estado do Maranhão, fixa que a contratação temporária somente é possível quandoDocumento: 19282076 - RELATÓRIO, EMENTA E VOTO - Site certificado Página 3 de 4
  • 4. Superior Tribunal de Justiçanão existam candidatos aprovados em concurso público e devidamente habilitados. Com essas considerações, voto por DAR PROVIMENTO ao recurso ordinário.Documento: 19282076 - RELATÓRIO, EMENTA E VOTO - Site certificado Página 4 de 4