Relação clínico laboratorial

213 views

Published on

o diagnóstico laboratorial é um conjunto de etapas que permitem confirmar ou não o prognóstico do médico. por isso é necessario que o médico dê informações clínicas sobre o paciente.

Published in: Health & Medicine
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
213
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
7
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Relação clínico laboratorial

  1. 1. 1 1. Introdução Na estrutura dos programas de controlo da tuberculose a primeira finalidade dos laboratórios de exame bacteriológico da tuberculose é detectar os casos de tuberculose, monitorar o progresso do tratamento e documentar a cura no fim do tratamento através da baciloscopia. O Programa Nacional de Controlo da Tuberculose, coordena em Luanda, dezassete unidades de tratamento da tuberculose e para melhor desempenho das suas atribuições, elaborou um formulário modelo de solicitação e resultado de exame, para garantir a padronização dos procedimentos relacionados ao diagnóstico laboratorial da tuberculose. A padronização dos métodos de trabalho possibilita a comparação de resultados no país, facilita o treinamento de profissionais, a delegação de responsabilidades e a selecção de equipamento, materiais e reagentes a serem adquiridos e utilizados; facilita ainda a avaliação do desempenho da rede de laboratórios e o estabelecimento de uma supervisão apropriada. Este relatório tem o propósito de fornecer informações sobre a organização dos registos, através da análise das requisições de solicitação de exames, distribuídas por todas as unidades de tratamento de Luanda, referente aos anos 2009-2010. Laboratório de Referência Nacional da Tuberculose – entidade supervisora da rede de laboratórios a nível nacional. 2. Administração laboratorial e manutenção de registos Um sistema de registo laboratorial fornece informações que podem ser utilizadas para melhorar a gerência do, PNCT em todas as esferas de governo. A manutenção dos registos recebidos dos procedimentos laboratoriais, dos resultados de exame e dos materiais enviados para o laboratório de referência nacional para a realização da cultura, identificação de espécies, teste de sensibilidade e controlo de qualidade, é essencial para o planeamento das estratégias a serem utilizadas para o controlo da doença. A padronização destes registos deve ser simples, prática e limitada às informações essenciais para a colheita, a compilação e avaliação das informações.
  2. 2. 2 Formulário de laboratório O formulário de solicitação e resultado se exame deve ser legível e com informações suficientes para a identificação do laboratório, do solicitante, do paciente, da amostra e dos métodos a serem analisados. Deve conter também datas (colheita, entrada no laboratório, da realização dos ensaios e da emissão do laudo), nome e assinatura dos responsáveis por sua emissão. Solicitação de exames As amostras clínicas encaminhadas ao laboratório devem estar acompanhadas da solicitação de exames, que é um formulário com informações úteis tanto para quem está solicitando como para o laboratório que irá processar a mostra. As requisições devem estar preenchidas completa e correctamente e devem conter, no mínimo, os seguintes dados, que podem ser valorizados em diferentes etapas do processamento do exame.  Identificação do paciente: nome e sobrenome completos sem abreviação; data de nascimento para evitar confusão com homónimos; idade actual; nome da mãe; gênero; endereço completo e telefone para contacto  Local da consulta e registo: ambulatório, hospital ou consultório  Informações sobre o paciente: hipótese diagnóstica, descrição objectiva dos achados clínicos significativos do local e características da infecção, uso de medicamentos.  Caracterização da amostra: respiratória ou não, local e tipo da via de obtenção do material, data da colheita  Aspectos físicos da amostra: o escarro pode apresentar-se como saliva, mucopurulento, sanguinolento ou liquefeito.  Natureza do exame solicitado: exame microscópico directo e/ou cultura; outros (identificação da espécie e teste de sensibilidade). 3. Considerações Finais A avaliação consistiu na análise das requisições ou formulários de solicitação de exames que deram entrada no laboratório de referência nacional no período 2009 – 2010. Foram analisadas um total de 275 requisições, das quais 50 eram cópias do modelo de formulário elaborado pelo PNCT e todas provenientes do Hospital Pediátrico Davide Bernardino (pediatria de luanda), as restantes 225 requisições eram provenientes de outras unidades hospitalares controladas pelo programa.
  3. 3. 3 As informações contidas nos formulários de solicitação são úteis, pois auxiliam os técnicos do laboratório para uma boa interpretação dos resultados. O envolvimento do médico ou de quem solicita o exame e o laboratório é útil para ambos, facilitando a interpretação de resultados, proporcionando melhor orientação técnica e mais objectividade. Por isso recomenda-se que nos próximos trabalhos de supervisão se fale da necessidade e importância do uso dos formulários já disponibilizados a todas as unidades de tratamento da tuberculose, para melhor controlo da doença. 4. Bibliografia  MINISTÉRIO DA SAÚDE DE ANGOLA, Direcção Nacional de Saúde Pública-Programa Nacional de Controlo da Tuberculose e Lepra (2005) Guia para o Tratamento da Tuberculose, 3ª ed., Projecto HAMSET, Luanda.  MINISTÉRIO DA SAÚDE DE ANGOLA, Programa Nacional de Controlo da Tuberculose e Lepra (2005) Manual de Diagnóstico Laboratorial, Projecto HAMSET, Luanda.  MINISTÉRIO DA SAÚDE DO BRASIL, Secretaria de Vigilância em Saúde-Departamento de Vigilância Epidemiológica (2008) Manual Nacional de Vigilância Laboratorial da Tuberculose e outras Micobactérias, Brasília.  VIVEIROS, M. & AUTOGUIA, J. (2007) Tuberculose, Universidade aberta, Lisboa.
  4. 4. 4

×