128 428-1-pb (1)

317 views
248 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
317
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
3
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

128 428-1-pb (1)

  1. 1. Pedagogia da mística: as experiências do MST∗ Pedagogy of mystic: the experiences of the MST Claudemiro Godoy do NASCIMENTO** Leila Chalub MARTINS*** Resumo: Neste artigo, queremos refletir sobre a pedagogia da mística enquanto espi- ritualidade cristã presente no Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra – MST. Mística que também se faz nas práticas pedagógicas e educativas do MST por meio de suas educações formal e não-formal com o intuito de fortalecer as lutas sociais desencadeadas pelo coletivo do movimento em suas várias vertentes. Dessa forma, a mística no e do MST se constitui um aphantésis (em grego: encontro) com o Deus da Vida. Esse encontro insere os sujeitos históricos do movimento na vocação perma- nente para “Ser Mais”, ser gente que quer brilhar e sonhar com uma nova sociedade. Neste sentido, queremos provocar reações críticas para que se possa entender as praticas do MST como um ato de misticidade que acontece no cotidiano de suas lutas e resistências. Palavras-chave: Mística. Pedagogia. Movimento social. MST. Abstract: In this article, we want to reflect on the Mystical Pedagogy as a Christian spirituality in the Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra – MST (Movement of the Landless Rural Workers). We also found this Mystic in pedagogical and teaching practices of the MST by formal and non-formal education with the aim of strengthening the social struggles triggered by the movement in its various ramifications. Thus, the mystic in and of the MST constituted an aphantésis (meeting in Greek) with the God of Life. This meeting inserts the historical subjects of the movement in the permanent vocation to “Be More”, be people who want to light and dream about a new society. In this sense, we want to provoke critical reactions in order to be possible to understand the practices of the MST as a mystic acting that happens in its daily struggles and re- sistances. Keywords: Mysticism. Pedagogy. Social movement. MST. Recebido em: 13/06/2008. Aceito em: 24/09/2008.∗ Texto apresentado na Conferência Internacional Educação, Globalização e Cidadania em João Pessoa – PB, na Universidade Federal daParaíba – UFPB, no período de 19 a 22 de fevereiro de 2008.∗∗ Licenciado em Filosofia pela UCG. Graduado em Teologia pelo Instituto de Teologia Santa Úrsula. Mestre em Educação pela Unicamp. Dou-torando em Educação pela UnB. Professor Assistente da Universidade Federal do Tocantins – UFT – Campus Universitário de Arraias – TO.E-mail: claugnas@uft.edu.br∗∗∗ Doutora em Ciências Sociais pela Unicamp. Adjunta da Faculdade de Educação da UnB. E-mail: chalub@unb.br Emancipação, Ponta Grossa, 8(2): 109-120, 2008. Disponível em <http://www.uepg.br/emancipacao>
  2. 2. Antônio Marcos de Sousa SILVAIntrodução a mística enquanto ação pedagógica que ensina e dá forças para que os sem-terra possam construir Podemos começar esta reflexão com uma demandas e bandeiras de luta. E, por fim, anali-analogia entre o texto do Evangelho de João 1, 14, samos como acontecem os momentos de místicaque afirma: “E a Palavra se fez homem e habitou e quais são os principais símbolos do MST, bementre nós. E nós contemplamos a sua glória: glória como sua importância para os camponeses.do Filho único do Pai, cheio de amor e fidelidade”.Assim, por que não dizer também que a Palavra sefaz sem-terra e habita entre nós. Alguns contem-plam as lutas e vitórias; outros, influenciados pela Mística-Espiritualidade: sinais da vidaelite burguesa dominante, os crucificam na calúnia, Como pensar, em comunhão e liberdade deno desamor, na injustiça e na intolerância. espírito, a mística e a espiritualidade da libertação Nessa direção, queremos apresentar a pe- para o século XXI? Como continuar dando pas-dagogia da mística a partir das experiências do sos concretos na busca da justiça social em tem-MST e de seus atores coletivos que se fortalecem pos de retorno do moralismo e do tradicionalismopela espiritualidade1 para continuar a caminhada fundamentalista que ronda as atitudes e práticasde lutas, de engajamentos e de busca constante religiosas? São questões que os cristãos e outraspor uma sociedade mais justa e solidária. Mística religiões devem buscar compreender. Por isso,que se faz presente no dia-a-dia dos sem-terra que, queremos refletir a mística a partir da tradição cristãespalhados pelo Brasil, unem-se numa comunhão que se encontra com maior enraizamento na cultu-de esperança na luta pelos direitos sociais de Re- ra brasileira e nas ações pedagógicas do MST.forma Agrária, de Educação, de Saúde, de Agricul- Antes de tudo, precisamos entender quetura Familiar e, com isso, conseguem estremecer toda mística tem como sentido último a libertaçãoos palácios do poder constituído. das pessoas. A mística é uma adesão pessoal a Não pretendemos destacar outros aspectos um projeto de vida a ser vivido em comum por umdo MST que não seja a importância da mística en- grupo social, ou seja, por um determinado coletivoquanto ação pedagógica que fortalece, encoraja, de pessoas. Os cristãos possuem sua mística. Naestimula, ensina, cria e recria novas ações coleti- tradição cristã existem muitas formas de místicavas por parte dos trabalhadores rurais. A mística nas diversas denominações. Os católicos, os an-concretiza-se no momento em que os sem-terra se glicanos, os luteranos, os ortodoxos, os evangéli-encontram com os três pilares que fundamentam cos enfim, cada um vive a sua mística/espirituali-sua caminhada, a saber: o encontro com si mesmo, dade. E, ainda, no interior de cada denominaçãocom o outro e com Deus (BOFF, 1998). religiosa existem grupos que vivem diferentemente Dividimos esta reflexão em três partes que o projeto místico.se complementam, para que possamos entender Nas primeiras comunidades cristãs, a mís-toda a dinâmica na qual se insere a mística en- tica-espiritualidade cristã estava sendo vivida sobquanto ação pedagógica no MST. Dessa forma, no a égide da perseguição do Império Romano e daprimeiro momento analisamos a mística enquan- perseguição de grupos extremistas do judaísmo.to espiritualidade que liberta, tendo em vista que, Hoje, vive-se a mística-espiritualidade cristã daem geral, os sem-terra são cristãos (católicos e libertação sob a égide do culto ao deus mercadoevangélicos). No segundo momento, refletir-se-á impulsionado pelo avanço do Império Neoliberal. Império que ronda o planeta como única via e que amplia seu território de fixação da doutrina e esti-1 A Mística, tal como é vivida pelos integrantes do MST, pode ser mula a escravidão das consciências, principalmen-entendida como parte do fenômeno religioso na sociedade contem- te, das massas que são chamadas a se tornaremporânea, particularmente no Brasil. Como outros movimentos, aMística apresenta significativa e crescente inserção na sociedade consumidoras desse mercado total.nacional, por razões de natureza política, histórica e sociológica, edialoga, compatibilizando sua visão de mundo, com as religiões do Pensar a mística-espiritualidade fora e dis-cristianismo. Para compreender o fenômeno religioso atual, ver Car- tante das realidades humanas significa transformá-valho (1991). la em ritualismo ou em falta de sinceridade com110 Emancipação, Ponta Grossa, 8(2): 109-120, 2008. Disponível em <http://www.uepg.br/emancipacao>
  3. 3. Pedagogia da mística: as experiências do MSTo projeto, ou seja, ela torna-se um espiritualismo pode servir a dois senhores”.desencarnado, sem compromisso com a caminha- A mística-espiritualidade é patrimônio de todada das comunidades, que devia ser caminhada em a humanidade, de todos os povos da terra. Toda ebusca do que os cristãos chamam de Reino Defi- qualquer pessoa é animada por uma mística-espi-nitivo, local em que todos e todas podem vivenciar ritualidade que a contagia na caminhada. Algunso “tenham vida e vida em abundância” (Jo 10,10). são contagiados pelos valores do Evangelho, ou-Alguém poderia perguntar: como saber qual deve tros pela sedução do mercado neoliberal, outrosser nossa mística-espiritualidade? Primeiro, abrir- pela valorização da cultura perdida.se ao clamor dos pobres e de todo o povo que cla-ma por libertação; e, também, ao vento do Espírito Assim, a mística-espiritualidade não se refe-que sopra e age onde quer. Além disso, torna-se re somente às religiões. Ela é algo do próprio sernecessário indignar-se com as realidades desu- humano, que é um ser fundamentalmente espiri-manizantes provocadas pelo sistema neoliberal no tual-material3. Mas, toda mística-espiritualidade équal vivemos. Nesse sentido, afirma contundente- também algo religioso. Existem místicas-espiritua-mente Frei Betto: lidades religiosas e não-religiosas. Para a tradição cristã a mística-espiritualidade é, acima de tudo, Seqüestradas as utopias, aceitamos a loteria religiosa. É nela que se faz a experiência com o das leis do mercado. Outrora, os pobres do Deus da Vida. No entanto, não basta a religiosida- mundo podiam, ao menos, sonhar com um de. É preciso e necessário que a religião esteja pro- sistema alternativo que devolvesse a todos o que é fruto do trabalho de todos. Porém, a elite fundamente arraigada pela mística-espiritualidade, socialista – e, principalmente a capitalista2 – ou seja, é preciso que haja autenticidade no segui- julgou que a democracia fosse direito burguês mento ao projeto de Deus, ao Reino. Fácil seria se e a participação popular, ameaça ao centralis- a mística-espiritualidade fosse entendida somente mo. Esticada ao extremo, a corda arrebentou como sendo prática ritualista ou compromisso me- – na cabeça dos pobres, que agora só contam cânico de ir à missa ou participar de algum evento com suas próprias e frágeis forças para se de- religioso. Não, mística-espiritualidade é algo mais fender da supremacia do capital. (FREI BET- comprometedor que engaja a pessoa humana na TO, 2001, p. 62). luta pela vida, pelo Reino. Dessa forma, a mística-espiritualidade pode Em que consiste a experiência mística? É oser definida como sendo as motivações, os ideais, encontro da razão última da existência ou aas utopias, a paixão pela qual se vive e se luta. possibilidade de dar à existência um sentido. É o sentido de voltar-se para o outro e paraMística-espiritualidade é aquilo que contagia a os outros numa dinâmica que vai mais pessoalcaminhada. Os espiritualismos estão repletos de ao mais social e que pode ser descrita comodoutrinas, ritos, dogmas sem nenhuma paixão, experiência de Deus. Pode ser descrita tam-ideais e vida. Falta-lhes o essencial da experiência bém como experiência permanente da paixão!com o sagrado. A mística-espiritualidade possui a Quem já esteve apaixonado algum dia, sabeliberdade de espírito. Os espiritualismos, ao con- que, na paixão, a presença do outro é mais for-trário, fazem com que as pessoas vejam o mundo te que a presença de você em você mesmo.de forma mecânica. Para os cristãos e as cristãs (FREI BETTO, 2001, p. 116)de ontem e de hoje o importante é agir conformeo espírito do Reino, tendo como eixo norteador a Pode-se viver a mística-espiritualidade emmística-espiritualidade do seguimento à causa. Ou- dois sentidos, a saber: a) de forma personalizada,tros espíritos se afirmam na história, tais como: o consciente e livre, que abranja todas as dimensõesespírito do romanismo, o espírito do capitalismo, oespírito da lógica do mercado neoliberal, o espíri-to do liberalismo, entre outros. Para o cristianismo 3 Para o filósofo cristão Emmanuel Mounier (1976) a pessoa éresta servir ao espírito do Evangelho, pois “não se essencialmente matéria e espírito, corpo e alma, transcendente e imanente. Na filosofia personalista de Mounier não há dicotomias e dogmatismos platônicos; há convergência, integração e união daqui- lo que historicamente foi posto como separado e divisível. É nessa fonte que o MST, em sua mística da libertação, vai buscar inspira-2 Grifo nosso. ções. Emancipação, Ponta Grossa, 8(2): 109-120, 2008. Disponível em <http://www.uepg.br/emancipacao> 111
  4. 4. Antônio Marcos de Sousa SILVAdo ser do Homem (alma e corpo, pensamento e uma profundidade pessoal, pelo reinocentrismo,vontade, sexo e fantasia, palavra e ação, interio- por uma espiritualidade do essencial e universalridade e comunicação, contemplação e luta, gra- cristão, pela localização na realidade histórica dostuidade e compromisso), pois cada pessoa a vive pobres, pela crítica, pela práxis e pela integridadede forma única; b) de forma encarnada na história, sem dicotomias e sem reducionismos (CASALDÁ-hoje e aqui, na América Latina e nas comunidades, LIGA, 1998, p. 14).com suas dores e alegrias. Viver as duas dimen- Assim, podemos definir a Mística-Espirituali-sões da mística-espiritualidade abre caminhos para dade da Libertação como cristológica, situada his-se viver concretamente o que Dom Pedro Casal- toricamente no social e nas comunidades cristãs,dáliga e José Maria Vígil chamam de Espirituali- na cruz da profecia e do conflito, na gratuidade edade da Libertação (CASALDÁLIGA; VÍGIL, 1995; na exigência do Evangelho, na contemplação li-CASALDÁLIGA, 1998). bertadora e no anúncio incondicional do Reino, e A mística-espiritualidade não pode reprimir a na denúncia do anti-Reino. Mística-Espiritualidaderealização pessoal e o vôo do Espírito. Isso seria da Libertação que se enraíza nas culturas oprimi-ir contra o Evangelho da Liberdade anunciado por das da história, herdeira do sangue de muitos eJesus. O perigo dos espiritualismos é cair numa muitas que tombaram doando a vida e o sangueformação espiritual dispersiva, mutilada, dicotômi- do martírio, profeticamente alternativa ao sistemaca, unilateral e mecanicista. A vida do ser humano de morte, na co-responsabilidade eclesial e, poré importante nesse processo e ela pode ser en- fim, com profundo espírito ecumênico e macro-tendida como problemática (mistério), como um ecumênico.desafio (uma missão), como um espaço (graça). E Esse é o sentido da mística-espiritualidadeassumir esse espaço requer atitudes, mediações, para um determinado grupo social influenciado pelacom a finalidade de se atingir a opção fundamen- Teologia da Libertação, que veremos adiante. Otal na vida. que nos interessa é que a mística, seja ela cristã ou Mística-espiritualidade é vida. Vida não se não, é uma forma de adesão a um projeto de vida.ensina, mas se experimenta. Assumir o seguimento Por isso, em nossa concepção, a mística apresen-significa viver uma mística-espiritualidade. Viver a ta-se na forma de ação pedagógica que ensina osmística-espiritualidade do seguimento a uma cau- oprimidos a se organizarem na luta social.sa significa, hoje, assumir as dores e angústias,alegrias e festas do povo ao qual se pertence. Seestivermos na América Latina, no Brasil, em Goi- Mística enquanto práxis pedagógica: paraás, numa comunidade eclesial específica, signifi- além da escolaca assumir o seguimento a Jesus nessa realidadede vida. Ter-se-á, assim, a vivência concreta de Mística é um sentimento que passeia delicadouma mística-espiritualidade religiosa, cristã, latino- e lento por dentro de nosso coração. Como seamericana e libertadora. Mística-espiritualidade tivesse mãos, coloca o ânimo em cada pensa-do “Povo Novo”, que, para o bispo profeta Pedro mento. Mexe no comportamento, no jeito deCasaldáliga, possui as seguintes características: andar, falar e sorrir; é a força que nos faz sentir,lucidez crítica, a contemplação na caminhada, a prazer e arrependimento. (...) Quem tem místi-liberdade dos pobres, a solidariedade fraterna, a ca está sempre crescendo. A cada dia sente-secruz e a conflitividade, a insurreição evangélica renascendo nas coisas que vai realizando. Sejaou a Revolução da Boa-Nova e, por fim, a teimo- na base ou no comando, a mesma energia sesa esperança pascal. (CASALDÁLIGA, 1998, p. manifesta, como a alegria em uma festa, insti- ga quem está participando. (...) Mas a mística13-14). não é só bondade, às vezes serve-se da an- Tais características do Povo Novo apresen- siedade para angustiar o corpo inteiro. Comotam-se às pessoas, hoje e aqui, na América Latina uma chama no candeeiro que bebe o líquidomundializada para todos os povos da Terra. Elas que está dentro, provoca todos os talentos enão sobrevivem sem o fortalecimento da Místi- esgota as capacidades. Desafia as habilidades para enfrentar certos apuros, nos cobra paraca-Espiritualidade da Libertação, interpelada por112 Emancipação, Ponta Grossa, 8(2): 109-120, 2008. Disponível em <http://www.uepg.br/emancipacao>
  5. 5. Pedagogia da mística: as experiências do MST sermos mais maduros diante dos aconteci- pedagogia do Movimento: mentos. (BOGO, Ademar4. À Mística). “No momento da pesquisa em que eu estava no curso de Pedagogia da Terra, tive a oportunida- A práxis pedagógica pensada e construída de de participar da ocupação de um espaço dopara o meio urbano é aplicada pelo sistema oficial Centro de Formação Patativa do Assaré. Foide ensino ao meio rural sem que se faça qualquer uma atividade promovida pelo núcleo de baseadaptação, conforme já afirmou Neto (1999). Bus- da turma responsável pela mística naquele dia.cando solução para esse problema, o MST afirma a A ocupação do espaço físico também aflorou osuma importância da educação e da reforma agrá- sentimento de uma ocupação do latifúndio doria para libertar o trabalhador rural da condição de saber, do monopólio da construção do conheci-explorado. É importante conhecer então como é a mento. Nesse momento, o Movimento ocupouorganização educacional e a formação do cidadão meu coração, fui contagiada com uma emoçãomilitante do Movimento, apresentando à sociedade e efervescência coletiva impressionantes, e pude constatar que a força que derruba as cer-o MST que os meios de comunicação ainda não cas também forma as pessoas e as faz avan-divulgaram por não fazer parte da ideologia noti- çar, porque cada um sente a força de todosciária do Brasil. multiplicada, o ecoar uníssono das palavras de Para se compreender o processo de forma- ordem revigora o ânimo coletivo.” (DUTERVIL,ção pedagógica do MST é essencial que se per- 2005, p. 25).ceba uma formação em movimento. O Movimentocircula, circulam os sujeitos que fazem o Movimen- Sabemos que não é recente a luta pela re-to. (DUTERVIL, 2005). São redes de formação pe- forma agrária no Brasil. A inovação está na junçãodagógica em movimento. da luta pela redistribuição de terras e novas formas de organização cultural e educacional. Falamos de O depoimento da Professora Antonia, da uma reforma agrária com caráter socialista, queescola do Assentamento Vila Diamante, no Mara- visa a uma sociedade igualitária, mais justa e inspi-nhão, colhido por Dutervil (2005, p. 14), quando rada em outras lutas regionais. Por isso mesmo, oesta fazia sua formação no curso de Pedagogia da MST se diferencia porque abrange todo o territórioTerra, no Rio Grande do Norte, demonstra a força nacional com um propósito valorativo (axiológico),do processo formativo do Movimento: humano e social, na busca constante da conquis- “Eu me transformei, passei a ver o mundo de ta da terra por homens e mulheres preparados e uma forma diferente, deixei de ser acomodada, responsáveis para o trabalho coletivo, tendo como o magistério me fez crescer muito, eu era mui- base dessa organização um novo processo edu- to agressiva, muito individualista, até porque cativo e uma nova cultura política. Por isso, como a gente nasce nesse processo, não pensava foi demonstrado pelos depoimentos de Dutervil muito no coletivo, nas pessoas, na mudança, (2005), surge dessa experiência mística um novo não tinha muito esse sentido, mas quando eu comportamento humano e uma nova cultura polí- comecei a estudar no magistério de Veranópo- tica vai se desenhando nesse universo. lis (RS), porque lá no curso passei a participar das críticas e autocríticas, avaliações e aí eu As referências e preferências nos comporta- comecei a mudar, passei a ser mais humana, mentos humanos não são apenas herdadas, hoje eu posso dizer que eu sou totalmente di- mas, principalmente, aprendidas. A educação ferente, não sei se eu ia me adaptar de novo ganha destaque, não tanto por seus aspectos a dar aula fora da área do assentamento, já na área do ensino formal, mas pelos aspectos estou muito habituada”. não-formais, do aprendizado gerado pela ex- periência cotidiana. Os indivíduos escolhem, A mesma autora relata como sentiu a força optam, posicionam-se, recusam-se, resistemde uma ocupação, como estratégia formativa da ou alavancam e impulsionam as ações sociais em que estão envolvidos, segundo a cultura que herdaram do passado e na qual estão en- volvidas no presente. (GOHN, 2001, p. 54).4 Ademar Bogo é poeta, filósofo e dirigente do MST. São livros seus:Vigor da Mística, Lições da luta pela terra, Gerações, Arquitetos deSonhos. É considerado um dos ideólogos da mística sem terra. Emancipação, Ponta Grossa, 8(2): 109-120, 2008. Disponível em <http://www.uepg.br/emancipacao> 113
  6. 6. Antônio Marcos de Sousa SILVA Visando à extinção da desigualdade so- entre sujeito-objeto. Preferimos a categoria sujeito-cial e à construção da dignidade humana, o MST sujeito. O diálogo requer a tomada de atitude da-compreende que é imprescindível transformar a quele que fala e daquele que escuta, e vice-versa.atual estrutura da propriedade rural, sendo que a Assim, a conscientização acontece por meio doutilização da terra pode ser familiar, associativa e diálogo em comunhão do oprimido com o oprimi-cooperativa. Reivindicando transformação social, do, sobre suas situações de vida e de existência.o MST traz em seus princípios básicos as seguin- Conscientização significa passos concretos rumo àtes questões: garantir trabalho para todos e todas; libertação. Essa libertação é conquistada em con-produzir alimentação farta, barata e de qualidade junto, no coletivo, na comunidade, pois “ninguémpara a população brasileira; buscar justiça social e liberta ninguém, ninguém se liberta sozinho.igualdade de direitos; difundir valores humanistas e Os homens se libertam em comunhão”, confor-socialistas; criar condições igualitárias de participa- me afirmou Freire (1987, p. 52). Este é o encontroção da mulher na sociedade; preservar e recuperar dos homens para sua real vocação de Ser Mais,os recursos naturais; implementar a agroindústria pois todos somos seres inconclusos, em processoe a indústria como fator de desenvolvimento sus- constante. Essa tarefa é impossível sem a peda-tentável para o Brasil. gogia da mística. O processo de ocupação em massa de ter- Daí a grande importância de repensarmos aras pelo MST é feito com a conscientização, or- necessidade de um educador problematizador, queganização e preparação das famílias com meses auxilie os educandos e educandas a realizarem ade antecedência, pois o Movimento exige de seus práxis (reflexão e ação para a transformação) a se-militantes autoconfiança e autodisciplina que os rem críticos, ativos. O diálogo deve sempre estartornem resistentes contra os ataques da elite ca- voltado para a realidade e para o mundo do edu-pitalista existente no chamado Brasil Rural, tão cando, para que os debates – o que Paulo Freirepreconizado pelos meios de comunicação como chama de “círculos de cultura” – possam ter senti-sendo a salvação da “lavoura” para a economia do. Sem a mística, esse diálogo deteriora-se.agropecuária. Nesse sentido, o MST se inspira As educadoras e os educadores do MSTnas Comunidades Eclesiais de Base (CEBs), nos assumem a mística não como um momento, masestudos bíblicos dos agentes de pastorais e em como a própria vida na comunidade. É o que evi-alguns líderes revolucionários que podem condu- denciam os depoimentos a seguir, colhidos porzir os trabalhadores rurais à consciência crítica da Dutervil (2005, p. 31):realidade e despertá-los para a luta em defesa daclasse trabalhadora. “Eu e a Ecieude às vezes dizemos assim: Ah, nós estamos perdendo a mística, porque a Vivemos numa sociedade onde a divisão de mística para nós é o que alimenta os nossosclasses e os interesses estão evidenciados nas ideais, o nosso objetivo de mudança, é o quecorrelações de forças que se formam no bojo das faz a gente ter uma utopia e através daquelarepresentações sociais. Assim, não se pode sim- mística a gente vai transmitindo para as pes-plesmente fechar os olhos para o fato: a existência soas nossa ideologia. Pois é, para mim místicade oprimidos e opressores. A pedagogia do opri- é isso, ela faz parte do nosso dia a dia, não semido de Paulo Freire (1987), seus sonhos e suas resume só numa apresentação...”utopias destinam-se a ajudar os oprimidos a se li- “Eu vou para a ocupação, para encontros, issobertarem da dominação exercida pelos opressores. fortalece, acho que é um espaço de fortaleci-Por isso é imprescindível que os atores consigam mento da mística, eu, enquanto pessoa. A mís-ter o direito de saber e dizer a “sua palavra” com tica eleva nossa auto-estima, você vê que temcriticidade, restaurando suas subjetividades, hu- um sentido continuar vivendo. Eu digo: eu per-manidade e liberdade, até então reprimidas pela tenço a esse grupo, eu quero continuar nessaclasse dominante hegemônica. luta, porque é isso que eu acredito. Pertencer é ter crença.” O primeiro passo para se realizar a pedago-gia do oprimido é o diálogo. O diálogo aconteceentre dois sujeitos ou na caracterização histórica A dialogicidade é a essência da ação revo- lucionária. O educador ou a educadora terá o su-114 Emancipação, Ponta Grossa, 8(2): 109-120, 2008. Disponível em <http://www.uepg.br/emancipacao>
  7. 7. Pedagogia da mística: as experiências do MSTcesso apenas quando basear-se no amor e na fé não existem sonhos e utopias. Há na verdade, denos homens e mulheres em processo e, também, maneira camuflada, a cultura do silêncio, ao sena humildade. Essas atitudes farão surgir confian- fazer com que as pessoas, desde crianças, sejamça entre os sujeitos do diálogo. O diálogo torna-se proibidas de atuar em sua sociedade para real-representação simbólica entre os sujeitos, daí sua mente transformá-la. Assim, a educação se tornamisticidade pedagógica. uma prática de dominação e não de liberdade. Por isso, sem sonhos e utopias não há pedagogia da No entanto, quando se conscientizam de sua mística. O sonho e a utopia são os fundamentoscondição oprimida, os oprimidos muitas vezes sen- da pedagogia da mística existente no MST.tem medo da liberdade e não se acham capazesde assumi-la. Travam uma luta para serem eles Analisando todo esse conteúdo contido nosmesmos ou serem duplos, para expulsarem ou sonhos e nas utopias sempre bem-vindas da Pe-não os opressores “dentro” de si. Outro problema dagogia do Oprimido de Paulo Freire, observamosaparece quando os oprimidos se tornam “novo ho- que os educadores e educadoras devem ser agen-mem” e passam a oprimir os outros. Nesse sentido, tes de transformação e não simplesmente agentesos opressores se utilizam de vários artifícios para de mudança. Devem aguçar em nossos educan-perpetuar sua dominação. Buscam, por exemplo, dos e educandas, e na sociedade como um todo,conquistar os oprimidos por passar uma visão de o senso crítico e a importância de se unirem paramessianismo, dando-lhes pão e circo. Mas, essa dizerem as suas palavras.generosidade é falsa, pois quando aparentam (...) é preciso, pois, que o povo se organize...“salvar” uma ou duas pessoas, estão na realidade Preciso de vossa união para que possa lutarexplorando e desumanizando dezenas delas. “O contra os sabotadores, para que não fiqueque eles querem é salvar a si mesmos. É salvar prisioneiro dos interesses dos especuladoressua riqueza, seu poder, seu estilo de vida, com e dos gananciosos em prejuízo dos interessesque esmagam os demais”, como afirmou Paulo do povo. (FREIRE, 1987, p. 148).Freire (1987). Os opressores invadem a cultura das pes- Pode-se fazer o mesmo no campo da educa-soas e impõem a elas a sua visão de mundo para ção por meio da mística, que possui em si mesma,manipulá-las e as impedirem de pensar. Quando como veremos adiante, uma ação pedagógica quesurgem os que não se sujeitam a tal opressão são reivindica direitos de cidadania popular não-bur-chamados de “rebeldes”, “violentos”, essa massa guesa, reivindica o direito de sonhar e ter utopias.de gente “cega”, “invejosa” e “selvagem”. Tudo isso Isso será muito oportuno, pois os opressores nãoé veiculado por outros meios de dominação, que morreram e devem continuar sabendo que a socie-são os meios de comunicação de massa. Assim, dade não pode se alienar a eles, que todos e todasos que já se tornaram alienados passam a pensar estão conscientes das atitudes desumanizadoras acomo os opressores. Sabemos que: que se propõem para continuar conseguindo atingir seus objetivos egoístas. Ainda será possível sonhar Para as elites dominadoras, esta rebeldia, que e ter utopias em nossa sociedade atual? O MST é ameaça a elas, tem o seu remédio em mais nos responde a partir da pedagogia da mística, que dominação – na repressão feita em nome, in- fortalece os sujeitos em sua luta contra o dilúvio clusive, da liberdade e nos estabelecimentos neoliberal, a iluminação racionalista e as práticas da ordem e da paz social. Paz social que, no fundo, não é outra senão a paz privada dos fideístas de alienação religiosa. dominadores... As massas populares não têm que, autenticamente, “ad-mirar” o mundo, de- nunciá-lo, questioná-lo, transformá-lo para a As místicas no MST: Aphantésis com o Deus sua humanização, mas adaptar-se à realidade que serve ao dominador. (FREIRE, 1987, p. da Vida 66; p. 123). A necessidade de sonhar é intrínseca a cada um de nós. E não é só isso: é também o desejo Nessa visão distorcida da educação não de nos suplantar, de nos superar. O humano éexiste saber, criatividade e nem transformação, um ser que não cabe em si mesmo. Daí que Emancipação, Ponta Grossa, 8(2): 109-120, 2008. Disponível em <http://www.uepg.br/emancipacao> 115
  8. 8. Antônio Marcos de Sousa SILVA a experiência mais profunda do ser humano é teológicas, quer sejam socialistas”, e quer sejam aquela que o arranca de si mesmo em direção capitalistas. Daí o ser humano ser coletivo e indi- a um outro – a experiência do amor. A isso a vidual, individual e coletivo. tradição cristã chama “mística”. (FREI BETTO, 2001, p. 115-116). Por isso, Mounier (1976) é contrário a todas as formas de niilismos e ceticismos que rondavam Passamos agora a discutir sobre a místi- as mentes da primeira metade do século XX. É umca no MST enquanto ação que ensina e fortale- crítico feroz do capitalismo que impulsiona a culturace os atores na luta de cada dia. As místicas do do individualismo, bem como do dogmatismo mar-MST são um verdadeiro aphantésis com o Deus xista que percebe o Homem como ser coletivista.da Vida, segundo os próprios militantes do movi- Tal crítica procede devido a seu pensamento filosó-mento. Aphantésis em grego significa encontro, fico mais amplo em relação ao dualismo existenteestar junto, encontrar-se numa mesma comunhão. na história desde Platão até os existencialismos doDaí a associação entre o encontro dos sem-terra, século XX, que vai ser combatido pela revoluçãocamponeses em luta, em marcha, em resistência personalista e comunitária e, para Gabriel Marcel,constante numa verdadeira comunhão com aquele pela revolução da esperança num mundo desigualque chamam carinhosamente de Deus da Vida e e inseguro para os pobres.Mãe da Vida. Com isso, podemos perceber que o Esse pensamento do existencialismo cristãopróprio sujeito coletivo realiza uma dialogia entre foi fundamental para a realização das transforma-o imanente e o transcendente, entre o sagrado e ções na Igreja Católica no século XX, que passao profano, entre Deus e o povo. a assumir com mais fidelidade a gênese das pri- Nesse sentido, o MST rompe com duas tradi- meiras comunidades cristãs. Com isso, tivemos oções que realizam um dualismo entre as categorias chamado aggiornamento eclesial, que possibili-acima citadas. Na própria tradição cristã agostinia- tou a abertura da Igreja ao mundo por meio da re-na, na reforma protestante e no calvinismo temos o alização do Concílio Ecumênico Vaticano II e dasdualismo entre mundo imanente e mundo transcen- Conferências Episcopais Latino-Americanas, quedente. Para as referidas tradições, o estado ima- fundamentaram o surgimento de um movimentonente do corpo, da carne, das mazelas humanas interno denominado Teologia da Libertação. Seusjamais poderá se associar ao estado transcendente maiores expoentes são os teólogos Leonardo Boff,de Deus, do divino, do santo. Daí nosso interes- no Brasil, e Gustavo Gutiérrez, no Peru.se em desvendar como o MST consegue reunir Em 1979, a Conferência Episcopal Latino-aquilo que, historicamente, se encontra separado Americana de Puebla já mencionava o rosto dospela tradição histórica da religião cristã que se faz excluídos da sociedade da América Latina e quepresente no imaginário social brasileiro. foram reafirmados pelo Documento de Santo Do- Essa associação pode ser explicada pela mingo (SD, 178), em 1992. Os rostos dos excluídosinfluência que o MST teve por parte da Teologia foram assim denominados por seremda Libertação impulsionada na América Latina (...) rostos desfigurados pela fome; rostos de-nos anos 70 do século XX, que tem suas raízes siludidos por promessas políticas não cum-no chamado existencialismo cristão europeu, com pridas; rostos humilhados de quem têm suafilósofos como Emmanuel Mounier (1967; 1976) e cultura desprezada; rostos aterrorizados pelaGabriel Marcel (1966). Mounier é o filósofo da Pes- violência diária e indiscriminada; rostos angus-soa Humana. Sua obra mais conhecida é o Perso- tiados dos menores abandonados; rostos dasnalismo. Ao contrário do senso comum atribuído à mulheres desrespeitadas e humilhadas; rostoscategoria personalismo, Mounier a entende como cansados dos migrantes sem acolhida digna; rostos dos idosos que não têm o mínimo paravalorização da pessoa humana em todos os senti- viver dignamente. E a lista poderia ser maior,dos. Ele (1976, p. 15) afirma categoricamente que de tanto que sofre nosso povo.“a pessoa é antes de mais nada o não, a recusade aderir, a possibilidade de se opor, de duvidar, O rosto imanente e bondoso de Deus está,de resistir à vertigem mental e correlativamente a certamente, no rosto humano dos pobres e opri-todas as formas de afirmação coletiva quer sejam midos por um sistema feroz alicerçado na lógica116 Emancipação, Ponta Grossa, 8(2): 109-120, 2008. Disponível em <http://www.uepg.br/emancipacao>
  9. 9. Pedagogia da mística: as experiências do MSTdo capital. Daí a questão fundamental para com- sazonal. Todo este bloco social e histórico dospreendermos a Teologia da Libertação, que, em oprimidos constitui o pobre como fenômenonossa concepção, se faz presente na Mística Li- social. (BOFF, 2001, p. 15).bertadora do MST. Como ser gente, pessoa huma-na, num mundo de miseráveis? É nesse cenário Trata-se de uma posição próxima da con-que o MST recebe a influência da Teologia da Li- cepção dada por Claus Offe (1984), ao criticar asbertação, como o próprio dirigente do movimento, estruturas do capitalismo. Segundo Offe, a indus-Gilmar Mauro, destaca por meio das palavras da trialização capitalista realizou processos de de-socióloga Maria da Glória Gohn: sorganização e de mobilização da força do traba- lho (trabalhadores) utilizando-se de determinados Sabemos que o movimento surgiu da articula- mecanismos que produziram o efeito comum de ção de idéias da esquerda marxista com pres- destruição “das condições de utilização da força supostos cristãos da Teologia da Libertação. de trabalho”, o que atingiu de cheio determinados Segundo Gilmar Mauro, um dos principais di- rigentes a nível nacional do MST, o movimen- indivíduos na sociedade. Esses indivíduos atingi- to teria trazido três “coisas boas” da Igreja. A dos não conseguem mais, por meio da força do primeira: trabalhar com a simbologia, a mística trabalho, as suas condições materiais de subsis- de trazer o futuro para o presente. A segunda: tência. Trata-se de um velho problema já apontado o vínculo com as bases, o povo propriamente no século XIX por Marx e Engels, sobre a questão dito. E a terceira: o espírito missionário. “Nós da oferta e da procura. nos vemos como sacerdotes que estão cum- prindo uma missão política”. (GOHN, 2000, p. A oferta para que haja mais força de traba- 116). lho é bem inferior à procura dos indivíduos que se encontram à margem. Diante desse argumento, A mística no MST possui exatamente essa Offe faz a distinção entre proletarização passivadimensão de fortalecer seus atores na caminhada e proletarização ativa. A proletarização passivade luta social. Mas a questão é muito mais profun- se evidencia a partir dessa destruição das formasda. Por isso, na fala de Gilmar Mauro o que nos de trabalho e de subsistência e faz parte do pro-interessa é a primeira “coisa boa” da Igreja: exa- cesso de industrialização. Trata-se de uma formatamente a simbologia da mística libertadora. Para de “desapropriação”, pois é negada a determi-compreendermos a pedagogia da mística existente nados indivíduos a utilização da força de trabalhono MST na atual fase, precisamos recorrer a alguns para sua subsistência. Contudo, há uma transito-conceitos próprios da Teologia da Libertação. riedade permanente entre aqueles que se encon- tram na condição de proletarização passiva para a A mística é antes de tudo iracúndia, indig- proletarização ativa, já que constantemente estãonação com a realidade desumana promovida pela oferecendo sua força de trabalho no mercado.lógica do capital. Portanto, a mística torna-se umgesto de protesto ao estabelecido, à ordem ali- Nesse sentido, a Teologia da Libertaçãocerçada na economia, na globalização, no indivi- pode ser apresentada como uma ação que libertadualismo, na competição, na minimização do ser na ação, por isso é contrária a toda forma de as-humano e em sua coisificação e também, mesmo sistencialismo e de reformismos. Além disso, umque não pareça, no racionalismo burguês. segundo passo da Teologia da Libertação é a não separação dualista entre fé e razão, pois se as se- A teologia da libertação utiliza a categoria pararmos, a sociedade, ou os grupos sociais, ou opobre. Mas quem são os pobres para os teólogos próprio indivíduo tendem a cair no fideísmo ou noda libertação? O teólogo Clodovis Boff nos res- racionalismo. Por isso, a reflexão da fé aconteceponde: por meio da prática libertadora. (...) são os operários explorados dentro do sis- Toda a mística realizada pelo MST é uma es- tema capitalista; são os subempregados, os pécie de clamor dos pobres. Clamor não no sentido marginalizados do sistema produtivo – exér- de mendicância ou aderência ao sistema, mas de cito de reserva sempre à mão para substituir oposição ao estabelecido, ao pronto. É o manifesto os empregados – são os peões e posseiros do campo, bóias-frias, como mão de mão-de-obra onde os sujeitos históricos são os pobres. Clamor Emancipação, Ponta Grossa, 8(2): 109-120, 2008. Disponível em <http://www.uepg.br/emancipacao> 117
  10. 10. Antônio Marcos de Sousa SILVAsignifica compreender que existem necessidades completo da tradição marxista ortodoxa e do ca-vitais não satisfeitas aos seres humanos. O que pitalismo. Na verdade, assim como a Teologia daimporta é a aprendizagem da escuta do clamor Libertação, o MST utiliza o marxismo como media-dos pobres. Segundo Assmann (1990: p. 13), “a ção sociológica para compreender a sociedade eestrutura da escuta da fé (e também das opções o próprio homem, mas sem dogmatizá-la.políticas) e a organização da esperança, pessoal A mística no MST acontece para fortalecer ase coletiva, embasam-se, mais que tudo, em for- pessoas na caminhada, para fazer todos se sen-mas testemunhais de comunicação”. A mística no tirem bem na participação. A marcha é uma mís-MST é uma forma testemunhal de comunicação, tica do MST. É uma simbologia que caracteriza ode dialogia. povo em movimento. Só participa da marcha quem A pedagogia da mística no MST é um espaço está bem consigo mesmo, com o outro (a comuni-de aprendizagem da escuta ao clamor que brota dade dos marcheiros) e com Deus, que caminhado silêncio de muitos, excluídos de ser gente, de junto com o povo sofrido. A fase do acampamentoserem pessoas humanas dentro desse sistema demonstra também um período de mística liber-voraz baseado nas relações de produção capita- tadora. Para o sem-terra do MST é um momentolistas. Para o MST, existe uma realidade clamoro- de sacrifício, de renúncia, mas de caminhada emsa, realidade de seres negados em sua existência, busca da Páscoa (outra simbologia cristã). Da cruzque são os pobres, aqueles que escondem atrás à Páscoa. Para se alcançar a Páscoa precisa-sedo clamor desejado um profundo silêncio, sufoca- carregar a cruz, mas a cruz já é Páscoa. Ambasdo e destruído. Pobres são os que des-vivem sua estão intrinsecamente ligadas. Cruz na Páscoa,existência, como nos deixa perceber o educador Páscoa na Cruz.Hugo Assmann (1990, p. 15) em seu questiona- Nesse sentido, discordamos de Fernandesmento: “(...) o clamor dos pobres não reclama de (1999), que vê na mística uma espécie de “alimen-nós uma abertura muito mais radical à transcen- to ideológico”. Não se pode reduzir a mística a umdência no interior da história, capaz de deixar-se fator ideológico do movimento. Ela é, antes de tudo,desafiar pela alteridade do pobre mergulhado em alimento da unidade, da esperança, da solidarieda-seu silêncio?” de, da compaixão com os outros sem-terra, sem- O tema clamor dos pobres está intrinseca- casas, sem-empregos, sem humanidade.mente ligado a outros, como bem atesta Hugo As- A mística só tem sentido se faz parte da tuasmann: “(...) opção pelos pobres, os pobres como vida. Não podemos ter momentos exclusivos“lugar teológico”, o potencial evangelizador dos para ela, como os Congressos ou Encontrospobres, a experiência de Deus na e desde a fé dos Nacionais ou Estaduais. Temos de praticá-lapobres, o Deus dos pobres, a Igreja dos pobres, e em todos os eventos que aglutinem pesso-outros temas afins...” (ASSMANN, 1990, p. 32). E as, já que é uma forma de manifestação co-para nossa concepção, o clamor dos pobres está li- letiva de um sentimento. Queremos que essegado à pedagogia da mística. Jung Mo Sung (1989) sentimento aflore em direção a um ideal, quediz que se trata de uma luta constante contra a ido- não seja apenas uma obrigação. Ninguém selatria do capital e a morte dos pobres. Para isso, emociona porque recebe ordem para se emo-torna-se necessário estabelecer outro paradigma, cionar; se emociona porque foi motivado em função de alguma coisa. Também não é umaque apresente a vida aos pobres a partir da fé num distração metafísica ou idealista, em que todosDeus que se torna parceiro da causa libertadora. iremos juntos para o paraíso. (STÉDILE, 1999,É o aphantésis entre o sagrado que se faz profano p. 130-131).e o profano que se sacraliza. Segundo João Pedro Stédile (1999), a mís- Para o MST não existe contradição entretica serve ao movimento que se organiza na luta religiosidade e pensamento ideológico marxista.social para compor a unidade de seus militantes. É possível ir à missa e ser revolucionário. Segun-Ele deixa claro que nem a esquerda nem a direita do Stédile (1999: p. 131), “não existe contradiçãopossuem essa dimensão da mística, o que deter- nenhuma nisso. Ao contrário: a nossa base usa amina nossa tese de que o MST se distingue por fé religiosa que tem para alimentar a sua luta, que118 Emancipação, Ponta Grossa, 8(2): 109-120, 2008. Disponível em <http://www.uepg.br/emancipacao>
  11. 11. Pedagogia da mística: as experiências do MSTé uma luta de esquerda, que é uma luta contra o Este é o nosso país, esta é a nossa bandeiraEstado e contra o capital”. Mas se a mística é uma / é por amor a esta Pátria Brasil que a genteforma simbólica de sentir-se bem na luta, quais segue em fileira... Queremos que abrace estasão os símbolos que se caracterizam enquanto terra por ela quem sente paixão, quem põe com carinho a semente pra alimentar a Nação.mística para o MST? O próprio João Pedro Stédi- A ordem é ninguém passar fome, progresso éle nos responde: o povo feliz. A Reforma agrária é volta do agri- cultor à raiz... (Zé Pinto, cantor popular do A bandeira, o hino, as palavras de ordem, as MST). ferramentas de trabalho, os frutos do trabalho no campo etc. Eles aparecem, também, de muitas formas: no uso do boné, nas faixas, nas músicas etc. As músicas são um símbolo muito Considerações Finais importante. O próprio Jornal Sem Terra para o MST, já é mais do que um meio de comuni- Como dizia o poeta Gonzaguinha, a mística cação. É um símbolo. O militante se identifica, é isto: tem afinidade, gosta dele. (STÉDILE, 1999, p. 132). quando a atitude de viver é uma extensão do coração, é muito mais que um prazer, é toda carga de emoção, que era um encontro com o sonho, que só pintava no Na mística do MST, o símbolo materializa horizonte,o ideal de luta promovida pelo movimento. Numa e de repente diz presente, sorri e beija a fronte,discussão interessante acerca das pedagogias do e abraça e arrebata a gente,movimento, Gentili e McCowan (2003) reafirmam (...) Não há palavra que explique,a capacidade que o MST tem de criar novas pe- Ah! Eu me ofereço esse momento, que não tem paga e nem tem preço,dagogias. Pena que dentre elas, os autores aci- essa magia eu já conheço...ma não apresentaram a pedagogia da mística. é bom dizer: viver valeu! Amar valeu!No nosso entendimento, todas as pedagogias domovimento - pedagogia da luta social, pedagogia Para finalizar esta reflexão afirmamos que ada organização coletiva, pedagogia da terra, pe- mística no MST e todas suas ações pedagógicasdagogia do trabalho e da produção, pedagogia que tornam os sem-terra sujeitos coletivos podemda cultura, pedagogia da escolha, pedagogia da ser análogas ao que afirmavam Marx e Engels emhistória e pedagogia da alternância - apresentam 1848, a saber:em seu interior a pedagogia da mística. Gentili e Um fantasma ronda a Europa – o fantasma doMcCowan (2003, p. 127) destacam a existência da comunismo. Para persegui-lo se unem numapedagogia da cultura e dentro dela a pedagogia do santa aliança todas as potências da velha Eu-gesto, a pedagogia do símbolo e a pedagogia do ropa: o papa e o czar, Guizot e Metternich, osexemplo. Concordamos, mas queremos ampliar radicais da França e os policiais da Alemanha.essa concepção; e afirmamos que, nas experiên- (MARX e ENGELS, 2001, p. 49).cias do MST, a pedagogia da mística se encontrapresente em todas as outras pedagogias constru- Poderíamos dizer hoje que um fantasma ron-ídas por esse Movimento. da o Brasil – o fantasma do MST. Para persegui-lo se unem numa santa aliança todas as potências Dessa forma, acreditamos que os gestos, as do velho coronelismo rural: os latifundiários, gran-danças, as rezas, os clamores, as marchas, a ban- des fazendeiros, empresários do agronegócio edeira, o hino, as músicas e canções do movimento, do hidronegócio, a UDR, a bancada ruralista noos encantos e cantos, enfim, todos os símbolos do Congresso Nacional e a Mídia defensora dos ide-MST convergem para a construção de uma verda- ais elitistas, representada pela revista Veja e pe-deira ação pedagógica, que se estabelece numa las Organizações Globo. Mas se esquecem de umdimensão de afrontamento ao sistema capitalista fator fundamental presente no MST e em todos ose suas produções ideológicas. Daí acreditarmos movimentos sociais do campo: Deus está com osque a canção possui realmente a mística da liber- Sem-Terra na luta e a luta se faz com os Sem-Terra.tação: É nesta esperança que o MST continua construin- Emancipação, Ponta Grossa, 8(2): 109-120, 2008. Disponível em <http://www.uepg.br/emancipacao> 119
  12. 12. Antônio Marcos de Sousa SILVAdo caminhos de cidadanização popular contra a ci- CARVALHO, José Jorge de. Características do fenô-dadanização burguesa, a partir de uma sociedade meno religioso na sociedade contemporânea. Bra-baseada nos valores comunitários. sília: UnB, 1991. Coleção Cadernos de Antropologia, n.114. Sem dúvida, reconhecemos a existência do CASALDÁLIGA, Pedro. Nossa espiritualidade. Sãocaráter educativo na pedagogia da mística viven- Paulo: Paulus, 1998.ciada pelo MST no Brasil e entendemos que elaé um instrumento essencial na formação política CASALDÁLIGA, Pedro; VÍGIL, José Maria. Espiritua-dos atores sociais que são seus próprios militan- lidade da libertação. Petrópolis: Vozes, 1995.tes. A mística se apresenta enquanto celebração CELAM. Conclusões da Conferência de Santo Do-que possui uma intencionalidade consciente, o que mingo. São Paulo: Paulinas, 1992.permite um processo que mobiliza, educa e politiza CERIOLI, Paulo Ricardo; CALDART, Roseli. Comoos sujeitos em ação. Isso concretiza duas questões fazemos a escola de educação fundamental.. Sãofundamentais ao movimento: a identidade coletivo- Paulo: MST, 1999. Caderno de Educação n. 9cultural e a unidade na diversidade ideológica dos DUTERVIL, Camila. Mística sem terra: o co-mover daatores sociais. Por isso, Cerioli e Caldart (1999, formação em movimento. Monografia de Graduaçãop. 23) não hesitaram em afirmar que a “a mística do Departamento de Antropologia da Universidade deé a alma de um povo. A mística do MST é a alma Brasília, UnB, 2005.do sujeito coletivo Sem Terra que se revela como FREI BETTO. Cotidiano e mistério. São Paulo: Olhouma paixão, que nos ajuda a ‘sacudir a poeira e d’água, 2001.dar a volta por cima’. (...) A mística é a alma daidentidade Sem Terra”. FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. Rio de Ja- neiro: Paz e Terra, 1987. Assim, não temos dúvida de que a mística é GENTILI, Pablo; McCOWAN, Tristan. Reinventar acelebrada para se buscar o vinho novo nos odres escola pública: política educacional para um novovelhos do sistema capitalista no qual estamos Brasil. Petrópolis: Vozes, 2003.emersos. Daí a profunda radicalidade pedagógicada mística enquanto ação que protagoniza seus GOHN, Maria da Glória. Mídia, terceiro setor e MST:atores sociais a anunciar um novo modo de vida, impactos sobre o futuro das cidades e do campo. Pe- trópolis: Vozes, 2000.ou seja, “(...) em vez de anunciar a desordem pro-vocada pela exclusão como a ordem estabelecida, ______. Educação não-formal e cultura política. 2.e educar para a domesticação, é possível subverter ed. São Paulo: Cortez, 2001.a desordem e reinventar a ordem, a partir de va- JUNG MO SUNG. A idolatria do capital e a mortelores verdadeira e radicalmente humanistas, que dos pobres. São Paulo: Edições Paulinas, 1989.tenham a vida como um bem muito mais impor- MARCEL, Gabriel. Revolução da esperança. Sãotante do que qualquer propriedade”. (CERIOLI; Paulo: José Olympio, 1966.CALDART, 1999, p. 7). MARX, K.; ENGELS, F. O manifesto do partido co- munista. Rio de Janeiro: Garamond, 2001. MOUNIER, Emmanuel. O Personalismo. 4. ed. Lis-Referências boa: Martins Fontes, 1976. ______. Manifesto ao serviço do personalismo. Lis-ASSMANN, Hugo. Clamor dos pobres e racionalida- boa: Livraria Morais, 1967.de econômica. São Paulo: Edições Paulinas, 1990. NETO, Luiz Bezerra. Sem terra: aprende e ensina.BOFF, Clodovis. Como fazer teologia da libertação. Campinas: Autores Associados, 1999.8. ed. Petrópolis: Vozes, 2001. OFFE, Claus; LENHARDT, Gero. Problemas estru-BOFF, Leonardo. O destino do homem e do mundo. turais do estado capitalista. Rio de Janeiro: Tempo8. ed. Petrópolis: Vozes, 1998. Brasileiro, 1984.BOGO, Ademar. A vez dos valores.. São Paulo: MST, STÉDILE, João Pedro; FERNANDES, Bernardo Man-1998. Caderno de Formação n. 26 çano. Brava gente: a trajetória do MST e a luta pela terra no Brasil. São Paulo: Perseu Abramo, 1999.120 Emancipação, Ponta Grossa, 8(2): 109-120, 2008. Disponível em <http://www.uepg.br/emancipacao>

×