Cenário Tocantins REDD+- Treinamento GCF/Macapá (parte I)
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Cenário Tocantins REDD+- Treinamento GCF/Macapá (parte I)

on

  • 201 views

Apresentação do Tocantins na discussão dos estados sobre seus avanços e desafios nas definições de linhas de base, construção de seus sistemas MRV e metas PPCD e ...

Apresentação do Tocantins na discussão dos estados sobre seus avanços e desafios nas definições de linhas de base, construção de seus sistemas MRV e metas PPCD e
resultados alcançados com projetos de REDD.
(parte I)

Statistics

Views

Total Views
201
Views on SlideShare
100
Embed Views
101

Actions

Likes
0
Downloads
0
Comments
0

1 Embed 101

http://idesam.org.br 101

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Cenário Tocantins REDD+- Treinamento GCF/Macapá (parte I) Cenário Tocantins REDD+- Treinamento GCF/Macapá (parte I) Presentation Transcript

  • Processos sustentáveis de produção de bioprodutos – Influencia no mecanismo REDD+ Glaucia Vieira UFT PPG Mestrado em Agroenergia Engenharia Ambiental
  • Tópicos abordados • UFT/LEDBIO/. • Histórico: O mecanismo REDD+ no Estado do Tocantins; • Projetos REDD+ na academia. o Parceria Estado/Universidade.
  • Palmas Tocantins Brasil O Estado do Tocantins População: 1.427.827 hab PIB: R$ 17 bilhoes ; Atividades Econômicas: Agroexportação e Agroindústria.
  • Criação - Ano 2003 Corpo docente: 1000 professores Corpo discente: 15000 alunos Multicampi Missão: Contribuir para o desenvolvimento da região Norte e do Estado do Tocantins com destaque nos setores: Ambiental, agrícola e energético. Premiada em 2010 – Prêmio Santander
  • EQUIPE DO LEDBIO Glaucia Eliza Gama Vieira - DSc. Química Orgânica Coordenadora LEDBIO/UFT Ailton Yabeta Gerente administrativo/CLT Técnico em laboratório MSc. Luana Fagundes Agronergia/CLT Carlos Abranches/CLT UFT/PETROBRAS – Técnico em Saneamento Aymara Colen/CLT UFT/PETROBRAS – MSc. Agronergia
  • EQUIPE DO LEDBIO •Gezer Lamounier Jr. – Graduando em Engª. Alimentos – UFT - ITI/CNPq •Roseanne Batista R. da Silva – Graduando em Engª. Ambiental UFT - ITI/CNPq; •Jordana Kran - Graduando em Engª. Ambiental UFT - ITI/CNPq; •Ruthe Cardoso - Graduando em Engª. Ambiental UFT - ITI/CNPq; •Juliana - Mestranda agroenergia – CNPq •Sóstenes – Mestrando em agroenergia – IFTO •Abimael – Mestrando em agroenergia – CNPq •Carlos Magno – Mestrando em agroenergia – IFTO
  • Coordenação: Dra. Glaucia Eliza Gama Vieira
  •  2007 /2009 – PETROBRAS - U$ 700.000,00  2009/2014 – CNPq - U$ 300.000,00  2012/2015 - PETROBRAS - U$ 1.400.000,00  TOTAL: U$ 2.400.000,00  Captação/ano: U$ 400.000,00 LEDBIO – Captação / Investimentos
  • Coordenação: Dra. Glaucia Eliza Gama Vieira
  • O REDD+ no Estado do Tocantins. 1998 – 1º projeto de sequestro de carbono do Brasil, Instituto ecológica, Ilha do Bananal. 2008 – Envolvimento dos Estados da Amazônia legal com o tema REDD+ através do GCF, com vista ao compartilhamento de experiências e desenvolvimento do REDD+ em nível subnacional. 2009 – 1º projeto de REDD no bioma cerrado – Projeto Gênesis, Instituto ecológica, Palmas-TO.
  • O REDD+ no Estado do Tocantins  2008 – O Estado do Tocantins Institui a política Nacional sobre mudanças climáticas, conservação ambiental e desenvolvimento sustentável. (Em processo de revisão).  2009 - PPCD (Plano de Prevenção e Controle do Desmatamento).  Metas de redução: Desmatamento ilegal: zero entre 2009 e 2014; Desmatamento do bioma Amazônico em 80 % em 2013. Desmatamento no cerrado em até 40 % até 2020.  2012- Política de serviços ambientais e de pagamento por serviços ambientais, complementação da política estadual de mudanças climáticas.
  •  2012 – Decreto no 4.550/2012- Revisão do Fórum Estadual de Mudanças climáticas e de biodiversidade.  2012 – Tocantins passa a membro efetivo do GCF.  2012 - Projeto Jalapão: Plano de ação e combate a queimadas, incêndios e desmatamento no bioma cerrado - Apoio do banco mundial da Alemanha (KFW) e da sociedade Alemã para cooperação internacional (GIZ) .  2012 – Programa de ações e controle das queimadas do Tocantins (PACTO) , educação ambiental.
  • PROJETO DE PESQUISA LEDBIO/UFT- CNPq/2010-2015 ESTUDO DE CASO: Avaliação da biomassa viva acima do solo e do estoque de carbono em uma área de floresta extrativista de Pequi e Babaçu – Influencia no desenvolvimento do mecanismo REDD+ na região Norte do Brasil.
  • REDD+ & ROTAS TECNOLÓGICAS: BIORREFINARIAS A redução do desmatamento da palmeira; A valoração econômica dos produtos obtidos a partir do beneficiamento de florestas extrativistas A formação de uma cadeia produtiva estável; O desenvolvimento social das comunidades envolvidas nesta cadeia. Redução do desmatamento de florestas extrativistas. A valoração econômica dos produtos obtidos a partir das florestas extrativistas A formação de uma cadeia produtiva estável. Novos mercados O desenvolvimento social das comunidades envolvidas nesta cadeia.
  • •Produção dos pequizeiros adultos: de 500 a 2.000 frutos por planta por ano. •Produção média de 26 frutos por planta. Pequi (Caryocar brasiliense) LORENZI, H.; Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. 2. ed. Nova Odessa: Plantarum, 2002. MARQUES, M. C. S. Estudo fitoquímico e biológico dos extratos de pequi (Caryocar brasiliense Camb). 2001. 91 p. Dissertação (Mestrado em Agronomia) - Universidade Federal de Lavras, Lavras, MG. SANTOS, B. R. Micropropagação de pequizeiro (Caryocar brasiliense Camb.). 2004. 239 p. Tese (Doutorado em Agronomia) - Universidade Federal de Lavras, Lavras, MG. PEIXOTO, A. R. O Piqui e a lavoura no Cerrado. In: Plantas oleaginosas arbóreas. São Paulo: Nobel, 1973. p.197-226. SANTANA, J das G. NAVES, R. V. Caracterização de ambientes de cerrado com alta densidade de pequizeiros (Caryocar brasiliense camb.) na região sudeste do estado de Goiás. Pesquisa Agropecuária Tropical, n. 33, v. 1, p. 1-10, 2003.
  • Pequi (Caryocar brasiliense) •Teor de óleo na amêndoa na faixa de 50 (%m/m) e na polpa em torno de 61(% m/m); •Características físico-químicas semelhantes às dos outros óleos utilizados para a produção de biodiesel; Biomassa extrativista – não concorre com o mercado alimentício. AQUINO, L. P. Extração do óleo da polpa de pequi (Caryocar Brasiliense): influência das variáveis operacionais. 2007. 95 f. Dissertação (Mestrado em Ciências do Alimento)– Universidade Federal de Lavras, Lavras/MG, 2007. DABDOUB, M. J.; DABDOUB, V. B.; BARBOSA, S. L. et al. Pequi: do fruto ao biodiesel. In: 26a Reunião Anual da Sociedade Brasileira de Química. Anais... Poços de Caldas: SBQ, 2003. DEUS, T. N. de. Extração e caracterização de óleo do pequi (Caryocar brasiliensis Camb.) para o uso sustentável em formulações cosméticas óleo/água (O/A). 75f. 2007. Dissertação (Mestrado em Ecologia e Produção Sustentável) – Universidade Católica do Goiás, Goiânia/GO, 2008.
  • Parque Estadual do Lajeado Estimativa da Biomassa Viva Acima do Solo e Estoque de Carbono. Ocorre em áreas de cerrado e zonas de transição: GO, MA, PI, MG, MT e Tocantins. Ref.: Dissertação de mestrado, Adriano Pinto 2009, LEDBIO/Agroenergia/UFT.
  • METODOLOGIA : EBVAS Estimativa da BVAS Metodologia Numerados, identificados sequencialmente e georreferenciados Diâmetro 32 indivíduos AlturaEquação
  • Estimativa da Biomassa Viva Acima do Solo Distribuição da frequência dos valores de BVAS 0 50 100 150 200 250 300 Intervalo de classe da BVAS (kg) 0 2 4 6 8 10 12 14 16 Frequênciadeindivíduos 1 4 7 10 13 16 19 22 25 28 31 Indivíduo 0 50 100 150 200 250 300 350 BVAS Ref.: Dissertação de mestrado, Adriano Pinto 2009, LEDBIO/Agroenergia/UFT.
  • Estimativa da BVAS e do Estoque de Carbono.  BVAS e o Estoque de Carbono médio: 75,46±66,25 e 37,73±33,12 kg/indivíduo;  BVAS e o Estoque de Carbono total: 2,34 e 1,17 t.ha-1; Ref.: Dissertação de mestrado, Adriano Pinto 2009, LEDBIO/Agroenergia/UFT.
  • Resultados e discussões  Teor do óleo vegetal do pequi: • Variou de 12,95 a 46,06% (amplitude de 33,11%), com média geral de 30,51±7,39%; 1 4 7 10 13 16 19 22 25 28 31 Indivíduo 10 15 20 25 30 35 40 45 50 55 Rendimentodaextração(%) Média Média±DP 10 15 20 25 30 35 40 45 50 Intervalo de classe de Rendimento (%) 0 2 4 6 8 10 12 14 Frequênciaderendimento Figura – Distribuição de frequência e valores médios do teor do óleo vegetal. Ref.: Dissertação de mestrado, Adriano Pinto 2009, LEDBIO/Agroenergia/UFT.
  • Teor do óleo vegetal/individuo 10 15 20 25 30 35 40 45 50 Intervalo de classe de Rendimento (%) 0 2 4 6 8 10 12 14 Frequênciaderendimento 1 4 7 10 13 16 19 22 25 28 31 Indivíduo 10 15 20 25 30 35 40 45 50 55 Rendimentodaextração(%) Média Média±DP
  • Área de estudo: Distrito de Taquarussu 2005 e 2009 BVAS: 12372 kg ou 12,37 t.ha-1. Estoque de carbono:5176,53kg.C.ha-1 ou 5,17 t.C.ha-1 Não emitido: 18,99t.CO2eq.ha-1
  • BABAÇU : ENERGIA SUSTENTAVEL & REDD+ Fração gasosa (CO, CO2, CH4, H2) Fração Aquosa e Bio-óleo (mistura de compostos orgânicos) Fração sólida Pirólise VIEIRA, G.G.E. Fontes Alternativas de Energia – Processo Aperfeiçoado de Conversão Térmica. 2004. 288 f. Tese (Doutorado em Química Orgânica) – Programa de Pós-Graduação em Química Orgânica, Universidade Federal Fluminense. Rio de Janeiro, 2004.
  • Desenvolvimento de processos termoquímicos e termocatalíticos – Novos mercados
  • FRAÇÃO AQUOSA Desenvolvimento de processos termoquímicos e termocatalíticos – Novos mercados
  • BIO-ÓLEO/Substituto do Diesel em termoelétricas / Redução de Emissões.
  • Fração sólida – Energia
  • Parceria LEDBIO/UFT - SEMADES/GCF: PRODUTOS - Criação do grupo de trabalho em REDD+ no TO junto do fórum de mudanças climáticas . - Indicação de uso de recurso para o TO/Financiamento GCF: - arcabouço legal e inventário - Ecológica. - III SEMINÁRIO INTERNO EM AGRONERGIA DA UFT/2013. - Agroenergia, TBC e Sustentabilidade. - Parceria: UFT/SEMADES/SEAGRO/ECOLÓGICA - IV SEMINÁRIO INTERNO EM AGROENERGIA DA UFT/2014. - Agroenergia, REDD+ e sustentabilidade – Agrotins 2014. - PARCERIA: UFT/SEAGRO
  • Parceria UFT/SEMADES/GCF: PRODUTOS/DIVULGAÇÃO Palestra "Mercado de Carbono e a Agroenergia no contexto do Redd e do MDL" Palestrante: Tim Reutiman (Instituto Nacional da Suíça) 2013 Mesa 1: Agroenergia, manejo e novos mercados para as tecnologias de baixa emissão. Palestrantes: Eliana Pareja (Instituto Ecológica), Yolanda Abreu (UFT) e Gustavo Campos (Embrapa). Mediadora: Gláucia Vieira (UFT) 2013 Palestra : Aproveitamento de florestas extrativistas com ênfase em REDD+ e energia Palestrante: Glaucia Eliza Gama Vieira – 2014 Organização : Glaucia Vieira 2013 / Glaucia Vieira e Eliane Pareja 2014
  • REDES COLABORATIVAS
  • Considerações  Conservação da floresta em pé;  REGEE em florestas extrativistas;  Serviços Florestais;  Biorrefinarias;  Produção de bioprodutos sustentável: Biodiesel/Bio-óleo/extratos;  Geração de ENERGIA SUSTENTAVEL;  Parceria Universidade/Estado – EDITAIS DE FOMENTO.  Contribuição para implementação do mecanismo REDD+.
  • Considerações: REDD+ / Rotas Tecnológicas / Novos Mercados. Obrigada! Glaucia Vieira glaucia.vieira@pq.cnpq.br glauciaeliza@uft.edu.br (63) 84186427