Your SlideShare is downloading. ×
A coleta seletiva
A coleta seletiva
A coleta seletiva
A coleta seletiva
A coleta seletiva
A coleta seletiva
A coleta seletiva
A coleta seletiva
A coleta seletiva
A coleta seletiva
A coleta seletiva
A coleta seletiva
A coleta seletiva
A coleta seletiva
A coleta seletiva
A coleta seletiva
A coleta seletiva
A coleta seletiva
A coleta seletiva
A coleta seletiva
A coleta seletiva
A coleta seletiva
A coleta seletiva
A coleta seletiva
A coleta seletiva
A coleta seletiva
A coleta seletiva
A coleta seletiva
A coleta seletiva
A coleta seletiva
A coleta seletiva
A coleta seletiva
A coleta seletiva
A coleta seletiva
A coleta seletiva
A coleta seletiva
A coleta seletiva
A coleta seletiva
A coleta seletiva
A coleta seletiva
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

A coleta seletiva

11,659

Published on

Trabalho de Português alunas Carla e Adriele …

Trabalho de Português alunas Carla e Adriele
7ªSérie

Published in: Education, Technology, Business
0 Comments
3 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
11,659
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4
Actions
Shares
0
Downloads
177
Comments
0
Likes
3
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. A coleta seletiva do lixo Adriele Storck; Carla Francine Schroter;
  • 2. Índice:
    • Imagens de lixeiras;
    • O que é coleta seletiva;
    • Porque hoje se fala tanto em coleta seletiva;
    • Benefícios da coleta seletiva;
    • Pontos negativos para implantar a coleta seletiva.
    • Resultados;
    • Implantando a coleta seletiva;
    • Existe uma outra forma para separar o lixo em casa?;
    • Principais formas da Coleta seletiva;
    • Depois de coletado o lixo separado vai para onde?
    • Cores padrões das lixeiras;
    • É isso que queremos;
    • Projetos que deram certo no Brasil;
    • Coleta seletiva em Crissiumal;
    • CITEGEM
    • Extras.
  • 3. Imagens de coleta seletiva:
  • 4. O que é coleta seletiva.
    • Coleta seletiva é separar o lixo em orgânicos(cascas, frutas, restos de comida) do lixo seco (papel, plástico, metal, vidro) para que posteiramente sejam reciclados o lixo seco e orgânicos transformado em adubo.
  • 5. Porque hoje se fala tanto em coleta seletiva?
    • Não é novo o fato de que as cidades produzem, diariamente, milhares de toneladas de lixo e que esse é um problema que vem se tornando cada vez maior. No entanto, estamos chegando a um ponto em que já não é mais possível prosseguir sem que medidas mais eficazes sejam tomadas. Os aterros já não conseguem absorver tanto lixo, e a degradação do meio ambiente está tomando proporções perigosas para nossa sobrevivência no planeta. Nossos rios e represas estão cada vez mais contaminados, ratos e insetos proliferam, as ruas estão sujas favorecendo todo o tipo de doenças. Em função disso, o poder público e a própria sociedade vem buscando soluções que preservem o meio ambiente. E alguns meios são a coleta seletiva e a reciclagem.
  • 6. BENEFÍCIOS DA COLETA SELETIVA :
    • Menor redução de florestas nativas. Reduz a extração dos recursos naturais. Diminui a poluição do solo, da água e do ar. Economiza energia e água. Possibilita a reciclagem de materiais que iriam para o lixo. Conserva o solo. Diminui o lixo nos aterros e lixões. Prolonga a vida útil dos aterros sanitários. Diminui os custos da produção, com o aproveitamento de recicláveis pelas indústrias. Diminui o desperdício. Melhora a limpeza e higiene da cidade. Previne enchentes. Diminui os gastos com a limpeza urbana. Cria oportunidade de fortalecer cooperativas. Gera emprego e renda pela comercialização dos recicláveis
  • 7. Pontos negativos para não implantar a coleta seletiva
    • O fato é que na maioria das vezes a coleta não é multiseletiva, ou seja, não há uma coleta para cada tipo de material, como acontece na Europa onde o sistema de 4 cores surgiu. Aqui o mesmo caminhão vai coletar todos os materiais recicláveis. Quem observa a coleta se sente frustrado após o esforço de separar por cores. Ademais a comercialização dos recicláveis se dá após uma separação muito mais fina. Os plásticos, por exemplo, ao chegarem na cooperativa, deverão ser selecionados por tipo e cor e só então enfardados para a comercialização. Há mais de 300 tipos de plásticos. Da mesma forma o papel, são separados por tipo: papel branco, revista, jornal, papelão, papelão com impressão de um lado, papelão com impressão dos dois lados, e assim vai. Ou seja: mesmo que a separação na fonte seja feita em quatro cores no galpão terá de haver uma nova separação.
  • 8.
    • Outros motivos para não se separar em 4 cores.
    • O espaço necessário é maior;
    • Dificuldade de enquadrar alguns materiais como a embalagem longa vida. Elas são feitas de papelão, alumínio e plástico. Em que lixeira devo colocar? E o isopor, em que lixeira colocar?
    • Com uma lixeira para todos os recicláveis podemos utilizar o sistema de lixeiras individuais aumentando a responsabilidade individual pela separação dos recicláveis.
  • 9. Resultados:
    • Ambientais
    • Os maiores beneficiados por esse sistema são o meio ambiente e a saúde da população. A reciclagem de papéis, vidros, plásticos e metais - que representam em torno de 40% do lixo doméstico - reduz a utilização dos aterros sanitários, prolongando sua vida útil. Se o programa de reciclagem contar, também, com uma usina de com postagem, os benefícios são ainda maiores. Além disso, a reciclagem implica uma redução significativa dos níveis de poluição ambiental e do desperdício de recursos naturais, através da economia de energia e matérias-primas.
  • 10.
    • Econômicos
    • A coleta seletiva e reciclagem do lixo doméstico apresenta, normalmente, um custo mais elevado do que os métodos convencionais. Iniciativas comunitárias ou empresariais, entretanto, podem reduzir a zero os custos da prefeitura e mesmo produzir benefícios para as entidades ou empresas. De qualquer forma, é importante notar que o objetivo da coleta seletiva não é gerar recursos, mas reduzir o volume de lixo, gerando ganhos ambientais. É um investimento no meio ambiente e na qualidade de vida. Não cabe, portanto, uma avaliação baseada unicamente na equação financeira dos gastos da prefeitura com o lixo, que despreze os futuros ganhos ambientais, sociais e econômicos da coletividade. A curto prazo, a reciclagem permite a aplicação dos recursos obtidos com a venda dos materiais em benefícios sociais e melhorias de infra-estrutura na comunidade que participa do programa. Também pode gerar empregos e integrar na economia formal trabalhadores antes marginalizados.
    • Políticos
    • Além de contribuir positivamente para a imagem do governo e da cidade, a coleta seletiva exige um exercício de cidadania , no qual os cidadãos assumem um papel ativo em relação à administração da cidade. Além das possibilidades de aproximação entre o poder público e a população, a coleta seletiva pode estimular a organização da sociedade civil.
  • 11. Como começar a implantar a coleta seletiva?
    • A implantação da coleta seletiva pode começar com uma experiência-piloto, que vai sendo ampliada aos poucos. O primeiro passo é a realização de uma campanha informativa junto à população, convencendo-a da importância da reciclagem e orientando-a para que separe o lixo em recipientes para cada tipo de material.
    • É aconselhável distribuir à população, ao menos inicialmente, recipientes adequados à separação e ao armazenamento dos resíduos recicláveis nas residências (normalmente sacos de papel ou plástico).
    • A instalação de postos de entrega voluntária (PEV) em locais estratégicos melhora a operação da coleta seletiva em locais públicos. A mobilização da sociedade, a partir das campanhas, pode estimular iniciativas em conjuntos habitacionais, shopping centers e edifícios comerciais e públicos.
  • 12.
    • Deve-se buscar elaborar um plano de coleta, definindo equipamentos e periodicidade de coleta dos resíduos. A regularidade e eficácia no recolhimento dos materiais são importantes para que a população tenha confiança e se disponha a participar. Não vale a pena iniciar um processo de coleta seletiva se há o risco de interrompê-lo, pois a perda de credibilidade dificulta a retomada.
    • Finalmente, é necessária a instalação de um centro de triagem para a limpeza e separação dos resíduos e o acondicionamento para a venda do material a ser reciclado. Também é possível implantar programas especiais para reciclagem de entulho (resíduos da construção civil ).
  • 13. Existe uma outra forma de separar o lixo em casa?
    • Sim, muitas vezes para implantar as quatro lixeiras sai muito carro e o espaço a ser ocupado é grande, mas existe uma forma para você ajudar em casa mesmo a melhorar a vida das pessoas que trabalham na triagem é você ter dois recipientes para por o seu lixo (balde, latas, sacos de lixo) um para o seco e o outro o orgânico. Assim você protege o meio ambiente e ainda ajuda a reciclar.
  • 14. Principais formas da coleta seletiva
    • Porta a Porta – Veículos coletores percorrem as residências em dias e horários específicos que não coincidam com a coleta normal de lixo. Os moradores colocam os recicláveis nas calçadas, acondicionados em contêineres distintos;
    • PEV (Postos de Entrega Voluntária) - Utiliza contêineres ou pequenos depósitos, colocados em pontos físicos no município, onde o cidadão, espontaneamente, deposita os recicláveis;
    • Postos de Troca – Troca do material a ser reciclado por algum bem.
    • PICs - Outra modalidade de coleta é a PICs, Programa Interno de Coleta Seletiva, que é realizado em instituições públicas e privadas, em parceria com associações de catadores.
  • 15. Depois de o lixo coletado ele vai para onde?
    • Ele pode ir para três lugares:
    • Os aterros sanitários são grandes terrenos onde o lixo é depositado, comprimido e depois espalhado por tratores em camadas separadas por terra. As extensas áreas que ocupam, bem como os problemas ambientais que podem ser causados pelo seu manejo inadequado, tornam problemática a localização dos aterros sanitários nos centros urbanos maiores, apesar de serem a alternativa mais econômica a curto prazo.
    • Os incineradores , indicados sobretudo para materiais de alto risco, podem ser utilizados para a queima de outros resíduos, reduzindo seu volume. As cinzas ocupam menos espaço nos aterros e reduz-se o risco de poluição do solo. Entretanto, podem liberar gases nocivos à saúde, e seu alto custo os torna inacessíveis para a maioria dos municípios.
    • As usinas de com postagem transformam os resíduos orgânicos presentes no lixo em adubo , reduzindo o volume destinado aos aterros. É difícil cobrir o alto custo do processo com a receita auferida pela venda do produto. Além disso, não se resolve o problema de destinação dos resíduos inorgânicos, cuja possibilidade de depuração natural é menor.
  • 16. Imagens:
  • 17. Cores padrões das lixeiras
    • Azul - Papel / Papelão
    • Amarelo - Metal
    • Verde - Vidro
    • Vermelho - Plástico
    • Marrom - Orgânico
    • Laranja - Resíduos perigosos
    • Preto - Madeira
    • Cinza - Resíduos gerais não recicláveis ou misturados, ou contaminado não passível de separação
    • Roxo - Resíduos radioativos
    • Branco - Resíduos ambulatoriais e de serviço de saúde
  • 18. Azul= Papel e Papelão • Jornais e Revistas • Papel Sulfite/Rascunho • Papel de Fax • Folhas de Caderno • Formulários de Computador • Caixas em Geral (ondulado) • Aparas de Papel • Fotocópias • Envelopes • Rascunhos • Cartazes Velhos
  • 19. Vermelho= Plástico • Copos • Garrafas • Sacos/Sacolas • Frascos de produtos • Tampas • Potes • Canos e Tubos de PVC • Embalagens Pet (Refrigerantes, Suco, Óleo, Vinagre, etc. )
  • 20. Você sabia?
    • O número no interior do símbolo pode variar de 1 a 7, dependendo do tipo de plástico
    • 1 = PET - Polietileno Tereftalato, usado em garrafas de refrigerantes .
    • 2 = PEAD - Polietileno de Alta Densidade, consumido por fabricantes de engradados de bebidas, baldes, tambores, autopeças e outros produtos.
    • 3 = PVC - Policloreto de Vinila, comum em tubos e conexões e garrafas para água mineral e detergentes líquidos.
    • 4 = PEBD - Polietileno de Baixa Densidade, utilizado na fabricação de embalagens de alimentos. Ex.; sacos de arroz ou feijão.
    • 5 = PP - Polipropileno, que compõe embalagens de massas e biscoitos, potes de margarina, utilidades domésticas, entre outros.
    • 6 = PS - Poliestireno, utilizado na fabricação de eletrodomésticos e copos descartáveis.
    • 7 = Outros
  • 21. Verde= Vidro • Garrafas • Potes de Conservas • Embalagens • Frascos de Remédios • Copos • Cacos dos Produtos Citados
  • 22. Amarelo= Metal • Tampinhas de Garrafas • Latas • Enlatados • Panelas sem cabo • Ferragens • Arames • Chapas • Canos • Pregos • Cobre AÇO ALUMINIO
  • 23.
    • LIXO ORGANICO= MARRON
    • Consiste em materiais que não podem ser reciclados, mas podem ser transformados em adubos. EX:
  • 24. LIXO RADIATIVO
    • Consiste no lixo que pode ser tóxico, pois libera gases que agridem nosso corpo e o planeta. Se não devidamente coletado e tratado. EX:
  • 25. MADEIRA= PRETO
    • Consiste em matérias principalmente da construção civil, pode ser reaproveitado para pessoas que possuem Fogões a Lenha, mas se utilizado em grande escala, prejudica a camada do ozônio devido a sua queima.
  • 26. RESIDUOS DE AMBULATORIO E DE SAÙDE
    • Consiste em matérias que possam estar contaminados, ou não esterilizados para isso devem ser descartados para não contaminar uma pessoa.
  • 27. RESIDUOS CONTAMINADOS OU NÂO POSSIVEIS RECICLAR
    • Consiste em materiais que não podem ser colocados ou reciclados como os demais materiais, pode conter algo ou alguma coisa prejudicial.
  • 28. Imagens das lixeiras para coletas seletivas.
  • 29. Exemplos de lixeiras de outros países: Coletores nos EUA Coletores de Portugal.
  • 30. È isso que queremos?
    • Muitas vezes a coleta é implantada mas muitas pessoas ou empresas não se interessem pelo o que o mundo está sofrendo e jogam lixo em tudo que lugar, aí acontece isso:
  • 31. Projetos que deram certo no Brasil
    • Em Niterói -RJ, Brasil, a iniciativa partiu dos moradores de um bairro, em 1985, que contaram com o apoio da Universidade Federal Fluminense e de uma entidade do governo alemão. A prefeitura apenas cedeu um técnico, temporariamente, e fez a terraplanagem do terreno. Os moradores administram o serviço, investindo o lucro em atividades comunitárias.
    • Curitiba -PR, Brasil, criou, em 1989, o projeto "Lixo Que Não É Lixo", iniciado com um trabalho de educação ambiental nas escolas. Em seguida, foi distribuída uma cartilha à população e iniciada a coleta domiciliar e em supermercados, onde os resíduos recicláveis são trocados por vales-compra. A prefeitura assume o custo de coleta e o material recolhido é doado a uma entidade assistencial, que o processa e comercializa, destinando o lucro para suas atividades assistenciais.
  • 32.
    • A coleta seletiva criou condições técnicas para a implantação de uma usina de com postagem na cidade, pois boa parte do material inorgânico (metais, vidros, etc.) já é separado, reduzindo os custos de operação da usina.
    • A instalação da usina de reciclagem de Vitória -ES, Brasil, em 1990, em um antigo "lixão", evitou enormes prejuízos ambientais e reuniu trabalhadores que viviam em condições sub-humanas, explorados pelas "máfias do lixo", controladas por aparistas e sucateiros, dando-lhes melhores condições de trabalho e remuneração.
    • Da avaliação dessas experiências, pode-se dizer que a participação da população é a principal condição para o sucesso da coleta seletiva.
  • 33. E em nosso município está sendo realizada a coleta seletiva?
    • Sim, em nosso município o lixo é recolhido e enviado a CITEGEM. Segundo Cleomar Schwingel, secretario do meio ambiente de Crissiumal, nosso município produz 1,152,000kg de lixo por ano. Crissiumal é um dos municípios que possui um dos melhores trabalhos de coleta seletiva, mas nos últimos meses essa estatística vem caindo muito.
  • 34.
    • A coleta acontece durante toda a semana em dias específicos conforme a localização. O lixo orgânico é recolhido na segunda e Quinta-feira de manhã na Rua Tucunduva sentido centro, na terça e sexta- feira de manhã na Rua Tucunduva sentido Vila União e Vila paraíso. Já o lixo seco é recolhido toda quarta-feira durante todo dia . E no interior a coleta acontece cada mês em dias específicos.
  • 35.
    • Por vários motivos não é feita a coleta semanalmente no interior tais como: Má condição das estradas; Muita população e também grande distancia de uma propriedade para a outra.
    • Já os materiais eletrônicos como baterias, celulares, carregadores e pilhas podem ser depositados em pontos de coletas específicos na cidade os chamados PEV .
    • Fonte: JC
  • 36. CITEGEM
    • CITEGEM, o Consórcio Intermunicipal de Gestão Multifuncional tem como objetivo coletar, transportar, tratar, reciclar, selecionar e destinar corretamente os resíduos sólidos urbanos. Os municípios que fazem parte deste consórcio são: Três Passos, Crissiumal, Humaitá, São Martinho, São Valério do Sul, Sede Nova, Esperança do Sul, Tiradentes do Sul, Bom Progresso, Braga e Campo Novo.
    •  
    • O CITEGEM, antiga CITRESU, passou a ser um consórcio público e a obter recursos do governo para os projetos da empresa. O coordenador geral do Consórcio Público, Nilton Cardoso Moreira, explicou que a CITEGEM se mantém com recursos próprios, que chegam das prefeituras conveniadas e da venda dos resíduos reciclados
  • 37. As empresas que fazem reciclagem compram os fardos, antes chamados de lixo, e utilizam na produção de novos produtos, como por exemplo, o papel branco é separado, fardado e vendido para virar papel jornal e os resíduos orgânicos viram adubo. Todos os resíduos poderiam ser reciclados, se houvesse apoio do governo e as empresas se disponibilizassem para fazer o transporte Desde a fundação do Consórcio, em 1997, 3 valas de rejeito foram abertas, 2 já estão fechadas e o terreno fica inabitável, só serve para vegetação, pois o terreno é falso.
  • 38. Extras:
    • Depois de termos debatido sobre esse assunto vamos agora olhar um vídeo que fala sobre onde nosso lixo vai depois de não servir para a reciclagem e reaproveitamento!
  • 39. Ilha das Flores O vídeo que o nosso grupo escolheu é um vídeo bem antigo, fala bastante do que o ser humano deixou de consumir e reciclar que depois outros seres vão consumir porque não tem algo de boa alimentação para comer.
  • 40.  

×