Tricologia 110414082015-phpapp01

8,822 views
8,632 views

Published on

0 Comments
9 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
8,822
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
9
Actions
Shares
0
Downloads
475
Comments
0
Likes
9
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Tricologia 110414082015-phpapp01

  1. 1. Tricologia Ponta de um fio de cabelo
  2. 2. TRICOLOGIA • A tricologia é o ramo da medicina que trata dos pêlos ou cabelos. • Do grego Thricos (cabelo) e Logos (estudo). Originou-se na Inglaterra em 1902, seu estudo contem ha função de solucionar vários problemas capilares.Existe, no Brasil, assim como em outros países, um interesse crescente pelos tratamentos alternativos e preventivos. • Atendendo a esse interesse, disponibilizamos informações sobre os cabelos e o couro cabeludo, direcionados à área de estética.
  3. 3. A IMPORTÂNCIA DOS CABELOS • Nas comunidades humanas, a estética é muito valorizada. • Em razão disso, apesar de não apresentarem importância maior para a sobrevivência do indivíduo, os cabelos têm valor indiscutível como ornamento pessoal. • Em algumas culturas, o aspecto dos cabelos assinala diferenças sociais ou profissionais; já em outras, atende a exigências religiosas ou até mesmo a posicionamentos políticos.
  4. 4. • Compondo a moldura do rosto, os cabelos sinalizam formas de encarar a vida e, muitas vezes, importantes mudanças Compondo a moldura do rosto, os cabelos sinalizam formas de encarar a vida e, muitas vezes, importantes mudanças do comportamento pessoal. • Cortá-los, penteá-los, pintá-los de acordo com os próprios desejos são maneiras que cada um tem de demarcar sua individualidade. • do comportamento pessoal. • Cortá-los, penteá-los, pintá-los de acordo com os próprios desejos são maneiras que cada um tem de demarcar sua individualidade.
  5. 5. • Contribuindo para uma imagem clássica ou radical, os cabelos são repletos de significados associados a conceitos de ousadia, juventude, liberdade, sedução e poder. • Constituem-se na característica mais marcante e variável dos seres humanos, tornando-se ingredientes fundamentais da identidade pessoal. • Para muitos, perdê-los é um desfiguramento grave.
  6. 6. O Pêlo • Os pêlos são estruturas filiformes, constituídas por células queratinizadas produzidas pelos folículos pilosos.
  7. 7. MORFOLOGIA DO FOLÍCULO PILOSO E ESTRUTURA DO PÊLO • Estima-se que haja cinco milhões de folículos pilosos no corpo de um adulto, com um milhão na cabeça, dos quais 100.000 cobrem o couro cabeludo.
  8. 8. •Nos humanos, somente a pele das palmas e plantas são desprovidas de folículos pilosos.
  9. 9. As características dos cabelos •Os humanos apresentam entre 90 e 150 mil fios de cabelos no couro cabeludo. Dez por cento a mais nos louros e dez por cento a menos nos ruivos. Em média, estes fios crescem 1 cm por mês (0,37 mm/dia) e a perda normal está entre 50 e 100 fios diários.
  10. 10. •O cabelo é uma haste fibrosa, formada por células mortas compostas de uma proteína chamada queratina, produzida por células chamadas queratinócitos (a única parte viva do fio) que se encontram no bulbo, na derme do couro cabeludo.
  11. 11. •Córtex, é responsável pela resistência e elasticidade dos cabelos. •Medula, Haste Capilar formada por uma parte central, que é repleta de componentes porosos, desconhecendo-se ainda qual a sua utilidade. •Cutícula, compõe-se de células tipo escamas sobrepostas, também queratinizadas, com altas concentrações de enxofre, que funcionam como uma barreira protetora para o Córtex e a Medula, e que são responsáveis pelo brilho , maciez e penteabilidade dos cabelos. •A cor do cabelo é resultado de outra proteína, chamada melanina, produzida por células chamadas melanócitos, que se encontram junto da papila, a parte onde se dá a reprodução celular. •O bulbo e uma ou mais glândulas sebáceas, juntos com o músculo eretor do pêlo, compõem o folículo pilo-sebáceo. •As características da Haste Capilar são: F orma, Comprimento, Cor, Brilho, Diâmetro, Solidez, Plasticidade, Elasticidade, Eletricidade estática, Densidade e Crescimento.
  12. 12. CICLO DE CRESCIMENTO DO PÊLO •O pêlo é singular quando comparado a outros sistemas de órgãos, porém cada pêlo submete-se repetitivamente à obsolescência e ao renascimento planejados. Em circunstâncias normais, a produção do cabelo em cada folículo ocorre de maneira cíclica, com três fases: ANÁGENA, TELÓGENA CATÁGENA. A velocidade normal de produção da haste do pêlo é de 0,35mm/dia e usualmente varia de seis mm a 1,2cm por mês. Essa velocidade vai depender da localização do folículo piloso, da idade e sexo.
  13. 13. Períodos de crescimento Anágena, ou fase de crescimento ativo. duram entre 2 e 8 anos. Catágena, um período de regressão controlada do folículo. De 2 a 4 semanas de degradação. Telógena, seu estado de repouso, antes do ciclo de volta para anágena. Que dura de 2 a 4 meses.
  14. 14. Camadas da pele
  15. 15. Nutrição dos cabelos Existe uma correlação direta entre o que comemos e a nossa saúde. Os alimentos são a fonte de energia e matéria prima para manter em atividade nosso organismo e produzir os hormônios, as enzimas e as proteínas necessárias ao nosso desenvolvimento
  16. 16. •A composição do cabelo é de 90% proteína. • 8% água. • 2% minerais. •Qualquer fator do organismo que reduza a síntese de proteína repercutirá sobre o crescimento dos cabelos.
  17. 17. •Regimes radicais ou estados de desnutrição com falta de proteína, vitaminas ou óleos essenciais aumentam perda do brilho e a interrupção o crescimento dos fios.
  18. 18. •O ressecamento é o primeiro sinal de que os cabelos estão desnutridos, sendo que a perda da umidade dos fios provoca uma diminuição da coesão entre as células facilitando com que eles se quebrem.
  19. 19. •Além da falta de queratina, da melanina e das ceramidas, o cabelo contém pentoses (açúcar), fenóis, cobre zinco, ferro, manganês, cobalto, cálcio e alumínio.
  20. 20. •São as proteínas que respondem por mais ou menos 97% da estrutura de nosso cabelo, sendo que de 15 a 20% de nossa gestão de proteínas é utilizada para o crescimento da pele e dos cabelos
  21. 21. O F enol nos alimentos
  22. 22. Cuidados Cabelos Brancos
  23. 23. A cor dos cabelos •A cor dos cabelos tem função puramente decorativa e varia entre os matizes negro, castanho, louro, ruivo, grisalho e branco. Ela depende da quantidade e da qualidade dos grânulos de um pigmento chamado melanina que estão presentes no córtex dos fios.
  24. 24. Através da microscopia confocal é possível observar um melanócito transmitindo pigmentos para os queratinócitos. As células responsáveis pela coloração natural dos fios são os melanócitos. São células com formatado mais largo e apresentam ramificações chamadas de dendritos. •São encontradas em especial no ínicio do folículo capilar. Elas são responsáveis pela produção de melanina na forma de pequenos grânulos de pigmento de cor. Após a produção elas tem a capacidade de transmitir através dos dendritos " injetando" desta forma os pigmentos nas células queratinócitos na altura da haste capilar que está sendo formada. Desta forma , o fio de cabelo adquire coloração desde a raiz, sendo esta cor feita para durar todo o ciclo de vida do fio.
  25. 25. • MICROSCOPIA CONF OCAL Microscopia digital de alta resolução. • MELANÓCITO - é uma célula dendrítica que produz melanina, substância pigmentar que envolve a célula protegendo seu núcleo dos raios solares. • QUERATINÓCITOS - A principal função é produzir queratina, uma proteína fibrosa que faz da epiderme uma camada protetora. • O mais extraordinário para se pensar é que cada fio apresenta menos de 1% de melanina na sua composição. • Existem apenas dois pigmentos produzidos pelos melanócitos • Eumelanina – Produz uma enzima chamada tirosinase • F eomelanina - Este pigmento podem variar desde amarelo até vermelho. Aminoácido, Cisteína e enxofre são necessários para produzir os compostos de coloração diferenciada. •
  26. 26. •Paleta infinita de cores: A proporção dessas duas melaninas nas células determina a cor real dos fios. Mas existem algumas dificuldades de compreensão pensando no processo evolutivo e de adaptação das espécies, onde os J aponeses apresentam apenas cabelos preto (maior quantidade de eumelanina). J á os Irlandeses apresentam em sua grande maioria cabelos ruivos (vermelhos) devido grande quantidade de feomelanina produzida. J á na Escandinávia os fios loiros são formados na sua maioria apenas de eumelanina. Surpresas do processo de evolução e adaptação. Esta imensa gama possível nas misturas dos dois pigmentos tipo de melanina é determinada pela herança genética de cada pessoa que oferece uma paleta infinita que vai desde o loiro mais claro ao preto mais profundo.
  27. 27. A variedade das cores dos cabelos é devida a 2 tipos de melanina: •Eumelanina cabelo castanho e preto
  28. 28. Feomelanina - cabelo castanho avermelhado e louro
  29. 29. Um maior número de grânulos de melanina está presente no córtex dos cabelos mais escuros. O cabelo louro contém pouca melanina.
  30. 30. •No cabelo vermelho, o pigmento é a feomelanina e ele, muitas vezes, escurece para o castanho com o avançar da idade.
  31. 31. •Com o passar dos anos, a atividade dos Melanócitos se altera, diminuindo também a atividade da tirosinase, acontecendo então o embranquecimento do cabelo, chamado de canície. Não só a idade, mas o estresse e algumas doenças, como as tireoidites ou a anemia perniciosa, também promovem a canície.
  32. 32. Problemas com a Haste do cabelo •O cabelo é constituído de uma haste envolvida por uma grande quantidade de proteínas, entre elas a queratina. Elas formam escamas que devem ficar fechadas, conferindo proteção.
  33. 33. •Quando o fio sofre uma agressão, essa disposição é modificada, ocasionando alterações estéticas, como as pontas duplas, aspecto quebradiço e sem brilho. As escamas se abrem, deixando-o mais vulnerável à ação de fatores externos
  34. 34. Couro Cabeludo capitis •A Caspa - Pityriasis • Caracteriza-se pelo excesso de descamação do couro cabeludo, não ocorrendo inflamação. A pele do couro cabeludo passa a eliminar as células mais rapidamente que o normal . Alimentos de baixo valor nutritivo e a falta de proteínas e óleos poliinsaturados podem contribuir. Atualmente, acredita-se ser a caspa uma forma branda de Dermatite Seborréica.
  35. 35. •A Dermatite Seborréica – Pityriasis steatoides Apresenta-se como uma inflamação que ocorre em áreas com grande número de glândulas sebáceas: couro cabeludo, sobrancelhas, pálpebras, lados do nariz, parte posterior das orelhas e meio do peito. A pele torna-se vermelha e áspera e é recoberta por escamas.
  36. 36. Foliculite •É uma inflamação do folículo pilosebáceo (orifício de onde originam o pêlo e o sebo que protege a pele). Esta inflamação pode ocorrer por vários fatores, localiza-se na virilha, barba, nuca e couro cabeludo. O tratamento desta afecção é de acordo com a região onde há foliculite
  37. 37. Pediculose •A pediculose da cabeça é uma doença parasitária, causada pelo Pediculus humanus var. capitis, vulgarmente chamado de piolho da cabeça. Atinge todas as classes sociais, afetando principalmente crianças em idade escolar e mulheres. • É transmitida pelo contato direto interpessoal ou pelo uso de objetos como bonés, gorros, escovas de cabelo ou pentes de pessoas contaminadas.
  38. 38. Doenças Descamativas •PSORÍASE DO COURO CABELUDO • A psoríase é uma doença de pele crónica e recorrente que afecta cerca de 4% dos adultos europeus. Causa uma descamação prateada, sobre manchas vermelhas que, mais frequentemente, afectam o couro cabeludo, a parte inferior das costas, os cotovelos, joelhos e nós dos dedos.
  39. 39. Calvície Feminina •A calvície feminina apresenta-se sempre no topo da cabeça e começa por um afinamento e rarefação dos cabelos na parte frontal ou na linha do cabelo (linha média do couro cabeludo). A medida que a doença vai se agravando a perda capilar vai se alastrando por toda a parte superior da cabeça. A calvície geralmente se inicia após a puberdade, quando os hormônios sexuais começam a ser produzidos. A evolução é lenta e os cabelos vão afinando e durando cada vez menos (o tempo de crescimento diminui).
  40. 40. Calvície Feminina •O quadro se torna mais intenso se a mulher apresentar alterações hormonais, como a síndrome do ovário policístico, ou o hirsutismo, ou alterações da tireóide. Em algumas mulheres, a calvície só começa a se manifestar após a menopausa, quando ocorre uma diminuição da produção dos hormônios femininos, os estrógenos. Quanto mais no início da doença for instituido o tratamento, melhores serão os resultados.
  41. 41. Calvície Masculina •A alopecia androgenética, conhecida como calvície, acomete de 50% a 70% dos homens e de 5% a 20% das mulheres. A calvície é desencadeada por fatores hereditários e hormonais, especialmente os hormônios andrógenos testosterona e dehidrotestosterona (DHT). Uma enzima localizada na região da raiz do pêlo é responsável pela transformação da testosterona em DHT, que age nos receptores específicos dos folículos pilosos, a partir dos quais os pêlos são gerados.
  42. 42. •Essa ação faz com que os cabelos, gradativamente, fiquem menores e mais finos, demorem mais a nascer, até desaparecerem. Quanto mais no início for instituido o tratamento clínico, melhores serão os resultados. Ortomolecular, Fitoterápicos, Tônicos, Aplicações de Laser, Intradermoterapia capilar e Medicações específicas fazem parte do arsenal terapêutico do médico tricologista.
  43. 43. Densidade •A densidade é medida pelo número de fios de cabelo por centímetro quadrado. Tem relação com quantidade de fios. •
  44. 44. Tipos de cabelo •Lisótricos - Lisos •Sinótricos - Crespos •Ulótricos - Ondulados •CABELO – MONGÓLICAS, que incluem chineses, esquimós e indios. •CAUCASIANO – fino e ondulado ou cacheado dos europeus. •NEGRÓIDE.
  45. 45. pH • pH – é a medição do potencial de hidrogênio ou a concentração de íons H+ (ácido) ou H(alcalino) na água, ou ainda o índice de medição de acidez, neutralidade ou alcalinidade da água. • Os valores de pH encontram-se distribuídos entre 0 e 14. Entre 0 e 7 encontra-se na faixa ácida, o ponto 7 indica neu-tralidade, e entre 7 e 14, alcalinidade.
  46. 46. Inserir tabela de pH
  47. 47. Alimentos e seu pH • Carne ________________________5,5 – 6,2 F rango _______________________6,2 – 6,4 Peixe _________________________6,6 – 6,8 Leite _________________________6,3 – 6,5 Clara de ovo ___________________9,0 -10,0 Tomate _______________________4,2 – 4,3 Maçã _________________________2,9 – 3,3 Banana _______________________4 ,5 – 4,7 Milho _____________________________7,3 Alface _____________________________6,0 Suco de limão_______________________2,0 Água do mar _______________________8,0 Leite de magnésia __________________10,0 Água pura _________________________7,0
  48. 48. Ph e os Cabelos • A influência do pH está tanto nos cabelos como nos produtos utilizados no tratamento dos cabelos, chama-se de produtos ácidos aqueles que têm maior quantidade de ions de hidrogênio, e alcalino aquele que têm menor quantidade. • Os produtos neutros têm a mesma quantidade de íons de hidrogênio tanto antes de 7 como depois de 7 na escala. • O pH do cabelo está entre 4.5 a 5.5, quando utilizamos química nele, precisamos neutralizar a ação do produto, por que tais são de pH alcalino, em especial os agentes de transformação e os redutores. • A neutralização é feita com produtos ácidos que tende a elevar o potencial hidrogenado neutralizando a ação alcalina que em virtude da química poderá estar até 14 dependendo da química usada.
  49. 49. Resumo: • A maioria dos produtos químicos que usamos nos cabelos possuem pH elevado, isto é, alcalino. • Por este motivo é importante compreender o significado do ph para uma avaliação exata do tratamento determinado. • Os produtos devem estar com ph ácido entre 4 e 5,5 no máximo. assim eles ajudam a fechar as cutículas, reter a cor (no caso de cabelos coloridos) e restaurar a suavidade dos fios.
  50. 50. • Cabelo lindo e saudável tem o pH ácido, já um fio danificado ou pelo uso de produtos inadequados, está com pH alcalino. Neste caso e possível reequilibrar os fios a partir da restauração do pH usando cosmético adequados.
  51. 51. CURIOSIDADE: • Não devemos confundir os termos: ÁCIDO E ALCALINO. • Ácido não quer dizer que seja mais forte do que alcalino, pois o termo ÁCIDO nos transmite uma idéia de produto perigoso. A função de um produto ÁCIDO é oposta do ALCALINO. Este último abre as cutículas do cabelo facilitando a penetração do pigmento, daí então a necessidade de tratar com o Ph ácido.
  52. 52. Fique de olho: • Quando falamos em cabelo, ao contrário do que muita gente pensa, produto ácido nem sempre é produto perigoso. A função do produto capilar ácido é fechar as escamas do cabelo. • O oposto de alcalino (que abre a fibra capilar). O pH ácido só se torna prejudicial para os fios quando é muito baixo ( em torno de 2,5).
  53. 53. • Xampus infantis foram desenvolvidas para as crianças, não para os adultos. • Muita gente acredita que o pH desses produtos é neutro e, por este motivo, seria ideal para adultos. • Na verdade, o pH do xampu infantil é neutro em comparação com o pH do couro cabeludo da criança, que é naturalmente alto (em torno de 7,5) e diferente do nosso (em torno de 5). • O pH do xampu infantil é alcalino e, por isso abre demais as escamas do cabelo adulto. O resultado você já sabe: fios secos, ásperos e sem brilho.
  54. 54. Como identificar cabelo Poroso? •É um tipo de cabelo que absorve muito rápido os líquidos e produtos aplicados, além disso, é um cabelo que demora mais a secar, é volumoso que quebra com mais facilidade. •O que causa porosidade nos cabelos é excesso de química como coloração, descoloração, alisamentos e calor. Nem sempre a culpa é dos produtos em si, mas de como são processados nos cabelos e da falta de tratamento que deve ser dado sempre após procedimento químico. •Se seus cabelos se encontram nessa situação, não deve aplicar qualquer produto químico, •principalmente se eles forem muito porosos. Antes de qualquer coisa, deve fazer bastante reconstruções e mesmo quando julgar que os cabelos podem receber tratamento químico deve ser usado ativo mais suave.
  55. 55. CARBOCISTEINA • Derivada de um aminoácido (parte da proteína) chamado L-cisteina, a carbocisteina confere força e resistência aos fios, reparando as fibras capilares devido a sua alta bioafinidade com os fios. • Por apresentar uma estrutura molecular menor, penetra no córtex e forma ligações fundamentais para reforçar sua estrutura. Essas ligações são responsáveis pelas ondas que aparecem nos cabelos e permite ao cabeleireiro moldá-lo. • Acredita-se que devido a sua alta afinidade com a queratina, a carbocisteina atua adesivaando as cutículas danificadas dos fios, o que justifica seu efeito hidratante, condicionador e restaurador. Como já foi dito, a carbocisteina sozinha não alisa, por isso é necessária sua associação com uma cadeia de aminoácidos, que são moléculas de baixo peso e que atuam agentes de retenção de moléculas de água.
  56. 56. ÁCIDO GLIOXÍLICO - CARBOCISTEINA. QUAL A DIFERENÇA? • Dois pontos chamam a atenção: • O primeiro é que o procedimentos de redução de volume com estes ativos apresentam pH bem acido, entre 1 e 1,5 para acido glicoxílico (após a manipulação feita pelos laboratórios) e entre 1,5 e 2,0 para as formulações com carbocisteina. • Mas a de se ter cuidado com as várias aplicações por os produtos serem muito ácidos e comprometer a fibra capilar. • Outro ponto é que os dois ativos devem ser removidos (lavados) no mesmo dia, cerca de 20 minutos em média, após o processo de escovação e piastra, devido à alta acidez dos mesmo. • Quanto à durabilidade temos entre 7 a 10 lavações para o ácido glioxílico, dependendo na sua concentração, e entre 50 a 60 lavações para a carbocisteina.
  57. 57. ÁCIDO GLIOXÍLICO – um raio-X • O ácido glioxílico ou ácido formilfórmico é um ácido orgânico de fórmula OHC-COOH, e é o mais simples dos ácidos-aldeídos. • Consiste numa forma modificada do ciclo dos ácidos tri carboxílica que ocorre na maioria das plantas e microorganismos, mas não nos animais superiores. • Este ácido libera substancias (aldeídos) que promovem a quebra das pontes de cistina. Por ter um pH alto, quando aplicado no cabelo, dilata as cutículas, permitindo assim a entrada do ativo alisante, para que ele possa agir no interior do fio, ou seja, no córtex. • Segundo Patrícia Morais, gerente de marketing técnico da Pic, fornecedora da matéria prima acido glicoxílico, este ativo oferece variação no seu poder de alisamento conforme a quantidade utilizada. Pode ser usado em concentração de 1% a 20% e o resultado também depende do cabelo.
  58. 58. E ELES ALISAM MESMO • Nos estudos realizados com carbocisteina, percebesse uma redução no volume de cerca de 90% e um alisamento quase que total em cabelos louros. E em fio virgens em até 50%. Vale destacar que pode haver um desbotamento de 1 a 2 tons.
  59. 59. • Quanto à aprovação pela ANVISA, os dois ativos são liberados como produtos de grau1, ou seja, cosméticos destinados a proteção e tratamento dos fios, e que levam a denominação de xampu, condicionador ou defrisante. Para que possam adquirir a classificação de grau 2 (os que tem a capacidade de transformar a estrutura capilar), muitas pesquisas ainda precisam ser feitas.
  60. 60. Pontes de enxofre, que ficam entre dois aminoácidos chamados de cistina, um dos 18 aminoácidos que formam a fibra capilar e é responsável por sua resistência e forma.
  61. 61. PONTES DE ENXOFRE • A haste dos fios é composta principalmente por proteínas, como a queratina e as pontes de enxofre. • O aquecimento intenso promovido pelo uso da chapinha ou secador próximo aos fios tem como conseqüência a quebra temporária das pontes de enxofre que compõem o cabelo, o que torna os fios mais lisos.
  62. 62. Poliquatérnio • Poliquatérnio 2 – Polímero utilizado para unir os fios. Possui carga positiva. • Polyquaternium-16 – Excelente em condicionamento dos cabelos. • Poliquatérnio 11 e Poliquatérnio 10 – Reduz a porosidade selando as escamas. • Polissorbato 20 – Líquido oleoso e viscoso (solúvel em água). Ajuda a dissolver as fragrâncias mais difíceis.
  63. 63. cosmetologia
  64. 64. • Atua no córtex recuperando gradativamente a massa capilar. Com nanotecnologia avançada, os aminoácidos penetram mais facilmente na fibra capilar, corrigindo as falhas deixadas pelos processos químicos, físicos e naturais. É ideal o uso do tratamento antes de processos químicos, pois aumenta a força tensora proporcionando firmeza, vitalidade, maleabilidade e elasticidade aos fios.
  65. 65. PRINCÍPIOS ATIVOS TECNOLOGICAMENTE COMBINADOS • NANOCOMPLEX: Exclusiva tecnologia que combina aminoácidos vegetais, polímeros condicionantes e nanopartículas de última geração. Com poder altamente revitalizante, para cabelos sensibilizados, penetra profundamente até o córtex, proporcionando reposição de massa proteica. • AMORA NEGRA: Rica em Vitamina C e Açúcares Redutores, que promovem potente ação antioxidante, impede a degeneração molecular da fibra capilar, causada pela exposição a agentes químicos. • D’PANTENOL: Auxilia na retenção de umidade dos fios, evitando a formação de pontas bipartidas e conferindo maior penteabilidade. Possui a propriedade de reparar danos causados por colorações, relaxamentos e outros agentes, conferindo brilho e maciez. • ÓLEO DE GIRASSOL: Possui ação nutritiva, emoliente e revitalizante. Proporciona maciez e vitalidade aos fios.
  66. 66. • A linha Venit Clean foi desenvolvida com a mais moderna tecnologia para o tratamento Dermo Capilar. Age purificando o couro cabeludo, proporcionando oxigenação, refrescância, nutrição, hidratação e ação condicionantemento. O que é Dermoterapia capilar? Dermo é uma referência à derme, uma das camadas da pele. É nesta camada que se formam os bulbos capilares e por isto a linha atua como terapia para tratamento capilar, agindo no couro cabeludo. A Dermoterapia é um tratamento intensivo de limpeza que combate a oleosidade excessiva e elimina resíduos que ficam acumulados no couro cabeludo.
  67. 67. ATIVOS TECNOLOGICAMENTE COMBINADOS • Complexo Vegetal: É um complexo vegetal de ação imediata, que é capaz de tratar intensamente o couro cabeludo devolvendo a saúde e a beleza aos cabelos. Seus princípios ativos são: • Pró-vitamina B5: Possui ação nutritiva junto ao bulbo capilar, aumenta a resistência dos fios de cabelo. • PCA-Na: Componente do fator de hidratação natural da pele. Esse ativo tem o poder de reter umidade, deixando a superfície da pele e das fibras capilares mais hidratadas e saudáveis.
  68. 68. Tratamento para cabelos envelhecidos. Contém ômega 3 e 6 e argila branca, que combatem radicais livres. Nutre e hidrata os fios evitando os efeitos nocivos do tempo. Tratamento instantâneo para a mulher moderna, repõe os minerais, nutrientes e proteínas perdidos no envelhecimento capilar e defende os fios de futuros processos oxidativos.
  69. 69. Age System ATIVOS ECNOLOGICAMENTE COMBINADOS • PCA-NA: Hidratante que mantém o equilíbrio hídrico dos fios e a saúde do couro cabeludo. • AMINOÁCIDOS VEGETAIS: Interage com os pontos danificados da fibra capilar. Recupera o brilho e ficar sedoso. • PRÓ – VITAMINA B5: Fortalece o bulbo capilar e aumenta a resistência dos fios. • ÓLEO DE GIRASSOL: Hidrata os fios, recuperando a vitalidade dos cabelos. • ÔMEGA 3 E 6: Extraído de fonte vegetal. É obtido de porções refinadas do óleo de camélia, rica em ácidos graxos essenciais – linoléico (ômega 6) e linolênico (ômega 3). Possui uma alta concentração de tocoferol natural, agente antioxidante que previne o envelhecimento. • ARGILA BRANCA: Possui um pH muito próximo da pele. Contém diversos oligoelementos. A argila tem ação purificante e remineralizante, auxiliando na rehidratação.
  70. 70. • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • http://www.tricologia.com.br/tratamento_5.asp http://maisetudonovodenovo.blogspot.com/ http://naturavendas.wordpress.com http://www.uonova.com/brasil-portugal/depilador-silkn.php http://vilamulher.terra.com.br/ http://liliagouveia.blogspot.com http://ta-na-moda-oficial.blogspot.com http://angelaborgescabeleireira.blogspot.com http://saude.abril.com.br http://www.guiadicas.com/caspa-couro-cabeludo/ http://eliasdo.blogspot.com http://pt.wikipedia.org/wiki/Pediculose http://saude.sapo.pt/saude-medicina/medicacao-doencas/doencas/o-que-sabe-sobre-psoriase.html http://comodesbloquear.blogspot.com/2009/09/queda-de-cabelo-causas.html http://www.implantecapilar.med.br/html/Calvicie-feminina.html http://blog.unidadefolicular.com.br/ http://simoneballan.blogspot.com/2010/07/tricologia.html http://lewoman.blogspot.com/2010/03/ph-das-formulas.html Anethun.com http://portoalegre.olx.com.br/escova-progressiva-sem-formol-iid-93254540 • • Tanagra Cosmetico http://euamocabelo.blogspot.com/2010/12/carbocisteina-e-acido-glioxilico.html

×