Building Global Innovators: Portugal no mapa mundo da inovação
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Building Global Innovators: Portugal no mapa mundo da inovação

on

  • 486 views

 Criar os alicerces de um centro internacional de competências na área do empreendedorismo de base tecnológica, a partir de Portugal. Isto é, criar valor para uma rede de ...

 Criar os alicerces de um centro internacional de competências na área do empreendedorismo de base tecnológica, a partir de Portugal. Isto é, criar valor para uma rede de ...

Statistics

Views

Total Views
486
Views on SlideShare
486
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
2
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Building Global Innovators: Portugal no mapa mundo da inovação Building Global Innovators: Portugal no mapa mundo da inovação Document Transcript

  • Página 1 de 7 + Faça do VER a sua homepage BUSINESS GLOBAL INNOVATORS Portugal no mapa mundo da inovação Criar “os alicerces” de um centro internacional de competências na área do empreendedorismo de base tecnológica, a partir de Portugal. Isto é, criar valor para uma rede de start-ups que integrarão este centro – com uma abordagem hands-on -, em conjunto com catalisadores e investidores de capital inteligente. É este o grande desafio da nova edição do Business Global Innovators, programa do MIT, em parceria com o ISCTE, que “servirá para colocar Portugal no mapa mundi da inovação, com base no conhecimento”, como diz, em entrevista ao VER, o director da iniciativa, Gonçalo Amorim POR GABRIELA COSTA Estão abertas as candidaturas para a 3ª edição do Building Global Innovators uma das iniciativas de referência ao nível internacional do empreendedorismo de base tecnológica. O ISCTE - IUL de Lisboa, em parceria com o MIT Portugal, o Deshpande Center for Technological Innovation e a Caixa Capital promovem este Programa, a que podem candidatar-se start-ups e spin-offs universitárias com menos de cinco anos e um volume de facturação Vídeo anual inferior a 2,5 milhões de euros. Podem ainda concorrer indivíduos, politécnicos, universidades e outras instituições, públicas ou privadas, dedicadas exclusivamente ao desenvolvimento de projectos empresariais de base tecnológica com enfoque em mercados globais. A iniciativa Building Global Innovators pretende dar “um forte contributo na comunidade nacional e internacional do empreendedorismo de base tecnológica”, pelo que poderão participar neste concurso cidadãos estrangeiros oriundos de qualquer país, nomeadamente dos Países da América Latina, onde estão localizados alguns parceiros da organização. Existem 4 áreas de mercado a concurso: ciências naturais e da vida; energias sustentáveis e meios de transporte; tecnologias de informação e internet; e Produtos e serviços de consumo. Esta iniciativa tem como base o concurso “MIT $100k”, de onde, nos últimos vinte anos, têm surgido alguns dos mais inovadores empreendedores em série nos Estados Unidos. O Prémio Caixa Empreender+, no valor de até um milhão de Euros por edição é o galardão máximo atribuído pelo concurso Building Global Innovators. Concebido para maximizar as possibilidades de sucesso de novos projectos tecnológicos, pretende ajudar a alcançar “importantes valorizações” das empresas, nos primeiros anos de vida, divulga a organização, com a ajuda de especialistas e catalisadores na área de business development. Além do apoio financeiro, as equipas beneficiam de um apoio adicional em espécie, estimado em 1 milhão de Euros, e que inclui mais de quinhentas horas de formação específica e coaching através de catalisadores de negócio, participação em boot-camps e investor’s pitches, apoio semanal por mentores e catalisadores, portugueses, europeus, e do ‘ecossistema MIT’.http://www.ver.pt/print.aspx?id=1430&a=Inovacao 05-05-2012
  • Página 2 de 7 Na opinião de Gonçalo Amorim, director do Business Global Innovators, Portugal enfrenta, ao nível de inovação, “um enorme desafio”: é que “a maioria das start-ups com base em conhecimento são geradoras de pouco emprego e estão altamente dependentes de mecanismos públicos de financiamento”. Como diz em entrevista ao VER, “as principais barreiras à inovação na óptica destas start-ups são a dificuldade na obtenção de financiamento, a incerteza do potencial de mercado e as dificuldades em encontrar parceiros. O Business Global Innovators arrancou com a sua 3ª edição. Quais são os objectivos primordiais desta iniciativa de empreendedorismo de base tecnológica? O grande objectivo é criar os alicerces de um centro internacional de competências na área do empreendedorismo de base tecnológica a partir de Portugal. Este integrará uma rede de start-ups, catalisadores e investidores de capital inteligente, de abordagem hands-on. Este centro servirá para colocar Portugal no mapa mundi da inovação com base no conhecimento. Mas temos pela frente um enorme desafio: em Portugal a maioria das start -ups com base em conhecimento são geradoras de pouco emprego. 89,5% são pequenas empresas (sendo metade microempresas com menos de dez colaboradores), e 74% destas empresas estão altamente dependentes de mecanismos públicos de financiamento. E o problema reside precisamente aqui. © ISCTE-IUL A 3ª edição do Building Global Innovators pretende dar Gonçalo Amorim, diretor do Programa continuidade aos resultados alcançados pelos ISCTE-IUL MIT Portugal – Building semifinalistas das edições anteriores – seis milhões de Global Innovators Euros angariados entre os quarenta semifinalistas, que permitiram até ao momento criar 72 postos de trabalho. Com a presente edição pretende-se dar ainda mais ênfase à atracção de talento internacional, nomeadamente o oriundo dos países da América Latina, como o Brasil, o Chile e a Argentina. Como funcionam e o que visa o Programa Catalisador iniciado em Março, bem como os e-teams em Boston e a apresentação das propostas finalistas no Ideastream? Numa palavra: acrescentar valor às start-ups. As principais barreiras à inovação na óptica destas start-ups são a dificuldade na obtenção de financiamento, a incerteza do potencial de mercado e as dificuldades em encontrar parceiros. O Programa Catalisador existe para colmatar estas falhas e está inserido na fase empresa, depois de terminada a fase de selecção do concurso. Com este programa pretende-se ajudar as start-ups Finalistas e Menções Honrosas a efectuar as devidas validações de produto e mercado, acelerando o processo de comercialização das suas propostas de valor, sejam elas com base em produtos ou serviços. Para tal é feito o matching entre catalisadores, que são empreendedores em série, e as nossas start-ups. O objectivo é que as valências dos primeiros preencham as lacunas dos projectos e que conjuntamente, ao longo de pelo menos doze meses, se possam trabalhar os principais riscos. Os catalisadores são, acima de tudo, pessoas muito experientes nas mais diversas áreas de mercado, tipicamente vindas da indústria, elas próprias com start-ups e com redes de contacto bem desenvolvidas e consolidadas. São pessoas capazes de abrir portas com fortes redes nas áreas de marketing, vendas, propriedade intelectual, operações e tecnologia.http://www.ver.pt/print.aspx?id=1430&a=Inovacao 05-05-2012
  • Página 3 de 7 Tipicamente são alocados dois catalisadores por start-up, um do ecossistema MIT e outro do ecossistema internacional europeu. Trabalham em conjunto numa base semanal, podendo no futuro vir a integrar as start-ups que apoiam, algo que já aconteceu no passado. Já depois de iniciada esta parceria, tem lugar o e-teams III (de entrepreneurship teams). Este bootcamp está inserido numa viagem intensa de duas semanas a Boston dedicada a Business development, no MIT e em incubadoras de base tecnológica em Boston, como o Mass Challenge, o Cambridge Innovation Centre ou o TechStars entre outros. Para além de uma interacção com especialistas, o enfoque está em sessões de networking com outras start-ups de diversas incubadoras da região, como as referidas. Para além destas iniciativas, são agendadas pelos próprios catalisadores e organização reuniões com potenciais parceiros, clientes e investidores. Um dos pontos altos da viagem é a participação no Ideastream e International Showcase, que inclui a apresentação de start-ups oriundas de todo o mundo a um grupo restrito de cinquenta investidores internacionais. É uma oportunidade única de contactar directamente com potenciais parceiros e de auscultar as oportunidades de mercado numa economia extraordinariamente competitiva e dinâmica. Mas não são só os Finalistas e Menções Honrosas que participam. Os Go-to-Market Plan Wizards (um de cada área em competição) também são convidados a participar. Este ano viajam oito start-ups, mais três do que na edição anterior. Quais são os critérios de selecção dos participantes e que expectativas têm face ao número de candidatos? O prazo de candidaturas foi prorrogado até 31 de Maio, pois está a ser feito um grande esforço de divulgação, tanto em Portugal como internacionalmente. É necessário tempo adicional para que os potenciais candidatos preparem as suas submissões. Estamos focados na qualidade, mais do que na quantidade. Não se tratando de um concurso de ideias ou de planos de negócios, os números de candidaturas são sempre inferiores a outras iniciativas. Em média temos tido cerca de oitenta candidaturas por edição (13,2% das quais são internacionais). O que pretendemos é, com a ajuda nos nossos parceiros nacionais e internacionais, continuar a aumentar a qualidade das candidaturas. O Júri vai continuar a ter especial atenção a seis questões fundamentais na fase inicial da selecção (que deverão ser respondidas no sumário executivo que faz parte do processo de candidatura) e que estão directamente relacionadas com a equipa, a dimensão do problema que a equipa se propõe resolver, a tecnologia subjacente e o seu caracter único, o carácter inovador do produto ou serviço e sua escalabilidade e, por fim, o modelo de negócio para o fazer acontecer. Todas estas são referidas em detalhe no regulamento que se encontra no nosso portal online (www.mitportugal -iei.org). Com que objectivos alargam a iniciativa a cidadãos de todo o mundo, em particular da América Latina? Vivemos numa aldeia global, mas que por vezes esquecemos ou ignoramos esse facto. A iniciativa nasceu de uma parceria internacional com o MIT Portugal. O objectivo derradeiro é criar um centro internacional de competências na área do empreendedorismo de base tecnológica. A única forma de o alcançar é abrindo a iniciativa ao mundo e chamar a Portugal o talento que surge em todo o mundo e dotá-lo de um conjunto de ferramentas de sucesso comprovado para criar start-ups e valor. Em Portugal, mais de É por esta razão que têm vindo a ser envolvidos, em número 70% das start-ups “estão crescente, parceiros e participantes internacionais. De tal forma que na 2ª edição cerca de metade dos painéis de altamente dependentes jurados eram já empreendedores internacionais, parte dos de mecanismos públicos quais investidores. de financiamento” Temos também recebido um número crescente de candidaturas de fora de Portugal (9% na 1ª edição e 13,2% na 2ª edição), que pretendemos fazer crescer este ano junto dos países dahttp://www.ver.pt/print.aspx?id=1430&a=Inovacao 05-05-2012
  • Página 4 de 7 América Latina, não só pela afinidade através do idioma mas também pelo facto de a vertente do empreendedorismo e da inovação se estar a revelar de uma forma muito clara, em especial em países como o Brasil, Argentina e Chile. A que se deve a escolha das quatro áreas tecnológicas a concurso? Esta escolha parte de uma análise das áreas em que, com base no nosso sistema cientifico- tecnológico, podemos ser capazes de gerar massa crítica. Procuramos áreas de mercado, mais do que áreas tecnológicas. A tecnologia é apenas um meio, e não um fim. Não havendo mercado, não é possível o primeiro princípio da sustentabilidade: vendas de valor acrescentado. Que relevância tem o apoio financeiro e ao nível de Formação atribuído pela Caixa Capital às quatro start-ups mais inovadoras, para alavancar o seu negócio? Portugal é o país da Europa com maior intenção para o empreendedorismo: 67% dos portugueses deseja montar negócio próprio. No entanto, é, simultaneamente, o país europeu com menor concretização: apenas 3% realmente empreende. O prémio pretende dar um sinal claro àqueles que querem empreender, de que existem ferramentas e mecanismos ao seu dispor. Alcançar o prémio Caixa Empreender+ Awards dará um ajuda inicial, mas não é, de todo, uma garantia de sucesso. De acordo com a experiência acumulada ao longo de cerca de 25 anos do MIT100k, as grandes empresas acabam por emergir de semi-finalistas, e não dos projectos seleccionados como “vencedores”. De maneira que a metodologia que desenvolvemos em torno das e-teams estão concebidas de acordo com esta realidade, que nos diz que prever o futuro é extraordinariamente difícil. Neste contexto, focamo-nos em vinte equipas, e não para apenas nos quatro vencedores e nas quatro menções honrosas. Mas o prémio pode, se bem aproveitado, dar uma importante ajuda no arranque da fase de empresa. Todos as vinte equipas beneficiam da metodologia e do selo de qualidade de terem passado pelo processo. Isso por vezes faz toda a diferença, entre o sucesso e o fracasso. Quinhentas horas de formação num ano, representam cerca de oito horas semanais de acompanhamento especializado. Para além de um conjunto de acções focadas (e-teams) e de desenvolvimento de Go-to-Market strategies, existem um conjunto de outras actividades, como o programa catalisador, reuniões com potenciais clientes, parceiros, investidores. Este investimento na forma de tempo é fundamental para se validar o produto, o mercado e para estabelecer uma forma de poder escalar a solução. Algo fácil de dizer, mas difícil de concretizar na prática. Que importância tem esta iniciativa para a promoção de emprego qualificado, nomeadamente ao nível da criação de postos de trabalho em áreas e com modelos de negócio sustentáveis? Existe uma falha crónica na capacidade de concretização e transformação do potencial de inovação em resultados concretos com impacto económico-social, colocando Portugal no conjunto de países desperdiçadores, segundo um estudo da COTEC. Por outro lado, o grosso do empreendedorismo em Portugal é de ‘sobrevivência’, não garantindo um desenvolvimento económico sustentado. É necessário, em Portugal, acelerar uma dinâmica de empreendedorismo e de criação de start-ups (essencialmente de base tecnológica e com base no conhecimento), que ajude a rejuvenescer a estrutura empresarial, à semelhança das referências internacionais (por exemplo, os EUA). Estamos a tentar dar o nosso contributo para a mudança deste panorama. De entre os quarenta semifinalistas das duas edições anteriores, foram criados num espaço de dezoito meses, desde o terminus da 1ª edição, 72 postos de trabalho qualificados. Este número está a crescer de dia para dia e irá ter uma evolução não linear com o tempo, mas exponencial. Mais de 90% dos novos postos de trabalho criados nos EUA tiveram origem na fundação de empresas e na expansão de pequenas empresas”. Neste país, 12 mil a 15 mil novas empresas são criadas todos os anos,http://www.ver.pt/print.aspx?id=1430&a=Inovacao 05-05-2012
  • Página 5 de 7 sendo responsáveis por 20% do PIB e 11% do emprego. É para que este desempenho se torne realidade que estamos a trabalhar. Que balanço faz dos resultados alcançados nas duas anteriores edições, nomeadamente ao nível dos objectivos e fase de implementação dos projectos? O balanço da iniciativa como um todo é extremamente positivo. Tivemos a oportunidade de fazer o primeiro levantamento da actividade e impacto do nosso concurso, ao final do primeiro ano completo de actividade (terminámos a 1ª edição em Novembro de 2010). Criámos com sucesso uma marca global, o Building Global Innovators, e estabelecemo-nos como uma das iniciativas mais respeitáveis em todo o mundo nesta área, num curto espaço de tempo. Esta é uma iniciativa que acrescenta valor junto de empreendedores que querem criar uma empresa com base em conhecimento diferenciado. Mas também os investidores nos vêm como uma espécie de validação e alavanca dos seus potencias investimentos. Somos, de facto, uma espécie de ponte entre ambos. Estamos surpreendidos pelo empenho e resultados dos promotores das start-ups, que se têm esforçado e dedicado de corpo e alma ao desafio. E isso faz toda a diferença. Sem boa matéria- prima não se fazem milagres e as pessoas é que fazem a diferença. Os resultados alcançados no final deste primeiro ano de actividade com os semi-finalistas da 1ª Edição do concurso mostram que 80% dos semi-finalistas criaram as suas start-ups após o e- Teams Crash Course I, e 69% dos semi-finalistas angariou investimento para apoiar as suas empresas totalizando cerca de seis milhões de Euros (mais de 50% do financiamento provém de business angels, operadores capital de risco ou corporate venturing); É fantástico partilhar o comprometimento e motivação dos empreendedores e fundadores destas jovens empresas. Estes são resultados realmente animadores para um ano de trabalho intenso mas entusiasmante, o que me leva a congratular os participantes, sem excepção. Por terem acreditado que eram capazes, por terem dado um passo nessa direcção e finalmente por terem “feito acontecer”. Este é sem dúvida o início de uma longa caminhada que deve e tem de ser percorrida por cada um deles. Finalistas da 2ª edição do Business Global Innovators © ISCTE-IUL Apresentação de uma das etapas finais do Concurso 1. Mediaomics, Ciências da vida Empresa criada em 2012, dedica-se ao desenvolvimento de meio de cultura usado pela indústria farmacêutica para processos biotecnológicos, nomeadamente para a produção de biofarmacêuticos, utilizando não só princípios da biologia mas também de informática. 2. IS Green, Sistemas sustentáveis de energia e transportes Empresa criada em 2007, desenvolveu a GREENLAMP C&C, um sistema inteligente de iluminaçãohttp://www.ver.pt/print.aspx?id=1430&a=Inovacao 05-05-2012
  • Página 6 de 7 LED Lighting System, que visa economizar energia de iluminação, ao reduzir a voltagem de iluminação e o seu uso: “apenas a quantidade certa de luz quando necessária”. A informação em tempo real e uma análise sobre a utilização permitem ao utilizador economizar. 3. All Desk, Tecnologias de informação e Internet Empresa criada em 2011, desenvolveu o projecto All-desk, uma plataforma que permite aos trabalhadores encontrarem o melhor espaço para trabalhar, quando, onde e pelo tempo que necessitem, sempre que precisem. Ao mesmo tempo, permite aos donos de espaços sub- utilizados a rentabilização desses espaços. Tem por objectivo tirar proveito e suportar as alterações que o mundo do ‘trabalho’ está a sofrer, permitindo que espaços que estão livres ou parcialmente ocupados, como escritórios, ONG, universidades, hotéis, campos de golf, aeroportos e, porque não, até casas particulares, possam gerar receitas extraordinárias. 4. Musikki, Produtos e Serviços de Consumo Empresa criada em 2011, é um motor de busca musical. Com apenas um clique é possível obter toda informação numa única página de resultado. Ao contrário do Google, os resultados de uma pesquisa no Musikki não são vários links para diferentes locais. Os dados são recolhidos, estruturados e apresentados ao utilizador numa única página de resultado. Com apenas um clique, o utilizador obtém, entre outros conteúdos, a biografia, discografia, vídeos, fotografias e agenda de concertos, criando um perfil dinâmico do músico ou banda. Mais de setenta novos empregos em dois anos Através do Building Global Innovators, ao longo de dezoito meses de actividade no terreno foram lançadas empresas, angariados importantes investimentos e criados novos postos de empregos qualificados. Entre os resultados alcançados nas duas primeiras edições, destaque para: • Na 1ª Edição, entre os vinte semi-finalistas seleccionados, foram angariados 4,35 milhões de Euros que permitiram criar 39 empregos. De entre as quinze start-ups, seis foram constituídas depois de entrarem na iniciativa, duas têm já delegações nos EUA e uma no Reino Unido. • Na 2ª Edição, de entre os vinte semi-finalistas seleccionados e após nove meses de trabalho, foram angariados 1,7 milhões de Euros que permitiram criar 33 postos de trabalho. De entre as dezassete start-ups, dez já existiam à data de selecção, tendo sido constituídas sete novas empresas no seguimento da iniciativa. • Os quatro Finalistas e quatro Menções Honrosas da 2ª edição da iniciativa iniciaram o Programa Catalisador em Março 2012, estando afecto a cada equipa um catalisador do ecossistema MIT. • Estes Finalistas e Menções Honrosas vão agora participar no e-Teams III a realizar no MIT – Boston (EUA), em diversas actividades de business development e networkingcom start -ups do MIT, entre outras iniciativas e aceleradores. • Os empreendedores portugueses terão ainda a oportunidade de efectuar uma apresentação das suas propostas de valor a uma centena de investidores internacionais num showcase de inovação internacional, organizado no âmbito do Ideastream. © 2012 - Todos os direitos reservados. Publicado em 3 de Maio de 2012http://www.ver.pt/print.aspx?id=1430&a=Inovacao 05-05-2012
  • Página 7 de 7 O registo e o uso deste portal implicam a aceitação dos Termos de Utilização do Portal VER (revistos em Novembro de 2007), bem como a sua Política de Privacidade. Portal VER © 2010, todos os direitos reservados. Todo o conteúdo deste site não pode ser replicado, copiado, distribuído ou transmitido sem autorização escrita prévia. Todos os conteúdos relativos aos parceiros deste site são da inteira responsabilidade dos mesmos. Os artigos de opinião publicados no Portal são da inteira responsabilidade dos seus autores.http://www.ver.pt/print.aspx?id=1430&a=Inovacao 05-05-2012