ALMOXARIFADO: COMPARAÇÃO ENTRE A PRÁTICA APLICADA NA EMPRESA E A TEORIA EXISTENTE
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

ALMOXARIFADO: COMPARAÇÃO ENTRE A PRÁTICA APLICADA NA EMPRESA E A TEORIA EXISTENTE

on

  • 22,168 views

Artigo -23

Artigo -23

Statistics

Views

Total Views
22,168
Views on SlideShare
22,168
Embed Views
0

Actions

Likes
3
Downloads
301
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

ALMOXARIFADO: COMPARAÇÃO ENTRE A PRÁTICA APLICADA NA EMPRESA E A TEORIA EXISTENTE ALMOXARIFADO: COMPARAÇÃO ENTRE A PRÁTICA APLICADA NA EMPRESA E A TEORIA EXISTENTE Document Transcript

  • UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADASSERVIÇO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ADMINISTRAÇÃO WAGNER DE BRITO LIRA LEMOS ALMOXARIFADO: COMPARAÇÃO ENTRE A PRÁTICA APLICADA NA EMPRESA E A TEORIA EXISTENTE Trabalho de Conclusão de EstágioADMINSTRAÇÀO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS João Pessoa – PB 2003
  • WAGNER DE BRITO LIRA LEMOS Trabalho de Conclusão de Estágio, apresentado ao Serviço de Estágio Supervisionado em Administração, da Universidade Federal da Paraíba, em cumprimento às exigências para a obtenção do grau de Bacharel em Administração.Professor Orientador: Walmir Rufino da SilvaSupervisor da Empresa: José Gilvan DantasCoordenador do SESA: Profº. Ivan Ramos CavalcantiNome da Empresa: Companhia Estadual de Habitação Popular – CEHAPPeríodo de realização do estágio: 23/10/2002 14/03/2003 João Pessoa – PB 2003
  • Do Estagiário Wagner de Brito Lira Lemos Matrícula n.º 19323039, aluno doCurso de Graduação em Administração do Centro de Ciências Sociais Aplicadas daUFPB.Ao: Serviço de Estágio Supervisionado em Administração - SESASenhor Coordenador,Em obediência às normas estabelecidas pelo Centro de Ciências Sociais Aplicadas -Serviço de Estágio Supervisionado em Administração, apresento a V. Sª oTRABALHO DE CONCLUSÃO DE ESTÁGIO, realizado junto a Companhia Estadualde Habitação Popular -CEHAP. João Pessoa -PB 2003 _____________________________________________ Wagner de Brito Lira Lemos
  • IDENTIFICAÇÃODO ALUNONome: Wagner de Brito Lira LemosMatrícula: 19323039Endereço: Rua Caturité, 35 – Torre , João Pessoa - PB CEP:58040-420Telefone: (0XX83) 224-1293 / (083) 9304-5293DO ESTÁGIOÁrea: Administração de Recursos Materiais e PatrimoniaisInício: do Período Letivo: 23/10/2002Término do Período Letivo: 14/03/2003Horário: 14:00 às 16:00Professor Orientador: Walmir Rufino da SilvaCoordenador do Estágio: Prof. Ivan Ramos CavalcantiDA EMPRESANome: Companhia Estadual de Habitação Popular – CEHAPEndereço: Av. Hilton Souto Maior, 3059Telefone: (0XX83) 238-5500Supervisor: José Gilvan DantasCargo: Gerente de Administração Geral
  • Ao Professor Walmir Rufino da SilvaSolicitamos examinar e emitir parecer ao TRABALHO DE CONCLUSÃO DEESTÁGIO aluno Wagner de Brito Lira Lemos. João Pessoa, 26 de Fevereiro de 2003 Profº. Ivan Ramos Cavalcanti Coordenador do SESAPARECER DO PROFESSOR ORIENTADOR:______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________
  • Por todo o apoio dado e pelo total incentivo recebidoe pela grande amizade dedico ao meu MANÃO(Beto).
  • Aos que pensam que me derrotaram, respondo coma minha vitória” Getúlio Vargas.
  • AGRADECIMENTOSA MINHA MÃE, MINHA IRMÃ;AO PROFESSOR WALMIR RUFINO PELA ORIENTAÇÃO;À CEHAP, PELA OPORTUNIDADE DE ESTÁGIO;AO SESA POR SEUS PRÉSTIMOS DURANTE O PERÍODO DE REALIZAÇÃODO TCE.
  • SUMÁRIOINTRODUÇÃO2. OBJETIVOS ..................................................................................................... 142.1 Objetivo Geral ................................................................................................ 142.2 Objetivos Específicos ..................................................................................... 143. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA............................................................................ 153.1 Administração................................................................................................. 153.1.1 Administração de Materiais ......................................................................... 153.2 A Origem do Almoxarifado - Histórico ............................................................ 173.2.1 Almoxarifado ............................................................................................... 193.3 Conceituação ................................................................................................. 203.4 Organização do Almoxarifado ........................................................................ 233.5 A função Almoxarifado ................................................................................... 243.5.1 Almoxarifado como órgão de prestação de serviço..................................... 243.5.2 Almoxarifado e o Pessoal............................................................................ 253.5.2.1 Perfil do Almoxarife .................................................................................. 263.6 Almoxarifado Eletrônico.................................................................................. 263.7 Lay-out ........................................................................................................... 273.7.1 Objetivos do Lay-out ................................................................................... 283.7.1.1 Levantamento de Dados .......................................................................... 293.7.2 Como se montar um Lay-out ....................................................................... 293.7.2.1 Planejamento do Espaço e Lay-out de Armazenagem ............................ 303.8 Classificação de Material................................................................................ 323.8.1 Identificação de Material.............................................................................. 333.8.1.1 Método de Identificação ........................................................................... 343.8.1.2 Características Físicas ............................................................................. 353.8.1.3 Identificação Auxiliar................................................................................. 363.9 Codificação..................................................................................................... 373.9.1 Cadastramento de Material ......................................................................... 403.9.2 Catalogação de Material.............................................................................. 41
  • 3.10 Armazenagem .............................................................................................. 413.10.1 Documentos Utilizados no Almoxarifado ................................................... 423.11 Movimentação de Materiais.......................................................................... 433.11.1 Equipamentos ........................................................................................... 433.11.2 Outro Equipamentos.................................................................................. 464. METODOLOGIA .............................................................................................. 484.1 Delineamento da Pesquisa............................................................................. 484.2 População-Alvo do Estudo ............................................................................. 484.3 Instrumento e Coleta de Dados...................................................................... 484.3.1 Processo de Coleta de Dados..................................................................... 494.4 Analise de Dados ........................................................................................... 495. LEVANTAMENTO ANALITICO ....................................................................... 506. ANÁLISE DOS DADOS ................................................................................... 526.1 Resultados ..................................................................................................... 526.2 Discussão dos Resultados ............................................................................. 527. CONCLUSÃO .................................................................................................. 668. RECOMENDAÇÕES E SUGETÕES ............................................................... 679. REFERÊNCIAS................................................................................................ 68APÊNDICESANEXOS
  • APRESENTAÇÃOUma das principais atividades atribuídas à Universidade é o desenvolvimento deuma mentalidade pensante e analítica das oportunidades e dos problemas quenorteiam a sociedade e as organizações.O presente documento está fundamentado em conteúdo norteador e é tratado pelosseguintes instrumentos legais: Parecer do Conselho Federal de Educação nº 307/66;Portaria Ministerial n.º 649/77 e Resoluções Internas da Universidade Federal daParaíba.
  • INTRODUÇÃOA ciência da Administração preocupa-se em obter formas de organizar e facilitartodo o sistema organizacional, proporcionado soluções práticas. Dentro do estudoda Administração surge suas ramificações e uma delas é Administração deRecursos Materiais e Patrimoniais, o qual foi alvo desse TCE.O presente TCE realizou a comparação dos aspectos teóricos pertinentes daAdministração de Recursos Materiais e Patrimoniais, verificados em aula com aspráticas administrativas, vivenciadas nas organizações. Dessa forma abrindo espaçopara o desenvolvimento da interpretação e da reflexão do que foi visto, com aoportunidade de conhecer e diagnosticar problemas e oportunidades empresariais,sugerindo e implantando ações administrativas, gerenciais e operacionais num todo,coerente com as novas perspectivas de mercado e a necessidade da empresa.A necessidade de controle faz com que o administrador de materiais possua umdomínio no que diz respeito a ordenação dos materiais bem como a sua codificaçãodos mesmos existentes em estoque a fim de obter-se ter um melhor controle dosreferidos no Almoxarifado aliado ao bom funcionamento daquele, e tal ação éconseguida através de um lay-out eficaz que proporcione um bom fluxo do trabalho.A tarefa principal do administrador de material é ponderar os custos e os benefíciosde ter ou não ter o material e optar pela alternativa que dará à empresa maioroperacionalidade e lucro, e informar ao seu staff através de relatórios sejam eles osmais diversos com um certa periodicidade, de acordo com as necessidades decontrole da empresa e onde todos os fatos relativos ao estoque de materiaisexistentes e seu controle. estão mencionados de maneira clara e objetiva.
  • 13Esse controle de materiais leva ao administrador a buscar soluções para atender atal situação apresentada ou constatada levando este a colocar em confronto a teoriaversus a prática e como fica a sua aplicação na empresa.
  • 142. OBJETIVOS2.1 Objetivo GeralAnalisar o funcionamento do Almoxarifado no aspecto de sua distribuição física,codificação e armazenagem dos produtos existentes, comparando com o conteúdoteórico.2.2 Objetivos Específicosa) Comparar o lay-out do almoxarifado da empresa com os modelos apresentados na teoria;b) Verificar o funcionamento da armazenagem e códigos de produtos comparando- os com a teoria;c) Identificar a codificação dos materiais existentes no Almoxarifado da empresa comparando com a teoria;d) Propor sugestões para a melhoria do Almoxarifado, se forem necessárias.
  • 153. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA3.1 AdministraçãoA administração, é o processo que procura assegurar a eficácia (realização deobjetivos) e a eficiência (utilização racional de recursos) das organizações ousistemas. A administração é importante em qualquer escala de utilização derecursos para realizar objetivos - individual, familiar, grupal, organizacional ou social.3.1.1 Administração de MateriaisAdministração de Materiais pode ser entendida como sendo um conjunto deoperações associadas ao fluxo de materiais, onde abrange desde a fonte que é amatéria prima até a entrada na fábrica. É o estudo do método e movimento demercadorias e produtos (suprimentos) para a empresa, de uma forma onde elesestejam disponíveis no momento certo, atendendo as necessidades da produção. Administração de Materiais – AM – se refere à totalidade das funções relacionadas com os materiais, seja com sua programação, aquisição, estocagem, distribuição etc., desde sua chegada à empresa até sua saída com direção aos clientes. A focalização desse conceito reside na atividade dirigida ao materiais. AM é a preocupação principal, enquanto a produção é apenas um usuário do sistema. (Chiavenato, 1991, p. 35)Administrar é saber gerir, controlar, planejar e demais funções da ciência daAdministração, dentro dessa ciência surge um ramo especifico para tratar do estudode materiais que em seu contexto tem a finalidade de assegurar um processo
  • 16repetitivo de abastecimento de artigos, materiais e demais produtos que sãonecessários e solicitados para atender os serviços executados pela empresa.A administração de materiais é um ramo especializado da Ciência da Administraçãoque trata especificamente de um conjunto de normas relacionadas com a gerênciade artigos essenciais à produção de determinado bem ou serviço.BALLOU,1995 diz que:O que motiva a administração de materiais é satisfazer às necessidades se sistemasde operação, tais como uma linha de produção na manufatura ou um processooperacional de banco, hospital etc.A administração de materiais tem por finalidade assegurar o contínuo abastecimentode artigos próprios, necessários e capazes de atender aos serviços executados deuma empresa. O abastecimento de materiais, porém, deverá processar-se emconformidade com três requisitos básicos: a qualidade produtiva, a data de entrega eo menor custo de aquisição.De acordo com (VIANA,2002) Administrar Materiais é saber:Classificá-los de modo adequado, aglutinando materiais com característicassemelhantes. Eles devem possuir abrangência, flexibilidade e praticidade;Cadastrá-los para melhor identificação e distinção dos materiais dos seus similares,evitando a compra de materiais em desacordo com as necessidades. A condiçãobásica da especificação é a padronização e normalização de materiais. Portanto,
  • 17deve existir um único código por produto que garantirá segurança no recebimento,controle de estoque e gestão de preços, além de informações rápidas e precisassobre o produto;Codifica-los para identificá-los com mais facilidade a grande quantidade ediversidade de seus materiais;Comprá-los para garantir a qualidade, quantidade, entrega no prazo necessário eum preço justo, do que será consumido para o funcionamento, manutenção ouampliação da empresa.Armazená-los. Onde o objetivo primordial é utilizar o espaço nas três dimensões, damaneira mais eficiente possível. As instalações do almoxarifado devem proporcionara movimentação rápida e fácil de suprimentos desde o recebimento até a expedição;Estocá-los verificando se os estoques estão sendo bem utilizados, já que aformação de estoques consome capital de giro, que pode não estar tendo nenhumretorno do investimento efetuado.3.2 A Origem do Almoxarifado - HistóricoA necessidade de criar estoques, e consequentemente o controle dos mesmos, estaperdida nos tempos, porém não deixa-se duvidas de que surgiu com a necessidadeque o homem teve de se alimentar. Assim sendo, concluí-se que os estoquessurgiram em conjunto com a humanidade, conforme se explica no quadro abaixo:
  • 18 Fig. 01 Homem - Estoque Fonte: www.artnet.com.brDesde os mais remotos tempos, quando ocorreu a invasão árabe na PenínsulaIbérica e a palavra "al-xarif" designava a pessoa de confiança do Sultão, responsávelpela guarda dos bens do seu senhor, a atividade de almoxarifado já era exercida. Aprópria origem da palavra almoxarife, vem daquele vocábulo que através demetaplasmos de transformação, chegam assim até os nossos dias, gerando tambémo nome do setor, ou da atividade - Almoxarifado.(Viana, 2000)
  • 19Passado o tempo ainda observa-mos que essa função, devido à adoção deprocessos logísticos, e de englobar outras atividades paralelas àquelas derecebimento, estocagem e distribuição, e também por ter uma maior amplitudedentro das organizações passou a ser conhecida por "área de armazenagem".O porte de um almoxarifado, sua estrutura, as instalações e equipamentos dearmazenagem dependem da atividade exercida pela empresa e do tipo e volume deitens a serem estocados, bem como das quantidades dos mesmos pré-dimensionadas.3.2.1 AlmoxarifadoVIANA, 2000 diz que atualmente, restou muito pouco da antiga idéia de depósito,quase sempre o pior e mais inadequado local da empresa, onde os materiais eramacumulados de qualquer forma, utilizando-se mão-de-obra desqualificada edespreparada. Por meio do recurso a modernas técnicas, essa situação primitivaoriginou sistemas de manuseio e armazenagem de materiais bem sofisticados, oque provocou redução de custos, aumento significativo da produtividade e maiorsegurança nas operações de controle, com a obtenção de informações precisas emtempo real. O emprego de softwares para gerenciamento e controle de almoxarifadotem também se tornado cada vez mais comum, possibilitando um melhor controle etambém a integração com outros setores, como por exemplo, a produção, vendas oumanutenção. Por exemplo, com a utilização da internet em conjunto com umsoftware de gerenciamento de almoxarifado, é possível manter-se informado doestado de um almoxarifado, mesmo estando em outras localidades geográficas.Do conceito primitivo evolui-se para o moderno Almoxarifado, vocábulo derivado dotermo árabe já citado que significa depositar.
  • 203.3 ConceituaçãoPode-se, atualmente, definir Almoxarifado como o local destinado à fiel guarda econservação de materiais, em recinto adequado à sua natureza, tendo a função dedestinar espaços onde permanecerá cada item aguardando a necessidade do seuuso, ficando sua localização, equipamentos e disposição interna condicionados àpolítica geral de estoques da empresa. O objetivo primordial de qualquerAlmoxarifado é impedir divergências de inventário e perdas de qualquer natureza.O Almoxarifado, desta forma, deve possuir condições para assegurar que o materialadequado, na qualidade de vida, estará no local certo, quando necessário, por meioda armazenagem de materiais, de acordo com normas adequadas, objetivandoresguardar, além da preservação da qualidade, as exatas quantidades. Para cumprirsua finalidade, o este deverá possuir instalações adequadas, bem como recursos demovimentação e distribuição suficientes a um atendimento rápido e eficiente,devendo existir rotinas rigorosas para a retirada dos produtos no Almoxarifado eonde este preservará os materiais armazenados, protegendo-os contra furtos edesperdícios. A autoridade para a retirada do estoque deve estar definida comclareza e somente pessoas autorizadas poderão exercer essas atribuições. Aretirada de materiais do Almoxarifado só se dá com a apresentação de umarequisição.Como foi dito que a origem do vocábulo deriva-se do termo árabe AL-MAKHEN,que em seu teor significa depositar. Então, pode-se definir Almoxarifado como a fielguarda e conservação de mercadorias, em recinto coberto ou não, adequado à suanatureza.Há muito tempo atrás, e até nos dias atuais, ainda existem empresas queconsideram o Almoxarifado fundo de fábrica. Neste "fundo de fábrica" eram
  • 21guardadas todas as sucatas, tudo que era velho e fora de uso, e não havia umacaracterística específica de armazenamento de materiais. Felizmente, os grandesempresários deram maior importância aos Almoxarifados e então pôde se mostrar oquanto ele é importante dentro de uma empresaDentro das expectativas da Administração de Materiais de atender as necessidadesdo fluxo de materiais e de colocar disponibilidade este ou aquele no momento certoe também a preocupação com todo esse controle da utilização ou não, surge nesseprocesso um agente controlador e “guardião” de todos os materiais utilizados emtodo o processo produtivo. Esse controlador é conhecido como Almoxarifado, quena sua concepção é o mais importante esquema de armazenamento de materiais.As necessidades de material são uma constante dentro de qualquer organização, eenquanto tal não se efetiva, existe real preocupação e de se armazenar todo essematerial que no momento não se faz por utilizar, esse armazenamento existe parasuprir às necessidades da produção. O almoxarifado é um agente de todo umprocesso produtivo e pode ser interpretado como sendo um intermediário entre ofornecedor e a produção e entre a produção e o consumidor.“Almoxarifado está diretamente ligado à movimentação ou transporte interno de cargas, e não sepode separá-lo” (Dias, 1993, p. 135).É este setor responsável pelo armazenamento de materiais iniciais, como asmatérias-primas e outros materiais de terceiros, é este que guarda e estoca osmateriais da empresa. O almoxarifado recebe os materiais adquiridos através doórgão de comprar, dos fornecedores externos.
  • 22Dentro do Almoxarifado a armazenagem de materiais deve ser ordenada,propiciando condições que preservem sua qualidade.Depositar materiais no Almoxarifado é o mesmo que depositar dinheiro em Banco. Oseu objetivo é claro: proteger, através de armazenamento econômico, sistemasrigorosos para a retirada preservarão os materiais armazenados, protegendo-oscontra furtos e desperdícios. A autoridade para a retirada do estoque deve estardefinida com clareza; assim, somente pessoas autorizadas poderão exercer essaatribuição.Da mesma forma que a retirada de numerário de um Banco acontece com ocorrespondente cheque, a retirada de materiais do Almoxarifado deve estarcondicionada à apresentação de respectiva requisição. As necessidades demateriais nem sempre são imediatas e quase nunca são constantes.Enquanto os materiais não são necessários ao processo produtivo, eles precisamser armazenados. No momento oportuno, quando necessários, os materiais devemestar imediatamente disponíveis para utilização no processo produtivo.O armazenamento de materiais funciona como um bolsão, capaz de suprir àsnecessidades da produção.Por outro lado, o armazenamento de produtos acabados também funciona como umbolsão que supre às necessidades de vendas da empresa. Ambos, armazenamentode materiais e armazenamento de produtos acabados, servem para amortecer asincertezas quanto às entradas de insumos e as incertezas quanto às saídas deprodutos acabados.
  • 23 “O almoxarifado é o intermediário, por uma parte, entre os abastecedores de matéria- prima e as e as oficinas que vão consumi-la e, por outra parte, entre as oficinas e os clientes que vão receber o produto terminado; é, pois, um regulador entre os mercados externos e a própria produção” ( Araújo, 1971, p. 101)O almoxarifado é órgão de guarda dentro da empresa, e nele que são encontradostodos os materiais usados em consumo na empresa. “O almoxarifado é o local de guarda de material que dispõe de almoxarife, ou funcionário afiançado responsável pela guarda desse material. O almoxarife envolve administração de material, enquanto que o simples depósito é estático e se restringe a guarda de alguma coisa.”( Moreira, 1967, p. 301)3.4 Organização do AlmoxarifadoPode-se resumir as principais atribuições do Almoxarifado, mediante a análise doseu organograma padrão funcional onde as suas atividades principais são:a) Receber para guarda e proteção os materiais adquiridos pela empresa;b) Entregar os materiais mediante requisições autorizadas aos usuários da empresa;c) Manter atualizados os registros necessários.
  • 243.5 A função almoxarifadoO Almoxarifado é o reduto onde se encontram os “insumos” materiais necessários àsustentação do processo e do sistema produtivo, seja ele de bens, seja de serviços.Entretanto, não vai longe a época em que a idéia de almoxarifado sugeria umaespécie de “velho armazém”, de ambiente escuro e ar viciado, onde searrecadavam, indistintamente, com mais ou menos ordem, coisas velhas e novas, aqual, até parece ironia, se dava o nome de “almoxarife”, quando, na realidade, nãopassava de um simples guarda que, além da missão de guardar, tinha ainda a seucargo as funções de “recebedor” e “entregador” de materiais e artigos diversos.Por outro lado, a importância atribuída atualmente ao almoxarifado já se faz sentir,quer em termos de planejamento para a sua instalação, quer em termos de escolhado responsável pela sua gestão, quer na seleção do pessoal auxiliar para acomposição do seu quadro, haja vista os destaques que se notam na seção declassificados da imprensa. Os objetivos do almoxarifado, assim como de todo equalquer sistema de administração de materiais é ter o material certo na quantidade,hora e lugar com suas especificações corretas e ao custo e preços econômicos.3.5.1 Almoxarifado como órgão de prestação de serviçoÉ sabido que qualquer entidade que tem a finalidade de servir alguém, deve tomarmedidas especiais, uma vez que a prestação de serviço exige qualificaçãoespecífica.
  • 25Era muito comum nos Almoxarifados antigos, empregar uma pessoa que fossehonesto e soubesse ler o ABC. Só isto bastava, para que ele tivesse em suas mãos,todo o material, que deveria ser guardado e ir atendendo as requisições de acordocom as necessidades. Hoje, os tempos mudaram, e não mais é possível, terpessoas apenas para "receber" e "guardar".A eficiência de um Almoxarifado depende de alguns fatores que podem contribuirpara esta característica. onde esta depende da redução das distâncias internaspercorridas pela carga e do consequente aumento das viagens de ida e volta; doaumento do tamanho médio das unidades armazenadas e da melhor utilização dasua capacidade volumétrica.3.5.2 Almoxarifado e o PessoalO pessoal é o ponto chave na organização do Almoxarifado, pois trata-se dosmaiores problemas aos recrutadores em admitir funcionários adequados para cadafunção. As tarefas de administrar um Almoxarifado, de acordo com as suasproporções, são múltiplas e, em sua maioria, exigem conhecimentos profundos daprofissão.Os auxiliares destinados a um Almoxarifado têm de ser escolhidos de formadiscriminada. Primeiramente, deverão possuir um alto grau de sentimento ehonestidade. É sabido que existem indivíduos merecedores de confiança enquantonão encontrem certas facilidades, ao passo que outros não merecem nenhumaconfiança desde o primeiro contato. A honestidade de um funcionário deAlmoxarifado deverá ser equivalente a um caixa pagador de um Banco. Lealdade,confiança e disciplina são requisitos para os funcionário do Almoxarifado.
  • 263.5.2.1 Perfil do AlmoxarifeAs atividades de armazenagem exigem muito mais do que o simples manuseio dosmateriais requer funcionários habilitados. O exame, a identificação, o registro e oarmazenamento são processos para os quais é necessário o envolvimento defuncionários adequados. Para os Almoxarifados, como já vimos, comparativamentea verdadeiros estabelecimento bancários, onde os materiais ficam em custódia,resguarda dose a salvo, é necessário que seja dispensada toda a atenção naseleção do pessoal auxiliar para ali trabalhar, pois o material humano escolhido devepossuir alto grau de sentimento, de honestidade.3.6 Almoxarifado EletrônicoEm um Almoxarifado Eletrônico, as empresas substituem gradativamente seusformulários pré-impressos. Optando por este tipo desolução, a conversão paraeletrônico é realizada e o usuário efetua a impressão e o preenchimento dodocumento manualmente apenas quando há necessidade.Além disso, quando instalado em uma rede, os usuários, podem acessá-los dequalquer ponto da rede, facilitando-se assim o gerenciamento e o controle deversões de seus formulários. Desta forma, elimina-se a utilização de formuláriosobsoletos, além de facilitar a sua atualização e manutenção. Mediante a criação eutilização de um Almoxarifado Eletrônico as empresas se beneficiam em váriospontos onde se elimina a necessidade de um espaço físico para armazenamentodos pré-impressos, podendo o mesmo ser utilizado para outras finalidades evitandoo desperdício desnecessário quando da obsolência dos documentos e também
  • 27ocorre uma redução significativa dos custos relacionados a seu desenvolvimento emanutenção.3.7 Lay-OutSegundo (VIANA,2000). Lay-out, ou arranjo físico é a maneira como os homens,máquinas e materiais estão dispostos dentro de um Almoxarifado, ou qualquer outrolocal, desde que arranjados com certa ordem.O problema do lay-out é a locação mais econômica e racional das várias seções deuma unidade fabril ou comercial. Em outras palavras é a utilização do espaçodisponível que resulte em um processamento mais efetivo, através da menordistância, no menor tempo possível. HomensLay-out = Arranjo Físico Máquinas MateriaisO melhor arranjo não é óbvio, exceto em casos triviais. Através da análise dosdiversos fatores de produção e de um método de trabalho que inclua os princípiosbásicos de lay-out chega-se a um arranjo ótimo.No projeto do lay-out os fatores como:. tamanho do produto; .tamanho do palete; .arazão entre a largura do corredor e o tamanho do palete; .o espaçamento do paletenos porta-paletes; .o espaçamento entre dois paletes; .o espaçamento das colunas;a forma e tamanho do prédio; .localização desejada do recebimento e expedição;localização dos corredores; .área de serviço requerida; sua localização e tamanhosdesejados, merecem considerações cuidadosas
  • 283.7.1 Objetivos do Lay-outO lay-out procura reduzir o custo e obter a maior produtividade através de umamelhor utilização do espaço disponível, redução da movimentação de material epessoal, fluxo mais racional, menor tempo para o desenvolvimento dos processos emelhores condições de trabalho.A necessidade de um estudo do lay-out surge em diversas situações quando existea obsolescência das Instalações e essas tornam-se ineficientes devido a novosprodutos a serem fabricados, aquisição de máquinas ferramentas onde se exigeampliações de algumas seções, avanço na tecnologia que implica em novosprocessos de fabricação e a necessidade de maior espaço para estocagem, aindanesse estudo constata-se a redução dos custos de produção, a variação dademanda onde os estoques acompanham os aumentos e decréscimos da produção.Também deve preocupar-se com o ambiente de trabalho inadequado com ruídos,temperaturas anormais, pouca ventilação, má iluminação, baixam o rendimento dotrabalhador.No estudo considera-se também o excesso ou falta de estoques e o manuseioexcessivo e longas distâncias que provocam estragos no material e atrasos noatendimento. Para a montagem de um lay-out, que se caracterize como ótimo,devemos obedecer os princípios da integração onde homens, materiais e máquinasdevem estar bem integrados. o Almoxarifado deve funcionar como uma unidade,uma macro-máquina, com todas as suas "engrenagens" entrosadas; o princípio damínima distância onde o lay-out melhor é aquele em que o produto movimenta-se omenos possível. devendo-se manter apenas os movimentos indispensáveis e reduzirao mínimo a distância entre operações; o princípio do fluxo onde as áreas detrabalho devem ser arranjadas de forma a permitir um fluxo constante de material,sem os inconvenientes de prolongadas esperas ou mesmo estocagem oscruzamentos de materiais devem ser evitados; o princípio do uso do espaço cúbico
  • 29onde devem ser utilizadas as três dimensões LARGURA - COMPRIMENTO -ALTURA, a superfície de estocagem é reduzida quando se utiliza efetivamente adimensão vertical; o princípio da satisfação e segurança onde nenhum lay-out deveneglicenciar a razão primeira da produção - O HOMEM. O trabalhador satisfeitoproduz melhor os acidentes de trabalho devem ser evitados. as condições doambiente de trabalho, melhoradas. assim, não devemos expor o trabalhador a altastemperaturas, ruídos, chuva, pouca ou excessiva ventilação, o ambiente de trabalhodeve ser limpo e arrumado e a iluminação deve ser suficiente e adequada e doprincipio da flexibilidade.3.7.1.1 Levantamento de DadosDevem ser considerados todos os materiais que são armazenados e manipuladospelo almoxarifado: matéria-prima, material de reposição, materiais semi-acabados,produto acabado, embalagem, expedição, etc; estudando-se as dimensões, peso,quantidade, características físicas e químicas. Um Almoxarifado sempre deve serlocalizado perto dos centros consumidores (produção, manutenção, expedição),cada condição deve ser estudada, como aproveitamento da área, próxima a portaria,para recebimento e expedição de materiais, posicionamento das estantes em geral.3.7.2 Como se montar um Lay-outNa montagem de um lay-out é utilizado três tipos de superfície, a saber: a superfícieestática, é aquela que o equipamento projeta no solo. Como exemplo, uma mesa euma cadeira de um funcionário; superfície de utilização, é aquela onde sedesenvolvem os trabalhos, onde efetivamente o funcionário usa para desenvolver o
  • 30seu trabalho; e a superfície de circulação, é aquela que se destina ao trânsito depessoal e equipamentos, podemos considerá-las como ruas e avenidasExistem diversas maneiras de se fazer a montagem de um lay-out: Utilizandoprogramas de computadores; desenhando-se a planta baixa da área e dosequipamentos que fazem parte do Almoxarifado, dando-lhes um arranjo (sistemaconvencional), com o desenho da planta baixa da área recorta-se em papel colorido,dentro da mesma escala, os equipamentos do Almoxarifado, e partindo daí fazer oarranjo, mediante o estudo da colocação dos equipamentos, este sistema édenominado de bidimensional; existindo ainda o sistema tridimensional, que consisteem fazer-se e maquete. O sistema que melhor convém, por oferecer maior condiçãode estudo e visualização, é o sistema bidimensional. A escala do desenho e dosrecortes, deve de ser de 1:50, ou seja, cada dois centímetros é igual a um metro. Oproblema de dimensionamento de espaços participa todas as instalações, desde arecepção, através da produção, até a expedição.3.7.2.1 Planejamento do Espaço e Lay-out de ArmazenagemUm lay-out de armazenagem leva em conta as exigências de estocagem de curto elongo prazo; parte-se de um conhecimento bastante aproximado de tendências domaterial estocado e das eventuais flutuações da demanda, informações sem asquais, um lay-out desta natureza se torna simples previsão em base. Uma sérieenorme de materiais e produtos dos mais diversos são estocados em qualquerindústria; basta que para isto qualquer item seja utilizado periodicamente e queexista o imperativo de existência do mesmo dentro da organização na ocasião desua utilização.
  • 31Antes de se efetuar um planejamento de espaço, será necessário obter uma grandequantia de dados detalhados do espaço (disponível ou sendo planejado). Os dadosrequeridos incluirão o máximo estoque, o estoque médio, a política de reposição, aunidade de estocagem, o volume recebido/expedido por período de tempo, o tipo deárea de estocagem (disponível ou sendo planejada), o método de movimentaçãoatuais ou planejados e a capacidade de equipamento - disponível ou proposto: tipo;tamanho, capacidade, raio de giro, etc.O espaçamento das colunas é importantíssimo no projeto de um bom armazém, e édifícil na sua determinação. Um dos fatores mais importante é o tamanho dospaletes. Ele determinará as dimensões da estrutura porta-palestes, que por sua vezinfluenciará no espaçamento das colunas.O arranjo e dimensionamento dos corredores é uma das chaves para se conseguir amáxima eficiência do armazém. Eles são os caminhos de passagem dentro e entreas áreas de estocagem, recebimento e expedição. Devem ser localizados de formaa manter um bom acesso ao estoque, aos equipamentos de carga e descarga e asáreas de serviços auxiliares. Os tipos de corredores, os mais comuns são:Corredores de Trabalho que são aqueles através dos quais o material é colocadoou retirado na estocagem;Corredores de transporte principal que se estendem através de todo o prédio epermitem tráfego nos dois sentidos;• Corredores de cruzamento que são os que se estendem através de todo o prédio geralmente conduzindo a portas opostas do armazém.• Corredores de Pessoal que são aqueles usados somente por pessoas para acesso a áreas especiais ou interiores do prédio. Devem, ser demarcados;
  • 32• Corredores Auxiliares os corredores são necessários para acesso a fontes de utilidades, equipamento anti-incêndio, etc. Onde esses devem ser retilíneos (o máximo possível), não sendo obstruídos e sempre levando a portas quando possível devendo ser suficientemente largos para permitir uma operação eficiente, onde as colunas podem ser usadas frequentemente como linhas de fronteira e todos os itens estocados devem ser convenientemente acessíveis. Os corredores devem ser identificados por uma linha de largura de 8 a 10cm marcada no piso e devem possuir mão única, excluindo os corredores de transporte principal.3.8 Classificação de MaterialO objetivo da classificação de materiais é definir uma catalogação, simplificação,especificação, normalização, padronização e codificação de todos os materiaiscomponentes do estoque da empresa. A necessidade de um sistema declassificação é primordial para qualquer Departamento de Materiais, pois sem elanão pode existir um controle eficiente dos estoques, procedimentos dearmazenagem adequados e uma operacionalização do almoxarifado de maneiracorreta.Simplificar material é, por exemplo, reduzir a diversidade de um item empregadopara o mesmo fim. Assim, no caso de haver duas peças para uma finalidadequalquer, aconselha-se a simplificação, ou seja, a opção pelo uso de uma delas. Aosimplificarmos um material, favorecemos sua normalização, reduzimos as despesasou evitamos que elas oscilem. Por exemplo, cadernos com capa, número de folhas eformato idênticos contribuem para que haja a normalização. Ao requisitar umaquantidade desse material, o usuário irá fornecer todos os dados (tipo de capa,número de folhas e formato), o que facilitará sobremaneira não somente sua
  • 33aquisição, como também o desempenho daqueles que se servem do material, seeste um dia apresentar uma forma e outro dia outra forma de maneira totalmentediferente.Aliado a uma simplificação é necessário uma especificação do material, que é umadescrição minuciosa e possibilita melhor entendimento entre o consumidor e ofornecedor quanto ao tipo de material a ser requisitado. A normalização, se ocupa damaneira pela qual devem ser utilizados os materiais em suas diversas finalidades eda padronização e identificação do material, de modo que tanto o usuário como oalmoxarifado possam requisitar e atender os itens, utilizando a mesma terminologia.A normalização é aplicada também no caso de peso, medida e formato.Classificar um material então é agrupá-lo segundo sua forma, dimensão, peso, tipo,uso etc. A classificação não deve gerar confusão, ou seja, um produto não poderáser classificado de modo que seja confundido com outro, mesmo sendo estesemelhante. A classificação, ainda, deve ser feita de maneira que cada gênero ematerial ocupe seu respectivo local. Por exemplo: produtos químicos poderãoestragar produtos alimentícios se estiverem próximos entre si.Classificar material, em outras palavras, significa ordená-lo segundo critériosadotados, agrupando-o de acordo com a semelhança, sem contudo, causarconfusão ou dispersão no espaço e alteração na qualidade.3.8.1 Identificação de Material
  • 34A identificação é o primeiro e o mais importante passo para a classificação domaterial e consiste na análise e no registro dos principais dados individualizadoresque caracterizam e particularizam um item em relação ao universo de outrosmateriais existentes na empresa.Ela busca, portanto, estabelecer a identidade do material através da especificaçãodas principais características do item. Entretanto, para especificar é necessáriodispor de determinados dados que descrevam o material, de modo a identificá-loperfeitamente. E nesta pesquisa e no registro dos elementos descritivos do materialé que se resume o trabalho de especificação. Os elementos básicos necessários àespecificação são: Medidas; voltagem, amperagem etc; tipo de acabamento;material empregado na fabricação; normas técnicas; referências comerciais,compreendendo o número da peça, o número ou nome do modelo; especificação daembalagem; forma de acondicionamento; número e/ou nome do catálogo ou lista depeças ; cor; nome do fabricante; aplicação do material (identificação do equipamentoou da unidade em que é aplicado). A obtenção destes dados é feita através deconsultas a catálogos ou listas de peças dos fabricantes e às normas técnicasexistentes ou, até mesmo, pela visualização do material.3.8.1.1 Métodos de IdentificaçãoQuando a identificação é feita pela descrição detalhada do material, em queprocuramos apresentar todas as particularidades ou características físicas queindividualizam o material, independentemente da referência do fabricante (oucomercial), dizemos que o método adotado é o descritivo.
  • 35O método Descritivo é utilizado para especificar os materiais que, para a suaidentificação, necessitam de particularização descritivas ou que não apresentamreferências comerciais que, de modo geral, por si só, já caracterizam eindividualizam determinados tipos de material. Na aplicação do método, devemosevitar, tanto quanto possível, uma certa tendência para o exagero de pormenoresdescritivos, que só contribuem para tornar mais volumoso e cansativo um catálogode material.O método descritivo visa atribuir uma nomenclatura padronizada em toda aempresa, segundo regras específicas, que se constituem em orientação segura nadeterminação da descrição do material, devendo ser evitado o uso de gírias,expressões regionais, termos de sentido não técnico ou empregados em línguaestrangeira, palavras que indicam a forma de apresentação do material ou marcasetc. A composição da nomenclatura padronizada constitui-se na associação donome básico que consiste na denominação mais simples ou primária do material eque se constitui no ponto de partida para a identificação. E também constituído peloo nome modificador é a denominação complementar do nome básico e se destina aestabelecer a individualização de cada um dos itens portadores do mesmo nomebásico.Na determinação dos nomes modificadores, não existem regras fixas, podendo,entretanto, serem estabelecidos em função do formato, do tipo, da apresentação, daaplicação e composição do material.3.8.1.2 Características FísicasSão os dados relativos à composição, dimensão, tolerância, capacitância etc. de umitem e constitui-se em complemento do nome padronizado e formando, juntamente,
  • 36com este, a descrição padronizada do material. Normalmente, estes elementosespecificados são objetos de normas técnicas ou presentes nos manuais oucatálogos dos fabricantes, tipo: LÂMPADA, FLUORESCENTE - 220 volts, 20, wats(características)3.8.1.3 Identificação AuxiliarA identificação auxiliar, como parte constitutiva e complementar de uma descriçãoou nomenclatura padronizada, aparece como informação opcional. Depende do lay-out de saídas do computador, podendo aparecer como elemento integrante dadescrição ou como informação à parte. A identificação auxiliar é composta pelaaplicação que é a informação que indica a que conjunto maior pertence o item, aembalagem que é a informação que indica o tipo de apresentação do invólucro doitem. em muitos casos, a embalagem é fator determinante de diferenciação demateriais que possuem os mesmos “nomes padronizados” e as mesmas"características físicas", mais apresentam invólucros ou, melhor dizendo, unidadesde fornecimento diferente e por fim a referência comercial que corresponde aonúmero ou ao nome do material (código referencial) atribuído pelo fabricante,podendo, também, referir-se ao tipo e/ou ao modelo do item.O método Referencial é a forma de especificar um material que atribui umadescrição ou uma nomenclatura mais simplificada, apoiada, basicamente, na própriareferência do fabricante.A nomenclatura referencial é usada em situações em que são desnecessáriosmaiores detalhamentos para a identificação, aquisição e controle do material, tendocomo suficiente, a referência do fabricante para a sua caracterização e
  • 37individualização. Este código, referenciado como part-number, é, na realidade, opróprio número de estoque do fabricante, com base, no qual, os pedidos são feitos.A importância de uma boa identificação, seja através de qualquer um dos métodosapresentados, contribui, de forma significativa, para a movimentação de material,seu controle, localização, registro em computador, compra e obtenção pelo usuário.Por outro lado, a má identificação, devido à especificação incorreta ou incompleta,possibilita a ocorrência de: duplicidade de números de estoque, divergências desaldos físicos, sobrecarga nas áreas de estocagem, controles duplos, estatísticas deconsumo falhas e aumento de trabalho no órgão de classificação.3.9 CodificaçãoA Codificação consiste em ordenar os materiais da empresa dando a cada um delesdeterminado conjunto de caracteres objetivando facilitar a comunicação interna,evitar a duplicidade de itens no estoque, permitir as atividades de gestão deestoques e compras, facilitar a padronização de materiais e o controle contábil dosestoques.Para DIAS,1993 a codificação é atribuir-se um código representativo dos elementosidentificados do item que simboliza a identidade do material. A área de materiaispossui um grande número de transações e os registros devem se manteratualizados. Para auxiliar a execução dessas tarefas, há uma linguagem específicapara a administração de materiais. A codificação cumpre esse papel. O código deveser capaz de identificar o produto de modo que a um determinado códigocorresponda um e apenas um produto, e vice–versa. O sistema de codificação nãopode depender de critérios pessoais e deve ser expansível, de modo a suportarinclusões de novos itens.
  • 37Os códigos numéricos não seqüenciais e estruturados são os mais utilizados hoje. Onúmero de dígitos, dos grupos e dos subgrupos depende do tamanho do sistema aque se destina. Costuma-se fixar um grupo de números para identificar o grupo demateriais, outro para o subgrupo e um terceiro conjunto numérico para o item, alémde um dígito verificador, adicionado pelo sistema de processamento eletrônico dedados.Fig. 02 Estrutura de CódigosUma estrutura de códigos como essa contém até 100 grupos (de 00 a 99); em cadagrupo, será possível incluir até 100 subgrupos, e o sistema comporta até1.000 itensem cada subgrupo. A atribuição do código visa a simplificar e facilitar as operaçõesna empresa, uma vez que todo um conjunto de dados descritivos eindividualizadores do material é substituído por um único símbolo representativo. Ocódigo torna-se tanto mais necessário quanto maior for o universo e a diversificaçãodos itens existentes e transacionados na empresa. Existem três tipos decodificações usados na classificação de material: alfabético, alfanumérico enumérico.Independentemente, deste aspecto, com o incremento do processamento de dados,tornou-se obrigatória a introdução de códigos que possibilitem a entrada e o registrode dados em computador.No sistema alfabético o material é codificado segundo uma letra, sendo utilizado umconjunto de letras suficientes para preencher toda identificação do material; pelo
  • 39seu limite em termos de quantidade de itens e uma difícil memorização, este sistemaestá caindo em desuso.O sistema alfanumérico é uma combinação de letras e números e permite umnúmero de itens em estoque superior ao sistema alfabético. Normalmente é divididoem grupos e classes, assim: AC - 3721 código indicador classe grupoO sistema numérico é o mais utilizado pelas empresas, pela sua simplicidade e compossibilidades de itens em estoque e informações incomensuráveis.Os materiais são classificados sob títulos gerais, de acordo com suascaracterísticas. É uma classificação bem geral. Cada um dos títulos da classificaçãogeral é submetido a uma nova divisão que individualiza os materiais. A codificaçãoindividualizadora não é suficiente, por falta uma definição dos diversos tipos demateriais. Por esta razão cada título da classificação individualizadora recebe umanova codificação.Esta nova classificação é chamada de codificação definidora e, quandonecessitamos referir-nos a qualquer material, basta que informemos os números dastrês classificações que obedece respectivamente ao n° da classificação geral, ao n°da classificação individualizadora e ao n° da classificação definidora. O sistemanumérico pode ter uma amplitude muito grande e com enormes variações, sendo
  • 40uma delas o sistema americano Federal Supply Classification que tem a seguinteestrutura: XX - XX - XXXXXX - X dígito de controle código de identificação - NII subgrupo classe grupoAssim mesmo, ele pode ser subdividido em subgrupos e subclasses de acordo coma necessidade da empresa e do volume de informações que se deseja obter de umsistema de codificação. A classificação geral será grupo, o subgrupo a classificaçãoindividualizadora, e a classe, a classificação definidora, e os seis dígitos faltantes docódigo de identificação serviriam para qualquer informação que se desejaacrescentar.3.9.1 Cadastramento de MaterialApós a identificação, seja pelo método descritivo ou pelo método referencial, e emseguida à atribuição do código, o material é cadastrado. O cadastramento visa,portanto, ao registro em computador, dos dados identificadores do material e docódigo por que será conhecido o item na empresa, além evidentemente de outrasinformações referentes ao material, como a unidade de fornecimento, por exemplo.
  • 413.9.2 Catalogação de MaterialA catalogação é a última fase do processo de classificação de material e consisteem ordenar, de forma lógica, todo um conjunto de dados relativos aos itensidentificados, codificados e cadastrados, de modo a facilitar a sua consulta pelasdiversas áreas da empresa. O importante, na catalogação, é usar de simplicidade,objetividade e concisão dos dados gerados, bem como, ainda, permitir o fácil acessoe rapidez na pesquisa. Uma publicação que obriga a uma certa demora na consultae localização do dado procurado está deixando de cumprir seus objetivos em fazercom que o usuário saiba, com certeza, o item que deseja requisitar, a fim de que nãolhe seja fornecido um material diferente, por não ter sido, suficientemente, claro noque especificou. A função do almoxarifado e do órgão de compras não é adivinhar oque o órgão usuário pretende, onde busca facilitar os órgão de compra em obter ocorreto material evitando que itens já cadastrados sejam, novamente, incluídos nocatálogo com outros códigos, onde se possa depois fazer um a conferência dosdados de identificação dos materiais colocados nos documentos e formulários doSistema de Material.3.10 ArmazenagemCuidados especiais devem ser tomados no tocante à disposição dos materiais noAlmoxarifado, o qual pode conter produtos perecíveis, inflamáveis, tóxicos e outros,que somados à variedade total, definirão os meios de armazenagem. Logo, a guardaobedece critérios definidos no sistema de instalação adotado e no layout,proporcionando condições físicas que preservem a qualidade dos materiais, deconformidade com o plano de armazenagem, objetivando-se a ocupação plena doedifício, bem como a ordenação da arrumação. A melhor forma de guardar é aquelaque maximiza o espaço disponível nas três dimensões do prédio: comprimento,
  • 42largura e altura. Por sua vez, a conservação exige conhecimentos gerais sobre ocomportamento de cada material, seus pesos, tipos, formas físicas etc.3.10.1 Documentos Utilizados no AlmoxarifadoPara atender as diversas rotinas de trabalho, são utilizados no Almoxarifado osdocumentos como: Ficha de controle de estoque (para empresas ainda nãoinformatizadas): documento destinado a controlar manualmente o estoque, por meiode apontamentos de quantidades correspondentes às entradas e saídas, comotambém proporcionar o input para reposição, quando o nível atingir o ponto deressuprimento; Ficha de localização (também para empresas ainda nãoinformatizadas): documento utilizado para indicar as localizações onde o materialestá guardado, sendo ordenadas por ordem de código, em arquivos próprios; Fichade assinatura credenciada: documento utilizado para identificar os funcionáriosautorizados a movimentar o estoque, constatando, além da assinatura docredenciado, sua qualificação na empresa; Comunicação de irregularidades:documento utilizado para esclarecer ao Fornecedor os motivos da devolução, querno aspecto quantitativo, quer no aspecto qualitativo; Relatório técnico de inspeção:documento utilizado para definir, sob o aspecto qualitativo, o aceite ou recusa domaterial comprado do Fornecedor; Requisição de material: documento utilizado paraa retirada de materiais do Almoxarifado. e Devolução de material: documentoutilizado para devolver ao estoque do Almoxarifado as quantidades de materialporventura requisitadas além do necessário.
  • 433.11 Movimentação de MateriaisO manuseio ou a movimentação interna de produtos e materiais significa transportarpequenas quantidades de bens por distâncias relativamente pequenas, quandocomparadas com as distâncias na movimentação de longo curso executadas pelascompanhias transportadoras. É atividade executada em depósitos, fábricas, e lojas,assim como no transbordo entre tipos de transporte. Seu interesse concentra-se namovimentação rápida e de baixo custo das mercadorias (o transporte não agregavalor e é um item importante na redução de custos). Métodos e equipamentos demovimentação interna ineficientes podem acarretar altos custos para a empresadevido ao fato de que a atividade de manuseio deve ser repetida muitas vezes eenvolve a segurança e integridade dos produtos. Além disso, a utilização adequadados recursos contribui para o aumento da capacidade produtiva e oferece melhorescondições de trabalho para os empregados da empresa.3.11.1 EquipamentoExiste uma ampla variedade de equipamentos de movimentação de materiais detamanhos, volumes e formas diversas. Os tipos mais comuns são:Sistemas de transportadores contínuos: Consiste na movimentação constanteentre dois pontos pré determinados. São utilizados em mineração, indústrias,terminais de carga e descarga, terminais de recepção e expedição ou em armazéns.
  • 44• Esteiras transportadoras: São equipamentos de ampla aplicação, podem ser de correia, fita ou de tela metálica utilizadas geralmente para grandes quantidades de material.• As fitas metálicas podem ser feitas de aço-carbono, aço inoxidável e aço revestido por borracha. Nas esteiras o ângulo máximo de inclinação é função das características do material (entre 20 e 35º).• As esteiras transportadoras apresentam a desvantagem de possuir uma pequena flexibilidade na trajetória.• Transportadores de roscas: São indicados para a movimentação de materiais pulverizados não corrosivos ou abrasivos. Utilizados em silos, moinhos, indústria farmacêutica, etc. O transporte é feito através da rotação do eixo longitudinal do equipamento.• Transportadores magnéticos: utilizado para a movimentação de peças e recipientes de ferro e aço. Consiste em duas faixas de ferro magnetizadas por ímãs permanentes colocados na parte posterior de um transportador de fita, com um pólo em cada faixa, assim, o material ferroso é conduzido e atraído simultaneamente, podendo seguir em trajetórias verticais e horizontais, ser virado, frendo, etc. Vantagens: é silencioso, requer pouco espaço e manutenção, trabalha até embaixo d’água. Desvantagens: só transporta materiais ferrosos.• Transportadores pneumáticos: utilizado para transporte de materiais granulados em silos, moinhos e portos. Constituem-se em um conjunto de tubulações e de um sistema motor que produz a corrente de ar. Vantagens: funcionam em qualquer tipo de trajeto, vedação completa, requer pouco espaço, baixos custos de manutenção. Desvantagens: somente utilizado para materiais de pequena granulometria e não abrasivos.• Transportadores de roletes livres: não há mecanismo de acionamento (somente a força da gravidade ou manual). É um sistema de transporte econômico, não há
  • 45• manutenção, permite o transporte de todos os materiais não a granel. A superfície de fundo do material deve ser dura e plana e no mínimo 3 roletes devem estar agindo simultaneamente sobre a carga.• Transportadores de correntes: Evita problemas de contaminação, permite o aproveitamento do espaço aéreo, gasto inicial e manutenção baixos.Sistemas de Manuseio para Áreas Restritas: São feitos para locais onde a área éelemento crítico: por isso são bastante utilizados em almoxarifados. A ponte rolanteé o equipamento mais utilizado entre todos.• Pontes rolantes: Viga suspensa sobre um vão livre, que roda sobre dois trilhos. São empregadas em fábricas ou depósitos que permitem o aproveitamento total da área útil (armazenamento de ferro para construção, chapas de aço e bobinas, recepção de carga de grandes proporções e peso. Vantagens: elevada durabilidade, movimentam cargas ultrapesadas, carregam e descarregam em qualquer ponto, posicionamento aéreo. Desvantagens: exigem estruturas, investimento elevado, área de movimentação definida.• Stacker Crane: Consiste numa torre apoiada sobre um trilho inferior e guiada por um trilho superior. Pode ser instalada em corredores com menos de 1 metro de largura e algumas torres atingem até 30m de altura. Exige alto investimento, mas ocasiona uma grande economia de espaço.• Pórticos: São vigas elevadas e auto-sustentáveis sobre trilhos. Possuem sistema de elevação semelhante ao das pontes rolantes. Os pórticos são utilizados no armazenamento em locais descobertos. Vantagens: maior capacidade de carga que as pontes rolantes, não requer estrutura. Desvantagens: menos seguro, interfere com o tráfego no piso, e é mais caro.
  • 46Sistemas de Manuseio entre Pontos sem Limites Fixos• Carrinhos: São os equipamentos mais simples. Consistem em plataformas com rodas e um timão direcional. Possuem vantagens como baixo custo, versatilidade, manutenção quase inexistente. Desvantagens: Capacidade de carga limitada, baixa velocidade e produção, exigem mão-de-obra.• Palleteiras: Carrinhos com braços metálicos em forma de garfo e um pistão hidráulico para a elevação da carga (pequena elevação). As palleteiras podem ser motorizadas ou não.• Empilhadeiras: podem ser elétricas ou de combustão interna (verificar ventilação). São usadas quando o peso e as distâncias são maiores (se comparadas com o carrinho) As mais comuns são as frontais de contrapeso. Vantagens: livre escolha do caminho, exige pouca largura dos corredores, segurança ao operário e à carga, diminui a mão-de-obra. Desvantagens: retornam quase sempre vazias, exige operador especializado, exige paletização de cargas pequenas.3.11.2 Outros Equipamentos• Guindastes: usados em pátios, construção pesada, portos e oficinas de manutenção. O veículo pode ser motorizado ou não. Opera cargas não paletizadas, versátil, alcança locais de difícil acesso mas apresenta a desvantagem de exigir espaço e ser lento.• Plataformas de Carga e Descarga: utilizadas no recebimento e na expedição de mercadorias, facilitando o trabalho. Geralmente são fixas.
  • 47• Mesas e Plataformas Hidráulicas: usadas basicamente na elevação da carga geralmente em conjugação com outro equipamento ou pessoa.• AGV (Automatic Guided Vehicles): São utilizados desde 1950 podendo carregar até 100 toneladas. Os AGVs modernos são controlados por computador, possuindo microprocessadores e gerenciadores de sistema, que podem até emitir ordens de transporte e recolher ou descarregar cargas automaticamente. Existem diversos modelos, com os mais variados tipos de sensores e até por rádio- freqüência. As desvantagens deste sistema são o custo e manutenção elevados.Dispositivos para Movimentação de Barris: utilização limitada, mas bastante útil paraeste tipo de material. Elimina a necessidade de paletização
  • 484. METODOLOGIAPara a realização do estágio e elaboração da respectiva monografia utilizou-se aseguinte metodologia4.1 Delineamento da PesquisaO presente estudo caracteriza-se por sua natureza observatória e descritivarealizada no Setor de Almoxarifado de uma empresa da cidade de João Pessoa-PB.4.2 População-Alvo do EstudoO universo desta pesquisa é composto por funcionários da CEHAP, que estão dealguma maneira ligados ao Almoxarifado. O número de entrevistados totaliza 10pessoas entre o chefe do almoxarifado e seus auxiliares.4.3 Instrumento e Coleta de DadosFoi utilizado um questionário com perguntas fechadas onde utilizou-se a "Escala deLikert " a qual constitui uma oscilação entre 3 regiões: uma de "concordância"(valores de 4 a 5) uma de "neutralidade" (valor 3) e outra de "discordância" (valoresde 1 a 2) em uma variação de 5 pontos, sendo que o ponto 1 significa o "discordofortemente" e o ponto 5 significa "concordo fortemente". O questionário é compostopor 14 questões.
  • 49 ESCALA DE LIKERT 1 2 3 4 5 DISCORDO DISCORDO NEM CONCORDO CONCORDO ......... CONCORDOFORTEMENTE NEM DISCORDO...................................... FORTEMENTE4.3.1 Processo de Coleta De DadosNo processo ocorreu o pré teste e a coleta se deu através de um questionárioelaborado pelo autor desse TCE, onde os funcionários pesquisados tiveram umprazo de 10 dias para sua devolução e neste prazo não foi encontrada nenhumadificuldade na aplicação do questionário.4.4 Análise De DadosOs dados coletados foram tabulados com auxilio do programa Microsoft Excel, Oprocesso de análise das medidas estatísticas descritivas (frequência e média)possibilita identificar tendências de satisfação, insatisfação ou até mesmo deneutralidade diante das questões impostas.Para analise dos escores pelas médias obtidas com nível dos resultados dosrespondentes, delimitaram-se como parâmetro. Média inferior a 3 Muito Insatisfatório Média de 3 à 4 Insatisfatório Média de 4 à 5 Satisfatório Média acima de 5 Desejável
  • 505.LEVANTAMENTO ANALITICO5.1 Histórico da EmpresaA Companhia Estadual de Habitação Popular- CEHAP - foi criada por forca da LeiEstadual de n.º 3.328 de 04 de Junho de 1965 e publicada no Diário Oficial doEstado da Paraíba em 22 de Agosto do mesmo ano, no Governo do ExcelentíssimoSrº . Pedro Moreno Godim.São trinta e oito anos de história, com 49.843 moradias construídas em todo oEstado. A CEHAP se orgulha de ter participado, decisivamente, do desenvolvimentourbano das grandes, médias e pequenas cidades paraibanas. Em João Pessoa, porexemplo, um redesenho da planta da cidade, com a implantação de conjuntoshabitacionais como o Castelo Branco, Costa e Silva, Ernani Sátyro, José Américo,Ernesto Geisel, Alto do Mateus e Mangabeira, onde estamos localizados juntamentecom outros quase 200 mil habitantes. Mangabeira é motivo de orgulho para aCEHAP. Já em Campina Grande não foi diferente. Importantes núcleos residenciaisconstruídos por nós, servidores, dirigentes, governantes e, principalmente, mutuáriosque, honrando os seus compromissos para com a casa própria, mantendo em dia opagamento das suas prestações, nos ajudam a construir novas moradias parafamílias ainda sem teto.O Projeto Mariz, que foi desenvolvido em mais de cem municípios do Estado, é aratificação do compromisso social da CEHAP - casa própria para quem dela precisapara morar. No princípio, eram poucas.; hoje, são 4.550 casas construídas e 2.612em construção. Um programa habitacional que recentemente recebeu o Prêmio Selode Mérito como referência nacional, contemplando famílias com renda inferior a trêssalários mínimos, antes sem perspectivas de acesso à moradia
  • 51A CEHAP sobrevive à crise que se abate sobre o sistema COHAB, graças aoempenho do Governo do Estado, em defender, intransigentemente, o seufuncionamento e à vontade, garra e criatividade dos seus profissionais. Os desafioscontinuam, mas nos servem de estímulo para atestar a nossa versatilidade econfirmar a nossa vocação operosa, realizadora.Hoje a Companhia Estadual de Habitação Popular - CEHAP, tem em seu corpoadministrativo além da figura do presidente mais 03 (três) diretorias que assim sãoconhecidas: Diretoria Administrativa, Diretoria Técnica e Diretoria Financeira na suasede em João Pessoa e em Campina com uma Gerência. Incluindo a sua Sede emJoão Pessoa e a Gerência de Campina Grande a CEHAP possui 250 funcionários.
  • 526. ANÁLISE DOS DADOS1.É de seu conhecimento o termo lay-out QUESTÃO 01Valor Escala Frequência. Percentual Índice Situação 1 Discordo Fortemente 3 30% 2 Discordo 5 50% 3 Nem concordo Nem discordo 2 20% Muito 1,9 4 Concordo 0 0% Insatisfatório 5 Concordo Fortemente 0 0%Total 10 100% D is c o rd o 50% F o rt e m e n t e 40% D is c o rd o 30% N e m c o n c o rd o 20% N e m D is c o rd o 10% C o n c o rd o 0% P e rc e n t u a l C o n c o rd o F o rt e m e n t eA primeira questão relaciona-se com o conhecimento do significado do lay-out. Essaquestão alcançou na região de concordância um percentual de 0% (ZERO),enquanto na região de discordância alcançou um percentual de 80%(oitenta), vale apena registar o índice de neutralidade que foi de 20%(vinte).
  • 532.A disposição física (lay-out) das estantes atende as necessidades doAlmoxarifado QUESTÃO 02Valor Escala Frequência. Percentual Índice Situação 1 Discordo Fortemente 0 0% 2 Discordo 2 20% 3 Nem concordo Nem discordo 6 60% 3,0 Insatisfatório 4 Concordo 2 20% 5 Concordo Fortemente 0 0%Total 10 100% Disc ordo 60% Fortem ente 50% Disc ordo 40% 30% Nem concordo Nem Dis cordo 20% Conc ordo 10% 0% P erc entual Conc ordo Fortem enteA segunda questão ainda relaciona-se com do lay-out. existente e sua aplicação noSetor de Almoxarifado Essa questão alcançou na região de concordância umpercentual de 20% (vinte), enquanto na região de discordância alcançou umpercentual de 20%(oitenta), já na região de neutralidade foi encontrado um índicede 80%(oitenta).
  • 543 A inexistência de um lay-out em nada mudaria a rotina ou o trabalho doalmoxarifado QUESTÃO 03Valor Escala Frequência. Percentual Índice Situação 1 Discordo Fortemente 2 20 2 Discordo 2 20 3 Nem concordo Nem discordo 5 50 Muito 2,5 4 Concordo 1 10 Insatisfatório 5 Concordo Fortemente 0 0%Total 10 100% Discordo 50% Fortemente 40% Discordo 30% Nem concordo 20% Nem Discordo 10% Concordo 0% Percentual Concordo FortementeA terceira questão continua abordando o lay-out. , onde se coloca a inexistênciadesse para o Setor de Almoxarifado. Essa questão alcançou na região deconcordância um percentual de 10% (dez), enquanto na região de discordânciaalcançou um percentual de 40%(quarenta), na região da neutralidade foi encontradoum percentual de 50%(cinquenta).
  • 554.A existência de corredores facilitaria o transporte dos materiais e porconsequência aumentaria o espaço físico QUESTÃO 04Valor Escala Frequência. Percentual Índice Situação 1 Discordo Fortemente 0 0% 2 Discordo 2 20% 3 Nem concordo Nem discordo 3 30% 3,4 Insatisfatório 4 Concordo 4 40% 5 Concordo Fortemente 1 10%Total 0 100% Discordo 40% Fortemente 30% Discordo 20% Nem concordo Nem Discordo 10% Concordo 0% Percentual Concordo FortementeA quarta questão relaciona-se a existência de corredores facilitando ou não otrabalho. Essa questão alcançou na região de concordância um percentual de 50%(cinquenta), enquanto na região de discordância alcançou um percentual de80%(oitenta), vale a pena registar o índice de neutralidade que foi de 20%(vinte).
  • 565. Para você codificar material é atribuir tão somente um numero qualquer QUESTÃO 05Valor Escala Frequência. Percentual Índice Situação 1 Discordo Fortemente 0 0% 2 Discordo 0 0% 3 Nem concordo Nem discordo 2 20% 4,1 Satisfatório 4 Concordo 5 50% 5 Concordo Fortemente 3 30%Total 10 100% Discordo 50% Fortemente 40% Discordo 30% Nem concordo 20% Nem Discordo 10% Concordo 0% Percentual Concordo FortementeA quinta questão relaciona-se com o conhecimento de codificação de materiais.Essa questão alcançou na região de concordância um percentual de 80% (oitenta),enquanto na região de discordância alcançou um percentual de 0%(ZERO),registrou-se o índice de neutralidade que foi de 20%(vinte).
  • 576. É de seu conhecimento a existência de modelos de codificação de materiais QUESTÃO 06Valor Escala Frequência. Percentual Índice Situação 1 Discordo Fortemente 1 10% 2 Discordo 5 50% 3 Nem concordo Nem discordo 4 40% Muito 2,3 4 Concordo 0 0% Insatisfatório 5 Concordo Fortemente 0 0%Total 10 100% Discordo 50% Fortemente 40% Discordo 30% Nem concordo 20% Nem Discordo 10% Concordo 0% Percentual Concordo FortementeA sexta questão relaciona-se com o conhecimento da existência de modelos decodificação. Essa questão alcançou na região de concordância um percentual de0% (ZERO), enquanto na região de discordância alcançou um percentual de60%(sessenta), vale a pena registar o índice de neutralidade que foi de40%(quarenta).
  • 587. A existência de uma codificação sequencial e correta facilitaria o trabalho QUESTÃO 07Valor Escala Frequência. Percentual Índice Situação 1 Discordo Fortemente 0 0% 2 Discordo 0 0% 3 Nem concordo Nem discordo 1 10% 4,3 Satisfatório 4 Concordo 5 50% 5 Concordo Fortemente 4 40%Total 10 100% Discordo 50% Fortemente 40% Discordo 30% Nem concordo 20% Nem Discordo 10% Concordo 0% Percentual Concordo FortementeA sétima primeira questão relaciona-se existência de uma codificação sequencial ecorreta facilitando o trabalho. Essa questão alcançou na região de concordância umpercentual de 90% (noventa), enquanto na região de discordância alcançou umpercentual de 0%(ZERO), o índice de neutralidade foi de 10%(dez).
  • 598. Na sua opinião a forma como vem sendo realizada a codificação ocorre demaneira correta. QUESTÃO 08Valor Escala Frequência. Percentual Índice Situação 1 Discordo Fortemente 0 0% 2 Discordo 1 10% 3 Nem concordo Nem discordo 4 40% 3,4 Insatisfatório 4 Concordo 5 50% 5 Concordo Fortemente 0 0%Total 10 100% Discordo 50% Fortemente 40% Discordo 30% Nem concordo 20% Nem Discordo 10% Concordo 0% Percentual Concordo FortementeA oitava questão relaciona-se com a codificação existente na empresa. Essaquestão alcançou na região de concordância um percentual de 50% (cinquenta),enquanto na região de discordância alcançou um percentual de 10%(dez), vale apena registar o índice de neutralidade que foi de 40%(quarenta).
  • 609. Há necessidade de modificar a área de armazenagem QUESTÃO 09Valor Escala Frequência. Percentual Índice Situação 1 Discordo Fortemente 1 10% 2 Discordo 4 40% 3 Nem concordo Nem discordo 1 10% Muito 2,9 4 Concordo 3 30% Insatisfatório 5 Concordo Fortemente 1 10%Total 10 100% Discordo 40% Fortemente Discordo 30% 20% Nem concordo Nem Discordo 10% Concordo 0% Percentual Concordo FortementeA nona questão relaciona-se a armazenagem . Essa questão alcançou na região deconcordância um percentual de 40% (quarenta), enquanto na região dediscordância alcançou um percentual de 50%(cinquenta), vale a pena registar oíndice de neutralidade que foi de 10%(dez).
  • 6110. Existe perspectiva de melhora nos métodos de estocagem QUESTÃO 10Valor Escala Frequência. Percentual Índice Situação 1 Discordo Fortemente 0 0% 2 Discordo 1 10% 3 Nem concordo Nem discordo 2 20% 3,8 Insatisfatório 4 Concordo 5 50% 5 Concordo Fortemente 2 20%Total 10 100% Discordo 50% Fortemente 40% Discordo 30% Nem concordo 20% Nem Discordo 10% Concordo 0% Percentual Concordo FortementeA décima questão relaciona-se com a perspectiva de melhora nos métodos deestocagem. Essa questão alcançou na região de concordância um percentual de70% (setenta), enquanto na região de discordância alcançou um percentual de10%(dez), registrou-se também o índice de neutralidade que foi de 20%(vinte).
  • 6211. É sabido que o almoxarifado é local de guarda de materiais em uso pelaempresa, com isso armazenar é "colocar" os materiais no almoxarifado QUESTÃO 11 Valor Escala Frequência. Percentual Índice Situação 1 Discordo Fortemente 0 0% 2 Discordo 0 0% 3 Nem concordo Nem discordo 1 10% 4,4 Satisfatório 4 Concordo 4 40% 5 Concordo Fortemente 5 50% Total 10 100% Discordo 50% Fortemente 40% Discordo 30% Nem concordo 20% Nem Discordo 10% Concordo 0% Percentual Concordo FortementeA décima primeira questão relaciona-se com o conhecimento da real função doAlmoxarifado onde é questionado sobre .o local de guarda de materiais em uso pelaempresa Essa questão alcançou na região de concordância um percentual de 90%(noventa, enquanto na região de discordância alcançou um percentual de0%(ZERO), vale a pena registar o índice de neutralidade que foi de 10%(dez)..
  • 6312. Com relação as instalações existentes no Almoxarifado e a sua estrutura,as condições de iluminação, ventilação e temperatura são satisfatórias para operfeito acondicionamento dos materiais QUESTÃO 12Valor Escala Frequência. Percentual Índice Situação 1 Discordo Fortemente 5 50% 2 Discordo 4 40% 3 Nem concordo Nem discordo 1 10% Muito 1,6 4 Concordo 0 0% Insatisfatório 5 Concordo Fortemente 0 0%Total 10 100% Dis c ordo 50% F ortem ente 40% Dis c ordo 30% Nem c onc ordo 20% Nem Dis c ordo 10% Conc ordo 0% P erc entual Conc ordo F ortem enteA décima segunda questão relaciona-se com o as instalações existentes noAlmoxarifado e a sua estrutura. Essa questão alcançou na região de concordânciaum percentual de 0% (ZERO), enquanto na região de discordância alcançou umpercentual de 90%(noventa), já o índice de neutralidade que foi de 10%(dez).
  • 6413. Os materiais inflamáveis que por acaso existam no almoxarifado, precisamser armazenados em local seguro QUESTÃO 13Valor Escala Frequência. Percentual Índice Situação 1 Discordo Fortemente 0 0% 2 Discordo 0 0% 3 Nem concordo Nem discordo 0 0% 4,6 Satisfatório 4 Concordo 4 40% 5 Concordo Fortemente 6 60%Total 10 D is c ordo 60% F ortem ente 50% D is c ordo 40% 30% N em c onc ordo N em D is c ordo 20% C onc ordo 10% 0% P erc entual C onc ordo F ortem enteA décima terceira questão relaciona-se com o armazenamento de materiaisinflamáveis em local seguro. Essa questão alcançou na região de concordância umpercentual de 100% (cem),ou seja a totalidade do universo pesquisa, deixando asduas outras regiões: de discordância e neutralidade ambas com o índice de0%(ZERO).
  • 6514. O Sistema de armazenagem atual satisfaz as necessidades dos materiaisem uso QUESTÃO 14Valor Escala Frequência. Percentual Índice Situação 1 Discordo Fortemente 0 0% 2 Discordo 0 0% 3 Nem concordo Nem discordo 2 20% 4,1 Satisfatório 4 Concordo 5 50% 5 Concordo Fortemente 3 30%Total 10 100% Discordo 50% Fortemente 40% Discordo 30% Nem concordo 20% Nem Discordo 10% Concordo 0% Percentual Concordo FortementeA décima quarta questão relaciona-se com o sistema de armazenagem atualsatisfazendo as necessidades dos materiais em uso. Essa questão alcançou naregião de concordância um percentual de 80% (oitenta), enquanto na região dediscordância alcançou um percentual de 0%(ZERO, vale a pena registar o índice deneutralidade que foi de 20%(vinte).
  • 667. CONCLUSÃOCom a finalização desse estudo conclui-se uma total diferença ou até mesmo umadiscordância entre o que é exposto na teoria pelos os livros de Administração deMateriais com a prática encontrada na empresa.Situações adversas que impossibilitam o perfeito funcionamento, aliado aoconhecimento empírico e também pelo desconhecimento contribuem paraproblemas encontrados, e que muitas vezes são ignorados por uma falta deinteresse em retifica-los.A necessidade de mudanças é visível, mas para que essas ocorram se faznecessário uma total reestruturação da forma como se encontra o Almoxarifado,impondo novas regras e absorvendo o que a teoria sugere para uma corretaatividadeEm fim conclui-se que as questões levantadas foram respondidas e correspondendoaquilo que foi alvo da pesquisa, onde buscou-se comprar a prática aplicada naempresa com a teoria existente.
  • 678. RECOMENDAÇÕES E SUGESTÕESBaseando-se no estudo realizado na CEHAP direcionado ao Almoxarifado, edecorrente da comparação das técnicas e dados existentes com a literaturatrabalhada, seguem-se as possíveis recomendações e sugestões que poderão seradotadas pela organização Um reestruturação no Almoxarifado, para um total aproveitamento da área disponível, é aconselhado também a criação e definição de um lay-out optimizador, onde se faz o uso de todos os requisitos necessários para o seu perfeito funcionamento; Um treinamento dos funcionários do Almoxarifado, orientando sobre tudo que se faz necessário conhecer dentro da função do setor, mostrando a necessidade de saber fazer o certo, buscando a eficiência e eficácia do setor; A criação de novos códigos de materiais feita de maneira correta e bem orientada de modo a facilitar a localização e até mesmo o pedido de materiais junto ao Almoxarifado; Reformular a maneira de armazenagem dos materiais em uso, fazendo-se utilizar das normas corretas de armazenamento sempre observando as condições individuais de cada material; Aproveitamento de todo o espaço nas prateleiras, ou estantes onde estão acondicionados os materiais no Almoxarifado.
  • 689. REFERÊNCIASARAUJO, Jorge Sequeira. Almoxarifes e almoxarifados. Uma introdução àadministração de materiais. São Paulo, Atlas. 1971.BALLOU, Ronald H. Logística empresarial: transporte. Administração de materiais,distribuição física. São Paulo, Atlas. 1995.CHIAVENATO, Idalberto. Iniciação à administração de materiais. São Paulo.Makron, Mc Graw-Hill. 1991.DIAS, Marco Aurélio P. Administração de materiais. Uma Abordagem Logística SãoPaulo. Atlas, 4ª 1993.MARTINS, Petrônio Garcia & ALT. Paulo Renato. Administração de materiais erecursos patrimoniais. São Paulo. Saraiva.2000.MESSIAS, Sérgio Bolsonaro. Manual de administração de materiais: Planejamento econtrole dos estoques. São Paulo. Atas.1983.MOREIRA, Oscar Victorino. Administração de materiais Volume II. Rio de Janeiro,Impressa Nacional. 1967.MOURA, Reinaldo A. Armazenagem e distribuição física: São Paulo. IMAM.1997.
  • 69SANTOS Filho, Leônidas Quaresma dos. Administração de material: Inventáriosmétodo ABC, preservação inspeção. São Paulo. SIOGE. 1985.SILVA, Renaud B. da . Administração de materiais: Teoria e Prática Vol. 1. Rio deJaneiro .ABAN.1981.VIANA, João José. Administração de materiais: um enfoque prático. São Paulo :Editora Atlas, 2000.
  • APÊNDICES
  • 71 APÊNDICE I Questionário Aplicado na Companhia Estadual de Habitação Popular UFPB- Universidade Federal da Paraíba CCSA- Centro de Ciências Sociais Aplicadas DA- Departamento de Administração SESA- Serviço de Estágio Supervisionado em Administração CEHAP- Companhia Estadual de Habitação PopularEsta pesquisa é direcionada a pessoas que participam e estão ligadas aoAlmoxarifado da CEHAP- Companhia Estadual de Habitação Popular, e suaaplicação se destina como requisito básico ao trabalho de conclusão do curso dograu de Bacharel em Administração de Empresas pela UFPB. Você não precisa se identificar Antecipadamente agradeço sua colaboração1. É de conhecimento do seu o termo lay-out1)Discordo Fortemente 4)Concordo2)Discordo 5) Concordo Fortemente3)Nem concordo nem discordo2. A disposição física (lay-out) das estantes atende as necessidades do Almoxarifado1)Discordo Fortemente 4)Concordo2)Discordo 5) Concordo Fortemente3) Nem concordo nem discordo
  • 723. A inexistência de um lay-out em nada mudaria a rotina ou o trabalho do almoxarifado1)Discordo Fortemente 4)Concordo2)Discordo 5) Concordo Fortemente3) Nem concordo nem discordo4. A existência de corredores facilitaria o transporte dos materiais e por consequência aumentaria o espaço físico1)Discordo Fortemente 4)Concordo2)Discordo 5) Concordo Fortemente3) Nem concordo nem discordo5. Para você codificar material é atribuir tão somente um numero qualquer1)Discordo Fortemente 4)Concordo2)Discordo 5) Concordo Fortemente3) Nem concordo nem discordo6. É de seu conhecimento a existência de modelos de codificação de materiais1)Discordo Fortemente 4)Concordo2)Discordo 5) Concordo Fortemente3) Nem concordo nem discordo7. A existência de uma codificação sequencial e correta facilitaria o trabalho1)Discordo Fortemente 4)Concordo2)Discordo 5) Concordo Fortemente3)Nem concordo nem discordo8. Na sua opinião a forma como vem sendo realizada a codificação ocorre de maneira correta.1)Discordo Fortemente 4)Concordo2)Discordo 5)Concordo Fortemente3)Nem concordo nem discordo
  • 739. Há necessidade de modificar a área de armazenagem1)Discordo Fortemente 4)Concordo2)Discordo 5)Concordo Fortemente3)Nem concordo nem discordo10. Existe perspectiva de melhora nos métodos de estocagem1)Discordo Fortemente 4)Concordo2)Discordo 5)Concordo Fortemente3)Nem concordo nem discordo11. É sabido que o almoxarifado é local de guarda de materiais em uso pela empresa, com isso armazenar é "colocar" os materiais no almoxarifado1)Discordo Fortemente 4)Concordo2)Discordo 5) Concordo Fortemente3) Nem concordo nem discordo12. Com relação as instalações existentes no Almoxarifado e a sua estrutura, as condições de iluminação, ventilação e temperatura são satisfatórias para o perfeito acondicionamento dos materiais1)Discordo Fortemente 4)Concordo2)Discordo 5) Concordo Fortemente3) Nem concordo nem discordo13. Os materiais inflamáveis que por acaso existam no almoxarifado, precisam ser armazenados em local seguro1)Discordo Fortemente 4)Concordo2)Discordo 5) Concordo Fortemente3) Nem concordo nem discordo14. O Sistema de armazenagem atual satisfaz as necessidades dos materiais em uso1)Discordo Fortemente 4)Concordo2)Discordo 5) Concordo Fortemente3) Nem concordo nem discordo
  • 74 APÊNDICE II PERFIL ETÁRIO DA AMOSTRA Idade Frequência. Percentual 25 à 35 1 10% 35 à 40 2 20% 40 à 45 4 40% 45 à 50 3 30% Total 10 100% GRÁFICO ETÁRIO DA AMOSTRA40%30% 25 à 35 35 à 4020% 40 à 45 45 à 5010%0%
  • 75 APÊNDICE III PERFIL DO SEXO DA AMOSTRA Sexo Frequência. Percentual MASC 8 80% FEM 2 20% Total 10 100% GRÁFICO DO SEXO DA AMOSTRA80%60% MASCULINO40% FEMININO20%0%
  • 76 APÊNDICE IV PERFIL DO GRAU DE INTRUÇÃO DA AMOSTRA Instrução Frequência. Percentual 2º Completo 8 80%3º Incompleto 1 10% 3ºCompleto 1 10% Total 10 100% GRÁFICO DO NÍVEL DE INSTRUÇÃO DA AMOSTRA80%60% 2º Completo40% 3º Incompleto 3ºCompleto20%0%
  • 77 APÊNDICE V PERFIL DO CARGO DA AMOSTRA Cargo Frequência. Percentual Funcionário 8 80% Gerente 2 20% Total 10 100% GRÁFICO DO CARGO DA AMOSTRA80%60% Funcionário40% Gerente20%0%
  • ANEXOS
  • ORGANOGRAMA DO SETOR DE ALMOXARIFADO DA CEHAP DIRETORIA ADMINISTRATIVA GERÊNCIA DE ADMINISTRAÇÃO GERAL DIVISÃO DE MATERIAIS E PATRIMÔNIOSERVIÇO SERVIÇO DE DE COMPRASPATRIMÔNIO E ALMOXARIFADO
  • 76 CONSELHO ADMINISTRATIVO NUCLEO DE INFORMAÇÃO AO PUBLICO - NIP CONSULTORIA JURÍDICA COORDENADORIA DE INFORMÁTICA COORDENAÇÃO DE AÇÃO COMUNITÁRIA COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO ASSESSORIA DE IMPRENSA DIRETORIA ADMINISTRATIVA DIRETORIA FINANCEIRA GERÊNCIA C. GRANDE GERÊNCIA DE ADM. GERAL G. O. F G. O. I G. A. C GERÊNCIA DE ESTUDOS E GERÊNCIA PROJETOS DE OBRAS DIVISÃO DE COMERC. SERVIÇO DE E CADASTRO IMOBIL. COBRANÇA DIVISÃO DE DIVISÃO DE DIVISÃO DE DIVISÃO DE ADM DE MATERIAIS E SERVIÇOS TERRAS DIV. ADM. DE SERVIÇO DE SERVIÇO DE PESSOAL PATRIMONIO GERAIS CONTRATOS SEGURO COMERCIALIZAÇÃO DIVISÃO SERVIÇO DE LIMPEZA TÉCNICA DE SERVIÇO DE CADASTRO SERVIÇOSERVIÇO DE SERVIÇO DE CONSERV E VIG PROJETOS IMOBILIÁRIO AMORTIZAÇÃOPATRIMÔNIO COMPRAS LIQUIDAÇÃO E E ALMOXARIFADO SERVIÇO DE PROTOCOLO UTILIZAÇÃO SERVIÇO DE POSTAGEM DIVISÃO DE DIVISÃO DE CONTROLE CONTABILIDADE SERVIÇO DE TRANSPORTE TESOURARIA