Your SlideShare is downloading. ×
"Ao vencedor... lhe darei uma pedrinha branca"
"Ao vencedor... lhe darei uma pedrinha branca"
"Ao vencedor... lhe darei uma pedrinha branca"
"Ao vencedor... lhe darei uma pedrinha branca"
"Ao vencedor... lhe darei uma pedrinha branca"
"Ao vencedor... lhe darei uma pedrinha branca"
"Ao vencedor... lhe darei uma pedrinha branca"
"Ao vencedor... lhe darei uma pedrinha branca"
"Ao vencedor... lhe darei uma pedrinha branca"
"Ao vencedor... lhe darei uma pedrinha branca"
"Ao vencedor... lhe darei uma pedrinha branca"
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

"Ao vencedor... lhe darei uma pedrinha branca"

5,117

Published on

O plano de salvação em figuras muito ricas. …

O plano de salvação em figuras muito ricas.
Promesas bíblicas do Apocalipse. Quando estudamos a Bíblia temos que nos desprender de preconceitos e seguir certos princípios básicos para a sua interpretação. Quando se trata de profecias o cuidado tem que ser maior.

Published in: Spiritual
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
5,117
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
13
Actions
Shares
0
Downloads
37
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. 1 2Série figuras da salvaçãoT-2* ““Ao vencedor.....Ao vencedor..... Lhe darei uma pedrinhaLhe darei uma pedrinha brancabranca...”...” “Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas: Ao que vencer darei a comer do maná escondido, e dar-lhe-ei uma pedra branca, e na pedra um novo nome escrito, o qual ninguém conhece senão aquele que o recebe.” Versão Almeida Corrigida Fiel “Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas: Ao vencedor, dar-lhe-ei do maná escondido, bem como lhe darei uma pedrinha branca, e sobre essa pedrinha escrito um nome novo, o qual ninguém conhece, exceto aquele que o recebe.” Versão Almeida atualizada - VARA Apocalipse 2:17 – Vejamos algumas das versões em português. “Portanto, se vocês têm ouvidos para ouvir, então ouçam o que o Espírito de Deus diz às igrejas. “Aos que conseguirem a vitória eu darei do maná escondido. E a cada um deles darei uma pedra branca, na qual está escrito um nome novo que ninguém conhece, a não ser quem o recebe.” Nova Tradução na Linguagem de hoje. - BLH “Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às Igrejas: ao vencedor darei do maná escondido, e lhe darei também uma pedrinha branca, uma pedrinha na qual está escrito um nome novo, que ninguém conhece, exceto aquele que o recebe.” Versão Bíblia de Jerusalém. - BJ “Aquele que tem ouvidos ouça o que o Espírito diz às igrejas. Ao vencedor darei do maná escondido. Também lhe darei uma pedra branca com um novo nome nela inscrito, conhecido apenas por aquele que o recebe. Nova versão Internacional” - NVI
  • 2. 3 4Introdução: Quando estudamos a Bíblia temos que nos desprender de preconceitos e seguir certos princípios básicos para a sua interpretação. Quando se trata de profecias o cuidado tem que ser maior. No curso bíblico da nossa autoria, destacamos 5 destes princípios básicos, confira em: http://www.novocbic.blogspot.com.br/ Para este estudo em particular, destaca-se este: Devemos ter em conta a linguagem utilizada na profecia, que orienta sobre o caminho que devemos seguir. Veja no quadro : Traduzindo em palavras: Conhecer a linguagem profética da Bíblia, é um princípio que devemos conhecer bem: I - As escrituras apresentam Promessas da parte de Deus que apontam para um cumprimento de promessas, reveladas na própria Bíblia. II - Nas escrituras achamos Profecias que apontam para um cumprimento das profecias confirmadas nas próprias Escrituras. III - Na Bíblia são utilizadas inúmeras Figuras, tipos, sombras ou símbolos que apontam para realidades mostradas na Bíblia. - O que confirma o princípio fundamental que fala da auto interpretação, a Bíblia se interpreta a si mesma. O texto proposto é do livro do Apocalipse O Apocalipse apresenta ao longo de sua mensagem quatro grandes blocos temáticos compostos por sete itens, são eles: as sete igrejas, os sete selos, as sete trombetas e as sete pragas. A análise destes blocos apresenta informações extraordinárias quanto ao passado, presente e o futuro do mundo, portanto não deve ser negligenciada. Os eruditos bíblicos admitem que as cartas escritas às sete igrejas possuem tripla aplicação: 1 – Para os dias do apóstolo João. 2 – Para os cristãos e igrejas de todos os tempos. 3 – E para os períodos históricos da igreja cristã. As 7 igrejas que recebem as cartas enviadas por Jesus estavam localizadas na Ásia menor, atual Turquia. O Profeta tinha 85 anos quando foi abandonado na ilha de Patmos pelo imperador romano Domiciano. Abordamos um dos detalhes expostos entre os elementos que compõem o primeiro dos grandes blocos: as sete igrejas. “Achei-me em Espírito (visão), no dia do Senhor, e ouvi por detrás de mim, grande voz, como de trombeta, dizendo O que vês escreve em livro e manda às sete igrejas: Éfeso, Esmirna, Pérgamo, Tiatira, Sardes, Filadélfia e Laodicéia”. Apocalipse 1:10-12
  • 3. 5 6“Quanto ao mistério das sete estrelas que viste na minha mão direita e aos sete candeeiros de ouro, as sete estrelas são os anjos das sete igrejas, e os sete candeeiros são as sete igrejas”. Apoc.1:20 A abundância do número sete sugere um uso simbólico. Além disso, o fato de que nessa região havia mais de sete igrejas, sugere a ideia de que foram escolhidas devido a suas características como símbolos proféticos, de sete períodos específicos da igreja cristã. E é obvio que a igreja era uma só, não se trata de denominações. Assim podemos afirmar que o uso de figuras ou símbolos, é comum a toda a revelação do livro. O nome de Cada cidade indica a sua característica como cidade e religiosidade. E a cada Igreja Jesus faz: Elogio Reprovação Conselho Promessa Resumo do contexto: Pérgamo significa "cidadela"; ela estava localizada no cume de uma montanha. Essa esplêndida cidade era conhecida por seus muitos templos pagãos e uma grande biblioteca com cerca de 200.000 rolos (livros). Foi ali que apareceram os famosos pergaminhos, os primeiros livros em forma rolos ou códices. Pérgamo instituiu o primeiro culto de adoração a um imperador vivo (29 a.C.). Eis por que ela é referida como o lugar "onde Satanás tem seu trono". Pérgamo se orgulhava por ser a capital da Ásia e por ter muita cultura e uma corte que julgava os prisioneiros com severidade. Era o centro das religiões místicas orientais vindas de Babilônia. Tinha muitos templos pagãos. Elogio: Antipas era o provável líder ou Pastor da Igreja. Ele foi queimado no ventre de um bezerro de latão aquecido até ficar incandescente. Mas, “Conserva o meu nome e não negaste a minha fé”. Apoc. 2:13 Reprovação: “Tenho contra ti algumas coisas, tens aí os que sustentam a doutrina de Balaão… Também tu tens os que da mesma forma sustentam a doutrina dos nicolaítas”. Enquanto a Igreja de Éfeso “odiava as obras dos nicolaítas” (2:6), a Igreja de Pérgamo “sustentava a doutrina” deles. (Não acreditavam na divindade de Cristo e praticavam as obras da carne). Conselho: “Arrepende-te” Apoc. 2:16 Promessa: “Ao vencedor, dar-lhe-ei do maná escondido, bem como uma pedrinha branca, e sobre essa pedrinha escrito um nome novo, o qual ninguém conhece, exceto aquele que o recebe”. Apoc. 2:17 >>> Pérgamo representa o terceiro período do cristianismo, quando no império romano se estabelece um papa para liderar todas as igrejas cristãs. Nesse período muitas falsas doutrinas invadiram o cristianismo. Entre elas a guarda do domingo. PÉRGAMO - 313-538 d.C. No nosso estudo, abordaremos um detalhe da promessa feita à igreja em Pérgamo: “Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas: Ao que vencer darei a comer do maná escondido, e dar-lhe-ei uma pedra branca, e na pedra um novo nome escrito, o qual ninguém conhece senão aquele que o recebe.” - Versão Almeida Corrigida Fiel
  • 4. 7 8 Falando em pedras: Talvez você que já viu e utilizou pedras, elas estão por ali, grandes, pequenas, escuras, coloridas, transparentes, feias ou belas. Moles ou duras, foscas ou brilhantes, leves ou pesadas. Valiosas ou sem valor. É assim mesmo, não é verdade? Nas terras bíblicas, lá no oriente, as pedras são abundantes e elas desempenham um papel muito importante no dia a dia do povo. Se diz que a Palestina é um pais de pedras. PEDRAS: -Nos tempos bíblicos, nas guerras , eram lançadas com fundas e catapultas. -Pedras fechavam poços, cisternas e sepulcros. -Marcavam fronteiras, limites ou divisas de propriedade. -Pedras nas construções desde o alicerce e pavimentos. -Pedras utilizadas para moer o trigo e outros cereais. -Se friccionavam pedras para obter fogo. Do ponto de vista religioso -Pedras eram transformadas em deuses ou imagens. Na Própria Bíblia -Jacó utilizou uma pedra como travesseiro. -Altares eram levantados com pedras. -Pedras eram lançadas contra o pecador. -Um cutelo de pedra era utilizado para praticar a circuncisão. -Os dez mandamentos foram escritos pelo dedo de Deus duas vezes em tábuas de pedra. -.Deus fez sair água da pedra para saciar a sede de seu povo sedento no deserto. - Para o salmista, o próprio Deus é Pedra ou rocha de refúgio. -E para Pedro Jesus é pedra angular e pedra rejeitada pelos homens. E há numerosos outros usos com significado teológicos. Voltando ao nosso texto: Apoc. 2:17 Nosso texto como já vemos, é um trecho interessante da carta que Jesus mandou ao anjo à igreja. Convém não perder de vista o contexto; vem tratando da luta contra Satanás e seus aliados: os nicolaítas e os adeptos da corrente de Balaão. A batalha é tremenda, mas há possibilidades de vitória, da vitória das armas espirituais. Jesus estimula, neste sentido, com duas promessas: a do maná escondido, referindo-se ao caso do que do que foi guardado no tabernáculo. (Êxodo 16:34); e a de uma pedra branca, portadora de um certo nome. Uma pedra ou uma pedrinha? É importante, ter em conta aqui, antes de mais nada, a tradução da palavra original, traduzida do grego por pedra ou pedrinha. E é por esse motivo que, no início destacamos algumas das traduções mais utilizadas em português.
  • 5. 9 10 Notemos, primeiro, o uso de uma pedrinha nos dias antigos. Uma pesquisa minuciosa revela que era usada uma pedrinha para diversos fins. Vejamos exemplos: 1º - Nas eleições. Cada eleitor, na Grécia, por exemplo, levava sua pedrinha branca, como se fosse a cédula, com o nome do candidato escrito nela; e, no momento oportuno, a lançava na urna designada para tal fim. Este não seria, entretanto, o caso do texto, porque não se trata de eleição. O máximo que poderia indicar, seria, em sentido simbólico, o fato de ser o vencedor, eleito em Jesus. 2º - Nos julgamentos. Ante os tribunais, quando os juízes de fato queriam condenar o criminoso, se serviam de uma pedrinha preta; e, quando absolver, lançavam mão de uma pedrinha branca. Era qualquer coisa do que se usa no tribunal do júri. Modo que prevaleceu nos julgamentos do Império romano e que se tem como certo, pelo que sê em Atos dos apóstolos. Como exemplo temos relato de Paulo: "... também dei o meu voto (Grego: Psêephon), contra eles, e quando os matavam" Atos 26:10 Isto ele diz sobre as perseguições movidas contra os crentes, "os do Caminho”, nome dado aos primeiros cristãos. Atos 19:9 Aí diz que deu sua pedrinha preta, já se vê, porque representava seu voto para condenar a morte. No uso para julgamento, iria bem, muito bem, a pedrinha prometida do texto, pedrinha branca, de absolvição no Supremo Tribunal Divino, no juízo final. II cor. 5:10 3º - Nos jogos. Costumava-se dar ao vencedor dos jogos olímpicos, uma pedrinha branca, símbolo da vitória, com o nome do vencedor. Tal pedrinha era a senha (téssera*), com o nome do seu portador; e lhe outorgava direitos à honras e privilégios, quando regressava à sua cidade e residência. * Gr. Téssera: Peça de pedra, osso ou marfim (dado, tabuinha etc.) que servia de senha entre os antigos romanos. Não é nem “litos”, nem “petros”, nem “petra”, palavras estas que poderiam ser traduzidas, em sentido geral, por pedra. >>> No grego é "psêephon", que significa: seixo, pedra miúda ou pedrinha. Esse é o nosso assunto: Uma pedrinha branca.
  • 6. 11 12Neste sentido, vai bem a pedrinha branca do texto. Assegura privilégios na Grande Pátria dos remidos. Trajam-se ai, de vestes brancas, vestes alvas, indumentária da pureza e santidade; trazem palmas nas mãos, as palmas da vitória suprema, da vitória do bem sobre o mal, vitória de Cristo, por Cristo e para Cristo; têm acesso à presença do Rei dos reis e Senhor dos senhores, onde o servem com a maior felicidade, são bem- aventurados! Atos 7: 9 a 17 Lembra, este aspecto do assunto, que o cristão é atleta da carreira da fé uma vez dada aos santos; e, como tal, sendo vencedor com a graça de Deus, tem direito ao prêmio da pedrinha branca: "Não sabeis - pergunta Paulo - "que os que correm no estádio, , correm, na verdade, todos, mas um só é que recebe o prêmio? Correi de tal modo, que o alcanceis. Todos os atletas se moderam em tudo: aqueles, com efeito, para receberem coroa corruptível, mas nós, uma incorruptível" I Cor. 9:24 a 25 E é verdade, que há aqui uma grande diferença, todos podem ser vencedores! 4º - Nos banquetes. A pedrinha branca com o nome do portador, servia de ingresso nos banquetes, como hoje os convites para festas, banquetes e reuniões especiais. Dará nesse sentido, a pedrinha branca, ingresso à grande festa das Bodas do Cordeiro. Apoc. 19:7 a 9 São estes os diversos usos da pedrinha branca da promessa em apreço, com as suas aplicações. Vejamos agora o sentido do nome escrito na pedrinha. A palavra hebraica traduzida para nome, significa originalmente "prova" ou "sinal", de modo que é um sinal, prova ou descrição da pessoa que o usava.* Tendo em conta que um dos pontos essenciais para conhecer e familiarizar-se com uma pessoa é aprender o seu nome; o nome profético na Bíblia representa "a pessoa que o carrega", não é uma mera etiqueta. De modo que o nome (ou nomes) que uma pessoa recebe na profecia bíblica é na verdade um adjetivo, que diz alguma coisa da pessoa, ou `"do que é", "do que faz" ou revelação do seu caráter. Para os autores bíblicos, o “nome” é mais que uma combinação de letras, ele representa a própria essência da pessoa que o carrega. Nota: * É assim também a crenças entre as nações vizinhas do povo Hebraico, como no Egito e Babilônia. Enciclopédia de la Bíblia – Edições Garriga, S.A – Barcelona. Vol. I - Pag. 547
  • 7. 13 14 Veja que o pecado dos construtores da grande torre de Babel, diziam: – “... façamo-nos um nome” Gên. 11:4 – não era simplesmente construir um prédio ou torre muito alta, mas glorificar a si mesmo, por meio de um nome célebre Como exemplo, quando dizemos que o nome de Jesus salva ou que todo joelho se prostrará a seu Nome, estamos falando do próprio Cristo, não apenas de uma combinação de letras. O nome que o anjo diz receberia é Jesus (“Yeshua”) e diz o porquê: “... porque Ele salvará o seu povo dos pecados deles” Mat. 1:21 “Yeshua” é um termo de raiz hebraica que significa “salvar” ou "salvação". Dar um nome. Além disso, dar o nome a alguém simboliza a autoridade que se tem sobre essa pessoa. Como exemplos: Adão deu nome aos animais como parte de seu chamado de mordomo da Criação. Gên. 2:19 Da mesma forma, ele deu o nome de sua esposa – Eva. Ele fez isso, em Gn 3.20, com a autoridade de marido, não porque a mulher estava na mesma categoria do resto da criação. Outras considerações esclarecedoras: Em forma geral o nome disse, na Bíblia, a respeito do caráter da pessoa, fama, celebridade, reputação e é na verdade mais importante do que a pedrinha. Ex. 1 – O próprio Deus e o messias, recebem nas escrituras muitos nomes e cada um tem seu significado profético. Ex. 2 - O inimigo também recebe muitos nomes. Cada um dizendo do seu caráter. Ex. 3 – Em I Sam.25:25, Abigail afirma que seu marido Nabal é o que seu nome indica: Tolo ou Néscio. Ex. 4 – Em Gênesis 27:36, Esaú disse que o nome do seu irmão é Jacó (Suplantador, enganador), pois “... por duas vezes me enganou...” Mudança de nome. Em nosso texto, por que a mudança de nome? Mudança de nome na Bíblia significa mudança na realidade do ser. Veja biblicamente muitos já mudaram de nome devido a acontecimentos especiais que mudaram seu destino. Ex. 1 – Abrão para Abraão. Ex. 2 – Jacó passou a chamar-se Israel. Ex. 3 - Simão para Cefas (Pedro).
  • 8. 15 16 Lendo o que diz Paulo, falando dos que forem salvos na volta de Cristo, em I Cor. 15:51 e 52. : v.51 - “... Transformados seremos todos” v.52 – “...num abrir e fechar de olhos seremos todos transformados...” Uma nova criação, um novo ser, necessita de um novo nome, nome que represente o seu caráter transformado à semelhança do de Jesus. Assim o diz João: “Amados, agora, somos filhos de Deus, e ainda não se manifestou o que haveremos de ser. Sabemos que, quando ele se manifestar, seremos semelhantes a Ele, ...” I João 3:2 >>> Trata-se da glorificação. O último estágio do plano de salvação, a completa restauração da humanidade. Porém, isto só é válido para quem crê (tem fé) e aceita Jesus como o seu salvador pessoal e se submete a Deus, para que faça a Sua obra de restauração. “Um nome que ninguém sabe” “Um nome que ninguém sabe” ou “que ninguém conhece, senão o que o recebe” Um nome secreto? O segredo aguça a curiosidade de qualquer um! Então parece lícito pensar que Jesus ocultando o Novo nome, deseja provar a curiosidade dos lutadores na arena deste mundo contra o mal, estimulando-os à perseverança, à persistência, para que não interrompamos a obra de Deus em nós. Na verdade o caráter restaurado “à imagem e semelhança de Deus”, só é possível, na volta de Cristo. Devemos aceitar Apocalipse 2:17, literalmente?* A mensagem: Jesus voltará e dará a nós a vitória final, que será premiada com “a pedrinha branca e o novo nome”. Símbolos da restauração plena do nosso ser. Cristo quer vencedores e não vencidos! Amem!
  • 9. 17 18 Esta mensagem do Apocalipse está fundamentada na mensagem central da palavra de Deus, o plano de salvação. O Senhor tem muitas maneiras de revelar tudo o concernente ao plano, o fez em forma progressiva e para isso utilizou figuras extraordinárias!! Podemos compactar o plano, em palavras simples, mais o menos assim: 1 - O homem foi criado por Deus, para obediência, é a mensagem de Gên. 2:16 e 17 2 – E o homem tinha a capacidade de obedecer, caráter perfeito, criado à “imagem e semelhança de Deus” Gên. 1:26 – Hebreus 2: 6 e 7 3 – Mas, entrou o pecado e pecado na sua primeira definição é desobediência. Gên. 3. Isto é: Daí em diante o homem perdeu a capacidade de obedecer, assim nascemos a “a imagem e semelhança de Adão”, Gên. 5:3 O que trouxe como consequência a morte, Gên. 2:17 e Gên. 3:19. 4 - Então o criador começa a revelar o seu plano, por iniciativa Sua e pelo Seu amor pela raça caída, de como vai resgatar e restaurar a capacidade de obediência no homem. a)Primeiro entrega a Lei dos dez mandamentos, que servem para pôr em evidência a desobediência. Como diz Paulo: “ Sobreveio a Lei para que avultasse a ofensa, (desobediência ou pecado)...” Rom. 5:20* b)Depois estabelece a Lei cerimonial, que tinha como fundamento, mostrar a gravidade da desobediência, na qual o cordeiro inocente morto e todos os serviços apontam o Salvador. Nota: Fica claro o que diz Paulo no texto anterior, a Lei inclui toda a revelação dos cinco livros de Moisés, inclusive a Lei cerimonial. 6 – Então veio a “CRUZ”, ali o verdadeiro cordeiro é morto, como dizia a profecia (Isaías 53: 1 a 11), O substituto leva sobre si o castigo. Na cruz começa a ser resolvido o problema: Recuperar a capacidade de obedecer e tudo “pela obediência de um só”, Cristo. Rom. 5:19 E este ato, estava previsto, “ Justificará a muitos...”, isto é: A todo o que crer. Veja agora, a salvação é uma só, mas inclui dois aspectos, o que Deus fez em nosso favor na pessoa de Cristo e o que Deus faz no crente. O primeiro aspecto, garantido pela obediência de Cristo, aceito pela fé, garante o segundo, se crê e se há entrega. É ali onde começa a obra de Deus para recuperar a capacidade de obedecer no homem. Na Bíblia a obediência é fruto da salvação. Confira: Ezequiel 36:27 - Efésios 2:8 a 10 - I Pedro 1:2 Examine o quadro: Como pode ver a passagem em estudo, nos leva : A santificação – o seu significado, o alcance, natureza prática, duração, valor, necessidade, a sua fonte divina, o fator humano, os seus meios, efeitos e padrão. Conclusão: Agora queridos leitores cabe a cada um, ter presente o verdadeiro plano de salvação apresentado na palavra de Deus. Vamos fazer uma revisão:
  • 10. Adaptado por: Prof. Ramón Zazatt Atualizado em 08/09/2013 19 20 Novo Curso Bíblico Ideal Cristão Online: http://novocbic.blogspot.com.br/ Recomendamos fazer o Novo Curso Bíblico Ideal Cristão, de nossa autoria, para mais detalhes do plano da salvação. Chegamos ao cerne da questão, a mola mestra da existência cristã: a questão da justificação pela fé. Aqui está o coração pulsante da revelação bíblica e toda verdadeira religião bíblica. Repito sempre : 1- Justifica os próprios atos de Deus, Ele não podia levantar a pena, alguém deveria pagar. Ele é justo e justificador. Estava em jogo o seu caráter. 2 - E justifica o que crê, é a única justificativa válida que pode ser apresentada , para Deus executar a sua obra. Não poderia efetuar o principal o mais importante do Seu ponto de vista: Restaurar ou criar de novo. A santificação está enraizada na justificação, na verdade é a graça que faz mudar o coração do pecador e esta é a coisa mais importante que Deus pode fazer no processo da salvação. E esta é a finalidade do plano de salvação, mostrar o perfeito caráter de Deus e restaurar o caráter do ser humano, a sua imagem e semelhança. Isto é recuperar a glória perdida. Rom. 3:23 Este é o significado da “Pedrinha branca com o novo nome” http://www.homerzatt.blogspot.com.br/ Recomende e Veja outros temas escolhidos em: Homerzatt - Princípios teológicos básicos. Gostou? Referências: 1- Tomado como base: Sermão: “Pedrinha branca” de PEREIRA JUNIOR, FRANCISCO AUGUSTO. Sermonario Evangelico. 2. ed. Pg. 139 - CIA.Brasil Editora, 231 p. ISBN Veja também:

×