2C26_Cubismo_Museu Lasar Segall_2011

3,491 views
3,391 views

Published on

Cubismo e Museu Lasar Segall.

Published in: Education
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
3,491
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
6
Actions
Shares
0
Downloads
68
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

2C26_Cubismo_Museu Lasar Segall_2011

  1. 2. O Cubismo tem seu surgimento no século XX e é considerado o mais influente deste período . O Cubismo surgiu com Braque e Picasso em Paris, onde um grupo de jovens pintores logo aderiram ao movimento. Esses artistas se basearam nos trabalhos de Cézanne e tentaram recriar a relação entre espaço e volume das formas, se opondo aos valores predominantes do Impressionismo.
  2. 3. Paul Cézanne foi um pintor pós-impressionista francês e pode ser considerado como a ponte entre o impressionismo do final do século XIX e o cubismo do início do século XX. A frase atribuída a Picasso, de que Cézanne "é o pai de todos nós" , deve ser levada em conta. Cézanne, em seus trabalhos, representava sensações da realidade dentro de uma arquitetura harmoniosa, o foco principal estava em destacar o volume e não o traço. A maioria dos Cubistas, porém, se preocupavam mais com a forma geométrica.
  3. 4. O marco inicial do Cubismo ocorreu em Paris, em 1907, com a tela Les Demoiselles d''Avignon, pintura que Pablo Picasso levou um ano para finalizar. Nesta obra, este grande artista espanhol retratou a nudez feminina de uma forma inusitada, onde as formas reais, naturalmente arredondadas, deram espaço a figuras geométricas perfeitamente trabalhadas.
  4. 5. Tanto nas obras de Picasso, quanto nas pinturas de outros artistas que seguiam esta nova tendência, como, por exemplo, o ex-fauvista francês – Georges Braque – há uma forte influência das esculturas africanas e também pelas últimas pinturas do pós-impressionista francês Paul Cézanne, que retratava a natureza através de formas bem próximas as geométricas. 
  5. 6. Cubismo Analítico - (1909) caracterizado pela desestruturação da obra em todos os seus elementos. Decompondo a obra em partes, o artista registra todos os seus elementos em planos sucessivos e superpostos, procurando a visão total da figura, examinado-a em todos os ângulos no mesmo instante, através da fragmentação dela. Essa fragmentação dos seres foi tão grande, que se tornou impossível o reconhecimento de qualquer figura nas pinturas cubistas. A cor se reduz aos tons de castanho, cinza e bege.
  6. 7. Christine Hofpengart
  7. 8. Cubismo Sintético - (1911) reagindo à excessiva fragmentação dos objetos e à destruição de sua estrutura. Basicamente, essa tendência procurou tornar as figuras novamente reconhecíveis.  Também chamado de Colagem porque introduz letras, palavras, números, pedaços de madeira, vidro, metal e até objetos inteiros nas pinturas. Essa inovação pode ser explicada pela intenção dos artistas em criar efeitos plásticos e de ultrapassar os limites das sensações visuais que a pintura sugere, despertando também no observador as sensações táteis.
  8. 9.   Naturaleza Muerta con Naipes (1913/Braque) Naturaleza muerta con copa y fruta (1912/Picasso)
  9. 10. geometrização das formas e volumes renúncia à perspectiva o claro-escuro perde sua função representação do volume colorido sobre superfícies planas sensação de pintura escultórica cores austeras, do branco ao negro passando pelo cinza, por um ocre apagado ou um castanho suave  
  10. 11. Somente após a Semana de Arte Moderna de 1922 o movimento cubista ganhou terreno no Brasil. Mesmo assim, não encontramos artistas com características exclusivamente cubistas em nosso país. Muitos pintores brasileiros foram influenciados pelo movimento e apresentaram características do cubismo em suas obras. Neste sentido, podemos citar os seguintes artistas: Tarsila do Amaral, Anita Malfatti, Rego Monteiro e Di Cavalcanti.
  11. 12. Pablo Picasso (1881-1973)conhecido como um dos maiores pintores do mundo .
  12. 13. Georges Braque (1882-1963, 81 anos) Foi um pintor e escultor .
  13. 15. <ul><li>Criado com o objetivo de reunir, documentar, estudar, conservar e divulgar a obra do pintor russo naturalizado brasileiro (1891-1957), o museu está situado à Rua Berta, 111, em São Paulo, e instalado na antiga casa e ateliê de Segall. </li></ul>
  14. 16. <ul><li>Em 1985, foi incorporado à Fundação Nacional Pró-Memória , integrando hoje, o Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), vinculado ao Ministério da Cultura, como unidade especial. Em seu acervo constam cerca de três mil trabalhos do artista, doados por seus filhos. </li></ul>
  15. 17. <ul><li>Funcionando hoje numa área total de 1.400 metros quadrados, no cruzamento das ruas Afonso Celso e Berta, em conjunto reformado de três casas da vila de Warchavchik, o Museu Lasar Segall mantém um ar de ateliê e residência. </li></ul>
  16. 18. <ul><li>Em virtude de seu crescimento e das dificuldades financeiras para a manutenção do acervo e demais atividades, em 1985 a instituição é incorporada à antiga Fundação Pró-Memória, hoje Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - Ipahn do Ministério da Cultura. </li></ul>
  17. 21. <ul><li>2C26 / 2011 </li></ul><ul><li>Adriel </li></ul><ul><li>Vitor C. </li></ul><ul><li>Vitor Z. </li></ul>

×