• Like
Os Romanos na Península Ibérica
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
No Downloads

Views

Total Views
46,629
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
8

Actions

Shares
Downloads
732
Comments
1
Likes
6

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. 4 - Os Romanos na Península Ibérica
  • 2. A Conquista da Península Ibérica
    • Os Romanos , habitantes da Península Itálica, chegaram no séc. III a.C. à Península Ibérica ou Hispânia, como então se chamava a estas terras, através do Mediterrâneo .
    • Rapidamente, ocuparam quase sem resistência a região sul, onde já anteriormente fenícios, gregos e cartagineses tinham estabelecido no litoral alguns portos comerciais.
  • 3. A Resistência
    • À ocupação romana da península opuseram-se, sobretudo, algumas tribos que habitavam as regiões mais montanhosas, de mais fácil defesa e de mais difícil acesso e ocupação:
    • a norte, os Galaicos de origem celta e na região centro, os Lusitanos , tribo de Celtiberos que teve em Viriato o seu mais célebre líder.
  • 4.
    • Estas tribos aproveitavam as montanhas, o conhecimento que tinham dos desfiladeiros e ravinas para montarem armadilhas e emboscadas às legiões romanas .
    • Outras vezes surgiam, saltando das árvores, e de surpresa, atacavam rapidamente, fugindo de seguida.
    • Desta forma impediram durante 200 anos o domínio completo da Península pelos Romanos.
  • 5. Nesses tempos de resistência, distinguiu-se entre os chefes das tribos lusitanas um pastor proprietário de terras e gado chamado Viriato, que durante anos. tornou inexpugnável aos romanos uma região compreendida entre o Tejo e o sudoeste da Península. Territórios, hoje em dia, sobretudo portugueses, mas também espanhóis. Mas se a primitiva Lusitânia não pode ser, de facto, confundida territorialmente com a génese de Portugal faz , sem dúvida, parte dela. Tal como Viriato, que portugueses e espanhóis mitificaram e elegeram como herói nacional, durante o salazarismo e o franquismo, em pleno delírio nacionalista, faz parte da História dos dois países.
  • 6.
    • Se procuramos uma primordial identidade territorial e cultural ,ela encontra-se mais na Lusitânia romana e na sua civilização do que na Lusitânia celtibera.
    • Geograficamente compreendida entre o douro e sudoeste peninsular, a Lusitânia romana confundia-se em grande parte com o actual território português apesar de invadir também algumas regiões hoje espanholas.
  • 7.
    • E apesar de todo o fervor nacionalista, em torno dos Lusitanos e da figura de Viriato, de que se alimentaram os regimes autoritários em Portugal e Espanha na época de todos os fascismos, somos muito mais devedores da herança romana e muçulmana que da herança celta.
    • Não só porque estes se estabeleceram no nosso actual território durante mais tempo mas sobretudo pela superioridade da sua cultura e pela influencia que sobre nós exerceram e continuam a exercer.
  • 8.
    • Somos, para concluir, o resultado do cruzamento de diferentes povos e civilizações. Iberos, Celtas, Romanos , Judeus e Árabes .que em diferentes alturas se estabeleceram na Península Ibérica e influenciaram , ao longo do tempo , o nosso modo de vida . Os Celtas estiveram cá mas somos sem dúvida mais Mediterrânicos .
    • E finalmente corre-nos ainda no sangue um pouco da Africa da Ásia e da América que colonizamos .
    • Falar de uma raça Lusitana ou Portuguesa é pois historicamente um disparate.
    Estatueta Celta Ruínas de Conímbriga Astrolábio Árabe
  • 9.
    • Com o assassinato de Viriato , morto pelos seus próprios homens a soldo de Roma, de acordo com o mito, anunciava-se o domínio completo da Península Ibérica pelos Romanos ainda antes do séc. I d.C.
    • Novas teses, defendidas por historiadores espanhóis, dão-nos, no entanto, de Viriato e da sua morte um retrato bem diferente.
    • Viriato teria, nesta nova versão da História, sido morto não por traidores, mas por resistentes lusitanos que teriam descoberto que este se tinha vendido a Roma, em troca de terras no litoral já romanizado, prometendo sabotar ou afrouxar a resistência dos Lusitanos…
  • 10.
    • Curiosamente, será Sertório, um general romano dissidente que procurava na Península a ajuda das” tribos bárbaras” para combater Roma, que assegurará nos próximos tempos o comando da resistência Lusitana.
    • Encurralada nas montanhas, cercada cada vez mais de perto pelas regiões e populações romanizadas e, lentamente esgotada ou seduzida pelos novos costumes, a resistência vai - se esbatendo em toda a Península até desaparecer sem grande barulho.
  • 11.
    • Recorrendo a um forte e disciplinado exército , espalhando pelas regiões ocupadas uma civilização que a todos prometia maiores confortos e vantagens, em pouco tempo, os Romanos dominavam grande parte dos territórios que se estendiam à volta do Mediterrâneo.
    • E por isso o chamaram de Mare Nostrum,( O nosso mar).
  • 12.
    • Este vasto império com capital em Roma e cuja figura máxima era o imperador , assegurava aos Romanos o domínio de todo o comércio mediterrânico, o acesso à mão-de-obra escrava e às matérias-primas de que necessitavam.
  • 13.
    • Mesmo antes de pacificada a Península , os Romanos transportavam para os territórios ocupados não apenas as suas legiões e equipamentos, mas também a sua mentalidade e modo de vida
    • A este processo chamamos Romanização e foi, na maior parte dos casos, pacificamente aceite.
    • Viver “à romano” era para os habitantes locais uma aspiração, e não algo a recear.
  • 14.  
  • 15.
    • As estradas, pontes, construções variadas, o latim , o sistema numérico, as leis, a religião, os divertimentos e a cultura, em geral, aproximavam cidades e populações de origem e costumes muito diferentes.
    • Os Romanos eram politeístas . Adoravam vários deuses, protectores dos vários aspectos da vida quotidiana e da natureza.
    • No entanto, eram tolerantes. Desde que os impostos fossem pagos e as leis romanas cumpridas, as populações ocupadas podiam praticar livremente os seus cultos em privado.
  • 16.
    • A edificação das cidades romanas obedecia a um plano. Um plano divino.
    • Confiadas à protecção dos deuses, só se construíam depois de sacralizadas pelos augures (adivinhos) através da “leitura” das vísceras de um animal.
    • Assim se consagrava o sítio escolhido, que desta forma, passava a estar sobre a protecção dos Deuses.
    CERIMÓNIA DE AUGURES
  • 17. A sua área era delimitada por dois eixos que se cruzavam: O Cardus e o Decomanus. que determinavam a forma rectangular, sempre repetida das cidades romanas. Depois erguiam-se os edifícios do costume: As Basílicas, os Templos, os Pórticos que circundavam o centro - o Fórum - o lugar onde tudo acontecia… FÓRUM ROMANO PLANTA DA ROMA IMPERIAL
  • 18.
    • No “Fórum “ , a Praça pública, os cidadãos sabiam das novidades, ouviam os discursos de místicos, políticos e filósofos, faziam compras nas lojas que os pórticos abrigavam, frequentavam os templos, ou simplesmente conviviam.
    • Nos teatros de forma semi - circular, representavam-se cenas da sua Mitologia e Religião. Todos os actores usavam máscaras que representavam os personagens que interpretavam:
    • Deuses, Heróis, Demónios e outras personagens lendárias.
  • 19.
    • As termas ou balneários públicos, e a prática do desporto garantiam a higiene e saúde da população livre. No meio de tanto divertimento, o trabalho era, principalmente, assegurado por servos e escravos que não gozavam destes privilégios.
  • 20.
    • Nos limites das maiores cidades , em área não sacralizada, situavam-se os Coliseus e Hipódromos, edifícios destinados às práticas e diversões mais violentas que implicavam o derramamento de sangue.
  • 21.
    • As cidades feitas à imagem de Roma competiam entre si na grandiosidade dos edifícios públicos . Os coliseus, os templos, as estátuas, as fontes e as termas sobressaíam das ruas ladeadas de casas de vários andares ( as insulae ) onde residia a população mais pobre.
    • Estas construções monumentais ladeavam o fórum ou praça pública, e a sua grandeza era a medida da importância da cidade.
  • 22.
    • No entanto, a arte romana com toda a sua monumentalidade, dominada pela busca matemática da harmonia e da perfeição das formas, era também estruturalmente muito repetitiva, rígida e, sobretudo, sem qualquer originalidade.
    • De facto, a arte, a religião e a cultura romana, em geral, reproduziam quase fielmente, os princípios e os modelos sociais e culturais, em torno dos quais, séculos atrás, os Gregos construíram a mais pujante e avançada civilização do seu tempo: a Civilização Helénica.
    • Estas semelhanças uniram culturalmente, estas duas civilizações numa mesma designação: Civilização Greco-Romana.
  • 23.
    • No campo, dividiram a propriedade em villas rústicas .
    • Fizeram trabalhar a terra por escravos, introduziram novos produtos agrícolas ( vinho, azeite e trigo ), novos materiais de construção ( a telha ) e exploraram novas minas.
    • Desenvolveram ainda algumas indústrias como a salga do peixe, a olaria e a tecelagem.
    • Também a construção naval e a pesca beneficiaram dos seus contributos.
    • Os grandes proprietários erguiam nas suas terras as suas villae com várias divisões, pátios, fontes, jardins, pórticos…à imagem da paisagem e dos edifícios romanos.
  • 24.
    • Em Portugal , para além das pontes, aquedutos, estradas, templos e ruínas várias, a língua, a numeração, a arquitectura, as leis, a administração e a cultura em geral são ainda devedoras da presença romana .
  • 25. ÍNSULA Romana
  • 26. VILLA ROMANA
  • 27. A queda do Império Romano e o Cristianismo
    • Antes da ocupação da Península Ibérica, os Romanos já dominavam vastas regiões do Próximo Oriente . Uma delas era a Palestina com capital em Jerusalém, terra onde se erguia o sagrado templo do rei Salomão.
    • Aí, Cristo nasceu, pregou e foi crucificado deixando uma marca profunda em todos os que o conheceram.
    • Tido pelos seus seguidores como o Messias , ensinava o amor, a liberdade e proclamava a existência de um único Deus , criador de todas as coisas.
  • 28.
    • Com a morte de Cristo emerge uma nova religião monoteísta – o Cristianismo . Ou melhor uma nova seita religiosa como muitas outras que pululavam a região.
    • Uma seita que não sendo sequer a mais popular era sem dúvida a mais perigosa para o Poder.
    • Nos próximos 300 anos, os seus seguidores serão perseguidos e mortos pelos Romanos nos Coliseus e Arenas como divertimento popular.
    • O seu principal “crime” era não reconhecerem qualquer autoridade divina ou espiritual ao Imperador Romano.
  • 29.
    • Depois do martírio, os Cristãos verão, finalmente, a sua religião reconhecida no início do séc. IV , com a conversão do imperador Constantino . De pequena seita, o Cristianismo tornava-se de um dia para o outro, por vontade de um homem que afirmou ter tido uma visão, na religião oficial do Estado
    • A “ visão de uma cruz”, que lhe terá permitido obter, quando tudo parecia correr mal, uma improvável vitória militar sobre Maxêncio, o outro candidato ao título de Imperador, na batalha de Ponte Mívia. Uma visão que vinha mesmo a calhar.
  • 30.
    • Numa altura em que o império se dividia e afundava lentamente, nada melhor que uma nova religião que a todos prometia arrependimento e conforto, para unir e reanimar o povo.
    • Muitos dizem no entanto que Constantino permaneceu secretamente Pagão até à morte.
    • O Cristianismo iria no entanto, por sua única vontade ,tornar-se na religião oficial de todo o Império Romano.
    O “ Baptismo “ de Constantino
  • 31.
    • Para tal, Constantino reuniu-se com os mais importantes líderes Cristãos e, no Concílio de Niceia, em 325 d.C.. analisaram um conjunto de textos Cristãos, escolhendo uns e excluindo outros.
    • Aos textos seleccionados, anónimos, mas aos quais foram dados os nomes dos 12 discípulos de Cristo, chamamos o Novo Testamento .
  • 32.
    • Ao tornar o Cristianismo a religião do Império , abandonando definitivamente o politeísmo, Constantino pretendia pacificar, unindo em torno de uma só religião, toda a população do Império devastado por um longo período de conflitos internos (revoltas, assassinatos) e externos.
    • De facto, era cada vez maior a pressão das tribos bárbaras que cercavam o “ Limes “, a fronteira do Império.
    • À unidade, disciplina, organização e ordem que afirmaram durante séculos, sucediam agora a divisão, as revoltas e a a corrupção.
  • 33. As Invasões Bárbaras
  • 34.
    • Esta situação é aproveitada pelas tribos bárbaras que arrasam as legiões romanas , destruindo e pilhando tudo o que encontram.
    • Em 410, Alarico, o Godo , conquista, arrasa e, pouco tempo depois ,a troco de um resgate, abandona Roma. De pé, ficaram apenas as ruínas que ,em parte, ainda hoje perduram.
  • 35.  
  • 36.
    • Também a Península Ibérica será, como aliás todas as áreas romanizadas do ocidente, vítima da mesma devastação por parte das tribos bárbaras .
    • Primeiro pelos Suevos e, depois pelos Visigodos , que vencendo aqueles acabarão por dominar toda a Península até ao ano de 711.
    • No entanto, ao pouparem os monges, as igrejas e conventos, pouparam também parte da cultura mais avançada dos povos vencidos, acabando por assimilar alguns dos seus costumes, incluindo a religião dominante na Península - o Cristianismo .
  • 37.
    • Os novos ocupantes - os Visigodos - introduzirão na Península uma nova forma de poder - a Monarquia Hereditária - e uma nova forma de organização social e económica - o Feudalismo que perdurará por séculos, aqui e em toda a Europa .