A Crise  do Séc. XIV
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

A Crise do Séc. XIV

on

  • 42,880 views

 

Statistics

Views

Total Views
42,880
Views on SlideShare
36,993
Embed Views
5,887

Actions

Likes
5
Downloads
512
Comments
2

24 Embeds 5,887

http://hgp5.blogs.sapo.pt 4976
http://oshomensamulaeopudim.blogspot.pt 218
http://hgp5.webnode.com 173
http://www.slideshare.net 166
http://oshomensamulaeopudim.blogspot.com 126
http://novoshistoriadores.blogspot.com 42
http://cms.hgp5.webnode.com 34
http://mentesbrilhantes20102011.blogspot.pt 32
http://historiando-historia.blogspot.com 31
http://profgabi-clepsidra.blogspot.pt 20
http://historiando-historia.blogspot.pt 13
http://oshomensamulaeopudim.blogspot.com.br 12
http://novoshistoriadores.blogspot.pt 11
http://mentesbrilhantes20102011.blogspot.com 9
http://www.novoshistoriadores.blogspot.com 5
http://www.blogger.com 4
http://profgabi-clepsidra.blogspot.com 4
http://www.mentesbrilhantes20102011.blogspot.com 3
http://mentesbrilhantes20102011.blogspot.com.br 3
http://oshomensamulaeopudim.blogspot.ch 1
http://historiando-historia.blogspot.com.br 1
http://blogs.sapo.pt 1
http://www.google.pt 1
http://m.hgp5.webnode.com 1
More...

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
  • Bom trabalho! Bem haja!
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
  • Que excelente revisão e resumo.
    Acho que vou perder algum tempo com o seu trabalho aqui publicado e ler atentamente as restantes apresentações. Saudações.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

A Crise  do Séc. XIV A Crise do Séc. XIV Presentation Transcript

  • A CRISE DO SÉC. XIV
    • O séc. XIV foi um período marcado por sucessivas crises que, por toda a Europa, semearam a fome, a doença, a guerra e a revolta. Mas foi também um período prenunciador de grandes mudanças políticas, económicas e sociais.
    • Em Portugal, esta crise manifestou-se principalmente a partir de finais de 1348 , ano em que a Peste Negra atinge e devasta o reino, matando em menos de um ano mais de um terço da população portuguesa.
  • A Peste, doença contraída pelos Cruzados no cerco a Jerusalém, espalhou-se rapidamente por toda a Europa, matando aproximadamente um terço da sua população .A Peste negra transmitia-se pelas pulgas que infestavam o pelo dos ratos. Estes em contacto com os alimentos propagavam facilmente a doença entre os humanos. O contágio das populações foi alastrando à medida que os soldados, gravemente doentes e em número cada vez maior, regressavam aos seus reinos de origem. As constantes viagens entre o mediterrâneo ocidental e oriental, feitas pelos mercadores venezianos agravou o problema.
    • A primeira consequência, a nível económico, foi uma diminuição acentuada da mão de obra disponível, que atingiu sobretudo e em primeiro lugar, a agricultura e os que dela viviam.
  • Pouco antes da Peste atingir a Europa, secas e inundações sucessivas tinham arruinado, por vários anos, as colheitas de extensas regiões, diminuindo drasticamente os rendimentos da Nobreza e do Clero, e condenando à fome grande parte dos camponeses.
    • Assim, os campos, outrora férteis, estavam agora ao abandono, pois os que tinham sobrevivido à fome e à Peste eram poucos e exigiam melhores salários e condições de arrendamento, para continuarem a trabalhar as terras da Nobreza e do Clero
  • Muitos foram, assim, os que fugindo à miséria abandonaram os campos, procurando nas cidades ocupação no comércio e nos ofícios. Mas, apesar da prosperidade da cidade, nem todos o conseguiam. Ao excesso de oferta de mão de obra, somava-se a falta de experiência ou conhecimentos desta gente do campo para se adaptar a novas actividades como o comércio ou o artesanato.
    • As consequências não demoraram a fazer-se sentir com o aumento do desemprego, mendicidade e insegurança.
  • Esta fuga em massa do campo para a cidade, onde as condições de higiene eram muito más, contribuiu também para que a Peste se espalhasse aí de forma extremamente rápida. Foi, de facto, nas cidades e junto dos mosteiros e abadias que a Peste fez mais vítimas. Assistiu-se então a um movimento no sentido contrário. Agora eram os ricos, que fugiam da cidade e procuravam protecção nas suas propriedades rurais . Mas a peste estava por todo o lado…
  • A fé, o consolo dos familiares e a ajuda dos monges eram o único alívio dos que adoeciam vítimas da Peste. Quanto ao resto da população, protegia-se evitando o contacto com os infectados e marcando com uma cruz a morada destes.
    • Desta forma, enquanto a cidade crescia desordenadamente e a burguesia se afirmava cada vez mais, os campos desertificavam-se e a produção agrícola diminuía.
    • E assim diminuíam também os rendimentos, o poder e a influência da Nobreza.
    • Lentamente, o dinheiro ganhava terreno aos privilégios de nascimento, e o centro da riqueza deslocava-se das actividades tradicionais ligadas ao campo para as novas actividades mais ligadas às cidades, como o comércio externo e o artesanato.
  • Sonhando com os tempos da Reconquista, da ocupação territorial e da pilhagem, a Nobreza assistia à queda lenta do seu mundo e dos seus valores. Alguns nobres arruinados e mais realistas , os fidalgos - mercadores , tentavam adaptar-se aos novos tempos competindo com a Burguesia, em actividades que a tradição lhes vedava, como o comércio.
    • O Clero, entretanto, aumentava significativamente a sua riqueza, beneficiando das dádivas dos que atingidos pela Peste, esperavam às portas da morte, poder comprar com donativos à Igreja, a salvação das suas almas.
    • E como as terras e outros bens do Clero não pagavam impostos, com estas “doações” diminuíam os rendimentos da Coroa e dos Concelhos.
    • As catedrais que por esta altura se construíram por toda a Europa, reflectindo o crescente poder da Igreja, foram em grande parte financiadas com o “comércio de Indulgências”. A venda de perdões.
    • O Céu estava agora à disposição de quem o pudesse comprar.
    BULA PAPAL DE INDULGÈNCIA A construção das catedrais
    • O clima de paz que perdurou durante a primeira metade do séc. XIV em Portugal permitiu um desenvolvimento considerável a nível económico, sobretudo nas actividades ligadas à cidade.
    • As cidades ou burgos cresceram muito, graças à protecção e aos benefícios que, desde cedo, os reis portugueses concederam aos seus moradores e às actividades que desenvolviam.
    • A crescente importância do comércio, tanto interno como externo, para a economia do país explica a generosidade dos decretos reais neste domínio.
    • Assim:
    • Feiras, mercados continuaram a espalhar-se por todo o país, gozando de protecção real.
    • A construção de navios mercantes de médio e grande porte foi estimulada, plantando-se pinhais, reduzindo-se o preço da madeira e os impostos.
  • Os incentivos concedidos à criação de bolsas ( bancos ) de mercadores ( D. Dinis ), e seguros que cobriam os negócios de grande risco, tinham como objectivo não só aumentar as exportações portuguesas, mas também assegurar, pela importação, de forma mais duradoura, o acesso aos produtos de que o país mais precisava, principalmente os cereais.
    • Foram-se , então, multiplicando os contactos dos mercadores portugueses com o estrangeiro. A norte, através do Atlântico e a sul cruzando o Mediterrâneo, tornou-se habitual a presença de negociantes portugueses nas grandes feiras internacionais.
    • Mas estas medidas de apoio à Burguesia se, por um lado, respondiam a necessidades reais de um país em desenvolvimento, tinham também um outro objectivo
    • Fortalecer um grupo social - a Burguesia, e por arrastamento o Povo - em que o rei se pudesse apoiar, para mais facilmente afirmar o seu poder face à crescente importância das principais famílias nobres.
    • Entretanto, nos campos durante os séculos XIII e XIV, a política dos reis portugueses tentou promover e intensificar a produção de cereais, aumentando a área cultivada, através de arroteamentos e queimadas de bosques e matas , secando pântanos, e publicando leis que puniam o abandono ou subaproveitamento dos terrenos agrícolas .
    • D. Fernando, para combater o abandono dos campos que se verificou durante o seu reinado, publicou em 1375, a chamada “ Lei das Sesmarias” que, entre outras medidas, obrigava os camponeses a aceitar os salários fixados pelos Terratenentes e Homens-Bons da região.
    • Pretendia-se, assim, impedir a súbita subida dos salários exigidos pelos camponeses que agora queriam ser pagos como na cidade, em dinheiro e não em géneros, lutando por escolher livremente o seu empregador, ofício ou tarefa.
    • A progressiva quebra dos laços feudais, assentes na servidão e na dependência, acentua-se nesta altura e está na origem da criação de uma nova mão de obra livre , desenraizada e não especializada que trabalha à tarefa, conforme as ofertas lhe vão ou não surgindo.
    • A estes trabalhadores podemos chamar os primeiros “proletários”.
    • Serão os descendentes destes jornaleiros do campo e dos construtores das igrejas e catedrais da época que, mais tarde, assegurarão o funcionamento das fábricas e máquinas durante a revolução industrial.
  • A ARTE GÓTICA
    • O estilo Gótico, que se afirma na Europa entre os séculos XII e XV, marca uma evolução significativa em termos do domínio das formas e das técnicas por parte dos artistas da época face ao período românico.
    • No novo gosto tudo é diferente.
    • Se a Arquitectura Românica com o seu ar sólido e rústico, com as suas figuras toscas e ingénuas tinha sido erguida à escala humana, a Arquitectura Gótica pela sua altura, pela elegância das suas proporções e pela sua verticalidade parecia querer atingir o céu e aproximar-se de Deus.
    • O interior das igrejas góticas, com as suas altas e elegantes naves separadas por colunas e arcos em forma de ogiva, cobre-se de cúpulas e abóbadas de nervuras.
    • Pelas rosáceas e vitrais entram focos de luz que se cruzam e provocam a admiração dos presentes.
    • No exterior, as esculturas do pórtico afirmavam a supremacia de Deus perante os homens e os demónios que com eles viviam.
    • Mas agora não se confinam ao tímpano e capiteis. A parte esculpida distribui-se por toda a fachada e, por vezes, nem os arcos nem as colunas escapavam a tanta liturgia.
    • Anjos, santos, homens, demónios, as gárgulas que do alto espreitam e o próprio Satanás parecem seres animados pelo realismo e pela perfeição das formas e efeitos de luz e sombra.
    • Os elegantes pináculos apontam o caminho dos céus, mas a sua altura sublinha também a pequenez dos que os observam.
    • Este é de resto um dos objectivos das suas imponentes fachadas e da exuberância dos seus elementos arquitectónicos e decorativos :
    • Promover o pasmo e a consciência da sua insignificância nos homens, assegurando a sua obediência e passividade.
    • Mais do que locais de oração e recolhimento, as igrejas góticas foram construídas para intimidar as populações face ao poder quer religioso quer temporal.
    • A grandiosidade e riqueza do estilo gótico assinalam um tempo em que a igreja se afasta cada vez mais do povo, exibindo pela ostentação uma riqueza e um poder que não parava de crescer.
    • No entanto, a construção das catedrais góticas constituía para a igreja um pesado encargo. E encargos, sobretudo económicos, eram coisa a que o Clero não estava habituado.
    • Exibir o poder ficava caro e, quando se tratava de construir catedrais significava pagar em dinheiro a trabalhadores livres que através da suas organizações ( as Guildas ou corporações ) ditavam o preço por tarefa e dia de trabalho.
  • Apesar de toda a influência, prestígio e poder de que a Igreja gozava, a construção destas catedrais só se tornou possível graças a uma generosa política de doações por parte dos reis e dos senhores feudais. E, claro, a venda de indulgências a que então recorreu, ajudou muito.