Your SlideShare is downloading. ×
Report I Waste to Energy Conference - Hiria - Nov/2012
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Saving this for later?

Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime - even offline.

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Report I Waste to Energy Conference - Hiria - Nov/2012

1,472
views

Published on

Relatório com a descrição das apresentações e análises setoriais realizadas durante o primeiro encontro para discussão do presente e do futuro do setor de conversão de resíduos em energia, organizado …

Relatório com a descrição das apresentações e análises setoriais realizadas durante o primeiro encontro para discussão do presente e do futuro do setor de conversão de resíduos em energia, organizado pela Hiria em novembro de 2012. Mais informações em www.hiria.com.br

Published in: Education

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
1,472
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
24
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. ENERGY WASTE BRASIL Biogás e Incineração Report do Encontro de Especialistas www.hiria.com.br São Paulo , 05 e 06 de novembro de 2012 Edição 2013 confirmada para 23 e 24 de Outubro de 2014
  • 2. ÍNDICE Mensagem de boas vindas 03 Sobre a Hiria e sua missão 04 23Artigo Especialista 06 07 11 05 05 O encontro Quem participou Apoiadores O que falaram sobre as apresentações e debates Relatório das apresentações e debates realizados 24Comunidade virtual e prosseguimento dos trabalhos 24Edição 2013
  • 3. É com grande alegria que nos apresentamos ao mercado através do Energy Waste Brasil 2012. Diante do importante momento que o setor de aproveitamento energético de resíduos sólidos se encontra, planejamos e estruturamos um encontro setorial que resultou neste documento que tem a missão de oferecer um rico e efetivo espaço de exposição e troca de conhecimento. Ele foi desenvolvida para impulsionar de forma decisiva o desenvolvimento de toda a indústria envolvida com as atividades de gestão de resíduos e energia. Diariamente trabalhamos de forma apaixonada para contribuir com o seu aperfeiçoamento profissional e no enriquecimento de sua rede de contatos, o que acreditamos que influenciará a concretização de seus sonhos e objetivos. Aproveitamos para convidá-lo a visitar o nosso site - www.hiria.com.br - e central de downloads, para ter acesso a estudos setoriais e pesquisas exclusivas que abordam temas relacionados a construção e gestão da infraestrutura no Brasil e na America Latina. Obrigado por fazer o download deste report, espero que possamos encontrá-lo em um de nossos próximos encontros setoriais. Um abraço. Vinnicius Vieira São Paulo, Agosto de 2012
  • 4. Ideias multiplicadas. Futuro inteligente. Hiria®, palavra originária do idioma basco, que significa reunião de povos, espaço de troca de conhecimento ou o que, atualmente, entendemos por cidade, local que favorece, por excelência, a comunicação, a conexão e o intercâmbio de ideias entre pessoas, grupos e organizações. Por meio de conteúdos informativos na forma de conferências, a Hiria® proporciona um ambiente ideal para a entrega e transferência de conceitos sobre a construção e a gestão da infraestrutura no Brasil e na América Latina. Potencializamos as oportunidades de encontros de negócios entre as lideranças da iniciativa privada, poder público e do meio acadêmico, para a formatação e execução de decisões eficientes e sustentáveis. Nossa missão é criar e multiplicar um acervo de conhecimento para soluções em cidades, energia, água e resíduos, na direção da construção de um amanhã mais inteligente. ÁREAS DE ATUAÇÃO Resíduos sólidos Energia Gestão de cidades Água www.hiria.com.br +55 (11) 5093-7847 REPORT • Energy Waste Brasil • 2012 • ¦ 4 A Hiria
  • 5. O ENERGY WASTE HIRIA 2012 92¦ presentes 13¦ palestrantes especialistas 12¦ reuniões 1 to 1 realizadas REPORT • Energy Waste Brasil • 2012 • ¦ 5 O Encontro
  • 6. ALGUMAS DAS MAIS DE 60 EMPRESAS PRESENTES: REPORT • Energy Waste Brasil • 2012 • ¦ 6 O Encontro
  • 7. O QUE FALARAM SOBRE O ENCONTRO …consideramos o evento excelente, em relação aos palestrantes e ao público. Os participantes estavam realmente focados nas questões apresentadas e os debates foram muito proveitosos e calorosos. É muito bom verificar que a recuperação energética de resíduos sólidos urbanos está na pauta de empresas importantes como as que participaram do evento. Parabéns pelo evento. Estava impecável. Cristiane Lima Cortez Doutora em Energia Centro Nacional de Referência em Biomassa (Cenbio) IEE / USP … o evento foi muito bem organizado e com uma programação de alta qualidade. Também foi uma excelente oportunidade de networking, já que pude conversar com diversos profissionais que eu ainda não conhecia. O mercado é muito dinâmico e eventos como esse são de extrema importância para que estejamos atualizados. Eng. Eduardo Pacheco Portal Tratamento de Água …achei excelente o evento assim como sua organização. Sem dúvida ele fará grande contribuição ao desenvolvimento deste mercado onde todo esta por ser feito, Parabéns a HIRIA! Fernando Alvarez Diretor Executivo SIGLASUL CONSULTORIA LTDA … o evento, foi muito produtivo e quebrou vários paradigmas que todos nós carregávamos conosco tais como: o Aterro Sanitário é a melhor solução para o Brasil, ou então, a decisãosobre a disposição do RSU depende unicamente da vontade do Município ou empresa contratada, esquecendo as questões econômicas que são fundamentais na tomada de decisão como ressaltou Carlos Vargas Vega. Acho que saímos todos com uma visão mais realista da situação e surpresos com as tecnologias que estão já presentes em nosso país. Penso que a solução brasileira para o RSU será uma combinação de soluções técnicas ambientalmente aceitas que estão sendo implementadas mais rapidamente do que nós pensamos. A contribuição de cada um de nós é fundamental para equacionar esta situação eatender a PNRS e seu aperfeiçoamento contínuo e não colocar críticas que no final somente atrapalham e não levam a nenhum resultado concreto Carlos Eduardo Pires da Fonseca, Sansuy Gostei muito do evento, da organização, da equipe, de tudo. Foi uma experiência gratificante, mesmo não sendo da área e, não tendo os conhecimentos técnicos apresentados. Mas anseio em aprender sempre!! Quando possível, participarei de mais eventos da Hiria. Ricardo REPORT • Energy Waste Brasil • 2012 • ¦ 7 O Encontro
  • 8. Venho parabenizar a Hiria pela realização do evento Waste do Energy em função da diversidade de abordagem em relação ao tema, bem como pela qualidade dos palestrantes e dos participantes. Vale comentar que no momento atual aonde se torna cada vez mais evidente a necessidade de conciliar o desenvolvimento econômico com sustentabilidade, a realização de eventos como esse propiciam aos agentes públicos e à iniciativa privada se aproximarem com a busca de abordagens técnicas e econômicas de convergência de interesses que resultem na viabilização de soluções de interesse da sociedade. O potencial do tema Waste to Energy é um bom exemplo disso e os avanços em relação ao último evento sobre o tema, bem como o aumento do interesse evidenciado por um nr de participantes maior, são fortes evidências de que esse é o caminho. Alaim Silva de Paula, Votorantim Cimentos O evento Energy Waste 2013 permitiu contato com os principais policy makers do mercado e aumento do networking. Além disso, alto nível nas palestras com diferentes pontos de vista defendidos. Francisco Santo ECONERGY BRASIL LTDA. …agradeço novamente a oportunidade que me foi concedida de expor meu ponto de vista e também de conhecer um pouco mais profundamente o que se pensa e faz em termos de incineração com recuperação de energia no mundo. Creio que neste momento, em que a sociedade brasileira começa a ser exposta a esta alternativa, é crucial que o conhecimento esteja disponível e o Evento Energy Waste 2012 proporcionou este espaço. Parabenizo os organizadores pela iniciativa. Sonia Seger Mercedes IEE USP O evento primou pela excelência em articulação e organização, tendo como pano de fundo assunto extremamente atual. Méritos à Hiria. Valeu muito para entendimento de que as tecnologias de tratamento de resíduos não são excludentes, totalmente complementares e adaptáveis a este país continente. Acreditamos que iniciativas como esta eliminarão os fantasmas que vem assustando os consultores, empreendedores e a sociedade, contribuindo para compor um arcabouço possível para o saneamento ambiental. Clovis Benvenuto Geotech Parabenizo a Hiria e toda a sua equipe, pela organização do evento Energy Waste 2012. O objetivo foi alcançado: a troca de conhecimento e o debate saudável dos temais da atualidade. Da polêmica da implantação da PNRS até o engajamento da sociedade na construção de uma nova estrutura econômica-política-ambiental. O evento potencializou novos negócios e fortaleceu parcerias público-privadas, externando ao final a fragilidade da legislação brasileira. É através de eventos como o Energy Waste 2012 e de iniciativas como essa, que o discurso ganha força, viabilizando novos empreendimentos nacionais e investimentos internacionais. Parabéns Hiria! Juliana Furlan Lopes Gonçalves Advogados Meus cumprimentos pela organização, a Hiria se consolida com a proposta de sair na frente com debates tão estratégicos. Valverde Câmara dos Deputados. REPORT • Energy Waste Brasil • 2012 • ¦ 8 O Encontro
  • 9. PROGRAMAÇÃO REALIZADA   06  de  novembro  de  2012   Oficina - Avanços Tecnológicos E Análises De Casos WTERT Brasil - Sergio Guerreiro - WTERT Brasil CENBIO - Cristiane Lima Cortez ESTRE Ambiental - Antonio Januzzi IEE/USP - Sonia Seger Mercedes VEGA SOLVÍ - Carlos Alberto N. Bezerra BIOGÁS ENERGIA AMBIENTAL - Antonio Carlos Delbin WATERLEAU - Joris Wouter Moors Curso - Recuperação Energética do Lixo - Uma abordagem científica Instrutor: Professor Sergio Guerreiro, WTERT - Waste to Energy Council Brasil 1. Introdução 2. Caracterização do lixo como combustível 3. Poder calorífico superior (PCS) e inferior (PCI) 4. Combustão - Tratamento dos gases 5. Queima Direta ( Mass Burning ) x CDR (combustível derivado de resíduos) 6. Comparação entre Combustão, Gaseificação e Digestão Anaeróbia na geração de energia 7. Aspectos legais - Normas Européias x Normas Brasileiras (PNRS) 8. Usinas Lixo-Energia (WTE) com Queima Direta com grelha móvel 8.1 Noções básicas de termodinâmica 8.2 Eficiência das usinas - Corrosão 8.3 Usinas Convencionais (40 bar / 400oC) 8.4 Usinas Avançadas de alta eficiência 8.4.1 Amsterdam 8.4.2 Rudersdorf 8.4.3 Heringen 8.4.4 Arhus 8.4.5 Bilbao (Zabalgarbi) 8.4.6 Sakai 8.5 Ciclo Combinado Otimizado (CCO) - Superaquecimento externo 8.5.1 CCO com Gás natural 8.5.2 CCO com biogás 8.5.3 CCO com syngas (gás de síntese) 9. Viabilidade Econômica 9.1 Metodologia - Financiamento, Tributos, Taxa de Disposição Final, Venda da Energia 9.2 Estudo de caso 1 - Usina Convencional 9.3 Estudo de caso 2 - Usina com CCO 05  de  novembro  de  2012   Werner Grau - Sócio - Pinheiro Neto Advogados Jose Valverde - Câmara dos Deputados Pedro Bigardi - Assembléia Legislativa de São Paulo Milton Pilão - FOXX José Henrique Penido Monteiro - Websol e COMLURB Sergio Guerreiro - WTERT Brasil Carlos Roberto Vieira da Silva Filho - ABRELPE e ISWA International José Manuel Cabral de Sousa Dias - Embrapa Agroenergia Antonio Bolognesi - Operman P&D e Incentivo a Inserção Da Energia No Mercado Fabio Stacke - ANEEL Sami Grynwald - Andrade Canellas Financiamento Ludmila Alcar - CAIXA Jorge Luiz Assalie - BNDES Victor Bustani Valente - GIZ Licenciamento Ambiental Ana Cristina Pasini - CETESB Simone Nogueira - Siqueira Castro Advogados Juliana Mansano Furlan - Lopes Gonçales e Mello Sociedade de Advogados REPORT • Energy Waste Brasil • 2012 • ¦ 9 O Encontro
  • 10. Abrelpe - Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais Desde sua fundação, em 1976, a ABRELPE colabora efetivamente com os setores público e privado, promovendo a permanente troca de informações, estudos como, por exemplo, o Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil, publicação que visa, entre outros objetivos, fornecer subsídios para a tomada de decisões no setor, e experiências destinadas ao desenvolvimento do mesmo. No contexto internacional, a ABRELPE é a representante da ISWA - International Solid Waste Association no Brasil. Para ter acesso a informações complementares sobre a associação, acesse: http://www.abrelpe.org.br GIZ - Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit A Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit (GIZ) GmbH coopera com pessoas e sociedades de países em desenvolvimento, em transição e industrializados com o objetivo de contribuir para a melhoria das condições de vida e a construção de um futuro mais sustentável. Como empresa federal de utilidade pública, a GIZ apóia o Governo Federal da Alemanha em seus objetivos na área de cooperação internacional para o desenvolvimento sustentável. No Brasil, a GIZ coopera com os parceiros brasileiros principalmente em duas áreas temáticas: a proteção e o uso sustentável dos recursos naturais, e a eficiência energética e a adoção de fontes renováveis de energia. Para ter acesso a informações complementares sobre a associação, acesse: http://www.giz.de/en/ http://www.giz.de/en/ Portal Tratamento de Água Portal de Informações, Comércio e Serviços sobre o setor de Abastecimento e Tratamento de Águas, Coleta e Tratamento de Efluentes Domésticos e Industriais e Assuntos de Meio Ambiente em Geral. Promove a crescente Comunidade deste setor, abrangendo todos os interessados, estudantes e profissionais que atuam direta ou indiretamente com água e efluentes, empresas de consultorias, fornecedores de sistemas e equipamentos, concessionárias públicas e privadas, indústrias de açúcar e álcool, química e petroquímica, alimentos e bebidas, têxtil, mineração, metalurgia e outras. Para ter acesso a informações complementares sobre a associação, acesse: http://www.tratamentodeagua.com.br Web-Resol Instituto para a Democratização de Informações sobre Saneamento Básico e Meio Ambiente. A página, é mantida pela Web-Resol, uma organização não governamental, sem fins lucrativos, dedicada à divulgação de informações sobre o meio ambiente e saneamento básico, em especial, à gestão dos resíduos sólidos. É especialmente dedicado a todos aqueles que trabalham ou têm interesse na limpeza urbana e na gestão dos resíduos sólidos. Seu objetivo é tornar acessível - e de forma gratuita - uma grande quantidade de informações que poderão ajudar a capacitar tecnicamente os responsáveis pela gestão da limpeza urbana na América Latina e no Caribe. Desta forma, estes profissionais poderão desempenhar suas tarefas diárias e planejar seus serviços a médio e longo prazos com mais eficiência, oferecendo à população de suas cidades uma melhor condição de saúde e qualidade de vida. Para ter acesso a informações complementares sobre a associação, acesse: http://www.resol.com.br/index/index.php WTERT - Brasil Atualmente o WTERT é reconhecido como a principal fonte de informação em pesquisa e desenvolvimento nos EUA na área de energia a partir de resíduos. Entre os objetivos do WTERT-Brasil, estão: Aproximar todos os grupos de pesquisa e desenvolvimento trabalhando nas diversas áreas pertinentes ao gerenciamento de resíduos, no Brasil, e compartilhar informações sobre o Gerenciamento Sustentável de Resíduos através do WTERT e coligadas ao redor do mundo e Identificar as tecnologias mais adequadas ao tratamento dos diversos materiais presentes nos resíduos do Brasil. Para ter acesso a informações complementares sobre a associação, acesse: http://www.wtert.com.br APOIADORES
  • 11. RELATÓRIO DAS APRESENTAÇÕES E DEBATES REALIZADOS 05 de novembro de 2012 Debate: O cenário atual do setor de waste to energy e biogás no Brasil Avaliações e projeções dos cenários econômicos, político e tecnológico . Palestrante: José Henrique Penido Monteiro Websol e COMLURB • Recuperação energética gestão do processo • lixo é municipal • problema dos resíduos nas praias do RJ • com a pacificação das comunidades, trabalho intenso da COMLURB nestes locais • problemas de enchente; poluição visual; ambiental... • resíduos: objeto político. Além do ambiental (problema das podas) • manutenção de praças • agenda COMLURB: PNRS, relatório de sustentabilidade da cidade, plano de gestão integrada (PNRS), decreto de resíduos da construção civil, decreto do grupo carioca de mudanças climáticas, resolução sobre uso do composto, resolução do grupo de poda. • aterro Gramacho fechado: abertura do aterro de Seropédica • redução de gases de efeito estufa: otimização da frota (uso de combustíveis alternativos) • medidas independentes da motorização (padrão Euro V, híbridohidráulico, direção verde (motorista com comportamento que reduz emissões), pneu ecológico, otimização de roteiros...) • reciclagem de RCC Missões 400t/ dia, Caju 600t/dia, Gericinó 400t/dia • projeto de ampliação da coleta seletiva programa BNDES parcerias com cooperativas de catadores, em consonância com a PNRS • buscando caminhos para utilizar a casca de coco verde (material para fabricação de carros de varrição, cestas de lixo...). A casca de coco é um enorme problema ambiental (pouco poder calorífico, decomposição lenta, problema relacionado à estabilidade do aterro quando se aterra este material...) • Vassoura com cerdas feitas de PET • estudos de evaporador unitário para pequenos aterros para tratamento de chorume • Gramacho captação e purificação do biogás projeto de MDL • venda de 100.000 a 200.000 m3/ dia de gás (> 92% de CH4) à Petrobras/ REDUC receita acessória da concessionária COMLURB proprietária de 18% da receita • uso de carros elétricos para lixo de varrição • uso de 50.000 contêineres verdes para coleta domiciliar • aterro de Seropédica problema de proteção ambiental, demora na aprovação da licença (colocaram o requisito de geração de energia como uma das condicionantes. Verificar se não prejudica a adicionalidade do projeto de MDL) • recuperação de biogás; reciclagem do RCC; aproveitamento dos resíduos de poda, geração de energia (30 MW), lagoas de captação do chorume (não estão funcionando ainda. Caminhões pipa levam o chorume à estação de tratamento) • possibilidade de implantar WTE em Seropédica, devido ao prérequisito de gerar 30 MW de energia, colocados como um dos requisitos para obtenção da licença • 7 estações de transferência de resíduos (ETR: Santa Cruz, Japarepaguá...) • custo atual para a COMLURB incluindo estação de transferência (investimento e operação) R$37,79/ t • Usina do Caju construída em 1992; tecnologia obsoleta. Atualmente operando em low profile, mas produzindo composto. Potência para testar sistema de incineração. Há um projeto integrado de geração de energia na usina do Caju. • WTE sozinho não vingará. Necessitase de uma integração com os outros setores e tecnologias (separação do resíduo, captação do biogás...) disponíveis para a GRSU, bem como inclusão de catadores, conforme PNRS • coleta do orgânico em grandes fontes (hotéis, refeitórios, hortifrutis...) para produção de composto orgânico que é utilizado no reflorestamento urbano. REPORT • Energy Waste Brasil • 2012 • ¦ 11 O Encontro
  • 12. Utilizase a tecnologia Methanum (para composto, com controle de temperatura, umidade, recirculação de chorume...) • produção de CDR para usina piloto de geração de energia a partir do lixo • Mobile plasma gasification system for waste to be made in Brazil (reportagem de 01/11/2012) • lixo também é cultura: programas culturais da COMLURB, incentivando arte a partir do lixo Site: www.webresol.org Palestra disponível em www.hiria.com.br Palestrante: Carlos Roberto Vieira da Silva Filho ABRELPE e ISWA International • oportunidades e desafios: aumento da urbanização = aumento da geração de resíduos • 21 megacidades no mundo 12 localizamse em países em desenvolvimento • 2,6 bilhões de habitantes sem acesso a saneamento básico; 1,3 bilhões de habitantes sem acesso a água potável; 1,1 bilhão de habitantes sem acesso a moradia adequada. • panorama dos resíduos sólidos no Brasil (anualmente) • 2011 geração de 62 milhões de toneladas/ ano de RSU • municípios aplicam em média R$47,28 na coleta + R$77,16 para outros serviços de resíduos (varrição, poda, etc), totalizando em média R$124,44/ habitante/ano • 58% da disposição final em aterros sanitários • 42% disposição final em lixões e aterros controlados • 4% reciclado • 51% do resíduo é matéria orgânica; 13,5% plástico; 2,5% vidro; 16,7% outros materiais • 2358 municípios sem nenhuma iniciativa à coleta seletiva • 91% das cidades não elaboraram o plano de resíduos, cujo prazo era agosto de 2012. Ficarão sem recursos da União? Flexibilização dos prazos? • 11% dos resíduos não são nem ao menos coletados • 53% dos RSU concentramse na região sudeste • 1607 dos municípios ainda dispõem os resíduos em lixões • perspectivas de duração dos metais vêm decaindo exponencialmente • ter em mente uma nova era para a GRSU, por meio da PNRS • benefícios da PNRS: preservação dos recursos naturais; desenvolvimento econômico; proteção à saúde pública • caminhar de um sistema medieval de GRSU para um sistema desenvolvido • soluções integradas (aterro, reciclagem, WTE, compostagem...) • caderno informativo sobre recuperação energética da ABRELPE (verificar publicação no site) • financiamento, ambiental, econômico, social, institucional, (peças do quebracabeça) • livro: GRSU: o que diz a Lei? • www.abrelpe.com.br • Palestrante: Antonio Bolognesi Operman WTE • reavaliação de processos produtivos (logística reversa, diminuição e simplificação de embalagens...) • coleta seletiva (responsabilidade da sociedade na coleta/gestão compartilhada) • tratar a questão dos catadores de reciclável com cuidado, não extinguir, mas propor também outras alternativas mais dignas de trabalho • redução da geração de resíduos (waste zero) • WTE é tecnologia para saneamento. O objetivo final não é a geração de energia. A geração de energia é somente um adicional. • simulação de perda: planta de 1200 t/ dia RSU 20 anos (20 MW); 8000h/ano (projeto) VS 7000h/ ano (verificada. Em comparação ao projeto inicial, por alguma razão (por exemplo, problema de manutenção), houve uma diminuição, em 1000 horas). Custo de compra de energia (PLD médio 2012 R$120/mwh) = R$48 milhões. Custo de transporte e disposição final em aterros (R$70/ton) = R$70 milhões. Mesmo com a diminuição de 1000 horas, ainda é válida a incineração, de acordo com a exposição de Bolognesi. • mais de 90% dos municípios podem ficar sem recurso para saneamento, devido ao não cumprimento da REPORT • Energy Waste Brasil • 2012 • ¦ 12 O Encontro
  • 13. elaboração do Plano, até agosto de 2012 • prefeitos salientam burocracia para cumprir requisitos da PNRS (ou seja, estão procurando um culpado. Quando há culpado, não há problema) • PNRS é considerada uma Lei de primeiro mundo, porém, os investimentos no setor para que ela seja implementada de modo eficaz, não são de primeiro mundo (França R$500/hab/ano VS Brasil R$124/hab/ano) 5 vezes mais na França. Lembrando que a França não é país de referência em tratamento e destinação final de RSU, como Alemanha, por exemplo. • Leis que proíbem a incineração em São Paulo, como a do deputado Pedro Bigardi • Argumentações distorcidas, como as dos catadores, por exemplo • MP 579: redução média na tarifa pode superar os 20% estimados (tiro no pé? em um cenário político, traz riscos aos investimentos no setor) • Não há mais alternativa para destinar os resíduos nas grandes regiões metropolitanas • Palestrante: Milton Pilão FOXX • FOXX comprou o grupo Haztec • primeira WTE em Barueri • recuperação energética vai tomar mais espaço a partir da PNRS. Estamos na hora da mudança . • Não é substituição dos aterros, mas uma diversificação do sistema de tratamento dos resíduos • ambiente regulatório favorável; incentivo a energia renovável; gestão compartilhada dos resíduos sólidos • diversificação da matriz energética brasileira (alternativa visando complementar às hidrelétricas que hoje está burocratizado o processo de obtenção de licença de operação movimentos sociais, ambientais, etc) • URE Barueri parceria público privada PPP com a prefeitura de Barueri, por 30 anos • parcerias estratégicas com outros grupos para desenvolver as atividades (Tiru, Tecipar, Engenix...) • URE: receitas (venda energia, créditos de carbono) / custos (operação e manutenção O&M, construção da planta, débito (BNDES/ CAIXA) • URE: instalação de tratamento térmico de resíduos que não foram separados para reciclagem • benefícios para o município: somar esforços para a GRSU; benefício fiscal para a cidade geradora de energia; URE vai pagar impostos para a cidade; não depreciação de áreas, como ocorre com instalação de aterros • tecnologia segura, mundialmente reconhecida e economicamente viável • potencial solução regional • evita passivo ambiental; energia renovável; redução de emissão de gás de efeito estufa; redução de transporte a longas distâncias • saúde e segurança na GRSU, diminuição do risco de contaminação de água, ar e solo • adotado em grandes centros urbanos • USEPA endossa WTE como sendo tecnologia limpa e segura • mais de 1480 URE no mundo • programa de educação ambiental em Barueri (em implantação): central de triagem, visando garantir a inclusão dos catadores de reciclável, conforme requisitos da PNRS • Barueri: 100% dos bairros atendidos pela coleta seletiva Palestrante: José Manuel Cabral de Sousa Dias Embrapa Agroenergia • Desenvolver tecnologias para o aproveitamento energético de resíduos das produções agrícola, pecuária e florestal e da agroindústria • Desenvolver tecnologias para a utilização de compostos orgânicos resultantes da produção agropecuária, com risco sanitário, na produção de agroenergia • Desenvolver tecnologias para a utilização dos resíduos por obtenção de energia para outras finalidades, como correção de acidez do solo • Interfaciar com as redes de pesquisa para aproveitamento de esgotos urbanos para fins energéticos • Promover a integração dos conceitos de agroenergia e mercado de carbono. • plano nacional de agroenergia: biodiesel, etanol, agrícola e florestal • http://www.agricultura.gov.br/arq_editor/file/ Ministerio/planos%20e%20programas/PLANO%20 NACIONAL%20DE%20AGROENERGIA.pdf REPORT • Energy Waste Brasil • 2012 • ¦ 13 O Encontro
  • 14. • ações para o uso sustentável de resíduos: desenvolvimento de tecnologia para tratamento de resíduos, uso como fertilizante, impactos ar, água e solo • utilização de resíduos agrícolas e florestais para geração de calor • manejo sustentável de palhas e restos culturais • plantio direto economia de combustível • biorrefinaria junto com as biomassas, os resíduos vão gerar diversos compostos (etanol 2ª geração...) • levantamento preliminar da disponibilidade dos resíduos (cana de açúcar 166776 mil ton/ ano; além de milho (grão), arroz (casca) , trigo (casca), café...) com isso, obtevese o mapa dos resíduos do Brasil • casca de arroz: grave problema ambiental (frequentemente pegam fogo, devido destinação inadequada e geram muita cinza) • briquetagem e peletização para utilizar o resíduo deste material com o aproveitamento energético • uso de briquete para a redução do uso da lenha. Briquete tem maior poder calorífico (praticamente o dobro), menor umidade e peso específico (densidade) muito maior. Preço por tonelada em comparação com a lenha é equivalente (cerca de R$300/ ton) • facilidade de transporte e manuseio, evita corte de árvores, ausência de descarte químico e físico, são mais compactos e homogêneos • para incentivar: elaboração de norma brasileira regulamentadora para padronizar a produção (sobretudo, visando à exportação); criação de cursos técnicos de produção e utilização de briquetes; isenção ou redução de impostos e taxas; alinhamento com a PNRS as próprias empresas que produzem estes resíduos devem ser responsáveis pela destinação/ tratamento • P&D e incentivo a isenção da energia no mercado • momento de formulação e compartilhamento de informação • visão do legislativo sobre WTE mudança do tratamento do tema ao longo do tempo. Há uma mudança de cenário, pois WTE sempre foi tratado com muita desconfiança. Tecnologias que não garantiam a qualidade ambiental, segurança, etc. • Buscouse deixar um ambiente para que as tecnologias disponíveis norteassem os rumos da GRSU • Arnaldo Jardim assume grupo de trabalho para o tema resíduos sólidos • discutir o tema no âmbito do ministério de minas e energia (leilões...) • no âmbito do governo federal trouxe a figura do comitê interministerial e redução de emissão é tema de trabalho de um dos grupos, mas não tem sido muito efetivo • destinação ambientalmente adequada deve passar também pela recuperação energética • governo federal: apresentação do Plano de RSU com as metas, objetivo, etc. Após as audiências públicas, que ocorreram por todo país, o governo federal ainda não assinalou nenhum posicionamento. • instrumentos econômicos são necessários para que se consiga implantar esse novo sistema de GRSU • Leilões de energia específicos para resíduos sólidos • Incentivos econômicos medida provisória 574 incentivo para reciclagem. Mostra que um cenário vem sendo construído visando possibilitar a implementação da Lei Palestrante: Fabio Stacke Aneel P&D estratégico • recursos de 500 bilhões/ ano obrigados a investir em P&D • embasamento legal: Lei nº 9991/2000 Dispõe sobre realização de investimentos em pesquisa e desenvolvimento e em eficiência energética por parte das empresas concessionárias, permissionárias e autorizadas do setor de energia elétrica, e da outras providências: objetivo investimento em P&D; resolução normativa; divulgação de resultados: CITENEL/ SEENEL (agosto 2013, rio de janeiro) • requisitos: originalidade, aplicabilidade, relevância, razoabilidade... • Manual de P&D site da Aneel • nova regulamentação conceito de projeto de P&D estratégico • divulgação das chamadas DOU (ofício circular)/ disponibiliza edital no portal da Aneel • Conceito de Projeto de P&D Estratégico: De interesse nacional e de grande relevância para o setor elétrico; De elevada complexidade em termos científicos e/ ou tecnológicos; Pouco atrativo como estratégia REPORT • Energy Waste Brasil • 2012 • ¦ 14 O Encontro
  • 15. empresarial isolada ou individual; Requer esforços conjuntos e/ou grande aporte de recursos • Divulgação das Chamadas: Publicação de Aviso no DOU (Ofício Circular para as Empresas); Disponibilização no portal da ANEEL na internet • Avaliação de Projetos: Avaliação Inicial: opcional e simplificada; (Exceção aos Projetos Estratégicos: compulsória e presencial); Avaliação Final: compulsória e detalhada • Fiscalização de Projetos: Fiscalização Econômicofinanceira: compulsória e detalhada; Fiscalização Técnica: específica e sob demanda • Balanço energético Nacional BEN 2008 setor de água e esgoto representa 2,6% • chamada nº14/2011 PAC 2 reserva R$4,5 bilhões para obras de saneamento básico • motivação: PNE 2030; plano decenal de expansão e energia • objetivo: aumento da geração oriunda de biogás na matriz energética brasileira • capacitação, redução de custos, aprimoramento normativo (regulatório e tributário), integração institucional (poder público/ pesquisadores/ agentes) • requisitos: capacidade mínima de 200 Kw (permite conjunto. Oportunidade de incentivo ao MDL programático); sistema de monitoramento; contrapartida de recursos financeiros; estudo das tecnologias atuais; e estudo do estado da arte da geração de energia pelo biogás; analise da legislação pertinente (geração, conexão, comercialização); intercâmbio com especialistas; inventário de locais mais adequados; estimativa de redução de gás de efeito estufa • resultados: estudo de viabilidade econômica; aperfeiçoamento das tecnologias; estudo de longevidade; proposta de arranjos técnicos e comerciais; aperfeiçoamento e criação de regulamentação • agentes interessados: MME, MCTI, MMA, MDES, MCidades, PEP, BNDES, FINEP, GIZ... • Os projetos de P&D para geração de energia a partir de resíduos como incentivadores do setor O Projeto de P&D nº 014/2012 Arranjos Técnicos e Comerciais para Inserção da Geração de Energia Elétrica a partir do Biogás oriundo de Resíduos e Efluentes Líquidos na Matriz Energética Brasileira Palestrante: Sami Grynwald Andrade Canellas • estudo de viabilidade econômicofinanceira • Potencial (MW médio) 3644 no Brasil e 651 no estado de São Paulo • o projeto não é competitivo quando o objetivo é exclusivamente a venda de eletricidade • necessidade de diversificação da receita • redução de CAPEX e O&M • benefícios fiscais e condições diferenciadas de financiamento • FINANCIAMENTO Incentivos Econômicos no Brasil - Os recursos disponíveis hoje no mercado brasileiro e as melhores práticas de estruturação de projetos para captar financiamentos. Palestrante: Jorge Assalil BNDES • meio ambiente saúde ambiental; populacional. • economia custos envolvidos são diretamente proporcionais a eficácia ambiental de cada uma das diversas tecnologias • direcionamento crescente de recursos financeiros de bancos de financiamento oficiais e agências de fomento REPORT • Energy Waste Brasil • 2012 • ¦ 15 O Encontro
  • 16. para projetos de gestão de resíduos sólidos • regulação: PNRS e seus requisitos (erradicação de lixões, planos de GRSU, logística reversa, gestão compartilhada...) • responsabilidade art 10 PNRS: Distrito Federal e municípios Art. 10. Incumbe ao Distrito Federal e aos Municípios a gestão integrada dos resíduos sólidos gerados nos respectivos territórios, sem prejuízo das competências de controle e fiscalização dos órgãos federais e estaduais do Sisnama, do SNVS e do Suasa, bem como da responsabilidade do gerador pelo gerenciamento de resíduos, consoante o estabelecido nesta Lei . • resolução CONAMA 237: destinação final de resíduos, considerada uma atividade potencialmente poluidora, logo, sujeito à licenciamento ambiental • hierarquia no tratamento dos resíduos: 1º considera a nãogeração por último a destinação final de rejeitos realizada de modo ambientalmente adequado • tratamento: biodigestão, compostagem, combustível derivado de resíduo (CDR) incineração com aproveitamento energético • PNRS: proporcionou/ incentivou aumento de investimentos no setor • órgãos ambientais mais exigentes fechamento dos lixões e acompanhamento dos passivos ambientais • concessão: recentemente os municípios têm realizado parcerias públicoprivadas PPP • consolidação dos players do setor: barreiras de entrada • grande concentração das formas de contratação dos serviços municipal via lei 8.666/93 terceirizado, concessão e PPP em poucos municípios, sobretudo, município de São Paulo • PPP lei 11079/05 institui normas gerais para licitação e contratação de parceria públicoprivada no âmbito dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios. Prazos entre 5 e 35 anos grande solução para escala dos projetos • mitos: a incineração elimina a reciclagem • os países europeus utilizam amplamente a incineração, com bons índices de reciclagem • diretrizes de emissão de poluentes cada vez mais severas na União Europeia • Países como Alemanha, Holanda, praticamente eliminaram aterros em seus territórios • desafio: custo elevado de manutenção da caldeira em virtude da corrosividade do processo; destinação de cinzas leves e pesadas... • mercado de energia: isenção da TUST e TUSD; mercado de produção e transmissão regulados; resolução Aneel... • vantagem: ciclo combinado; redução certificada de emissão (RCE credito de carbono); demanda por energia; reciclagem energética; redução da emissão de gás de efeito estufa em comparação com aterro sem captação... • desvantagem: alto CAPEX frente às demais técnicas de destinação e em virtude das condições de operação; sistema complexo de tratamento de gases e monitoramento; escala mínima para viabilizar as plantas... • Brasil: não há nenhuma usina em operação; São José dos Campos e Barueri já estruturaram editais; não há fornecedores nacionais aptos a prover todas as unidades que compõe a usina; regulação da atividade é complicada (Cetesb SMA 079) órgãos ambientais não estão aptos a avaliar estas novas condicionantes • Mundo: Japão, Europa, EUA (90 usinas), China (cerca de 100 usinas); todas com regulação severa de emissão de poluentes • França e Alemanha número de plantas e maior número de capacidade instalada • Inglaterra maior demandante • Carteira BNDES para resíduos sólidos (R$273 milhões): 13 aterros, 1 planta CDR, 1 planta tratamento metais, 1 estação de transbordo, 1 unidade de dessorção térmica, investimento em geração de energia a partir de biogás • condições de apoio carta consulta (passa pelo Comitê) 9 120 dias de análise do projeto aprovação contratação desembolso • custo financeiro para linha de saneamento 0,9%aa • projetos aprováveis: coleta, tratamento, reaproveitamento e destinação final • desafios: órgãos ambientais mais fortalecidos, separação dos resíduos na fonte, players do setor de GRSU viabilidade econômica; falta de recursos orçamentários; não há cobrança ou arrecadação • adoção de novas tecnologias visando aproveitamento máximo dos resíduos Palestrante: Ludmila Aucar Felipe CAIXA • regulação setorial ainda está em processo de consolidação • investidores, por meio de fundos específicos, estão buscando oportunidades no setor • fontes de financiamento longo prazo: FGTS, BNDES, mercado de capitais, FINISA • R$28 bi para saneamento: resíduos sólidos R$25 bi • projeto de Itapevi empreendimento ECIIta Enob recuperação da área também é item de financiamento • programa saneamento para todos com recursos do FGTS para promover melhorias de qualidade de vida da população por meio de melhorias no saneamento REPORT • Energy Waste Brasil • 2012 • ¦ 16 O Encontro
  • 17. • atua em toda a cadeia: coleta, transporte, triagem, MDL, reaproveitamento energético... • Project finance capital próprio dos acionistas compatível com risco do projeto, índice de cobertura > 3... • recurso para cobrir despesas operacionais, serviço de dívida, impostos, contingências, retorno sobre investimento no capital... • resolução nº 591 de 24/03/2009 do CCFGTS Autoriza a aquisição de cotas de Fundos de Investimento Imobiliário FIIs e de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios FIDCs, debêntures e Certificados de Recebíveis Imobiliários CRIs, que possuam lastro em operações do setor de saneamento e infraestrutura urbana, e dá outras providências. • manejo de resíduos sólidos, inclusive RCD • FINISA financiamento para infraestrutura e saneamento destinado ao setor público e privado. Finisa pretende simplificar os processos de concessão de crédito para este setor, criando novas fontes de recursos para empreendimentos capazes de, em termos mais imediatos, movimentar a economia. • prazo total 20 anos carência de até 5 anos comprovação física. Palestrante: Victor Bustani Valente GIZ, Agência de Cooperação Alemã Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit GmbH ¦ agencia de cooperação Brasil Alemanha • banco KFW e agência executora de cooperação técnica GIZ • presente em mais de 130 países no Brasil foco em proteção de florestas e energia • 2011 acordo de cooperação na área de aproveitamento energético de biogás • fundo governo alemão 200 Mi euros/ano • KFW+GIZ cooperação financeira + técnica • energia e resíduos na Alemanha: capaz de suprir 4,8 milhões de residências/ médias • No Brasil, mais de 7 mil plantas de biogás Imagens do primeiro dia do Energy Waste Brasil 2012 REPORT • Energy Waste Brasil • 2012 • ¦ 17 O Encontro
  • 18. instaladas na área agrícola (300Kw médio) • Brasil PNRS; resolução Aneel abril 2012; Aneel julho 2012 aproveitamento biogás; PAC 2 para saneamento R$45 bi; linha de Finame Fundo clima setor de saneamento • plantas domésticas descentralizadas, middle tech e high tech • em andamento: SC gás/ Embrapa; Eletrosul/ Embrapa suínos; chamada Aneel P&D estratégico nº14/2012 • desafio: tropicalização econômico, social (catadores); climáticas (práticas na agricultura)... • programa DKTI Biogás tema 1 esgoto; tema 2 resíduos orgânicos trabalhar arcabouço institucional, desenvolvimento de capacidades, parcerias/ • cooperações e projetos de referência OFICINA Avanços tecnológicos e análises de casos. Palestrante: Sergio Guerreiro WTERT Brasil http://www.wtert.com.br/home2010/ • mitos dificultam WTE no Brasil e precisam ser eliminados • lixo não precisa ser secado antes da queima • reciclagem no Brasil é baixa e WTE vai reduzir (mito) (reciclagem no Brasil é alta antes da coleta!) • aterros sanitários modernos são ambientalmente adequados (mito) • convenção de Estocolmo hierarquia coloca WTE antes de aterro • Japão possui um Plastic waste management institue (24% reciclado; 63% incinerado) • diretivas europeias (normas) VS PNRS: 2008/98/ EC R1 guidelines 2011 eficiência das usinas DIRECTIVE Dia 06 de Novembro de 2012 Imagens do segundo dia do Energy Waste Brasil 2012 REPORT • Energy Waste Brasil • 2012 • ¦ 18 O Encontro
  • 19. • produção de energia digestão mesofílica de alta taxa • (ARSOVA, 2010) sólidos totais 4550%, biogás 0,5m3/ KgDQO • custos para biodigestão e incineração energética capital: media US$ 600/t ano tratada (incineração US$700) planta O&M media (ARSOVA, 2010) • Califórnia plantas analisadas estudo de caso 2010 (The Hilarides Dairy) • papel da digestão anaeróbia no Brasil • maior poder aquisitivo; menor quantidade de matéria orgânica • como nossa matriz energética é considerada limpa (hidrelétrica), fica ainda mais difícil estimular outras fontes de energia. A argumentação tornase mais fácil, como, por exemplo, na China, que o uso de carvão é intensivo. • Benefícios: impacto positivo na redução de gases de efeito estufa, redução de custos na GRSU, preservação da fração reciclável dos resíduos dimensão social (catadores) • barreiras: custo de capital e O&M ainda elevados global, parâmetros do processo com tecnologias atuais e condições brasileiras ainda não suficientemente estudadas • desconhecimento dos custos e benefícios reais • pensar as tecnologias de saneamento, como tecnologias de saneamento e não tecnologias de produção/ geração de energia Palestrante: Joris Wouter Moors WATERLEAU WATERLEAU empresa Belga fundada em 1985 http://www.waterleau.com/ • 47 tecnologias, 29 patentes • escritórios: Herent (60), Gosselies (31), Wespelaar,(3) Dendermonde (70), Paris (20), Cairo (10), Macao (10), Marrakech (2), Mumbai (50), Beijing (10) 2008/98/EC OF THE EUROPEAN PARLIAMENT AND OF THE COUNCIL of 19 November 2008 on waste and repealing certain Directives; 1999/311/EC waste incinerator 2000/76/ EC/ directive 91/689/ EC • problema dos sensores para verificar infiltração: qual a vida útil e eficiência destes aparelhos? • diretiva europeia: resíduos não admissíveis em aterro; processo de encerramento; condicionantes para todas as classes de aterros... WTE: diminuirá aterros, aumentará a reciclagem • exposição das melhores apresentações do Encontro bianual do WTERT/ outubro de 2012 na Universidade de Columbia em New York Revista Waste Management World importante revista de WTE • apresentações do Encontro bianual do WTERT disponíveis em: www.wtert.org Waste to Energy Research and Technology Council: Ted Michaels; Steve Goff; Stefano Consoni; Jurgen Vehlow; Bettina Kamuk; • Ted Michaels: WTE Developments in the United States 20102012 • Steve Goff: Covanta R&D Developments in MSW Gasification Technology • Stefano Consoni: A comparative analysis of two waste gasification technologies • Jurgen Vehlow: Trends In Waste Incineration And Residue Management • Bettina Kamuk: Best Available Technologies (BAT) • Palestrante: Sonia Seger Mercedes IEE/USP • Biodigestão de resíduos sólidos urbanos: digestão anaeróbia dos RSU para geração de energia • o problema: dependência de combustíveis fósseis consequente aumento de emissões de CO2 • crescimento exponencial das energias renováveis, mas ainda ocupam um pequeno percentual • outro lado da questão: produção de RSU igualmente crescente (3,5 milhões ton resíduos/ dia no mundo) • biodigestão: matéria orgânica à CO2 +CH4+H2S+ t • objetivos: reduzir volume; estabilização e aproveitamento energético dos resíduos sólidos • sistema de fluxo contínuo (1 estágio) / sistema de batelada (2 estágios) • referência VANDEVIVERE et al 2002 Types of anaerobic digesters for solid wastes • limite máximo de digestão de matéria orgânica • quanto maior Demanda Química de Oxigênio DQO, maior a produção de biogás • Flora microbiana anaeróbios obrigatórios e facultativos • fatores abióticos: temperatura, pH, toxicidade, nutrientes, tempo de retenção, condicionamento inicial do material... • produção de biogás, concentração e tempo de retenção (IDA, 2007) REPORT • Energy Waste Brasil • 2012 • ¦ 19 O Encontro
  • 20. • RENEWABLE ENERGY: Energy from wastewater; Energy from biomass / sludge; Energy from waste • AIR TREATMENT: Off gás; Flue gás; Odour control • WATER TREATMENT: Drinking water; Process water; Waste water; Water reuse; Desalination • REMEDIATION: Soil; Biosolids / sludge; Waste • exportar tecnologia. Europa já saturada de WTE/ biodigestor... • tratamento de lodo de estação de tratamento de esgoto ETE secar e incinerar. Não dispor em aterro! • biodigestão de biomassa biometanização • incineração de lixo industrial/ hospitalar Rotary kiln • incineração de RSU mass burning valorização energética • tratamento de resíduos (líquido, sólido, gás) • Heliosolids ® reator leito fluidizado secagem de lodos e pós incineração exemplo de Copenhagen (spildevandscenter Avedore) http://www. spildevandscenter.dk/ • biometanização de lodos ETE case study ETE Marrakesh 1200 litros por segundo. Vazão diária = 1100 m3/dia produção de biogás = 18000 Nm3/ dia produção de 11000 Kw/dia à redução da fatura elétrica em R$75000/mês • biodigestão biomassa (ciclo combinado completo compostella ® Valmass): bagaço de cana, vinhaça, óleo de agricultura, graxas vegetais, concentrados de batata... • Rotary kiln: Turnover ® Rotary Kiln • tratamento de lixo hospitalar e tóxico maiores exigências • incineração até 1000ºC 2 segundos • elevado conteúdo de enxofre e cloro • tecnologia BATNEEC (sludge, biomass, toxic/ hospital, industrial, resíduos sólidos): seleção de tecnologia a base de quantidade e tipo de resíduo • PCI do resíduo: aumenta com o enriquecimento da população • caldeira waterleau: Pressão: 40 Bar; temperatura gás antes superaquecedor menor 650ºC (superaquecedor é a parte mais cara da caldeira); corrosão:tubos 3mm de espessura; linhas paralelas garantem maior flexibilidade na operação; mesmo m2 de caldeira, mesma lavagem de gás • buffer para manter o sistema funcionando caso ocorra alguma eventualidade Palestrante: Cristiane Lima Cortez Cenbio USP • CENBIO Centro Nacional de Referência em Biomassa • Criado em 1996; Grupo de pesquisa em bioenergia do Instituto de Eletrotécnica e Energia da USP; MISSÃO: Promover o desenvolvimento e o uso eficiente da biomassa como fonte de energia no Brasil • Áreas de atuação: Biodiesel / Óleos vegetais; Biogás; Canadeaçúcar/ Etanol; Gaseificação; MDL; Resíduos, biogás • publicações: atlas de biomassa no Brasil: http:// cenbio.iee.usp.br/atlasbiomassa.htm • projeto Energ Biog (2005) Instalação e Testes de uma Unidade de Demonstração de Geração de Energia Elétrica a partir de Biogás de Tratamento de Esgoto Coordenador: José Roberto Moreira. • Link: http://cenbio.iee.usp.br/projetos/energ_biog/ energ_biog.htm • Objetivo principal comparar duas diferentes tecnologias de conversão, para geração de eletricidade a partir do biogás produzido no tratamento de esgoto. • O desenvolvimento do projeto consistiu na realização de testes, comparando um grupo motor gerador ciclo Otto convencional com uma microturbina de mesma potência (30 kW), operando com o biogás produzido na Estação de Tratamento de Esgoto (ETE), da Sabesp, em Barueri, São Paulo Dados Técnicos: • Quantidade de Esgoto Tratado = 7,0 m3/s • Produção Média de Biogás = 24.000 m3/dia • Consumo de Energia Elétrica = 10 MWh/mês • PUREFA Programa de Uso Racional de Energia e Fontes Alternativas Coordenador Geral: Antonio Marco Saidel Site do Programa: • http://www.pure.usp.br/home_purefa1.asp • Biodigestor RAFA Reator Anaeróbio de Fluxo Ascendente, alimentado com esgoto do CRUSP Conjunto Residencial da Universidade de São Paulo Dados Técnicos: • Quantidade de Esgoto Tratado = 3,0 m3/h REPORT • Energy Waste Brasil • 2012 • ¦ 20 O Encontro
  • 21. • Volume Útil do Biodigestor = 25 m3 • Tempo de Retenção Hidráulica (TRH) = 8 h • Produção Média de Biogás = 4 m3/dia O projeto PUREFA teve como objetivos principais: • implantar medidas de gestão e de ação de eficiência energética que permitem reduzir o consumo de energia elétrica e aumentar a participação das fontes alternativas na matriz energética da Universidade de São Paulo; • ampliar a geração distribuída na USP a partir de tecnologias que utilizem recursos renováveis e não convencionais de energia; • implantar políticas de incentivo permanente ao uso eficiente e racional de energia e a descentralização do custeio da energia elétrica • Projeto Aproveitamento de Resíduos Sólidos Urbanos para Geração de Energia Elétrica e Iluminação a Gás Aterro da Essencis CTR Caieiras (São Paulo) Área total do aterro: 3,5 milhões m2 • Área destinada ao aterramento de lixo: 1,5 milhões m2 • Maior Central de Tratamento de Resíduos da América Latina: É o destino de 75% do lixo da cidade de São Paulo; Recebe cerca de 10 mil toneladas de lixo diariamente; Trata resíduos Classe I e Classe II • Potencial de geração de biogás atualmente: 17.600 m3/h • Concentração de metano: 50% 8.800 m3/h de metano • Potencial de geração de biogás em 2024 (ano de encerramento do aterro): 40.0000 m3/h • Potência disponível em 2010: 17 MW • Potência disponível em 2024 (ano de encerramento do aterro): 40 MW Motor ciclo Otto adaptado para biogás • Opera com concentrações de metano de 30% a 80% • Potência: 200 kW • Metodologia de estimativa de reduções de GEE provenientes da biodigestão de resíduos animais Coordenadora: Suani Teixeira Coelho http://cenbio.iee.usp.br/projetos/biodigestores.htm O projeto teve por objetivo o desenvolvimento de tecnologia capaz de: • Dimensionar sistema de tratamento de dejetos animais (bovinos e suínos) para pequenas e médias propriedades do Brasil; • Dimensionar sistema de geração de energia elétrica; • Estimar redução de carbono com a queima do metano de dejetos animais para geração de energia elétrica; • Realizar cálculos financeiros da implementação de projetos • Ferramenta Computacional para Estimar Produção de Biogás, Geração de Eletricidade e Redução de Carbono para Fazendas de Pequeno e Médio Portes no Brasil • falta de políticas públicas de incentivo às tecnologias para geração de energia elétrica a partir de RSU ( e biomassa em geral). Palestrante: Carlos Alberto N. Bezerra VEGA Solvi • valorização energética: Empresa especializada criada para valorização energética a partir de fontes alternativas • A empresa diversifica sua atuação no setor energético por meio de projetos como: Estudos, projeto, construção e operação de Usinas Termelétricas alimentadas a partir de biogás de aterro e biomassa; • Biogás é gerado a partir da decomposição da matéria orgânica presente nos resíduos urbanos dispostos no aterro sanitário • Tubulações Horizontais: estes elementos são dimensionados de forma a propiciar melhor eficiência de extração • Salvador: potencial de Créditos de Carbono em 2004. Este foi o primeiro projeto no mundo a obter os créditos provenientes da destruição do metano em aterros sanitários • Com o aumento do valor da tarifa de energia e com o benefício da isenção da TUSD além do crédito de carbono, o Grupo Solvi decidiu implementar uma Termelétrica. • URE de RSU: opera mais de 20 aterros no Brasil e América Latina, e plantas de triagem • experiência: URE em 1994 Sapopemba 2500t/dia contrato com a prefeitura municipal de São Paulo 27MW autorização Aneel • 2012: URE São Bernardo do Campo: 720 t/dia 30 anos PPP, em licenciamento • solução tecnológica para aterros brasileiros de médio e grande porte, é um ativo que está sendo jogado fora , além dos prejuízos ambientais REPORT • Energy Waste Brasil • 2012 • ¦ 21 O Encontro
  • 22. • requer muitos cuidados técnicos, comerciais; conhecimento técnico e experiência no setor; escala adequada; necessidade de incentivos para ampliar mercado benefício de isenção TUSD; créditos de carbono (Redução certificada de emissão RCE) • necessidade de programa energético Federal para incentivar/ provocar grande avanço no setor de saneamento • aterro: em qualquer caso, será necessário, ainda que se opte pela WTE, será necessário • casos europeus: maiores incentivos, maiores percentuais de reciclagem • incineração não compete com aterro em termos econômicos, mas em termos ambientais, sim. É viável economicamente para Europa e outros países devido aos incentivos. Para o Brasil, além dos incentivos, será viável desde que se aumente as taxas de tratamento de resíduos atuais e/ou da energia elétrica. • WTE: indicada para grandes municípios (escala) nos casos em que estes estejam dispostos a aumentar a taxa do tratamento e disposição final de resíduos sólidos • conclusões: estudar e propor soluções viáveis; muitos passivos ambientais; não faltam tecnologias, faltam melhores condições de receita (prefeitura e energia), redução de tributos e outros incentivos como leilão Federal... • diminuição do problema de saneamento e diversificação da matriz energética brasileira Palestrante: Antonio Carlos Delbin Biogás Energia Ambiental Projetos Bandeirantes, São João e Gramacho: CONCESSÃO PMSP e PMRJ PARA EXPLORAÇÃO DO GÁS • Período de Concessão 15 anos renováveis por mais 15 anos • Poder concedente PMSP (SVMA) e PMRJ (Comlurb); • Remuneração ofertada à concessão para PMSP • Pagamento de taxa mensal pelo uso da Área + Exploração do Biogás; • Repasse de 50% dos CERs emitidos • Remuneração ofertada à concessão para PMRJ • Tarifa reduzida para Operação do Aterro • Obras de Infraestrutura do Entorno • ETEChorume • Repasse de 36% dos CERs emitidos • Bandeirantes: Construção: Implantação: set a dez/03 100 dias; Investimentos US$ 25 Milhões • São João: Construção: Implantação: jan/07 a Março/2008 14 meses 26 Km Linhas de transmissão; Investimentos US$ 55 Milhões • Sistema de supervisão e controle automatizado com interface de operação a distancia • Monitoramento dos Poços/Projeto: Staff 1 Engenheiro e 4 Estagiários de Engenharia Ambiental • Através de aparelhos portáteis de campo: 2 Anemometer (m/s); 2 Manometer (mbar); 2 Analisador de Gás(%CH4, CO2 e O2); Manutenção das Redes de captação/Projeto • Pessoal4 Técnico, 1 Motorista de Caminhão, 1 Operador de Retro e 10 ajudantes • Pesquisa e desenvolvimento. Avaliação de emissões pela cobertura. Avaliação das pressões internas • Manta de 50.000 m² julho/2009: Instalação da manta de 50.000m² no platô do aterro Bandeirantes evitar emissão fugitiva de biogás • 1 ano após o encerramento do aterro já há uma queda brusca da produção do biogás. • AUDIÊNCIA PÚBLICA: Utilização de recursos gerados pelo leilão dos créditos de carbono do Aterro Bandeirantes Projeto Centro de Formação SócioAmbiental Parque Anhanguera R$ 8.000.000,00: 05 de novembro de 2007 Implantação de viveiro; Implantação de escola de marcenaria; Ampliação de Centro de Triagem e Reabilitação de Animais Silvestres; Centro de Formação e Capacitação (Educação Ambiental); Central de triagem Perus; • Central de triagem Pirituba; Implantação de Ecopontos; 2 Perus; 2 Pirituba; Projeto Coleta Seletiva e Instalação de Ecopontos R$ 2.400.000,00; Projeto Implantação de Ciclovias R$ 3.000.000,00; Projeto Urbanização da Bacia Bamburral R$ 4.000.000,00; Projeto Parque Linear Perus R$ 27.125.420,00; Projeto Intervenção SócioUrbanística Córrego do Fogo Pirituba R$ 3.700.000,00; Projeto Praças Públicas R$ 10.000.000,00; www.biogasambiental.com.br link de acesso aos projetos de MDL no site da UNFCCC (Convenção Quadro das Nações Unidas Sobre Mudanças do Clima) http://cdm.unfccc.int/Projects/DB/ DNVCUK1134130255.56/view.html REPORT • Energy Waste Brasil • 2012 • ¦ 22 O Encontro
  • 23. ARTIGO DE PALESTRANTE Política  Nacional  de  Resíduos  Sólidos  -­  Lei  12.305  -­     e  a  Diretiva  Européia  2008/98/CE ¦ Porque? Por fim os dados da ABRELPE mostram que as taxas de reci- clagem no Brasil são elevadas: papel e vidro cerca de 40%, gar- rafas PET 60%, latas de aço 85% e somos campeões mundiais em latas de alumínio 98%. Isto ocorre porque a pobreza esti- mula um enorme contingente de catadores que tiram seu sus- tento do lixo sem nenhuma ou pouca ingerência do Governo. Para melhorar este quadro a principal medida seria estimular a separação na origem e a coleta seletiva seria apenas uma conse- quência mas isto custa caro pois requer diferentes tipos de trans- porte para o lixo reciclável e para o não reciclável mas ainda muito rico em energia que está sendo desperdiçada nos nossos aterros ambientalmente adequados . A China possui 90 usinas lixo/ energia e está projetando mais 140 nos próximos cinco anos. O Brasil não tem nenhuma mas o Rio de Janeiro prepara duas atra- ções para a Copa e Olimpíadas: o trem bala que vai passar pertinho da outra, o moderno aterro de Seropédica que não tem nem tratamento de chorume. Sergio Guerreiro Ribeiro, PhD Presidente do Waste-to-Energy Research and Technology Council Brasil www.wtert.com.br Com a instituição da Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS (Lei 12.305 de 2/8/2010) ficou a impressão, transmitida pela mídia, de que todos os nossos problemas estariam resolvidos num passe de mágica. No seminário Energy Waste 2012 - Hiria realizado em São Paulo, 5 e 6 de novembro, atuei como coordenador dos debates representando o WTERT-Brasil ( Waste-to-Energy Research and Technology Council filiado a Universidade de Columbia em Nova York - www.wtert.org). Em algumas palestras a PNRS foi apresentada com grande entusiasmo, porem sem entrar nos detalhes ou nas consequências do texto para o gerenciamento sustentável dos RSU no Brasil. Os equívocos da PNRS ficam evidentes na comparação com a política adotada pela comunidade européia através da diretiva 2008/98/CE do Parlamento Europeu. Esta diretiva estabelece no Capítulo 1, artigo 1o, apenas um objetivo ou seja: ...proteção ao meio ambiente e a saúde humana, prevenindo ou reduzindo os impactos negativos decorrentes da geração e gestão dos resíduos, reduzindo os impactos gerais da utilização dos recursos e melhorando a eficiência dessa utilização . A PNRS no Capítulo II, artigo 7o estabelece nada menos do que 15 objetivos que além da falta de objetividade (pleonasmo essencial neste caso) inclui diferenças semânticas inúteis e confusas como destinação final e disposição final ambientalmente adequadas esta última inexplicavelmente definida na lei como: a distribuição ordenada de rejeitos em aterros... . O equívoco é gigantesco uma vez que os aterros tambem são definidos, na diretiva européia, como tratamento ao invés de disposição final sendo óbvio que o tratamento do lixo não se encerra com sua disposição final em aterros. A diretiva européia estabelece uma hierarquia preferencial para o gerencialmento dos resíduos sólidos colocando as usinas lixo/energia de alta eficiência na frente dos aterros que ocupam o último lugar. Ou seja na Europa, onde estão os países que melhor gerenciam seus resíduos sólidos (sendo que algumas instalações são atrações turísticas de tão belas e eficientes como Paris, Viena, Brescia e inúmeras outras), os aterros são considerados a pior solução e na PNRS a melhor! Tambem o termo pouco preciso ambientalmente adequada usada com frequência na PNRS tem significado distinto em função do grau de conhecimento do leitor. Ao contrário da PNRS a diretiva européia utiliza o termo melhores tecnologias disponíveis que não acarretem custos excessivos e em outras normas definem estas tecnologias que devem ser usadas levando em conta as possibilidades financeiras de cada comunidade. Neste caso a oferta de incentivos do Governo pode viabilizar as melhores soluções do ponto de vista ambiental mas como a PNRS define, erroneamente, os aterros como a solução ambientalmente adequada fica difícil viabilizar soluções muito melhores e por isto mais caras. Na PNRS o Art. 30, Parágrafo único, item III diz: ...reduzir o desperdício de materiais, a poluição e os danos ambientais . Mas é exatamente isto que ocorre nos aterros sanitários, mesmo os modernos, onde os plásticos e papéis não recicláveis (nenhum país recicla mais de 20-30% dos plásticos por impossibilidade técnica) deixam de gerar enorme quantidade de energia se processados em usinas lixo/energia de alta eficiência. Tambem a grande quantidade de matéria orgânica do nosso lixo gera metano cuja recuperação é no máximo 50% que juntamente com o chorume causam grande risco e passivos ambientais para várias gerações. Mesmo assim a Lei brasileira considera os aterros ambientalmente adequados. REPORT • Energy Waste Brasil • 2012 • ¦ 23 Artigo
  • 24. COMUNIDADE VIRTUAL E PROSSEGUIMENTO DOS TRABALHOS www.hiria.com.br +55 (11) 5093-7847 linkedin.com/company/hiria facebook.com/HiriaInfo twitter.com/HiriaInfo EDIÇÃO 2013 CONFIRMADA PARA 23 E 24 DE OUTUBRO DE 2013 EM SÃO PAULO Durante a edição finalizada em 11/2012 começamos o processo de pesquisa especializada para que a edição 2013 apresente temas ainda mais alinhados com as necessidades e expectativas do mercado, caso queira contribuir neste processo envie um email para vinnicius.vieira@hiria.com.br ou ligue no 11 5093 7847. Caso tenha interesse em conhecer as possibilidades de apoio e patrocínio da edição 2013, envie ume mail para ricardo.simon@hiria.com.br ou ligue para 11 5093 7847. Estamos em processo de produção de outros estudos e encontros setoriais que envolvem questões relacionadas a resíduos sólidos, você pode se manter atualizado visitando o nosso website: www.hiria.com.br Se preferir, envie um e-mail para contato@hiria.com.br ou ligue para 55 11 5093-7847. A Hiria formatou uma arena de debates em suas mídias eletrônicas, o convidamos a visitá-las: REPORT • Energy Waste Brasil • 2012 • ¦ 24 Comunidade Virtual e Edição 2013
  • 25. QUEM ORGANIZOU Vinnicius Vieira Responsável pelas conferências, relatórios setoriais e projetos de inteligência de mercado da Hiria. Também é pesquisador do Núcleo de Estudos do Futuro da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo ‒ PUC-SP, um dos responsáveis pela estruturação da linha de pesquisas em ambientes urbanos e cidades inteligentes. Mestre em Administração de Empresas pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, com projetos de pesquisas relacionados a ambientes urbanos, comportamento do consumidor de serviços públicos e internacionalização de empresas e economias. Possui certificações emitidas pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID/FMI) em integração política e econômica do Leste e Sudeste Asiático (2010) e pela Universidade de St. Gallen em integração econômica, política e jurídica da União Europeia (2011). Possui dez anos de experiência em empresas de consultoria e é responsável por mais de 50 estudos de mercado e encontros setoriais para as áreas de infra-estrutura, energia e recursos naturais. Especializações Cidades, Energia, Água, Resíduos, Mobilidade urbana e Comportamento do Consumidor Report elaborado por: Silvia Regina Stuchi Cruz Gestora Ambiental pela Escola de Artes, Ciências e Humanidades - EACH da Universidade de São Paulo - USP e Mestre em Política Científica e Tecnológica, pela Universidade Estadual de Campinas - Unicamp. Atualmente é Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Política Científica e Tecnológica da Unicamp e participa do projeto FAPESP Mercado de carbono e oportunidades para a inovação em serviços públicos relacionados aos resíduos sólidos urbanos , coordenado pelos professores da EACH/USP: Sônia Paulinoe Ednilson Viana. Possui experiência em resíduos sólidos urbanos e mercado de carbono, com foco no escopo setorial aterros sanitários. Atuou em consultoria ambiental especializada no desenvolvimento de projetos de carbono. Tem também especialização em inventários de emissões de gases de efeito estufa para diversas atividades. Lattes: http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=S0173238 REPORT • Energy Waste Brasil • 2012 • ¦ 25 Personagens
  • 26. Apresentação  FOXX   Barueri  2012   PATROCÍNIO www.urebarueri.com.br
  • 27. www.hiria.com.br +55 (11) 5093-7847 linkedin.com/company/hiria facebook.com/HiriaInfo twitter.com/HiriaInfo