• Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
19,252
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
376
Comments
0
Likes
6

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide
  • (capítulos I e II)
  • Sexagésima é o domingo anterior ao domingo de carnaval. Correspondia aproximadamente a 60 dias antes da Páscoa.

Transcript

  • 1. Padre António Vieira
  • 2. O PROCESSO ARGUMENTATIVO
  • 3.
    • Um sermão é uma peça de oratória , que é a arte de discursar , a arte da eloquência .
    • Os teóricos modernos apontam quatro tipos de discurso ou peças de oratória, que são:
      • o académico , constituído por agrados ou homenagens, também chamado de panegírico;
      • o judiciário , aquele que acusa ou defende;
      • o político , que trata de questões públicas;
      • e o religioso , este também chamado de parenética, cuja função é discutir dogmas da religião com vistas a incuti-los nos ouvintes.
  • 4.
    • A oratória de carácter religioso , a parenética , compõe-se de textos que podem ser classificados de acordo com sua função:
      • a homilia , que é a explicação de um tema ou de uma passagem evangélica;
      • o panegírico , que é uma oração de louvor;
      • a oração fúnebre ;
      • e, finalmente, o objecto do estudo, o sermão , também chamado de prédica , um discurso importante, longo, demoradamente elaborado, com o objectivo de convencer o auditório.
  • 5. Sermão vem do latim, sermone, e originariamente significa conversação. O significado do termo evoluiu para um discurso religioso, pregado geralmente no púlpito. Chama-se prédica porque se desenvolve a partir de um conceito predicável , ou seja, que é possível de ser pregado. Esse conceito predicável é um texto bíblico que o orador comenta de acordo com o tema e as teses que se propõe a desenvolver.
  • 6.
    • A estrutura clássica: os sermões de Vieira tinham tanto o “poder” de convencer quem ouvia tanto pela razão quanto pela emoção.
    • • Na unidade do assunto: o tema é estudado em todos os aspectos.
    • • Na circularidade do desenvolvimento : através da retomada constante das premissas iniciais que são repetidas até o fim do sermão.
    • • Na divisão em cinco partes :
        • Tema
        • Intróito
        • Invocação
        • Argumentação
        • Peroração ou Epílogo
  • 7. Tema – Vieira abre os sermões evocando uma passagem bíblica que ilustre o assunto sobre o qual vai pregar. Essa citação bíblica será retomada insistentemente em toda a peça oratória e serve para despertar e manter a atenção do leitor ou ouvinte. Funciona como um enunciado da tese.
  • 8. Intróito – O orador expõe o plano geral do sermão antecipando os elementos que serão desenvolvidos e definindo os termos essenciais à compreensão do argumento.
  • 9. Invocação – O sermonista invoca a protecção divina ou da Virgem Maria, para que inspirem a pregação.
  • 10. Argumentação – O pregador propõe a tese, sustentando-a com exemplos bíblicos, encíclicas papais, obras teológicas dos doutores da Igreja. Vale-se de todo o arsenal da lógica e da estilística (silogismos, sofismas, associações inesperadas, paradoxos, trocadilhos). Utiliza o método parenético que consiste em lançar o argumento e pensar todas as possibilidades de contestação do ouvinte/leitor, antecipando-se às conclusões do auditório e desarmando as possíveis objecções.
  • 11. Peroração ou Epílogo – O orador apresenta a conclusão e exorta (aconselha) a observância das verdades morais pregadas.
  • 12.  
  • 13. O Sermão da Sexagésima foi um dos mais famosos. Através dele, o pregador esmerou-se na retórica, contando com sua memória prodigiosa e rara habilidade no domínio da palavra. O Sermão da Sexagésima versa sobre a arte de pregar. Nele, Vieira usa de uma metáfora: pregar é semear .
  • 14.  
  • 15. O sermão é um todo de 10 pequenos capítulos e é considerado seu mais importante sermão: uma crítica monumental ao estilo barroco, sobretudo ao Cultismo . Como foi pregado na Capela Real, em Portugal, podemos concluir que o auditório era particular, composto por católicos da nobreza portuguesa da época. O autor procura aproximar-se do auditório dirigindo-lhe perguntas que ele mesmo, o autor, responde. O autor procurou no sermão a adesão do auditório à sua tese principal de que se não havia conversões em massa ao catolicismo na sua época era por culpa dos pregadores de então.
  • 16. Traçando paralelos entre a parábola bíblica sobre o semeador que semeou nas pedras, nos espinhos (onde o trigo frutificou e morreu), na estrada (onde não frutificou) e na terra (que deu frutos), Vieira critica o estilo de outros pregadores contemporâneos seus, que pregavam mal, sobre vários assuntos ao mesmo tempo (o que resultava em pregar em nenhum), ineficazmente e agradavam aos homens ao invés de pregar servindo a Deus.
  • 17. ESTRUTURA DO SERMÃO
  • 18. 1- PRÓLOGO: parte que inicia o sermão. Tema: passagem do evangelho que irá ilustrar o sermão. Intróito ou exórdio: exposição do plano do discurso. Apresenta grande variedade de temas, abordando questões filosóficas, políticas ou morais. Factos históricos ou sociais também entram em pauta no sermão. (capítulos I e II) Invocação: pedido de auxílio divino. Geralmente é feito à Virgem Maria.
  • 19. 2- DESENVOLVIMENTO ou ARGUMENTAÇÃO: corpo do sermão. (capítulos III a VIII) Uso de vários recursos retóricos: exemplificação, comparações, indagações, deduções, enfim, uma série de procedimentos argumentativos. Para fortalecer a argumentação recorre-se a passagens bíblicas, além daquela utilizada como tema. Proposta do tema é seguida da antecipação de qualquer possibilidade de questionamento ou de contestação que possa ser empreendida pelo auditório, anulando-se assim qualquer forma de refutação.
  • 20. 3- PERORAÇÃO ou CONCLUSÃO: recapitulação do tema com o epílogo. (capítulos IX e X) Faz-se a EXORTAÇÃO, ou seja, a advertência relativa aos valores propostos pelo sermão. OBS. O sucesso do sermão se deve à aplicação da RETÓRICA, ciência criada por Aristóteles, desenvolvida em Roma e amplamente utilizada pelos pensadores cristãos. “(...) arte de achar os meios de persuasão que cada caso comporta.”
  • 21.