O que é argumentar

  • 27,472 views
Uploaded on

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
27,472
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3

Actions

Shares
Downloads
743
Comments
0
Likes
10

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1.   Guião Disciplina de Português Profª: Helena Maria Coutinho
  • 2. Para falar ao vento, bastampalavras; para falar ao coração, são necessárias obras. Sermão da Sexagésima
  • 3. A TÉCNICA DA ARGUMENTAÇÃO Argumentar = é expressar uma convicção e uma explicação para persuadir ointerlocutor a modificar o seu comportamento.
  • 4. Argumentar é desenvolver organizadamente um raciocínio, uma ideia, umaopinião, um ponto de vista ou uma convicção, de forma a influenciar, a convencer e apersuadir um auditório ou leitor.No nosso quotidiano estamos argumentar:  quando defendemos um ponto de vista,  quando apresentamos a nossa opinião,  quando propomos uma solução para um problema  ou quando queremos convencer os outros a aceder a um pedido nosso…Por vezes, enfrentamos a oposição dos outros e, então, temos de argumentar aindamelhor para os convencer.E argumentar bem é um ato de inteligência que, para ser eficaz, tem as suas regras.
  • 5. Nos nossos dias, o discurso argumentativo assume com frequência a forma escritaem ensaios, teses, editoriais, artigos de opinião, cartas e manifestos, textospublicitários, onde a «arte de bem discorrer» de forma a convencer o leitor épraticada diariamente.Nos parlamentos, nos debates políticos, nas mesas redondas, nas campanhaseleitorais permanece a tradição de apresentação oral de ideias organizadas efundamentadas, que se discutem, tendo em vista convencer o público dalegitimidade de determinadas propostas.
  • 6. Segundo Aristóteles, um discursopressupõe a existência de trêselementos fundamentais: a pessoa que fala - ORADOR o ASSUNTO de que se fala a(s) pessoa(s) para quem se fala - AUDITÓRIOPara provocar a adesão do auditório acertas teses, é fun-damental que oorador conheça quais as teses e osvalores inicialmente admitidos peloauditório. Eles deverão constituir oponto de partida do discurso.
  • 7. Ter um conhecimento claro da ideia do assunto que se vaidefender, buscando-se a informação e a documentação necessárias.Considerar as pessoas que se pretende convencer, a fim de prepararou selecionar as razões que se consideram mais eficazes para cada casoconcreto.Elaborar um guião com os principais dados e argumentos que se vãoutilizar.Prever possíveis réplicas dos ouvintes e preparar outros argumentos ourespostas que possam convencê-los.Apresentar com correção e clareza os argumentos, procurando nãoofender ninguém.
  • 8. O encadeamento das ideias e dos argumentos deve respeitar umaprogressão interna: • levantamento e apresentação das características e dos traços marcantes da situação ou do problema a tratar; • organização cronológica dos factos ou dos aspetos significativos; • demonstração da validade da tese com argumentos pertinentes; • inclusão de elementos de prova que validem as opiniões expressas (provas, exemplos, citações).
  • 9.  Definir os argumentos mais pertinentes para a defesa de uma tese que se quer apresentar a um determinado auditório; Organizar e articular esses argumentos de forma a estruturar coerentemente o discurso; Organizar as palavras e as frases com enriquecimento estilístico; Escolher o tom certo para sublinhar a justeza das suas ideias, a pertinência dos seus argumentos e para valorizar as suas intenções.
  • 10. Um orador, quando produz o seu discurso, deve ter como objetivos:  instruir o auditório, provando a veracidade do que afirma;  agradar ao auditório pela justeza, beleza e brilho da sua argumentação;  comover o auditório, despertando-lhe todas as emoções que seja possível suscitar em favor da causa defendida.
  • 11. A argumentação deve organizar-se em três partes: I. A exposição da tese, devendo ser breve e clara. II. O corpo da argumentação, contendo as razões que apoiam a tese e a refutação das opiniões contrárias. III. A conclusão, consistindo num reafirmar da tese. Há uma estrutura de base que se organiza em tese, antítese e síntese.
  • 12. Um texto argumentativo não oratório segue, geralmente, uma estrutura triádicaorganizada em:  introdução – onde se apresenta a tese a demonstrar, anunciando, ao mesmo tempo, o plano que se vai seguir na argumentação;  desenvolvimento – onde se patenteiam os argumentos estabelecidos segundo princípios lógicos, articulados entre si, para confirmar a tese e refutar ou contradizer as objeções que venham a ser levantadas pelo leitor (antítese); os argumentos procuram convencer o leitor, persuadindo-o, implicando-o no ponto de vista de quem escreve, que deve ir apresentando provas e exemplos do que afirma, levantando hipóteses, inferindo causas e estabelecendo consequências;  conclusão – realiza a síntese do exposto ou exprime os propósitos a seguir; pode apresentar um comentário geral à situação discutida ou uma reflexão que é ponto da situação do problema que foi tratado.
  • 13. O texto oratório (sermão e outros discursos) deve seguir os princípios clássicos quepreveem um plano desenvolvido em cinco partes (é o caso do Sermão de SantoAntónio aos Peixes):  Exórdio – apresenta o assunto do discurso ou do sermão;  Narração ou Exposição – necessariamente breve, tem de ser clara e pode servir para situar a matéria num contexto preciso ou para apresentar os dados essenciais da questão em causa;  Confirmação e Refutação – que discutem a matéria mostrando os argumentos favoráveis e os Contrários  Peroração – apresenta a conclusão que se tirou da discussão feita e deve ser utilizada para comover os ouvintes e levá-los a seguirem as perspetivas e os objetivos do orador.
  • 14. No texto argumentativo encadeiam-se alegações, raciocínioslógicos, provas, exemplos, citações, alegorias, conselhos e ordens, de acordo com ofim que se tem em vista e a impressão que se quer provocar no leitor, sendo estesdois aspetos o objetivo último da argumentação. Esta pode desenrolar-se segundoum raciocínio lógico, ou não – escolha que é determinada pela atitude do autor epelo destinatário que se quer convencer. Sempre que a apresentação de argumentostem em vista suscitar uma discussão ou debate de ideias, é preferível a organizaçãodiscursiva dialética através do esquema TESE – ANTÍTESE – SÍNTESE.Os argumentos podem apelar à razão ou as emoções, ao bom senso, aos valoresmorais, aos conhecimentos, à capacidade de reflexão e de estabelecer juízos devalor. Ao autor importa convencer o leitor inteligente e persuadi-lo da legitimidadedos argumentos, levando-o a considerar válido, plausível e verdadeiro aquilo que éexposto de modo a se sentir predisposto a aceitar os pontos de vista apresentados.
  • 15. Entre os argumentos mais usuais que se empregam para convencer outros estão: • A autoridade, isto é, basear-se na opinião de alguma pessoa, entidade ou documento com prestígio. • A universalidade, isto é, a aceitação generalizada. Por exemplo: Em todas as partes considera-se que ... • A experiência pessoal, sobretudo se foi reiterada. É frequente ouvir: Como verifiquei várias vezes ... • A semelhança com algo que é aceite benevolamente pelos ouvintes. (Qualquer argumento pode ser a favor ou contra determinada tese)
  • 16. Escolha e ordenação dos argumentos Para uma correta construção argumentativa é fundamental a escolha dos argumentos que suportam a demonstração da tese. Eles devem ser pertinentes e coerentes, apresentados de forma lógica e articulada e organizados por ordem crescente de importância.
  • 17. Articulação e coesão do discursoAs qualidades principais do discurso argumentativo são o rigor, a clareza, aobjetividade, a coerência, a sequencialização e a riqueza lexical. Para tal, devem ter-se em conta os seguintes elementos linguísticos: • Correta estruturação e ordenação das frases; • Uso correto dos conectores do discurso (de causa-efeito- consequência, hipótese-solução, oposição, disjunção, etc.); • Respeito pelas regras da concordância; • Uso adequado dos deícticos (determinantes, pronomes, advérbios) que evitam as repetições dos nomes; • Utilização de um vocabulário variado, com recurso a sinónimos, antónimos, etc…
  • 18. 1. Preparação da argumentação: • procura de argumentos (seleção, número, precisão) • disposição dos argumentos (plano, encadeamento) • procura de figuras de estilo1.1 encontrar respostas para as seguintes perguntas: • que quero eu provar? • estes argumentos são realmente válidos? • de que factos disponho? serão sólidos? quais vou utilizar? quais devo manter em reserva? • haverá pontos fracos na minha argumentação? • em que ponto posso ou devo ceder?
  • 19. 2. Etapas do texto argumentativo: • encontrar o problema • analisar os dados • dispor adequadamente os argumentos e contra-argumentos • reformular • enunciar soluções e propostas • usar figuras de estilo adequadas • formular juízos de valor (concordância ou discordância final)3. Qualidades do texto argumentativo: • rigor, clareza, objetividade, coerência, sequencialização, riqueza lexical
  • 20. 4. Estrutura do texto argumentativo: • Introdução: um parágrafo único; afirmação polémica • Desenvolvimento: dois ou mais parágrafos; argumentos e contra- argumentos, exemplos (cada • parágrafo do desenvolvimento deve decompor-se em três elementos: ponto de partida, argumento • e exemplo; os parágrafos devem ser encadeados uns nos outros pelos conectores lógicos) • Conclusão: um parágrafo único; retoma da afirmação inicial confirmada ou contrariada
  • 21. SUGESTÃO DE PRODUÇÃO DE TEXTO 1º parágrafo: TEMA + argumento 1 + argumento 2 + argumento 3 2° parágrafo : desenvolvimento do argumento 1 3° parágrafo: desenvolvimento do argumento 2 4° parágrafo: desenvolvimento do argumento 3 5° parágrafo: expressão inicial + reafirmação do tema + observação final.