Your SlideShare is downloading. ×
Interpretação de ECG
Interpretação de ECG
Interpretação de ECG
Interpretação de ECG
Interpretação de ECG
Interpretação de ECG
Interpretação de ECG
Interpretação de ECG
Interpretação de ECG
Interpretação de ECG
Interpretação de ECG
Interpretação de ECG
Interpretação de ECG
Interpretação de ECG
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Interpretação de ECG

36,246

Published on

3 Comments
4 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total Views
36,246
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
563
Comments
3
Likes
4
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Interpretação de ECG Básico Conduta de Enfermagem Profº. Hiury Gomes Enfermeiro Especialista Neonatologista e pediatria [email_address]
  • 2. INTRODUÇÃO A eletrocardiografia entrou para a prática médica há um século, graças aos estudos de fisiologia relacionados à atividade elétrica do coração humano realizados pelo médico e cientista holandês Willem Einthoven (1860-1927).
  • 3. Anatomia
  • 4. Posição do ECG
  • 5. Registro da atividade ECG
  • 6. Indicações O exame é indicado como parte da análise de doenças cardíacas, em especial as arritmias cardíaca.Também muito útil no diagnóstico de infarto agudo do miocárdio sendo exame de escolha nas emergências juntamente com a dosagem das enzimas cardíacas. CTI ADULTO UTI NEO HOME CARE Atividades esportivas UTI MOVEL
  • 7.
    • Onda P
    • Corresponde à despolarização das atrial, sendo a sua primeira componente relativa à aurícula direita e a segunda relativa à aurícula esquerda, a sobreposição das suas componentes gera a morfologia tipicamente arredondada (excepção de V1), e sua amplitude máxima é de 0,25 mV.
    • Tamanho normal: Altura: 2,5 mm, comprimento: 3,0 mm, sendo avaliada em DII.
    • A Hipertrofia atrial causa um aumento na altura e/ou duração da Onda P.
    • Complexo QRS
    • Corresponde a despolarização ventricular. É maior que a onda P pois a massa muscular dos ventrículos é maior que a dos átrios.
    • Anormalidades no sistema de condução geram complexos QRS alargados.
    • Onda T
    • Corresponde a repolarização ventricular.
    • Normalmente é perpendicular e arredondada.
    • A inversão da onda T indica processo isquêmico.
    • Onda T de configuração anormal indica hipercalemia.
    • Arritmia não sinusal = ausência da onda P
    • Onda U
    • A repolarização atrial não costuma ser registrada, pois é encoberta peladespolarização ventricular, evento elétrico concomitante e mais potente.A onda U é oposta à onda P.
  • 8.
    • Intervalo PR
    • É o intervalo entre o início da onda P e início do complexo QRS. É um indicativo da velocidade de condução entre os átrios e os ventrículos e corresponde ao tempo de condução do impulso elétrico desde o nódo atrio-ventricular até aos ventrículos.
    • Período PP
    • Ou Intervalo PP, ou Ciclo PP. É o intervalo entre o início de duas ondas P. Corresponde a freqüência de despolarização atrial, ou simplesmente freqüência atrial.
    • Período RR
    • Ou Intervalo RR, ou Ciclo RR. É o intervalo entre duas ondas R. Corresponde a freqüência de despolarização ventricular, ou simplesmente freqüência ventricular.
  • 9. Algumas alterações
  • 10. Esse ECG esta? Normal
  • 11. Esse ECG esta? Fibrilação Atrial
  • 12. Esse ECG esta? Infarto
  • 13. Esse ECG esta? Bradicardia Ventricular
  • 14.
    • Bibliografia
    • CARNEIRO , Enéas Ferreira.  O Eletrocardiograma  – Editora Enéas Ferreira Carneiro – São Paulo – SP – 1986.
    • DUBIN , Dale.   Interpretação rápida do ECG.  2º Ed.  - Ed. Publicações Científicas, Rio de Janeiro – RJ - 1982.
    • Periódicos
    • SEADE,  Marcus.  Revista Ciência Hoje  - Vol. 33, nº 196, pág. 74-77 – São Paulo – 1998.
    • RUBENS , Maciel.  Arquivo Brasileiro de Cardiologia , Vol. 66, nº 4, págs. 177-186 – Recife – Pernambuco – 1996.
    • Internet
    • http://abc.cardiol.br
    • http://www.medicinaintensiva.com.br/ecgpatologico.htm
    • http://publicacoes.cardiol.br/caminhos/015/default.asp

×