Your SlideShare is downloading. ×
Trabalho
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Trabalho

13,233
views

Published on

trabalho de pneumatica

trabalho de pneumatica

Published in: Business

0 Comments
4 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
13,233
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
311
Comments
0
Likes
4
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. TRABALHO DE PNEUMÁTICA
  • 2. Introdução
    • REGRAS DE SEGURANÇA
    • CARACTERISTICAS DO AR
    • PROPRIEDADES DO AR COMPRIMIDO
    • VANTAGENS DO AR COMPRIMIDO
    • DESVANTAGENS DO AR COMPRIMIDO
    • GRANDEZAS FISICAS DO AR COMPRIMIDO
    • LEIS
    • PRODUÇÃO DE AR COMPRIMIDO
    • COMPRESSORES
    • ACCIONAMENTOS DE COMPRESSORES
    • REFIGERAÇÃO
    • REDE DE DISTRIBUIÇÃO
    • EQUIPAMENTOS
    • RESUMO
  • 3. REGRAS DE SEGURANÇA
    • 1º. Para fazer modificações ou intervenções num sistema pneumático, este nunca deve estar sob pressão. Em caso de emergência, desligar a válvula corte de ar parcial, ou de corte geral do sector ou da própria central de ar comprimido.
  • 4. REGRAS DE SEGURANÇA
    • 2º. Deve-se sempre tomar as devidas precauções para evitar que uma instalação de ar comprimido possa ser posta sob pressão.
  • 5. REGRAS DE SEGURANÇA
    • 3º. A manobra de abrir uma válvula de corte geral ou parcial, Deverá ser feita lentamente .
  • 6. REGRAS DE SEGURANÇA
    • 4º. Utilizar sempre a pressão aconselhável pelo fabricante do acessório ou ferramenta para evitar danificar o acessório ou ferramenta e ainda o consumo desnecessário de energia.
  • 7. REGRAS DE SEGURANÇA
    • 5º. Não direccionar jactos de ar para a pele, boca, olhos, nariz e nunca usar o ar para sacudir poeiras da cabeça e do vestuário.
  • 8. REGRAS DE SEGURANÇA
    • 6º. Em caso de rebentamento de uma mangueira ou de uma fuga num dispositivo pneumático deve-se desligar a válvula de segurança.
  • 9. REGRAS DE SEGURANÇA
    • 7º. Nunca trabalhar junto de máquinas movimentadas com cilindros pneumáticos, que possam estar com pressão mesmo com a máquina desligada, sem que primeiro tome providências para evitar qualquer movimento destes.
  • 10. CARACTERISTICAS DO AR
    • A superfície terrestre encontra-se totalmente cercada por uma camada de ar. Este ar que é de interesse vital, é uma mistura gasosa de 78% de Nitrogénio, 21% de Oxigénio e ainda vestígios de outros elementos como sejam, dióxido de carbono, argónio, hidrogénio, neónio, hélio, criptónio e xenónio.
  • 11. AR COMPRIMIDO
    • O ar comprimido necessita de uma boa preparação para realizar o trabalho proposto:
    • Remoção de impurezas;
    • Eliminação de humidade para evitar corrosão nos equipamentos;
  • 12.
    • O ar é um fluido altamente compressível, portanto, é impossível se obterem paradas intermediárias e velocidades uniformes.
    • O ar comprimido é um poluidor sonoro quando são efetuadas exaustões para a atmosfera. Esta poluição pode ser evitada com o uso de silenciadores nos orifícios de escape.
    AR COMPRIMIDO
  • 13. Grandezas Físicas
  • 14. Grandezas Físicas
  • 15. Caudal (ou fluxo)
    • É o volume de fluído que atravessa uma dada área por unidade de tempo. O caudal definido desta forma é chamado caudal volumétrico (por apenas ser analisada a quantidade de fluido em unidades de volume). Também é utilizado o conceito de caudal mássico, que é análogo ao volumétrico mas que mede a massa que atravessa uma área por unidade de tempo.
  • 16. Propriedades Físicas do Ar
    • Compressibilidade
    • O ar permite reduzir o seu volume quando sujeito à ação de uma força exterior.
  • 17. Compressibilidade do ar
    • Pode-se então dizer que:
    •  O ar adapta-se à forma do recipiente;
    •  É facilmente compressível;
    •  Teoricamente dentro de um reservatório podemos pôr mais e mais ar, ou seja comprimindo-o até ao limite de resistência do reservatório.
  • 18.
    • Elasticidade
    • Propriedade que possibilita ao ar voltar ao seu volume inicial uma vez extinto o efeito (força) responsável pela redução do volume.
  • 19.
    • Difusibilidade
    • Propriedade do ar que lhe permite misturar-se homogeneamente com qualquer meio gasoso que não esteja saturado.
  • 20.
    • Expansibilidade
    • Propriedade do ar que lhe possibilita ocupar totalmente o volume de qualquer recipiente, adquirindo o seu formato.
  • 21. Peso do Ar
    • Como toda matéria concreta, o ar tem peso.
    • Experiência 1: dois balões idênticos, hermeticamente fechados, contendo ar com a mesma pressão e temperatura.
  • 22. De um dos balões, retira-se o ar através de uma bomba de vácuo.
  • 23. Um litro de ar, a 0  C e ao nível do mar, pesa 1,293 x 10-3 kgf.
  • 24. Pressão Atmosférica
    • Sabemos que o ar tem peso, portanto, vivemos sob esse peso.
  • 25. Pressão Atmosférica
    • A pressão atmosférica. varia proporcionalmente à altitude considerada. Esta variação pode ser notada .
  • 26. Variação da Pressão Atmosférica com Relação à Altitude
  • 27. Medição da Pressão Atmosférica
    • A pressão atmosférica pode ser medida por uma coluna de mercúrio(barômetro).
  • 28. VANTAGENS DO AR COMPRIMIDO
  • 29. Volume:
    • O ar a ser comprimido encontra-se em quantidades ilimitadas praticamente em todos os lugares.
  • 30. Transporte:
    • Facilmente transportável por tubulações.
  • 31. Armazenagem:
    • O ar pode ser sempre armazenado ou transportado em reservatórios.
  • 32. Temperatura:
    • Garantia de funcionamento seguro, apesar das oscilações de temperatura.
  • 33. Segurança:
    • Não existe o perigo de explosão ou incêndio.
  • 34. Limpeza:
    • O ar comprimido é limpo, não polui o ambiente.
  • 35. Construção:
    • Os elementos de trabalho são de construção simples.
  • 36. Velocidade:
    • O ar comprimido permite alcançar altas velocidades de trabalho.
  • 37. Regulação:
    • As velocidades e forças dos elementos a ar comprimido são reguláveis sem escala.
  • 38. Segurança contra sobrecarga:
    • Os elementos e ferramentas a ar
    • comprimido são , seguros contra sobrecarga.
  • 39. Desvantagens
  • 40. Preparação:
    • O ar comprimido requer uma boa preparação. Impureza e humidade devem ser evitadas, pois provocam desgastes.
  • 41. Compressibilidade:
    • Não é possível manter uniformes e constantes as velocidades dos pistões mediante o ar comprimido.
  • 42. Escape de ar:
    • O escape de ar é ruidoso.
  • 43. Custos:
    • O ar comprimido é uma fonte de
    • energia muito custosa. O custo de ar
    • comprimido torna-se mais elevado se na
    • rede de distribuição e nos equipamentos houver vazamentos consideráveis.
  • 44. LEIS
  • 45. Esta lei diz que se a temperatura se mantiver constante, então o produto do volume pela pressão também é constante num dado instante. V 1 P 1 F1 V 2 P 2 F2 V 3 P 3 F3
  • 46. Temperatura no volume de ar:
    • A temperatura no seio de um gás fornece-lhe energia. Esta energia excita as moléculas que tendem a afastar-se umas das outras, fazendo com que o volume do gás sofra alterações (aumente).
  • 47. Temperatura no volume de ar:
    • Se o reservatório é fechado primeiramente o aumento da temperatura faz aumentar o volume até ao limite do reservatório, quando o ar não se pode expandir mais, então a pressão começa a elevar-se .
  • 48. Esta lei diz que se a pressão se mantiver constante, então a razão entre o volume e a temperatura também é constante num dado instante. V 2 V 1 T 1 T 2
  • 49.  
  • 50.  
  • 51. PRODUÇÃO DE AR COMPRIMIDO
  • 52. Instalação típica de produção de ar comprimido 1.Ar externo 2.Compressor 3.Água 4.Pós-arrefecedor com separação de condensado 5.Filtro de remoção de óleo e condensados 6.Colunas de absorção para remoção de vapor de água 7.Filtro de remoção de partículas sólidas 8.Aplicação/reserva de ar seco
  • 53. Compressores
    • Para gerar o ar comprimido, recorre-se a compressores que transportam o ar à pressão de serviço desejada. O ar comprimido é conduzido, através de canalizações, da estação de compressão até aos dispositivos e máquinas de comando pneumático.
  • 54. Métodos de compressão
  • 55. Compressão dinâmica
    • Este tipo de compressão resulta da transformação de energia cinética em pressão, ou seja, gastamos energia para movimentar fortemente o ar captado à atmosfera e quando este perde velocidade, a pressão aumenta.
  • 56. Compressão dinâmica
    • O ar admitido é colocado em contacto com impulsores (rotor laminado) dotados de alta velocidade. Este ar é acelerado, atingindo velocidades elevadas consequentemente, os impulsores transmitem energia cinética ao ar. Posteriormente, seu escoamento é retardado por meio de difusores, resultando uma elevação na pressão. Estes compressores operam a velocidades superiores aos compressores volumétricos.
  • 57. Compressão dinâmica
  • 58. Compressão volumétrica
    • Neste tipo de compressão, o ar é admitido numa câmara de compressão, ou cilindro, cujo volume se vai reduzindo devido à acção de uma parede móvel (pistão ou diafragma). Uma vez atingida a pressão de saída, o ar abandona a referida câmara através da válvula de descarga.
  • 59.
    • Estes compressores denominam-se centrífugos , porque a compressão processa-se perpendicularmente ao veio motor.
    • A descarga do ar efectua-se segundo a tangente ao raio das pás impulsoras e são unidades indicadas para produzirem ar isento de óleo.
    Compressores centrífugos ou radiais
  • 60. Compressor Centrífugo
  • 61. Compressor Centrífugo
  • 62. Compressor Centrífugo Controle de Capacidade em Compressores Centrífugos  Variação da rotação.  Regulação das pás de pré-rotação na entrada do rotor
  • 63.  
  • 64. Compressores axiais
    • A compressão nesta unidade processa-se paralelamente ao veio motor, daí a designação de axial.
  • 65. Compressores alternativos
          • Compressor de êmbolo
    O ar aspirado será comprimido pelo primeiro êmbolo (pistão), e novamente comprimido pelo próximo êmbolo.
  • 66. Compressor de Simples Efeito ou Compressor Tipo Tronco
    • Ciclo de trabalho de um compressor de pistão de simples efeito
  • 67. Compressor de Duplo Efeito - Compressor Tipo Cruzeta
    • Ciclo de trabalho de um compressor de pistão de duplo efeito
  • 68. Compressores alternativos
    • Compressores de membrana
    Mediante uma membrana, o êmbolo fica separado da câmara de sucção e compressão, quer dizer, o ar não terá contacto com as partes deslizantes. O ar, portanto, ficará sempre livre de resíduos de óleo. Estes compressores são os preferidos e mais empregados na Industria alimentar, farmacêutica e química,
  • 69. Compressores rotativos
    • Compressores de espiral
    Este tipo de compressor possui um principio de funcionamento inovador e de extrema simplicidade: compreende uma espiral fixa e outra orbitante e a compressão do ar processa-se pela interacção destas duas espiras. Assim, à medida que a espiral móvel orbita ,graças a um excêntrico, o ar vai sendo progressivamente comprimido numa ‘bolsa’ cada vez menor.
  • 70. Compressores de parafuso
    • O seu funcionamento consiste basicamente em dois rotores que giram dentro de um bloco fixo, entre uma abertura de admissão (entrada) e uma de descarga (saída).
    • Estes rotores possuem formas apropriadas: um denominado macho, e o outro em forma de reentrâncias, chamado de fêmea.
  • 71. Compressor de Parafusos
  • 72. Compressor de Parafusos
    • Capacidades de  50 até 350 TR
    • Menor tamanho que os alternativos
    • Menos partes móveis
    • Óleo: - lubrificação
    • - vedação
    • - resfriamento
  • 73.  
  • 74.  
  • 75.  
  • 76.  
  • 77. Compressores de palhetas
    • Num compartimento cilíndrico, com aberturas de entrada e saída, gira um rotor alojado excentricamente. O rotor tem nos rasgos, palhetas que em conjunto com e parede, formam pequenos compartimentos .Quando em rotação, as palhetas serão, pela força centrífuga, atiradas contra a parede. Devido à excentricidade de localização do rotor há uma diminuição e aumento dos compartimentos.
  • 78. Compressor de Palhetas Palhetas Simples
  • 79. Compressor de Palhetas Múltiplas Palhetas
  • 80. Compressor de palheta
  • 81. Compressores roots
    • Nestes compressores o ar é transportado de um lado para o outro, sem alteração de volume. A compressão (vedação) efectua-se no lado da pressão pelos cantos dos êmbolos.
  • 82. Compressores de dentes ou engrenagens
    • Nestes compressores o ar é transportado de um lado para o outro, (sem alteração de volume) através dos espaços entre os dentes, das engrenagens. A compressão (vedação) efectua-se no lado da pressão, pelos dentes das rodas dentadas.
  • 83. Accionamento dos compressores
    • Os compressores são accionados por motores eléctricos ou térmicos (Combustão).
  • 84. Refrigeração dos compressores
    • Nos compressores considerados pequenos será suficiente a refrigeração por alhetas.
  • 85. Refrigeração dos compressores
    • Os compressores de maior capacidade estão equipados com ventiladores, e devem então ser equipados com uma refrigeração a água/óleo circulante ou a água/óleo corrente continua .
  • 86. Refrigeração dos compressores
  • 87.  
  • 88.  
  • 89.  
  • 90. EQUIPAMENTOS
    • Filtros de ar
    • Reservatório
    • Cilindros
    • Válvulas
  • 91.  
  • 92. Filtros de ar
    • As impurezas do ar podem ser altamente abrasivas e danificar o equipamento. Isto justifica a necessidade de filtros.
  • 93. Qualidades do Filtro
    • Separação eficiente;
    • Boa capacidade de acumulação;
    • Baixa resistência ao fluxo de ar;
    • Construção robusta.
  • 94. Tipos de filtro
    • Labirinto humedecido por óleo;
    • Filtros de feltro;
    • Filtros de papel.
  • 95.  
  • 96.  
  • 97.  
  • 98.  
  • 99.  
  • 100.  
  • 101.  
  • 102.  
  • 103.  
  • 104.  
  • 105.  
  • 106.  
  • 107.  
  • 108.  
  • 109.  
  • 110.  
  • 111.  
  • 112.  
  • 113.  
  • 114.  
  • 115.  
  • 116.  
  • 117. RESUMO
    •  Para que o ar possa fornecer energia, é necessário comprimi-lo .
    •  Em termos tecnológicos, a produção de ar comprimido é realizada por compressores .
    •  Quanto ao processo de compressão a que o ar é sujeito, os compressores podem ser divididos em volumétricos , e dinâmicos.
  • 118. RESUMO
    •  Os compressores dinâmicos podem ser – centrífugos ou axiais – e operam a velocidades superiores aos compressores volumétricos.
    •  Os compressores volumétricos classificam-se em alternativos e rotativos , no que respeita ao tipo de movimento imposto ao órgão propulsor do fluido a comprimir.
    •  Os compressores são accionados por motores eléctricos ou térmicos (Combustão).
    •  A refrigeração pode ser efectuada por água,oleo ou por alhetas.
  • 119. RESUMO
    •  O ar pode atingir pressões baixas ou elevadas e, ainda ser debitado em pequenos caudais de alguns litros por hora, até milhares de metros cúbicos por hora.
    •  Os critérios a ter em conta na escolha de um compressor são:
    •  Volume de ar fornecido
    •  Pressão
    •  Tipo de accionamento
    •  Refrigeração
    •  Lugar de montagem
    •  Reservatório de ar
  • 120. FIM