o clube das
pessoas normais
“Mais de uma vez, três, doze, vinte, eu repetia
sempre, me olhando no espelho antes de dor-
mi...
De novo este
inferno.
Sai gosma
nojenta!
O que está
acontecendo
comigo?
Gregório, já
acordou?
Já mãe.
Se arruma.
Sua aula
de natação
é daqui a
pouco.
Eu tenho
mesmo que ir,
mãe? Eu tô de
férias....
Que
exagero de
roupa.é
esse?
Tá
frio. Me
deixa.
Quando eu era pequena, minha mãe me obrigou
a fazer balé. Odiei a ideia no...
Vão é se
divertir
às minhas
custas
Se virem como eu sou, vão
rir da minha cara nojenta
e do meu corpo gosmento
e deformado...
Doze
fichas,
moço.
Pois então é
exatamente
isto que irei
fazer.
Minha mãe
falou para eu
me divertir.
Todo mundo escolhe
Ry...
Minhas férias ficaram mais
suportáveis com o fliperama.
Eu só precisava
molhar a sunga
e a toalha no
banheiro antes
de vol...
Então, eis que um dia ele apareceu.
Todo vingador encapuzado tem que
ter um inimigo pra atazanar sua vida.
Pela cara de ca...
Ele ficou tentando de novo e
de novo. E eu sempre o vencia.
Mas ele nunca escolhia Ken
ou Ryu como os outros.
Tinha cara d...
Mãe é mãe. Todas
acham que o filho será
o próximo Messias e às
vezes cobram demais
mesmo.
É, nem
fala.
Mas
isso passa com ...
E aí,
cara! Você
veio!
Mas alguma
coisa em Alex
também me
deixava aflito.
Eu não entendia
o que era.
Parecia que algo iria...
Não acredito!
Venci o teu Blanka!
A besta finalmente
foi domada!
Hahaha!
Só apelando
com o Ryu pra detonar
tuas viadagens ...
Tudo voltou
a ser pesado
naquele
momento.
Porra, Greg!
Que merda foi essa?
Ficou maluco,
cara?!
Olha a
merda que
você fez....
Eu deveria poupar
o mundo de toda
a minha feiura.
Eu deveria
poupar o clubinho
das pessoas
normais da visão
grotesca de me...
Ei, cara.
Tá tudo bem
contigo?
SAI DAQUI,
ALEX! ME DEIXA
EM PAZ!
Calma, Greg.
Você saiu lá de casa que
nem um louco. Esque...
Você não entende,
Alex. Eu nunca vou ser
bonitão que nem você.
Eu nem ao menos vou
ser normal. Eu sou
uma aberração.
E voc...
Óbvio que
esta cena só
aconteceu
na minha
cabeça.
O mundo pode até ser um
grande palco, mas a vida
está longe de ser uma l...
Não sei nem como tive coragem de
me abrir com o Alex. Tive um medo
enorme de que ele não quisesse mais
ser meu amigo ou at...
Quem sabe
agora o meu
coração de
monstro esteja
começando
a bater no
ritmo certo.
Ou quem sabe
Alex estivesse
certo afinal...
Preparem-se.
E está faminto.
Ele vai invadir o clubinho
das pessoas normais.
Monstruosamente
faminto!
Uma fera indomável
a...
O clube das pessoas normais é o primeiro capítulo de
Ciranda da Solidão, nova edição de EntreQuadros do autor
Mário César....
Preview Ciranda da Solidão
Preview Ciranda da Solidão
Preview Ciranda da Solidão
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Preview Ciranda da Solidão

881 views
751 views

Published on

Primeiro capítulo do novo trabalho do Mário César, Ciranda da Solidão. Leiam, compartilhem e contribuam par ao projeto sair do papel no Catarse: http://catarse.me/pt/ciranda

Published in: Education
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
881
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
188
Actions
Shares
0
Downloads
4
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Preview Ciranda da Solidão

  1. 1. o clube das pessoas normais “Mais de uma vez, três, doze, vinte, eu repetia sempre, me olhando no espelho antes de dor- mir: pequeno, pequeno monstro, ninguém, ninguém te quer.” Caio Fernando Abreu 01
  2. 2. De novo este inferno. Sai gosma nojenta!
  3. 3. O que está acontecendo comigo?
  4. 4. Gregório, já acordou? Já mãe. Se arruma. Sua aula de natação é daqui a pouco. Eu tenho mesmo que ir, mãe? Eu tô de férias... E vai ficar sozinho enfurnado nesse quarto o tempo inteiro? Vou. Qual o problema? Você sabe que o médico mandou por causa da asma. E, se não for, nada de mesada, nada de gibi, nada de videogame... Saco... Anda, menino! Deixa de enrolar! Tô indo! Calma!
  5. 5. Que exagero de roupa.é esse? Tá frio. Me deixa. Quando eu era pequena, minha mãe me obrigou a fazer balé. Odiei a ideia no começo. Achava coisa de menininha fresca. Mas acabei pegando gosto, me enturmei e fiz boas amigas. Você pode acabar gostando no fim das contas. Hnf. Toma o dinheiro pro lanche e vê se deixa essa cara amarrada de lado. Faça amigos e se divirta como as outras criança da sua idade, meu filho. Queria saber quem foi o idiota que inventou que esporte é diversão. Ficar correndo atrás de uma bola ou indo de um lado pro outro numa piscina que nem um retardado... Qual a graça disso?
  6. 6. Vão é se divertir às minhas custas Se virem como eu sou, vão rir da minha cara nojenta e do meu corpo gosmento e deformado. Eu não passo de uma aberração. Tem um fliperama aqui perto, lá é mais minha praia. Não faço parte desse clube, o clube das pessoas normais. Me divertir aqui? Pff...
  7. 7. Doze fichas, moço. Pois então é exatamente isto que irei fazer. Minha mãe falou para eu me divertir. Todo mundo escolhe Ryu e Ken pra ficar na apelação de Hadouken e Shoryuken. Eu gosto do Blanka. Ele sobreviveu a uma queda de avião quando era pequeno e cresceu entre os animais no meio da Amazônia. Virou um monstro, uma versão bizarra do Mogli. Talvez eu devesse fazer isso: fugir de casa e me isolar do mundo em alguma floresta feito um animal selvagem.
  8. 8. Minhas férias ficaram mais suportáveis com o fliperama. Eu só precisava molhar a sunga e a toalha no banheiro antes de voltar pra casa pra enganar minha mãe. E passava as tardes em meu templo secreto, lutando contra os manés que só escolhiam Ryu e Ken. Eu era praticamente um X-Men. Só ali eu conseguia ser um vencedor. Um vingador encapuzado em mundo de pessoas normais que me odeiam.
  9. 9. Então, eis que um dia ele apareceu. Todo vingador encapuzado tem que ter um inimigo pra atazanar sua vida. Pela cara de cantorzinho do New Kids on the Block, parecia ser mais uma pessoinha ordinária que escolheria Ken ou Ryu. Mas o desgraçado escolheu o Dhalsim. Se tem alguém menos popular que o Blanka, é o Dhalsim: um indiano maluco que faz yoga, cospe fogo e estica o corpo, mas é mais lento que uma tartaruga. Deu um pouco de trabalho, mas o venci. Agora você vai ver. Achei que agora ele ia escolher Ryu ou Ken pra revidar, mas ele foi de E. Honda, outro esquisitão do jogo, um lutador de sumô. Deu mais trabalho, mas o venci novamente. Quase ninguém escolhe o Dhalsim.
  10. 10. Ele ficou tentando de novo e de novo. E eu sempre o vencia. Mas ele nunca escolhia Ken ou Ryu como os outros. Tinha cara de galãzinho, mas também parecia ser deslocado como eu. Cara, eu achava que eu era viciado nesse jogo, mas tu joga demais. Nunca perdi tanta ficha assim pra ninguém. Valeu. Mas até que você joga bem também. Eu tenho esse jogo em casa. Mas meus amigos não curtem muito videogame. Acabo gastando a mesada em ficha aqui só pra não jogar sozinho. Minha mãe não me deixa em paz nem quando eu tô de férias. É curso disso, curso daquilo, curso não sei do quê! Argh! “É pro seu futuro, meu filho. É pra sua saúde, meu filho. Você tem que fazer amigos, meu filho.” Quem tem tempo para fazer amigos com tanta aula? Eu venho aqui pra matar aula de natação. Não sei o que deu em mim naquela hora. Comecei a tagarelar sobre essas coisas pesadas que a gente guarda só para si.
  11. 11. Mãe é mãe. Todas acham que o filho será o próximo Messias e às vezes cobram demais mesmo. É, nem fala. Mas isso passa com o tempo... ou não. Vai saber... De qualquer jeito, é normal. É normal ter raiva da própria mãe? Mais do que você pensa. Eu mesmo já briguei tanto com a minha. Nunca pensei que nada em mim fosse normal, muito menos que pudesse ter algo em comum com alguém como ele. Isso fez eu me sentir um pouco mais leve. Vem cá. O que tu acha de ir jogar lá em casa qualquer dia desses? Aí a gente economiza umas fichas pelo menos. Ia ser bacana. Massa! Que tal depois de amanhã? Me chamo Alex. Poder ser. Gregório. Tá marcado então. Te prepara pra tomar uma sova. Quem diria. Meu suposto vilão era, na verdade, a pessoa mais legal que eu já tinha conhecido. Qual o seu nome?
  12. 12. E aí, cara! Você veio! Mas alguma coisa em Alex também me deixava aflito. Eu não entendia o que era. Parecia que algo iria explodir dentro de mim se eu me aproximasse demais dele. Há! Ganhei! Havia encontrado minha Shangri-La onde as únicas lutas que eu precisava batalhar eram as do videogame. A partir desse dia, a casa de Gregório virou um novo templo.
  13. 13. Não acredito! Venci o teu Blanka! A besta finalmente foi domada! Hahaha! Só apelando com o Ryu pra detonar tuas viadagens com esse monstro, hein?! Para, Alex. Não precisa choramingar que nem uma menininha só porque tomou um coió. Tô só brincando, cara. Não teve graça nenhuma. Ah, qual é?! Vai dizer que você é uma mariquinha que não sabe perder? Não enche, porra! Ficou brava a mariquinha Para, Alex! Mariquinha. Mariquinha. PARA COM ISSO!! Mariquinha. Mariquinha. Mariquinha. Mariquinha.
  14. 14. Tudo voltou a ser pesado naquele momento. Porra, Greg! Que merda foi essa? Ficou maluco, cara?! Olha a merda que você fez... Monstros como eu só destroem o que tocam. Monstros como eu deveriam estar presos em algum lugar deserto, longe de tudo e de todos. Greg?
  15. 15. Eu deveria poupar o mundo de toda a minha feiura. Eu deveria poupar o clubinho das pessoas normais da visão grotesca de meu corpo disforme e cada vez mais gigantesco. Eu deveria poupar o munda da minha existência inútil. Eu deveria poupar o mundo de meus pelos tortos que crescem nos lugares errados.
  16. 16. Ei, cara. Tá tudo bem contigo? SAI DAQUI, ALEX! ME DEIXA EM PAZ! Calma, Greg. Você saiu lá de casa que nem um louco. Esqueceu sua mochila. Nenhum. Só quero ficar sozinho. Pode falar comigo. Sou teu amigo. Eu não tenho amigo nenhum! Eu sou um monstro medonho que destroi tudo ao seu redor. Que bicho te mordeu?
  17. 17. Você não entende, Alex. Eu nunca vou ser bonitão que nem você. Eu nem ao menos vou ser normal. Eu sou uma aberração. E você acha que esse capuz escondia seu rosto? Olha pra você, cara. Com essa pinta de galãzinho de novela, você vai é destruir muitos corações por aí. Cara, quando eu era mais novo eu era gordinho e me achava o ser mais feio e esquisito do mundo. Eu parecia um bicho selvagem. Vivia com raiva de tudo e repelia todo mundo ao meu redor. Tinha uma dificuldade enorme para fazer amigos. Isso é coisa de idade. Uma hora passa.  Ninguém vai querer ficar perto de mim quando ver como eu sou.
  18. 18. Óbvio que esta cena só aconteceu na minha cabeça. O mundo pode até ser um grande palco, mas a vida está longe de ser uma leve comédia romântica de sessão da tarde. A vida está mais para um filme de terror com doses de humor negro.
  19. 19. Não sei nem como tive coragem de me abrir com o Alex. Tive um medo enorme de que ele não quisesse mais ser meu amigo ou até me espancar, mas consegui. Ele só respondeu que não era a praia dele e que podíamos ser amigos. Apenas amigos. Para quem não tinha amigo algum, até que sai no lucro. No fim das contas eu posso não ter virado um destruidor de corações como Alex havia premeditado Na verdade, foi ele quem despedaçou o meu e isso foi a melhor coisa que já me aconteceu. Meu coração de monstro estava era batendo todo errado. Precisava ser trocado.
  20. 20. Quem sabe agora o meu coração de monstro esteja começando a bater no ritmo certo. Ou quem sabe Alex estivesse certo afinal. Quem sabe eu irei mesmo despedaçar muitos corações por aí.
  21. 21. Preparem-se. E está faminto. Ele vai invadir o clubinho das pessoas normais. Monstruosamente faminto! Uma fera indomável acabou de despertar. FIm.
  22. 22. O clube das pessoas normais é o primeiro capítulo de Ciranda da Solidão, nova edição de EntreQuadros do autor Mário César. Trata-se de seu primeiro trabalho com temática GLBT que você pode ajudar a viabilizar por meio do site de financiamento coletivo Catarse e ainda adquirir diversos itens exclusivos. Acesse e contribua: http://catarse.me/pt/ciranda contribua com a campanha no catarse

×