Controle de infecção e biossegurança 2013
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Controle de infecção e biossegurança 2013

on

  • 11,420 views

Controle de infecção e biossegurança 2013

Controle de infecção e biossegurança 2013

Statistics

Views

Total Views
11,420
Views on SlideShare
11,420
Embed Views
0

Actions

Likes
2
Downloads
262
Comments
1

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Controle de infecção e biossegurança 2013 Presentation Transcript

  • 1. Controle de Infecção e Biossegurança Prof. Guilherme Terra
  • 2. Introdução A prática da odontologia abrange uma grande variedade de procedimentos. Contato com secreções da cavidade oral e aerossóis. Possibilidade de transmissão de infecções.
  • 3. Introdução As medidas de controle de infecção visam erradicar ou minimizar o risco de transmissão de infecções na prática odontológica. (Jorge, 2002)
  • 4. Introdução As principais razões para se desenvolver o controle de microrganismos são prevenir:1. A transmissão de doença e infecção;2. A contaminação ou crescimento de microrganismos nocivos;3. A deterioração e dano de materiais por microrganismos. (Jorge, 2002)
  • 5. Lavagem e anti-sepsia das mãos A lavagem das mãos é, isoladamente, a ação mais importante para a prevenção e controle das infecções. (Larson, 1995) As mãos devem ser lavadas com sabão neutro sempre antes de calçar as luvas e após retirá- las  Antes e após qualquer procedimento com pacientes e após contato com qualquer material, equipamento ou superfície potencialmente contaminados. (Hoefel, 1996 )
  • 6. Equipamentos de proteçãoindividual - EPIs
  • 7. Luvas Devem ser utilizadas: 1. Em todos os procedimentos com todos pacientes. 2. Contato com materiais, instrumentos e equipamentos contaminados. 3. Durante o processo de limpeza de materiais e ambiente. (Nash, 1992)
  • 8. Máscaras Representam uma barreira física de proteção de transmissão de infecções.  Devem ser utilizadas pelos profissionais durante procedimentos realizados em pacientes.  Devem ter filtro duplo, descartáveis e avalizadas pela Anvisa. (Nash, 1992)
  • 9. Óculos de proteção Representam uma barreira de proteção de transmissão de infecções para os profissionais  Risco de espirramento de secreções  Contato com aerossóis. (Nash, 1992)
  • 10. Toucas e gorros Evitar queda de cabelos na área do procedimento.  Serve de barreira mecânica para a possibilidade de contaminação dos cabelos através do espirramento de secreções e aerossóis. (Nash, 1992)
  • 11. Vestimentas Devem ser limpas, de material de fácil lavagem e secagem e confortáveis. Devem ser trocadas sempre que sujidade aparente. Devem ser usadas exclusivamente no trabalho. (Nash, 1992)
  • 12. Uso de adornos Deve ser evitado o uso de adornos  Como brincos, colares, correntes, pulseiras, relógios, anéis e alianças  Representam materiais de difícil descontaminação. Estudo comprovam que as mãos de profissionais que usavam anéis apresentavam- se mais colonizadas antes e após lavagem das mãos quando comparadas com grupo que não usava anéis. (Kolstad, 1994)
  • 13. TRATAMENTO DE MATERIAIS EINSTRUMENTAIS
  • 14. Classificação dos artigos Críticos. Semi críticos. Não críticos. (Spaulding, 1968; Miller, 1993)
  • 15. Materiais não críticos Entram em contato apenas com pele íntegra ou não entrem em contato direto com o paciente.  Ex: Arco facial, Compasso de Willis, equipamentos em geral, etc... (Rutala, 1999)
  • 16. Materiais semi críticos Entram em contato com pele não íntegra e mucosas íntegras.  Ex: Espelhos intra-bucais, afastadores labiais, moldeiras, etc... (Rutala, 1999)
  • 17. Materiais críticos Artigos pérfuro-cortantes ou que entrem em contato com tecidos cruentos e sangrantes.  Ex: Material cirúrgico, brocas, fios de sutura, etc... (Rutala, 1999)
  • 18. Assepsia Métodos empregados para impedir a contaminação de determinado material ou superfície.  Realizada com substâncias detergentes.  Detergentes, sabonetes, etc...  Limpeza feita pelo próprio paciente. (Associação Paulista de Estudos e Controle de Infecção Hospitalar, 2000)
  • 19. Anti-sepsia Eliminação de microrganismos da pele, mucosa ou tecidos vivos.  Feita pelo profissional. (Associação Paulista de Estudos e Controle de Infecção Hospitalar, 2000)
  • 20. Anti-sepsia Realizada com o auxílio de substâncias anti-sépticas, microbicidas ou microbiostáticas.  Clorexidina 0,12% à 0,2% para mucosas.  Clorexidina 2% ou Iodo-povidine (PVP-I) para pele. (Associação Paulista de Estudos e Controle de Infecção Hospitalar, 2000)
  • 21. Descontaminação Eliminação parcial ou total de microrganismos de materiais ou superfícies inanimadas.  Previamente e após qualquer procedimento.  Álcool 70º. (Associação Paulista de Estudos e Controle de Infecção Hospitalar, 2000)
  • 22. Limpeza Remoção mecânica e/ou química de sujidades em geral, (oleosidade, umidade, matéria orgânica, poeira, entre outros) de determinado local. (Associação Paulista de Estudos e Controle de Infecção Hospitalar, 2000)
  • 23. Limpeza de materiais Realizada antes da desinfecção ou esterilização. Qualquer matéria orgânica na superfície dos materiais prejudicaria a desinfecção ou esterilização.  Pode ser realizada através de métodos mecânicos (escovação), físicos (ultra som) ou químicos (soluções enzimáticas). (Rutala, 1999; Miller, 1992)
  • 24. Desinfecção Eliminação de microrganismos, exceto esporulados, de materiais ou artigos inanimados, através de processo físico ou químico, com auxílio de desinfetantes. (Associação Paulista de Estudos e Controle de Infecção Hospitalar, 2000)
  • 25. Desinfecção de materiais Recomendada para os materiais termossensíveis. Se resumem na desinfecção química, através de desinfetantes líquidos.  Os agentes químicos comumente utilizados são os álcoois, compostos clorados, glutaraldeído e ácido peracético. (Molinari, 1987)
  • 26. Desinfecção de materiais Glutaraldeído 2% por, no mínimo, 30 minutos. Ácido peracético por 10 minutos. (Kunigk, 1998)
  • 27. Esterilização Destruição de todos os microrganismos, inclusive esporulados, através de processo químico ou físico. (Associação Paulista de Estudos e Controle de Infecção Hospitalar, 2000)
  • 28. Esterilização de materiais Pode ser realizada através de métodos químicos ou físicos. Químicos: Soluções esterilizantes. Físicos: calor seco (estufa), calor úmido sob pressão (autoclave) e radiação ionizante. Físico-Químicas: Óxido de Etileno (ETO). (Anvisa, 2000; Howard, 1991)
  • 29. Esterilização química
  • 30. Esterilização química Risco de recontaminação do material. Dificuldade de armazenamento e de controle de qualidade. Dificuldade do monitoramento do processo. (Howard, 1991)
  • 31. Esterilização química Mesmos agentes utilizados no processo de desinfecção, porém com maior tempo de exposição. (Howard, 1991)
  • 32. Esterilização em Glutaraldeído 2 % Imersão por, no mínimo, 10 horas. Mycobacterium chelonae apresentou, comprovadamente resistência. Deve ser descartado de 14 a 28 dias após a ativação. (Howard, 1991)
  • 33. Esterilização em Glutaraldeído 2% Deve ser armazenado e recolhido por empresas especializadas em transporte e descarte de resíduos químicos. Tóxico. Carcinogênico??? (Howard, 1991)
  • 34. Esterilização em Ácido Peracético Imersão por 30 minutos. Nenhum Microrganismo apresentou resistência. Deve ser descartado 24 horas após a diluição. (Kunigk, 1998)
  • 35. Esterilização em Ácido Peracético Por ser biodegradável pode ser descartado diretamente na rede de esgoto sem qualquer tratamento adicional. É considerado atóxico , não alergênico e um irritante leve. Carcinogênico??? (Kunigk, 1998)
  • 36. Esterilização física
  • 37. Esterilização em estufa 60 minutos a 170° C. 120 minutos a 160° C. Deve ser acondicionado em caixas metálicas abertas. (Molinari, 1987)
  • 38. Esterilização em autoclave Tem se apresentado como o método que reúne mais vantagens.  Maior segurança.  Menor dano aos materiais.  Menor tempo despendido. (Costa & Funari, 1997; Miller, 1992; Howard, 1991)
  • 39. Esterilização em autoclave Diversos ciclos de esterilização. 15 minutos a 134° C e 30 minutos a 121° C.  Os materiais devem ser embalados em papel grau cirúrgico, papel crepado ou tecido de algodão. (Costa & Funari, 1997; Miller, 1992; Howard, 1991)
  • 40. Esterilização por radiação Alternativa segura na esterilização de artigos termossensíveis. Método disponível em escala industrial devido aos elevados custos. (Anvisa, 2000; APECIH, 1998)
  • 41. Esterilização por radiação Não danifica artigos termossensíveis ou não. Conhecida como radiação ionizante gama. (Anvisa, 2000; APECIH, 1998)
  • 42. EsterilizaçãoFísico-Químicas
  • 43. Óxido de Etileno (ETO) É um gás inodoro, sem cor, inflamável e explosivo.  Necessária a adição de estabilizantes para reduzir o risco de explosão e de fogo. (Rutala et al., 1996; Alfa et al., 1996; MS, 1999)
  • 44. Óxido de Etileno (ETO) Método confiável e não danifica materiais.  Desvantagens: alto custo, toxicidade, e tempo longo do ciclo. (Rutala et al., 1996; Alfa et al., 1996; MS, 1999)
  • 45. Monitoramento e validação dos processos de esterilização
  • 46. Indicadores físicos O monitoramento físico em autoclaves consiste em verificar se a autoclave atinge os parâmetros físicos de acordo com o ciclo escolhido  Tempo  Temperatura  Pressão Na estufa, monitora-se apenas tempo e temperatura. (Lewis, 1992)
  • 47. Indicadores químicos Representam maior segurança em relação ao monitoramento físico. Realizada utilizando indicadores químicos que, de acordo com a ISO 11140, possuem 4 classes:  Classe 1;  Classe 4;  Classe 5;  Classe 6.
  • 48. Indicadores Químicos Classe 1 Indicadores de passagem  Normalmente encontrados em fitas zebradas. Indicam se um determinado pacote passou pelo processo  Não garantindo a esterilidade Devem ser utilizados em todos os pacotes externamente.
  • 49. Indicadores Químicos Classe 4 São indicadores multiparamétricos que devem ser usado em cada pacote. Mostram que houve penetração de calor e vapor, mas não garantem a esterilização. São fitas que devem ser colocadas dentro dos pacotes.
  • 50. Indicadores Químicos Classe 5 Integrador químico de uso interno  Indicado para utilização em pacotes que serão esterilizados a vapor. Tem boa confiabilidade, porém se a temperatura for acima de 140°C o indicador “aprova” o ciclo, independente da presença de vapor.
  • 51. Indicadores Químicos Classe 6 Emuladores para temperatura específica, 121º C ou 134º C. Prático, fácil de usar, de armazenar com leitura imediata. Tem grande confiabilidade e demonstram se o ciclo apresentou todas as condições (temperatura em presença de vapor por tempo suficiente) para que a esterilização tenha ocorrido.
  • 52. Indicadores Biológicos Fornecem maior segurança em relação à qualidade de esterilização. Consistem na colocação de microrganismos vivos dentro da autoclave e seu posterior cultivo, para controle de sua eliminação.  Não existem métodos comerciais para monitoramento biológico em estufas. (Lewis, 1992)
  • 53. Indicadores Biológicos É o monitoramento mais confiável, pois é feita com microorganismos tecnicamente preparados – indicadores biológicos – para demonstrar a esterilização. São testes que vêm em tubos plásticos com tampa permeável ao vapor, com uma fita impregnada com uma população conhecida de esporos, separada do meio nutriente (líquido roxo), por uma ampola de vidro.
  • 54. Indicadores Biológicos A leitura deve ser realizada após 24 e 48 horas de incubação. Os esporos utilizados são de Geobacillus stearotermophilus  Altamente resistentes ao calor úmido e não são patogênicos  São utilizados como desafio, pois uma vez tendo sido eliminados, todos os outros esporos e formas vegetativas também serão.
  • 55. NORMAS PARA O ATENDIMENTO CLÍNICO
  • 56. Antes do procedimento Cirúrgico Desinfetar as superfícies com álcool 70° ou spray desinfetante. Limpar, lavar, desinfetar e desinfeccionar as peças de mão com clorhexidina 2 a 5%  Pelo menos 1 hora antes da cirurgia Proteger toda a área de trabalho e equipamentos com filme PVC. As luvas não deverão tocar artigos não estéreis e/ou desprotegidos. (Belasco et al., 2001)
  • 57. Antes do procedimento Cirúrgico
  • 58. Após o procedimento Calçar luvas grossas para limpeza, remover as barreiras, e descartar o material descartável que foi utilizado. Imergir o instrumental contaminado em recipientes contendo solução de glutaraldeído a 2%, ou ácido peracético, por um mínimo de 10 minutos. (Belasco et al., 2001)
  • 59. Após o procedimento Artigos pérfuro-cortantes, como agulhas utilizadas para anestesia, lâminas de bisturi e agulhas para sutura, deverão ser dispensados em caixas de papelão tipos Descarpack. (Belasco et al., 2001)
  • 60. JAMAIS DESCARTAR AGULHAS E LÂMINAS CONTAMINADAS NAS LIXEIRAS CONVENCIONAIS, POIS OS SERVIDORES DA LIMPEZA PODERÃO SE FERIR E ASSIM SEREM CONTAMINADOS!
  • 61. Após o procedimento Após desinfecção em solução de glutaraldeído a 2% ou ácido peracético, lavar e secar o instrumental, utilizando luvas grossas para limpeza doméstica.  Após secagem os artigos deverão ser embalados para proceder a esterilização. (Belasco et al., 2001)
  • 62. Após o procedimento
  • 63. ACIDENTESOCUPACIONAIS
  • 64. Acidentes Ocupacionais Segundo o Ministério da Saúde (1999), os acidentes de trabalho com sangue e outros fluidos potencialmente contaminados devem ser tratados como casos de emergência médica. (MS,1999)
  • 65. Acidentes Ocupacionais A profilaxia da infecção pelo HIV e pelo vírus da hepatite B, para sua maior eficácia necessitam ser iniciados logo após a ocorrência do acidente. (MS,1999) Terra, G.
  • 66. Acidentes Ocupacionais O risco médio de se adquirir o HIV é de, aproximadamente, 0,3% após exposição percutânea, e de 0,09% após exposição mucocutânea. O uso profilático do AZT , demonstrou a redução de 81% do risco de soroconversão após exposição ocupacional. (MS,1999)
  • 67. Acidentes Ocupacionais O risco de infecção pelo vírus da hepatite B após exposição percutânea em pacientes contaminados é de 30%. Para o vírus da hepatite C, o risco médio é de 10%. (MS,1999)
  • 68. Conduta frente a acidentes Comunicar o Professor responsável pela Clínica. Lavagem da região acidentada em água corrente, evitando friccionar para não aumentar a “ferida”. (Manual de Biossegurança da FOB, 2000)
  • 69. Conduta frente a acidentes Aplicação de Povidine ou Clorexidina na região acidentada. Encaminhamento ao serviço de controle de infecções quando se julgar necessário (Hospital Emílio Ribas). (Manual de Biossegurança da FOB, 2000)
  • 70. Prevenção de acidentes Não reencapar as agulhas para anestesia. Manusear com o máximo cuidado objetos pérfuro-cortantes. Evitar deixar gazes, campos, etc, em cima dos instrumentais no campo cirúrgico. (Manual de Biossegurança da FOB, 2000)
  • 71. Vacinas Recomenda-se a todo corpo docente e discente as imunizações contra tétano, difteria e hepatite.
  • 72. Prof. Ms. Guilherme Teixeira Coelho Terra drguilhermeterra@yahoo.com.br