Your SlideShare is downloading. ×
Resumos expandidos apresentados i confar   ufsj
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Saving this for later?

Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime - even offline.

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Resumos expandidos apresentados i confar ufsj

1,260
views

Published on


0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
1,260
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
7
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Doenças Negligenciadas: Epidemiologia, Diagnóstico e Tratamento - Perspectivas para atuação do Profissional Farmacêutico Avaliação da Atividade Antioxidante de Mentha sp.Sthéfane G. Araújo (IC)*, Marcela I. Morais (IC), Maria Eduarda A. Pinto (IC), Fernanda Viera Coelho (IC),Rodrigo Resende Ribeiro (PQ), Carlos Alan Cândido Dias Júnior (PQ), Luciana A. R. Santos Lima (PQ).*sthefanearaujo@hotmail.comCampus Centro-Oeste Dona Lindu - UFSJ, Rua Sebastião Gonçalves Coelho, 400, Divinópolis, MG, CEP:. 35501-296.Palavras chave: Mentha sp., atividade antioxidante, extratos. Introdução Et Hex DCM Ac But HE A família Lamiaceae possui distribuição 100cosmopolitana, incluindo cerca de 300 gêneros e 7500 90 % de inibição de DPPHespécies. No Brasil ocorrem 26 gêneros, com 80 1aproximadamente 350 espécies. 70 60 Os antioxidantes têm se tornado um tópico de 50progressivo interesse nos últimos anos e as 40publicações relativas a esse assunto quadruplicaram na 30 20última década. Vários dos compostos isolados na 10espécie estudada possuem enorme potencial para a 0atividade antioxidante, principalmente compostos 1 10 100 250 500fenólicos como os flavonóides. Desta maneira, a Concentrações (µg/mL) µespécie escolhida, além das atividades já conhecidas,será estudada quanto à atividade antioxidante, já que Gráfico 1: Atividade antioxidante do extrato eexistem poucos relatos na literatura sobre essa frações da espécie Mentha sp. 2atividade para esta planta. As plantas são uma fonte promissora de O extrato etanólico e as frações testadasantioxidantes naturais, pelo fato de apresentarem uma apresentaram atividade antioxidante em todas asgrande variedade de compostos. Dentre os diversos concentrações testadas. A fração butanólica (But) foi agêneros da família citada acima, considerou-se a que apresentou maior inibição de DPPH nahortelã (Mentha sp.) que é popularmente usada como concentração de 10 µg/mL.vermífugo, sendo utilizada também na culinária. Nas concentrações de 250 e 500 µg/mL, todas as amostras testadas apresentaram inibição maior que Metodologia 90%. A fração hexânica (Hex) foi a menos ativa, mas a atividade aumentou com o aumento da concentração. A planta foi coletada e macerada em etanol por Na concentração de 100 µg/mL, o extratodez dias. O solvente foi retirado em rotavapor, obtendo- etanólico (Et) e as frações acetato de etila (Ac) ese o extato etanólico (Et). Realizou-se então a partição butanólica (But) apresentaram atividade semelhante.do extrato etanólico, utilizando hexano, diclorometano, O gráfico mostra que em maioresacetato de etila e butanol, originando as frações concentrações, há maior inibição de DPPH, mas quehexânica (Hex), diclorometano (DCM), acetato de etila não há grande aumento desta, nas concentrações de(Ac), butanólica (But) e hidroetanólica (HE). Após a 100, 250, e 500 µg/mL.partição, o extrato e as frações foram submetidas aoensaio de atividade antioxidante de acordo com a 3 Conclusãometodologia proposta por Burda & Oleszek. As amostras foram solubilizadas com o A partir dos resultados obtidos, foi possívelsolvente padrão e diluições seriadas foram realizadas notar o significativo aumento da percentagem depara se obter as concentrações de 1, 10, 100, 250 e inibição do DPPH a partir do aumento das500 µg/mL. As amostras foram preparadas em triplicata concentrações das amostras testadas. A Mentha sp.e as leituras foram realizadas no comprimento de onda obteve bons resultados na atividade antioxidantede 517 nm, no intervalo de tempo de 30 minutos. comprovando o potencial que a família Lamiaceae pode O percentual de inibição do DPPH (ou a % da possuir neste aspecto.atividade antioxidante) foi calculado pela seguinte Existe a necessidade de um estudo maisfórmula: % de inibição do DPPH = 1 – Aa / Ab x 100, profundo para busca de mais detalhes desta atividade.onde Aa = absorbância da amostra e Ab = absorbânciada solução de DPPH. Agradecimentos Resultados e discussão Bolsista da Fapemig. Os resultados para o ensaio de atividade 1 Sousa V.C., Lorenzi, H. Botânica sistemática. Nova Odessa: Instituto Plantarum deantioxidante utilizando DPPH estão apresentados no Estudos da Flora Ltda., 2005, 640p.gráfico 1. 2Huang D., Ou B., Pnor R.L., Journal Agricultural Food Chemistry 2005, 53, 184. 3Burda S., Oleszek W. Journal Agricultural Food Chemistry 2001, 49, 2774.1° Congresso de Farmácia da UFSJ Divinópolis-MG, 20, 21 e 22 de outubro de 2010.
  • 2. 2 Doenças Negligenciadas: Epidemiologia, Diagnóstico e Tratamento - Perspectivas para atuação do ProfissionalFarmacêutico Síntese e avaliação alelopática de nitroestirenos substituídos. 1 1 1Aline Salgado Reis (IC) , Marina Goulart da Silva (PG), João Máximo Siqueira (PQ) , Gustavo H. R. 1 1Viana(PQ) , José Augusto F. P. Villar (PQ) *.*zevillar@ufsj.edu.br.1 Universidade Federal de São João Del Rei, Av. Sebastião Gonçalves Coelho, 400, Divinópolis/ MG, 35501-296, Brasil.Palavras chave: Alelopatia, nitroestireno. hormônio de crescimento das plantas AIA (Ácido-3- Introdução indolacético), herbicida sintético 2,4-D (ácido 2,4 Alelopatia é comumente definido como um diclorofenóxiacético) e herbicida comercial (Glifosato). Os compostos que apresentaram maior inibiçãoefeito direto ou indireto, sendo de inibição ou estímulo foram: NE (2), PCl NE (3), PO NE (5) e 3OH NE (8).por uma planta, ou um microrganismo (alga, bactéria, Pode-se perceber que as diferentes porcentagens defungos, etc) produzido no meio ambiente ou em outro inibição se devem à variação dos substituintes no anelagente e por liberação de substâncias químicas aromático (Tabela 1).(geralmente metabólitos secundários)¹. Um dos alvos Tabela 1. Resultado de inibição dos principaismais importante dos estudos alelopáticos é a compostos.descoberta de herbicidas, que são ambientalmente etoxicologicamente mais seguros que os herbicidas Hipocótilo Cebola Radícula Cebolasintéticos usados atualmente na agricultura². % inibição % inibição -5 -4 -3 [10 ] [10 ] [10 ] [10-5] [10-4] [10-3] Resultados e discussão NE (2) 24 49,8 100 24,8 69,2 100 Neste trabalho foram sintetizados uma série de PCl NE (3) -7,1 23,3 100 28,6 51,5 100nitroestirenos com diferentes substituições no anel PO NE (5) 23,8 48,7 100 25,3 77,1 100aromático. Para síntese dos compostos foram utilizadasduas metodologias, a primeira, hidróxido de sódio em 3OH NE (8) 41,8 27,2 100 23,8 64,2 100MeOH/H2O e a segunda o AcNH4/MeNO2 (Esquema 1). Glifosato 4,3 48,1 49,9 10,4 51,8 86Os compostos sintetizados (Figura 1) foram obtidos em 2,4-D 4,6 24,8 100 100 100 100bons rendimentos, purificados e caracterizados por AIA -12 27,1 33,4 -14 26,9 32,5 1 13análises de RMN de H e C. O Hipocótilo Alface Radícula Alface NaOH, MeNO2, MeOH/H2O NO2 % inibição % inibição H ou AcNH4, MeNO2 [10-5] [10-4] [10-3] [10-5] [10-4] [10-3]R R NE (2) 21,7 100 100 22 100 100Esquema 1. Métodos de preparo dos nitroestirenos. PCl NE (3) -32,8 100 100 2,3 100 100 NO2 PO NE (5) 11,8 100 100 34,6 100 100 NO2 NO2 3OH NE (8) 23,5 8,7 100 30,8 34,7 100 Cl N Glifosato 13,6 23,3 57,3 25,5 69,8 84,1 PN NE (1) NE (2) PCl NE (3) 2,4-D 100 100 100 100 100 100 NO2 NO2 AIA 14,6 35,2 100 -2,3 -5,2 100 NO2 HO OO2N O Conclusão PNO2 NE (4) PO NE (5) POH NE (6) Os compostos sintetizados apresentaram bons níveis NO2 NO2 de inibição do crescimento das duas espécies O utilizadas. A comparação com os herbicidas comerciais O OH mostrou uma boa correlação. Cálculos de densidade O eletrônica estão sendo feitos para fazer uma análise MONO NE (7) 3OH NE(8) mais apurada da estrutura/atividade.Figura 1. Compostos sintetizados. Agradecimentos Os ensaios de avaliação da atividade FAPEMIG, CNPQ, UFSJ, UFPR.alelopática foram realizados com sementes de 1 Taiz, L.; Zeiger, E. Fisiologia Vegetal. 3 ed. Porto Alegre: Editora Artmed, (2002).dicotiledônea (Lactuva sativa) e monocotiledôneas 2 Macias, F. A., Castellano, D., Molinillo, J. M. G. J. Agric. Food Chem. 2000, 48,(Allium cepa), sendo avaliado o crescimento da radícula 3 2512.e do hipocótilo . Diferentes concentrações e condições 3 Rodrigues, P. R. Dissertação de Mestrado. UFMS (2009)pré-estabelecidas foram utilizadas, além doacompanhamento com branco e controle positivo,1° Congresso de Farmácia da UFSJ Divinópolis-MG, 20, 21 e 22 de outubro de 22010.
  • 3. Doenças Negligenciadas: Epidemiologia, Diagnóstico e Tratamento - Perspectivas para atuação do Profissional Farmacêutico Síntese e atividade antimalárica de chalconas e flavonas. 1 1 2Amanda T. Ouchida (IC) , Ludmila O. Andrade (IC) , Renata C. de Paula (PG) , Alaíde Braga de Oliveira 2 1 1(PQ) , Fernando P. Varotti (PQ) , José Augusto F. P. Villar (PQ) *. *zevillar@ufsj.edu.br1 Laboratório de Síntese Orgânica – Universidade Federal de São João del-Rei – Campus Centro Oeste Dona Lindu / Av.Sebastião Gonçalves Coelho, 400, Chanadour, Divinópolis/MG – CEP: 35501-296 .2 Departamento de Produtos Farmacêuticos – Faculdade de Farmácia - Universidade Federal de Minas Gerais, Av. AntônioCarlos, 6627, Belo Horizonte/MG, 31270-901, Brasil.Palavras chave: Chalconas, síntese, antimaláricos. Introdução O O PTSA, MeOH/H2O A malária é a principal doença parasitária de 76% O OH Cl HO OH Clgrande crescimento no mundo, e uma das mais O (4a) (5)preocupantes para a saúde pública em regiões tropicais [1]e subtropicais . Além disso, a evolução contínua daresistência do parasita à drogas é um sério dilema e, Figura 2- Desproteção de 4a.assim, a pesquisa de novos avanços na quimioterapiaantimalárica é um problema vital. Com exceção da As chalconas (4a-e) e (5) tiveram a suaartemisina e seus derivados para o tratamento da atividade antimalárica in vitro avaliadas pelo teste demalária, há medicamentos efetivamente utilizados incorporação de hipoxantina-[H3] contra uma cepacontra malária, porém estes têm uma toxicidade cloroquina-resistente de P. falciparum (clone W2) esignificativa e apresentam vários efeitos secundários. apresentaram uma redução significativa da parasitemiaRecentemente, uma série de chalconas e derivados em duas concentrações 25 e 50 µg/mL variando de 47têm sido previamente sintetizados e identificados como a 100%. [2,3]potenciais antimaláricos . O objetivo deste trabalho é Como perspectiva futura desse trabalho,a síntese de hidroxi-chalconas e a realização de pretendemos realizar a hidrólise das demais chalconasensaios antimaláricos. e realizar modificações estruturais para potencializar a atividade antimalárica. A estratégia sintética é utilizar Resultados e discussão essas chalconas como intermediário chave na síntese de flavonóides (Figura 1). A partir do resorcinol (1) foi sintetizado aresacetofenona (2) através da reação de acilação O R1 O R4utilizando o sistema ZnCl2/AcOH em 63%. Na etapa R2seguinte, (2) foi protegido com 3,4-dihidro-2H-pirano HO O O OH R3(DHP), utilizando PPTS/CH2Cl2, obtendo (3) em 77%. R1 R3 OEm seguida (3) foi submetido à reação de condensação R2aldólica com diferentes aldeídos aromáticos (Esquema1). Os compostos (4a-e) foram purificados por Figura 1.cromatografia em coluna ou recristalização e 1 13analisados por RMN de H e C. O rendimento destes Conclusãocompostos variou entre 75 e 80%. A síntese das chalconas (4a-e) e (5) foi realizada O com sucesso e outras moléculas com substituição no O anel B estão sendo preparadas. Pretendemos agora AcOH, ZnCl2 DHP, PPTS O OH realizar a síntese de novos compostos e avaliar aHO OH 63% HO OH CH2Cl2, 77% O estrutura/atividade. (1) (2) (3) O R1 Agradecimentos R2 4a - R1 = R2 = H, R3 = Cl NaOH, MeOH 4b - R1 = R2 = H, R3 = F FAPEMIG, CNPq, UFSJ e UFPR. O OH R3 4c - R1 = R2 = H, R3 = H 1 Valla, A.; Valla, B.; Cartier, D.; Le Guillou, R.; Labia,R.; Potier, P. European 70 - 80% 4d - R1 = R2 = H, R3 = OH O 4e - R1 = Cl, R2 = Cl, R3 = H Journal of Medicinal Chemistry. 2006, 46, 142–146. 2 Domı´ngueza,J., Charrisa, J., Loboa, L., Gamboa, N., Rosenthale, P. European Journal of Medicinal Chemistry. 2001, 36, 555-560.Esquema 1. Rota de síntese das chalconas. 3 Zdzis1awa Nowakowska. European Journal of Medicinal Chemistry. 2007, 42, 125- 137. A chalcona (4a) foi desprotegida utilizandosistema PTSA/MeOH, obtendo-se (5) em 75%, umsólido amarelo (Esquema 2)..
  • 4. Doenças Negligenciadas: Epidemiologia, Diagnóstico e Tratamento - Perspectivas para atuação do Profissional FarmacêuticoTRANSPORTE GASOSO EM ERITRÓCITOS IRRADIADOS: O EFEITO DAESTOCAGEM DE HEMOCONCENTRADOS IRRADIADOSDaniele C. d’ Ávila (IC), Hérica L. Santos (PQ), Leandro A. Barbosa (PQ)*Email: leaugust@yahoo.com.brLaboratório de Bioquímica Celular, Universidade Federal de São João del Rei, Campus Centro-Oeste Dona Lindú, Divinópolis.Palavras chave: radiação gama, Na,K-ATPase, membrana eritrocitária mantendo-se praticamente constante com o tempo de Introdução estocagem.O uso da irradiação de produtos derivados do sangue A concentração de oxi-hemoglobina não sofreuutilizando radiação-γ, inativa linfócitos T, que são as alteração pelo processo de irradiação e nem decélulas responsáveis pela doença enxerto versus estocagem.hospedeiro, prevenindo assim o desenvolvimento dapatologia. Apesar da importância da irradiação comomeio preventivo, trabalhos prévios na literatura Uma forma de geração de meta-hemoglobina é odemonstraram que a irradiação de concentrados de processo de peroxidação causada por radicais livres.hemácias induz um aumento da concentração Para verificarmos se a irradiação causa esse processo +plasmática de K com o tempo de estocagem. nós realizamos ensaios de TBARS na membranaA validade de hemoconcentrados irradiados prevista eritrocitária. Ocorreu um aumento significativo deem portaria da ANVISA é de 28 dias após a irradiação. formação de TBARS na amostra irradiada,É necessário estudos para verificar se o tempo de demonstrando que o processo de irradiação provocouestocagem interfere diretamente na dinâmica do peroxidação lipídica na membrana plasmática dostransporte gasoso o que pode levar a produção de eritrócitos irradiados. O grau de desnaturação da hemoglobina pelo processoprotocolos específicos para utilização de de irradiação não apresentou mudanças significativas.hemoconcentrados irradiados. Foi verificado um grau de hemólise acentuado nos eritrócitos irradiados, ocorrendo um efeito acumulativo Metodologia com o tempo de estocagem, passando de 20% a mais o oBolsas de sangue irradiadas com 25Gy de radiação-γ no 3 de estocagem para 40% a mais no 11 dia deforam utilizadas para os experimentos de dosagem de estocagem.hemoglobina, oxi-hemoglobina, meta-hemoglobina,grau de hemólise, desnaturação da hemoglobina edosagem de TBARS. As bolsas de sangue foram Conclusãoseparadas em 2 unidades: controle, irradiada e foram Nossos resultados preliminares apontam para um oestocadas por 14 dias em 4 C. As alíquotas para os aumento discreto da meta-hemoglobina em eritrócitosexperimentos foram retiradas sob condição estéreis. irradiados em combinação com o período deA dosagem de hemoglobina, oxi-hemoglobina e met- estocagem. Entretanto, não houve modificação dahemoglobina foram realizadas a partir da metodologia desnaturação da hemoglobina e nos níveis de oxi-de complexação com ferrocianeto de potássio e cianeto hemoglobina.de potássio, com leitura em espectrofotômetro a 540- A irradiação causou um aumento considerável na630nm. hemólise dos eritrócitos. Tanto a hemólise quanto oO grau de hemólise foi realizado através da dosagem processo de formação de meta-hemoglobina podemde hemoglobina livre no plasma comparada a dosagem estar relacionados com o aumento da peroxidação porde hemoglobina total dos eritrócitos lisados em tampão radicais livres, visualizados pelos níveis aumentando defosfato, com leitura em espectrofotômetro a 522nm. TBARS.Para a desnaturação da hemoglobina foi realizado umalise eritrocitária com água destilada e complexação com Agradecimentosferrocianeto, com leitura em espectrofotômetro a 500- FAPEMIG, CAPES, HEMOMINAS563nm. Resultados e discussãoA dosagem de meta-hemoglobina mostrou uma maiorconcentração nas hemácias irradiadas nos dias inicais1° Congresso de Farmácia da UFSJ Divinópolis-MG, 20, 21 e 22 de outubro de 2010.
  • 5. Doenças Negligenciadas: Epidemiologia, Diagnóstico e Tratamento - Perspectivas para atuação do Profissional Farmacêutico Projeto multidisciplinar sobre a prevalência da esquistossomose mansônica em escolares de Divinópolis: fatores de risco e alvos vacinaisAutores: Karina Santana* (IC), Bianca Cardoso (IC), Camila Rossignoli (IC), Flávia Mendonça (IC), FrancielliAraújo (IC), Igor Brito (IC), Ihan Rabelo (IC), Thiago Oliveira (IC), Kayo Pêgo (IC), Larissa Rodrigues (IC),Karla Oliveira (PQ), Karla Sbampato (PQ), Gisele Rebelato (PQ), Débora Lopes (PQ)karinasantanamg@gmail.comPalavras chave: Schistossoma mansoni, kato-katz, vacina. Introdução • Mapeamento das áreas de risco A esquistossomose faz parte da lista das • Identificação dos Grupos de Saúde localizados nasprincipais doenças negligenciadas em todo o mundo. áreas de risco e implementação de um programaNo Brasil estima-se que existam aproximadamente 7 de educação e prevenção contra amilhões de pessoas infectadas. A doença é esquistossomosedisseminada em todo o território nacional e em • Identificação de escolares infectadosespecial na região centro-oeste de Minas Gerais, • Encaminhamento para a equipe de saúde 1onde está situada a microrregião de Divinópolis . A responsávelquimioterapia é hoje considerada a principal forma de • Busca de alvos vacinais contra ocontrole da doença, entretanto, as altas taxas de parasitoreinfecção sugerem a necessidade da implantação Resultados e discussãode novos métodos de intervenção, como porexemplo, os programas de monitoramento e O estudo encontra-se em andamento. Até ovigilância juntamente com a pesquisa básica, momento foram visitadas a Escola Municipal Donadesenvolvimento de novas tecnologias (vacinas) e Maria Rosa e a Escola Municipal José Quintinoparticipação ativa da sociedade. Lopes. Não foram identificados casos de infecção por O estudo está inserido no Programa de Schistosoma mansoni através dos examesEducação pelo Trabalho em Saúde – Vigilância em parasitológicos realizados via método kato-katz.Saúde (PET-Saúde/VS) e visa determinar a Porém, foi identificado via inquérito sócio-econômicoprevalência e o levantamento dos fatores de risco que alguns escolares vivem em situação de riscoassociados à esquistossomose em escolares de para esquistossomose. Além disso, foramDivinópolis, implementar ações de vigilância e identificadas outras parasitoses nos escolares.educação através da articulação ensino e extensão e necessária a implementação de umavaliar a reatividade do soro de pacientes programa de educação quanto aos fatores de riscocontaminados com potenciais alvos vacinais já para esquistossomose e hábitos higiênicos. É deidentificados. fundamental importância também o desenvolvimento de políticas públicas e melhorias no saneamento Metodologia básico. Levantamento sócio-econômico e Conclusão identificação de comportamentos de risco em escolas do município de Divinópolis - MG O estudo tem impacto potencial para o sistema de vigilância da microrregião e à comunidade pois além de informar os casos encontrados, traça os Coleta de material para exame parasitológico principais pontos de risco dos municípios estudados, evitando assim, novas contaminações. Além disso, contribui no processo de conscientização levando mudanças no comportamento dos indivíduos, Pesquisa de ovos de Schistosoma facilitando ações de controle dos parasitos em mansoni pelo método kato-katz populações de maior risco. Agradecimentos Identificação da espécie de caramujo presente nas coleções hídricas Avaliação da presença de cercárias 1IBGE. (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Censo 2009. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/censo/>. Acesso em: 09.04.2007.1° Congresso de Farmácia da UFSJ Divinópolis-MG, 20, 21 e 22 de outubro de 2010.
  • 6. Doenças Negligenciadas: Epidemiologia, Diagnóstico e Tratamento - Perspectivas para atuação do Profissional FarmacêuticoEFEITO DA RADIAÇÃO GAMA NA MEMBRANA ERITROCITÁRIA E NA Na,K-ATPase *Grazielle AS Maia (PG), Camila Zambalde (IC), Leandro A Barbosa (PQ), Hérica L Santos (PQ)Email: hlima@ufsj.edu.brLaboratório de Bioquímica Celular, Universidade Federal de São João del Rei, Campus Centro-Oeste Dona Lindú, Divinópolis.Palavras chave: radiação gama, Na,K-ATPase, membrana eritrocitária ferro, entretanto, no ghost houve um aumento de Introdução o 20% a partir do 7 dia de estocagem que se manteve oO uso da irradiação de produtos derivados do sangue constante até o 14 dia. No plasma ocorreu um efeitoutilizando radiação-γ, inativa linfócitos T, que são as semelhante, mas em uma magnitude maior, com um o océlulas responsáveis pela doença enxerto versus aumento de 26% no 3 dia, 59,6% no 7 dia e 400% ohospedeiro, prevenindo assim o desenvolvimento da no 14 dia, mostrando claramente um efeito aditivopatologia. Apesar da importância da irradiação como com o tempo de estocagem.meio preventivo, trabalhos prévios na literatura Um dos efeitos da peroxidação por radicais livres é odemonstraram que a irradiação de concentrados de processo de peroxidação lipídica. Esse processohemácias induz um aumento da concentração pode levar a uma diferença do conteúdo lipídico da +plasmática de K . Por essa razão é interessante membrana plasmática. Apenas foi visualizadascompreender os danos gerados pela irradiação na o mudanças no colesterol a partir do 14 , ocorrendomembrana eritrocitária em relação a estocagem dos aumento do colesterol plasmático em 24% e nahemoconcentrados, possibilitando um melhor membrana eritrocitária uma diminuição de 18%,controle de qualidade. demonstrando um efeito de depleção lipídica da membrana eritrocitária pela irradiação. Metodologia O microambiente de membrana pode alterar a atividade da Na,K-ATPase. Uma vez que foiBolsas de sangue irradiadas com 25Gy de radiação-γ visualizado mudanças no perfil lipídico, experimentosforam utilizadas para os experimentos de dosagem foram realizados para verificar a atividade da bomba. +3de ferro oxidado (Fe ), colesterol, e atividade da Foi verificado uma diminuição progressiva daNa,K-ATPase. As bolsas de sangue foram separadas atividade da Na,K-ATPase com o tempo deem 2 unidades: controle, irradiada e foram estocadas estocagem, diminuindo sua atividade em 12% no 7 o opor 14 dias em 4 C. As alíquotas para os o dia e 40% no 14 dia.experimentos foram retiradas sob condição estéreis.A dosagem de ferro oxidado foi realizada por Conclusãocomplexação com KSCN e medido em Os efeitos da radiação gama nos eritrócitosespectrofotômetro a 480nm. A dosagem de demonstraram um maior nível de peroxidação comcolesterol foi realizada a partir da metodologia do uma reorganização do conteúdo lipídico dacolesterol oxidase e medido em espectrofotômetro a membrana eritrocitária, demonstrado pelo menor500nm. conteúdo de colesterol.Para a dosagem da Na,K-ATPase foi realizada Provavelmente esse efeito no perfil lipídico estápreparação de membrana de eritrócitos (ghosts). A influenciando a atividade da Na,K-ATPase emesma quantidade de proteína foi utilizada para os modulando o controle iônico dos eritrócitosexperimentos e para obtenção da atividade irradiados.especifica da Na,K-ATPase foi realizada a dosagemda liberação de fosfato inorgânico total e tratada com Agradecimentosouabaína (inibidor específico da bomba),representando a diferença a atividade total da Na,K- FAPEMIG, CAPES, HEMOMINASATPase. A medição do fosfato inorgânico foi feita apartir da complexação com molibdato de amônia elida em espectrofotômetro a 355nm. Resultados e discussãoOs níveis de ferro oxidado são uma medição indiretado processo de peroxidação causada por radicaislivres. Foram realizadas medições em 3 condições:no sangue total, plasma e no ghost. No sangue totalnão houve mudanças significativas dos níveis de1° Congresso de Farmácia da UFSJ Divinópolis-MG, 20, 21 e 22 de outubro de 2010.
  • 7. Doenças Negligenciadas: Epidemiologia, Diagnóstico e Tratamento - Perspectivas para atuação do Profissional FarmacêuticoSíntese e avaliação alelopática de nitroestirenos substituídos. 1 1 1Aline Salgado Reis (IC) , João Máximo Siqueira (PQ) , Gustavo H. R. Viana(PQ) , José Augusto F. P. Villar 1(PQ) *.*zevillar@ufsj.edu.br.1 Universidade Federal de São João Del Rei, Av. Sebastião Gonçalves Coelho, 400, Divinópolis/ MG, 35501-296, Brasil. Hipocótilo Cebola Radícula Cebola Resultados e % inibição % inibição -5 -4 -3 -5 -4 -3 discussão [10 ] [10 ] [10 ] [10 ] [10 ] [10 ] NE (2) 24 49,8 100 24,8 69,2 100 Os compostos que PCl NE (3) - 23,3 100 28,6 51,5 100 apresentaram maior PO NE (5) 23,8 48,7 100 25,3 77,1 100 inibição foram: NE (2), 3OH NE (8) 41,8 27,2 100 23,8 64,2 100 PCl NE (3), PO NE (5) Hipocótilo Alface Radícula Alface e 3OH NE (8). Pode- % inibição % inibição se perceber que as [10-5] [10-4] [10-3] [10-5] [10-4] [10-3] diferentes NE (2) 21,7 100 100 22 100 100 porcentagens de PCl NE (3) - 100 100 2,3 100 100 inibição se devem à variação dos PO NE (5) 11,8 100 100 34,6 100 100 substituintes no anel 3OH NE (8) 23,5 8,7 100 30,8 34,7 100 aromático. Tabela 1. Resultado de inibição dos principais Introdução compostos. Alelopatia é comumente definidocomo um efeito direto ou indireto, sendo de inibiçãoou estímulo por uma planta, ou um microrganismo(alga, bactéria, fungos, etc) produzido no meioambiente ou em outro agente e por liberação desubstâncias químicas (geralmente metabólitossecundários)¹. Um dos alvos mais importante dosestudos alelopáticos é a descoberta de herbicidas,que são ambientalmente e toxicologicamente maisseguros que os herbicidas sintéticos usadosatualmente na agricultura². Metodologia Neste trabalho foram sintetizados uma sériede nitroestirenos com diferentes substituições no Conclusãoanel aromático. Para síntese dos compostos foramutilizadas duas metodologias, a primeira, hidróxido de Os compostos sintetizados apresentaram bons níveissódio em MeOH/H2O e a segunda o AcNH4/MeNO2. de inibição do crescimento das duas espéciesOs compostos sintetizados foram obtidos em bons utilizadas. A comparação com os herbicidasrendimentos e analisados por análises de RMN de H 1 comerciais mostrou uma boa correlação. Cálculos de 13e C. densidade eletrônica estão sendo feitos para fazer Os ensaios de avaliação da atividade uma análise mais apurada da estrutura/atividade.alelopática foram realizados com sementes dedicotiledônea (Lactuva sativa) e monocotiledôneas Agradecimentos(Allium cepa), sendo avaliado o crescimento da FAPEMIG, CNPQ, UFSJ, UFPR.radícula e do hipocótilo. Diferentes ¹ Taiz, L.; Zeiger, E. Fisiologia Vegetal. 3 ed. Porto Alegre: Editora Artmed,concentrações e condições pré-estabelecidas foram (2002).² Macias, F. A., Castellano, D., Molinillo, J. M. G. J. Agric. Food Chem.utilizadas, além do acompanhamento com branco e 2000, 48, 2512.controle positivo, hormônio de crescimento dasplantas AIA (Ácido-3-indolacético), herbicida sintético2,4-D (2,4 diclorofenóxiacético) e herbicida comercial(Glifosato).1° Congresso de Farmácia da UFSJ Divinópolis-MG, 20, 21 e 22 de outubro de 2010.
  • 8. Doenças Negligenciadas: Epidemiologia, Diagnóstico e Tratamento - Perspectivas para atuação do Profissional Farmacêutico EDUCAÇÃO EM SAÚDE: AÇÕES INTEGRADAS PARA PROMOÇÃO DA SAÚDE DA CRIANÇA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE DIVINÓPOLIS-MG*Prisciana Mayumi Dias Koga (IC), Valeriana Valadares Pereira (PG), Letícia Gonçalves R. Ferreira (TC), LeandroH. S. Maximiano (IC), Soraya M. F. de Oliveira (IC), Marina L. S. Leite (IC), Diego A. G. Sousa (IC), MarceloDonizete Lopes, Bruno Tonelli Elisei (IC), Jacqueline Domingues Tibúrcio, (PQ), Eduardo Sergio da Silva (PQ).mayumidkoga@hotmail.comPalavras-chave: Enteroparasitoses, Diagnóstico parasitológico. pelo complexo Entamoeba histolytica/Entamoeba dispar Introdução com 4,39% (28/637). No caso dos helmintos:A implementação do Programa de Educação pelo Enterobius vermicularis 0,47% (3/637), AscarisTrabalho para a Saúde - PET: “Educação Em Saúde e lumbricoides 0,16% (1/637), Stongyloides stercoralisMeio Ambiente: Ações Integradas para Promoção da 0,16% (1/637), Trichuris trichiura 0,16% (1/637),Saúde da Criança nas Escolas Municipais de Ensino Ancylostomidae 0,16% (1/637), Hymenolepis nanaFundamental da Rede Municipal Urbana de Divinópolis” 0,16%(1/637).busca o estabelecimento de uma relação entre aUniversidade e outros setores da sociedade. O objetivodo projeto é a prevenção e identificação da prevalênciadas enteroparasitoses. MetodologiaOs responsáveis pelas crianças que concordam emparticipar do projeto assinam um termo deconsentimento e preenchem um questionário, conformeaprovação pelo Comitê de Ética: parecer número56/2009. Todas as amostras são transportadas, para o ConclusãoLaboratório de Parasitologia do CCO/UFSJ, onde são A participação dos pais ou responsáveis das criançasprocessadas pelo método de sedimentação no estudo tem apresentado pouca adesão. É nítidoespontânea, para pesquisa de parasitos em também a dificuldade para a coleta das amostras demicroscópio óptico, com quatro leituras para cada fezes, justificada muitas das vezes por esquecimento,amostra. Aqueles alunos que apresentam exame perda do pote, vergonha. Os parasitos intestinaispositivo, é encaminhado para avaliação e tratamento. patogênicos mais freqüentes são Giardia lamblia e oTrabalha-se a educação em saúde através de palestras complexo Entamoeba histolytica/Entamoeba dispar. Noe teatros. caso dos helmintos o Enterobius vermicularis é o mais freqüente 0,47%(3/637).As próximas etapas do estudo Resultados e Discussão serão a diferenciação entre a E. histolytica e E. disparO projeto teve início em junho de 2009 e até o por métodos imunológicos e de biologia molecular quemomento foram estudadas cinco escolas com um total é fundamental para o manejo clínico de pacientes ede 1800 crianças matriculadas. No entanto a adesão adoção de medidas de prevenção.para participação do projeto ocorreu em apenas 800alunos. Destes apenas 637 entregaram o pote com as Agradecimentosfezes. A freqüência dos protozoários encontradas namicroscopia foram Entamoeba coli 15,54% (99/637),Giardia lamblia com 11,46% (73/637) de casos, seguido1° Congresso de Farmácia da UFSJ Divinópolis-MG, 20, 21 e 22 de outubro de 2010.
  • 9. Doenças Negligenciadas: Epidemiologia, Diagnóstico e Tratamento - Perspectivas para atuação do Profissional Farmacêutico Análise molecular do vírus do Dengue em pacientes suspeitos do Hospital São Judas Tadeu, Divinópolis (MG)Autores: Laíse Sofia de Macedo Rodrigues (IC), Karine Evangelista Lima (IC), Leandro César da Silva (IC),Debora de Oliveira Lopes (PQ), Rosângela Franco Guedes (PQ), Álvaro Cantini Nunes (PQ), Jaqueline MariaSiqueira Ferreira (PQ), Luciana Lara dos Santos (PQ)*.*llaramg@hotmail.comPalavras chave: Dengue, diagnóstico molecular. PCR foram, Centro (34%), Bom Pastor (18%) e São Introdução José (18%).Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), adengue é considerada a arbovirose de maiorrelevância em todo o mundo. O vírus causador da Entre os casos confirmados 02 (9%) apresentavam 1doença pertence à família Flaviviridae, que tem o dia de sintomas, 08 (35%) 2 dias, 07 (30%) 3 dias, 05RNA como seu material genético, sendo transmitido (22%) 4 dias e 01 (4%) 6 dias de sintomas. Osao homem pelo mosquito-vetor Aedes aegypti. No sintomas mais prevalentes nos casos confirmadosBrasil, atualmente, circulam quatro sorotipos do foram febre, cefaléia, mialgias, artralgia, dorvírus, DEN-1, DEN-2, DEN-3 e DEN-4. Devido ao retroocular, prostração, sonolência e extremidadesaumento significativo de casos nestes últimos anos, frias. As ocorrências de dor abdominal, vômitos,especialmente em Minas Gerais, medidas profiláticas hipotermia e pequenas hemorragias (petéqueas)e a busca de um melhor diagnóstico clínico e foram também associadas, embora com uma menorlaboratorial vêm sendo alvo de pesquisas. Portanto, o prevalência. Coletas do soro de pacientes suspeitosobjetivo desse estudo consiste na detecção viral,baseando-se nas técnicas de biologia molecular em serão retomadas no primeiro trimestre do próximoamostras de sangue de pacientes suspeitos de ano e os estudos de tipagem do vírus dos soro-dengue no município de Divinópolis, MG. positivos já foram iniciados. Metodologia ConclusãoForam coletadas amostras de sangue de 80 Observa-se um grande número de casospacientes com suspeita de dengue no Hospital São confirmados na região central (34%) da cidade deJudas Tadeu, na cidade de Divinópolis no primeiro Divinópolis, em concordância com os dados detrimestre de 2010. Informações como idade, sexo, notificação de dengue da Vigilância epidemiológica.bairro de residência, sintomas presentes e dias de Os sintomas mais freqüentes entre os pacientessintomas, foram obtidas dos pacientes. As amostras confirmados são febre, cefaléia, mialgia, artralgia, dorbiológicas foram processadas da seguinte forma: retroocular e prostração. Dentre as amostrasseparação do soro, extração de RNA viral com o negativas, não se pode afirmar a ausência do vírus,QIAGEN - QIAamp RNA viral KIT, transformação do já que foram coletadas com até oito dias deRNA em cDNA pela técnica de RT-PCR seguida de sintomas, levando a redução significativa da viremiaPCR para amplificação do produto de 511 pb do e a não detecção viral em alguns casos. Foivírus. Os primers utilizados foram descritos por observado que entre os positivos os dias de sintomasLanciotti e cols., 1992. A visualização do produto mais prevalentes são inferiores a seis, confirmando aamplificado foi feita através da técnica de eficiência da técnica na detecção precoce da viremiaeletroforese, com gel de poliacrilamida 8% corado em comparação ao diagnóstico sorológico. Acom nitrato de prata. sorotipagem, a ser realizada posteriormente, será necessária para indicar o perfil dos sorotipos circulantes na cidade de Divinópolis e gerar dados Resultados e discussão para futuras intervenções.Das 80 amostras coletadas, 75 já foram testadaspelas técnicas de biologia molecular, sendo Agradecimentosposteriormente classificadas como negativas epositivas. Dentre as amostras analisadas, 23 (31%) Ao Hospital São Judas Tadeu e ao Laboratórioforam positivas e 52 (69%) negativas. Entre os ClinLab em Divinópolis que nos permitiu a coleta depacientes que tiveram a confirmação do vírus, 07 amostras e dados de seus pacientes.eram do sexo masculino (31%) enquanto, 16 eramdo sexo feminino (69%). Em relação à faixa etária, 12 LANCIOTTI, R.S et al. Rapid Detection and Typing ofdo total de positivos (52%) tinham de 12 a 30 anos Dengue Viruses from Clinical Samples by Using Reversede idade, 07 (31%) tinham de 31 a 60 anos e 04 Transcriptase-Polymerase Chain Reaction . Journal of(17%) acima de 60 anos. Os bairros do município em Clinical Microbiology, v. 30, n. 3, Mar. 1992, p. 545-551.que um maior número de casos confirmados por RT-1° Congresso de Farmácia da UFSJ Divinópolis-MG, 20, 21 e 22 de outubro de 2010.
  • 10. Doenças Negligenciadas: Epidemiologia, Diagnóstico e Tratamento - Perspectivas para atuação do Profissional Farmacêutico Avaliação da Atividade Antioxidante de Smilax cissoidesFernanda Vieira Coelho (IC) *, Sthéfane G. Araújo (IC), Maria Eduarda A. Pinto (IC), Marcela I. Morais (IC),Carlos Alan Cândido Dias Júnior (PQ), Luciana A. R. Santos Lima (PQ). *fernandavcoelho@hotmail.com.1 Campus Centro-Oeste Dona Lindu - UFSJ, Rua Sebastião Gonçalves Coelho, 400, Divinópolis, MG, CEP:. 35501-296.Palavras chave: Smilax, atividade antioxidante, extratos. Introdução µg/mL e de 100 para 250 µg/mL, sendo que de 1 para 10 µg/mL e de 250 para 500 µg/mL, este aumento não A família Smilacaceae possui distribuição foi tão significativo.predominante nos climas tropical e subtropical,incluindo dois gêneros e cerca de 300 espécies, quase Et Hex DCM Ac But HEtodas pertencentes à Smilax. No Brasil, apenas ogênero Smilax é encontrado, com aproximadamente 30 100 90espécies, conhecidas popularmente como salsaparrilha % de inibição de DPPH 80ou japecanga, encontradas em bordas de florestas 70menos úmidas, particularmente em cerradões e 60 50 1florestas estacionais . 40 Acredita-se que os antioxidantes absorvidos a 30 20partir dos alimentos vegetais, incluindo substâncias 10polifenólicas, vitaminas E e C e carotenóides são 0efetivos na prevenção dessas doenças relacionadas 1 10 100 250 500com o estresse oxidativo. Assim, é de grande interesse, Concentrações (µg/mL) µa nível medicinal e nutricional, o conhecimento da Gráfico 1: Atividade antioxidante do extrato ecapacidade antioxidante dos constituintes dos frações da espécie Smilax cissoides.alimentos e chás que consumimos. Neste contexto, osantioxidantes têm se tornado um tópico de progressivo As frações diclorometano (DCM) e butanólicainteresse nos últimos anos e as publicações relativas a 2 (But) apresentaram atividade semelhante ao extratoesse assunto quadruplicaram na última década. etanólico (Et). Metodologia As frações acetato de etila (Ac) e hidroetanólica (HE) apresentaram atividade semelhante nas A planta foi coletada e macerada em etanol por concentrações de 100, 250 e 500 µg/mL, merecendodez dias. O solvente foi retirado em rotavapor, obtendo- destaque as duas últimas com porcentagem de inibiçãose o extato etanólico (Et). Realizou-se então a partição maior que 90%.do extrato etanólico, utilizando hexano, diclorometano, A fração hexânica (Hex) foi a que teve menoracetato de etila e butanol, originando as frações atividade entre as amostras testadas, mas atividadehexânica (Hex), diclorometano (DCM), acetato de etila aumentou com o aumento da concentração.(Ac), butanólica (But) e hidroetanólica (HE). Após a Todas as amostras testadas apresentarampartição, o extrato e as frações foram submetidas ao atividade antioxidante, merecendo destaque as fraçõesensaio de atividade antioxidante de acordo com a acetato de etila (Ac) e hidroetanólica (HE) quemetodologia proposta por Burda & Oleszek . 3 apresentaram porcentagem de inibição maior que 80% As amostras foram solubilizadas com o na concentração de 100 µg/mL.solvente padrão e diluições seriadas foram realizadaspara se obter as concentrações de 1, 10, 100, 250 e Conclusão500 µg/mL. As amostras foram preparadas em triplicata A partir dos resultados obtidos, foi possívele as leituras foram realizadas no comprimento de onda notar o significativo aumento da percentagem dede 517 nm, no intervalo de tempo de 30 minutos. O percentual de inibição do DPPH (ou a % da inibição em DPPH a partir do aumento dasatividade antioxidante) foi calculado pela seguinte concentrações das amostras testadas.Entretanto, valefórmula: % de inibição do DPPH = 1 – Aa / Ab x 100, ressaltar que na fração hexânica, o aumento não foi tãoonde Aa = absorbância da amostra e Ab = absorbância expressivo quanto nas outras frações. Assim, o extratoda solução de DPPH. e as frações de Smilax cissoides mostraram potencial atividade antioxidante a partir do ensaio com DPPH. Resultados e discussão Agradecimentos Os resultados para o ensaio de atividadeantioxidante utilizando DPPH estão apresentados no UFSJ, FAPEMIG, CNPq.gráfico 1. 1Sousa, V. C; Lorenzi, H. Botânica sistemática. Nova Odessa: Instituto Plantarum O extrato etanólico (Et) apresentou umaumento da inibição de DPPH com o aumento da de Estudos da Flora Ltda., 2005, 640p. 2Huang D., Ou B., Pnor R.L., Journal Agricultural Food Chemistry 2005, 53, 184.concentração. É importante salientar, que houve um 3Burda S., Oleszek W. Journal Agricultural Food Chemistry 2001, 49, 2774.aumento significativo da concentração de 10 para 1001° Congresso de Farmácia da UFSJ Divinópolis-MG, 20, 21 e 22 de outubro de 2010.
  • 11. Doenças Negligenciadas: Epidemiologia, Diagnóstico e Tratamento - Perspectivas para atuação do Profissional FarmacêuticoAvaliação da Atividade Antioxidante de Óleos Comerciais e de Seus Ésteres Metílicos (FAMEs)Maria Eduarda Amaral Pinto (IC) *, Marcela Ísis Morais (IC), Fernanda Vieira Coelho (IC), SthéfaneGuimarães Araújo (IC), Carlos Alan Cândido Dias Júnior (PQ), Luciana Alves Rodrigues dos Santos Lima(PQ). *mariaeduardamaral@hotmail.comCampus Centro-Oeste Dona Lindu - UFSJ, Rua Sebastião Gonçalves Coelho, 400, Divinópolis, MG, CEP:. 35501-296.Palavras chave: Atividade antioxidante, ésteres metílicos e óleos comerciais. 500 µg/mL. As amostras foram preparadas Introdução em triplicata e as leituras foram realizadas no comprimento de onda de 517 nm, no intervalo de Ácidos graxos são os componentes mais tempo de 30 minutos.abundantes dos óleos, sendo constituídos O percentual de inibição do DPPH (ou a %principalmente de triglicerídeos (90 a 98%), que são da atividade antioxidante) foi calculado pela seguinteésteres formados por três ácidos graxos e glicerol. O fórmula: % de inibição do DPPH = 1 – Aa / Ab xconsumo de uma dieta enriquecida de ácidos graxos 100, onde Aa = absorbância da amostra e Ab =essenciais confere muitos efeitos benéficos para a 1 absorbância da solução de DPPH.saúde. Os ésteres de ácidos graxos são obtidoscomumente através de reações de Resultados e discussãotransesterificação, principalmente ésteres metílicos, Os resultados do ensaio de atividadeconhecidos pela sigla em inglês como FAME. Na antioxidante estão apresentados no gráfico a seguir:transesterificação de óleos vegetais, um triglicerídeoreage com um álcool (metanol ou etanol) produzindo Oleo Soja Oleo Milho Oleo Girassol FAME Soja FAME Milho FAME Girassoluma mistura de ésteres de ácidos graxoscorrespondentes e liberando a glicerina como 100 2 90subproduto (Figura 1). % de inibição de DPPH 80 70 60 O O 50 40H2C O R1 H2C OH R O R1 30 O O 20 catalisador 10HC O R2 + 3 ROH HC OH + R O R2 0 O O 1 10 100 250 500H2C O R3 H2C OH R O R3 Concentração (g/mL)  Figura 1: Transesterificação de triglicerídeos. Gráfico 1: Resultado da atividade antioxidante Assim, como os antimicrobianos, outra área para os óleos comerciais e seus ésteresque tem despertado interesse nos últimos anos é a metílicos.de antioxidantes. A oxidação é a geração de Todas as amostras testadas apresentaramespécies reativas de oxigênio (radicais livres) que atividade antioxidante. A melhor atividadepode ocorrer, por exemplo, pela decomposição dos antioxidante foi apresentada pelo FAME de Girassolácidos graxos, sendo prejudiciais para os organismos na concentração de 500 µg/mL, com inibição do 3vivos. DPPH de aproximadamente 90%. Os outros óleos e Acredita-se que os antioxidantes absorvidos FAMEs em diferentes concentrações apresentarama partir dos alimentos vegetais, incluindo substâncias resultados aproximados com inibição em torno de 25polifenólicas, vitaminas E e C e carotenóides são a 40%.efetivos na prevenção dessas doenças relacionadascom o estresse oxidativo. Assim, é de grande Conclusãointeresse, a nível medicinal e nutricional, oconhecimento da capacidade antioxidante dos O melhor resultado da atividade antioxidante 4constituintes dos alimentos que consumimos. foi a do FAME de Girassol, enquanto que os outros óleos e FAMEs apresentaram inibições com Metodologia porcentagens aproximadamente semelhantes. Neste trabalho foi avaliada a atividadeantioxidante dos óleos comerciais e de seus ésteres Agradecimentosmetílicos. O teste foi realizado pelo método Bolsista UFSJ.quantitativo espectrofotométrico: atividade 1 Korul’kina, L. M.; Zhusupova, G. E.; Shul’ts, E.E.; Erzhanov K. B., Chem. Nat.capturadora de radicais livres com o 2,2-difenil-1- Comp. 2004, 40, 417. 5picril-hidrazila, DPPH. 2 Carioca, J.O.B. et al., Impact of Sciences on Society 1988, 148, 315. 3 Marinova E.M., Yanishilieva N.V. Food Chem. 2003, 81, 189. As amostras foram solubilizadas com o 4 Huang D., Ou B., Pnor R.L. Journal Agricultural Food Chemistry 2005, 53, 184.solvente padrão e diluições seriadas foram realizadas 5 Burda S., Oleszek W. Journal Agricultural Food Chemistry 2001, 49, 2774.para se obter as concentrações de 1, 10, 100, 250 e1° Congresso de Farmácia da UFSJ Divinópolis-MG, 20, 21 e 22 de outubro de 2010.
  • 12. Doenças Negligenciadas: Epidemiologia, Diagnóstico e Tratamento - Perspectivas para atuação do Profissional Farmacêutico Avaliação da Atividade Antioxidante de Smilax campestrisMarcela I. Morais (IC)*, Sthéfane G. Araújo (IC), Maria Eduarda A. Pinto (IC), Fernanda Vieira Coelho (IC),Rodrigo Resende Ribeiro (PQ), Carlos Alan Cândido Dias Júnior (PQ), Luciana A. R. Santos Lima (PQ).*marcelaisis1@hotmail.com1 Campus Centro-Oeste Dona Lindu - UFSJ, Rua Sebastião Gonçalves Coelho, 400, Divinópolis, MG, CEP:. 35501-296.Palavras chave: Smilax, atividade antioxidante, frações. Introdução Resultados e discussão A família Smilacaceae possui distribuição Os resultados para o ensaio de atividadepredominante nos climas tropical e subtropical, antioxidante utilizando DPPH estão apresentados noincluindo dois gêneros e cerca de 300 espécies, quase gráfico 1.todas pertencentes a Smilax. No Brasil, apenas ogênero Smilax é encontrado, com aproximadamente 30 Et Hex DCM Ac But HEespécies, conhecidas popularmente como salsaparrilhaou japecanga, encontradas em bordas de florestas 100menos úmidas, particularmente em cerradões e 90 % de inibição de DPPH 1 80florestas estacionais . 70 Uma definição biológica de antioxidante é 60 50substância natural ou sintética que é adicionada a 40produtos para prevenir ou retardar sua deterioração 30pela ação do oxigênio do ar. Em bioquímica e medicina, 20 10antioxidantes são enzimas ou outras moléculas 0orgânicas como vitamina A, β-caroteno, vitamina C e os 1 10 100 250 500compostos fenólicos, que são capazes de contra-atacar Concentrações (µg/mL) µ 2os efeitos danosos da oxidação em tecidos animais . Gráfico 1: Atividade antioxidante do extrato e Acredita-se que os antioxidantes absorvidos a frações da espécie Smilax campestris.partir dos alimentos vegetais, incluindo substânciaspolifenólicas, vitaminas E e C e carotenóides são Entre as frações testadas, a butanólica (But) foiefetivos na prevenção dessas doenças relacionadas a que apresentou maior porcentagem de inibição decom o estresse oxidativo. Assim, é de grande interesse, DPPH em todas as concentrações testadas. Destaa nível medicinal e nutricional, o conhecimento da forma, infere-se que esta fração é a que apresentacapacidade antioxidante dos constituintes dos maior atividade antioxidante.alimentos e chás que consumimos. Neste contexto, os Nas concentrações de 250 e 500 µg/mL aantioxidantes têm se tornado um tópico de progressivo fração hidroetanólica (HE) também apresentouinteresse nos últimos anos e as publicações relativas a atividade significativa. A fração hexânica (Hex) e a 2esse assunto quadruplicaram na última década . diclorometano (DCM) foram as que mostraram menor atividade. Metodologia O extrato etanólico apresentou inibição dose- A planta foi coletada e macerada em etanol por dependente, ou seja, quanto maior a concentração, maior a % de inibição de DPPH. A fração acetato dedez dias. O solvente foi retirado em rotavapor, obtendo- etila (Ac) apresentou boa atividade na concentração dese o extato etanólico (Et). Realizou-se então a partição 500 µg/mL.do extrato etanólico, utilizando hexano, diclorometano,acetato de etila e butanol, originando as frações Conclusãohexânica (Hex), diclorometano (DCM), acetato de etila(Ac), butanólica (But) e hidroetanólica (HE). Após a Todas as frações apresentaram inibição dopartição, o extrato e as frações foram submetidas ao DPPH, ou seja, atividade antioxidante, merecendoensaio de atividade antioxidante de acordo com a destaque o extrato etanólico (HE) e a fração butanólicametodologia proposta por Burda & Oleszek . 3 (But) na concentração de 100 µg/mL, com inibição de As amostras foram solubilizadas com o DPPH maior que 90%.solvente padrão e diluições seriadas foram realizadaspara se obter as concentrações de 1, 10, 100, 250 e Agradecimentos500 µg/mL. As amostras foram preparadas em UFSJ, FAPEMIG, CNPq.triplicatas e as leituras foram realizadas numcomprimento de onda de 517 nm, no intervalo de tempo 1Sousa, V. C; Lorenzi, H. Botânica sistemática. Nova Odessa: Institudo Plantarumde 30 minutos. de Estudos da Flora Ltda., 2005, 640p. O percentual de inibição do DPPH (ou a % da 2Huang D., Ou B., Pnor R.L., Journal Agricultural Food Chemistry 2005, 53, 184.atividade antioxidante) foi calculado pela seguinte 3Burda S., Oleszek W. Journal Agricultural Food Chemistry 2001, 49, 2774.fórmula: % de inibição do DPPH = 1 – Aa / Ab x 100,onde Aa = absorbância da amostra e Ab = absorbânciada solução de DPPH.1° Congresso de Farmácia da UFSJ Divinópolis-MG, 20, 21 e 22 de outubro de 2010.
  • 13. Doenças Negligenciadas: Epidemiologia, Diagnóstico e Tratamento - Perspectivas para atuação do Profissional Farmacêutico Estudos de Modelagem Molecular Aplicados às Asaronas Ana Paula Carregal (IC)*, Alex G. Taranto (PQ), Moacyr Comar Jr (PQ), Stênio Nune Alves (PQ), João Máximo de Siqueira (PQ)Endereço para correspondência: anapaulacarregal@gmail.comPalavras chave: asarona, Triagem Virtual Inversa, ancoragem molecular. Introdução Resultados e discussãoMuitos extratos vegetais e óleos essenciais podem ser Como resultado da busca pelos receptores das asaronas, foram encontrados dois alvos molecularesfontes alternativas para o controle de insetos de com código PDB 2A4Z e 1EH4.produtos armazenados, pois constituem uma rica fonte A seguir, as asaronas e os ligantes complexados nosde substâncias bioativas e muitas delas são em grande respectivos alvos foram encaixados pela metodologia de ancoragem molecular, conforme mostrado na tabelaparte livre de efeitos adversos. O rizoma de gramineus abaixo.Acorus Solander, pertencente à família Araceae,posssui vários compostos, dentre eles a (E)-asarona e Tabela: Resultado da energia de ligação (Kcal/mol) da ancoragem molecular entre os ligantes com os(Z)-asarona. Estudos anteriores mostram que a alvos molecularesatividade furmicida é mais pronunciada na (Z)-asaronado que na (E)-azarona. Estes resultados indicam que a Proteína 1EH4 2A4Ztoxicidade das asaronas pode ser devida à Ligante 1EH4 -8,0 -6,5configuração espacial dos substituintes (1). No entanto,o receptor para estes compostos não está descrito até Ligante 2A4Z -8,7 -10,0o presente momento. A Bioinformática possuimetodologias que podem auxiliar nesta questão, dentre Z - asarona -6,4 -6,2elas destaca-se a Triagem Virtual Inversa (TVI). A TVI E - asarona -6,5 -6,5consiste em encontrar receptores farmacológicos deatuação para um determinado ligante de interesse embanco de dados de proteínas in silico (2). A seguir, a Como pode ser observado na tabela, as asaronasmetodologia de ancoragem molecular (docking) é foram capazes de se complexar com os receptores obtidos pela metodologia TVI de forma similar entre si.utilizada para encaixar ligantes no sítio ativo da enzima,com base que os grupamentos do ligante e do receptor Conclusãosão complementares entre si. Dispondo dasferramentas mencionadas acima o objetivo deste A metodologia TVI foi capaz de encontrar alvos moleculares para as asaronas, e a ancoragemtrabalho é encontrar receptores farmacológicos para as molecular estimou a interação destes. Estes achadosasaronas. fornecem informações da interação ligante-receptor, as quais podem ser empregadas para o aperfeiçoamento Metodologia de novos compostos derivados das asaronas AgradecimentosAs estruturas dos compostos (E)-asarona e (Z)-asarona Ana Paula Carregal agradece a bolsa PIBIC/CNPq.foram submetidas ao programa sc-PDB (3), que 1 Park, C.;, Kim, S. e Ahn Y.J. , J. of Stored Products Researchencontrou potencias alvos moleculares para estes 2002, 441,744. 2ligantes. De posse da estrutura molecular dos possíveis Rognan, D., J. Physiol 2006, 232-244. 3 Kellenberger, E., Muller P., Schalon C., Bret G., Foata N., e Rognanreceptores, os trabalhos de investigação seguiram para D. J. Chem. Inf. Model 2006, 717,727.os estudos de ancoragem molecular usando o 4 Trott, O. e Olson, A. J. , Journal of Computational Chemistry 2010,Autodock Vina (4). 455–461.1° Congresso de Farmácia da UFSJ Divinópolis-MG, 20, 21 e 22 de outubro de 2010.
  • 14. Doenças Negligenciadas: Epidemiologia, Diagnóstico e Tratamento - Perspectivas para atuação do Profissional FarmacêuticoO uso da Bioinformática na caracterização de alvos vacinais utilizandocomo modelo proteínas do tegumento do Schistosoma mansoni. *Flávia Costa Mendonça (IC) , Karina Talita de Oliveira Santana (IC), Flávio Martins Oliveira (PG/TC), ArnaldoBasso Rebelato (PG), Débora de Oliveira Lopes (PQ).Laboratório de Biologia Molecular – Divisão de BioinformáticaUniversidade Federal de São João Del Rei – Campus Dona Lindu, Divinópolis- MGflavia.bioquimica@hotmail.comPalavras chave: bioinformática, alvos vacinais, Schistosoma mansoni alvos vacinais uma vez que apresentam uma região Introdução exposta ao meio extracelular presa a uma ou mais O avanço do conhecimento do genoma do hélices transmembrânicas, epítopos e padrões deSchistosoma mansoni, das técnicas de Biologia glicosilação característicos , o que lhes confeririaMolecular e da Bioinformática permite que várias potencialidade imunogênica. Essas análises consistemproteínas ligadas a superfície do parasita sejam em uma avaliação preliminar para posteriores análisesisoladas e caracterizadas para avaliação do seu in vitro e in vivo que devem ser realizadas parapotencial imunogênico. A esquistossomose continua avaliação do potencial imunogênco através desendo um problema de saúde pública e causa cerca de expressão e purificação dessas proteínas utiizando 1250.000 mortes por ano em todo mundo . A estratégia técnicas de Biologia Molecular, imunização dede controle da doença baseia-se na quimioterapia camundongos e avaliação da proteção induzida apósporém, devido a constante reinfecção é necessário uma infecção com cercárias.estratégia de controle a longo prazo como o uso de Agradecimentosvacinas contra esse parasito. Utilizando como modelo as proteínas do FAPEMIG – UFSJtegumento do Schistosoma mansoni SM1290, SM6340 1e SM8710, foi realizado isolamento e caracterização Lopes, DO; et al. Sm21.6 a novel EF-hand familydessas proteínas através de análises de Bioinformática. protein member located on the surface of Schistosoma mansoni adult worm that failed to induce protection Metodologia against challenge infection but reduced liverObtenção da sequência gênica do banco de dados pathology.Vaccine 2009; 27 (4127-4135).público do Schistosoma mansoni Genedb(http//www.genedb.org/genedb/smansoni). Uso dasferramentas computacionais: BLAST – NCBI, Translatetools, ProtParam, ProtScale, SOSUI, TMHMM, SignalP,YinOYang e SYFPEITH do Expasy Proteomic Server. Resultados e discussão Análise de bioinformática da SM6340 Conclusões e PerspectivasAs análises in silico indicam que as proteínas demembrana SM1290, SM6340 e SM8710 são possíveis1° Congresso de Farmácia da UFSJ Divinópolis-MG, 20, 21 e 22 de outubro de 2010.
  • 15. Doenças Negligenciadas: Epidemiologia, Diagnóstico e Tratamento - Perspectivas para atuação do Profissional Farmacêutico AVALIAÇÃO DA QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DE FITOTERÁPICOS OBTIDOS EM FARMÁCIAS DE MANIPULAÇÃO DE DIVINÓPOLIS-MGAutores:, Diego Pinto de Oliveira* (Graduado em Farmácia), Tatiane Rodrigues de Mendonça (Graduada emFarmácia), Patrícia Oliveira Pereira (Graduado em Farmácia).diegodivi2006@hotmail.comPalavras chave: avaliação microbiológica, fitoterápicos, farmácias de manipulação. CONTAGEM TOTAL DE BACTÉRIAS MESÓFILAS AEROBIAS Introdução Origem FARMÁCIA A Cáscara Sagrada M.P. Cáscara Sagrada P.F. Carqueja M.P. Carqueja P.F. 1,4X10 1,9X10⁴ 8,5X10³ 1,4X10 FARMÁCIA B 1,5X10³ 2X10³ <5X10² 2X10³ O uso de fitoterápicos como recurso FARMÁCIA C <5X10² 5X10² 1X10³ <5X10²terapêutico remota desde os primórdios com as FARMÁCIA D 1X10³ 5X10² <5X10² <5X10²primeiras civilizações, hoje em dia seu uso continua Nota: M.P. = Matéria ; P.F. = Produto finalexpressivo devido a fatores sociais, econômicos e TABELA 2 1culturais . Os fitoterápicos englobam-se no grupo dos Contagem total de fungos, bolores e leveduras,produtos farmacêuticos não estéreis, sendo passíveis expressas em UFC/g de amostra.de contaminação devido ao alto teor de água presente CONTAGEM TOTAL DE FUNGOS, BOLORES E LEVEDURAS Origem Cáscara Sagrada M.P. Cáscara Sagrada P.F. Carqueja M.P. Carqueja P.F.em sua composição, por se tratar de uma droga de FARMÁCIA A 3X10 2,5X10³ 4,5X10³ 2X10³origem vegetal, o que torna necessário a realização de FARMÁCIA B 1X10³ 5X10² 5X10² 2X10³ FARMÁCIA C 1X10³ 2,5X10³ 5X10² <5X10²analises quantitativas de microrganismos mesófilos FARMÁCIA D <5X10² <5X10² 5X10² <5X10²aeróbios ou viáveis, bem como de microrganismos Nota: M.P. = Matéria ; P.F. = Produto final 2patogênicos . Os limites estabelecidos pela WHO (1998), Por se tratarem de produtos manipulados, para medicamentos não estéreis de uso oral, éestes entram mais em contato com pessoas, sendo que 5 aceitável a presença de até 5X10 UFC/g ou mL deestas são portadoras de microrganismos de forma 3 produto para bactérias heterotróficas e de 5X10 /g outransitória ou residente, sendo portanto outro fator de mL de produto para fungos e ausência decontaminação. Perante esses fatores a legislação microrganismos patógênicos. Os resultados dasvigente estabelece limites para a carga microbiana análises de contagem total de microrganismosnesses produtos a fim de assegurar que pessoas mesófilos aeróbios e da pesquisa de patógenosdebilitadas quando ingerirem o medicamento não sejam revelaram que das quatro farmácias analisadas apenasacometidas por uma infecção oportunista, e que essa a Farmácia A estava fora dos padrões para fungos ecarga microbiana não interfira na estabilidade do apresentou positividade na pesquisa para E.coli nasproduto alterando características organolépticas, físico- amostras de matéria-prima e produto final de Cáscara 3químicas, dentre outras . Sagrada, estando, portanto imprópria para o consumo. O que denota uma correlação entre a contaminação de Metodologia microrganismos mesófilos aeróbios e patógenos, uma A metodologia utilizada na revisão bibliográfica vez que a Farmácia A apresentou resultados elevadosfoi analítica, descritiva a partir de dados obtidos em de contaminação por mesófilos aeróbios. A Farmácialivros, textos e artigos científicos. D, também apresentou resultados positivos para E.coli, Foram analisadas amostras de carqueja e somente para a amostra de Cáscara Sagrada produtocascara sagrada oriundas de quatro farmácias de final, sugere-se que esta contaminação tenha ocorridomanipulação, no período de setembro a novembro de no processo de manipulação do produto, sendo que tais2009, sendo que a seleção destas farmácias foi resultados já foram observados em outros estudos.realizada de forma aleatória. A contagem total de microrganismos mesófilos- Conclusãoaeróbios foi realizada pelo método semeadura em Tendo em vista tais resultados torna-seprofundidade em placas ou “pour plate” e para pesquisa necessário o estabelecimento de práticas que sejamde microrganismos patógenos foi realizado um pré- capazes de reduzir a contaminação fúngica, bem comoenriquecimento das amostras e semeadura por a de enterobactérias, em todas as etapas de produçãoesgotamento primário em placa contendo o meio dos medicamentos, a fim de não comprometer aseletivo ao microrganismo patogênico de interesse de qualidade microbiológica do produto antes mesmo doacordo com o que é preconizado pela Word Health seu uso pelo consumidor final.Organization (WHO). Agradecimentos Resultados e discussão Agradeçemos a todos colaboradores deste projeto. Os resultados das análises quantitativas de 1 SIMÕES, C. M. O.; SCHENKEL, E. P.; GOSMANN, G.; MELLO, J. C. P.; MENTZ, L. A.;microrganismos mesófilos aeróbios estão descritos nas PETROVICK, P. R.. Farmacognosia da planta ao medicamento. 5° ed.Editora da UFRGS. Riotabelas a seguir. Grande do Sul. 1999. 1102p. 2 PINTO, T. J. A.; KANEKO. T. M.; OHARA, M. T.. Controle Biológico de Qualidade de Produtos Farmacêuticos, Correlatos e Cosméticos. 2° Ed.. Atheneu Editora. São Paulo. 2003. 326p. TABELA 1 3 BUGNO, A.; BUZZO, A. A.; NAKAMURA, C. T.; PEREIRA, T. C.; MATOS, D.; PINTO, T. J. A.. Avaliação da contaminação microbiana em drogas vegetais. Revista Brasileira de Ciências Contagem total de bactérias mesófilas aeróbias Farmacêuticas. vol. 41, n. 4, out./dez., 2005. expressas em UFC/g de amostra.1° Congresso de Farmácia da UFSJ Divinópolis-MG, 20, 21 e 22 de outubro de 2010.
  • 16. Doenças Negligenciadas: Epidemiologia, Diagnóstico e Tratamento - Perspectivas para atuação do Profissional FarmacêuticoDIABETES MELLITUS TIPO 1: a interferência na terapia com insulinaglargina na dosagem de glicohemoglobinaAutores: Tatiane Rodrigues de Mendonça* (Graduada em Farmácia), Diego Pinto de Oliveira (Graduado emFarmácia)tatianerodriguesdemendonca@hotmail.comPalavras chave: Diabetes mellitus tipo1, Glicohemoglobina (HbA1C ), Insulina glargina. pacientes não possuíam dados comparativos para a Introdução dosagem de glicohemoglobina. A terapia com insulina glargina em pacientes O reflexo da terapêutica com insulina glarginaportadores de diabetes mellitus tipo 1 tem como não se mostrou muito significante uma vez que apenasobjetivo proporcionar maior conforto ao paciente 31,5 % dos pacientes reduziram seus níveis em valoresassociado a um melhor controle glicêmico. Para avaliar maiores ou iguais a 1%. No entanto, qualquer reduçãoeste controle é usada a dosagem de glicohemoglobina demonstra um controle glicêmico melhor e um menor(HbA1C); uma redução em seus níveis equivale a um risco de desenvolver complicações micro emenor risco de complicações micro e macrovasculares. Mesmo aqueles pacientes que 1macrovasculares . apresentaram uma redução menor ou igual a 1%, O diabetes mellitus tipo 1 (DM1) é uma doença devem ter seu valor reconhecido. Somados os doisauto-imune caracterizada pela destruição das células β grupos em que houve redução obtem-se 56,5% dosdo pâncreas. A deficiência de insulina leva a um estado pacientes avaliados, comprovando um melhor controlede hiperglicemia, que se não tratado provocacomplicações micro e macrovasculares. Estas por parte dos pacientes que utilizam a insulina glargina.complicações acarretam altas taxas de morbidade e Contudo, um fato inusitado é observado, pois 2mortalidade da doença . O DM1 acomete milhões de em 31,5% dos pacientes ocorreu um aumento dospessoas em todo o mundo, principalmente crianças e níveis de HbA1C, possivelmente estes pacientes nãojovens agravando-se com a idade. Diante do realizaram um bom controle glicêmico. Em 12,5% doscrescimento mundial desta patologia, este trabalho visa pacientes estudados não apresentaram dadosestabelecer uma melhor compreensão da doença e comparativos para dosagem de HbA1C, apesar deavaliar uma possível alteração nos níveis de HbA1C cumprirem com os requisitos de seleção.após a terapêutica com insulina glargina. Não se pode afirmar que esta elevação ou redução dos níveis de HbA1C ocorreram apenas pelo Metodologia uso da insulina glargina, pois interferentes externos A metodologia utilizada na revisão bibliográfica como hábitos alimentares e prática de exercícios físicosfoi uma pesquisa realizada em diversos livros não tiveram sua influência considerada no estudo.associados a artigos científicos sobre a fisiopatologiada doença, diagnóstico e terapêutica. Estes artigos Conclusãoforam retirados de sites como Scielo e Pubmed etambém de revistas científicas. A realização deste estudo apesar de A pesquisa sobre a influência da insulina inconclusivo mostrou que após o uso da insulinaglargina na dosagem de HbA1C foi realizada na glargina, a maioria dos pacientes tiveram seus níveis deRegional de Saúde de Divinópolis/MG entre os dias 15 HbA1C reduzidos, consequentemente um melhorago. 2009 até 29 set. 2009 em que foram consultados controle glicêmico. O acompanhamento destesprocessos deferidos de solicitação para fornecimento pacientes diabéticos tipo 1 por um tempo maior seria oda insulina glargina a pacientes diabéticos tipo 1. ideal para se determinar a verdadeira interferência da O critério de seleção dos dados baseou-se em insulina glargina na dosagem de glicohemoglobina.processos de pacientes que já usam a insulina glargina. Para abordagens mais conclusivas deve-seEstes processos deveriam conter pelo menos um realizar a pesquisa de maneira randomizadaexame laboratorial antes e após a data de prescrição abrangendo várias localidades e grupos étnicos. Devidoda insulina glargina. O exame laboratorial não à escassez de dados e o não preenchimento de todosprecisava ser necessariamente a glicohemoglobina. os requisitos que deveriam constar no processo, aBaseados nestes critérios foram selecionados 16 pesquisa ficou um pouco restrita.pacientes. Agradecimentos Resultados e discussão Agradeço a todos colaboradores deste projeto. O estudo mostrou uma redução dos níveis de 1Dunn, Christopher J. et al. Adis International, 2003, v. 63, n. 16, 1744-1755.HbA1C em 56,50% dos pacientes pesquisados, parte 2Robbins, Stanley L.; Cotran, Ramzi S. Robbins e Cotran Pat.: as bases patológicasdestes apresentaram redução menor ou igual a 1% e das doenças, 2005, cap.24, 1243-1260.outros maior ou igual a 1%. Em alguns casos houveaumento dos níveis e uma pequena parcela dos1° Congresso de Farmácia da UFSJ Divinópolis-MG, 20, 21 e 22 de outubro de 2010.
  • 17. Doenças Negligenciadas: Epidemiologia, Diagnóstico e Tratamento - Perspectivas para atuação do Profissional Farmacêutico Estudo teórico de propriedades moleculares de produtos naturaispotencialmente bioativos e seus complexos de inclusão em β-ciclodextrinas Mateus G. Soares* (IC), Beatriz A. Ferreira (PQ), Cristina A. Alves (IC) & João M. de Siqueira (PQ). (teusgoncalves@yahoo.com.br) - Campus Centro Oeste Dona Lindu, Universidade Federal de São João Del-Rei.Palavras chave: produtos naturais, ciclodextrinas, modelagem molecular. pina Log P: -1,75 -4,38 Introdução Tabela 2. Propriedades das quinonas puras e seusA bioatividade de produtos naturais tem sido complexos em β-CDs obtidos à 298 K (fase gasosa) nointensivamente investigada como fonte para a nível MQ/semiempírico.formulação de novos fármacos. A biodisponibilidade e sistema/ puro complexotoxicidade de fármacos – naturais ou sintéticas – são as propriedade em β-CDprincipais limitações para seu uso. Por outro lado, as aloína ∆Hf: -335,29kcal/mol -1813,59kcal/molciclodextrinas (oligômeros constituídas por unidades de µ: 5,55 D 5,84 Dglicose unidas por ligações α(1→4)) possuem a Log P -2,88: -5,41habilidade de formar complexos solúveis em água, o emodina ∆Hf: -188,92 kcal/mol -1662,95 kcal/molque aumenta a biodisponibilidade e diminui a toxicidade µ: 3,34 D 3,10 D 1do fármaco . Isso ocorre porque as unidades de glicose Log P: -1,94 -2,77na estrutura da ciclodextrina (CD) levam à formação de β- ∆Hf: -66,02 kcal/mol -1542,00 kcal/mol lapachona µ: 3,85 D 5,04 Duma cavidade (interior lipofílico e exterior hidrofílico), Log P: 2,24 0,09que pode receber uma molécula “hóspede”, atuando lapachol ∆Hf: -75,39 kcal/mol -1551,57 kcal/molcomo “hospedeira”, sistema conhecido como “drug 2,48 D µ: 2,44 Ddelivery system”, de liberação controlada de fármacos. Log P: 2,30 -1,84Neste trabalho foram realizados cálculos para asseguintes classes de compostos naturais, Tabela 3. Propriedades dos flavonóides puros e seus 2potencialmente antitumorais : alcalóides aporfínicos complexos em β- CDs obtidos à 298 K (fase gasosa) no(boldina, duguetina, N-nitrosoanonaína, N- nível MQ/semiempírico.nitrosoxilopina), quinonas (aloína, emodina, lapachona sistema/ puro complexoe β-lapachol) e flavonóides (rutina e quercetina), além propriedade em β-CDde seus respectivos complexos de inclusão em β-CD (7 rutina ∆Hf: -587,66kcal/mol -2019,59 kcal/molunidades de glicose). µ: 5,75 D 5,16 D Log P: -5,91 -18,98 Metodologia quercetina ∆Hf: -218,26 kcal/mol -1704,34 kcal/mol µ: 3,68 D 4,97 DOtimização das geometrias dos compostos puros e Log P: -4,01 -7,57complexos em β- CDs via Mecânica Molecular (campo ∆Hf: entalpia de formação; µ: momento de dipolo; Log P:de força AMBER, 298 K, vácuo) e Mecânica Quântica coeficiente de partição octanol/água = [octanol]/[água].(nível de teoria semi-empírico, método PM3, 298 K,vácuo). Todos os cálculos foram realizados com o Conclusãoprograma Hyperchem Professional 7.5. A partir dos resultados, pôde se observar que: i) os compostos estão aptos a formar complexos Resultados e discussão ligeiramente estáveis entalpicamente (∆Hreação <0,Os resultados estão sumarizados nas tabelas a seguir onde ∆Hreação = ∆Hcomplexo – (∆Hcomposto puro +(Tabelas 1, 2 e 3). ∆Hciclodextrina pura)) e ii) a solubilidade em água aumentaTabela 1. Propriedades dos alcalóides puros e seus (Lop P diminui e o momento de dipolo aumenta nocomplexos em β- CDs obtidos à 298 K (fase gasosa) no geral). De forma sucinta, pode-se dizer que osnível MQ/semiempírico. resultados dos sistemas estudados apontam, do ponto sistema/ puro complexo de vista teórico (nas condições consideradas para ospropriedade em β-CD cálculos) a possibilidade de utilização de complexos de boldina ∆Hf:-114,87 kcal/mol -1590,29 kcal/mol 3,49 D β-CD como uma forma alternativa de administração de µ: 2,32 D Log P: -2,85 -10,86 fármacos para aquelas espécies que podem apresentar duguetina ∆Hf:-58,87kcal/mol -1534,89 kcal/mol atividade antitumoral (atividade citotóxica). µ: 1,67 D 3,59 D Log P: -1,24 -5,69 Agradecimentos N- ∆Hf: -9,96 kcal/mol -1467,59 kcal/mol PROPE/UFSJ, FAPEMIG nitrosoano- µ: 2,87 D 3,81 D naína Log P: -0,76 -2,76 1Stella, V.J. & Rajewski, R.A. Pharmaceutical Research, 1997, 14, 5. N- ∆Hf:-75,39 kcal/mol -1551,57 kcal/mol 2 da Silva , D.B. ; Tulli E.C.O., Militao, G.C.G.; Costa-Lotufo, L.V.; Pessoa, C. de Moraes, M.O. Albuquerquea, S. de Siqueira J.M. Phytomedicine, 2009, 16, 1059. nitrosoxilo- µ: 1,76 D 4,28 D1° Congresso de Farmácia da UFSJ Divinópolis-MG, 20, 21 e 22 de outubro de 2010.
  • 18. Doenças Negligenciadas: Epidemiologia, Diagnóstico e Tratamento - Perspectivas para atuação do Profissional Farmacêutico Proposta de Desenvolvimento de Inibidores de Protease do Vírus da Dengue por Modelagem Molecular *Ernane São João Garcia (IC), Alex G. Taranto (PQ), Moacyr Comar Jr (PQ),ernanegarcia@gmail.comPalavras chave: protease, dengue, triagem virtual. Introdução Resultados e discussãoOs vírus da Dengue pertencem ao gênero Flavivirus, da Como pode ser observado pela figura abaixo, asfamília Flaviviridae, sendo transmitido através da picada estruturas cristalográficas estão complexadas com inibidores, tanto para NS3 como NS5, figura A e Bdo mosquito Aedes aegypti. A Organização Mundial de respectivamente. Com isso, é possível calcular aSaúde (OMS) estima que 40% da população mundial interação de ligantes com estas enzimas estimando a atividade biológicaestejam vivendo em áreas de risco.Conseqüentemente, são relatados mais de 80 milhões A) B)de casos de infecção por ano no mundo (WHO, 2007)1 .Até o presente momento, não há uma vacina licenciadaeficaz ou terapias antivirais específicas contra o vírus.O vírus da dengue codifica uma poliproteína precursorade aproximadamente 3.400 aminoácidos, que éprocessada por proteases virais e da célula hospedeira.Essa clivagem origina sete proteínas não estruturais(NS), NS1, NS2A, NS2B, NS3, NS4A, NS4B e NS5, as Figura: Estruturas Cristalográficas depositadas no PDB.quais somente a NS3 e NS5 desempenham importante A) NS3; B) NS5papel na replicação do genoma viral (PERERA et al.,2008).2 ConclusãoAssim o presente projeto tem como objetivo desenharnovos inibidores das enzimas NS3 e NS5 por De posse do estudo da interação entre ligantes com asmodelagem molecular. enzimas NS3 e NS5, será possível propor novos ligantes. Estes novos ligantes poderão ser Metodologia desenvolvidos usando o conceito de fármacos simbiontes, ou seja, fármacos que manifestam açãoAs enzimas NS3 e NS5 encontram-se depositadas no simultaneamente sobre duas enzimas, por possuírem 3Protein Data Bank (PDB) sobre o código 2JLR e 2J7U. características moleculares que permitem oParalelamente, a partir de estruturas de fármacos 6 reconhecimento por estes diferentes biorreceptores. 4depositados no drug bank. Através da metodologiaTriagem Virtual, os compostos presentes no drug bank Agradecimentosserão encaixados em ambos receptores usando o Especial agradecimento ao prof. Dr. Alex Taranto, pela 5 confiança, paciência e conhecimento proporcionados.programa Autodock Vina. 1 WHO. Geneva, Switzerland: World Health Organization. (http://www.who.int/features/qa/54/en/). Acesso em Outubro de 2007. 2 Perera, R.; Kuhn, R. J. Curr. Opin. Microbiol. 2008, 11 (4), 369-377. 3 ttp://www.ebi.ac.uk/pdbsum/2jlr; http://www.ebi.ac.uk/pdbsum/2j7u . 4 Wishart D.S.; Knox C.; Guo A.C.; Shrivastava S.; Hassanali M.; Stothard P.; Chang Z.; Woolsey J Nucleic Acids Res. 2006; 34:D668-D672. 5 Olson A. J.; Trott O.; Journal of Computational Chemistry. 2010, 11, 455-461. 6 Murphy R.; Kay C.; Rankovic Z. Drug Discov Today. 2004;9:641-51.1° Congresso de Farmácia da UFSJ Divinópolis-MG, 20, 21 e 22 de outubro de 2010.
  • 19. Doenças Negligenciadas: Epidemiologia, Diagnóstico e Tratamento - Perspectivas para atuação do Profissional Farmacêutico Prescrição de Medicamentos Inapropriados para Idosos Residentes de uma Instituição de Longa Permanência de Divinópolis-MG Rinaldo E. M. Oliveira (IC), Danielly B. Soares (IC), Marina M. Oliveira (IC), Fabiane C. Costa (IC), Bruna A. Viana (IC), Mariana M. Gonzaga do Nascimento (PG)*, Carlos Alan C. Dias Junior (PQ), Mariana Linhares Pereira (PQ), Adriana C. Soares de Souza (PQ)marianamgn@yahoo.com.brPalavras chave: qualidade da farmacoterapia, idosos, instituição de longa permanência Sete dos nove medicamentos inapropriados prescritos Introdução apresentam risco de sedação e/ou hipotensão que predispõem idosos a quedas e fraturas (Tab. 1), queO delineamento da farmacoterapia para idosos deve são as mais frequentes causa mortis nessa populaçãoser realizado após análise de múltiplos fatores, uma vez 4 .que o envelhecimento traz consigo inúmeras alteraçõesfisiopatológicas que podem ocasionar alterações na GRÁFICO 1 – Medicamentos inapropriadoscinética e dinâmica de fármacos. prescritos aos idosos da ILP em estudoHá alguns medicamentos, no entanto, que já são tidoscomo inapropriados para uso nesse grupo de indivíduospor se mostrarem ineficazes e/ou inseguros. O Critériode Beers apresenta uma lista com tais medicamentos 1,e é uma importante referência internacional paraavaliação da qualidade de prescrições geriátricas.Inúmeros estudos de uso de medicamentos por idososdemonstram alta freqüência da prescrição demedicamentos inapropriados na comunidade,ambulatórios, hospitais e serviços de emergência. Noentanto, são poucos os estudos que avaliam a TABELA 1 - motivo da inapropriação dos medicamentos prescritosadequação de medicamentos prescritos a idosos aos idosos da ILPresidentes em instituições de longa permanência (ILP). MetodologiaForam analisadas as prescrições referentes a um mêsde tratamento dos 46 idosos residentes em umainstituição de longa permanência do município deDivinópolis – MG. Identificou-se os medicamentosinapropriados prescritos segundo Critério de Beers 1atualizados por Fick et al . Conclusão Resultados e discussão Os dados do presente estudo demonstram uma ampla exposição dos idosos asilados a medicamentosDos 46 idosos internos, 44 usavam pelo menos um inadequados. No entanto, há necessidade da avaliaçãomedicamento (95,7%). Desses indivíduos sob uso de de outros indicadores (duplicidade terapêutica,medicamentos, 19 possuíam prescrição com pelo interações medicamentosas, polifarmácia) para traçarmenos um medicamento inapropriado (43,2%). Tais de forma mais abrangente a qualidade da prescrição na 2dados diferem dos encontrados por AGUIAR et al e ILP em estudo. De qualquer forma, evidencia-se a 3CASTELLAR et al , respectivamente: 87,2 e 78,2% dos necessidade da divulgação da lista de medicamentosidosos sob uso de medicamentos, sendo que 28,7 e inapropriados junto aos prescritores geriátricos, bem46,2% desses utilizavam pelo menos um medicamento como da inserção do farmacêutico noinapropriado segundo o Critério de Beers. acompanhamento farmacoterapêutico de idosos.O medicamento inapropriado mais prescrito ao grupo Agradecimentos ®estudado foi o Diazepan (Valium ) seguido da Digoxina Agradecemos à equipe de saúde da ILP em estudo.e Nifedipino (Gráfico 1). 1 Fick, D.M. et al. Arch Intern Med. 2003, 163, 2716-25.Três idosos (6,8%) faziam uso concomitante de dois 2 Aguiar, P.M.; Lyra-Junior, D.P.; Silva, D.T.; Marques, T.C. Lat Am J Pharm. 2008,medicamentos inapropriados nas seguintes 27, 454-59.combinações: “diazepam+doxazosina”, “diazepam+ 3 Castellar, J.I.; Karnikowski, M.G.O.; Vianna, L.G.; Nóbrega, O.T. Acta Med Port.amitriptilina”, e “diazepam+nifedipino”. 2007, 20, 97-105. 4 Guimarães, J.M.N.; Farinatti, P.T.V. Rev Bras Med Esporte. 2005, 11, 299-305.1° Congresso de Farmácia da UFSJ Divinópolis-MG, 20, 21 e 22 de outubro de 2010.
  • 20. Doenças Negligenciadas: Epidemiologia, Diagnóstico e Tratamento - Perspectivas para atuação do Profissional Farmacêutico Avaliação da mutagenicidade in vitro de uma planta medicinal amazônica 1 1 1,Bárbara C. T. Castro*(IC) , Luiz Fernando Camargos(IC) , Isabela V. G. Silva(IC) Mariana A. R. Salgado 1 2 3 1(IC) , Maria Aparecida M. Maciel (PQ) , Ilce Mara S. Cólus(PQ) , Fábio V. Santos(PQ)1 Laboratório de Biologia Celular e Cultura de Células, Campus Centro Oeste, Universidade Federal de São 2João Del-Rei (CCO – UFSJ) Laboratório LTT, Departamento de Química, Universidade Federal do Rio 3Grande do Norte (UFRN) Laboratório de Mutagênese, Departamento de Biologia Geral, UniversidadeEstadual de Londrina (UEL - PR)Bárbara Castro: baby_castro22@hotmail.comPalavras chave: Mutagenicidade, DCTN, Ames de ativação metabólica S9, buscando-se simular o Introdução metabolismo animal no sistema microbiano empregado.A espécie Croton cajucara Benth., popularmente Tabela 1: Freqüência Média de revertentes por placa econhecida como sacaca, é uma planta amazônica que desvio padrão para diferentes concentrações da DCTNtêm sido utilizada na medicina popular para o nas linhagens TA98 e TA100 de S. typhimurium.tratamento de várias doenças. Devido a sua utilização,vários estudos vêm sendo realizados para avaliar o Concentrações(mg/placa)) TA 98 TA 100verdadeiro potencial medicinal de compostos obtidos CN* 46±4,24 97±8,48dessa espécie, bem como para avaliação dos riscosassociados à sua utilização. O objetivo do trabalho foi 0,3 32 ± 0 118,5 ± 13,43avaliar o potencial do princípio ativo da sacaca, o 0,6 32 ± 2,5 94 ± 18,38diterpeno trans-dehidrocrotonina (DCTN), em induzir 1,2 37 ± 7,5 83 ± 28,28mutações gênicas in vitro. 2,4 38 ± 7,5 94,5 ± 33,23 4,8 41 ± 4,5 77 ± 1,41 CP* 431±38,18 475±74,95 *CP =(controle positivo)10 mg de NPD por placa para linhagem TA98 CP= 0,24mg de MMS por placa para linhagem TA100 CN= (controle negativo) 0,08 ml de DMSO por placa Fig. 3: Freqüência média de revertentes por placa após tratamento com diferentes concentrações da DCTN nasFig.1. Folhas de Croton cajucara Fig. 2. DCTN linhagens TA98 e TA100. MetodologiaPara avaliação da mutagenicidade in vitro da DCTN,utilizou-se o Teste de Ames (Mortelmans e Zeiger,2000), pelo método de incorporação direta em placa.Foram empregadas as linhagens TA98 e TA100 deSalmonella typhimurium para identificação de mutaçõesdo tipo frameshift e substituições de bases,respectivamente. Foram avaliadas 5 concentrações Conclusão(entre 0,3 e 4,8 mg da DCTN por placa). Para o grupo De acordo com apresentados, conclui-se que ascontrole negativo foi utilizada uma concentração de diversas concentrações avaliadas de DCTN não0,08 ml de DMSO, para o controle positivo da linhagem apresentaram mutagenicidade nas linhagens de TA98 eTA98 foi utilizado 10 mg de NPD por placa, e para o TA100 de Salmonella typhimurium, não sendo,controle positivo da linhagem TA100 foi utilizado 0,24 portanto, capazes de induzir mutações gênicas nomg MMS por placa. sistema empregado. Resultados e discussão, AgradecimentosOs terpenos são conhecidos por serem compostos não À Profa. Dra. Eliana A. Varanda, FCFAR-UNESP, por ceder as linhagens de S. typhimurium.mutagênicos, em maioria. Estudos anteriores com Ao CNPq e à FAPEMIG pelo apoio financeiro.DCTN mostraram que esta não causa mutações Referêrencias:cromossômicas (Poersh et al., 2007), corroborando 1 Mortelmans, K.; Zeiger, E. The Ames Salmonella/microsome mutagenicity assay, Mutation Research 455com os resultados aqui apresentados. Entretanto, 2000, 29–60testes complementares serão realizados usando o fator 2 Poersch, A. et al. Protective effect of DCTN (trans-dehydrocrotonin) against induction of micronuclei and apoptosis by different mutagenic agents in vitro, Mutation Research 629 2007 14–231° Congresso de Farmácia da UFSJ Divinópolis-MG, 20, 21 e 22 de outubro de 2010.
  • 21. Doenças Negligenciadas: Epidemiologia, Diagnóstico e Tratamento - Perspectivas para atuação do Profissional FarmacêuticoAVALIAÇÃO DA ATIVIDADE ANTIMICROBIANA DE EXTRATOS DE PLANTAS FRENTE À Klebsilla pneumoniaeAutores : Lucas Ferreira Alves (IC)*,Ana S. Pereira Andrade (IC), Michelli dos Santos (IC), Marcela Ísis deMorais (IC), Fernanda Vieira Coelho (IC), Vidyleison Neves Camargo (IC), Rodrigo Ribeiro Rezende (PQ),Juliana T. de Magalhães (PQ), Luciana Alves (PQ), Saulo Luís da Silva, Jaqueline Maria Siqueira Ferreira(PQ).*lucas.feal@hotmail.com1 Campus Centro-Oeste Dona Lindu - UFSJ, Rua Sebastião Gonçalves Coelho, 400, Divinópolis, MG, CEP:. 35501-296.Palavras chave: Klebsiella pneumoniae; extratos etanólicos; antibiograma. controle positivo foi o boldo. Com diâmetro de 1,1 cm Introdução na menor concentração testada, 1 mg/mL.Os hospitais são importantes fontes de microrganismospatogênicos.¹ Dentre as bactérias de maior prevalênciae interesse em infecções hospitalares, estão:Pseudomonas aeruginosa, Staphylococcus aureus eKlebsiella pneumoniae (K. penumoniae).² Pneumoniahospitalar, causada pela K. pneumoniae é a mais fataldas infecções hospitalares, com taxas de mortalidadede 30 a 60%. Estima-se que 35,46% de todas asmortes associadas à hospitalização estejamdiretamente relacionadas a K. pneumoniae.³ Assim, éde extrema importância à pesquisa e descoberta denovas drogas com atividade antibacteriana. MetodologiaOs extratos da família Amilacaceae foram submetidos atestes antimicrobianos in vitro frente a Klebsiellapneumoniae ATCC 4352, utilizando-se a técnica de Gráfico 1: Atividade antimicrobiana dos extratos Vernoniadifusão em disco. Os extratos foram diluídos em 1 mL condensata (boldo), Rosmarinus officinales (alecrim) e Ocimumde Dimetilsulfóxido (DMSO) e preparados nas basilicum (Manjericão). O diâmetro dos halos de inibição foramconcentrações de 8 mg/mL, 4 mg/mL, 2 mg/mL e medidos (cm).1mg/mL. A bactéria foi repicada em caldo nutrientepara posterior isolamento em ágar nutriente. Os testes Conclusãoantibacterianos foram feitos utilizando ágar MillerHinton, e os diâmetros dos halos de inibição foram Os extratos vegetais foram capazes de inibir omedidos após 24 e 48 horas de incubação a 37° C. crescimento bacteriano em todas as concentraçõesComo controle positivo, foi utilizado o antibiótico testadas, sendo que os melhores resultados obtidosAmoxicilina 10 ug/mL e o DMSO foi utilizado como foram àqueles apresentados pelo extrato do Boldo.controle negativo. Portanto, a utilização destes extratos como antibióticos apresenta uma alternativa de baixo custo e eficaz no Resultados e discussão tratamento das infecções bacterianas.Tendo em vista o alto índice apresentado pela Agradecimentosresistência bacteriana, faz-se necessário a busca denovos princípios ativos que sejam eficazes notratamento das infecções causadas pormicrorganismos. Uma alternativa importante é o uso deextratos vegetais, cujos princípios ativos ainda estão 1 BAUER, A.W.; K IRBY, W.M.M.; SHERRIS, J.C.; T URCK, M.sendo estudados. O gráfico 1 apresenta os tamanhos Antibioticsusceptibility testing by a standardized single disc method. Americandos halos de inibição da atividade dos extratos Journal of Clinical Pathology, v.45,p.493-496, 1966.Vernonia condensata (boldo), Rosmarinus officinales ² Trabulsi L, Campos L, Whittam T, Gomes T, Rodrigues J, Gonçalves A. Traditional(alecrim) e Ocimum basilicum (Manjericão), diante a and non-traditional enteropathogenic Escherichia coli serogroups. Rev Microbiol,K. pneumoniae, nas concentrações testadas. O controle São Paulo 1999;27:1-6.positivo apresentou halo de inibição de 3,3 cm e o ³controle negativo não apresentou inibição. O extrato Levinson W, Jawetz A. Microbiologia Médica e Imunologia. Artmed, Porto Alegre,que apresentou o melhor resultado comparado ao 20051° Congresso de Farmácia da UFSJ Divinópolis-MG, 20, 21 e 22 de outubro de 2010.
  • 22. Doenças Negligenciadas: Epidemiologia, Diagnóstico e Tratamento - Perspectivas para atuação do Profissional FarmacêuticoAvaliação da atividade de extratos de plantas frente à Pseudomonasaeruginosa.Michelli dos Santos (IC)*,LucasF. Alves (IC), Ana Claúdia S. P. Andrade(IC), Sthéfane G. Araújo (IC), SylviaA. D. Turani (IC), Andiara C.C. Peixoto (IC), Luciana Alves (PQ), Juliana T. de Magalhães (PQ), Karina M. S.Herrera (TC), Jaqueline M. S. Ferreira (PQ)michellinha_ds@hotmail.comPalavras chave: Pseudomonas aeruginosa, resistência, antimicrobianos crescimento da bactéria, validando os resultados Introdução obtidos.A bactéria Pseudomonas aeruginosa é um baciloGram-negativo e um dos principais causadores de 1infecções urinárias e hospitalares . Este fato acarretagraves problemas em relação à Saúde Pública, devidoàs altas taxas de morbidade, mortalidade e ao elevado 1custo do tratamento, por ser um patógeno queapresenta multirresistência aos antibióticos disponíveis 0,8 Diâmetro do halo de inibição (cm) 2pela indústria farmacêutica . Frente a estes problemas, 0,6é necessária a busca de novas substânciasantibacterianas, e as plantas medicinais apresentam 0,4grande potencial no combate às infecções, devido apossibilidade de empregá-las como fitofármacos. 0,2Assim, o objetivo deste trabalho é avaliar a atividade 0antimicrobiana de plantas utilizadas na medicina 8 4 2 1popular frente à Pseudomonas aeruginosa. Concentração dos extratos (m g/mL) Boldo Metodologia AlecrimExtratos etanólicos das famílias Asteraceae e Gráfico 01: Atividade antibacteriana dos extratos de boldo eLamiaceae foram utilizados para a realização dos alecrim. Foram utilizados os extratos de boldo e alecrim nastestes antibacterianos. Os extratos foram submetidos a concentrações de 8mg/mL, 4mg/mL, 2mg/mL e 1mg/mL e ostestes in vitro, sendo utilizada a metodologia de difusão 3 diâmetros dos halos de inibição foram medidos (cm).em disco . Os extratos foram utilizados nasconcentrações de 8mg/mL; 4mg/mL; 2mg/mL e1mg/mL. A bactéria Pseudomonas aeruginosa ATCC27853 foi utilizada para os testes antibacterianos que Conclusãoforam feitos utilizando o ágar Müeller Hinton, onde Os extratos boldo e alecrim apresentam atividadesforam medidos os diâmetros dos halos de inibição 24 e antimicrobianas frente à Pseudomonas aeruginosa,48 horas de incubação a 37º C. Como controle positivo, bactéria que vem apresentado resistência a maioria dosfoi utilizado o antibiótico gentamicina e odimetilsulfóxido (DMSO) foi utilizado como controle antibióticos disponíveis no mercado. Assim, a utilizaçãonegativo. de plantas medicinais com potencial antibiótico apresenta-se como uma alternativa eficaz e de baixo Resultados e discussão custo para o tratamento de infecções.A resistência bacteriana é considerada um problema Agradecimentosinerente a terapia antimicrobiana, fazendo com que osprodutos naturais sejam uma importante alternativa Universidade Federal de São João del Rei,para a descoberta de novas drogas. Apoio financeiro: CNPq, Fapemig 1 FERNANDES, TA. et al .Caracterização molecular de Pseudomonas aeruginosaO gráfico 01 representa os resultados da atividade resistentes a carbapenêmicos e produtoras de metalo-β-lactamase isoladas emantimicrobiana de duas espécies de plantas medicinais hemoculturas de crianças e adolescentes com câncer .Revista da SociedadeVernonia condensata (boldo) e Rosmarinus officinales Brasileira de Medicina Tropical 43(4):372-376, jul-ago, 2010 .(alecrim). Em relação aos resultados obtidos para o 2 ABREU, E.T. et al . Avaliação da resistência a antibióticos de bactérias isoladasboldo, todas as concentrações apresentaram halo de de efluente hospitalar. Acta Scientiarum. Technology Maringá, v. 32, n. 1, p. 1-5,inibição. Entretanto, o extrato de alecrim não 2010.apresentou inibição apenas na concentração de 3 BAUER, A.W.; K IRBY, W.M.M.; SHERRIS, J.C.; T URCK, M. Antibioticsusceptibility testing by a standardized single disc method. American1mg/mL. O controle positivo apresentou um halo de Journal of Clinical Pathology, v.45,p.493-496, 1966.inibição de 3,3 cm e o controle negativo não inibiu o1° Congresso de Farmácia da UFSJ Divinópolis-MG, 20, 21 e 22 de outubro de 2010.
  • 23. Doenças Negligenciadas: Epidemiologia, Diagnóstico e Tratamento - Perspectivas para atuação do Profissional Farmacêutico Análise e monitoramento da qualidade de plantas medicinais comercializadas em farmácias e herbanários de Divinópolis, MG.Rinaldo Eduardo Machado de Oliveira (IC)*, João Máximo de Siqueira (PQ), Luís Fernando Soares (PQ),Mairon César Coimbra (TC), Grazielle Aparecida Silva Maia (TC).rinaldo_eduardo@hotmail.comPalavras chave: plantas medicinais, qualidade, doseamento Introdução Figura 1- Cromatografia em Camada Delgada de amostras de Ginkgo biloba L. comercializadas em Divinópolis, MG tendo comoO crescente comércio de plantas medicinais e padrões rutina, quercetina e folhas de Ginkgo respectivamente. -Ffitoterápicos ocorre em todo o mundo em razão de -Rfdiversos fatores, como o alto custo dos medicamentosindustrializados ou próprio modismo. Este trabalho sepropôs a verificar a qualidade desses produtos -0,5comercializadas em Divinópolis, MG. MetodologiaForam adquiridas amostras de Hypericum perforatum L.em três estabelecimentos distintos em diferentes -0épocas. As quatro amostras de Ginkgo biloba L. e as utina Quercetina Padrão G1 G2 G3 G4cinco amostras de Valeriana officinalis L. foram Eluente: AcOEt: AcOH: H2O Revelador: NP/PEGadquiridas apenas em uma época. Avaliaram-se os G1 – G4 – Amostras 1-4 de concentrações 2µg/20µLseguintes itens: rótulos, aspectos macro e Figura 2 - Cromatografia em Camada Delgada de amostras de Hypericum perforatum L. comercializadas em Divinópolis, MGmicroscópicos, seguido de quarteamento, umidade utilizando como padrão o fitoterápico Remotiv®residual presente na droga vegetal pelo método -Fgravimétrico de dessecação e teste de cinzas. A RfCromatografia em Camada Delgada procedeu-se deacordo com o proposto na literatura. Por fim, foi feito o -0,50doseamento e utilizou-se da densitometria paraquantificar o princípio ativo das amostras. Resultados e discussão -0 Três amostras comercializadas como 1.a 1.b 2.a 2.b 3.a 3.b 4 56 7 8 9 10 11 12Hypericum perforatum L. eram produtos diferentes 1.a, 2.a, 3.a - 2µg/ 20µL 1.b, 2.b, 3.b – 2µg/ 40µL 4 – 12 – Diluições sucessivas do fitoterápico Remotiv® de 1µg a 9µgdaqueles anunciados, caracterizando uma falsificação A diluição deu-se a partir de uma solução mãe de 9µg /20µL.da substituição da espécie verdadeira por Ageratum sp. ConclusãoForam avaliados os perfis cromatográficos de todas as Verificou-se que as amostras não cumpriramamostras e em seguida analisados no programa Image totalmente os requisitos exigidos pela legislação,J 1.42q, observando a densitometria por pixels. Foi portanto, faz-se necessário reforçar a fiscalização paraverificado a eficiência desta técnica. Avaliou a diferença garantir aos consumidores, produtos de qualidadegráfica e quantitativa das concentrações do princípio adequados ao uso e função terapêutica indicados.ativo nas diferentes apresentações comercialmentedisponíveis, através das medidas geradas em pixels no Agradecimentosprograma. UFSJ/CNPq1° Congresso de Farmácia da UFSJ Divinópolis-MG, 20, 21 e 22 de outubro de 2010.
  • 24. Doenças Negligenciadas: Epidemiologia, Diagnóstico e Tratamento - Perspectivas para atuação do Profissional FarmacêuticoAperfeiçoamento dos métodos de ELISA Indireta anti-IgG em soros depacientes na fase crônica da Esquistossomose mansoniAutores: Watson Herman Martins* (TC), Rafaella Fortini Grenfell e Queiroz (PQ), Elizandra Giani (IC),Vanessa Silva Moraes* (TC), Edward Jose de Oliveira (PQ), Paulo Marcos Zech Coelho (PQ).Endereço: vanessasmoraes@cpqrr.fiocruz.br, watson@cpqrr.fiocruz.brPalavras chave: Esquistossomose mansoni, Diagnostico sorológico, Elisa indireto. observada que houve relação positiva entre a carga Introdução parasitária, previamente diagnosticada pelo método deAtualmente, o método mais utilizado para o diagnóstico Kato-Katz e o valor da absorbância em ambos oslaboratorial da esquistossomose mansoni é a pesquisa testes. Os valores de sensibilidade e especificidade dede ovos do parasito em amostra fecal, demonstrados cada técnica para diagnóstico humano foram,principalmente pela técnica de Kato-Katz. Porém, uma respectivamente: 100% e 97% (cut off = 0.189) paralimitação importante é a variação da sensibilidade de SWAP-ELISA, 75% e 75% para SEA-ELISA (cut off =acordo com a quantidade de lâminas, número de ovos 0.311) e SmTeg-ELISA (cut off = 0.318). Observou-seeliminados e número de amostras. A utilização uma correlação direta entre ovos por gramas de fezessimultânea de testes diagnósticos, como exame defezes e detecção de anticorpos, tem sido utilizada paraaumentar a sensibilidade e especificidade dodiagnóstico. As técnicas sorológicas tem potencial parao diagnóstico da esquistossomose (principalmenteaquelas que detectam IgG – anticorpo produzido emgrande quantidade em toda a infecção), mas esta ainda (opg) e títulos dos testes.não faz parte da rotina de laboratórios clínicos. Deve-seisto a padronização da técnica e validação da mesma,visando um diagnóstico específico e sensível dadoença principalmente em pacientes com baixascargas parasitárias. MetodologiaForam coletadas amostras de soro de pacientes deárea endêmica (Penha do Cassiano, MG, Brasil)previamente diagnosticados por Kato-Katz. Amostrasde soros negativos foram coletados de doadoresadultos e seguramente, não infectados. Estes foramvalidados em comparação com soro de recém-nascido.Realizou-se ELISA Indireta anti-IgG das amostrashumanas, com placas sensibilizadas com SEA(antígeno solúvel de ovos de S. mansoni), SWAP(antígeno solúvel de vermes adultos) e SmTeg(antígeno do tegumento de esquistossômulo).Apadronização foi feita por curva representativa de Conclusãodiferentes diluições e com placas sensibilizadas emdiferentes concentrações de antígenos. Foram Sendo assim, as três técnicas apresentaram umutilizados em todos os experimentos, amostras de soro excelente desempenho, sendo que a SWAP-ELISApara controle positivo e negativo. Os resultados foram mostrou melhor eficiência em relação às outras duasobtidos em leitor de microplaca a 450 nm. Dados técnicas utilizadas com soro humano.obtidos por valores de absorbância foram analisados Referênciaspelo software Minitab com teste de Kolmogorov-Smirnov de normalidade e pelo teste t de Student (p> 1. Chaves, A. et al. Revista de Saúde pública, São Paulo, v. 13, 1979, p. 348-352.0,05) para análise entre grupos. A sensibilidade, 2. Gargioni, C. et al. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 24, fev.especificidade, cut off e razão de probabilidade foram 2008, p. 373-379.determinadas pelo software Prism 4.0. 3. Junberg, A. D. et al. Mem. Inst. Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, v. 103, fev. 2008, p. 112-114. 4. Kanamura, H. Y. et al. Mem. Inst. Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, v. 97, Resultados e discussão n.4, jun. 2002, p. 485-489.Ao se comparar os resultados obtidos pelos métodosde SWAP-ELISA, SEA-ELISA e Smteg-ELISA foi1° Congresso de Farmácia da UFSJ Divinópolis-MG, 20, 21 e 22 de outubro de 2010.
  • 25. Doenças Negligenciadas: Epidemiologia, Diagnóstico e Tratamento - Perspectivas para atuação do Profissional Farmacêutico Proposta de Desenvolvimento de Antitumorais Derivados de Glicosídeos Cardiotônicos por Ancoragem Molecular Soraya M. F. de Oliveira (IC), Alex G. Taranto (PQ), Moacyr Comar Jr (PQ), Leandro Augusto (PQ)Universidade Federal de São João del Rei- Laboratório de Bio-informática. Av. Sebastião Gonçalves Coelho, 400, BairroChanador. Cep: 35501296. Divinópolis-MG. E-mail: solmfoliveira@gmail.com. Tel: +55 (31) 98131924/ (37) 91149863Palavras chave: antitumoral, glicosídeo cardiotônico, acoplamentomolecular. estudos de acoplamento molecular e predizer a Introdução atividade de novos compostos inbidores desta enzimas. A)Glicosídeos cadiotônicos são fármacos utilizadosclinicamente para o tratamento de insuficiênciacardíaca congestiva. Embora o maior problema é obaixo índice terapêutico devido a atividade pró-arritmogênico cardíaco. Estes compostos atuaminibindo a plasma adenosine triphosphatase sódio + +potássio (Na /K ATPase), uma enzima responsávelpela manutenção intracelular das concentrações desódio e potássio, ocasionando um efeito inotrópico B)positivo. (1). No entanto, recentes estudos mostraramque a ouabaína e demais glicosídeos apresentaramatividade citotóxica para células humanas sugerindo omesmo mecanismo de ação.O presente estudo tem como objetivo compreender asinterações entre os glicosídeos cadiotônicos com a + +enzima Na /K ATPase, e correlacionar a atividadeantitumoral com a energia de complexação obtido pelametodologia de ancoragem molecular (docking). + + Figura: Estrutura cristalográfica da Na /K ATPase Metodologia (3A3Y). A) Estrutura completa; B) Em destaque o sítio + + de ligação da ouabaína.Os inibidores da Na /K ATPase (1), serão gerados noprograma Gview (2) e aperfeiçoados pelo método PM6 Conclusão(5). + + De posse do estudo da interação entre ligantes com asA seguir, a Na /K ATPase, depositada no Protein Data + + enzima Na /K ATPase, será possível propor novosBank (PDB) sobre o código 3A3Y (3), será preparada fármacos derivados dos glicosídeos cardiotônicos compara o uso da metodologia de ancoragem molecular atividade antitumoral mais seletivos e eficazes.através do programa Autodock Vina (4).Finalmente, o presente estudo buscará uma correlação Referênciasentre os valores de energia de ligação preditos pelo 1Farr C.D., Craig B., Tabet M.R.., Et. al. Three-Dimensional Quantitative Structure-Autodock Vina com a atividade antitumoral (4), Activity Relationsship Study of the Inhibition of Na, K- ATPase . Biom. 2002, 41,1137-1148. 2 Radhey S.G., Arvind C. Cross-resistence and Biochemiical Studies with Two Resultados e discussão Classes Of Hela. J.B.C. 1985, 260,11, 6843-6850. 3<http://www.pdb.org/pdb/explore/explore.do?structureId=3A3Y>.Como pode ser observado pela figura abaixo, a 4<http://vina.scripps.edu/>. 5Stewart J. J. P., Optimization of Parameters for Semiempirical Methods V:ouabaína encontra-se complexada com os aminoácidos Modification of NDDO Approximations and Application to 70 Elements J. Mol. + +da Na /K ATPase. Esta informação permite realizar Modeling 13, 1173-1213 (2007).1° Congresso de Farmácia da UFSJ Divinópolis-MG, 20, 21 e 22 de outubro de 2010.
  • 26. Doenças Negligenciadas: Epidemiologia, Diagnóstico e Tratamento - Perspectivas para atuação do Profissional Farmacêutico INIBIÇÃO DE ACETILCOLINESTERASE A PARTIR DE EXTRATOS DE Bauhinia L.SANTOS, Kamilla Monteiro dos (IC)*; GONÇALVES, Priscila Sant’ana (IC); LACERDA, Guilherme Araújo(PQ); PAIVA, Maria José Nunes de (PQ).*kamillamonteiro7@hotmail.comPalavras chave: acetilcolinesterase, Bauhinia, Cromatografia em camada delgada (CCD) amostras trabalhadas foram coletadas no período de Introdução floração e a partir daí, sugere-se que a presença dos inibidores de acetilcolinesterase, evidenciados nasA doença de Alzheimer (DA) é uma patologia flores, ocorreu devido as possíveis funções de defesaprogressiva, hoje ainda incurável, e que tem acometido contra herbívoros, atrativos para polinizadores emilhares de pessoas acima de 65 anos em todo o 5 ferormônios que estes compostos possuem . Conforme 1mundo . Uma das causas da sintomatologia é a o crescimento folhear, os compostos secundáriosdiminuição de acetilcolina na fenda sináptica. tendem a migrar para outras partes da planta, e comoAtualmente, o tratamento que tem demonstrado maior foram selecionadas as folhas maduras para a produçãoeficácia consiste basicamente na inibição da enzima dos extratos, acredita-se que esta seleção possa teracetilcolinesterase, responsável pelo controle de influenciado nos resultados obtidos das folhas. 2acetilcolina na fenda sináptica . O uso de plantas FIGURA 01 FIGURA 02 FIGURA 03medicinais tem sido intensamente difundido, dentreestas plantas, as consideradas adaptógenas são cadavez mais utilizadas pela população para omelhoramento da memória. Espécies do gênero,Bauhinia endêmicas do Cerrado são utilizadaspopularmente principalmente como hipoglicemiantessendo consideradas adaptógenas. Conhecidas comopata-de-vaca, possuem vários compostos de interesse FIGURA 01: Perfil Cromatográfico das flores de 1: B. ungulata, 2: B.medicinal. Por apresentarem tais características, estas variegata, 3: B. var. cândida.espécies representam exemplos a serem usados como FIGURA 02: Perfil Cromatográfico dos ramos de 1: B. ungulata, 2:possíveis inibidores da acetilcolinesterase e B. variegata, 3: B. var. cândida.futuramente auxiliar no tratamento da DA, visto que FIGURA 03: Perfil Cromatográfico das folhas de 1: B. ungulata, 2: B. variegata, 3: B. var. cândida.outras plantas, com este potencial comprovado,possuem características similares3. TABELA 01 Valores médios dos fatores de retenção Metodologia Plantas Folhas Ramos Flores B.variegata 0,00 aA 0,12 aA 0,31 aAAs amostras de folhas, flores e ramos de Bauhiniaungulata, Bauhinia variegata e Buhinia var. cândida B.var.candida 0,00 aA 0,26 aA 0,31 Aaforam coletadas, suas esxicatas produzidas e B. ungulata 0,00 aA 0,12 AB 0,46 aBdepositadas no herbário da Unifenas – Divinópolis. Asamostras foram secas em estufa a 45ºC durante 5 diase em seguida, trituradas. Em seguida, 116 g de cada Conclusãoamostra seca foram adicionadas a 1L de hexano A partir dos resultados obtidos das análisesprotegidos da luz. Os frascos foram então agitados cromatográficas, foi possível perceber que os extratosmecanicamente e posteriormente deixados em repouso das flores e dos ramos das três espécies apresentampor 72 horas para que se realizasse a maceração. O inibição da enzima acetilcolinesterase. E a partir dosfiltrado obtido do macerado foi destilado em banho de resultados obtidos das análises estatísticas pode-se 4água à 60° .C chegar à conclusão que o extrato das flores dePara a análise da inibição da acetilcolinesterase foi Bauhinia ungulata, colhidas dentro do período deutilizada a prática de Cromatografia em Camada floração, é o mais indicado a servir de base para novosDelgada (CCD) preconizada por Moraes (2008). Os estudos sobre esta inibição.fatores de Retenção foram calculados e a análiseestatística das duplicatas realizada (TABELA 01) Agradecimentos Resultados e discussão Agradecimento a FAPEMIG, pela bolsa de Iniciação Científica. 1 PASCALE, Maria Aparecida. 2002. Dissertação (Mestrado em Engeharia de Produção) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.A partir das análises cromatográficas foi possível 2 MORAES, Lígia Tereza. 2008. Dissertação (Mestrado em Biotecnologia) – Universidade dedetectar a presença de borrões brancos representantes Ribeirão Preto, Ribeirão Preto.qualitativamente da inibição da acetilcolinesterase 3 FILHO, Valdir Cechinel; SILVA, Karina Luize da. Química Nova, v.25, n.3, p.449-454, Set. 2002. 4 SOUZA, Weslei Maurício de. Tese (Doutorado em Ciências Farmacêuticas) – Universidadeprincipalmente nas flores (FIG.01), porém sendo Federal do Paraná, Curitiba.detectadas também, com menor intensidade das 5 GATTI, Ana Beatriz; PEREZ, Sonia Cristina Juliano Gualtieri de Andrade; LIMA, Maria Inêsmanchas brancas, nos ramos (FIG. 02). As folhas não Salgueiro.. Acta bot. bras. 1V. 8 N: 3, p.459-472. 2004apresentaram ação inibitória da enzima (FIG. 03). . As1° Congresso de Farmácia da UFSJ Divinópolis-MG, 20, 21 e 22 de outubro de 2010.
  • 27. Doenças Negligenciadas: Epidemiologia, Diagnóstico e Tratamento - Perspectivas para atuação do Profissional Farmacêutico Redução do edema de pata em camundongos após administração de 300 mg/Kg de acetato de etila extraído de rizomas de Cochlospermum regiumAline Aparecida-Saldanha (IC)¹*, Thaís Fernandes-Silva (IC)¹, Fernanda Barçante-Perasoli (IC)¹, Mariana Pertence S.Silva (IC)¹, Gislene F. Almeida-Cota (IC) ¹, Isabela C. Nunes Sá (IC) ¹, Raphael Gomes-Ferreira (PQ)², André Klein(PQ)², João M. de Siqueira (PQ)¹ e Carlos A. Dias-Junior (PQ)¹. *alineaparecidasaldanha@yahoo.com.br¹Av. Sebastião Gonçalves Coelho, 400, Divinópolis-MG, Laboratório de Farmacologia - CCO Dona Lindu, UFSJ.²Av. Antônio Carlos, 6627, Belo Horizonte, MG, Departamento de Farmacologia, ICB, UFMG.Palavras chave: F – 52, 300 mg/Kg, edema. Introdução A fração acetato de etila extraída de rizomas do “algodãozinho” (300 mg/Kg) apresentou redução em 60% (P Os flavonóides pertencem à classe de < 0,05) do edema de pata em camundongos duas horas após acomponentes fenólicos de baixo peso molecular, injeção intra-plantar (i.pl.) de carragenina (400 µg/Kg i.pl.)constituindo um dos grupos mais numerosos e (Fig.2).Na primeira hora não houve formação de edema deamplamente distribuídos no reino vegetal, podendo pata. Nas horas seguintes, nas quais foram realizadas asestar presente em qualquer parte da planta. As leituras, o edema de pata foi reduzido e seu valor manteve –atividades farmacológicas deste grupo são numerosas se aproximadamente constante. O efeito de redução do edemae variadas, sendo descritos principalmente pelas suas causado pelo acetato de etila (300 mg/Kg) se assemelha aoações antiinflamatórias e antioxidantes. Neste estudo, apresentado quando administrado a dexametasona (controleavaliamos se a fração acetato de etila extraída de positivo).rizomas do Cochlospermum regium (“algodãozinho”,contendo cerca de 60-70% a flavonona 3-O-glicosil- G r u p o Salin a + C arr ag e n in a (n = 6) G r u p o 30 0 m g /K g + C ar rag e n in a (n = 6)dihidrokanferol - F-52)¹ possui efeito antiinflamatório na G r u p o D e xa m e ta so n a 1 m g /K g + C a rr ag e n in a (n = 6)dose 300 mg/Kg após administração pela via 100 90 * P<0,05 vs . Gr u p o Salin a + C ar r ag e n in a # P<0,05: Gr u p o 300 + C ar r ag e n in a vs . Gr u p o 100 + C ar r ag e n in aintraperitoneal acompanhado de redução do edema ∆ Volume de pata (µL) 80induzido pela carragenina em camundongos. 70 60 50 Metodologia 40 30 20 * * Preparamos o extrato a partir de 100 g da 10 * * * * *droga vegetal (rizomas do “algodãozinho”). Os 0 1 2 4 6processos extrativos utilizados foram: maceração, Tempo (h)percolação exaustiva e partição. A fração acetato de Fig. 2. Variação do volume de pata após o acetato de etilaetila obtida foi submetida à cromatografia em camada do rizoma do algodãozinho (300 mg/Kg; viadelgada para confirmar a predominância da F-52. Uma intraperitoneal) após indução do edema.porção da fração acetato de etila foi solubilizada emsalina estéril para obtenção da concentração de 300 Conclusãomg/Kg. Foram utilizados três grupos (n=6) de Estes resultados são consistentes com a idéia que acamundongos Swiss nos quais administramos fração acetato de etila extraída de rizomas dosistematicamente: salina e carragenina; dexametasona Cochlospermum regium (“algodãozinho”, contendo cerca dee carragenina; acetato de etila (300 mg/Kg) e 60-70% a flavonona 3-O-glicosil-dihidrokanferol - F-52) nacarragenina. concentração 300 mg/Kg, possui efeito antiinflamatório ativo após administração via intraperitoneal acompanhado de Resultados e discussão redução do edema. Ao submetermos a fração acetato de etila, obtidapelo processo de maceração seguido da percolação exaustiva Agradecimentosda droga vegetal (rizomas de Cochlospermum regium) Apoiado pela FAPEMIG.encontramos predominantemente flavonóides (incluindo a ¹Maria Salete de Abreu Castro. Mecanismos envolvidos no efeito antinoceptivo do 3-flavonona 3-O-glicosil-dihidrokanferol - F-52). Efetuamos O-glicosil–dihidrocanferol, flavonóide extraído dos rizomas de Cochlospermummedições do edema de pata (Fig.1), (induzido pela regium (“algodãozinho”). Tese desenvolvida no Setor de Produtos Naturais, departamento de Farmacologia da Universidade Federal de São Paulo – Escolacarragenina), em camundongos utilizando o pletismômetro, Paulista de Medicina, como Requisito parcial para obtenção do Título de Doutoradurante a primeira, segunda, quarta e sexta hora. em Farmacologia. ²Prof. Carlos Alan Candido Dias Junior. Possíveis efeitos antiinflamatórios da flavona 3-O-glicosil-dihidrokanferol extraído de rizomas de Cochlospermum regium (“algodãozinho”) em camundongos: inibição de metaloproteinases e estresse oxidativo. Fig.1. Edema de pata (grupocontrole).1° Congresso de Farmácia da UFSJ Divinópolis-MG, 20, 21 e 22 de outubro de 2010.
  • 28. Doenças Negligenciadas: Epidemiologia, Diagnóstico e Tratamento - Perspectivas para atuação do Profissional Farmacêutico DESENVOLVIMENTO DE FORMULAÇÕES FARMACÊUTICAS CONTENDOLACTONAS SESQUITERPÊNICAS ISOLADAS DE Lychnophora: COMPARAÇÃO DA VALIDAÇÃO DE CLAE E UV PARA QUANTIFICAÇÃO DA LICJuliane S. Lanza* (IC), Marianne Silva (IC), Renata T. Branquinho (PG), Dênia Saúde-Guimarães (PQ), Marta de Lana (PQ)julianelanza@gmail.comLactonas sesquiterpênicas, Trypanosoma cruzi, Validação. Introdução A única droga disponível para o tratamento contra adoença de Chagas no Brasil é o Benznidazol Resultados e discussão(Rochagan®, Roche). Isso motiva estudos acerca do Do fracionamento cromatográfico da fração acetato dedesenvolvimento de novos fármacos. Nesse aspecto, a etila foi isolado LIC [diclorometano:acetato de etilainvestigação de propriedades biológicas das plantas (90:10)].ganham destaque. Aliado a isso, vê-se a necessidadedo desenvolvimento de formulações farmacêuticas queaumentem o efeito terapêutico e diminuam os efeitoscolaterais dos compostos extraídos das plantas, quepor vezes, são muito lipofílicos e pouco biodisponíveis.Neste trabalho, LIC, extraída de Lychnophoratrychocarpha foi isolada, identificada e caracterizada eposteriormente foi realizado o desenvolvimento evalidação de metodologias para o doseamento destepor CLAE e espectrofotometria por ultravioleta (UV) emdiferentes formulações. Metodologia Partes aéreas da planta foram secadas, reduzidas apó e submetidas a extração com etanol cujo extrato, foisubmetido à coluna cromatográfica de filtração emsílica gel utilizando hexano, acetato de etila e metanolem ordem crescente de polaridade, levando à obtençãode diferentes frações. O LIC foi isolado dofracionamento cromatográfico da fração acetato deetila. Para metodologia por espectrofotometria no UV, foirealizada uma varredura no espectrofotômetro Helios α,ThermoSpectronic, EUA no comprimento de onda ( ) Conclusão200-400nm para determinar utilizado na análise. Os resultados dos parâmetros de validação avaliadosPara análise por CLAE, foi usado cromatógrafo líquido corroboram com a atual diretriz regulatória farmacêuticade alta eficiência Waters (CLAE) Alliance Alliance , no Brasil (2003) para métodos analíticos por CLAE ebomba Waters 2695 e injetor Waters 2695. O por UV. a quantificação de LS, entre elas a LIC por UV,comprimento de onda para quantificação da LIC foi representou uma alternativa de custo inferior e rápidadeterminado por detector espectrofotométrico por em concentrações que não excedam 5 µg/mL, sem aarranjo de foto-diodos (DAD) no espectro ultavioleta- presença de interferentes da matriz.visível (λ=265 nm). Para o desenvolvimento do métodoutilizou-se uma coluna cromatográfica C18 AgradecimentosPhenomenex® (150 x 4,6mm d.i.; 5 µm), pré-coluna C18Phenomenex® (4 x 3,0 mm) com fase móvelconstituída por uma mistura metanol: água (60:40 v/v) -1com eluição isocrática, fluxo de 0,8 mL min , volumede injeção de 20 µL e temperatura de 25ºC.Todos os BAHIA, M.T; GUEDES, P.M.M; FIETTO, J.L.R; LANA, M; TOLEDO,solventes foram filtrados em filtros Millipore® 0,45 µm e M.J.O (2005). 5: 99-121.desgaseificado em banho de ultrassom por 30 minutos. CHIARI, E; OLIVEIRA, A. B; RASLAND, S. et a. Screening in vitro of natural products against blood forms ol Trypanosoma cruzi. Trans, Roy. Soc. Trop. Med. Hyq., v.85.p. 372-374, 1991. COUVREUR, P.; VAUTHIER C. Nanotechnology intelligent design to treat complex disease. Pharm. Research, v. 23, n. 7, 2006. 1° Congresso de Farmácia da UFSJ Divinópolis-MG, 20, 21 e 22 de outubro de 2010.
  • 29. Doenças Negligenciadas: Epidemiologia, Diagnóstico e Tratamento - Perspectivas para atuação do Profissional FarmacêuticoUtilização de medicamentos e plantas medicinais por usuários daEstratégia Saúde da Família em Divinópolis – MGAutores: Aline A. Saldanha(IC); Thais T. Arêdes(IC)*;Aline R. Oliveira(TC), Dirécia C. Silva(TC), Flávia A. França(TC), Janaína S. Dias(TC), Marcus V. S.Alves(TC), Rose A. D. Ribeiro(TC), Thais B. E. Santos(TC), Wander A. Mesquita(TC);Ana Hortência F. Castro(PQ),João M. Siqueira(PQ), Mariana L. Pereira(PQ),Simone A. M. Mendonça(PQ).*thaistaredes@oi.com.brPalavras chave: Medicamentos, plantas medicinais, ESF. combate a flatulências, cólicas menstruais e este uso é Introdução tradicional. As plantas são preparadas geralmente naOs medicamentos representam o terceiro item de maior forma de chás por infusão (73,0%), empregando-secusto no sistema de saúde e o primeiro de gasto plantas frescas, colhidas em hortas caseiras. Asprivado nas populações de baixa renda, o que plantas mais utilizadas são hortelã (33,0%), capimdemonstra sua ampla utilização em nosso meio. O limão (21,0%), erva cidreira (18,0%), camomila (15,0%)curso de Farmácia da UFSJ se propõe a formar e funcho (8,0%) (Figura 1). Dos entrevistados, 55,0%profissionais para atuar no Sistema Único de Saúde desconhecem quaisquer efeitos tóxicos associados ao(SUS), com ênfase na assistência farmacêutica e uso de espécies medicinais. Das espécies relatadas épreocupação especial referente à utilização de plantas motivo de preocupação o uso interno do confrei,e fitoterápicos. Entre os estágios realizados pelos lobeira, arruda, amora, pinhão roxo, entre outras,estudantes no SUS, ressalta-se o Estágio III - Ações potencialmente tóxicas. As informações obtidas serãointegradas à Estratégia Saúde da Família (ESF), que corrigidas a partir de dados da literatura científica evisa propiciar ao estudante a vivência da assistência repassadas aos informantes no estágio subseqüente.domiciliar e da atuação do farmacêutico neste contexto, Conclusãoa fim de reduzir os problemas com medicamentos. As atividades desenvolvidas permitiram aos Metodologia estudantes de Farmácia uma maior aproximação daAs informações foram obtidas através de entrevistas realidade vivida pelas famílias quanto à utilização derealizadas em visitas domiciliares semanais a usuários medicamentos e plantas medicinais. As intervençõesda ESF entre os meses de março e junho de 2010 por realizadas demonstraram as possibilidades de atuaçãoestudantes do 3º período do curso de Farmácia da do farmacêutico.Assim, universidade e sistema deUFSJ. Estes foram acompanhados por farmacêuticos saúde cumprem, de forma articulada, seu papel napreceptores da SEMUSA, sob supervisão docente, formação de recursos humanos para atender asrealizando intervenções para resolver os problemas necessidades da sociedade.detectados durante as entrevistas. O trabalho foi Agradecimentosrealizado em seis unidades de saúde, sob orientaçãoda equipe da ESF, abrangendo 163 domicílios. Os autores agradecem aos usuários das ESF pela disponibilidade, atenção e colaboração durante a coletaResultados e discussão das informações e dados descritos no trabalho.Foram encontrados 973 medicamentos nos domicílios Referênciasvisitados, com uma média de seis medicamentos por 1. BRASIL, Ministério da Saúde; Universidadedomicílio.Dentre estes, os antihipertensivos, Federal de Minas Gerais. Organização daantidiabéticos orais e antiagregante plaquetário Assistência Farmacêutica nos municípioscorresponderam a 33,8 % do total. Embora a maioria brasileiros: disponibilidade e utilização dedos medicamentos tenha sido fornecida aos pacientes medicamentos no SUS: pesquisa telefônica.pelo SUS (63,1%), uma parcela significativa foi Brasília: Ministério da Saúde; 2002. 153p.adquirida em farmácias privadas (24,2%). Foram 2. ERNST, F.R., GRIZZLE, A.J. Drug-relatedencontrados 23 medicamentos fora do prazo de morbidity and mortality: updating the cost-of-validade (2,4%) e 218 armazenados de forma illness model. Journal of the Americaninadequada (Gráfico 1). A partir das necessidades de Pharmacist Association, v.41, n.2, p. 192-199,cada família visitada, foram realizadas intervenções 2001.pela equipe de Farmácia. Ao todo foram registradas 3. Universidade Federal de São João Del-Rei.166 intervenções realizadas. Campus Centro Oeste. Projeto pedagógico doCom relação às plantas medicinais, 92,0% dos curso de graduação em Farmácia. 2010.entrevistados, independente da faixa etária, sexo eescolaridade já utilizaram este recurso terapêuticocomo calmante, sedativo, para problemas estomacais,1° Congresso de Farmácia da UFSJ Divinópolis-MG, 20, 21 e 22 de outubro de 2010.
  • 30. Doenças Negligenciadas: Epidemiologia, Diagnóstico e Tratamento - Perspectivas para atuação do Profissional FarmacêuticoDistribuição de casos positivos de Leishmaniose canina em Divinópolis-MG nos anos de 2009 e 2010.*Klauber Menezes Penaforte(PG), Rafael Gonçalves Teixeira Neto(PG), Bruno Warlley Leandro Nascimento(IC),Renata Aparecida Nascimento(IC), Gabriel Barbosa Tonelli(IC), Vinícius Silva Belo(PG), Eduardo Sérgio daSilva(PQ).klauberpenaforte@ig.com.brPalavras chave: leishmaniose canina, ocorrência, Divinópolis MG. Distribuição de sorologias caninas positivas em bairros Introdução de Divinópolis - MG entre novembro de 2009 a outubro de 2010 N úmero de cães positivos 100 91Atualmente a leishmaniose visceral tem sido apontada 90 80como doença reemergente e negligenciada, 70 60caracterizando nítido processo de transição 50epidemiológica, apresentando incidência nos últimos 40 30 21anos nas áreas endêmicas(1). No desenvolvimento da 20 16 8 5 12 13 12 13 5 7 5 5 9 7doença, o cão tem sido considerado importante 10 0reservatório para a manutenção da doença em áreas Danilo Passos II Niterói Bom Pastor Interlagos M anoel Valinhas Nossa Senhora das São Judas *Dem ais Bairros Vila Rom ana Sidil São Luis Centro Porto Velho Santa Clara W alchir Resendeurbanizadas. A cidade de Divinópolis está localizada na G raçasregião centro-oeste do estado de Minas Gerais e possuiaproximadamente 215.000 habitantes. O município eraconsiderado indene para Leishmaniose Visceral até o * 50 outros bairros com menos de 5 cãesmês de novembro de 2009, data onde foi confirmado o com sorologia positivaprimeiro caso humano desta doença. Conclusão Metodologia De acordo com o Programa de Controle deLevantamento de dados referentes a cães com Leishmaniose Visceral (PCLV), o conhecimento dasorologia positiva para leishmaniose entre janeiro de ocorrência de casos caninos em uma localidade é um2009 e outubro de 2010 no Centro de Referência em importante indicador para a adoção de medidas efetivasVigilância da Saúde Animal (CREVISA),nos diversos para o controle da protoparasitose. O crescente númerobairros da cidade de Divinópolis-MG de casos de cães infectados, é por si só, um fator de risco que prediz o aumento dos casos humanos. Referências Resultados e discussãoEntre janeiro de 2009 e outubro de 2010 em torno de 1 Manual de Vigilância e Controle de Leishmaniose Visceral , Editora MS,Brasiltrês mil animais foram submetidos à sorologia para 2006.LVC, destes, 229 apresentaram conversão sorológica.Percebe-se que a LVC em Divinópolis apresentadistribuição significativa em diversas regiões domunicípio, predominando no bairro Bom Pastor ,Centro, Niterói,São Luís, Porto Velho e ManoelValinhas, todos com mais de 10 cães positivos. Osdemais bairros apresentaram positividade inferior a 10casos.Tabela X.1° Congresso de Farmácia da UFSJ Divinópolis-MG, 20, 21 e 22 de outubro de 2010.
  • 31. Doenças Negligenciadas: Epidemiologia, Diagnóstico e Tratamento - Perspectivas para atuação do Profissional Farmacêutico AVALIAÇÃO DA ATIVIDADE ANTIMICROBIANA DE TRÊS EXTRATOS ETANÓLICOS FRENTE À Staphylococcus aureusAutores: Ana Cláudia dos S.P Andrade *(IC), Michelli dos Santos (IC),Lucas F. Alves (IC), Laryssa de CássiaFerreira (IC), Hélida A. T. Amaral (IC), Maria Eduarda A. Pinto (IC), Karina M. S. Herrera (TC), Luciana A. R.Santos Lima (PQ), Juliana T. Magalhães (PQ), Saulo Luís da Silva(PQ), Rodrigo R. Resende (PQ), JaquelineM. S. Ferreira (PQ).ana.andrade2008@hotmail.comPalavras chave: Staphylococcus aureus, difusão em disco. amoxicilina apresentou halo de inibição de 2,4 cm. O Introdução controle negativo não apresentou halo de inibição.Staphylococcus aureus é um microorganismo queapresenta alta patogenicidade, podendo ser encontradona naso e orofaringe humana, sendo uma dasprincipais causas de infecções graves, incluindoendocardite, abscessos profundos e bacteremia . É Diâmetro 1,2 1,2considerada também como importante causa de (cm) 1,0infecção no ambiente hospitalar, particularmente em 1,0 0,8pacientes imunodeprimidos2. A maioria dos agentes 0,8 0,6antiestafilocócicos são ineficazes contra S. aureus 0,6 0,4resistente à meticilina (MRSA) causando grande 0,4 0,2 3preocupação entre a comunidade médica . Diante da 0,2 0alta resistência apresentada pelos S. aureus torna-se 0essencial a busca de novos fármacos que sejam 8 4 2 1eficientes contra os mecanismos de resistêcia Concentração mg/mL Concentração mg/mLapresentados por esses microorganismos. Nestecontexto, este trabalho tem como objetivo testar aatividade antibacteriana de três extratos vegetais Gráfico1: Diâmetro dos halos de inibição apresentados pelosetanólicos frente S. aureus. extratos de manjericão, boldo e alecrim. Os extratos foram utilizados nas concentrações de 8,4,2 e 1 mg/mL. Metodologia ConclusãoA avaliação da atividade antibacteriana in vitro, foi feitautilizando os extratos etanólicos das espécies vegetais: Os extratos de manjericão, boldo e alecrimManjericão (Ocimum basilicum),Boldo- apresentaram atividade antibacteriana frente a espéciebrasileiro(Plectranthus barbatus) e Alecrim (Rosmarinus Staphylococcus aureus, destacando-se o de manjericãoofficinalis) frente Staphylococcus aureus ATCC 29213 (Ocimum basilicum) que apresentou os melhoresfoi realizada neste trabalho. A metodologia utilizada foi resultados. 4a técnica de difusão em disco de papel filtro . Osextratos foram diluídos em Dimetilsulfóxido (DMSO) e Agradecimentostestados nas concentrações: 8mg/mL, 4mg/mL,2mg/mLe 1mg/mL.Os diâmetros dos halos de inibição foram Universidade Federal de São João Del Reimedidos após 24horas e 48horas de incubação emestufa 37ºC. Como controle positivo foi utilizado o Apoio financeiro: Capes, CNPq, FAPEMIG.antibiótico amoxicilina 10 ug/mL, e como controlenegativo, o DMSO. Os experimentos foram realizadosem duplicata e as médias dos resultados obtidos foram Levinson W, Jawetz A. Microbiologia Médica e Imunologia. Artmed, Porto Alegre, 2005calculadas e estão apresentadas no Gráfico 1. 2 Trabulsi L, Campos L, Whittam T, Gomes T, Rodrigues J, Gonçalves A. Traditional Resultados e discussão and non-traditional enteropathogenic Escherichia coli serogroups. Rev Microbiol,Dentre os resultados obtidos neste experimento merece São Paulo 1999;27:1-6.destaque a atividade antibacteriana apresentada pelo 3 Naimi S. T, MD, MPH; LeDell H. K, MPH, RN; Como-Sabetti K, MPH; Borchardtextrato de manjericão que apresentou os maiores halos M. S, MPH; Boxrud J.D, MS. Comparison of Community- and Health Care–de inibição (1,2cm na concentração de 8mg/mL), dentre Associated Methicillin-Resistant Staphylococcus aureus Infection, JAMA,2003, Vol.as três espécies testadas, em todas as concentrações 290 No. 22utilizadas. O extrato de boldo brasileiro também 4apresentou halos de inibição nas quatro concentrações, Bauer, A. W.; Kirby, W. M.; Sherris, J. C.; Turck, M., Am J Clin Pathol. 1966,45, 493.enquanto o extrato de alecrim não apresentou atividadenas concentrações de 2mg/mL e 1mg/mL. A1° Congresso de Farmácia da UFSJ Divinópolis-MG, 20, 21 e 22 de outubro de 2010.
  • 32. Doenças Negligenciadas: Epidemiologia, Diagnóstico e Tratamento - Perspectivas para atuação do Profissional Farmacêutico Efeito dose - dependente da fração acetato de etila extraída de rizomas de Cochlospermum regium no edema de pata em camundongosThaís Fernandes-Silva (IC)1*, Aline Aparecida-Saldanha (IC)1, Fernanda Barçante-Perasoli (IC)1, Mariana Pertence S.Silva (IC)1, Gislene F. Almeida-Cota (IC)1, Isabela C Nunes Sá (IC)1, Raphael Gomes-Ferreira (PQ)2, André Klein(PQ)2, João M. de Siqueira (PQ)1 e Carlos A. Dias-Junior (PQ)1.thaisfernandes31@yahoo.com.br1 Av. Sebastião Gonçalves Coelho, 400, Divinópolis-MG, Laboratório de Farmacologia - CCO Dona Lindu, UFSJ.2 Av. Antônio Carlos, 6627, Belo Horizonte-MG, Departamento de Farmacologia, ICB, UFMG.Palavras chave: flavonona 3-O-glicosil-dihidrokanferol, edema. após uma hora com a dose de 300 mg/Kg do acetato de etila Introdução extraído (P < 0,05) e ainda, o grau de redução do edema observado (2, 4 ou 6 horas após injeção de carragenina) com Os flavonóides são compostos derivados do 300 mg/kg de acetato de etila do rizoma do algodãozinho foimetabolismo secundário de plantas e são descritos similar ao apresentado pela dexametasona (controle positivo)principalmente pelas suas ações antiinflamatórias e (Fig.1).antioxidantes. Neste estudo, avaliamos se a fração Grupo Salina + Carragenina (n= 6)acetato de etila extraída de rizomas do Cochlospermum Grupo 50 mg/Kg + Carragenina (n= 6)regium (“algodãozinho”, contendo cerca de 60-70% a Grupo 100 mg/Kg + Carragenina (n= 6) 1flavonona 3-O-glicosil-dihidrokanferol - F-52) possui Grupo 300 mg/Kg + Carragenina (n= 6)efeito antiinflamatório dose-dependente (0, 50, 100 e Grupo Dexametasona 1 mg/Kg + Carragenina (n= 6)300 mg/kg) após administração pela via intraperitoneal, 100acompanhado de redução do edema de pata induzido 90 * P<0,05 vs. Grupo Salina + Carragenina # P<0,05: Grupo 300 + Carragenina vs. Grupo 100 + Carrageina ∆ volume de pata (µl)por carragenina em camundongos. 80 70 Metodologia 60 50 Obtivemos o extrato a partir da maceração em * 40etanol 70%, percolação exaustiva e partição com os 30 *solventes: hexano, clorofórmio e acetato de etila. * * * # ** 20Realizamos cromatografia em camada delgada e a 10 * * *maior concentração da F-52 encontrou-se na fração 0 1 2 4 6acetato de etila. No experimento, uma porção da fração Tempo (h)acetato de etila foi solubilizada em salina estéril para aobtenção das concentrações 50mg/Kg; 100mg/Kg e Fig. 1. Variação do volume de pata após o acetato de300 mg/Kg. Os camundongos Swiss, foram divididos etila do rizoma do algodãozinho (doses 0, 50, 100 e 300em cinco grupos (n=6): salina e carragenina; mg/Kg via intraperitoneal) após indução do edema.dexametasona e carragenina; acetato de etila(50mg/Kg) e carragenina; acetato de etila (100mg/Kg) e Conclusãocarragenina; e acetato de etila (300mg/Kg) e Estes resultados consistem com a hipótese de quecarragenina. Administramos 0,3 mL de salina estéril, a flavonona 3-O-glicosil-dihidrokanferol presente na1mg/Kg de dexametasona e as referidas concentrações fração acetato de etila possui efeito antiinflamatóriode acetato de etila (via intraperitoneal). Injetamos ativo após administração via intraperitonealcarragenina (400 µL) na região subplantar da pata acompanhado de redução do edema de pata emesquerda dos 30 animais e aguardamos 30 minutos. camundongos.Logo após, efetuamos as medições da pataedemaciada (esquerda) para analisarmos o edema Agradecimentosdurante a primeira, segunda, quarta e sexta hora. Apoiado pela FAPEMIG. Resultados e discussão 1 Maria Salete de Abreu Castro. Mecanismos envolvidos no efeito Notamos que o acetato de etila, apresentou resultado antinoceptivo do 3-O-glicosil–dihidrocanferol, flavonóide extraído dossemelhante ao grupo controle (administração de salina estéril) rizomas de Cochlospermum regium (“algodãozinho”). Tese desenvolvida no Setor de Produtos Naturais, departamento de Farmacologia dana concentração de 50 mg/Kg.No entanto,o acetato de etila Universidade Federal de São Paulo – Escola Paulista de Medicina, comoreduziu o edema de pata de maneira dose-dependente nas Requisito parcial para obtenção do Título de Doutora em Farmacologia.concentrações de 100 e 300 mg/Kg (redução em -30 e -60%, 2 Prof. Carlos Alan Candido Dias Junior. Possíveis efeitos antiinflamatóriosrespectivamente, P< 0,05) duas horas após a injeção intra- da flavona 3-O-glicosil-dihidrokanferol extraído de rizomas de Cochlospermum regium (“algodãozinho”) em camundongos: inibição deplantar de carragenina (400 µg/kg i.pl.). Esta dose de metaloproteinases e estresse oxidativo.carragenina induz um pico máximo de edema 4 horas após ainjeção i.pl.. Além disso,não observamos formação de edema1° Congresso de Farmácia da UFSJ Divinópolis-MG, 20, 21 e 22 de outubro de 2010.
  • 33. Doenças Negligenciadas: Epidemiologia, Diagnóstico e Tratamento - Perspectivas para atuação do Profissional Farmacêutico Estudo fitoquímico de espécies de plantas nativas do Brasil Tamara Ribeiro Longatti (IC), Hygor Kleber Cabral Silva (IC), Leonardo de Queiroz Gomes Belligoli(IC) João Maximo Siqueira (PQ), Arali Aparecida da Costa Araujo(PQ), Natália Nunes Souza(IC), Rosy Iara Maciel de Azambuja Ribeiro(PQ)*. *rosy@ufsj.edu.br; rosyiara@gmail.com 1Campus Centro-Oeste Dona Lindu - UFSJ, Rua Sebastião Gonçalves Coelho, 400, Divinópolis, MG, CEP:. 35501-296. Palavras chave: Estudo fitoquimico, substâncias fenólicas, testes rápidos. Introdução A abordagem fitoquímica é bastante útil para a prospecção de espécies vegetais, são elaborados de tal modo que possam fornecer resultados rápidos, ao mesmo tempo em que permitam ao pesquisador identificar as classes de substâncias presentes no extrato obtido de solventes brutos. No presente estudo foram selecionadas plantas de diversas famílias:A- Anacardiaceae: 1-Tapirira - amplamente distribuída em todo território Figura 01: Cromatografia em camada delgada de sílica-gel 20x20 das amostras 1 a 8, reveladas com solução de FeCl3. Observa-se a brasileiro, sendo importante elemento do estrato lenhoso. presença de manchas acinzentas ou pretas em A, B, C e D, 2- Astronium Schott -muito usada na construção civil e confirmando a presença de substâncias fenólicas. naval, a planta tem ocorrência ampla no cerrado brasileiro.B- Annonaceae 3- Xylopia, típica do Cerrado, mas também tem sido encontrada na floresta Amazônica. 7- Annona nativa do cerrado, sendo utilizada na medicina alternativa por suas propriedades antifúngica e antibacteriana.C- Rubiacea 4- Guettarda é frutífera tem vasta dispersão pelo Brasil, porem ocorre em matas de galeria em transição para o cerrado. Figura 02: Cromatografia em camada delgada de sílica-gel 20x20D- Asteraceae das amostras 1 a 8, reveladas com solução de NP/PEG. Observa-se 5- Vernonia, planta típica da Mata Atlântica empregada na na região mediana da placa cores do amarelo ao vermelho dando medicina popular para o tratamento de pneumonia, fortes indícios de compostos aromáticos. bronquite e cálculo renal.E- Leguminosae, Papilonoideae 6- Andira é uma espécie que ocorre em cerrado, cerrado ralo e cerrado rupestre.F- Siparunaceae 8-Siparuna, a decocção de folhas é usada como uma bebida contra as desordens estomacais. Metodologia Placa 03: Cromatografia em camada delgada de sílica-gel das A droga vegetal foi mantida em maceração em amostras 7 e 8, reveladas com solução de Dragendorff .Observa-se solução de hidroetanólica (70%). Os extratos obtidos presença de intensa coloração alaranjada nas amostras 7 e 8, foram testados através de cromatografia em camada podendo-se afirmar a presença de componentes nitrogenados. delgada com eluição em etanol: clorofórmio + uma gota de ác. acético. As placas foram reveladas em NP-PEG, Conclusão Cloreto férrico e Reagente Dragendorff. Observa-se que a prospecção fitoquímica foi satisfatória, Realizou-se testes rápidos como teste para fenóis pois foi possivel detectar diferentes classes de e taninos, teste para saponinas e teste da gelatina. constituintes, que merecem confirmação através de um estudo quimico mais detalhado. Pôde-se confirmar a Resultados e discussão presença de substâncias fenólicas, flavonóides ou outros No teste rápido para taninos pode-se observar constituintes aromáticos na maioria dos extratos que as amostras 1, 7 e 8 apresentam-se positivas para preparados e alcalóides (ou substâncias nitrogenadas) substâncias fenólicas podendo estas ser ou não taninos, nos extratos 7 e 8. pois precipitaram ao entrar em reação como cloreto férrico. O teste para saponinas foi negativo para todas as Agradecimentos plantas. No teste de gelatina pode-se observar a Agradecimentos FAPEMIG, UFSJ. precipitação de proteínas nas amostras 1, 7 e 8, podendo -Matos, F. J. Abreu. Introdução a Fitoquímica Experimental. Fortaleza. Edições UFC 1988 caracterizar presença de taninos. -McLAUGHIN, J. L. CHANG, C-J’, SMITH, D. L. “Bench-top ”Bioassays (brine shrimp and potato disk) for the discovery of plant antitumor compounds in Human Medicinal Agents from Plants, Ed. Kinghorn, Balandrini, ACS 534, 1993, p-113-137 - WAGNER, Hildebert; BLADT, Sabine. Plant drug analysis: a thin layer chromatography atlas. 2.ed. Berlin: Springer, 2001. 1° Congresso de Farmácia da UFSJ Divinópolis-MG, 20, 21 e 22 de outubro de 2010.
  • 34. Doenças Negligenciadas: Epidemiologia, Diagnóstico e Tratamento - Perspectivas para atuação do Profissional Farmacêutico Efeito da fração acetato de etila extraída de rizomas do Cochlospermum regium no edema de pata induzido por carragenina em camundongos 1* 1 1Fernanda Barçante-Perasoli (IC) , Mariana Pertence S. Silva (IC) , Aline Aparecida-Saldanha (IC) , Thaís 1 1 1Fernandes-Silva (IC) , Gislene F. Almeida-Cota (IC) , Isabela C Nunes Sá (IC) , Raphael Gomes-Ferreira 2 2 1 1(PQ) , André Klein (PQ) , João M. de Siqueira (PQ) e Carlos A. Dias-Junior (PQ) .*fernandaperasoli@yahoo.com.br1 Av. Sebastião Gonçalves Coelho, 400, Divinópolis, MG, Laboratório de Farmacologia, CCO Dona Lindu, UFSJ.2 Av. Antônio Carlos, 6627, Belo Horizonte, MG, Departamento de Farmacologia, ICB, UFMG.Palavras chave: flavonona, 3-O-glicosil-dihidrokanferol, edema. Introdução O consumo de flavonóides através da dietaestá positivamente relacionado com a redução do riscode desenvolvimento de câncer, hipertensão arterial,aterosclerose e agravamento de doenças relacionadascom a inflamação e estresse oxidativo. Os flavonóides são metabólitos secundários de Figura 1. Indução do edema da pata com injeçãoplantas e são caracterizados principalmente pelas suas intra-plantar (i.pl.) de carragenina (400 µg/kg).ações antiinflamatórias e antioxidantes. No presenteestudo, avaliamos se a fração acetato de etila extraídade rizomas do Cochlospermum regium (“algodãozinho”, Grupo Salina + Carragenina (n= 6) Grupo 100 mg/Kg + Carragenina (n=6)contendo cerca de 60-70% a flavonona 3-O- Grupo Dexametasona 1 mg/Kg + Carragenina (n= 6) 1,2glicosildihidrokanferol - F-52) possui efeito 100 * P < 0,05 vs. Grupo Salina + Carrageninaantiinflamatório nas doses de 0 e 100 mg/kg após 90 ∆ volume de pata (µL)administração pela via intraperitoneal seguido de 80 70redução do edema induzido pela carragenina em 60camundongos. 50 40 * Metodologia 30 * 20 * * O extrato foi obtido a partir da maceração em 10 *etanol 70%, percolação exaustiva e partição com os 0 1 2 4 6solventes: hexano, clorofórmio e acetato de etila. Tempo (h)Realizamos cromatografia em camada delgada e amaior concentração da F-52 encontrou-se na fração Figura 2. Variação do volume da pata após aacetato de etila. Uma porção desta fração foi administração da fração acetato de etila do rizoma dosolubilizada em salina estéril para obtenção da algodãozinho (doses 0 e 100 mg/Kg via intraperitoneal).concentração de 100 mg/Kg. Foram utilizados 18camundongos Swiss divididos em três grupos (n=6), Conclusãosendo administrado sistematicamente: salina e O resultado confirma que a flavonona 3-O-carragenina (carragenina 400 µL e salina 0,3mL) ; glicosil-dihidrokanferol presente na fração acetato dedexametasona e carragenina; acetato de etila etila do rizoma do algodãozinho na dose de 100 mg/Kg(100mg/Kg) e carragenina. Administramos 0,3 mL de possui efeito antiinflamatório após administração viasalina estéril, 1mg/Kg de dexametasona e a referida intraperitoneal acompanhado de redução do edema.concentração de acetato de etila (via intraperitoneal). Agradecimentos Resultados e discussão Apoiado pela FAPEMIG e CNPq. Ao efetuarmos as medidas do edema de patainduzido pela carragenina (Fig.1) no pletismômetro, 1Maria Salete de Abreu Castro. Mecanismos envolvidos no efeitoobservamos que a fração acetato de etila extraída a antinoceptivo do 3-O-glicosil–dihidrocanferol, flavonóidepartir do rizoma do algodãozinho reduziu o edema na extraído dos rizomas de Cochlospermum regium (“algodãozinho”). Tese desenvolvida no Setor de Produtosdose de 100 mg/Kg (redução em -30% P < 0,05) duas Naturais, departamento de Farmacologia da Universidade Federal dehoras após a injeção intra-plantar (i.pl.) de carragenina São Paulo– Escola Paulista de Medicina, como Requisito parcial(400 µg/kg i.pl., Fig.2). para obtenção do Título de Doutora em Farmacologia, 2000. Comparado com o grupo salina e o grupo 2Prof. Carlos Alan Candido Dias Junior. Os resultados deste resumodexametasona, a dose de 100 mg/Kg da fração acetato pertencem ao Projeto Institucional Intitulado: “Possíveis efeitos antiinflamatórios da flavona 3-O-glicosil-dihidrokanferol extraídode etila não reduziu o edema na primeira hora. A partir de rizomas de Cochlospermum regium (“algodãozinho”) emda segunda hora, houve uma redução do edema a qual camundongos: inibição de metaloproteinases e estressese manteve na quarta e sexta hora (Fig.2). oxidativo, Novembro de 2009.1° Congresso de Farmácia da UFSJ Divinópolis-MG, 20, 21 e 22 de outubro de 2010.
  • 35. Doenças Negligenciadas: Epidemiologia, Diagnóstico e Tratamento - Perspectivas para atuação do Profissional Farmacêutico25a Reunião Anual da Sociedade Brasileira de Química - SBQ 35