Estruturas foliares da jurubeba (Solanum paniculatum)

  • 270 views
Uploaded on

Resumo - Estruturas foliares da jurubeba (Solanum paniculatum) - 64º Congresso Nacional de Botânica 2013

Resumo - Estruturas foliares da jurubeba (Solanum paniculatum) - 64º Congresso Nacional de Botânica 2013

More in: Education
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
270
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
3
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. 64º Congresso Nacional de Botânica Belo Horizonte, 10-15 de Novembro de 2013 ESTRUTURAS FOLIARES DA JURUBEBA Solanum paniculatum (SOLANACEAE) DO NORTE MINEIRO E SUA PROSPECÇÃO MEDICINAL 1 1 1 1,2* Amanda N. de Lucca , Darlê M. B. Ramos e Guilherme A. Lacerda 2 Faculdades Integradas do Norte de Minas - FUNORTE, Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES. *guilhermebiologia@yahoo.com.br Introdução idioblasto (id) de areia cristalífera e pedicelos sem os tricomas tectores (Figura 1E e 1F). A planta medicinal conhecida popularmente como Jurubeba Solanum paniculatum L. Solanaceae é nativa em quase todo o Brasil e floresce praticamente todo ano com capacidade de colonizar rapidamente o ambiente [1]. Tem hábito arbustivo de 1,5–2,5 de altura, um pouco espinhento. Suas raízes, folhas e frutos são utilizados contra problemas hepáticos e digestivos, por estimulo de suas funções sendo recomendada em forma de chá. O presente trabalho objetiva relacionar as estruturas anatômicas foliares da Jurubeba e verificar um possível efeito antibacteriano a partir de seu extrato hidroalcóolico. Metodologia A coleta da planta ocorreu na zona rural de Itacarambi – MG, em março de 2013 na estação vigente - verão. A identificação botânica foi realizada e as exsicatas depositadas no Herbário da Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES) voucher 3752. Foram separadas as folhas das demais partes botânicas e estas foram secas em temperatura ambiente durante uma semana e depois trituradas até a obtenção de um pó. Para as análises morfológicas da folha foram feitos cortes a mão livre com secções transversais e paradérmicas e depois submetidos á coloração com fucsina básica, solução lugol e Sudan IV. Para realizar a extração da matéria-prima foram utilizados 800mL de álcool etílico comercial preparado a 70% (3:1) com 50g do pó da folha, ambos misturados em um béquer durante 1 hora. Depois filtrou-se a vácuo e o liquido verde escuro foi distribuído em placas de Petri e colocados na estufa com circulação de ar com temperatura graduada por um período de 11 dias. Para a avaliação das atividades antimicrobianas foi realizada a técnica REMA (Resazurin Microtiter Assay), frente as bactérias Staphylococcus aureus (ATCC25923), Escherichia coli (ATCC25922) e Pseudomonas aeruginosas (ATCC27853). Resultados e Discussão Nas secções transversais observamos a existência de tricomas porrecto-estrelado (tpe) (Figura 1A) e o raro tricoma glandular (tg) (Figura 1B) que representam uma estratégia de defesa da planta. Notam-se ainda tricomas tectores com pedicelo (pd) (Figuras 1C e 1D); epiderme adaxial (ad) cutinizada com células mais longas e as células mais curtas que correspondem a epiderme abaxial (ab), parênquima paliçádico (pp) e parênquima esponjoso (pe) que dentro dela possui camadas de Figura 1: Estruturas foliares de Solanum paniculatum L (Solanaceae). A presença de tricomas observadas constituem uma característica comum às espécies registrado pela família Solanaceae embora já tenha sido observado em outras espécies de Solanum como “lodeira” e “fruto-de-lobo”[2]. Através do teste REMA não se obteve atividade antimicrobiana frente às as bactérias Staphylococcus aureus, Escherichia coli e Pseudomonas aeruginosas. Conclusões O extrato hidroalcóolico foliar da espécie Solanum paniculatum L. não apresentou nenhuma atividade antibacteriana frente às cepas testadas. Os raros tricomas glandulares justificariam tal inatividade. Referências Bibliográficas [1] Neto, O.D.S.; Karsburg, I.V.; Yoshitome, E.M.Y. 2006. Viabilidade e germinabilidade polínica de populações de Jurubeba (Solanum paniculatum L.). Revista de Ciências AgroAmbientais 4(1): 67-74. [2] Araujo, D.A.; Coelho, V.P.M; Agra, M.F. 2010 Estudo farmacobotânico comparativo de folhas de Solanum crinitum Lam., Solanum gomphodes Dunal e Solanum lycocarpum A. St.Hil., Solanaceae. Rev. Bras. Farmacogn. Braz. J. Pharmacogn 20: 666–674.