O GÊNERO EDITORIAL E A “VIRGINDADE EMOCIONAL”: MITO OU REALIDADE?

944 views

Published on

Comunicação apresentada por João Benvindo de Moura no I COGITE - Colóquio de estudos sobre gêneros & textos - realizado pelo Grupo Cataphora

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
944
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
232
Actions
Shares
0
Downloads
5
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

O GÊNERO EDITORIAL E A “VIRGINDADE EMOCIONAL”: MITO OU REALIDADE?

  1. 1. O gênero editorial e a “virgindade emocional”: mito ou realidade? João Benvindo de Moura UFPI/UFMG
  2. 2. Piauí: berço das emoções
  3. 3. Por que pesquisar sobre editorial? <ul><li>Um editorial não é meramente um artigo que exprime a opinião de um órgão de imprensa, em geral escrito pelo redator-chefe, e publicado com destaque. Muito mais que isso, um editorial é um discurso, sendo capaz de orientar retoricamente pontos de vista, estados emocionais e até atitudes. </li></ul>
  4. 4. Por que pesquisar sobre editoriais da imprensa piauiense? <ul><li>Apesar de o primeiro jornal do Piauí (O Piauiense) ter circulado em 1832, as pesquisas sobre a atuação da imprensa no estado são raras. No campo da Análise do Discurso elas são ainda mais escassas. Há, portanto, a necessidade de observação das peculiaridades da mesma, bem como, das influências regionais na produção do sentido. </li></ul>
  5. 5. Qual a relação entre as emoções e o gênero editorial? <ul><li>Aristóteles, há muito tempo atrás, já falava que a arte de convencer se utiliza de três elementos básicos: logos, ethos e pathos: </li></ul><ul><li>Logos – o próprio discurso em si, produto da faculdade da linguagem, da razão; </li></ul><ul><li>Ethos – As imagens de si produzidas pelo sujeito enquanto enuncia; </li></ul><ul><li>Pathos – As emoções suscitadas no auditório; </li></ul>
  6. 6. Qual a relação entre as emoções e o gênero editorial? <ul><li>O editorial tem o poder ou a intenção de emocionar alguém? </li></ul><ul><li>Existe alguma diferença valorativa entre razão e emoção na história da sociedade? </li></ul><ul><li>Descartes: “As paixões são um signo de doença e, somente no momento em que forem totalmente alijadas, a mente estará em perfeita saúde.” </li></ul>
  7. 7. O editorial se assemelha ao discurso científico? <ul><li>A suposta “virgindade emocional” da ciência não constitui uma descrição da prática científica efetiva. (Doury, 2002) </li></ul><ul><li>A argumentação é vista como um “ato”, a saber, o de “provocar ou aumentar a adesão dos espíritos às teses que se apresentam a seu assentimento”. (Perelman, 2005) </li></ul>
  8. 8. O editorial se assemelha ao discurso científico? <ul><li>A suposta “virgindade emocional” da ciência não constitui uma descrição da prática científica efetiva. (Doury, 2002) </li></ul><ul><li>A argumentação é vista como um “ato”, a saber, o de “provocar ou aumentar a adesão dos espíritos às teses que se apresentam a seu assentimento”. (Perelman, 2005) </li></ul>
  9. 9. Charaudeau e as emoções <ul><li>As emoções são de ordem intencional , estão ligadas a saberes de crença e se inscrevem em uma problemática da representação psicossocial . </li></ul><ul><li>As quatro grande tópicas: dor/alegria; angústia/esperança; antipatia/simpatia; repulsa/atração. </li></ul>
  10. 10. O editorial analisado
  11. 11. Análise <ul><li>O texto remete, logo no primeiro parágrafo, a uma situação altamente patêmica: o choro do governador durante a cerimônia de passagem do cargo para o seu sucessor. Através da seleção lexical, o vocábulo “chorou” está entre aqueles apontados por Charaudeau como sendo capazes de descrever de maneira transparente, determinadas emoções. </li></ul>
  12. 12. Análise <ul><li>O enunciador passa a apontar sequencialmente uma série de fatos e argumentos pragmáticos para justificar toda a cena enunciativa, a saber: </li></ul><ul><li>1. A fala do governador externando a sensação de dever cumprido, revelando um sentimento de completude, seguida de um exemplo de sensatez: </li></ul><ul><li>“ Disse que deixava o Palácio de Karnak com a sensação do dever cumprido, mas, como é de praxe e sensato, informou também que muito está para ser feito.” </li></ul>
  13. 13. Análise <ul><li>2. A referência à situação de pobreza histórica imputada ao Piauí: </li></ul><ul><li>“ Desafios e problemas sobram em um estado pobre que precisa se esforçar para manter serviços públicos funcionando, expandir os investimentos públicos que favorecem o crescimento econômico, bem assim fazer frente às demandas crescentes.” </li></ul>
  14. 14. Análise <ul><li>3. A avaliação positiva do governo e seu legado: </li></ul><ul><li>“ Pode-se afirmar que a administração encerrada na quinta-feira foi, sim, bastante positiva para o Piauí. Wellington Dias legou ao estado uma obra não física que certamente é fundamental: a organização da sua estrutura administrativa e funcional.” </li></ul>
  15. 15. Análise <ul><li>4. E, principalmente, no último parágrafo, a alusão à origem humilde do governador, ressaltando o seu distanciamento das elites o que possibilitou, na visão do enunciador, uma maior proximidade com o povo e, consequentemente, com seus anseios e necessidades: </li></ul><ul><li>“ O estado do Piauí certamente vai ter bastante tempo doravante para discutir o legado que fica de um governador com perfil político distanciado das elites políticas e que se valeu disso para estabelecer também outra construção definitiva: o governante tem que ouvir mais a sociedade e tirar dela práticas positivas para a gestão pública.” </li></ul>
  16. 16. Análise <ul><li>Não basta, por exemplo, que o leitor do jornal perceba a existência do editorial ou que ele saiba que o editorial carrega dentro de si um saber. É necessário também que esse leitor tenha condições de avaliar esse saber, posicionando-se em relação ao mesmo, para, a partir de então, vivenciar ou exprimir uma emoção. Trata-se, portanto, de um saber de crença que se opõe a um saber de conhecimento, o qual se baseia em critérios de verdade externos ao sujeito. </li></ul>
  17. 17. Análise <ul><li>Dizer: “o governador transferiu o cargo ao vice em função de sua candidatura ao senado” advém de um saber de conhecimento; mas dizer “o governador chorou” advém de um saber de crença que descreve propriedades qualitativas e essencialistas de um indivíduo. Esses enunciados circulam na comunidade social constituindo o chamado “imaginário sociodiscursivo”. </li></ul>
  18. 18. Análise <ul><li>O editorial pode fazer suscitar a tópica da angústia , no momento em que apresenta o choro do governador. Traduz a incerteza pelos dias que virão, um estado de espera desencadeado pela cena enunciativa podendo representar um perigo para o estado. Ao mesmo tempo suaviza a tensão mobilizando a imagem do dever cumprido, do estado organizado financeiramente, da democracia implantada. Tais recursos remetem à esperança por tempos melhores e justificam o choro. </li></ul>
  19. 19. Análise <ul><li>Ao explicitar o fato de que o governador não pertence às elites, o texto induz a uma repulsa aos diversos outros governadores piauienses ligados à famílias oligárquicas, oriundos da casta privilegiada com o poder econômico. Em seguida, ao expor a proximidade do governador com a sociedade ouvindo seus desejos e anseios, e, atribuindo a esta atitude um valor positivo, desencadeia a atração , ou em outras palavras, a “adesão dos espíritos”. </li></ul>
  20. 20. Conclusões <ul><li>O editorial analisado possui uma intencionalidade. Mobiliza uma série de saberes de crença: a situação de pobreza do estado do Piauí, a existência de sucessivos governos ligados à elite dominante e a ascensão de um jovem bancário ao posto de governador, destoando da lógica até então estabelecida. Verifica-se, portanto, que essas crenças são mobilizadas por um saber polarizado em torno de valores socialmente compartilhados. </li></ul>
  21. 21. Conclusões <ul><li>O desencadeamento das emoções suscitadas coloca então o sujeito enunciador numa situação de sanção social que culminará em julgamentos diversos de ordem psicológica ou moral, pelos vários tipos de leitores do jornal. </li></ul>
  22. 22. Conclusões <ul><li>Por fim, a análise demonstra que quanto maior for o conhecimento do orador acerca do auditório, compreendendo as características e inclinações afetivas deste, maiores serão as suas chances de produzir a emoção-adesão . </li></ul>
  23. 23. Bibliografia <ul><li>AMOSSY, Ruth. O Ethos na Intersecção das Disciplinas: Retórica, Pragmática, Sociologia dos Campos. In: Amossy, Ruth (Org.). Imagens de si no Discurso: a Construção do Ethos. São Paulo: Contexto, 2005   </li></ul><ul><li>CHARAUDEAU, Pathos e discurso político . In: Machado, Ida Lúcia et alli (Orgs.). As emoções no discurso. Rio de Janeiro: Lucerna, 2007. </li></ul><ul><li>______ . Discurso das mídias. São Paulo: Contexto, 2007. </li></ul><ul><li>PERELMAN, C. & OLBRECHTS-TYTECA, L. Tratado da argumentação : a nova retórica. São Paulo: Martins Fontes, 2005. </li></ul>

×