UMA VISÃO GERAL DOS ESTUDOS RETÓRICOS DE GÊNEROS

2,591 views
2,421 views

Published on

Palestra apresentada por Francisco Alves Filho no I COGITE - Colóquio de estudos sobre gêneros & textos - realizado pelo Grupo Cataphora

0 Comments
4 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
2,591
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
60
Comments
0
Likes
4
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

UMA VISÃO GERAL DOS ESTUDOS RETÓRICOS DE GÊNEROS

  1. 1. Uma visão geral dos estudos retóricos de gêneros Francisco Alves Filho UFPI
  2. 2. <ul><li>Bitzer, L. F. </li></ul><ul><li>The rhetorical situation . Philosophy and Rhetoric 1:1-14. January, 1968 </li></ul>
  3. 3. <ul><li>“ Situação retórica pode ser definida como um complexo de pessoas, eventos, objetos e relações apresentando uma exigência real ou potencial que pode ser completamente ou parcialmente removida se o discurso, introduzido na situação, pode restringir a decisão ou ação humana em como produzir uma modificação significativa da exigência”. </li></ul>
  4. 4. <ul><li>Uma situação retórica exige e conclama discursos os quais a ela se integram. </li></ul>
  5. 5. <ul><li>Uma ação retórica é pragmática. </li></ul><ul><li>... passa a existir por causa de algo além de si mesmo. </li></ul><ul><li>... funciona para produzir ação ou mudar o mundo. </li></ul>
  6. 6. <ul><li>Retórico é um modo de alterar a realidade pela criação do discurso que muda a realidade através da mediação de pensamento e ação. </li></ul>
  7. 7. <ul><li>O significado retórico de um discurso advém da situação. </li></ul>
  8. 8. <ul><li>“ Um discurso é retórico na medida em que ele funciona como uma resposta adequada a uma situação que dele necessita e o conclama”. (Bitzer) </li></ul>
  9. 9. <ul><li>JAMIESON, K. M. Generic Constraints and the rhetorical situacion. Philosophy and Rhetoric,v.6, 1973, p. 162-170. </li></ul>
  10. 10. <ul><li>A percepção de uma resposta adequada a uma situação recorrente surge não somente em relação à situação, mas também de formas retóricas antecedentes . </li></ul><ul><li>Concepção de um novo gênero a partir da impressão cromossômica de gêneros ancestrais. </li></ul>
  11. 11. <ul><li>MILLER, Carolyn R. “Genre as social action.” Quartely Journal od Speech 70 (May 1984 ): 151-167 </li></ul><ul><li>Miller, Carolyn R. “Gênero como ação social”. _____. Estudos sobre gênero textual, agência e tecnologia. PPGL, UFPE, Recife, 2009 . p. 21-44 </li></ul>
  12. 12. Situação retórica : <ul><li>Construtos sociais ou estrutura semiótica resultantes de: </li></ul><ul><ul><li>Definição </li></ul></ul><ul><ul><li>Interpretação </li></ul></ul>
  13. 14. Gênero como ação social
  14. 15. <ul><li>Gêneros são ações retóricas tipificadas baseadas em situações recorrentes. </li></ul><ul><li>(Carolyn Miller , 1944) </li></ul>
  15. 16. <ul><li>“ O gênero torna-se mais que uma entidade formal; ele se torna pragmático, completamente retórico, um ponto de ligação entre intenção e efeito, um aspecto da ação social” </li></ul><ul><li>(Carolyn Miller, Genre as social action, 1994, p. 24) </li></ul>
  16. 17. <ul><li>Berkenkotter, C. & Huckin, T. N. (1995). Genre knowledge in disciplinary communication: cognition, culture, power . Hillsdade/Hove: Lawrence Erlbaum Associates </li></ul>
  17. 18. Conceito de gênero <ul><li>Os gêneros são inerentemente estruturas retóricas dinâmicas que podem ser manipuladas de acordo com as condições de uso (...) </li></ul><ul><li>(Berkenlotter & Huckin, 1995, p. 3). </li></ul>
  18. 19. Conceito de gênero <ul><li>O conhecimento de gênero é melhor concebido como uma forma de cognição situada incorporada em atividades disciplinares. </li></ul><ul><li>(Berkenlotter & Huckin, 1995, p. 3). </li></ul>
  19. 20. <ul><li>DINAMISMO: </li></ul><ul><li>“ Os gêneros são formas retóricas dinâmicas que são desenvolvidas das respostas dos atores para situações recorrentes e que servem para estabilizar a experiência e dar a ela coerência e significado” </li></ul><ul><li>(Berkenkotter & Huckin, 1995, p. 4). </li></ul>
  20. 21. <ul><li>SITUACIONALIDADE: </li></ul><ul><li>“ Nosso conhecimento de gêneros é derivado de e incorporado na nossa participação nas atividades comunicativas da vida diária e profissional” (4). </li></ul><ul><li>(Berkenkotter & Huckin, 1995. </li></ul>
  21. 22. <ul><li>FORMA E CONTEÚDO. </li></ul><ul><li>“ O conhecimento do gênero abraça tanto forma como conteúdo, incluindo o sentido de qual conteúdo é apropriado para um propósito particular numa situação particular num determinado momento”. </li></ul><ul><li>(Berkenkotter & Huckin, 1995, p. 4). </li></ul>
  22. 23. <ul><li>DUALIDADE DE ESTRUTURA. </li></ul><ul><li>“ Como nós nos baseamos nas regras do gênero para nos engajarmos nas atividades profissionais, nós constituímos estruturas sociais e simultaneamente reproduzimos estas estruturas ”. </li></ul><ul><li>(Berkenkotter & Huckin, 1995, p. 4). </li></ul>
  23. 24. <ul><li>DEVITT, Amy. Writting genres. 2004 </li></ul>
  24. 25. <ul><li>“ Situações retóricas são percebidas como recorrentes pelo mesmo grupo de pessoas, cujas experiências são similares o suficiente e repetidas de modos similares o suficiente para serem percebidas como situações recorrentes”. </li></ul><ul><li>(Devitt, 2004, p. 36). </li></ul>
  25. 26. <ul><li>Atrás de todo gênero há uma situação retórica e há sujeitos agindo socialmente . </li></ul>
  26. 27. <ul><li>Os gêneros possuem uma natureza social. </li></ul><ul><li>A percepção da recorrência emerge de uma compreensão da situação desenvolvida socialmente . </li></ul><ul><li>(Devitt, 2004). </li></ul>
  27. 28. <ul><li>Gênero não como uma resposta a situações recorrentes, mas como um nexo entre ações dos indivíduos e um contexto definido socialmente . </li></ul><ul><li>(Devitt, 2004) </li></ul>
  28. 29. <ul><li>O gênero é uma dinâmica recíproca dentro da qual as ações dos indivíduos constroem e são construídas pelos contexto de situação, contexto de cultura e contexto de gêneros. </li></ul><ul><li>(Devitt, 2004) </li></ul>
  29. 30. <ul><li>Pontos comuns na visão de gêneros nos Estudos Retóricos </li></ul><ul><li>Gênero é ação </li></ul><ul><li>Gênero é ação tipificada </li></ul><ul><li>A tipificação emerge de condições recorrentes </li></ul><ul><li>As condições recorrentes envolvem um contexto social </li></ul>
  30. 31. <ul><li>Gêneros ajudam as pessoas a fazerem coisas no mundo. </li></ul><ul><li>(Devitt, 2004) </li></ul>Genre as Response to Recurring Situation
  31. 32. <ul><li>Os gêneros são tanto ações sociais como ações retóricas, operando quando as pessoas interagem com outras de modo proposital. </li></ul><ul><li>(Devitt, 2004) </li></ul>
  32. 33. <ul><li>O que significa dizer que os gêneros são ações tipificadas? </li></ul><ul><li>Que os gêneros são classificações mas classificações realizadas pelas pessoas quando elas agem simbolicamente e não pelos analistas quando analisam produtos. </li></ul><ul><li>Gêneros são estratégias que comumente são usadas para responder a situações. </li></ul>
  33. 34. Mudança nas concepções de gêneros
  34. 35. Gêneros

×