INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO EVANGÉLICO    2012CAMPO GRANDE
ÍNDICEInstituto de Desenvolvimento Evangélico                                                         ÍNDICE              ...
APRESENTAÇÃO                                                           HISTÓRICO DO IDE                                   ...
ESPAÇO FÍSICO    para o atendimento de 90 crianças nos Bairros de Panorama e Noroeste.    	    Em 2006, o IDE iniciou um n...
UNS POR TODOS                                                                                  3) Atividades voltadas para...
OBJETIVOS                                                                                C.2 Oficinas de Cordas Populares ...
»	    Estimular o protagonismo juvenil por meio da atuação de pelo          tre 20 e 120 horas;     menos 100 jovens nos e...
ATIVIDADES DESENVOLVIDAS     visando a divulgação e comercialização dos produtos produzidos pelos        CORTE E COSTURA  ...
MUSICALIZAÇÃO                 INCENTIVO À LEITURA14                                                                       ...
FUNCIONÁRIOS     Páginas 16 a 19     destinada aos16                       17     funcionários,     serão editadas     pos...
18   19
PARCEIROS                         APOIO     » Secretaria de Assistência Social     » Fundação Municipal de Esporte (Funesp...
Catálogo IDE
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Catálogo IDE

439 views
369 views

Published on

Catálogo Institucional do IDE - Instituto de Desenvolvimento Evangélico

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
439
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
3
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Catálogo IDE

  1. 1. INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO EVANGÉLICO 2012CAMPO GRANDE
  2. 2. ÍNDICEInstituto de Desenvolvimento Evangélico ÍNDICE 1 APRESENTAÇÃO 2CNPJ: 03.733.967/0001-70 1 MISSÃO, VISÃO E VALORES 2Presidente: Manoel Antonio de Andrade BarbosaCoordenador Geral: Glauber Fredericos de Miranda HISTÓRICO DO IDE 3Coordenador Administrativo: Gentil Xaves ESPAÇO FÍSICO 5SEDE PROJETO UNS POR TODOS 6Rua Pilares, 251, Portal CaiobáCampo Grande, MS, 79096-130 OBJETIVOS 8(67) 3380-3596 ATIVIDADES DESENVOLVIDAS 13SUB-SEDERua Cenira Soares Magalhães, 450, Bairro Parque do Sol FUNCIONÁRIOS 16Campo Grande, MS, 79075-121(67) 3386-6862 PARCEIROS 20http://www.institutoide.org.br/ APOIO E PATROCÍNIO 21E-mail: contato@institutoide.org.br
  3. 3. APRESENTAÇÃO HISTÓRICO DO IDE O IDE - Instituto de Desenvolvimen- O IDE foi fundado no ano 1999, através de uma mobilização de to Evangélico - é uma organização sem 20 voluntários liderados pela iniciativa de dois jovens irmãos em Campo fins lucrativos, que prioriza o desenvol- Grande. Após mobilizar o grupo de voluntários, iniciaram várias ativida- vimento de projetos sócio-educacionais, des voltadas para o atendimento de crianças e adolescentes na periferia que visam garantir à criança e ao ado- da cidade. O primeiro projeto teve início no bairro de Vila Carlota, che-2 lescente em situação de vulnerabilidade da região ao entorno do lixão de Campo gando a atender 80 crianças através de atividades socioeducativas diver- sas. 3 Grande, o direito à educação, à alimentação, ao lazer, ao esporte, à cultu- Em 2001, conseguiram a vinda de um grupo de 11 jovens volun- ra, à profissionalização, à saúde, à dignidade e à vida (art. 1o do Estatuto tários estrangeiros para trabalharem e doarem recursos arrecadados no da Criança e do Adolescente). Também auxilia as famílias dessa região a Reino Unido, visando à construção de salas de aulas para o projeto. elevar a renda per capita. Ainda nesse ano, o projeto foi submetido à organização Mustard A entidade possui como órgão maior de decisão sua assembleia Seed Foundation (EUA), a fim de ser executado na sede da igreja que geral, constituída por seus associados. Possui uma diretoria eleita por frequentavam, visando atender 200 crianças e adolescentes. Decidiu-se um período de 4 anos, responsável pela direção e administração geral das então promover a organização do Instituto de Desenvolvimento Evangé- atividades realizadas, sendo fiscalizada pelo Conselho Fiscal, e apresen- lico, que foi legalmente constituído em 21 de Março de 2000. tando relatórios à Assembleia Geral, aos seus financiadores e à comuni- dade em geral. No ano de 2001, foi celebrado o primeiro convênio com a Secre- taria de Assistência Social do Governo do Estado de Mato Grosso do Sul (SETASS), quando se iniciou o atendimento de mais 120 crianças e VISÃO adolescentes na região de Nova Lima, através do Programa “Ação Vida O IDE visa cooperar para o alcance do ser humano integralmente Nova”, na sede de uma igreja católica. em suas dimensões: espiritual, moral, emocional, físico e social. Em 2002, o IDE passou a presidir o Conselho Municipal de Direi- tos da Criança e do Adolescente em Campo Grande/MS (CMDCA). MISSÃO “Promover o resgate e o desenvolvimento daqueles que têm direito Em 2003, em parceria com a Secretaria Municipal de Assistên- à vida, mas perecem.” cia Social de Campo Grande (SAS), iniciou-se mais dois novos projetos
  4. 4. ESPAÇO FÍSICO para o atendimento de 90 crianças nos Bairros de Panorama e Noroeste. Em 2006, o IDE iniciou um novo Projeto no Bairro Portal Caiobá, onde adquiriu em regime de comodato, um imóvel com excelente in- A instituição conta com dois polos para realizar suas atividades. fraestrutura para o desenvolvimento de projetos para a comunidade. As atividades oferecidas pela ins-4 A partir daí, passou a concentrar suas ações nesta região da cidade, atendendo inicialmente 60 crianças em 2006, e vindo a atender em 2007, tituição no Polo 1, são de auxilio nos es- 5 tudos, recreação, palestras, musicaliza- cerca de 200 crianças e adolescentes através da parceria com a organiza- ção, artesanato, monitoria, informática, ção Internacional Geneva Global (EUA). capoeira, hip hop, teatro, artes circenses Em 2007, ainda a entidade foi Semifinalista do Prêmio Itaú/Unicef. e malabares. A entidade também realizou no período de 2005 a 2008 cursos de capaci- tação profissional para 154 jovens de 15 a 29 anos em cinco modalidades, como Vestuário (Confecção e Customização), Montagem e Reforma de E o Polo 2 é voltado a trabalho de Móveis, Estética e Beleza, Informática e Agro extrativismo, com carga artesanato, corte e costura para geração horária de 600 horas em cada capacitação. Os cursos foram realizados e de renda. parceria com o Instituto IBISS-CO com recursos do Programa Primeiro Esses espaços são cedidos pela Emprego/Ministério do Trabalho. Igreja Batista Shekiná. Em 2008 e 2009, o projeto foi contemplado pelo edital de projetos Atualmente, o IDE procura comprar o terreno do Polo 1, tendo em do Criança Esperança/UNESCO e pelo Instituto Energias do Brasil. vista que ter o próprio espaço físico é um requisito obrigatório em vários Em 2010, a entidade rece- concursos de projetos que organizações sem fins lucrativos participam. beu recursos da Petrobrás/FIA, através do Fundo Municipal dos Direitos da Criança e do Adoles- cente de Campo Grande.
  5. 5. UNS POR TODOS 3) Atividades voltadas para geração de renda através de oficinas de artesanato e cursos de informática, enfatizando a temática: “Aprendendo a Fazer” – visando dar à criança, ao adolescente e ao jovem o poder de agir e caminhar em direção à autonomia, em meio a seus núcleos de convivência e ambiente social;6 4) Atividades de incentivo às manifesações artístico-culturais, 7 enfatizando a temática: “Aprendendo a Ser” - visando integrar totalmente a criança, o adolescente e o jovem ao seu convívio social, e à sociedade de forma geral, provocando reflexões sobre a importância de todas as suas aprendizagens e valorizando suas O Projeto visa o atendimento de pelo menos 300 crianças e adoles- ações afirmativas através do viés artístico-cultural. Assim sen- centes de 6 a 17 anos e 100 jovens de 18 a 29 anos das comunidades do do, nossa proposta de trabalho procura organizar-se em torno das Portal Caiobá I e II, e Rancho Alegre, em Campo Grande/MS, através de quatro aprendizagens fundamentais que, segundo o Relatório da atividades complementares à Escola, oficinas culturais e cursos profis- Unesco para a Eucação do Século XXI, são os pilares do conhe- sionalizantes. cimento para cada indivíduo ao longo de toda a vida. São desenvolvidas quatro modalidades principais de ações sócio O Projeto vem sendo apoiado pelo Criança Esperança desde 2008. -educativas: 1) Atividades voltadas para o incentivo à leitura, apoio pedagó- gico, e acesso às Tecnologias de Informação, enfatizando a temá- tica: “Aprendendo a Aprender” - visando a aquisição dos instru- mentos da compreensão pela criança; 2) Atividades recreativas, esportivas e de lazer, enfatizando a te- mática: “Aprendendo a Conviver” – visando estimular a partici- pação solidária e a cooperação com o outro, em todas as ativida- des;
  6. 6. OBJETIVOS C.2 Oficinas de Cordas Populares - Violão/Guitarra/Contrabaixo elétrico Esses são os objetivos apresentados no projeto desenvolvido para (200 participantes); a empresa Petrobrás, eles representam os objetivos do IDE fielmente. C. 3 Flauta Transversal, Saxofone (tenor, alto, soprano) e Clarinete (20 » Afastar cerca de 550 crianças e adolescentes que residem em participantes); comunidades ao entorno do Lixão, do risco de envolvimento com as8 práticas de trabalho infantil, uso de drogas, criminalidade, violência doméstica e abuso sexual entre outros índices. C.4 Oficinas de Cordas - Clássicas, violino/viola de arco/violoncelo (40 participantes); 9 A. Desenvolver Atividades recreativas, esportivas e de lazer (Aprenden- C.5 Oficina de Bateria e Percussão (20 participantes); do a conviver); C.6 Orquestra (Sopro, Cordas, Percussão) (25 participantes); 550 crianças e adolescentes de 6 a 17 anos participando das atividades C.7 Oficinas de Hip Hop - Street/Break Dance (40 participantes); através de pequenos grupos, entre 15 e 20 crianças, conforme descrito na metodologia do projeto; C.8 Teatro (30 participantes); B. Desenvolver atividades voltadas para a aquisição de habilidades espe- C.9 Musicalização Infantil (150 participantes); ciais (Aprendendo a fazer); B.1 - Através do Artesanato - 150 adolescentes iniciados na arte do arte- » Aumentar em 60% o rendimento escolar de 300 crianças e ado- sanato; lescentes com maior risco de repetência e evasão escolar. B.2 Através da Oficina de Construção de Instrumentos Musicais - Luthie- A. Desenvolver Atividades voltadas para o incentivo à leitura, apoio pe- ria Serão realizadas oficinas práticas que visam orientar 40 adolescentes dagógico e acesso as tecnologias de informação e comunicação (Apren- na construção de instrumentos musicais de "percussão" e "cordas"; dendo a aprender); C. Desenvolver atividades voltadas para valorização das manifestações 300 crianças e adolescentes de 6 a 17 anos participando das atividades artísticas e culturais (Aprendendo a Ser): Realização de oficina de Músi- através de pequenos grupos, entre 15 e 20 crianças, conforme descrito na ca e formação de grupos musicais nas comunidades (Aprendendo a Ser); metodologia do projeto. C.1 Oficinas de Flauta Doce (200 participantes);
  7. 7. » Estimular o protagonismo juvenil por meio da atuação de pelo tre 20 e 120 horas; menos 100 jovens nos espaços de discussão, reflexão e militância nas Os participantes poderão optar por uma ou mais oficinas, podendo tam- ações que envolvem as políticas públicas do município. bém realizar todos os módulos de corte e costura (400 horas) e/ou Cus- Fomentar ações voltadas para o desenvolvimento de liderança e prota- tomização (200 horas) recebendo certificação dos cursos completos, ou gonismo juvenil, por meio da atuação de pelo menos 100 jovens como conforme as modalidades realizadas;10 monitores e multiplicadores nas atividades do projeto, bem como nos O processo de capacitação ocorrerá desde a fase da pé-incubação até 11 espaços de discussão, reflexão e militância junto aos organismos que fo- a incubação definitiva dos grupos produtivos nos espaços das oficinas, mentam as políticas públicas do município. disponibilizados conforme planejamento a ser estipulado com os grupos; D. Incubação dos Grupos Produtivos; » Elevar em pelo menos 30% a renda per capta de 150 famílias D.1 Estipulação de acordos e regras que irão definir os valores, a organi- da região ao entorno do Lixão de Campo Grande através do pro- zação, o funcionamento, a comunicação e a administração do tempo e do cesso de incubação e organização de grupos produtivos, nos moldes modo compartilhado de uso das instalações entre os grupos nos turnos associativistas. diferenciados de trabalho; A. Selecionar, contratar, treinar equipe técnica e estabelecer parcerias; D.2 Assessorar os grupos na definição do planejamento das atividades B. Selecionar 150 participantes, prioritariamente jovens de 16 a 29 anos previstas para os próximos dois anos: na constituição do grupo gestor e e mulheres que desempenham papel de chefes de família nas comunida- organização interna; no treinamento capacitação gerencial e aplicação de des atendidas, e que tenham, prioritariamente, renda per capta familiar novas tecnologias, produção e marketing; na participação em eventos, de até R$ 150,00 mensais; feiras, encontros técnicos e rodas de negócios; C. Capacitar 150 jovens e adultos através de oficinas em Corte e Costura D.3 Estabelecer contatos e parcerias com empresas da indústria têxtil e Customização de Roupas. Também serão realizadas oficinas e palestras e do comércio em Campo Grande e demais municípios vizinhos como sobre cidadania, empreendedorismo, principalmente nas áreas de plane- Sidrolândia, Aquidauana, Bandeirantes, Camapuã, entre outros, ofere- jamento, organização, direção e controle, e desenvolvimento de produ- cendo os serviços terceirizados dos grupos produtivos incubados para a tos, abordando tecnologias de produção e marketing. As oficinas serão confecção e customização de roupas e escoamento da produção; organizadas separadamente em módulos, com carga horária variando en- D.4 Promover a organização de exposições, showrooms, eventos e feiras
  8. 8. ATIVIDADES DESENVOLVIDAS visando a divulgação e comercialização dos produtos produzidos pelos CORTE E COSTURA grupos; D.5 Disponibilização de serviços de recepção, secretaria, internet, fax, telefone, segurança e endereço comercial para os grupos produtivos a serem incubados.12 13 Além desses objetivos, o IDE ainda tem como meta: » Conseguir o terreno para o Polo 1, como já informado; ARTESANATO » Otimizar a captação de recursos através de patrocínio; » Promover a doação para a instituição através do Clique Esperança, método que consiste em, no momento da declaração do IR, escolher uma instiuição para aplicar recursos e deduzir a quantia do imposto de renda, podendo ser até 6% para pessoas físicas e 1% para pessoas jurídicas. LUTHIERIA http://www.cliqueesperanca.org/
  9. 9. MUSICALIZAÇÃO INCENTIVO À LEITURA14 15 DANÇA E ESPORTES APOIO PEDAGÓGICO TEATRO E PASSEIOS CULTURAIS ACESSO À TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO
  10. 10. FUNCIONÁRIOS Páginas 16 a 19 destinada aos16 17 funcionários, serão editadas posteriormente
  11. 11. 18 19
  12. 12. PARCEIROS APOIO » Secretaria de Assistência Social » Fundação Municipal de Esporte (Funesp) » Centro de Recuperação Abrigo Lar Lygia Hans » Igreja Batista Shekiná20 21 » Centro de Educação Infantil - CEINF do bairro Caioba 2 » Abrigo Peniel » Escola E. Theresa Noronha » Centro de Referência/Dom Antônio » ONG - ASAS DO FUTURO; » Centros de Educação Infantil - Dom Antonio » Ass. de AMIGOS DO BAIRRO DOM ANTONIO BARBOSA - ASAS do FUTURO » Maná do Céu para os Povos » Escola Municipal Antonio Lopes Lins - Bairro Caiobá 1 » Escola Estadual ARACI EUDOCIAK PATROCÍNIO » SESC - Camilo Boni » SHOP TOUR CAMPO GRANDE » Centros de Educação Infantil - Noroeste » Comunidade Terapeutica Antonio pio da Silva - Contaps » Ceinf - Ayd Camargo Cesar - Parque do Sol » Escola Estadual Professora Neyder Suelly C. Vieira » Escola Municipal Elízio Ramirez Vieira

×