Lista de exercicios da 1ª série com gabarito em agosto

63,626
-1

Published on

0 Comments
7 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
63,626
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
1,304
Comments
0
Likes
7
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Lista de exercicios da 1ª série com gabarito em agosto

  1. 1. COLÉGIO JESUS MARIA JOSÉ “Educando para a Vida” Rua F-28 Qd. 149 Lts. 1/23 St. Faiçalville IV CEP: 74.350-220 Fone: 3289-8260 / Fax: 3289-8889 www.colégiojesusmariajose.com.br LISTA DE EXERCÍCIOS DE FILOSOFIA – Os primeiros filósofos: O naturalismo pré-socrático 1- (RCE – 2013) O texto a seguir se refere à singularidade da filosofia como saber emergente na Grécia Clássica: O que é novo na filosofia grega, o que é acrescentado de novo a tudo isso, parece-me consistir não tanto na substituição dos mitos por algo mais “científico”, mas sim em uma nova atitude em relação aos mitos. Parece-me ser meramente uma consequência dessa nova atitude o fato de que seu caráter começa então a mudar. A nova atitude que tenho em mente é a atitude crítica. Em lugar de uma transmissão dogmática da doutrina (na qual todo interesse consiste em preservar a tradição autêntica) encontramos uma tradição crítica da doutrina. Algumas pessoas começam a fazer perguntas a respeito da doutrina, duvidam de sua veracidade, de sua verdade. (...) Em lugar da teoria tradicional, do mito, encontramos a tradição das teorias que criticam, que, em si mesmas, de início, pouco mais são do que mitos. É apenas no decorrer dessa discussão crítica que a observação é adotada como uma testemunha. Não pode ser por mero acidente que Anaximandro, discípulo de Tales, desenvolveu uma teoria que diverge explícita e conscientemente da de seu mestre, e que Anaxímenes, discípulo de Anaximandro, tenha divergido de modo igualmente consciente da doutrina de seu mestre. (POPPER, Karl. “O balde e o holofote” in Conhecimento objetivo. São Paulo: Itatiaia/Edusp, 1974). Do texto conclui-se que a) a filosofia nasce como ruptura em relação ao saber mítico, condição para o amadurecimento da reflexão racional. b) os chamados “pré-socráticos” não conseguiram separar-se da dimensão mítica, reconhecendo como princípio de todas as coisas um elemento sobrenatural. c) os filósofos naturalistas são assim chamados por buscarem na natureza um elemento que fosse a causa primeira ou última de todas as coisas. d) Parmênides é o pensador que afirma a mutabilidade essencial de todas as coisas, uma vez que o fogo é o princípio de todas as coisas, que se encontram em permanente luta. e) Heráclito é o filósofo que afirma a unidade e a identidade do ser, a permanência da essência. E o movimento é a dimensão da aparência, do não ser. 2- (RCE – 2013) Leia os fragmentos a seguir: Não faço outra coisa, em verdade, com este meu andar, senão persuadir a vós, jovens e velhos, que não deveis cuidar nem do corpo, nem das riquezas, nem de qualquer outra coisa antes e mais que da alma, para que ela se torne ótima e virtuosíssima, e que das riquezas não nasce virtude, mas da virtude nascem as riquezas e todas as outras coisas que são bens para os homens, tanto para os cidadãos individualmente como para o Estado. [...] Aluno(a):___________________________________________________ Série: 1ª EM Nº_______ Data:________________ Professor (a): Gleycilene Disciplina: Filosofia
  2. 2. “... Pois se, matando homens, pensais impedir que alguém mostre a vergonha de vosso viver errôneo, não pensais bem. Não, não é esse o modo de libertar-vos dessas pessoas, não é absolutamente possível, nem belo. Mas há outro modo, belíssimo e muito fácil: não cortar a palavra alheia, e sim, muito mais, trabalhar para ser sempre mais virtuoso e melhor". (PLATÃO. Apologia de Sócrates. São Paulo: Nova Cultural, 1996. p.81). A partir desse fragmento, a alternativa que melhor define o pensamento socrático-platônico é a que diz que a) A busca pela verdade é um empreendimento condenado à ilusão, uma vez que o permanente fluir constitui a essência das coisas. b) A verdade é relativa ao ponto de vista de cada olhar, o que dá origem a uma postura relativista. c) O bem maior da vida é a virtude, pois ela é a fonte de todas as riquezas da vida, especialmente as da esfera econômica, que possibilita o ócio filosófico. d) O exame da própria alma é a condição fundamental para chegar à virtude, que implica autodomínio, controle dos impulsos passionais. e) O foco central do pensamento socrático-platônico é a esfera moral, pois nela o homem encontra os valores ideias que movem a sociedade. 3 - Os filósofos anteriores a Sócrates são conhecidos como filósofos pré-socrático, pois bem, sabe-se que esses filósofos buscavam refletir sobre a busca pelo principio de todas as coisas, pois bem, esses filósofos também eram conhecidos como: a) Filósofos da Natureza. b) Filósofos Escolásticos. c) Filósofos Metafísicos. d) Filósofos Helenísticos. e) Filósofos da Natureza. 4 - Os pré-socráticos acreditavam que todo o universo foi criado por uma substância primordial que era denominada de: a) Apeiron. b) Arqué. c) Átomo. d) Éter. e) Doxa. 5 - (UEL- 2003) “Tales foi o iniciador da filosofia da physis, pois foi o primeiro a afirmar a existência de um princípio originário único, causa de todas as coisas que existem, sustentando que esse princípio é a água. Essa proposta é importantíssima... podendo com boa dose de razão ser qualificada como a primeira proposta filosófica daquilo que se costuma chamar civilização ocidental.” (REALE, Giovanni. História da filosofia: Antigüidade e Idade Média. São Paulo: Paulus, 1990. p. 29.). A filosofia surgiu na Grécia, no século VI a.C. Seus primeiros filósofos foram os chamados pré-socráticos. De acordo com o texto, assinale a alternativa que expressa o principal problema por eles investigado. a) A ética, enquanto investigação racional do agir humano. b) A estética, enquanto estudo sobre o belo na arte. c) A epistemologia, como avaliação dos procedimentos científicos. d) A cosmologia, como investigação acerca da origem e da ordem do mundo. e) A filosofia política, enquanto análise do Estado e sua legislação.
  3. 3. 6 - (UEA) Dentre os objetivos da Filosofia Pré-Socrática pode-se citar: a) A compreensão do discurso sobre o mundo, producido pela reflexão filosófica. b) A análise das ideias, desvinculadas do tempo e das sociedades nas quais surgiram. c) A procura de semelhanças entre o pensamento lógico e os dogmas religiosos. d) O acordo dos grandes filósofos sobre a explicação das origens do universo. e) O reconhecimento do caráter conservador do saber e da produção dos filósofos. 7 - O surgimento da filosofia entre os gregos está associado à passagem do pensamento mítico ao pensamento racional. A grande preocupação nesse momento era com questões relacionadas: a) à história. b) à felicidade humana. c) ao cosmo. d) à religião. e) à política. 8 - Com relação às características da Filosofia pré-socrática, qual das sentenças abaixo contem erros? a) Os elementos míticos começam a desaparecer dando lugar à racionalidade. b) Os pré-socráticos substituem o mito por uma explicação religiosa sobre o mundo. c) Surge uma recusa de explicações preestabelecidas. d) O mundo é considerado como regido por uma ordem cósmica. e) Os pré-socráticos estão empenhados em descobrir o princípio de todo que existe. 9 - Após termos estudado a filosofia pré-socrática podemos afirmar que: a) Surgiu como um discurso teórico, sem embasamento na realidade sensível, e em oposição aos mitos gregos. b) Retomou os temas da mitologia grega, mas de forma racional, formulando hipóteses lógicoargumentativas. c) Reafirmou a aspiração ateísta dos gregos, impedindo qualquer prova da existência de algum tipo de força divina. d) Desprezou os conhecimentos produzidos pelos filósofos naturalistas, graças à supremacia cultural dos gregos. 10 - Aristóteles chamou os primeiros pensadores de fisiólogos, pois eles se voltaram para a investigação da natureza a partir de princípios racionalmente justificados ou justificáveis. Analise as afirmativas abaixo sobre a investigação da natureza elaborada pelos pré-socráticos: I. Existe ordem na natureza, mas nós não podemos conhecê-la. II. Nenhum pré-socrático colocou conjuntamente os quatro elementos (terra, fogo, água e ar) como princípios de todas as coisas. III. Todos os pré-socráticos supõem como verdadeiro que nada provém do nada. IV. Tales, Anaximandro e Anaxímenes defendem que a natureza tem vários princípios. V. Para Parmênides o ser é e o nada não é. VI. Tales afirma que a água é o princípio de todas as coisas. Assinale a alternativa CORRETA: a) Somente as afirmativas III, V e VI são corretas. b) Somente as afirmativas I, III e IV são corretas. c) Somente as afirmativas II, III e IV são corretas. d) Somente as afirmativas III, IV e VI são corretas.
  4. 4. 11 - Leia sobre Heráclito e Parmênides e relacione as colunas. I - Heráclito II - Parmênides ( ) somente a mudança é real e a permanência é ilusória; ( ) somente a identidade e a permanência são reais e a mudança é ilusória; ( ) o devir, o fluxo dos contrários, é a aparência sensível, mera opinião que formamos porque confundimos a realidade com as nossas sensações, percepções e lembranças; ( ) a luta é a harmonia dos contrários, responsável pela ordem racional do universo; ( ) o mundo em que se vive não tem sentido, não pode ser conhecido, é uma aparência impensável e nos faz viver na ilusão. A sequência correta de cima para baixo encontra-se na alternativa: a) II, I, I, II e I; b) II, II, I, I e II; c) I, I, II, II e I; d) I, II, II, I e II; 12 - Relacione Physis e causalidade, busca pelo elemento primordial (arché), o logos e o cosmo. 13 - (UEL – 2007) “A filosofia grega parece começar com uma idéia absurda, com a proposição: a água é a origem e a matriz de todas as coisas. Será mesmo necessário deter-nos nela e levá-la a sério? Sim, e por três razões: em primeiro lugar, porque essa proposição enuncia algo sobre a origem das coisas; em segundo lugar, porque faz sem imagem e fabulação; e enfim, em terceiro lugar, porque nela, embora apenas em estado de crisálida, está contido o pensamento: ‘Tudo é um’. A razão citada em primeiro lugar deixa Tales ainda em comunidade com os religiosos e supersticiosos, a segunda o tira dessa sociedade e no-lo mostra como investigador da natureza, mas, em virtude da terceira, Tales se torna o primeiro filósofo grego”. Fonte: NIETZSCHE, F. Crítica Moderna. In: Os Pré- Socráticos. Tradução de Rubens Rodrigues Torres Filho. São Paulo: Nova Cultural, 1999. p. 43. Com base no texto e nos conhecimentos sobre Tales e o surgimento da filosofia, considere as afirmativas a seguir. I. Com a proposição sobre a água, Tales reduz a multiplicidade das coisas e fenômenos a um único princípio do qual todas as coisas e fenômenos derivam. II. A proposição de Tales sobre a água compreende a proposição ‘Tudo é um’. III. A segunda razão pela qual a proposição sobre a água merece ser levada a sério mostra o aspecto filosófico do pensamento de Tales. IV. O Pensamento de Tales gira em torno doproblema fundamental da origem da virtude. A alternativa que contém todas as afirmativas corretas é: a) I e II
  5. 5. b) II e III c) I e IV d) I, II e IV e) II, III e IV 14 - (UEM – Verão 2008) Os filósofos pré-socráticos tentaram explicar a diversidade e a transitoriedade das coisas do universo, reduzindo tudo a um ou mais princípios elementares, os quais seriam a verdadeira natureza ou ser de todas as coisas. Assinale o que for correto. I) Tales de Mileto, o primeiro filósofo segundo Aristóteles, teria afirmado “tudo é água”, indicando, assim, um princípio material elementar, fundamento de toda a realidade. II) Heráclito de Éfeso interessou-se pelo dinamismo do universo. Afirmou que nada permanece o mesmo, tudo muda; que a mudança é a passagem de um contrário ao outro e que a luta e a harmonia dos contrários são o que gera e mantém todas as coisas. III) Parmênides de Eléia afirmou que o ser não muda. Deduziu a imobilidade e a unidade do ser do princípio de que “o ser é” e “o não-ser não é”, elaborando uma primeira formulação dos princípios lógicos da identidade e da não-contradição. IV) As teorias dos filósofos pré-socráticos foram pouco significativas para o desenvolvimento da filosofia e da ciência, uma vez que os pré-socráticos sofreram influência do pensamento mítico, e de suas obras apenas restaram fragmentos e comentários de autores posteriores. V) Para Demócrito de Abdera, todo o cosmo se constitui de átomos, isto é, partículas indivisíveis e invisíveis que, movendo-se e agregando-se no vácuo, formam todas as coisas; geração e corrupção consistiriam, respectivamente, na agregação e na desagregação dos átomos. A alternativa que contém todas as afirmativas corretas é: a) I, III, IV e V b) somente a I c) II, III, IV e V d) I,II,III e IV e) todas as alternativas estão corretas. 1. 15 - “Tales foi o iniciador da filosofia da physis, pois foi o primeiro a afirmar a existência de um princípio originário único, causa de todas as coisas que existem, sustentando que esse princípio é a água. Essa proposta é importantíssima... podendo com boa dose de razão ser qualificada como a primeira proposta filosófica daquilo que se costuma chamar civilização ocidental.” (REALE, Giovanni. História da filosofia: Antigüidade e Idade Média. São Paulo: Paulus, 1990. p. 29.) A filosofia surgiu na Grécia, no século VI a.C. Seus primeiros filósofos foram os chamados pré-socráticos. De acordo com o texto, assinale a alternativa que expressa o principal problema por eles investigado.
  6. 6. a) A ética, enquanto investigação racional do agir humano. b) A estética, enquanto estudo sobre o belo na arte. c) A epistemologia, como avaliação dos procedimentos científicos. d) A cosmologia, como investigação acerca da origem e da ordem do mundo. e) A filosofia política, enquanto análise do Estado e sua legislação. 16 - “Entre os ‘físicos’ da Jônia, o caráter positivo invadiu de chofre a totalidade do ser. Nada existe que não seja natureza, physis. Os homens, a divindade, o mundo formam um universo unificado, homogêneo, todo ele no mesmo plano: são as partes ou os aspectos de uma só e mesma physis que põem em jogo, por toda parte, as mesmas forças, manifestam a mesma potência de vida. As vias pelas quais essa physis nasceu, diversificou-se e organizou-se são perfeitamente acessíveis à inteligência humana: a natureza não operou ‘no começo’ de maneira diferente de como o faz ainda, cada dia, quando o fogo seca uma vestimenta molhada ou quando, num crivo agitado pela mão, as partes mais grossas se isolam e se reúnem.” (VERNANT, Jean-Pierre. As origens do pensamento grego. Trad. de Ísis Borges B. da Fonseca. 12.ed. Rio de Janeiro: Difel, 2002. p.110.) Com base no texto, assinale a alternativa correta. a) Para explicar o que acontece no presente é preciso compreender como a natureza agia “no começo”, ou seja, no momento original. b) A explicação para os fenômenos naturais pressupõe a aceitação de elementos sobrenaturais. c) O nascimento, a diversidade e a organização dos seres naturais têm uma explicação natural e esta pode ser compreendida racionalmente. d) A razão é capaz de compreender parte dos fenômenos naturais, mas a explicação da totalidade dos mesmos está além da capacidade humana. e) A diversidade de fenômenos naturais pressupõe uma multiplicidade de explicações e nem todas estas explicações podem ser racionalmente compreendidas. 17 - “Mais que saber identificar a natureza das contribuições substantivas dos primeiros filósofos é fundamental perceber a guinada de atitude que representam. A proliferação de óticas que deixam de ser endossadas acriticamente, por força da tradição ou da ‘imposição religiosa’, é o que mais merece ser destacado entre as propriedades que definem a filosoficidade.” (OLIVA, Alberto; GUERREIRO, Mario. Présocráticos: a invenção da filosofia. Campinas: Papirus, 2000. p. 24.) Assinale a alternativa que apresenta a “guinada de atitude” que o texto afirma ter sido promovida pelos primeiros filósofos. a) A aceitação acrítica das explicações tradicionais relativas aos acontecimentos naturais. b) A discussão crítica das idéias e posições, que podem ser modificadas ou reformuladas. c) A busca por uma verdade única e inquestionável, que pudesse substituir a verdade imposta pela religião. d) A confiança na tradição e na “imposição religiosa” como fundamentos para o conhecimento. e) A desconfiança na capacidade da razão em virtude da “proliferação de óticas” conflitantes entre si.
  7. 7. 18 - (Uncisal 2012) O período pré-socrático é o ponto inicial das reflexões filosóficas. Suas discussões se prendem a Cosmologia, sendo a determinação da physis (princípio eterno e imutável que se encontra na origem da natureza e de suas transformações) ponto crucial de toda formulação filosófica. Em tal contexto, Leucipo e Demócrito afirmam ser a realidade percebida pelos sentidos ilusória. Eles defendem que os sentidos apenas capturam uma realidade superficial, mutável e transitória que acreditamos ser verdadeira. Mesmo que os sentidos apreendam “as mutações das coisas, no fundo, os elementos primordiais que constituem essa realidade jamais se alteram.” Assim, a realidade é uma coisa e o real outra. Para Leucipo e Demócrito a physis é composta a) pelas quatro raízes: o úmido, o seco, o quente e o frio. b) pela água. c) pelo fogo. d) pelo ilimitado. e) pelos átomos. 19 - (Ufsj 2012) Sobre o princípio básico da filosofia pré-socrática, é CORRETO afirmar que a) Tales de Mileto, ao buscar um princípio unificador de todos os seres, concluiu que a água era a substância primordial, a origem única de todas as coisas. b) Anaximandro, após observar sistematicamente o mundo natural, propôs que não apenas a água poderia ser considerada arché desse mundo em si e, por isso mesmo, incluiu mais um elemento: o fogo. c) Anaxímenes fez a união entre os pensamentos que o antecederam e concluiu que o princípio de todas as coisas não pode ser afirmado, já que tal princípio não está ao alcance dos sentidos. d) Heráclito de Éfeso afirmou o movimento e negou terminantemente a luta dos contrários como gênese e unidade do mundo, como o quis Catão, o antigo. 20 - (Uff 2010) Como uma onda Nada do que foi será/ De novo do jeito que já foi um dia/ Tudo passa/ Tudo sempre passará A vida vem em ondas/ Como um mar/ Num indo e vindo infinito Tudo que se vê não é/ Igual ao que a gente/ Viu há um segundo/ Tudo muda o tempo todo/ No mundo Não adianta fugir/ Nem mentir/ Pra si mesmo agora/ Há tanta vida lá fora/ Aqui dentro sempre/ Como uma onda no mar/ Como uma onda no mar/ Como uma onda no mar/ Lulu Santos e Nelson Motta A letra dessa canção de Lulu Santos lembra ideias do filósofo grego Heráclito, que viveu no século VI a.C. e que usava uma linguagem poética para exprimir seu pensamento. Ele é o autor de uma frase famosa: “Não se entra duas vezes no mesmo rio”. Dentre as sentenças de Heráclito a seguir citadas, marque aquela em que o sentido da canção de Lulu Santos mais se aproxima a) Morte é tudo que vemos despertos, e tudo que vemos dormindo é sono. b) O homem tolo gosta de se empolgar a cada palavra. c) Ao se entrar num mesmo rio, as águas que fluem são outras. d) Muita instrução não ensina a ter inteligência. e) O povo deve lutar pela lei como defende as muralhas da sua cidade.

×