Your SlideShare is downloading. ×
Alma gêmea
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Alma gêmea

6,532
views

Published on


0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
6,532
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
7
Actions
Shares
0
Downloads
40
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Alma GêmeaSinopse: Duas almas que se amaram por séculos se encontram e têm umanova chance. Mas um acidente os afasta e depois de anos separados, se encontram novamente para viver esse amor. Descobrindo quesuas almas se procuraram por séculos, mas nunca foram capazes de ficarem juntas. Será que o destino permitirá que concretizem esse amor? Jacob e Renesmee - Realidade alternativa Categorias: Saga Crepúsculo Personagens: Gêneros: Romance Avisos: Sexo Desafios: Séries:Capítulos: Terminada: Sim Palavras: 92675 Leitores: Publicada: Atualizada:Notas da História:Todos os personagens são da escritora Stephenie Meyer1. PRÓLOGO escrita por GLAUCIABLACK2. MORTE escrita por GLAUCIABLACK3. ESTRANHO escrita por GLAUCIABLACK4. BÔNUS – SOFRENDO – PVO NESSIE escrita porGLAUCIABLACK5. INDIGENA escrita por GLAUCIABLACK6. PARTIDA escrita por GLAUCIABLACK7. TRANSFORMAÇÃO escrita por GLAUCIABLACK8. MISTICA escrita por GLAUCIABLACK9. LOBOS escrita por GLAUCIABLACK10. PASSADO escrita por GLAUCIABLACK11. PRIMEIRAS LEMBRANÇAS escrita por GLAUCIABLACK
  • 2. 12. PROCURANDO NESSIE – PARTE 1 escrita por GLAUCIABLACK13. PROCURANDO NESSIE – PARTE 2 escrita por GLAUCIABLACK14. JAKE E JACK escrita por GLAUCIABLACK15. MENSAGENS escrita por GLAUCIABLACK16. VAMOS MARCAR UM ENCONTRO? escrita por GLAUCIABLACK17. DESILUSÃO escrita por GLAUCIABLACK18. ACIDENTE escrita por GLAUCIABLACK19. BONUS - JACK BLACK escrita por GLAUCIABLACK20. É VOCÊ? escrita por GLAUCIABLACK21. BEIJOS escrita por GLAUCIABLACK22. EXPLICAÇÕES escrita por GLAUCIABLACK23. SACRIFÍCIOS escrita por GLAUCIABLACK24. RECUPERAÇÃO escrita por GLAUCIABLACK25. A PRIMEIRA VEZ escrita por GLAUCIABLACK26. CONFLITOS escrita por GLAUCIABLACK27. EM BUSCA DE PRAZER escrita por GLAUCIABLACK28. GRAVIDEZ escrita por GLAUCIABLACK29. ABORTO escrita por GLAUCIABLACK30. CURA - PARTE 1 escrita por GLAUCIABLACK31. CURA - PARTE 2 escrita por GLAUCIABLACK32. ENCARNAÇÃO escrita por GLAUCIABLACK33. TENTADORAMENTE DELICIOSA escrita por GLAUCIABLACK34. REAÇÕES escrita por GLAUCIABLACK35. MUTAÇÃO escrita por GLAUCIABLACK
  • 3. 36. LOBA BRANCA escrita por GLAUCIABLACK37. DECISÃO escrita por GLAUCIABLACK38. CASA NOVA escrita por GLAUCIABLACK39. ASSIM VOCÊ COLOCA FOGO NA CASA escrita porGLAUCIABLACK40. LOBOS E CONFLITOS escrita por GLAUCIABLACK41. LOBO VERMELHO E LOBA BRANCA escrita por GLAUCIABLACK42. LOBO VERMELHO E LOBA BRANCA - CONTINUAÇÃO escritapor GLAUCIABLACK43. INVASOR escrita por GLAUCIABLACK44. SURPRESA escrita por GLAUCIABLACK45. SEPARAÇÃO - PARTE 1 escrita por GLAUCIABLACK46. SEPARAÇÃO - PARTE 2 escrita por GLAUCIABLACK47. RECONCILIAÇÃO PARTE 1 escrita por GLAUCIABLACK48. RECONCILIAÇÃO – PARTE 2 escrita por GLAUCIABLACK49. PVO Especial Ness – ATAQUE escrita por GLAUCIABLACK50. PVO Especial Bella - PERDAS escrita por GLAUCIABLACK51. PENULTIMO CAPITULO - UMA VEZ MAIS escrita porGLAUCIABLACK52. CAPÍTULO FINAL - ALMA GÊMEA escrita por GLAUCIABLACK
  • 4. PRÓLOGO escrita por GLAUCIABLACKJAKEXNESS – ALMA GÊMEADuas almas que se amaram por séculos se encontram e têm umanova chance. Mas um acidente os afasta e depois de anos separados,se encontram novamente para viver esse amor. Descobrindo quesuas almas se procuraram por séculos, mas nunca foram capazes deficarem juntas. Será que o destino permitirá que concretizem esseamor?PRÓLOGOVocê acredita em Alma gêmea¿ Em amor a primeira vista¿ Eimpressão¿Eu também não acreditava até encontrar a mulher da minha vida.Eu tive o lance da impressão quando ela ainda era um bebê. E soubeque a amaria para sempre desde aquele dia. Contudo o destino nosseparou e passei anos sem memórias, em busca de uma únicalembrança: uma criança.Quando a encontrei, descobri que o que nos ligava não era apenas aforça da impressão. Mas um amor que lutou por séculos a procura depaz e felicidade. E que tentou de todas as maneiras uma forma desobreviver em outras vidas. Todavia o destino é cruel e a minhaamada não pode ser minha por muito tempo, pois está com os diascontados e logo morrerá.Apesar de lutar com todas as forças, para encontrar uma forma deprolongar sua vida, não há nada que eu possa fazer. E terei queesperar mais uma chance para tê-la novamente em outra vida.Mas enquanto seu o coração bater, a amarei da todas as formas ecom toda a força que existe em meu ser. Voltar para o índice
  • 5. MORTE escrita por GLAUCIABLACKOi meus amores!!Estou aqui novamente começando mais uma novelinha.Aproveitei os dias de folga, como autora, para ler algumas ficse me deliciar com as tramas que vocês escrevem.Comei a ler duas tramas super interessantes essa semana evou deixar a dica para quem ainda não leu:PS EU TE AMO – SEGUNDA TEMPORADA – Team Jacob. – Essaé uma fic muito boa e estou começando a me viciar nela. Epara quem ainda não conhece, vale apena ler.Head Over Feet- Sethness – Agatha Menezes. – Essa é umafic totalmente diferente do que estamos acostumadas a ler.Pois fala do amor de Seth pela Nessie. E confesso que no iniciofiquei com o pé atrás, porque amor o meu Jake e não oimagino sem a Nessie. Mas a Agatha escrevermaravilhosamente bem e me deixou apaixonada pelo Seth. Etenho que dizer que cheguei a trair o nosso amorzinho. Entãovale muito apena ler essa trama, que foi recomendada paramim pela minha amiga Henri.Também estou postando uma trama original chamada Italianoe se alguém quiser ler uma trama que não tenha haver comCrepúsculo, dá uma passada no meu perfil.Se alguém quiser me enviar dicas de leituras, ficarei bemagradecida.Bem, vamos ao que nos interessa!!!Essa trama será contada pelo Jake, pois é bem complicadoescrever dois PVOs. Mas com na primeira fase ele estará semmemória, então abri a fic com o PVO da Nessie para vocêsentenderem o que aconteceu.Realmente esperam que gostem de mais uma linda novelinhade amor.Estou escutando música clássica para compor essa novatrama. E por isso aceito sugestão de músicas bem românticas,que falem de encontros e desencontros.MORTE – PVO NESSIEJacob era o melhor amigo da minha mãe e por tabela meu também. E
  • 6. estranhamente havia uma relação tão intensa de amizade entre osdois, mesmo sendo vampiro e lobo inimigos mortais, que chegava aficar com ciúmes dele.Era muito estranho ver como os dois se entendiam, mesmo semprecisar dizer palavras, e pareciam saber o que o outro estavapensando. E isso deixava meu pai com certo ciúme dele, mas nadaque pudesse abalar o casamento perfeito deles.Desde que nasci, Jake sempre esteve presente em minha vida e setornou meu irmão e o meu melhor amigo. Entretanto os anospassaram rápidos e apesar de só ter quatro anos, já aparentava unsdez. E a cada dia, sentia algo diferente por ele e de alguma formasabia que um dia seria meu.Sempre me policiava para meu pai não ouvir os meus pensamentos,pois sabia que ficaria aborrecido se percebesse que olhava Jake comoutros olhos. Então procurava não pensar muito em como ele eralindo, como adorava o seu cheiro de amêndoa, amava o seu sorriso,ficava perdida com o seu olhar carinhoso e sentia coisas estranhasquando aquele gigante musculoso me tocava. Entretanto sabia queem poucos anos seria adulta o suficiente e poderia me declarar paraele, e os beijos que tanto desejava seriam reais e perfeitos para mim.Como crescia muito rápido, não possuía amigos e não freqüentava aescola. Então Jake e seus irmãos Quileuts, exceto Leah, Sam, Jared ePaul, eram os únicos amigos que tinha. E com eles saia e me divertia.Mas no fundo do meu coração sabia que ele significava muito maispara mim, apesar de não entender a profundidade dos sentimentosque nutria por ele.Aquele dia eu estava super feliz, porque meu Jake ligou dizendo queestaria de folga e que me levaria para passear. Então fiquei supereufórica com a possibilidade de passar um dia inteiro com meu amor.E principalmente por me permitir me perder em meus devaneios,sem a presença de meu pai para controlar os meus pensamentos.- Nesse, minha princesa – Jake disse do outro lado da linha.- Oi, lindo! A que devo a honra da sua ligação tão cedo? - Pergunteisorrindo e andando de um lado para o outro, super entusiasmada emfalar com meu Jake aquela hora da manhã.Ai! É tão bom ouvir a sua voz logo cedo.Se você soubesse como amo tudo em você... Como amo a sua voz...Como amo você.- Como eu fiz hora-extra no domingo, o Sr Barney me deu folga hoje.
  • 7. Então gostaria de levar você para passear e fazer algo diferente. Sequiser!! É claro. - Ele disse com a voz rouca e tive a impressão queacabara de acordar.– Mas é claro que quero passear com você. Não sei nem por queestá perguntando isso, pois sabe muito bem que amo ficar com você.– Respondi saltitando como uma perereca no quarto, de tantafelicidade que sentia por ter um dia inteira com o meu lobinho.Vou passar o dia inteiro com o meu lobinho!!Isso é mais do que maravilhoso!!Vou explodir de tanta felicidade.- O quê você quer fazer hoje? Vou deixar tudo por sua conta. – Eledisse rindo.- Gostaria de passear de barco. E pelo que me lembro um dia meprometeu um passeio desses. - Disse para ele, correndo par obanheiro enquanto tirava as roupas rapidamente para tomar banho.Como estou ansiosa por esse passeio.Não vejo a hora de ficar sozinha com você... de olhar esse rosto tãolindo.Gostaria tanto de crescer mais rápido!!Por que está demorando tanto para me tornar adulta?Queria tanto ser grande o suficiente para me declarar para você.Mas se fizer isso agora...Provavelmente vai me achar uma criança deslumbrada e se afastaráde mim.Se pudesse fazer o tempo passar rápido.- OK! Você é quem manda, senhorita Cullen! Tenho um amigo no caise vou pedir um pequeno barco emprestado por algumas horas. A quehoras quer que eu te busque? - Ele perguntou.- Agora mesmo. – Respondi, atirando a minha camisola e a minhacalcinha no cesto de roupas sujas.Claro que quero você aqui agora!!Nesse momento!!Nesse minuto!!!Sinto tanta saudade quando está longe de mim.- Não está muito cedo? - Ele perguntou.- É claro que não!! Quanto mais cedo sairmos, mais aproveitaremos onosso dia. Então trate de vir logo. – Ordenei.Cedo?
  • 8. Já está muito tarde!!- OK, princesa! Você é quem manda. Se arruma que em 20 minutospasso para te pegar. – Ele me respondeu.- Então ta! Um beijo. Disse sorrindo.Um beijo bem gostoso nessa boca linda.Ai!!! Se meu pai ouvir isso!! Ele me mata!!Calma, Nessie!!! Esvazie os seus pensamentos!!Foco!!! Não deixe Edward Cullen saber o que pensa, se não estaráferrada.- Outro para você. Tchau! – Disse e desligou o telefone.Jake passou para me buscar em meia hora e já estava ficandoemburrada com a sua demora. Mas quando chegou, abriu aquelesorriso maravilhoso e depois me abraçou, fiquei completamenteperdida e esqueci o porquê daquele aborrecimento.Meu pai implicou um pouco com a idéia de sairmos de barco. Masapesar dos seus argumentos, foi totalmente convencido por umaadorável mãe, que possui um poder de persuasão tremendo sobreele. E nós tivemos a sua permissão para sairmos e passarmos o diainteiro fora de casa.- Está feliz? - Ele me perguntou ao entrarmos no carro. E passou amão em meus cabelos, acariciando-os levemente.- Muito. – Respondi para ele, tentando controlar a minha respiração.Você nem imagina como fico feliz ao seu lado.Se eu dissesse para você o que sinto, acharia que sou louca.Sou tão criança, mas as coisas que sinto são tão estranhas.- Então teremos um dia maravilhoso. – Disse sorrindo para mim emais uma vez me senti estranha com a forma que me olhava. Eapesar de não haver nenhum romantismo em seu olhar ou em seusgestos, sentia meu coração bater mais rápido e ficava um pouconervosa. E as coisas estavam piorando a cada dia.- Todos os dias ao seu lado são maravilhosos, Jake. – Disse sorrindopara ele.
  • 9. Você é maravilhoso e ficar ao seu lado me faz imensamente feliz.Ele dirigiu até o cais de La Push e andamos até um pequeno barco,que mais parecia uma canoa. E fiquei parada observando enquantoconversava com um amigo.Depois de um tempo, veio até mim e pegou a minha mão para meconduzir ao pequeno barco.Entramos no barco e ele começou a remar rapidamente, enquantoobservava o movimento perfeito dos seus músculos. E logoestávamos distantes do cais.O Sol estava perfeito, o céu estava azul e havia uma leve brisa no arnaquela manhã. E depois que chegamos a certa distância, ele paroude remar e pulou na água para nadar um pouco. Mais eu estava semgraça de ficar de biquíni em sua frente e preferi não nadar.Jake parecia muito feliz e depois de algum tempo, voltou para obarco e pediu que nadasse um pouco. Então percebi que era umaboba por ter vergonha dele e tirei o meu vestido e pulei na água.Aquela manhã parecia perfeita, contudo as horas foram passando eJake parecia um pouco preocupado. Então pediu que voltasse para obarco e até estranhei a sua atitude.- Nessie, por favor volte para o barco. – Ele pediu.- Por quê? Está tão bom aqui. – Respondi para ele.- Estou sentindo que uma tempestade está se aproximando. Entãoprecisamos ir embora. – Ele disse e assim que entrei no barco e olheipara o céu, vi as nuvens pesadas e de repente alguns raioscomeçaram a se formar no céu.- Jake! Como o tempo mudou tão rápido? - Perguntei assustada.- Não sei. Mas vamos voltar agora, pois as ondas estão começando ase agitar. – Ele me respondeu.Ele começou a remar e de repente as ondas começaram a ficargigantescas, então comecei a sentir medo da forma como o barcobalançava.- Jake! Estou com medo!! – Gritei para ele, da outra ponta do barco.- Nessie, meu bem. Deita no barco e fica bem tranqüila. Eu vou tirarvocê daqui. – Ele disse para mim, ainda tentando remar.
  • 10. - Jake! Não consigo me segurar!! Estou com medo!! Vem para pertode mim!! – Eu gritava e chorava.- Não faz assim, minha criança!! Vou até ai. Ele tentou puxar osremos para o barco, enquanto se equilibrava de pé. Mas de repentese desequilibrou e caiu na água, batendo a cabeça no barco.- JAKE!! JAKE!!! JAKEE!!! NÃOOOOO!! JAKEEEEEE!!!! AIIIIIIII!!! JAKE!!!- JAKE!! JAKE!!! JAKEE!!! - JAKE!! JAKE!!! JAKEE!!! - JAKE!! JAKE!!!JAKEE!!! - JAKE!! JAKE!!! JAKEE!!!- JAKE!! JAKE!!! JAKEE!!! - JAKE!! JAKE!!! JAKEE!!!- JAKE!! JAKE!!! JAKEE!!! - JAKE!! JAKE!!! JAKEE!!! - JAKE!! JAKE!!!JAKEE!!!- JAKE!! JAKE!!! JAKEE!!!Comecei a gritar desesperada, enquanto as lágrimas caiam pelo meurosto e não sabia o que fazer no meio daquela tempestade sem omeu Jake.Deitei no barco e fiquei totalmente imóvel, chorando e gritando onome do meu amor e prometido, que sumira no meio daquele montede águas turbulentas.Jake, meu amor!Como viverei sem você?Você e o ar que respiro...É o sol que aquece a minha vida...É a minha noite estrelada...É o meu sorriso...É o meu sonho mais bonito...O motivo para eu acordar todos os dias...É tudo para mim...Jake!!Onde você está?Volta para mim!!!VOLTA!!Estou com tanto medo de não vê-lo nunca mais!!Você é a minha razão de viver!!!Como sonhei com o dia que diria para você o quanto te amo.Você não pode me deixar agora!!Por favor, volta para mim!!VOLTA!!!JAKEEEEEEEEEEE!!!JAKKKKKKKEEEEEE!!EU AMO VOCÊ!!
  • 11. EU NÃO VIVO SEM VOCÊ!!!JAKEEEEEE!!Eu me perdi em meus devaneios e acabei adormecendo por algumashoras. Mas quando acordei, estava perdida no meio do mar e nãohavia nem sinal do meu Jake. Então só chorava e desejava que amorte me levasse junto com ele. Entretanto fui encontrada pelo meupai e meus tios, que pareciam desesperados com o nosso sumiço.Eles me levaram para casa e adoeci de tanta saudade que sentia domeu Jake. Mas depois de dois meses de busca realizadas pela minhafamília e pelos Quileuts, ele foi dado como morto e a minha vida nãotinha mais nenhum sentido naquele momento. Voltar para o índice
  • 12. ESTRANHO escrita por GLAUCIABLACKESTRANHOAcordei em uma praia com uma sensação estranha, com minhacabeça girando e tudo estava embaraçado. Sentia minha cabeça emeu corpo doerem e não entendia onde estava, e o que haviaacontecido.Tentei me levantar e senti uma leve fisgada em minha perna. E nessemomento que um senhor se aproximou de mim e começou aconversar.- Olá! Você está bem¿ O que aconteceu¿ - O velho homem perguntoue estranhei o sotaque diferente.- Eu...Eu... – Tentei falar, mas a minha garganta doía e sentia minhaboca muito seca.- Ajudarei você a se levantar. – Ele disse tentando me ajudar a ficarde pé.- Não sei o que aconteceu. – Disse olhando para ele.- Qual é o seu nome¿ - Perguntou.- Meu nome¿ - Parei por um momento e tentei me lembrar de quemeu era, mas não conseguia me lembrar de nada.- Você não sabe quem é e o que aconteceu. Bem, acho que perdeu amemória. – O senhor falou olhando para mim, que já estava de pé.- Acho que sim. – Respondi fazendo uma careta.- Você precisa de roupas novas, água, um banho e um pouco decomida. Venha comigo! – Ele ordenou, apontando em direção a suacasa.- O senhor mora aqui nessa cabana¿- Perguntei, olhando para a velhacasa de madeira.- Sim. Moro com o meu filho, mas ele trabalha em outra cidade e sóvem para casa nos fins de semana.- Vamos logo! Você está péssimo. - Ele disse, andando em direção asua casa.
  • 13. Nós entramos na velha cabana e ele me apontou o banheiro, paraque tomasse um banho.Entrei no banheiro, tirei as roupas esfarrapadas, abri o chuveiro eentrei na água gelada. Então fiquei por alguns minutos em baixo daágua, com meus olhos fechados e esforçando-me para lembrar o quehavia acontecido, mas a minha memória estava péssima e não vinhanada em minha mente.Depois de alguns minutos, o senhor bateu na porta e trouxe toalha eroupas limpas para mim. E depois que me enxuguei, fui para apequena sala e me sentei em um velho sofá.- Espero que goste da comida. - Ele disse após me passar um pratobem cheio de comida.- É claro! Ela está muito cheirosa. – Disse para parecer educado.Comi a comida com muita vontade, pois estava faminto e bebi muitaágua para matar a minha sede.Estava tão cansado e tão dolorido que precisava dormir um pouco. Eo senhor percebendo o meu estado, levou-me para o quarto do seufilho e disse que poderia dormir um pouco. Então deitei em umapequena cama, que deixava parte das minhas pernas para fora, esimplesmente apaguei.- Surya!! Você não pode ir até lá!! - Gritei com ela.- Jairo, pare com isso!! Não me amedrontarei porque Saulo de Tarsoestá perseguindo os cristãos!- Irei ter com os nossos irmãos e orar para o nosso Senhor Jesus –Ela disse enfática para mim.- Você sabe muito bem que as perseguições contra os cristãosaumentaram depois que designaram Saulo de Tarso para ser o nossocarrasco. Então não vá para essa reunião. Por favor. – Pedi para ela.- Você está traindo o nosso Salvador!! Não podemos nos amedrontarpor que ele estará conosco. – Ela disse, já saindo de casa.- Surya!! Surya!! Corri atrás dela e fui obrigado a acompanhá-la até areunião de oração pelo nosso Senhor.Nós estávamos reunidos com os nossos irmãos e durante o culto deadoração, os soldados invadiram a casa.Eles começaram a matar todos os que estavam naquele culto. Entãopuxei minha Surya e tentamos fugir, mas foi em vão.- Parados ai!!! - O soldado gritou conosco.Nós paramos e ficamos olhando assustados um para o outro. Então osoldado a puxou pelo braço e em um só golpe, a feriu com a suaespada.
  • 14. Vi a minha esposa cair sangrando no chão e fiquei desesperado.- Surya!! Surya!! Fica comigo!! Fica!! – Implorava que não morresse,mas não tive tempo para amargar a minha dor. Pois enquantolamentava pela minha esposa, senti o golpe da espada em minhascostas e a dor foi insuportável.Naquele momento, tive a certeza que tudo estava acabado. Masantes de morrer, tinha que dizer as minhas últimas palavras para amulher que amava.-Surya! Prometo que sempre a amarei e se existir outra vida alémdessa, encontrarei a novamente.- Sempre amarei você!! Sempre!!Eu acordei assustado e ofegante, então percebi que as lágrimascorriam pelo meu rosto.Senti uma dor tão grande, que parecia que realmente havia perdido aminha esposa.Fechei os olhos novamente e quando abri, vi o rosto de uma lindacriança que aparentava os seus dez anos.Fiquei por algumas horas pensando naquele estranho sonho. Masapesar de tentar memorizar cada detalhe, o rosto da criança não saiada minha cabeça e me deixava ainda mais intrigado. Voltar para o índice
  • 15. BÔNUS – SOFRENDO – PVO NESSIE escrita por GLAUCIABLACKBÔNUS – SOFRENDO – PVO NESSIEHoje faz três meses que Jake morreu e a minha vida perdeucompletamente o sentido. E apesar de ainda ser uma criança, sei quenunca amarei ninguém da forma como o amei.Minha família resolveu se mudar de Forks, porque as lembranças deJake naquele lugar eram muito fortes para mim. Então fomos passarum tempo no Alasca, mas não me acostumei com o clima de lá e nosmudamos novamente para Toronto, no Canadá.Antes de partirmos, Seth foi me visitar e me contou que os lobos nãoperderam as esperanças de encontrar o meu Jake vivo. E isso medeixava inda pior, pois mesmo que remota a possibilidade dele nãoter morrido, fazia aumentar uma esperança em meu coração. Eapesar de desejar reencontrá-lo, sabia que tudo aquilo era fruto dodesespero que sentia por tanta saudade. Mas também não entendiacomo os lobos suportavam a dor e isso era o que deixava ainda maisintrigada. Então Seth me disse que eles sentiam que Jake estavavivo, apesar de não conseguirem se comunicar com ele.Hoje passo os meus dias e as minhas noites em minha cama, mas aslágrimas já não caem mais. Contudo existe um buraco tão grande emmeu peito, que às vezes penso que logo morrerei com a dor que elecausa.Meu pai e o meu avô ficam o tempo inteiro verificando a minhatemperatura. E semanalmente tiram meu sangue para fazer exames,mas ninguém me conta o que está acontecendo. Mas não estoupreocupada com a minha saúde, pois a minha vida acabou no dia emque perdi o meu amor.Todas as noites sonho com o meu Jake e apesar de saber que estámorto, uma parte de mim diz que um dia ainda o encontrei. Entãoestou ficando seriamente preocupada com a minha sanidade, poisnão é normal achar que vai encontrar uma pessoa que já morreu. Emesmo assim ficaria feliz se o seu fantasma aparecesse para mim, ejá cheguei até pedir para que isso acontecesse.Minha mãe e minhas tias até tentam me animar. Mas não dou amenor bola para elas, pois a única coisa que faço de interessante énavegar na internet. E mesmo assim, só procuro assuntosrelacionados com fantasmas e espíritos para ver se algo me dá umapista de como rever o meu Jake.
  • 16. Essa vida é muito injusta e não sei realmente para que vim até essemundo. E levanto em consideração que sou uma aberração, que soufilha de vampiros, moro em uma casa cheia de vampiros, meusúnicos amigos são lobos e o amor da minha vida ainda tem quemorrer tão precocemente, eu tenho muitos motivos para ser infeliz eamarga. Mas apesar do meu sofrimento e da minha dor continuoviva. Entretanto o meu maior desejo era de ter morrido junto com omeu Jake naquele dia. Só que a vida continuou para mim e agoratenho que aprender a viver cada dia miserável com as lembranças eos sonhos que tenho com o meu amor.Hoje acordei sentindo-me mais fraca do que o normal e com umafebre estranha que vai e volta de repente. Então estou na minhacama, escrevendo em meu diário e torcendo para que meus pais nãovenham me ver, pois não quero dá mais um motivo para sepreocuparem.Sinceramente fico com pena da minha mãe, que já tem sofrido tantonesses três meses e ainda tem que agüentar o ciúme do meu pai.Pois ele não entende a dor que ela sente pela morte do seu melhoramigo e quase irmão. Então tenho tentado ser boazinha para ela,mas é tão difícil esconder o tamanho da minha dor, quando a minhaúnica vontade é de morrer.- Pobre mãezinha!!! Queria tanto te poupar de mais esse sofrimento.- Será que algum dia serei feliz¿- Será que conseguirei viver com essa dor que me mata aos poucos acada dia¿- É tão difícil acordar depois de mais um sonho com ele, mas continuoviva e é isso que acaba comigo.- Por que não morri junto com você¿- Por que tinha que pedir para andar de barco¿- Sinto tanto a sua falta!!!- É tão difícil saber que nunca mais olharei esses olhos negros, quenão verei esse sorriso que tanto amei. E que nunca mais sentirei oabraço apertado que me dava sempre que me via.- Como vou viver sem você¿- Como consigo respirar sabendo que não o terei nunca¿- Sinto saudade até dos beijos que nunca tive!- Por que não me levou junto com você¿- Acho que estou ficando louca! Voltar para o índice
  • 17. INDIGENA escrita por GLAUCIABLACKPessoal, digam o que estão achando até aqui.Sei que ainda estão confusas, mas a cada cap a trama ficará maisclara para vocês.bjnINDIGENA- Como você está se sentindo hoje¿ - O velho senhor perguntouquando entrei na sala.- Bem, mas ainda não me lembro de nada. – Respondi.- E o que pretende fazer¿ - Ele perguntou.- Ainda não sei. – Respondi, caminhando em direção a mesa queestava posta.- A propósito, qual o seu nome¿ Perguntei.- Victor. – Ele respondeu.- Por que está me ajudando, Sr Victor¿ - Perguntei.- Como te falei antes, tenho um filho quase com a sua idade. Egostaria que fizessem por ele o que estou fazendo por você.- Fico feliz por contar com a sua ajuda. – Disse e depois peguei umpedaço de pão.Tomamos café e Victor me contou sofre a sua vida, sua esposafalecida e o seu maior orgulho, que era o seu filho. E depois de umabreve conversa sobre a sua vida, ele pegou um mapa e colocou naminha frente. Ai começou a falar sobre as suas teorias.- Estamos aqui em Price Rupert, no noroeste do Canadá. E houveuma grande tempestade há três dias, com ondas, ventos vindos doSul. Então acho que você veio de algum lugar dos Estados Unidos,por causa do seu sotaque e pela sua tatuagem indígena.- Indígena¿ Você acha que eu vim de alguma tribo indígena¿- Sim. Nessa região dos Estados Unidos havia muitas tribos, mas amaioria foi destruída por guerras e pelos novos tempos. Mas acreditoque alguns dos descendentes ainda ocupam uma parte das terras. E
  • 18. a sua tatuagem é uma prova que você veio de lá. Então acho quedeve partir em direção ao sul.- Então acha que deve seguir pela costa, em direção ao sul¿- É o mais obvio, visto que não se lembra de onde veio.- Então é isso que farei.- Fica mais uns dias, até está forte novamente e depois siga para osul. – O velho Senhor disse para mim, levantando-se da cadeira edirigindo-se para a parta de saída da casa.Eu fiquei com o mapa na mão, olhando os lugares por onde deveriapassar e imaginando se havia alguém a minha espera. Mas de umacoisa eu tinha certeza, que precisava encontrar aquela criançacustasse o que custasse.Levantei da cadeira, lavei a louça e arrumei a cozinha pensando nosonho que tivera. Mas sabia que aquilo não fazia o menor sentido enão entendia onde a criança se encaixava naquele sonho tãoestranho.Mais dois dias se passaram e continuava a ter sonhos estranhos, e aver o rosto da linda menina.Sofia!! Sofia!!- Temos que fugir. – Disse nervoso para ela.- O que está acontecendo, Miguel¿ O castelo está sendo invadido e osplebeu estão muito revoltados.- Como conseguiremos sair daqui sem sermos visto¿ - Ela perguntouassustada.- Tem uma passagem secreta, que dá na floresta. E nós sairemos porela e de lá correremos para o mais longe possível. – Disse abraçandoa minha doce Sofia.Nós corremos pelo castelo e fomos até a passagem secreta. Masquando chegamos lá, a passagem estava lacrada e comecei a ficardesesperado, pois temia pela vida da minha amada Sofia.- Miguel!! O que faremos agora¿ - Sofia perguntou chorando muito,abraçada ao meu peito.- Eu lutarei por você e a tirarei daqui. Isso eu te prometo. – Dissepara ela, apertando o seu corpo contra do meu.
  • 19. Estava tão apavorado com a possibilidade de alguém fazer mal aminha pequena, mas precisava ser corajoso e lugar por nossasobrevivência. Então segurei forte a sua mão e corremos em direçãoa ala dos criados. Mas quando chegamos lá, o local estava totalmentetomado pelos invasores. E naquele momento só me restava lutar.Sofia ficou encolhida em um canto, enquanto eu lutava bravamentecom a minha espada. Mas em certo momento, ouvi o seu grito eperdi a minha concentração. E foi ai que senti o aço da espada do meofensor invadindo o meu corpo, então cai e a última visão que tive foida minha Sofia chorando e gritando.- MIGUEL!! MIGUEL!!!- AMO VOCÊ!!! – Ela gritava.- Eu prometo que se houver uma outra vida, eu o encontrarei!!- Amo você – Ela sussurrou.- NÃO!!! NÃO!!! SOFIA!! SOFIA!!! NESSIE! NESSIE!! NESS!! Acordeigritando, com meu corpo todo tremendo e as lágrimas escorrendopelo meu rosto, enquanto via o rosto da linda menina chorando echamando por mim. Então tive a certeza que a minha missão nessemundo seria encontrá-la. Voltar para o índice
  • 20. PARTIDA escrita por GLAUCIABLACKPARTIDAFiquei mais dois dias em Price Rupert e parti em direção ao sul com aesperança de encontrar a minha história de vida e ver a menina quepovoava a minha mente.- Vai com Deus, meu filho. – Disse o velho senhor que me acolheutão carinhosamente, como se eu fosse realmente o seu filho. E napartida ainda me deu dinheiro, roupas e comida para a viagem.- Muito obrigada por tudo, Victor.- Saiba que nunca esquecerei o que fez por mim. – Disse apertandoa sua mão e depois deu um abraço fraternal naquele bondoso senhor.Comecei a minha viagem pela costa e na primeira semana passei porduas cidades. Mas como o tempo estava muito chuvoso naquelesdias, fui obrigado e encontrar um pouso uma semana depois.Cheguei a uma pequena vila de pescadores, onde contei a minhahistória para um homem chamado Robert, que me acolhei em suacasa e me ofereceu emprego nos dias que ficasse na cidade.A família dele foi bem acolhedora e as suas filhas se encantaram pormim no primeiro momento. Mas a minha cabeça continuava longe edistante a realidade, presas aos sonhos estranhos que tinha todos osdias. E com o pensamento na linda menina, que aparecia chorandoem minha mente.Fiquei um mês naquela pequena vila e quando tinha dinheiro osuficiente para me manter nos próximos dias, resolvi partirnovamente em direção ao Sul. E novamente encontrei pouso emoutra cidade e fiz amizade com outro grupo de pescadores.Os meses que seguiram passei andando de cidade em cidade, semprebuscando chegar ao lugar onde encontraria as respostas queprecisava. Mas os sonhos ficavam cada vez mais reais e sempre haviaum casal diferente, sendo separado por uma tragédia. A após osonho, o rosto da linda menina vinha a minha mente com mais forçae chegava a sentir um aperto em meu coração, como se pudessesentir o seu choro e o seu desespero.Kassandra estava linda naquele vestido vermelho, dançandomaravilhosamente na roda.Eu ficava admirando tão linda cigana, mas sabia que ela eraprometida do meu primo Yago e meu melhor amigo. E justamente
  • 21. por isso sentia uma enorme culpe e um peso invadia a minha mente.Ela fora prometida para ele quando tinha 8 anos. E a nossa tradiçãocigana deveria ser seguida, mesmo que me amasse e já houvessedado prova disso, não poderia desposá-la.Depois da dança, Kassandra foi para sua tenda e fui para a cachoeira,onde costumava ir quando estava muito triste. Pois precisava pensare tentar me conformar com a proximidade do casamento dela comYago.Foi então que escutei um barulho e me assustei um momento, masfiquei surpreso quando vi a figura mais linda se aproximar lentamentede mim.- Kassandra! O que faz aqui a essa hora¿ - Perguntei.- Vim falar com você, Igor. – Ela disse se aproximando de mim esenti meu coração bater aceleradamente.- Sabe que não podemos ficar sozinhos. Ainda mais a essa hora. – Arepreendi severamente.- Igor!! Ouça-me, por favor. – Ela pediu, com os olhos cheios delágrimas e tive vontade de abraçá-la, mas contive meus impulsos,pois não poderia tocar na prometida do meu primo.- Fale! – Ordenei.- Você já percebeu a forma como te olho e deve saber que eu o amo.Então não poderia me casar com Yago sem te dizer isso. Sei que meucorpo e a minha obediência serão dele, mas a minha alma sempreserá sua. – Ela disse chorando e não me contive. Então a tomei emmeus braços e a beijei.Nós começamos a nos beijar intensamente e nunca havia sentido talsensação em toda a minha vida. E apesar de saber que aquilo eraerrado, queria muito aquele beijo.Sentia a sua pele quente na minha e seus lábios se movendo juntoaos meus. Então quando percebi, estávamos deitados no gramado,totalmente entregues uma ao outro e acabamos fazendo amor.Quando terminamos de fazer amor, ficamos deitados olhando umpara o outro com muito amor. Mas naquele momento me dei contada burrada que havia feito e como estraguei a sua vida.Ela se casaria em alguns dias e se não ficasse comprovado na lua demel que era virgem, seria morta pelo seu marido.Eu sabia que seria o culpado pela sua morte e estava apavorado pelapossibilidade de ver a mulher que amava morrer. Mas sabia que astradições da nossa tribo eram rigorosas e não haveria saída para ela.Contudo estava disposto a reparar o meu erro e fugir para longe coma minha linda cigana. Mas sabia que não seria nada fácil fugir eapagar os nossos rastros. E tinha certeza que os outros nosprocurariam e quando nos encontrassem a morte para os dois seriacerta.- Kassandra, meu amor. Precisamos conversar – Disse beijando osseus lábios.
  • 22. - Você está preocupado¿ Está arrependido¿ - Ela perguntou e vi umalágrima rolar no canto dos seus olhos.- Nunca!!! Nunca me arrependerei desse dia. Você é a mulher queamo e esse dia foi tão mágico para nós dois. Mas temo pela sua vida.E sei que você está consciente que morrerá quando Yago descobrirque se entregou a outro. Então não vejo outra alternativa, senãofugirmos daqui e ir para outro lugar. – Disse olhando em seus olhosamedrontados.- Igor, vou onde você for. Se acha que a nossa única saída é fugir,então irei com você. Ela disse e depois ma abraçou forte.Nós ficamos conversando e não demos conta que o dia estavaamanhecendo. Então o inesperado aconteceu e em um piscar deolhos, o local estava cheio de ciganos enfurecidos e clamando porjustiça.Meu primo Yago tinha nos olhos a decepção, mas ao mesmo tempo oódio. Então me desafiou para uma luta.Enquanto discutíamos, Kassandra foi arrastada dos meus braços e asciganas começaram a bater nela. E mesmo tentando impedir, fuiseguro pelos ciganos e não consegui proteger a mulher da minhavida.Ela foi surrada até a morte e seu corpo desfalecido ficou caído nochão. Mas seus últimos suspiros foram para mim, que estavadesesperado e com as lágrimas rolando em meus olhos.- Igor! Prometo para você que se houver uma chance para nós emoutra vida, eu o encontrarei.- NÃO!! NÃO!! NÃO!!! KASSANDRA!!!! NÃOO!!KASSANDRAAAAAAAAAA!!!- Não!! Não!! Kassandra não!!! Não!! Nessie!! Nessie. Acordeiassustado e a primeira imagem que veio em minha mente foi damenina chorando e gritando por mim. Voltar para o índice
  • 23. TRANSFORMAÇÃO escrita por GLAUCIABLACKTRANSFORMAÇÃOPassei mais de dois anos andando de cidade em cidade e as coisaspareciam bem tranqüilas. Pois as pessoas se compadeciam da minhahistória e me davam abrigo e trabalho temporário. Então nesseperíodo não tive problemas com brigas ou confusões nos lugares poronde passei.Estava em uma pacata cidade chamada Whistler, trabalhando emuma pequena fazendo e pesquisando sobre minha verdadeira origem.Então resolvi tomar uma cerveja em um bar depois do meuexpediente, para pensar nos estranhos acontecimentos da minhavida. E foi quando a figura de um estranho homem despertou algodiferente em mim.Aquele homem era branco como um Mamoré, tinha cabelos negros eem baixo de seus olhos uma olheiras escuras, como se não dormissea tempo. Mas o que mais me incomodou foi o cheiro que possuía quefez meu corpo inteiro começar a tremer. E não entendia o que estavaacontecendo comigo naquela momento.Ele ficou me encarando e depois de algum tempo, saiu do bar aindaolhando para mim. E em um instinto natural fui atrás dele comecei acorrer tão rápido pela floresta, que nem mesmo sabia que possuíaaquela velocidade toda. Mas algo em mim dizia que tinha queencontrar e eliminar aquele ser estranho.Em alguns segundos nós estávamos frente a frente. E foi nessemomento se senti um calor aumentar em meu corpo e uma dorterrível possuir todo o meu corpo. E de repente não era mais euquem estava ali, mas um lobo castanho avermelhado gigantescoatacando o tal homem.Nós começamos a lutar bravamente, mas ele era muito mais rápidodo que eu. Mas os meus instintos eram muito mais aguçados do queo dele e consegui arrancar o seus braços. E pouco a pouco fuidilacerando o corpo daquela estranha criatura.Quando terminei, comecei a ouvir uma voz estranha em minhacabeça e fiquei mais apavorado do que já estava. Pois eu havia viradoum lobo gigante e matado uma pessoa, e só isso seria motivo osuficiente para enlouquecer qualquer um. Mas a voz parecia tão reale tinha a nítida sensação que alguém falava comigo.- Jake!! Jake!!
  • 24. - Você precisa juntar todo os pedaços e atirar fogo. Pois se não fizerisso, ele vai voltar e acabar com você.- Você tem pouco tempo, então arrume álcool e fósforo a atire fogonos pedaços.Não sei como, mas voltei a minha forma humana e estava totalmentenu. Mas precisava obedecer ao comando daquela voz e arrumarálcool e fósforo para atirar fogo em todos os pedaços. Então fui paraa casa onde estava hospedado e percebi que todos há estavamdormindo. Então fui até a cozinha, peguei o que precisava e voltei aolocal do confronto. E depois que atirei fogo nos pedaços, voltei para acasa e pequei as minhas coisas, vesti uma roupa e fui emboraapavorado daquele local.- O quê aconteceu comigo¿ O que foi tudo isso¿- Como virei essa criatura horrível¿- Como consegui correr tão rápido¿- Será que sempre poderei correr assim¿-Será que estou louco¿- Isso tudo foi um sonho¿- Por que estou passando por tudo isso¿- Por que esses sonhos tão esquisitos¿- Não sei o que fazer da minha vida, mas tenho que descobrir quemeu sou. E principalmente quem é a menina que vejo em minhamente.- Para onde vou agora¿- O que faço¿- Sinto uma dor tão profundo em meu peito!!- Sinto que em algum lugar alguém espera por mim e sofre com aminha ausência.- Preciso encontrar o meu verdadeiro eu.- Preciso saber o que aconteceu comigo, se tenho família, amigos equem é a garotinha.Fui andando lentamente pela floresta escura e sabia que nãoconseguiria dormir naquela noite. Então coloquei a minha mochila aopé de uma árvore, tirei as roupas e comecei a fazer força para metransformar. Mas não conseguia e não entendia o porque.Então comecei a me lembrar do que havia acontecido e meu corpocomeçou a tremer novamente com as lembranças do homemestranho. E senti meu corpo aquecer e a dor vir com toda força,então percebi que havia me transformado novamente no lobocastanho avermelhado.Comecei a correr muito rápido pela floresta e a sensação que tinha
  • 25. era maravilhosa e libertadora. E o meu primeiro instinto foi o de caçae comecei a procurar por uma presa para me alimentar.Depois que consegui acabar com dois animais, voltei para o localonde deixei as minhas coisas e voltei para a forma humana. Eenquanto refletia sobre o que havia acontecido, estranhei o fato davoz não ter falado comigo. Mas preferi não pensar muito no assunto eresolvi tentar dormir, contudo estava tão eufórico e assustado quenão consegui dormir aquela noite. Voltar para o índice
  • 26. MISTICA escrita por GLAUCIABLACKMISTICAEu estava assustado depois do que havia feito com aquele homem eo meu primeiro instinto foi de fugir. Contudo nos dias que seguiram,continuei andando sem parar para pedir pouso, pois estava muitoconfuso sobre o que havia acontecido.Primeiro eu havia virado um lobo enorme, segundo eu matei umhomem muito estranho e terceiro não sabia o que era aquela voz queme deu ordens de comando. E por todos esses motivos estavadesconfiando que a loucura estivesse dominando o meu ser.Cheguei até uma pequena cidade chamada Surrey, que ficava nasvizinhanças de Vancouver. E avistei uma casa branca, cheias desímbolos e coisas esquisitas. Mas estava com tanta fome, que nãopoderia me dá ao luxo de escolher um local para ficar. Então resolvibater na porta e pedir por um prato de comida.- Olá! - Disse sorrindo para a jovem senhora que abriu a porta.- Oi! Não quero comprar nada. - Ela disse, tentando fechar a porta.- OH! Desculpe-me. Eu não quero vendar nada. Mas estou viajandohá alguns dias e estou faminto. A senhora não teria um prato decomida para vender¿ - Perguntei sem graça, franzindo assobrancelhas.- OH! Desculpe, pensei que você fosse um desses vendedores. E voute dá um prato de comida, pois jamais venderia comida para alguém.Entre, por favor. – Ela abriu a porta e fez um sinal para eu entrar.- Qual é o seu nome, rapaz¿- Ela perguntou.- Sinceramente, não sei. Eu perdi a memória há quase três anos enão sei quem sou, ou de onde vim. – Respondi ao sentar no velhosofá.- Meu nome é Kate Makena e sou uma mística. – Ela respondeu,apontando para a casa que estava cheia de coisas estranhas, comobola de cristal, pequenos cristais, imagens e outras coisas que nãoimaginava para quê serviam.Continuei em silêncio observando a velha casa e a Kate continuou atagarelar.- O quê aconteceu com você para ficar sem memórias¿ - Ela
  • 27. perguntou.- Acordei em uma praia deserta há mais de dois anos, todo rasgado,um pouco machucado e sem me lembrar de nada. Então um bondososenhor chamado Victor me abrigou. E daquele dia em diante comeceia procurar a minha identidade, pois ele disse que eu seria umdescendente de indígenas, que precisaria vir para o sul à procura derespostas. Mas coisas estranhas têm acontecido comigo e não seiexplicar exatamente o porquê. – Respondi.- Que tipo de coisas¿ - Ela perguntou se dirigindo para outro cômodo.- Eu tenho sonhos estranhos, com casais diferentes sofrendotragédias. E sempre um deles morrer e no leito de morte fazem jurasde amor eterno. Mas o esquisito é que ao acordar, vejo o rosto deuma menina, com uns 10 anos, chorando e chamando por mim.- Uma menina¿ - Ela perguntou do outro cômodo.- Sim, uma menina. Olha só, eu fiz vários desenhos dela duranteesses anos. Vou mostrá-los para você. - Respondi.Kate voltou para a sala com um prato enorme de comida e comecei acomer com toda vontade do mundo. E depois que terminei,continuamos a nossa conversa. E ela viu os desenhos que fiz da lindamenina que povoava os meus pensamentos.- Vou chamá-lo de Joan. Tudo bem para você¿ - Ela perguntousorrindo.- Tudo bem! Pode me chamar como quiser. – Respondi.- Joan, vá tomar um banho e depois continuaremos essa conversa.Pois tenho algumas coisas para te contar. Ela disse.Fui para o banheiro que Kate me indicou e tomei um banho quentemaravilhoso. E quando voltei, ela estava analisando os meusdesenhos com uma expressão esquisita no rosto.- Sente-e! Por favor. - Ela pediu.- OK! – Sentei no sofá ao seu lado e fiquei observando o seu rostoenigmático.- Você já ouviu falar em Alma gêmea¿ - Ela perguntou.- Esse termo não é desconhecido, mas não lembro exatamente doque se trata. – Respondi sem entender onde queria chegar.
  • 28. - Existem muitas lendas sobre as almas gêmeas, mas algumas sãobem famosas:Uma delas nos dá conta que os deuses gregos ficaram com inveja doamor dos homens e de sua sintonia. Então decidiram abrir guerra eseparar as almas. E apesar de Eros e Vênus tentarem impediram, foiem vão. Então as almas foram divididas em partes iguais e enviadaspara longe. E quando essa guerra entre os deuses acabou as almascomeçaram a se procurar para se tornarem completas novamente.Mas isso é mitologia.Outra lenda diz que o criador fez o homem e viu que a sua obraestava incompleta. Então tirou a mulher de sua costela como suaalma gêmea, que é o que conhecemos hoje como Adão e Eva. E pormuitas gerações as almas apaixonadas se procuram para tentar vivero seu amor.Eu poderia contar casos o dia inteiro. Mas o que te preciso dizer éque de alguma forma o seu subconsciente ativou as suas memóriasdas vidas passadas. E isso faz você lembrar as coisas queaconteceram.- Você acha que essa menina é minha alma gêmea¿ - Pergunteiintrigado.- Pode ser que sim, mas pode ser que não. De qualquer forma vocêprecisa descobrir qual é a sua verdadeira história. – Ela respondeu.- O senhor que me ajudou falou sobre a minha tatuagem. Será quepoderia dá uma olhada e vê se é familiar¿ - Perguntei, tirando ajaqueta e mostrando meu braço para ela.- Parece realmente uma tatuagem indígena. Mas não sei o que é. –Ela parou um pouco para pensar, fez uma careta e me chamou para oseu quarto. E naquele momento me senti desconfortado, mas elagarantiu que seria apenas uma pesquisa e me levou até o seucomputador.- Só vamos pesquisar na internet. Pode ficar tranqüilo que não ireiatacá-lo. – Disse para mim e a segui até o seu quarto.Kate ligou o computador e entrou em um site chamado Google. Entãocomeçou a fazer várias pesquisas sobre símbolos indígenas,tatuagens e povos indígenas dos Estados Unidos. E depois de algunsminutos, ela achou um site que mostrava exatamente a tatuagemque estava em meu braço.O site falava sobre lendas Quileuts e sobre os frios. Então sentei aoseu lado e comecei a ler o que o site dizia sobre os frios, e melembrei do estranho homem que havia matado. Mas não disse nadapara ela.
  • 29. Depois fiquei mais assustado quando li o relato sobre astransformações em lobos, que eram os defensores de suas terras eme lembrei da forma como fiquei quando lutei com aquele homem. Enaquele momento tive a certeza que lá era o lugar para onde deveriair: LA PUSH.Fiquei conversando com Kate por mais algumas horas e ela meofereceu o sofá para eu dormir. Então me estiquei no pequeno sofá etentei pegar no sono, mas meus pensamentos estavam longe com anova esperança que tinha. Contudo acabei pegando no sono empoucos minutos.- Cecília!! Cecília!!Eu chamava enquanto jogava pedrinhas em sua janela.- Edmond! O que faz aqui¿ - Ela perguntou ao aparecer na janela.- Preciso falar com você! – Respondi.- Espera um pouco que irei descer. – Ela disse e sumiu por algunsinstantes, mas depois apareceu ao meu lado.- Os boatos são verdadeiros¿ Vai se casar com o Duque de Oxford¿ -Perguntei para ela.- Meu pai deu a minha mão para o Duque. E iremos nos casar embreve. – Ela respondeu chorando.- Você não pode!! Você é minha Ceci. – Disse apertando-a contra omeu peito.- Você sabe que sou descendente da família real, por causa da minhafalecida mãe. E o Duque também tem sangue real. E o povo está àsportas para uma revolução contra o rei. Então se nos casarmos etivermos um filho, ele terá direito ao trono. E foi justamente por issoque meu pai se aliou ao Duque.- Mas ele não pode te casar por causa do trono real. – Disse irritado.- Eles já fecharam o acordo e em um mês me casarei com aquelevelho asqueroso. E você sabe que prefiro morrer a não ser sua. – Eladisse para mim e me beijou.- Vamos fugir! Disse ao afastar o seu beijo.- E você acha que não irão nos procurar¿ Eles vão matar você e euterei que casar com ele. – Ela disse sem esperanças.- Cecília!! Olha para mim!! Não permitirei que se case com aquelevelho!! Você é minha!! Só minha!!Entendeu¿ - Respondi com raiva daquela situação.- E como iremos fazer¿ - Perguntou.- Tenho algumas moedas de outro e pedirei, mas dinheiro para o meupai. Então hoje à noite quero que me encontre no velho moinho. E delá iremos embora para outro país. – Respondi para ela.- Tudo bem. Irei encontrá-lo hoje à noite e vamos embora desselugar. – Ela disse e nos beijamos ansiosamente dessa vez.Fui para o castelo do meu pai e juntei tudo o que possuía de valor. E
  • 30. depois pedi a minha parte na herança, sem contar o que pretendiafazer. E mesmo sem entender nada, meu pai me deu muitas moedasde ouro e algumas jóias da minha falecida mãe. Então arrumei umacarruagem e coloquei algumas roupas, comida e água.Fiquei esperando impacientemente a noite cair e quando o crepúsculose formou, peguei a carruagem e fui encontrar a minha Cecília.Cheguei ao local no nosso encontro e ela estava linda como sempre,a minha espera.Ela entrou na carruagem depois de um beijo doce e começamos anossa viagem em direção a Irlanda, pois precisávamos sair do paísimediatamente.Viajamos por três dias e três noites, então resolvemos parar paradescansar e esse foi justamente o meu erro.Fiz um pequena tenda e nós passamos a noite mais maravilhosa domundo. E nunca em minha vida imaginaria a felicidade que sentiriaao fazer a minha Ceci mulher. E se pudesse parar aquele momento,seria o mais bonito e perfeito da face da terra.Ficamos deitados juntos, fazendo milhares de planos para o nossofuturo e ouvi o barulho dos cavalos se aproximando.Vários cavaleiros armados começaram a nos atacar e o Duque, juntocom o pai de Cecília a tiraram de mim.- Edmond!! EDMOND¿ - minha amada gritava e chorava ao serarrastada com eles.Eu estava lutando bravamente com a minha espada, mas parei porum segundo para ver o rosto da minha Ceci e senti o aço da espadaatravessar o meu corpo.-CECI!! CECI!! EU AMO VOCÊ!! PROMETO QUE UM DIA NOSENCONTRAREMOS EM OUTRA VIDA!!- MINHA ALMA VIAJARÁ EM BUSCA DA SUA!! EU PROMETO.- EDMOND!! EU SEMPRE TE AMAREI!! SEMPRE!!- UM DIA NOSSO AMOR SERÁ POSSÍVEL!!- UM DIA ESTAREMOS JUNTOS NOVAMENTE. – Ela gritava de longe.-CECI!! CECI!! CECI!- Não!! Não!! Ceci!! Ceci!! Vocês não podem levar a minha Ceci!!Ceci!! Nessie!! Nessie. – Acordei gritando desesperado e com Katepassando um pano unido em meu rosto.- Noite difícil, heim! – Disse para mim.- Esses sonhos são tão reais. E me deixam tão mal. – Respondi paraela.
  • 31. - Você tem que encontrar logo essa menina e descobrir o que elasignifica para você. E apesar de ter pouco dinheiro, acho que dá paravocê pegar uma embarcação até Ozette. E de lá pode seguir a pé atéLa Push. – Disse sorrindo.- Ficarei muito agradecido pelo que está fazendo por mim. Respondipara ela.- Eu sou grata por conhecer alguém que tem lembranças de sua almagêmea. E fico muito feliz por ajudar. Agora vem tomar café, pois ireiacompanhá-lo até o porto. – Disse sorrindo para mim e segurando aminha mão.Kate me levou até o porto e lá peguei uma pequena embarcação quese dirigia para Calam Bay. E apesar de não ir exatamente para olugar que gostaria, sabia que agora estava muito perto de casa e dedescobrir a minha verdadeira identidade.CONTINUALOBOS Voltar para o índice
  • 32. LOBOS escrita por GLAUCIABLACKNotas do Autor:Meninas, algumas pessoas não entenderam bem a trama.Jake caiu no mar e foi dado como porto depois da buscas.Nessie ficou doente e os Cullens foram embora.Mas os lobos sempre souberam que ele estava vivo, por issoSeth disse para Nesse, sem seu cap que sentiam que estavavivo. Pois se o alfa morresse saberiam.Mas Jake só se trasnformou dois anos depois. E isso complicouas coisas para os Quileust.Ele não se envolveu com ninguém porque está preso alembrança da menina. Por causa do lance da impressão. Esabe que precisa encontrá-la desesperadamente.Depois que volta, descobre que os Cullesn foram embora.Então vai começar a procurar a sua Nesse.E como não encontrará, começara uma nova vida e seapaixonará por outra pessoa.Depois disso tudo será surpresa.bjMeninas, fiz uma capa tão bonitinha para essa fic. Mas achoque ninguém reparou!!! Ela não é uma capa divina, mas dápara o gasto.Estou um pouquinho triste!!LOBOSPeguei a pequena embarcação e deitei em um canto, superansioso para chegar logo ao Porto de Clallam Bay. Pois sabiaque estaria muito perto de casa e todos os mistérios dessaminha vida estranha seriam desvendados finalmente.A viagem demorou umas duas horas e já não me agüentava detanta angustia. E sentia meu coração batendo descompassadoe um frio percorrendo a minha barriga, que estava medeixando mais nervoso para chegar até a minha cidadeDepois de muita angústia, desembarquei no porto e comecei aminha longa caminhada. Mas pelos mapas que havia visto nacasa de Kate, teria alguns quilômetros até a reserve Quileut
  • 33. de La Push. Contudo sabia que poderia correr muito rápido seestivesse como um lobo, mas havia o problema da mochila enão conseguira correr com aquele peso em minha patas. Entãopercebi que poderia ir com as alças entre os meus dentes eassim conseguiria chegar a minutos.Corri para a floresta, tirei as roupas e me transformei nogrande lobo. Então mordi a alça da mochila e comecei a correrpara a minha casa. Entretanto comecei a ouvir vozes emminha cabeça e parei para tentar entender.- Ele se transformou. Mas será que consegue nos ouvir. – Aprimeira voz falou.- Temos que tentar comunicação com ele. E parece está bemperto agora. ¬- Como será que reagirá quando nos encontrar¿- Não sabemos o que aconteceu e porque ficou tanto tempolonge. Então precisamos ser cautelosos.- Hei cara!! Você está nos ouvindo. – A voz parecia falarcomigo e comecei a ficar assustado.- O que está acontecendo¿ O que são essas vozes na minhamente¿ Será que enlouqueci de vez¿ Antes só havia uma, masagora são muitas!!- Você não está louco!! Somos os seus irmãos.- Jake! Você não se lembra de nós¿ Não sabe quem somos¿Não reconhece a minha voz¿ Sou eu, Leah! - Agora era umavoz feminina falando comigo.- Louco!! Você perdeu o juízo de vez!! Pare um pouco e volte asua forma humana. – Pensei.¬-NÃO!! NÃO!!- NÃO!- NÃO!-NÃOTodos começaram a gritar ao mesmo tempo e fiqueidesnorteado com aquela situação. E não me movi umcentímetro de onde estava. Então quando percebi, estavarodeado de grandes lobos que me olhavam de forma estranha.E o meu primeiro instinto foi de me colocar em posição de
  • 34. ataque, mas algo dentro de mim dizia que não me fariam mal.- O que vocês querem comigo¿ Quem são vocês¿ Por que estãome perseguindo¿ Saiam daqui!! – Disse para eles.- Jake! Nós somos os seus irmãos¿ Não se lembra de nós¿- Não me lembro nem de mim. Quando mais de um monte delobos. – Respondi mal humorado para eles.- Jake! Você sofreu uma acidente há quase três anos atrás. Efoi dado como morto, mas no fundo sabíamos que você aindaestava vivo.- Quem é você¿- Meu nome é Sam Uley. E sou um dos seus grandes amigos.- Como foi esse acidente¿ Eu estava sozinho¿ - Precisavasaber exatamente tudo o que havia acontecido comigo e elesiriam me dá as respostas que precisava.- Você estava com a Nessie. – O tal Sam respondeu.- Nessie!! Esse nome não é estranho. Quem é Nessie¿ - Eusabia que era a resposta que eu tanto esperava.- Nessie é a sua impressão. Ela é a filha de Edward e BellaCullen.- Cullen¿ Quem são esses¿ E o que é impressão¿ - Não estavaentendendo nada do que falavam.- Os Cullens são vampiros e Nessie é uma meta vampira. Evocê teve uma impressão com ela quando nasceu.- O que é essa impressão afinal de contas¿ - Estava perdendoa minha paciência com essas respostas que não me diziammuita coisa.- É como se fosse amor a primeira vista. – Ele respondeu.- E como é essa Nessie¿ Ela tem uns dez anos, é branquinha,possui os olhos negros, os cabelos assemelhados, a bochechalevemente rosada e é a criaturinha mais linda do mundo¿ -Perguntei entusiasmando.- Sim!! Essa é sua Nessie, mas ela cresce muito rápido e hoje
  • 35. pode ser uma adulta.- Preciso está com ela agora!! Passei todo esse tempo vendoesse lindo rosto e tenho urgência em vê-la. – Disse ansiosopara ele.¬- Não sabemos onde os Cullens estão. Pois eles sumiramalguns meses depois da sua morte, porque ela ficou muitodoente e as lembranças do acidente estavam acabando comsua vida. Então foram embora e nunca mais soubemos deles.- Mas que inferno de vida!!!! Droga!!! Eu passei todo essetempo viajando em busca dessa menina e agora me dizem queela sumiu!! – Disse irritado para ele.-Fica calmo que daremos um jeito de encontrá-la para você.Mas agora precisamos levá-lo para sua casa e mostrar ao seupai que realmente está vivo.- Eu tenho pai¿ Mãe¿ Irmãos¿ - Eu estava tão ansioso parasaber sobre a minha família que atropelava as palavras.-Você tem um pai e duas irmãs. Mas vamos embora que eleprecisa te ver.Fui com os lobos para a tal La Push e quando chegamos lá,voltei para a forma humana e vi todos aqueles garotos eaquela linda jovem me olhando com admiração. Entãocomeçaram a me abraçar e a chorar de felicidade por eu estávivo. Mas apesar de todo afeto que demonstravam, nãoconseguia me lembrar de ninguém.Chegamos até uma velha casa e entramos todos juntos. Mas omeu pai não estava e a primeira coisa que perguntei onde erao banheiro e o quarto, pois precisava tomar um banho edormir um pouco.Eles me mostraram a casa e depois me deixaram sozinhos poralguns instantes. Então fui para o banheiro e tomei um banhobem demorado e quando estava relaxado, fui para o quarto edeitei um pouco para dormir.Era a noite de festa e todas as esposas do meu pai e senhorJing-Quo estaria lá.E fatalmente veria a bela Ming, e exatamente por isso estavaficando muito ansioso.depois que me arrumei, fui para o grande salão que estava
  • 36. todo enfeitadocom as lanternas vermelhas que meu pai tanto amava. Masnão estavamuito animado com a festa, pois o meu único deseja era verMing.Meu pai possuía 6 esposas, mas depois de velho resolveucasar novamentee escolheu Ming, que era uma menina de apenas 15 anos.E desde a primeira vez que coloquei os meus olhos sobre ela,apaixonei-me perdidamente.Mas sabia que ela era proibida para mim e teria que mecontentar em apenas admirar a sua beleza.Ela não se parecia com as chinesas que estava acostumado aver. E mais lembravaUma japonesa com seu rosto branquinho de porcelana, osolhos bem puxados, a boca pequena desenhada, o narizarrebitado. E quem olhasse para ela, teria a nítida impressãoque via uma boneca de porcelana, de tão linda que era.E fui justamente isso que fez meu pai a escolher como esposa,pois o fato de não se parecer uma chinesae ter traços que mais lembravam os japoneses, deixaram-ofascinado com ela.Eu tinha horror de pensar em meu pai possuindo aquele corpotão pequeno e delicado.Mas nada poderia fazer diante desse fato. E era isso que medeixava mais revoltado com a vida.Aquela noite, Ming estava especialmente linda com as roupasque meu pai mandara fazer para ela.E as outras esposas estavam com cara de revoltadas porverem o luxo da roupa e das jóias que usava.Mas meu pai fazia questão de exibir a sua mais novapreciosidade para os amigos. E não ligava se estava magoandoas outras, coisa que já fazia a meses. Pois só dormia no quartode Ming, desprezando totalmente o encanto das seis.Ming desfilou pelo salão de mãos dadas com meu pai, mas seuolhar era de profunda tristeza. E isso e cortava o coração.Algumas horas se passaram e ela finalmente pediu permissãopara se recolher. E em um impulso juvenil, de um rapaz dedezenove anos, fui atrás dela.- Ming! Você está tão bonita hoje. – Disse para ela.- São seus olhos, Liang. Como uma pessoa pode parecer tãobonita sendo infeliz como sou¿ - Ela respondeu e uma lágrimase formou no canto de seus olhos.- Não fica assim! Você ainda é muito jovem e ele morrerá embreve. – Disse para ela.- Mas enquanto isso não acontece, vivo os meus dias sendoobrigada a agradar esse velho asqueroso. E se você soubesse
  • 37. o nojo que sinto quando me toca... quando possui o meucorpo. Se soubesse como tenho vontade de tirar a minha vida.– Ela disse chorando e me abraçou.- Vamos sair daqui! Alguém pode nos ver. – Disse para ela e alevei para o seu quarto.- Você não pode ficar aqui! Ele pode aparecer a qualquermomento. – Ela disse apavorada.- A festa vai demorar muito para acabar e ele estará um porcobêbado quando isso acontecer. Então não se preocupe. –Disse apertando o seu corpo contra o meu.Ela levantou a cabeça e de repente os nossos olhos secruzaram. E senti uma magia acontecer naquele momento tãoespecial.Meu corpo estava trêmulo, meu coração batia forte, sentia umfrio percorrer em minha espinha e uma sensação esquisita emminha barriga. E foi nesse momento que ela colocou seuslábios sobre os meus e começou a movimentá-los lentamente.Começamos um beijo doce, mas ele começou a ficar ansioso eferoz de mais.Minhas mãos estavam puxando o seu corpo para o meu. E asdela se prendiam em meus cabelos.Começamos a tirar as nossas roupas rapidamente. E quandome dei conta, estávamos nus na cama nos amando.Sentia meu corpo penetrar o seu com urgência, enquantogemia e sussurrava meu nome baixinho.Ficamos nos amando por horas e acabamos nos esquecendoda festa. E principalmente que o porco do meu velho pai aprocuraria.Foi então que a tragédia aconteceu e de repente ele entroubêbado no quarto. E nos flagrou fazendo amordesesperadamente.Ele começou a gritar e chamou os seus seguranças. E naquelemomento tive muito medo pelo que poderia acontecer com aminha Ming, mas não dava tempo para tentar fugir do palácio.Ming chorava e pedia clemência para a minha vida. Mas meupai estava tão furioso que não pensou duas vezes antes de mematar.Senti o fio da espada penetrando o meu corpo e percebi minhaMing se colocar atrás de mim, fazendo a espada feri-latambém.- Ming! Não!! Não!!- Eu não viverei sem você, Liang!! Eu amo você! Sempre amei!!Desde o dia que cheguei a essa casa.- Ming! Prometo que se houver outra vida, a encontrareinovamente. EU AMO VOCÊ!
  • 38. -NÃO! NÃO!! MING!! MING!!! NESSIE! NESSIE!! NÃO. – Acordeiassustado e vi o rosto apavorado do meu pai e dos meusamigos me olhando. Voltar para o índice
  • 39. PASSADO escrita por GLAUCIABLACKPessoal, a fic está muito boa e não ganhei nenhumaestrelinha!! Acho que mereço.Heri, atendendo a pedidos, o Jake verá Nessie já adulta.bjPASSADOAcordei assustado, suando frio e com todos me olhando deforma estranha.- O que foi¿ Por que estão me olhando desse jeito¿ - Pergunteiirritado com aquela platéia.- Você estava tendo um pesadelo, filho. – O velho senhor nacadeira de rodas disse olhando para mim.- Pai¿ O senhor é o meu pai¿ - Perguntei muito feliz ao vê-lo.- Sim. Sou seu pai, Billy. – Ele respondeu e me abraçouternamente. E ficamos um tempo naquele abraço tão calorosoque me senti seguro por um momento.- Sobre o que era esse sonho¿ - O tal Sam perguntou.- Sempre tenho sonhos estranhos, mas são com pessoas quenão conheço e que parecem viver em outras épocas. Mas omais estranho é o rosto da garota.- Você vê o rosto da Nessie¿ O tal Seth perguntou.- Desde a primeira vez que acordei que vejo o rosto delachorando e chamando por mim. Mas dessa vez foi diferente,pois ela parecia mais adulta.- Como assim diferente¿ - Perguntou a garota, que acho sechamar Leah ou coisa assim.- Ela estava mais velha, seu rosto mais brancos, os olhos nãoeram mais negros e estavam com tom de azul, os cabelosestavam mais vermelhos. E não sei exatamente porque a visãomudou, mas ela parecia olhar triste para o nada, comoestivesse catatônica.- Isso é incrível! Ele pode ver a pequena mostrinha. - A garota
  • 40. disse e fiquei irritado com o comentário.- Não fala assim dela! – Disse com tom autoritário.- OK! Não está mais aqui quem falou. – Ela respondeu.- A impressão é uma coisa incrível mesmo e mesmo sem saberquem ela era, ele conseguia ver o seu rosto. E agora conseguever que ficou adulta. - Disse o tal Sam.- Quero que me contem tudo sobre a minha vida eprincipalmente sobre a criança, e a coisa da impressão. Dissepara ele, levantando-me da minha cama.Nós fomos para a sala e todos acharam um lugar para seencontrar, enquanto estava sentado no sofá com Sam, Seth emeu pai. Então eles começaram a contar sobre o meu passado.Primeiro começaram com o lance das lendas dos povosQuileuts, dos antigos povos, do primeiro lobo, do meu bisavô etudo mais. Só que estava de saco cheio e queria pular logoaquela parta que não me interessava. Então terminaramfalando da coisa do Alfa, que era o líder deles e tinha umaenorme responsabilidade e tal. Para no final dizer que eu eraesse Alfa e isso me deixou preocupado, pois não estavainteressado em liderar um monte de homens transfiguradosde lobo, mas sim encontrar a razão da minha existência.Depois entraram na parte de Isabella Swan ou Isabella Cullen.E essa parte já era um pouco mais interessante. Mas fiqueichateado em saber que fui apaixonado pela namorada (eesposa) de um vampiro, e fui rejeitado por ela. Então pedi queavançassem na história, mas eles insistiram em me contartodos os detalhes para eu entender como a filha deles entrounesse triangulo amoroso.Então falaram em como nos conhecemos, como ficamosamigos íntimos quando o vampiro a abandonou, como sofriquando ele voltou e ela ficou com ele, como ficou uma difícilrelação de amizade, como foi a luta contra os recém nascidos,como recebi a noticia do casamento e a briga que quasearrumei no casamento.Então depois passaram para a parte da gravidez e como issomudou o destino da matilha, pois eu rompi com o bando e crieia minha própria matilha.E depois daquele lenga lenga todo de vampiros e lobos,contaram sobre o dia do parto e a impressão que tive comRenesmee Carlie Cullen.
  • 41. Pedi que um deles se transformasse e me mostrasse toda essaparta, pois seria mais interessante ver as memórias do queouvir a história. E nesse momento Sethe e Leah setransformaram em lobos e começaram a me mostrar todos osacontecimentos daquela época. E depois da lembrança daimpressão, soube exatamente porque ela não saia da minhamente e do meu coração.Eles começaram a me mostrar os acontecimentos seguintes doseu crescimento. E como fui quase um pai para a criança maislinda e amada de todo mundo. Mas quando chegou no dia doacidente, pararam de mostrar.- O que foi¿ Quero saber de tudo. – Pensei em minha forma delobo.- Você não vai gostar do que verá a partir de agora. – Sethrespondeu em seus pensamentos.- Quero ver!! Agora!! – Ordenei e ele começou a me mostraros fatos seguintes.Nessie ficou perdida no mar sozinha e quando a encontraramestava quase morta. Mas a sua tristeza era tão grande, quemesmo após dias ela continuava no mesmo estado.Ela chamava por mim e chorava o tempo inteiro no primeiromês. Mas depois as lágrimas secaram e parecia não ter maisvida. E pelo que entendi nesses pensamentos, a famíliadescobriu que estava seriamente doente, mas não sabiam oque tinha.Seth continuou a me mostrar as suas lembranças sobres asconversas com Edward e Bella, e as poucas imagens que tinhada pequena Nessie. Então mostrou a sua última lembrança,antes deles irem embora, quando ele disse para ela que euestava vivo, mas ela parecia não acreditar.Havia tanta dor naqueles olhos, tanto desespero em sua face enem parecia uma criança de 10 anos. E comecei a sentir umador tão profunda, que comecei a uivar desesperado com o quesentia e não conseguia voltar a minha forma humana. Então osdois lobos tentaram me acalmar, até que finalmente voltei aser um humano, caído no chão e destruído pela dor que sentiapor aquela criança.- Ness!! Ness!! Ness!! – Eu mal podia falar com a dor quesentia.
  • 42. - Jake, calma. Fica tranqüilo, por favor. – Leah pedia,passando a mão em meu rosto, para enxugar as lágrimas quecaiam de forma desesperada.- Jake, nós encontraremos os Cullens e sua Nessie. Por favor,tente se acalmar. – Disse meu pai.- Preciso encontrar minha Nessie. Alguém faz essa dorpassar!!! – Eu implorava que o que sentia acabasse, mas a dorera muito forte.Depois de um tempo caído no chão, chorando pela minhapequena criança, finalmente a dor que sentia passou e puderaciocinar com um pouco de lucidez. Mas apesar de saber todaverdade, continuava no mesmo inferno de antes, porque oamor da minha pequena agora estava muito mais distante doque antes. E não sabia se algum dia voltaria a encontrá-lanovamente.Coloquei uma bermuda e corri para fora da minha casa comoum louco. Então vi os lobos correrem atrás de mim e metransformei. E apesar de não saber para onde ir, eles meguiaram até a grande mansão dos Cullens em Forks.Quando cheguei lá a porta estava trancada, então dei a voltaao redor da casa, quebrei as janelas da cozinha e entrei nacasa. Então fiquei andando pelos cômodos a procura de algoque me lembrasse da minha pequena criança e segui o cheirodoce até o seu quarto.As coisas estavam arrumadas como ainda morasse alguémnaquele quarto. E o seu cheiro ainda estava impregnado noslençóis e nas outras coisas no quarto. Então deitei em suacama e comecei a chorar com saudade de coisas que nem melembrava, mas que existiam em uma parte de mim e mefaziam sentir muita dor.Nessie, minha querida. Prometo que um dia a encontrarei eessa será a razão da minha existência nesse mundo.Um dia colocarei em meus braços novamente e direi comoamo você, minha pequena criança.Lembro de cada detalhe desse rosto de anjo e sinto muitavontade de está ao seu lado.A visão que tive hoje, mostra que você cresceu. Mas sempreserá a minha pequena.E um dia cuidarei de você novamente, mau anjinho lindo.
  • 43. Eu Prometo!Acabei adormecendo na cama da minha pequena e comecei asonhar novamente.- Weber!! Weber!! – Olga entrou gritando pela porta.- O que foi meu amor¿ - Perguntei assustados para ela.- A cidade está sendo invadida e os judeus estão sendocapturados pelos alemães. Então precisamos nos esconder. –Ela disse chorando.- Vamos para o porão e nos esconderemos lá, meu amor. –Disse para ela, puxando-a pelo braço em direção ao porão.Mas a porta foi arrombada e três soldados alemães entraramna casa e nos arrastaram com ele.Fomos jogados em um caminhão cheio de prisioneiros, todosjudeus e levados para um campo de concentração.Ficamos no campo de concentração por três dias, vivendohorrores nas mãos daqueles loucos. Mas o que mais sentia nãoera pela fome ou pelo frio, mas sim pela saudade que sentiada minha amada esposa Olga.- Como você estará agora, meu amor¿No quarto dia, logo pela madrugada, fomos arrastados denossas celas e levados para um local de execução. E da filaonde estava, vi a minha doce Olga sendo levada também.Então comecei a sentir um desespero pelo fato da minhaesposa está prestes a morrer naquele momento. E eu nãopoderia me despedir dela antes do fim chegar.Uma lágrima caiu em meu rosto e senti um desespero tomarconta de mim. Então perdi totalmente a noção do que estavafazendo e corri para onde estava gritando o seu nome, massenti a pressão das balas penetrando meu corpo que caia nochão enlameado.- OLGA! OLGA!! AMO VOCÊ! SEMPRE AMEI!! SEMPRE A AMAREIPELA ETERNIDADE!!-Olga!! Olga!!Não!!! Não!!! Olga!! Nessie! Ness! Ness! Acordeigritando e suando frio, então me dei conta que ainda estavaem seu quarto e consegui me acalmar. Voltar para o índice
  • 44. PRIMEIRAS LEMBRANÇAS escrita por GLAUCIABLACKPessoal, chorei bastante para escrever esse cap.E para dá um clima para vcs, escolhi duas músicas que asdeixarão com os sentimentos a flor da pele.Procurem no Youtube por Musica Rilassante - Enya -Pianoforte Instrumental e Pearl Harbor – Brothers.Coloquem uma dessa músicas antes de ler (de preferência aprimeira)PRIMEIRAS LEMBRANÇASFiquei andando pela casa, a procura de qualquer vestígio queme fizesse lembrar da minha Nessie. E quando cheguei até nasala, havia alguns porta retratos em uma mesinha. Entãocomecei a ver as fotos e as lágrimas rolaram em meu rosto aover o rosto da minha pequena criança.Nos nas fotos pude ver toda a família e mesmo sem saber osseus nomes, soube que fizeram parte da minha vida. Mas duasfotos em especial me chamaram a atenção e me fizeramquerer voltar até aquele tempo.A primeira foto, eu estava com ela em meus braços ainda umbebezinho. E pude ver quão linda foi aquela criança que tantoamei e que viaja em meus sonhos.Ela era uma bebê tão linda, com os cachinhos levementevermelhos, as bochechas coradas e o sorriso arrebatador deum anjo. E vendo aquela foto, o desespero tomou conta demim novamente, pois queria lembrar-me dos nossomomentos, mas nem isso me foi permitido.A segunda foto já era da criança que eu me lembrava, comoseus 10 anos e a criatura mais linda do mundo. Então pegueias fotos e tirei do porta retrato, pois guardaria as duas comigoe olharia para elas todos os dias da minha vida.Senhor!! Por que isso está acontecendo comigo¿Por que tenho que sofrer tanto nessa vida¿Por que não me é permitido nem lembrar dos dias felizes daminha vida¿Como queria segurar a minha pequena criança em meusbraços e dizer que está tudo bem!!Dizer que não morri!!Nessie, minha pequena. Prometo que um dia a encontrarei ecuidarei muito bem de você.Sinto-me tão ligado a você que a sua dor parece a minha!
  • 45. Quero gritar para o mundo que preciso de você!!Quero operar o impossível para está ao seu lado pelo menosmais uma vez.Eu não desistirei de te encontrar nunca, mesmo se ter umapista do seu paradeiro.Nunca abrirei mão desse sentimento que sinto por você e nemmesmo entendo o que é.Só sei que te amo como pai, irmão, amigo e tudo o que vocêprecisar que seja.Quero está ao seu lado para enxugar as suas lágrimas e teproteger.Quero olhar em seus olhos e vê-la sorrindo para mim.Preciso de você!!!Não sei por que tanto desespero, mas a única verdade quetenho nesse momento é que preciso de você como do ar querespiro.Minha Ness!! Minha pequena criança de cachinhos vermelhos.Fechei meus olhos e comecei a ver o seu sorriso, ver a suamãozinha em meu rosto me mostrando a minha cara defelicidade. Comecei a lembrar de coisas boas que vivi e aslágrimas caíram mais e mais em meu rosto. E estavaimensamente agradecido pelas poucas lembranças que tive.FLASH BACK.- Jake!! Jake!!! – Ela estendia aos braços em minha direção,então peguei a linda menina em meu colo.- O que foi pirralha¿ - Disse sorrindo para a pequena criança,que deveria ter uns 5 anos.- Vamos caçar¿ Vou pegar o maior animal dessa vez!! Vamos!Vamos!! – Ela batia palmas toda eufórica com o nosso passeiode caça.Eu me transformei em um grande lobo castanho avermelhadoe ela subiu nas minhas costas.E enquanto eu corria pela floresta, ela ria feliz com a sensaçãoque sentia.Nós caçamos durante a tarde e quando a noite começou a cair,levei-a para casa. Mas ela parecia não querer deixar a minhacompanhia e começou a chorar quando a entreguei para Bella.Eu não agüentava ver minha criança chorar e quase choreidiante dela. Mas consegui conter as minhas lágrimas e beijei asua bochecha rosada antes de me despedir.- Jake! Eu amo você. – Ela disse com a sua voz cantante.- Eu também amo você , minha princesa. – Disse para ela eparti com o coração na mão, vendo as lágrimas rolarem emseu rosto. Mas sabia que a paciência de Edward tinha seus
  • 46. limites e não abusaria dela. Então fui embora mesmo com avontade enorme de ficar ao seu lado.Aquela foi a primeira de muitas das lembranças que teria daminha criança e me fez chorar como um menino, encolhido nosofá empoleirado e pedindo para as demais lembrançasvoltarem para a minha vida. Pois tudo o que mais queria erater a minha menina novamente e me lembrar de tudo o quepassamos juntos.Ela era como se fosse minha filha e não havia nada deromântico no sentimento que tinha. Mas a dor da separaçãoera tão forte, que não era apenas uma coisa emocionar e simuma dor física que me deixava paralisado em sem ar.Eu prometo que vou te encontrar, pegarei em meus braços e aninarei como meu bebê.Nunca existirá criatura tão linda como você nesse mundo.Muito menos tão amada.Toda a minha vida e o meu amor são dedicados a você. Esempre terei essa lembrança na minha mente.Não importa o que acontecerá comigo a partir de agora, poislembrar de você dizendo que me ama me trouxe de vida avida.E é por isso que viverei o resto dos meus dias!Viverei para te encontrar e para te fazer a pessoa mais amadae feliz do mundo.Vou arrancar essa dor do seu coração e você nem se lembraráque um dia fomos separados.Sempre te amarei!!Sempre. Voltar para o índice
  • 47. PROCURANDO NESSIE – PARTE 1 escrita por GLAUCIABLACKAmores, procurem pela música Temas de Filmes - Lendas DaPaixão, antes de começarem a ler.Todas as cidades mencionadas foram pesquisadas no mapa doCanadá. Se alguém tiver um tempinho, dê uma pesquisada noGoogle map.A partir dos próximos caps, os nossos lobos começaram anavegar na Net, usar emails, e o MSN!!PROCURANDO NESSIE – PARTE 1Fui para a casa na minha forma humana, correndo pelafloresta e sentido o vento das árvores percorrendo o meucorpo e a sensação que sentia era libertadora naquelemomento. Então corri livremente sorrindo e me lembrando daspalavras da minha pequena criança, que me deixavamexplodindo de felicidade e de esperanças.Quando cheguei a casa, meu pai estava preocupado comigo.Mas garanti que estava tudo bem e contei das poucaslembranças que tivera há alguns minutos atrás. E percebicomo ele ficou feliz por me ver daquela forma tãoentusiasmada e otimista.Depois que conversei com o meu pai, pedi que me ajudasse areunir os meus novos amigos lobos. Pois precisaria da ajudadeles para encontrar a minha pequena. E prontamente elepegou o telefone e ligou para os outros e os convocou parauma reunião.Não demorou muito e todos estavam em minha casa, curiosospara saber o que eu queria. Então contei alegremente dasprimeiras lembranças que tive com minha Nessie e todosficaram super felizes por mim. E depois daquele brevemomento recordar é viver, comecei a falar sobre os meusplanos de encontrar Ness e pedi a ajuda deles.Apesar de não saber por onde começar, estavam dispostos ame ajudar. Então Seth trouxe mapas dos Estados Unidos e doCanadá e começamos a mapear possíveis lugares, mas aregião era imensa. E ele teve a idéia de pesquisar pelo nomeCullen na Internet, pois deveria parecer algum registro escolardeles ou médico do Dr Carlilse.
  • 48. Seth, Quil, Embry, Leah e eu fomos para uma Lan House quefoi aberta recentemente na Ocean Front Dr. E começamos afazer algumas buscas pelo nome Cullens e encontramosalguns registros escolares em escolas do Canadá. Mas osnomes não eram os que conhecíamos e concluímos que a cadacidade que visitavam, mudavam o primeiro nome.Depois começamos a procurar por médicos com nome Cullen eCarlisle e começamos cruzar as informações. E verificamosque em várias cidades do Canadá houveram médicos comnome Carlisle e mapeamos novamente no mapa. Entãocomeçamos a cruzar as informações da busca e encontramosum traço comum entre os Cullens e os registros dosCarlisle’ s.Fazendo o cruzamento, verificamos que nas Cidades deEdmonton, Camrose, Llydminter, Price Albert, Red Deer, NorthBatteford, Saskatoon, Regina, Moose Jaw, Swift Currenthouveram estudantes com nome Cullens ou médicos comnome Carlisle. E pelo mapa, para formar um circulo sófaltavam as cidades Medicine Hat, Lethbridge e Calgay. Mastambém haviam cidades que não estavam nesse raio e queseriam boas possibilidades como Brandon, Winnipeg, Kelownae Kamioops.Concluímos que teríamos que viajar por 7 cidades e se a sorteestivesse conosco, conseguiríamos encontrá-los nessa região.- Seth, você é muito inteligente e fico feliz por tê-lo como meuamigo. – Disse dando um tampinha em seu ombro.- Que isso cara! Apenas conheço um pouco de computador,pois namorei uma menina no ano passado que era fissuradanessa coisinha e me ensinou muitas coisas.- Você não sabe como esse seu namoro vai me ajudar agora.Já pensou que tivéssemos que procurar em todos os estadosamericanos e canadenses¿ Estou muito feliz por termos umalvo para a nossa viagem.- Mais qual é o plano¿ - Perguntou Leah.- Tenho uma idéia! – Disse Embry entusiasmado.- Então conta logo, panaca! – Quil bateu na cabeça dele.- Nós três podemos visitar as escolas dessas cidades, com adesculpa que estamos procurando uma escola para nos
  • 49. matricular. E tenho certeza que o diretor ou diretora nosmostrará as dependências. Então poderemos percorrer oslocais em busca do cheiro dos vampiros. O que acham¿ - Eleperguntou entusiasmado.- Você é um gênio! – Respondi dando um abraço nele.- Como conseguiremos dinheiro para essa viagem¿ - Leahperguntou.- Todos nós temos algumas reservas guardado e sóprecisaremos do dinheiro para o avião e comida. E se tudo dercerto, em uma semana estaremos de volta. - Seth disse.- Vamos para a casa de Billy que os outros estão a nossaespera. – Disse para eles e partimos para a casa do meu pai.Quando chegamos lá, os outros já estavam impacientes com ademora.- E ai¿ Descobriram alguma coisa¿ - Paul perguntou.- Mais do que imaginávamos. – Disse para ele.- Como assim¿ - Perguntou Sam.- Encontramos registro de médico com nome Carlisle e dealunos com sobrenome Cullen em algumas cidades e fizemosum cruzamento de informações. Então olhe esse mapa... Essespontos vermelhos são os lugares por onde passaram. E o quevêem¿- Estão em circulo¿ - Perguntou Jared.- Sim! Por algum motivo estão em circulo e só faltam essespontos azuis para terminar. Então decidimos visitar essascidades para procurá-los. – Seth respondeu.- Quando viajamos¿ Perguntou Embry.- Hoje mesmo. Se for possível é claro. – Respondi.- Precisamos de dinheiro. – Embry disse para os outros.- Eu tenho algumas reservas. – Disse Sam.- Eu também. – Disse Jared.
  • 50. - Pode contar comigo. – Paul disse batendo no meu ombro.Um a um foi se colocando a disposição para me ajudar nessaviagem em busca da minha Nessie e fiquei emocionado poraquelas pessoas que mal conhecia me ajudarem daquelaforma tão desinteressada.- Quem vai com você¿ perguntou Sam.- Seth e Embry, se concordarem. – Respondi.- Concordamos sim, pois nenhum de nós poderia ficar longedas nossas impressões.- Então está certo. Amanhã todos trarão dinheiro e vocês trêspartem para o Canadá, a procura da Nessie. Sam disse.Nós ficamos conversando por mais algumas horas e elespartiram para a suas casas. E eu mal pude me conter de tantafelicidade, pela possibilidade de encontrar a minha Nessienovamente. Voltar para o índice
  • 51. PROCURANDO NESSIE – PARTE 2 escrita por GLAUCIABLACKAmores, procurem pela música Rilassante - Enya - PianoforteInstrumental e Pearl Harbor – Brothers.Espero que chorem um pouquinho!!PROCURANDO NESSIE – PARTE 2Aquela noite eu mal conseguia dormir de tanta ansiedade quesentia. Mas sabia que precisava descansar para mais umaviagem que teria que enfrentar. Então deitei em minha cama,fechei os meus olhos e comecei a lembrar do rosto do lindobebe e logo adormeci.- Jake!! Jake!! Você não consegue me pegar!! – Ela gritavaenquanto corria.Eu sabia que era mais rápido do que a criança, mas fazia tudopara agradá-la e isso incluía deixá-la ganhar nossas apostas.Ness correu pela floresta e fui atrás, tomando cuidado paranão chegar muito perto e ela não perceber que estavatrapaceando em seu favor.- Jake!! Jake!! Ganhei mais uma vez!!! – Ela gritava ao chegarna cachoeira, que era o seu local favorito.- Mas é claro que você me ganhou, princesa. – Disse pegando-a em meus braços e apertando-a bem forte contra o meupeito.- Eu já disse que te amo hoje¿ - Ela disse beijando minhabochecha.- Você estava com tanta pressa para me ganhar, que não medisse que me ama, não me abraçou e não me deu aquele beijogostoso que tanto amo. – Disse sorrindo para ela.- Você é um lobo muito bobo! – Você sabe que te amo desde odia em que nasci e mesmo assim fica emburrado se eu nãodisser. – Ela disse rindo para mim.- Ness, você é como se fosse a minha filha e sempre vou amarvocê. E não há nada que faça que me deixe emburrado comvocê. E sabe bem disso. – Disse, colocando-a no chão.- Quando eu crescer,quero ser forte e corajosa como você.- Você sabia que você é o meu herói favorito – Ela dissesaltitando na minha frente.- Acho que não tem bom gosto. Ora, vai escolher um lobo paraherói. – Respondi todo envaidecido.- Vamos correr mais! Ela disse e quando pisquei os olhos jáestava longe e tive que tirar a bermuda rapidamente, amarrar
  • 52. na tornozeleira e correr para alcançar a pirralha que adoravame deixar para trás.Acordei assustado com o barulho do meu pai na cozinha e lobome levantei para ver o que estava fazendo. E quando me deiconta que era a primeira vez em quase três anos que não tiveum daqueles sonhos estranhos, fiquei muito feliz. Mas afelicidade maior era por ter sonhado ou lembrado, não sei,com a minha pequena pirralha.- Pai! De pé tão cedo¿ - Perguntei ao entrar na cozinha.- Estou preparando algumas coisas para levarem na viagem,pois sei que esses dias serão bem complicados para vocês. –Ele me respondeu.- Vou deitar mais um pouco,pois ainda são 4 horas e os outrossó chegarão por volta das 8. – Despedi-me do meu pai e volteipara cama, na esperança de sonhar novamente com minhaamada pirralha.- Herman!! Herman!! – Minha irmã Scarlet entrou gritando emmeu quarto.- O que foi¿ Onde é o incêndio. – Perguntei mal humorado,por ter o meu sono interrompido.- Alguns revolucionários conseguiram montar um balão evamos tentar passar para o outro lado do muro.- O outro lado do muro¿ Eu vou com vocês!! Estou com tantasaudade da minha Natasha.- Vamos partir hoje a noite e assim que estivermos do ladoOcidental, começaremos nova vida e você poderá ficar comsua namorada. – Minha doce irmão me abraçou e ficamosrindo esperançosos por uma vida melhor.Depois que a Alemanha foi dividia, a nossa vida ficou muitocomplicada. E ficamos sozinhos no mundo, visto que a maiorparte dos nossos parentes e amigos ficarão do outro lado. Maspara mim a tortura era inda maior, pois fui separado da minhaamada Natasha e sonhava com o dia em que esse muro seriaderrubado e não haveria impedimento para o nosso amor.Fugi trabalhar no velho mercado, como fazia todos os dias.Mas passei o dia contando as horas para a tão sonhada viagempara a liberdade.Quando finalmente anoiteceu, corri para casa e peguei apenaso essencial para vestir. E sabia que encontraria amigos paranos ajudar nos primeiros tempos, então não adiantaria levarmais peso do que o necessário.
  • 53. Minha irmã Scarlet e eu fomos encontrar os seus amigosrevolucionários. E quando chegamos, já estavam terminandode inflar o gigantesco balão. Mas fiquei receoso que a policianos encontrasse antes da partida, apesar de dizerem que nãotinha perigo.Entramos no balão e fomos em busca de uma nova vida. Eestava super feliz pelo fato de ver a minha amada novamenteagora era realidade, não mais parte dos meus sonhos e dasminhas ilusões.O balão começou a subir e foi flutuando lentamente. E quandofinalmente chegamos até o muro, os soldados da Alemanhaoriental começou a atirar, então começamos a cairlentamente. E nessa hora, pedi aos céus para que ele caísse nolado ocidental. Entretanto não tivemos sorte e caímosjustamente no lado que não sairíamos vivos.Os soldados vieram em nossa direção e não tivemos nemtempo para nos explicar, pois começaram a atirar em todos. Efoi então que senti as balas penetrarem o meu corpo, quetombou para o lado.O meu último pensamento foi para a minha amada Natasha.- MEU AMOR! PROMETO QUE SE HOUVER UMA CHANCE EMOUTRA VIDA, ENCONTRAREI VOCÊ ONDE QUER QUE ESTEJA.EU SEMPRE TE AMEI.- Natasha! Natasha! Natasha! Nessie!! Nessie – Acordeichamando o seu nome e vi meu pai assustado olhado paramim.- Mais um pesadelo¿ - Ele perguntou.- Sempre! Todos os dias são iguais e sempre acordo assustadochamando por alguém. – Respondi já me levantando da cama.- Seth e Embry já chegaram. – Ele disse ainda me encarando.- Tomarei um banho rápido e depois iremos.- Ele respondeu.- Você precisa esperar Sam trazer o dinheiro, pois ele ficou depassar na casa dos outros para trazer.- OK! Deixa eu tomar banho e se quando houver terminadoSam não chegar, passo na casa dele. – Respondi.
  • 54. - Tomei um banho demorado e tive tempo para pensar naquelesonho tão estranho. E não entendia por que nós nuncaconseguíamos ficar juntos. E tive medo que nessa vida atragédia se repetisse e um de nós morresse antes do tempo.Comecei a ficar deprimido com os pensamentos que meassombravam. E tive medo que Nessie já estivesse morta, poispelo que parecia nós estávamos condenados a nuncaconcretizar o nosso amor. E se isso se repetiu por tantasencarnações, provavelmente algo aconteceria e nossepararíamos novamente.Ness meu amor, espero que ainda esteja vida e que um diasejamos capazes de viver esse amor impossível, que nunca seconcretizou em outras vidas.Não sei o motivo de tantas tragédias, mas o que tenho certezaé que não quero te perder como nas outras encarnações.Quero ser capaz de te amar como mulher e esperarei queesteja adulta para concretizar esse amor. E peço por tudo queé mais sagrado que dessa vez dê certo.Não consigo imaginar você morta e não consigo me imaginarmorrendo sem viver esse amor.Acho que temos direito isso!!!Esse amor nos pertence e se vivemos tantas encarnações emconcretizá-lo, nada mais justo que agora isso dê certo.Preciso tanto de você ao meu lado e não sei se algum diaconseguirei viver sem lembrar desse rosto lindo de menina. Efico imaginando a mulher perfeita que se tornará um dia enesse dia serei o homem mais feliz do mundo.Minha Ness!!Eu nem te conheço, ma já te amo tanto!!Eu vejo o seu rosto e nem sei se é real, pois nunca a vi adultae a imagem que vejo pose ser fruto da minha imaginação. Masseja lá como for, estarei te procurando e desejando que umdia você possa ser finalmente minha.Eu não quero o mesmo destino de Igor, Edmond ou Liang!!Realmente não quero ter você uma única vez!!Quero você inteira para todo o sempre!! E ser capaz de dátudo amor que nos foi negado nas outras vidas.Preciso tanto de você...- Vamos embora Jake!! Pare de sonhar acordado. – Sethgritou da sala.- Já vou! Só estou me arrumando. – Respondi mal humorado.Fui para sala e todos os meus amigos estavam lá me
  • 55. aguardando.- Vocês vieram¿ - Perguntei surpreso.- Mas é claro! Você acha que não nos despediríamos de vocês¿Jared respondeu.- Boa sorte, cara! Esperamos que você encontre a sua Ness. –Sam disse, dando-me um abraço e todos saímos em direção aocarro de Quil, que nos levaria para o aeroporto de Port Angels.Fomos para o aeroporto em silêncio e as mesmas inquietaçõescontinuavam a me atormentar. Mas apesar do medo quesentia de não concretizar esse amor nessa vida, tinhaesperanças que encontrar a minha Ness e mudar o nossodestino.Pegamos o avião e nas poucas horas de vôo, continueipensando em toda a problemática das minhas vidas passadase em como seria agora no presente.Senhor!Permita viver esse amor pelo menos uma única vez.Por favor não permita que a minha história acabe em tragédianovamente.Preciso tanto encontrar a minha Ness e acreditar que existeesperanças para nós dois.Mas alguma coisa em meu coração me diz que tudo vai acabarem tragédia novamente.Permita-me amar e ser feliz pelo menos uma vez!!Ness!!! Eu amo tanto você que meu corpo chega a doer detanta saudade.E o pior é que sinto saudade de coisas que não lembro e quenunca vivi.EU PRECISO SER FELIZ!!!NÃO SUPORTO MAIS ESSA DOR!!!NÃO SUPORTO MAIS ESSA AUSÊNCIA!!POR FAVOR, SENHOR!! DÊ APENAS UMA ÚNICA CHANCE DESER FELIZ COM ELA.POR FAVOR!!Ness, prometo que um dia a encontrarei e você será a criaturamais amada do mundo.Darei toda a minha vida para te fazer feliz e amar como nuncaantes foi.Prometo que serei fiel,companheiro, amigo, protetor e o amorda sua vida.Você nunca mais se sentirá só ao meu lado, pois aquecerei
  • 56. todos os seus dias.Eu só preciso se uma chance para te fazer feliz!!Preciso de você como do ar que respiro. E como vivo sem omeu ar¿Como vivo sem o meu coração que ficou com você¿Não existe vida sem você!!!!Hoje eu não vivo, apena vegeto e esse estado vegetativo estáme matando a cada dia que se passa.Preciso de você para me salvar e preciso te salvar dessa dorque te corrói.Por que será que as coisas precisam ser tão complicadas paranós dois¿Por quê¿- Jake! Jake!! Chegamos. – Seth estava me sacudindo e metirando do meu momento de reflexão.- Vamos! Temos um caminho longo a percorrer. – Respondipara ele.Seth, Embry e eu percorremos as sete cidades e duassemanas. E passamos em cada maldita escola queencontramos, mas todas as vezes que chegamos eperguntávamos se os Cullens estudavam lá, sempre diziamque havia se mudado. Então depois da duas semanas deviagem, passando frio, fome e com muito cansaço resolvemosvoltar para La Push com o pouco dinheiro que havia restado.Eu estava horrível por dentro e por fora. E aquela altura docampeonato, queria morrer de tanta dor e desespero quesentia. Mas não havia mais esperanças de encontrá-los eagora passaria o resto da minha vida sofrendo de amor. Etalvez até morresse com a imensa dor que sentia em meupeito.Por quê¿ Por quê¿Onde você está meu pequeno tesouro¿ Não suporto mais viverlonge de você!!!Está doendo tanto que não consigo explicar a complexidade doque sinto.Como será minha vida agora¿ Qual o sentido de continuar vivosem você¿ Qual¿Até para morrer é um grande problema para mim!!!Eu não mereço isso!! Não mereço esse castigo!! Será quejoguei pedras na cruz na outra encarnação e estou sendocastigado por isso¿
  • 57. Onde você está minha princesa¿ Onde¿ Como faço para teencontrar novamente¿ESSA “ M” DESSA VIDA NÃO É JUSTA!!!!!!!NESSSSSSSSS!!! EU AMO VOCÊ!!!!!HAHAHAHAHAHS- Jake! Para de chorar – Embry disse.- Vai a “ M” !!! – Respondi mal criado para ele no aeroporto dePort Angeles.- Todos estão olhando você chorar desesperado. Então paracom isso. – Embry continuou em encher a minha “ p”paciência, que já não era grande.- QUERO QUE O MUNDO VÁ SE “ F” !!! Gritei bem alto e todosno aeroporto pararam para me olhar assustados.- Deixa ele, Embry. Ele precisa desabafar. – Seth orepreendeu e eu continuei chorando, sentando em umacadeira e com as duas mãos em minha cabeça.Seth e Embry foram buscar as nossas malas e eu fiquei alitotalmente desorientado e desesperado pela possibilidade denunca mais encontrar a minha Ness, e com uma dor filha da“ P” em meu corpo.Então fechava os olhos e a via chorando também, mas não eraa criança das visões que tinha. E sim uma mulher linda eperfeita que chorava desesperadamente. E a dor que sentia setornou mais profunda depois daquela visão.Meu amor!!Onde você está¿ Como te encontrarei¿ HAHAHANão quero passa o resto da minha miserável vida sem vervocê.Preciso sentir o seu calor, seu cheiro, seu gosto...Preciso de você para continuar vivo.- Jake, vamos embora. – Seth me chamou e fomos andandosem dizer palavra alguma.A volta para casa foi ainda mais triste do que a viagem devolta do Canadá. E chorava desesperado como um criança enão me importava com os meus amigos presenciando aqueledesespero. Pois a única coisa que me causava dor, vergonha
  • 58. ou medo era o medo de não encontrar mais a minha Ness.Então deixei extravasar toda raiva, toda dor e angustia quesentia sem a menor vergonha.Quando chegamos em casa, só meu pai estava lá e já sabia oresultado da viagem. Então não falou nada quando entrei e fuidireto para o meu quarto.Abri minha mala de viagem para tirar as minhas coisas e tiveuma grande surpresa. Pois a mala não era minha e nela haviacoisas de mulher. Então me permiti ver as roupas e os diárioque estava dentro dela. E na primeira página estava escritoJACK BLACK.Comecei a ler aquele diário e as minhas perspectivas de vidacomeçaram a mudar naquele momento.CONTINUAJAKE E JACK Voltar para o índice
  • 59. JAKE E JACK escrita por GLAUCIABLACKJAKE X JACKEstava revoltado com a vida e com o mundo quando chegueiem casa. Mas ao abrir a mala e começar e ver aquele diário, asminhas perspectivas mudaram e comecei a ver o mundo deoutra forma.JACK BLACK1 de agosto.Hoje acordei um pouco chateada com tudo e não estava commuita paciência para aturar a minha tia louquinha querendome fazer de boneca. E a data de hoje não era muito boa pararesolver me paparicar, pois fazia exatamente um ano e setemeses que ele morreu.A minha família procurava não falar no assunto e se quertocavam em seu nome, mas sabia que por dentro estavamortalmente ferida. Então se tivessem um pouco de juízo nãome procurariam no dia de hoje.Acordei e a primeira coisa que veio a minha mente foi osorriso que tanto amava e aquele olhar que me deixavaperdida.Peguei o meu laptop, mas também não estava com muitapaciência para ficar a internet. Então resolvi ligar o meu mp4 ecomecei a escutar músicas que só me deixavam em uma fossainda pior.Essa vida é uma “ m” .Abri outra página aleatoriamente e apesar de saber que erauma invasão de privacidade, não consegui conter a minhacuriosidade.15 de outubroEntrei no Orkut para ver as mensagens que os meus amigosvirtuais deixaram para mim.Aliás os meus únicos amigos, visto que nos últimos dois anosme recusava a sair de casa e me relacionar com as pessoas.Criei um perfil falso no Orkut e coloquei a foto da minha tialinda e loira. E todos os rapazes do mundo me adicionavam eme chamavam para sair.Sinceramente, acho essa coisa de Orkut um saco, pois aspessoas escrevem coisas sem sentido e as comunidades sãona maioria sem conteúdo. Mas encontrei umas pessoas bem
  • 60. legais e passo algumas horas do meu dia batendo papo noMNS e fingindo viver uma vida que não tenho.Gostaria tanto que ele estivesse vivo e pudéssemos sair juntospara passear novamente. Mas infelizmente ele se foi e em seulugar só ficou um vazio e uma enorme dor.Desde que meu amor morreu naquele trágico acidente,comecei a adoecer e uso isso como desculpa para não sair domeu quarto. E apesar de saber que meus pais têm ciência queposso viver normalmente, mas fingem que não tenhocondições de viver em sociedade para me agradar.Tenho pena da minha mãe, que sofre por mim e por ele queconsiderava um irmão.Mas já sofro tanto que não dá para ficar medindo as palavraspara falar com ela.Hoje é mais um daqueles dias chatos, que terei que aturar asminhas tias tentando fazer algo para me tirar da cama, masnão tenho vontade nenhuma.10 de novembroMeu tio hoje resolveu fazer gracinha e me levar para passear.Mas acordei me sentindo tão fraca, que meu avô deixou de irpara hospital só para me observar. E meu pai ficou com aquelacara de preocupação que sempre fazia.Eu odeio quando ficam assim perto de mim, como todo essecuidado.Será que não percebem que já não vivo mais desde que ele sefoi¿Por que querem prolongar essa vida chata, dolorosa e sofrida¿Não tenho mais paciência para atuar a minha família.E a única coisa que ainda me mantêm viva, são as lembrançasque tenho do meu amor.Fora isso, acho essa vida um verdadeiro saco!!!Só espero que não inventem de fazer nada nesse natal, poisnão estou com paciência para ceia ou presentes. Pois o únicopresente que gostaria de ganhar é impossível para mim.23 de dezembro.Hoje é um dia muito triste para mim, pois o segundo natal quepassarei sem ele se aproxima.E todo esse clima de amor e felicidade só me deixa ainda maistriste.Sinceramente, queria ter morrido junto com ele. E me sintoculpada por ter insistido tanto naquele passeio.Agora estou aqui com febre, fraca e muito deprimida. E meuavô acha que isso só piora a minha condição.
  • 61. Essa vida é uma “ M” bem grande!!!Por que algumas pessoas são tão felizes e outras sofremtanto¿Por que minha vida tinha que ser cheia de tragédias¿Se não fosse pelos meus pais, com toda certeza já teria puladode uma ponte ou me atirado na frente de um carro. Mas eles jásofrem tanto, que não seria capaz de causar mais essa dor.Mas qual o sentido de continuar a viver¿15 de janeiroEssa semana nos mudamos novamente de cidade, pois o meuavô arrumou outro emprego. Então a família toda teve que semobilizar para a nova casa. Mas sinceramente, já estou tãoacostumada com essas mudanças repentinas, que não meincomodo mais.O que poderia perder com isso¿ Não tenho namorado, amigos,vizinhos ou animais de estimação.Então não há nada que me prenda. E a única coisa que nãopode faltar para mim é o meu computador, mas de resto nadame importa.Só espero que o clima da nova cidade esteja melhor, poisfiquei mais doente do que o costume na nossa última casa.23 de fevereiroEssa noite tive um sonho estranho e acordei gritando e superassustada.E meus pais e meu avô me socorreram durante a noite,enquanto chorava compulsivamente.Foi tão real que cheguei a sentir dor de verdade. E nessesonho eu era uma cigana e morria espancada por um montede mulheres enfurecidas, que me acusavam de coisas que nãoentendia.Bem, fora isso as coisas continuam as mesmas!!Continuo pensando no meu amor morto e pedindo para o seufantasma aparecer para mim.E de vez em quando passo mal e minha família faz aqueledrama de sempre.Ah! Esqueci de dizer que nos mudaremos novamente, pois oclima dessa nova cidade é péssimo e meu avô acha que nãome faz bem. Então daqui alguns dias estarei em um novoquarto.10 de marçoHoje estou morrendo de tanta angustia e queria que essa“ M” de vida que tenho acabasse logo.Essa noite sonhei com o nosso acidente e quase morri de tantochorar. E minha pobre mãezinha teve que vir dormir comigo.
  • 62. Sinto tanto a falta dele, que isso me causa dor física e medeixa ainda pior a cada miserável dia.Já não tenho paciência para os meus amigos virtuais e para aminha família.Então o que será de mim¿Se eu tivesse pelo menos uma chance de dizer para ele que oamava¿Mas nem isso me foi permitido. Então fico sofrendo em meuquarto, dia após dia e tendo que aturar as caras de pena queminha família faz.Isso é vida¿QUERO MORRER!!!!!POR QUE NÃO ME LEVOU JUNTO CONTIGO¿SINTO TANTO A SUA FALTA¿EU AINDA TE AMO TANTO!!TE AMO TANTO QUE CHEGA DOER NO CORPO E NA ALMA!!ESSA VIDA É UMA “ M” !Lendo o diário da senhorita Jack Back, percebi que não era oúnico a sofrer tanto nessa vida. E comecei a pensar em comoera duro para ela passar os dias em seu quarto, sem amigos ecom a pena de toda a família. Então comecei a ler cada paginado seu diário e me senti extremamente ligado a ela por aquelador que senti.Decidi levar a mala para o aeroporto e ver se ela havia deixadoa minha. Então escrevi uma carta para ela e coloquei na malaantes de fechá-la. Mas uma coisa estranha me chamou aatenção e tive que parar um pouco para entender. E foi nessemomento que senti um cheiro bom que saia das roupas dela ecomecei a ficar alucinado por aquele cheiro, mas não entendiabem por que.Fui para Port Angeles no carro de Seth e levei a mala para osetor onde me indicaram. E quando cheguei lá, para minhasurpresa, a minha mala já estava no local.Peguei a mala, abri para conferir se tudo estava dentro dela eencontrei uma carta.Caro Sr Black,Adorei os desenhos que fez dessa menina e confesso quefiquei bem curiosa para saber quem é o desenhista que fez tãodivinos desenhos.Estou agradecida por devolver a minha mala e gostaria de um
  • 63. dia conhecê-lo para agradecer pessoalmente.Abaixo segue o meu email e o meu MSN, e se for da suavontade me adicionar, adoraria me corresponder com você.Um terno abraço.Ps: jblack@hotmail.comJ Black.Sai do setor de bagagens perdidas e corri para uma lan houseque havia no aeroporto. Mas não entendia nada decomputadores e não sabia se quer o que era um email. Entãoresolvi jogar o meu charme para a mocinha da lan house e elasentou ao meu lado para me ensinar. E criou uma conta deemail e MSN para mim.Entrei imediatamente no tal MSN para tentar falar com aJblack, mas ela não me respondeu. Então passei um email, dojeito que a simpática garota me ensinou.Olá senhorita Black,Fico feliz que tenha gostado dos meus desenhos, pois eles sãode uma pessoa muito especial para mim.Como se sente no dia de hoje¿Tentei adicioná-la no tal MSN, mas você não me respondeu.Então segue abaixo o meu endereço e depois você me adicionae poderemos conversar melhor.Também gostaria muito de conhecê-la pessoalmente e se forda sua vontade, um dia desses podemos marcar um encontro.Ps: jnblack@hotmail.comattJ Black.Eu não entendia nada e computadores e de internet, masestava bem ansioso para falar com a senhorita Black. E assimque voltei para a reserva, corri para a lan house para tentarfalar com ela pelo tal MSN. Mas me senti um canalha por traira minha Nessie, só que algo nessa moça chamou a minhaatenção e precisava conversar com ela, nem que fosse umaúnica vez só para ouvir toda a sua história. Voltar para o índice
  • 64. MENSAGENS escrita por GLAUCIABLACKNotas do Autor:PS abri um ticket com o suporte e eles informaram que asestrelinhas estão temporáriamente desabilitadas.Que pena!!! Amo as estrelinhas!!!Quem não viu a capa linda que fiz, dá uma olhadinha depois!!bjnPessoal, chorei muito no diálogo do Jake com a Jack.Procurem pelas músicasPs: muitos não comentará o cap Jake e Jack e preciso saber oque vcs estão achando.Comentem por favor!!MENSAGENSPegue o carro de Seth e corri para La Push ansioso para ver sea JBlack responderia minha mensagem. Mas no caminhocomecei a pensar em outras coisas, como por exemplo,sobreviveria sem um emprego para me sustentar, afinal decontas não era um vagabundo e precisava urgentemente deum emprego. Outra coisa que estava me deixando beminquieto era o fato de só ter vinte dólares e saber que essedinheiro duraria no máximo dois dias. E arrumar um empregonessas circunstâncias era questão de vida ou morte para mim.Então fui direto para a oficina onde Seth e Quil trabalhavampara saber se havia conseguido o emprego para mim.- Oi cara! - Falei com ele assim que cheguei à oficina.- Oi! E ai? Trocou a mala? - Ele perguntou.- Ah! Sim troquei. Mas o que trouxe aqui foi o fato de precisardevolver o seu carro e ver se conseguiu o emprego para mim.– Disse para ele.- Conversei com o Sr Hudson e disse que você trabalhou aquina época do Sr Barney, e contei a sua história. Então oemprego e seu. – Ele disse apertando a minha mão e nãosabia por que mais sentia uma ligação mais profunda e mais
  • 65. fraterna com ele, do que com os outros.- Obrigada, cara! Você salvou a minha vida. – Disse para ele.- Agora me conta sobre a tal garota? O que descobriu? -Perguntou curioso.- Nada além do que li no diário. Mas ela deixou uma carta paramim e eu criei uma conta de email e iremos nos corresponder.– Respondi rindo malicioso.- Você não estava se acabando de sofrer pela sua Ness? - Eleperguntou e amarrei a cara.- Não tem nada haver. Eu apenas fiquei comovido com ascoisas que li, pois a história dela é parecida com a minha. Esabe, acho muito difícil continuar a viver depois que alguémque se ama morro. E o no meu caso tenho esperanças deencontrar Ness, mas ela... A pessoa que amava morreu e elavai passa a vida inteira com essa dor. Então não me acuse dequerer se solidário.- OK!! Não está mais aqui quem falou! Agora vamos falar como Sr Hudson e você começa a trabalhar ainda hoje. – Eledisse.- Seth! Deixa só eu ir Lan House uns minutos, só para ver seela me respondeu. E já volto. Ok? - Pedi.- Você quem sabe, mas acho que deveria começarimediatamente. – Respondeu fazendo uma careta.- Vou começar hoje!! Só preciso saber se a tal JBlack merespondeu. - Disse.- Desde quando você mexe em computadores? - Ele perguntoufazendo graça.- Desde o momento que aprendi a fazer charme para asgarotas e elas me ajudam prontamente. – Nós dois rimos daminha gracinha.Sai da oficina e corri para a Lan House a pé. E estava muitoansioso para saber se a garota do diário havia me respondido.Então assim que cheguei, fiz aquela cara de conquistador e jáfui jogando charme para a balconista.- Olá, docinho! – A garota quase subindo pelas paredes à
  • 66. minha frente e me olhou de uma forma que pensei que fosseme devorar. Mas precisava continuar com o meu charme paraconseguir a sua ajuda.- Em que posso te ajudar? - Ela respondeu quase cantando ecom um sorriso imenso nos lábios.- Eu preciso acessar o meu email e o meu MSN, mas criei aconta hoje e não sei como fazer. Poderia ma ajudar? -Perguntei dando uma piscadinha para ela, que sorriu para.- Mas é claro!! Com todo prazer, mas é só isso mesmo queposso fazer por você? - Perguntou me olhando maliciosa.- No momento sim, mas no futuro quem sabe. – Ri para ela efomos para um computador.Ela abriu a página do email e o MSN e explicou como usar. Edepois saiu para me dá privacidade.Abri o meu email e havia uma mensagem da JBlack:Caro Sr Black,Fico feliz que tenha devolvido as minhas coisas e mais aindade aceitar a se comunicar comigo.Estava sentindo muita falta de escrever no meu diário e vocême fez um imenso favor.Então gostaria de encontrar uma forma de retribuí-lo.Esse destino é mesmo muito engraçado, pois o maisimprovável aconteceu, por causa da troca das nossas malas.A propósito, peço desculpas pela troca. Mas minha tia foiquem pegou a mala e acabou se confundindo.Eu o adicionei no MSN e ficarei muito feliz em me comunicarcom um homônimo.Estou logada nesse momento, então se for da sua vontadeconversar comigo.BjnJackLi a mensagem e um sorriso saiu espontaneamente em meurosto. E fiquei muito mais ansioso para conversar com a talgarota. Então respondei o seu email e depois cliquei no SEND.Jack,
  • 67. Acho que você está confundindo as coisas. Pois a honra detrocar mensagens com uma homônima é toda minha.Estou muito feliz por essa coincidência que fez com que nosencontrássemos.E gostaria muito de conversar com você e saber a sua história.Estou acessando o tal MSN e nos falaremos a seguir.Só não liga muito para as coisas que escrevo, pois sou novatonesse lance de email e MSN.BjsBlackAcessei o tal MSN e comecei a achar até divertido essa coisade internet. Então em alguns segundos, uma telinha apareceue ela estava falando comigo.JBlack:Oi! Como vc esta?JNBlack:Bem, obrigadaJBlack:Poderia fazer uma pergunta?JNBlack:È claro! Fique a vontade.JBlack:Você leu o meu diário?JNBlack:Não mentirei para vc. Sei que isso foi horrível, mas fiqueicurioso.Desculpe.JBlack:Isso se chama invasão de privacidade. Sabia?JNBlack:Já pedi desculpas. Mas o que posso fazer para me perdoar?JBlack:Só converse comigo.JNBlack:
  • 68. Estou aqui! Não estou?JBlack:De onde você estava vindo?JNBlack:Do Canadá.JBlack:E o que foi fazer lá?JNBlack:Procurando uma pessoa...A garota do desenho!Ela é o amor da minha vida!E você?JBlack:Também vim do Canadá.Mas não a encontrou?JNBlack:Infelizmente não e estou desesperado por isso.Acho que não consigo viver sem ela...Sinto uma dor tão profunda!JBlack:Sei bem o que é isso.Eu também perdi uma pessoa, mas infelizmente nunca mais oencontrarei...JNBlack:Hei! Você ainda está ai?JNBlack:OI! Você ainda está ai?JNBlack:Olá!!JBlack:Desculpe, mas quando penso nele sinto uma dor tão forte quenão consigo respirar.Sabe quando vc acorda e não vê nenhum motivo para respirar.Não existe ninguém te esperando....Não existe mais nada para você!!!Eu vivo assim!!Se é que posso dizer que vivo!!!
  • 69. Só não me matei ainda por causa dos meus pais.Mas cada dia da minha vida é um inferno!! HUHUHUHUJNBlack:Você está chorando?JBlack:Desculpe!Não consigo agüentar!!!Doe tanto, mas tanto... As vezes acho que morrerei a qualquermomento.JNBlack:Não fica assim!!Você é tão nova. Tem quantos anos?JBlack:????JNBlack:Está querendo esconder a idade?JBlack:18.E vc?JNBlack:24, pelo menos eu acho.JBlack:Como assim eu acho?JNBlack:Perdi a memória há quase três anos. E só consegui voltar paracasa há algumas semanas. Então tudo está muito estranho.Sabe o que é não lembrar dos pais, dos amigos, da vida quetinha?A única coisa que lembro é Dela!!! Só ela!!E sinto tanta falta que chega a doer o meu corpo.JBlack:Que triste!!Sei bem como é isso de saudade...Sonho com aquele sorriso que tanto amei todas as noites.E ao acordar, a primeira coisa que vejo são seus olhos.Já pedi tantas vezes para o seu fantasma aparecer para mim!!Acho que estou ficando louca.
  • 70. JNBlack:Vc ñ está louca! Só sente falta dele.Mas não vou dizer que tem que superar isso, pq sei que essador não acaba.Ñ mentirei para vc.Mas precisa voltar a viver e ñ pd se esconder do mundo. Ficatrancada no quarto...Precisa encontrar uma forma de viver.JBlack:Cm se vive sabendo que ñ existe futuro?Ñ existe nada para mim!!! NADA!! NADA!!!Nunca mais serei feliz novamente!!!Como pode achar que vou encontrar uma forma de viver!!!!A única coisa que espero é a MORTE!!!Todos os dias me lembro do que aconteceu e desejo podervoltar no tempo para mudar tudo.DESEJO MORRER!! MORRER!! MORRER!JNBlack:Gostaria de te consolar, mas não sou a pessoa mais indicada.Estou destruído e a dor que sinto é tão grande, que tambémtenho vontade de morrer.A minha única esperança é de encontrá-la um dia, mas issopode não acontecer.E o desespero toma conta de mim de uma forma, que acho queexplodirei.Então não vou dizer que está certa ou errada, pois cada umsabe a dor que sente.Mas deveria começar a se relacionar com outras pessoas, irpara a escola, passear... tentar viver um pouco.Pois ficar trancada no quarto chorando só piora as coisas.JBlack:VOCÊ NÃO SABE NADA DE MIM!!!NINGUÉM SABE NADA DE MIM!!Ñ estou com bom humor para conversar mais...Estou triste e o melhor lugar para a afogar a minha tristeza éo meu travesseiro.E também meus pais acabaram de chegar e não tenhoprivacidade nessa casa.JNBlack:Mas seu pai nem está lendo o que escreve!!!JBlack:A minha família é estranha!!!
  • 71. Não há privacidade aqui.Foi muito bom conversar com vc...Depois falarmos.BjnJNBlack:BJsEla saiu do tal MSN e comecei a chorar naquele momento, poisimaginei como a minha Ness ficou depois da minha morte. Eisso poderia acontecer com ela também, então comecei a mequestionar sobre as coisas que estavam acontecendo.- Como aquela garota era sofrida!! Como ela é amarga!! Ela étão jovem e tem uma vida inteira pela frente...Mas adesesperança em suas palavras são de cortar o coração.- Será que minha Ness conseguiu superar o trauma doacidente? Não posso ficar pesando sobre essas coisas, poisenlouquecerei.- Minha pequena onde você está? Como farei para teencontrar? Como viverei sem você? Será que acabarei como aJack? Senhor!!! Não permita que passe a minha vida inteirasem encontrar o meu amor!!- Essa dor está me matando a cada dia, mas agora preciso serforte para dá palavras de consolo para a Jack. E como fareiisso se eu mesmo não vejo futuro para mim? Como?Sai da Lan House totalmente destruído e fui para a oficinacomeçar o meu primeiro dia de serviço. Mas a minha cabeçaviajava nas lembranças das palavras desesperadas daquelagarota. E sabia que mesmo sofrendo pela minha Ness, teriaque encontrar uma forma de ajudá-la a superar o que estavapassando. Então agora tinha duas missões na vida: encontrarNess e salvar Jack. Voltar para o índice
  • 72. VAMOS MARCAR UM ENCONTRO? escrita por GLAUCIABLACKPessoal, esse cap ficou muito bonitinho.Não deixe de comentá-lo!!bjnVAMOS MARCAR UM ENCONTRO¿Os meses começaram a passar rapidamente e apesar daspesquisas que Seth fazia, não encontramos mais nenhum sinaldos Cullens. E isso era sinal que haviam se mudado para outrocontinente ou mudado de nome. Então as possibilidades de euencontrar a minha Ness ficava ainda mais remota, o que medeixava desesperado todos os dias.Continuei a ter sonhos estranhos com as nossas outras vidas eera atormentado pela imagem de Ness, já adulta, chorandomuito. E a dor que sentia era tão profunda que estavaacabando comigo. Entretanto era aliviada pela sensação boaque sentia quando me transformava em lobo e corria pelafloresta. E as lembranças da minha Ness vinham mais fortes acada transformação que fazia.Mas apesar da minha dor e da saudade que sentia da minhaNess, meu sofrimento era aliviado pelas conversas que tinhamcom Jack.Nós nos falávamos pelo MSN todos os dias na hora do meualmoço e quando saia do meu trabalho. Mas as vezes elasumia, por causa de problemas familiares, e sentia muita faltade conversar com minha amiga.Nós nos tornamos grandes amigos e fazia tudo para fazê-lafeliz, então contava sobre o meu dia, sobre as travessuras dosmeus novos amigos, sem falar sobre nomes e os detalhes dacoisa de lobo e contava piadas.Também resolvi contar sobre os anos que passei viajando,sobre as cidades por onde passei e as pessoas que conheci.Mas Jack achou que tinha algum problema mental quandocontei sobre os sonhos e a coisa da alma gêmea. E mesmoassim ela se divertia comigo e sentia que a cada dia estavamais feliz.Um dia ela disse que gostaria de ouvir a minha voz e disse quepoderíamos conversar pelo telefone. Então disse que não tinhacelular, mas compraria um somente para conversar com ela.JBlack:
  • 73. Como vc está hoje¿JNBlack:Muito bem, apesar de trabalhar muito.JBlack:Tive que viajar com a minha família, para resolver problemasparticulares.Mas estou de volta.JNBlack:Estou curioso sobre uma coisa.JBlack:Sobre o que¿JNBlack:Como vc é¿JBlack:Loira, olhos verdes, alta e tenho um corpão. RsrrsJNBlack:Vc está mentindo!! KkkkkkkEsquece que li o seu diário.JBlack:OK! Vc venceu!!Sou baixinha (1,68), magrela, muito branca, tenho os olhosazuis e os cabelos avermelhado.Nada de especial.JNBlack:HUMMMM!!JBlack:HUMMMM! O que¿JNBlack:Lembrei de uma pessoa, mas deixa para lá.JBlack:Lembrou dela¿JNBlack:Quando a vi pela última vez ainda era uma criança.Então não sei como é hoje, mas imagino que seja como vc estádescrevendo.
  • 74. JBlack:Acho tão lindo esse amor que tem por ela. E gostaria que eleestivesse vivo para me amar assim.Pois mesmo depois de tantos anos vc ainda a ama tanto.JNBlack:Faz muito tempo, mas nunca a esquecerei.JBlack:Black! Quero ouvir a sua voz.Qual o seu celular¿JNBlack:Ñ tenho celular.Mas se for para falar com vc posso comprar um.Na minha casa tem tel e poderia te ligar.JBlack:Prefiro não ligar para sua casa!! Menos formal.JNBlack:Vc é estranha! KkkkkkJBlack:Agora percebeu isso¿ rsrsrsJNBlack:Comprarei um celular e poderemos nos falar.OK¿JBlack:Vou aguardar.Tenho que ir!! Meu pai chegou aqui.BjsJNBlack:BjsFui..Depois daquela conversa, percebi que de certa forma elaestava melhorando e mais feliz. Mas tive medo que nutrissealgum tipo de esperança por mim, pois não poderia meenvolver com ela.Só que sabia que ela precisava de mim e não poderiaabandoná-la no momento em que parecia mais feliz.No dia seguinte fui até Forks e comprei um celular para me
  • 75. comunicar com a minha amiga Jack.E de lá fui direto pra a Lan House para informar o meu novonúmero para ela.JNBlack:Hei!!! Vc está ai¿JBlack:Pensei que havia esquecido de mim.JNBlack:Jamais me esqueceria de vc.JBlack:Fico feliz por isso.JNBlack:Tenho novidade!!!Comprei um celular e podemos nos falar.JBlack:HUMM!!Estou feliz por saber que ouvirei a sua voz.JNBlack:Anota o número 9809-7890.JBlack:Vou te ligar agora mesmo.JNBlack:No aguardo.Paramos de nos comunicar pelo MSN e o celular tocou.- Alô, princesa. – Disse sorrindo e o silêncio permaneceu poralguns segundos.- OI!- Não estava curiosa para ouvir a minha voz¿ Agora ficoutímida¿ - Tentei quebrar o gelo.- É que parece estranho...- Nunca falei pelo telefone com nenhum dos meus amigosvirtuais. – Ela disse com uma voz maravilhosa, que me deixoufascinado.
  • 76. - Não sou só o seu amigo virtual!!! Sou diferente dos outros. –Respondi me gabando.- É claro que é.- Você é real demais...- Ficou muda novamente¿ O que foi¿ - Não entendia por queestava sendo tão reservada pelo telefone.- A forma como me chamou...- Lembrou alguém. Ela disse e parou um pouco.- Desculpe, mas nunca sei como falar com você sem temagoar. – Respondi triste.- Não se preocupe comigo.- Estou muito feliz por ouvir a sua voz, que é tão linda...- Muda novamente¿ Pensei que estávamos superando essafase. – Disse para ela.Ficamos conversando por algum tempo, mas por algum motivoque desconhecia ela sempre se calava no meio da conversa. Eaquilo já estava começando a me incomodar, mas sabia queela precisava de tempo aprender a se relacionar com aspessoas.Passamos duas semanas conversando pelo telefone etrocando torpedos diários. E sentia que Jack estava cada vezmais feliz e aprendendo a se soltar mais comigo. Contudoainda estava com o coração destroçado pela falta deesperanças em encontrar a minha Ness. E tinha que disfarçarpara que ela não percebesse o quando estava sofrendo.Passava as minhas noites chorando e me lembrando dealgumas coisas que vivemos juntos. E a noite era o piorperíodo do dia, pois estava sozinho e a minha mente seprendia as lembranças dela.Às vezes tinha vontade de dá um fim em minha vidamiserável, mas não podia perder as esperanças de encontrá-la. Então continuar a viver era a única coisa que poderia fazere Jack era como um sol para mim nesses momentos. Pois asmensagens que me enviava e quando nos falávamos pelotelefone, era inundado por uma felicidade tão grande que meudia se tornava melhor.Um dia, ela me fez um pedido que me deixou um pouconervoso e ao mesmo tempo feliz. Mas não poderia negar o queme pedia.
  • 77. - Alô!- Oi, Jack! Como está¿ - Perguntei.- Quero fazer um pedido.- Pode me pedir o que quiser.- Vamos nos encontrar¿- Você quer me encontrar¿- Sim, quero. Você é o único amigo que tenho e gostaria de teconhecer. Posso¿- È claro que quero te encontrar.- E como vamos fazer¿ - Ela perguntou.- Você escolher a hora e o local. – Respondi para ela.- Pensarei no local e na hora. E depois te avios. – Ela disse.- Jack! Só quero te dizer uma coisa antes de nosencontrarmos.- Pode dizer. – Ela respondeu com a voz temerosa.- Não quero que crie falsas ilusões em relação a mim... Vocêsabe que amo muito uma outra pessoa e estou procurando porela a anos. E um dia a encontrarei. Então não quero que seapegue muito a mim e crie qualquer tipo de ilusões, para nãosofrer ainda mais.- Acho tão bonito esse seu amor e fidelidade por ela. E queriatanto que ele estivesse vivo e tivesse o mesmo amor por mim.- Então pense em um local e ficarei aguardando.- Mais tarde eu aviso onde nos encontraremos. Tchau! Beijos.- Um beijo para você também, princesa.Ela desligou o telefone e percebi que ficou sentida com o quehavia falado. Mas seria um canalha se deixasse ter algum tipode esperanças em relação a mim, quando amava outra pessoae não poderia entregar o meu amor a ela.
  • 78. Voltar para o índice
  • 79. DESILUSÃO escrita por GLAUCIABLACKPessoal, Jack acabou nutrindo o sentimento errado por Blackdevido a sua semelhança com o seu amor.E depois que se falaram pelo telefone as coisas ficaramestranhas.Mas no nosso amigo Jake, apesar de gostar de Jack, continuafiel a sua Ness.E agora¿ Como ele resolverá isso¿DESILUSÃOTrabalhei o resto do meu dia super nervoso pelo telefone daJack. E a preocupação que sentia em magoá-la era tão grande,que a emoção desse encontro acabou se tornando menor porcausa das minhas preocupações.Sabia que a vida de Jack já era triste demais e magoá-lapoderia acabar de vez com a sua vida. E esse era um bommotivo para ver esse encontro como um problema para nósdois. Não que e fosse me apaixonar por ela, pois seriaimpossível gostar de outra que não fosse minha Ness. Mas elapoderia se apaixonar por mim. E como agiria nesse tipo desituação¿Já estava deitado em minha cama quando o meu telefonetocou.- Oi Jack! – Disse com um tom um pouco áspero.- Oi Black! – Ela respondeu.- Já decidiu onde quer me encontrar¿ - Perguntei tentandodisfarçar a minha ansiedade.- Sei que trabalha muito durante a semana. Então resolvi quepoderemos nos encontrar na sua folga no domingo. O queacha¿ - Ela perguntou.- Para mim está bom. E onde poderemos nos encontrar¿- Na praia de Clallam Bay, perto dos quiosques, às 13 horas. Oque acha¿- Para mim está ótimo. Só acho que falta muito para odomingo. – Respondi rindo.- Só faltam quatro dias e trocaremos mensagens pelo MSN,
  • 80. torpedos e ainda podemos nos falar pelo telefone. – Elarespondeu.- OK!!! Acho que agüento até domingo. – Respondi.- Tenho que desligar. Um beijo. – Ela disse.- Um beijo para você também. – Respondi e desliguei.Fiquei deitado olhando para o teto e pensando como seria esseencontro, quando o meu celular sinalizou que tinhamensagem.Viu como ainda podemos nos comunicar nesses quatro dias.BjnJack.Mesmo assim acho que falta muito.BjsBlackVc é muito ansioso.BjJackOlha quem falaBjBlackVc não disse que precisava desligar¿BlackSim! Minha tia entrou no quarto, mas já foi.JackSonhe com os anjos.BlackPode deixar! Sonharei.JackNos dias que se passaram, nos falamos três vezes e ficamos atrocando mensagens pelo MSN e por torpedo.E estava ficandoainda mais ansioso com a proximidade do nosso encontro. Masno sábado, comecei a me sentir estranho e meu corpocomeçou a esfriar de repente. Então não consegui sair dacama, para ir trabalhar ou fazer qualquer outra coisa.Os meus amigos e o meu pai ficaram preocupados com o meuestado, mas não poderiam chamar um médico para mim.
  • 81. Então começaram a me dá chá e outros remédios caseiros, emesmo assim me sentia muito mal.Meu corpo estava muito dolorido, minha cabeça parecia girar enão conseguia me concentrar em nada. Sentia muito frio e porisso fiquei enrolado em um cobertor. Mas havia um pequenoproblema nessa minha doença repentina: O encontro comJack.Estava muito preocupado em não conseguir comparecer aonosso encontro, então tentei ligar para ela. Mas o seu telefoneestava fora de área e conclui que havia saído com a família.Então passei mensagens, mas todas retornaram e percebi queestava realmente com um grande problema.Fiquei deitado em minha cama com muita dor e perdicompletamente os meus sentidos.- Bruna, amor! Sei que você está um pouco chateada com essaviagem. Mas logo chegaremos a Roma.- Paolo, querido! Você sabe que odeio andar nessascarruagens velhas. – Ela respondeu para mim- Logo chegaremos à casa do seu tio e o nosso casamentoacontecerá em um mês. Então não tem motivos para sepreocupar.- Não vejo a hora de nos casarmos logo, amor – Ela respondeupara mim.Bruna colocou a cabeça em meu ombro e começou a dormirtranquilamente, enquanto fazia carinho em seu rosto. E foinesse momento que escutei um barulho estranho na floresta.- CHIIII!! – Falei baixinho no ouvido da minha amada Bruna,que acordou assustada.- O que está acontecendo¿ - Ela perguntou assustada, olhandoem meus olhos.- Não sei. Há algo na floresta e não sei o que é. Mas Pietroestá correndo com a carruagem e vamos escapar.De repente a carruagem parou bruscamente e Bruna foiarrancada pelo teto por uma terrível criatura.E quando sai para procurá-la, estava sendo dilacerada por umlobisomem.- Bruna!! Bruna!! – Gritava o seu nome, enquanto corria nadireção deles. Então a criatura me olhou por alguns segundose correu rapidamente para me atacar.Nesse momento escutei um tiro e vi quando a criatura caiu nochão, se contorcendo de dor. E depois fugiu do local
  • 82. sorrateiramente.Corri para o local onde o corpo da minha Bruna estavadilacerado e com sangue para todos os lados. E a peguei emmeus braços, chorando como um criança, comecei a gritar oseu nome e fiz uma promessa diante do seu corpo morto.- BRUNAAAAA!! AMOOOOO VOCÊÊÊÊÊ!!!- PROMETO QUE UM DIA FICAREMOS JUNTOS!!- Bruna!! Bruna!! Bruna!! Ness! Ness! Ness!Acordei assustado, com meu pai secando o suor da minhatesta. Então olhei para ele por um momento e perguntei o quehavia acontecido.- Pai! O que aconteceu¿- Você ficou muito doente por uns 5 dias e apagoucompletamente, nos deixando super preocupados.- Cindo dias¿ OH! Não! Não!!- O que foi, filho¿- Perdi o encontro com a Jack. Sabe se o meu celular tocou¿- Você recebeu algumas mensagens, mas nós não lemos.- Pega meu celular, por favor¿ Pedi ainda deitado na cama.Meu pai me deu o telefone e vi que haviam 15 chamadas nãoatendidas. Então comecei a abrir as mensagens e fiqueidesesperado pela desilusão que havia causado em Jack.Black! Onde vc está¿ Está atrasado mais ou menos 1 hora!JackOi!! Estou ficando sem paciência!! Você vem¿JackPor que não me responde¿ Está me irritando!!JackVocê está com 3 horas de atraso. Mas darei um crédito eesperarei por mais 30 min.
  • 83. Jack.Você é um safado maldito!! Como pode me fazer esperar comouma tonta¿JackNão esperava que fizesse isso comigo. Por que me deu o bolo¿JackPor que não atende o telefone¿JackEstou no MSN há horas e vc não entra. Onde vc está¿JackMais um dia e vc não me atende. O que aconteceu¿JackOlha! Estou desistindo de procurar vc!! Se não queria meencontrar, não deveria ter me iludido.Por favor não me procure mais!! E depois dê uma lida em seuemail.Jack.- Droga!! Droga!! Por que tinha que ficar doente logo agora¿Que inferno!!- PAI!! PAI!!- O que foi, filho¿- Não tenho crédito no meu celular. Então pode ligar para oSeth e pedir que venha me ver¿- É claro. Espera um pouco. – Ele disse e saiu do quarto.Fiquei deitado pensando na dor que havia causado em Jack eestava me sentindo um canalha. Mas não poderia imaginarque ficaria tão doente e não poderia comparecer ao nossoencontro. E mesmo assim estava mal por saber que haviadesiludido a pobre garota.- Oi cara! Seth disse ao entrar no quarto.- Oi! Preciso de um grande favor seu. – Disse para ele.- O que quer¿ - Perguntou fazendo uma careta.- Pode ver se tem algum email da Jack e imprimir para mim¿Passo o endereço e a senha para você.
  • 84. - É claro que eu posso. – Ele me respondeu.Seth saiu do meu quarto e fiquei relendo as mensagens queJack me enviou. E a cada vez que lia, sentia-me ainda pior.Então Seth entrou em meu quarto com a folha impressa emsuas mãos.- Aqui está. Mas acho que não gostará do que ela escreveu.- Deixa eu ler isso. – Estiquei meu braço para pegar o papel.- Deixarei sozinho para ler o seu email. – Seth disse e saiu doquarto.Olhei atentamente a folha e comecei a ler a carta de despedidade Jack.Black,Não culpo você pelo que aconteceu, pois sei que nunca deveriame envolver dessa maneira.E você sempre me disse que amava outra e que não era parater qualquer tipo de esperanças em relação a você.Mas o tempo foi passando e acabei me apegando mais do quedeveria. E cheguei a pensar que você poderia tapar esseburaco que há em meu coração.Só que isso foi mais uma idiotice minha, pois ninguém poderiatampar esse buraco e arrancar de mim essa dor. Mas poralgum tempo me senti tão feliz por ter um amigo tãomaravilhoso como você, que não percebi que estava meenvolvendo demais.Sei que você ama a garota dos desenhos e que a procura deforma desesperada. E justamente por isso deveria ter meresguardado mais. Só que você acabou virando uma espéciede SOL que aquecia e iluminava os meus dias tristes.Você não imagina como me sentia feliz por receber suasmensagens, trocar emails e no fim ouvir a sua voz.E foi justamente isso que me deixou tão perdida, pois temuma voz e uma forma de falar tão parecida com a dele, queacabou me deixando mais confusa do que já estava.A primeira vez que nos falamos, você usou a mesmaexpressão que eles sempre usava: princesa.Você não sabe como tive que conter as lágrimas naquelemomento e não deixar você perceber como fiquei abalada.Então decidi que queria ver você pelo menos uma única vez,para tirar essas dúvidas da minha cabeça. Pois teria certezaque nunca poderia sentir nada por você e que ele seria sempre
  • 85. o meu primeiro e único amor.Foi por isso que pedi aquele encontro!!Mas percebi como isso te incomodou e você preferiu fugir demim, a dizer que era não dava mais para continuarmos anossa amizade.E por isso estou escrevendo para te poupar esse trabalho.Nunca mais nos falaremos ou trocaremos mensagens, poistroquei de número telefônico e exclui você da minha lista decontatos.Só peço que não tente me achar e não me escreva emails, poisexcluirei todos sem ler.Espero realmente que seja muito feliz e que encontre a mulherda sua vida.E não se preocupe comigo, pois continuarei a viver da mesmaforma que fazia antes de você aparecer.SEJA FELIZ!!!JackAs lágrimas começaram a cair em meu rosto quando percebique ela estava sentindo algo a mais por mim e que estavasofrendo muito. Mas como deixou claro que me excluiu da suavida, como repararia o meu erro¿ Como a faria entender quenão tive culpa do que aconteceu¿ Agora eu tinha um problemadobrado, pois além de encontrar Ness, também teria queencontrar Jack e reparar o meu erro.Estava me sentindo a pessoa mais horrível do mundo, apesarde saber que não era o culpado por ter ficado doente e dado obolo nela. E mesmo assim estava culpado por ter deixado elagostar de mim e criar esperanças a nosso respeito.Fiquei deitado o dia inteiro, ainda sentindo muita dor e semforças para sair de casa. Mas sabia que precisaria tentarcontato com ela para me explicar. Então quando anoiteceu foiaté a Lan House, mas ela não estava mais no meu MSN. Eresolvi responder o seu email, mesmo sabendo que ela nãoqueria ler.JackEstou me sentindo um canalha por fazer você sofrer tanto.Mas garanto que não tive culpa do bolo que te dei, pois fiqueimuito doente e apaguei.Hoje acordei e lei as suas mensagens . E estou me sentindomuito mal pela dor que te causei.Querida, sei que você já sofre muito por tudo o que aconteceuem sua vida.
  • 86. Mas não tive a intenção de iludi-la ou deixá-la com falsasesperanças.Gostaria muito te de dá o meu amor e te fazer feliz. Só quemeu coração pertence à outrae não poderia trair o meu coração ou me entregar a você pelametade.Por que você é tão incrível que merece uma pessoa porinteiro.Você merece muito amor e muito carinho, e gostaria muito depoder fazer isso.Mas amo tanto a minha pequena...Desculpe pelo sofrimento que te causei... Por não ser capaz dete amar da forma certa, pois de certo modo eu te amo. Masnão da forma que você merece.Eu te amo, Jack Black!!Te amo muito!!Mas o meu amor é fraternal e não tenho como mudar isso.Não fique magoada comigo e tente viver a sua vida sem seesconder das pessoas.Tente encontrar uma forma de ser feliz novamente!!Continuarei no mesmo lugar e se quiser conversar comigo,estarei te esperando.BjsJNBlackDepois que enviei o email, fiquei à frente do computadoresperando uma resposta. Mas nada aconteceu e resolvi voltarpara a casa.Nos dias que seguiram, tentei enviar torpedos e todosvoltaram. Também enviei vários emails e ela não me respondee a adicionei novamente no MSN, mas ela não me aceito. Entãotinha que aguardar com resignação a mágoa passar para queela me procurasse novamente.Os meses começaram a passar rapidamente e estávamosquase no Natal. E sabia que essa era uma das épocas maisdifíceis para ela, então enviei alguns emails que não foramrespondidos.Eu estava muito deprimido por ter perdido a amizade de Jacke por não ter encontrado minha Ness em todos aqueles meses.E para completar a minha situação, os meus pesadelosvoltaram e sempre acordava gritando o nome de algumadesconhecida. Então resolvi ir para Port Angels no domingo,
  • 87. para comprar um presente para o meu pai e outro que dariapara Ness quando a encontrasse.Peguei a minha moto e corri muito rápido em direção à PorAngeles, quando de repente senti a batida de um carro emminha traseira e meu corpo foi arremessado para longe.CONTINUAACIDENTE...É VOCÊ¿ Voltar para o índice
  • 88. ACIDENTE escrita por GLAUCIABLACKQuero ver quem advinha quem batei na moto do nosso amigoJake? Quem cuidou dele no hospital? kkkkkkkkkkACIDENTETentei abrir meus olhos, mas tudo a minha frente estavaembaçado. Então vi muito rapidamente a figura de um homemloiro, muito branco e vestido de branco a minha frente,aplicando uma injeção em meu braço e apaguei novamente.Quando acordei, olhei ao meu redor e percebi que estava emum quarto de hospital. Mas não entendia o que haviaacontecido e aquela situação estava me deixando muitoconfuso. E foi nesse momento que a porta se abriu e meu paientrou, com Sam empurrando a cadeira de rodas dele.- Pai! O quê? - Tentei falar, mas em um primeiro momento nãoconsegui.- Você se sente melhor, filho? - Ele perguntou.- Sinto muita dor em meu corpo. – Resmunguei para ele.- Em uma semana, seus ossos terão se refeito e estarácorrendo novamente. – Sam disse para mim.- Uma semana? - Perguntei assustado.- Coisas de lobo! – Ele respondeu rindo e entendi que eradiferente dos seres humanos normais.- Quando vou para casa? - Perguntei.- Em dois dias. – Sam respondeu.- E os outros? Não vêm me visitar? - Pergunte curiosos.- Estão lá fora, mas o hospital não permite que todos entremde uma vez. – Meu pai respondeu.- Entendi. E como cheguei até aqui? Quem me socorreu? -Perguntei curioso.
  • 89. - Pelo que nos contaram, uma moça bateu em sua moto. Echamou a ambulância para trazê-lo para cá. Mas não sabemosquem é. – Sam respondeu.- Tenho mesmo muita sorte. – Respondi mal humorado.- Pense no lado bom... – Meu pai disse- Qual o lado bom de ter a moto destruída e está em uma camade hospital? - Perguntei.- O pai dela é médico e cuidou muito bem de você. – Samdisse.- Eu ainda não vi meu médico. – Respondi.- O plantão dele acabou e já foi embora. - Meu pai disse.- E qual o nome dele? - Perguntei.- Dr James Black. – Sam respondeu.- Black? Ultimamente tenho cruzado com tantos Black’ s. –Disse, lembrando-me de Jack.- Nós vamos embora, para os outros entrarem. Então se cuide!– Meu pai disse.Eles saíram do quarto e os outros entraram para me visitar. Eo meu dia inteiro foi só recebendo visitas, mas não vi emnenhum momento o tal Dr Black.À noite a enfermeira me deu um sedativo para dormir equando estava totalmente grogue, vi o vulto do médico muitobranco, que me fazia lembrar de um vampiro. Mas estavaquase apagando e não conseguir falar nada com ele.Os dois dias que fiquei no hospital foram à mesma chatice,mas Leah ficou cuidando de mim até que tivesse alta. Então noterceiro dia recebi alta, mas também não vi o médico quecuidou de mim.Fui para casa e os meus amigos estavam eufóricos meesperando. Mas estava um pouco cismado com a imagem doestranho médico que cuidou de mim, só que preferi nãolevantar falsas suspeitas sem ter certeza. Contudo estavadisposto a investigar assim que pudesse andar novamente.
  • 90. Fiquei em casa uma semana de cama. E quando percebi quenão sentia mais dor, tirei os gessos da perna e do meu braço eresolvi correr um pouco só para ter certeza que estava curado.Então resolvi ir até a Lan House e quando abri meu emailhavia uma mensagem da Jack para mim.Black,Sei que cortamos nossas relações, mas fiquei preocupada comvocê depois do acidente.Desculpe por ter atropelado a sua moto, mas era a primeiravez que dirigia sem meu pai comigo e estava distraída.Espero que meu pai tenha cuidado bem de você, enquantoesteve internado e que esteja recuperado.Assim que receber essa mensagem, gostaria de conversar comvocê pessoalmente.Então se ainda quiser me ver, responda esse email paramarcar a hora.Estou aguardando super ansiosa pela sua resposta.BjnJackNão pensei duas vezes e respondi o email de Jack ansiosopara encontrá-la, pois sentia muito a sua falta.Jack,Fico muito feliz por me escrever novamente e você não temnoção o quanto senti a sua falta.Mais uma vez peço perdão por ferir os seus sentimentos eespero que as coisas entre nós se ajustem.Quero muito encontrar com você e estou esperando parasaber onde e quando.Um terno beijoJNBlackFiquei esperando pela resposta do email e em dois minutos oalerta subiu.Black,
  • 91. Você conhece uma cachoeira que fica em Forks? Ela fica quasena divisa com La Push.Quando criança, fui algumas vezes até aquele lugar.E como lá é muito especial para mim, acho que será o localideal para o nosso encontro.Você pode me encontrar lá em duas horas?BjsJackJack,Eu estive uma vez nesse lugar, depois que voltei para casa.E acho que é um lugar maravilhoso para um primeiroencontro.Estou indo para casa e em duas horas estarei lá te aguardandoansiosamente.Um grande beijoJNBlackNão entendia por que, mas meu coração batia aceleradamentee parecia que explodiria de tanta emoção. Sem entender aomenos por que dos meus sentimentos. Mas encontrar Jacknaquele momento me deixava muito feliz e com uma sensaçãoque algo mudaria em minha via naquele encontro.Corri para casa, tomei um banho rápido, escovei os dentes,vesti a minha melhor roupa, passei o perfume que haviacomprado no natal e penteei os meus cabelos. E depois queestava todo arrumadinho, sair correndo como um louco paraencontrar Jack e a cada segundo meu coração batia maisacelerado. Mas apesar de saber que poderia colocar tudo aperder naquele encontro, pois corria o risco de me apaixonarpor ela, estava disposto a correr o risco por causa da saudadeque sentia.Cheguei ao local do encontro muito cedo e isso só serviu parame deixar ainda mais nervoso. Então sentei em uma dasgrandes pedras e fiquei esperando a chegada da Jack.AH! Por que estou tão nervoso? E por que meu coração estátão irregular?Ela é só uma amiga, mas sinto que vou explodir de tanto
  • 92. nervoso.O que está acontecendo comigo?Não posso está me apaixonando por essa garota!! Meu coraçãoé da Ness!!Por que estou sentindo essas coisas tão esquisitas em meucorpo?Isso não é normal!! Não é o certo!! Você está louco!! Não podetrair a sua Ness!!O que eu faço agora? Não posso dá o bolo na Jack novamentee não quero trair a minha Ness.Mas que droga de confusão está a minha cabeça!!CONTINUABÔNUS – JACK BLACKÉ VOCÊ? Voltar para o índice
  • 93. BONUS - JACK BLACK escrita por GLAUCIABLACKChorei horrores com esse cap e espero que vcs também seemocionem com a história da senhorita Jack Black.As músicas para dá o clima:Agora a fic começará, pois tudo o que leram até agora só foiuma introdução!!!Não deixem de comentar!!BÔNUS – JACK BLACKPassei quase três anos trancada em meu quarto, praticamentevegetando depois que ele morreu. Então comecei a adoecer epor causa da minha doença, fomos obrigados a nos mudarvárias vezes.Minha vida perdeu completamente a razão de ser e o únicomotivo pelo qual ainda vivia até aquele momento, eram osmeus pais. Mas o destino me deu uma pernada e colocou umjovem em minha vida, mudando completamente a forma comovia o mundo.Nós estávamos voltando do Canadá, pois o clima poucofavorável estava me deixando cada vez pioro. Então meu avôdecidiu que deveríamos voltar para Washington. Mas eu nãopodia conviver com as lembranças que tinha dele em Forks eimplorei para não voltarmos para lá, pois sabia que iriadesmoronar a cada lembrança.O vôo para Port Angeles até que foi tranqüilo e rápido, masmeus pensamentos estavam em uma época remota da minhavida, onde Jake era tudo para mim. E sem perceber aslágrimas rolaram em meu rosto e nesse momento a minha tialouquinha me abraçou, e me disse que ficaria tudo bem. Entãome contou que teve uma visão comigo muito feliz e sabia quetudo daria certo daquele momento em diante.Minhas tias e meus tios foram pegar as nossas bagagens e fuidireto para o carro com meus pais, ainda chorando um poucopela dor que sentia de está naquele lugar novamente.Fomos para casa e meu olhar estava totalmente perdido, poisminha mente estava no dia que sofremos o fatídico acidente. Enesse momento comecei a chorar novamente e percebi meupai rosnar baixinho.Sabia que os meus pensamentos estavam acabando com ela,
  • 94. mas a dor era tão forte que não podia conter as minhaslágrimas.Quando cheguei a casa, minha mãezinha me levou direto parao meu novo quarto. Então me deitei na cama e coloquei acabeça em seu colo, para sentir o conforto de se carinho. E nósficamos ali, em silencio extravasando toda a dor e osofrimento que compartilhávamos.Minha mãe percebeu que meu nariz começou a sangrar e melevou para o banheiro para lavar o rosto. E depois que medeixou lá, foi conversar com o meu pai. Mais eu já sabia o queiria acontecer e estava preparada para mais umaquimioterapia.A dor que sentia era tão profunda e o desespero em meucoração tão grande, que o fato de precisar de quimioterapia jánão me incomodava mais. Só que meus pais sofriam tanto eisso acabava ainda mais comigo, e só por eles aceitava passarpor tudo aquilo. Pois se dependesse da minha vontade, já teriamorrido há muito tempo.Fiquei deitada me minha cama e meus pais entraram noquarto com as minhas malas. E depois que colocaram em umcanto do quarto, me abraçaram e disseram que tudo dariacerto e que um dia seria feliz novamente. E nesse momentonão agüentei as expressões de desespero e comecei a chorarnovamente.Depois que saíram, fui procurar o meu diário. Mas quando abria mala de viagem, percebi que não eram minha e vi roupas dehomem, um livro, lápis e algumas folhas com desenhos.Peguei as folhas e comecei a olhar os desenhos da menina nopapel, que parecia chorar em algumas delas. E em outrasestava com uma expressão calma de um anjo, mas o que maisme chamou a atenção foi o fato de a menina parecerligeiramente comigo.Olhei os desenhos varias vezes durante aquele dia e comecei aficar curiosa sobre a pessoa que os teria desenhado. Entãoresolvi escrever uma carta, pedindo para ele se comunicarcomigo e assim mataria a minha curiosidade.Depois de alguns dias, pedi ao meu tio Jasper para levar amala para o aeroporto e tentar recuperar a minha, pois estavaficando louca sem o meu diário. Mas o motivo real para quererque trocasse as bagagens era porque queria conhecer o talJBlack.Depois que meu tio trouxe a minha mala, corri para ver o meu
  • 95. email na esperança dele ter respondido a minha carta. E paraminha surpresa ele respondeu e também queria ser o meuamigo.Fiquei ansiosa logada no MSN, depois que o adicionei, e fiqueium tempão esperando que entrasse. E quando ele finalmenteentrou, meu coração parecia que ira explodir de tantaansiedade.O JNBlack e eu começamos a nos corresponder por email etrocar mensagens pelo MSN. E ele era tão engraçado e a formacomo se expressava me lembrava do meu Jack, mas tinha quemanter e não confundir as coisas.Depois que o conheci, as minhas crises diminuíram e meu avôme levou só algumas vezes ao hospital para fazer a minhaquimioterapia. E minha família estava super satisfeita de mever sorrindo e brincando novamente depois de tanto tempo.Eu sentia como se ele fosse o meu sol particular e meu mundopassou a girar em torno dele, desde a hora que acordava até ahora que ia dormir. E em meus sonhos o JNBlack parecia naforma do meu Jake e dizia que me amava muito. Mas aoacordar, caia na realidade e lembrava que ele tinha alguém, eque procurava esse amor de forma tão desesperada como aque sofria por Jake. E isso às vezes me entristecia, masprecisava tanto dele que não deixaria de trocar as mensagensdiárias.Cheguei a um ponto que precisava desesperadamente ouvir asua voz e saber como era doce e meiga, como imaginava emmeus sonhos. Então pedi para ele o número do seu celular,pois preferia não ter o de sua casa para não correr o risco deficar ligando para lá o tempo inteiro.Ele me disse que não tinha celular, mas prontamente comprouum e finalmente poderia ouvir a voz mais desejada do mundo.E pedia aos céus para que a voz fosse como a de Jake.Estava realmente começando a pirar, pois estava vendo emum desconhecido todas as qualidades e defeitos do meulobinho morto. E ainda desejava que a voz fosse igual, masmesmo preocupada com a minha sanidade mental, nãodesistiria de falar com ele depois que comprou um celular porminha causa.Então tomei coragem e disquei seu numero e começamos anos falar. Só que nesse momento fiquei muda e paralisada,pois não sabia se era o fruto do meu desejo e da minhaimaginação, mas a voz era do meu Jake. E a forma como me
  • 96. chamou de “ princesa” acabou comigo naquele momento,deixando-me sem falas e fez as lágrimas rolarem em meurosto.Depois daquela primeira conversa, decidi que tudo era frutoda imaginação doentia que tinha por Jake. E que não iriaestragar a amizade com o cara que estava me trazendo devolta à vida por desejos infantis.Nós continuamos a nos corresponder por email, trocartorpedos, conversar pelo MSN e pelo telefone, e o tempo foipassando muito rápido.Comecei a sentir a necessidade de ter mais dele e cheguei aum ponto que queria vê-lo de perto, sentir o seu cheiro, ver oseu sorriso e quem sabe me apaixonar por ele me fariaesquecer o amor morto. Então tomei coragem para pedir umencontro com o meu amigo JNBlack.Nós marcamos o encontro, que seria em quarto dias e fiqueitão eufórica e nervosa que pedi ajuda da minha tiamaluquinha para me produzir para ela. E apesar de saber quenão era muito bonita, a minha tia era muito talentosa e medeixaria maravilhosa. E assim impressionaria o JNBlack equem sabe conseguiria conquistá-lo e viver um novo amor.Estava tão cheia de esperanças, tão feliz que meus paisestavam loucos para conhecer esse novo amigo, que metrouxe de volta a vida e me mostrou o valor das coisas. Eestavam dispostos a apoiar um possível relacionamento comum humano,mesmo sabendo que seria perigoso para mim. E osorriso da minha mãezinha ficou tão bonito e perfeito, queficaria feliz para sempre só para vê-la sorrir daquele jeito.O dia do nosso encontro finalmente chegou e me produzi porhoras para está perfeita para ele. E quando minha tia terminoude me arrumar, estava com um vestido rosa muito bonito, oscabelos todos cacheados e perfeitos (depois do baby lise datia Rosali), uma maquiagem bem discreta que me deixoumaravilhosamente linda, e uma sandália branca com um saltoenorme, que me deixava bem mais alta que era.Peguei o carro do meu pai emprestado, mesmo sem saberdirigir direito, e fui para a praia onde havíamos marcado.Fiquei andando de um lado para o outro, mas ele não aparecia.Então comecei a enviar mensagens e nenhuma respostaretornava, mas ainda tinha esperanças dele aparecer. Masconforme o tempo foi passando, um desespero começou a
  • 97. tomar conta de mim e quando percebi as lágrimas estavamrolando em meu rosto.A única coisa que veio a minha mente, era que estava fugindodo encontro para não se envolver comigo. E essespensamentos me deixavam ainda mais desesperada e oburaco que já estava quase fechado em meu peito se abriunovamente de forma avassaladora, E a única coisa que querianaquele momento foi morrer.Tirei as sandálias , andei em direção ao mar e lembrei do meuJake caindo na água. Então comecei chorar e a gritardesesperada, enquanto caminhava em direção as ondas quequebravam na areia,HAHAHAHAHAH!!EU QUERO MORRERRRRR!!!HAHAHAHAHA!!JAKEEEEEEE!!!VOLTA PARA MIM!!!!JAKEEEEEEEE!!!!JAKE! JAKE! JAKE!!Eu estava no meio das ondas, quase me afogando quando meupai nadou até mim e me tirou da água. E eu me debatia emseus braços, pedindo para morrer enquanto ele me abraçavamuito forte e dizia que tudo ficaria bem.QUERO MORRER!!QUERO MORRERR!!JAKE!!!!VOLTA!!!!VOLTAA!!!NÃOOOOOOO!!!ESTÁ DOENDO MUITO!!AHHH!! PAIIIIII!!!PAIIIIIII!!!!QUERO MORRERRRR!!!JAKEEEE!!Eu me debatia nos braços do meu pai, que me pegou no colo eme levou para o carro onde minha mãezinha presenciava todaa cena. E quando vi o seu rosto de desespero, comecei achorar muito mais.Meus pais me levaram para casa e como temiam, fiquei muito
  • 98. doente novamente. Mas precisava escrever uma carta dedespedida antes de ser internada novamente. Então pegueimeu note book e escrevi pela ultima vez para o meu ex amigoJNBlack. E depois o exclui do MSN e joguei o Chip do meucelular no lixo.Fui internada e fiquei alguns dias em observação no hospitalque meu avô trabalhava em Clallam Bay. E depois de umtempo, voltei para casa.Agora era mais amarga e mais sozinha do que antes. Poisalém da dor pela perda do meu Jake, também sentia a dor pelaperda do meu amigo JNBlack e aquela situação estavaacabando com a minha vida. E foi nesse momento que decidifugir de casa, para morrer longe da minha família. Entãopeguei o carro do meu pai e corri em alta velocidade, mas nomeio da estrada acabei batendo em uma moto de tão distraídaque estava.Desci do carro desesperada, como medo de ter matado omotociclista, e corri em sua direção. Mas quando vi o seurosto, entrei em choque e fiquei ajoelhada em frente ao seucorpo quase morto chorando de desespero. Pois eu haviamatado mais uma vez o amor da minha vida e não suportariapassar por aquilo novamente.Eu chorava e gritava enquanto estava deitada sobre o seucorpo, quando o carro do meu avô parou no acostamento. Eele e meu pai correram em minha direção e me viram caídasobre o corpo do meu Jake. Então meu pai me pegou no colo eme levou para o carro, enquanto meu avô chamava umaambulância para ele.PAI!! PAI!!EU MATEI O JAKE!!EU MATEI O JAKE!!PAI!!!HAHAHAHAHAH!!DESSA VEZ EU VOU MORRER!!HAHAHAHAHA!!ESTÁ DOENDO MUITO!!HAHAHAHA!!Fui levada para casa, em estado de choque e fui sedada pordias. E quando acordei, meu pai contou que Jake haviarecebido alto e estava em casa. Então lembrei de todas asconversas que tive com JNBlack e conclui que eram a mesma
  • 99. pessoa.Peguei meu note book escrevi um email marcando umencontro com ele. E para minha surpresa ele respondeu namesma hora. E depois que marcamos o encontro, contei aosmeus pais sobre a minha desconfiança e eles me apoiaram a irnaquele encontro.Minha tia maluquinha me arrumou e passou alguns produtosem meu rosto. E sai ao encontro do amor da minha vida.Como esperei por você, meu amor!Como sonhei que estava vivo e voltaria para mim!Estive esse tempo todo falando com você e não percebi queera o meu Jake.E você passou todos esses anos me procurando e quando meencontrou não soube que eu era a sua NESSIE.CONTINUA Voltar para o índice
  • 100. É VOCÊ? escrita por GLAUCIABLACKPessoal, espero que gostem do cap do reencontro dos dois.Não chorei muito nesse cap, mas acho que ficou emocionante.Não esqueçam das músicas:Rilassante - Enya - Pianoforte InstrumentalBSO - Pearl Harbor – BrothersComecei a postar essa fic no sábado e estou escrevendo comouma louca.E meus braços estão começando inchar. Então pararei por hojee amanhã continuo a postar.bjnÉ VOCÊ?Estava sentado de cabeça baixa, refletindo sobre as minhasinquietudes e como reagiria quando encontrasse Jack. Enaquela altura do campeonato estava muito nervoso, masprecisava me controlar para não magoar a nós dois.Escutei o barulho dos passos em minha direção, mas preferificar de cabeça baixa e esperar que se aproximasse de mim.Então ela chegou mais perto e senti a sua respiraçãoprofunda, quando finalmente levantei a minha cabeça e vi oseu rosto meu mundo parou.Tudo começou a girar, meu corpo começou a tremar, aslágrimas começaram a percorrer o meu rosto, o universocomeçou a me puxar para ela naquele momento e uma forçamaior do que a natureza me rendia aos pés daquela lindamulher. E nesse momento me lembrei sobre as histórias sobreimpressão, mas isso me deixou mais confuso do que já estava.Ela me olhava com lágrimas caindo em seu rosto, mas nãoconsegui me mover um centímetro do meu lugar, pelo choqueque acabara de receber. Então comecei analisar cada traço doseu rosto e tive a certeza de que não estava louco ousonhando.Percebi que era ela, a minha Ness, o meu amor, a mulher daminha vida. E o meu mundo estava ali rendido aos seus pés eeu a amaria por toda a minha vida. Então corri até ela, a tomeiem meus braços e permanecemos abraçados e chorando porum longo momento, deixando toda dor se dissipar de nossoscorpos.
  • 101. Naquele momento, todo o desespero foi embora e o buraco foifechado instantaneamente. E não havia nenhuma palavra a serdita naquele instante tão mágico, pois os sentimentos eramtão fortes e profundos que por si só já explicavam tudo.Permanecemos abraçados e depois nos olhamosprofundamente, ainda chorando muito pela emoção daquelereencontro, e nossos olhos pareciam conversar e dizer tudopor nós dois. E vi todo o desespero naqueles olhos azuispassarem para mim os anos de angustia e sofrimento. E tivevontade de morrer por ter destruído a vida da minha pequena.Entretanto estava disposto a compensá-la por todo osofrimento que causei e faria tudo para que voltasse a sorrirnovamente.Segurei o seu rosto com as minhas duas mãoscuidadosamente, inclinei um pouco meu corpo para ficar dasua altura, aproximei minha cabeça lentamente do seu rosto,até sentir a sua respiração ofegante e ver os olhos fixos nosmeus. Então vi quando fechou os olhos e ficou a espera doprimeiro de muitos beijos que receberia.Fechei meus olhos e movi minha cabeça lentamente emdireção a sua, e pousei meus lábios sobre os seus.Movimentando-os lentamente e aproveitando cada toquesuave de sua boa. Então inclinei lentamente o meu rosto ecomecei a penetrar a minha língua em sua boca.Nossas línguas se tocaram e meu corpo inteiro estremeceu.Então começamos a movimentá-las lentamente, aproveitandoo sabor e a sensação de cada movimento tão mágico para nósdois.Com uma das mãos segurei levemente a sua cabeça e com aoutra a puxei pela cintura, para que nossos corpos ficassemmais próximos. Enquanto a segurava, ela pousou suas mãosem meus cabelos, pressionando lentamente a minha cabeçaem direção a sua e aproveitamos juntos cada toque, cadasabor, cada sentimento.Ficamos nos beijando por um longo tempo e se dependesse demim, morreria em seus braços naquele momento. Mas elaficou sem ar e parou o nosso beijo, mas continuamos comnossos rostos colados um no outro, com a respiração ofegantee nossos olhos fixos um no outro. E nesse momento,pronunciei a primeira palavra do nosso encontro.- Eu amo você!!! Se você soubesse o quanto te procurei...Quãodesesperado fiquei por não te encontrar. – Disse com as
  • 102. lágrimas caindo em meu rosto.- Eu sei. – Ela respondeu chorando.- Se soubesse que era você... O tempo inteiro tão perto e tãolonge! – Sussurrei, acariciando o seu rosto.- Eu não quero falar de dor, de sofrimento, de passado...Quero falar de futuro. – Ela respondeu chorando.- Por favor, me perdoa por tanto sofrimento. – Pedi para ela.- A culpa foi minha. Se eu não insistisse naquele passeioestúpido... – Coloquei o meu dedo sobre os seus lábios e aimpedi de continuar a falar.- Ness!! EU AMO TANTO VOCÊ!! – Gritei caindo de joelhos aosseus pés, com as mãos na cabeça.- Eu também amo você...Sempre amei. – Ela disse sentandono chão ao meu lado.- Por que isso tudo aconteceu conosco? - Perguntei olhandopara as lágrimas em seu rosto.- Não sei. Mas tenho certeza que nunca deixarei de te amar.Nunca!! – Ela disse me abraçando.- Como você sofreu durante todos esses anos. – Lamentei comela em meus braços.- O que importa é que está aqui comigo agora. Promete quenunca mais me deixará? - Ela implorou olhando em meusolhos.- Eu prometo que sempre estarei ao seu lado e sempre aamarei. – Respondi enxugando as suas lágrimas.- No dia em que te atropelei, seria tarde demais para nós dois.Porque eu fui embora de casa para me matar. – Ela dissechorando muito e soluçando de desespero.- Por favor, não me fala isso. Se você morresse o que seria demim? Como passaria o resto da minha miserável vida sem teencontrar? - Disse para ela.- Ainda doe tanto. – Ela fechou os olhos, enquanto as lágrimascaiam e colocou as mãos sobre o peito.
  • 103. - Vou arrancar essa dor de você. Prometo que vou!! Vou viversó para te amar!! Deixa eu te fazer feliz, minha princesa. –Disse para ela.- No dia que nos falamos pela primeira vez e você me chamoude princesa, quase entrei em colapso. Por que não acrediteique era você? Tudo me dizia que era você, mas achei queestava tão louca de dor que estava inventando tudo na minhacabeça. – Ela disse olhando para mim e mordendo os lábios.- O destino de certa forma nos uniu e tivemos muita sorte denos encontrarmos dessa forma. – Disse segurando o seuqueixo.- Sou muito agradecida pela oportunidade de ter você comigonovamente. Preciso tanto ser feliz novamente... – Ela disseabaixando a cabeça e puxei seu queixo para cima, para queolhasse em meus olhos.- Por que Jack Black? - Perguntei.- Tivemos que mudar de nomes algumas vezes, mas como eunão saia de casa e não ia para escola, não precisava. Masresolvi adotar o nome de Jacqueline Black e ficou Jack Black,em homenagem a você.- Fico feliz que já esteja se acostumando com seu futurosobrenome. – Disse rindo para ela.- Futuro sobrenome? - Perguntou sem entender.- Sim! Renesmee Carlie Cullen Black. O que acha? - Pergunteirindo.- É indo! Amei.- Então só temos que fazer os preparativos para o nossocasamento, pois quero que seja muito breve. – Disse rindo eela me beijou.- Estou tão feliz, mas... – Ela parou e levantou.- O que foi? - Perguntei assustado quando me deu as costas.- Ness! O que foi? - Perguntei bem sério.- Acho que não posso casar com você. – Ela respondeu
  • 104. chorando.- Ness! Não te procurei esse tempo todo para me dizer quenão quer casar comigo. Você me ama e não tenho a menorduvida disso. Então me fala o que você tem? - Perguntei aabraçando por trás.- Jacob, quando você morreu eu fiquei muito doente. E... – Elaparou a frase.- E o quê? Perguntei beijando o seu pescoço.- Eu estou morrendo e não há muito tempo para nós doisagora. É só uma questão de tempo. – Ela começou a chorardesesperadamente e o desespero invadiu todo o meu corpo.- EU NÃO DEIXAREI VOCÊ MORRER!! NÃO AGORA QUE TEENCONTREI!! NÃO!!! – Levantei aos mãos para o céu ecomecei a gritar desesperado.- Jake! Jak!Jak! - Ela me chamava soluçando.- Eu não aceito te perder novamente!! Já te perdi tantas vezesem outras vidas e nessa também!! Agora que te encontrei nãoa perderei novamente!! Não!!- Jake, por favor! Não faz assim. – Ela disse me abraçando eficamos chorando abraçados por algum tempo. E faria oimpossível para manter a minha vida comigo.- Promete que estará ao meu lado quando eu der meu últimosuspiro? - Ela me pediu em meus braços.- Prometo que viveremos para sempre juntos, nessa ou emoutra vida. Eu sempre estarei ao seu lado. Sempre!!- Jake, tenho que voltar para casa, pois minha mãezinha vaienlouquecer se não der noticias. – Ela disse para mim.- Levo você para casa. Onde deixou seu carro? - Perguntei,dando um beijo em sua testa.- No final da trilha. - Ela respondeu.- Então vamos embora. – Disse a pegando em meu colo.- O que é isso? Você pretende me levar no colo? - Elaperguntou rindo.
  • 105. - Sempre. Faz parte do pacote felicidade Jacob Black. – Disserindo e corri com ela em meus braços.- Acho que amarei esse pacote. – Ela respondei.- Amará? - Perguntei.- Amo. – Ela disse rindo. Voltar para o índice
  • 106. BEIJOS escrita por GLAUCIABLACKPessoal, vamos começar os muitos beijos, beijos e maisbeijos!!Espero que gostem e não deixem de comentar.A música para esse cap é River flows in you (tambéminstrumental)Ps: mascotinha Sofi, ainda não tem Lemom!! Pode ler o capinteiro.bjnBEIJOSChegamos até o seu carro e a coloquei no chão, mas estavatão fascinado por tamanha beleza que precisava de mais umtempo de contemplação daquela preciosidade. Fiquei olhandoos seus olhos azuis, segurando o seu rosto suavemente comas duas mãos e comecei e percorrer meu nariz pelo seu rosto,enquanto sussurrava baixinho.- Olhos azuis¿ O que aconteceu com a cor negra deles. –Sussurrei.- Eles mudaram de cor alguns meses depois que você morreu.– Ela sussurrou, fechando os olhos e sorrindo levemente.- Esses novos olhos me fascinaram. – disse ainda percorrendoo seu rosto com a ponta do meu nariz. Entretanto queria muitomais e pousei meus lábios sobre os seus.Comece a movimentar meus lábios lentamente sobre os seus,sentindo o prazer maravilhoso que aqueles toques meproporcionavam e ela começou a invadir minha boca com sualíngua, fazendo eu soltar um baixo gemido de prazer com aeletricidade que percorreu todo o meu corpo. Entãomovimentamos as nossas línguas lentamente e pude explorarcada canto de sua boca, divertindo-me como em um carrosselde emoções.Nosso beijo começou a ficar mais intenso e nossos corposmais colados, a medida que puxava o seu porto para mim deforma abrupta. E nesse momento ela interrompeu o nossobeijo para espirar.
  • 107. - UF! UF! Assim você tira todo fôlego. Uf!UF! – Ela sussurrouofegante, ainda de olhos fechados enquanto eu observava asexpressões de contentamento de seu rosto.- Desculpa, mas não consigo parar de te beijar. – Respondi,colando o meu rosto em sua bochecha.- Amo você.- Ela soltou nesse momento.- Amo você muito mais...- Sorri divertido e coloquei meuslábios sobre os seus novamente, dando um pequeno estalinhoe depois percorri o seu contorno com a minha língua,deliciando-me com o seu doce sabor. E novamente ela gemeu,seu corpo estremeceu e os abriu lentamente permitindo aminha invasão sobre ele.Começamos a nos beijar novamente, com nossos corposcolados e senti suas unhas aranharem as minhas costa,dando-me uma estranha sensação de prazer. E nessemomento, puxei a sua cabeça para mais próximo da minha, deforma a impedir que rompesse os meu beijo e comecei a beijá-la selvagemmente, pressionando os meus lábios sobre os seuse chupando a sua língua de forma devoradora. Então sentiuma corrente elétrica percorrer o meu corpo e o meu membroinferior enrijeceu, fazendo quase perder o controle com odesejo avassalador que senti por aquele corpo e nessemomento recobrei um pouco da minha razão, e a afastei demim.- Uf Uf Por que você parou¿ Uf Uf Uf Por quê¿ - Ela perguntouofegante.- Uf Uf UF Uf Coisas de homem. – Tentei responder para ela,mas minha respiração estava ofegante e irregular demais paraeu explicar.Passaram alguns segundos e consegui abrir meus olhos epude ver a contemplação do seu olhar naquele momento. E nomesmo instante, ela colocou a sua mão em meu rosto e memostrou todo prazer que aquele beijo a proporcionou, tirando-me totalmente do sério novamente e me fazendo tomá-la emmeus braços e a beijar como um gato selvagem novamente.Esse beijo foi mais intenso e quente do que o anterior,despertando um desejo incontrolável sobre o meu corpo e tivevontade de arrancar as suas roupas e torná-la minha mulhernaquele momento. Mas uma parte de mim reprovava meus
  • 108. pensamentos, fazendo interromper o beijo novamente para asua total decepção.- Uf UF Uf! Acho Uf Uf melhor Uf te levar para casa. Uf Uf.Tentei falar e controlar a minha respiração. E quando abri osolhos, percebi que o seu estado não era muito diferente domeu, contudo precisava de um pouco de juízo para nãoapressar as coisas.- Minha mãezinha está preocupada e meu pai não demorarámuito para me procurar. – Ela disse.- Liga para ela e avisa que irá demorar uma hora e meia. –Pedi.Ela pegou o seu celular no carro e voltou até mim, que aaguardava do lado de fora.- Alô Mãe! Está tudo bem e daqui a uma hora e meia estareiem casa. Ah! Minha tia me viu feliz¿ Tudo bem! Tchau. – Elafalou rapidamente.- Agora vem cá! – Ordenei, segurado o seu lindo rosto com asduas mãos e comecei a dá leves selinhos em seus lábios.- Você gosta mesmo de me beijar. – Ela disse rindo.- Isso faz parte do pacote JACOB BLACK DE FELICIDADE. –Respondi malicioso.- Estou amando esse pacote. – Ela respondeu sorrindo e nosbeijamos novamente.Depois de uns dez beijos, fomos para o carro e estava prontopara partir, entretanto fui tomado por um desejo avassaladorde tê-la em meus braços. E se dependesse da minha vontade,não a devolveria para a sua família nunca mais.Inclinei o meu corpo em busca do seu e novamente percorri osseus lábios com a minha língua ansiosa. E ela respondeu nomesmo instante, puxando-me pelos cabelos e invadindo aminha boca loucamente com luxuria. E o beijo recomeçou maisousado do que os outros, mais rápido, mais saliente e nossasmãos procuravam tocar os corpos ardentes. E senti seus dedospercorrem o meu abdômen e os meus membros inferioresenrijecessem novamente, então deslizei a mão que estava emseus cabelos até os seus seios. E a penetrei pelo seu vestido epude sentir o seu pequeno seio enrijecido e pulsante. Entãocomecei a brincar com o seu pequeno bico e um gemido de
  • 109. prazer explodiu pela sua garganta, me fazendoeu explodir detesão..Ela pulou para cima de mim, colocando suas pernas entre aminha cintura, enquanto nos beijamos de forma reprovadora esenti meu músculo pulsar sobre as suas partes intimas e elase mover de forma imoral sobre ele. E foi nesse momento quesoltou o beijo e deu um grito de dor.- AI! AI!!- O que foi¿ Eu te machuquei. Uf UF UF. Fala comigo! Uf UF Uf.- Ah Ah Uf Uf! Só bati com a pena em alguma coisa e memachuquei. – Respondeu rindo.- AH! Que susto. Você está bem¿ Uf Uf UF – Tentei perguntarainda ofegante.- Maravilhosa!! – Ela disse gargalhando.- Tenho que fazer uma coisa. Então fica aqui quietinha. –Disse abrindo a porta do quarto.- Aonde você vai¿ - Perguntou.- Coisas de homem. Fica quietinha que já volto. – Respondi esair correndo em direção à cachoeira.Cheguei à cachoeira, tirei as roupas e o sapato e mergulhei naágua para esfriar o meu corpo que ardia de tesão. E fiqueialguns minutos mergulhado na água gelada, até que senti-meseguro para sair.Louco!! Tarado!! Safado!!!Como pode pensar em abusar da suaNess¿Se controla seu filho da “ P” !!!Não quer fazer mal para ela, então para com essas “ ps” emseus pensamentos.Ela é sua menina!!É frágil demais e você vai machucá-la dessejeito!!Faz qualquer coisa, mas controla essa “ p” que tem entre aspernas.Mas que “ M” !!!Respira fundo e pensa naquele rostinho lindo no carro teesperando.
  • 110. Sai da água e comecei a correr para me secar e depois que jáestava seco, coloquei as roupas e sapatos e voltei para ocarro.- O que você foi fazer – Ela perguntou curiosa.- Esfriar a cabeça. – Respondi.- Esfriar a cabeça¿- Você é desejável demais e eu sou homem. Entende¿- Você não me quer¿ - Ela perguntou maliciosamente,percorrendo a mão em meu abdômen novamente.- Não me provoca! O lobo bom pode virar lobo mal! –Respondi impedindo as investidas da sua mão.- A chapeuzinho adoraria ver o lobo mal.- Ela dissegargalhando.- O lobo mal não que machucar chapeuzinho. – Respondi.- E se chapeuzinho estiver louca para ser devorada¿ - Foi maisatrevida e me olhou de uma forma que quase me fez perder ocontrole. Então virei meu rosto para frente e fechei meusolhos.- Não faz assim comigo, garota! Você não sabe quando tempoestou no zero a zero. Então não me provoca desse jeito. Seráque não percebe que estou zelando pela sua virtude¿ -Respondi nervoso, ainda com os olhos fechados, enquanto elapassava a mão em meu peito.- Você se guardou para mim¿ - Perguntou suspirando fundo.- AH! Não estou preparado para esse tipo de conversa comvocê. – Respondi para ela.- Por que não quer me dizer¿ - Continuou e insistir.- Ness, eu nunca olhei para outra mulher!! Nunca!! Sempre foivocê!! Só você!! Então para e me provocar, por favor!!! Assimexplodirei!! – Gritei nervoso e ela se assustou, se jogandopara trás.
  • 111. - Desculpa! Desculpa! Perdão minha princesa!! Não quis gritarcom você, mas estou nervoso. – Disse nervoso.- Então eu te deixei nervoso¿ Você me deseja também¿ - Elasussurrou.- É a coisa que mais quero nesse mundo. – Respondi,puxando-a para os meus braços e apertando forte contra osmeus peitos.- Fico feliz, mas vamos embora. Não quero que meu pai venhaatrás de nós.- Vamos! Coloca o cinto de segurança, amor. – Disse para elae dei partida no carro.Ela colocou a cabeça sobre o meu ombro enquanto dirigiarapidamente para o local que havia indicado. Mas no meio daestrada, senti aquele desejo avassalador de beijar sua bocanovamente. E nesse momento, parei o carro e a beijei comimenso prazer.Ela repetiu o gesto de alguns minutos atrás e se atirou sobremim, fazendo nossas partes intimas ficarem muitos juntas eestimulando o prazer mútuo que sentiam, e se não fosse pelasroupas teríamos feito amor ali mesmo. Mas depois de algunsminutos, pareceu satisfeita e voltou para o seu lugar. E eu tiveque fazer uma força descomunal para não arrancar a suacalcinha e invadir o seu corpo.- Isso é bom. – Ela disse.- É! – Estava tão envergonhado que não consegui falar nada.Você é um filho da “ p” , tarado, canalha, safado, idiota...- Não vai dizer nada¿- Jake! Fala comigo¿ - Ela implorou.- Desculpa, não farei isso novamente.- Mas eu gostei. – Ela respondeu.- Esse é o problema!!Você vai querer mais e tenho medo de temachucar. Sabe que sou muito forte e ainda não aprendi acontrolar essa força toda e você é quebrável demais. E se te
  • 112. machucar não me perdoarei. – Respondi preocupado.- Jake! Eu sou sua!! Toda sua!! Não precisa ter medo de nada.-Ela me disse.- Não tenho medo por mim e sim por você. Porque não possopermitir que nada e ninguém te machuquem, e esse ninguémme inclui também. – Respondi olhando para estrada, comomedo de encará-la.- Amor!! Para de ser bobo!! E você não é ninguém! DROGA!!Você é o meu Jake. – Disse, beijado a minha bochecha.- Vamos mudar de assunto¿ - Praticamente implorei, pelodesconforto que estava sentindo.- Posso te pedir uma coisa¿ - Perguntou.- Tudo! Não esqueça que você tem direto ao PACOTE JACOBBLACK DE FELICIDADE. – Respondi rindo.- Quando chegarmos a minha casa pense em números. Ah!Comece a contar até mil, se possível. – Ela pediu.- Por que disso¿ - Perguntei sem entender.- Você não lembra, mas meu pai ler mentes. E ele é bempossessivo comigo e tenho medo do que fará com você quandover o que fizemos nesse carro. Então conte até mil!! - Elapediu.- Seu pai¿ Edward¿ - Perguntei, lembrando das histórias sobreEdward e Bella.- Sim!! O leitor de mentes, como costumava a chamar. – Elarespondeu.- Tudo bem! – Vamos brincar de contagem. RARARA- Riachando a situação divertida.Quando chegamos a frente da grande mansão, os pais de Nessestavam a porta nos esperando. Mas esqueci do alerta que medeu e me lembrei do primeiro beijo na cachoeira. E ouvi umrosnado baixo ecoar da direção deles, enquanto descíamos docarro.Bella correu para os meus braços e me apertou tão forte quequase me sufocou. E outro rosnado, mais alto, saiu doestranhado vampiro fedorento.
  • 113. Voltar para o índice
  • 114. EXPLICAÇÕES escrita por GLAUCIABLACKMeus amores, obrigada pelos comentários de todas vocês.Estou muito feliz, pois a fic só tem 4 dias e já tenho mais de100 comentários, e uma recomendação feita pela Any.Essa fidelidade de vocês me faz feliz e me torna uma máquinade escrever ambulante.Portanto continuem comentando para me deixar ainda maisfeliz!!Amo vocês!EXPLICAÇÕESBella correu para os meus braços e me apertou tão forte quequase me sufocou. E outro rosnado, mais alto, saiu doestranhado vampiro fedorento.O vampiro ficou me olhando de cara feia e meus instintos delobo se aguçaram, fazendo o meu corpo inteiro tremer. Maslembrei da minha Ness e de sua mãe ao meu lado, e conseguiconter a minha tremedeira. Entretanto percebi que seria umaimensa dificuldade a convivência com esses vampiros, masapesar disso estava disposto a tudo para ficar perto da minhaNess.- Jacob! Jacob! – A mãe de Ness me chamava entusiasmada,olhando com muita felicidade em meus olhos. E percebi a carade desgosto de Ness vendo aquela cena, e a do seu pai queparecia me fuzilar com os olhos.- Oi! Você deve ser a Isabella Swan¿ - Perguntei constrangido,tentando afastá-la de meus braços.- OH! Desculpe, Jake. Esqueci que você perdeu a memória.- Elarespondeu desapontada ao olhar para mim.- Jake, essa é a minha mãezinha. – Ness disse nosapresentando.- Bella. – Ela disse estendendo a mão para mim, quecontinuava a olhar para o vampiro com cara de raiva.- Oi Bells! Desculpe, mas ainda não me lembro muita coisa. –Respondi, apertando sua mão fria.
  • 115. - Jake, amor. Aquele é meu pai, Edward Cullen. – Ness disseapontando para ele, que veio andando em nossa direção eestendeu a mão para mim. E apesar da minha vontade de voarno pescoço dele, fui gentil e estendi a minha mão e apertei adele.- Olá, Jacob! – Ele disse gentilmente para mim.- Olá, Edward! – Respondi, tentando ser educado. Mas o toquefrio de sua mão fez meu corpo estremecer.- Vamos entrar Jacob! – Edward me convidou a entrar em suacasa.- Vamos. – Respondi, segurei a mão de minha Ness ecaminhamos para o interior da casa.Entramos pela porta principal e caminhamos por um pequenocorredor até a grande sala, onde os outros vampiros nosesperavam. E o cheiro foi tão forte, que tive que colocar a mãoem meu nariz e fazer uma careta.- Você irá se acostumar novamente. – Disse Bella, sorrindopara mim.- É claro! Desculpem a minha falta de educação, mas o cheiroé muito forte. – Respondi envergonhado.- Tranqüilo, amigão!! – Um vampiro alto, de cabelos negros,olhos escuros e muito forte se aproximou de mim e deu umtapinha em meu ombro.- Esse é meu tio Emmett. – Ness disse sorrindo para ele eapertei a sua mão, e mais uma vez estremeci.- Oi! Oi! Uma vampira baixinha veio saltitando como umaperereca até mim e me deu um beijo no rosto. Deixando-meassustado e poderia jurar que corei naquele momento.- Essa é a minha tia maluquinha, Alice. – Ness a apresentou.- Esse é a maluquinha que vive te fazendo de boneca deestimação¿ - Perguntei gargalhando.- Eu mesma! Ela disse saltitando em minha frente e porincrível que parece, adorei a vampirinha na mesma hora.
  • 116. - Adorei você! – Disse para ela.- Também adora você. – Respondeu com a voz cantante.- Olá! Sou Esme, a avô de Ness. – A vampira loira disse,caminhando em nossa direção. E depois estendeu a mão paramim. E vi que ela tinha uma magia, um amor, algo estranhoque não conseguia explicar. Mas que me fez ver nela aimagem de uma mãe.- É um enorme prazer em conhecer a senhora. – Disse,apertando a sua mão e sorrindo para ela.- Senhora não!! Somente Esme, por favor. – Ela retrucou.- Eu sou o doutor Carlisle e fui eu quem te tratei no hospital. –O vampiro loiro disse, acenando de longe.- Obrigada por tudo, doutor. – Respondi acenando para ele.- Aquele com cara de dor é o meu tio Jasper. – Ness apontoupara ele, que assentiu com a cabeça.- E a loira emburrada é minha tia Rosali. Mas vocês não segostam muito, então não espere muito dela. – Ness dissesorrindo.- Você voltou, cachorro¿ Não acredito que terei que aturarvocê novamente. Estava muito bom esse tempo sem você. –Ela resmungou.- ROSI!- ROSI!- ROSI!- ROSI!- ROSI!- ROSI!- ROSI!Todos gritaram de uma só fez e fiz uma careta para a loirainsuportável, mas não respondi a provocação.- Tudo bem! – Respondi casualmente.- Ness, querida! Por que não vai tomar um banho, enquantoconversamos com Jacob¿ - Edward perguntou para ela.- Nós vamos com você. - Disse Bella e as vampiras a
  • 117. acompanharam até a longa escada.Eu fiquei um pouco tenso, pois sabia que eles iriam conversarcomigo sobre Ness e havia muito a perguntar, principalmentesobre a estranha doença que tinha.- Conte-nos o que aconteceu com você¿ - Jasper perguntouainda de pé em um canto da sala e com a cara de dor, que meincomodava um pouco.- OK! Vamos lá!. – Respondi.- Acordei em uma praia deserta há quase três anos, mas nãome lembrava de nada. Porém tinha flashs de uma meninachorando e me chamando. Andei por muitas cidades a procuradessa menina e fui ajudado por muitas pessoas. E nesseperíodo, descobri que era um lobo, matei um vampiro, atéchegar a Clallam Bay. Então encontrei os lobos que mecontaram as histórias sobre lobos, vampiros, Cullens e Ness. Enós procuramos por Ness, mas não encontramos nada. Emuma dessas viagens, troquei de mala com a Jack e começamosa trocar mensagens. Até que descobri hoje que ela era a Ness.Isso é tudo! – Disse para eles.- História longa. – Disse Emmett, coçando a cabeça.- Esse é só um resumo breve. – Respondi.- Não quer se sentar¿ - Carlisle perguntou.- É claro. – Respondi, sentando-me no grande sofá branco.- O que Ness tem¿ O que aconteceu com ela depois que morri¿Por que seus olhos mudaram de cor¿ Ela vai morrer¿ Precisosaber de tudo. – Falei tudo de uma vez, ansioso pelasrespostas que me daria.- Quando a encontramos no barco, ela estava em estado dechoque e a trouxemos para casa totalmente destruída. Doisdias depois, ela voltou a falar e a chorar compulsivamente,então notamos que seus olhos começaram a clarear, ficandocastanho claro, depois verdes e chegou nesse tom de azul. –Edward respondeu.- Como se explica isso¿ - Perguntei angustiado.- Não se explica! Ness é uma hibrida e tudo que acontece comela é novidade para nós. E achamos que essa mudança é uma
  • 118. herança de seu lado vampiro, pois nossos olhos tambémmudam de cor de acordo com o nosso humor. Então isso foialgo novo para nós, mas não temos certeza se foi a tristezaque fez essa mudança. – Carlisle respondeu.- Tá! Os olhos dela são o de menos agora. E o resto¿-Continuava ansioso pela resposta.- Ness começou a ficar doente nas primeiras semanas e emseu corpo apareceram manchas roxas, seu nariz começou asangrar sem motivo, uma febre estranha surgia de repente eela ficou muito fraca. Então coletei o seu sangue para estudare tentar entender o que estava acontecendo. – O doutorCarlisle explicou.- E¿- O que você sabe sobre vírus, divisão celular e doenças. – Eleperguntou.- Nada! Então pula a parte técnica da coisa e seja bem sucinto.– Respondi.- Tentarei! O sangue possui glóbulos brancos e vermelhos.Isso você sabe¿- Perguntou.- OK! Vamos lá!- Uma estrutura estranha afetou os glóbulos brancos dosangue de Ness. E sua estrutura celular é muito parecida coma de um vírus, mas ele não é um vírus. E esse ser estranho,destrói seus glóbulos brancos e a deixa sem imunidade. Noinicio, pensei que fosse o vírus da Aids, mas ele é muito maiscomplexo e não é transmissível pelos mesmo métodos que oda Aids. E o seu comportamento nos faz lembrar de célulascancerosas.- Calma ai! Vocês estão dizendo que ela tem uma doença quenão existe¿ E que vocês nem sabem o que é¿ - Pergunteinervoso.- Exatamente! Não sabemos o que isso é e nem como elapegou. Mas o fato é que depois que saiu daquele barco, jáestava muito doente. E a tristeza dela só piorou a situação,pois parou de comer e de beber sangue. E sua imunidade caiudrasticamente e quase morrer no quarto mês da sua morte.E nós tivemos que interná-la e cuidar muito bem para que nãopegasse um resfriado se quer, pois poderia morrer só por isso.
  • 119. – O doutor continuou sua explanação.- Vamos ver se entendi. Ela tem uma doença que não existe,que não sabem como pegou, que não é transmissível e que adeixa em imunidade para combater as doenças. E como vocêstêm a mantido viva até agora.- Por um milagre! E também com quimioterapia. – Elerespondeu.- O que tem haver a quimioterapia com isso¿ - Perguntei sementender.- Nós usamos a quimioterapia para combater esse serestranho, já que ele se desenvolve como um câncer.- Existe cura para isso¿ - Perguntei.- Ainda não. – Edward respondeu com pesar.- Ela pode morrer¿ - Perguntei com as lágrimas caindo emmeu rosto.- Sim! Qualquer bactéria ou vírus pode matá-la se estiverfraca. E justamente por isso fazendo a quimioterapiaconstantemente, para evitar que essa coisa desenvolva e elamorra. Então quando pensa em fazer as suas mitoses, nóseliminamos. Mas não sabemos como, sempre volta. – Edwardrespondeu.- Mais alguma coisa¿ - Perguntei.- Ela pode levar uma vida quase normal. Mas todos os meses avacinamos contra tudo o que se possa imaginar, para que nãocontraia nenhum tipo de vírus. E se nos descuidarmos, umasimples infecção pode matá-la. Só que esse tratamento émuito doloroso para ela e já pediu várias vezes para deixá-lamorrer de uma vez. – Edward disse.- Jake! Não podemos ficar muito tempo em um mesmo lugar,pois os cuidados que ela precisa, chamam a atenção. E nãoqueremos que o controle de epidemiologia do governodescubra essa nova e estranha doença.- Então vocês vão embora logo¿ - Perguntei.- Talvez em alguns meses. – Carlisle respondeu.
  • 120. - Alguns meses¿ Por que estão a tanto tempo aqui¿ -Perguntei sem entender.- Depois que ela começou a trocar mensagens com você, seucorpo começou a reagir contra essa doença. E estranhamenteesse ser estranho não está fazendo as divisões celulares. Sóque ela teve uma recaída quando deu o bolo nela e precisamosinterná-la novamente. E agora voltamos a combater essacoisa. – Edward respondeu.- Ela reagiu a doença só por conversar comigo¿ Está doenteagora¿ - Perguntei- Sim! Terá que fazer quimioterapia e ficará uns dias commuito cuidado para não ter uma recaída. Só não sabemoscomo o organismo dela combateu essa coisa, mas de certo éque você fez tão bem para ela, que seu corpo produziu algumasubstância, que não identificamos que foi um remédio naturalpara o seu corpo. – Carlisle respondeu- Então há esperança¿ - Perguntei entusiasmado.- É claro que há! Só temos que descobrir o que o seu corpoproduziu para combater esse ser. Carlisle respondeu.- Posso ficar perto dela ou há alguma restrição¿ - Pergunteicom medo que me dissessem que teria que me afastar.- Por enquanto pode, mas não queremos que saia de casanesse momento. Pois está suscetível demais a uma doença.Então terá que vir aqui para vê-la. – Edward respondeu.- Ela sabe o que tem¿- Não! Evitamos passar os detalhes para evitar o seusofrimento. Então peço que mantenha sigilo sobre o queconversamos aqui. – Edward respondeu.- Jacob, quais suas intenções com a minha filha¿ Sabe que elajá sofreu demais e não podemos permitir que nada amachuque agora, pois isso pode causar a sua morte. – Edwarddisse, olhando estranhamente para mim.- São as melhores possíveis. E quero me casar com ela o maisrápido possível. – Respondi para ele.- É claro. Só estamos preocupados com ela, pois essa última
  • 121. recaída a deixou muito mal.- Ele disse para mim.- Posso vê-la agora¿ - Perguntei para ela.- Vá até o quarto dela, mas quero respeito com a minha filha.– Ele disse olhando estranhamente para mim e aquilo maispareceu um aviso do que um pedido.Andei em direção as escadas, seguindo o seu cheiro, entãoparei na porta do quarto e bati.- Posso entrar¿ - Perguntei, abrindo lentamente a porta.- Entre, Jake. – Bella respondeu, penteando os cabelos deNess.- Como você se sente, princesa¿ - Perguntei ao sentar ao seulado na cama.- Um pouco fraca e minha mãe acha que estou com febre. –Ela respondeu sorrindo para mim, com os olhinhos brilhando.- Ficarei ao seu lado até dormir. Tudo bem¿ - Pergunteialisando o seu rosto, enquanto ela me olhava com olharbrilhando de felicidade e um sorriso lindo em sua face de anjo.- Você me acostumará mal assim. – Ela respondeu sorrindopara mim.- Isso também faz parte do PACOTE JACOB BLACK DEFELICIDADE. – Disse, beijando sua testa.- Que pacote é esse¿ Bella perguntou surpresa para mim.- Ness não contou que ganhou um pacote de felicidade¿ Elatem direito a todos os mimos, cuidados, amor, beijos,vontades e um pouco mais. – Respondi rindo para ela.- HUM! O Edward bem que poderia me dá um PACOTE EDWARDCULLEN DE FELICIDADE, também. – Bella disse rindo e Ness eeu rimos juntos com ela, mas escutamos um rosnado altovindo da sala.- Ele não gostou muito. - Disse para ela.- Ele sabe que estou brincando, pois ele já é a minhafelicidade. – Ela disse, a porta se abriu e ele veio em nossadireção.
  • 122. - Você está seduzindo as duas mulheres da minha vida¿ -Perguntou rindo para mim.- Só uma. – Respondi abraçando minha Ness.- Acho bom! – Ele respondeu e começou a beijar o pescoço deBella.- Pai! Não vão se agarrar na nossa frente! - Ness reclamou.- Por que não¿ Vocês estavam se agarrando no carro há umahora e não são casados. A propósito Jacob Black, não querocertas intimidades com a minha filha. Então pense bem antesde a bolinar. – Ele disse e eu corei.- OK! Desculpe. – Respondi sem graça.Edward e Bella saíram do quarto e fiquei abraçado a minhaNess, muito preocupado com a sua saúde, mas não toquei noassunto da sua doença. Apenas a coloquei em meus braços eninei como um bebe até que finalmente dormisse. E depoisfiquei admirando a sua beleza tão distinta e espetacular, queme tirava completamente o fôlego. Voltar para o índice
  • 123. SACRIFÍCIOS escrita por GLAUCIABLACKMeus amores,Postem os seus comentários por favor!!A fic está completando 5 dias, com mais de 1000 acessos. Maso número de comentários não condiz com os acessos.Façam a autora feliz!!Música do cap River flows in youBjsSACRIFICIOSColoquei-a delicadamente na cama, tomando cuidado para nãoacordá-la, coloquei um cobertor sobre o seu corpo febril eobservei-a dormir por um tempo, até que Bella entrou noquarto para conversar.- Jacob! – Bella chamou baixinho, enquanto olhava para aminha vida dormir.- Oi! – Respondi, virando levemente o rosto para ver suasexpressões.- Você fica conosco hoje a noite¿ - Perguntou, com a vozapreensiva.- Tenho que ir embora, pois estou há algum tempo longe dotrabalho. E amanhã tenho que conversar com meu patrãosobre a minha situação. – Respondi.- Entendo. Mas já é bem tarde e você veio sem carro. Entãopreparamos um quarto para você. – Ela respondeu, aindaolhando estranhamente para mim.- Vocês prepararam um quarto para mim¿ É bem estranho. –Respondi, virando a minha cabeça para olhar minha pequena,que havia respirado muito fundo naquele momento.- Sim. Mas não se assuste, pois você tinha um quarto na nossaantiga casa em Forks e costumava a dormir lá de vez às vezes.– Respondeu.- Eu tinha um quarto na casa de um monte de vampiros¿ - Aquestionei incrédulo.
  • 124. - Ah sim! Você passava bastante tempo lá e às vezes Nessinsistia para dormir. E você adorava vê-la dormir quandocriança, da mesma forma que está fazendo agora. E isso meparece tão incrível, pois mesmo sem memória você aindaparece a mesma pessoa. Você sempre foi tão incrível ebondoso, e acho que isso não mudou nada. – Ela disse paramim e percebi que estava se lembrando de um tempo distante,onde éramos amigos e confidentes.- Realmente não me lembro, mas acredito no que está mefalando. – Respondi olhando para o seus olhos saudosos.- Você vai ficar¿ O quarto está pronto e amanhã bem cedo olevo para sua casa. – Ela disse.- Não posso ficar aqui com Ness¿- Isso é muito novo para Edward, que não está acostumado aver sua bonequinha com alguém. Então dá um tempo para ele.Fica no outro quarto e com o tempo as coisas irão se ajustarentre vocês.- Ele não gosta de mim¿ Não é¿ - Perguntei franzindo assobrancelhas.- Ele gosta de você e apesar das muitas diferenças quetiveram, está grato por você não ter morrido. Mas imaginar asua filha nos braços de um homem enorme como você é bemdifícil para ele. E fica com um pouco de ciúmes dela. Entende¿-Perguntou se aproximando de mim.- Entendo. Eu irei para o outro quarto, mas amanhã precisotrabalhar. E agora esse emprego é uma questão de vida oumorte, porque preciso de dinheiro para me casar com ela. Enão posso me dá ao luxo de ficar desempregado agora.- Você sempre foi tão decente, tão... – Ela parou e pareceu searrepender do que iria falar.- Vamos¿ - Levantei do quarto e andei em direção a porta,ainda olhando minha princesa dormir calmamente.Bella me conduziu até o quarto em frente e antes de sair, ficoume olhando com aqueles olhos saudosistas que me deixavambem sem graça diante dela. E por todas as histórias quetinham me contato, ficava imaginando o que ela estavapensando. Mas agora ela era a minha sogra e imaginar que
  • 125. houve algo a mais entre nós me deixava super sem graça, eme fazia imaginar as razões de Edward não me aceitar.Tirei meu sapatos e minha blusa e deitei sobre a cama maciacom lençóis de seda, e fiquei olhando para o teto do enormequarto. E pensava sobre todas as coisas que haviamacontecido na última hora, na doença estranha de Ness e napossibilidade de perdê-la novamente, fazendo um desesperotomar conta to meu corpo e dando um nó em minha garganta.Era muito injusto que a perdesse nessa vida também, pois nasoutras aconteceram tantas tragédias e nunca fomos capazesde viver intensamente o nosso amor. Então achava quemerecíamos essa chance de felicidade, sem doenças ou morte.Entretanto tinha conhecimento que nada era totalmente justoe que os planos do nosso Senhor não eram exatamente comoqueríamos. E que muitas vezes os seus caminhos eram tortose dolorosos, mas tinha esperanças que se compadecesse donosso sofrimento e nos desse oportunidade de felicidade.Senhor! Mais uma vez clamo a ti por sua compaixão.Permita que minha Ness viva e que possamos ter uma vidajuntos.Já passamos por tantos sofrimentos e merecemos umpouquinho de felicidade nessa vida.Não sei o que fiz de errado nas outras, mas rogo pelo seuperdão e compaixão.Não é da Sua vontade que seus filhos sofram e para isso jádeu o seu filho para morrer por nós.Ele derramou o sangue sagrado e nos comprou por um preçomuito caro, limpando os nossos pecados.E por esse amor tão grande que teve para com a humanidade,é que tenho certeza que não deseja o nosso sofrimento.Então rogo por Sua misericórdia nesse momento!!Permita a nossa felicidade!Por favor, Senhor!Estava tão perdido em meus pensamentos quando ouvi obarulho no quarto ao lado.- AH AH AH AH!!- Ela está com convulsão Edward!! – Bella gritava.- Calma, amor!! Já passamos por isso antes e vai dá certo.Calma!! – Edward dizia.
  • 126. Corri para o outro quarto desesperado, com medo do queestivesse acontecendo. Mas não me deixaram permanecer lá,antes que houvessem terminado de administrar a medicação.Vi rapidamente as expressões de desespero no rosto deCarlisle e Edward, antes de Bella me arrastar de lá.- O QUE ESTÁ ACONTECENDO COM ELA¿ O QUE ELA TEM¿ PORFAVOR, CONTEM TUDO PARA MIM. – Gritava desesperado.- Bella, tira ele daqui! – Edward ordenou, olhando de relancepara mim com a dor aparente em sua face, enquanto minhapequena se contorcia na cama com a convulsão.- Vem, Jacob! – Bella me chamou,puxando meu braço parafora do quarto.- NÃO! NÃO! NÃO! – Protestei veementemente.- Jacob! Eles estão fazendo o melhor lá dentro e não vaiquerer ver isso!! É doloroso demais para todos nós então seacalme! – Ela ordenou com raiva.- Não posso ficar calmo com minha Ness nesse estado.-Respondi chorando como uma criança e ela me abraçou forte.- Nós todos temos sofrido muito com Ness nesses últimosanos, mas temos esperanças que ela melhore com a suapresença. – Ela respondeu e vi que seus olhos estavamchorosos, apesar da falta de lágrimas.- Eu sempre estarei com ela. Sempre!! – Respondi chorandomuito.Depois de um tempo, andando de um lado para o outro nocorredor, Edward e Carlisle saíram e permitiram a nossaentrada no quarto. E vi toda a dor estampada em seu rostonaquele momento e me senti ligado a ele de certa forma, poiscompartilhávamos a mesma dor e desespero.Entrei no quarto e sentei ao seu lado na cama, que já dormiatranquilamente naquele momento. Então Edward e Bellaentraram e ficaram nos olhando silenciosamente. E depois dealguns minutos sem dizer palavras, finalmente quebrou osilencio e me deu um soco no estômago.- Você não pode permanecer aqui com ela. – Ele disse com avoz rouca, como se houvesse chorado.
  • 127. - Como¿ Não sairei de perto dela¿ - Respondi, olhando comraiva para eles.- Jacob! Ouça o que Edward irá dizer antes de tirar conclusõesprecipitadas.- Bella disse para mim- OK! Então comece! – Resmunguei com raiva.- Você precisa ir para casa, precisa trabalhar, conviver comseus amigos e tudo mais. Só que a imunidade de Ness estámuito baixa e você pode trazer algum vírus ou bactéria queseja prejudicial para ela. Sabe como é¿ Isso pode matá-la,então não podemos permitir que venha visitá-la. – Eleconcluiu.- Eu posso prejudicá-la¿- Sim!- Mas e vocês¿ Vocês entram e saem dessa casa, e nadaacontece. – Disse angustiado para ele.- Nós somos vampiros e não pegamos essas coisinhasasquerosas. Mas você é humano e isso pode matá-la. – Bellarespondeu.- E se eu ficar¿ E se eu não sair dessa casa¿ Então não haveráperigo de infectá-la. Não é¿ - Perguntei desesperado, mas jáestava disposto a fazer o sacrifício para ficar ao seu lado, poissabia que enlouqueceria se precisasse ficar um dia sem vê-la.- Dessa forma não haveria problema. – Bella respondeu.- Então eu posso ficar hospedado aqui¿ - Perguntei com medoda recusa, mas teria que ser cara de pau naquele momento,pois vergonha era o único sentimento proibido para mim,quando minha Ness estava tão doente.- Pode! – Edward respondeu abaixando a cabeça e soube quenão me negaria isso, pois seria pior para a recuperação da suafilha ficar longe de mim.- E sua vida¿ Seus amigos¿ Seu pai¿ Seu emprego¿ - Bellacomeçou a tagarelar.- Minha vida é Ness! Ela é a minha única prioridade e abrireimão de tudo e de todos para ficar ao seu lado. Faço essesacrifício por ela, sem o menor pesar. Pois sei que morreria se
  • 128. ficasse um dia a mais separado ela. – Respondi olhando para orosto pálido da minha pequena em sua cama.- Você quem sabe, mas sou grato pelo que está fazendo pelaminha filha. E sei que isso a ajudará na sua recuperação. –Edward disse, olhando para mim.- Não faço isso pela sua gratidão ou qualquer outra coisa. Elaé a razão da minha existência e não ficarei longe um dia sequer. Ela é tudo para mim! É meu ar, meu sol, minhas estrelas,o sangue que corre em minhas veias e o sopro de vida queainda me resta. E lutarei como um leão para que continueviva. Então não me agradeça. – Respondi,olhando para osdois que pareciam gratos pelas minhas palavras.- Então seja bem vindo a família. – Edward respondeu.- Obrigada. Mas posso usar o seu celular¿ Preciso falar comSeth e meu pai para ajustar as coisas.- já volto! – Bella disse e saiu rapidamente do quarto,voltando em segundos com o celular.Peguei o telefone, disquei o número da minha casa e nosegundo toque meu pai atendeu.- Alô! Pai.- Jacob, ficou! O que aconteceu com você¿ Onde está¿ - Eleperguntou com a voz preocupada.- Pai, ouça bem o que irei dizer. Encontrei a minha Ness e elaestá muito doente, então não poderei sair do seu lado. Masmanterei contato pelo telefone e darei um jeito de pegar asminhas roupas.- Você não pode vir¿- Não! A doença dela é estranha e está de quarentena. E sesair agora, não poderei voltar. Mas não se preocupe comigo.- Você me liga sempre que puder¿- É claro, pai! Mas fica tranqüilo que tudo dará certo. –Respondi preocupado com ele.- Ok! Se cuida, garoto!
  • 129. - Se cuida você. – Disse e desliguei o telefone.Pensei alguns segundos e liguei para o celular de Seth.- Alô! Seth!- Jake, cara! Onde você está¿ Todos estavam te procurando. –Ele disse.- Seth, eu fui encontrar a tal Jack. Lembra¿- Lembro.- Descobri que ela é a Ness e está muito doente. Então nãoposso sair do seu lado agora e ficarei um tempo longe. Entãopreciso da sua ajuda com algumas coisas.- Que coisas¿- Primeiro o meu emprego.- Como assim¿- Diz para o nosso patrão que ainda estou engessando e nãopoderei trabalhar por um bom tempo. Isso me dará um poucode tempo até Ness melhorar.- Jake, isso vai da “ M” .- É só tentar ser convincente com ele.- E o outro favor¿- O bando! Precisa pedir para o Sam tomar conta do bandonovamente.- Sam está irredutível e já disse que não se transforma mais.- Quando eu desapareci como vocês fizeram¿- Leah é a sua beta, mas ela ficou tão abalada que não quis ocomando. Então Sam assumiu o comando das duas matilhas.Mas agora ele se recusa por causa da Emily.- Então fale com a Leah.- Leah está com namorado novo e sua cabeça está no mundoda lua. Então não conte com ela.
  • 130. - Mas que “ M” !- Calma cara!- Como calma¿ A matilha não pode ficar se um alfa.- Eu sei disso, mas daremos um jeito.- Quem é o terceiro da linhagem¿ - Seth pensou um pouco edepois de um breve suspiro respondeu.- Eu e depois Quil.- Então você será o Alfa até eu voltar. E isso é uma ordem. –Usei a minha autoridade de alfa e ele não poderia se negar.- OK! Você venceu.- Reúna os outros amanhã e conte o que aconteceu. Eu metransformarei e mostrarei tudo o que está acontecendo, entãovocês mostrará para os outros.- Tudo bem!- Se transforme e espere alguns segundos para eu metransformar. – Disse e desliguei o telefone.Fui para o outro quarto, tirei as minhas roupas e metransformei no grande lobo castanho avermelhado.Seth! Pode me ouvir¿Sim! Pode começar!OK! Então preste atenção em tudo e mostre para os outros oque estar acontecendo.Comecei a mostrar para eles Ness me contado que iria morrer,depois sobre a conversa que tive com sua família, mostrei oseu estado e a minha conversa com Edward e Bella.Estava feito e não voltaria atrás na minha decisão, pois estavadisposto a sacrificar a minha vida pela dela se necessário. Efaria isso muito feliz, pois ela era minha razão de existir e nomomento que o seu coração parasse de bater, o meu parariatambém.Deitei ao seu lado na cama e passei a noite inteira acordado
  • 131. velando o seu sono. E percebi que a febre ia e vinhaconstantemente, o que estava me deixando muito preocupado.Mas está tão perto dela, fazia me sentir mais seguro porquesabia que estaria ali para socorrê-la a qualquer momento. Sóque estava ficando tão cansado que acabei pegando no sono. Efoi nesse momento que algo estranho aconteceu e vi ossonhos de Ness, que acordou gritando assustada.Ela sentia eu penetrar o seu corpo causando imenso prazer,enquanto gemia e sussurrava meu nome baixinho.Fizemos amor por horas e ela não se lembrava que a festaacabaria logo. E o seu velho asqueroso marido a procuraria.Ele entrou no quarto bêbado e nos flagrou fazendo amorenlouquecidamenteEla ficou com medo pelo que ele faria comigo, pois sabia quesua vida não teria mais sentido sem a minha. E nessemomento o velho asqueroso chamou os seus guardas e elasoube que estava tudo perdido naquele momento.Ela começou a gritar, pendido que ele poupasse a minha vida,mas o velho estava com muito ódio e não dava a menoratenção para os seus pedidos.Um dos guardas cravou a espada em meu corpo e o desesperotomou seu corpo de tal forma, que só quis me abraçar emorrer junto comigo. Então me abraçou por trás, permitindo oaço ferir o seu corpo também.Ela ouviu meu grito, mas sua consciente estava se esvaindoaos poucos.- Ming! Não!! Não!!- Eu não viverei Sem você, Liang!! Eu amo você! Sempre amei!!Desde o dia que cheguei a essa casa.- Ming! Prometo que se houver outra vida, a encontrareinovamente. EU AMO VOCÊ!Seu último pensamento foi:- Liang, sempre amei você! Desde o primeiro dia!- Sempre amarei você! Sempre!Ness acordou gritando apavorada e começou a chorar muito. Ea abracei forte, dizendo que estava tudo bem. Mas sabiaperfeitamente o que estava sentindo, porque aquele era omesmo sonho que tivera há meses, mas agora vi com a visãodela, que me passou o sonho através dos seus poderes.Nós ficamos abraçados e chorando juntos, até que ela
  • 132. conseguiu dormir novamente. Mas eu sabia que aquela seriauma noite bem longa para mim. Pois lembrar daquele sonhome fez ter a certeza de que ela era a minha ALMA GÊMEA.AMO REVIEWS!!!BJN Voltar para o índice
  • 133. RECUPERAÇÃO escrita por GLAUCIABLACKAmores,Mais um cap fresquinho para vocês!!A música desse cap é Pearl Harbor – Brothers.Sei que já devem ter enchido o saco de musica clássica. Masessa fic é tão intensa que só música clássica encaixa para ela.Não esqueçam de comentar!!RECUPERAÇÃONess ficou por dois meses muito mal e minha vida eradedicada totalmente a ela. E só me permitia comer, dormir oufazer qualquer outra coisa, depois que estivesse bem eprovida de todas as suas necessidades.Mas a coisa mais difícil para mim era o tratamento, que adeixava deprimida e chorando o tempo inteiro.Ficava me lembrando das nossas conversas no MSN e pudeentender exatamente o que ela sentia agora, pois realmentenão havia vida para uma pessoa que vegetava na cama.Todas as vezes que fazia quimioterapia, sofria muito e asreações em seu corpo a deixavam constrangida diante de mim.Mas não estava preocupado com a sua vergonha e não aabandonaria de forma alguma.Às vezes tinha recaídas e precisava se submeter a váriasinjeções. E a cada agulhada que seu pai aplicava, era umafacada em meu coração e se pudesse, tomaria o seu lugar paraevitar tanto sofrimento.Os seus cabelos começaram a cair e o desespero que sentiadiante de mim era tão grande, que chegava a me expulsar doquarto. E mesmo assim, estava ali fazendo pose de durãoquando a minha vontade era de morrer por vê-la sofrer tanto,sem poder fazer nada para ajudar.Ela se recusou a raspar a cabeça e a cada dia sofria mais, coma queda dos cabelos. Apesar da mãe afirmar que cresceriamnovamente, aquilo para era ela a morte. E me fazia sofrermuito.Esses primeiros meses foram muito complicados para nósdois, mas Edward já me permitia dormir com ela na cama. Eassim passava a noite velando o seu sono e cuidando para que
  • 134. não passasse mal. Mas o pior disso tudo, era ver os sonhosque já havia sonhado e como eles a afetavam. E sabia queainda sofreria muito, pois se visse tudo o que já haviapresenciado, concluiria que estávamos fadados a um destinatrágico e se entregaria a morte. E não poderia permitir quedesistisse de viver de forma alguma.Sentia saudade do meu pai e dos meus amigos, mas não saiada casa para nada. E assim passamos mais meses navegandopela internet e vendo como o mundo era grande e bonito.Eu prometi que a levaria para conhecer todos aqueles lugaresquando tudo aquilo terminasse e ela ficava radiante com aesperança de viajar o mundo comigo. E o sorriso que me davaera tão reconfortante que amenizava a dor que sentia por vê-la naquela cama.Perdi o meu emprego e tive que aceitar viver com o dinheirodos Cullens, que era um humilhação para mim. Mas estavadisposto a passar por tudo para ficar ao seu lado. Mas o piordaquela situação, era perder o contato o com meu bando, quejá amava tanto e fazia parte de mim. Só que ficar com ela eramais importante do que dá atenção para um monte de homensde peito de fora. Então aceitava resignado o que a vida estavame oferecendo e não reclamava de nada, apesar dasdificuldades.Todos os dias fazia uma oração, clamando pela misericórdiado nosso Senhor e a minha fé era tão grande, que sabia queseria atendido mais cedo ou mais tarde. E que todo osofrimento era apenas para prová-la.Ness dizia que não tinha uma alma e que não havia um lugarpara ela no paraíso. Mas era impossível para eu acreditar emtal coisa e continuava perseverante na minha fé, buscandoforças no Senhor para suportar tantas dificuldades.Aprendia usar o tal Ortkut e começamos a fazer muitos amigosvirtuais. E me divertia bastante com as mentiras que contavapara os rapazes, que achavam que era loira e um grandeavião. Não que não fosse, pois para mim era a mais perfeita elinda do mundo, mas não se comparava com a belezaestonteante da loira chata.Depois de mais quatro meses, o seu avô informou queconseguiram combater a tal praguinha e que por enquanto,poderíamos sair de casa para respirar ar livre. E essa noticianos pegou de uma forma tão maravilhosa, que a primeiracoisa que fiz, foi levá-la para ver o por do sol.
  • 135. Nós começamos a ter uma vida de namorados normais,passeando bastante e indo para diversos lugares comocinema, teatro, shows, restaurantes e La Push que era o lugarque amava. E sentia que a felicidade transbordava em seurosto, por ter uma chance de viver normalmente e o seusorriso era como um raio de sol iluminando a minha vida.Então mais uma vez pedi ao Senhor que aquela felicidade nãoacabasse e nos permitisse viver intensamente o amor quesentíamos um pelo outro.Os meus amigos ficaram imensamente felizes em ver como elahavia se recuperado. E começamos a freqüentar o circulo deamizade dos lobos. E Ness logo ficou amiga de Rachel, Kim,Emily, Clair e as outras garotas do bando. Até Leah pareciamuito feliz por vê-la recuperada e forte daquele jeito.Ness por sua vez era grata e agradecida pelo carinho quetodos dispensaram a ela, e amava visitar La Push.A vida parecia sorrir para nós dois novamente. Mas nessemomento ela começou a querer mais e tive muito medo quepudesse machucá-la, com a minha força bruta.Estávamos sozinhos na casa do meu pai, então sentamos nosofá e ela começou a me beijar ansiosamente.Suas mãos eram urgentes em meu corpo e nós estávamospegando fogo de tanta paixão e desejo. Mas continuavareceoso de feri-la e precisava conter os meus instintos maisselvagens para não tomá-la em meus braços e fazer minhamulher ali mesmo.Só que ela ansiava muito por isso, então chegamos a umimpasse.- Jacob! Você não me deseja¿ - Ela me perguntou com os olhoscheios de lágrimas, depois que a afastei de meu corpo.- Você é tudo que quero nessa vida. – Respondi, abraçandoseu corpo carinhosamente.- E por que não me quer¿ - Ela perguntava chorando.- Você é tão frágil... tão desprotegida... tão quebrável. – Nãoconsegui concluir e comecei a chorar, com raiva de mim porser tão forte e pela possibilidade de machucá-la.- Jake! Eu quero você. Por favor, me faça a mulher mais felizdo mundo. – Ela olhava para mim, os olhos chorosos e aquilome partia o meu coração.
  • 136. Como poderia recusá-la, quando me pedia daquela forma tãomelosa. E quando a queria mais do que tudo nesse mundo.Então senti meu coração palpitar mais forte e tive medo queaconteceria com ela depois que tivesse terminado, mas nãoconseguiria resistir aos seus apelos por muito tempo.- Ness, por favor ! Não faz assim comigo. – Levantei a cabeçae desviei meus olhos, pois sabia que me perderia em seuolhar.- Isso nos pertence. – Ela sussurrou e colocou a mão em meurosto, mostrando-me todo desejo que sentia por mim e assuas ilusões a respeito daquilo.A tomei em meus braços e a carreguei para o meu quarto,colocando-a gentilmente sobre a cama e fiquei admirando asua maravilhosa beleza.CONTINUA - A PRIMEIRA VEZPESSOAL, QUERIA FAZER UM CAP BEM HOT. MAS NÃO SEIESCREVER LEMOM! ALGUÉM GOSTARIA DE ME AJUDAR?AMO COMENTÁRIOS!! Voltar para o índice
  • 137. A PRIMEIRA VEZ escrita por GLAUCIABLACK Pessoal, queria fazer um cap vem quente, mas descobridepois de ler uma nova fic, que não sei escrever Lemon. Entãoresolvi pedir ajuda, mas ninguém enviou um conselho bom.Então tentei escrever o melhor possível e espero que tenhaficado bom.Se não gostaram, enviem mensagens para mim e nospróximos caps melhorarei.Para os menores que estão lendo essa fic, não recomendo leresse cap.Os Sofi, mascotinha!! Dá uma pulada para o próximo. Tá¿Musica para o ca Evanescence - My Immortal!!bjusA PRIMEIRA VEZPeguei minha Ness em meu colo e estava disposto a dá oprazer que tanto me implorava. Todavia, apesar dos meusreceios, queria muito aquele momento também. Entãocaminhei com o seu corpo ardente nos braços até o meuquarto e a coloquei delicadamente deitada sobre a cama. E poralguns segundos me permitir admirar tão linda imagem dedeusa.Debrucei meu corpo lentamente sobre o seu e fixei meus olhosnaquele imenso oceano que eram os seus, e quase me perdinaquele olhar tão profundo e ansioso.Peguei sua mão delicadamente e percorri os seus dedos sobreos meus lábios. Então comecei a passar a língua sobre eles,brincando com ela e fazendo Ness sorri divertida.Minha mão começou a percorrer o seu rosto, enquantoadmirava a beleza tão espetacular e angélica. E um sorrisomalicioso escapou em meu rosto, quando ela mordeu os seuslábios dando um recado claro do que queria.Meu corpo sobre o dela já estava ansioso e pegando fogo, massabia que precisava ir com calma e tentar dosar o máximo aminha força. Contudo o meu nervoso e a minha ansiedadequase colocaram tudo a perder, mas recobrei a consciência evoltei a prestar atenção no rosto angelical a minha frente.Pousei meus lábios sobre os seus e dei um leve selinho, masdepois fui descendo lentamente pelo seu maxilar, brincandocom minha língua sobre a sua pela e a sensação que senti foi
  • 138. maravilhosa.Levei meus lábios até o seu ouvido e comecei a sussurrar oquando a amava e a queria.- Te amo! Te quero! Você é tudo para mim! È perfeita emaravilhosa! Vou te dá todo o prazer do mundo!- Te amo! Te amo!Desci minha cabeça até o seu pescoço e comecei a depositaros meus beijos sobre ele, e brincar com minha línguaproporcionado um imenso prazer para nós. E os seus gemidosestavam me deixando excitados e transbordando uma luxuriaferoz dentro de mim, e senti meu pênis enriquecer naquelemomento.Ela gemia baixinho e passava as mãos sobre os meus cabelos,enquanto beijava do seu pescoço. E resolvi avançar e tirar asua blusa, deixando-a somente de sutiã.Nós olhamos profundamente e ela percebeu o meucontentamento ao vê-la daquele jeito, então fui mais ousado ea abracei, de forma a alcançar o fecho do sutiã e deixá-la comseios expostos para mim. E mais uma vez fiquei admirandoaquela miragem tão perfeita, antes de saboreá-los finalmente.Coloquei meu rosto sobre os seios divinos que estavamesperando os meus toques e comecei a depositar leves beijossobre eles. E quando os percebi enrijecidos, passei a língualentamente e ela gemeu mais alto dessa vez, e gostei muitodaquilo. Então comecei a chapá-lo com um pouco de força,com meus olhos fechados e só me permiti pensar em possuiraquele corpo maravilhoso, mas sabia que precisava ri comcalma e me freei novamente.Levantei minha cabeça, olhei o seu rosto por um segundo edesci novamente em direção da sua barriga perfeitamenteesculpida. E comecei a brincar com meus beijos e minha línguasobre ela também, mas sabia que era hora de ousar mais. Elevantei da cama, tirei as minhas calças, ficando somente decueca e depois direi o seu Jeans, deixando a de calcinha.Então voltei para o seu corpo, enquanto me olhava gemendo emordendo os lábios.Abri as suas pernas e me encaixei sobre ela, movimentandolentamente o meu corpo para começar a incitar o seu prazer,chupava os seus seios. E ela começou a se mover também agemer mais alto, e gostei muito do prazer que estavaproporcionando a ela.Alguns minutos depois, tirei a sua calcinha e enquanto abeijava de forma reprovadora, explorando cada canto de suaboca e a deixando sem fôlego, levei a minha mão a até a suaparte íntima e comecei a estimular o seu sexo com o meudedo. Então afastei o meu beijo e fiquei olhado como gritava
  • 139. mais e mais, com os olhos fechados enquanto suas mãosarranhavam as minhas costas, dando-me uma sensação novae estranha de prazer.Quando percebi que havia conseguido estimular as boassensações em seu corpo, levantei-me da cama e tirei a minhacueca, para finalmente consumar o ato de amor e felicidadepara nós dois. Então voltei a me encaixar entre as suaspernas, coloquei meu corpo sobre o dela com muito cuidadopara não machucá-la e comecei a penetrar lentamente,rompendo segundo a segundo a passagem tão apertada. Masera paciente e não a machucaria de forma alguma.O meu movimento começou muito lento e muito suave, e aslágrimas escorriam sobre o seu rosto a cada investida. Mas elanão queria que parasse e me mostrou isso, colocando a mãoem meu rosto. E eu continuei a me movimentar, penetrando oseu corpo até que estivesse todo dentro dela.A sensação do meu pênis vibrando dentro do seu corpo foimaravilhosa e começamos a chorar juntos, entre os gemidos eos gritinhos de prazer. E quando a senti se movimentandorápido e estimulando o meu sexo, comecei a louca dança queme fazia entrar e sair cada vez mais rápido até chegarmos aoêxtase total de prazer.Nós nos movimentávamos juntos e nossos beijos eram ferozese totalmente loucos, com a brincadeira que nossas línguasfaziam. E nossas mãos exploravam cada parte de nossoscorpos ardentes, e foi nesse momento que ela começou a memostrar o seu prazer, dobrado o meu que já era enorme e meobrigando a penetrava mais rápido e desesperadoramente.Até que perdi as forças e expeli meu gozo em seu corpo.Caímos exaustos na cama e ficamos deitados, virados um parao outro, olhando um para o outro com extrema admiração.- Renesmee! UF! Uf! – Comecei a falar com a voz aindaofegante. – Eu te machuquei¿ Você está bem¿- Pergunteipreocupado.- Jacob! Estou maravilhosa e você me fez a pessoa mais felizdesse mundo. – Ela respondeu e colocou a mão em meu rosto,mostrando tudo o que aconteceu e o que ela sentiu, deixando-me explodindo de felicidade por ter permitido a ela ter oprazer que tanto desejava.- Eu amo você! Gostou dessa parte do PACOTE JACOB BLACKDE FELICIDADE¿ Se não tiver gostado, acho que possomelhorar na próxima vez. – Respondi malicioso, depositandoum leve beijo em seus lábios, enquanto minha mão segurava oseu queixo.
  • 140. - Pensando bem... Acho que não!! Essa parte do pacote aindanão está completa, então acho que pode melhorar da próxima.– Ela respondeu, pressionando seus lábios contra os meus eme beijando selvagemente.- Ness! Ness! Uf! UF! UF! – Tentei falar, afastando-a do meubeijo.- O que foi¿ - Ela perguntou assustada, com os olhos ansiosos.- Você pode ter um pouquinho de pena de mim¿ Preciso de unsminutos para me recuperar. – Respondi, rindo para ela.- E o PACOTE JACOB BLACK DE FELICIDADE¿ - Ela perguntoumaliciosa.- Está todo aqui para você. Mas não sou homem de ferro e nemum vampiro, que não se cansa. Então vamos só conversar porcinco minutos. E depois tentarei melhorar essa parte dopacote. – Disse, puxando-a para o meu peito e abraçandoforte, enquanto cheirava os seus cabelos.- OK! Prometo que serei paciente. Tá¿ Mas chapeuzinho estádoida para ser comida pelo lobo mal. – Sussurrou em meuouvido e isso me fez esquentar novamente.- Lobo mal está doido para comer chapeuzinho. – Ri, achandoa piada engraçada.- Então lobo mal vai mostrar a chapeuzinho porque esseinstrumento tão grande¿ - Continuou fazendo sátiras e estavame deixando louco.- Lobo mal fará muito mais do que mostrar para que ele serve.E vai usar ele de forma que chapeuzinho adorará ser devoradapelo lobo mal. – Mordi a sua orelha levemente e ela gemeu, ecomeçou a me arranhar.- Chapeuzinho já quer ser devorada pelo lobo. Então se o lobose recuperar rápido, fará chapeuzinho muito feliz. –Respondeu mordendo o meu ombro.- E se o lobo já estiver quase recuperado e quiser fazer coisasimpróprias com a chapeuzinho¿ - Perguntei beijando o seupescoço.- A chapeuzinho está louca para saber do que esse lobo écapaz. E está achando que o lobo está ficando muito bonzinho.
  • 141. Você sabe que a chapeuzinho quer que o lobo devore cadaparte do seu corpo¿ - Ela continuou a me morder.- Você sabe que o lobo pode enlouquecer chapeuzinho¿ -Respondi lambendo o seu pescoço.- E se chapeuzinho já estiver louca¿ - Retrucou.- Então o lobo ficará feliz em fazer muito bem para achapeuzinho. – Respondi chupando os seus seios e deslizeiminha mão até o seu sexo, estimulando novamente enquantoela gemia de prazer.- Jake! Está tão gostoso. – Ela sussurrou.- Tá gostoso¿ E você quer mais¿ - Perguntei, nos intervalosque conseguia tirar os meus lábios de seus seios.- Muito! Faz mais! HAM! HAM! HAM! HAM! – Ela respondeugemendo.- Vou te dá todo o prazer do mundo, meu amor! – Sussurreipara ela.Desci minha cabeça a até o seu sexo e comecei a passar aminha língua por ele, fazendo-a gemer mais alto. Entãocomecei a ousar mais e chupei muito forte, enquanto elagritava e se contorcia de prazer na cama. E quando já haviagozado cinco vezes, decidi penetrá-la novamente.Abri suas pernas e me encaixei entre elas, então comecei apenetrar o seu corpo cada vez mais rápido e dessa vez oprazer foi ainda maior, pois já não havia o medo de machucá-la. E isso me deixava livre para os movimentos frenéticos eloucos do meu corpo, que mais parecia um leão selvagem empleno cio.Fizemos amor muitas vezes e pensei que fosse morrer detanto prazer que senti naquela tarde. E por mais difícil quepossa parecer, nunca senti nada comparável em minha vida,mesmo quando nos encontramos e nos beijamos pela primeiravez senti maravilhada.Nós tomamos banhos juntos e depois nos arrumamos paravoltar para casa. Mas Ness pareceu preocupada e depois queperguntei o motivo daquela pequena ruga de tristeza, meconfessou que tinha medo da reação do seu pai. Entãoassegurei que nada nos separaria e que tudo ficaria bem.
  • 142. Depois que nos arrumamos, fomos para casa dos Cullens eestava me preparando psicologicamente para um confrontocom Edward. E sabia que teria que manter a calma e não lutarcom ele, para não ferir os sentimentos da minha mulher.CONTINUA Voltar para o índice
  • 143. CONFLITOS escrita por GLAUCIABLACKAmores, vamos para o primeiro momento de Edward O Chato!!A música desse cap é Temas de Filmes - Lendas Da PaixãoNão deixem de comentar!!bjusCONFLITOEstávamos radiantes de tanta felicidade, depois de fazer amorpor muitas vezes. E não dava para esconder a extremafelicidade que radiava de nossas faces e iluminava o ambientapor onde passávamos. Mas Ness estava receosa pela reaçãode seu pai, quando soubesse o que havia acontecido entre nósdois. Porém a minha felicidade era tão grande, que nãodeixaria que ele estragasse aquele momento que vivamos.Sentia-me completo e realizado, e uma parte que faltava emmim foi finalmente colocada no lugar, tapando o buraco quehavia. E pensar na fúria de Edward não me amedrontaria deforma alguma, pois agora ela era minha e não havia nada quepudesse mudar aquilo.Depois que tomamos banho e nos arrumamos, fomos para asua casa e no caminha cantamos e rimos muito juntos. E osolhinhos brilhantes de minha Ness, davam a força queprecisava para encarar a fera em as casa.Quando estacionei com carro e abri a porta para Ness descer,pude ver o seu rosto de ódio na sacada da casa. E comecei ame preparar para a tempestade que faria, mas estava muitotranqüilo e radiando felicidade por todos os poros do meucorpo.Subimos a escada e entramos na casa lentamente, de mãosdadas. E ele nos acompanhou até a sala, sem dizer nada, masolhando com uma fúria muito grande para mim.Nesse ficou amedrontada e colou a seu corpo no meu,estremecendo de pavor que sentia pela fúria de seu pai.Chegamos a sala e todos estavam nos esperando, mas nãohavia notado o clima tenso entre Edward e eu.Até que ele finalmente abriu a boca e começou a me acusar deter abusado de sua filha.
  • 144. - Jacob Black! Seu canalha, safado, pervertido, filho da ... –Ele respirou fundo e se preparou para me atacar, quando Bellase pôs em sua frente e Emmett o segurou por trás.- ME SOLTEM!! EU VOU MATAR ESSE CACHORRO!!DESGRAÇADO!! VOCÊ É A RUINA DA MINHA FAMÍLIA!! VOCÊDESTRUIU A VIDA DA MINHA FILHA!!! EU CONFIEI EM VOCÊ EO QUE FEZ¿ ABUSOU DELA!! SEU CACHORRO VIRA-LATA!!COMO PODE TOCAR MINHA FILHA DESSA FORMA!! EU VOUMATAR VOCÊ!! – Ele gritava enfurecido e Ness choravaabraçada a mim.- Edward meu amor!! Edward!! Edward!! – Bella tentavaacalmá-lo sem resultado.Todos na sala estavam estupefatos com aquela confusão, masnão mexi um músculo se quer e fiquei aguardando o seacalmar para falar alguma coisa.- Filho! Seja razoável! Você sabia que um dia isso iriaacontecer. – Carlisle disse com a voz apaziguadora, seaproximando dele.- ELA ESTÁ DOENTE!! ESSE PERVERTIDO NÃO PODIA TERFEITO ISSO! – Ele continuava a gritar, enquanto Emmett eagora Jasper o seguravam, e Bella bloqueava o seu caminho.- Posso falar¿ - Falei baixinho, tentando não perder apaciência. Pois sabia que magoaria minha Ness se enfrentasseo seu pai.- FALAR¿ VAI SE DEFENDER¿ MENTIR¿ - Gritou furioso.- Edward, você sabe que amo a sua filha mais do que a minhavida e que por algum milagre ela me ama também. E quenunca faria algo que pudesse magoá-la ou feri-la. Então parade fazer drama, pois o que fizermos é a coisa mais normal domundo, quando se ama alguém. E posso garantir que fui muitocuidadoso para não machucá-la. Não pedirei desculpas porisso, porque não me arrependo do que fiz. Mas sei que é o paidela e merece uma satisfação, e justamente por isso estouaqui para dizer que nos casaremos no momento que elaquiser. A minha vida toda é dedicada para fazê-la feliz e tenhofeito o impossível para isso, então espero realmente que nãoseja um empecilho para nós dois. Porque mesmo que nãoconcorde, ficarei ao lado dela dia e noite e nada do que fale oufaça mudará isso. Desculpa se estou sendo um tanto abusado,mas essa é a minha posição e se me expulsar dessa casa... Ela
  • 145. vai comigo para onde eu for e isso será complicado porqueprecisa de cuidados médicos. Então acho que podemos chegara um acorde e tentar viver civilizadamente por ela. – Faleitudo com tom seguro, sem alterar a minha voz. E Nesspermaneceu abraçada a mim, com medo de uma luta entre nósdois.A sala ficou silenciosa e todos me olhavam assustado com asminhas palavras fortes e enfáticas. Então senti o ambienteficar mais calmo e tive a impressão que Jasper estava usandoo seu dom para acalmar o ambiente.Edward começou a se acalmar e se sentou no sofá, com asmãos na cabeça e parecia sofrer muito com aquilo tudo. Masnão poderia voltar atrás em minhas palavras e estava dispostoa levar Ness comigo se necessário. Todavia sabia que nãoseria a decisão mais certa, pois poderia matá-la sem oscuidados dispensados pelo seu avô e comecei a pensar emcomo a amava, para amenizar o clima de tensão.Edward, seja razoável!Você sabe o quanto a amo e que minha vida é toda para ela.Não vivo mais por mim e não faço nada sem pensar no seubem estar.Por favor, não dificulte as coisas para nós!Não posso deixá-la sem os cuidados do Carlisle, mas tambémnão agüentarei ficar longe dela.Seja razoável!!!Eu a amo demais!! Ela é o meu Sol!! Não nos afaste agora queestamos nos descobrindo como homem e mulher.Você sabe que precisamos um do outro e que uma novaseparação ira matá-la dessa vez.Por favor!! Estou implorando a sua misericórdia!!Sabe que um papel não significa nada para mim, diante detanto amor que sinto por ela.E se quiser caso com ela agora mesmo!Mas não pode nos separar agora!!Pense bem!! Eu imploro que não nos separe!!Não agüentaremos mais uma separação!!Prometo que a farei a mulher mais feliz do muito e que sereimuito gentil e carinhoso com ela.Nunca darei um motivo para duvidar do meu amor por ela.Ela é o que me mantém vivo e preciso dela para continuar arespirar. E sei que ela precisa de mim da mesma forma ouainda mais.Sei que é difícil para você saber que sua garotinha estáfazendo “ coisas” que você considera inapropriadas para ela.Mas juro que não estou abusando do seu corpo.
  • 146. Não precisamos muito um do outro e um lado de nós sentedesejo físico.Então seja razoável! Eu imploro!!Permita-me amar e fazer a sua filha feliz!Sabe que ela pode morrer a qualquer momento e os poucosmomentos que passamos juntos a fazem tão feliz. E só de vero seu sorriso radiando tudo a nossa volta me faz tão bem.Eu a amo!!Quantas vezes terei que repetir isso para você!!EU A AMO!! ELA É MINHA VIDA!! ELA É MEU TUDO!! MINHAALMA!Não sou um pervertido como você pensa e tudo que faço comsua filha é para fazê-la feliz.E dá muito prazer ao seu corpo faz parte do PACOTE JACOBBLACK DE FELICIDADE que prometi para ela.Então não nos critique ou impeça essa felicidade, que só estácomeçando.Você sabe que sou sincero e agora a decisão é toda sua.Conversei com Edward em pensamento e a sala era totalmentesilenciosa nesse momento. Pois todas sabiam que estavadizendo algo importante para ela. E isso faziam olhar horapara mim e hora para ele, com expressões totalmentepreocupadas e ansiosas.Bella era a mais angustiada com a situação e o medo em seusolhos era evidente. E naquele momento, lembrei-me dela secolocando entre nós dois e nos dizendo que não poderíamosferir um ao outro, sem feri-la também.Aquele foi um dejavu, entretanto não era Bella que estavaentre nós agora e que sairia ferida com a luta, mas sim minhavida. E não poderia permitir que um embate a magoasse aindamais. Então estava disposto até a apanhar de Edward senecessário, para não vê-la sofrer mais com a situação.Depois de alguns minutos em que todos permaneceram esilêncio, olhando uns para os outros de forma estranha einquisitiva. E eu estava começando a ficar nervoso comsituação e sentia que uma eternidade havia se passado, maspermaneci forte e decidido com minha Ness em meus braços,o que me confortava e me fazia acreditar que ele não seria tãocruel para nos separar. Então Edward quebrou o silêncio ecomeçou a se posicionar diante da situação.- Jacob! – Ele exclamou e suspirou fundo. – Sei que você amasinceramente a minha filha, mas é muito difícil para mimaceitar que minha garotinha cresceu e que está fazendo coisasque desaprovo. Mas sei que você a faz feliz e não posso negar
  • 147. essa felicidade a ela. – Ele respirou fundo novamente econtinuou enquanto todos olhavam espantados. – Você podecontinuar nessa casa com ela e... Também pode ficar em seuquarto. Só peço que façam pouco barulho, pois já é horríveldemais ler o pensamentos de vocês. Mas não agüentarei ouviro que se passará dentro daquele quarto. – Ele terminou eabraçou Bella, ficando com o olhar triste e perdido.Todos estavam olhando incrédulos com as suas palavras, maspareciam felizes com a decisão. E pude ver a baixinhasaltitando como uma perereca e comecei a imaginar que elaaprontaria alguma coisa em breve.Emmett soltou uma gargalhada baixinha, como quem diz: - Vaifundo amigão!!Carlisle, Jasper e Emmett continuavam com as mesmasexpressões de sempre e não tive nenhuma novidade. Mas aloira parecia mais irritada do que nunca e ficou resmungandoalgo com Emmett, como quem diz: - Esse cachorro fedorentovai tocar na nossa criança¿ Como Edward permite isso¿Bella virou o rosto levemente para nós dois e me olhousorrindo, mandando um recado claro e aberto:- Faça minhafilha feliz!!Eu abracei forte a minha Ness e dei um leve beijo em suatesta, e depois - agradeci a Edward pela sua decisão.- Agradeço a confiança que deposita em mim e pode tercerteza que não irei decepcioná-lo. – Beijei o rosto da minhaNess e disse: - Prometo que a farei muito feliz! – Dissesorrindo e passando os dedos em seus olhos lacrimosos.- Você já me faz feliz... Amo tanto você! – Ela disse para mime quando olhei de rabo de olho, vi que todos estavam nosolhando e rindo com a cena.Peguei Ness no colo e comecei a andar em direção as escadas.- Jacob! – Ela protestou.- O que foi¿- Eu posso ir andando para o quarto. – Ela disse rindo paramim.- Isso faz parte do PACOTE JACOB BLACK DE FELICIDADE. Nãosabia¿ Então comece a se acostumar, porque esse pacote lhegarante muitas coisas e essa é uma delas.
  • 148. - Você está me mimando muito.- Ela disse rindo.- Isso é só o começo, minha bonequinha.- Respondi dando umselinha em seus lábios e ela riu.CONTINUACOMENTÁRIOS!COMENTÁRIOS!!COMENTÁRIOS. Voltar para o índice
  • 149. EM BUSCA DE PRAZER escrita por GLAUCIABLACKPessoal, esse cap não tem Lemom, mas serve para mostrarcomo foi a relação calorosa entre o nosso casal.Alguém pode me explicar o que é OMG? Eu sou um poucovelha e não conheco essas siglas!!bjnEM BUSCA DE PRAZERDepois que Edward liberou o quarto para nós e deu cartabranca para o nosso amor “ F” , pois Ness queria toda hora etodos os dias. E não tinha limites para o prazer que desejavaalcançar.Eu ficava constrangido, pois sabia que os vampiros escutavamtudo o que fazíamos no quarto. Mas ela não estava nem ai eera dia e noite sobre aquela cama, só fazendo amor. E afamília vendo como estava me acabando naquele ritmo,começou a estimular fazendo comidas exóticas e que me dariamais vigor. E isso me matava mais ainda de vergonha, mas oque poderia fazer além de agradá-la.Edward fazia aquela cara de “ P” todas as vezes queresolvíamos sair do quarto para comer. Mas no fundo ele sabiaque parte da culpa era da sua filha, que estava virando umaviciada em sexo. Então só olhava, balançava a cabeça e faziaaquela cara de desgosto.Ness resolveu incrementar a relação, então fomos a um sexyshopping e ela comprou alguns fetiches. Quando vi os seusbrinquedinhos, sabia que estava “ F” em suas mãos. E mesmoassim resolvi atender os seus anseios mais pecaminosos.Ela sempre colocava uma daquelas fantasias me deixava loucoe todas as noites (ou durante do dia mesmo)tínhamos uma enfermeira, coelhinha, gatinha, motorista,estudante e etc. E nunca havia limites para os seus métodospara alcançar o prazer total.Depois de algumas semanas, não satisfeita em brincar decavalinha, chicote e me algemar, entre outras coisasestranhas, resolveu colocar um poste de ferro no meio do
  • 150. quarto. E começou a me torturar fazendo estripetise e sependurado de foram sensual naquela coisa. E nossa relaçãoficou mais quente do que já estava.Era muito raro ficar só no papai e mamãe, porque ela sempretinha alguma idéia absurda e sua tia maluquinha a ajudavacom seus fetiches. E a família parecia achar muita graçanaquilo tudo, principalmente Emmett, mas Edward ficavamuito “ P” com os barulhos que fazíamos dentro do quarto. Equando ia reclamar, sua filha donzela o colocava para fora econtinuava o seu serviço.Comecei realmente a pensar que o PACOTE JACOB BLACK DEFELICIDADE que ofereci a ela estava me custando muito caro,pois não imaginava esse lado pervertido e não pensei queteria que arrumar tanto vigor para atendê-la.Mas as minhas preocupações a esse respeito começaram aficar pequenas, quando ela comprou o tal com Kama Sutra eresolveu treinar aquilo comigo. Então além de super força, tiveque começar a virar contorcionista para fazer aquelasposições super estranhas. Mas ela não estava nem ai e quandome negava, vinha logo com o chicotinho de estimação e estavamuito “ F” . Então ia com a cara e com a coragem e tentavaimitar as posições da “ P” do livro. – Mas quem inventou esse“ C” , essa “ P” desse livro não sabia que pessoas normaisnão conseguem se virar dessa forma. – Mas ela não estavanem ai e até que tinha muito talento para a coisa. Só que oque eu gostava mesmo era dela se enroscando naquele pau nomeio do quarto e ficava com um tesão filho da “ P” .Depois dos fetiches, do Kama Sutra, do pau no meio do quartoe das fantasias, ela inventou de fazer amor em lugaresestranhos e lá íamos nós para as fantasias sexuais maismalucar.A primeira vez que teve uma dessas idéias, foi no meio daestrada e transamos no acostamento, mesmo eu dizendo queseriamos presos por atentado ao pudor. Mas ela não estavanem ai e começava com aquela história da chapeuzinho quequeria o lobo mau, e eu estava “ F” porque não conseguiaresistir aquele charminho. Então fizemos amor no carro umascinco vezes em um mesmo mês, e ela inventava de sair dacasa só para transar no carro. E quando me convidava parasair, já sabia as suas intenções só de olhar para a cara detravessa.Depois ela escolheu outros lugares, então transamos nobanheiro de um restaurante, em um balão que estava a
  • 151. milhares de metros da terra, na cachoeira, no meio do mar(com a praia cheia de gente), no mato (já era bem normal), nagaragem da casa (umas três vezes), na cozinha (duas). Masum dia ela resolveu que queria transar no metrô e para tirar aidéia da cabeça dela fui uma “ M” , mas ai se contentou em irpara o carro que era um dos lugares que mais gostava.Depois de três meses naquela “ P” dia e noite, Edward se“ EP” e resolveu que estava na hora de casar logo, paraabaixar aquele fogo, como se casamento fosse resolveralguma coisa, e nós concordamos prontamente. Então abaixinha começou os preparativos para o casamento, mas elanão estava nem ai e a idéia só ativou a sua mente criativa,fazendo-a arrumar uma fantasia de noiva bem sexy.Já estávamos há quatro meses naquele fogo e a baixinhaestava terminando os preparativos para o casório, quandoNess começou a passar mal novamente e teve uma novarecaída.CONTINUA Voltar para o índice
  • 152. GRAVIDEZ escrita por GLAUCIABLACKPessoal, acho que esse é o ultimo cap do dia.Estou muito cansada de escrever!!Amanhã irei trabalhar e tentarei postar pelo menos um cap.bjnGRAVIDEZNess foi até a sala para resolver algo sobre o casamento com abaixinha saltitante. E resolvi ficar no quarto, navegando nainternet. E me perdi nos meus devaneios, vendo fotos e lentoartigos sobre carros, quando escutei o grito estridente dabaixinha.Larguei o notebook sobre a cama e corri para saladesesperado, para saber o que havia acontecido. E encontreiminha Ness deitada sobre o sofá, tão pálida que pareciamorta. Então a imagem que vi naquele momento, fez surgirum novo desespero em meu coração e quase enfartei naquelemomento.- Ness!! Ness!! NESS! NESS! FALA COMIGO!! MEU AMOR!! –Gritava desesperado, sacudindo o seu corpo.- Calma Jake! Calma! – A baixinha pedia, mas estava tãoapavorada quanto eu, ligando para o doutor para pedirsocorro.Ela pegou um liquido na cozinha e colocou em um lenço,depois fazendo Ness cheirar. E aos poucos ela foi recobrando aconsciência e ficou me olhando assustada.- O que aconteceu¿ - Perguntou assustada, olhando para mim.- Vai ficar tudo bem. – Respondi, segurando o seu corpo e acolocando em meu colo.- Calma, amor. Não é nada grave. – Ela disse, beijando o meurosto.Ficamos sentados no sofá por algum tempo e logo o doutorchegou do hospital.- O que aconteceu¿ - Ele perguntou, já examinando meu amor.
  • 153. - Ela desmaiou. - A baixinha respondeu e era a primeira vezque a via sem saltitar como um perereca.- Leva-a para o quarto, Jacob. Preciso examiná-la melhor. –Ele respondeu e foi em direção ao seu escritório,Peguei minha vida no colo e a carreguei para o nosso quanto,colocando-a delicadamente sobre a nossa cama. E ficamos nosolhando assustados, como medo que Carlisle pudesse dizer.Ele entrou no quarto e pediu que eu saísse, para ficar mais avontade com Ness. E apesar de protestar, ele não aceitou aminha recusa e tive que sair. Então ficou com ela algum tempoe depois saiu com uma vidrinho de sangue, que havia retiradode Nes.Entrei no quarto, deitei na cama com ela e fiquei fazendocarinho em seu rosto, até que se acalmasse.Depois de uma hora, Edward, Bella, Esme e a baixinhaentraram no quarto, para saber o que havia acontecido. Mastambém não tínhamos respostas para eles. E ficamos semsaber o que contar, mas nesse momento o doutor entrou noquarto, para informar o resultado dos exames.- Ness, Jacob! Ele começou com um olhar esquisito e todosficaram olhando a sua expressão de preocupação.- Fala Vô! – Ness implorou.- Tenho uma noticia muito boa e outra ruim para vocês. Masirei direto ao ponto. – Ele suspirou e continuou. – Ness vocêestá grávida, mas essa gravidez é muito arriscada para você.Fiz um novo exame agora e verifiquei que o vírus estranhovoltou. Então temos um sério problema, pois não podemosusar o tratamento quimioterápico em você e sua gravidezcorre um serio risco.- AHHHHHH!! ESTOU GRÁVIDA¿ POSSO PERDER O MEU BEBÊ¿AHAHAHA NÃO NÃO NÃO!! – Ela começou a gritardesesperada.- Vocês foram muito irresponsáveis por não ter prevenido isso.E agora¿ O QUE FAREMOS¿ - Edward gritou nervoso e Nessestava chorando desesperadamente em meus braços.Todos começaram a falar ao mesmo tempo, mas a minhacabeça deu um giro e perdi completamente a consciência.
  • 154. - Jake! Jake! Jake! – Ness chamava chorando e a medida queabria meus olhos, via seu rosto cheio de lágrimas.Você é um mariquinha filho da “ P” ! Sua mulher grávida edoente, e você resolve desmaiar.Muito boa! Jacob Black! Pensei- Desculpe, meu amor! O choque foi muito grande! Me perdoa.– Pedi, beijando o seu rosto.- Tudo bem Jake. – Ela respondeu me abraçando.- O que iremos fazer agora¿ - Edward perguntou nervoso.- Quimioterapia está descartada. Então acho que podemostentar transfusões de sangue. Mas não sei que funcionará. –Carlisle respondeu.- Não tem outra forma¿ - Perguntei ansioso, olhando para ele.- Não sei Jake! Esse vírus é novo e não sei como combateressa coisa. E a única coisa que ainda funcionava era aquimioterapia. Mas agora perdemos a opção. Então tenho quepensar.- Não pode ser!! Não pode!! Não!! – Comecei a protestar.- Acalme-se Jake. – Bella disse.- Como vou me acalmar¿ COMO¿ Sem a quimioterapia ela emeu filho podem morrer!! COMO POSSO FICAR CALMO¿ ISSO ÉMEU INFERNO ASTRAL!! DEVO TER JOGADO CHICLETE NACRUZ!! MAS QUE “ M” , PUTA QUE “ P” ! “ C” , ISSO É “ F” !NÃO MERECEMOS PASSAR POR ISSO!! – Estava gritando tudode ruim, quando minha vida me abraçou e me calou com seubeijo.Depois daquele dia não saímos mais do quarto e Nesscomeçou a enfraquecer novamente, manchas estranhascomeçaram a surgir em seu corpo e de vez em quando seunariz sangrava.Ela estava muito fraca e mal conseguia tomar banho sozinha.E seu avô administrou todas as vacinas possíveis e controlavaos seus sintomas, mas não havia descoberto nenhuma formade conter a doença estranha.CONTINUA
  • 155. Voltar para o índice
  • 156. ABORTO escrita por GLAUCIABLACKPessoal, desculpe a demora na postagem do cap, mas comeceia trabalhar na quinta feira e estava muito cansada paraescrever.Gostaria de deixar alguns recados para você, então vamos lá:1- Escrevi a minha primeira fic one-shot chamada SethClearwater – Inquietações. E apesar de só ter um cap, coisamuito rara para mim, ela ficou bem bonitinha. Então peço avocês que dêem uma olhada nela e deixem os comentários,para eu saber se ficou bom. Pois estou com planos de escreveron-shot para Leah, Alice e Emmett. Mas só farei isso serealmente houver agradado.2- Estou quase desistindo da minha fic Italiano, poiscomecei a postar há duas semanas e só tive 29 acessos. E nãovale muito a pena escrever uma trama, mesmo que a históriaseja boa, se não houverem leitores para ler. Então esperareipor uma semana e depois a excluirei do meu perfil.3- Gostaria de pedir reparação para com a minha fic Jacob eRenesmee – So da minha vida. Ela foi a minha primeira fic e omeu grito de liberdade. E apesar de ter mais de 3000 acessos,o número de comentários é simplesmente ridículo. Então peçoa você que já leu, que de pelo menos a sua opinião sobre ela.E mesmo sabendo que não foi a minha melhor fic, tenhocerteza que ficou muito bonitinha e a trama é realmenteinteressante. E para quem não leu, dê uma passadinha lá.4- Gostaria de agradecer a todas por mais de 159comentários, as estrelinhas que tanto amo e as duasrecomendações que recebi para Alma gêmea, que hojecompleta sete dias e já vai para 29 caps. Um grande beijo paratodas vocês e obrigada pelo imenso carinho. E tenham certezaque escrevo com toda intensidade do meu coração paraagradá-las.Bem! Dito tudo isso, vamos começar mais um cap da nossanovelinha.bjusABORTONess ficou grávida e o risco pela sua vida agora era aindamaior, pela falta de um tratamento adequado. E apesar de mesentir feliz por saber que seria pai, a minha preocupação eramaior pela vida dos dois.
  • 157. Não sabia como era a minha vida antes do acidente e se algumdia planejei ter um filho. Mas posso dizer que durante essesanos que a procurei e nesse curto período que estamos juntos,filho nunca fez parte dos meus planos. E nunca parei parapensar em como isso mudaria as nossas vidas. Entretanto,essa nova realidade me fez pensar sobre muitas coisas erealmente querer muito a criança, que era a comprovação detodo amor que sentia por ela e que amaria com todas as forçasdo meu coração.Filho!! Filho!! Essa palavra simplesmente não saia da minhacabeça e ficava imaginando como ele seria lindo, se fosseparecido com minha Ness é claro. E também pensavam emcomo me sentiria quando estivesse com o meu bebê em meusbraços, dando uma emoção totalmente diferente a meucoração e comecei a ficar ansioso para o tempo passar rápido.Assim que o doutor descobriu que ela estava grávida, montouum verdadeiro hospital no terceiro andar da casa. Enchendo-os de aparelhos caríssimos, mas que seriam de extremanecessidade para tratar minha Ness, facilitando o seutratamento sem tirá-la de casa. E foi nesse momento quevimos a primeira imagem no aparelho de ultra-sonografia, econfessar que chorei muito ao ver o meu bebê por aquelepequeno monitor.Não conseguia identificar muita coisa, pois a imagem era cheiade borrões e confusa. Mas deu claramente para ver o contornode sua cabecinha e dos seus pés. E mesmo sem uma imagemnítida, senti uma emoção tão enorme e de mãos dadas comminha Ness, chorei como um lobo babão ao imaginar como omeu menino seria lindo.Sim! Disse menino, pois o doutor garantiu que era um garotãoque estava ali, lutando bravamente para sobreviver, naquelecorpo tão debilitado. Então fiquei extremante feliz por meuprimeiro filho ser homem e comecei a nos imaginar brincando,fazendo coisas de garoto, indo para o estádio de futebol paraassistir algumas partidas, correr com ele pela floresta e ofazê-lo o Alfa da minha matilha.Só que nem tudo em nossa vida era perfeito e como Ness jáestava com quase cinco meses, quando descobrimos agravidez, os cuidados eram dobrados. Porque sabíamos queum aborto naquele momento seria muito doloroso para ela. Ea cada dia eu a via mais fraca e sem forças para viver, mesmolutando como uma leoa para se manter forte para o seu filho.Só que o seu corpo simplesmente se recusava a responder de
  • 158. forma positiva. Então mal conseguia sair daquela cama e atémesmo para comer ou tomar banho, era totalmentedependente de mim. Quer por minha vez, estava maiscompreensivo e dedicado a ela.Ness chorava muito por está naquele estado, mas minha forçaao seu lado a consolava de tal maneira, que a fazia teresperanças de levar a gravidez até o fim. E quando me olhavatão encantado com a pequena barriga, que já estavaarrebitada, sentia um contentamento enorme e o seu sorrisoaparecia naqueles momentos. Entretanto o seu medo eramuito grande e deixava claro para mim que aquilo poderia nãoda certo, e parto significar a sua morte. Mas a idéia de verminha Ness morrer era totalmente desesperadora para mim. Eisso me fazia perder o sono na maioria das noites, para ficarsimplesmente a observando dormir. Todavia também sabiaque ela tinha razão, mas se o meu filho realmentesobrevivesse aquilo tudo, precisaria ser forte o suficiente paracuidar dele. E a idéia de viver sem Ness, continuava a meatormentava terrivelmente, fazendo até mesmo pensar queum aborto seria o melhor coisa a se fazer, mas nunca tivecoragem para propor uma coisa tão absurda para ela, erealmente não desejava esse fato por amar tanto aquele bebê.Ela estava com sete meses, com uma barriga enorme, umafelicidade imensa por sentir seu beber se mexer e responderas suas sensações. Mas apesar de feliz por vê-la feliz daquelejeito, estava ainda mais preocupado com sua palidez e suafraqueza evidente, que a cada dia se tornava mais forte e nãoa dava a ela oportunidade de lutar, deixando-a inerte sobre acama e sem forças para se quer ir ao banheiro.Carlisle fez novos exames e contou que seus globos brancoseram quase inexistentes naquele momento. Mas o pior era queo nosso bebê já estava contaminado pelo vírus e estavamorrendo também, para o meu total desespero e falta derecurso para lutar contra aquilo. E mesmo assim ainda tinhaum resquício de esperanças que algo acontecesse e elesficassem bem, apesar de tudo que ouvi sobre desenvolvimentoda doença.Dois dias depois do exame que nos dizia claramente que iriammorrer, Ness começou a passar mal e ter um abortoespontâneo. E isso deixou todos na casa em total estado depânico e desespero. Mas eu só conseguia chorar e sentir muitador, pois tinha certeza que perderia tudo naquele momento eque não haveria mais vida para mim depois que se fossem.
  • 159. Fiquei sentado no sofá, com os olhos perdido no espaço e melembrando da primeira vez que nos vimos. Quandocomeçamos a escutar os gritos e quis correr para o seu lado,sendo impedido por Emmett e Jasper naquele momento. Massabia que precisava ver minha Ness por uma última vez emesmo que fosse muito dolorido vê-la naquele estado, estavadisposto a passar por aquele último sacrifício para está ao seulado no momento da partida. Todavia, meus protestos nãotiveram efeito e não me permitiram ir até o quarto. Entãofiquei ali, vendo a minha vida passar como se estivesse em umfilme de terror e não pudesse fazer nada para sair dele.Quando finalmente Edward veio até a sala e anunciou queNess perdeu o nosso bebê, mas que havia resistido, apesar doseu estado critico.Ela ficou por dias internada na UTI do hospital onde Carlisletrabalhava. E durante aquele período não sai um só dia dohospital, não me permitindo comer ou dormir por toda dor epreocupação que sentia. Então comecei a me apegar comtodas as forças à fé, que ainda tinha, para implorar pela suarecuperação. E por um grande milagre, ela sobreviveu aquilotudo e depois de várias quimioterapias, começou a melhoraraos poucos.Senhor! Clamo a Ti mais uma vez pela sua misericórdia.Por favor, não permita que minha Ness morra agora.Já é tão doloroso perder um filho que se ama tanto.Mas me imaginar sem ela, é horrível demais para mim. E achoque não suportarei essa perda.Sei que isso tudo não passa de provações, mas já sofremostanto.Por favor, ilumine a mente do doutor para que descubra a curadessa doença tão estranha.Preciso de sua força para continuar a suportar tudo isso, poisacho que enlouquecerei.Hoje já não vivo mais por mim, mas sim por ela. E meimaginar sem a minha fonte de vida, machuca cada parte domeu corpo e da minha alma.Esperei tanto tempo para viver esse amor e agora estouprestes a perder de forma tão prematura.OH! Pai!! Tem compaixão de mim!!Alguns dias depois, Carlisle a levou para casa, mesmo aindafraca e ficou mais fácil acompanhar o seu estado clinico. Masmesmo percebendo que seu corpo estava reagindo à doença,víamos claramente que a tristeza profunda estava empurrando
  • 160. para um estado terrível de depressão. E sabia que teria quedisfarçar sobre os meus medos e angustias, para dá a força ea coragem que precisava para continua a viver.- Jake! Quero o meu bebê de volta! Por que isso estáacontecendo¿ Por quê¿ - Ela chorava, abraçada a mim e nãoconseguia explicar porque a nossa felicidade estava semprena berlinda.- Ness, minha princesa... – Respirei fundo para consolá-la,mas no fundo estava tão destruído quanto ela. – Vai dá tudocerto e teremos muitos filhos – Respondi, mesmo sem certezase isso realmente seria possível para nós.- Você sabe que isso não acontecerá. – Ela respondeuchorando muito, com a cabeça afundada em meu peito. E aapertei contra mim, o mais forte que pude, então fechei meusolhos e chorei com ela. Mas não tive coragem para dizer nada,pois sabia que seria totalmente inútil dizer algo, que elaprovavelmente, sabia ser mentira.- Jake! Não suporto mais viver. – Ela sussurrou baixinho e assuas palavras foram como espada cortante em meu coração,pois o que mais desejava nesse mundo, era vê-la viva e felizao meu lado.- Prometo que a farei muito feliz!! Prometo que cuidarei devocê e que teremos muitos filhos. – Disse, afagando os seuscabelos, enquanto as lágrimas insistiam em rolar pelo meurosto.- Não sei como poderemos ser felizes. – Ela respondeu ecomeçou a soluçar desesperadamente.- Ness, amor! Por favor, fica calma!! Estarei sempre ao seulado e me dedicarei a sua felicidade.- É tudo que mais quero, mas acho que não é possível paramim.- Você precisa ter fé e acreditar que um dia estaremos livresdisso tudo. E saiba que estarei ao seu lado sempre!! Aconteçao que acontecer, sempre estarei aqui. Sempre!! – Disse,beijando a sua testa.- Quero o meu bebê de volta. – Sussurrou e continuou achorar.
  • 161. - Eu também quis muito esse filho, mas não posso permitirque se entregue agora. E apesar de saber que está sofrendomuito, também sei que é forte e capaz de sobreviver a isso.Então não me peça para desistir de nós dois. – Disseenfaticamente para ela.- Você precisa de uma mulher de verdade. – Ela merespondeu.- Você é a minha mulher!!! Nunca colocarei ninguém no seulugar! – Apertei o seu corpo mais forte, para que sentisse averdade em tudo o que dizia.- Você não merece passar por tudo isso. E gostaria quetentasse encontrar alguém para ser feliz e formar umafamília... Alguém que seja capaz de te dá filhos e que teproporcione uma noite de sono tranqüila.- Como você pode dizer isso depois de tudo o que passamos¿Como acha que seria capaz de me entregar a outra¿ Isso é acoisa mais absurda que já disse e não levarei emconsideração. - Respondi irritado.- Estou falando sério! - Ela respondeu baixinho.- Eu também falo sério!! Você não pode simplesmente dizerpara te abandonar e me entregar a outra. Pois isso éimpossível para mim. OH! Ness! Ness!!Não existe vida semvocê. Será que nunca compreenderá isso¿ - Queria morrer porouvi-la dizer aquelas coisas absurdas.- Só quero que seja feliz e tenha uma família de verdade. –Ela respondeu.- Eu sou feliz pelo fato de você viver e respirar!!! A sua vida éa minha felicidade!! Você é tudo o que tenho e nada mais meimporta. E sei que se preocupa com o fato de não poder terfilhos, mas isso para mim não é o mais importante. Mas se forda sua vontade, podemos adotar várias crianças. É isso quequer¿ Se é um filho que quer, você terá!! – Estava irritadocom aquela conversa, mas não poderia deixar de levar emconsideração os seus anseios.- Quero um filho nosso!!! Um bebê com o seu rostinho!! Querocurtir uma gravidez tranqüila ao seu lado. ISSO É IMPOSSIVELPARA MIM!! SERÁ QUE NÃO ENTENDE¿ - Ela gritou.- EU ENTENDO O QUE ESTÁ SENTINDO E COMO ESTÁ
  • 162. SOFRENDO. MAS NÃO DEIXAREI QUE SE ENTREGUE DESSAFORMA!! LUTE PELA SUA VIDA!! LUTE POR MIM!! PELO AMORQUE SINTO POR VOCÊ!! SERÁ QUE NÃO ENTENDE QUE TAMBÉMMORREREI DEPOIS QUE SE FOR¿ É TÃO EGOÍSTA A ESSEPONTO¿ - Gritei com raiva, levantando da cama e ela começoua chorar ainda mais, contudo não respondeu as minhasacusações.- Desculpa, princesa! Não quis gritar com você, mas estounervoso. Mas prometo que não faço mais isso. – Disse,beijando a sua testa e apertando o seu corpo contra o meunovamente.Nós choramos juntos por dias e ver minha Ness naqueleestado tão deprimente, era doloroso demais para mim. Emesmo percebendo sua intenção era de se entregar a morte,lutaria por nós dois e não permitiria que me deixasse só.Redobrei os meus cuidados e fazia o impossível parademonstrar todo amor que sentia por ela. E mesmo assimcontinuava prostrada sobre a cama, chorando dias e noitessem vontade de resistir aquela dor.Dois meses se passaram e sua falta de vontade de lutar,trouxe uma nova recaída. Mas estávamos preparados para ofato e combater o vírus dessa vez foi mais fácil. Só que ela nãoajudava muito e sabia que precisava encontrar uma forma detrazê-la de volta para mim.CONTINUA - CURA Voltar para o índice
  • 163. CURA - PARTE 1 escrita por GLAUCIABLACKMeus amores, não deixem de comentar!!Sofi, quando eu marcar o inicio da parte imprópria, por favornão leia para não corromper a sua inocência.Puxa vida!! Vocês não querem ler a minha primeira one-shot!!Só a Agata comentou até agora!! Estou bem triste!!bjusCURA PARTE 1Ness já estava recuperada da última recaída, mas continuavacom a expressão morta em seu rosto. E isso me deixava muitopreocupado. Contudo sabia que o tempo seria um ótimoremédio para curar as nossas feridas. E esperavapacientemente que ela pudesse voltar a ser aquela garotasorridente que era.O inverno chegou devastadoramente e os Cullens resolveramira para Paris, para curtir uma curta lua de mel. Mas Ness serecusou a viajar e ficamos em casa, curtindo a nossa fossa quejá durava meses. Mas uma semana antes de partirem, compreialguns filmes novos, jogos para o play station e bastantecomida para aquele período. E assim ficamos em casa nosprimeiros dias, vendo filmes e seriados de TV o tempo inteiro.Mas confesso que já estava ficando bem enjoado de assistirSmall Ville, só que Ness adorava ver as aventuras de do talKent e era obrigado a acompanhá-la em todas as temporadasda série.Depois de alguns dias, ela começou a sentir sede e nessemomento as coisas começaram a mudar em nossas vidas.- Jake, amor. – Ela falou manhosa, quase gemendo e sabiaque estava com preguiça de ir até a cozinha.- Fala, minha vida. O que a princesa quer¿ - Respondi,beijando a ponta do seu nariz.- Estou com cede. – Ela disse com os olhinhos brilhandoenquanto me olhava.- Já pego água para você. – Respondi, levantando-me dacama para ir até a cozinha.
  • 164. - Não é de água que estou com cede. Você entende¿ Não é¿ -Ela perguntou com tom receoso em sua voz.- É claro! Volto já!. – Respondi, correndo para a porta echeguei em segundos na cozinha. Então comecei a procurar nageladeira onde os Cullens guardavam os estoques de sanguepara Ness, mas estava vazia.- Mas que “ M!! – Reclamei baixinho.Vamos lá Jake! Só te resta sair e caçar algo para ela.Pego o carro e vou até o norte da Península rapidamente, caçoalguma coisa e extraio o sangue. E daqui a pouco estou devolta. Pensei.Fui até a sala, peguei a chave do carro que estava sobre amesa de centro e corri para a porta. Mas quando a abri, leveium susto pela quantidade de neve que havia se formado emtodo caminho. E sabia que precisava de uma nova estratégia.Bem! Não dá para ir de carro, então me transformo em lobo evou correndo.Mas espera ai! Como trarei a droga do recipiente de sanguesem quebrar pelo caminho¿ Ir como lobo não dará certo e nãoquero minha pequena no meio dessa neve toda. Porqueprovavelmente ficará resfriada e outra recaída agora não vaiser nada bom.Pense, Jake! Pense!! Mas essa “ P” dessa cede tinha que virlogo agora!! Isso é uma “ M” do “ C” !Ligarei para o Seth ou um dos outros e pedirei para meacompanhar na caçada. Mas também não vai dá certo!! Só dápara ir como lobo e não tem como trazer a “ C” do sanguesem quebrar o recipiente pelo caminho” PQP!!!Fui para o quarto e fiquei olhando minha Ness vendo o talKent “ V” , e ri achando graça da cara dela.- O que foi¿ Ela perguntou fazendo uma careta engraçada paramim.- Nada! Só acho você tão linda, que não me canso de te olhar.– Respondi rindo para ela.- Está me deixando sem graça. – Ela reclamou.- Então ficará sem graça sempre, pois nunca me cansarei de teolhar. – Ri malicioso.
  • 165. - Mas mudando de assunto... Você está com muita cede¿ -Perguntei temendo a sua resposta, pois sabia que estava “ F”e teria que dá um jeito para saciá-la.- Minha garganta está queimando bastante. Mas se não tiver...– Coloquei os dedos sobre os seus lábios e impedi quecontinuasse.- Vou dá meu jeito! Lembra do PACOTE JACOB BLACK DEFELICIDADE¿ - Perguntei rindo malicioso para ela.- Já estava sentindo a falta dele – Ela respondeu mordendo oslábios.- Você é ingrata! Eu lavo, passo, cozinho, te dou banho,penteio os seus cabelos, arrumo as suas roupas, te façocarinho, prestos alguns serviços sexuais e você aindareclama¿ - Tentei gozar com a cara dela.- Você é perfeito, Jake! Eu quem não sirvo para você. – Elarespondeu e revirou os olhos.- Hei! Odeio quando você se menospreza desse jeito! Não sabeque é a minha vida e que amo cuidar de você¿ Que te amo¿Que te adoro¿ Que te quero sempre¿ Para de reclamar e dizerque não me merece!! Nós nos completamos e não há comomudar isso! – Dei uma bronca nela e seus olhos encheram delágrimas.- Desculpa! Às vezes me sinto pouca coisa para você. – Elachoramingou, olhando para TV.- Você¿ Pouca coisa¿ Primeiro que não é uma coisa!! Você éminha mulher e segundo que é muito mais do que mereço.Então vamos parar de discutir a relação¿ Está começando ame encher o saco! Agora fica ai, que vou providenciar o seusangue. – Disse beijando a sua bochecha e sai do quartopreocupado.Vamos lá amigão!! Pensa em como vai resolver isso!!Ela precisa de sangue humano ou animal. Mas só há umacriatura em quilômetros: você!!Então basta tirar um pouco do seu sangue e dá para ela.Isso!! Boa Jake!! Muito boa!!Mas espera ai! Você ficará muito fraco, então prepare umacomida para vocês primeiro. E depois tire o seu sangue.AH!! Daqui algumas horas estará recuperado, então não se
  • 166. preocupe com isso.Vá em frente e sacie a sede da sua mulher!Fiz uma macarronada e uma salada para nós dois, depois fuiaté a mini clinica no terceiro andar e peguei uma injeção.Então voltei para a cozinha e comecei a tirar o meu sangue,vez a vez, enchendo o copo até que estivesse quasederramando. Mas confesso que senti uma vertigem em dadomomento, entretanto precisava disfarçar para Ness nãoperceber o que havia feito.Tomei coragem, peguei a bandeja com a comida e o copo desangue, e subi lentamente pela escada torcendo para agüentarantes de apagar. E quando cheguei lá, dei o sangue para Nesse depois comi um pouco da comida.Deitei na cama e simplesmente apaguei naquele momento.Acordei cansado e me sentindo um pouco estranho. Mas era aprimeira vez em muitos meses que não tinha aqueles sonhosestranhos com as vidas passadas ou com Ness morrendo. E teruma noite inteira de tranqüilidade, parecia um redenção paramim que quase não dormia direito.Enquanto tentava abri meus olhos, escutei o barulho damúsica da Madona e Ness dançando feito uma doida noquarto.- Hey! Você dançando desse jeito¿ O que deu em você¿ -Perguntei com a voz rouca.- Só estou mais feliz, sentindo-me diferente hoje. – Elarespondeu rindo e dançando de forma muito sensual.- Fico satisfeito em ver você assim. – Respondi, tentando meespreguiçar para ir tomar banho.- Você dormiu como um anjo. - Ela disse.- Que horas são¿ - Perguntei, esticando todo o meu corpo queestava bem dolorido, diga-se de passagem.- Quatro horas.- Então dormi pouco. - Comecei a movimentar o meu pescoço ea alongar meu corpo.- você domiu mais de vinte e quatro horas. – Ela disse rindopara mim e se atirou em meus braços.- O QUÊ¿ COMO¿ - Falei assutado.
  • 167. - Nunca o vi dormir tanto e tão calmo. Mas confesso que vocêfica ainda mais lindo e gostoso enquanto dorme. – Ela riu deforma maliciosa e mordeu levemente a parte inferior doslábios.- Não acredito que dormi desse jeito. Preciso tomar um banho.– Disse beijando sua cabeça.- Posso ir com você¿ - Perguntou olhando com olhar safadopara mim.- Você quer¿ Você ultimamente evita intimidades comigo e ...– Ela me calou com um beijo ansioso e muito feroz,explorando cada canto da minha boca com sua língua.- HUM! Você está ... – Balancei a cabeça e não conclui a frase.Com gosto diferente. Pensei.- Quero tomar banho com você e quero muito fazer amor comvocê, de diversas formas possíveis. Então se lembre que tenhodireito a um pacote que me garante muitas regalias. – Ela riue mordeu levemente os meus lábios.- OK! Senhora!! Vamos ao banho.---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------Inicio da parte imprópria para menores.Fomos para o banheiro, escovamos os dentes, tiramos asnossas roupas calmante e entramos em baixo da água morna,que caia dentro do Box. E ela ficou me olhando com aquelejeito de ninfa tarada e sabia bem o que queria. Então seajoelhou e começou a chupar o meu pênis, fazendo-me gemerenlouquecido de tanto prazer enquanto percorria minhas mãossobre os seus cabelos.- AHH! NESS! ISSO ESTÁ GOSTOSO PARA “ C” !! AH! ASSIMVOCÊ MATA ESSE LOBO!! CONTINUA VAI!! CONTINUA!!Ela continuava a brincar com a sua língua e a chupá-lovorazmente e meu levou ao céu de tanto prazer que senti. Edepois se levantou e pediu que fizesse o mesmo com ela.- O que aconteceu com você, minha chapeuzinho¿ Nunca fezisso antes, por sentir vergonha disso. – Perguntei mordendosua orelha levemente.
  • 168. - Hoje eu quero tudo e de todas as formas. – Respondeumordendo o meu ombro.- Faço tudo o que quiser. – Respondi brincando com o bicoenrijecido do seu seio e olhando em seus olhos pidões.- Jake! Me bate.- O QUÊ¿ VOCÊ ESTÁ LOUCA¿- Quero umas palmadas. Então anda lobo e me dá palmadas nobumbum.- Eu não vou te abater.- Anda logo, Jake!! – Disse puxando fortemente o meu cabeloe deixando os nossos rostos colados, para me mostrar comoqueria aquilo.- Jake! Chapeuzinho que um pouco de “ P” do lobo mau.- Não mesmo!- A Sim! – Ela pecou minha mão e bateu com força em suasnádegas.- NESS! TÁ LOUCA!- Sim! Louca para levar “ P” .- Não vou bater em você. – Sabia que estava estranha, masque poderia machucá-la naquela brincadeira e não correria orisco.- E se eu te obrigar¿- Ness¿ O que está acontecendo¿ Primeiro você fica meses meevitando e mal deixa te tocar. E agora quer que te dê “ P” ¿Não vou fazer isso!- É! Vou pegar o meu chicotinho e vou obrigar o meu lobinho aficar mau.- Tô ficando “ P” com essa “ M” de conversa.- Vem cá Jake! – Ela me puxou pelo braço, enquanto tentavasair do Box e me beijou desaprovadoramente.
  • 169. Segurei-a em meu colo e a carreguei para a cama. E já estavaansioso para penetrar em corpo maravilhoso, mas a suaintenção era realmente de me enlouquecer. Então mandou queficasse quieto na cama, pois iria se fantasia para mim, masenquanto saia pediu que colocasse o “ C” do poste no quarto.E tive certeza que enlouqueceria, pois ela se esfregandonaquele pau me dava um tesão filho da “ P” .Fiquei deitado na cama por alguns minutos depois quecoloquei o instrumento de tortura no quarto. E ela veio vestidade odalisca e começou a danças sensualmente naquela coisa.Então senti meu amigão se animando rapidamente e mefazendo gemer só de ver aquilo.Depois de tirar as poucas roupas lentamente e se pendurarcomo uma cobra no pau, veio para a cama e pediu que fizessecom ela, o que ela havia feito no banheiro. E apesar de estáacostumado a fazer aquilo, aquela vez seria diferente porqueela estava diferente.Desci meu corpo, abri suas pernas e comecei a mordelevemente sua coxa e fui subindo, até que chegassefinalmente em seu sexo. Então comecei a passear com minhalíngua sobre ele, enquanto gemia de prazer e gritava meunome pedindo mais. E nesse momento comecei a chupar comforça e a deixei gozando várias vezes de tanto prazer que lheproporcionava.Depois que já estava no ponto, soube que era a minha vez desentir aquilo e pedi que repetisse comigo. E dessa vez ela fezcom extrema maestria, enquanto eu estimulava o seu sexo echegamos juntos ao orgasmos.Queria sentir meu corpo penetrando o seu e a puxei peloscabelos com a força que me exigia, mas com medo demachucá-la. E novamente pediu que desse um pouco de “ P” ,mas fiquei preocupado em machucá-la com minha forçaexcessiva. Então ela pegou a minha mão e bateu em sua pernacom violência, e gemeu com muito prazer com aquele tapa.Fiz as suas vontades e dei uma porradinhas enquantotransávamos como loucos. Contudo sempre queria mais ecomecei a ficar preocupado com sua nova tara. E depois detransarmos sete vezes, estava completamente exausto e semforças. Mas minha ninfa tarada começou novamente com acoisa da chapeuzinho querer levar “ P” do lobo novamente.
  • 170. Aquela tarde foi bem estranha e diferente para nós dois, poispensei que já havíamos feito de tudo e agora ela queria coisasnovas, e tinha que atender aos seus desejos.Dormi algumas horas, mas acordei com minha ninfa chupandonovamente o meu pênis e o meu amigão novamente seassanhou com ela.- Ness! Assim você vai acabar comigo. – Falei gemendo paraela, que continuava as suas investidas.- Quero mais, Jake! Estou com um fogo tão grande, quemesmo que fosse um bombeiro apagaria.- Quer que me vista de bombeiro¿ AH AH Uf UF - Assim vougozar na sua boca “ P” . Falei gemendo.- Não goza agora!! Quero mais de você!! Muito mais!!- Quer me matar, mulher!! Você está querendo me matar comtanto sexo¿ UI!! AI!! PQT!! Vou acaba gozando na sua bocadesse jeito!! – Falei gemendo.- Agora é sua vez de me fazer gozar. Está vendo aquilo ali¿Peguei no quarto da minha tia para fazermos a posiçãonumero 20. – Ela disse olhando em meus olhos.- Mas que “ P” Ness!! Esse troço de Kama Sutra é muitodeficil de se fazer quando é um ser humano normal.- Não vai brochar logo agora – Ela disse com raiva.- Alguma vez eu já falhei com você¿ Deixa eu ver essa “ M”dessa posição¿ - Ela me deu o livro e olhei atentamente,enquanto ria maliciosa para mim.- Como espera que te vire desse jeito¿ Você e sua tia sóarrumam “ M” !!- Para de reclamar e vê! – Ela ordenou e me levou para ocavalete que estava no meio do quarto e começamos a nosvirar para tentar a tal posição que queria fazer, e por pouconão quebrei o seu braço na manobra.- AI! Ai!- Ela gritou.- Tá vendo¿ Eu disse que isso ia da “ M” ! – Disse, tentandosair da posição.
  • 171. - NÃO!! ESTÁ DOENDO MAIS ESTÁ GOSTOSO! – Ela gritou.- Você está louca!! Quer levar “ P” e quer se machucar¿ Paratudo! – Sai da posição e voltei para a cama emburrado.- Jake! Vamos tentar novamente. – Ela choramingou e mordeumeus lábios.- NÃO!! PARA COM ESSA “ P” DE QUERER QUE EU TEMACHUQUE! CHEGA!! ELE MURCHOU! – Gritei nervoso.- Jake! Chapeuzinho quer brincar de cavalinho. Cavalinhopode¿ - Ela perguntou gemendo e estimulando o meu amigonovamente.- Cavalinho pode. – Respondi ainda emburrado.- NESS! O QUE É ISSO¿ - Gritei nervosos.- Isso o quê¿ - Perguntou sem entender, olhando para osmeus olhos enquanto dançava sobre o meu pênis, com ochicote e a corda do cavalinho.- Você está com febre – Disse a tirado de cima de mim.- CORTA ESSA!! AGORA NÃO!! – Ela gritou.- Deixa eu tirar a sua temperatura.- NÃO!! NÃO MESMO!! QUERO CONTINUAR A FAZER AMOR!- Não vou abusar de você doente. – Disse levantando da camapara pegar o termômetro.- EU POSSO TE OBRIGAR!! VOLTA PARA CÁ AGORA JACOBEFRAIM BLACK!- Abre a boca para eu colocar o termômetro! Anda! – Ordeneipara ela.- NÃO! Respondeu virando o rosto.- NESS ABRE ESSA BOCA!- NÃO!- PQT! VOCÊ ESTÁ ME TIRANDO DO SÉRIO E NÃO GOSTO DE
  • 172. BRICAR COM VOCÊ! MAS QUE “ C” !! DÁ PARA COLABORAR¿- NÃO!- Posso te obrigar!- E como vai fazer isso¿ - Ela perguntou e no mesmo momentopuxei-a pelos cabelos e comecei um beijo desaprovador,deixando-a mole e então coloquei o termômetro. E ela ficoume olhando de cara feia.- Deixa eu ver! – Disse, tirando o termômetro e olhandoincrédulo para o valor.- O que foi¿ Que cara é essa¿- Você está com febre. Muita febre!! – Disse olhandopreocupada para ela.- Não estou com febre.- Está sim!! Se fosse uma humana normal, diria que está comhipertermia. – Disse preocupado e puxei a pela cintura paraos meus braços.- Não estou!- Cuidarei bem de você, minha ninfa safadinha. – Dissebeijando sua testa.- Você sabe o que quero. – Respondeu chorando.- Não Ness! Vou procurar um remédio para você beber.- Não vou beber.- Vai sim!- E o que eu ganho com isso¿- Faço a posição 20 com você.- Jura¿- Prometo!- Tá bom! Então tomo o remédio.
  • 173. - Trato feito.Peguei um antitérmico para ela e depois que bebeu,recomeçamos a transar como loucos novamente. E naquele diaquase me matou de tanto sexo. Mas no final acabamosdormindo tranquilamente.CONTINUA Voltar para o índice
  • 174. CURA - PARTE 2 escrita por GLAUCIABLACKMeus amores, não deixem de comentar!!Sofi, esse não tem restrições para ler!!CURA PARTE 2No dia seguinte, acordei exausto e ela estava me observandodormir, com a mesma cara de ninfa safada que fazia. Ecomeçou com a coisa da chapeuzinho que quer o lobonovamente, pois sabia que meu amigão logo se animava comaquilo. Então fomos para o banheiro e começamos fazer amor,de forma muito calma e muito romântica dessa vez. E ouvimosos gritos estridentes da baixinha no quarto.- Sua família chegou. – Disse ao ouvir os gritos no quarto esabia bem quem era.- É! Parece que sim. Então deixa eu ver o que minha tinhamaluquinha trouxe para mim. – Ela respondeu e depoismordeu a parte inferior do meu lábio lentamente.- OK! Daqui a pouco me junto a vocês. Disse e ela saiu dochuveiro, deixando-me sozinho.Quando voltei para o quarto, a cama estava um festival deroupas íntimas e alguns brinquedinhos de nova geração, que abaixinha trouxe para apimentar, ainda mais, a nossa relação. Esoube que estava mais “ FU” do que antes.Daí-me forças!! Essa mulher ainda me mata!!- Então é você quem ensina essas coisas para Ness¿ -Perguntei piscando para a baixinha.- Jake, você me ama¿ A baixinha disse para mim, com cara depidona.- O que você quer, Alice¿ - Perguntei preocupado com aresposta.- Olha! Trouxe algumas coisas para ela e outras para você.Mas gostaria de ver como ficam em você. Então seincomodaria em fazer um desfile¿ - Por favor¿ Por favor¿ - Elabatia palmas e saltitava como uma perereca.
  • 175. - Nem pensar!! Você acha que vou usar essas coisas e ficarpasseando para você ver¿ Não!! Não mesmo!!A baixinha havia surtado daquela vez, mas não iria cair naschantagens dela.- Olha! Nem vem com essa, pois não caiu nas suaschantagens!!Vocês comeu “ M” se acha que vou colocar essas “ P” .- Amor! Não seja mau para a titia. Faz a vontade dela só dessavez. A chapeuzinho está doida para ver o lobinho com umacueca de coro super sexy. – Ness disse rindo e piscou parabaixinha, que continuava saltitando pelo quarto.- ALICE! Quer parar de ficar pulando na minha frente!! Está medeixando nervoso.Essas duas vão me fazer pirar! O que um homem apaixonadonão faz para alegrar a sua mulher.- Jake! Jake! – Você me ama¿ Então por favor! – A baixinhacontinuava a fazer aquilo e não consegui lutar contra o seupoder de persuasão.- Tá bom! Mas só uma peça! Suas taradas!!Eu estou realmente louco, deixando essas duas a me fazem deboneco. Isso é tão gay. PenseiColoquei a cueca que a vamperua comprou para mim e depoiscomecei a desfilar para as duas, que pulavam e batiam palmaspara mim, como duas crianças que acabaram de ganhar umbrinquedo. E nesse momento Edward e Bella entraram noquarto, olhando para mim com expressões assustadas. Entãoele soltou um risinho discreto e Bella gargalhou.- QUAL É¿ VÃO TIRAR SARRO DE MIM TAMBÉM¿ JÁ NÃO BASTAAS DUAS! – Gritei irritado, olhando para eles.- Sabe o que é Jake, você está muito engraçado com essacueca de coro. E já viu como ficou as costas dela¿ Isso é muitogay! – Bella disse rindo.- PQP! Vocês duas estão vendo o que me arrumaram¿ AtéBella acha que isso está gay! – Disse irritado.- Como você deixou Alice te convencer a suar isso¿ - Edward
  • 176. perguntou rindo muito.- Eu sou a melhor!! E minha sobrinha favorita vai amar usar ascoisas que eu trouxe para o seu lobo.-NEM PENSAR!! CHEGA!! – gritei irritado e fui para o banheiro.Jake “ VI” como deixou as duas te usarem desse jeito¿ Você émuito burro.-Amor!! Ficou tão lindo!! Tão fofo!! Tão totosinho!!Chapeuzinho amou a cueca nova do lobo mau. E vai adorar vervocê usando as outras também.- Corta essa!! Não caiu nos seus truques de chapeuzinho! –Respondi irritado e ela me beijou.O beijo de Ness sempre foi a coisa mais fantástica do mundo eem alguns segundos, ela conseguiu me acalmar e convencerque nada havia acontecido. Então me vesti e voltamos para oquarto, enquanto Edward continuava com sua risadinha baixa.- Edward! Agora deixando de brincadeiras, preciso conversarem particular com você. – Disse e fiz sinal com a cabeça parasairmos do quarto.Fomos para a sala e contei para ele e para Carlisle o que haviaacontecido. E como estavam as reações de Ness. Então ele foiao nosso quarto e tirou sangue dela para teste e nos conduziuao seu laboratório.- Filho, olha isso! – Chamou Edward para ver no microscópio.- Elas estão se destruindo durante a mitose¿ É isso mesmo¿ -Edward perguntou franzindo as sobrancelhas.- Sim!! E me parece muito estranho. – Carlisle respondeu.- Jake! Posso tirar uma gosta do seu sangue¿ - Edward pediu.- O que vai fazer¿ - O outro perguntou.- Ver como são as reações do sangue dela, quando se misturacom o dele. – Ele respondeu.Depois de um tempo olhando, chamou Carlisle, que tambémobservou e os dois começaram a rir.
  • 177. - Hey! Não gosto de ficar fora de certos assuntos! Dá para medizerem o que está havendo¿ - Perguntei irritado.- Quando seu sangue se mistura ao dela, ocorre uma reaçãoinstantânea de destruição do vírus. E o sangue parece sofrerum tipo de mutação. Mas tenho que testar, para ver se aminha teoria é correta. – Carlisle disse.- OK! Vou aguardar. – Disse e sentei em uma poltronaenquanto faziam os testes. Mas estava explodindo deansiedade por aquela espera.- Está sofrendo mutação¿ Olha a carga do sangue! Isso não épossível! - Carlisle se questionava.- Pai! Verifica o número de cromossomos do DNA dela antes edepois. – Edward disse.- Ok! – Ele continuou os testes e cada vez que falavam,entendia menos do assunto. Mas percebi que algo bemestranho havia acontecido com Nesse ao provar o meusangue.CONTINUA Voltar para o índice
  • 178. ENCARNAÇÃO escrita por GLAUCIABLACKEsse cap é só para descontrair um pouco!!bjusnENCARNAÇÃOEdward e Carlisle chegaram a conclusão que encontraram oremédio natural para Ness, o meu sangue. E isso me deixavamuito feliz, pois saber que minha pequena não morreria e queuma vida feliz com ela seria possível, era o meu maiorpresente. E a melhor parte disse, seriam os filhos queteríamos para completar a nossa felicidade. Mas apesar domeu entusiasmo, pediram para manter segredo até terem acerteza. Pois não queriam dá falsas esperanças para ela. EntãoEdward tirou um pouco do meu sangue e me acompanhou atéo quarto, para injetá-lo em Ness.Quando chegamos, todas estavam rindo e se divertindo com acena do desfile. E apesar daquilo ter me deixado muito “ p” ,estava tão feliz que não me aborreceria com as piadas. Massabia que aquilo renderia assunto para pelo menos um mês epensar nas gracinhas que Emmett diria, realmente não erauma das coisas mais agradáveis.Depois de muita conversa jogada fora, todos foram para osseus quartos. E Ness e eu ficamos namorando calmamentedessa vez, como se fosse o primeiro dia de encontro e asprimeiras descobertas. Mas mesmo depois de tanto tempojuntos, cada beijo seu era único e inesquecível para mim, e sepudesse escolher uma forma de morrer, com certeza seriabeijando aqueles lábios tão maravilhosos.Acabamos pegando no sono, bem agarradinhos em umaconchinha maravilhosa. E mais uma vez tive uma noitetranqüila e sem os pesadelos que tanto me atormentavam.Mas em certo momento da noite, acordei vendo os sonhos deNess e perdi completamente o interesse em dormir.Como pode¿ Até em sonho você é tão tarada!! UI!! Essaposição nós nunca testamos, mas apesar de difícil parecemuito boa. KkkkkkkkkkkNess safada!! Como você gosta disso!! Olha só o que a suacabecinha pervertida está fazendo agora¿ UF UF UF UF!! Secontinuar assim, te acordo e vai dá “ M” !! AH! AH!! Assimvocê me faz gozar!!HUM!! Como você chupa gostoso!! Assim eu não agüento!! Não
  • 179. mesmo!!Levantei correndo da cama e fui direto para o chuveiro tomarum banho, e tentar acalmar o garotão que estava começandoa se assanhar. E depois resolvi ler um pouco, para ver se meusono finalmente voltava.Depois de horas, consegui deitar e pegar no sono novamente,dormindo como um anjo. E quando acordei, procurei a minhaninfa na cama, mas só encontrei os lençóis vazio e confessoque fiquei bem decepcionado. Pois estava disposto a colocarem pratica algumas coisas que vi em seu sonho. Porém nãotinha como fazer nada mesmo e resolvi ir para La Push ematara saudade da minha matilha e do meu pai.Tomei um banho rápido e desci para tomar café antes de sair.Encontrando Bella na cozinha, com aquela cara de curiosidadee ansiedade para me perguntar alguma coisa.- Bom dia! – Disse para ela.- Bom dia, Jake! – Ela respondeu, ainda sentada em umacadeira e com os braços apoiados na mesa.- Onde está minha pequena¿ - Perguntei, andando em direçãoao fogão para fazer uma panqueca.- Saiu com Alice... foram fazer comprar. – Ela respondeu aindacuriosa.- Você quer me perguntar algo¿ Está me olhando de forma tãoestranha. – Fiquei intrigado com o seu jeito e naquelemomento o curiosos era eu.- Estava pensando em você e Ness...em como vocês se dãobem na cama. –Ops! O que ela estava falando¿ Comecei a ficar bem nervosocom o rumo da conversa.- É verdade. – Só assenti com a cabeça.- Você a completa de forma tão intensa. – Ela continuava meolhando estranho.- Bells! Realmente não me sinto a vontade para conversar essetipo de coisa com você. – Esperava que se mancasse.- Por que não¿ Sempre fomos tão amigos. E tirando a parte de
  • 180. você não lembrar disse, não tem nada de mais. – Elarealmente estava querendo conversa.- Você é minha sogra e falar da minha vida sexual com suafilha não me deixa a vontade. – Realmente esperava que aconversa parasse ali, mas só piorou quando a Loira e o Emmetentraram.- Hey! Soubemos da sua performance de modelo gay ontem.Fala ai, como é a sensação de andar de cueca de cora e com abumba de fora. – Ele estava tentando me irritar, mas estavadisposto a não arrumar briga.- Não vai responder, cachorro¿ - A outra abriu a boca e mesmotentando ter paciência, não ficaria calado.- Bem que você gostaria de está lá para ver, já que o seuvampiro parece não dá no coro. Pelo menos é o que sua carade quem chupou limão azedo diz. – Respondi e continuei afazer o meu café, mesmo sem paciência.- Toma!! – Bella começou a rir da minha patada na loira.- Jake!! Como é que você fez¿ Demonstra ai para a gente ver.– Emmett continuou a provocação.- Você está querendo umas dicas, para domesticar a sua leoa¿Só que o que eu faço é único, e não tem como explicar. Nessahora a baixinha e Ness chegaram.- Oi amor! O que está acontecendo¿ - Ela me disse, beijandomeus lábios levemente.- Seu tio precisa de umas aulas de como seduzir umamulher...Ops! Digo uma vamperua azeda. – Ness começou ari, achando engraçado.- Você se acha o gostosão!! É ridículo!! Saiba que prefiro omeu macaquinho. – A loira rebateu.- Ela tem dor de cotovelo, porque sou irresistivelmentegostoso e não dou bola para ela. Acho que poderíamos dáumas aulas para esses dois. – Disse e puxei Ness pela cintura,devorando seus lábios de forma desaprovadora, enquantonossas mãos começaram a se assanhar e alisar partesimpróprias de nossos corpos.- UAHUHHHHH! ISSO É QUE EU CHAMO DE EMPOLGAÇÃO
  • 181. MATINAL. ELE É SEMPRE ASSIM¿ - A baixinha gritou.- Muito mais que isso!! É muito gostoso e sabe fazer as coisasmaravilhosamente bem. – Ness provocou, olhando para a carade despeito da loira.- Chega dá inveja! – Bella disse.- Também você e Edward são tão mamão com açúcar. Tem queinvejar mesmo!! – Emmett gargalhou.- Agora vai querer falar da minha vida sexual também!! –Bella disse irritada para ele.- OH! Jake! Você ainda não me disse como foi a suaperformance quase gay ontem. – Emmett ria e se divertia coma situação. Então iria realmente mostrar para ela como eragay.- O que é isso¿ Está tirando a roupa¿ - A loira disse irritada.- UE! Não queriam ver¿ Então vou mostrar o meu corpinhoperfeito para vocês. – Respondi, tirando a camisa e já abrindoa calça, quando Edward o chato entrou.- Mas que “ P” é essa aqui¿ - Ele perguntou irritado.- Jake vai fazer um desfile de cueca para nós. – Bellarespondeu.- O QUÊ¿ PODE PARA AGORA!! – Ele gritou.- AH! Pai! Deixa de ser chato!! – Ness protestou.- TIRA! TIRA!! TIRA – A baixinha começou a gritar, batendo aspalmas e pulando como uma perereca em água quente.- DA PROXIMA VEZ USA UMA DAS QUE COMPREI!! VAI FICARMAIS MARAVILHOSO. Ela se divertia com a situação.- TIRA! TIRA! TIRA! TIRA! – Agora era Bella gritando, mesmocom olhar de ódio de Edward.- TIRA! TIRA! TIRA!! TIRA!! LINDOOOOO!! GOSTOSSSSOOO!VAI MEU LOBÃO!! – Ness estava gritando como uma fãenlouquecida.- Mas o que é isso¿ Todas as mulheres dessa casa
  • 182. enlouqueceram¿ - Jasper disse ao entrar na cozinha e ver acena: Eu tirando a camisa, dançando como um estriper eprestes as tirar as calças.- Todas não!!! – A loira protestou.- Só porque não te quero gata!! – Disse, mordendo os meuslábios e fazendo cara de sexy para ela.- AHAHAHAH!! HUSHSUSHSUSH!! GOSTOSOOOOO!! – Abaixinha começou a gritar e me puxou para cima da mesa.- TESÃO!! MARAVILHOSO!! GOSTOSÃO!! MEU LOBO MAL!!CHAPEUZINHO ESTÁ SE EMPOLGANDO!! – Ness gritou e subiuna mesa também.- XIXI!! Deu a louca no lobo¿ - Jasper perguntou.- Ele está se achando! – Emmett disse emburrado.- ELE PODE!! ELE É LINDÃO!!! MARAVILHOSO!! – Bellaameaçou subir na mesa e Edward a segurou.- Vamos parar com essa “ P” agora mesmo!! Vocês estãopassando dos limites!! – Edward falava nervoso, enquantotirava as calças e dançava somente com uma Box branca.- ASSIM EU MORRO!! MARAVILHOSO!! GOSTOSO!! NESS, VOUTIRAR UMA LASQUINHA!! – A baixinha começou a passar osseus dedos de fada em meu abdômen.- ALICE CULLEN!! DESCE AGORA MESMO!! – Jasper gritouirritado.- Só estamos brincando e tirando um sarro de Emmett, amor.– Ela disse saltitando sensualmente na mesa.- DESCE AGORA!! – Jasper ordenou, mas ela não obedeceu.- Está vendo como sou irresistível, Emmett¿ As mulheres e asvampiras me adoram. Você ainda acha que sou gay – Dissedançando agarrado com Ness.- Tio! Você não faz Idéia de como ele é bom!! – Ness dissemaliciosa.- OK! Vocês me convenceram. Mas podem parar com issoagora. - Ele disse sem graça pela primeira vez.
  • 183. - AH Não!! Estou começando a entrar no clima agora. – DisseNess, mordendo meu peito.- SERÁ QUE VOCÊS PODEM IR TERMINAR ISSO NO QUARTO DEVOCÊS¿ NÃO QUEREMOS SABER DA INTIMIDADE DO CASAL. –Edward gritou.- Ue! Mas Bella, Emmett e Rosali estavam tão interessados. Sóestamos dando uma demonstração. – Ri provocadoramente.- Tá bom! Vamos descer, minha rainha. – Disse e puxei Nesspela cintura, beijando mais uma vez e depois mordi a suaorelha. – Vamos para o nosso quarto¿ Precisamos terminarum assunto. – Sussurrei.- É claro! – Ela respondeu e mordeu meu ombro.- Agora “ F” !! Eles vão transar aqui na mesa e na nossafrente. – Disse Jasper.- JAKE E NESS! PARA O QUARTO!! E TENTEM NÃO FAZERMUITO BARULHO!!Desci da mesa, recolhi milhas roupas mas não vesti. Poisestava tão empolgado, e o volume na minha Box deixava issoevidente, que peguei Ness no colo e corri com ela para oquarto.- Quero experimentar uma coisa. – Sussurrei em seus ouvidose ouvi os gritinhos da baixinha, Bella e até da loira.- UIIII!!- HIIIII- EHEHEH- UFUFUF!!Fomos para o nosso quarto e fizemos amor selvagem o diainteiro. E senti que o gosto e o cheiro da minha Ness estavamcada vez mais diferentes, como fossem feitos sobre medidapara mim.CONTINUA Voltar para o índice
  • 184. TENTADORAMENTE DELICIOSA escrita por GLAUCIABLACKNão recomendo esses caps para as mocinhas inocentes.Se querem me fazer feliz deixem seus comentários!!TENTADORAMENTE DELICIOSANess estava dormindo tranquilamente e seu corpo estavasobre o meu. Mas mesmo pretendendo não acordá-la, tinhaque ir para La Push ver meu pai e saber das últimas novidadesdo bando. Então tentei tirar o seu corpo com a maiordelicadeza, mas não houve uma forma de fazer isso emacordá-la.- Oi, princesa! – Disse beijando o seu rosto, enquanto elaabria os olhinhos lentamente.- Oi meu lobo mau! – Disse maliciosa.- Vou até a reserva, mas não demoro muito. OK¿ - Pergunteipara ela, sabendo que não se importaria se saísse um pouco.- Posso ir com você¿ Tanto tempo não ando de carro. – Eladisse mordendo os lábios e sabia bem o que estava pensando.Minha ninfa adorava fazer certas coisas no carro e certamentenão perderia a oportunidade. Mas fingi não entender as suasintenções e concordei satisfeito.- É claro que pode.- Já disse que amo você mais do que tudo. – Ela sussurroupara mim.-Já disse que você é o meu pedacinho de mar¿ - Mordi o ladoinferior de seus lábios e comecei a provocá-la, com minhalíngua brincando em sua boca.- Você tem certeza que quer sair¿ - Ela perguntou.- Sim! Quero! Mas teremos o resto do dia para nós dois. –Respondi e ela invadiu a minha boca com sua língua sedutorae começou a brincar com cada canto da minha boca,arrancando gemidos de prazer. E depois se afastou.- Assim não sairemos dessa cama... Não que realmente eu
  • 185. tenha vontade, mas se quer ir tanto a La Push. – Ela riumordendo os lábios e os seus olhos brilhantes entregaramtotalmente as suas intenções. Tornando divertido aquele climade gato e rato.- Então vamos tomar um banho¿ - Perguntei para ela.- Vamos! – Ela respondeu, então me levantei a peguei emmeus braços, conduzindo nossos corpos ardentes para obanheiro, para o que seria a nossa primeira aventura do dia.Entramos em baixo do chuveiro e comecei a dá um banhosuave, mas ao mesmo tempo provocativo. E minhas intençõesnaquele momento eram realmente de provocá-la, para ver oque ela aprontaria com o lobo mau naquele dia.Comecei a passar o sabonete lentamente em seu corpo dediva, acariciando cada pedacinho daquilo que era meu e queme dava tanto prazer. Mas estava bem calmo, esperandoalguma reação sua.- Jacob! Você não passou sabonete em todos os lugares. – Eladisse mordendo os lábios enquanto me olhava.- Não¿ Sabe que não percebi. – Respondi me fazendo deinocente, mas sabia exatamente o que estava falando.- É claro que não! Falta um cantinho.- E onde devo passar o sabão¿ Sinceramente não sei. – Dissemordendo os lábios.-Deixa eu te mostrar... – Ela pegou a minha mão e a conduziuaté a sua sexualidade e começou e movimentá-la, enquantogemia e ria ao mesmo tempo, de olhos fechados.- Sabia que você é bem sapeca¿ - Perguntei, lambendo o seupescoço enquanto meu dedo estimulava seu sexo.- Sabia que você às vezes é bem ingênuo¿ Ou tenta parecer, éclaro. – Ela respondeu beijando os meus lábios e invadindo aminha boca com sua língua quente e provocante.Nós começamos a movimentar as nossas línguas juntas,gemendo e acariciando os nossos corpos ardentes. Quando elaparou e disse que não queria mais.- Chega! – Ela disse se afastando de mim.
  • 186. - O QUÊ¿ - Você me provoca e quer parar quando estou emestado de erupção¿ Não mesmo!! Vem cá agora e me mostrado que é capaz. – Disse, puxando-a pela cintura para o meucorpo e devorando seus lábios para impedir que parasse.- Já disse que não!! Tenho outros planos para hoje. – Ela disseme afastando do seu corpo e saindo do Box.Fiquei ali atônito e sem acreditar no que havia feito, masprecisava me acalmar para não tomá-la a força. Pois sabia quearrependeria disso depois. Então fiquei terminando o meubanho sozinho e quando sai já estava arrumada e muito bem,diga-se de passagem.- Você não acha que está muito frio para sair de vestido¿Perguntei irritado.- Esse vestido é longo e as botas que colocarei chegam até omeu joelho. Respondeu se maquiando, mas sem dá a devidaimportância para o meu mal humor.- Vou terminar de me arrumar e a gente já desce para tomarcafé. – disse para ela e comecei a colocar minhas roupas. Masestava tão “ P” pelo que havia feito, que não queria conversacom ela, então fiquei calado.Tomamos café rapidamente, sem trocar palavra alguma e elapercebeu o meu mal humor. Mas continuou indiferente a eleaté irmos para o carro, quando ligou o rádio e começou acantarolar.- Não estou com vontade de ouvir música. Então poderiadesligar o rádio¿ - Pedi, sem olhar para ela, que continuouindiferente e fingiu não ouvir o meu pedido. Mas estava tão“ P” que se falasse mais alguma coisa, estragaria o nosso dia.E assim continuei a dirigir, até chegarmos a uma rodoviadeserta e ela gritou.- PARA O CARRO!! AGORA!! ANDA!! – Começou a gritar e medar ordens. E não entendi o motivo da sua raiva e pensei quesairia para ir andando para casa. Mas ela mais uma vez mesurpreendeu.- Você achou mesmo que estava indiferente a você e que nãote queria¿ Achou que enjoei de você¿ Mas você é tão tolo meulobo mau. – Ela disse rindo e me puxou pelos cabelos para oseu rosto, devorando a minha língua como um animal no cio.
  • 187. Suas mãos começaram a percorrer o meu corpo, dedilhando omeu abdômen e subindo em direção ao meus peitos. E euestava tão ansioso por aquele corpo, desde a hora queacordei, que comecei a percorrer seus seios rígidos enquantonos beijávamos. Então ela abriu o meu cinto e começou adescer o zíper da minha casa, ainda me beijando de formaferoz.- Ness!! Ness!! Você é uma feiticeira!! Sabia¿ UF AHHUFAHUF– Estava muito ofengante, mas desejava aquele beijo e aquelecorpo maravilhoso.- Você é todo meu!! Quero fazer tudo com você !!- Nós já fizemos amor no carro tantas vezes... – Ela me caloucom um beijo e depois soltou.- Mas agora é diferente e me sinto diferente. Não sei explicar,mas me sinto mais sua. E nunca te peguei desprevenido dessejeito.- Você planejou tudo¿- É claro!! Deixei você louco, excitado e depois te recusei. Sópara tudo ser mais gostoso agora.- Você é uma safada!! Como pode fazer isso comigo¿ Temnoção de como me deixou¿- É claro!! E por isso estamos aqui agora!! Agora fica quieto edeixa eu terminar o que comecei.Ela me beijou novamente eenquanto fazia isso, estimulava o meu parque de diversões medeixando louco tesão e doido para possuí-la. Então senti seucorpo se colocando sobre o meu e suas pernas se encaixandoem minha cintura.Em segundos estava penetrando o seu corpo, enquanto eladançava freneticamente sobre meu pênis.- AI NESS!! VAI!! VAI MAIS!! SUA LOUCA!! UFUFU!! GOSTOMUITO DISSO – Eu gritava, mordia, chupava e lambiaenquanto o movimento de entra e sai eram mais rápidos eenlouquecedores.- AIIIIIII!!! MAIS RÁPIDO!!! MAIS!!! EU TE QUERO MAIS!!ACABA COMIGO!! PUXA OS MEUS CABELOS!! ME BATE!! FAZTUDO!! AHAHAHA!! MAIS!! GOSTOSO!! MAIS!! MAIS RÁIDOJAKE!! AISISISIS!! OH OHSO OHS OHS!! NÃO PARA !! POR
  • 188. FAVOR VAI MAIS RÁPIDO.- VOCÊ QUER MAIS SUA SAFADINHA!! ENTÃO TOMA ISSO!!SENTE ELE TODO DENTRO DE VOCÊ !! GRITA MAIS!! ADORAVER VOCÊ GRITANDO!! UFUFUFU OH OH NESS!! GOZA MINHAGOSTOSA!! OH OH UF UF – dei um tapa de lave em sua pernae ela começou a gritar pedindo mais.- EU TO SENTINDO ELE TODO DENTRO DE MIM!! ENFIA MAIS!!MAIS!! JAKKKKK!! AH AHS UH!! NÃO PARA!! EU AMO FAZERAMOR COM VOCÊ!! AMO SENTIR VOCÊ TODO EM MIM!! MAISJAKE!! MAIS!! ENFIA TUDO!! – Ela parecia cansada e pela suaexpressão já havia gozado novamente.- VOCÊ JÁ GOZOU¿ UF OH AHS – Gritava ofegante.- MUITAS VEZES!! AH AHS UR OH OH OH. AHHHHHHH!! – Elapuxou forte o meu cabelo e começou a morder o meu pescoçoenquanto gemia.- AGORA É MINHA VEZ!! – Comecei a me movimentar maisrápido, sentindo um prazer diferente em meu corpo que seencaixava perfeitamente no dela. E nossos corpos suadosexalavam luxuria em prazer naquele momento, fazendo eu medeliciar com o gosto do suor tão diferente e atrativo para mim.Eu apertava seus seios, mordia sua orelha e me movimentavafreneticamente em seu corpo, louco para gozar, masestranhamento o nosso prazer era tão bom, que o gozo queesperava não vinha. E pude aproveitar mais tempo naquelecorpo maravilhoso, que já estava em êxtase total por já tergozado diversas vezes.Então comecei a diminuir o ritmo e permiti nossos olhos seencararem, enquanto me movia lentamente em seu corpo.- Ness! Amo você! Nunca se esqueça disso!! Aconteça o queacontecer, sempre estaremos juntos.- Jake! Preciso de você!! Por favor, vai mais rápido. Ela dissecontraindo o canal vaginal e senti um novo prazer, a medidaque invadia aquela corpo maravilhoso e nesse momentotivemos um orgasmo juntos.Ficamos abraçados por um bom tempo, com a respiraçãoofegando, desejo no olhar, corpos cansados e olhos que seencaravam de forma diferente e misteriosa. Entãoconseguimos nos acalmar, arrumamos nossas roupas eseguimos para La Push.
  • 189. CONTINUA Voltar para o índice
  • 190. REAÇÕES escrita por GLAUCIABLACKAmores, esse é o último cap de hoje.Pretendo ler algumas fics pendentes e descansar um poucosos meus dedinhos.Se querem me fazer feliz não deixem de comentar!!bjusREAÇÕES- Ness! O que aconteceu agora foi muito importante para mim.Não se trata de sexo e desejo... É muito mais forte e nãoconsigo te explicar da forma que entenda. – Disse para ela,enquanto dirigia com muita calma para La Push.- Para mim também. – Ela suspirou fundo e tentou falar sobreos seus sentimentos e sabia exatamente o o queria me dizer,por que me sentia da mesma forma.- Jacob! Para um pouco e olha para mim. – Ela pediu e euencostei o carro mais uma vez.- Nós sempre tivemos uma química muito legal e o prazer quenossos corpos proporcionam um para o outro é inexplicável.Mas agora algo mudou e sinto como se você estivesse dentrode mim... Como se fosse parte de mim e tudo em você me atraide uma forma que... Como vou explicar isso¿ Parece que vocêé um imã para mim e seu gosto e principalmente o seu cheiroem deixa louca. E sinceramente não sei quando isso mudou ecomeçou a ficar assim tão intenso, mas esse cheiro que vocêtem é algo que me chama para você... Que me diz que sousua... É tão complicado para mim explicar isso.- Ness! Eu me sinto da mesma forma e é muito esquisita aforma como seu cheiro e o seu gosto me atraem para você. Esó o fato de está muito perto, fico louco... Como se estivesseno cio e precisasse desesperadoramente de você. Essa novasensação é muito estranha, mas é tão boa e intensa que só mefaz te amar ainda mais. Antes a nossa relação era maissentimento de querer bem, de cuidar, de proteger e poderiapassar anos sem te tocar. Mas agora parece que o fogoqueima dentro de mim quando sinto esse novo perfume quesai de você.- Jake me abraça! – Ela pediu com lagrimas nos olhos.
  • 191. - Se ficar muito perto de você, vou te possuir novamentenesse carro. Então vamos ficar só um pouco afastados, até euaprender a controlar isso que estou sentindo.- Estou tão feliz por você se sentir da mesma forma. – Eladisse, passando os dedos em meus lábios.- Eu também. – Respondi beijando a sua testa.Dirigi em silencio para La Push, pensando nas mudanças queestavam ocorrendo com nós depois que ela bebeu o meusangue e comecei a ficar preocupado com o que poderia nosacontecer, por causa da minha atitude intempestiva e assimmesmo me sentia feliz por saber que a sua cura partia departe do que eu era.Fomos para a casa do meu pai e ficamos lá conversando umpouco. E depois partimos para a casa de Sam, onde os outroscertamente estariam reunidos àquela hora. Então assim quechegamos, todos nos olharam de forma estranha, mas nãoconseguia compreender o real motivo até conversar com Seth.- Jake¿ - Jared me cumprimentou.- Oi!! Sabia que estariam todos aqui. Vocês sempre fazem asmesmas coisas. – Ri para ele.- O que trás o casal a minha humilde casa¿ - Sam Perguntou,dando um tapa no meu ombro.- Saudade! Não posso sentir saudade dos meus amigos¿ -Respondi tentando ser irônico.- Ness! Como você está¿ Parece mais corada¿ Mais bonita¿Algo aconteceu¿ - Sam perguntou, apertando levemente a suamão.- Não que eu saiba. – Ela sorriu encantadoramente para ele.- Amor! Não quer se juntar a Emily e as outras. – Pergunteibeijando sua testa e comecei a sentir novamente o cheiro quedeixou meus pelos arrepiados, e todos notaram o que haviaacontecido.- OK! Depois vem me buscar. – Ela disse, afagando sua cabeçaem meu peito e foi para a sala ficar com as mulheres.
  • 192. Começamos a conversar e todos me colocaram a par danovidades do bando. E fiquei feliz por saber que Seth estavase saindo um excelente Beta para os meninos e conduzindoimpecavelmente a matilha. Mas depois de algum tempo, eleme chamou para fora da casa e começou a me questionarsobre o que estava acontecendo.- Jake! O que está havendo¿ - Perguntou curioso, olhando emmeus olhos. E não dava para mentir para ele. Não para o Sethque era praticamente o meu irmão e o meu melhor amigo.- Ness está diferente e está me deixando louco. – Respondisem graça.- Ela está diferente sim e todos sentiram isso quando entrou.Será que não reparou no olhar dos caras¿- É claro que reparei... Pareciam cachorros quando chegamperto de uma cadela no cio. – Disse com raiva.- Isso mesmo!! Alguma coisa no cheiro dela mudou e éextremamente atrativa para nós. Mas o quê exatamenteaconteceu¿ - Perguntou passando as mãos sobre os cabelos.- Ela bebeu meu sangue. – Disse de cabeça baixa.- Ela te mordeu¿ Não acredito nisso!! – Disse com raiva.- NÃO!! Ela nem sabe que bebeu meu sangue... Eu fiz issoquando estávamos sozinhos em casa e ela estava com cede.Mas como nevava muito e não tinha sangue na geladeira, tireio meu e dei para ela.- Entendo!! Mas ela está estranha!! Não está¿ - Ele perguntoucurioso.- Sim!! Está mais quente, mais voraz, mais atrevida, mais...Tudo!! E estou completamente alucinado com isso. –Respondi.- Isso é muito esquisito, mas se fosse você levaria sua mulherpara casa...antes...- Seth pestanejou.- Antes o quê¿ - Disse com raiva.- Antes que um deles se esqueça de quem ela é e parta paracima dela. – Ele respondeu sem graça.
  • 193. - Você acha que existe esse risco¿ - Perguntei muitopreocupada com as suposições de Seth.- Toda certeza!! O cheiro dela é muito bom e parece ter algoque atrai. Mas só estou falando isso porque é meu amigo e nãosou falso. Então rala daqui com sua garota. – Ele dissebalançando a cabeça.- Obrigada! Você é mais que um amigo!- Eu sei! – Falei e deu um abraço de irmão nele.Entrei na casa muito preocupado e quando cheguei a sala,haviam três garotos bem próximos de Ness. E a minhaprimeira reação foi de rosnar e mostrar os dentes para eles.Então a peguei pelo braço e sai daqui com medo que alguém aatacasse.Ness não entendeu nada, mas também procurou não fazermuitas perguntas. E para ser sincero, parecia feliz por sairdaquele local. Então comecei a me preocupar se os outroslobos tinham o mesmo efeito sobre ela, deixando-me commuito ciúme naquele momento. Mas escondi os meussentimentos e comecei a dirigir em silencio para casa,enquanto ela estava com olhar perdido e nem notou a minhaindiferença.Quando chegamos em casa, assim que entramos na sala, Nesscomeçou a passar mal e parecia que iria vomitar. Então correudesesperada para o quarto e trancou a porta.- Ness! Ness, minha princesa!! Abre essa porta!! Abre!! – Eubatia preocupado, com Edward, Bella e Carlisle ao meu lado.- Filha!! O que aconteceu¿ Fala conosco! – Bella pediaassustada, segurando a mão de Edward fortemente.- O cheiro! – Edward sussurrou.- Que cheiro¿ - Perguntei balançando a cabeça e fazendo umacareta.- O nosso cheiro está deixando ela enjoada. – Ele disseolhando assustado para Carlisle e os três desceram sem medizer nada. Então Ness finalmente abriu a porta.- Ness¿ O que aconteceu¿ Por que saiu correndo¿ O que estásentindo¿ - Perguntava enquanto ela chorava na cama, com osbraços apertando os joelhos dobrados.
  • 194. - Foi estranho. – Disso chorando ao olhar para mim.- Eu não consegui suportar o cheiro deles... É muito... muito...fedido. – Ela conseguiu completar e continuou chorando epercebi que estava com vergonha dos seus sentimentos.Não tomamos banhos e não toquei no assunto com ela. Masquando teve fome, se recusou sair do quarto e levei a nossacomida para o quarto.Percebi que os vampiros estavam inquietos, olhando com jeitoassustados uns para os outros. Mas também não meperguntaram nada.Voltei para o quarto e comemos o nosso jantartranquilamente. . Então percebi que a fome de Ness tambémhavia aumentado assustadoramente, pois raramente comiacomida humana com tanta vontade. E quando fomos dormir,senti que o seu corpo parecia queimar de tão quente e aquilocomeçou a realmente me preocupar, pois sabia que algumacoisa muito estranha estava acontecendo com o seu corpo ede certa forma a culpa era minha.CONTINUAComentários!!Comentários!!Comentários!!Comentários!! Voltar para o índice
  • 195. MUTAÇÃO escrita por GLAUCIABLACKMeninas do meu coração!!Esse cap explica tudo o que está acontecendo com a nossaNess e mostra a aflição que o nosso amorzinho está sentindo.Ontem escrevi um segundo cap para a fic one-short SETHCLEAWATE – INQUIETAÇÕES, atendendo alguns pedidos.Então quem já leu o primeiro cap, dá uma olhada n segundo.Amo comentários!!! Isso me faz muito feliz!!!!BJUSMUTAÇÃONess estava dormindo profundamente e enquanto admiravasua beleza tão espetacular, pensava nos últimosacontecimentos de nossas vidas. E todas as suas reaçõesfizeram me lembrar de um tempo bom, quando ainda era umadolescente apaixonado e tive a minha simplesmente mudadade forma inevitável, jogando no todos os planos que tinhaincluindo faculdade e família. Então aquelas lembranças mefizeram reconhecer exatamente os sintomas, apesar de o meulado racionar dizer que era impossível e não querer aceitar oobvio.Também me lembrei quando descobri que era um lobo,atacando um vampiro desconhecido e como aquilo me afetou eme deixou assustado. E essas memórias eram descarregadassobre o meu remorso e me deixavam pesaroso sobre o destinoque esperava por ela.Não consegui ficar simplesmente deitado, vendo a minha vidadormir de forma tão tranqüila, e fui procurar o Carlisle paraconversar. E apesar de imaginar que pudesse está recolhidocom Esme, tinha que tirar todas as dúvidas que percorriammeu coração e me deixavam tão angustiado.Levantei lentamente, tomando o maior cuidado possível paranão acordá-la, e desci as escadas andando em direção à sala,onde me deparei com Edward e Bella sentados no sofá econversando de forma preocupada. Mas não foi necessáriodizer nada e ele apontou para o escritório, lendo em minhamente que precisava desesperadamente de respostas para asminhas inquietudes.- Olá! Boa noite! Podemos conversar¿ - Perguntei abrindo a
  • 196. porta do escritório.- Entre filho. – Ele falou calmamente, como sempre fazia, massenti uma pontada de preocupação em seu olhar.- Eu vou para o quarto, então. Boa noite para vocês. – DisseEsme, andando em direção a porta do escritório e saindovagarosamente.- Desculpe incomodá-lo a essa hora. Mas estou muitopreocupado com Ness e precisava conversar sobre o que estáacontecendo com ela. – Respondi, sentando na cadeira a suafrente e olhando de forma inquisitiva.- O que você quer saber¿ - Perguntou, franzindo assobrancelhas.- A verdade já é um bom começo. – Perguntei encarando ovampiro a minha frente.- Você se lembra de uma conversa que tivemos anos a trás,quando Bella estava grávida de Ness e quase morrendo¿- Sinceramente!! Não. – Respondi.- Então começaremos do zero. – Ele respirou fundo ecomeçou.- Quando testamos o sangue de Ness pela primeira vez,percebemos que o vírus era destruído no processo de mitose.E isso era muito bom, pois significava a cura para a nossaNess. Mas ai Edward sugeri testar o seu sangue com o dela epercebemos que ele começou a sofrer algumas modificações.Só que ocorria de forma lenta e não dava para ver o resultadofinal. Então deixamos a experiência parada por dois dias ecomecei a observar o que havia acontecido nesse período, e osresultados foram muito significativos.Fui para New York, pois precisava de um laboratório maisavançado para investigar os eventos.E cheguei a seguinte conclusão nesse período:A carga do sangue dela mudou, pois ela era A+ e o seu sanguepassou para O-.Segundo o número de cromossomos mudou. Antes ela seaproximava muito de um humano com 23 pares, mas agoraestava com 24, assim como você.Terceiro a sua cadeia de DNA também mudou, mas isso já serámais complexo de você entender.
  • 197. - Mas de fato o que pode acontecer com ela¿- Os instintos dela estão mudando, mas não posso afirmar comcerteza que o seu corpo também mudará. Então estamosobservando as suas reações desde então.- Eu sou um idiota!! Como pude ser tão inconseqüente dessaforma¿ - Estava me sentindo super mal pelo que aconteciacom Ness, mas nada do que fizesse naquele momento mudariao fato de que ela estava mudando a cada dia.- Fica tranqüilo e tente dormir um pouco. – Ele disse olhandopreocupado para mim.- Obrigada pela atenção.- Disse apertando sua mão e ai doescritório, passando pela sala e vendo a expressão angustiadade Edward e Bella, mas não falei nada e fui direto para o nossoquarto.Deitei na cama ao seu lado e fiquei fazendo carinho em suabochecha por um tempo. Até que peguei no sono e dormi deforma tão pesada, que os malditos sonhos não meincomodaram aquela noite.Quando acordei, Ness estava escrevendo em seu diário eresolvi puxar conversa, para saber como se sentia.- Bom dia minha princesa! – Disse com a voz ainda rouca,olhando para tão divina imagem.- Bom dia amor! – Respondeu e se levantou da cadeira,andando em direção a cama e depois sentou ao meu lado.- Como você dormiu¿ Não teve pesadelos¿ - Ela perguntoupreocupada, beijando meus lábios e se deitou ao meu lado,para nos olharmos mais de perto.- Não! Dormi como uma pedra essa noite. – Respondi,passando os dedos sobre o seu rosto angélica.- Jake, o que aconteceu ontem na casa de Sam¿ - Elaperguntou curiosa.- Fiquei com ciúmes de você. Só isso! Mas eu também posso teperguntar uma coisa¿ – Respondi parte da verdade.- Sempre! – Respondeu.
  • 198. - O que você sentiu ontem quando chegamos em casa¿- Foi estranho...AH! Ela respirou fundo e começou a descreversuas sensações. – Eu senti um cheiro insuportável e tivevontade de vomitar. Mas também senti meu corpo tremer deforma esquisita, meu coração bater rápido demais e um ódiotão grande da minha família, que chegou a me dá medo. O queserá que está acontecendo comigo¿ - Ela perguntou chorandoe tive que contar a verdade.- Ness, vou te contar uma coisa. Mas não fica assustada. Tudobem¿ - Disse, puxando o seu corpo contra o meu e ela afundoua cabeça em meu peito.- Tudo.- Quando ficamos sozinhos aquela semanas e você teve sede...não tinha sangue na geladeira e estava nevando muito. Entãonão tive outra alternativa e te dei o meu sangue. – Falei commedo da sua reação, mas precisava contar tudo.- Você me deu o seu sangue¿ Fez isso por mim¿ - Ela me olhouincrédula.- Sou capaz de tudo por você. – Respondi beijando a suatesta.- AH Jake! Como você me ama!! Isso é tão importante paramim. – Respondeu chorando.- Ness, seu sangue começou a mudar e você está sofrendouma mutação. Mas não se preocupe. – Apertei seu corpo fortecontra o meu.- Mutação¿ Como assim¿ - Perguntou assustada.- Acho que está virando uma loba, mas não tenho certeza. –Respondi chorando e não consegui esconder o medo quesentia pelo que estava acontecendo com minha pequena.- LOBA¿ Você... Você... tem certeza¿ - Perguntou assustadacom a revelação.- Não sabemos se a transformação ocorrerá, mas seusinstintos, seu sangue e DNA mudaram. E estou com muitomedo disso. Mas estarei ao seu lado o tempo inteiro e aajudarei nesse momento de transição.
  • 199. -Vai doer¿ - Ela perguntou chorando muito.- Vai! No inicio é muito desagradável, mas depois você seacostuma. – Respondi.- E minha família¿ Como... Como... – Ela não conseguiucompletar e começou a chorar desesperadamente.- No inicio será difícil se acostumar com o cheiro e conter osinstintos de luta e sobrevivência, mas com certo tempo serácapaz de viver normalmente com eles, assim como eu. Só quepara um lobo inexperiente é mais complicado então precisaser forte nesse momento.- AH! Eu amo meus pais, meus tios, meus aos... Como vivereisabendo que os odeio¿- Isso será só no inicio e eu estarei ao seu lado. Então não sepreocupe.- Desculpe por fazer você passar por isso. – Disse olhando emseus olhos cheios de lágrimas.- Como você saberia¿ Estava tentando me ajudar e sou gratapor isso. EU TE AMO MUITO JACOB EFRAIM BLACK! – Ela dissede forma segura e soube que havia me perdoado.- VOCÊ É A MINHA VIDA! MEU TUDO! MEU AMOR ETERNO! –Segurei o seu rosto e comecei a depositar meus beijos emseus lábios lentamente.- Estaremos sempre juntos¿- Que pergunta é essa¿ Ness, minha vida!! Nunca sairei do seulado! Nunca!! E se eu morrer, minha alma procurará pela suaem outras vidas.- É tão bom saber disso... Sabe, todos os anos que infelizvaleram apena só para te ter ao meu lado agora.- Não posso dizer que valeu apena ficar longe de você. Mas teter agora é a coisa mais maravilhosa e nunca poderia meimaginar tão feliz. Eu te amo! Eu te amo! Eu te amo!- Comeceia afirmar, depositando leves beijos em seus lábios e ela riu.-Você é perfeito. Sabia¿- Uma certa garota chamada Jack Black me disse isso um dia.
  • 200. - Estou com ciúmes dessa Jack!- Não fique! Sou só seu! Sempre serei! Sempre. – Nossosolhos estavam fixados uns nos outros e ver todo amor que elasentia por mim era a coisa mais maravilhosa e reconfortantedo mundo.- Ness!! Ness!! Quero você!! Preciso te sentir!! – Sussurrei emseu ouvido.- Também quero você. Mas quero que seja diferente... quevocê nos conduza.- Você é quem manda!!Comecei a beijar todo o seu corpo lentamente, sem pressa oudesespero, aproveitando cada toque de minha língua em suapele tão maravilhosa. E depois comecei a estimular o seu sexo,enquanto a beijava suavemente, então comecei a penetrar seucorpo lentamente e o nosso amor foi tão calmo e sublime quetivermos muito tempo para curtir antes de gozarmos juntos. Voltar para o índice
  • 201. LOBA BRANCA escrita por GLAUCIABLACKPara quem estava curiosa para saber como seria a nossa Ness,segue mais um cap emocionante.COMENTÁRIOS!! AMO COMENTÁRIOS!!LOBA BRANCAAs mudanças em seu corpo continuaram nos dias queseguiram e ela não conseguia se quer se aproximar da família,que a tremedeira começava. Mas estava ao seu lado, poissabia o quão doloroso seria para ela a transformação e ocheiro insuportável de vampiros. E por isso comecei a contaralgumas lendas e coisas que haviam acontecido comigo, paraque entendesse o qual complexo era a coisa de ser um lobo.Mas apesar de parecer triste, às vezes, estava conformadacom o seu destino.A família estava muita mal com aquela situação e era penosover as expressões de todos, pela rejeição de Ness naquelemomento, mas eles entendiam exatamente o que ela estavasentindo e a compreensão dos fatos tornava a convivênciamelhor. Mas apesar disso, a baixinha forçava a barra eacabava se magoando e magoando Ness por sua teimosia. Eisso sempre me cortava o coração.- Ness, meu amor!! O quanto você me ama¿ - Estava nobanheiro, ouvi as batidas na porta do quarto, e sua vozimplorando para vez minha pequena. Então voltei para oquarto e a encontrei com as pernas encolhidas, sendoenvolvida pelos seus braços e o seu rosto chorando dedesespero.- Amor!! Vida!! Princesa!! Não fica assim! Isso vai passar,então não chora dessa forma que me corta o coração.- É tão estranho... tão doloroso...- Ela continuava a chorar,sem olhar para mim.- Vamos sair um pouco desse quarto¿ Vamos correr pelafloresta¿ Que tal¿ - Perguntei, estendendo a mão para ela.- Acho que preciso mesmo sair, pois estou me sentindosufocada. – Ela respondeu e veio até mim, aconchegando acabeça em meu peito.
  • 202. - Você se sentirá melhor depois que respirar ar fresco. Eu tegaranto isso, minha vida. – Disse, beijando a sua cabeça.- Então vamos¿ - Ela perguntou.- Vamos! – Respondi e segurei a sua mão, guiando-a até aporta.Quando descemos as escadas e chegamos à sala, ela colocou amão no rosto para tapar o seu nariz e o seu corpo começou atremar.- Ness, minha vida... Ness.. Se acalme, por favor!! – Disseabraçando o seu corpo contra o meu, enquanto todos osCulens nos olhavam assustados e com muito medo.- Filha! Você está bem¿ - Bella levantou para se aproximar,mas Edward a segurou pelo branco.- Não, Bella! Ela precisa se acostumar, então só dê um tempoe voltará ao normal. – Ele disse com a expressão de dor naface.- Desculpe! – Isso foi a única coisa que minha pequenaconseguiu dizer.Nós saímos sem falar nada e ela chorava baixinho, semreclamar do seu destino.Corremos pela floresta em direção a La Push e mesmo naforma de humana, ela conseguia me acompanhar em altavelocidade. E parecia gostar daquele momento tão especialpara nós. Mas quando chegamos nas terras dos Quileust, elaparou e começou a tremer muito. Então um uivo escapou deseus lábios e a fez se colocar na posição de ataque.Eu parei para entender o que estava acontecendo e senti ocheiro de um vampiro próximo da li. Mas quando me volteipara olhar Ness, ela havia desaparecido e me desesperei peloque poderia lhe acontecer. Então comecei a correrrapidamente, seguindo o seu cheiro, até que a vi em posiçãode ataque na frente daquele vampiro loiro.Seu corpo começou a tremer muito e o vampiro estava prestesa atacá-la, quando seu corpo explodiu em uma imensa lobabranca a minha frente.A Loba começou a atacar o vampiro com uma fúriadescomunal e nunca em minha vida havia visto um lobo tão
  • 203. veloz e forte quanto ela. Então corri na direção da luta ecomeçamos atacar o vampiro juntos. Quando ela uivou fortenovamente e vários lobos surgiram na floresta, e o vampiromisteriosamente sumiu no espaço sem deixar rastros.Ness parecia frenética e com muito ódio, correndo sem rumo àprocura da criatura. E apesar de tentarmos alcançá-la, ficamospara trás por alguns quilômetros e só foi possível aaproximação quando ela finalmente parou de correr.Eu tentava me comunicar com ela, mas não sabia se seria seualfa e seria capaz de ouvir os seus pensamentos. Mas depoisde algumas tentativas, ela começou a me responder.- Ness! Ness! Minha vida!! Meu amor!! Fala comigo!! Você podeme ouvir¿ Fala comigo¿- Ness! Você está bem¿ Fala com o seu lobo mau! Como vocêse sente¿ Como¿ Vida!!! Vida minha!! Não me deixa assim tãolouco.- Jake! Ela é muito rápida! Quando conseguirmos encontrá-laserá tarde! – Seth disse.- Vamos encontrá-la!! Cala a boca, Seth! – Disse irritado paraele.- Leah! Você que é a mais rápida do grupo, consegue alcançá-la¿ - Perguntei- Não sei! Vou à frente e veremos se conseguirei meaproximar.- JAKE!! JAKE!! ESTÁ DOENDO MUITO!! EU NÃO AGUENTO ESSADOR!! MEU CORPO INTEIRO ESTÁ RASGANDO!! PRECISO DEVOCÊ!! JAKE!! JAKE!! – Ela estava desesperada demais eaquilo estava acabando comigo. Então corri mais rápido quepodia, batendo as minhas patas com extrema violência sobre ochão e corri em direção a sua voz. Até que a encontrei com ofocinho no chão e com uma expressão de dor e angustia.- Vida minha! Fica calma! Agora escuta o que vou te falar comatenção.- Respira fundo e tenta se acalmar, tenta esvaziar esse ódio devocê, tenta esquecer a dor e se concentra em coisas boas.- ESTÁ DIFICIL DEMAIS!! DOE MUITO!- Precisa se concentrar! Respira com calma! Pense no dia que
  • 204. nos encontramos na cachoeira. Pense no nosso primeiro beijo.- ESTOU TENTANDO!- Então faça isso! E os outros se mandem daqui agora!! Nãoquero ninguém vendo a minha mulher nua!!- Jake! Deixa de ser ridículo!! Você precisará da nossa ajudacom ela!! Não tem experiência com essas coisas.- Eu sou o Alfa dela e ela obedecerá o meu comando. Entãoralem daqui!!! E se pegar qualquer um espiando minha Ness,eu mato!! JURO QUE MATO O ENGRACADINHO QUE SEATREVER A PENSAR COISAS COM ELA!! SAIAM AGORA!- Ness, minha vida! Agora foque os pensamentos em mim.Tenta pensar no seu lobão acariciando o seu corpo. Imaginecomo eu quero te beijar inteira, pousar meus lábios sobre osseus. Sentir o seu cheiro e morrer em seus abraços. Estáconseguindo relaxar¿- Sim!! Pensar em você me relaxa muito!- Amo você, Jake!- Você é minha vida!! Meu tudo!! Volta para mim!! – Dissepara ela.Comecei a perceber que estava voltando a sua forma humanae voltei a minha também. Então a peguei em meu colo e nineiseu corpo como uma criança. Mas ela chorava muito, pela dorque ainda sentia em seu corpo.- Vida minha! Cuidarei de você, pode ficar tranqüila. – Disse,beijando o seu rosto choroso, enquanto me olhava comexpressão desesperada.- Jake! Cuida de mim¿ Estou com muito medo! – Elasussurrou.- Sempre, minha loba! Sempre.- Obrigada!- Sabia que você ficou uma loba linda¿ Maravilhosa!- Pare de brincar com isso! – Ela reclamou.
  • 205. - Mas é verdade! Eu coloquei os outros para correr, pois morride ciúme da minha lobinha branca.- Branca¿- Sim! A loba mais linda do mundo...Mas maravilhosa domundo!- Só você mesmo para fazer graça em uma hora dessas. – Elariu, olhando em meus olhos e passou os dedos sobre o meurosto.- Olha só! Temos que ir para casa, mas não quero minhamulher correndo nua por ai. Então precisará se transformarnovamente e me acompanhar. Mas não precisa ficar commedo, porque estarei ao seu lado o tempo inteiro. Só que vocêé muito rápida e precisa tentar ir de vagar para eu teacompanhar.- Você acha que consigo me controlar¿ - Perguntou com osolhinhos assustados.- É claro que sim! É só fazer o que eu te disser e tentar ir devagar. – Respondi dando leves selinhos em seus lábios.- Jake! E como será com minha família¿ - Perguntou commedo, apertando o seu corpo contra o meu.- Quando chegarmos, vamos direto para o nosso quarto e vocêobedecerá as minhas ordens. Mas para garantir que nadaacontecerá, pedirei a sua família que saia antes chegarmos.- E como fará isso¿- Fala sério, não é Ness! Seu pai vai nos ouvir quandoestivermos bem próximo da casa. Mas tem que me ouvir e nãoperder o seu controle. Então promete¿- Não sei se consigo! – Ela respondeu chorando.- Você consegue! Agora vamos embora e tente se concentrarem mim.Ela se levantou e me olhou no momento da transformação.Então assenti com a cabeça e ela começou a tentar a setransforma, mas foi mais difícil do que imaginava.Corremos para a casa juntos e quando chegamos próximo a
  • 206. propriedade dos Cullens, paramos e me comunicar comEdward.-Edward! Você está me ouvindo¿ Ness se transformou e nãotem muito controle. Então preciso que saiam da casa paraentrarmos.- Está me ouvindo¿ Precisamos evitar que ela ataque vocês e émelhor não arriscar esse confronto.Depois que passei as mensagens para Edward, voltamos acorrer e finalmente chegamos a casa. Mas Ness começou auivar furiosamente, como se fosse morrer com tantodesespero e ódio que sentia.Vida minha! Presta atenção em mim!! Eles são sua família,então não pode atacá-los. Você se sentirá mal se fizer isso!Entendeu¿ Não quero fazer isso, mas é preciso.- Eu ordeno que se acalme e não ataque ninguém!! Isso é umaordem! Entendeu¿ - Não queria usar a minha autoridade dealfa, mas naquele momento era necessário e tive que fazer.Chegamos à casa dos Cullens e mais uma vez foi umdesespero para ela voltar a forma humana. E quandofinalmente conseguiu, peguei-a em meus braços e a carregueno colo até o nosso quarto, vendo todo o sofrimento em seurosto.Aquele foi o primeiro e o mais difícil para ela, pois chorava otempo inteiro e nem os meus carinhos foram capazes deamenizar o seu sofrimento. E ver minha pequena sofrendodaquele jeito, foi um golpe terrível para mim e apesar desaber que um dia voltaria ao seu normal, para conviver comsua família novamente, a minha consciência me castigavaterrivelmente. Então a fiz dormir e chorei a noite inteira,atormentado pelo terrível transformação de minha Ness naLoba Branca. Voltar para o índice
  • 207. DECISÃO escrita por GLAUCIABLACKPessoal, esse é o ultimo cap do dia, pois estou muito cansadade escrever.Espero que gostem desse cap e não deixem de comentar.No fim do cap as coisas começam a esquentar, então quandoeles terminarem de arrumar as coisas, fica impróprio paramenores.DECISÃONess passou 2 dias deprimida e quase não conversava sobre oque estava sentindo. Mas depois desse tempo, tomou umadecisão que mudaria radicalmente a nossa vida.- Jake, meu lobão!- Fala, minha vida! – Disse para ela, enquanto interrompia alinha leitura de A Escolhida.- Eu tomei uma decisão muito importante para nós dois. – Eladisse com os olhinhos tristes.- Que decisão é essa¿ - Perguntei curioso sobre o que elahavia resolvido e como isso mudaria nossas vidas.- Vamos nos mudar dessa casa o mais rápido possível. –Disse, sentando em meu colo e afundando a cabeça em meupeito.- Você tem certeza¿ Quero dizer... quer mesmo fazer isso¿ -Perguntei beijando a sua cabeça.- Sim! Você sabe que não suporto ficar perto da minha família.E que poderia atacar um deles, e sofreria muito com isso. Sóque estou muito sufocada nesse quarto e também não achojusto com você viver nessa prisão. Então a melhor coisa a sefazer é ir embora. Mesmo que me doa muito a separação daminha família, será melhor para todos. – Disse chorando epassei meu dedo em seu rosto, para enxugar as suas lágrimas.- Ness, preciso de um tempo... Você sabe que abri mão do meuemprego e não tenho dinheiro guardado. Então precisoarrumar um trabalho, alugar uma casa, comprar móveis e tudo
  • 208. isso leva tempo. – Disse decepcionado, sentindo-me um zeroa esquerda, por não poder tirá-la daquela casa e dá o confortoque merecia.- Jacob, olha para mim¿ Você sabe que tenho muito dinheiro eque desde que nasci, meus pais abriram uma conta no banco edepositam dinheiro para mim. Além disso, tenho propriedadesem meu nome, e algumas ações que valem muito dinheiro. Etudo o que é meu também é seu. – Ela disse olhando em meusolhos.- Vida minha! Já é difícil demais viver nessa casa, sendosustentado pela sua família. E pensar que teremos que vivercom o seu dinheiro mexe muito com o meu orgulho. Respondi,ainda olhando em seus olhos e alisando seus lábios com o meudedo.- Jake! Por favor! Seu orgulho não pode ser maior do que onosso amor. E você sabe que preciso sair dessa casa. – Eladisse para mim.- Tudo bem, Ness. Já fiz tantas coisas por amar você, que maisnão fará diferença.- Obrigada. Mas gostaria que fosse comunicar essa decisão àminha família. – Ela pediu e me abraçou, voltando a chorarnovamente.- Será difícil para nós dois e você sabe disso. Eu me apegueitanto as pessoas nessa casa, apesar de serem vampiros eposso dizer que gosto até da loira chata. Então serácomplicado viver sem as graças de Emmett, as implicâncias doseu pai, o olhar questionador da sua mãe que me mata devergonha, a alegria da baixinha que vive saltitando como umaperereca... gosto tanto dela. O jeito amoroso como Esme eCarlisle me tratam como seu filho, a cara de dor de Jasper, eas chatices da loira. Mas irei me acostumar com qualquer vidaonde você esteja.- Fico feliz por gostar tanto da minha família. – Ela dissesorrindo para mim.- Estou nessa casa há quase quatro anos. E isso é tempo osuficiente para aprender a amar, admirar e respeitar aspessoas. Então realmente sentirei saudade. – Respondi,depositando vários selinhos em seus lábios.- Isso tudo¿ Nem me dei conta.
  • 209. - Isso tudo. – Ri vendo a sua admiração pelo tempo que haviapassado.- Posso te pedir uma coisa¿ - Perguntei para ela.- Tudo.- Casa comigo¿ De verdade! – Pedi com um sorriso maroto.- É claro que gostaria de me casar com você. E fiquei muitotriste pelo nosso casamento ter sido adiado pelo queaconteceu. Mas eu não poderia convidar a minha família nessemomento. E sei que minha tia maluquinha adoraria fazer umasuper produção, então acho que você não se importaria deesperar até que esteja mais confortável diante deles. – Ela merespondeu e permaneceu olhando em meus olhos.- Você está muito certa e podemos esperar um pouco mais, edá a baixinha a felicidade de fazer mais uma festa. – Disserindo.- Do que você está rindo¿ - Perguntou curiosa.- Ela deve está ouvindo tudo lá de baixo e provavelmente estábatendo palmas e pulando como perereca. E adora quando elafaz isso. Simplesmente é fantástico.- EU TAMBÉM TE AMO, JAKE!! - Ouvimos o grito da baixinha ecomeçamos a rir juntos.- Não falei¿ Ela é tão louquinha, mas adoro esse jeito dela.- Ela é demais.- TAMBÉM AMO VOCÊ, MINHA SOBRINHA FAVORITA.- Outrogritou soou e voltamos a rir.- Essa é minha tia.- Com certeza.- Agora vai lá conversar com meu pai. Anda! – Ela ordenou,levantando-se do meu colo.- OK senhorita. Vamos lá!! – Dei um beijo em sua testa ecaminhei em direção a porta, pensando nas palavras certas
  • 210. para dizer para a família, que com toda certeza tinha ouvidotoda a conversa.Abri a porta, caminhei até a escada e desci lentamente atéestá na sala, em frente de todos.Bella estava sentada ao lado de Edward, com a cabeça em seuombro e seus olhos denunciavam que estava chorando,mesmo que não houvesse nenhuma lágrima. E Edward estavacom a uma expressão de dor ainda pior, mas não disse nadapor alguns segundos. Vi Esme abraçada com Carlisle, olhandopela janela da sala; a baixinha sentada no chão, com as pernascruzadas fazendo algum tipo de meditação, Emmett e a loiraestavam se agarrando no sofá, e sinceramente achei quedeveriam ir para o quarto pela forma empolgada como seapalpavam, e Jasper estava em uma cadeira lendo. Entãocaminhei até o sofá, sentei de pernas abertas, coloquei meuscotovelos sobre meus joelhos e de cabeça baixa comecei afalar.- Edward! Pode me ouvir um pouco¿ - Disse observando suasexpressões.- Não precisa dizer nada, Jacob. – Ele respondeu olhando paramim.- Já sabemos de tudo. – Bella disse.- Sinto muito por isso. – Respondi sem graça.- Não sinta, pois não tem culpa do que aconteceu e temprocurado fazer o melhor pela minha filha. E lhe sou muitograto por toda devoção que tem dedicado a ela. Sei que nuncanos demos bem, mas aprendi a amar você de certa forma pelojeito que trata Ness. E a única coisa que peço é que a façaainda mais feliz e cuide bem da minha garotinha. – Ele disseolhando com muita dor para mim.- Você sabe que sou capaz de tudo pela felicidade dela. Entãonão se preocupe com isso. – Respondi.- Quero que aceite um presente. – Ele disse.- Que presente¿ - Perguntei curioso e preocupado, pois nãoqueria dever favores para ele.- Quando fizemos o exame de Ness pela primeira vez, imagineio que iria acontecer. Então tomei algumas providencias para
  • 211. dá conforto para vocês. – Ele disse- Que providências¿ - Naquele momento estava mais curiosodo que nunca.- Comprei aquela oficina onde trabalhava e deixei Sethadministrando. Mas pedi para que não contasse nada. Tambémcomprei uma casa e Alice já terminou a reforma, então já podese mudar para lá. Comprei outro carro para vocês e abri umaconta bem pomposa em seu nome. E apesar de saber querelutaria a aceitar tudo isso, fiz com a certeza de que o bemestar da minha filha é maior do que o seu orgulho. – Faloutudo e se calou.- Eu não sei nem o que dizer...mas... – A baixinha meinterrompeu.- Mas nada!! Tome a essa pasta!! – Ela disse para mim.- O que tem nela¿ - Perguntei olhando para ela, que começoua saltitar mas não estava batendo palmas para mim e naverdade parecia bem triste.- Aqui tem os documentos da casa, do carro, da oficina, da suanova conta, as chaves do carro e da casa. – Ela me respondeue fiquei olhando atônito para a pasta.- Você sabia de tudo¿ - Perguntei, olhando assustado para ela.- Há alguns meses vi vocês partindo, então Edward e eucomeçamos a tomar nossas providências.- Obrigada. – Disse e ela me abraçou.- Agora me promete que sempre vai me amar e que não vãocasar sem me permitir dar uma festa. – Disse abraçada amim.- Você sabe que sim Alice. – Respondi quase chorando.- Não gosto que me chame de Alice!! O que é isso agora¿ Ondeestá a “ perereca saltitante” ¿ - Ela disse rindo.- OK pererequinha! – Retribui o seu sorriso e quando ia para oquarto, Emmett veio e deu um tapinha nas costas.- Amigão!! Sentirei a sua falta, então quando puder vem mevisitar para eu ganhar mais de você no play station.
  • 212. - Vai sonhando!! Quem ganha sou eu. – Gargalhei e todosacharam graça.- Também sentirei a sua falta, oh loira. – Disse de longe paraela.- É! Até que essa casa ficará sem graça sem você e tenho queadmitir. – Ela respondeu e virou o rosto para parecer durona.- Deixa a gente dá um abraço no nosso filho mais novo. –Esme e Carlisle vieram até mim e me abraçaram ternamente.- Também sentirei a falta de vocês. Mas o MSN é tudo!! E Nesscom certeza passará o dia inteira naquele computadorfofocando com vocês e eu também. – Disse rindo.- Agora vai dá atenção para minha filha, que está te esperandoe pensando coisas que odeio ouvir. – Edward disse e riachando aquilo engraçado.Voltei para o quarto e Ness já estava arrumando as roupas nasmalas, então contei como havia sido a conversa e a ajudei aarrumar o restante das coisas.- Bem! Só faltam os livros, CDs, DVDs, o notebook, o iphone, oplay station e o meu diário. Então deixarei você terminar oserviço e vou ma aprontar para você. – Disse rindo de formamaliciosa e acariciando o meu abdômen.- OK! Ficarei te esperando. – Respondi e voltei a arrumar orestante das coisas na mala.Depois de alguns minutos, ela voltou para o quarto com umacamisola branca, com detalhes de renda, e um lascado que iada altura da virilha até os pés, e ficou extremamente sensualcom aquela nova camisola.- É nova¿ - Perguntei mordendo os lábios e puxando pelacintura, para colocá-la em meu colo.- Coisas da minha tia Alice. – Ela riu- Sempre sua tia. Sentirei falta dessas surpresinhas – Dissemordendo os lábios e ela riu.Segurei o seu rosto suavemente com as duas mãos e fiqueiolhando em seus olhos por alguns instantes.
  • 213. - Ness, minha vida. Essa noite quero que seja muito especialpara nós dois.- Também quero vida minha. – Ela respondeu e comecei adepositas vários selinhos em seus lábios.- Jake, Jake, Jake – Ela começou a sussurrar sedutoramente.- Eu te amo! Eu te amo!! – Sussurrei em seu ouvido e comeceia morder o lóbulo delicadamente.- Eu te quero! – Ela disse baixinho, enquanto suas mãosdeslizavam pelo meu corpo.- Eu te quero mais! – Respondi beijando o seu pescoço.Minhas mãos começaram a percorrer o seu corpo perfeitoentão a peguei no colo, levanto até a cama e ela ficouajoelhada me beijando docemente. Enquanto minhas mãosacariciavam suas coxas ardentes e a faziam gemer baixinho.- Ness! Ness!! Hoje eu quero que você implore. – Disse paraela, pretendendo fazer um jogo de sedução.- Não vou implorar! Você tem a obrigação de me fazer feliz e omeu PACOTE JACOB BLACK DE FELICIDADE me garante isso.- Só serei seu essa noite se implorar. – Continue decidido naminha afirmação.Ela pulou em meu colo, colocando suas pernas presas emminha cintura e a levei até a parede do quarto, pressionando odeu corpo e estimulando o seu sexo.- Jake! Faz uma coisa por mim hoje¿-O que quer¿- Se fantasia para mim e depois faz um estripe¿- Acho que posso atender esse desejo. – Disse rindo.- Então vai até o banheiro e veste a roupa que separei paravocê.- OK! A senhorita quem manda. – Respondi, colocando-a nochão e dando um beijo voraz antes de sair.
  • 214. Fui para o banheiro e havia uma fantasia de marinheiro e umacueca Box vermelha. E confesso que fiquei com vergonha, mastudo aquilo fazia parte do nosso jogo de sedução e não tirariaesse prazer dela. Então me vesti e voltei para o quarto.Ela havia apagado as luzes, e deixado um castiçal com velasacessas na mesa de cabeceira, e a cama estava cheia depétalas de rosas. E também havia champanhe, tacas de cristãoe uma bandeja de frutas.- Você fez isso tudo para mim¿ Como fez isso¿- Alice!!- Como fez isso¿- Pedi pelo MSN e ela deixou tudo na porta. Simples.- Vocês duas são loucas!! – Disse rindo.- Agora gatão!! È a sua vez do show. – Ela disse e colocouuma musica do Back street boys, e comecei a dançarsensualmente, tirando aos poucos as peças de roupa demarinheiro do corpo. Então fiquei só de cueca e a puxei paramim, enquanto mordia os lábios e fazia cara de ninfa safada.- Ness! Amo você, mas vai implorar essa noite.- Já disse que não vou implorar!- Vai sim! – Puxei seu rosto e comecei a devorar os seuslábios com imensa voracidade, passeando com minha línguapor cada canto de sua boca, e minhas mãos se deliciavam comos seios maravilhosos.- Jake! Jake! Jake!- OH Ness! Ness- A chapeuzinho que o lobo mau. – Ela sussurrou e sabia quea coisa da chapeuzinho me deixava com um tesão filho da“ P” .- OH! Ness, não faz assim.- Você é quem vai implorar!- Não minha pequena! Sou mais forte que você, então essa
  • 215. briga será boa.- Vamos ver quem sede primeiro¿- Estou doido para descobrir.Puxei-a para o meu corpo, prendendo as suas pernas sobre aminha cintura e a levei novamente para a parede,pressionando o seu corpo para que sentisse a minha ereção. Eela geminha e mordia meus lábios, arranhava as minhascostas, enquanto continuava pressionando o meu pênis sobreo seu sexo e chupando seu seio com imensa vontade.- OH! Jake! Jake!!- Vai implorar¿- Não!- Então continuaremos nesse impasse. – Disse rindo olhandopara ela.Continuei a estimulá-la, mas dessa vez com as minhas mãos,fazendo-a gozar várias vezes enquanto gritava o meu nome.-JAKE! JAKE! JAKE!! EU PRECISO SE VOCÊ! OH!! OHSS!! UF UF!!OH!- Implore por ele! Implore!- POR FAVOR! EU PRECISO! JAKE! JAKE!!- Implora mais! Anda!! – Ordenei prendendo-a pelos cabelos,e ela tentou passar a língua em minha boca, mas afastei omeu rosto.- Por favor!! Preciso de você dentro de mim! Por favor!!- Mais!! Ainda não me convencei! – Continuava a torturarminha pequena, que tentava me beijar e não conseguia.- Você venceu!! É o melhor!! Agora vem e faz gostoso comigo!Preciso disso! OH JAKE – Ela implorava desesperada. Então alevei para cama, arranquei a sua calcinha com violência, tirei aminha cueca e me coloquei entre as suas pernas, mas nãopenetrei.- JAKE!! POR FAVOR!
  • 216. - Implora mais!! Só vou dá o que quer quando estivertotalmente rendida. – Disse chupando o seu pescoço.- POR FAVOR! POR FAVOR! POR FAVOR!! EU TE QUERO AGORA!NÃO FAZ ASSIM! JAKE! JAKE. – Ela gritava desesperada, entãocomecei a penetrar o seu corpo rapidamente, enquanto olhavaem seus olhos pidões.Nós nos movíamos juntos e muito rápido, e nossos corposestavam molhados de tanto suor, mas o gosto que ele tinhame deixava mais louco, explodindo todo extinto animal emmeu corpo.Puxei sua perna mais para cima e continuei a entrar e sair doseu corpo rapidamente, enquanto as minhas mãos exploravamtodo o seu corpo e me deliciava com o seu sexo maravilhoso.- JAKE! JAKE! JAKE! -JAKE! JAKE! JAKE!! OH!! OHSS!! UF UF!!OH! OH! OH! OH! NÃO PARA! VAI MAIS RÁPIDO! MAIS! OH!OH! OH! OH! OH!-OH! OH! OH! NESS! NESS! VOCÊ É DELICIOSA!! GOSTOSADEMAIS!! OH! OH! OH! NESS! OH! OH! NESSEFiz tudo o que sentia vontade naquela noite, coisas que anteseram um tabu para nós, mas estávamos totalmente entreguesao prazer e ao desejo que nossos corpos proporcionavam umao outro. E quando terminamos o nosso gozo, cai exausto aoseu lado e vi que seu cansaço era tão grande quando o meu.Então puxei seu corpo para o meu e adormeci, sem aproveitartudo o que havia preparado para nós dois. Voltar para o índice
  • 217. CASA NOVA escrita por GLAUCIABLACKMeninas, recebi alguns pedidos para continuar a fic SethCleawater – Inquietações e acrescentei um novo cap. Masapesar de pedirem uma continuação, estou sem tempo paraescrever essa semana. Só que é bem possível que escrevauma nova fic, continuando essa e contando o amor de Seth porBranca, filha do Jake de Sol da minha vida.Já estou com projetos para as novas tramas e isso está meanimando bastante.Então depois que terminar Alma Gêmea, começarei a escreveruma fic que provavelmente se chamará “ Destinos” .Essa trama não será mais um surto de JakexNess, apesar detambém falar sobre o amor dos dois.Imaginem que Edward nunca foi embora, largando Bella emLua nova, e que Bella e Jacob não fossem os grandes amigos,com a amizade colorida. E se os lobos não fossem lobosvivendo uma vida normal. Mas depois de se formarem nauniversidade, voltassem para La Push uma grande mudançacomeça a ocorrer.Imaginem Ness uma loira gostosona maravilhosa e que sentiaódio mortal por Jake, por ele tê-la separado do seu namorado,por puro preconceito, acabe se apaixonando por seu maiorinimigoA volta dos Cullens e o reencontro com os Quileuts, trás umatransformação e mudará o destino de todos.Também escreverei nesse intervalo uma fica sobre a Leah,chamada MEUS MOTIVOS e outra sobre Alice que ainda nãotem título (provavelmente A PERERECA SALTITANTE).Bem! Começarei essas novelinhas ao terminar Alma Gêmea. Eespero que gostem.Deixem os comentários!!Amo comentários!!CASA NOVAAcordei exausto depois daquela noite inteira fazendo amorcom a minha pequena. E por incrível que pareça, não tiveaqueles sonhos assustadores com as vidas passadas. Masestava tão feliz que nenhum pesadelo seria capaz de estragaro meu bom humor, depois de momentos tão intensos comminha vida.
  • 218. Virei de lado e ela estava dormir lindamente, então me permitificar olhando o rosto lindo que tanto amava e poderia meperder só pelo deslumbre de sua face. Só que depois de algumtempo, ela começou a se mover lentamente e percebi que iriaacordar. E como era um homem muito apaixonado ecarinhoso, queria que a sua primeira visão fosse a maisperfeita: a minha!!Eu era muito modesto, mas sabia perfeitamente que ela ficariacom os olhinhos brilhando ao me ver e seria mais perfeito seisso fosse recheado de muito carinho e beijos.Ela estava deitada de costa e debrucei meu corpo levementesobre o seu e comecei a depositar beijos em seu peço e fazerdesenhos em suas costas, então ela começou a gemerbaixinho e virou para me encarar.- Acorda preguiçosa. – Sussurrei em seu ouvido.- Não. Quero dormir. – Ela resmungou quase gemendo.- Temos muitas coisas para fazer hoje. – Continuei asussurrar em seu ouvido e a percorrer minha mão pela lateraldo seu corpo.- AH! Jake!! Você quer me torturar mais¿ - Ela perguntougemendo e rindo, com os olhos fechados enquanto seus dedosentrelaçavam os meus cabelos.- Tenho que te contar um segredo... Não sou o super homem.– Disse depositando beijos em seus lábios macios.- Bem que poderia. – Riu maliciosa, ainda com os olhosfechados.- I’ m sorry! Baby!! Você precisa levantar e esse corpinhogostoso só mais tarde – Gemi em seu ouvido.- Você me deixa excitada e depois corre. – Reclamou rindo.- Vem! Vamos tomar um banho juntos e nos mudar cedo, poiso dia será muito longo. – Disse para ela, peguei-a em meusbraços e a levei ao banheiro para tomar banho.Ficamos embaixo do chuveiro por algum tempo, tomandobanho agarradinho e aproveitando os momentos de extremafelicidade que sentíamos, por todo aquele amor que exalavados poros dos nossos corpos. E o mundo poderia está
  • 219. acabando, que não perceberíamos nada. Pois estávamosperdidos em nossos olhares apaixonados.Depois daquele banho demorado, levei minha pequena para ocarro e aos poucos levei nossas malas. E enquanto fazia isso,observava os Cullens de suas janelas com olhares chorosospara nós. Mas não poderíamos nem nos permitir umadespedida normal, dadas as circunstancias que estávamosvivendo naquele momento.Dirigi bem devagar para a nossa casa em La Push e pudeobservar as lágrimas rolando em seu rosto. Fazendo-me sentiruma dor profunda em meu coração, entretanto não havia nadanaquele momento que pudesse fazer para acalmar a sua dor.Então preferi ficar calado e deixá-la refletir sobre o que estavaacontecendo.Chegamos à frente da casa e ficamos admirados de como elaera grande e bonita, vista do lado de fora. E fiquei imaginandoas surpresas que a baixinha deveria ter preparado para nós.Mas apesar de muito ansioso para ver tudo, decidi que queriafazer aquilo da forma mais romântica. Então abri a porta docarro, peguei minha pequena em meus braços para levá-lapara casa.- Jacob! Hoje nós começamos uma vida totalmente nova. Sónós dois. – Ela disse, olhando em meus olhos enquanto acarregava para a porta da frente.Caminhei com a minha pequena, abri a porta e entramos de pédireito em nossa nova casa, para começar uma nova vida, quepretendia fazer da forma mais perfeita com minha vida.- Jacob! Amo você e prometo que o farei muito feliz. – Eladisse, depositando vários beijos em meus lábios.- Eu também prometo fazê-la feliz, minha vida. – Respondi ecomecei a invadir sua boca com minha língua ansiosa e voraz,explorando todos os cantos de sua boca e aproveitando ogosto doce que aquele beijo tinha e que me deixavatotalmente louco.- Vida! Prometo que compensarei todos os anos que sofreucom a minha ausência. – Disse percorrendo o meu rosto noseu e aproveitando aquele cheiro tão novo e tão maravilhoso.- Você já compensou. – Respondi para ela.
  • 220. Comecei a desvendar todos os cantos da casa, com minhapequena me meus braços e comecei a ter muitas idéias paraaproveitar as nossas noites calorosas.Logo na entrada, havia uma imensa sala branca, com umalareira, quadros impressionistas, um grande piano, uma mesade centro de Mamoré, uma enorme TV de plasma, um aparelhode som de última geração, algumas luminárias, jarrosjaponeses e alguns detalhes que davam uma certa claridadepara o ambiente.Depois visitamos um grande escritório, também branco, comestantes brancas cheias de livros, uma grande mesma demármore marfim com alguns objetos de decoração (portaretratos, um Buda, pequenos cristais, entre outros), umagrande poltrona preta, e as cadeiras pretas enormes e superconfortáveis.Saímos do escritório e visitamos a sala de cinema, depois aacademia, a lavanderia, dois banheiros, a enorme sala dejantar (com uma mesa para umas vinte pessoas) e depois aenorme cozinha, que possuía geladeira, freezer e fogão deinox, um enorme exaustor, muitos armários, uma grandemesa e um lava loucas.Visitamos os cômodos do primeiro andar e a levei para osegundo andar, e era a parte que mais gostaria. Pois pretendiapassar muito tempo com minha pequena em nosso quarto.Então a carreguei, beijando os seus lábios o tempo inteiro eacariciando o seu corpo.Havia muitos quartos, mas a maiorias deles estavam vazios,apesar de pintados. Também um quarto ao lodo do nosso, comum imenso closet e percebi que a perereca saltitante haviasurtado mais uma vez. Pois o quarto ocupava grande parte doandar superior e ela preparou só para colocar roupas.Depois que vasculhamos os cômodos da casa, finalmentechegamos ao nosso ninho de amor e já estava bem empolgadonaquele momento, apesar de ter dito que só aconteceria algoentre nós bem mais tarde. Então não tive nem muito tempopara reparar nos detalhes do quarto, apesar da enorme camater me chamado a atenção, e comecei a beijar todo o corpo domeu anjo até que estivesse louca de desejos.Fizemos amor por algumas horas e depois daquilo tudo, aindatinha que arrumar forças para pegar as malas e arrumaraquele monte de coisas no closet, pois minha pequena estavaclaramente preguiçosa e nem que dançasse para ela, fá-la-iatrabalhar naquele dia.Deixei Ness dormindo e comecei o meu trabalho de dono de
  • 221. casa, que só estava começando levando-se em consideraçãoque Ness não sabia fritar um ovo.Passei o resto da manhã arrumando as roupas, livros, CDs,DVDs e outros. E depois sai de carro para fazer compras etinha a intenção de voltar rápido para fazer o almoço dela.Depois de algumas horas no mercado, voltei para casa eguardar todas aquelas coisas não seria nada agradável, masnão tinha alternativa a não ser fazê-lo. Então me enchi decoragem e terminei rapidamente o meu serviço. E fiz umalmoço delicioso, arrumei uma bandeja, coloquei uma rosa efoi para o quarto acordar a minha vida, que precisava ser bemalimentada.- Acorda dorminhoca. – Sussurrei em seu ouvido.- Ah! Não! Não!! – Ela choramingou, enquanto a beijava.- Você precisa ser bem alimentada e vou fazer isso de formabem especial.- HUMM!! Estou gostando muito disso. – Ela respondeu rindo.- Faz parte do pacote. – Mordi levemente a parte inferior dosseus lábios.- Abre a boquinha!! Olha o aviãozinho! – Dissemanhoso,levando a colher com comida a sua boca.- Não sou criança, Jake. – Respondeu, abrindo a boca.- Para mim será sempre minha criança.- Criança não faz o que fazemos.- Você quer fazer gracinha¿- Depende do que ganho com isso.- Muito beijos!! Beijos! Beijos! – Disse para ela, depositandomilhares de selinhos em seus lábios.- Tá bom! Vou me comportar.- É assim que eu gosto... Minha menina boazinha. – Disse eela comeu a primeira colherada.- Está gostoso. – Ela respondeu depois que terminou de
  • 222. engolir e fiquei rindo com sua cara de felicidade.- Mais¿- Mais. – Ela pediu.- Olha o aviãozinho!!!! – Levei outra colherada em sua boca eassim ela comeu toda a comida.Depois que ela comeu, peguei o outro prato e dei para ela.- Agora é sua vez de me mimar. – Disse com olhar pidão.- Amo mimar você. – Ela respondeu e pegou a colher para medá a comida e repetiu os mesmos gestos que eu.- Olha o aviãozinho!!!! – Ela dizia rindo, achando graça detudo enquanto mastigava, olhando o meu rosto como seestivesse hipnotizado.- Mais um aviãozinho!!!!- Amo você! – Ela disse para mim, passando os dedos em meurosto.- Te amo mais... – Respondi para ela.Depois de todo aquele melaço, desci para arrumar a cozinha ea deixei dormindo mais um pouco. E comecei a pensar no quefaria no restante do dia. Então decidi ir até a oficina econversar com o meu amigo Seth.Fui até o quarto, para ver se já estava dormindo, mas para aminha surpresa ainda estava acordada.- Ness, vida minha. Vou até a oficina. – Disse para ela.- Ah não!! – Ela choramingou.- Preciso ir ver como está oficina e me colocar a par de tudo.– Respondi alisando o seu rosto, que estava debruçado notravesseiro.- Por favor, não! Por favor. - Ela implorava com aquele jeitinhoque acabava comigo.- Amor... Preciso ir! Respondi tentando manter minha posição,mas sabia que não conseguiria resistir aos seus pedido tão
  • 223. convincente.- Chapeuzinho quer o lobo mau o dia inteiro. – Ela dissemordendo os lábios, de forma maliciosa e sedutora.- O dia inteiro¿ - Tentei fazer uma careta, mas acabei rindo.- Sim! Vamos andar na praia de mãos dadas, andar de moto,correr... Vamos ficar aproveitando o nosso dia. – Ela dissepara mim.- Você sabe que não consigo te negar nada e isso é golpebaixo. – Respondi, puxando o seu corpo para o meu e a beijeicalmamente, aproveitando cada toque.- OK! Vamos passear. – Disse para ela e no mesmo momentose levantou para tomar banho e se arrumar.Ficamos uma boa parte da tarde andando de mãos dadas napraia, aproveitando o inicio de uma nova vida e com muitaesperança que a felicidade que sentíamos um com o outro nãoacabasse nunca.CONTINUA – ASSIM VOCÊ COLOCA FOGO NA CASA!! Voltar para o índice
  • 224. ASSIM VOCÊ COLOCA FOGO NA CASA escrita por GLAUCIABLACKGostaria de agradecer aos mais de 3000 mil leitores e 210comentários que recebi em dez dias de postagem.A minha maior gratificação é o carinho dos meus leitores eisso me faz escrever cada vez mais.Também gostaria de manda um beijo para Any, Eliandra eBruninha que recomendaram a minha fic.Muito obrigada pelo carinho de vcs.Estou fazendo um curso rápido de internetes para parar pagarmicos, pois em alguns momentos pareço falar um idiomatotalmente diferente de vcs.Quase não entro no Orkut, MSN ou qualquer outro tipo decomunidades, pois não tenho muita paciência para isso. Eestou totalmente desatualizada com alguns termos. E ficofazendo perguntas idiotas para vcs.A Isa, Agata, Heri e outras têm me ajudado com alguns dessestermos, mas preciso me esforçar mais para não pagar tantosmicos. Então peço desculpas por qualquer constrangimento.bjusASSIM VOCÊ COLOCA FOGO NA CASA!!Tivemos um dia perfeito e uma noite muito mais prazerosa,como sempre, mas sabia que no dia seguinte precisaria voltara realidade e viver com mais responsabilidades. Pois agora euseria o responsável por ela e dinheiro não dava em árvores,então decidi que iria até a oficina conversar com Seth e tomarposse do negócio, que meu sogro gentilmente ofereceu.Levantei cedo e deixei o café de Ness preparado, mas dessavez ela me acompanhou e não queria me deixar ir de formaalguma. Mas depois de usar o meu poder de persuasão eprometer fazer certos favores sexuais, ela concordou com aminha saída de casa.- Jacob, não quero que vá. Por favor! Por favor! – Elaimplorava com aquele jeitinho que não dava para dizer não.- Vida minha, preciso trabalhar!! Tenta se comportar e maistarde teremos muito tempo para ficarmos juntos. – Disse paraela, dando vários selinhos em seu pescoço.
  • 225. - AH NÂO! Fica!! – Ela me segurava forte, com a clara intençãode não permitir a minha saída.- Você ficará bem aqui e logo estaremos juntos novamente. –Respondi seus apelos, puxando-a pela cintura e beijandoansiosamente os seus lábios.- Fica! – Ela pedia, enquanto suas mãos percorriam minhascostas, tentando me excitar.- Faço o que quiser depois – Disse para ela, sabendo queestaria “ F” depois, mas não havia outro jeito de me deixar ir.- O que quiser¿ Posso escolher qualquer fantasia para você¿Qualquer coisa¿ - Ela disse mordendo os lábios, com osolhinhos brilhando de excitação.- Olha lá o que vai me aprontar! – Respondi e a beijeinovamente.- Estou cheia de planos para você. – Ela disse maliciosa,percorrendo o contorno de meus lábios com sua língua.- Você é uma tarada. – Disse rindo.- Te amo, Jake.- Te amo muito mais... Cuida do meu coração que deixo comvocê. - Respondi para ela, fixando meu olhar no seu.- Também cuide muito bem do meu. – Ela parecia gostardaquele jogo de olhar fatal.- Você vem almoçar¿ - Ela perguntou, sorrindo para mim efazendo beicinho.- Venho com Seth, mas farei o almoço. – Respondi com medoque iria dizer, pois não sabia fritar um ovo.- Farei algo para nós, então pode trazer o Seth. – Disse rindoe agora estava realmente muito preocupado.Depois de muitos beijos e braços na despedida, que me custouquase meia hora de amasso na porta de casa, fui de carro paraa oficina.- Seth! – Chamei ao entrar.
  • 226. - Quem é vivo sempre aparece. – Respondeu rindo e apertou aminha mão.- Por que não me contou¿ - Perguntei.- Edward pediu segredo.- E desde quando você é mais amigo dele¿- AH! Para com isso! Vamos ao escritório. – Ela chamou,caminhando para o escritório.Fomos para o escritório e ele me colocou a par de todos osnegócios. E depois de conversarmos por algum tempo,chamei-o para se meu sócio.- Seth, você gostaria de se tornar meu sócio¿ - Pergunteimesmo sabendo que ficaria constrangido.- Eu não tenho dinheiro para entrar em uma sociedade. – Elerespondeu.- E quem está falando de dinheiro. Você é o meu melhor amigoe me ajudou muito quando voltei. E mesmo sem me lembrardo nosso passado, sei que sempre fomos bons amigos. Entãogostaria muito que aceitasse ser o meu sócio.- Não sei nem o que dizer. – Respondeu fazendo uma careta.- Quem foi comigo para o Canadá e ficou andando como umlouco, passando fome e frio para achar a minha Ness¿ Nãoaceito não como resposta. – Disse para ele.- OK! Depois acertamos os detalhes, pois estou com fome.- Ness o convidou para almoçar em nossa casa. – Disseencabulado e muito preocupado, pelo evidente fato dela nãosaber cozinhar nada.- E desde quando ela sabe cozinhar¿- Desde nunca e como meu amigo, irá me dá apoio moral.RARARA- Dei uma gargalhada em alta e ele riu comigo.Depois de algum tempo olhando documentação e aprendendocomo era o funcionamento da oficina, fomos para casa equando chegamos à porta, havia uma fumaça negra vindo dajanela da cozinha. E Ness gritava como uma louca, então corri
  • 227. para a cozinha e quase enfartei ao ver a cena da minhapequena com toalha pegando fogo e ele se espalhando por ela,quase a queimando.- NESS! NESS! O QUE ESTÁ ACONTECENDO¿ ASSIM VOCÊCOLOCA FOGO NA CASA!! – Gritava nervoso, arrancando atoalha em chamas de sua mão, para evita que se queimasse, eatirando dentro da pia.A cozinha ficou preta de fumaça e o que estava fazendo haviavirado torrada.- Desculpe! – Disse olhando assustada para mim.- O que você estava fazendo¿ - Perguntei com o meu corpotodo trêmulo.- Essa é uma sobremesa francesa e só coloquei um pouco derum, como dizia a receita. Mas começou a pegar fogo e quandopeguei o pano, também pegou fogo. Então peguei a toalha epercebi que fiz uma “ M” ainda maior.- Se eu não chego a tempo... – Respirei fundo e Seth me olhoucom medo que viria a seguir.- Você se machucou¿ - Perguntei alisando o seu rosto, paratentar acalmá-la.- Queimei a mão. – Ela me mostrou com cara de choro e eu asegurei, depositando leves beijinhos.- Isso vai sarar em alguns minutos...Coisas de lobo! Entende¿- Disse ainda beijando sua mão tão delicada.- AH! Mas ainda temos o nosso almoço, então lavem as mãos esentem-se a mesa. – Ela ordenou e Seth fez outra careta paramim. E sabia que ele estava louco para sair correndo dali, masnão magoaria a minha Ness. Só que também estava tãopreocupado e ansioso, que foi difícil disfarçar a ansiedade quesentia.Ness levou a comida para a mesa e a serviu em nossos pratos,colocando muita comida. E soube que estava “ F” , pois teriaque comer aquela “ M” toda para não magoá-la e não poderianem fazer cara feia. Mas Seth estava com a expressãoestranha e enigmática a minha frente e me arrependi de tê-loconvidado.
  • 228. Começamos a comer, então senti que e a carne estava dura emuito salgada, mas apesar disso continuava a mastigar efingir que estava bom. Enquanto Seth me olhava com cara dedesgosto e eu o chutava por baixo da mesa.Ela não comeu conosco, pois havia beliscado besteiras amanhã inteira. Então não imaginava quão ruim era aquelacomida. E agradeci por isso, pois sabia que ficaria muitochateada.- Está bom¿ - Ela perguntou sorrindo, enquanto nos olhavacomer. E Seth fazia uma cara feia, enquanto continuavachutando sua perna por baixo da mesa.- Delicioso, meu amor. Como você fez isso¿ - Pergunteirealmente preocupado, mas também aliviado por só ter feito acarne o a sobremesa ter virado torrada.- Bem! A receita dizia que tinha que lavar, depois colocar sal,pimenta, tomates, cebola e alho. E levar na pressão. Foi muitofácil. – Ela responde alegremente.- E como você fez¿ - Seth disse tossindo e tomando um copoimenso de água.- Ue! Lavei com água e sabão. Depois enxagüei, abri a panela,coloquei três colheres de sal, um de pimenta, o alho, a cebolae o tomate inteiros. – Seth quase se engasgou e dei outrochute na sua canela.- Gostaram¿ - Ela perguntou.- Está maravilhoso. – Respondi fazendo forças para engolir.Mas o pior era que o prato estava muito cheio e comer aquiloseria um grande sacrifício. E apesar disso, não a magoaria enão permitira que o meu amigo o fizesse.Nós ficamos quase duas horas comento aquela droga e quandoNess foi atender ao telefone na sala, corremos até a janela ejogamos a gororoba toda fora. E quando voltou e viu quehavíamos terminado, ficou toda satisfeita.- Seth! Está convidado para almoçar conosco amanhã. - Ela oconvidou muito feliz por ter gostado da comida.- A comida estava maravilhosa. Mas tenho um encontro comuma garota e sabe como é... – Ele respondeu olhando paramim e soube que o encheria de “ P” se magoasse minhapequena.
  • 229. - Bem! Quando quiser vir almoçar ou jantar, fique a vontade.– Ela disse muito satisfeita.Seth foi embora com cara de poucos amigos e nós fomosarrumar a bagunça na cozinha. E apesar de cansado, fiz quasetodo o trabalho, pois minha pequena ficou com nojo de lavar apanela engordurada.Os três dias que seguiram, foram desastrosos e tinham horrorde deixar Ness sozinha em casa. Pois ela conseguiu inundar aárea de serviço, quebrar a lavadora de louças, colocou tantosabão na máquina de lavar que encheu a lavanderia e acozinha de espumas, colocou um recipiente de alumínio nomicroondas e quase tocou fogo na casa. Isso sem falar nasexperiências desastrosas como cozinheira, que deixava acozinha um lixo e eu além de comer as gororobas, tinha quelimpar a sujeira. E isso me deixava com uma saudade imensada casa dos Cullens e da doce Esme.Depois de três dias, resolvi que a ensinaria a cozinhar, paraevitar comer tão mal todos os dias. E foi mais uma grandeluta, pois a sua falta de talento era tamanha, que estava medeixando com falta de paciência. Mas não a magoaria e fingiame divertir com os seus desastres na cozinha.Além de destruir os aparelhos eletrônicos da nossa casa,estava me deixando sem roupas. Mas nesse curto período,conseguiu acabar com três calcas e cinco camisas. Entãocomecei a pensar seriamente na possibilidade de contrataruma empregada, mas foi bem complicado e tive que ensinar aminha pequena como passar, lavar e cozinhar em um períodocurto de uma semana. E apesar de se esforçar, não levava omenor talento para dona de casa e isso estava me deixandoseriamente irritado, apesar de disfarçar bem, porque nãodemoraria muito para tocar fogo na casa.Ela sempre foi muito mimada pela família e nunca teve nemque lavas as suas calcinhas. Então mesmo que tentasse fazeras coisas direitinho, era mais desastrada que sua mãe esempre quebrava alguma coisa. Mas se esforçava bastantepara tentar aprender, só que o medo que tinha dela colocarfogo na casa ou se machucar seriamente estava me deixandolouco. E nossa vida sexual começou a ficar bem complicada,pois ficamos exaustos depois do dia complicado e estressante.Nossa vida estava bem complicada naquela semana detransição. E quando pensei que os meus únicos problemas
  • 230. eram os desastres de Ness como dona de casa, Seth meconvocou para uma séria reunião com a matilha.CONTINUA – LOBOS E CONFLITOS Voltar para o índice
  • 231. LOBOS E CONFLITOS escrita por GLAUCIABLACKPessoal, Jake virou bicho quando começaram a pegar pesadocom sua Ness.Olha! Nunca o vi assim tão furioso!!Espero que gostem!!AMO COMENTÁRIOS!!!LOBOS E CONFLITOSNossa vida estava bem complicada naquela semana detransição. E quando pensei que os meus únicos problemaseram os desastres de Ness como dona de casa, Seth meconvocou para uma séria reunião com a matilha.- Alô Jake! Podemos conversar lá na oficina mais tarde¿ - Sethdisse com a voz bem estranha e comecei a ficar preocupadosobre o teor da conversa.- É claro! Mas aconteceu alguma coisa¿ - Perguntei a ele,tentando descobrir o que havia acontecido.- A matilha quer uma reunião com você o mais rápidopossível... – Ele disse e depois fez um silêncio terrível.- OK! Estarei ai as sete. – Respondi secamente para ele.- Ficaremos te esperando.- Ele retrucou e desligou o telefone.Fiquei introspectivo por algum tempo, tentando imaginar oque queriam conversar de tão importante comigo. Quandominha pequena chegou à cozinha e ficou me olhando curiosa.- O que aconteceu¿ Parece preocupado¿ - Ela perguntoufranzindo a testa.- A matilha pediu uma reunião comigo. E Seth estava muitoestranho ao telefone. Então acho que algo bem sério estáacontecendo. – Respondi, andando em sua direção e apuxando para os meus braços.- Jake, amor da minha vida... – Ela sussurrou em meu ouvido.
  • 232. - Fala, minha princesa. – Respondi, beijando sua cabeça, masainda muito tenso sobre a razão da tal conversa.- Posso ir com você¿ - Ela pediu, olhando no fundo dos meusolhos.- Ness, amor! Iremos conversar sobre coisas da matilha e nãoquero que se envolva ou se preocupe. – Respondi, abraçando-a muito forte.- Tudo bem! Mas promete que não irá demorar¿ Sentirei muitoa sua falta. – Ela falou baixinho, aconchegando a cabeça emmeu peito.- Farei o possível. – Respondi e voltei para o fogão, para verse a sopa que havia deixado na panela já estava pronta.Ness e eu jantamos cedo e fui para oficina, super ansioso,para saber o que estava acontecendo de tão grava. Pois sóuma coisa realmente grave os faria pedir uma reunião comigo.Quando cheguei, todos estavam com expressões faciais bemestranhas. E tive a certeza que as coisas não estavam nadabem e que aquela conversa seria muito complicada para todos.- Boa noite! Vocês pediram para conversar e estou aqui. Entãoquem começará a falar¿ - Perguntei ao me sentar em umcarro.- Jacob, estamos aqui para perguntar como ficará a situaçãoda Ness. – Leah começou como porta voz da matilha.- Como assim situação da Ness¿ - Perguntei franzindo asobrancelha e começando a ficar muito “ P” pelo teor daconversa.- Jake! Ela virou uma loba e considerando o fato que respondea sua autoridade de Alfa, faz parte da matilha. Então quandocomeçará as suas atividades¿ - Embry perguntou, fazendouma cara de poucos amigos.- Em primeiro lugar, Ness não faz parte da matilha. E emsegundo, não fará atividade nenhuma aqui. Mas que “ C” deconversa é essa¿ - Perguntei irritado.- Olha só Jake! Tivemos muita paciência nesses primeiros dias,mas já está mais do que na hora dela se inteirar das coisas do
  • 233. bando e de começar a patrulhar conosco. – Colin falou.- O QUÊ!! VOCÊS SÓ PODEM ESTÁ BRICANDO!! VOCÊS ACHAMQUE COLOCAREI MINHA MULHER PARA FICAR CORRENDO UMMONTE DE HOMENS NUS POR AI¿ ESTÃO COMPLETAMENTELOUCOS – Gritei irritado.- ELA NÃO É MELHOR DO QUE EU!! VOCÊ VAI PROTEGER A SUAPRINCESINHA¿ POR QUE EU POSSO CORRER POR AIPATRULHANDO E ELA NÃO PODE¿ - Leah gritou com raiva,apontando o dedo para mim.- EM PRIMEIRO LUGAR, TIRA ESSE DEDO DA MINHA CARA!! EMSEGUNDO LUGAR... NÃO QUER MESMO SE COMPARAR A MINHANESS!- A provoquei com muita fúria.- TODOS ESTÃO OUVINDO ISSO¿ A FILHOTE DE VAMPIRO ÉMELHOR DO QUE TODOS NÓS! PELO MENOS PARA ELE. – Elaacusou.- NÃO ESTOU DIZENDO NADA DISSO! MAS NÃO PERMITIREIMINHA NESS NA MATILHA. – Gritei de volta.- Jake! Seja razoável, por favor. – Seth disse em tom baixo.- Razoável¿ Ness é muito frágil para sair por ai caçandovampiros.- Ela é mais forte que todos nós juntos. – Quil se intrometeuna conversa.- Vocês só podem está brincando!! PQP!! “ C” “ P” “ M” !! –Comecei a xingar todos os nomes ruins que me lembrava,muito “ P” por quererem colocar minha NEss para patrulhar.- A decisão é dela. – Disse Seth.- NÃO! NÃO MESMO!! NEM SONHADO!! MINHA NESS NÃO!- VOCÊ É RIDICULO! PASSOU ANOS AO LADO DELA EABANDONOU A MATILHA NA MAIOR CARA DE PAU. E AGORAQUER FAVORECÊ-LA POR SER SUA MULHER¿ - Leah despejoucom fúria.- LEAH! NÃO QUERO BRINCAR COM VOCÊ!! VOCÊ PODEDESPEJAR TODA A SUA FRUSTRAÇÃO EM MIM...MAS NA MINHANESS NÃO!!
  • 234. - Calma, pessoal! – Seth disse em tom apaziguador.- OK! – Respirei fundo e tentei me acalmar, mas já estavatotalmente trêmulo com a possibilidade da minha pequenacorrendo atrás de vampiro.- Vamos trazer a Ness e ela decide. – Quil disse para mim.- Não aceitarei isso de forma alguma. E não adianta falarem.- Você é o alfa e tem que dá o exemplo. Então favorecer suamulher não ajuda muito.- Brad disse calmamente para mim.- Ela não escolheu essa vida! Ela é frágil e quebrável demais.SERÁ QUE NÃO ENTENDEM ISSO!! SE ACONTECER ALGO COMELA... – Respirei fundo e fechei meus olhos, imaginandominha pequena lutando um vampiro super forte e se ferindo.- Estaremos com ela. – Quil disse, tentando me acalmar.- Seth! Vá buscar Ness e ela decidi. - Eu disse para ele.- AH!! AGORA ELE SÓ VAI DEIXAR SETH CHEGAR PERTO DOBIBELÔ DELE!! ELE NÃO CONFIA EM NINGUÉM!! ELE ESTÁTOTALMENTE LOUCO POR ESSA FILHOTE DE VAMPIRO. – Leahgritou com fúria.- QUAL O SEU PROBLEMA¿ É FALTA DE HOMEM¿ TEM RAIVAPOR NÃO TER NINGUÉM QUE TE AME COMO AMO NESS¿ VOCÊÉ UMA DESPEITADA! INVEJOSA!! – Gritei com ela.- Para com isso cara!! – Embry disse para mim, colocando-sea minha frente, pois sabia que perderia a cabeça e a encheriade porrada.- VEM!! VAI ME BATER!! – Ela gritava, provocando.- Bem gostaria, mas não sou covarde!! – Cuspi com raiva nochão, olhando em seus olhos com toda a fúria da minha alma,por falar mal da minha pequena e se pudesse a mataria por talousadia.- Jacob! Ninguém aqui escolheu essa vida, mas estamosfazendo a nossa parte. E você não pode protegê-la de tudo. –Quil disse para mim.- Não!! Eu não aceito. – Disse para ele, fechando meus olhos eapertando meus punhos, louco para explodir em alguém
  • 235. tamanha era a minha fúria.- Se quiser continuar como Alfa, terá que fazer o que é certo.– Embry disse para mim e nesse momento Ness e Sethchegaram.- O que está acontecendo aqui¿ - Ela perguntou assustada eveio para os meus braços. Então abracei muito forte e sepudesse não a soltaria mais.- ABRO MÃO DE SER O ALFA!! É ISSO QUE QUEREM!! LARGO AMATILHA!! PODEM SEGUIR O CAMINHO DE VOCÊS E NÓSSEGUIRAMOS O NOSSO! – Gritei com ódio.- Não pode abandonar a matilha. – Seth disse calmamentepara mim.- Seth tem sido ótimo todos esses anos, mas a voz dele não éde autoridade de alfa. E sem o alfa verdadeiro, ficaremostotalmente perdidos. – Colin falou.- Vocês passaram esses anos sem mim. Qual diferença faráagora¿ - Perguntei, olhando para todos que pareciamincrédulos com minha decisão.- Jake, ouça-me. – Seth começou a falar – Quando você foidado como morto, nós sabíamos que estava vivo e Samassumiu o papel de Alfa. Mas depois que você voltou, eleperdeu a voz de autoridade com a matilha.E por mais que tente cuidar das coisas, só saberemos que teráessa voz no dia que você realmente morrer. E se sair agora,ficaremos desgovernado sem um líder. Então pense bem noque irá fazer. – Ele disse, com olhos chorosos para mim.- Seth! Você é meu amigo e sabe bem o que ela significa paramim. E se for preciso abrir mão da matilha por ela... Não vounem pensar duas vezes. – Respondi, observando os olharesincrédulos com as minhas palavras.- Eu quero! – Ness disse alto e em bom som.- Não! Não e não!! – Disse teimoso.- Você não pode abandoná-los por mim. E não sou tão frágilcomo imagina, então farei isso por você. – Disse olhando nofundo dos meus olhos.- Ness eu te amo tanto que chega a doer. Então não posso
  • 236. permitir que sua vida seja colocada em risco.- Já disse que quero. Então aceite isso e vamos acabar comessa discussão. – Ela disse e me deu um monte de selinhosem meus lábios, enquanto todos olhavam impacientes.- Bem! Já que Ness concordou, vamos mostrar a escala paravocê. – Embry me passou o papel e fiquei mais “ P” ainda.- QUE “ C” É ESSE¿ POR QUE NESS ESTÁ ESCALADA TODAS ASNOITES¿ COM PARCEIROS DIFERENTES¿ QUEM FEZ ESSA “ P”DESSA ESCALA¿ - Disse gritando.-Eu! – Leah respondeu com tom arrogante e fuzilei-a com osmeus olhos.- OLHA AQUI GAROTA! ESSA MATILHA TEM 42 LOBOS E DÁPARA FAZER UMA ESCALA COLOCANDO UMA DUPLA PORNOITE. MAS VOCÊ ACHA MESMO QUE VOU PERMITIR QUEFIQUEM DE BUNDIANDO ENQUANTO NESS FAZ AS RONDAS¿QUE DEIXAREI ELA COM VÁRIOS PARCEIROS¿ TÁ LOUCA!! –Gritei com ela.- Calma cara! – Seth disse e pegou a escala para ver.- Isso realmente não é justo. – Falou para sua irmãinsuportável.- Ela é novata e os novatos sofrem mais. – Respondeu dandode ombro.- DÁ ESSA “ P” DESSA ESCALA AQUI¿ - Peguei o papel ecomecei a distribuir os nomes.- PRONTO!! DUPLAS DIFERENTES PARA CADA NOITE E NESSFICA COMIGO!! NÃO A PERMITIREI COM NENHUM DE VOCÊS.- VOCÊ É RIDICULO!! – Leah gritou.- VOCÊ É MAL AMADA! TÁ PRECISANDO ARRUMAR UM HOMEMPARA TE DÁ UNS AMASSOS E TE DEIXAR UM POUCO MAISFELIZ. AGORA A ESCALA É ESSA!! É A ULTIMA PALAVRA. –Todos me olharam assustados e foram ver como se dividiu aescala.- Meu amor! Você tem certeza que pode fazer isso¿ -Perguntei, erguendo os seus olhos para me fitarem.
  • 237. -É claro! – Respondeu com olhar assustado para mim epercebi que nunca havia perdido o controle em sua frente.Então a abracei forte e sussurrei em seu ouvido – Tudo ficarábem e prometo que ninguém te fará mal.- OK! Não concordamos, agora vamos embora antes quealguém saia na “ P” aqui. – Seth disse e peguei minhapequena pela mão, andando em direção a porta, sem olharpara ninguém, pois sair distribuindo “ P” não me custarianaquela noite.Entramos no carro e dirigi rapidamente para casa, com medode olhar para suas expressões assustadas. E quandochegamos, tivemos uma última conversa.- Ness, você não é obrigada a nada. E se for preciso, largo amatilha e partiremos de La Push.- Jake, sei que isso te fará infeliz. Então aceito o meu destinocomo os outros. E não precisa se preocupar, pois sei medefender.- Amanhã a ensinarei como lutar com um vampiro e nunca adeixarei sozinha em uma ronda... Cuidarei muito bem do meucoração. – Disse e a puxei em um beijo ansioso e voraz.Aquela noite foi complicada para mim e não consegui dormir,pois apesar de não querer perder a amizade dos meus amigos,minha pequena era tudo que tinha e mataria o primeiro queousasse fazer algum mal para ela. Mesmo que esse fosse omeu melhor amigo, seria totalmente implacável e sem piedadealguma.CONTINUA – LOBO VERMELHO E LOBA BRANCA. Voltar para o índice
  • 238. LOBO VERMELHO E LOBA BRANCA escrita por GLAUCIABLACKPessoal, estou muito cansada e não tive tempo para revisar ocap.Pretendia escrever até a conversa com os lobos e a ligação deNess para Edward. Mas não aquento mais digitar hoje pelasdores que estou sentindo em meus braços, então deixarei orestante para o próximo cap.Espero que gostem!!LOBO VERMELHO E LOBA BRANCADurante aquela noite, tive muito tempo para refletir sobre osúltimos acontecimentos da minha vida. E cheguei a me sentirum personagem de uma novela mexicana, que vive na berlindao tempo inteiro para ficar ao lado da mocinha problemática. Sóque durante as minhas inquietações noturnas, cheguei àconclusão que não adiantaria me opor ao fato de Ness fazerparte da matilha, porque essa decisão de aceitar o seu fardohavia dela. Então não tinha desculpas para t tirá-la daquelasituação, sem causar um grande estrago para todos. Masdiante disso tudo tive a certeza que precisava me manterquilômetros de distância de Leah, pois uma aproximação mefaria perder a cabeça e estrangular aquela cadela invejosa.Quando Ness acordou, fez aquele charminho matinal e apesarda minha vontade ser de deixá-la dormir até tarde, sabia queprecisaríamos iniciar o nosso treinamento naquele mesmo dia.Então tentei tirá-la da cama com muito jeitinho, apesar dassuas manhas.- Ness, minha rainha. Acorda... acorda...acorda meu dengo. –Comecei a sussurras em seu ouvido e descer meus lábios peloseu pescoço, depositando suaves beijos para tentar despertá-la.- AH!! Não... não.. não. – Ela fazia manha, com um beicinholindo em seu rosto, enquanto se encolhia na cama.- Vida minha, você anda muito preguiçosa esses dias. Sabia¿Nunca vi a pessoa sentir tanto sono. – Continuava a sussurrarenquanto beijava o seu pescoço.- Você é muito mal comigo. – Ela reclamou, virando-se para ooutro lado.
  • 239. - Eu sou o homem mais carinhoso, amável e dedicado domundo. E você é muito ingrata. – Disse, olhando em seu rostoenquanto beijava os seus dedos.- Então deixa dormir mais um pouco. – Ela se aconchegou emmeu colo e continuou com sua manha.- Ness, teremos um dia bem cheio hoje e precisamos começarcedo. – Abracei bem forte e comecei a acariciar as suascostas.- Cheio de quê¿ - Ela perguntou, fazendo mais manha.- Temos que arrumar essa casa para começar. E depois voulevá-la para o seu treinamento.- Arrumar casa¿ Você me acorda há essa hora para arrumarcasa¿ - Perguntou irritada.- Vida minha! Essa casa é enorme e não entendo como nósdois conseguimos fazer tanta bagunça... Ontem você foi ver ofilme na sala de cinema e deixou copo, prato, tem pipocas e osDVDs estão uma zona. Suas roupas estão todas espalhadas nooutro quarto e sinceramente não entendo que necessidadetem de tirar tudo para escolher uma peça. A cozinha está todazoneada e os banheiros precisam urgentemente de umafaxina. Então você será boazinha e me ajudará com essabagunça.- AH! Você não disse que arrumaria uma empregada. – Elaresmungou sem olhar para mim.- Meu anjo! Eu já espalhei cartazes por diversos lugares de LaPush e até coloquei um anúncio no jornal. Mas até agora nada,então seja boazinha e vamos começar cedo.- Estou com fome. – Ela disse para mim, fazendo beicinho esabia que traria o seu café na cama.- Seu café da manhã já está preparado e na bandeja. Quer quetraga aqui¿ - Perguntei.- Quero! – Ela respondeu, beijando meus lábios.Levei o café da manhã na cama e minha pequena estavaespecialmente manhosa e preguiçosa. Então soube que estava“ F” , porque faria corpo mole e eu acabaria arrumando tudosozinho. Mas como não queria um motivo para brigar logo
  • 240. cedo, pois a coisa que mais detestava no mundo era brigarcom ela, fingi que estava achando graça em suas manhãs,apesar se me sentir impaciente.Normalmente não era impaciente com ela, mas o fato de estáestressado demais por toda aquela situação estava medeixando um pouco chato aquele dia. E mesmo assimpretendia disfarçar o máximo para não magoá-la.Arrumar a casa naquele dia foi uma grande aventura paramim, pois mais uma vez ela conseguiu quebrar algumas coisase tinha que ser rápido na arrumação, mas também ficar deolho para não fazer nenhuma “ M” . Então quando só faltava obanheiro, ela teve a grande idéia de lavar o banheiro do andarde baixo, enquanto eu lavava o do nosso quarto.- Amor! Para terminarmos mais rápido, você lavo o lá de cimae eu fico com o daqui de baixo. Ela disse para mim.- Você só pode está com algum tipo de problema, se acha quea deixarei sozinha em um banheiro cheio de sabão.- O que pode acontecer comigo em um banheiro¿ - Elaperguntou, colocando as mãos na cintura e com expressãoirritada.- Levando-se em consideração que é tão desajeitada como asua mãe, no mínimo escorregará e baterá com a cabeça na piaou no vazo. – Disse rindo para ela.- Engraçadinho!! – Disse balançando a cabeça e dando línguapara mim.- Só quero o seu bem, meu anjo. – Respondi, puxando-a pelacintura e depositando os meus beijos em seus lábios, queestavam rígidos para demonstrar sua irritação.- Vamos logo, porque não agüento mais essa coisa de arrumarcasa. – Falou irritada.- Isso se chama casamento. Sabia¿ Pessoas normaistrabalham, arrumam casa, lavam roupas e têm um monte decoisas para fazer. Então sinto em te dizer para cair narealidade. Ou pensava que ficaríamos trancados o tempointeiro no quarto fazendo amor¿ - Perguntei fitando os seusolhos.- Isso é muito chato. – Respondeu impaciente, virando o rosto
  • 241. para não me olhar.- Vida minha, tenho feito tudo para tornar isso mais fácil paravocê. E para mim também é bem complicado, mas faço opossível para tornar essa transição mais tranqüila possível. Sóque você precisa me ajudar e não pode ficar com essa manhatoda. – Disse virando o seu rosto e ela não me respondeu.- Vamos ao banheiro¿ - Perguntei e ela assentiu com a cabeça.Fomos para o primeiro banheiro e ela continuou bemimpaciente, mas preferiu não falar nada. E apesar de tentarnão demonstrar a minha irritação, estava muito estressadoaquela altura do campeonato. Contudo uma discussão naquelemomento seria bem complicado e preferi me manter calado.Depois que lavamos os dois banheiros, tomamos os nossosbanhos, separados, e começamos as nos preparar para nossatarde na floresta.- Ness, querida! Coloque um short, uma top e um vestido paracima para facilitar a troca da roupa. Mas olha bem o tamanhoda roupa que vai colocar. – Disse para ela após colocar umabermuda jeans, sem fitar o seu rosto. Ela havia saído do seubanho e ainda enrolada em uma tolha, sentou-se na cama eficou me olhando.- Você está com ciúme¿ - Ela perguntou rindo das minhaspalavras, enquanto brincava com os cachos dos cabelos.- Só estou cuidando do que é meu. E não quero vocêdesfilando por ai semi nua. – Respondi e me dirigia para aporta do quarto.- Você é tão absurdo. – Balançou a cabeça em sinal denegativo.- Não consigo nem suportar outro homem olhando edesejando o seu corpo. – Parei na porta do quarto e olhei paratrás para ver sua expressão.- Eu não tenho olhos para ninguém. - Ela respondeu,penteando os cabelos.- Eu confio em você plenamente, mas não confio neles. –Disse franzindo as sobrancelhas, enquanto a olhava sentadama cama,linda, deliciosa e penteando os cabelos.
  • 242. - Você acha que alguém me atacaria¿ Está ficando neurótico.– Respondeu sem me olhar.- Você não sabe o quanto seu cheiro é atrativo e delicioso. Enão percebe os olhares dos caras para você. Mas se alguémousasse a encostar um dedo em você... mataria sem pensar. –Falei para ela.- Ninguém olha para mim e você já fica todo irritadinho.- Só estou cuidando do que é meu. - Sai do quarto e a deixei searrumar, então fiquei na sala pensando em como seria essanova vida de lobos.Depois de algum tempo, ela desceu as escadas com umvestido azul bem largo e uma sapatilha branca.- Estou bem assim¿ - Perguntou, dando um giro de 360 grauspara eu ver a sua roupa.- Por enquanto está, mas veremos o top e o short depois quetirá-lo. – Respondi e peguei a sua mão, para guiá-la até aporta de saída.Nós corremos em direção à floresta, paramos em frente aotronco de uma árvore e começamos a conversar, sobre a nossarelação.- Jake! Você está aborrecido comigo¿ - Ela perguntou, olhandoem meus olhos enquanto eu acariciava o seu rosto.- Não, mas não gosto quando você faz pirraça... Sabe muitobem que faço de tudo para te agradar e te fazer feliz, entãonão precisa ficar fazendo manha como uma criança... –Respirei fundo e continuei. – Sabe vida minha que está sendomuito difícil para mim também, e que estou muito estressadoe impaciente hoje. Mas estou fazendo uma força enorme paranão brigar com você. Então me ajude um pouquinho e tentecompreender o meu lado. – Respondi, segurando o seu rostocom as duas mãos e fitando os seus olhos enquanto falava.- Desculpa! Está tão difícil para mim e achei que as cosiasseriam diferentes para nós.- Ela respondeu com os olhoscheiros de lágrimas.- Vamos fazer o seguinte... – Respirei fundo novamente –Quando estivermos aborrecidos um com o outro, é melhorficar cada um em seu canto para evitar dizer algo que possa
  • 243. magoar. Podemos fazer assim¿ - Perguntei.- È claro! Desculpa! Desculpa! – Ela pediu novamente quasechorando.- Não tem nada o que desculpar, mas agora é hora decomeçarmos o nosso treinamento. – Disse em me afastei dela.- Bem, pode tirar o vestido e as sapatilhas e deixar bem aqui.E quando voltarmos, você os coloca novamente. Mas amarreisso no tornozelo e depois prenda o short e o top. – Disse paraela.Ela tirou o vestido e ficou somente de short e top, deixando-me mais enciumado pelo tamanho da roupa.- Ness, está muito curto. – Disse para ela, olhandoapreensivo.- Jacob Black! Só estamos nós dois aqui, então pare com esseciúme bobo. – Ela disse rindo, passando os dedos em meuslábios.- Seu corpo está diferente. – Disse, analisado suas curvas,que estavam mais acentuadas, pernas mais grossas, quadrismais largos e os seios também pareciam maiores.- Está melhor¿ - Perguntou mordendo os lábios.- Está mais mulher, mais sensual, mais... gostosa. – Disserindo para ela.- Antes eu não era¿- Fez uma careta.- É claro que era, mas agora parece diferente... Não seiexplicar! – Respondi para ela.- Jake! Sinto falta de você... Há quatro dias nós não... – Elarespirou fundo e virou o rosto.- Desculpa meu amor! Estou tão cansado dessa vida de donode casa, que ao terminar o dia só penso em deitar edescansar. Mas prometo que mais tarde te darei um pouco deatenção.- Promete¿ - Perguntou fazendo beicinho enquanto me olhava.- Prometo! Mas agora eu vou para o outro canto tirar essa
  • 244. roupa e me transformar, e você faça o mesmo. – Disse paraela.- Pra que vai para outro canto¿ Como seu eu não conhecessecada pedaço do seu corpo. – Ela riu.- Prefiro assim. – Respondi e comecei a andar na direçãooposta.Quando voltei, já estava na forma da linda loba branca e mepermiti admirar a minha loba por alguns instantes.- Ness! Você está linda! - Disse enquanto corríamos.- E você é o lobo mais lindo do mundo. – Ela respondeu.- Olha só, vamos correr para o Sul, pois quero te levar até oinicio das terras dos Quileuts e depois nos dirigiremos para onorte, até Ozette. Mas corra de vagar, pois é mais rápida doque eu e não conseguirei seguir o seu ritmo.- Você é quem manda! Senhor Alfa. RARARa - Ela respondeurindo e começamos a correr juntos pela terras dos Quileuts epude mostrar para ela todo o percurso que faríamos e nossaronda.- Jake! Vamos parar um pouquinho para namorar¿ - Ela dissepara mim, enquanto corríamos muito rápido pela floresta.- Não estamos aqui a passeio! E você começará a ter idéias eestou ferrado. Então vamos nos concentrar no seutreinamento.- Você está chato hoje! – Respondeu para mim.- Agora não sou seu marido e sim o seu Alfa. Então meobedeça. – Disse para ela.Nós corremos por quase duas horas e foi uma experiênciaincrível patrulhar com a minha pequena. E enquanto corria aminha frente, admirava o seu lindo pêlo branco sendo levadopelo vento e também à destreza que possuía em seusmovimentos tão graciosos. Fazendo a sua beleza como lobonão deixar nada a desejar a perfeição de mulher. E se nãofosse pela cor dos seus pêlos mais pareceria um rosksiberiano, de tão bonita que era, o que me deixava ainda maisapaixonado.Estava admirando o máximo que pude a beleza distinta da
  • 245. minha loba, então acabamos cruzando com Leah e Embry quetambém patrulhavam aquela manhã. E o clima começou a ficarbem tenso entre nós e apesar de querer muito evitar um novoconfronto, não pude controlar a fúria de Ness que a surrou.- AH! O casalzinho resolveu passear hoje! – Disse com aqueletom irritante e debochado.- Estou ensinando as coisas para Ness. – Respondi para ela.- Que bonitinho!! O lobo vermelho e a loba branca!! Queamorzinho!! Acho que não vai deixar nenhum dos lobosdesfrutarem da companhia dela. Não é¿ Tem medo que afilhote de vampiro se enrosque com algum deles. E levanto-seem consideração o fogo que ela tem... Isso não seria difícil deacontecer. – Leah dizia ironicamente.- O QUÊ¿ VOCÊ ESTÁ ACHANDO QUE SOU ALGUMA VADIA¿ QUEANDARIA COM UM DOS LOBOS¿ EU VOU TE MATAR!! – Nessgritou e partiu para cima de Leah.Apesar de não querer ver minha pequena machucada, estavagostando muito das mordidas que a loba branca dava naoutra. Quando a luta terminou, Leah estava muito machucadae com mais raiva do que antes. Então Embry a levou antes queNess voltassem a se confrontar e o estrago fosse ainda maior.Depois que se foram, Ness ficou totalmente frenética e pareciaque explodiria de tanta raiva. Então aproveitei toda a suaadrenalina para começar a segunda parte do nossotreinamento.- Vida minha! Você precisa prestar muita atenção nosmovimentos do seu adversário. E nunca o deixar segurar o seucorpo durante a luta, pois pode partir você ao meio. Então olhepara os meus movimentos e depois tente repeti-los.Comecei a movimentar o meu corpo em pleno ar, como seestivesse me desviando de ataques e pedi que ela tentasserepetir os movimentos. Mas eles eram lentos e não tinhammuita agilidade, então voltei a minha forma humana e comeceia simular seu oponente.- Quanto tentar se defender, não se esqueça que precisa de
  • 246. muita agilidade para girar o seu corpo e tentar morder osbraços e cabeça antes que possa te segurar. Vamos tentar!.- Ai! Assim você me machuca! – Ela disse irritada.-Antes eu te apertar um pouco, do que um vampiro deesmagar. Então vamos mais uma vez!Continuamos a tarde inteira naquele treino, mas apesar de sermuito rápida não conseguia evitar os ataques. Então nãopermiti que parasse o treinamento até que conseguisse sedefender,mesmo reclamando o tempo inteiro de cansaço- Amor! Vamos parar!- Não!! Só pararemos quando você for capaz de desviar dosmeus golpes! Eu estou na forma humana e sou mais lento quevocê e não é capaz de se proteger de mim. Agora imagina seeu fosse um vampiro¿ Já estaria morta!! Então não pararemosaté que aprenda, mas se isso não der certo farei o possívelpara evitar que faça rondas.- Jake, saberei me defender em uma luta.- Eu ficarei tão preocupado com você, que acabarei memachucando. E assim nós dois estaremos mortos.- Você está muito nervoso!- Tenho muitos motivos para ficar assim e o principal deles évocê. Então não adianta choramingar, porque agora não sou oseu Jake e sim o seu Alfa.Continuamos mais algumas horas de treino e apesar de estáexausto por repetir alguns movimentos com Ness, nãodescansaria enquanto não estivesse pronta para se defenderde um ataque. E estava disposto a levar aquele primeiro dia detreinamento ao extremo para isso.A tarde estava terminando e o céu começou a escurecer, masnão tinha intenção de voltar para casa tão cedo. Quando derepente Ness ficou frenética e correu muito rápido para onorte. E apesar de tentar acompanhá-la, era infinitamentemais rápida do que eu. Então quando finalmente a encontrei,estava lutando um dois vampiros e entrei na luta paraprotegê-la.Os vampiros começaram a correr rapidamente para o sul e nós
  • 247. os seguimos bem de perto. Mas quando pararam, deram umsorriso malicioso para nós e simplesmente sumiram no ar, emnossa frente e nos deixando totalmente atônitos. E o que acheimais estranho, foi o fato de já ter cruzado com aquele vampirono dia da transformação de Ness, onde sumiumisteriosamente sem deixar nenhum rastro ou cheiro paraseguirmos.Ness continuou frenética por um tempo e foi bem difícilacalmá-la. Então quando finalmente conseguiu se controlar,corremos de volta para La Push para contar o que haviaacontecido para os outros. E no meio do caminho, fizemoscontato com Leah e Embry.- Emby! Vá para casa e chame os outros, pois precisoconversar com todos urgentemente em minha casa. – Fiz acomunicação com Embry, enquanto corria até o local ondeNess deixara as suas roupas.Nesse colocou suas roupas e corremos na forma humana paraa nossa casa, onde encontramos a matilha nos esperando naporta. E pretendia contar sobre o misterioso vampiro quetinha o poder de sumir no ar, sem deixar rastros.CONTINUA - INVASOR Voltar para o índice
  • 248. LOBO VERMELHO E LOBA BRANCA - CONTINUAÇÃO escrita por GLAUCIABLACKPessoal, esse é o pedaço que ficou faltando escrever ontem anoite.Fiz em meu horário de almoço e espero que gostem.bjusLOBO VERMELHA E LOBA BRANCA - CONTINUAÇÃONess e eu corremos para a casa e quando chegam lá,encontramos os nossos irmãos lobos nos aguardando, comcara de indignação por aquela convocação tão repentina. Masassim que entramos, os levei para enorme sala de jantar epedi que se aconchegasse, enquanto Ness ligava para Edward,para tentar descobrir a identidade do misterioso vampiro esua parceira.- Pai!! Estou morrendo de saudade. – Ela disse, com os olhoscheios de lágriams. – E a mamãe? Está tudo bem por ai? AhTa? Mas gostaria de saber se já cruzou ou ouviu falar dealgum vampiro que some no ar, sem deixar pistas? – Ela fezuma pausa e continuou.- E quando falará com ele? OK! Então me liga assim quesouber de algo. Beijos! – Ela disse e desligou.- Falou com ele? E o que disse? – Perguntei enquanto osoutros nos olhavam curiosos.- Ele ligará para Eleazar e procurar saber de algo para nós. Edepois que tiver a resposta, nos ligará. – Ela respondeu,sentando-se ao meu lado.- Qual o motivo dessa reunião? – Nike perguntou.- Nós cruzamos com um vampiro que simplesmente sumiu nanossa frente... evaporou.- Como foi isso? – Perguntou Seth.- Estávamos patrulhando no sul de La Push e Ness correu paraOzette. E quando consegui chegar lá, estava lutando com umcasal de vampiros. Então entrei na luta e eles fugiram, maspara a nossa surpresa, em dado momento ficaram parados nos
  • 249. olhando e sumiram a nossa frente, sem deixar rastro algum. –Respondi e todos pareceram incrédulos.- Era o mesmo vampiro que encontrei no dia da minhatransformação. – Ness falou.- Você quer mesmo dizer que ela conseguiu sentir o cheirodeles de uma distância tão grande? Não posso acreditar!! –Embry falou.- Se for verdade que existe um vampiro que some no ar,estamos ferrados. – Quil disse, fazendo uma careta enquantoos outros o olhavam.- Esse é o motivo que os chamei aqui. – Respondi para ele.- E como teremos certeza? – Leah perguntou mal humorada.- Um dos parentes dos Cullens, pode sentir os dons dos outrosvampiros. E já fez parte da guarda dos Volturis. Então Edwardfará contato com ele para saber se sabe de algo.Todos ficaram em silêncio por alguns segundos e o celular deNess tocou.- Pai! Falar! AHHH!! Tem certeza? OK! Avisarei aos outros. –Ela disse e se virou para me olhar.- O que ele disse? – Seth perguntou curioso.- Esse vampiro se chama Michael e Eleazer o encontrou háalguns anos atrás, quando foi capturado pelos Volturis. E peloque disse esse vampiro podia se transportar para outroslugares, usando a força da sua mente e levar outros vampiroscom ele. Só que nessa época era um recém nascido e nãotinha controle sobre os seus dons. E em dado momento fugiude Volterra e nunca mais tiveram noticias dele.- Mas ele sabe algo mais sobre ele? – Perguntei curiosa.- Não temos muitas informações, mas Alice irá tentar ver ofuturo e nos avisará se houver algum perigo. – Ela respondeufranzindo a sobrancelha.- Temos que refazer a escala e colocar três duplas por turnopara cobrir o território. – Disse e todos protestaram.- OK?
  • 250. - NÃO!!- ISSO NÃO É JUSTO!- FALA SÉRIO!!!- Hey! Vamos pensar logicamente!! Temos um vampiro e umaparceira que podem se transportar por ai, sem deixar rastrosentão temos que cuidar melhor do território. – Disse com tomenfático para eles.- Concordo com você. – Disse Seth.- Seth! Pode me passar a escala? – Pedi e ele me passouprontamente.Comecei a redistribuir as duplas e o território onde seposicionariam. E todos estavam bem chateados, mas nãotinham como contestar a minha autoridade de Alfa.Depois da reunião, Embry teve a infeliz idéia de contar aosoutros sobre a surra que Ness deu em Leah. E o climacomeçou a ficar bem tenso novamente entre as duas, mas useia minha autoridade para evitar uma nova briga.- Pessoal! Vocês perderam a briga de Ness com Leah!! Foisimplesmente emocionante e Leah apanhou muito. – Embrydisse rindo.- Leah apanhou da Ness? RARARARARARA – Quil estavammorrendo de rir.- Eu dava tudo para ver essa briga!! – Colin estava muito felizpela noticia.- Vocês estão achando muita graça!! Não é? Mas terei a minharevanche e essa filhote de vampiro vai me pagar caro. – Leahdisse apontando o dedo para Ness.- VEM QUE TE ARREBENTO NOVAMENTE!! – Ness gritou comela, que partiu para cima de Ness.- EU MATO VOCÊ!! – Leah gritava com muito ódio.- VOCÊ NÃO PODE COMIGO SUA CADELA VIRALATA!! – Nessgritou de volta e eu interrompi a briga.
  • 251. - CHEGA!! AS DUAS CALADAS!! LEAH VAI EMBORA JUNTO COMOS OUTROS E NESS VAI TOMAR O SEU BANHO ANTES QUE MEIRRITE COM VOCÊ TAMBÉM!! - Gritei e todos me olharamassustados.Ness foi para o quarto muito “ P” por eu ter gritado com ela,mas não iria pedir desculpas pelo que havia feito. Pois elaprecisava dá o exemplo, sendo minha mulher e não poderiaficar batendo boca com Ness.Depois daquele dia, aumentei a carga de treinamento comNess e levava Quil, Embry e Seth, para treinar aquelessimultâneos. E cada dia que se passava, ela ficava mais ágil emortal para os adversários e isso me deixava menospreocupada.Sua força e os movimentos precisos a tornariam uma armaletal contra qualquer vampiro. Mas ainda precisava controlaros ânimos e evitar explodir por qualquer motivo.CONTINUA - INVASOR Voltar para o índice
  • 252. INVASOR escrita por GLAUCIABLACKPessoal, estamos na reta final e pelas minhas contas faltamapenas seis caps para terminar a trama.Então espero realmente que estejam gostando e que mefaçam muito feliz, postando os seus comentários.Espero que gostem do cap.AMO COMENTÁRIOS!! OBRIGADA PELOS 83 COMENTÁIOS EMDOIS DIAS!! ESTOU TENTANDO RESPONDER A TODOS!!INVASOROs dias que se seguiram foram complicados para nós dois emesmo com o coração em frangalhos por exigir tanto deminha Ness, tinha que continuar a ser duro com ela para o seupróprio bem. Então fazíamos treinos exaustivos todos os diasem que não estávamos patrulhando. E ela parecia bemcansada, mas estava amadurecendo muito rápido, fazendo opossível para colaborar tanto nos treinos quanto nas tarefasde casa. Mas às vezes ficava manhosa e chorava sem motivoalgum, deixando-me muito mal por exigir tanto dela.Em casa as coisas começaram a se ajustar e ela aprendeu anão fazer tanta bagunça, e estava ficando muito organizadacom as nossas coisas, apesar de sempre quebrar algo poronde passava. Então realizar as tarefas do dia a dia começou aficar mais leve para mim, uma vez que podia confiar que eladeixaria tudo limpinho e não se machucaria.A nossa vida sexual estava um total desastre, porque além decuidar de uma casa tão grande, tinha que treinar com Nesstodas as tarde e patrulhar constantemente durante a noite.Não deixando muita disposição para as brincadeiras que tantogostava de fazer. E isso há deixava um pouco mal humoradaàs vezes, mas quando ela pensava em reclamar pensava duasvezes ao perceber o meu estresse. E isso não ajudava nada emnossos momentos românticos.Por todos os problemas e dificuldades que estávamospassando, resolvi fazer uma surpresa para Ness. Então fiz umareserva no restaurante mais caro e bem freqüentado e PortAngeles, para dá um pouco de alegria para minha pequena. Enaquela tarde, quando contei para ela do plano de noitada, viminha vida tão feliz que me esqueci de todos os problemas
  • 253. que nos cercavam e me permiti relaxar um pouco, para viver omomento com minha vida.Ness estava uma gata maravilhosamente gostosa, com umvestido tomara que caia preto bem curto, que moldavaperfeitamente o seu corpo de violão e me deixava totalmentemaluco de tanto tesão. E me fazia imaginar como aquela noiteseria maravilhosa para nós.Peguei meu Hylux e fomos para Port Angeles por volta de setehoras. E quando chegamos ao local, todos nos olharamadmirados e fiquei imaginando como ficávamos lindos juntos,deixando muitos com muita inveja. Então nos dirigimos para anossa mesa e depois de algum tempo fitando o olhar da minhavida, e acariciando a sua suave mão, resolvemos fazer o nossopedido. E estávamos com tanta fome, que comemos muitomais do que estávamos acostumados e cheguei a estranhar aquantidade de comida que minha pequena devorou, mascontinuamos com a nossa fome de leão e leoa, repetindo ojantar por duas vezes.Depois do nosso farto jantar resolvemos esticar em uma boateque ficava próximo do restaurante. E a nossa noite prometiafortes emoções. Chegando a começar muito bem logo deinício, pois dançamos colados na pista, em um clima supersensual, por horas. Mas como nem tudo é perfeito, minhapequena resolveu beber um pouco de vinho e como não acheique faria mal algum, permiti que bebesse um, dois, três,quatro e quando partiria para o quinto copo, não permiti quecontinuasse devido ao óbvio fato de está totalmente alterada.Então percebi que suas atitudes estavam passando de certolimite de moralidade, que faria ela me tarar no meio da pistade dança, e resolvi levá-la para casa.Carreguei minha pequena para o carro, segurando-a pelacintura, enquanto falava alto e cria totalmente sem noção dequão ridículo eram aquela atitudes. E quando chegamos aocarro, que estava parado na esquina da boate, ela se soltou demeus braços, subiu no carro e começou a gritar absurdos,enquanto dançava de braços abertos.- JAKEEEEE!!! EU KERU VOCE!! KERU TANSAR MUTO A NOTETODA!! MI FAZ GOZAAAAA!! JAKEEE GOTOSO!! UAHUUUUU!!RARARARA !! VEIM AKI TOTOSO!!!! FAZ TOTOSO COMIGO!!!! –Ela gritava tudo de forma estranha e estava me matando devergonha e de raiva.
  • 254. - NESS!! DESCE DAÍ AGORA!! VOCÊ VAI ACABAR CAINDO E SEMACHUCANDO!! DESCE LOGO!!! – Gritei com ela e nãodemorou muito, ela escorregou e cai. E por sorte e reflexostão bons, consegui segurá-la antes que se machucasse com aqueda. Mas estava muito “ P” e pela primeira vez tivevontade de lhe dá umas palmadas.Coloquei-a no carro, prendi o cinto de segurança e entrei semfalar nada, tamanho era a raiva que sentia. E não via à hora dechegar a casa, para que tudo aquilo acabasse e pudesse meacalmar. Mas ela continuou as suas crises de bêbada durante aviagem, soltando o seu cinto e colocando-se na minha frenteenquanto tentava me beijar e tirar as minhas roupas.- NESS!! PARA COM ISSO!! VOCÊ VAI ACABAR MANTANDO ANÓS DOIS!! PQP!! - Gritava enquanto tentava tirá-la do meucolo, então percebi que iríamos bater em um posto e meuúnico instinto foi pisar no freio e segurá-la bem forte, paraevitar que o seu corpo fosse arremessado do carro.- PQT! VOCÊ ESTÁ LOUCA! NUNCA MAIS A DEIXAREI BEBER!!!ESTOU DE SACO CHEIO DISSO TUDO!! MAS QUE “ C” !! PQP!!!– Comecei a gritar nervoso, depois que o carro parou muitopróximo de bater no poste. E por um milagre consegui pararantes. Mas enquanto gritava furioso de raiva, não percebi queestava chorando.- Jak! Jak!! Decupa!! Pedoa eu! Jak! – Ela chorava e soluçava,enquanto eu prendia o cinto novamente.- “ P” ! NÃO QUERO BRIGAR COM VOCÊ, MAS ESTÁ METIRANDO DO SÉRIO. ENTÃO FIQUE BEM QUIETA E NÃO FALECOMIGO ENQUANTO ESTIVER NERVOSO. – Gritei com ela, semolhar em seu rosto. E sabia que se a fitasse chorando daquelejeito, iria desmoronar e perder totalmente na moral com ela.Então continuei a dirigir, mesmo morrendo de vontade detomá-la em meus braços e pedir perdão pela forma que haviagritado e xingado.Quando chegamos à frente da nossa casa, sai do carro, dei avolta e a peguei no colo. Depois tranquei o carro e a carregueipara dentro de casa, passando a chave na porta depois deentrar.Levei minha pequena para o banheiro, tirei as suas roupas eseus sapatos, coloquei-a de baixo da água fria do chuveiro e adeixei por um tempo, para tentar despertar enquanto refletiao quão “ P” eu estava depois que ela estragou a nossa noite,
  • 255. quase nos matou, fez uma cena no meio da rua e aindaarranhou meu carro novo com o seu salto alto. E a últimaparte estava realmente me deixando muito “ P” .Depois de um tempo, tirei-a de baixo da água e a sequei com atoalha. Então peguei a camisola que estava pendurada nosuporte da parede, vestindo-a rapidamente e levando para acama.- Ness,vida minha. – Respirei fundo, tentado deixar toda aminha frustração passar – Fica deitadinha ai, pois farei umcafé bem forte para você e já volto. – Disse para ela e beijeisua testa, antes de sair do quarto.Estava na cozinha e o café estava quase pronto, quandoescutei seus gritos de pavor.- NÃO!! NÃOOOOOO!! JAKEEEEEE!! SOCORRROOOOO!!JAKEEEEE! – Corri para o quarto desesperado e percebi que aporta estava trancada, deixando-me ainda mais desesperado.- ME SOLTA!! ME SOLTA!! JAKKKKKKKEEEEE!! MESOLTAAAAAAA!!! AHAHAHHA!! – Ela gritava freneticamente,então arrombei a porta do quarto. E quando entrei a virasgada, arranhada e muito vermelha.- NESS!! NESS!! O QUÊ ACONTECEU¿ OH!! MINHA PEQUENA!! –Eu a abracei e ela chorava compulsivamente, sem conseguirfalar nada. Então senti um cheiro forte de vampiro no quarto,o que me deixou ainda mais preocupado.Aconcheguei-a em meu peito, enquanto pegava o telefone namesa de cabeceira e liguei para o Edward.- Alô! Sou eu Jake!- O que aconteceu¿ - Edward perguntava com a voz tensa.- Nossa casa foi invadida pelo vampiro e Ness atacada emnosso quarto. – Disse para ele, acariciando os cabelos deminha pequena, enquanto chorava baixinho em meu peito.- Vamos para ai! – Edward diss.- OK! Estou esperando vocês. – Disse e desliguei, teclando emseguida o número de Seth.- Alô! Seth!
  • 256. - Fala Jake! – Respondeu mal humorado, devido à hora que euhavia ligado.- Sei que já são duas horas da manhã, mas preciso que reúnaos outros e vasculhem o perímetro da minha casa.- O que aconteceu¿- Aquele vampiro entrou em meu quarto e atacou Ness. –Respondei.- Mas como¿- Não sei!! Eu não passou por mim e a porta estava trancada...Tudo isso é muito estranho. – Disse para ele.- Estamos indo para ai. – Ele disse e desligou.Fiquei acariciando minha pequena e tentando fazê-la seacalmar.- Vida minha! Conta o que aconteceu. – Disse, olhando emseus olhos inchados de tanto chorar.- Eu num cosigui vira loba!! Tava com meduuuu deli e numconsigui. – Ela chorava muito.- Não tem problema, meu anjo. Cuidarei muito bem de você eninguém fará mal. – Disse, beijando sua testa.Peguei Ness em meu colo, fui com ela até o closet no outroquarto e quando cheguei lá, senti novamente o cheiro dovampiro. E para minha surpresa, havia roupas espalhadas portodos os cantos do quarto. Mas não tinha tempo para mepreocupar com o que faria com nossas roupas, então coloqueium vestido em minha pequena e a levei para sal.Quando cheguei à sala, os Cullens e os lobos já estavam lá,com expressões preocupadas em suas faces.- Como vocês entraram aqui¿ A porta estava trancada. –Disse, colocando Ness sobre o sofá.- Arrombamos!! Para que trancas se os vampiros conseguementrar em passar pela porta¿ - Edward disse.- OK! OK!! Temos que descobri o que está acontecendo. –
  • 257. Disse balançando a cabeça, enquanto Bella corria até o sofá ecolocava Ness, ainda chorando, em seu colo.- Ness! Ness! Minha bonequinha!! Como você está¿ Sentimostanto a sua falta!! Meu amor!!- Ela beijava e acariciava suafilha, que só fazia chorar sem parar.- Eu a deixei no quarto, para fazer um café porque estavamuito bêbada. Então ouvi os gritos e corri, mas a porta estavatrancada. E quando arrombei, Ness estava toda rasgada,machucada e chorando muito. Mas não havia ninguém noquarto, além do cheiro de vampiro.- Ele saiu sem deixar rastro novamente! – Disse Edwardfranzindo a sobrancelha.- O que vamos fazer agora¿ - Disse Seth.- Coloque todo mundo para varrer essas terras. – Disse paraele, sentando no sofá e colocando os cotovelos em meusjoelhos, enquanto as minhas mãos estavam arrancando os fiosdos meus cabelos, dado o desespero que sentia ao perceberquão frágil éramos diante desse inimigo. E temendo pelo quepoderia acontecer com a minha pequena.- Acalme-se! Disse Jasper, passando uma estranha sensaçãode paz para mim.- Ele poderia tê-la matado. – Disse, com a cabeça explodindode tanta dor, dado aos acontecimentos daquela noite, quepretendia que fosse perfeita e que estava se transformandoem um pesadelo.- Onde o cheiro é mais forte¿ - Carlisle perguntou.- No quarto e no closet. – Respondi, enquanto todos pareciambaratas tontas, andando de um lado para o outro, comexpressões que eram um misto de pavor e medo.Todos foram até o quarto, para sentir o cheiro do invasor efiquei na sala com Bella e Ness, vendo como ela ainda estavaem pânico. Então fui até a cozinha, pequei um copo de café elevei para ela beber.- Ness,vida minha! Bebe um pouco desse café. – Disse,passando o café para ela, que ainda estava chorando no colode Bella. Então ela bebeu e ficou me olhando com aquele jeitoassustado, e quis fugir para ela e evitar que esses vampiros
  • 258. malucos se aproximassem de minha pequena. Então senti nosofá ao lado de Bella e ela pulou para o meu colo, agarrando-se em meu pescoço.- Cuidarei de você! Não permitirei que ninguém te faça mal. –Disse,dando vários selinhos em seus lábios.- Estou com medo. – Ela sussurrou e percebi que todosestavam na sala nos olhando.Quando Edward ameaçou a falar, Ness começou a tremerfreneticamente e a ficar nervosa novamente. Então em doissegundos, pulou do meu colo, ainda tremendo muito e Edwardgritou:- Ela vai se transformar!! Bella, afaste-se dela!! – Ele disse equando percebemos a enorme e linda loba branca estava nasala, com uma fúria desproporcional correndo até a cozinha efomos atrás dela.- Ness!! Ness! O que está acontecendo¿ - Perguntava nervoso,vendo a cheirando os cantos da cozinha. Então a lobo se atiroucontra a janela e começou a correr rapidamente.Transformei-me no lobo castanho avermelhado e corri atrásdela, seguido pelos vampiros e pelos lobos. E depois de unsdois quilômetros ao sul de La Push, ela parou em uma campinae vimos duas cruzes fixadas no chão, com nossas roupasespalhadas ao redor dela. Mas não havia nenhum vampiro,além do cheiro fresco no ar.- Ness!! Ness!! Eu a chamava, enquanto voltava assustadapara a sua forma humana.- Ele estava lá!! Estava na cozinha me chamando. – Ela dissechorando.- Filha! Olha para mim e tente se lembrar de tudo, para euentender o que está acontecendo. – Edward disse, colocandosua jaqueta para cobrir seu lindo corpo, que estavacompletamente nu.Eles ficaram se olhando por alguns segundos e ninguém dizianada enquanto ele lia a mente dela. Então finalmente quebrouo silêncio e começou a falar.- Ele é um perseguidor e a caçada é a sua vida.
  • 259. - Como¿ - Perguntei se entender.- Ele tem o mesmo olhar de Felix e de James... A mesmacobiça por sua vítima! Isso é um jogo para ele.- Um jogo¿ - Bella perguntou.- Ele poderia ter matado Ness na primeira vez que a viu, masquer que isso seja muito interessante. Então está jogando comela. – Disse, abraçando a sua filha, da mesma forma que fizna sala. E percebi que se dependesse dele, fugira com ela parao mais longe possível.- O que podemos fazer¿ - Perguntei assustado e com medo porminha pequena.- Temos que encontrá-lo antes que ela a mate. – Edwardrespondeu, com expressão de dor em seus olhos.Depois da estranha conversa naquele cemitério improvisado,fomos para a casa e tomei um banho com minha pequena.Pensando em todos os acontecimentos de nossas vidas etemendo pelo que pudesse acontecer. Então a enxuguei edepois que coloquei sua roupa, deitamos para dormir. Masapesar de exausto, não consegui pregar os olhos aquela noitee não pretendia dormir nenhuma outra, enquanto minhapequena corresse perigo de vida.Na manhã seguinte, quando finalmente estava quase pegandono sono, percebi minha Ness correr para o banheiro e escuteio estranho barulho dela vomitando. Então corri para obanheiro e tentei ajudá-la, mas estava passando tão mal, querejeitou a minha ajuda.- Vida!! O que está sentindo¿ - Perguntei, passando as mãossobre os seus cabelos, enquanto estava ajoelhada em frenteao vaso, ainda vomitando muito.- É só reflexo da bebedeira de ontem. – Ela disse, sentando-seno chão, encostada na parede. E eu fiquei parado de pé, emfrente à porta de braços cruzados.- Você tem algum remédio para beber¿ - Perguntei angustiadoe tentei me dirigi até ela, mas ela colocou a mão para que nãome aproximasse.- Onde você colocou a caixa de remédios que trouxemos¿ - Elaperguntou, dirigindo-se para o banheiro novamente e
  • 260. vomitando novamente.- Em uma dessas gavetas. – Respondi e ela levantou, sedirigindo para o armário do banheiro e abriu a gaveta, aprocura de remédios. E de repente ficou parada com olharestranho.- O que foi¿ - Perguntei curioso.- Esses pacotes de absorvente... Estranho!- O que é estranho¿ - Perguntei.- Acho que estou atrasada... Tem quatro pacotes aqui.- Eu comprei dois esse mês e os outros já estavam ai. –Respondi para ela, que estava com o olhar perdido.- Você sabe se Leah tem ciclo menstrual¿ - Perguntou, lavandoo rosto.- Não faço a menor idéia. – Respondi.- Pode ligar para o Seth e perguntar¿- Posso! Espera um pouco. – Disse e fui para o quarto fazer achamada, enquanto ela escovava os dentes.Conversei com Seth e ele não soube informar sobre o ciclomenstrual de Leah e ficou de perguntar,e depois me retornar.Então voltei para o banheiro e fiquei observando minhapequena em frente ao espelho, se olhando de maneirainquisitiva. E depois de alguns minutos, o telefone tocou evoltei ao quarto.- Alô! Seth.- Leah não quis dizer quando soube que você quem perguntou.Sinto muito.- AH! Tudo bem! Obrigada assim mesmo. – Respondi edesliguei.Voltei para o banheiro e tomamos banho juntos, aproveitandoos poucos momentos de tranqüilidade que ainda nosrestavam. Depois nos enxugamos e nos vestimos, voltandopara o quarto e nesse momento uma batida de leve na porta.
  • 261. Toque!! Toque!!- Entra!! – Respondi, sabendo de quem se tratava.- Olá casa!! – A baixinha perereca saltitante pulava batendopalmas e jogou uma máscara para Ness.- O que é isso¿ - Ness perguntou, sem entender.- Para evitar o nosso cheiro. – A outra disse.- OK!! Isso facilita um pouco, mas não o suficiente paraacalmar os meus instintos. – Ness respondeu e colocou amáscara no rosto. Então Bella, Esme e a loira chata entraramno quarto.- Olá!! Como está filha¿ - Bella perguntou, abraçando Ness.Elas ficaram conversando e deu uma piscada para a baixinha,fazendo sinal para me acompanhar para fora do quarto.- Baixinha!!Preciso da sua ajuda. – Disse para ela, com sorrisomalicioso.- O que você quer¿ - Ela pulava, batendo palmas.- Você sabe que é a melhor, então preciso da sua ajuda parafazer um jantar especial hoje a noite.- Jacob¿ Você me ama¿ Diz que me ama!- Alice!!- Conta tudo!!! Por que jantar especial¿ Se me ama conta oque está acontecendo¿- Tudo bem! Vamos para a cozinha e contarei os meus planos.A baixinha e eu descemos as escadas, e fomos para a cozinhapara que pudesse contar o que pretendia. Pois precisava muitoda sua ajuda para os planos que tinha para aquela noite.CONTINUA – SURPRESA!! Voltar para o índice
  • 262. SURPRESA escrita por GLAUCIABLACKPessoal, esse cap ficou muito lindo e amei escrevê-lo, poisisso espero que tenha muitos comentários.Pretendia terminar essa fic nesse fim de semana, mas não seiquantos caps conseguirei postar. Pois estou com um principiode tendinite nos dois braços e mal consegui trabalhar no diade hoje.Prometo que tentarei postar alguns caps esse fim de semana,mas dependerá da disposição para escrever e de quão doloridoestejam os meus braços.Como estou demorando horrores para digitar os caps, acabeiterminando muito tarde e não tive tempo para revisar. Entãoperdoem meus erros.Deixem seu comentários,só eles podem me dá estímulos paraenfrentar essa fase difícil e continuar a postar os caps até ofim da trama.AMO TODOS OS COMENTÁRIOS!!BJUSSURPRESAFomos até a cozinha e ficamos conversando enquanto eu faziao café da manhã da minha pequena. E a baixinha estavaextremamente curiosa sobre os motivos para eu fazer umjantar especial para Ness. Mas apesar de eu tentar esconderdela os reais motivos, ficava me questionando e saltitandocomo uma perereca em minha frente, então eu acabeirevelando as minhas suspeitas e razões para aquela surpresa.- Vamos lá, bonitão!! Pode ir contanto tudo. – Ela disse meencarando.- Ness e eu temos passado por momentos de muita tensão,então gostaria de proporcionar momentos de prazer para ela.– Disse, abrindo a geladeira para pegar leite, manteiga, e asfrutas.- Corta essa!!! Vocês saíram ontem noite e ela já teve o seumomento especial. – Ela parou em minha frente e me olhosnos olhos.
  • 263. - Você é impossível. – Disse para ela, desviando do seu olhar.- Você me ama¿ Se me ama, pode começar a contar tudo. –Ela disse, batendo palminhas saltitando em minha frente.- Eu não tive a noite especial e não fiz tudo o que queria,porque a sua sobrinha encheu a cara e estragou meus planos.Então gostaria de ter a nossa noite especial hoje. – Disse paraela.- Você continua mentindo para mim e se quer a minha ajuda,pode começar a falar. – Ela retrucou.- OK!! Você é triste!! Eu desconfio que minha pequena esteja...– Respirei fundo e depois deixei escapar um sorriso marotonos lábios e depois continuei. – Grávida. Conclui.- Como grávida¿ Ela é uma loba. – Ela disse mordendo oslábios e franzindo as sobrancelhas.- Há quanto tempo estamos aqui¿ - Perguntei para ela.- Acho que uns dois meses. – Ela disse sem entender.- Ness está dormindo demais, chorando sem motivos, percebique seu corpo está diferente e hoje ela vomitou muito.- Mas isso foi devido à bebedeira de ontem. – Disse mecortando.- Pode até ser, mas enquanto procurava um remédio,encontrou seus absorventes na gaveta e começou a fazer ascontas. Então percebeu que já estava atrasada quando nosmudamos para cá. E acho que ela engravidou antes da suatransformação, dado ao fato que naquela época ficávamostrancados dias e noites fazendo amor como gatos no cio. –Disse para ela, rindo das minhas suspeitas.- Então acha que ela está grávida¿ - Ela voltou a saltitar e abater palminhas.- Tenho quase certeza. – Respondi, caminhando para a pia econtinuei a preparar o café da manhã da minha pequena.- Você consegue fazer um jantar maravilhoso, a luz de velas,pétalas de rosas vermelhas, champanhe, música ambiente e oque mais você puder fazer¿ - Perguntei provocando, pois sabiaque ela adorava desafios.
  • 264. - É claro! – Ela sorria muito satisfeita, quando me virei paraolhá-la.- Você é uma Diva!! É a melhor e tenho certeza que tudoestará perfeito, então eis o meu plano: Bella, Esme e a loiratiram Ness de casa, então você prepara o jantar no quarto azulque está vazia. E pode levar essa mesa da cozinha, os talheresde prata que estão na prateleira, às louças que porcelanas queela ainda não quebrou o balde de gelo de prata que está noarmário de cima, o som da sala de cinema e o que mais vocêquiser. Então você deixa o quarto trancado e só entrega achave para mim mais tarde.Eu passarei o dia inteiro fora e chegarei por volta das setehoras, e você vai fazer Ness se produzir para sairmos parapassear, mas não contará aonde iremos.Depois que eu tomar o meu banho, pedirei para Ness fazer oexame e pronto, tudo perfeito.- Mas se ela não estiver grávida¿ - Perguntou franzindo assobrancelhas.- Vamos para a nossa noitada de qualquer maneira. Então nãose preocupe com isso.- Jake! Ela ficará sentida se não estiver¿ – Ela me disse deforma estranha.- Tenho certeza que está. – Respondi e depois de unssegundos me virei para ela e conclui. – Você acha que nãoconheço minha Ness¿ Eu já vi esses sintomas antes e conheçoaquele corpo como a palma da minha mão. – Disse seguropara ela.- OK! Vamos ao nosso plano então. – Respondeu dançandocomo uma bailarina pela cozinha.- Eu confio em você e tenho certeza que tudo ficará perfeito. –Disse para ela e pequei a bandeja, já pronta para levar para oquarto, quando minha pequena entrou na cozinhaacompanhada de Bell, Esme e a loira.A baixinha e eu nos olhamos, e ficamos em silêncio por ummomento. Então minha pequena pareceu curiosa sobre o queestávamos conversamos.- O que vocês estão cochichando ai¿ - Ela perguntou,abraçando-me por trás.
  • 265. - Só estamos trocando confidências. – A baixinha respondeurindo.- UHHHH!! Assim ficarei com ciúmes. – Ela disse rindo,quando me virei e beijei a ponta do seu nariz.- Pois não fique! Meu coração tem dona e está bem preso aela. – Disse ao sorrir malicioso.- E essa dona cuida bem dele¿ - Perguntou mordendo oslábios.- Muito! Ela é a mais maravilhosa, linda, deliciosa, gostosa,inteligente, manhosa, cheirosa... – Continuei e todascomeçaram a suspirar.- UHHHH!- UAUUUU!!- NOSSAAA!!- AIIIII!!- Você é perfeito. – Ela disse colocando a cabeça em meupeito e me abraçando delicadamente, enquanto as outras nosolhavam encantadas.- Passarei o dia inteiro fora e deixarei você com elas, e maistarde iremos sair. – Disse depositando selinhos em seuslábios.- Aonde vamos¿ - Perguntou curiosa.- Surpresa!! – Respondi mordendo meus lábios, enquanto elame olhava com olhar inquisitivo.- O baixinha!! Quero que a deixe mais maravilhosa essa noite.– Disse piscando para ela.- O que fará hoje¿ - Ela perguntou.- Primeiro deixarei o meu carro na oficina, para desamassar ocapô que você estragou ontem no seu showzinho. E depois ireifazer uma ronda com a matilha e encontrarei o seu pai, paradecidirmos como manteremos você segura. No fim da tardevoltarei para a oficina e por volta das sete venho para nós
  • 266. sairmos. – Respondi.- Tá! Levarei você até a porta. – Ela disse e nós caminhamosabraçados até a saída.Eu estava tão encantado com a idéia de minha pequena estágrávida, que queria beijá-la e recompensá-la por toda emoçãoque estava sentindo naquele momento. Porque depois doaborto que sofrera, não achei que fosse possível uma novagravidez e essa idéia ficou ainda mais distante quando elasofreu a sua transformação. Por isso a felicidade que sentiaera tão evidente, que transbordava por todos os poros do meucorpo e a necessidade que sentia em tê-la em meus braços epedir perdão pelo estresse dos últimos dias, quase não mepermiti sair do seu lado, para ficar o dia inteiro beijandoaquela deliciosa boca que me levava para o céu.Nós abraçamos apaixonadamente em frente ao meu carro eficamos nos olhando por alguns segundos. E a vontade quesentia de beijá-la foi tão grande, que pousei meus lábios sobreo seu e comecei a movimentá-lo lentamente, aproveitandocada toque, cada movimento, cada sensação sentia estávamostotalmente entregues naquele beijo doce, calmo eprincipalmente com muito amor. E sentia milhares deborboletas fazendo uma verdadeira festa em meu estômago eum frio gostoso percorrer minha espinha durante aquele beijo.Uma das minhas mãos a segurava pela cintura e outra estavaentrelaçada em meus cabelos, segurando a sua nuca paraimpedir que interrompesse aquele momento não mágico edelicioso que estávamos vivendo. Sentia seu corpo todotrêmulo, quase sem forças e totalmente perdida em meustoques. E assim ficamos por alguns minutos, sem pensar naspessoas que veriam a cena ao passar por nossa casa ou porsua família que a aguardava do lado de dentro, pois queríamosaquele momento desesperadamente, visto a distância queficou entre nós naqueles dias tão difíceis.- Vida! Eu te amo!! Te amo!! Nunca se esqueça disso. –Sussurrei ofegante em seu ouvido, depois de conseguirinterromper o beijo. – Peço o seu perdão pelos meusdestemperos, por ter gritado e xingado ontem à noite, por termagoado o meu coração que carrega com você. E prometo quenunca mais brigo com você nessa vida. – Continuavasussurras e depois coloquei meu rosto diante do seu paraobservar as suas expressões e vi que as lágrimas corriam peloseu rosto.- Você me faz muito feliz e tenho que pedir desculpas por ser
  • 267. tão infantil, injusta, preguiçosa e chata. – Ela respondeuchorando e passei meu dedo sua face para limpar as lágrimasque corriam em seu rosto.- Sei que está muito difícil para você, mas prometo que ascoisas irão melhorar e voltarei a dá atenção que você merece.Mas nesse momento estou muito estressado e por mais que àsvezes tente evitar, acabo descontando em você. Entãoprometo para você agora que farei o possível para não magoá-la mais. – Disse, depositando mais beijos em seus lábios eretomamos aquele beijo mais apaixonado do que antes.Por mais que soubesse que tinha muitas coisas para fazernaquele dia, era praticamente impossível deixar os lábios tãomaravilhosos da minha pequena. E acabei ficando mais tempoque deveria, namorando a luz do dia, sem me dar conta dotempo que passava.Consegui desgrudar da minha pequena com muito custo e fuiaté a oficina, deixando o carro e saindo em seguida paraencontrar a matilha que estava fazendo a ronda porWashington.Depois de alguns muitos, encontrei Quil e os outros, entãovasculhamos cada árvore daquela região tão grande. Mas parao meu desespero, não havia nenhum rastro do vampirodesconhecido. E nos encontramos com Edward, Carlisle,Jasper e Emmett, que também não encontraram o rastro dovampiro, mesmo procurando pelo norte dos Estados Unidos ecidades do Canadá.O dia passou rápido e estava morto de fome, então fui comEmbry, Quil, Colin e Brady comer algo e tomar uma cerveja emum restaurando a beira mar. Mas sabia que ainda tinha quevoltar para oficina, pegar o anel de noivado, que estavaguardado desde a semana que nos mudamos, e depoiscomprar o exame de gravidez para Ness. Então os deixeienchendo a cara e voltei para a oficina, conversei brevementecom Seth e corri para pegar a farmácia aberta.Depois que sai da oficina e cheguei à farmácia, e ainda fiqueicerto tempo lendo o rótulo das embalagens e decidi levar trêstipos diferentes, para não haver dúvida sobre o resultado.Então entrei em meu lindo e novo carro Hylux e dirigi muitorápido para casa, bastante ansioso para confirmar que minhapequena estava grávida.Sai do carro ansioso e corri para dentro de casa, louco para
  • 268. ver minha pequena toda produzida para mim. Então aencontrei na sala com suas tias, avô e mãe, esperando que euchegasse para a nossa noitada. Apesar de não saber o que nósfaríamos e aonde iríamos aquela noite, nem os meus motivos.Ela estava linda e tentadoramente deliciosa, com um vestidovinho frente única, que possuía um decote em forma de “ v”que deixava os seus seios perfeitamente modelados esedutores. E seus cabelos estavam com cachos, todosmodelados e simetricamente arrumados. Mas o que me deixoulouco, foi seu rosto perfeito que estava com uma maquiagemde parar o trânsito, com um batom vermelho paixão, asbochechas levemente avermelhadas e sombras escuras emseus olhos, que dava um toque especial aquela maquiagemque a deixava mais mulher e tentadora.- Você está linda!! Perfeita!! Maravilhosa!! Deliciosa!!Tentadora!! Tudo de bom!! – Disse para ela, com sorrisomalicioso em meus lábios.- Assim você me deixa com vergonha. – Disse encabulada,colocando as mãos nos rosto para escondê-lo de mim.- Não fique!! Quero você totalmente sem vergonha essa noite.– Disse para ela e pude perceber os suspiros das vampiras,que observavam tudo encantadas.- AH! Por que Jaz não é assim comigo¿ - A baixinha suspirou.- Bem que Edward podia ser romântico desse jeito¿ - Bellasussurrou.- O meu macaquinho não diz essas coisas para mim. – Foi àvez da loira.- Isso é porque eles pensam com a cabeça de baixo, não com ade cima. – Disse, rindo malicioso e todas elas gargalharam.- Você é inacreditável!! Disse Esme, olhando-me admirada.- Os homens não sabem agradar as suas mulheres e depoisreclamam que elas ficam rabugentas e fingem ter dor decabeça. – Retruquei.- Você é perfeito! – Minha pequena disse e veio me beijar.- Não! Não!! Eu estou todo sujo e não quero te sujar... Querovocê perfeita para mim!! Então acho que posso esperar alguns
  • 269. minutos para tê-la inteira em meus braços e tirar todo essebatom de sua boca. – Disse dando um selinho em seu nariz esai da sala, dirigindo-me para o quarto.Fui para o banheiro e fiquei por um bom tempo embaixo dochuveiro, sentindo a gostosa sensação da água rolando pelomeu corpo e imaginando como seria perfeito Ness, eu e umlindo bebezinho. E isso fez as lágrimas rolarem pelo meurosto. Então ela entrou no banheiro e ficou me admirandotomar banho.- Sabia que você é muito lindo¿ - Ela perguntou, mordendo oslábios enquanto estava encostado na porta do banheiro.- Você que é linda!! Gostosa!! – Disse ainda no Box.Sai do chuveiro e comecei a me enxugar lentamente enquantome olhava. Percebendo quão excitada estava, mas não iriaantecipara a noite e estragar as surpresas que preparei paraela. Então coloquei uma cueca box branca, uma calça branca,uma camisa pólo listrada (azul e branca), escovei os dentes,penteei os cabelos e passei o perfume que ela tanto amava,quanto admirava a minha performance de produção para ela.- Nossa!!- O quê¿ Perguntei enquanto me olhava no espelho, para verse estava perfeito para minha pequena.- Você está muito gato! – Ela disse, mordendo os lábios.- Tudo para você. – Disse, puxando-a para os meus braços,aconchegando sua cabeça em meu peito enquanto a abraçavacarinhosamente.- Aonde nós iremos¿ - Perguntou ansiosa, ainda em meuabraço.- Surpresa! – Respondi e fui com ela para o quarto, sentando-a em meu colo.- Vida minha!! – Sussurrei em seu ouvido – Quero que façauma coisa. – Disse e peguei a sacola da farmácia, que haviadeixado sobre a cama. Então tirei os pacotes com os exames eos coloquei em suas mãos.- Jake¿ - Ela parecia assustada ao me olhar.
  • 270. - Quero que faça esses exames, mas se der negativo não épara ficar triste. Pode fazer isso¿ - Perguntei acariciando a suabochecha com a minha mão, enquanto a fitava em seus olhos.- Tenho medo. – Ela disse baixinha.- Não tenha!! Só estou fazendo isso por preocupação comvocê, pois se estiver grávida não poderá fazer certas coisas eisso inclui se transformar. Então temos que ter certeza disso.Pode fazer isso por mim¿ - Perguntei depositando selinhos emseus lábios, louco para devorar aquela boca vermelhasedutora.- Posso! – Ela respondeu se levantou e foi para banheiro. ENesse momento, lembrei que havia deixado a aliança no carro.Então sai do carro correndo, desci as escadas em dois tempose em segundos já estava com a aliança e voltando para nossoquarto.Voltei para o quarto, coloquei o porta jóia no bolso da calça esentei novamente na cama, para esperar que minha pequenaterminasse o exame. E comecei a ficar muito nervoso com asua demora e com medo que estivesse magoada com oresultado, então cheguei a me arrepender por ter propostoaquele exame, pois sabia quão difícil para ela se o resultadofosse negativo. E quando já estava prestes a entrar nobanheiro, ela saiu com lágrimas em seus olhos e veio até mim.- Jake! Vamos ter um filho!! – Ela chorava muito e se atirouem meus braços.Estava explodindo de tanta felicidade e emoção por aquelemomento, pois um filho com minha pequena significava acontinuação do nosso amor, o pedaço mais importante de nóse tudo que representávamos um para o outro. E a realizaçãodesse sonho era a coisa mais incrível para mim, então aabracei o choro que já estava contido desde que percebi suagravidez, explodiu de forma compulsiva e parecia uma criançanaquele momento.Ficamos abraçados e chorando muito por um bom tempo, epedi que se levantasse e me ajoelhei diante dela, beijando suabarriga calmamente. Então levantei minha cabeça paraobservar as expressões de emoção que sentia e peguei suamão direita suavemente, depositando vários beijos em seusdedos. E nesse momento, retirei o porta jóia de meu bolso epedi que se tornasse a minha esposa.
  • 271. - Minha vida! Meu amor! Minha pequena! Meu universo! Meutudo!! Minha Ness – Dizia enquanto beijava os seus dedos.- Meu Jake! Meu amor! Meu tudo! Meu Universo! Meucompanheiro! Meu! Meu! Só meu! – Ela repetiu para mim.- Você quer ser oficialmente a senhora Black¿ - Perguntei,abrindo a caixinha do porta jóia e retirando o anel paracolocar em seu dedo.- É tudo o que mais quero nessa vida...ser sua. – Elarespondeu chorando ainda mais, enquanto colocava o anel debrilhantes em seu dedo e beijava suavemente cada parte dele,enquanto fitava o seu rosto choroso.- Amo tudo em você. – Ela disse para mim.- Você não tem noção de quão intenso são meus sentimentospor ti... Chega a doer. – Disse para ela.- Não vivo sem você. – Falou, acariciando o meu rosto comseus dedos de anjo.- Agora vamos para a nossa noitada. – Disse para ela.- E aonde vamos¿ - Perguntou curiosa.- Você já verá. – Respondi, colocando-a em meus braços e acarreguei até a porta do outro quarto, abrindo lentamente.- O que significa isso¿ - Ela perguntou curiosa.- Surpresa!! – Disse enquanto entrava no quarto escuro,então acendi as luzes e vi que estava tudo perfeito.Alice colocou pequenas prateleiras pelas paredes e todaspossuíam pequenos castiçais com velas coloridas. Tambémhavia jarros de flores vermelhas espalhadas pelo quarto e nocentro uma grande mesa, com louças de porcelanas, talheresde prata, um balde de prata com gelo e champanhe, um lindocastiçal.No canto do quarto, havia uma enorme cama branca redonda,com lençol de seda branco e pétalas de rosas espalhadassimetricamente formando dois corações e abaixo os nomesJAKEXNESS. E do seu lado, uma pequena mesinha com ummicro system, um CD e uma carta.Jake,
  • 272. Do outro lado do quarto há uma bolsa térmica com o jantar devocês e na outra a sobremesa.Espero que tenha gostado da decoração e que faça jus a ela,aproveitando muito bem à noite.Alice.- NOSSA!!! COMO VOCÊ PREPAROU ISSO¿ ALICE¿ OH!! – Nessfalava eufórica com aquilo tudo. Então me dirigi até ela, puxeia cadeira e fiz sinal para que sentasse. Depois acendi todas asvelas e apaguei as luzes, liguei o som, colocando a música MyImmortal para tocar. Fui até as bolsas térmicas e levei ascomidas, e sobremesa, para a mesa.- Gostou¿ Fizemos tudo por você. – Disse para ela, ao mesentar a sua frente.- Amei! Tudo perfeito. – Respondeu chorando emocionada.- Vamos aproveitar a nossa noite e prometo que a farei amulher mais feliz e satisfeita desse mundo. – Disse,levantando-me da cadeira e estendendo a mão para ela, paraque pudéssemos dançar.Minha pequena se levantou e começamos a dançaragarradinhos, fitando o olhar apaixonado um do outro.Enquanto uma das minhas mãos segurava pela cintura,pressionando o seu corpo contra o meu. E a outra segurava asua mão e sorriamos um para o outro, refletindo a felicidadeque exalava por nossos corpos.Depois de algum tempo, ela colocou a cabeça em meu ombro efiquei acariciando os seus cabelos, enquanto sussurrava otempo inteiro enquanto a amava e a queria.Dançamos mais duas músicas e finalmente resolvemos jantar,que foi preparado especialmente para aquele momento tãomágico e feliz das nossas vidas.Alice preparou arroz a piamontese, medalhão ao molhomadeira para mim, e risoto de camarão com lagostas paraNess. E para sobremesa havia um doce português, que não seio nome, com açúcar, nozes e fios de ovos.Comemos, bebemos e voltamos a dançar agarradinhosnovamente, permanecendo assim por boa parte da noite. Equando estávamos no auge de nosso desejo contido, deslizeiminha mão sobre as suas costas e abri o fecho de seu vestido,
  • 273. retirei-o, deixando-a somente de calcinha. Então a tomei emmeus braços e levei até a cama, onde deixei seu corpo nucoberto por rosas vermelhas e fiquei admirando a visão maisperfeita do paraíso.Tirei minha camisa e enquanto o fazia, sentia a sua excitaçãocom tudo o que estava fazendo por ela. Então continuei a tiraras roupas, dançando sensualmente para ela e fiquei somentecom a minha box branca.Ela olhava com extremo desejo e seus olhos imploravam pelosmeus toques, então me aproximei da cama e deitei sobre ela,encaixando-me entre as suas pernas e me movimentando,para estimular o seu sexo.- Ness! Olha para mim! – Disse para ela, enquanto continuavaa me movimentar e sentia seu corpo se contorcendo de prazersobre a cama. – Amo você e prometo que nunca mais gritareiou falarei qualquer coisa que venha te magoar. Prometo tefazer feliz até o fim das nossas vidas e quando partimos dessemundo, minha alma procurará pela sua por toda a eternidade.- Eu também prometo que o farei o homem mais feliz domundo e que farei tudo ao meu alcance para que a nossa vidaseja perfeita. Amo você! – Ela disse para mim, traçando ocontorno de meus lábios com sua língua. Então a beijeivorazmente, devorando os seus lábios e explorando cadacanto de sua boca, sentindo o prazer que cada toque meproporcionava.Minhas mãos percorriam a lateral de seu corpo, pressionandobem forte. Então deslizei uma delas até os seus seios ecomecei a estimular o bico enrijecido lentamente, fazendo-agemer com muito prazer enquanto gemia e gritava meu nome.- JAKE!! AH HÁ UH HU HAHAHA!! JAKE! EU PRECISO SENTIVOCÊ DENTRO DE MIM! – Ela gritava, pressionando seusdedos pelos meus cabelos.- VOCÊ É DELICIOSA!! QUERO FAZER TUDO ESSA NOITE!! AFAREI A MULHER MAIS FELIZ, AMADA E DESEJADA DESSEMUNDO!! GOZA PARA MIM!!- AHAHAHAHAH!! CONTINUA MEXENDO MAIS RÁPIDO!!!HUSUSHSUSHSUSUS!!- MOSTRA PARA MIM O QUE VOCÊ QUER HOJE¿ HOJE VOCÊTEM DIREITO DE PEDIR TUDO!! DELICIDOSA!!
  • 274. Ele colocou a mão em meu rosto e me mostrou exatamenteque queria para aquele momento. Então fiz todas as suasvontades e fizemos amor muitas vezes, chegando ao ápice doprazer juntos em todas elas, pois o que mais importava paramim, não era o meu prazer e os meus desejos. Mas satisfazero prazer dela e realizá-la de todas as formas imagináveis, e sóisso já me levava ao êxtase total naqueles momentos.Depois de muitas horas nos amando, caímos exaustos na camae acabamos adormecendo em forma de uma conchinha. Enaquela noite tudo parecia perfeito para mim e nuncaimaginaria que alguma coisa pudesse me separar da minhapequena, mas acabei pensando demais e falando mais ainda,sem imaginar que estava ouvindo o que dizia e como aquilo amachucaria. E mesmo que sem intenção, cometi o grande erroque me custou o amor da minha vida.CONTINUA – SEPARAÇÃO Voltar para o índice
  • 275. SEPARAÇÃO - PARTE 1 escrita por GLAUCIABLACKMeus amores, não me matem, por favor!!Em breve os dois ficarão juntos novamente!!Esse cap está muito grande e terei que escrever uma segundaparte para ele!!Façam a autora feliz e postem os seus comentários!!bjusSEPARAÇÃO – PARTE 1Acordei bem cedo e fiquei observado a minha pequena dormirdivinamente, sentindo uma enorme felicidade emanando decada célula do meu corpo. E naquele momento soube que tudodaria certe e que seriamos uma família perfeita e muito feliz.Permanecendo deitado ao seu lado, acariciando levemente assuas costas nuas, enquanto sorria ao lembrar da noitemaravilhosa e inesquecível que tivemos.Depois de algum tempo levantei, fui ao banheiro do nossoquarto e tomei um banho bem demorado, enquanto cantavaMy endless Love, pulando de felicidade no banheiro e odeixando cheio de espumas até o teto.Sai do banho e me vesti rapidamente, pois queria preparar ocafé e ainda lavar a louça do jantar antes que minha pequenaacordasse, apesar de saber que se dependesse dela ficaria nacama o dia inteiro. Então voltei para o outro quarto e comeceia separar a louça para levar para a cozinha e após duasviagens, consegui levar tudo. E após deixar tudo sobre a pia,voltei para o quarto e arrumei rapidamente a pesa, paraprepará-la para o café da minha princesa.Voltei para a cozinha, lavei a louça e fui até a padaria de carropara comprar pães, biscoitos e o achocolatado que ela amava,e que havia acabado. E quando voltei, comecei a arrumar tudosobre a bandeja: pães, mamão cordado em cubos, o copo como achocolatado, um pratinho com os biscoitos de chocolatesrecheados e a salada de fruta. Então a baixinha entrou nacozinha sorrateiramente e quase me assustou.- Ai! É você¿ Queria me matar de susto. – Disse ao me virar
  • 276. para ver o que estava fazendo barulho atrás de mim.- Como foi a noite¿ Ness gostou da surpresa. – Ela falou comum olhar tristonho.- Foi perfeita e ela amou. Estou te devendo uma. – Respondi,rindo e piscando para ela.- E o exame¿ - Ela perguntou ansiosa.- Positivo! Teremos um filho!! – Disse com sorriso enorme deorelha a orelha.- Dois! – Ela retrucou ainda de forma estranha.- Dois¿ Você viu isso¿ Conta tudo¿ Não me mata deansiedade!- Estava eufórico com a noticia.- Eu só consegui ver Carlisle fazendo o exame e dizendo queeram dois. Mas minhas visões estão ainda mais nebulosasagora. – Disse fazendo uma careta.- O que você tem¿ Esta estranha! Aconteceu alguma coisa¿Edward e os outros encontraram o vampiro¿ Fala logo! –Estava ansioso e com medo que poderia contar, pois era aprimeira vez que ela ficava em minha frente sem saltitar comouma perereca.- Só algumas visões que tive, mas ainda estão nebulosas.- Eu preciso ficar preocupado¿ Tem algo haver comigo e comNess¿ - Perguntei com medo.- Ainda não sei direito... Assim que tiver certeza conto tudo. –Ela respondeu e saiu da cozinha.A baixinha saiu da cozinha e fiquei ali ansioso, com medo doque poderia acontecer e o que a baixinhahavia visto que apagou o brilho em seu olhar. Mas tinha quedisfarçar a minha ansiedade e não deixar minha vida percebera minha preocupação.Fui ao quarto com a bandeja e a coloquei sobre a mesa, depoiscaminhei lentamente até a cama e deitei ao lado da minhapequena. Então comecei a acariciaras suas costas, com aspétalas de rosa que ainda estavam sobre a cama e elaestremeceu ao toque, virando-se para me olhar.- Bom dia minha vida! – Disse sorrindo para ela, que ainda
  • 277. estava com tentando abrir os seus olhos, mas que ainda sorrialindamente para mim.- Oi amor! Estou tão feliz! Te amo tanto, tanto, tanto. – Eladisse, passando as mãos sobre o seu rosto.- Eu te amo muito mais do que a minha própria vida.- Estou morrendo de fome. – Ela disse bocejando.- Espera só um pouco minha princesa. – Disse dando muitosselinhos em seus lábios.- Jake! Ainda não escovei os dentes. – Ela reclamou.- Desde quando isso é um problema para mim. – Respondi evoltei a beijar os seus lábios macios.- Estou com fome. - Ela choramingou mais uma vez, depoisque desgrudei meus lábios dos seus.- OK! Você venceu!- Falei para ela e levantei lentamente dacama, andando em direção a mesa e pequei a bandeja queestava com o seu café da manhã. Então voltei para a camacom a bandeja e comecei a dá a comida na boca do meu anjo.- Jake! Para que essa comida toda¿ - Ela perguntou assustada,colocando as mãos sobre a boca.- Você tem comer por três agora, então cuidarei que fiqueenorme de gorda. – Disse rindo malicioso.- Três¿ Quer que eu fique gorda¿ Não estou entendendo nada.– Ela disse me encarando espantada.- Sim!! Sua tia maluquinha disse que teremos dois bebezinhos,então irei empanturrar muita comida em você. E não vejo ahora dessa barriga ficar gigantesca. – Respondi, levando ocopo com o achocolatado a sua boca, fazendo-a beber algunsgoles.- Dois¿ E você não vai desgostar de mim quando estiver umabaranga¿ - Perguntou e voltou a beber o liquido.- Eu te amaria mesmo que fosse a mulher mais feia do mundo.Já esqueceu que é a minha alma gêmea¿ Eu te amo mais doque a minha vida. – Respondi, sorrindo e levando biscoitos asua boca.
  • 278. - Você é um fofo! Vai me acostumar muito mal assim. – Eladisse para mim.- Quero que fique mal acostumada!! Muito mal!! – Sorrinovamente.- Estou duplamente feliz agora! Dois filhos com o seu rostolindo. – Ela disse sorrindo para mim.- Nós quatro seremos muito felizes juntos e ficarei muitocontente se for um casal. – Disse para ela.- Já pensou um garoto com o seu lindo rosto¿ E uma meninaparecida comigo¿ - Ela dizia encantada e senti uma pontada detristeza ao lembrar da expressão da baixinha, que dizia quealgo não sairia bem. Mas disfarcei os meus medos e continue asorrir para minha pequena, enquanto dava o seu café damanhã.Toque! Toque!! Uma batida leve ecoou no quarto.- Entra! – Disse em tom alto.- Olá casal!! Como foi a noite de vocês¿ - Bella perguntou,entrando no quarto com Esme e a loira chata.- Perfeita!! – Respondeu minha pequena.- Deixarei você com elas e vou cuidar do nosso futuro. –Disse, beijando a sua testa.- O que fará hoje¿ - Ela perguntou, acariciando o meu rostocom seus dedos.- Bem! Passarei na casa do meu pai para contar a novidade,depois irei para a oficina verificar as pendências. E mais tardeSeth e eu iremos até Seattle para comprar algumas peças dereposição para a oficina. E quando voltar, encontrarei com amatilha na floresta para saber as novidade.- Vê se cuida do meu coração que leva contigo. – Ela disse,colocando a mão em meu peito.- Cuida você do meu que deixo com você. – Respondi edepositei leves beijos sobre os seus lábios, enquanto nossosolhos permaneciam abertos, fitando um ao outro com umagrande intensidade do amor que sentíamos no momento.
  • 279. Sai do quarto e desci as escadas, encontrando a baixinhasentada no último degrau pensativa no primeiro degrau, deforma muito triste.- Você não vai mesmo contar o que está acontecendo¿ -Perguntei ansioso.- Ainda não sei! – Ela respondeu.- Quando souber de algo, irá me contar a verdade¿ Prometeisso¿ - Perguntei ansioso ao me agachar diante dela e tentarencarar os seus olhos, mas desviou o olhar de mim- Tudo ficará bem! - Isso foi a única coisa que ela falou.Sai de casa apressado e peguei meu maravilhoso carro, edirigi até a casa do meu velho pai que ficava algunsquarteirões da minha. Então quando cheguei lá, tenteidisfarçar as minhas preocupações, mas ele me conhecia muitobem e percebeu que algo estava errado.- Pai! Tenho uma notícia muito boa para te dá – Disse paraele, tentando parecer animado, enquanto mordiscava umpedado da panqueca que acabara de fazer.- Que noticia é essa¿ E por que você parece triste¿ - Eleperguntou na lata, me fitando com um olhar inquisitivo.- Ness está grávida de gêmeos. – Disse para ele, desviando omeu olhar.- E por que você não parece feliz¿ - Ele continuou ointerrogatório.- Estou com medo do futuro, do que irá nos acontecer. –Respondi de cabeça baixa.- Está me escondendo algo¿- A tia vidente da Ness teve uma visão. E pela suas expressõesde tristeza, algo ruim irá acontecer. Então estou com medoque possa nos acontecer. Só isso!. – Respondi para ele.- Você vai sofrer pelo que ainda não aconteceu¿ Tente seanimar com a gravidez da sua mulher e deixa o futuro seguir oseu curso sozinho. – Ele me disse.
  • 280. - O senhor está certo! Obrigada. – Respondi aindadesanimado.Nós tomamos café juntos e parti para a oficina, mas no meiodo caminha percebi que o pneu do carro havia furado.- Mas que “ M” !!!! – Xinguei muito “ P” da vida, mascontinuei a dirigir para a oficina que já estava há algunsmetros.Cheguei a oficina e pedi para um dos funcionários verificar opneu do meu carro, enquanto estivesse no escritório comSeth.- Alan!! Pode trocar o pneu do meu carro¿ - Pedi.- É claro, Jake! Vai precisar dele agora¿ - Ele perguntou,andando em minha direção.- Não! Sairei na caminhonete com Seth daqui a pouco. Maspreciso dela para o final da tarde. – Disse para ela e me dirigipara o escritório.Entrei no escritório e sentei na cadeira, em frente a de Seth,que ficou me olhando inquisitivamente.- Cara!!O que aconteceu¿ Que cara é essa¿ - Ele perguntoucurioso.- É Ness! – Disse para ele.- O que acontecer com Ness¿ - Perguntou com expressãoamedrontada.- Ela está grávida de gêmeos. – Respondi.- E isso é motivo para ficar com essa cara¿ Tem que ficarmuito feliz!! – Ele disse, batendo em meu ombro.- A tinha dela teve uma visão e percebi que algo de ruimacontecerá. – Disse para ele.- Do que você tem medo¿ Não tem que se preocupar com umacoisa que nem aconteceu.- Seth... Tenho medo que ela perca os bebês, que essevampiro psicopata a mate, que meus filhos não sejamnormais. – Disse para ele.
  • 281. - Como assim¿ - Ele perguntou, franzindo as sobrancelhas.- Ness já deu muita sorte de ter nascido uma criança quasenormal, sendo filha de vampiro. Mas meus filhos o que serão¿Será que serão normais¿ Será que serão aberrações danatureza¿ Com os pais que têm, a probabilidade não seremnormais é enorme. E não sabe como gostaria que só fossembebezinhos humanos, sem essa coisa de vampiro e lobo. –Disse para ele, e nesse momento a porta se abriubruscamente.- VOCÊ É UM FALSO!! MENTIROSO!! MALDITO!! É ISSO QUEACHA MESMO¿ ACHA QUE SOU UMA ABERRAÇÃO¿ QUENOSSOS FILHOS SERÃO ABERRAÇÕES¿ - Ela gritava e choravadesesperadamente.- Ness!! Ness!! Por favor me ouça!! Por favor!!- NÃO QUERO MAIS TE OUVIR OU TE VER!! CRIAREI ASMINHAS ABERRAÇÕES SOZINHA E NÃO TERÁ QUE SEPREOCUPAR SE SÃO VAMPIROS OU LOBOS!! ESQUECE QUE EUEXISTO!! ESQUECE QUE UM DIA EU TE AMEI!! – Ela choravamuito e me batia, enquanto eu tentava abraçá-la.- A PROPÓSITO ESQUECEU A CARTEIRA! – Ela gritou e jogou acarteira sobre a mesa, saindo correndo pela porte. E eu fiqueiperplexo com toda aquela cena e depois de alguns segundosimóvel, corri para alcançá-la. Mas já tinha entrado no carro datia e partido.- AS CHAVES DO MEU CARRO!! – Gritei.- Ainda não troquei o pneu dele.- Alan disse assustado.- MAIS QUE INFERNO!! DROGA!! PQP! “ C” !! – Gritei comraiva.- Desculpa cara! Você disse que não o usaria agora. – Disseassustado, enquanto eu corria para o escritório para pegar achave do carro de Seth emprestado.- Seth!! Pode me emprestar o seu carro¿ - Pedifreneticamente.- Hoje vim de moto. – Ele disse, jogando a chave para mim,que sai correndo do escritório e montei sobre a moto, dandopartida em seguida.
  • 282. Corri muito rápido pela avenida principal e em cinco minutosjá estava em casa. Mas era tarde demais, pois constatei depoisde vasculhar todos os cantos que ela havia partido. Então saide casa e montei novamente na moto, pilotando muito rápidopara a casa dos Cullens em Clallam Bay.Quando cheguei lá, estacionei a moto em frente a grandemansão e entrei rapidamente pela porta da frente, masquando cheguei a sala fui barrado pela baixinha, Esme e aloira chata.- Alice!! Preciso ver minha pequena!! Preciso dizer para elaque entendeu tudo errado!! – Dizia tudo ao mesmo tempo,freneticamente.- Você não vai subir. – A baixinha disse em tom enfático.- EU VOU SUBIR!! TENHO QUE VER A MINHA NESS! – Griteicom ela.- Ness está muito magoada e será pior se falar com ela agora.– Ela retrucou.- Dá um tempo para ela pensar melhor. – Disse Esme comolhar triste.- EU PRECISO DIZER QUE A AMO E QUE FOI TUDO UM MALENTENDIDO! DROGA!! – Gritei de tão nervoso que estava e abaixinha se dirigiu até a escada, colocando-se em minhafrente.- Ela está sofrendo muito e se for lá agora irão magoar um aooutro. Então dê um tempo para ela. – A loira disse para mim.- EU PRECISO DELA!! SERÁ QUE ENTENDEM ISSO¿ PRECISOCOLOCÁ-LA EM MEUS BRAÇOS E ARRANCAR ESSA DOR QUE EUCAUSEI! – Estava desesperado e disposto a tudo para ficar aolado da minha pequena.- Ness é muito imatura e na cabeça dela você a acha umaaberração, e tem medo dos filhos que irão nascer. E apesar desabermos que você não acha isso e que não a magoaria depropósito, não podemos deixar você subir. – A baixinha disseda escada.- Se você não sair do caminho, passarei por cima de você. Esabe que não quero fazer isso, então saia da frente.
  • 283. - Jake! Eu adoro você e sabe disso, mas se você me atacar etentar passar por mim... – Ela respirou fundo e continuou afalar. – Mesmo que vocês reatem, nunca mais serei suaamiga. Então pense bem antes de fazer qualquer coisa.- Isso é golpe baixo! – Eu a acusei desesperado, pois sabiaque a última pessoa a quem poderia atacar seria ela. Entãoestava usando o poder de persuasão para me convencer, e nãosabia até onde as suas palavras eram verdadeira.- Você venceu Alice!! Está satisfeita!! Não tentarei passar porvocê!! – Estava com muita raiva dela, pela primeira vez, mastinha a convicção que não a atacaria naquele momento. E issome deixava ainda mais “ P” com toda a situação.- O que está acontecendo aqui¿ - Edward disse ao entrar nasala e ver toda a confusão.- Ness se separou de Jake e ele quer subir a todo custo. – Aloira disse para ele, enquanto os três vampiros ao seu ladoolhavam incrédulos.- O que você fez¿ Magoou a minha filha¿ Quando você veioaquele dia com ela e quase o matei por ter tirado a suavirgindade, prometeu que a faria feliz. Então pode se explicaragora. – Edward disse com raiva.- Ness está grávida de gêmeos e fiquei muito preocupado como que poderia acontecer com ela e nossos filhos. Entãocomecei a contar as minhas inquietações no escritório paraSeth quando ela entrou. E agora acha que eu a considero umaaberração e que não quero nossos filhos, que também serãoaberrações. – Disse para ela, com as lágrimas rolando emmeu rosto.- Dá um tempo para ela pensar sobre tudo e tenho certeza queem alguns dias estará novamente ao seu lado. – Carlisle dissepara mim, dando um tapinha em meu ombro.- Não posso permitir que fique sofrendo tanto por causa de ummal entendido. Não posso!! – Disse para ele.- Ela é muito infantil e até conseguir pensar nisso como umaadulta, demorará certo tempo. Então vá para casa e fique lápor enquanto. – Jasper disse para mim.- Não sairei daqui!! Não!! Eu tenho que falar com minha vida!!
  • 284. Será que não entendem¿ - Dizia chorando muito, com ocoração em frangalhos de tanta dor que estava sentindo. E avontade que senti de tomá-la em meus braços e dizer queestava enganada era tão grande, que não sairia daquela casa.Mas com muito custo, à custa de muitas discussões meconvenceram a ir embora.Sai da casa dos Cullens arrasado e dirigi de volta para casa,mas não passei na oficina para pegar o carro, que era a coisaque menos importava naquele momento. Então entrei em casae senti uma dor ainda maior, ao perceber o quanto aquelelugar era grande e inexpressivo sem minha pequena parairradiar a sua alegria. Então fui até o quarto azul, que aindaestava da mesma forma da noite anterior, deitei na grandecama redonda e comecei a chorar como um menino.CONTINUA - SEPARAÇÃO – PARTE 2 Voltar para o índice
  • 285. SEPARAÇÃO - PARTE 2 escrita por GLAUCIABLACKBem meus amores, segue o restante do cap separação.Estamos na reta final e em quatro caps saberemos comoterminará a história de amor de Jake e Ness.Se estão realmente gostando, deixem os comentários para meestimular a escrever.bjusSEPARAÇÃO – PARTE 2Deitei na cama chorando muito e as suas palavras martelavamem minha cabeça, torturando-me ainda mais.- VOCÊ É UM FALSO!! MENTIROSO!! MALDITO!! É ISSO QUEACHA MESMO¿ ACHA QUE SOU UMA ABERRAÇÃO¿ QUENOSSOS FILHOS SERÃO ABERRAÇÕES¿- VOCÊ É UM FALSO!! MENTIROSO!! MALDITO!! É ISSO QUEACHA MESMO¿ ACHA QUE SOU UMA ABERRAÇÃO¿ QUENOSSOS FILHOS SERÃO ABERRAÇÕES¿- VOCÊ É UM FALSO!! MENTIROSO!! MALDITO!! É ISSO QUEACHA MESMO¿ ACHA QUE SOU UMA ABERRAÇÃO¿ QUENOSSOS FILHOS SERÃO ABERRAÇÕES¿Estava perdido em meus pensamentos, quando escutei a portaabrir lentamente e virei para olhar.- Jake¿ - Seth chamou.- Oi! – Respondi desanimado, deitando a cabeça novamenteno travesseiro.- Como você está cara¿ Como foi com a Ness¿ - Ele perguntou,levando a cadeira para perto da cama e sentando-se sobre ela.- Não ficou. – Respondi baixinho sem olhar para ele.- Ela não quis te ouvir¿ - Ele perguntou.- Não!- Você não pode ficar assim e precisa ser forte para tentarreconquistá-la. – Ele disse.
  • 286. - Eu nunca permiti que ninguém magoasse, mas agora eu fizisso. Não foi Leah, o bando, os seus pais ou um vampiropsicopata!! Fui eu!! Somente eu!! Nunca me perdoarei por isso.– Disse para ele.- Você não teve culpa e não poderia imaginar que elaapareceria no escritório.- Não me importa! Eu sou culpado!! Minha pequena estásofrendo muito e por minha culpa... Queria tanto tomá-la emmeus braços e dizer que está errada, que a amo, que amotanto os nossos filhos que morro de medo do que possaacontecer com eles. Mas ela não quer me ver ou me ouvir.- Seja paciente, Jake. Ela vai perceber a burrada que estáfazendo e vai conversar com você, e daqui a pouco estarão nosbraços um do outro.- Tudo que mais quero é tomá-la em meus braços e enxugar assuas lágrimas, arrancando toda a dor do seu coração.- Você terá essa oportunidade, então dê tempo ao tempo.- Tempo ao tempo¿ Eu quero está ao seu lado quando suabarriga crescer, aproveitar o máximo da gravidez cuidandopara que tenha tudo. Então o tempo não ajuda muito nessashoras.- Você terá essa oportunidade, então tente dormir e esquecerum pouco disse tudo. E amanhã tente falar com ela.- OK! Só preciso ficar sozinho um pouco.- Já estou indo embora! Vê se fica bem. – Ele disse e saiu doquarto.Naquela noite não consegui dormir nenhum um pouco,revirando de um lado para o outro da cama, sentindo o seucheiro que ainda estava muito forte no lençol Frances. E meucorpo sentia uma dor tão grande, que as vezes faltava-me o arpara respirar.Eram três horas da manhã quando resolvi passar umamensagem para o seu celular, então peguei o meu telefone nobolso de trás da calça e comecei a escrever.Vida minha,
  • 287. Estou morrendo de saudade de você, então eu imploro quevolte para mim.Não sei quanto tempo agüentarei com a sua ausência epreciso te sentir desesperadamente.Eu te amo mais do que a minha vida e nunca me cansarei dedizer isso.Se te magoei, peço mil perdões pela dor que te causei. Masnão acho que seja uma aberração e queroMuito esses bebezinhos ao meu lado.Compreenda que amo os nossos filhos e tenho tanto medo quealgo dê errado, que estou muito assustado com isso tudo. Masnão tem nada haver com você ou com eles!! Eu amo vocêstrês!! Volta para mim!! Volta!!EU TE AMO!! EU TE AMO!! EU TE AMO!! EU TE AMO!! EU TEAMO!! EU TE AMO!! EU TE AMO!! EU TE AMO!!Para sempre seu Jake.Voltei a colocar a cabeça em meu travesseiro, mas continuavaa chorar compulsivamente e não conseguia dormi de tanto queera a minha ansiedade pela resposta da mensagem. Masdepois de uma hora, percebi que não adiantava esperar nadaàquela hora da madrugada. Então resolvi levantar e ir tomarum banho frio para relaxar um pouco.Entrei embaixo da água fria que corria do chuveiro e aslágrimas continuavam a rolar pelo meu rosto, tamanho era omeu desespero pela possibilidade de minha pequena não meperdoar. E não conseguia imaginar como seria minha vida senão voltasse para mim.Coloquei uma cueca e fui para o escritório no primeiro andar,pegar papel e lápis. Então voltei para o quarto azul e sentei naenorme cama redonda, e comecei a desenha o rosto da minhavida enquanto chorava feito uma criança, pela dor e saudadeque sentia. De repente senti uma pontada forte em meucoração e não consegui respirar ou me mexer por algunsminutos. E o meu primeiro pensamento foi: Ness!Havia acontecido alguma coisa com a minha vida e precisavadesesperadamente descobrir o que era.Depois de alguns minutos, paralisado pela dor que sentia,peguei o celular na cabeceira da cama e liguei para ela. Mascomo imaginava ela não atendeu, então resolvi ligar para abaixinha.- Alice!! Preciso falar com minha pequena. - Dissefreneticamente.
  • 288. - Ela não está aqui. – Ela respondeu com uma voz rouca eestranha.- Onde ela está¿ O que aconteceu¿ Fala!! Aconteceu algumacoisa¿ Preciso saber! – Estava muito nervoso e tinha a certezaque havia acontecido algo com minha pequena.- Eu não posso falar! Liga para o celular de Edward. – Eladisse e desligou.- Aconteceu algo!! OH!! Não!! Não!! - Falava sozinho enquantoprocurava o número de Edward.- Alô! Edward! O que aconteceu com minha Ness¿ Onde estálevando ela a essa hora¿ - Perguntei muito nervoso, quasearrancando cada fio dos meus cabelos.- Fica calmo!! Agora está tudo bem! – Ele respondeu.- Edward são cinco e dez da manhã, e você não tiraria suafilha da cama a essa hora e não fosse grave. Então conta logoo que esta acontecendo. – Ordenei irritado com todo aquelemistério.- Ness foi atacada por aquele vampiro enquanto dormia. Equando ouvi os pensamentos dele, corri para o quarto comJasper, Bella e Alice. Então lutamos com os seus parceiros eeles fugiram. Por isso estamos fugindo com Ness.- COMO ELES ENTRARAM SEM PERCEBEREM¿ POR QUEATACARAM AGORA¿ O QUE QUEREM¿ - Gritava nervoso aotelefone.- Eu li a mente dele e vi que está muito irritado. Os três nãoencontram espaços para entrar em La Push sem chamar aatenção dos lobos. E ele perdeu a paciência de jogar, e quandoviu o carro da Alice na estrada com Ness, ficou tomando contados nossos passos. Então percebeu que Carlisle, Esme, Rosi eEmmett saíram de casa e resolveu matar Ness essa noite, comos seus parceiros. Então estamos tirando Ness do país. – Elerespondeu.- Para onde estão levando minha mulher¿ Quero ir encontrarcom vocês! – Disse para ele.- Não contarei para onde a levarei. – Ele respondeu.
  • 289. - O QUÊ¿ VOCÊ ESTÁ TIRANDO MINHA MULHER E MEUSFILHOS DO PAÍS E NÃO VAI ME CONTAR¿ É CLARO QUE VAI!!– Gritei irritado e comecei a andar de um lado para o outro noquarto.- Eles seguirão você!! Não pode vir procurar Ness. – Ele disse.- Não me importa!! Eu a protegerei!! Eu quero ver a minhamulher!! Preciso está ao lado dela!! Deixa eu falar com elaagora!! PQP!! – Estava super fora de mim, aquela altura docampeonato.- Ela está dormindo e agora vou desligar. - Ele disse edesligou.Tentei ligar várias vezes para ele novamente, mas nãoatendeu o “ C” do telefone. E o desespero que sentia era tãogrande, que comecei a destruir tudo que a baixinha havia feitonaquele quarto. Pois o medo que sentia de não vê-lanovamente e não ter a oportunidade de acompanhar agravidez, estava me enlouquecendo naquele momento.A única certeza que tinha naquele momento era que precisavaestá ao lado da minha pequena a qualquer custo. Entãoprecisava descobrir para onde eles levaram a minha pequena.Mal o dia amanheceu peguei o carro, que Seth deixouestacionado em frente a minha casa, e dirigi como um loucopara a mansão dos Cullens, pois a baixinha teria que abrir a“ P” da boca e me contar onde minha pequena estava.- ALICE! ALICE!! – Entrei gritando na casa, sem bater na portaque estava aberta.- Jake! Por favor!! Por favor!! – Ela implorava com olharapavorado.- Onde eu acho minha mulher¿ Estou te implorando!! Estoudesesperado!! Preciso encontrar a minha Ness – Eu ajoelheiaos pés dela, chorando muito e implorei que em contasse.- Eu não posso!!Ele é um perseguidor e vai nos seguir atéNess!! Será que não entende¿ - A baixinha pareciadesesperada.- Tomarei todos os cuidados possíveis, mas preciso ir até ela.Eu imploro!! Por favor!! Por favor!! – As lágrimas caiam emmeu rosto e os outros Cullens observavam desconsolados na
  • 290. sala.- Jake! Nós arrumaremos um plano para levá-lo até Ness. Masagora não será possível. – Carlisle disse.- EU VOU ENLOUQUECER SE PASSAR MAIS UM DIA SEM ELA!!NÃO SUPORTO ISSO. – Lágrimas, lágrimas e mais lágrimasrolavam em meu rosto e a dor era tão grande que iria quebrara qualquer momento.- Fica conosco e pensaremos em uma forma de levá-lo atéNess. Jasper disse.- EU NÃO AGUENTO MAIS!! NÃO!! PRECISO DA MINHAPEQUENA. – Desespero, dor, medo, frio e muitas lagrimasfaziam parte de mim naquele momento, pois sabia que elaestava sofrendo e que seria obrigada a passar o restante dagravidez longe de mim. – COMO VIVEREI SEM MINHA VIDA¿COMO¿ ISSO DOE MUITO¿ - Minhas mãos sobre a cabeçamassacravam os fios dos meus cabelos, mas a dor que sentianão se comparava com o meu coração sangrando.- Assim que ela acordar, Edward ligará para nós e poderá falarcom ela. – Esme disse.- Está doendo muito! O que faço com essa dor¿ Eu quer minhaNess!! Preciso dela para viver!!A baixinha me puxou do chão e me colocou deitado no sofá,enquanto chorava muito com o desespero que sentia naquelemomento e sentia tanto medo que algo desse errado.Depois de algumas horas deitado no sofá da casa dos Cullens,Carlisle conseguiu falar com Edward e passou o telefone paramim.- NESS! NESS!- Jake! Eu amo você! – Ela chorava muito ao telefone.- SINTO A SUA FALTA! AMO VOCÊ! COM VOCÊ ESTÁ¿ ONDEESTÁ¿ NOSSOS FILHOS ESTÃO BEM¿ VOCÊ ESTÁ SEALIEMENTANDO¿ VOCÊ DORMIU DIREITO¿ SINTO SUA FALTA!PRECISO DE VOCÊ! AMO VOCÊ!!- Estou com medo... Sinto a sua falta. – Ela sussurrouchorando.
  • 291. - MORREREI SEM VOCÊ! PRECISO MUITO DE TI!!UHUHUHUHUH!! AHAHAHAHAH! – Chorava, gritava e estavaquase quebrado de tanta dor e a voz dela só fazia o meudesespero aumentar.- Preciso de você! – Ela só disse isso e Edward começou afalar ao telefone.- Jake! Vocês ficarão um tempo afastados. E assim que houveruma forma de vir para cá sem deixar pista, o traremos. Masagora tente se acalmar. – Ele disse com a voz triste.- EU PRECISO DELA AGORA!! NÃO SUPORTAREI FICAR MUITOTEMPO SEM MINHA VIDA. – Gritava, chorava, tremia e estavaperdendo a noção de tudo o que acontecia a minha volta.- Jake seja razoável! – Ele disse, mas não ouvia mais nadanaquele telefone, pois estava perdido em meus devaneios.Fui para o antigo quarto de Ness e deitei sobre a cama paratentar dormir. Mas a minha cabeça estava totalmente perdidanos momentos que tive com minha pequena, então adormeci.CONTINUA – RECONCILIAÇÃO Voltar para o índice
  • 292. RECONCILIAÇÃO PARTE 1 escrita por GLAUCIABLACKAmores, mais uma vez esse cap ficou muito grande e terei quequebrar em dois para mostrar como Jake e Ness curtiram agravidez, antes de voltar para Forks.Estou postando essa primeira parte e irei fazer o meu almoçode domingo, que está bem atrasado. E mais tarde posto orestante do cap.Escrevi o cap final e o epílogo hoje pela manhã. E posso dizerque ficou lindíssimo!!Estou fazendo muito sacrifício para escrever esses últimoscaps e o numero de comentários são bem poucos. E se nãotem comentários, significa que não estão lendo ou não estãogostando. Sendo assim não preciso me preocupar em postarmais caps.Então não deixem de comentar!!bjusRECONCILIAÇÃOEstava desesperado pela falta que sentia da minha pequena enaquele momento, sem saber onde estava e o como estavasentia em meu corpo uma dor profunda. Mas os Cullens megarantiram que estava bem e mesmo sentindo a minha falta,teria que ficar longe e segura. Entretanto o meu desespero sófazia aumentar a cada insuportável dia, que passava traçadonaquela casa cercado por vampiros.Tentava conversar com a baixinha, mas ela dizia queprecisávamos evitar qualquer palavra mal dita, por que ovampiro psicopata poderia está em qualquer canto da casa,ouvido tudo o que falávamos. Então começamos a noscomunicar por bilhetes, o que era estranho. Mas a forma decomunicação menos perigosa naquele momento.Edward às vezes ligava para falar com a família, mas todostentavam parecer formais ao telefone, para não deixarescapar qualquer pista sobre o paradeiro de Ness. E eu ficavaansioso para ouvir a voz da minha pequena, que me faziatanta falta. Porém só me permitiram conversar com ela umavez, em um período de dois meses e aquela situação medeixava irritado e com muita raiva, apesar de saber que era
  • 293. para o seu próprio bem.- Alô! Ness!! Vida minha!! Meu amor!! Estou morto de saudadede você!! Como estão meus filhos¿ - Eu dizia tudo de umaúnica vez, dado o meu nervosismo e ansiedade.- Jake! Sinto muito a sua falta. – Ela dizia chorando.-Ness! Por favor me perdoa se te magoe! Nunca achei quefosse uma aberração e tudo que falei com Seth foi por medoque nossos filhos nascessem com algum problema... –Respirei fundo e com lágrimas em meus olhos continuei afalar. – Eu amo você mais do que tudo nessa vida e os nossosfilhos são a concretização desse amor tão lindo que sentimosum pelo outro. E tenho certeza que nascerão lindos e perfeitoscomo a mãe. Queria muito está ao seu lado para enxugar assuas lágrimas e colocá-la em meus braços nesse momento,acariciando a nossa barriga... Amo tanto você. – Disse paraela.- Eu sou uma boba! Sou infantil! Por favor me perdoa. – Eladizia chorando.- Assim que possível irei te encontrar. Mas peço que tente seacalmar e cuidar bem dos nossos bebezinhos.- Eu estou cuidando! Eles são um pedaço de você que carregocomigo e prometo que cuidarei muito bem deles.- Quando as suas lágrimas insistirem em cair, lembre-se queeu estou esperando por você. Então seja forte por nós quatro.– Disse sem conseguir conter o choro compulsivo.- Queria tanto tê-lo ao meu lado...Sinto tanto a sua falta. – Elatambém chorava.- AMO VOCÊ!!- EU TAMBÉM AMO VOCÊ JAKE.Depois daquela conversa, o meu desespero era ainda maior ecomecei a pensar em uma forma de sair da casa dos Cullenssem ser seguido. Então continuei a trocar bilhetes com Alice,pois não sabíamos se continuávamos sendo vigiados.Alice, precisamos de um plano para sair daqui e ir até Ness! -Escrevi a frase e apaguei, depois que ela leu e ficou meencarando.
  • 294. Eu sei Jake! Mas não sabemos se esse psicopata irá te seguir.– Ela escreveu e depois apagou.Podemos sair em vários carros separados e ele não saberá emqual dos carros estou. Depois vou até o aeroporto em PortAngeles e pego uma conexão para New York. E de lá pego umavião para África, depois para América e por fim para Europa...Ele não vai conseguir me seguir!! – Depois que ela leu obilhete.Pode dá certo!! Escreveu e fez sinal com a cabeça para osoutros Cullens, mostrando a minha mensagem. E todosassentiram com a cabeça. E ela apagou os bilhetes.Peguei a moto de Jasper,corri para La Push, entrei em casarápido para pegar o meu passaporte e cartões de crédito.Então voltei para a casa dos Cullens e continuei a trocarbilhetes com Alice.E agora¿ Quantos carros sairão daqui¿ - Escrevi para ela.Sairão seis carros da garagem e você vai no meu. Nós nosfalaremos pelo telefone, para tentar identificar a quem elesestão seguindo. Então levo você de carro até Seattle e de lávocê segue para Nova York. – Ela escreveu.OK! Estou com meus documentos. – EscreviPreparei uma mochila com roupas para você. – Ela escreveu edepois fez sinal com a cabeça, e todos nós fomos para agaragem, entrando nos seus respectivos carros.Quando chegamos no carro, finalmente pudemos conversarem voz alta.- Você acha que ele estava nos observando¿ - Perguntei.- Com esse dom que tem de aparecer e desaparecer, poderiase esconder em qualquer canto da nossa casa e ficar ouvindoas conversas. – Ela disse.- Bem! Vamos para Seattle e de lá pego conexão para NovaYork, África e America. E depois¿ Para onde tenho que ir¿ -Perguntei e ela me deu um envelope com o endereço de Nessem Londres.- Londres¿ - Perguntei.
  • 295. - Sim! Temos um castelo em Londres. – Ela disse sem olharpara mim.- Você está estranha!- Eu fico assim quando não consigo ver o futuro. – Ela dissecom a voz triste.- Algo de ruim acontecerá¿ - Perguntei.- Não sei!! Mas sinto que algo acontecerá. – Ela disse e depoisnos calamos durante a viagem. Até que o telefone tocou.- Alô! Jaz! Ele está se seguindo¿ Ótimo!! E os outros dois¿Seguiram Carlisle e Emmett!! Não, está tudo bem! LevareiJake para Seattle, mas o plano permanece o mesmo. Beijos!Te amo!!- O plano está dando certo¿ - Perguntei, olhando as suasexpressões estranhas.- Sim!! Mas você fará como planejamos e corremos menosriscos dele te encontrar. – Ela praticamente sussurrou econtinuamos calados.Quando chegamos ao aeroporto, comprei a passagem paraNova York e fiz o check in.- Cuida bem da minha sobrinha favorita! – Ela me abraçou eparecia chorar.- Você está muito estranha! – Disse abraçado à pequenavampira.- Eu espero que tudo dê certo. – Ela sussurrou.- Dará! – Respondi e caminhei até o portão de embarque.A viagem para Nova York foi rápida, mas teria um longopercurso até chegar a Londres e precisava seguir o plano, paraevitar que o vampiro psicopata me seguisse até Ness.Quando desci em Londres, depois de mais de trinta horas devôo passando por diversos aeroportos, estava morto de tãocansado. Mas a minha euforia para encontra minha pequenaera tanta, que não me permitiria dormir por um segundo apósreencontrá-la.
  • 296. Peguei um taxi e passei o endereço anotado no papel para otaxista, que dirigiu por uma hora pelas ruas de Londres, atéadentrar em um enorme bosque com aparência soturna, atéque chegou ao enorme e lindo castelo dos Cullens. E sentisentia meu coração bater de forma descompassada naquelemomento, pois em pouquíssimo tempo teria a minha pequenaem meus braços.Quando o taxi parou, Bella, Edward e minha Ness com umalinda barriga estavam a minha espera na porta do castelo. Eeu desci mais que rapidamente do carro e corri em suadireção, tomando-a em meus braços e sem dizer nada, beijeiansiosamente os seus lábios como se fosse a primeira vez quea via.Meus lábios se moviam sobre os seus, aproveitando cadatoque daquela doce, quente e macia pele que tanto amava.Então inclinei minha cabeça lentamente, abrindo as nossasbocas e explorando sua língua com muita doçura. Mas amedida que nossas línguas se moviam muito rápido, nossoscorpos se aqueciam e eram tomados por uma imensa sensaçãode desejo.Minhas mãos seguravam firmes as suas costas, enquantoaproveitava cada momento daquele beijo, que se dependessede nós não acabaria nunca, mas Edward tinha que meter obedelho e começou a tossir para nós. Então interrompemos obeijo, mesmo com desejo incontrolável de continuar com ele oresto de nossas vidas.- TO! TO!TO!- OH! OH! Desculpa! Só estava com muita saudade da minhapequena. – Disse depois que separei o meu rosto do dela, masainda fitando os seus olhos chorosos com extrema paixão,admiração, amor e encantamento.- Amo você! – Ela sussurrou chorando muito.- Também amo muito você! – Disse, secando suas lágrimascom meu dedo.- Vamos entrar¿ - Bella disse.- Tenho que pagar o taxi. – Respondi.- Já fiz isso e o taxi já está longe nesse momento. – Edwarddisse.
  • 297. - Então vamos entrar¿ - Minha vida perguntou.- É claro! – Eu a peguei no colo e ela protestou.- O que é isso¿ - Perguntou rindo.- Você ficou mais de dois meses sem o seu PACOTE JACOBBLACK DE FELICIDADE, então agora a recompensarei por tudoo que perdeu. – Sorria malicioso para ela.- Está com fome¿ - Bella perguntou, enquanto nos dirigíamospara o interior do enorme castelo, que mais parecia sair de umfilme de época.- Morrendo! – Disse, fitando os olhos da minha vida, sem mepermitir desviar os meus olhos dos seus.- Como foi a viagem¿ - Minha pequena perguntou.- Ótima! Estou aqui com você. – Respondi hipnotizado pelosseus olhos.- Amo você! – Ela sussurrou.- Te amo muito mais!! Muito mais!! Mais!! Para sempre!! Portoda eternidade!! – Dizia sem conseguir se quer piscar,tamanha era a minha saudade e meu encantamento.- HEY!! Coloca Ness no chão e sente-se para almoçar. –Edward disse e coloquei minha pequena no chão, encarando oseu rosto de anjo adorável.Nós almoçamos e depois minha pequena me levou paraconhecer nossos aposentos. E mais uma vez fiquei encantadocomo tamanho do quarto, que era maior do que toda a casados Cullens em Forks. Mas estava tão cansado da viagem, queprecisava tomar um banho e dormir um pouco, mesmo queadmirar a minha pequena fosse a minha principal prioridade.Tomei um banho frio bem demorado, cantando feliz depois dequase três meses de distância e saudade, enquanto ela ficavame admirando de longe, com aquela linda barriga e gritandoenlouquecida com a minha performance de cantor.- Theres only you in my life. The only thing thats right. Myfirst Love. Youre every breath that I take. Youre every stepI make. And I. I-I-I-I-I. I want to share. All my love with you.
  • 298. No one else will do...- Canta mais!! Canta meu amor! - Ela dizia sorrindo.- And your eyes. Your eyes, your eyes. They tell me how muchyou care. Ooh yes, you will always be. MY ENDLESS LOVE!!- Lindo!! Tesão!! Bonito! Gostosão!! – Ela batia palmas e ria,enquanto eu cantava para ela, embaixo do chuveiro.- Você gosta de me ver assim¿ - Perguntei pulando nobanheiro.- Amo!! Você não sabe quanta saudade senti disso. – Elarespondeu rindo.- Quase enlouqueci de tanta saudade que senti de você. –Falei para ela.- Promete que nunca mais ficaremos longe um do outro¿ - Elaperguntou.- Você quem fugiu de mim. Mas prometo assim mesmo. –Respondi.- Nunca mais fujo de você. – Ela disse, enquanto seu saia dobox e começava a me enxugar.- Toma! – Ela esticou a mão e me passou algumas roupas.- O que é isso¿- Alice nos contou que não deu para pegar muitas coisas,então fiz umas compras para você. – Ela disse rindo.Vesti as roupas novas que minha pequena me deu, voltamospara o quarto e deitamos me nossa enorme cama. Mas estavatão cansado, que mesmo querendo curtir um tempo comminha vida, acabei adormecendo.CONTINUA - RECONCILIAÇÃO PARTE 2PVO Especial Ness – ATAQUEPVO Especial Bella - PERDASCAPITULO FINAL – ALMA GÊMEA Voltar para o índice
  • 299. RECONCILIAÇÃO – PARTE 2 escrita por GLAUCIABLACKAmores, segue a segunda parte do cap.Eu errei a contagem do cap e me esqueci de colocar nos capsfinais a visão de Jake.Amo todos os comentários e peço para que vocês confiem emmim.O que vem pela frente será muito triste e poderia dizer queserá muito trágico.Mas para quem já leu as minhas outras fics sabe que eu façoessas coisas maluquinhas,mas no fim tudo termina lindo.Então confiem em mim e quando lerem os próximos caps. Nãome xinguem e nem queriam ma matar até ler o cap final.BJUSRECONCILIAÇÃO – PARTE 2Eu estava sonhando com minha Ness, mas ela estava diferentee havia uma magia diferente naquele sonho.A minha cabeça estava deitada em seu colo e quando abrimeus olhos, estava me olhando com o rosto que já conhecia,mas parecia o rosto de um anjo quando sorriu para mim. E anossa volta havia um barulho de pássaros cantando e pessoasrindo. De repente senti uma dor em minha orelha e acordeigritando.-Ai!! Ai!! Ai!! – Estava assustado e naquele momento percebique ela estava mordendo a minha orelha.- Bom dia dorminhoco. – Ela disse me fitando com aquela carade tarada que fazia, quando mordia os lábios.- Ótimo dia!! Eu estava sonhando com você. Sabia¿ - Dissesorrindo, passando os dedos sobre os seus lábios.- Sabia! Você estava sussurrando o meu nome. – Ela dissesatisfeita.- HUMMM!! Isso é bom! – Ri para ela e fiquei observando assuas expressões faciais, que me diziam que ela iria aprontaralguma coisa.- Jake! Eu estou morrendo de saudade de fazer amor com
  • 300. você. – Ela sussurrou, passando os dedos em meu abdômen.- OH!OH! Você está grávida de gêmeos e não me sintoconfortável em tocá-la. – Disse para ela, já me sentindo bemestranho e com a certeza que não me deixaria em pazenquanto não tivesse o que queria.- Amor! Já conversei com o papai e ele disse que sexo durantea gravidez é normal. E estou há quase três meses subindopelas paredes. – Ela disse com sorriso malicioso e piscou paramim.- Vida minha! Você sabe que eu a amo muito, mas não semnem como te cotar com essa barriga imensa. – Respondimuito preocupado e levantando, para me sentar.- Jake! Já fizemos amor de todas as formas possíveis eimpossíveis. Então tenho certeza que você vai encontrar umaforma de me tocar. É só arrumar um jeitinho. – Ela disse meabraçando e fazendo cara de criança manhosa.Sabia que ela estava certa, pois já havíamos praticado todasas posições do Kama Sutra e já havíamos feito amor até emum balão em pleno vôo. Só que dessa vez não me sentiaconfortável, pois ela estava carregando no ventre meus filhose isso tornava a coisa mais complicada para mim.Comecei a acaricia a sua barriga gentilmente e deixei me levarpela magia daquele momento. E fazer amor com minhapequena grávida daquele jeito, foi à coisa mais complicadaque já fiz na vida. Pois tinha medo de machucá-la e tambémficava tenso em pensar que não a satisfaria. Mas no fim tudodeu certo e a minha pequena ninfeta tarada de grávidasimplesmente acabou comigo, e acabamos fazendo amor setevezes naquela manhã.Nós começamos a viver um dos momentos mais bonitos dasnossas vidas, aproveitando com toda a intensidade osmomentos da gravidez. E a cada mexida que as criançasdavam, sentia uma imensa emoção em meu coração. Então metornei o pai mais babão e cuidadoso do mundo, fazendoquestão de carregar minha Ness no colo para todos os lugares,mesmo ela dizendo que não era necessário; alimentando-a nacama constantemente, mesmo Edward e Bella dizendo que elanão estava doente, e acariciando a sua barriga dia e noite semme cansar.Nós saiamos bastante para fazer comprar para os nossos
  • 301. filhos e ficávamos nas lojas de bebês babando por aquelasroupinhas maravilhosas e muito gostosinhas. Mas tambémentravamos em lojas de grávidas para comprar muitas roupassuper fashion para a minha pequena, que a cada dia ficavamais linda com aquele barrigão. Entretanto aproveitamosmuito para ir ao cinema, teatros, alguns shows, parques,visitamos castelos e tiramos muitas fotos da minha lindagrávida.Em algumas tardes ficávamos deitados no gramado em frenteao castelo dos Cullens, vendo o céu azul e aproveitando oespetáculo da natureza. E aproveitava cada momento paraficar beijando muito o meu barrigão e conversando com meusfilhos, que tinha certeza que entendiam o que falava, poissempre mexiam quando eu acariciava a linda barriga.Próximo do castelo havia um lindo lago, que ficava cheio degrandes cisnes brancos e minha vida amava passear de barcono lago, com seu lindo guarda sol branco e eu me sentia saídode um filme dos anos 60 naquele momento. E a felicidade queirradiava de nós dois era tão grande, que chegava a dá invejaem qualquer pessoa que presenciasse o nosso momentoespecial.Eu sempre ligava para Seth, meu pai e para a baixinha parater noticias. E pelo que contaram, os vampiros continuavamrodando La Push e Forks a procura de uma pista sobre oparadeiro de Ness. Então procurava não revelar ondeestávamos, apesar de contar todas as aventuras da nossagravidez.Meu pai estava radiante, pois Rachel estava grávida de quartomeses e ganharia mais uma neta. Então passava horas comigono telefone contando sobre a gravidez de Rachel e o quartoque estava preparando para os três bebês. E isso me deixavacom uma imensa vontade de voltar para casa e rever meu paie meus amigos.Seth levou um projeto que tínhamos para frente e abriu umafilial da Backs’ s & Cleawarte’ s em Forks. E estava muito felizpelo novo empreendimento, apesar de dizer que aresponsabilidade por duas oficinas era muito grande para ele.Mas garanti que voltaríamos logo para casa, assim que ovampiro psicopata fosse encontrado. Então me contava asnovidades da matilha, os novos amores, as brigas e sobre asrondas que faziam a procura do psicopata.Eu sentia muita falta de La Push, mas sabia que não eraseguro voltar enquanto houvesse um perseguidor louco para
  • 302. matar minha Ness. E só me restava esperar que um dia fosseseguro o nosso retorno, apesar de a baixinha dizer que nãoteve visões sobre um possível ataque, Edward dizia que seriamais seguro nos mudarmos para a Franca, assim que ascrianças nascessem.A baixinha preparou quarto quartos para os nossos babys,dois na casa dos Cullens e mais dois em nossa casa em Forks.Ela nos enviou a filmagem que fez, deixando-nosextremamente emocionados com cada detalha que foratratado minuciosamente. E nos deixava com muita saudade danossa casa e fazia Ness chorar um pouco pela possibilidade denunca mais voltar.Os meses passaram rapidamente e Ness estava com quaseoito meses de gravidez. E por incrível que pareça, teve umagravidez totalmente normal e nada denunciaria que era umavampira e loba. O que permitiu que fizesse um pré-natal comouma pessoa normal no hospital local, apesar de Edward estápreparando para fazer o parto no castelo. E eu estava radiantede felicidade, por saber que meus filhos seriam criançasnormais e não passariam pelas dificuldades que minhapequena passou.Feliz!! Eu estava realmente feliz e nada no mundo poderiaestragar o momento que nós estávamos vivendo naquelemomento. Quando eu cuidava da minha vida grávida,manhosa, toda delicada, chorona e que adorava abusar demim mesmo com aquele barrigão. E foi justamente nomomento mais feliz das nossas vidas que as coisascomeçaram a mudar, quando Carlisle avisou para Edward quetrês vampiros foram capturados e esquartejados pelos lobos.Então nos sentimos seguros para voltar para casa ecometemos o pior erro das nossas vidas.CONTINUAPVO Especial Ness – ATAQUEPVO Especial Bella - PERDASPENULTIMO CAPÍTULO - UMA VEZ MAIS (PVO JAKE)CAPÍTULO FINAL – ALMA GÊMEAPs: o epílogo será muito pequeno e colocarei no mesmo cap dofinal, Voltar para o índice
  • 303. PVO Especial Ness – ATAQUE escrita por GLAUCIABLACKAmores!! Não tentem me matar por enquanto!!Esperem pelo cap final!! Please!!bjusPVO Especial Ness – ATAQUEQuando meu pai me contou que voltaríamos para La Push,fiquei muito eufórica e animada. Pois a coisa que mais queriano mundo era ter os meus filhos no lugar que amava viver eperto da minha família e dos meus amigos. Então arrumamostodas as coisas que compramos para os nossos filhos,embalamos e enviamos uma semana antes da nossa viagem.Jake estava radiante de felicidade e a cada dia que se passavaficava mais cuidadoso comigo. E estava me sentindo a pessoamais amada e cuidada do mundo inteiro, com um namoridoque dedicava sua total atenção, mas as minhas necessidades eera um pai super protetor, mesmo antes das criançasnascerem. Mas quando soube que finalmente seria seguropara voltarmos, e que teríamos nossos filhos em nossa casa,ficou mais feliz e radiante do que antes e parecia uma criançaque havia ganhado um doce.Fizemos os últimos preparativos e finalmente voltamos para olugar que amávamos. E assim que chegamos ao aeroporto,todos os nossos amigos e familiares estavam lá nosaguardando no aeroporto. E ficaram admirados com otamanho gigantesco da minha barriga, que já beirava os oitomeses.Alice deu uma grande festa de boas vindas na mansão daminha família e todos os amigos foram convidados paraaquela recepção. E nada naquele momento prenunciava atragédia que estava para acontecer.Nós resolvemos ficar uma semana na casa da minha família.Só para matarmos as saudades daquela vida em família, queJake e eu tanto amávamos. Contudo na segunda semana danossa chegada, Rachel estava fazendo uma festa deaniversário para Paul e nós fomos convidados para aquelafarrinha, como Jake dizia.Aquela noite eu estava com um vestido preto longo, mas não
  • 304. fiz nada de especial no meu visual, devido ao obvio fatodaquele barrigão no me deixar muito sexy. Mas Jake estavalindo e maravilhoso com uma calça preta, uma blusa pólo azul,um par tênis branco e os cabelos todo espetados, como elegostava de fazer em certas ocasiões.Quando saímos de casa, Jake percebeu que seu lindo HILUXestava amassado e com o pneu furado. E em um primeiromomento teve vontade de matar Emmett por brincar com oseu carro. Mas como já estávamos bem atrasados, pediu aMercedes de Jasper e fomos para La Push. E foi justamentenesse momento que a tragédia começou a se desenhar.Ele dirigia muito rápido, enquanto alisava a minha barriga comuma das mãos. E de repente bateu em algo, freando o carrobruscamente. Então saiu do carro assustado ao perceber quehavia um homem estirado no meio da pista.Fiquei observando tudo do carro e vi que Jake se aproximou,mas quando colocou a mão sobre o homem que parecia morto,levou uma enorme mordida no braço e caiu agonizando com oveneno queimando no braço. E naquele momento soube queera o vampiro psicopata que estava a nossa espreita e tudoestaria acabado naquele momento.Ele ficou me olhando do lado de fora, com um olhar demoníacoe tinha que fazer uma escolha naquele momento: Morrer semlutar! Então morreria Jake, as crianças e eu. Ou me transformana loba branca, mesmo sabendo que colocaria a vida dos meusfilhos em risco, e tentar salvar pelo menos o meu Jake.Tomei a decisão mais egoísta do mundo, mas se não fizessenada todos estaríamos mortos. Então sai do carro e metransformei na imensa loba branca, uivando o mais alto quepodia para chamar ajuda. Pois sabia que os lobos queestivessem patrulhando me ouviriam e avisariam os outros.Depois deu o alerta para a matilha, pulei em fração desegundos arrancando a cabeça o primeiro vampiro e medesviando do ataque da mulher. Então pulei sobre ela earranquei o seu braço, enquanto o terceiro se deliciava com acena, sem fazer nada.Enquanto lutava com os dois vampiros, percebi que cincolobos chegaram ao nosso socorro e Seth e estava com Leahamparando Jake. Então deixei a luta e corri para o meu Jake,voltando a minha forma humana.Senti uma dor enlouquecedora naquele momento e percebique estava sangrando muito entre as pernas. Mas sabia que
  • 305. precisava sugar o veneno do corpo de Jake, antes quemorresse. E isso me deu forças para ir até ele,me debruçarsobre o seu corpo e começar a chupar o sangue envenenado.Eu chupava, chupava, chupava, mas havia muito veneno emseu corpo. E sabia que se não conseguisse tirar tudo, seriatarde demais em pouco tempo. Mas quando cheguei à últimagota do veneno, comecei a sentir meu corpo entrando emchoque. Então Seth me levou para o carro, enquanto Leahlevava Jake.Meu corpo tremia, doía, ardia e além de sentir as dores dascontrações, sentia uma estranha gosma subindo pela minhagarganta e saindo pela minha boca, enquanto meus olhos sereviravam e meu corpo continuava a tremer e arder de formaenlouquecedora. Apesar disso não estava arrependida, poissabia que o meu sacrifício havia salvado a vida do homem queamava e se fosse morrer por isso, iria feliz e satisfeita portodo amor que ele me deu durante o tempo que ficamosjuntos.Percebi que o carro parou e ouvi a voz dos meus pais gritando,mas não os via e estava quase sem consciência naquelemomento. E quando percebi que iria morrer, pelo efeito que oveneno estava causando em meu corpo, o meu últimopensamento foi para que meu Jake e meus filhossobrevivessem aquilo tudo. Voltar para o índice
  • 306. PVO Especial Bella - PERDAS escrita por GLAUCIABLACKMeus amores, nos próximos capítulos nós saberemos o queJake sentiu quando soube que sua pequena havia morrido. Ecomo foi o seu reencontro com Ness.Para ler esses caps, peço que procurem a música Uma vezmais do Ivo pessoa, que é a música da Serena e do Rafael nanovela Alma gêmea.O cap final e o epilogo já estão prontos. Então só faltaescrever o cap UMA VEZ MAIS!!Eu escutei essa música durante toda a semana e chorei muitocom ela. E espero que consiga passar toda emoção do meuamor Jake para o papel.PVO Especial Bella - PERDASQuando recebemos a noticia que haviam matado trêsvampiros nas terras dos Quileuts, ficamos extremamentefelizes e assim como Jake, Ness estava radiante com apossibilidade de ter seus filhos em La Push. Então embalamosas coisas e enviamos para casa uma semana antes da nossapartida.Voltamos para casa e todos estavam radiantes no aeroporto anossa espera. E naquele momento tivemos a certeza que avida seria plenamente feliz para todos nós. Então Alice fezuma comemoração, convidando a todos para dá as boas vindasao casal e naquele momento ninguém desconfiaria da tragédiaque estava por vir.Uma semana depois da nossa chegada, Jake e Ness foramconvidados para uma festa na casa do pai dele. Pois Rachelestava preparando uma festa surpresa para Paul. E Jake achouum ótimo momento para rever o lugar que tanto amava esentia falta.Na hora da saída houve um estresse entre Jake e Emmett,porque o abusado havia batido como seu HILUX. E Jake morriade ciúmes daquele carro, mas estava com tanta pressa quenão parou para discuti. Então pediu o carro de Jasperemprestado para ir com Ness.Os dois saíram felizes e preparados para uma noitada bem
  • 307. divertida com os seus amigos da matilha. Então deitei no sofácom Edward e começamos a namorar um pouco. Sem nospreocuparmos com eles, pois tínhamos convicção que ovampiro psicopata havia morrido.Passado uma hora, escutado o carro de Jasper estacionandocom extrema violência. Então Edward levantou do sofágritando e todos corremos atrás dele, mesmo sem saber o quehavia acontecido- MINHA FILHA!! NÃO!! MINHA FILHA NÃO!! – Edward grunhiacom dor, enquanto abria a porta traseira do carro. Então tive avisão mais dolorosa e chocante da minha vida. E quis morrernaquele momento, de tanta dor que sentia.- EDWARD! O QUE ACONTECEU COM MINHA NESS¿ NESSSSSS!!- Eu gritava desesperada, sendo segurada por Alice e Esme. –NÃOOOOO! NESSSSSSS!!! FILHAAAA!! AHAHAHAHA!!FILHAAAAA!! NESSSS!!- ELA ESTÁ TENDO UMA CONVULSÃO!!! CARLISLE!!! ELA ESTÁTENDO UMA CONVULSÃO!!! NESS!! – Edward gritava,enquanto o corpo de Ness tremia, seus olhos estavamrevirados e uma espuma branca saia de sua boca. Então ele apegou no colo, toda ensangüentada, e a levou para o terceiroandar que ainda tinha os materiais médicos de Carlisle.Seth e Leah tiraram Jake do carro, levando-o para o interiorda casa, enquanto eu continuava a gritar com a dor que sentianaquele momento.- NEEEESSSSEEEEEE!! AHAHAHAHAH!! MINHA NESSSSSS!!MINHA FILHHHHHAAAAA!!! NÃOOOOOOO!! AHAHAHAHAH!!AHAHAHAH! AIAIAIAIAIAI!! NESSSSS!! – Depois de gritarmuito, entrei para casa e corri para o terceiro andar. E viCarlisle abrindo a barriga de Ness, para tirar os bebê quemorreriam que não tirassem a tempo.Eu estava sem ar e ver aquela cena era chocante demais paramim, mas seria forte para ver se minha filha e meus netossobreviveriam aquilo tudo. Então quando Billy e Rennênasceram, Edward os deu para Alice, Jasper, Esme e Rosi paralevá-los ao hospital, pois precisavam de uma incubadora e nanossa casa não tinha nenhuma.Eles saíram rapidamente com os Bebês e fiquei parada vendoEdward ajoelhado diante da cama onde Ness estava morta ecom a barriga aberta. Então me ajoelhei com ele e choramos
  • 308. juntos, mesmo sem lágrimas, de tanta dor que sentia pelamorte da minha única filha.Nunca pensei em quão dolorido seria para uma mãe perder umfilho, mesmo quando Ness estava muito doente, sempre acheique viveria para sempre. E vê-la morta diante de mim, causou-me uma dor que não pensei que existisse. Mas a tragédiaainda não estava totalmente completa e quando Edward sedeu conta que não havia nada a se fazer, saiu desesperado ejurou só voltar para casa quando o vampiro psicopataestivesse morto.- Ness! Minha filhinha!! Como viverei sem ver o seu rostotodos os dias¿ Por que isso foi acontecer¿ Isso não é justo!!Não é!!O que será de mim¿ Do seu pai¿ Dos seus filhos¿ DoJake¿ AHAHAHAHAHAHAH!!! NÃO NÃO NÃO NÃO!! NÃOACEITO ISSO!! FILHAAAAAAA!! NEEEEESSSSSEEEEEEE- Dor,dor e mais dor, era isso que sentia e não havia mais nada a serfeito.Depois que voltaram do hospital, Japser tomou asprovidências para o enterro sem a presença de Edward, quesumira no mundo e não deu nenhuma noticia. E eu me sentiatotalmente destruída naquele momento tão difícil da minhavida e o meu único alento, até aquele momento, era o fato dosmeus netos ainda estarem vivos.Todos nós estávamos destruídos pelo que havia acontecido,mas ainda teríamos que enterrar Ness e contar para Jake quesua vida havia partido. E essa seria a parte mais difícil defazer, pois sabíamos que ele não agüentaria viver sem suaNess. Então já estávamos pressentindo mais uma tragédia nafamília e o pior de tudo, era que não tinha o meu Edward parame amparar naquele momento.O enterro de Ness foi a coisa mais triste que já presenciei emtoda a minha vida. E quis ter a capacidade de morrer naquelemomento, para não precisar viver com a dor que consumia aminha alma. Mas depois que o enterro passou, ficamos inertesem casa a espera que Edward voltasse e que Jake acordasse.Entretanto os dias se passaram e Edward não voltou.- NÃO ACEITO ISSO!! FILHAAAAAAA!! NEEEEESSSSSEEEEEEE-Era isso que sentia a cada dia que se passava. Entãofinalmente Jake acordou e teríamos que fazer a coisa maisdifícil até aquele momento. E ninguém estava disposto acontar para ele que sua pequena havia morrido.Já havíamos feito uma assembléia e chegamos a conclusão
  • 309. que Emmett deveria contar a verdade para ele. E foi a primeiravez que o vi com medo de alguma coisa. Mas não tinha muitoque fazer naquele momento e alguém precisava ser forte,quando todos estavam destruídos demais naquele momento.Então mesmo a contra gosto, aceitou esse papel fatídico de dáa noticia mais terrível do mundo para Jake.Alice, Esme, Rosi, Jasper, Carlisle e eu ficamos no quanto doquarto, enquanto Emmett sentava ao lado de Jake na cama,preparando-se para contar o que havia acontecido. E nessemomento, Alice e eu nos abraçamos e choramos juntasbaixinho, imaginando a dor que sentiria quando descobrisse aque havia perdido a razão da sua vida.- Jake! Como você se sente¿ - Emmett perguntou assim queele abriu os olhos.- Estranho! – Ele sussurrou e virou a cabeça para nos olhar.- Olha só... – Emmett começou a falar e foi imediatamentecortado por ele.- Ness¿ Onde está Ness¿ - Ele perguntou baixinho.- Jake! Aconteceu algo com Ness... – Emmett estava semcoragem para contar o que havia acontecido, então parou porum momento, fechou os olhos e tentou respirar fundo.- O que houve com minha vida¿ - Jake perguntou, tentando selevantar da cama.- Jake! Ela não resistiu! – Essa foi a única coisa que Emmettdisse.Jake sentou-se na cama, colocou as mãos na cabeça ecomeçou a chorar como uma criança. Então fui até ele echoramos juntos por um tempo.- Como viverei sem minha vida¿ Ela foi embora e levou o meucoração junto! Não há mais nada para mim nesse mundo!! Doemuito!! Eu não consigo explicar o tamanho da dor que estousentindo...Parece que fui partido ao meio. – Ele mal conseguiafalar, de tanto que chorava e soluçava.Todos ficaram em silêncio no quarto, chorando junto conoscoe vi que Alice estava mortalmente ferida, sem conseguir ficarde pé e sendo amparada por Jasper.
  • 310. - Onde enterraram o corpo dela¿ - Ele sussurrou.- No cemitério de La Push. Seu pai faz questão que fosseenterrada ao lado do túmulo da sua mãe. – Respondibaixinho.Ele se levantou da cama, ainda meio fraco, ficou de pé ecomeçou a gritar como um louco.- NEEEEEESSSSSS!!! NEEEEESSSSSS!!! AHAHAHAHAH!!!NÃOOOOOOOOOOOOO!!! NÃOOOOOOOOO!!! VOLTAAAAAAA!!AHAHAH!! OHOHOH!!! HAHAHAHAHSHSHSHSHS!!!NEEEESSSSSSSSSSS!!! NÃO! NÃO! NÃO! NÃO!!Depois de gritar muito, correu para a garagem e pegou oprimeiro carro que viu aberto. Então foi para o cemitério de LaPush.Emmett e Jasper o seguiram e ficaram mandando notíciassobre o meu irmão, amigo, filho e genro que estavamortalmente ferido. Então por eles soubemos que Jake passoutrês noites deitado no cemitério diante do túmulo de Ness. Enem mesmo Seth e Billy foram capazes de tirá-lo daquelelugar. Porque ele não ouvia e não via ninguém, como seestivesse cego e surdo. E no quarto dia caminhou até a praia edeitou na areia, olhando o céu por um dia inteiro.Alice e eu, mesmo arrasadas por aquela situação, decidimos iraté a praia e trazer Jake para casa e cuidar dele. Mas quandochegamos próximo dele estava morto, com os olhos abertos esorrindo como se houvesse visto a coisa mais linda do mundo.E mesmo sem acreditar naquela coisa de alma gêmea, tive acerteza que ela veio buscar o seu amor, por que aquele olhar esorriso eram o mesmo que possuía todas as vezes que via asua pequena.Eu tive todas as perdas que uma pessoa poderia ter em umamesma semana, ficando sem minha filha, meu genro, meumarido e nem tinha certeza que meus netos sobreviveriam.CONTINUAPENULTIMO CAPÍTULO - UMA VEZ MAIS (PVO JAKE)CAPÍTULO FINAL – ALMA GÊMEA Voltar para o índice
  • 311. PENULTIMO CAPITULO - UMA VEZ MAIS escrita por GLAUCIABLACKAmores, cap ficou muito triste e chorei muito com a dor donosso Jake.Revisarei o cap final e o prólogo da nova trama. E tentareipostar o encontro dos nossos amores ainda hoje.Antes de ler o cap, procurem a música Uma vez mais – IVOPESSOA.http://www.youtube.com/watch?v=iId4AegVz8ABjusPENULTIMO CAPÍTULO - UMA VEZ MAISMinha cabeça estava pesada e sentia uma sensação estranhaem meu corpo,como se parte de mim estivesse faltando, masentendia o porquê de me sentir daquele jeito. Então abri meusolhos e vi Emmett sentado na cama ao meu lado meencarando com expressões de dor em sua face. E depois deficar um tempo pensativo, finalmente conseguiu abri a boca efalar.- Jake! Como você se sente¿ - Ele perguntou e comecei a ficarpreocupado com aquele fato, pois nunca em minha vidaimaginaria Emmett em uma cama ao meu lado, questionando-me sobre o meu estado.- Estranho! – Sussurrei virando a minha para olhar os outrosvampiros que estavam no canto da sala. E suas expressões medavam conta que algo terrível havia acontecido e tinha algohaver com minha pequena.- Olha só... – Emmett começou a falar e eu o interrompi, poisprecisava saber o que estava acontecendo e porque me sentiatão estranho daquela maneira.- Ness¿ Onde está Ness¿ - Perguntei com mundo medo do queouviria, mas no fundo do meu coração que parecia vazio equebrado, sabia que ela não estava entre nós. Mas tinhaesperança que a resposta fosse outra e que minha vidaestivesse bem.- Jake! Aconteceu algo com Ness... – Ele tentou falar, mas
  • 312. depois fechou os olhos e respirou fundo antes de prosseguir enesse momento tive a certeza do que me diria, mas precisavaouvir com todas as palavras o meu golpe de misericórdia.- O que houve com minha vida¿ - Perguntei, tentando melevantar da cama. E a dor que sentia começou a tirar meufôlego e minhas forças naquele momento.- Jake! Ela não resistiu! – Ele só disse isso e meu mundo haviadespencado diante de mim. E soube que não havia mais futuropossível para mim naquele momento.Sentei na cama e comecei a chorar como uma criança e odesespero que sentia era tão grande, que cheguei a desejarter morrido para não sentir tamanha dor que estava mearrancando à alma de dentro para fora, tirando tudo o quetinha de forma voraz e impiedosa. Então Bella se sentou aomeu lado, abraçando-me ternamente e choramos juntosaquela perda, que nunca seria reparada para nenhum de nós.- Como viverei sem minha vida¿ Ela foi embora e levou o meucoração junto! Não há mais nada para mim nesse mundo!! Doemuito!! Eu não consigo explicar o tamanho da dor que estousentindo...Parece que fui partido ao meio. – Não havia formade acalmar o meu coração ferido e nada que falassem tiraria ador que sentia naquele momento.Fiquei por um tempo em silêncio e naquele momento sódesejei ir até o seu túmulo para ficar mais próximo da únicacoisa que restou da minha vida: O seu corpo morto.- Onde enterraram o corpo dela¿ - Sussurrei, com a cabeçagirando e um desespero insuportável consumindo o meu corpode dentro para fora, como se algo estivesse me queimando ocoração.- No cemitério de La Push. Seu pai faz questão que fosseenterrada ao lado do túmulo da sua mãe. – Bella baixinho.Consegui me levantar da cama ainda fraco, tonto e sentindouma imensa me consumir a alma. Então extravasei todo domeu desespero e comecei a gritar enlouquecido, com a dorque estava me massacrando a alma.- NEEEEEESSSSSS!!! NEEEEESSSSSS!!! AHAHAHAHAH!!!NÃOOOOOOOOOOOOO!!! NÃOOOOOOOOO!!! VOLTAAAAAAA!!AHAHAH!! OHOHOH!!! HAHAHAHAHSHSHSHSHS!!!NEEEESSSSSSSSSSS!!! NÃO! NÃO! NÃO! NÃO!!
  • 313. Sai do quarto e fui em direção a garagem, pegando o primeirocarro que encontrei aberto. Então dirigi até o cemitério de LaPush, consumido pela dor e desespero que sentia. E quandocheguei comecei a procurar o túmulo da minha vida de formadesesperada, até que encontrei um túmulo cheio de rosas etive certeza que era o dela.Ajoelhei diante do seu túmulo e recebi o golpe fatal em meupeito, pois os fatos estavam diante de mim e não havia maisdúvida ou esperanças de que tudo fosse uma mentira ou umabrincadeira.Dor! Dor! Muita dor! Muito desespero! Quis morrer! Quissumir!! Quis matar!! Quis arrancar meu coração do peito feridoe sem vida!!Ela era tudo o que tinha e agora se foi deixando o buracoaberto em meu peito. E apesar de saber que um dia nosencontraremos em outra vida, esse fato não amenizava a dorque sentia naquele momento. Então deitei no chão e ali fiqueideixando a dor consumir meu corpo de forma implacável. Poissabia que não existia nada para mim daquele momento emdiante e esperar pela morte era a única coisa que me restavanaquele momento.Lembrei de todos os sonhos que tive e cheguei à conclusãoque estávamos inevitavelmente fadados a sermos separadospor alguma tragédia estúpida. Mas não conseguia meconformar me perder todos os sonhos de um futuro feliz comminha mulher e meus filhos. E isso era o que mais merevoltava naquele momento.Futuro¿ Que futuro existiria para mim sem minha vida¿ Ela foiembora levando consigo o meu coração e a minha alma, e nãohaveria mais presente ou futuro para um morto vivo como eu.Minha vida!! Onde você estará nesse momento¿ Será um dianos encontraremos novamente¿ A dor que a sua falta me trásé tão grande que mal consigo respirar! Não tenho forças parafalar, para comer, beber, sorrir... Viver!! Nada restou para mimalém do vazio que você deixou. E apesar de saber que muitasoutras vidas ainda virão para nós dois... Não consigo deixar desofrer tanto!!Você teve o meu melhor e vivi todos esses anos para te amarcomo nunca ninguém foi amada nesse mundo.Está doendo tanto!!!!! Doe tanto!!! Quero arrancar essa dor dopeito, mas não consigo!!! Quero respirar mas não consigo!!Quero você e não posso tê-la! Não nessa vida! Não mais!!
  • 314. Prometo que minha alma procurará pela sua e que um dia aamarei tanto, que ficará enjoado de mim.Minha vida! Minha Alma! Minha Ness! Amo você!! Sempreamarei você!!Fiquei não sei quanto tempo deitado em frente ao seu tumulo,sem ver nada além da sua lápide. Então levantei e comecei acorrer sem rumo e quando percebi estava na praia, caindo naareia de tão exausto pela curta corrida que consumira orestante das forças que ainda tinha.Deitei na areia e comecei a pensar do lindo rosto de anjosorrindo para mim, então lembrei de uma música que ouvimosem uma novela brasileira chamada Alma Gêmea, que Nessassistia em Londres, e comecei a perceber que a letra damúsica refletia tudo que sentia e passava naquele momento.Uma Vez Mais - Ivo PessoaComposição: Blanch e Felipe Loefflerhttp://www.youtube.com/watch?v=iId4AegVz8AVôa minha aveVôa sem pararViaja prá longeTe encontrareiEm algum lugar...Permaneço em tiComo sempre foiMais perfeito e mais fielMesmo sozinho seiQue estás perto de mimQuando triste olho pro céu...Quando eu te viO sonho aconteceuQuando eu te viMeu mundo amanheceu...Mas você partiu sem mimE sei que estásEm algum jardimEntre as flores...Anjo!Meu tão amado anjoBem sei que estásE eu do brando sonoHei de acordarPara os teus olhosVer uma vez mais...Mais
  • 315. O verdadeiro amor esperaUma vez maisQuando eu te viO sonho aconteceuQuando eu te viMeu mundo amanheceu...(2x)Mas você partiu sem mimE sei que estásEm algum jardimEntre as flores...Como diz a letra dessa música, você partiu sem mim. Maspermanecerei fiel a ti a espera de uma nova chance para nósdois, mesmo tendo partido sem mim e levado meu coraçãocontigo. E sei que teremos uma nova oportunidade de nosamarmos novamente em outra vida.Uma vez mais!! É tudo que preciso!! Uma vez mais para dizer oquanto te amo!!Olhei para o céu azul e vi nas nuvens o meu anjo perfeito elindo, estendendo as mãos para mim. E sorri para eleencantado com maravilhosa visão e de repente tudo deapagou.CONTINUA - CAP FINAL - ALMA GÊMEA Voltar para o índice
  • 316. CAPÍTULO FINAL - ALMA GÊMEA escrita por GLAUCIABLACKMinhas amadas leitoras, é com muita alegria que me despeçode vocês após essa linda novelinha de amor.Espero que tenham gostado da minha Alma gêmea e queacompanhem as minhas fics.Esses últimos dias foram bem complicados para mim, poisestou com tendinite e a dificuldade de escrever é muitogrande.Tirarei uma ou duas semanas de folga e depois começarei comIMPLACÁVEL DESTINO.Espero que acompanhe essa nova trama, que será maravilhosae apaixonante.Agradeço aos mais de 300 comentários, as três indicações etodas as estrelinhas que recebi. Mas afirmo que o maisimportante para mim é o carinho das minhas leitoras e issonão tem dinheiro que pague.Peço desculpas por erros ou incoerências, mas fiz o melhorque pude para vocês.CAPÍTULO FINAL - ALMA GÊMEAAbri meus olhos e esfreguei as mãos sobre eles, pois aestrema claridade no local feria minha visão. Então senti queminha cabeça estava deitada sobre um colo quente e vi a visãomais linda e perfeita do mundo, enquanto ouvia o barulho ospássaros e risadas de crianças vindas de longe.Ela sorriu para mim e acariciou meu rosto antes de sussurrarmeu nome docemente.- Jake! – Seu sorriso era enorme e eu ainda deitado comminha cabeça em seu colo, senti meu corpo completonovamente,o ar voltar ao meu corpo, meu coração bateraceleradamente com aquela estranha e nova emoção.- Eu estou sonhando¿ – Sussurrei com a voz rouca.- Não! Você está aqui comigo. – Ela respondeu sorrindo,alisando minha boca com seu dedo indicador.- Onde estamos¿ - Perguntei curioso, vendo pessoas andandode branco, crianças correndo em um imenso campo de
  • 317. gramado verde e muitas flores por todos os locais, e sentindouma imensa paz emanando de meu corpo.- Os humanos que chegam chamam esse lugar de paraíso. –Ela respondeu sorrindo.- Paraíso¿ - Perguntei sorrindo, levantando o meu corpo deseu colo e sentando ao seu lado, para admirar o rosto perfeitoque tanto amava.- Você se sente bem¿ Nas primeiras horas é um poucoestranho essa sensação, mas depois se acostuma. – Ela disse.- Só estou me sentindo um pouco estranho, mas não seiexplicar. – Respondi, abraçando a minha pequena de formacarinhosa e saudosa.- Como você quer que nos chamemos¿ - Ela perguntou.- Como assim¿ - Perguntei sem entender a pergunta, enquantocontinuávamos nos abraçando de forma emocionada.- Temos muitos nomes: Edmond e Sofi, Liang e Ming, Hermonde Natasha, Bruna e Paolo, Yago e Kassandra e poderia ficar umbom tempo enumerando todos os nomes. – Ela dissepercorrendo suas mãos sobre as minhas costas.- Prefiro JakeXNess! – Respondi, saindo do nosso abraço esegurando o seu rosto com as duas mãos, pronto para beijaros seus lábios perfeitos.- Vejo que acordou! – Era a voz de um homem, queinterrompeu o quase beijo que daria em minha Ness. E me fezvirar o rosto para fitá-lo.- Quem são vocês¿ - Perguntei observando o casal de mãosdadas a nossa frente.- Somos Victor e Selena. – Ele respondeu.- Você já está quase recuperado da passagem e já podecomeçar os seus estudos. – A mulher chamada Selena dissesorrindo para mim.- Nós somos o que os humanos recém chegados costumamchamar de anjos. E fomos os anjos de vocês dois. – O homemdisse.
  • 318. - Vocês sãos os incompetentes¿ - Disse fazendo uma careta.- Como¿ Incompetentes¿ - Ele perguntou admirado.- Isso mesmo!! Que espécie de anjos permitem tantosofrimento aos seus protegidos¿ - Perguntei, enquanto elesme olhavam de forma estranha e Ness balançava a cabeça emsinal de negativo.- Nós fizemos tudo ao nosso alcance, mas não podemosinterferir no livre arbítrio das pessoas. E você é muito malagradecido! Quem você acha que colocou aquele vampiro noseu caminho quando estava sem memória¿ Que fez vocêstrocarem de mala no aeroporto¿ Quem fez Ness atropelar asua moto¿ Que fez vocês ficares sozinhos naquela nevascapara você dá o seu sangue para ela¿ Que salvou a vida dela,quando o vampiro invadiu o quarto¿ Que impediu que fossemorta antes que seus filhos estivessem prontos para nascer¿Você é um ingrato! – Ele disse com expressão de tristeza.- Se vocês fizessem o trabalho direito, nada daquilo teriaacontecido. – Disse.- Bem! Chega de conversa! Ness vocês tem mais um tempojuntos e depois o leve para começar os seus estudos... – Elesse viraram para ir embora de repente pararam para nosencarar novamente. – AH! Esqueci de uma coisa. Das últimasvezes foram expulsos por comportamentos inapropriado,então esperamos que se comportem dessa vez. – Ele disse eos dois se foram.- Fomos expulsos¿ O que aconteceu¿ - Perguntei para Ness.- Amor! Aqui nós podemos nos abraçar, andar de mãos dadase às vezes dá um selinho. Mas certas coisas não sãopermitidas. Então tivemos algumas vidas e depois queevoluímos começamos o nosso estudo. Só que os desejoscarnais permaneciam em nós e quebramos as regras, entãofugimos e fazemos coisas que não poderíamos aqui. E comocastigo, fomos enviados para a terra várias vezes, sofrendomuito em todas as vidas por não concretizar o nosso amor.Então quando completamos as nossas passagens e finalmenteviramos anjos, quebramos as regras novamente. E por issofomos enviados como lobo e meta vampira, como uma espéciede castigo pela nossa desobediência.- Quer dizer que os anjos resolveram fugir para fornicar e porisso recebemos um castigo. – Disse, alisando o seu rosto.
  • 319. - Sim! – Ela respondeu sorrindo.- Mas sabe que esse castigo valeu apena. – Disse, tocandoseus lábios com a ponta do meu dedo.- Valeu sim! Nós nos amamos mais do que todas as vidasanteriores. – Ela respondeu sorrindo.- Então o lobo mau não poderá mais fazer bem para achapeuzinho¿ - Perguntei com um sorriso maroto.- A chapeuzinho adoraria que o lobo mau fizesse bem a ela.Mas a chapeuzinho não quer ser castigada novamente... Nãopor enquanto! – Ela riu.- Então acho que nos comportaremos muito bem. – Respondi,abraçando o seu corpo quente e o seu calor me completava deforma surreal.DEPOIS DE MUITO TEMPO...- JakeXNess¿ - Selena nos chamou, enquanto estudávamossobre as emoções humanas e a luta entre os seres espirituaise o seres malignos.- OI! – Minha alma gêmea respondeu ao virar para observá-la.- Vocês já estão prontos e temos o primeiro serviço para ocasal. – Victor disse, passando uma pasta para cada um denós.- O que é isso¿ - Perguntei ao abrir a pasta que continhaescrito na capa: Dociê Seth Clearwater.- Esses são os dociês de Seth e Rennê. – Selena disse.- Rennê¿ - Perguntei curioso.- Sim! Nossa filha! – Ness disse sorrindo para mim.- Nossos filhos sobreviveram¿ - Perguntei sorrindo eemocionado.- Sim! Eles são jovens adoráveis e felizes. – Selenarespondeu.
  • 320. - Rennê á apaixonada por Embry, que foi o seu primeironamorado e homem. E tem Seth como seu melhor amigo, semperceber que ele a ama de verdade. Então já está na hora dedá um empurrãozinho para esses dois.- Eu não preciso ler esse dociê, porque conheço Seth como apalma da minha mão.- Eu não contaria com isso, então leiam atentos esses dociês edepois comecem o serviço de vocês. E não se esqueçam quenão podem fazer certas coisas enquanto estiverem na terra. –Victor nos advertiu novamente.Minha alma gêmea e eu ficamos por um tempo lendo tudosobre Seth e Rennê. Então nos materializamos na terra,exatamente me LaPush.- Qual o plano meu lobão¿ - Ela me perguntou.- Você faz a Rennê ir para praia e se afogar no mar. E eu façoSeth salvá-la.- Não podemos interferir no livre arbítrio deles. – Ness disse.- Não iremos!! Só ajudaremos o Seth fazer uma respiraçãoboca a boca nela. E depois é com eles. – Disse, rindomalicioso.- OK! Vai procurar Rennê e eu o Seth. E daqui a pouco nosencontraremos na praia. – Disse beijando a sua testa e medesmaterializei, parando na oficina.Comecei a sussurrar no ouvido dele que deveria ir para apraia. Até que cedeu as minhas investidas, pegou a sua moto efoi ver o por do Sol. E quando chegou lá, viu a linda Rennê seafogando, então correu para o mar, furado as ondas esalvando a minha linda filha.Ness estava parada observando tudo, quando cheguei por tráse abracei o seu corpo, colocando meu queixo em seu ombro,para observar a performance do meu protegido. Então vimosquando ele carregou o seu corpo para a praia, deitando-o naareia e começou a fazer respiração boca a boca.Depois de um tempo, Rennê voltou a consciência e ficouolhando admirada para Seth. E depois de um tempohipnotizada, o beijou docemente. E Ness e eu estávamos
  • 321. eufóricos com o plano bem sucedido.- Bem! Acho que agora é com ele. – Disse para Ness- Mas ainda temos que ficar de olho nos dois. – Ela respondeu,ainda olhando encantada.- A nossa filha é muito linda. – Disse para ela.- Ela é tão perfeita! – Ela sussurrou emocionada.- Eu gostaria de observar Billy. – Disse para ela.- Então vamos! Onde ele está¿ - Ela perguntou.- Estava na oficina quando estive lá. – Disse para ela.- E o que estamos esperando¿ - Ela perguntou.Nos materializamos no escritório da oficina e Billy estavasentado, segurando o porta retrato com a nossa foto. E sorriafeliz, observando a felicidade dos pais, quando a porta deabriu.- Lissa¿ Entre! – Ele disse sorrindo para a linda garotamorena, que parecia a índia do filme Pocarontas.- Amor!! Papai quer conversar com você sobre o nossocasamento. – A garota disse.- Meu tio Paul é tão chato às vezes. O que ele quer agora¿ -Billy perguntou.- Quer falar sobre o casamento, porque não aceita que osCullens banquem tudo. – Ela respondeu.- A minha tia Alice está eufórica com esse casamento e nãopodemos tirar esse gostinho dela. Você a conhece bem e sabecomo ficaria magoada. – Ele disse para ela.- Mamãe também não está muito feliz com nosso casamento.– Ela disse.- Pensei que a tia Rachel já houvesse superado o fato sesermos primos. Mas tudo bem! Vamos enfrentar as feras!!Você é a mulher da minha vida e faço tudo para ficar ao seulado para sempre. – Ele disse e a baixou.
  • 322. Ness e eu estávamos emocionados por saber que nossos filhossobreviveram. E que eram pessoas felizes, vivendo o auge oamor. Mas apesar de saber que ainda tínhamos um trabalhofazer com Seth e Rennê, resolvi fazer uma parada paraaproveitar a minha alma gêmea.- Vida minha! – Sussurrei em seu ouvido enquanto víamos opor do sol abraçados.- Jake! Eu amo você! – Ela disse me beijando docemente.- Pensei que não poderíamos fazer isso. – Disse ao terminar obeijo.- Acho que vale a pena correr o risco só para ter você maisuma vez. – Ela disse sorrindo para mim.- Também acho, mas se viermos novamente como rato eelefoa¿ - Perguntei para ela.- Você será o rato mais amado do mundo. – Ela respondeu,fitando meus olhos de forma muito pidona.- E você será a elefoa mais linda e amada do mundo. –Respondi e a tomei em meus braços. Então fizemos amor aopor do Sol, sabendo que nossos atos trariam algumasconseqüências desagradáveis, mas amar a minha alma gêmeaera a coisa mais maravilhosa do mundo, permitindo umasensação surreal para nós dois.FIMEPÍLOGOA terceira guerra mundial explodiu há 60 anos e o mundopassou por diversas transformações nesse período. Mas omundo clamava por paz, pois o caos era predominante naEuropa, Ásia e Africa. E a América que continuava intacta,corria um grande risco de ser bombardeada pelas forçasinimigas.Naquela época eu tinha 18 anos e era o filho do presidente dosEstados Unidos da América, a maior nação, a mais rica e maispoderosa belicamente. Mas meu pai estava preocupado comum possível ataque e depois de anos de negociação com opresidente do Irã, resolveram assinar um tratado de paz.
  • 323. O presidente iraniano, sua família e toda sua comitiva foraconvidado para uma celebração na casa branca, após aassinatura do tratado que finalmente colocaria fim a estúpidaguerra. Mas eu não estava animado para festa e achava otrato com um tirano assassino um grande erro, contudoprecisava desempenhar o papel de bom filho e está ao ladodos meus pais e chefes de estados dos Estados Unidos. E foijustamente naquele dia, quando o meu mau humor era visívele não estava com vontade ou paciência para tantos protocolos,que conhecia a mulher da minha vida.Estávamos de pé, na entrada do grande salão de festa, quandoos nossos inimigos e visitantes chegaram com pompa ecircunstância. E naquele momento, senti meu mundo parar,meu coração acelerar com o centro do universo que mechamava para ela.Ela era linda com sua pele morena, seu rosto perfeito, cabelosnegros cacheados e um irresistível sorriso. E naquelemomento, soube que mesmo sendo inimiga da minha nação,era a mulher da minha vida.Aquele seria o início de um amor impossível, que romperiatodas as barreiras de raças, religiões e culturas. Mas lutariapor seu amor com todas as minhas forças enquanto estivessevivo.FIMEssa fic foi baseada no livro Laços Eternos (autordesconhecido), que foi emprestado há 14 anos, por uma amigachamada Cecília, quando estudávamos no Instituto MarcosFreitas na cidade de Duque de Caxias, RJ – Brasil.Naquela época tinha muitos sonhos e desejava ser professorade história. Mas a vida me levou por outros caminhos e hojetrabalho em telecomunicações.Naquele colégio que estudei anos da minha vida, aprendi a sergente, a respeitar as pessoas, a ser prestativa, a ser generosa,a encarar o mundo de frente, a crescer como ser humano e aviver.Essa fic é dedicada a todos os professores e alunos, quepassaram pela turma do primeiro ano do ano de 1997. Poisapesar de perder o contato, aquelas pessoas fizeram parte daminha história como pessoa e sempre as levarei em meucoração.Aos meus amados amigos: Kelly, Fernanda, Irinéia,Alessandra, Heydi, Larissa, Cecília, Anderson Azevedo e aosmeus amados professores: Marcelo (Geografia), Marcelo
  • 324. (História), Jonê (Português) e principalmente Geraldo(Educação física – que me treinou por muitos anos no time dehand boll do colégio).---------- EM BREVE ------------IMPLACÁVEL DESTINOSINOPSEVocê acredita em destino? Em predestinação? Edward tambémnão acreditava e resolveu mudar o destino de sua família,tirando o seu antigo rival Jacob Black de suas vidas. Mas odestino é implacável e o que estava predestinado a acontecer,um dia será cobrado de uma forma ou de outra. E quanto eletomou a decisão de voltar ao passado e alterar o futuro, nãoimaginou as terríveis conseqüências que seus atos teriam ecomo mudariam a vida de todos a sua volta, principalmente ada sua filha.PRÓLOGOEdward e Bella foram para França em busca de mais uma luade mel, afinal ter uma vida romântica e viver no auge dapaixão era bem complicado de se fazer em uma casa cheia devampiros e uma filha adolescente, no auge da sua explosão dehormônios e ainda por cima com um namorado como JacobBlack.Ele se sentia desconfortável com a situação e era muitocomplicado aceitar o fato que sua filha, de seis anos mesmoaparentando 17, estivesse namorando o seu antigo rivalJacob. E isso estava o deixando estressado e gerando algunsconflitos com sua esposa e sua filha. Então naquele verão,decidiram tirar umas férias de toda aquela confusão epartiram para Franca, pensando curtir o casamentointensamente longe da presença de Jacob Black.Durante um passeio ao Louvre, conheceram um estranhovampiro chamado Jean e se tornaram amigos de imediato. MasEdward com suas inquietações começou a vasculhar a mentedo vampiro e descobriu que ele possuía um dom distinto e queseria muito útil para ele.No inicio, ficou bem constrangido em tocar no assunto eperguntar sobre os seus poderes, mas depois de uma semana
  • 325. de convivência o convidou para um passeio na Torre Eifel,somente os dois, e lá iniciou o assunto que o estavaangustiando tanto.- Jean! Posso te perguntar uma coisa pessoal? - Ele perguntoucom uma expressão estranha.- Pode! Se eu for capaz de te responder. – Jean respondeubem curioso sobre o que se tratava.- Seus poderes? Pode voltar ao passado e mudar o futuro daspessoas? - Ele introduziu a conversa, bem constrangido detocar naquele assunto.- Como sabe sobre isso? - Perguntou, franzindo assobrancelhas e o olhando de forma estranha.- Eu leio a mente das pessoas e vi que você tem esse domespecial. – Respondeu, dando de ombros e tentando parecercasual, mesmo com seu constrangimento.- Tudo bem! Eu posso levar uma pessoa ao seu passado e elapode mudar as coisas, alterando o seu futuro. Mas isso émuito perigoso e coisas horríveis já aconteceram. –Respondeu preocupado.- O que você me diria se eu te pedisse que me ajudasse? Quemudasse o meu passado. Faria? - Edward perguntou ansiosopela resposta, pois naquele momento o que mais desejava navida era se ver livre de Jacob Black. E não importava o quefaria para que o fato fosse uma realidade.- Você estaria preparado para sofrer as conseqüências?- Jeanperguntou para Edward, cruzando os braços e fazendo umacara muito estranha, como quem diz: Está preparado parapagar o preço?- Sim! Mas o que pode acontecer de mal?- Perguntou paraJean.- O Destino sempre cobra o seu preço e quando mudamos opassado, inevitavelmente o futuro também é alterado. E todasas coisas que estavam predestinadas a acontecer, serãocobradas pelo destino de forma implacável. Então por maisque queria se livrar desse cara, se ele estiver no seu destino...– Ele respirou fundo e continuou – Um dia entrará novamentena vida de vocês e o que estava destinado a acontecer,acontecerá. Custe o que custar! – Concluiu.
  • 326. - Eu tenho uma filha de seis anos, que tem o crescimentoacelerado e agora aparenta 17 anos. E está perdidamenteapaixonada por um cara chamado Jacob Black, que um dia foimeu maior rival pelo coração de Bella. E não suporto verminha pequena em seus braços e estou disposto a tudo paratirar esse cara da nossa vida.- Quando você altera os fatos, as pessoas também mudam. Esua filha também pode sofrer as conseqüências disso. – Jeanrespondeu, virando o rosto para ver o oriente.- Como assim? Edward perguntou já com certa angustia.- Ela pode ser diferente, ter outra personalidade, forma físicae não será a mesma filha que têm hoje. Então se escolhervoltar ao passado e impedir que esse homem entre na vida devocês, corre o um grande risco de não ter essa filha. Entãopense um pouco e depois me diga o que decidiu, mas nãoesqueça que o destino é implacável e sempre cobra o seupreço.- Pensarei bem meu amigo.Edward passou dois dias pensativo e preocupado com aspalavras de Jean, mas no final estava disposto a correr o risco,só para tirar Jacob Black de seu caminho. Então marcou umnovo encontro com o vampiro e informou a sua decisão.Ele estava disposto a correr todos os riscos e voltaria notempo, para impedir que Bella e Jacob se tornassem grandesamigos. E principalmente que os garotos de La Pushsofressem as transformações em lobo, o que impediria umapossível impressão de Jacob com Nessie em um futurodistante.Ele achava que tinha tudo sobre o controle e resolveumanipular o destino em favor do seu egoísmo, só que não seatentou para as palavras do seu amigo, que o informou quedestino cobraria o seu preço. E pediu que voltasse no tempo,exatamente no dia em que levaria Bella para uma partida deBaiseball com sua família. Mas ao invés de leva - lá para aenorme lareira, convenceu seu amor a fugir com ele paralonge de Forks e evitar que ela encontrasse com James eVitória. E esse foi o primeiro erro que cometeu!Edward e Bella foram para longe e só deixaram uma carta
  • 327. para Charlie, informando que eles tinham fugido juntos e apartir daquele dia, a vida de todos em Forks e La Push foiirremediavelmente alterada, sem uma forma de desfazer oerro que havia cometido.Muitos anos se passaram e as coisas começaram a mudar navida de Edward e Bella, principalmente quando resolveramvoltar para Forks, depois de descobrirem que Charlie estava àbeira da morta. E por uma grande coincidência, na mesmaépoca a antiga turma de amigos de La Push voltou para a suaconfraternização de 10 anos, cruzando os destinos de todos edando ao destino a chance de cobrar o seu preço.----- EM BREVE -----ENQUANTO NÃO INICIO ESSA FIC, DEIXO PARA QUEM NÃOCONHECE AS MINHA TRAMAS:JACOB & RENESMEE – SOL DA MINHA VIDA: Jake se vêobrigado a se mudar com os Cullens e passa anos vivendo comeles no Canadá. E nesse período, Ness se apaixonaperdidamente por ele, vivendo os conflitos de umaadolescente apaixonada.SIMPLEMSNTE JAKE: Ness é levada para viver em Volterra equando chega a época de voltar, algo terrível acontece e édada com morta. O meu lindo sofre horrores e tenta se matarmuitas vezes. E quando resolver viver novamente, ficandonoite de Leah, Ness aparece sem memória e extremamentecruel.E o nosso amigo corta um dobrado para conquistar essaferinha.JAKEXNESS – A MENTIRA: Pai de Jake é assassinado por umvampiro e tudo indica que foi Ness.Ela tem que mentir sobre o que fez e ele tem que se vingarpela morte do seu pai. Então traça um terrível plano devingança. E assim os dois vivem uma relação de amor e ódio,até a verdade vir a tona.SETH CLEAWEATER – INQUIETAÇÕES: Os conflitosadolescentes de um garoto, em plena explosão de hormônios,que perde seu pai e descobre que é um lobo. – Essa é umaone-shot que terá uma trama como continuação.AUTORA FELIZ POR TERMINADO A SUA FIC MESMO COMTENDINITE!!
  • 328. ATÉ A PROXIMA!!!BJUS Voltar para o índice As histórias são propriedade de seus respectivos autores. Não nos responsabilizamos pelo material aqui contido. Nyah!® Fanfiction História arquivada em http://fanfiction.nyah.com.br/viewstory.php?sid=60103