Safari De Estrategia Escola Cognitiva 24 08 08

24,537 views
24,082 views

Published on

Safari de Estratégia Escola Cognitiva

Published in: Education, Technology
1 Comment
6 Likes
Statistics
Notes
  • Isso foi puro Ctrl + C e Ctrl + V do livro.
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
No Downloads
Views
Total views
24,537
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
205
Actions
Shares
0
Downloads
660
Comments
1
Likes
6
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Safari De Estrategia Escola Cognitiva 24 08 08

  1. 1. WINTER Template Safari de Estratégia 01 Escola Cognitiva
  2. 2. WINTER Template 02 A Formação de Estratégia como Processo Mental. “ Srta. Demby, traga meus óculos de lentes cor de rosa. Não gosto da aparência desta projeção”. “ Eu o vejo quando acredito nele”. Anônimo. Escola Cognitiva
  3. 3. WINTER Template 03 Psicologia cognitiva : sondar a mente do estrategista O que ocorria nas mentes dos executivos era uma incógnita Os pesquisadores estavam mais preocupados com os requisitos para pensar e não com o pensamento em si Continuamos distantes de compreender os atos complexos e criativos que dão origem às estratégias Escola Cognitiva
  4. 4. WINTER Template 04 Os estrategistas são autodidatas Desenvolvem estruturas de conhecimento e processos de pensamento através de experiência direta Essa experiência dá forma àquilo que eles sabem , que, por sua vez, dá forma ao que eles fazem , moldando assim sua experiência subseqüente Escola Cognitiva
  5. 5. WINTER Template 05 Positivista , trata o processamento e a estruturação do conhecimento como um esforço para produzir algum tipo de filme objetivo do mundo Os olhos da mente são vistos como uma espécie de câmera Imagens que ela capta são distorcidas Ala Objetiva
  6. 6. 06 A estratégia é uma espécie de interpretação do mundo Os olhos da mente voltam-se para dentro , focalizando a maneira pela qual a mente faz sua tomada sobre aquilo que ela vê lá fora , os eventos, os símbolos, o comportamento dos clientes, etc... A cognição cria o mundo Ala Subjetiva
  7. 7. <ul><li>Uma espécie de ponte entre as escolas mais objetivas : </li></ul><ul><li>Design </li></ul><ul><li>Planejamento </li></ul><ul><li>Posicionamento </li></ul><ul><li>Empreendedora </li></ul><ul><li>E as escolas mais subjetivas : </li></ul><ul><li>Aprendizado </li></ul><ul><li>Cultura </li></ul><ul><li>Poder </li></ul><ul><li>Ambiente </li></ul><ul><li>Configuração </li></ul>WINTER Template 07 Localização da Escola
  8. 8. <ul><li>Como indivíduos processam informações para tomar decisões </li></ul><ul><li>Herbert Simon, 1978, recebeu o Prêmio Nobel de Economia </li></ul><ul><li>O mundo é grande e complexo , ao passo que, em comparação, o cérebro humano e sua capacidade de processamento de informações são altamente limitados </li></ul>08 Cognição como confusão
  9. 9. <ul><li>Duhaime e Schwenk (1985) estudaram como distorções podem afetar as decisões de aquisição e alienação: </li></ul><ul><li>Raciocínio por analogia </li></ul><ul><li>Ilusão de controle </li></ul><ul><li>Aumentar o comprometimento </li></ul><ul><li>Cálculo de resultado único </li></ul>09 Cognição como confusão
  10. 10. <ul><li>Busca de evidências de suporte </li></ul><ul><li>Inconsistência </li></ul><ul><li>Conservadorismo </li></ul><ul><li>Recentidade </li></ul><ul><li>Disponibilidade </li></ul><ul><li>Ancoragem </li></ul><ul><li>Correlações ilusórias </li></ul><ul><li>Percepção seletiva </li></ul><ul><li>Efeitos de regressão </li></ul><ul><li>Atribuição de sucesso e fracasso </li></ul><ul><li>Otimismo injustificado </li></ul><ul><li>Subestimar a incerteza </li></ul><ul><li>Makridakis (1990) </li></ul>10 Cognição como confusão Tendências na tomada de decisões
  11. 11. <ul><li>O simples fato de as pessoas articularem sua abordagem à solução de um problema criava uma resistência para mudar aquela abordagem </li></ul><ul><li>Tornar uma estratégia explícita pode criar resistência psicológica para mudá-la </li></ul>11 Cognição como confusão
  12. 12. <ul><li>Extroversão </li></ul><ul><li>Sentir </li></ul><ul><li>Pensar </li></ul><ul><li>Julgamento </li></ul><ul><li>Introversão </li></ul><ul><li>Intuição </li></ul><ul><li>Sentir </li></ul><ul><li>Percepção </li></ul>12 Cognição como confusão Instrumento Myers-Briggs , baseado na obra de Karl Jung ( estilos cognitivos ) Dimensões Opostas
  13. 13. <ul><li>Pensamento Extrovertido com Sentidos são lógicos, analíticos, objetivos, críticos e difíceis de serem convencidos por qualquer coisa que não o raciocínio. Eles gostam de organizar os fatos. Mas eles correm o risco de decidir depressa demais </li></ul><ul><li>Escola de Posicionamento </li></ul>13 Cognição como confusão
  14. 14. <ul><li>Em comparação, os Extrovertidos Sentindo com Sentimentos são realistas amistosos e adaptáveis confiando naquilo que podem ver, ouvir e saber diretamente. Eles resolvem problemas sendo adaptáveis sem necessidade de seguir procedimentos padronizados ou métodos preferidos </li></ul><ul><li>Escola de Aprendizagem </li></ul>14 Cognição como confusão
  15. 15. <ul><li>Sistema coletivo para processar informações </li></ul><ul><li>Os gerentes são trabalhadores da informação </li></ul><ul><li>Acumular distorções sobre distorções </li></ul><ul><li>Altos gerentes se tornam prisioneiros </li></ul>15 Cognição como processamento de informações
  16. 16. 16 Cognição como processamento de informações CODIFICAÇÃO ESCOLHA ATENÇÃO ARMAZENAGEM RECUPERAÇÃO RESULTADOS
  17. 17. <ul><li>Molduras </li></ul><ul><li>Esquema </li></ul><ul><li>Conceito </li></ul><ul><li>Enredo </li></ul><ul><li>Plano </li></ul><ul><li>Modelo mental </li></ul><ul><li>Mapa </li></ul>17 Estruturas mentais para organizar o conhecimento: Cognição como mapeamento
  18. 18. <ul><li>Os esquemas armazenam e tornam disponíveis os dados que recebemos </li></ul><ul><li>Os responsáveis pelas decisões têm certas expectativas associadas a um determinado esquema </li></ul>18 Cognição como mapeamento
  19. 19. <ul><li>Ativar um esquema é somente o primeiro passo. Ainda é preciso decidir passar ou não à ação </li></ul><ul><li>Todos os executivos experimentados carregam em suas mentes todos os tipos desses mapas causais ou modelos mentais </li></ul><ul><li>E seu impacto sobre o comportamento pode ser profundo. </li></ul>19 Cognição como mapeamento
  20. 20. <ul><li>A decisão atrapalha? (Mintzberg, 1990) </li></ul><ul><li>A maior parte das pesquisas sobre tomada de decisões partiu inicialmente não da decisão, mas sim da ação </li></ul><ul><li>A relação entre decisão e ação pode ser muito mais tênue </li></ul><ul><li>A decisão às vezes é uma elaboração artificial, psicológica , que imputa compromisso com a ação </li></ul>20 Cognição como mapeamento
  21. 21. <ul><li>Uma estratégia é um conceito </li></ul><ul><li>A geração de estratégia é realização de conceito </li></ul><ul><li>Os processos mentais relacionados ao desenvolvimento de estratégia, a percepção visual, o processamento paralelo de dados, a síntese, a assim chamada intuição , podem estar nas profundezas do subconsciente </li></ul>21 Cognição como realização de conceito
  22. 22. <ul><li>Grande parte do iceberg está abaixo da superfície e inacessível à verbalização , mas sua parte submersa é feita do mesmo gelo que a parte visível </li></ul><ul><li>A essência da intuição está na organização do conhecimento para a rápida identificação (Herbert Simon) </li></ul><ul><li>Intuição e julgamento são análises congeladas em hábitos e na capacidade para resposta rápida através do reconhecimento </li></ul>22 Cognição como realização de conceito
  23. 23. <ul><li>Grande parte do comportamento das organizações é determinada por aquelas inspirações ocasionais que reestruturam o modo de pensar </li></ul><ul><li>Precisamos compreender como é que os estrategistas conseguem , às vezes, sintetizar vastas quantidades de informações intangíveis em novas perspectivas </li></ul>23 Cognição como realização de conceito
  24. 24. <ul><li>Processos operando dentro do cérebro humano </li></ul><ul><li>Acessível à verbalização , é normalmente associado ao hemisfério esquerdo </li></ul><ul><li>Outro, mais espacial , aparentemente costuma ser encontrado no mudo hemisfério direito </li></ul><ul><li>A escola cognitiva , embora seja potencialmente a mais importante das dez, em termos práticos pode ser agora a de menor importância </li></ul>24 Cognição como realização de conceito
  25. 25. <ul><li>O mundo lá fora simplesmente não motiva comportamento aqui dentro </li></ul><ul><li>Para a visão interpretativa e construcionista , aquilo que está dentro da mente humana não é uma reprodução do mundo externo </li></ul><ul><li>A mente impõe alguma interpretação sobre o ambiente, ela constrói seu mundo </li></ul><ul><li>A mente possui mente própria , ela marcha segundo suas próprias dinâmicas cognitivas </li></ul>25 Cognição como construção
  26. 26. <ul><li>Dimensão coletiva , as pessoas interagem para criar seus mundos mentais </li></ul><ul><li>A moldura psicológica resolve a ambigüidade do que está dentro e do que está fora , do que é real, dentro do contexto de interação entre o espectador e a situação, e do que não é </li></ul><ul><li>O esquema depende daquilo que o indivíduo vê e em que acredita . A moldura , por outro lado, depende de dinâmicas grupais , das relações dos indivíduos entre si e com o grupo </li></ul>26 Cognição como construção
  27. 27. <ul><li>Uma conclusão óbvia é que, para evitar esse problema, os gerentes necessitam de um rico repertório de molduras , visões alternativas do seu mundo, para não serem aprisionados por nenhuma delas </li></ul><ul><li>A inspiração gerencial baseia-se na disposição para usar múltiplas lentes ou pontos de observação </li></ul>27 Cognição como construção
  28. 28. <ul><li>Os ambientes são construídos dentro da organização, eles são pouco mais que o produto das crenças gerenciais </li></ul><ul><li>Ambiente Objetivo : organização está embutida em um ambiente que possui uma existência externa e independente ( Escola do Posicionamento ) </li></ul><ul><li>Ambiente Percebido : estrategistas são permanentemente apanhados pela racionalidade limitada e pelas suas percepções incompletas e imperfeitas do ambiente ( Ala Objetiva da Escola Cognitiva ) </li></ul>28 Cognição como construção
  29. 29. <ul><li>Ambiente Decretado : é gerado por ações humanas e por seus esforços intelectuais para dar sentido às suas ações ( Ala Subjetiva da Escola Cognitiva ) </li></ul><ul><li>Os estrategistas criam linhas imaginárias entre eventos, objetos e situações para que tenham significado para os membros de um mundo organizacional </li></ul>29 Cognição como construção
  30. 30. <ul><li>Usando a abordagem construcionista : </li></ul><ul><li>Repensar restrições, ameaças, oportunidades </li></ul><ul><li>Pensar de forma diferente a respeito do papel dos gerentes estratégicos </li></ul><ul><li>Análise gerencial </li></ul><ul><li>Criação de contexto </li></ul><ul><li>Encorajar realidades múltiplas </li></ul><ul><li>Testar e experimentar </li></ul>30 Cognição como construção
  31. 31. <ul><li>A formação de estratégia é um processo cognitivo que tem lugar na mente do estrategista </li></ul><ul><li>Assim sendo, as estratégias emergem como perspectivas , na forma de conceitos, mapas, esquemas e molduras </li></ul><ul><li>O mundo visto pode ser modelado , pode ser emoldurado e pode ser construído </li></ul><ul><li>As estratégias são difíceis de realizar . Quando são realizadas, ficam consideravelmente abaixo do ponto ótimo </li></ul>31 Premissas da escola cognitiva
  32. 32. <ul><li>A psicologia cognitiva ainda precisa resolver como se formam os conceitos na mente de um estrategista </li></ul><ul><li>Seria útil saber como a mente distorce , e também como é capaz de integrar diversidade de informações complexas </li></ul><ul><li>A formação de estratégia também é um processo mental e os estrategistas variam em seus estilos cognitivos </li></ul>32 Crítica, contribuição e contexto
  33. 33. <ul><li>É a primeira das cinco escolas até agora vistas a reconhecer que existe um ambiente interessante lá fora </li></ul><ul><li>Os estrategistas não colhem estratégias de uma árvore de oportunidades ambientais, nem seguem passivamente as condições prefixadas </li></ul><ul><li>Em vez disso, eles são feridos por um mundo desagradável que é demasiado complicado para ser plenamente compreendido </li></ul>33 Crítica, contribuição e contexto
  34. 34. <ul><li>Contudo, é interessante notar que a outra ala diz: E daí? </li></ul><ul><li>Os bons estrategistas são criativos , o que significa que eles constroem seu mundo em suas cabeças coletivas e fazem com que ele aconteça , decretam-no </li></ul>34 Crítica, contribuição e contexto
  35. 35. <ul><li>Acima de tudo, a escola cognitiva diz-nos que precisamos compreender a mente humana , assim como o cérebro humano, para compreender a formação de estratégia </li></ul><ul><li>FIM </li></ul>35 Crítica, contribuição e contexto
  36. 36. <ul><li>MINTZBERG, H.; AHLSTRAND, B.; LAMPEL, J. Safári de Estratégia : um roteiro pela selva do planejamento estratégico. Porto Alegre: Bookman, 2000. </li></ul>Referência

×