Introdução aula 2

835 views
724 views

Published on

Introdução a engenharia Ambiental
Vários autores

0 Comments
3 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
835
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
34
Comments
0
Likes
3
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Introdução aula 2

  1. 1. “Com o tempo, tornamo-nos mais maduros, vamos conhecendo mais coisas, porém o modo como trabalhamos nas que sabemos sempre dependerá da maneira com que estudamos o início de muitas coisas que ignorávamos.” Umberto Eco
  2. 2. INTRODUÇÃO A ENGENHARIA E MEIO AMBIENTE Aula 2 – O Engenheiro e a Engenharia Ambiental
  3. 3. Engenheiro e engenharia • Um profissional apto para trabalhar com transformações e indispensável ao dias atuais, pois se vive em uma época de técnicas e mudanças multiplicadas que atuam diretamente na percepção humana, cujo reflexo se dá diretamente no ambiente que o abriga como a outrem. Desse modo, o engenheiro deve apresentar um perfil oriundo de uma formação generalista, humanista, crítica e reflexiva, e ser capacitado a absorver e desenvolver novas tecnologias, estimulando a sua atuação crítica e criativa na identificação e resolução de problemas, considerando seus aspectos políticos, sociais, ambientais e culturais, com visão ética e humanística, em atendimento às demandas da sociedade.
  4. 4. Habilidades necessárias para o engenheiro Não basta ser bom técnico, se não for capaz de entender de forma abrangente o sentido da atividade que está exercendo, por meio dessas três habilidades interconectadas Conceitual Técnica Humana
  5. 5. Ramos antigos da engenharia • Consideravam-se, dois ramos: - Engenharia Militar - Engenharia Civil (não se limitava a edificações mas abrangia todos os tipos de bens) Com o passar dos tempos, passou se a considerar a divisão da Engenharia em ramos pela natureza do processo de fabricação ou do bem a ser obtido. -Engenharia civil -Engenharia mecânica -Engenharia elétrica -Engenharia química -Engenharia metalúrgica -Engenharia de minas
  6. 6. Ramos modernos da engenharia • Posteriormente, agregaram-se outros ramos pela diversificação da natureza do processo de fabricação ou do bem a ser obtido. -Engenharia -Engenharia -Engenharia -Engenharia nuclear têxtil florestal de alimentos -Engenharia de computação -Engenharia de controle e automação -Engenharia ambiental
  7. 7. As três dimensões componentes da engenharia • Ramo do conhecimento Científica Engenharia Tecnológica Metodológica (solução de problemas)
  8. 8. O que é um Engenheiro? São indivíduos que combinam conhecimentos da ciência e da economia para solucionar problemas técnicos; • Podem ser vistos como pessoas que solucionam problemas e reúnem os recursos necessários para alcançar um objetivo técnico claramente definido; • No sentido mais geral – uma pessoa que aplica conhecimentos de ciência e economia para atender às necessidades da humanidade
  9. 9. O que é um Engenheiro? • A palavra engenheiro vem de engenho e engenhoso, que por sua vez derivam do latim in generare, que significa a faculdade de saber, criatividade; A palavra engenheiro data de cerca de 200 d.C. quando o autor cristão Tertuliano descreveu um ataque romano a Cartago, em que foi empregado um aríete, descrito como uma invenção engenhosa. miniaturasjm.com
  10. 10. Leonardo da Vinci • Engenheiro Mecânico: Engenhos de guerra; Helicóptero (inspiração); • Engenheiro Civil: Barragens; Obras hidráulicas; • Artista: Monalisa; Santana; Curiosidade
  11. 11. A equipe tecnológica • Cientista Estuda a natureza de modo que o conhecimento humano possa avançar; Alguns trabalham em indústrias; Outros na Universidade ou em laboratórios de pesquisa; Formação escolar exigida: Graduação, Mestrado e Doutorado
  12. 12. A equipe tecnológica • Engenheiro Aplica seu conhecimento de ciência e economia desenvolver dispositivos, estruturas e processos úteis; para Formação escolar: graduação, especialização (em alguns casos mestrado e doutorado)
  13. 13. A equipe tecnológica • Tecnólogo Aplicam a ciência a problemas bem definidos, que em geral não requerem o conhecimento mais aprofundado dos engenheiros e cientistas; Formação escolar: doutorado depois) graduação (pode fazer mestrado e
  14. 14. A equipe tecnológica • Técnico Trabalha em proximidade com engenheiros e cientistas para realizar tarefas específicas, como desenhos, procedimentos de laboratório, construção de modelos; Formação escolar: curso técnico
  15. 15. Obras e empreendimentos de engenharia thedegree360.onlinedegrees.com careersinoilandgas.com
  16. 16. Obras e empreendimentos de engenharia camargotecambiental.blogspot.com money.cnn.com
  17. 17. Contextualização da engenharia ambiental - Década de 90 explosão de cursos de graduação em meio ambiente. - Conflito de atuação do Ecólogo, engenheiro Ambiental e gestor ambiental. - Sobressai a multiplicidade do engenheiro ambiental.
  18. 18. Histórico da criação do curso • Por necessidade do mercado criou um profissional voltado a novas tecnologias que estudasse e resolvesse problemas ambientais de forma integrada nas dimensões tecnológicas, sociais, ecológicas e econômicas. • O 1º curso de engenharia ambiental foi criado em 9 de março de 1992 em Tocantins UFT • Depois desta data foi criado em diversos lugares destacando em 1997 em Joinville SC – UNIVILLE, em 1998 UNIVALI, em 2001 UNESP, 2003 USP, sendo que atualmente consta a nível nacional mais de 160 cursos de Graduação de Engenharia Ambiental.
  19. 19. Histórico da criação do curso Atualmente o MEC está padronizando os cursos de Engenharia no País sendo que a proposta inicial conta com 22 cursos de Engenharia e possivelmente o atual Curso de Engenharia Ambiental poderá ter seu nome substituído e padronizado pelo nome de Engenharia Ambiental e Sanitária.
  20. 20. O curso de engenharia ambiental e sanitária O curso de Engenharia Ambiental e sanitária forma profissionais que promovem o desenvolvimento de tecnologias voltadas para o bem estar da sociedade, preservando o meio ambiente. Ele atua diretamente na proteção e racionalização dos recursos naturais; planejamento e gerenciamento ambiental; desenvolvimento de tecnologias; minimização e remediação de impactos ambientais causados pelo homem ou por eventos naturais.
  21. 21. O curso de engenharia ambiental e sanitária Faz o controle da poluição e recuperação de áreas degradadas. Cuida do tratamento de água, esgoto, resíduos, drenagem urbana (enchentes), controle de vetores transmissores de doenças e da poluição atmosférica. brawin.blogspot.com geol.queensu.ca
  22. 22. O curso de engenharia ambiental e sanitária O caráter multidisciplinar do curso, onde se destacam as áreas de biologia, química e aquelas próprias da engenharia, permite a este profissional atuação nos segmentos industrial, comercial e de serviços, bem como no projeto e desenvolvimento de processos que permitem a utilização sistemas com tecnologias inovadoras e mais limpas, reduzindo e, mesmo eliminando, a produção de resíduos em benefício da população e do desenvolvimento auto–sustentável.
  23. 23. O Curso de Engenharia Ambiental PORTARIA N.º 1693/MEC DE 05 DE DEZEMBRO DE 1994 (cria a área de Engenharia Ambiental) RESOLUÇÃO Nº 447/CONFEA, DE 22 DE SETEMBRO DE 2000 (dispõe sobre o registro profissional do Engenheiro Ambiental e discrimina suas atividades profissionais) RESOLUÇÃO Nº 218/CONFEA, DE 29 JUNHO DE 1973 (Discrimina atividades das diferentes modalidades profissionais da Engenharia, Arquitetura e Agronomia)
  24. 24. Formação do Engenheiro Ambiental e Sanitária Basicamente cada curso de Engenharia Ambiental sanitária, terá uma formação diferente para seus profissionais, pois em alguns cursos há uma ênfase na área da agronomia (vegetação...), outros na área de engenharia química (efluentes industriais...) e outros nas áreas da engenharia sanitária e civil (resíduos domiciliares...). Sendo assim, dependendo da atividade que estiver sendo requerida, será necessário comparar o currículo do profissional da engenharia ambiental com o da modalidade de engenharia onde a atividade está enquadrada, conforme orientação do Conselho Federal.
  25. 25. Casos sobre a formação do Engenheiro Ambiental e sanitária Alguns casos já foram definidos pelo CONFEA, através das Decisões Plenárias nº 0979/2002, 3723/2003, 0464/2007 e 1701/2008. Na PL 0979/2002 (profissionais habilitados para a execução de monitoramento ambiental de dragagem simples de areias fluviais) está definido que os engenheiros ambientais podem desenvolver atividades de monitoramento da fauna aquática e terrestre, da flora e do meio físico nas áreas impactadas. Já a PL 0464/2007 (atribuições dos profissionais de engenheiros sanitaristas e engenheiros ambientais para atividade de Obras de terras e Contenções) esclarece que para o desenvolvimento da atividade são necessários conhecimentos sobre mecânica dos solos, fundações, resistência dos materiais, sistemas estruturais, construção civil, dentre outros.
  26. 26. Casos sobre a formação do Engenheiro Ambiental A PL 3723/2003, salienta que para se responsabilizar tecnicamente pelo Gerenciamento de Resíduos Químicos da área da saúde, o profissional deverá comprovar que cursou disciplinas da área da química (disposições poderão ser verificadas em artigo completo disposto no site do CREASC). A PL 1701/2008, reforça o descrito na PL 3723, decidindo que o Profissional Engenheiro Ambiental em questão, não possui atribuição para Gerenciamento de Resíduos de serviços da área da saúde, pois ficou constatado a escassez de conteúdos formativos que habilitem para tal atividade.
  27. 27. Casos sobre a formação do Engenheiro Ambiental Analisando o currículo das faculdades em questão, observou-se que o curso de Engenharia Ambiental continha as disciplinas com os conhecimentos citados anteriormente, porém analisou-se também que as cargas horárias das disciplinas eram diferentes, ou seja esses estudos eram menos aprofundados do que o mínimo necessário. Em outro caso, observou-se que faltavam as disciplinas, ou seja, não havia conhecimento para elaboração de projetos de estação de tratamento de água e esgoto.
  28. 28. Formação do Engenheiro Ambiental • Cabe ressaltar ainda, que a escola fornece os conhecimentos básicos para atuação do profissional, porém de acordo com a Lei Nº 5194/66, o órgão que possui competência legal para conceder atribuição profissional é o sistema CONFEA/CREAs.
  29. 29. PORTARIA N.º 1693 de 5 de DEZEMBRO DE 1994 - MEC Art. 3.º As matérias de Formação Profissional Geral, para a área de Engenharia Ambiental serão ainda: • • • • • • • • Geologia Climatologia Hidrologia Ecologia Geral e Aplicada Hidráulica Cartografia Recursos Naturais Poluição Ambiental • • e • • • • Impactos Ambientais Sistemas de Tratamento de Água de Resíduos Legislação e Direito Ambiental Saúde Ambiental Planejamento Ambiental Sistemas Hidráulicos e Sanitários
  30. 30. RESOLUÇÃO Nº 447, DE 22 DE SETEMBRO DE 2000. CONFEA Dispõe sobre o registro profissional do Engenheiro Ambiental Art. 1º Os Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia – CREAs devem proceder o competente registro dos profissionais oriundos dos Cursos de Engenharia Ambiental, anotando em suas carteiras profissionais o respectivo título profissional, de acordo com o constante nos diplomas expedidos, desde que devidamente registrados. Discrimina suas atividades profissionais
  31. 31. RESOLUÇÃO Nº 218, DE 29 JUNHO DE 1973 - CONFEA Discrimina atividades das diferentes modalidades profissionais da Engenharia, Arquitetura e Agronomia. Art. 1º Atividade 01 - Supervisão, coordenação e orientação técnica; Atividade 02 - Estudo, planejamento, projeto e especificação; Atividade 03 - Estudo de viabilidade técnico-econômica; Atividade 04 - Assistência, assessoria e consultoria; Atividade 05 - Direção de obra e serviço técnico; Atividade 06 - Vistoria, perícia, avaliação, arbitramento, laudo e parecer técnico; Atividade 07 - Desempenho de cargo e função técnica;
  32. 32. RESOLUÇÃO Nº 218, DE 29 JUNHO DE 1973 - CONFEA Atividade 08 - Ensino, pesquisa, análise, experimentação, ensaio e divulgação técnica; extensão; Atividade 09 - Elaboração de orçamento; Atividade 10 - Padronização, mensuração e controle de qualidade; Atividade 11 - Execução de obra e serviço técnico; Atividade 12 - Fiscalização de obra e serviço técnico; Atividade 13 - Produção técnica e especializada; Atividade 14 - Condução de trabalho técnico; Atividade 18 - Execução de desenho técnico.
  33. 33. Diversas áreas de atuação da Engenharia Ambiental e Sanitária Análise de riscos ambientais • Auditorias e diagnósticos ambientais • Avaliação de impactos ambientais • Contabilidade ambiental • Controle de qualidade monitoramento e vigilância ambiental - sistemas de • Detecção remota aplicada a ambiente e ordenamento do território
  34. 34. Diversas áreas de atuação da Engenharia Ambiental e Sanitária • Ecodesign e análise de ciclo de vida de produtos • Educação e sensibilização ambiental • Gestão ambiental • Gestão de recursos naturais e conservação da natureza • Gestão e tratamento de resíduos sólidos
  35. 35. Diversas áreas de atuação da Engenharia Ambiental e Sanitária Licenciamento Ambiental • Modelagem ambiental • Ordenamento do território, planejamento regional e urbano • Planejamento energético e energias renováveis • Poluição da água, solo, ar e ruído • Redes de saneamento (água e efluentes)
  36. 36. Diversas áreas de atuação da Engenharia Ambiental e Sanitária • Regulamentação e normalização • Seguros e ambiente • Sistemas de informação ambiental • Tecnologia/Produção limpa • Tratamento de águas residuárias e de abastecimento • Redução e controle das emissões de poeiras
  37. 37. Trabalho de pesquisa • Apresentar selecionada. uma breve pesquisa sobre as disciplinas • Pesquisa individual, apresentação em ppt de no máximo 10 minutos. • Entregar os ppts via e-mail dia 04/04: Giovanna.oliveira@puc-campinas.edu.br • Data da entrega e apresentação – 05/04
  38. 38. Trabalho de pesquisa • Apresentar a importância da disciplina na formação do Engenheiro • Apresentar ementas • Apresentar o que será abordado na disciplina • Apresentar um dos conteúdos da disciplina
  39. 39. Material consultado • LEI 5194/66 - Regulamentação das profissões • RESOLUÇÃO Nº 4.950 A/66 - Remuneração das profissões • RESOLUÇÃO Nº 218/73 - Discrimina atividades modalidades profissões (Atividades de 1-14) diferentes • RESOLUÇÃO Nº 335/89 - Composição dos Conselhos Regionais (Conselheiros de suas respectivas Câmaras Técnicas – Civil) • RESOLUÇÃO Nº 447/00 - Dispõe sobre o registro profissional do engenheiro ambiental e discrimina suas atividades profissionais. • RESOLUÇÃO Nº 473/02 – Tabela de títulos profissionais do Confea (Modalidade Civil – Código: 111.01.00)
  40. 40. Material consultado • Introdução à Engenharia - O Engenheiro e a Universidade; Ética - Professora: Ana Elisabete P. G. A. Jacintho PUC – Campinas – CEATEC • Universidade Federal Do Pampa – Unipampa Campus De Caçapava Do Sul Curso: Engenharia Sanitária E Ambiental Projeto Político Pedagógico Do Curso Caçapava do Sul, Outubro de 2011. • Oportunidades de trabalho na área de Engenharia Ambiental para soluções de problemas urbanos. PHD2537 – Universidade de São Paulo
  41. 41. Material consultado • Associação Dos Profissionais De Engenharia Ambiental – Aspea Engenharia Ambiental: Profissão Do Futuro? Eng. Ambiental: Marcus Vinícius Eng. Ambiental: Célia Farias Brasília, setembro de 2009 Ciclo de Palestra da Engenharia Ambiental UCB – 2009 • http://www.suapesquisa.com/o_que_e/etica_conceito.htm Saiba o que é ética, definição, conceito de ética e links relacionados • http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro082.pdf - Ética • http://www.demec.ufmg.br/disciplinas/ema003/etica.htm - CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DO ENGENHEIRO, DO ARQUITETO E DO ENGENHEIRO AGRÔNOMO (Resolução Nº205, de 30/09/1971 do Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia, publicado no Diário Oficial" de 23/11/71) • http://www.eduardoceleghini.com.br/resources/RESPONSABILIDADE%20SOCIAL%20ENGENHARIA.pdf A RESPONSABILIDADE SOCIAL NA FORMAÇÃO DE ENGENHEIROS Marco Aurélio Cremasco - Ética -
  42. 42. Eng. Amb. Sanitária - PUC • http://www.youtube.com/watch?v=tubzs1jFlaA

×