1
IV Simpósio Nacional ABCiber - Dias 01, 02 e 03 de Novembro de 2010 – ECO/UFRJ
Moda, música e identidade na cultura po...
 
2
IV Simpósio Nacional ABCiber - Dias 01, 02 e 03 de Novembro de 2010 – ECO/UFRJ
tenha desconfiado, mas aquela pessoa co...
 
3
IV Simpósio Nacional ABCiber - Dias 01, 02 e 03 de Novembro de 2010 – ECO/UFRJ
- tokusatsu e super-sentai (seriados)
-...
 
4
IV Simpósio Nacional ABCiber - Dias 01, 02 e 03 de Novembro de 2010 – ECO/UFRJ
suas contrapartes orientais, os fãs bra...
 
5
IV Simpósio Nacional ABCiber - Dias 01, 02 e 03 de Novembro de 2010 – ECO/UFRJ
38 produções (32 animês). Entre 2000 e ...
 
6
IV Simpósio Nacional ABCiber - Dias 01, 02 e 03 de Novembro de 2010 – ECO/UFRJ
Apesar do consumo da cultura pop japone...
 
7
IV Simpósio Nacional ABCiber - Dias 01, 02 e 03 de Novembro de 2010 – ECO/UFRJ
jovens, mas, um pouco mais velhos na fa...
 
8
IV Simpósio Nacional ABCiber - Dias 01, 02 e 03 de Novembro de 2010 – ECO/UFRJ
- Visual Style ou Visual Kei: é um esti...
 
9
IV Simpósio Nacional ABCiber - Dias 01, 02 e 03 de Novembro de 2010 – ECO/UFRJ
“A Comunicação da Moda através dos game...
 
10
IV Simpósio Nacional ABCiber - Dias 01, 02 e 03 de Novembro de 2010 – ECO/UFRJ
apareceram bandas nacionais covers de ...
 
IV Simpósio Nacional ABCiber - Dias 01, 02 e 03 de Novembro de 2010 – ECO/UFRJ
11
Ciências da Comunicação na Região Sul,...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Moda, música e identidade na cultura pop japonesa no Brasil

1,885 views

Published on

A cultura pop japonesa faz parte do cotidiano de muitas pessoas. Bens culturais do Japão chegam aos brasileiros de diferentes formas. A proposta desta mesa temática para o IV Simpósio Nacional da ABCiber é apresentar algumas das manifestações dessa(s) subcultura(s) urbana(s) hoje presentes em boa parte do mundo ocidental, de forma a levantar algumas reflexões a cerca da circulação desses conteúdos, assim como a suas implicações dentro da sociedade. Portanto, será abordado: a questão da identidade do brasileiro a partir do consumo de estereótipos japoneses presentes em animês e mangás; o processo comunicacional entre moda e games através da personificação e construção identitária do cosplay; a circulação e consumo da j-music no país a partir do engajamento de fãs, tanto para a criação e manutenção de webrádios, como na criação de bandas covers.

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
1,885
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
35
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Moda, música e identidade na cultura pop japonesa no Brasil

  1. 1.   1 IV Simpósio Nacional ABCiber - Dias 01, 02 e 03 de Novembro de 2010 – ECO/UFRJ Moda, música e identidade na cultura pop japonesa no Brasil1 Giovana S. Carlos2 (coordenadora) Neliffer Horny Salvatierra3 Vivian Santana4 Universidade Tuiuti do Paraná (UTP) Universidade Tuiuti do Paraná (UTP) Universidade do Vale do Itajaí (Univali) Resumo A cultura pop japonesa faz parte do cotidiano de muitas pessoas. Bens culturais do Japão chegam aos brasileiros de diferentes formas. A proposta desta mesa temática é apresentar algumas das manifestações dessa(s) subcultura(s) urbana(s) hoje presentes em boa parte do mundo ocidental, de forma a levantar algumas reflexões a cerca da circulação desses conteúdos, assim como a suas implicações dentro da sociedade. Portanto, será abordado: a questão da identidade do brasileiro a partir do consumo de estereótipos japoneses presentes em animês e mangás; o processo comunicacional entre moda e games através da personificação e construção identitária do cosplay; a circulação e consumo da j-music no país a partir do engajamento de fãs, tanto para a criação e manutenção de webrádios, como na criação de bandas covers. Palavras-chave Cultura pop japonesa; cosplay; moda; j-music; otaku. Proposta da mesa A cultura pop japonesa Se você for a uma banca de jornal ou livraria encontrará diversas histórias em quadrinhos japonesas à venda. Zapeando os canais da TV (abertos e pagos) poderá encontrar um desenho animado japonês em exibição. Na rua poderá se deparar com alguém cujas roupas, cabelos e ornamentos chamem a atenção devido à influência da moda urbana japonesa. Ou, em um caso mais específico, se deparar com alguém fantasiado de algum personagem que está a caminho de um evento de cultura pop japonesa. E talvez você nunca 1 Proposta de mesa temática apresentada ao eixo temático “Entretenimento, produção cultural e subjetivação”, do IV Simpósio Nacional da ABCiber. 2 Jornalista, mestranda em Comunicação e Linguagens pela Universidade Tuiuti do Paraná. Email para contato: giovanacarlos@hotmail.com. 3 Designer de Moda, Mestranda em Comunicação e Linguagens Universidade Tuiuti do Paraná. Email para contato: neli_moda@yahoo.com.br. 4 Graduanda em Jornalismo pela Universidade do Vale do Itajaí. Email para contato: vivianscarlos@gmail.com.
  2. 2.   2 IV Simpósio Nacional ABCiber - Dias 01, 02 e 03 de Novembro de 2010 – ECO/UFRJ tenha desconfiado, mas aquela pessoa com um fone de ouvido pode estar escutando uma banda de j-rock, o rock japonês. A cultura pop japonesa está presente no cotidiano de milhares de crianças, jovens e adultos. Sejam fãs ou não. A partir da década de 60, produtos midiáticos específicos oriundos do Japão chegaram ao ocidente culminando no grande fenômeno cultural visto atualmente. Apesar de desde muito antes já existir a circulação de bens culturais nipônicos no Brasil (os primeiros imigrantes chegaram aqui em 1908), o grande sucesso ocorrido nas últimas duas décadas no ocidente se deve, possivelmente, primeiro à televisão e em seguida à internet. Sobre esse fenômeno cultural, Paul Gravett (2006, p. 156) chegou à conclusão de que a cultura norte-americana pode até ter dominado o mundo durante a maior parte do século XX, mas o século XXI está mostrando uma explosão fenomenal na exportação dos produtos culturais japoneses, a ponto de competirem em pé de igualdade com os norte-americanos. A cultura pop é entendida como uma cultura de massa (COELHO, 1981), tendo aparecido entre os anos 60 e 70, nos Estados Unidos, para designar entre os jovens - segmento que estava pela primeira vez aparecendo - o tipo de música que estavam escutando. Mas foi talvez com Roy Lichtenstein e sua pop art que o termo tenha tornado-se mais conhecido, já que o artista utilizou-se de imagens dos meios de comunicação para produzir suas obras (LUYTEN, 2000). Portanto, “a cultura pop é um poderoso reflexo da sociedade na qual vivemos e não se restringe somente ao aspecto estético, mas desempenha um papel importante atingindo da mesma maneira todas as pessoas em um sentido cultural mais amplo” (idem, p. 7). Conforme Cristiane A. Sato (2007) uma cultura pop possui diversas características como a criação e divulgação de novos ícones e contos através da mídia, a popularidade de um produto (tempo de permanência, índices de venda e audiência), modismo, referencial em comum e influência de uma cultura pop de um país para outro. Essa cultura, “em qualquer parte do globo, é baseada em consumo, e isso faz com que o pop seja essencialmente um fenômeno cultural e comercial” (idem, p. 17). A cultura pop japonesa abrange diversos produtos/manifestações: - animês (desenhos animados) - mangá (histórias em quadrinhos) - vídeo games - live-actions (gravação com atores), divididos em:
  3. 3.   3 IV Simpósio Nacional ABCiber - Dias 01, 02 e 03 de Novembro de 2010 – ECO/UFRJ - tokusatsu e super-sentai (seriados) - doramas e asadora (telenovelas) - filmes - j-music, dividida em: - j-rock - j-pop - anime songs ou anisongs (músicas oriundas dos audiovisuais) - cosplay (fantasiar-se e atuar como personagem) - moda urbana Atribui-se ao fã ocidental de cultura pop nipônica o termo “otaku”. Criado pelo jornalista japonês Akio Nakamori em 1983, Otaku, na concepção original de Nakamori, é um indivíduo que vive “fechado em um casulo”, isolado do mundo real e dedicado a um hobby. É possível encontrar aquele que coleciona tudo sobre uma modelo-cantora (como as ninfetas denominadas pop idols), bandas de rock, filmes de monstros ou, naturalmente, personagens de mangá. Não deixa de ser parecido com um torcedor fanático por seu time de futebol, mas levado às últimas conseqüências (como tantos torcedores que até brigam por seus clubes). (NAGADO, 2005, p. 55) Portanto, a palavra designa um fanatismo ao extremo, por vezes patológico, sugerindo no Japão um xingamento. Conforme André Lemos (2004, p. 235), os otakus são dependentes da cibercultura, presos à paixão em armazenar informação, participando de pequenas tribos onde podem compartilhar com outros essa experiência. Eles estão, assim, fechados em um mundo de altas tecnologias que lhes permitem inscrições, armazenamentos, produções, circulações e manipulações de informação, mas não de qualquer uma. Eles buscam as mais estranhas ou difíceis a serem obtidas. Sua notoriedade está, justamente, em deter a informação mais difícil de sobre um determinado tópico. Apesar da carga pejorativa da palavra, no Brasil, “otaku” se espalhou de forma positiva, principalmente entre os fãs de mangás e animês, embora alguns fãs até hoje recusem seu uso devido à sua conotação original no Japão. Mais do que isso, as próprias características culturais de cada país fazem com que o mesmo otaku japonês seja pouco possível de ter um correspondente nacional. Por uma questão cultural brasileira, há pouco espaço aqui para o otaku clássico. O público brasileiro é formado por muitas garotas e casais de namorados otakus, o que seria uma contradição no Japão. Muito mais soltos, entusiastas e barulhentos do que
  4. 4.   4 IV Simpósio Nacional ABCiber - Dias 01, 02 e 03 de Novembro de 2010 – ECO/UFRJ suas contrapartes orientais, os fãs brasileiros se acotovelam por um autógrafo de seu dublador preferido, pulam ouvindo anime songs como se estivessem em um show de rock e promovem uma confraternização bem brasileira, que certamente, estão distantes do fanatismo solitário e isolado presente em muitos otakus japoneses. (NAGADO, 2005, p. 56) (grifos do autor) Para entender melhor o consumo e as implicações da cultura pop japonesa no Brasil, a seguir é dado um breve panorama de como esse processo iniciou-se e sua atual condição. Panorama da cultura pop japonesa no Brasil A penetração da cultura pop japonesa no Brasil deu-se a partir da década de 1960, primeiramente, pelas mídias audiovisuais. O primeiro live-action exibido nacionalmente foi National Kid. Nessa mesma época, outras 8 séries, juntamente com animês, passaram na TV aberta. Mas não foram os únicos. Conforme Gusman (2001, p. 12), filmes japoneses também foram veiculados: a Record, por exemplo, mostrou vários deles nos anos 70, como A Fuga de King Kong (de 1967), o divertidíssimo King Kong versus Godzilla (de 1962) e Latitude Zero (de 1969). Também na Record, a tartaruga gigante Gamera teve exibidos quase todos os seus filmes dos anos 60 e 70 (alguns também puderam ser vistos na Sessão da Tarde da Globo). [...] o bom e velho Godzilla também teve exibidas algumas aventuras de sua fase moderna. O SBT mostrou as batalhas contra Biollante (89), King Ghidra (91) e Mothra (92). Nos anos de 1970, o número aumentou para 24, dos quais 17 correspondiam a animês. Entre os títulos estavam: Ultramen, Speed Racer e A Princesa e o Cavalheiro. Na década seguinte, a quantidade subiu para 38 (22 animês). Segundo Viliegas (2001, p. 18), duas produções iriam causaram furor: Jaspion e Changeman que “chegaram por aqui em 1986, apenas um ano depois de sua estréia no Japão. Naquela época, em que não existiam canais a cabo, esses heróis causaram uma verdadeira revolução na TV brasileira. Não havia nada que se assemelhasse”. O autor aponta esses live-actions como alguns dos principais produtos que abririam as portas para uma nova safra. O começo da década de 1990 assinalou a chegada de Cavaleiros do Zodíaco, na extinta TV Manchete e, mais para o final, de Dragon Ball. Essas animações representam um marco para o Brasil como o começo de um grande consumo de produções nipônicas, que nos próximos anos iria consolidar-se. Ainda nessa época apareceram outros desenhos como Yu Yu Hakusho, Sailor Moon, Super Campeões e Guerreiras Mágicas de Rayearth, em um total de
  5. 5.   5 IV Simpósio Nacional ABCiber - Dias 01, 02 e 03 de Novembro de 2010 – ECO/UFRJ 38 produções (32 animês). Entre 2000 e 2001, foram 34 séries exibidas, das quais somente uma era live-action, Ultraman Tiga. Alguns dos animês que começaram a serem exibidos foram: Sakura Card Captors, Samurai X e Pokemon5 . Praticamente, todos os canais brasileiros exibiram, em um certo momento, alguma dessas produções, quando muito não criaram horários especiais para elas6 . Conforme Torelli (2001, p. 17), “não foram só as séries animadas japonesas que fizeram sucesso nos últimos 40 anos na TV brasileira. Também pudemos acompanhar inúmeros longas-metragens nas ‘sessões da tarde’”. Percebendo o poder mercadológico dos produtos japoneses, as editoras brasileiras começariam a lançar os quadrinhos. Lobo Solitário é considerado oficialmente o primeiro mangá a ser publicado no Brasil, em 1988. Dois anos depois foi a vez de Akira. Ambos chegaram aqui impulsionados pelo cenário internacional, mas de acordo com Oka (2005, p. 86), depois “houve uma pausa de dez anos, período em que alguns títulos foram sendo lançados sem grande repercussão, como Crying Freeman, Mai, a Garota Sensitiva, A Lenda de Kamui, entre outros. A situação mudou entre 1999 e 2001, quando os animês Pokémon, Samurai X, Dragon Ball Z e Sakura Card Captors viraram mania na TV aberta”. Esses pioneiros criaram ambiente propício para a vinda de outros quadrinhos. A partir de 2000, começaria a verdadeira avalanche dos mangás com a publicação de Dragon Ball e Cavaleiros do Zodíaco. Em 2001, mais quatro títulos foram lançados pela Japan Brazil Communication (JBC): Samurai X, Sakura Card Captors, Guerreiras Mágicas de Rayearth e Vídeo Girl Ai. A partir daqui, só aumentou o volume de histórias nipônicas nas bancas e livrarias. Hoje podem ser encontrado mais de uma centena de títulos de mangás publicados pelas editoras JBC, Corand, Panini, Zarabatana, Savana e NewPop, as principais do ramo. 5 Toda essa retrospectiva dos seriados japoneses foi retirada de uma reportagem publicada na revista Henshin, de 2001. Segundo um dos vários autores (divididos conforme as décadas), Salem (2001, p. 34), nem todas as produções puderam ser listadas porque muitos “chegaram ao Brasil por intermédios de outros países (que não os Estados Unidos e o Japão) e, para complicar mais, acabaram ganhando nomes sem a menor relação com seu original”. 6 A Band chegou a colocar uma descendente nipônica como apresentadora dos desenhos de segunda a sexta, no Band Kids. Na contracapa de um mangá encontramos uma propaganda que a descreve como: “Kira, uma aprendiz de guerreira que vive no futuro e luta caratê”. Vale destacar que, na TV a cabo, o Cartoon Network, um dos maiores canais de animação no mundo, criou o Toonami, horário especial para animês. Em 2005, aparecia na TV paga (Directv/Sky) brasileira o primeiro canal exclusivo de animação japonesa, o Animax, com 24 horas ininterruptas de desenhos dublados em português, embora desde 2010 também passou a exibir audiovisuais de outras nacionalidades.
  6. 6.   6 IV Simpósio Nacional ABCiber - Dias 01, 02 e 03 de Novembro de 2010 – ECO/UFRJ Apesar do consumo da cultura pop japonesa por brasileiros e outros ocidentais, a produção desses produtos sempre foi feita tendo em mente somente o público japonês. No Japão este público possui um poder aquisitivo melhor que o brasileiro, gerando muitos produtos de pequena tiragem para os colecionadores. A lista desses produtos é imensa, em um mercado que não para de crescer e especializar-se. Conforme Sato, o Japão passou a se interessar pelo mercado estrangeiro a partir de 1997 devido à Crise Asiática, na qual a economia do país dava sinais de estagnação e instalava-se a recessão. “Atualmente estima-se que o valor alcançado com a exportação cultural chegue a 13 bilhões de dólares” (2007, p. 24). Com o acesso crescente da internet, muitos brasileiros puderam ter contato a materiais que não eram lançados no país ao baixarem ou verem online filmes, seriados e mangás. Surgem práticas como o fansubing e scanlantion, respectivamente, legendagem de audiovisuais e tradução e edição de mangás. O próprio fã começa a buscar os produtos que deseja, na quantidade que quiser. A internet também tem papel importante quanto à disseminação da música pop japonesa: existem as chamadas webrádios que divulgam esse material, algumas com 24 horas de programação de j-music. Feitas gratuitamente por fãs, no Brasil existe aproximadamente 15 webrádios divulgando a música nipônica, as mais famosas são a Animix e Blast. No sul do país, acontecem eventos voltados especificamente para este tipo de música, diferenciando-se dos animencontros: no Paraná, o Gaijin no Fest; No Rio Grande do Sul, o J-Party; e, em Santa Catarina, o J Super Ballad. Neles se apresentam bandas covers formadas por fãs. Só no sul, há aproximadamente 10 bandas covers de j-music. Além das iniciativas dos fãs, bandas originais do Japão vêm ao Brasil se apresentar e desde 2008 aconteceu um grande crescimento no número de shows. Bandas como Monoral, Dir Em Grey, An Cafe e Miyavi foram trazidas pelas empresas Jame e Yamato. Há 2 anos a MTV mantém um blog sobre j-rock, um dos mais acessados no portal da emissora, e contratou uma VJ, MariMoon, dando visibilidade para moda urbana japonesa devido seu figurino. Por todo o país acontecem os Animencontros, eventos voltados para a cultura pop japonesa, em que há brincadeiras e partidas de jogos; apresentações de bandas de j-music, danças japonesas (matsuri-dance, para-para); exibições de animês e live-actions; palestras com dubladores e profissionais do ramo; karaokê; concurso de cosplay etc. “A idade dos participantes dos animencontros varia entre 16 e 34 anos e são organizados também por
  7. 7.   7 IV Simpósio Nacional ABCiber - Dias 01, 02 e 03 de Novembro de 2010 – ECO/UFRJ jovens, mas, um pouco mais velhos na faixa etária dos 18 a 23 anos” (MACHADO, 2009, p. 5). Paralelamente a essas atividades há sempre estandes de produtos à venda: chaveiros de personagens, réplicas em miniatura, bótons, camisetas com estampas dos enredos, pelúcias e todo tipo de produto que se possa relacionar às séries e dos mais variados preços. Esses eventos, geralmente, são feitos anualmente em capitais e grandes cidades, com ingressos custando cerca de 10 reais. O maior animencontro da América Latina acontece em São Paulo, sempre em agosto, o Anime Friends. Caravanas de vários estados brasileiros são formadas para ir ao evento. Nessas convenções o que chama a atenção são os concursos de cosplays (abreviação do inglês costume e play), onde os concorrentes reproduzem os trajes dos personagens de mangá, animê, games ou tokusatsu. Nesses concursos o importante não é desfilar vestido à caráter, mas, reproduzir as falas e os gestos do personagem, vivenciando um pouco de sua realidade imaginária. O principal concurso mundial do gênero é WSC – World Cosplay Summit, cuja final reúne duplas do mundo todo e é disputada anualmente no Japão. Em 2006, pela primeira vez uma dupla brasileira foi a vencedora do WSC, em 2008 o Brasil ganhou novamente o concurso. Além disso, é possível ver algumas pessoas, do público frequentador dessas convenções, vestidos de acordo com a moda urbana japonesa, o que muitas vezes confunde- se por cosplay, devido à extravagância de algumas indumentárias, assessórios e penteados. A inspiração vem das tribos urbanas japonesas, marcadas pela identificação visual, marcas que usam, lojas que frequentam, revistas que lêem e gírias próprias. A Harajuku, região de Tóquio, considerada templo desta moda, é considerada como o lugar mais moderno do Japão e até do mundo por alguns especialistas de moda. De acordo com (EVERS, I.; MACIAS, P., 2007), alguns estilos são: - Yamanba girls: garotas com roupas exageradas, cabelos claros ou coloridos e pele escura, totalmente contrário ao padrão japonês de beleza feminina. O nome é referência ao demônio feminino, do folclore japonês, que vive nas montanhas. - Decora: garotas que se enchem de penduricalhos coloridos, parecendo brinquedos ambulantes. - Gothic Lolitas: inspiradas no visual europeu do século 18, usam acessórios de metal, vestidos e meias rendadas, cara pálida e delineador preto nos olhos.
  8. 8.   8 IV Simpósio Nacional ABCiber - Dias 01, 02 e 03 de Novembro de 2010 – ECO/UFRJ - Visual Style ou Visual Kei: é um estilo/movimento musical inspirado em bandas de j-rock. Os adeptos utilizam muito couro, cabelo pintado, e a maquiagem muitas vezes exagerada. Um das bandas percussoras desse estilo é a X-Japan. Os estilos acima são apenas alguns da moda urbana japonesa, mas são apresentados aqui por serem amplamente encontrados no Brasil. Através desse contexto geral, a mesa aqui proposta abordará de forma mais específica algumas questões relativas à cultura pop japonesa no Brasil descrita nos resumos. Resumos “Identidade(s) no consumo da cultura pop japonesa” Giovana S. Carlos Pretende-se discorrer rapidamente sobre a formação de identidade de indivíduos que consomem produtos da cultura pop japonesa no Brasil. Inicialmente, apresenta-se um breve histórico da penetração desses bens culturais no país, seguindo-se da discussão sobre identidade (HALL, 2005) e cultura no contexto das mídias (KELLNER, 2001) e, finalmente, concentra-se em exemplos que esboçam o tema aqui abordado. Para tanto se pretende identificar o fã de cultura pop japonesa, conhecido como “otaku”, fazendo um comparativo do otaku japonês com o brasileiro, para em seguida partir para exemplos de histórias, tanto em mangá como em animê, que apresentam estereótipos femininos e masculinos específicos do Japão diferenciando-se dos respectivos brasileiros. Uma das questões refere-se à androgenia que, “diferentemente do que ocorre no ocidente”, conforme Sato (2007, p. 51), “não choca japoneses - muito pelo contrário, é um padrão de beleza”, assim como os mangás yaoi, feitos para o público feminino, porém cujo enredo concentra-se na relação amorosa e sexual entre homens. Além disso, discute-se a representação da mulher japonesa, numa sociedade que a valoriza como mãe e esposa, sempre zelando pelo filho e marido, e que se espera de uma profissional trabalhadora que largue seu emprego para realizar esses papéis, cumprindo seu dever. Por isso as personagens dos enredos ficcionais são “retratadas como tímidas, atraentes, encantadoras. [...] a heroína é sempre descrita como feminina, frágil e jovem. Não há lugar para protagonistas inteligentes e fortes” (LUYTEN, 2000, p. 80). Concluindo, este trabalho busca apontar e questionar os modelos culturais que estão sendo assimilados pelo fã, leitor e/ou telespectador dessas histórias veiculadas pelos mangás e animês.
  9. 9.   9 IV Simpósio Nacional ABCiber - Dias 01, 02 e 03 de Novembro de 2010 – ECO/UFRJ “A Comunicação da Moda através dos games e sua relação com a cultura pop japonesa.” Neliffer Horny Salvatierra Este trabalho tem como objetivo investigar o processo comunicacional entre moda e games, mediado pela interferência de um personagem virtual: Rikku, e pela personificação e construção identitária dos adeptos da “tribo” cosplay, pretende-se também identificar a formação do imaginário ligado ao Sistema Virtual VS personagem. Partindo da concepção que produtos de moda como bens da cultura massa tem relação de identidade com os indivíduos, esta pesquisa contribui para investigar a relação de arte e moda dentro da cultura pop japonesa, relacionada à cibercultura, observadas sobretudo na década de 1970, em manifestações onde é notória a influência dos designers japoneses. A partir do consumismo, da inclusão da cultura pop e da busca permanente pelo novo, misturado a referências passadas, essa moda cria novos tecidos, novas formas e cores, mostrando que no universo cyber se materializa não sob a forma imaginária ou de uma narrativa imaginativa (como na ficção científica), mas sobretudo sob a forma comunicacional. Esta comunicação é colocada como interferência homem-máquina, englobando um novo ciberespaço, que mistura as culturas tradicionais, com as do mercado de massa, envolvendo nichos e subnichos, entretanto, mesmo nesse universo, a moda como processo comunicacional atende as necessidades de integração de cada indivíduo dentro do seu cotidiano social, onde individualiza mas ao mesmo tempo integra, também retrata uma identidade e repassa mensagens dentro deste sistema, sendo uma linguagem que se representa através do corpo. “A popularização da j-music no Brasil” Vivian Santana Com o crescente número de fãs da cultura pop japonesa e a demanda por produtos nipônicos, a música japonesa passou a ser consumida significativamente no país. Destarte, busca-se aqui contextualizar o cenário de consumo e divulgação da j-music no país, e seus gêneros mais populares o j-pop, j-rock, e anime-songs. De acordo com Nagado (2005, p. 55), “todo fã que se preze tem várias músicas na ponta da língua, independentemente de conhecer ou não o idioma no qual a música é cantada”. Com o surgimento dos eventos do gênero logo
  10. 10.   10 IV Simpósio Nacional ABCiber - Dias 01, 02 e 03 de Novembro de 2010 – ECO/UFRJ apareceram bandas nacionais covers de conjuntos japoneses. Mais tarde, agregados pela internet, criou-se grupos dispostos a disseminar a música da nação oriental. Estava se formando o cenário nacional da j-music. Hoje são mais de dez webrádios brasileiras, divulgando a música japonesa. Entre as mais famosas estão a Blast, com quatro anos, e a Animix, com cinco anos de existência. Desde 2008 acontecem aproximadamente dez shows de bandas japonesas no Brasil. No Sul do país há mais de dez bandas covers. Com o sucesso do gênero, realizam-se festivais especialmente dedicados a bandas de j-music. Em cada estado do Sul há um evento. A MTV criou um blog dedicado ao j-rock, um dos mais acessados no seu portal. Destaca-se a importância do papel do fã no processo de circulação desse gênero, independentemente da indústria fonográfica de ambos os países, formando e consolidando o cenário. Referências bibliográficas COELHO, Teixeira. O que é indústria cultural. 3. ed. São Paulo: Brasiliense, 1981. EVERS, I.; MACIAS, P. Tokyo Girls: elas revolucionaram o universo fashion e passaram a ditar a moda de rua para o mundo. São Paulo: editora JBC, 2007. GRAVETT, Paul. Mangá: como o Japão reinventou os quadrinhos. São Paulo: Conrad Editora, 2006. GUSMAN, Sidney. Tudo começou com national kid. Henshin, São Paulo, n. 21, p. 10- 12, 2001. HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 20005. KELLNER, Douglas. A cultura da mídia. Bauru: EDUSC, 2001. LEMOS, André. Cibercultura: tecnologia e vida social na cultura contemporânea. 2. ed. Porto Alegre: Sulinas, 2004. LUYTEN, Sonia B. Mangá: o poder dos quadrinhos japoneses. 2.ed. São Paulo: Hedra, 2000. LUYTEN, Sonia B. Mangá: o poder dos quadrinhos japoneses. 2.ed. São Paulo: Hedra, 2000. MACHADO, Carlos A. Animencontros: o hibridismo cultural midiático como conseqüência do relacionamento na formação de novos costumes juvenis. In: Congresso de
  11. 11.   IV Simpósio Nacional ABCiber - Dias 01, 02 e 03 de Novembro de 2010 – ECO/UFRJ 11 Ciências da Comunicação na Região Sul, Divisão Temática – Interfaces Comunicacionais, 10, 2009, Blumenau. Anais... NAGADO, Alexandre. O mangá no contexto da cultura pop japonesa e universal. In: LUYTEN, Sonia B. (Org.); Cultura pop japonesa: mangá e animê. São Paulo: Hedra, 2005. p. 49-57. OKA, Arnaldo Massato. Mangás traduzidos no brasil. In: LUYTEN, Sonia B. (Org.); Cultura pop japonesa: mangá e animê. São Paulo: Hedra, 2005. p. 85-94. SALEM, Rodrigo. Os heróis dos tempos modernos. Henshin, São Paulo, n. 21, p. 29- 34, 2001. SATO, Cristiane A. Japop: o poder da cultura pop japonesa. São Paulo: NSP- Hakkosha, 2007. TORELLI, Eduardo. A década de ouro. Henshin, São Paulo, n. 21, p. 13-17, 2001. VILIEGAS, Renato. Se não fosse por eles... Henshin, São Paulo, n. 21, p. 18-22, 2001.

×