O valor ..compatibilidade

290 views
232 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
290
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
4
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide
  • Parâmetros normais Média de volume miccional: 230 -250mL Média de frequência urinária: 5,7 – 7,3 x/d Volume total eliminado: 1272 – 1350mL (>4L: diabetes?)
  • Informações subjetivas (anamnese, questionário), dados semi-objetivos (diário, teste do absorvente) e objetivos (teste de esforço e estudo urodinâmico)
  • Outros sintomas urinários: Noctúria, enurese noturna, perda durante o coito, sensação de esvaziamento incompleto, dificuldade para iniciar a micção, jato urinário fraco, gotejamento pós-miccional, disúria, dor à repleção vesical Queixa de incontinência Início, duração, número de episódios, intensidade Fatores desencadeantes (esforço, urgência) Utilização de absorventes Frequência urinária (>7) Presença de outros sintomas urinários Tratamentos prévios História Fisiológica / Paridade Multiparidade Traumas obstétricos / Parto vaginal cirúrgico Macrossomia Cateterização pós-parto por retenção urinária Status hormonal
  • Avaliação neurológica Exame de estado mental Avaliação dos segmentos sacrais baixos (S2 – S4) Teste de sensibilidade Teste de reflexos (bulbocavernoso e cutaneoanal) Exame do abdome Líquido ou massa intra-abdominal: aumenta pressão do detrusor Avaliação pélvica Prolapso genital, hipoestrogenismo, fístula uretral devem ser excluídos. Sinais de dermatite ou lesões irritativas Toque retal pode avaliar o tônus do esfincter, fecaloma ou massa retal.
  • Teste de esforço (tosse) Determina a presença de incontinência urinária de esforço Bexiga confortavelmente cheia Posição Ginecológica: Manobras de esforço (tosse ou Valsalva) Posição Ortostática: Tosse e pequenos pulos Avaliação do Resíduo Pós-Miccional (RPM ) US ou cateterização transuretral Normal: < 50 a 100mL (< 1/3 do volume miccional) 100 a 200mL: repetir em outra ocasião > 200mL: infecção recorrente, obstrução uretral, déficits neurológicos
  • Uma perda de urina observada durante o exame nem sempre é clinicamente relevante. Um exame pode não fornecer informação caso a manobra ou situação que leva à incontinência não possa ser reproduzida. A confirmação objetiva do diagnóstico nem sempre é necessária, uma vez que o tratamento empírico é razoável em mulheres com sintomas predominantemente de urgência.
  • IU: Sintoma: queixa de perda involuntária de urina / Sinal: visualização de perda involuntária de urina (uretral ou extrauretral) IUE: Sintoma: queixa de perda involuntária de urina aos esforços / Sinal: visualização de perda involuntária proveniente da uretra sincrônica a esforço ou exercício físico ou durante tosse ou espirro/ Condição urodinâmica: perda involuntária de urina durante aumento da pressão abdominal na ausência de contração do detrusor UI: Sintoma: queixa de perda urinária associada à urgência / Sinal: Visualização de perda involuntária proveniente da uretra sincrônica ao desejo súbito e imperioso de urinar, que é difícil de postergar. IUO: incontinência por esforço visualizada após redução de prolapso genital coexistente
  • IU: Sintoma: queixa de perda involuntária de urina / Sinal: visualização de perda involuntária de urina (uretral ou extrauretral) IUE: Sintoma: queixa de perda involuntária de urina aos esforços / Sinal: visualização de perda involuntária proveniente da uretra sincrônica a esforço ou exercício físico ou durante tosse ou espirro/ Condição urodinâmica: perda involuntária de urina durante aumento da pressão abdominal na ausência de contração do detrusor UI: Sintoma: queixa de perda urinária associada à urgência / Sinal: Visualização de perda involuntária proveniente da uretra sincrônica ao desejo súbito e imperioso de urinar, que é difícil de postergar. IUO: incontinência por esforço visualizada após redução de prolapso genital coexistente
  • Objetivo Reproduzir os sintomas referentes à perda urinária Determinar causa da incontinência Avaliar a função detrusora e esfincteriana. Indicações (controverso) Insucesso do tratamento conservador Antecipação do tratamento cirúrgico Incongruência entre sintomas / achados físicos Uma perda de urina observada durante o exame nem sempre é clinicamente relevante. Um exame pode não fornecer informação caso a manobra ou situação que leva à incontinência não possa ser reproduzida. A confirmação objetiva do diagnóstico nem sempre é necessária, uma vez que o tratamento empírico é razoável em mulheres com sintomas predominantemente de urgência.
  • Artigos sobre o diagnóstico de incontinência urinária em pacientes idosos (anamnese e/ou exame físico versus estudo urodinâmico) foram identificados usando PubMed, Picarta (uma base de dados Holandesa) e a bibliografia de artigos encontrados. Artigos foram publicados entre janeiro de 1970 e agosto de 2005. A adequabilidade e a qualidade dos artigos foram validadas usando o relevante critério Cochrane. 'evidencias diagnósticas sufcientes' foram definidas como um valor preditivo positivo >5 e um valor preditivo negativo < 0.02.
  • 5 estudos corresponderam aos critérios de elegibilidade; 4 foram realizados em second-line setting e 1 na população geral. Todos os 5 estudos envolvendo mulheres de 55 anos ou mais. Nenhum dos 5 estudos encontrou uma relação positiva ou negativa para fornecer evidências diagnósticas suficientes para os vários tipos de incontinência urinária. No estudo realizado na população geral, o valor preditivo positivo e negativo para a presença de incontinência urinária de esforço de acordo com a anamnese e o exame físico foram 3.23 e 0.40, respectivamente.
  • Foram analisadas, retrospectivamente, 114 pacientes atendidas no período de junho de 2000 a janeiro de 2001. Todas as pacientes foram avaliadas por meio de anamnese padronizada, exame físico e estudo urodinâmico, sendo classificadas de acordo com o queixa clínica, presença do sinal de perda urinária durante o exame ginecológico e diagnóstico urodinâmico. Utilizou-se a análise estatística dos dados amostrais, por meio da determinação interna de um teste diagnóstico, para calcular a sensibilidade, especificidade e os valores preditivos positivo e negativo do sinal clínico.
  • A média de idade foi de 51 anos (19-80), sendo que 61 encontravam-se no menacme (53,5%) e 53 (46,5%) na pós-menopausa. Destas, 10 (18,8%) faziam uso da terapia de reposição hormonal. Do total de pacientes, 25 (21,9%) haviam se submetido a cirurgias prévias para incontinência. A queixa de perda urinária isolada foi referida por 41 pacientes (36,0%), a urgência/urge-incontinência isolada por 13 (11,4%) e os sintomas mistos por 60 (52,6%).
  • A média de idade foi de 51 anos (19-80), sendo que 61 encontravam-se no menacme (53,5%) e 53 (46,5%) na pós-menopausa. Destas, 10 (18,8%) faziam uso da terapia de reposição hormonal. Do total de pacientes, 25 (21,9%) haviam se submetido a cirurgias prévias para incontinência. A queixa de perda urinária isolada foi referida por 41 pacientes (36,0%), a urgência/urge-incontinência isolada por 13 (11,4%) e os sintomas mistos por 60 (52,6%).
  • Das pacientes com perda isolada, observou-se, à avaliação urodinâmica, que 34 (83%) tinham incontinência urinária de esforço (IUE), nenhuma paciente apresentava instabilidade do detrusor (ID), 2 (4,9%) incontinência urinária mista (IUM) e em 5 (12,1%) o estudo foi normal. Daquelas com queixa de urgência/urge-incontinência isolada, observamos na avaliação urodinâmica que nenhuma tinha IUE, 5 (38,5%) ID, 1 (7,7%) IUM e em 7 (53,8%) o estudo foi normal. Daquelas com sintomas mistos, identificamos na avaliação urodinâmica 25 com IUE (41,6%), 10 com ID (16,7%), 10 IUM (16,7%) e em 15 o estudo foi normal (25,0%). O sinal clínico de perda ao exame físico foi identificado em 50 (43,9%) pacientes. Destas, 35 (70%) tinham diagnóstico urodinâmico de IUE, 6 (12%) IUE e outro diagnóstico e 9 (18%) não tinham IUE. O sinal clínico estava ausente em 64 (56,1%) mulheres. Destas, 23 (35,9%) tinham diagnóstico urodinâmico de IUE, 7 (11%) IUE e outro diagnóstico e 34 (53,1%) não tinham IUE.
  • Das pacientes com perda isolada, observou-se, à avaliação urodinâmica, que 34 (83%) tinham incontinência urinária de esforço (IUE), nenhuma paciente apresentava instabilidade do detrusor (ID), 2 (4,9%) incontinência urinária mista (IUM) e em 5 (12,1%) o estudo foi normal. Daquelas com queixa de urgência/urge-incontinência isolada, observamos na avaliação urodinâmica que nenhuma tinha IUE, 5 (38,5%) ID, 1 (7,7%) IUM e em 7 (53,8%) o estudo foi normal. Daquelas com sintomas mistos, identificamos na avaliação urodinâmica 25 com IUE (41,6%), 10 com ID (16,7%), 10 IUM (16,7%) e em 15 o estudo foi normal (25,0%). O sinal clínico de perda ao exame físico foi identificado em 50 (43,9%) pacientes. Destas, 35 (70%) tinham diagnóstico urodinâmico de IUE, 6 (12%) IUE e outro diagnóstico e 9 (18%) não tinham IUE. O sinal clínico estava ausente em 64 (56,1%) mulheres. Destas, 23 (35,9%) tinham diagnóstico urodinâmico de IUE, 7 (11%) IUE e outro diagnóstico e 34 (53,1%) não tinham IUE.
  • Das pacientes com perda isolada, observou-se, à avaliação urodinâmica, que 34 (83%) tinham incontinência urinária de esforço (IUE), nenhuma paciente apresentava instabilidade do detrusor (ID), 2 (4,9%) incontinência urinária mista (IUM) e em 5 (12,1%) o estudo foi normal. Daquelas com queixa de urgência/urge-incontinência isolada, observamos na avaliação urodinâmica que nenhuma tinha IUE, 5 (38,5%) ID, 1 (7,7%) IUM e em 7 (53,8%) o estudo foi normal. Daquelas com sintomas mistos, identificamos na avaliação urodinâmica 25 com IUE (41,6%), 10 com ID (16,7%), 10 IUM (16,7%) e em 15 o estudo foi normal (25,0%). O sinal clínico de perda ao exame físico foi identificado em 50 (43,9%) pacientes. Destas, 35 (70%) tinham diagnóstico urodinâmico de IUE, 6 (12%) IUE e outro diagnóstico e 9 (18%) não tinham IUE. O sinal clínico estava ausente em 64 (56,1%) mulheres. Destas, 23 (35,9%) tinham diagnóstico urodinâmico de IUE, 7 (11%) IUE e outro diagnóstico e 34 (53,1%) não tinham IUE.
  • Diante de um caso de hiperatividade vesical no pós-operatório não há como se definir se já existia antes, se não foi realizada a avaliação urodinâmica.
  • O valor ..compatibilidade

    1. 1. O Valor da Queixa Clínica e do Exame no Diagnóstico da Incontinência Urinária Universidade Federal do Rio de Janeiro – Residência Médica Residente: Thays Clarindo – R1 Orientador: Drª Rebecca Sotelo
    2. 2. Incontinência Urinária
    3. 3. Avaliação da Paciente com IU
    4. 4. Anamnese
    5. 5. Exame Físico
    6. 6. Exame Físico
    7. 7. Diagnóstico da Incontinência Urinária
    8. 8. O Valor da Queixa Clínica e do Exame Físico
    9. 9. O Valor da Queixa Clínica e do Exame Físico Diagnóstico T E M A
    10. 10. Incontinência Urinária - Definições Haylen, B.T. et al. An International Urogynecological Association (IUGA)/ International Continence Society (ICS) joint report on the terminology for female pelvic floor dysfunction. Int Urogynecol J (2010) 21:5–26.
    11. 11. Incontinência Urinária - Definições Haylen, B.T. et al. An International Urogynecological Association (IUGA)/ International Continence Society (ICS) joint report on the terminology for female pelvic floor dysfunction. Int Urogynecol J (2010) 21:5–26. Diagnóstico
    12. 12. Diagnóstico Urodinâmico (60-90?)
    13. 13. Revisão de Literatura
    14. 14. Revisão de Literatura
    15. 15. O valor da história e exame físico no diagnóstico da incontinência urinária em pacientes idosos; uma revisão de literaura Revisão de Literatura OBJETIVO: Avaliar a validade da anamnese e do exame físico em pacientes idosos com diagnósticos de vários tipos de incontinência urinária.
    16. 16. O valor da história e exame físico no diagnóstico da incontinência urinária em pacientes idosos; uma revisão de literaura MÉTODOS: Artigos sobre o diagnóstico de incontinência urinária em pacientes idosos A adequabilidade e a qualidade dos artigos foram validadas usando o critério Cochrane.
    17. 17. O valor da história e exame físico no diagnóstico da incontinência urinária em pacientes idosos; uma revisão de literaura RESULTADOS: 5 estudos corresponderam aos critérios de elegibilidade; Envolveram mulheres de 55 anos ou mais. Nenhum dos 5 estudos encontrou uma relação para fornecer evidências diagnósticas suficientes para os vários tipos de incontinência urinária.
    18. 18. O valor da história e exame físico no diagnóstico da incontinência urinária em pacientes idosos; uma revisão de literaura CONCLUSÃO: Poucos estudos adequados foram encontrados A validade da avaliação clínica tem sido demonstrada apenas no diagnóstico da incontinência em mulheres idosas.
    19. 19. Revisão de Literatura
    20. 20. Revisão de Literatura
    21. 21. Valor da Queixa Clínica e Exame Físico no Diagnóstico da Incontinência Urinária Objetivo: Analisar a prevalência das queixas clínicas uroginecológicas correlacionando-as com o diagnóstico definitivo após o exame urodinâmico. Comparar o sinal clínico de perda urinária com o estudo urodinâmico.
    22. 22. Valor da Queixa Clínica e Exame Físico no Diagnóstico da Incontinência Urinária Métodos: 114 pacientes atendidas no período de junho de 2000 a janeiro de 2001. Anamnese padronizada, exame físico e estudo urodinâmico Classificadas de acordo com o queixa clínica, presença do sinal de perda urinária durante o exame ginecológico e diagnóstico urodinâmico. Utilizou-se a análise estatística para calcular a sensibilidade, especificidade e os valores preditivos positivo e negativo do sinal clínico.
    23. 23. Valor da Queixa Clínica e Exame Físico no Diagnóstico da Incontinência Urinária Resultados
    24. 24. Valor da Queixa Clínica e Exame Físico no Diagnóstico da Incontinência Urinária Resultados
    25. 25. Valor da Queixa Clínica e Exame Físico no Diagnóstico da Incontinência Urinária Resultados: 12,1% 38,5% 53,8%
    26. 26. Valor da Queixa Clínica e Exame Físico no Diagnóstico da Incontinência Urinária Resultados: 53,1% 18% 12% 70%
    27. 27. Valor da Queixa Clínica e Exame Físico no Diagnóstico da Incontinência Urinária Resultados: 53,1% 11% 35,9%
    28. 28. Valor da Queixa Clínica e Exame Físico no Diagnóstico da Incontinência Urinária Correlação entre o sinal clínico de perda urinária e o estudo urodinâmico: Valor da Queixa Clínica e Exame Físico no Diagnóstico da Incontinência Urinária/ Role of Clinical History and Physical Examination in the Diagnosis of Urinary Incontinence; Feldner Jr, Paulo Cezar; Bezerra, Leonardo Robson P.S.; Girão, Manoel João Bastista C.; Castro, Rodrigo Aquino de; Sartori, Marair Gracio F.; Baracat, Edmund Chada; Lima, Geraldo Rodrigues de; Rev. Bras. Ginecol. Obstet. 24(2): 87-91, TAB. 2002 Mar.
    29. 29. Valor da Queixa Clínica e Exame Físico no Diagnóstico da Incontinência Urinária Conclusões: A história clínica associada ao exame físico têm importância no manejo da incontinência urinária; Não devem ser utilizados como único critério para o diagnóstico. Os testes objetivos estão disponíveis e devem ser utilizados.
    30. 30. Considerações Finais  A avaliação adequada da paciente e o diagnóstico etiológico são fundamentais para evitar consequências danosas às pacientes, como cirurgias desnecessárias ou mesmo inadequadas.  O diagnóstico final é o resultado da contínua interação entre a paciente e o examinador, sendo fundamental a interpretação dos dados e a separação de informações relativas aos artefatos.  A história associada ao exame físico tem grande importância no manejo da incontinência urinária, porém não devem ser utilizados como único método diagnóestico, principalmente para tratamentos cirúrgicos.  Os testes objetivos devem ser utilizados em conjunto, permitindo diagnóstico preciso e terapia apropriada.
    31. 31. Bibliografia  Haylen, B.T. et al. An International Urogynecological Association (IUGA)/ International Continence Society (ICS) joint report on the terminology for female pelvic floor dysfunction. Int Urogynecol J (2010) 21:5–26.  Van Gerwen M, Lagro-Janssen; [Diagnostic value of patient history and physical examination in elderly patients with urinary incontinence; a literature review].. 2006 Aug 12;150(32):1771-5.  Diagnóstico clínico e subsidiário da incontinência urinária/ Clinical and subsidiary diagnosis of urinary incontinence; Feldner Jr, Paulo Cezar; Sartori, Marair Gracio Ferreira; Lima, Geraldo Rodrigues de; Baracat, Edmund Chada; Girão, Manoel João Batista Castello; Rev. Bras. Ginecol. Obstet. 28(1): 54-62, TAB. 2006 Jan.  Valor da Queixa Clínica e Exame Físico no Diagnóstico da Incontinência Urinária/ Role of Clinical History and Physical Examination in the Diagnosis of Urinary Incontinence; Feldner Jr, Paulo Cezar; Bezerra, Leonardo Robson P.S.; Girão, Manoel João Bastista C.; Castro, Rodrigo Aquino de; Sartori, Marair Gracio F.; Baracat, Edmund Chada; Lima, Geraldo Rodrigues de; Rev. Bras. Ginecol. Obstet. 24(2): 87-91, TAB. 2002 Mar.

    ×