• Save
Lesões mamárias benignas - aspecto histopatológico
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Like this? Share it with your network

Share
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
7,608
On Slideshare
7,059
From Embeds
549
Number of Embeds
4

Actions

Shares
Downloads
0
Comments
0
Likes
1

Embeds 549

http://www.enfermagemvirtual.net 545
http://6965592459622253784_f81b55b672d63275cd8f9fd006942ad25b5cd0a5.blogspot.com 2
http://cloud.feedly.com 1
http://brasil-adventure.blogspot.com.br 1

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide
  • - Falar da importância de se falar sobre lesões mamárias benignas
  • A mama é constituída de epitélio ductal, alveolar e estromaO estrogênio está envolvido no controle da proliferação e a progesterona no desenvolvimento lóbulo-alveolar
  • 1- Lóbulos e ductos extra-lobulares2- Unidade ducto-lobular terminal
  • - Sinais flogísticos
  • - Acomete os ductos principaisEtiologia: fumo? (mulheres jovens)Bx só quando for necessário excluir CA de mama
  • Ductos dilatados
  • - infiltrado inflamatório ao redor do ducto e várias células inflamatórias – inclusive macrófagos e células espongiformes – no interior do ducto
  • Tecido adiposo infiltrado de macrófagos. Células rosa mais claro são os macrófagos
  • A parede dos cistos pode sofrer metaplasiaapócrina, com produção ativa de fluidos, o que causa recidivas frequentes.A ativação constante do estroma pelos esteróides sexuais leva a síntese crônica de colágeno e fibrose, que obstrui os ductos, levando a formação de cistos
  • - A parede dos cistos pode sofrer metaplasiaapócrina, com produção ativa de fluidos, o que causa recidivas frequentes.
  • Mostrar o ducto terminal da unidade lobular aonde são originados os cistos.
  • - MMG – Nódulo com densidade de gordura, regular, bordos bem definidos
  • - Dilatação de ácinos revestidos por uma única camada de epitélio cúbico ou achatado, repousando em camada de células mioepiteliais.
  • Cisto sem metaplasiaapócrina – células da parede ficam achatadas (formação: descontrole entre o que é secretado e o que é reabsorvido)Metaplasiaapócrina – proliferação celular, células cubóides a colunares com núcleo arredondado (formação: produção ativa de fluidos)Metaplasiaapócrina - células colunares com citoplasma abundante e com projeções luminais
  • No caso de aumento do número de camadas de células, o diagnóstico deve ser de hiperplasia ductal ou lobular.Proliferação de dúctulos e deposição de material parecido com membrana basal entre eles
  • Aumento e distorção das unidades lobulares Aumento do número de estruturas acinares Alterações fibrosas do estroma coexistentes
  • - Manutenção da população normal de duas camadas de células acima da membrana basal
  • - Proliferação de pequenas glândulas associadas com microcalcificações
  • Presença de duas ou mais camadas de células epitelias sem alterações histológicasA hiperplasia ductal é comumente classificada nos graus leve, moderada e florida, refletindo a quantidade de células que preenche a luz do ductoNa hiperplasia leve são observadas 3 a 4 camadas de células, sem obstrução da luz do ducto. Já na florida observamos 5 ou mais camadas com distensão e oclusão da luz do ducto.Alguns artigos dizem que a hiperplasia ductal sem atipias aumenta em 2 X o risco de CA de mama. Já outros dizem que não aumenta esse risco.
  • Células de tamanho e formas diferentesHiperplasia sem atipias moderada, florida
  • - Células com arranjo regular e proliferação monótona
  • - Lesão multifocal: pode apresentar lesão em diferentes quadrantes da mama
  • Não é uma cicatriz verdadeiraIndistinguível do CA de mamaPensa-se que não havendo hiperplasia epitelial, não há aumento do risco de carcinoma
  • - Limites estrelados, aparentemente infiltrantes. Na zona central (margem inferior direita), a lesãomostra abundante tecido fibroso, comelastose. Nas zonas mais periféricas, observam-se estruturasductaismamáriasdistorcidas
  • - “ponto-gatilho” – para identificar ducto comprometido- CA principalmente acima dos 50 anos
  • - USG: ductos retroareolares dilatados com massa no seu interior
  • Estroma arborescente que cresce no interior de um ducto mamário dilatado Pedículo fibrovascular circundado por epitélio
  • Primeira neoplasia mais frequente é o carcinoma da mamaRelata-se que as lesões proliferativas intraductais presentes nos fibroadenomas podem estar associadas ao CA de mama. Dessa forma, essas lesões é que estariam associadas ao CA de mama e não os fibroadenomas em si.ACO pode estar relacionado a maior risco de fibroadenoma
  • USG: imagem nodular, circunscrita, hipoecóica, margens definidas, maior eixo paralelo á pele, reforço posterior e sombras laterais. MMG: imagem nodular, circunscrita, ovalada, calcificações grosseiras, aspecto de “pipoca”Macroscopia: Nódulos firmes, móveis, crescimento lento, bem delimitado, lobulado, QSE
  • - PAAF: aspecto arborescente, com projeções fibroepiteliais em “dedo de luva”
  • - Hiperplasia epitelial, alterações metaplásicas, aumento da celularidade do estroma
  • Morfologia intracanalicular (direita)Morfologia pericanalicular (esquerda)- Hiperplasia epitelial, alterações metaplásicas, aumento da celularidade do estroma
  • USG: formação nodular circunscrita e hipoecóicaNeoformação fibroepitelial e intensa celularidade do estromaEstrutura idêntica a do fibroadenoma, mas com crescimento do estroma comprimindo e distorcendo as estruturas glandulares, num padrão “folha de trevo”Estroma mais celular que no fibroadenomaCrescimento do estroma maior que o do epitélio
  • - Estroma celular mixóide e grandes fendas (compressão do componente epitelial) – crescimento do estroma maior que o do epitélio.- Boderline ou maligno: Estroma com atipias, hipercelularidade marcada, atividade mitótica ou predomínio de componente glandular
  • - Boderline ou maligno: Estroma com atipias, hipercelularidade marcada, atividade mitótica ou predomínio de componente glandular
  • “Mama dentro da mama” – Mistura de tecido conjuntivo-adiposo + lóbulos mamáriosAssociado a Doença de Cowden (hamartomas múltiplos) – doença hereditária
  • - Tecido adiposo maduro

Transcript

  • 1. Mariana Olival da Cunha Marzano (R3) Orientador: Dr. Afrânio Coelho LESÕES MAMÁRIAS BENIGNAS: ASPECTO HISTOPATOLÓGICO
  • 2. LESÕES MAMÁRIAS BENIGNAS: ASPECTO HISTOPATOLÓGICO • Objetivos - Discutir os aspectos clínicos e histopatológicos da lesões benignas da mama - Identificar lesões benignas e risco com câncer de mama - Descrever os aspectos clínicos dos neoplasmas benignos da mama
  • 3. LESÕES MAMÁRIAS BENIGNAS: ASPECTO HISTOPATOLÓGICO • 80 % dos tumores palpáveis são benignos • 20 a 50 anos • Importância do exame físico, exames de imagem, histopatológico e esclarecimento á paciente. • Risco de CA de mama
  • 4. LESÕES MAMÁRIAS BENIGNAS: ASPECTO HISTOPATOLÓGICO The Oncologist 2006, 11:435-449. doi: 10.1634/theoncologist.11-5-435
  • 5. MAMA NORMAL dc246.4shared.com - Epitélio ductal, alveolar e estroma - Estrogênio – proliferação lóbulo- alveolar - Progesterona – desenvolvimento lóbulo-alveolar
  • 6. MAMA NORMAL Histologia normal www.zambon.es Lóbulos e ductos extra-lobulares Unidade ducto-lobular terminal
  • 7. LESÕES INFLAMATÓRIAS • Mastite aguda - Primeiros 3 meses pós-parto - Clínica: dor, calor, rubor, edema, eliminação de secreção purulenta, febre - Celulite do tecido conjuntivo interlobular - Fatores de risco: ingurgitamento mamário, fissuras periareolares, stress, privação de sono - Complicações: abscesso, sepse
  • 8. LESÕES INFLAMATÓRIAS - MASTITE medfoco.com.br Nódulo hipodenso, heterogêneo, de bordos irregulares, que capta grande quantidade de ecos. http://conganat.uninet.edu Sinais flogísticos
  • 9. LESÕES INFLAMATÓRIAS - MASTITE
  • 10. LESÕES INFLAMATÓRIAS – MASTITE GRANULOMATOSA • Mastite Granulomatosa - Reação granulomatosa resultante de infecção (Tuberculose), reação de corpo estranho (Silicone) ou doença auto-imune (Sarcoidose, Granulomatose de Wegener) - 17 a 42 anos - Clínica: massa endurecida, fixa, muitas vezes dolorosa, poupa a região retroareolar, com espessamento cutâneo associado - Células gigantes e multinucleadas, fibrose
  • 11. LESÕES INFLAMATÓRIAS – MASTITE GRANULOMATOSA
  • 12. LESÕES INFLAMATÓRIAS – ECTASIA DUCTAL • Ectasia ductal - Lesão não proliferativa - Variação da normalidade (envelhecimento e involução da mama) - Pós-menopausa - 50 % das mulheres > 60 anos - Inflamação periductal - Clínica: nódulos periareolares, dor ao toque, mastalgia não cíclica, inversão ou retração areolar, descarga papilar, abscesso subareolar (massa indurada, inflamatória, dolorosa) - Ductos preenchidos por células do epitélio descamadas e secreção composta de proteínas - Sem associação com CA de mama
  • 13. LESÕES INFLAMATÓRIAS – ECTASIA DUCTAL Ductos dilatados
  • 14. LESÕES INFLAMATÓRIAS – ECTASIA DUCTAL http://mastologia.wordpress.com/page/3/ Infiltrado inflamatório ao redor do ducto e várias células inflamatórias – inclusive macrófagos e células espongiformes – no interior do ducto
  • 15. LESÕES INFLAMATÓRIAS - ESTEATONECROSE • Esteatonecrose - Lesão não proliferativa - Clínica: Nódulos duros, arredondados, indolores, margens mal definidas, espiculadas, retração da pele e eritema - Trauma - Calcificações - Dificuldade de diferenciação com CA de mama
  • 16. LESÕES INFLAMATÓRIAS - ESTEATONECROSE http://www.doencadamama.com/tratamento_detalhe.php?i=8
  • 17. LESÕES INFLAMATÓRIAS - ESTEATONECROSE aprendendopatologiaa.blogspot.com Tecido adiposo infiltrado de macrófagos. Células rosa mais claro são os macrófagos
  • 18. ALTERAÇÕES FIBROCÍSTICAS • Lesões não proliferativas • Lesões proliferativas - sem atipias - com atipias
  • 19. ALTERAÇÕES FIBROCÍSTICAS • Lesões não proliferativas - Cistos - Metaplasia apócrina - Fibroadenoma sem alterações complexas - Hamartoma - Ectasia ductal - Esteatonecrose - Fibrose
  • 20. ALTERAÇÕES FIBROCÍSTICAS • Lesões proliferativas sem atipias - Tumor filóide - Cicatriz radial - Hiperplasia sem atipias - Papiloma - Adenose esclerosante - Fibroadenoma com alterações complexas
  • 21. ALTERAÇÕES FIBROCÍSTICAS • Lesões proliferativas com atipias - Hiperplasia ductal atípica - Hiperplasia lobular atípica
  • 22. ALTERAÇÕES FIBROCÍSTICAS - CISTOS • Cistos - Lesão não proliferativa - 7 – 10 % das mulheres - 1/3 das mulheres entre 35 e 50 anos - Clínica: nódulo de aparecimento súbito, contornos regulares, móveis, dolorosos, consistência fibroelástica - Fatores de risco: menarca precoce, menopausa tardia, nuliparidade, oligoparidade, primiparidade tardia, amamentação curta ou tardia - Dilatação de ácinos revestidos por uma única camada de epitélio cúbico ou achatado, repousando em camada de células mioepiteliais. - Processos involutivos da mama
  • 23. ALTERAÇÕES FIBROCÍSTICAS - CISTOS - Associação com metaplasia apócrina (células colunares com citoplasma abundante e com projeções luminais) - Originados do ducto terminal da unidade lobular - Cistos simples: sem associação com CA de mama - Cistos complexos: presença de septações, parede irregular ou grosseira, sem reforço acústico posterior - Cistos complexos: taxa de malignidade = 0,3 %
  • 24. ALTERAÇÕES FIBROCÍSTICAS - CISTOS dc246.4shared.com Ducto terminal da unidade lobular
  • 25. ALTERAÇÕES FIBROCÍSTICAS - CISTOS www.ultrassonografiamamaria.com USG - nódulo de paredes bem definidas, sem ecos no seu interior (anecóica) e com reforço posterior MMG – Nódulo com densidade de gordura, regular, bordos bem definidos
  • 26. ALTERAÇÕES FIBROCÍSTICAS - CISTOS
  • 27. ALTERAÇÕES FIBROCÍSTICAS - CISTOS http://anatpat.unicamp.br/lamgin22.html Dilatação de ácinos revestidos por uma única camada de epitélio cúbico ou achatado, repousando em camada de células mioepiteliais.
  • 28. ALTERAÇÕES FIBROCÍSTICAS - CISTOS http://anatpat.unicamp.br/lamgin22.html Cisto sem metaplasia apócrina – células da parede ficam achatadas Metaplasia apócrina – proliferação celular, células cubóides a colunares com núcleo arredondado - células colunares com citoplasma abundante e com projeções luminais
  • 29. ALTERAÇÕES FIBROCÍSTICAS - CISTOS http://anatpat.unicamp.br/lamgin22.html
  • 30. ALTERAÇÕES FIBROCÍSTICAS – ADENOSE ESCLEROSANTE • Adenose esclerosante - Lesão proliferativa sem atipia - Mulheres em idade reprodutiva - Clínica: Massa mal definida associada a microcalcificações, tamanho 1,5 cm - Proliferação glandular - Aumento e distorção das unidades lobulares, aumento do número de estruturas acinares, alterações fibrosas do estroma coexistentes, manutenção da população normal de duas camadas de células acima da membrana basal - Persistência de células mioepiteliais
  • 31. ALTERAÇÕES FIBROCÍSTICAS – ADENOSE ESCLEROSANTE - Mimetiza carcinoma invasivo da mama - Associação com hiperplasia lobular atípica, hiperplasia epitelial, intraductal, papiloma esclerosante, calcificações, alterações apócrinas - Pode coexistir com CA in situ ou invasivo - Risco aumentado de CA de mama (2 x > usual)
  • 32. ALTERAÇÕES FIBROCÍSTICAS – ADENOSE ESCLEROSANTE http://anatpat.unicamp.br/lamgin22.html - Aumento e distorção das unidades lobulares - Aumento do número de estruturas acinares - Alterações fibrosas do estroma coexistentes
  • 33. ALTERAÇÕES FIBROCÍSTICAS – ADENOSE ESCLEROSANTE http://anatpat.unicamp.br/lamgin22.htm Manutenção da população normal de duas camadas de células acima da membrana basal
  • 34. ALTERAÇÕES FIBROCÍSTICAS – ADENOSE ESCLEROSANTE The Oncologist 2006, 11:435-449. doi: 10.1634/theoncologist.11-5-435 Proliferação de pequenas glândulas associadas com microcalcificações
  • 35. ALTERAÇÕES FIBROCÍSTICAS - HIPERPLASIA SEM ATIPIAS • Hiperplasia sem atipias - Unidade ducto-lobular terminal - Células imaturas, pluripotenciais, de tamanho e formas diferentes - Aumento do número de camadas de células epiteliais (> 2 camadas) para o interior dos ácinos ou dos ductos afetados, com preservação da camada celular mioepitelial subjacente - Padrão de crescimento irregular - Leve (3 a 4 camadas de células, sem obstrução da luz do ducto), moderada, florida (5 ou mais camadas com distensão e oclusão da luz do ducto) - Risco de carcinoma 2 X >
  • 36. ALTERAÇÕES FIBROCÍSTICAS - HIPERPLASIA SEM ATIPIAS www.scielo.br - Hiperplasia sem atipias moderada, florida - Células de tamanho e formas diferentes
  • 37. ALTERAÇÕES FIBROCÍSTICAS – HIPERPLASIA DUCTAL ATÍPICA • Hiperplasia ductal atípica - Clínica: assintomática, massa palpável - Envolvimento completo de ductos adjacentes no conjunto com um diâmetro < 2 mm - Células com arranjo regular e proliferação monótona - Diagnóstico diferencial: Ca in situ - 3,7 a 22 % desenvolve carcinoma invasivo após diagnóstico - Risco de carcinoma 4 – 5 X >
  • 38. ALTERAÇÕES FIBROCÍSTICAS – HIPERPLASIA DUCTAL ATÍPICA Células com arranjo regular e proliferação monótona
  • 39. ALTERAÇÕES FIBROCÍSTICAS – HIPERPLASIA DUCTAL ATÍPICA Hiperplasia sem atipia Hiperplasia com atipias Carcinoma ductal in situ
  • 40. ALTERAÇÕES FIBROCÍSTICAS – HIPERPLASIA LOBULAR ATÍPICA • Hiperplasia lobular atípia - Rara - Raramente apresenta manifestação clínica - Perimenopausa - Proliferação epitelial nas unidades terminais ducto-lobulares, preenchendo e podendo distender os ácinos, á custa de células monótonas e descoesas - Hiperplasia lobular atípica X carcinoma lobular – Extensão e grau de proliferação epitelial - Lesão multifocal - Risco aumentado de CA de mama - Carcinoma invasivo – 15 a 20 anos após o diagnóstico
  • 41. ALTERAÇÕES FIBROCÍSTICAS – HIPERPLASIA LOBULAR ATÍPICA Proliferação epitelial nas unidades terminais ducto- lobulares, preenchendo e podendo distender os ácinos, á custa de células monótonas e descoesas
  • 42. ALTERAÇÕES FIBROCÍSTICAS – CICATRIZ RADIAL • Cicatriz radial - Lesão proliferativa sem atipias - Incidência: 1,7 a 43 % - Origem na unidade ducto-lobular terminal - Área central fibroesclerótica (branca) envolvida por pequenos ductos de disposição radiária, frequentemente distorcidos - Áreas de distorção do tecido mamário com configuração estrelar - Lesão espiculada, com ou sem calcificações, de até 1 cm - > 1 cm = lesão esclerosante complexa - Potencial de malignidade? (2 X >) - Lesões grandes – Hiperplasia epitelial – risco aumentado de carcinoma - Diag. Diferencial: carcinoma lobular
  • 43. ALTERAÇÕES FIBROCÍSTICAS – CICATRIZ RADIAL http://mastologia.wordpress.com/page/3 Cicatriz radial CA de mama http://www.mulheresnopoder.com.br/tag/mamografia/
  • 44. ALTERAÇÕES FIBROCÍSTICAS – CICATRIZ RADIAL Cicatriz radial CA de mama http://www.emforma.net/8223-o-cancro-da-mama-nos-homens
  • 45. ALTERAÇÕES FIBROCÍSTICAS – CICATRIZ RADIAL http://www.zambon.es Limites estrelados, aparentemente infiltrantes. Na zona central (margem inferior direita), a lesão mostra abundante tecido fibroso, com elastose. Nas zonas mais periféricas, observam-se estruturas ductais mamárias distorcidas
  • 46. ALTERAÇÕES FIBROCÍSTICAS - PAPILOMA • Papiloma - Lesão proliferativa sem atipias - 30 a 50 anos - Clínica: descarga papilar hemorrágica ou serossanguinolenta, espontânea, uniductal (“ponto-gatilho”), fluxo intermitente - Citologia - 30 % falsos negativos - Origem na parede do ducto e crescimento para o interior do ducto - Lesão tumoral pediculada (pedículo fibrovascular circundado por epitélio) - Pode apresentar metaplasia apócrina - Papiloma central e solitário – sem risco para carcinoma - Potencial de malignidade baixo (RR 1,3) - Papilomas múltiplos e periféricos X CDI (RR 3,7 – risco moderado)
  • 47. ALTERAÇÕES FIBROCÍSTICAS - PAPILOMA USG: ductos retroareolares dilatados com massa no seu interior
  • 48. ALTERAÇÕES FIBROCÍSTICAS - PAPILOMA www.zambon.es - Estroma arborescente que cresce no interior de um ducto mamário dilatado - Pedículo fibrovascular circundado por epitélio
  • 49. ALTERAÇÕES FIBROCÍSTICAS - PAPILOMA http://www.revmatanzas.sld.cu/revista%20medica/ano%202008/vol1%202008/tema09.htm
  • 50. NEOPLASMAS BENIGNOS - FIBROADENOMA • Fibroadenoma - Lesão não proliferativa - 20 - 30 anos - Segunda neoplasia mamária mais frequente - Clínica: assintomática (25 %), tumor único ou múltiplo, móvel, bem delimitado, não fixo, lobulado, crescimento lento, QSE, indolor, consistência fibroelástica - Maior crescimento na gravidez e lactação (hormônio-dependente) - “Calcificação em pipoca” - Hiperplasia dos lóbulos normais (proliferação epitelial e mesenquimal) - Transformação maligna – 0,1 a 0,3 % (lobular) - Fibroadenoma X CA de mama
  • 51. NEOPLASMAS BENIGNOS - FIBROADENOMA demos.biemedia.com talkativebrain.blogspot.com - USG: imagem nodular, circunscrita, hipoecóica, margens definidas, maior eixo paralelo á pele, reforço posterior e sombras laterais MMG: imagem nodular, circunscrita, ovalada, calcificações grosseiras, aspecto de “pipoca”
  • 52. NEOPLASMAS BENIGNOS - FIBROADENOMA Rev. Bras. Ginecol. Obstet. vol.29 no.4 Rio de Janeiro Apr. 2007 - Nódulos benignos da mama: uma revisão dos diagnósticos diferenciais e conduta - PAAF: aspecto arborescente, com projeções fibroepiteliais em “dedo de luva”
  • 53. NEOPLASMAS BENIGNOS - FIBROADENOMA http://tgmouse.ucdavis.edu/preprint/hubrca/Fibroadenoma.html Hiperplasia epitelial, alterações metaplásicas, aumento da celularidade do estroma www.studyblue.com
  • 54. NEOPLASMAS BENIGNOS - FIBROADENOMA http://en.wikipedia.org/wiki/File:Breast_fibradenoma_(2).jpg - Morfologia intracanalicular (direita) - Morfologia pericanalicular (esquerda)
  • 55. NEOPLASMAS BENIGNOS - FIBROADENOMA Rev. Bras. Ginecol. Obstet. vol.29 no.4 Rio de Janeiro Apr. 2007 - Nódulos benignos da mama: uma revisão dos diagnósticos diferenciais e conduta
  • 56. NEOPLASMAS BENIGNOS – TUMOR FILÓIDES • Tumor filóides - Lesão proliferativa sem atipias - 0,3 a 1 % dos tumores da mama - 40 a 50 anos - 80 % benigno - Clínica: Massa móvel, tamanho grande, limites definidos, bordos lobulados, crescimento rápido, indolor, consistência elástica, adenopatia axilar inflamatória - Benignos, borderline, malignos (contagem mitótica, atipias celulares, comprometimento das margens) - Pode sofrer degeneração maligna sarcomatosa - Mtx: pulmão e esqueleto - Disseminação hematogênica
  • 57. NEOPLASMAS BENIGNOS – TUMOR FILÓIDES Rev. Bras. Ginecol. Obstet. vol.29 no.4 Rio de Janeiro Apr. 2007 - Nódulos benignos da mama: uma revisão dos diagnósticos diferenciais e conduta - USG: formação nodular circunscrita e hipoecóica - Neoformação fibroepitelial e intensa celularidade do estroma, padrão “folha de trevo”
  • 58. NEOPLASMAS BENIGNOS – TUMOR FILÓIDES http://pt.wikipedia.org/wiki/Tumor_filoide Estroma celular mixóide e grandes fendas (compressão do componente epitelial) – crescimento do estroma maior que o do epitélio
  • 59. NEOPLASMAS BENIGNOS – TUMOR FILÓIDES http://pt.wikipedia.org/wiki/Tumor_filoide Boderline ou maligno: Estroma com atipias, hipercelularidade marcada, atividade mitótica ou predomínio de componente glandular
  • 60. NEOPLASMAS BENIGNOS - HAMARTOMAS • Hamartomas - Lesão não proliferativa - Perimenopausa - Clínica: maioria assintomática, nódulo de dimensões variadas, amolecido, móvel, margens bem definidas, indolor - Lesões bem circunscritas, sem cápsula verdadeira, contendo gordura - “Mama dentro da mama” - Associada a Doença de Cowden - Diagnóstico diferencial: fibroadenoma e tumor filóide
  • 61. NEOPLASMAS BENIGNOS - HAMARTOMAS Radiol Bras vol.38 no.5 São Paulo Sept./Oct. 2005
  • 62. NEOPLASMAS BENIGNOS - HAMARTOMAS www.rb.org.br Tecido adiposo maduro
  • 63. BIBLIOGRAFIA • The Oncologist 2006, 11:435-449. doi: 10.1634/theoncologist.11-5-435 • Afonso Celso Pinto Nazário, Mychely Fernandes Rego, Vilmar Marques de Oliveira - Rev. Bras. Ginecol. Obstet. vol.29 no.4 Rio de Janeiro Apr. 2007 - Nódulos benignos da mama: uma revisão dos diagnósticos diferenciais e conduta • Rogério D. Duarte, Ana Alice Furtado, André Lermen Jr., Lívia Borges, Ênio M. Carvalho, Heloise Zanelatto Neves, Dakir L. Duarte Filho, Dakir L. Duarte - Lesões mamárias incomuns: ensaio iconográfico, Radiol Bras vol.38 no.5 São Paulo Sept./Oct. 2005 • Lolita Schneider, : Profa. Dra. Ilma Simoni Brum da Silva - EXPRESSÃO GÊNICA E PROTÉICA DE p53 E p21 EM FIBROADENOMA E TECIDO MAMÁRIO NORMAL ADJACENTE, Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação como requisito parcial para a obtenção do título de Mestre em Ciências Biológicas: Fisiologia, Porto Alegre, 2007.
  • 64. BIBLIOGRAFIA • Radiol Bras vol.38 no.5 São Paulo Sept./Oct. 2005 • Diagnostic Problems in Breast Pathology, 1st Edition 2009; Koerner, FC • Atlas of Breast Cancer, 2nd Edition 2000; Hayes, DF • Mastologia Moderna, 1a Edição 2006; Boff, RA • Atlas de Mamografia, 3a Edição 2002; Tabár, L • Dra. Mercedes Pérez Vázquez, Dra. Juana T. Santiago Pérez, Dra. Amparo de la C. Rivera Valdespino, Dra. Petra E. Beltrán Sánchez - Hamartoma de la mama, Rev Cubana Cir 2004;43(2)
  • 65. BIBLIOGRAFIA • http://mastologia.wordpress.com/page/3 • www.zambon.es • http://anatpat.unicamp.br/lamgin22.htm • www.ultrassonografiamamaria.com • http://tgmouse.ucdavis.edu/preprint/hubrca/Fibroadenoma.html • http://en.wikipedia.org/wiki/File:Breast_fibradenoma_(2).jpg • demos.biemedia.com • www.studyblue.com • talkativebrain.blogspot.com • http://pt.wikipedia.org/wiki/Tumor_filoide • www.rb.org.br
  • 66. BIBLIOGRAFIA • http://mastologia.wordpress.com/page/3 • http://www.doencadamama.com/tratamento_detalhe.php?i=8/ • http://www.revmatanzas.sld.cu/revista%20medica/ano%202008/vol1%202008/tema09.htm • http://www.mulheresnopoder.com.br/tag/mamografia/ • http://www.emforma.net/8223-o-cancro-da-mama-nos-homens • www.scielo.br • aprendendopatologiaa.blogspot.com • medfoco.com.br • http://conganat.uninet.edu