NR 35

10,974 views
10,818 views

Published on

Published in: Education
4 Comments
9 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
10,974
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
5
Actions
Shares
0
Downloads
1,070
Comments
4
Likes
9
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

NR 35

  1. 1. CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM ALTURA NORMA REGULAMENTADORA - NR 35 Trabalho em Altura Portaria n. 313 de 23 de março de 2012NR-35 TRABALHO EM ALTURA
  2. 2. CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM ALTURA35.1. Objetivo e Campo deAplicação35.1.1 Esta Norma estabelece osrequisitos mínimos e as medidasde proteção para o trabalho emaltura,envolvendo o planejamento, aorganização e a execução, deforma a garantir a segurança e asaúde dostrabalhadores envolvidos direta ouindiretamente com esta atividade. Portaria n. 313 de 23 de março de 2012 NR-35 TRABALHO EM ALTURA
  3. 3. CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM ALTURA35.1.2 Considera-se trabalho em altura toda atividade executada acima de 2,00 m(dois metros) do nível inferior, onde haja risco de queda. Portaria n. 313 de 23 de março de 2012 NR-35 TRABALHO EM ALTURA
  4. 4. CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM ALTURA Portaria n. 313 de 23 de março de 2012NR-35 TRABALHO EM ALTURA
  5. 5. CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM ALTURA35.1.3 Esta norma secomplementa com asnormas técnicasoficiais estabelecidaspelos Órgãoscompetentes e, naausência ou omissãodessas, com as normasinternacionais aplicáveis. Portaria n. 313 de 23 de março de 2012NR-35 TRABALHO EM ALTURA
  6. 6. CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM ALTURA35.2. Responsabilidades35.2.1 Cabe ao empregador:a) garantir a implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma;b) assegurar a realização da Análise de Risco - AR e, quando aplicável, a emissãoda Permissão de Trabalho - PT;c) desenvolver procedimento operacional para as atividades rotineiras de trabalhoem altura;d) assegurar a realização de avaliação prévia das condições no local do trabalhoem altura, pelo estudo,planejamento e implementação das ações e das medidas complementares desegurança aplicáveis;e) adotar as providências necessárias para acompanhar o cumprimento dasmedidas de proteção estabelecidas nesta Norma pelas empresas contratadas; Portaria n. 313 de 23 de março de 2012 NR-35 TRABALHO EM ALTURA
  7. 7. CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM ALTURAf) garantir aos trabalhadores informações atualizadas sobre os riscos e asmedidas de controle;g) garantir que qualquer trabalho em altura só se inicie depois de adotadas asmedidas de proteção definidas nesta Norma;h) assegurar a suspensão dos trabalhos em altura quando verificar situação oucondição de risco nãoprevista, cuja eliminação ou neutralização imediata não seja possível;i) estabelecer uma sistemática de autorização dos trabalhadores para trabalhoem altura;j) assegurar que todo trabalho em altura seja realizado sob supervisão, cujaforma será definida pela análise de riscos de acordo com as peculiaridades daatividade;k) assegurar a organização e o arquivamento da documentação prevista nestaNorma. Portaria n. 313 de 23 de março de 2012 NR-35 TRABALHO EM ALTURA
  8. 8. CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM ALTURA35.2.2 Cabe aos trabalhadores:a) cumprir as disposições legais eregulamentares sobre trabalho emaltura, inclusive os procedimentos expedidospelo empregador;b) colaborar com o empregador naimplementação das disposições contidas nestaNorma;c) interromper suas atividades exercendo odireito de recusa, sempre que constataremevidências deriscos graves e iminentes para sua segurança esaúde ou a de outras pessoas, comunicandoimediatamente o fato a seu superiorhierárquico, que diligenciará as medidascabíveis;d) zelar pela sua segurança e saúde e a deoutras pessoas que possam ser afetadas porsuas ações ou omissões no trabalho. Portaria n. 313 de 23 de março de 2012 NR-35 TRABALHO EM ALTURA
  9. 9. CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM ALTURA35.3. Capacitação e Treinamento35.3.1 O empregador deve promover programa para capacitação dostrabalhadores à realização de trabalho em altura.35.3.2 Considera-se trabalhador capacitado para trabalho em altura aqueleque foi submetido e aprovado em treinamento, teórico e prático, com cargahorária mínima de oito horas, cujo conteúdo programático deve, no mínimo,incluir:a) Normas e regulamentos aplicáveis ao trabalho em altura;b) Análise de Risco e condições impeditivas;c) Riscos potenciais inerentes ao trabalho em altura e medidas de prevenção econtrole;d) Equipamentos de Proteção Individual para trabalho em altura: seleção,inspeção, conservação e limitação de uso;e) Acidentes típicos em trabalhos em altura;f) Condutas em situações de emergência, incluindo noções de técnicas deresgate e de primeiros socorros; Portaria n. 313 de 23 de março de 2012 NR-35 TRABALHO EM ALTURA
  10. 10. CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM ALTURA35.3.3 O empregador deve realizartreinamento periódico bienal e sempreque ocorrer quaisquer dasseguintes situações:a) mudança nos procedimentos, condiçõesou operações de trabalho;b) evento que indique a necessidade denovo treinamento;c) retorno de afastamento ao trabalho porperíodo superior a noventa dias;d) mudança de empresa. Portaria n. 313 de 23 de março de 2012 NR-35 TRABALHO EM ALTURA
  11. 11. CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM ALTURA35.3.3.1 O treinamento periódico bienaldeve ter carga horária mínima de oitohoras, conforme conteúdoprogramático definido pelo empregador.35.3.3.2 Nos casos previstos nasalíneas “a”, “b”, “c” e “d”, a cargahorária e o conteúdo programáticodevem atender a situação que o motivou.35.3.4 Os treinamentos inicial, periódicoe eventual para trabalho em alturapodem ser ministrados emconjunto com outros treinamentos daempresa. Portaria n. 313 de 23 de março de 2012 NR-35 TRABALHO EM ALTURA
  12. 12. CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM ALTURA35.3.5 A capacitação deve ser realizada preferencialmente durante o horárionormal de trabalho.35.3.5.1 O tempo despendido na capacitação deve ser computado comotempo de trabalho efetivo.35.3.6 O treinamento deve ser ministrado por instrutores com comprovadaproficiência no assunto, sob a responsabilidade de profissional qualificado emsegurança no trabalho.35.3.7 Ao término do treinamento deve ser emitido certificado contendo onome do trabalhador, conteúdo programático, carga horária, data, local derealização do treinamento, nome e qualificação dos instrutores e assinatura doresponsável.35.3.7.1 O certificado deve ser entregue ao trabalhador e uma cópiaarquivada na empresa.35.3.8 A capacitação deve ser consignada no registro do empregado. Portaria n. 313 de 23 de março de 2012 NR-35 TRABALHO EM ALTURA
  13. 13. CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM ALTURA4. Planejamento, Organização e Execução35.4.1 Todo trabalho em altura deve ser planejado, organizado e executado portrabalhador capacitado e autorizado.35.4.1.1 Considera-se trabalhador autorizado para trabalho em altura aquelecapacitado, cujo estado de saúde foi avaliado, tendo sido considerado apto paraexecutar essa atividade e que possua anuência formal da empresa.35.4.1.2 Cabe ao empregador avaliar o estado de saúde dos trabalhadores queexercem atividades em altura, garantindo que:a) os exames e a sistemática de avaliação sejam partes integrantes do Programa deControle Médico de Saúde Ocupacional - PCMSO, devendo estar nele consignados;b) a avaliação seja efetuada periodicamente, considerando os riscos envolvidos emcada situação;c) seja realizado exame médico voltado às patologias que poderão originar mal súbitoe queda de altura, considerando também os fatores psicossociais. Portaria n. 313 de 23 de março de 2012 NR-35 TRABALHO EM ALTURA
  14. 14. CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM ALTURA35.4.1.2.1 A aptidão para trabalho em altura deve ser consignada noatestado de saúde ocupacional do trabalhador.35.4.1.3 A empresa deve manter cadastro atualizado que permita conhecer aabrangência da autorização de cada trabalhador para trabalho em altura.35.4.2 No planejamento do trabalho devem ser adotadas, de acordo com aseguinte hierarquia:a) medidas para evitar o trabalho em altura, sempre que existir meio alternativode execução;b) medidas que eliminem o risco de queda dos trabalhadores, na impossibilidadede execução do trabalho de outra forma;c) medidas que minimizem as consequências da queda, quando o risco de quedanão puder ser eliminado. Portaria n. 313 de 23 de março de 2012 NR-35 TRABALHO EM ALTURA
  15. 15. CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM ALTURA35.4.3 Todo trabalho em altura deve serrealizado sob supervisão, cuja formaserá definida pela análise derisco de acordo com as peculiaridades daatividade.35.4.4 A execução do serviço deveconsiderar as influências externas quepossam alterar as condições dolocal de trabalho já previstas na análise derisco.35.4.5 Todo trabalho em altura deve serprecedido de Análise de Risco. Portaria n. 313 de 23 de março de 2012NR-35 TRABALHO EM ALTURA
  16. 16. CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM ALTURA35.4.5.1 A Análise de Risco deve, além dos riscos inerentes ao trabalho emaltura, considerar:a) o local em que os serviços serão executados e seu entorno;b) o isolamento e a sinalização no entorno da área de trabalho;c) o estabelecimento dos sistemas e pontos de ancoragem;d) as condições meteorológicas adversas;e) a seleção, inspeção, forma de utilização e limitação de uso dos sistemas de proteçãocoletiva e individual, atendendo às normas técnicas vigentes, às orientações dosfabricantes e aos princípios da redução do impacto e dos fatores de queda;f) o risco de queda de materiais e ferramentas;g) os trabalhos simultâneos que apresentem riscos específicos;h) o atendimento aos requisitos de segurança e saúde contidos nas demais normasregulamentadoras;i) os riscos adicionais;j) as condições impeditivas;k) as situações de emergência e o planejamento do resgate e primeiros socorros, deforma a reduzir o tempo da suspensão inerte do trabalhador;l) a necessidade de sistema de comunicação;m) a forma de supervisão. Portaria n. 313 de 23 de março de 2012 NR-35 TRABALHO EM ALTURA
  17. 17. CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM ALTURA35.4.6 Para atividades rotineiras detrabalho em altura a análise de riscopode estar contemplada no respectivoprocedimento operacional.35.4.6.1 Os procedimentos operacionaispara as atividades rotineiras de trabalhoem altura devem conter, no mínimo:a) as diretrizes e requisitos da tarefa;b) as orientações administrativas;c) o detalhamento da tarefa;d) as medidas de controle dos riscoscaracterísticas à rotina;e) as condições impeditivas;f) os sistemas de proteção coletiva eindividual necessários;g) as competências e responsabilidades. Portaria n. 313 de 23 de março de 2012 NR-35 TRABALHO EM ALTURA
  18. 18. CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM ALTURA35.4.7 As atividades de trabalho emaltura não rotineiras devem serpreviamente autorizadas mediantePermissão de Trabalho.35.4.7.1 Para as atividades nãorotineiras as medidas de controledevem ser evidenciadas na Análise deRisco e na Permissão de Trabalho.35.4.8 A Permissão de Trabalho deveser emitida, aprovada pelo responsávelpela autorização dapermissão, disponibilizada no local deexecução da atividade e, aofinal, encerrada e arquivada de forma apermitir sua rastreabilidade. Portaria n. 313 de 23 de março de 2012 NR-35 TRABALHO EM ALTURA
  19. 19. CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM ALTURA35.4.8.1 A Permissão de Trabalho deveconter:a) os requisitos mínimos a serematendidos para a execução dos trabalhos;b) as disposições e medidas estabelecidasna Análise de Risco;c) a relação de todos os envolvidos e suasautorizações.35.4.8.2 A Permissão de Trabalho deveter validade limitada à duração daatividade, restrita ao turno detrabalho, podendo ser revalidada peloresponsável pela aprovação nas situaçõesem que não ocorrammudanças nas condições estabelecidas ouna equipe de trabalho. Portaria n. 313 de 23 de março de 2012NR-35 TRABALHO EM ALTURA
  20. 20. CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM ALTURA35.5. Equipamentos deProteçãoIndividual, Acessórios eSistemas de Ancoragem35.5.1 Os Equipamentosde Proteção Individual -EPI, acessórios esistemas de ancoragemdevem serespecificados eselecionadosconsiderando-se a suaeficiência, o conforto, acarga aplicada aosmesmos eo respectivo fator desegurança, em caso deeventual queda. Portaria n. 313 de 23 de março de 2012 NR-35 TRABALHO EM ALTURA
  21. 21. CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM ALTURA Portaria n. 313 de 23 de março de 2012NR-35 TRABALHO EM ALTURA
  22. 22. CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM ALTURA Portaria n. 313 de 23 de março de 2012NR-35 TRABALHO EM ALTURA
  23. 23. CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM ALTURA Portaria n. 313 de 23 de março de 2012NR-35 TRABALHO EM ALTURA
  24. 24. CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM ALTURA35.5.1.1 Na seleção dos EPI devem serconsiderados, além dos riscos a que otrabalhador está exposto, osriscos adicionais.35.5.2 Na aquisição e periodicamentedevem ser efetuadas inspeções dosEPI, acessórios e sistemas deancoragem, destinados à proteção dequeda de altura, recusando-se os queapresentem defeitos oudeformações.35.5.2.1 Antes do início dos trabalhosdeve ser efetuada inspeção rotineira detodos os EPI, acessórios esistemas de ancoragem. Portaria n. 313 de 23 de março de 2012 NR-35 TRABALHO EM ALTURA
  25. 25. CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM ALTURA35.5.2.2 Deve ser registrado o resultadodas inspeções:a) na aquisição;b) periódicas e rotineiras quando os EPI,acessórios e sistemas de ancoragemforem recusados.35.5.2.3 Os EPI, acessórios e sistemasde ancoragem que apresentaremdefeitos, degradação, deformaçõesou sofrerem impactos de queda devem serinutilizados e descartados, exceto quandosua restauração forprevista em normas técnicas nacionais ou,na sua ausência, normas internacionais. Portaria n. 313 de 23 de março de 2012 NR-35 TRABALHO EM ALTURA
  26. 26. CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM ALTURA35.5.3 O cinto de segurança deve ser dotipo paraquedista e dotado dedispositivo para conexão emsistema de ancoragem.35.5.3.1 O sistema de ancoragem deveser estabelecido pela Análise de Risco.35.5.3.2 O trabalhador deve permanecerconectado ao sistema de ancoragemdurante todo o período deexposição ao risco de queda.35.5.3.3 O talabarte e o dispositivotrava-quedas devem estar fixadosacima do nível da cintura dotrabalhador, ajustados de modo a restringira altura de queda e assegurar que, emcaso de ocorrência,minimize as chances do trabalhador colidircom estrutura inferior. Portaria n. 313 de 23 de março de 2012 NR-35 TRABALHO EM ALTURA
  27. 27. CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM ALTURA35.5.3.4 É obrigatório o uso deabsorvedor de energia nasseguintes situações:a) fator de queda for maior que 1;b) comprimento do talabarte for maiorque 0,9m. Portaria n. 313 de 23 de março de 2012NR-35 TRABALHO EM ALTURA
  28. 28. CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM ALTURA35.5.4 Quanto ao ponto deancoragem, devem ser tomadas asseguintes providências:a) ser selecionado por profissionallegalmente habilitado;b) ter resistência para suportar a cargamáxima aplicável;c) ser inspecionado quanto à integridadeantes da sua utilização. Portaria n. 313 de 23 de março de 2012NR-35 TRABALHO EM ALTURA
  29. 29. CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM ALTURA35.6. Emergência e Salvamento35.6.1 O empregador deve disponibilizar equipe para respostas em casode emergências para trabalho emaltura.35.6.1.1 A equipe pode ser própria, externa ou composta pelos própriostrabalhadores que executam otrabalho em altura, em função das características das atividades.35.6.2 O empregador deve assegurar que a equipe possua os recursosnecessários para as respostas aemergências.35.6.3 As ações de respostas às emergências que envolvam o trabalhoem altura devem constar do planode emergência da empresa.35.6.4 As pessoas responsáveis pela execução das medidas desalvamento devem estar capacitadas aexecutar o resgate, prestar primeiros socorros e possuir aptidão física emental compatível com aatividade a desempenhar. Portaria n. 313 de 23 de março de 2012NR-35 TRABALHO EM ALTURA
  30. 30. CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM ALTURAAbsorvedor de energia: dispositivodestinado a reduzir o impacto transmitidoao corpo do trabalhador esistema de segurança durante a contençãoda queda. Portaria n. 313 de 23 de março de 2012 NR-35 TRABALHO EM ALTURA
  31. 31. CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM ALTURACinto de segurança tipo paraquedista:Equipamento de Proteção Individualutilizado para trabalhos emaltura onde haja risco dequeda, constituído de sustentação naparte inferior do peitoral, acima dosombrose envolto nas coxas Portaria n. 313 de 23 de março de 2012 NR-35 TRABALHO EM ALTURA
  32. 32. CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM ALTURAPonto de ancoragem: pontodestinado a suportar carga depessoas para a conexão dedispositivos desegurança, tais comocordas, cabos de aço, trava-quedae talabartes. Portaria n. 313 de 23 de março de 2012 NR-35 TRABALHO EM ALTURA
  33. 33. CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM ALTURASistemas de ancoragem: componentes definitivos ou temporários, dimensionadospara suportar impactos de queda, aos quais o trabalhador possa conectar seuEquipamento de Proteção Individual, diretamente ou através de outrodispositivo, de modo a que permaneça conectado em caso de perda deequilíbrio, desfalecimento ou queda Portaria n. 313 de 23 de março de 2012 NR-35 TRABALHO EM ALTURA
  34. 34. CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM ALTURATalabarte: dispositivo de conexão de um sistema de segurança, regulável ounão, para sustentar, posicionar e/ou limitar a movimentação do trabalhador Portaria n. 313 de 23 de março de 2012 NR-35 TRABALHO EM ALTURA
  35. 35. CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM ALTURATrava-queda: dispositivo de segurança para proteção do usuário contraquedas em operações com movimentação vertical ou horizontal, quandoconectado com cinturão de segurança para proteção contra quedas. Portaria n. 313 de 23 de março de 2012NR-35 TRABALHO EM ALTURA
  36. 36. CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM ALTURA Portaria n. 313 de 23 de março de 2012NR-35 TRABALHO EM ALTURA
  37. 37. CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM ALTURA Portaria n. 313 de 23 de março de 2012NR-35 TRABALHO EM ALTURA
  38. 38. CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM ALTURA Portaria n. 313 de 23 de março de 2012NR-35 TRABALHO EM ALTURA
  39. 39. CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM ALTURA Portaria n. 313 de 23 de março de 2012NR-35 TRABALHO EM ALTURA
  40. 40. CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM ALTURATécnicas de PosicionamentoPontos de Atracação:principal PositivoBeckupPonto de Ancoragem: NegativoPositivoNegativocrítico Critico Portaria n. 313 de 23 de março de 2012 NR-35 TRABALHO EM ALTURA
  41. 41. CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM ALTURA Portaria n. 313 de 23 de março de 2012NR-35 TRABALHO EM ALTURA
  42. 42. CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM ALTURA Portaria n. 313 de 23 de março de 2012NR-35 TRABALHO EM ALTURA
  43. 43. CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM ALTURADispositivo para sistemas de ancoragem Portaria n. 313 de 23 de março de 2012NR-35 TRABALHO EM ALTURA
  44. 44. CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM ALTURASISTEMA DE ANCORAGEM Portaria n. 313 de 23 de março de 2012 NR-35 TRABALHO EM ALTURA
  45. 45. CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM ALTURA Portaria n. 313 de 23 de março de 2012NR-35 TRABALHO EM ALTURA
  46. 46. CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM ALTURA Portaria n. 313 de 23 de março de 2012NR-35 TRABALHO EM ALTURA
  47. 47. CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM ALTURAOS Sistemas equalizados de ancoragem distribui as cargas entre dois oumais pontos Portaria n. 313 de 23 de março de 2012NR-35 TRABALHO EM ALTURA
  48. 48. CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM ALTURA Portaria n. 313 de 23 de março de 2012NR-35 TRABALHO EM ALTURA
  49. 49. CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM ALTURA Portaria n. 313 de 23 de março de 2012NR-35 TRABALHO EM ALTURA
  50. 50. CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM ALTURA Portaria n. 313 de 23 de março de 2012NR-35 TRABALHO EM ALTURA
  51. 51. CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM ALTURA Portaria n. 313 de 23 de março de 2012NR-35 TRABALHO EM ALTURA
  52. 52. CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM ALTURA Portaria n. 313 de 23 de março de 2012NR-35 TRABALHO EM ALTURA
  53. 53. CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM ALTURA Trava quedas Esticadores Portaria n. 313 de 23 de março de 2012NR-35 TRABALHO EM ALTURA
  54. 54. CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM ALTURA Portaria n. 313 de 23 de março de 2012NR-35 TRABALHO EM ALTURA
  55. 55. CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM ALTURA Portaria n. 313 de 23 de março de 2012NR-35 TRABALHO EM ALTURA
  56. 56. CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM ALTURA Portaria n. 313 de 23 de março de 2012NR-35 TRABALHO EM ALTURA
  57. 57. CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM ALTURA Portaria n. 313 de 23 de março de 2012NR-35 TRABALHO EM ALTURA
  58. 58. CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM ALTURA Portaria n. 313 de 23 de março de 2012NR-35 TRABALHO EM ALTURA
  59. 59. CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM ALTURA Portaria n. 313 de 23 de março de 2012NR-35 TRABALHO EM ALTURA
  60. 60. CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM ALTURA Portaria n. 313 de 23 de março de 2012NR-35 TRABALHO EM ALTURA
  61. 61. CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM ALTURA Portaria n. 313 de 23 de março de 2012NR-35 TRABALHO EM ALTURA
  62. 62. CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM ALTURA Placa de ancoragem 7 furos 5 furos Portaria n. 313 de 23 de março de 2012NR-35 TRABALHO EM ALTURA
  63. 63. CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM ALTURAAnel de ancoragem Fita de ancoragem fita de conexão Portaria n. 313 de 23 de março de 2012NR-35 TRABALHO EM ALTURA
  64. 64. CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM ALTURABlocante CROLL GRI GRI Blocante de punho Descensor RIG Portaria n. 313 de 23 de março de 2012 NR-35 TRABALHO EM ALTURA
  65. 65. CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM ALTURA TALABARTES DE POSICIONAMENTOTalabarte regulável Talabarte de removivel Portaria n. 313 de 23 de março de 2012NR-35 TRABALHO EM ALTURA
  66. 66. CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM ALTURA TALABARTES DESLOCAMENTO Portaria n. 313 de 23 de março de 2012NR-35 TRABALHO EM ALTURA
  67. 67. CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM ALTURATQ cabo de aço TQ corda TQ corda sem extensor TQ retrátil cabo de aço Acesso por cordas e capacitação de pessoas: NBR 15475 Portaria n. 313 de 23 de março de 2012 NR-35 TRABALHO EM ALTURA
  68. 68. CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM ALTURA Formulado por Sérgio Amaral Tec. Seg. Trabalho DRT.N.6920/PA Email – sergiobio@oi.com.br 91 83419117 88541350 www.petroleo21.jimdo.com www.petroleo21.blogspot.com Portaria n. 313 de 23 de março de 2012NR-35 TRABALHO EM ALTURA

×