relatório síntese - abril 2008
VIURBSPrograma de estruturação Viária       de Belo Horizonte       relatório síntese     VIURBS           abril 2008
Sumário      1 INTRODUÇÃO 		 6      2 PESQUISAS COMPLEMENTARES 		 8      2.1 Contagem Classificada de Veículos – Linha de ...
5 MATRIZ FUNCIONAL DE PRIORIDADES DA		 64    MALHA VIÁRIA MUNICIPAL		5.1 Considerações Iniciais		 645.2 A Matriz e os Proc...
1. Introdução“Face à importância do        O Programa de Estruturação          um novo marco de tratamento                ...
pedestres e do transporte co-   − a redução do tráfego de pas-        configurar a nova rede viária,   letivo;            ...
2. pesquisascomplementares    2.1. Contagem    Classificada de    Veículos – Linha    de Travessia                    Ribe...
Fundação João Pinheiro, e, ago-         Períodos e locais                 expansão dos dados, usando-sera, com os da Linha...
processo de escolha de itinerá-                                                tabela 1 – Localização dos postos de pesqui...
Linha de Travessia                    Como forma de normaliza-                                    - Ano 2006              ...
figura 2 - Perfil Volumétrico Total da Linha de Travessia, ambos os sentidos (em UVP) - posto geral 008 a 029     45.000  ...
figura 3 - Perfil Volumétrico Total da Linha de Travessia, no sentido Norte-Sul - posto geral 008 a 029                   ...
figura 4 - Perfil Volumétrico Total da Linha de Travessia, no sentido Sul-Norte - posto geral 008 a 029                   ...
Linha de Travessia -                                                                      é o exercício apresentado neste ...
A operação desses oito postos                                             Figura 6 - Tratamento prioritário para o Transpo...
tabela 3 - Participação relativa dos postos do hipercentro     nos picos (manhã + tarde) pesquisados na linha de travessia...
A relação observada entre ve-     cial que ele exerce no contexto         manter localizado no corredor ículos e pessoas t...
Viurbs
Viurbs
Viurbs
Viurbs
Viurbs
Viurbs
Viurbs
Viurbs
Viurbs
Viurbs
Viurbs
Viurbs
Viurbs
Viurbs
Viurbs
Viurbs
Viurbs
Viurbs
Viurbs
Viurbs
Viurbs
Viurbs
Viurbs
Viurbs
Viurbs
Viurbs
Viurbs
Viurbs
Viurbs
Viurbs
Viurbs
Viurbs
Viurbs
Viurbs
Viurbs
Viurbs
Viurbs
Viurbs
Viurbs
Viurbs
Viurbs
Viurbs
Viurbs
Viurbs
Viurbs
Viurbs
Viurbs
Viurbs
Viurbs
Viurbs
Viurbs
Viurbs
Viurbs
Viurbs
Viurbs
Viurbs
Viurbs
Viurbs
Viurbs
Viurbs
Viurbs
Viurbs
Viurbs
Viurbs
Viurbs
Viurbs
Viurbs
Viurbs
Viurbs
Viurbs
Viurbs
Viurbs
Viurbs
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Viurbs

1,545 views
1,432 views

Published on

Published in: Automotive
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
1,545
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4
Actions
Shares
0
Downloads
16
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Viurbs

  1. 1. relatório síntese - abril 2008
  2. 2. VIURBSPrograma de estruturação Viária de Belo Horizonte relatório síntese VIURBS abril 2008
  3. 3. Sumário 1 INTRODUÇÃO 6 2 PESQUISAS COMPLEMENTARES 8 2.1 Contagem Classificada de Veículos – Linha de Travessia 8 2.2 Ocupação de Passageiros em Automóveis 22 2.3 Pesquisa de Velocidade 26 2.4 Considerações Finais 32 3 ESTUDO DE TRAÇADO 36 4 SIMULAÇÃO DO DESEMPENHO DA MALHA VIÁRIA 48 4.1 Matriz O/D 48 4.1.1 Matriz O/D 2006 48 4.1.2 Cenários Futuros 52 4.2 Rede de Simulação 55 4.2.1 Parâmetros da Rede 56 4.3 Resultados das Simulações 58
  4. 4. 5 MATRIZ FUNCIONAL DE PRIORIDADES DA 64 MALHA VIÁRIA MUNICIPAL 5.1 Considerações Iniciais 645.2 A Matriz e os Procedimentos Operacionais 655.2.1 Descentralização do Sistema Rádio-Concêntrico 675.2.2 Ampliação e Priorização do Sistema Estrutural de 68 Transporte Coletivo 5.2.3 Melhoria do Desempenho do Sistema Viário 685.2.4 Inclusão Social / Melhoria das Condições Sociais. 695.2.5 Melhoria das Condições Ambientais 705.2.6 Eficiência Econômica 715.3 Flexibilidade de Utilização da Matriz 726 Conclusão 827 Bibliografia 848 Ficha técnica 86
  5. 5. 1. Introdução“Face à importância do O Programa de Estruturação um novo marco de tratamento Viária de Belo Horizonte tem da questão, criando as possibili-sistema viário, por onde como propósito analisar a ma- dades de, ao lado do atendimen-circulam as pessoas e lha viária existente e priorizar a to das diversas demandas de trá-mercadorias que fazem implantação das novas conexões fego, implementar uma política viárias, considerando as propos- de atendimento prioritário paraa Cidade, as questões tas do Plano Diretor. Mais do o transporte coletivo e para ocolocadas neste projeto que isso, o VIURBS realizou um pedestre, tendo como pontos detêm caráter estratégico processo de cadastramento, con- partida o respeito às diretrizes depara o desenvolvimento sistência, desenvolvimento de política urbana e um cuidado es- alternativas e seleção das melho- pecial com os indicadores sociaisde Belo Horizonte.” res soluções viárias, classifican- que permeiam esses projetos. do-as conforme sua importân- A Prefeitura de Belo Horizon- cia, benefício e viabilidade para te (PBH), de posse dos produtos a cidade. deste Programa - (VIURBS), es- Face à importância do siste- tabelece o conjunto de projetos ma viário, por onde circulam as e ações que permitirão consubs- pessoas e mercadorias que fazem tanciar as diretrizes emanadas a Cidade, as questões colocadas do Plano Diretor, conforme sua neste projeto têm caráter estra- obrigação legal, com um novo tégico para o desenvolvimento instrumento que vai ampliar as de Belo Horizonte. possibilidades de retorno dos re- As novas conexões viárias, ob- cursos a serem empregados nes- jetos desta proposta, têm de criar sa área. alternativas de descompressão Cabe aqui realçar alguns dos do sistema concêntrico de Belo principais objetivos perseguidos Horizonte, permitindo a revitali- no desenvolvimento do estudo: zação de áreas urbanas que hoje estão sufocadas pelo excesso de − recuperação ambiental de vá- tráfego ou indisponíveis pela au- rias regiões da cidade; sência de solução viária de porte − redução do número de aci- adequado. dentes; O presente estudo estabeleceu − priorização da circulação de VIURBS – Programa de Estruturação Viária de Belo Horizonte
  6. 6. pedestres e do transporte co- − a redução do tráfego de pas- configurar a nova rede viária, letivo; sagem na Área Central, espe- com todos os indicadores de− implantação de uma sistemá- cialmente no Hipercentro; engenharia, financeiros e so- tica permanente de planeja- − a redução dos conflitos ve- ciais para cada uma das solu- mento do sistema viário. rificados entre o tráfego de ções selecionadas; Para tanto, foram contempla- veículos de carga e as demais − A matriz funcional para o es-das as seguintes diretrizes ge- atividades urbanas; tabelecimento de prioridadesrais: − a compatibilização da preser- de investimento na malha vi-− as diretrizes estabelecidas no vação ambiental com as ne- ária municipal, instrumento Plano Diretor de Belo Hori- cessidades de circulação. que atende aos objetivos es- zonte; tratégicos contidos no escopo Como registro adicional do deste estudo.− o Plano de Classificação Viá- desenvolvimento dos trabalhos, ria existente como referência e uma síntese dos vários docu- Cada um destes produtos, no básica; mentos entregues ao longo do entanto, possui um relatório es- Contrato, este Relatório Final pecífico e detalhado contendo as− o aproveitamento máximo apresenta os seguintes produtos: informações levantadas, meto- da infra-estrutura existente, dologias adotadas, soluções pro- reduzindo a necessidade de − Pesquisas de tráfego realiza- postas e resultados. Compõem o investimentos públicos; das para compor, ao lado das conjunto de documentos gera-− as medidas propostas no existentes, a base de informa- dos nos estudos do VIURBS os Plano de Reestruturação do ções utilizadas; seguintes relatórios: Transporte Coletivo - BHBUS, − Conjunto de simulações reali- − Relatório das Pesquisas de destacando-se a priorização zadas para modelar, em diver- Tráfego; do tráfego de ônibus sobre o sos cenários e horizontes de geral; projeto, a rede viária, testan- − Relatório de Simulação do De- do e consolidando propostas, sempenho da Malha Viária;− a priorização das condições de segurança de trânsito so- de modo a ampliar a base de − Relatórios de Vistoria e Estu- bre as condições de fluidez, informações que irão ampa- dos de Traçado; quando forem concorrentes; rar as decisões a respeito das − Relatório da Matriz Multicrite-− a priorização do transporte intervenções no sistema viá- rial de Priorização das Obras. coletivo e dos deslocamentos rio; No caso dos estudos de traça- a pé sobre o transporte indi- − Estudos de traçado dos tre- do, cada intervenção conta com vidual; chos e interseções de modo a um relatório individual.Relatório Síntese - Abril 2008
  7. 7. 2. pesquisascomplementares 2.1. Contagem Classificada de Veículos – Linha de Travessia Ribeirão das Neves Santa luzia A linha férrea que corta BeloHorizonte no sentido Leste – Oes-te, acompanhando em boa parteo Ribeirão Arrudas, seccionandosua estrutura viária, estabeleceuas condições necessárias e sufi-cientes para a configuração de contagem sabaráuma Linha de Travessia clássica,onde foram realizadas as pesqui-sas de contagem de veículos. Acidade, inclusive, tem uma sériehistórica de pesquisas realizadascom objetivos semelhantes, sem-pre acompanhando a Pesquisade Origem e Destino Domiciliar. Foi uma nova oportunidadepara estabelecer mais um pontono perfil da evolução histórica ibirité nova limado comportamento do tráfego figura 1na cidade. Em um passado maisrecente, confrontaram-se os da- Linha de travessiados obtidos, quando do estudo zonas de tráfego nortedo PACE, com os da linha de tra-vessia da pesquisa realizada pela zonas de tráfego sul VIURBS – Programa de Estruturação Viária de Belo Horizonte
  8. 8. Fundação João Pinheiro, e, ago- Períodos e locais expansão dos dados, usando-sera, com os da Linha de Travessia de pesquisa como base os postos onde foramde 2006. As pesquisas, em postos, fo- realizadas 24 horas de pesquisa. Para o VIURBS, com o inte- ram realizadas entre os dias 31 Neste intuito, os postos deresse focado diretamente em de maio e 29 de junho de 2006, 24 horas selecionados são os deBelo Horizonte, são 21 (vinte e com exceção do Posto 26 – Con- maior relevância estrutural paraum) locais de transposição so- de Pereira Carneiro, que teve o o tráfego da cidade, representa-bre a linha férrea no município e segundo dia de contagem em tivos do comportamento padrão 20 de setembro, com parcela de seu tráfego, de modo a permi-mais um adicional localizado em dos postos sendo objeto de um tir a sua utilização como modeloContagem, próximo à interseção levantamento por um período de expansão dos demais postos.da Via Urbana Leste - Oeste com mais extenso de modo a forne- Com esse objetivo, foram escolhi-a Av. Babita Camargos, que, por cer elementos adicionais de veri- dos locais de fluxo mais intensoconformação geográfica, atende ficação, a saber: e menos sujeitos às influênciasparcela do tráfego entre regiões − 10 postos foram pesquisados locais.de Belo Horizonte. durante 24 horas, em dois Durante o período da pesqui- Nesta pesquisa, foi feita a con- dias; sa, é importante registrar, a ci-tagem classificada de veículos − 11 postos foram pesquisados dade tinha em andamento duas(CCV) por sentido de tráfego, por durante 15 horas (de 6:00 às grandes obras em seu sistemameio de acionamento de conta- 21:00 horas), em um dia típi- viário, uma na Av. Antônio Car-dores mecânicos, durante o perí- co (de terça a quinta-feira), los (trincheira com a Bernardoodo de tempo definido para cada sendo que um deles, o Posto Vasconcelos e Américo Vespú-ponto de pesquisa. 26 - R. Conde Pereira Carnei- cio) e outra, o conjunto de in- Para cada sentido de tráfego ro, foi objeto de dois dias de tervenções, denominado Linhapesquisado, as informações a pesquisa; Verde, sobre toda a extensão darespeito das passagens dos veí- − 1 posto foi pesquisado duran- Av. Cristiano Machado/Via Norteculos foram registradas indivi- te 24 horas, em um dia. e parte da Av. dos Andradas/Av.dualmente, de acordo com o seu Nos postos onde as contagens do Contorno (do Viaduto Santatipo, realizando-se a totalização foram efetuadas apenas duran- Tereza à R. Espírito Santo).e transcrição dos resultados a te 15 horas, o volume diário de Essas obras influem direta-cada 15 minutos. tráfego foi obtido por meio da mente nos motoristas e no seuRelatório Síntese - Abril 2008
  9. 9. processo de escolha de itinerá- tabela 1 – Localização dos postos de pesquisa de CCV rios, resultando em um carrega- mento atípico da rede. Entretan- Posto Local Duração Período Datas to, como na Linha de Travessia todas as opções são capturadas, 08 R. Itamar 15h 06:00 21:00 31/mai essa distorção é anulada, e os ob- 09 Av. Itaituba 15h 06:00 21:00 31/mai jetivos iniciais de atualização da 10 Av. Silviano Brandão 15h 06:00 21:00 31/mai matriz de viagens são atingidos. 11 Viaduto José Maria T. Leal 15h 06:00 21:00 31/mai 12 Av. do Contorno 15h 06:00 21:00 31/mai Verificam-se, entretanto, difi- 13 Av. Francisco Sales 48h 00:00 24:00 1/jun 6/jun culdades nas etapas posteriores 14 Viaduto Sta. Tereza 48h 00:00 24:00 1/jun 6/jun de calibração dos trechos da rede de simulação em função dessa si- 15 Viaduto Floresta 48h 00:00 24:00 1/jun 6/jun tuação excepcional criada pelas 16 R. Varginha 24h 00:00 24:00 1/jun obras. Para mitigar esses proble- 17 Viaduto A 48h 00:00 24:00 1/jun 6/jun mas, foram utilizadas outras ba- 18 Viaduto B 48h 00:00 24:00 7/jun 8/jun ses de dados, como, por exemplo, 19 Viaduto Leste 48h 00:00 24:00 1/jun 6/jun a obtida para o projeto PACE, de 20 Viaduto Oeste 48h 00:00 24:00 7/jun 8/jun modo a equilibrar o tráfego nos 21 Elevado Castelo Branco 48h 00:00 24:00 7/jun 8/jun diversos trechos concorrentes. 22 Av. Tereza Cristina 15h 06:00 21:00 20/jun (próximo à Av. N. Sra. de Fátima) A utilização futura de tais pes- 23 Av. Tereza Cristina 48h 00:00 24:00 20/jun 29/jun quisas, em trabalhos assemelha- 24 Viaduto Santa Quiteria 15h 06:00 21:00 20/jun dos, deve considerar esses mes- 25 Av. Silva Lobo 48h 00:00 24:00 20/jun 21/jun mos procedimentos de modo a 26 R. Conde Pereira Carneiro 15h 06:00 21:00 21/jun 20/set não incorrer em constatações e 27 Anel Rodoviário 15h 06:00 21:00 21/jun decisões enviesadas. A Tabela 1 28 R. Tantalita 15h 06:00 21:00 21/jun lista os postos e descreve a data 29 R. Babita Camargos 15h 06:00 21:00 21/jun e o período de realização. Manteve-se, em 2006, a mes- ma numeração dos postos ado- tada pela Fundação João Pinhei- ro na realização da pesquisa de cidade permitindo perspectivas, sobre a importância estratégica 2001, facilitando a confrontação alternativas e dados complemen- do Complexo Viário da Lagoinha das duas bases de dados. tares, relativos à visualização do (cujas obras de arte são pontos uso do sistema viário. da Linha de Travessia) para a Análise dos Resultados No encalço dessas novas pers- operação do tráfego da cidade. Além de atingir o seu objeti- pectivas, procurou-se realizar vo direto, a calibração da matriz Para as confrontações dos pe- uma investigação técnica nos da- de viagens, a pesquisa nos ofere- ríodos horários, utilizaram-se as dos coletados, abrangendo, para ce uma oportunidade de realizar somas dos volumes equivalentes cada um dos locais de pesquisa, um diagnóstico da movimenta- a identificação da hora de maior de quatro intervalos consecu- ção de pessoas e veículos em Belo fluxo de veículos do dia (hora tivos de 15 minutos, o que per- Horizonte. Os dados levantados de pico), dentro dos intervalos mitiu a localização e a análise compõem o perfil da operação pesquisados (manhã, almoço e dos picos de movimentação com do tráfego e do transporte da tarde), e também, a constatação mais precisão.10 VIURBS – Programa de Estruturação Viária de Belo Horizonte
  10. 10. Linha de Travessia Como forma de normaliza- - Ano 2006 ção dos dados, de facilitação das Para a abordagem inicial, uti- análises, para essa observação lizou-se a somatória dos volumes inicial nos perfis volumétricos de veículos do conjunto de postos de ambos os sentidos de tráfego, da Linha da Travessia, de modo a será utilizada a unidade de veí- obter-se um retrato do comporta- culo padrão (UVP), na qual o au- mento global da movimentação tomóvel corresponde a 1,0 UVP, de veículos e pessoas em Belo o ônibus a 2,5 UVP, o caminhão Horizonte. Nas etapas seguintes, a 2,0 UVP e a motocicleta a 0,2 tais dados são desagregados por UVP. sentido, e por posto de pesquisa, Analisando o perfil do volu- o que permitiu percorrer do cená- me horário, observa-se, na Linha rio mais geral até o mais específi- de Travessia, uma forte caracte- co, retirando de cada um deles as rística pendular dos movimen- informações para a compreensão tos Norte-Sul. Esta característica mais acurada da realidade. fica mais evidente quando se Foram discutidas, e obtive- verifica que o pico da manhã, ram respostas, questões básicas em um sentido, é equivalente ao a respeito dessa movimentação, pico da tarde, no sentido oposto. tais como: qual a distribuição do Este tipo de gráfico, normalmen- tráfego ao longo do dia? nos mo- te, responde a padrões socioeco- mentos de pico essa distribuição nômicos bastante claros, com o é a mesma, independentemente pico da manhã sendo mais re- da categoria de veículos? o per- presentativo no sentido casa-tra- fil horário do volume de veícu- balho, e o da tarde, no sentido los apresenta diferenciações em inverso. função do sentido de tráfego? no Em Belo Horizonte, em fun- que diz respeito à movimentação ção de suas características de de pessoas, esta acompanha line- evolução e ocupação, a região armente a dos veículos?. Norte se configura mais como A primeira constatação obti- provedora de mão-de-obra do da, da análise dos dados globais, que de postos de trabalho, fican- é a da não-alteração da partici- do a região Sul como a de maior pação relativa das categorias de concentração de atividades pro- veículos em função do sentido dutivas. A localização geográfica direcional, a qual permaneceu, da Linha de Travessia, ao incor- quando considerada globalmen- porar o Centro ao lado Sul da ci- te, em torno das seguintes pro- dade, exacerbou não só essa ca- porções: racterística como também uma série de outras apresentadas ao − Automóveis: 78% longo do relatório. − Ônibus: 6% − Caminhões: 4% − Motocicletas: 12%Relatório Síntese - Abril 2008 11
  11. 11. figura 2 - Perfil Volumétrico Total da Linha de Travessia, ambos os sentidos (em UVP) - posto geral 008 a 029 45.000 LEGENDA N S (uvp/h) S N (uvp/h) 40.000 SENTIDO NS SN 35.000 Período Pico UVP Período UVP Manhã 07:15 às 08:15 40.173 07:15 às 08:15 28.336 30.000 Almoço 13:30 às 14:30 32.147 11:15 às 12:15 30.199 Tarde 17:15 às 18:15 32.142 17:45 às 18:45 39.361 25.000 Pessoas transportadas % por tipo de por dia veículo/dia 100% 100% moto moto cam. cam. 20.000 moto moto auto auto 75% 75% 15.000 519.314 523.198 50% 50% 10.000 auto auto bus bus 841.008 794.892 25% 5.000 25% 0% bus bus 0% 0 NS SN NS SN 00:00 01:00 02:00 03:00 04:00 05:00 06:00 07:00 08:00 09:00 10:00 11:00 12:00 13:00 14:00 15:00 16:00 17:00 18:00 19:00 20:00 21:00 22:00 23:00 O pico da manhã, ao concen- ção de automóveis, obtido no culos, transportam 53 % do total trar as viagens com origem na levantamento específico reali- das pessoas, enquanto o fluxo de residência, configurando-se as- zado em 2006, e o de ocupação automóveis, 78 % dos veículos, sim como o pico que responde média diária de ônibus (23,14 responde por apenas 41 % das mais prontamente às caracterís- passageiros por viagem) e ca- pessoas transportadas. ticas socioeconômicas de ocupa- minhão (1,65 passageiros por Na Figura 3, observa-se como ção das regiões da cidade, mos- viagem), da pesquisa da FJP em se comportam os participantes, tra mais claramente a função da 2001, estima-se que, aproxima- pessoas e veículos, em cada um região Norte como provedora de damente 2,6 milhões de pessoas, dos sentidos de tráfego, especi- mão-de-obra. Esse é o seu maior por dia, realizam viagens entre ficando, por tipo de veículo, o pico (40.173 uvp), e ele não só é as regiões Norte e Sul da cidade, perfil diário e estabelecendo um amplamente superior ao do mes- sendo 1,3 milhão em cada um novo padrão de ocupação dos mo período de sentido inverso dos sentidos. A participação ob- ônibus durante os períodos de (28.336 uvp) como também é o servada entre os diversos tipos pico, em torno de 40 pessoas por de maior volume do dia, inde- de veículos em um dos sentidos veículo, maior do que a média do pendentemente do sentido. não difere significativamente da dia. Pode-se inferir que são esses apresentada pelo outro. O gráfico, no sentido Norte- veículos que, ao voltar para casa, Quanto à participação relati- Sul, mostra claramente o maior no final da tarde, configuram o va dos veículos em contrapartida fluxo de veículos entre 6:00 e maior pico do sentido Sul-Norte, ao número de pessoas transpor- 9:30h, com exceção da catego- confirmando mais uma vez a di- tadas, registra-se a confirmação ria caminhões. O período entre visão de funções entre as regiões da importância dos ônibus para 7:15h e 8:15h é não só o pico ho- da cidade. o dia-a-dia da cidade: embora rário da manhã, como o pico ho- Utilizando o fator de ocupa- representem apenas 6 % dos veí- rário do dia, apresentando cerca12 VIURBS – Programa de Estruturação Viária de Belo Horizonte
  12. 12. figura 3 - Perfil Volumétrico Total da Linha de Travessia, no sentido Norte-Sul - posto geral 008 a 029 LEGENDA - PORCENTAGEM DOS VEÍCULOS3.000 veículos/hora autos/10 (77%) ônibus (7%) caminhões (4%) motos/5 (12%)2.500 SENTIDO N S Período Pico UVP FHP %dia Manhã 07:15 às 08:15 40.173 0,98 8,5% Almoço 13:30 às 14:30 32.147 0,97 6,8%2.000 Tarde 17:15 às 18:15 32.142 0,98 6,8% veículos / pessoas / veículos / pessoas /1.500 dia dia pico M+T pico M+T 100% moto 100% moto 54.517 9.015 auto 75% 75% auto1.000 50% 50% 350.888 54.855 500 bus bus 25% 25% 0 30.036 0% 4.608 0% 00:00 01:00 02:00 03:00 04:00 05:00 06:00 07:00 08:00 09:00 10:00 11:00 12:00 13:00 14:00 15:00 16:00 17:00 18:00 19:00 20:00 21:00 22:00de 40 mil veículos equivalentes. residências (Norte). Pode-se infe- 23:00 participação relativa de veículos Enquanto os automóveis ca- rir, inclusive, que o pico no horá- é semelhante, a de pessoas trans-racterizam três picos ao longo rio do almoço, no fluxo de auto- portadas se altera, pois o ônibusdo dia (manhã, hora do almoço móveis, pode ser dos motoristas responde por 66 % das pessoase tarde), apresentando o primei- que retornam à Região Sul, após transportadas e os automóveis,ro volumes sensivelmente su- um período de atividades na re- por 30 %.periores aos demais, os ônibus gião Norte, caso, por exemplo, Outro ponto digno de obser-apresentam apenas dois picos dos alunos que freqüentam o vação é a participação das mo-“clássicos”, de intensidade bas- Campus Pampulha da UFMG. tos, as quais já representamtante semelhante, não ocorren- Durante o dia, atravessando 12 % do volume total de veículos.do o pico do almoço, situação de Norte a Sul, têm-se, aproxi- Elas também apresentam a me-semelhante à apresentada pelos madamente, 350 mil automóveis nor variação de intensidade docaminhões e motos que têm, (77 % dos veículos) transpor- fluxo ao longo do dia, dentre osinclusive, uma depressão nesse tando 520 mil pessoas (40 % do tipos de veículos considerados.período. Isso pode ser explicado total), enquanto que 30 mil ôni- Essa participação e o comporta-não só pela diferença econômica bus/dia, apenas 7 % dos veículos, mento específico das motos nãoevidente entre os usuários dos respondem por 700 mil pessoas são alterados, como pode ser ob-vários tipos de veículos, refletin- transportadas (53% do total). O servado no gráfico seguinte, nasdo diretamente numa mobilida- restante das pessoas (90 mil pes- viagens Sul-Norte, cujas caracte-de superior dos proprietários de soas) é transportado pelas motos rísticas passamos a investigar.autos, como também pelo fato e caminhões.de que esse deslocamento, saída Ao trazer para o foco da aná-para almoço, não ser típico em lise os períodos de pico, manhãuma região cujo padrão é o de e tarde, vemos que, enquanto aRelatório Síntese - Abril 2008 13
  13. 13. figura 4 - Perfil Volumétrico Total da Linha de Travessia, no sentido Sul-Norte - posto geral 008 a 029 LEGENDA - PORCENTAGEM DOS VEÍCULOS veículos/hora autos/10 (78%) ônibus (6%) 3.000 caminhões (4%) motos/5 (12%) SENTIDO S N 2.500 Período Pico UVP FHP %dia Manhã 07:15 às 08:15 28.336 0,96 6.0% Almoço 11:15 às 12:15 30.199 0,95 6,4% 2.000 Tarde 17:45 às 18:45 39.361 0,95 8,4% veículos / pessoas / veículos / pessoas / dia dia pico M+T pico M+T 1.500 100% 100% moto moto 52.692 7517 auto 75% 75% auto 1.000 50% 50% 352.812 51.834 500 bus bus 25% 25% 0 28.389 0% 4.092 0% 00:00 01:00 02:00 03:00 04:00 05:00 06:00 07:00 08:00 09:00 10:00 11:00 12:00 13:00 14:00 15:00 16:00 17:00 18:00 19:00 20:00 21:00 22:00 23:00 Os dados relativos às viagens te-Sul, em função de sua estreita 11:15 h e 12:15, e a volta ao tra- Sul-Norte são bastante diversos vinculação ao motivo serviço, os balho, entre 13:30 h e 14:30 h, no dos que foram analisados ante- automóveis e motocicletas, ve- sentido inverso. riormente. Agora encontramos ículos preponderantemente de Temos também intensidade um perfil com uma tendência uso particular, de modo diverso, e volume semelhantes de pico - clara de concentração de viagens apresentam um viés marcante 8,5 % do volume do dia no maior no período da tarde, mostrando para a direita, com os maiores pico, no sentido Norte-Sul, e um viés marcante de volta para volumes se concentrando no pe- 8,4 % correspondentes no senti- a casa. ríodo da tarde. do Sul-Norte, embora, conforme O período no qual se registra Pode-se inferir que tal com- já observado, para o primeiro o o maior fluxo de veículos é o do portamento é explicado pelo re- pico seja o da manhã e para o se- pico da tarde, volta para casa, en- torno daqueles veículos que vie- gundo, o da tarde. tre 17:30h e 19:30h. É a comple- ram do Norte, ao longo do dia. No sentido Sul-Norte, saída mentação das viagens Norte-Sul, Portanto, temos como resultado do Centro, temos durante o dia, que mostra bem como funciona geral um pico da manhã forte- aproximadamente, 353 mil au- a cidade. mente ligado aos movimentos tomóveis (78 % dos veículos) Verifica-se nesse perfil, com Norte-Sul e um da tarde com a transportando 520 mil pessoas maior facilidade, o descolamento predominância do fluxo Sul-Nor- (41 % do total), enquanto que 28 do comportamento dos diferen- te. mil ônibus / dia, apenas 6 % dos tes tipos de veículos. Enquanto, Os picos do período do almo- veículos, respondem por 660 mil conforme esperado, o volume ço deixam claro, mais uma vez, pessoas transportadas, 52 % do de caminhões e ônibus apresen- o comportamento das duas re- total. O restante das pessoas é ta as mesmas características de giões: a saída para almoço ocor- transportado pelas motos e ca- perfil presentes no sentido Nor- re no tráfego Sul-Norte, entre minhões.14 VIURBS – Programa de Estruturação Viária de Belo Horizonte
  14. 14. Linha de Travessia - é o exercício apresentado neste Nossa Senhora de Fátima, Av. Ano 2006 – Hipercentro item, explorando o comporta- Francisco Sales e Av. do Con- Em função do desenho rádio- mento do Hipercentro em ter- torno, por exemplo), no que dizconcêntrico do sistema viário mos operacionais, tanto nos mo- respeito à movimentação dede Belo Horizonte, é interessan- mentos em que recebe o volume pessoas, apenas o posto da Av.te segmentar a Linha de Traves- de tráfego quanto naqueles em Nossa Senhora de Fátima realizasia e focar a análise sobre o seu que, ao final da tarde, se esva- um trabalho semelhante ao dotrecho limítrofe ao Hipercentro, zia. Hipercentro, devido à forte pre-aquele compreendido entre o A Figura 5 mostra a concen- sença de itinerários de transpor-Viaduto Santa Tereza (P014) e o tração do tráfego de transposi- te coletivo.Elevado Castelo Branco (P021), ção nesses oito pontos, tanto noincluindo os viadutos da Flores- atendimento à movimentaçãota, A, B, Varginha, Leste e Oes- de veículos, quanto, e princi-te, 8 dos 22 postos pesquisados, palmente, na questão do des-para avaliação de sua importân- locamento de pessoas. Emboracia relativa. tenhamos ainda alguns postos Tal análise complementar, a importantes para o tráfego departir dos dados consolidados, veículos (Anel Rodoviário, Av. Figura 5 - Dados diários de veículos e pessoas transportadas – Hipercentro em destaque 60.000 UVP / DIA 50.000 LEGENDA Sentido N S Sentido S N 40.000 30.000 20.000 10.000 0300.000 PESSOAS TRANSPORTADAS / DIA250.000200.000150.000100.000 50.000 0 BABITA ELEV. CAST. CAMARGOS TANTALITA ANEL RODOVIÁRIO CONDE P. CARNEIRO TEREZA CRISTINA SILVA LOBO VIAD. STA. QUITÉRIA N. SRA. FÁTIMA BRANCO VIADUTO OESTE VIADUTO B VIADUTO A VIADUTO LESTE VIADUTO VARGINHA VIADUTO FLORESTA TEREZA VIAD. STA. FRANCISCO SALES CONTORNO VIAD. JM TORRES LEAL BRANDÃO ITAITUBA SILVIANO ITAMARRelatório Síntese - Abril 2008 15
  15. 15. A operação desses oito postos Figura 6 - Tratamento prioritário para o Transporte Coletivo de transposição que configuram Descontinuidade no Complexo da Lagoinha o limite Norte do Hipercentro, quatro deles no Complexo Viário da Lagoinha, explicam a necessi- dade de direcionar os esforços no sentido de se criarem alternati- futura bus-way da vas de dispersão do tráfego para av. pres. antônio carlos vias transversais. O objetivo é re- duzir a pressão sobre o Centro e permitir, conforme estabelecido bus-way da av. cristiano machado no Plano Diretor, o atendimento preferencial ao sistema de trans- porte coletivo fortemente con- centrado no trecho. Hoje não há qualquer trata- mento diferenciado para o trans- porte coletivo no Complexo da Lagoinha. A pista exclusiva para ônibus, da Av. Cristiano Macha- do, é alcançada pelo transpor- te coletivo através do Viaduto do que a resposta a uma demanda real, em consonância com as dire- Leste (sentido centro / bairro), trizes determinadas pelo Plano Diretor. juntamente com tráfego misto. A Tabela 2 mostra a proporção de veículos, por tipo, e de pessoas Do mesmo modo, o ingresso do transportadas, atendida por essas transposições. transporte coletivo no Comple- xo, proveniente da pista exclusi- tabela 2 – Participação relativa dos postos do Hipercentro va da Av. Cristiano Machado, se no total diário pesquisado na Linha de Travessia dá por meio de alça no Viaduto Veículos Pessoas Leste ou toma outros destinos, Sentido Autos Ônibus Motos Caminhões transportadas competindo com o tráfego misto Norte/Sul 42% 68% 45% 12% 56% e submetido aos mesmos proble- Sul/Norte 39% 64% 43% 14% 52% mas vivenciados por este. Geral 41% 66% 44% 13% 54% Os dados retirados da pesquisa de Linha de Travessia mostram Registrou-se que algo em torno de 42 % dos veículos (autos, ônibus, que diariamente transitam, nes- caminhões e motos), que fazem viagens entre o Norte e o Sul da ci- tas oito transposições, cerca de dade utilizam um daqueles oito pontos, ficando, portanto, o restante 400 mil veículos, dos quais 10 % dos veículos e pessoas para as demais quatorze transposições. Se isto, destes são ônibus responsáveis por si só, já seria digno de uma atenção especial, um dado adicional, pelo transporte de 900 mil pas- a concentração de 66 % dos ônibus e 54 % das pessoas transportadas, sageiros contra os 420 mil usu- confirma o peso estratégico da área. ários que utilizam automóveis. Dirigindo a atenção para os picos da manhã e da tarde, objeto da Diante desses números, o trata- Tabela 3 “Participação relativa dos postos do Hipercentro nos picos mento prioritário ao transporte (manhã+tarde) pesquisados na Linha de Travessia”, vemos que nem coletivo, nessa área, nada mais é as restrições de capacidade, típicas desse período, que poderiam afu-16 VIURBS – Programa de Estruturação Viária de Belo Horizonte
  16. 16. tabela 3 - Participação relativa dos postos do hipercentro nos picos (manhã + tarde) pesquisados na linha de travessia Veículos Pessoas Sentido Autos Ônibus Motos Caminhões transportadas Norte/Sul 42% 69% 47% 12% 60% Sul/Norte 37% 66% 37% 13% 56% Geral 40% 68% 42% 12% 58%gentar o tráfego para caminhos média desses veículos em tais Não há diferença significativaalternativos, modificam expres- períodos. na divisão modal, proporção rela-sivamente a situação. Esses dados indicam que, du- tiva de cada um dos tipos de veí- Nos picos, temos, sim, uma rante o dia, passam por aqueles culos, quando se altera o sentidoredução na participação relati- oito postos cerca de 1,4 milhão de tráfego. Entretanto, observa-va do número de veículos, agora de pessoas e 380 mil veículos. se o decréscimo da participaçãoalgo em torno de 41 % do total, Analisando o perfil total dos veí- de caminhões e o aumento da deconsiderando todos os tipos, culos, também se observa, nesse ônibus em relação aos dados glo-mas, em contrapartida, há um trecho, uma forte tendência de bais da Linha de Travessia.aumento para 58 % do número comportamento pendular (Nor- − Automóveis: 76%de pessoas transportadas, em te-Sul), sempre lembrando que o − Ônibus: 10%função do aumento da partici- Centro é parte integrante do Sulpação dos ônibus e também do na partição realizada pela Linha − Caminhões: 1%aumento natural da ocupação de Travessia. − Motocicletas: 13% Figura 7 - Perfil Volumétrico Total da Linha de Travessia, ambos os sentidos (Hipercentro) Posto do Viaduto Santa Tereza - ao Elevado Castelo Branco30.000 veículos/hora LEGENDA NS (uvp/h) SN (uvp/h)20.000 SENTIDO N S SENTIDO S N Pico Período UVP Período UVP Manhã 07:15 às 08:15 19.051 07:15 às 08:15 10.637 Almoço 13:30 às 14:30 14.972 11:30 às 12:30 11.98710.000 Tarde 17:15 às 18:15 13.048 18:00 às 19:00 16.688 pessoas % por tipo de transportadas por dia veículo / dia moto moto camin. camin. 100%10.000 moto moto auto auto 219.346 203.062 75% auto auto 50% 5.000 bus bus 473.768 421.241 25% bus bus 0 0% NS SN NS SN 00:00 01:00 02:00 03:00 04:00 05:00 06:00 07:00 08:00 09:00 10:00 11:00 12:00 13:00 14:00 15:00 16:00 17:00 18:00 19:00 20:00 21:00 22:00 23:00Relatório Síntese - Abril 2008 17
  17. 17. A relação observada entre ve- cial que ele exerce no contexto manter localizado no corredor ículos e pessoas transportadas é operacional da mobilidade na onde ocorreu, até mesmo para bastante semelhante em ambos cidade. facilitar e aliviar a operação de os sentidos, conforme pode ser Esses dois gráficos oferecem entrada para outros acessos. Já visto nos gráficos. Enquanto os uma imagem expressiva do pro- na saída (pico da tarde), devido ônibus representam apenas 6% blema de operação de tráfego do ao efeito concentrador da área e dos veículos em toda a Linha de Centro de Belo Horizonte, onde à complexa interligação do siste- Travessia, no trecho do hipercen- a situação se deteriora particu- ma viário – grande rede de inter- tro o percentual se eleva para os larmente à tarde. Neste período, seções semaforizadas –, qualquer 10% do volume total. Conside- as condições operacionais do Hi- incidente de operação, como um rando o volume de pessoas trans- percentro reduzem a sua capaci- fechamento de cruzamento, cau- portadas por ônibus, esse modo sa repercussões progressivas que dade, levando-o a subutilizar a passa a responder por 65 % do comprometem diversas saídas. oferta de escoamento de tráfego total, contra os 53 % encontrados Observações durante os ho- disponível nos oito pontos de quando se considera toda a Li- rários de pico confirmaram que travessia. Os veículos ficam reti- nha de Travessia. Por outro lado, o sistema viário do Hipercentro dos em sua intricada malha de o fluxo de automóveis se man- está operando próximo ao limi- semáforos, iniciando um círculo tém próximo àquele observado te da sua capacidade. Tal carac- vicioso, em que essa retenção, nos dados globais (76 %), mas a terística é maximizada com o acumulando-se continuadamen- proporção de pessoas transpor- controle através de semáforos na te, reduz ainda mais a capacida- tadas, nesse modo, é reduzida de grande maioria das interseções, de de escoamento. 41 % para 31 %. onde os efeitos pontuais de má Atua como diferenciador dos Dando continuidade à aná- operação são rapidamente pro- lise desses postos com um pro- períodos o fato de o maior pico pagados. Tem-se efetivamente, cedimento semelhante ao que NorteSul ocorrer quando o Cen- como resultado, uma redução se fez, quando se tratou todo o tro ainda está relativamente va- da produtividade no período da conjunto de postos, é momento zio, já que as atividades da ma- tarde, e o foco na redução dessa de se mostrar o comportamento nhã se operacionalizam em uma deficiência configura-se como o dos diferentes tipos de veículos escala progressiva (escola às 7:00 maior desafio estratégico para em cada um dos sentidos de tra- h, escritórios às 8:00 h, comércio os responsáveis pelo tráfego da vessia, permitindo capturar suas às 9:00 h, bancos às 10:00 h, etc), cidade. características específicas e con- enquanto que à tarde, período Os passageiros dos ônibus, ca- frontá-las com aquelas aponta- do maior pico SulNorte, além tivos do itinerário especificado, das na discussão anterior. de as atividades terem o seu são os que mais sofrem os im- De início, como pode ser ob- encerramento em horários pró- pactos do problema, já que esse servado nos gráficos seguintes, ximos, tem-se de conviver com meio de transporte não tem as registram-se diferenças significa- algumas que estão se iniciando alternativas de escoamento apre- tivas no comportamento de cada (turno da noite). Nesse período, sentadas para os automóveis e as tipo de veículo e também em portanto, registra-se, também, a motos. E, não por acaso, registra- seu perfil, ao longo do dia, por maior concentração de veículos se no trecho do hipercentro, nos sentido de tráfego. São caracte- na área, pois o Centro está com o momentos de pico, conforme já rísticas marcantes do trecho do seu maior estoque de veículos. observado, o transporte de 58% hipercentro, diferenciando-o do No movimento de entrada de todas as pessoas que fazem a restante da Linha de Travessia, (pico da manhã), qualquer pro- interligação NorteSul. As impe- que vão retratar a função espe- blema operacional tende a se dâncias e os atrasos que ali ocor-18 VIURBS – Programa de Estruturação Viária de Belo Horizonte

×