O exemplo apostólico (1Ts 2:1-12)_Resumo_Lição_532012_da Escola Sabatina
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

O exemplo apostólico (1Ts 2:1-12)_Resumo_Lição_532012_da Escola Sabatina

on

  • 839 views

https://www.facebook.com/gerson.g.ramos

https://www.facebook.com/gerson.g.ramos

https://twitter.com/@ramosgerson7

Statistics

Views

Total Views
839
Views on SlideShare
839
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
2
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

O exemplo apostólico (1Ts 2:1-12)_Resumo_Lição_532012_da Escola Sabatina O exemplo apostólico (1Ts 2:1-12)_Resumo_Lição_532012_da Escola Sabatina Document Transcript

  • O exemplo apostólico (1Ts 2:1-12)Lição 5 28 de julho a 4 de agosto “Visto que fomos aprovados por Deus, a ponto de nos confiar Ele o evangelho, assim VERSO PARA MEMORIZAR: falamos, não para que agrademos a homens, e sim a Deus, que prova o nosso coração” (1Ts 2:4).- Aprovados por Deus.Mas aqueles cuja vida foi aformoseada por pequenos atos de bondade, por ternas palavras de afeição esimpatia, cujo coração fugia das lutas e contendas, que nunca fizeram uma grande obra com o fim de serlouvados pelos homens, esses se acham inscritos no livro da vida do Cordeiro. Embora o mundo osconsiderasse insignificantes, são aprovados por Deus perante o Universo reunido. Ficam surpresos ao ouvirdos lábios do divino Mestre: "Vinde, benditos de Meu Pai, possuí por herança o reino que vos está preparado desde afundação do mundo." Mat. 25:34. Signs of the Times, 24 de fevereiro de 1890.- Aquele que não está cheio de amor a Deus e aos semelhantes não é verdadeiro discípulo de Cristo.Não importa quão alta seja a profissão, aquele cujo coração não está cheio de amor a Deus e aossemelhantes não é verdadeiro discípulo de Cristo. ... Poderá ostentar grande liberalidade; mas se ele, porqualquer outro motivo que não o genuíno amor, entregar todos os seus bens para sustento dos pobres, esseato não o recomendará ao favor de Deus”. Atos dos Apóstolos, pp. 318, 319.- Objetivos: Ter o coração cheio de amor a Deus e aos semelhantes manifesto pelo procedimento, assim nossomotivo será trabalhar para o Mestre para que Seu nome seja glorificado na conversão de pecadores. Lembrar queos que labutam para obter aplausos não são aprovados por Deus. O Senhor espera que Seus filhos sejam Seuscooperadores, impelidos por uma disposição incondicional, voluntária e humilde de servi-lo ou seja por amor. Domingo: Ousadia no sofrimento (1Ts 2:1, 2) 1. Leia 1 Tessalonicenses 2:1, 2, à luz de Atos 16. Que conexão Paulo fez entre seu ministério anterior em Filipos eseu ministério em Tessalônica?- Paulo e Silas foram grandemente perseguidos tanto em Filipos como em Tessalônica, enfrentaram a situação comcoragem e ousadia, e ao pregar o evangelho em meio a perseguição e sofrimento, testemunharam do amor e dopoder de Deus, e houve acréscimo aos fieis em ambas as cidades.Porque vós, irmãos, sabeis, pessoalmente, que a nossa estada entre vós não se tornou infrutífera; mas,apesar de maltratados e ultrajados em Filipos, como é do vosso conhecimento, tivemos ousada confiançaem nosso Deus, para vos anunciar o evangelho de Deus, em meio a muita luta. (1 Ts 2:1-2)Os apóstolos não consideraram vãos seus labores em Filipos. Haviam encontrado muita oposição eperseguição; mas a intervenção da Providência em seu favor, e a conversão do carcereiro e de suacasa, foi mais que suficiente para cobrir a desventura e o sofrimento que haviam suportado. As novasde sua injusta prisão e milagroso libertamento tornaram-se conhecidas em toda a região, e isto levoua obra dos apóstolos ao conhecimento de um grande número que de outra maneira não teriam sidoalcançados.As atividades de Paulo em Filipos deram em resultado ser aí estabelecida uma igreja, cujo número de membrosaumentava firmemente. Seu zelo e devoção, e acima de tudo, sua disposição de sofrer por Cristo exerciamprofunda e perdurável influência sobre os conversos. Apreciavam as preciosas verdades por que osapóstolos se haviam sacrificado tanto, e davam-se com devoção e inteiro coração à causa de seuRedentor.Que esta igreja não escapou à perseguição é mostrado por uma expressão da carta de Paulo a eles .Diz Paulo: "Porque a vós vos foi concedido, em relação a Cristo, não somente crer nEle, como também padecer porEle. Tendo o mesmo combate que já em mim tendes visto." E era tal a firmeza deles na fé que ele declara: "Dougraças ao meu Deus todas as vezes que me lembro de vós, fazendo sempre com alegria oração por vós em todasas minhas súplicas, pela vossa cooperação no evangelho desde o primeiro dia até agora." Filip. 1:29, 30 e 3-5.Terrível é a luta que se trava entre as forças do bem e do mal em centros importantes onde osmensageiros da verdade são chamados ao trabalho. "Porque não temos que lutar contra a carne e osangue", declara Paulo, "mas sim contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas desteséculo." Efés. 6:12. Até o fim do tempo haverá conflito entre a igreja de Deus e os que estão sob ocontrole dos anjos maus.… Mas os fiéis mensageiros de Deus devem prosseguir firmemente com sua obra. Revestidos com a armadura doCéu, devem avançar destemida e vitoriosamente, jamais cessando de lutar até que cada alma a seualcance tenha recebido a mensagem da verdade para este tempo. Atos dos Apóstolos, pp. 218-220. Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos. e-mail: ramos@advir.com
  • … 22 A multidão levantou-se à uma contra eles, e os magistrados, rasgando-lhes os vestidos, mandaram açoitá-los com varas. 23 E, havendo-lhes dado muitos açoites, os lançaram na prisão,mandando ao carcereiro que os guardasse com segurança. 24 Ele, tendo recebido tal ordem, os lançou na prisão interior e lhes segurou os pés no tronco. … ATOS 16.Muitos outros na cidade estavam interessados em alcançar lucro mediante satânicos enganos; e esses, temendo ainfluência de um poder que pudesse tão eficazmente deter sua obra, levantaram um forte clamor contra os servosde Deus. Levaram os apóstolos diante dos magistrados com a acusação: "Estes homens, sendo judeus,perturbaram a nossa cidade, e nos expõem costumes que nos não é lícito receber nem praticar, visto que somosromanos." Atos 16:20 e 21.Impelida por um frenesi, a multidão se levantou contra os discípulos. Prevaleceu o espírito detumulto, sancionado pelas autoridades, que, rasgando os vestidos dos apóstolos, ordenaram quefossem açoitados. "E, havendo-lhes dado muitos açoites, os lançaram na prisão, mandando ao carcereiro que osguardasse com segurança. O qual, tendo recebido tal ordem, os lançou no cárcere interior, e lhes segurou os pésno tronco." Atos 16:23 e 24.Os apóstolos sofreram extrema tortura por causa da dolorosa posição em que foram postos, mas nãomurmuraram. Em vez disto, na densa escuridade e desolação do Pág. 214 calabouço, encorajavam-semutuamente com palavras de oração, e cantavam louvores a Deus por terem sido consideradosdignos de sofrer vergonha por Sua causa. Seus corações foram animados por um amor fervente e profundo aseu Redentor. Paulo lembrava-se da perseguição movida contra os discípulos de Cristo, da qual elehavia sido instrumento, e rejubilava-se de que lhe tivessem sido abertos os olhos para ver, e seucoração para sentir o poder das gloriosas verdades que uma vez desprezara.Com espanto ouviram os outros prisioneiros os sons de oração e hinos que saíam da prisão interior. Estavamhabituados a ouvir gritos e gemidos, maldições e blasfêmias a quebrarem o silêncio da noite, mas nunca danteshaviam eles ouvido palavras de oração e louvor ascenderem daquela sombria cela. Guardas e prisioneiros semaravilharam, e perguntavam a si mesmos quem poderiam ser esses homens que, com frio e fome etorturados, podiam ainda se regozijar. Atos dos Apóstolos, pp. 213-214.Mas, conquanto houvessem os homens sido cruéis e vingativos, ou criminosamente negligentes nasresponsabilidades solenes sobre eles postas, Deus não Se havia esquecido de ser misericordioso paracom Seus servos. Todo o Céu estava interessado nos homens que estavam sofrendo por amor deCristo, e anjos foram enviados a visitar a prisão. A terra tremeu aos seus passos. As portas da prisãopesadamente aferrolhadas abriram-se; cadeias e grilhões caíram das mãos e pés dos prisioneiros; e brilhante luzinundou a prisão. … Atos dos Apóstolos, p. 215. Segunda: O caráter dos apóstolos (1Ts 2:3) 2. O que Paulo declarou a respeito dos seus motivos para ensinar e exortar? 1Ts 2:3- As Palavras de ensino e conselho usada pelo apóstolo não havia engano, intuitos gananciosos, impureza nemdolo.Pois a nossa exortação não procede de engano, nem de impureza, nem se baseia em dolo; (1 Ts 2:3)Nesta primeira epístola Paulo se referiu a sua maneira de trabalhar entre os tessalonicenses.Declarou que não tinha procurado ganhar conversos mediante engano ou fraude. Atos dos Apóstolos, p.256.Um dos aspectos relevantes na representação dos 144 mil é que em sua boca não se achou engano. O Senhordisse: "Bem-aventurado o homem em cujo espírito não há dolo." Eles professam ser filhos de Deus e sãoapresentados como seguidores do Cordeiro por onde quer que vá. Eles nos são prefigurados como estando sobre omonte Sião, cingidos para o serviço sagrado, vestidos de linho puro, que são as justiças dos santos. Mas todos osque seguirem o Cordeiro no Céu primeiro terão seguido a Ele na Terra, em obediência confiante,amorosa e voluntária; seguido a Ele, não de maneira relutante e inconstante, mas confiante esinceramente, como o rebanho segue o pastor. Lar Adventista, p. 51. Terça: Agradar a Deus (1Ts 2:4-6) 3. Qual era a motivação de Paulo para o ministério? Quais eram as alternativas do mundo? Por que muitos nãopercebem as diferenças e se enganam quanto à pureza dos próprios motivos? Por que é tão fácil alguém seenganar? 1Ts 2:4-6- Agradar o Senhor, que é quem prova o coração; o buscar agradar aos homens e em vão, é enganar-se a simesmo e aos outros, usando palavras lisonjeiras ou de bajulação.I TESS. 2:4 mas, assim como fomos aprovados por Deus para que o evangelho nos fosse confiado, assim falamos,não para agradar aos homens, mas a Deus, que prova os nossos corações. 5 Pois, nunca usamos de Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos. e-mail: ramos@advir.com
  • palavras lisonjeiras, como sabeis, nem agimos com intuitos gananciosos. Deus é testemunha, 6 nem buscamosglória de homens, quer de vós, quer de outros, embora pudéssemos, como apóstolos de Cristo, ser-vos pesados;- Agradar a Deus, se desvencilhando de tudo que nós expõe à tentação.Ninguém que milita se embaraça com negócio desta vida, a fim de agradar àquele que o alistou para aguerra. II Tim. 2:4. O Senhor Jesus deseja que Sua possessão adquirida se desvencilhe de tudo que osexpõe à tentação. Pertencemos ao Senhor, por criação; e pertencemos-Lhe pela redenção. Todos os nossossentidos devem ser conservados perspicazes e corretos, a fim de que possamos nos colocar na devidarelação para com Deus. Manuscrito 21, 1898.- Nossas palavras e atos não devem atrair o louvor dos homens para nós mesmos, e sim, para o Autor de toda boaobra.Deus não pretende que a vossa luz brilhe a fim de que vossas palavras ou atos atraiam o louvor doshomens para vós mesmos, e sim, para que o Autor de toda boa obra seja glorificado e exaltado . Jesus,em Sua vida, deu aos homens um modelo de caráter. Quão pequena foi a influência que o mundo teve sobre Ele,para tentar modelá-Lo segundo o seu padrão! Toda a sua influência foi em vão. Disse Ele: "A Minha comidaconsiste em fazer a vontade dAquele que Me enviou e realizar a Sua obra." João 4:34. Se tivéssemos taldevoção pela obra de Deus, realizando-a com o olhar voltado exclusivamente para a Sua glória,seríamos capazes de dizer com Cristo: "Eu não procuro a Minha própria glória." João 8:50. Sua vida era cheiade boas obras, e é nosso dever viver como nosso grande Exemplo viveu. Nossa vida deve estarescondida com Cristo em Deus, e então a luz será refletida de Jesus para nós, e nós a refletiremossobre os que nos cercam, não apenas no falar e no professar, mas em boas obras, e no manifestar ocaráter de Cristo. Review and Herald, 16 de outubro de 1888. 4. Que outras coisas podem motivar os mensageiros? 1Ts 2:5, 6- interesses egoístas; como os motivados pela ganancia ou o de receber a glória dos homens, como hoje e tãocomum entre os que se dizem “mensageiros de Deus”.A verdade é que nunca usamos de linguagem de bajulação, como sabeis, nem de intuitos gananciosos. Deusdisto é testemunha. Também jamais andamos buscando glória de homens, nem de vós, nem de outros. (1 Ts2:5-6)"Vós e Deus sois testemunhas", continuou o apóstolo, "de quão santa, e justa, e irrepreensivelmente noshouvemos para convosco, os que crestes. Atos dos Apóstolos, p. 257.Disse que a exata verdade deve ser a lei da linguagem. "Seja, porém, o vosso falar: Sim, sim; não,não." ... Mat. 5:37. Essas palavras condenam todas aquelas frases sem sentido e palavras expletivas, que beirama profanidade. Condenam os enganosos cumprimentos, a evasiva da verdade, as frases lisonjeiras, osexageros, as falsidades no comércio, coisas comuns na sociedade e no comércio do mundo. Elasensinam que ninguém que busque parecer o que não é, ou cujas palavras não exprimam o sentimentoreal do coração, pode ser chamado verdadeiro. …Tudo quanto os cristãos fazem deve ser tão transparente como a luz do Sol. A verdade é de Deus; oengano, em todas as suas múltiplas formas, é de Satanás. ... Não podemos falar a verdade, a menosque nossa mente seja continuamente dirigida por Aquele que é a verdade. O Maior Discurso de Cristo,págs. 67-68. Quarta: Afeição profunda (1Ts 2:7, 8) 5. Em 1 Tessalonicenses 2:4, a principal motivação de Paulo para o ministério era agradar a Deus. Que motivaçãoadicional Paulo apresentou nos versos seguintes? 1Ts 2:6-8pelo contrário, visto que fomos aprovados por Deus, a ponto de nos confiar ele o evangelho, assim falamos, nãopara que agrademos a homens, e sim a Deus, que prova o nosso coração. (1 Ts 2:4)- A Motivação era o santo afeto e o amor que tinha pelas pessoas, como se fossem seus filhos; os apóstolosofereciam a sua própria vida aos irmãos por causa do evangelho.I TESS. 2:6 nem buscamos glória de homens, quer de vós, quer de outros, embora pudéssemos, como apóstolosde Cristo, ser-vos pesados; 7 antes nos apresentamos brandos entre vós, qual ama que acaricia seuspróprios filhos. 8 Assim nós, sendo-vos tão afeiçoados, de boa vontade desejávamos comunicar-vosnão somente o evangelho de Deus, mas ainda as nossas próprias almas; porquanto vos tornastesmuito amados de nós.O coração de Paulo se comoveu com a mais terna simpatia para com esses crentes que, em meio àsprovações e adversidades, se haviam mantido fiéis a Deus. Desejou muito visitá-los pessoalmente;como, porém, isto fosse impossível então, escreveu-lhes. Atos dos Apóstolos, p. 255. Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos. e-mail: ramos@advir.com
  • "Qual é a nossa esperança, ou gozo, ou coroa de glória?" escreveu ele aos conversos de Tessalônica."Porventura, não o sois vós também diante de nosso Senhor Jesus Cristo em Sua vinda? Na verdade,vós sois a nossa glória e gozo." I Tess. 2:19 e 20. Educação, p. 70 6. Como as igrejas da Macedônia, incluindo a de Tessalônica, responderam à ternura dos apóstolos? O que issonos ensina sobre a importância do caráter dos que testemunham aos outros? 2Co 8:1-5- Em meio às tribulações, os macedônicos manifestaram alegria e generosidade para com outros cristãosnecessitados; dedicaram a vida a Deus e estavam demonstrando na sua disposição de ajudar os apóstolos.Também, irmãos, vos fazemos conhecer a graça de Deus concedida às igrejas da Macedônia; porque, no meio demuita prova de tribulação, manifestaram abundância de alegria, e a profunda pobreza delessuperabundou em grande riqueza da sua generosidade. Porque eles, testemunho eu, na medida de suasposses e mesmo acima delas, se mostraram voluntários, pedindo-nos, com muitos rogos, a graça departiciparem da assistência aos santos. E não somente fizeram como nós esperávamos, mas tambémderam-se a si mesmos primeiro ao Senhor, depois a nós, pela vontade de Deus; (II Cor. 8:1-5)- Espírito de amor e sacrifícioFormosa ilustração do espírito de amor e sacrifício que a graça de Cristo implanta no coração, é-nosdada na experiência dos cristãos macedônios. Deles escreve o apóstolo Paulo: "No meio de muita prova detribulação, manifestaram abundância de alegria, e a profunda pobreza deles superabundou em grande riqueza dasua generosidade. ... Pedindo-nos, com muitos rogos, a graça de participarem da assistência aos santos. E nãosomente fizeram como nós esperávamos, mas também deram-se a si mesmos primeiro ao Senhor, depois a nós,pela vontade de Deus." II Cor. 8:2, 4 e 5. E onde quer que habite o Espírito de Cristo, os mesmos frutos semanifestarão. Review and Herald, 9 de maio de 1893.Que o povo receba a luz assim como é apresentada na Palavra de Deus, em verdade, e haverá umafirmeza de propósito que o capacitará a permanecer ereto, com independência moral entre asdificuldades e o perigo. Um caráter é formado, protegido pela verdade - um caráter que faça frente aodia de prova diante de nós, por mais tenebrosa que seja a pressão, por mais severa a tribulação que odia da preparação de Deus possa trazer. O princípio da justiça atua de dentro para o exterior e se fazperceptível. Carta 114, 1895. Quinta: Para não ser um fardo (1Ts 2:9-12) 7. Enquanto Paulo esteve em Tessalônica, que outras coisas ele fez, além de pregar o evangelho, e por quê? 1Ts2:9, 10- O Apóstolo Trabalhou para não ser pesado a nenhum dos irmãos; não porque não tivéssemos autoridade oudireito, “mas para vos dar em nós mesmos exemplo, para nos imitardes”Porque, vos recordais, irmãos, do nosso labor e fadiga; e de como, noite e dia labutando para nãovivermos à custa de nenhum de vós, vos proclamamos o evangelho de Deus. Vós e Deus soistestemunhas do modo por que piedosa, justa e irrepreensivelmente procedemos em relação a vós outros, quecredes. (1 Ts 2:9-10)Ao mesmo tempo que Paulo tinha cuidado em apresentar aos seus conversos os positivos ensinos da Escritura comrelação à devida manutenção da obra de Deus, e se bem que pedisse para si, como ministro do evangelho, o"direito de deixar de trabalhar" (I Cor. 9:6) em empregos seculares como meio de vida, todavia em várias ocasiões,durante seu ministério nos grandes centros de civilização, ele trabalhou num ofício para obter sua própriasubsistência. …É em Tessalônica que primeiro ouvimos a respeito de Paulo trabalhar com as próprias mãos num meio de vida,enquanto pregava a Palavra. Escrevendo à igreja dos crentes aí, ele lhes lembrava que podia ser-lhes pesado, eacrescenta: "Bem vos lembrais, irmãos, do nosso trabalho e fadiga; pois, trabalhando noite e dia, para não sermospesados a nenhum de vós, vos pregamos o evangelho de Deus." I Tess. 2:9. E outra vez, em sua segunda epístolaaos mesmos, declarou que ele e seus companheiros de trabalho, enquanto com eles, não haviam comido "degraça" "o pão de homem algum". Noite e dia trabalhando, escreveu ele, "para não sermos pesados a nenhum devós; não porque não tivéssemos autoridade, mas para vos dar em nós mesmos exemplo, para nosimitardes". II Tess. 3:8 e 9.Quando Paulo visitou Corinto, encontrou-se entre gente que suspeitava dos intuitos dos estrangeiros. Os gregosno litoral eram espertos negociantes. Por tanto tempo se haviam exercitado em sagazes práticascomerciais, que haviam chegado a considerar o ganho como piedade, e que fazer dinheiro, fosse pormeios lícitos ou não, era coisa recomendável. Paulo se achava familiarizado com suas características,e não lhes queria dar ocasião de dizer que ele pregava o evangelho a fim de se enriquecer. Ele podia,com razão, haver solicitado sustento de seus ouvintes coríntios; mas estava disposto a renunciar aesse direito, a fim de que sua utilidade e êxito como ministro não fossem prejudicados por suasinjustas suspeitas de que ele pregava o evangelho por interesse. Ele procurava afastar qualquerocasião de dar lugar a um mau juízo, a fim de não prejudicar a influência da mensagem. … Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos. e-mail: ramos@advir.com
  • Enquanto ele trabalhava com Áquila, mantinham-se em contato com o grande Mestre, não perdendooportunidade de testemunhar em favor do Salvador, e de auxiliar os que disso necessitavam . Seu espíritoesforçava-se sempre em busca de conhecimento espiritual. Dava a seus companheiros de trabalhoinstruções quanto às coisas espirituais, e dava ao mesmo tempo um exemplo de atividade e de esmero. Eleera um operário ligeiro e hábil, diligente no negócio, fervoroso "no espírito, servindo ao Senhor". Rom. 12:11. Enquantotrabalhava em seu ofício, o apóstolo estava em contato com uma classe de pessoas que, de outro modo,não teria podido atingir. Ele mostrava aos seus cooperadores que a habilidade nas artes comuns é dom de Deus, oqual provê, tanto o dom, como a sabedoria para o empregar devidamente. Ensinava que mesmo nos serviços diários,Deus deve ser honrado. Suas mãos calosas em nada diminuíam a força de seus comoventes apelos como ministrocristão. …Sendo um dos maiores mestres da humanidade, Paulo alegremente cumpria os mais humildes, bem como osmais elevados deveres. Quando, em seu serviço para o Mestre, as circunstâncias o pareciam exigir, de boavontade trabalhava em seu ofício. Entretanto, estava sempre pronto a pôr de lado seu trabalho secular a fim deenfrentar a oposição dos inimigos do evangelho, ou aproveitar uma oportunidade de atrair almas para Jesus. Seu zelo eindústria são uma censura à indolência e ao desejo de comodidade. Atos dos Apóstolos, págs. 346-355. 8. Que analogia Paulo usou para descrever sua maneira de tratar os tessalonicenses? O que essa analogiaensina? 1Ts 2:11, 12; Lc 11:11-13- De como um pai trata os seus filhos, assim diz ele, os animamos e aconselhamos para que vocês vivessem deuma maneira que agrade a Deus.E sabeis, ainda, de que maneira, como pai a seus filhos, a cada um de vós, exortamos, consolamos eadmoestamos, para viverdes por modo digno de Deus, que vos chama para o seu reino e glória. (1 Ts 2:11-12)- Ensina que temos um pai celestial, que é a fonte da bondade e do amor.Qual dentre vós é o pai que, se o filho lhe pedir [pão, lhe dará uma pedra? Ou se pedir] um peixe, lhe daráem lugar de peixe uma cobra? Ou, se lhe pedir um ovo lhe dará um escorpião? Ora, se vós, que sois maus,sabeis dar boas dádivas aos vossos filhos, quanto mais o Pai celestial dará o Espírito Santo àquelesque lho pedirem? (Luc. 11:11-13)Os cristãos são todos membros de uma família, filhos todos do mesmo Pai celestial, com a mesmabendita esperança da imortalidade. Muito íntimo e terno deve ser o laço que os une. Atos dos Apóstolos, p. 550.Com que zelo e perseverança o artista trabalha a fim de passar para a tela uma perfeita semelhança de seumodelo; e com que diligência talha e cinzela o escultor, tirando da pedra a cópia do modelo que está seguindo!Assim devem os pais trabalhar para formar, educar e aperfeiçoar os filhos segundo o modelo que lhesfoi dado em Cristo Jesus. Assim como o paciente artista estuda, trabalha e estabelece planos paratornar mais perfeito o resultado de seus labores, assim devem os pais considerar tempo bem gasto oque é ocupado em educar os filhos para vida mais útil e prepará-los para o reino imortal. Pequena esem importância é a obra do artista quando comparada à do pai ou da mãe. Um lida com material inanimado, noqual amolda belas formas; mas o outro trata com um ser humano, cuja vida pode ser amoldada para o bem oupara o mal; para abençoar a humanidade ou para amaldiçoá-la; para andar nas trevas, ou a fim de viver parasempre num mundo futuro sem pecado. Pacific Health Journal, maio de 1890. Sexta: Estudo adicionalConclusão: Em “O exemplo apostólico” aprendi que...- Que a ousadia no sofrimento testemunha de forma eficaz do amor e do poder de Deus que nós fazer resistirsem desesperar ou ficar murmurando, e que o egoismo não é a motivação, pelo contrário é a disposição de serobedientes a Deus, auxiliando ao próximo em sua necessidade.- O caráter dos apóstolos serve de referência, de que as palavras de ensino e conselho deve proceder de umapessoa que tenha sido restaurada por Deus, por isso não haverá engano, intuitos gananciosos, impureza nem dolo,na mensagem que apresentamos.- O Compromisso que temos e de Agradar o Senhor, que é quem prova o coração; o buscar agradar aos homense em vão, é enganar-se a si mesmo e aos outros, usando palavras lisonjeiras ou de bajulação. Nossas palavras eatos não devem atrair o louvor dos homens para nós mesmos, e sim, para o Autor de toda boa obra.- A Afeição profunda, o espírito de amor e sacrifício pelas pessoas, como se fossem nossos próprios filhos devecaracterizar a vida do cristão, mesmo em meio às tribulações, a alegria e generosidade para com outros cristãosnecessitados devem ser demonstrando na sua disposição de ajudar a igreja..- Para não ser um fardo aos irmãos, Deus deu o Trabalho, é importante viver de modo justo, piedoso eirrepreensível, para dar o exemplo à igreja deixar sem efeito as críticas e acusações.- A Analogia de Pai e filho, nós ensina que temos em Deus, um pai celestial, que é a fonte da bondade e do amor. Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos. e-mail: ramos@advir.com