Jesus, provedor e mantenedor_Liç_812013_original_com_textos

431 views
382 views

Published on

A lição original com os textos bíblicos tem como finalidade facilitar a leitura ou mesmo o estudo, os versos estão na sequência correta, evitando a necessidade de procurá-los, o que agiliza, para os que tem o tempo limitado, vc pode levá-la no ipad, no pendrive, celular e etc, ler a qualquer momento e em qualquer lugar que desejar, até sem a necessidade de estar conectado na internet. 

O esbouço tem como objetivo facilitar para aqueles que querem responder a lição, mas tem pouco espaço na revista para isso. Ele vem com as perguntas e com os textos relacionados na ordem para respondê-las, sem nenhum tipo de comentários, para vc poder meditar e ligar a pergunta com o texto sugerido para a sua resposta. vc também tem a facilidade de poder pesquisar através do computador e copiar e colar textos, o que acrescenta muito a sua lição, e ainda podendo deixá-la armazenada para pesquisas posteriores sobre o mesmo assunto, estes são algumas, entre muitas outra vantagens.

Que... “Deus tenha misericórdia de nós e nos abençoe; e faça resplandecer o seu rosto sobre nós. Para que se conheça na terra o teu caminho, e em todas as nações a tua salvação”. Sal. 67:1-2. 

Bom Estudo!

Published in: Spiritual
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
431
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4
Actions
Shares
0
Downloads
5
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Jesus, provedor e mantenedor_Liç_812013_original_com_textos

  1. 1. Lição 8 16 a 23 de fevereiro Jesus, provedor e mantenedorSábado à tarde Ano Bíblico: Nm 15, 16VERSO PARA MEMORIZAR: “O meu Deus, segundo a Sua riqueza em glória, há de suprir, em Cristo Jesus, cada uma devossas necessidades” (Fp 4:19).Leituras da semana: Hb 1:3; Cl 1:16, 17; Jó 42; Mt 5:45; 6:25-34; 10:28Deus mantém a criação de maneira tão regular que, muitas vezes o Universo é comparado a uma máquina que Deusdeixou para funcionar por si mesma. No entanto, em lugar de uma máquina, a metáfora melhor é que a criação é comoum instrumento musical que Deus usa para produzir a desejada “melodia”. Ou seja, Ele está constantemente envolvidona manutenção de tudo que criou.No Universo, nada existe independentemente do Senhor. Ele criou tudo: “Todas as coisas foram feitas por intermédiodEle, e, sem Ele, nada do que foi feito se fez” (Jo 1:3). Não só isso, mas Ele é quem sustenta tudo. Ainda maissurpreendente é saber que Aquele que criou e tudo mantém foi crucificado por nós.“O apóstolo Paulo, escrevendo pelo Espírito Santo, declarou acerca de Cristo: ‘Tudo foi criado por Ele e para Ele. E Ele éantes de todas as coisas, e todas as coisas subsistem por Ele’ (Cl 1:16, 17, RC). A mão que sustém os mundos no espaço,a mão que conserva em seu ordenado arranjo e incansável atividade todas as coisas através do Universo de Deus, é aque na cruz foi pregada por nós” (Ellen G. White, Educação, p . 132).Domingo Ano Bíblico: Nm 17–19O Mantenedor1. Qual é a função de Jesus na existência contínua do Universo? Hb 1:3; Cl 1:16, 17Ele, que é o resplendor da glória e a expressão exata do seu Ser, sustentando todas as coisas pela palavra do seu poder,depois de ter feito a purificação dos pecados, assentou-se à direita da Majestade, nas alturas, (Hebreus 1:3)pois, nele, foram criadas todas as coisas, nos céus e sobre a terra, as visíveis e as invisíveis, sejam tronos, sejamsoberanias, quer principados, quer potestades. Tudo foi criado por meio dele e para ele. Ele é antes de todas as coisas.Nele, tudo subsiste. (Colossenses 1:16-17)A implicação aqui é que Jesus continua a manter a existência do Universo, pelo Seu poder. O Universo não éindependente. Sua existência depende do exercício contínuo da vontade divina. Essa é uma refutação ao deísmo, filosofiasegundo a qual Deus criou o mundo para que governasse a si mesmo e, em seguida, o deixou para que evoluísse semqualquer ação adicional dEle. A Bíblia exclui tal teoria.Além disso, Deus não está na criação, constantemente criando-a, como nas falsas teorias do panteísmo (Deus e oUniverso são a mesma coisa) ou panenteísmo (Deus habita o Universo como se fosse seu próprio corpo). Ele não édependente do Universo de maneira nenhuma. Ele é separado do Universo; existiu e continua a existirindependentemente dele. O Universo depende de Deus, mas o Criador não depende do Universo.2. Como Paulo descreve nosso relacionamento com Jesus? 1Co 8:6; At 17:28todavia, para nós há um só Deus, o Pai, de quem são todas as coisas e para quem existimos; e um só Senhor, JesusCristo, pelo qual são todas as coisas, e nós também, por ele. (1 Coríntios 8:6)pois nele vivemos, e nos movemos, e existimos, como alguns dos vossos poetas têm dito: Porque dele também somosgeração. (Atos 17:28) ramos@advir.com
  2. 2. Dependemos do poder mantenedor de Deus, momento a momento, dia após dia. É por causa do Seu amor quecontinuamos a existir e somos capazes de agir e formar relacionamentos. De modo especial, isso é verdade para os quese entregaram a Deus e que estão, como Paulo descreve, “em Cristo” (2Co 5:17; Ef 2:10; observe as referências à criaçãonesses textos). Outra verdade é que mesmo os que rejeitam a salvação dependem do poder sustentador de Deus parasua existência. Daniel apresentou esse ponto de modo muito incisivo ao rei Belsazar, quando disse: “Mas a Deus, em cujamão está a tua vida e todos os teus caminhos, a Ele não glorificaste” (Dn 5:23).E, assim, se alguém está em Cristo, é nova criatura; as coisas antigas já passaram; eis que se fizeram novas. (2 Coríntios5:17)Pois somos feitura dele, criados em Cristo Jesus para boas obras, as quais Deus de antemão preparou para queandássemos nelas. (Efésios 2:10)E te levantaste contra o Senhor do céu, pois foram trazidos os utensílios da casa dele perante ti, e tu, e os teus grandes,e as tuas mulheres, e as tuas concubinas bebestes vinho neles; além disso, deste louvores aos deuses de prata, de ouro,de bronze, de ferro, de madeira e de pedra, que não vêem, não ouvem, nem sabem; mas a Deus, em cuja mão está a tuavida e todos os teus caminhos, a ele não glorificaste. (Daniel 5:23)Com tudo isso em mente, como podemos entender a realidade do livre-arbítrio e livre escolha? Por que esses elementosda nossa existência são tão importantes para o conjunto das nossas crenças?Segunda Ano Bíblico: Nm 20, 21Generoso ProvedorGênesis 1:29, 30 mostra que, quando Deus criou os seres viventes, também providenciou alimento para eles. Ervas, frutas esementes foram os alimentos escolhidos tanto para os seres humanos quanto para os animais. Nada é dito sobreviolência contra outros seres viventes ou competição por recursos. O generoso Provedor criou muita comida para quetodos pudessem participar sem necessidade de violência.E disse Deus ainda: Eis que vos tenho dado todas as ervas que dão semente e se acham na superfície de toda a terra etodas as árvores em que há fruto que dê semente; isso vos será para mantimento. E a todos os animais da terra, e atodas as aves dos céus, e a todos os répteis da terra, em que há fôlego de vida, toda erva verde lhes será paramantimento. E assim se fez. (Gênesis 1:29-30)Há um contraste muito grande em relação aos modelos comuns para a existência, propostos pela teoria evolucionista,segundo a qual a vida humana, de fato toda vida, existe unicamente através de um violento processo de predação esobrevivência do mais apto. Os primeiros capítulos de Gênesis não reconhecem nada disso. Ao contrário, eles revelamum mundo que era, literalmente, um paraíso desde o princípio. Por isso, quando o Senhor acabou de criá-lo, a Bíbliaregistra as seguintes palavras: “Viu Deus tudo quanto fizera, e eis que era muito bom. Houve tarde e manhã, o sexto dia”(Gn 1:31).Viu Deus tudo quanto fizera, e eis que era muito bom. Houve tarde e manhã, o sexto dia. (Gênesis 1:31)3. O que a Bíblia indica sobre o interesse especial de Deus em prover para Adão e Eva? Gn 2:8, 9E plantou o SENHOR Deus um jardim no Éden, na direção do Oriente, e pôs nele o homem que havia formado. Do solo fezo SENHOR Deus brotar toda sorte de árvores agradáveis à vista e boas para alimento; e também a árvore da vida nomeio do jardim e a árvore do conhecimento do bem e do mal. (Gênesis 2:8-9)Já observamos que Deus havia providenciado alimento para todas as Suas criaturas, incluindo os seres humanos. Então,vemos Deus indo um passo adiante. Ele não somente proveu generosamente alimento por toda a Terra, mas preparouum jardim especial para Adão e Eva, com árvores agradáveis aos olhos e boas para a alimentação ( Gn 2:9). O jardim, comsua beleza e variedade de alimentos, foi uma provisão do extraordinário amor e graça de Deus. Um dom da graça porqueAdão e Eva não haviam feito nada para merecer, mas o Senhor lhes ofereceu gratuitamente e o preencheugenerosamente.Conforme demonstrado em lição anterior, estamos muito longe da criação original. Nosso mundo está muito danificado.Parece que nada na Terra foi poupado. No entanto, mesmo em meio ao dano, existe uma poderosa evidência do amor deDeus.“A natureza é um poder, mas o Deus da natureza é um poder ilimitado. Suas obras representam Seu caráter. Os que Ojulgam a partir de Suas obras, e não a partir das suposições dos grandes homens, verão Sua presença em tudo” (Ellen G.White, The Signs of the Times [Sinais dos Tempos], 13 de março de 1884).Ao observar a natureza, você consegue perceber “Sua presença em tudo”?Terça Ano Bíblico: Nm 22–24Mal naturalUma das grandes questões com as quais os crentes em um Deus amoroso têm que lidar é a questão do mal, não apenasa maldade humana, mas o que é chamado “mal natural”. Isto é, quando coisas ruins acontecem na natureza(inundações, furacões, secas, terremotos, etc.), que causam tanta dor e sofrimento, não apenas para os seres humanos,mas também para os animais. ramos@advir.com
  3. 3. Como devemos entender essas coisas? Afinal, se Deus está no controle da criação, por que essas coisas acontecem? Umdos mais antigos livros da Bíblia é o de Jó, no qual essas questões (e outras) se tornaram dolorosamente reais para ele.4. Leia Jó 42. O que esse capítulo nos responde? Que perguntas permanecem sem resposta?Então, respondeu Jó ao SENHOR: Bem sei que tudo podes, e nenhum dos teus planos pode ser frustrado. Quem é aquele,como disseste, que sem conhecimento encobre o conselho? Na verdade, falei do que não entendia; coisas maravilhosasdemais para mim, coisas que eu não conhecia. Escuta-me, pois, havias dito, e eu falarei; eu te perguntarei, e tu meensinarás. Eu te conhecia só de ouvir, mas agora os meus olhos te vêem. Por isso, me abomino e me arrependo no pó ena cinza. Tendo o SENHOR falado estas palavras a Jó, o SENHOR disse também a Elifaz, o temanita: A minha ira seacendeu contra ti e contra os teus dois amigos; porque não dissestes de mim o que era reto, como o meu servo Jó. Tomai,pois, sete novilhos e sete carneiros, e ide ao meu servo Jó, e oferecei holocaustos por vós. O meu servo Jó orará por vós;porque dele aceitarei a intercessão, para que eu não vos trate segundo a vossa loucura; porque vós não dissestes demim o que era reto, como o meu servo Jó. Então, foram Elifaz, o temanita, e Bildade, o suíta, e Zofar, o naamatita, efizeram como o SENHOR lhes ordenara; e o SENHOR aceitou a oração de Jó. Mudou o SENHOR a sorte de Jó, quando esteorava pelos seus amigos; e o SENHOR deu-lhe o dobro de tudo o que antes possuíra. Então, vieram a ele todos os seusirmãos, e todas as suas irmãs, e todos quantos dantes o conheceram, e comeram com ele em sua casa, e se condoeramdele, e o consolaram de todo o mal que o SENHOR lhe havia enviado; cada um lhe deu dinheiro e um anel de ouro.Assim, abençoou o SENHOR o último estado de Jó mais do que o primeiro; porque veio a ter catorze mil ovelhas, seis milcamelos, mil juntas de bois e mil jumentas. Também teve outros sete filhos e três filhas. Chamou o nome da primeiraJemima, o da outra, Quezia, e o da terceira, Quéren-Hapuque. Em toda aquela terra não se acharam mulheres tãoformosas como as filhas de Jó; e seu pai lhes deu herança entre seus irmãos. Depois disto, viveu Jó cento e quarentaanos; e viu a seus filhos e aos filhos de seus filhos, até à quarta geração. Então, morreu Jó, velho e farto de dias. (Jó 42:1-17)Quem já leu o livro de Jó talvez obteve mais perguntas do que respostas. O livro revela verdades importantes sobre ogrande conflito (Ap 12:12), que ajudam a formar um pano de fundo decisivo para começarmos a entender a existência domal. O cenário do grande conflito, no entanto, não explica todos os exemplos do mal. De fato, explicar o mal, em certosentido, seria justificá-lo, e nunca poderemos fazer isso. O grande conflito pode revelar as grandes questões por trás domal, mas não diz muita coisa sobre cada exemplo do mal.Por isso, festejai, ó céus, e vós, os que neles habitais. Ai da terra e do mar, pois o diabo desceu até vós, cheio de grandecólera, sabendo que pouco tempo lhe resta. (Apocalipse 12:12)Jó não entendia, e nós também não entendemos quando nos deparamos com perdas tão catastróficas. Embora Deustivesse falado com Jó, Ele não respondeu às perguntas do patriarca, nem explicou a causa do que acontecia. Elesimplesmente lembrou a Jó que havia coisas além do seu conhecimento e que ele precisava confiar em Deus, o que Jófez. Nossa experiência é muitas vezes semelhante. Podemos não receber uma resposta para nossas perguntas. Mas ahistória de Jó nos dá uma importante compreensão da natureza do mal, e isso nos mostra que Deus não ignora as lutasque enfrentamos.Leia novamente a citação de Ellen G. White, na lição de sábado. De que maneira ela nos ajuda a lidar melhor com aquestão do mal, sabendo que o próprio Deus também sofreu muito por causa disso?Quarta Ano Bíblico: Nm 25–27Governando uma criação danificada5. Como Deus age na criação a fim de manter Suas criaturas? O que isso nos diz sobre Seu interesse no mundocriado? Mt 5:45; Sl 65:9, 10para que vos torneis filhos do vosso Pai celeste, porque ele faz nascer o seu sol sobre maus e bons e vir chuvas sobrejustos e injustos. (Mateus 5:45)Tu visitas a terra e a regas; tu a enriqueces copiosamente; os ribeiros de Deus são abundantes de água; preparas ocereal, porque para isso a dispões, regando-lhe os sulcos, aplanando-lhe as leivas. Tu a amoleces com chuviscos e lheabençoas a produção. (Salmos 65:9-10)Estamos familiarizados com o Sol e a chuva, e os cientistas dão explicações para os processos envolvidos em cada umdeles. No entanto, há mais a respeito da história do que a ciência pode dizer. Nos bastidores, Deus está ativamentesuprindo as necessidades de Suas criaturas. Podemos não entender Seus caminhos, mas sabemos que Ele está nocontrole. Um hábil músico pode tocar um instrumento de maneira a atrair a atenção das pessoas para a música, e nãopara o músico. Do mesmo modo, Deus organiza a criação de maneira que vemos, muitas vezes, Suas obras e ficamosimpressionados com a grandiosidade da criação. Ao mesmo tempo, podemos não reconhecer que Deus está nosbastidores, arranjando os eventos de acordo com Sua vontade e planejando para que todas as coisas finalmentecooperem para o bem daqueles que O amam (Rm 8:28).Sabemos que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo oseu propósito.(Romanos 8:28)6. Que fenômeno semelhante é observado nos textos seguintes? Gn 8:1; Êx 10:13; Nm 11:31Lembrou-se Deus de Noé e de todos os animais selváticos e de todos os animais domésticos que com ele estavam naarca; Deus fez soprar um vento sobre a terra, e baixaram as águas.(Gênesis 8:1) ramos@advir.com
  4. 4. Estendeu, pois, Moisés o seu bordão sobre a terra do Egito, e o SENHOR trouxe sobre a terra um vento oriental todoaquele dia e toda aquela noite; quando amanheceu, o vento oriental tinha trazido os gafanhotos. (Êxodo 10:13 RA)Então, soprou um vento do SENHOR, e trouxe codornizes do mar, e as espalhou pelo arraial quase caminho de um dia, aoseu redor, cerca de dois côvados sobre a terra. (Números 11:31)O vento é um fenômeno comum e geralmente entendemos sua causa. Mas nesses textos, o vento ocorre emcircunstâncias especiais. Poderíamos chamá-los de “ventos providenciais”. Eles ocorrem em tempos e lugares específicose realizam propósitos específicos. Embora possam parecer “naturais”, há um Ser invisível realizando os propósitos de Suavontade, usando recursos do mundo que Ele criou para cumpri-los.Em 2 Reis 20:9-11, vemos um dos milagres mais inusitados de toda a Bíblia. A relação entre o Sol, a Terra e a duração do diaparece ser uma das características mais estáveis e previsíveis da experiência humana. Imagine a reação da comunidadecientífica de hoje, se um evento semelhante ocorresse em nossos dias. No entanto, devemos perguntar: “Acaso, para oSenhor há coisa demasiadamente difícil?” (Gn 18:14). O que esse e outros milagres devem nos dizer é que existem muitascoisas sobre a criação, e as ações de Deus em Sua criação, que estão muito além de nosso entendimento. Por isso é tãocrucial que cheguemos a um conhecimento pessoal de Deus e conheçamos por nós mesmos a realidade do Seu amor.Dessa forma, aprenderemos a confiar nEle, apesar de tudo o que não entendemos.Respondeu Isaías: Ser-te-á isto da parte do SENHOR como sinal de que ele cumprirá a palavra que disse: Adiantar-se-á asombra dez graus ou os retrocederá? Então, disse Ezequias: É fácil que a sombra adiante dez graus; tal, porém, nãoaconteça; antes, retroceda dez graus. Então, o profeta Isaías clamou ao SENHOR; e fez retroceder dez graus a sombralançada pelo sol declinante no relógio de Acaz. (2 Reis 20:9-11)Quinta Ano Bíblico: Nm 28–30Provedor para uma criação danificada“Observai as aves do céu: não semeiam, não colhem, nem ajuntam em celeiros; contudo, vosso Pai celeste as sustenta.Porventura, não valeis vós muito mais do que as aves?” (Mt 6:26).Mesmo depois que Adão e Eva pecaram e já não podiam entrar no jardim, Deus supriu suas necessidades físicasimediatas (Gn 3:21). O pecado trouxe uma novidade: a necessidade de vestuário. Adão e Eva tentaram preparar roupaspara si mesmos, mas as roupas de folhas de figueira foram bastante insatisfatórias. Era necessário algo melhor, o queDeus proveu na forma de peles (Consideraremos mais acerca do significado das peles em outra lição). O ponto é queDeus supriu as necessidades deles, embora tivessem caído no pecado. Esse é outro exemplo da graça de Deus provendopara nós, apesar de nossa indignidade.Fez o SENHOR Deus vestimenta de peles para Adão e sua mulher e os vestiu. (Gênesis 3:21)7. Que mensagem importante Jesus nos apresenta sobre o cuidado de Deus? Como devemos entendê-la, em face dasprovações e tragédias que afetam de modo tão significativo a vida das pessoas? Mt 6:25-34Por isso, vos digo: não andeis ansiosos pela vossa vida, quanto ao que haveis de comer ou beber; nem pelo vosso corpo,quanto ao que haveis de vestir. Não é a vida mais do que o alimento, e o corpo, mais do que as vestes? Observai as avesdo céu: não semeiam, não colhem, nem ajuntam em celeiros; contudo, vosso Pai celeste as sustenta. Porventura, nãovaleis vós muito mais do que as aves? Qual de vós, por ansioso que esteja, pode acrescentar um côvado ao curso da suavida? E por que andais ansiosos quanto ao vestuário? Considerai como crescem os lírios do campo: eles não trabalham,nem fiam. Eu, contudo, vos afirmo que nem Salomão, em toda a sua glória, se vestiu como qualquer deles. Ora, se Deusveste assim a erva do campo, que hoje existe e amanhã é lançada no forno, quanto mais a vós outros, homens depequena fé? Portanto, não vos inquieteis, dizendo: Que comeremos? Que beberemos? Ou: Com que nos vestiremos?Porque os gentios é que procuram todas estas coisas; pois vosso Pai celeste sabe que necessitais de todas elas; buscai,pois, em primeiro lugar, o seu reino e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas. Portanto, não vosinquieteis com o dia de amanhã, pois o amanhã trará os seus cuidados; basta ao dia o seu próprio mal. (Mateus 6:25-34)Essas são palavras muito confortadoras, e precisamos nos apegar a elas com todo o coração, alma e mente,especialmente em tempos de grande sofrimento, perda e necessidade. Jesus morreu por nós, não pelos lírios oupássaros. Podemos ter certeza de Seu amor por nós, independentemente das circunstâncias. No entanto, ascircunstâncias às vezes podem ser bastante assustadoras. Vemos fome, seca, inundações, epidemias e morte em todaparte, e os cristãos também não estão imunes a essas tragédias.Deus não promete a Seu povo uma vida de luxo, livre de sofrimento, mas promete suprir nossas necessidades e nosfortalecer, de modo que possamos enfrentar nossos desafios. Só não podemos esquecer a realidade do grande conflito eo fato de que estamos em um mundo caído.Leia Mateus 10:28. Como esse verso, combinado com os versos de hoje, poderia nos ajudar a lidar melhor com as durasrealidades que muitas vezes enfrentamos?Não temais os que matam o corpo e não podem matar a alma; temei, antes, aquele que pode fazer perecer no infernotanto a alma como o corpo. (Mateus 10:28)Sexta Ano Bíblico: Nm 31, 32 ramos@advir.com
  5. 5. Estudo adicionalLeia de Ellen G. White, Testemunhos para a Igreja, v. 8, p. 259-261: “Leis da Natureza”.“Homens de ciência julgam poder compreender a sabedoria de Deus, aquilo que Ele fez ou pode fazer. Prevalecelargamente a ideia de que Ele é restrito pelas Suas próprias leis. Os homens ou negam ou ignoram Sua existência, oujulgam explicar tudo, mesmo a atuação de Seu Espírito sobre o coração humano; e não mais reverenciam Seu nome nemtemem Seu poder. Não creem no sobrenatural, não compreendem as leis de Deus, nem Seu poder infinito para executarSua vontade por meio deles. Conforme é usualmente empregada, a expressão “leis da natureza” compreende o que ohomem tem podido descobrir com relação às leis que governam o mundo físico. Mas quão limitado é o seuconhecimento, e quão vasto é o campo em que o Criador pode atuar em harmonia com Suas próprias leis e, todaviainteiramente além da compreensão de seres finitos!” (Ellen G. White, Patriarcas e Profetas, p. 114).Perguntas para reflexão1. Leia atentamente a citação acima. O que ela está dizendo? Podemos ver os cientistas hoje fazendo exatamente o quefoi descrito?2. A ciência de nossos dias é muito melhor do que costumava ser para explicar, através dos meios naturais, por quecertas coisas acontecem ou por que deixam de acontecer. O problema não está com os “meios naturais” ou “leisnaturais”, mas com a ideia de que esses meios e leis são tudo o que existe, e de que não há forças sobrenaturais por trásdeles. O que há de errado com essa suposição? Por que, logicamente, isso não faz sentido? (Reflita: De onde surgiramessas leis?) Por que essa ideia é tão contrária aos ensinamentos mais básicos da Bíblia?3. Como a imagem da criação comparada a um instrumento musical oferece um quadro mais preciso do relacionamentode Deus com a criação do que a imagem da criação como máquina?4. Que eventos especiais poderíamos considerar apenas “forças da natureza”? Veja, por exemplo, 1 Reis 19:11, 12.Disse-lhe Deus: Sai e põe-te neste monte perante o SENHOR. Eis que passava o SENHOR; e um grande e forte ventofendia os montes e despedaçava as penhas diante do SENHOR, porém o SENHOR não estava no vento; depois do vento,um terremoto, mas o SENHOR não estava no terremoto; depois do terremoto, um fogo, mas o SENHOR não estava nofogo; e, depois do fogo, um cicio tranqüilo e suave. (1 Reis 19:11-12)Respostas sugestivas: 1. O Senhor sustenta todas as coisas pelo poder de Sua palavra. Ele é Criador e Mantenedor doUniverso. 2. Jesus nos criou e mantém a nossa vida; nEle vivemos, nos movemos e existimos. 3. Deus colocou no jardimárvores belas e boas para alimentar Adão e Eva. Estava ali também a árvore da vida. 4. Deus mostrou Sua onipotência eonisciência. Ao perceber que o Criador estava perto dele e ao notar como era o caráter dEle, Jó se arrependeu do quehavia dito e pensado, em razão de sua ignorância. A renovação das bênçãos sobre a família de Jó respondeu uma partedas perguntas de Jó e trouxe confiança em relação às perguntas não respondidas. 5. Deus envia o Sol e a chuva paraprover alimento aos habitantes da Terra. 6. Deus utilizou o vento de modo sobrenatural, em favor de Seu povo e paramostrar Seu poder. 7. Se Deus alimenta as aves e veste a erva do campo, devemos confiar na Sua provisão quanto aoalimento, bebida, vestuário, proteção e vida eterna. Devemos confiar no Senhor, mesmo nos momentos de aflição. Resumo da Lição 8 – Jesus, provedor e mantenedorTextos-chaves: Hebreus 1:2, 3; Colossenses 1:16, 17nestes últimos dias, nos falou pelo Filho, a quem constituiu herdeiro de todas as coisas, pelo qual também fez o universo.Ele, que é o resplendor da glória e a expressão exata do seu Ser, sustentando todas as coisas pela palavra do seu poder,depois de ter feito a purificação dos pecados, assentou-se à direita da Majestade, nas alturas, (Hebreus 1:2-3)pois, nele, foram criadas todas as coisas, nos céus e sobre a terra, as visíveis e as invisíveis, sejam tronos, sejamsoberanias, quer principados, quer potestades. Tudo foi criado por meio dele e para ele. Ele é antes de todas as coisas.Nele, tudo subsiste. (Colossenses 1:16-17)O aluno deverá...Saber: Por que a divina manutenção do mundo é importante para a vida espiritual.Sentir: A importância do poder sustentador de Deus para a vida espiritual.Fazer: Procurar depender mais completamente do divino poder mantenedor em nossa vida.EsboçoI. Saber: Deus mantém o mundoA. Que tipo de Deus continua a manter o que Ele criou?B. Como a manutenção contínua de Sua criação revela Seu propósito e vontade?II. Sentir: Apreciar o divino poder mantenedorA. O fato de que Deus sustenta Sua criação faz diferença em seu relacionamento com Ele?B. Compare o planejamento divino com o modelo evolucionista, no qual não há nenhum projeto, mas apenas forçasaleatórias atuando. A diferença apresentada por essa comparação aprofunda sua apreciação pelas muitas bênçãos epromessas de Deus, tantas vezes ignoradas?C. Por outro lado, a diferença entre evolução e criação ajuda a aprofundar a sua compaixão e paciência para com aquelescuja cosmovisão é moldada pela crença no modelo evolutivo?III. Fazer: Depender do poder mantenedor de DeusA. Como você pode adequadamente provar a Palavra de Deus e experimentar seu poder de criação?B. De que forma você pode permitir que o poder criador e mantenedor de Deus renove todas as áreas da sua vida? ramos@advir.com
  6. 6. Resumo: A visão bíblica da manutenção contínua da criação destaca que Deus tem um propósito e um plano que Eleprocura manter. Isso parece incompatível com um modelo evolucionista, no qual não há planejamento e no qual atuamapenas processos aleatórios e não dirigidos. A doutrina da divina manutenção, portanto, requer uma visão específica deDeus, que parece incompatível com panenteísmo e panteísmo, visões que tendem a tornar Deus indigno de confiança ouigualmente vítima das forças naturais maiores do que Ele mesmo. O divino poder mantenedor é o mesmo que o seupoder criativo, e encontramos este poder de sustentação criativo no trabalho tanto na justificação e santificação.Ciclo do aprendizadoMotivaçãoConceito-chave para o crescimento espiritual: A Bíblia ensina que Deus continuamente sustenta o Universo que Ele criou.A divina obra de manutenção não é compatível com todos os pontos de vista sobre Deus, mas requer perspectivasespecíficas acerca de quem é Deus.Só para o professor: Enfatize que o divino poder mantenedor na natureza é o mesmo poder que nos sustenta na vidaespiritual.Um Deus mantenedor é ativo e está interessado em Sua criação. São inúmeras as histórias de pessoas que exercerammuita fé e realizaram grandes coisas com Deus. O missionário George Mueller era famoso por confiar em Deus parasuprir as necessidades de sua obra missionária. A Bíblia contém histórias semelhantes, desde a libertação de Israel àsnumerosas fugas de Davi diante de seus inimigos e às viagens missionárias de Paulo. Nessas histórias, um grupo depessoas assumiu o risco de radicalmente depender do divino poder criador e mantenedor para realizar proezas queglorificassem a Deus. Infelizmente, temos a tendência de ter tanto medo da presunção ou do emocionalismo quetememos o contato com o sobrenatural.Em nenhum lugar esse medo é mais tragicamente representado do que na história do rei Acaz, durante o cerco doexército sírio contra Judá. Isaías foi enviado a Acaz com uma promessa: “Acautela-te e aquieta-te; não temas, nem sedesanime o teu coração por causa destes dois tocos de tições fumegantes [...] Assim diz o Senhor Deus: Isto nãosubsistirá, nem tampouco acontecerá” (Is 7:4-7). Acaz parecia duvidar da promessa, por isso “continuou o Senhor a falarcom Acaz, dizendo: Pede ao Senhor, teu Deus, um sinal, quer seja embaixo, nas profundezas, ou em cima, nas alturas.Acaz, porém, disse: Não o pedirei, nem tentarei ao Senhor" (vs. 10-12). Deus deseja que confiemos em Suas promessasporque Ele ainda está atuando, sustentando o Universo e tudo o que está nele.Pergunta de abertura: A maioria de nós odeia depender dos outros. Por que achamos isso tão desagradável, e como essaatitude pode afetar a nossa capacidade de confiar em Deus?CompreensãoSó para o professor: O fato de que Deus é um ativo mantenedor só é compatível com certos pontos de vista sobre Deus.O poder mantenedor é igual ao poder criador. Assim, o Novo Testamento atribui a Cristo tanto o poder de criar quanto demanter a criação.Comentário BíblicoNosso Deus Mantenedor (Recapitule com a classe Hebreus 1:2, 3 e Colossenses 1:16, 17.)Vários pontos importantes das lições anteriores são reforçados pelo conceito da atividade contínua de Deus namanutenção do Universo. Primeiro, uma manutenção ativa parece contrária aos processos não dirigidos da seleçãonatural e da evolução, que são desprovidos de planejamento e propósito. Os cristãos que tentam unir a criação com aevolução procuram misturar visões contraditórias de como Deus age e Se relaciona com o mundo.Em segundo lugar, alguns teólogos que estão atualmente tentando misturar a evolução com a teologia cristã promovemuma visão panenteísta de Deus. O panenteísmo afirma que todo o Universo material está em Deus, como parte de Seuser. O Universo parece ser o corpo de Deus. Essa visão cria um problema interessante, também compartilhado pelopanteísmo (tudo é Deus). Em ambos os pontos de vista, há uma significativa falta de distinção entre criatura e Criador,pois todos participam do Ser divino. Se os processos aleatórios da evolução são parte do Ser divino, então, ou Deus éinstável, variável e, possivelmente, caprichoso, causando terremotos, tornados e calamidades, ou Deus Se tornadiminuído em poder, assumindo também o papel de vítima, junto com a criação. Esses teólogos evolucionistas tendem apromover a última alternativa, argumentando que Deus Se esconde na natureza para que o mundo possa serverdadeiramente livre para participar de sua própria criação. Em vez de manter o mundo de acordo com um projetopreviamente estabelecido, Deus humildemente Se submete ao mesmo sofrimento e dor que enfrentamos, sendoigualmente uma vítima do mal natural. Devemos encontrar conforto, não em que Deus possa intervir, mas em que anossa dor e sofrimento estão eternamente gravadas no Ser divino e, portanto, jamais serão esquecidas. Alguns chegamao ponto de afirmar que Deus está evoluindo com o Universo que é parte dEle.A doutrina da proveniência (origem) divina está em forte contraste com esses pontos de vista. Para ser um mantenedor,não se pode ser igualmente vítima, juntamente com os necessitados. Um navio que está afundando não traria nenhumaajuda real aos passageiros do Titanic. As vítimas do Titanic precisavam de outro navio, em condições seguras, para salvá-los. O ajudador deve estar suficientemente capacitado para oferecer uma ajuda concreta aos necessitados e, por isso,não pode ser igualmente uma vítima com eles. Assim, um Deus que mantém e provê deve ser separado e "diferente" doque Ele mantém. Ele também deve ter planos e propósitos que deseja apoiar com a Sua manutenção e ser superior empoder e recursos. Esse Deus entrou em nosso sofrimento pela Encarnação, não como uma indefesa vítima igual a nós,mas em um ato de autossacrifício que oferece uma solução para uma rebelião cósmica, a todos os que se dispuserem arenunciar à sua revolta. Assim, Deus não sofreu por causa do sofrimento, mas para alcançar propósitos específicos. Deussofreu para criar as condições necessárias para salvar e libertar, e não apenas para ter empatia. ramos@advir.com
  7. 7. Finalmente, a doutrina da divina manutenção nos leva à correspondente doutrina da nossa total dependência de alguémmaior e melhor do que nós mesmos. A confiante dependência de Deus é um elemento vital da justificação pela fé.Dependemos de Deus pela fé, no sentido de que Ele não apenas nos perdoe os pecados, mas também nos dê o poderpara andar nos caminhos da justiça. A justificação pela fé depende da divina palavra criadora, da promessa, apesar doque se percebe e sente. Isso capacita o crente a fazer escolhas com base na confiante fé em que Deus cumprirá Suapromessa e o manterá em uma caminhada bem-sucedida de crescimento e desenvolvimento morais. Assim como omundo depende de seu Criador, não apenas para sua origem, mas também para contínua manutenção, também o crentevive em um estado de dependência de Deus, não somente para a justificação, mas também para implementar um estilode vida cristão.Pense nisto: Os escritores do Novo Testamento atribuem a Cristo tanto a criação quanto a manutenção (por exemplo, At17:28; Cl 1:16, 17; Hb 1:3). Para eles, quem é Cristo?AplicaçãoSó para o professor: Saber que Deus está continuamente mantendo o mundo deve nos lembrar de nossa totaldependência de Deus e Suas promessas.Perguntas para testemunho:1. Quando você acha fácil depender das promessas de Deus, e por quê? Quando você acha isso difícil, e por quê?2. O que pode ajudá-lo a estar mais disposto a depender da Palavra de Deus e de Suas promessas?3. As histórias bíblicas sobre Deus amparando outras pessoas podem nos ajudar a desenvolver confiança em Deus?4. O testemunho de pessoas em quem você confia pode ajudá-lo a se tornar mais disposto a exercer fé nas promessas deDeus?CriatividadeSó para o professor: Apocalipse 12:11 diz: "Eles, pois, o venceram por causa do sangue do Cordeiro e por causa da palavrado testemunho que deram”. Lembre aos seus alunos de que testemunhar sobre a divina atividade mantenedora em suavida pode incentivar outras pessoas a confiar nesse poder mantenedor e nas Suas promessas.Atividade para discussão: Você teve experiências que podem incentivar outras pessoas a confiar na Palavra de Deus eem Suas promessas? ramos@advir.com

×