Your SlideShare is downloading. ×
Estratégia de Cooperação para Inovação: Empresas do Nordeste Brasileiro
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Estratégia de Cooperação para Inovação: Empresas do Nordeste Brasileiro

1,943
views

Published on

Apresentação feita no III Slade/Elbe.

Apresentação feita no III Slade/Elbe.

Published in: Business, Travel

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
1,943
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
19
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. ROLIM, Germana F. germanafrolim@gmail.com Estratégia De Cooperação Para Inovação: Uma Análise Dos Resultados De Empresas Do Nordeste Brasileiro GERMANA FERREIRA ROLIM DIEGO DE QUEIROZ MACHADO MIRNA MAIA DE ARAÚJO
  • 2. ROLIM, Germana F. germanafrolim@gmail.com RESUMO  No Brasil há compreensão de que a inovação está intensamente relacionada ao resultado das empresas e que ela requer o enfrentamento de muitos obstáculos: a complexidade da base de conhecimento requerida, a concorrência com produtos e serviços de ciclo de vida cada vez menor e recursos extras para investimentos e diante dessas dificuldades, por isso as empresas com menos recursos precisam realizar parcerias com várias organizações. O termo rede de cooperação tem sido utilizado para distinguir um conjunto de fluxos como recursos e informações, entre um conjunto de atores, por exemplo, indivíduos, grupos, organizações e sistemas de informações. No contexto empresarial, a noção de rede é bastante abstrata, são várias as formas e os objetivos pelos quais empresas se reúnem em rede, na grande maioria dos casos, a intenção fundamental das redes é somar esforços, nesse caso, para avanços na capacidade inovativa para melhoria do resultado das empresas. O presente trabalho objetiva analisar as redes de cooperação como estratégias de inovação para melhoria do resultado das empresas do Nordeste do Brasil, utilizando dados de 2005 da Pesquisa de Inovação Tecnológica (PINTEC) do IBGE. Através da análise de dados secundários de 9.098 empresas, usou-se ferramentas de estatística descritiva, em especial, medidas de associação de mediação de intervalos e razões, como coeficientes de correlação. Porém, os resultados encontrados mostraram a pouca presença das redes de cooperação no desenvolvimento de inovações no campo empírico estudado e impacto nos resultados é pouco relevante. III Elbe/Slade Brasil Fortaleza, 11 e 12 de novembro de 2010 Sala B44 Horário 16:30hs Apresentação: Germana Ferreira Rolim
  • 3. ROLIM, Germana F. germanafrolim@gmail.com CONTEXTUALIZAÇÃO
  • 4. ROLIM, Germana F. germanafrolim@gmail.com  As empresas têm necessidade de atuarem de forma conjunta e associada, baseadas em modelos organizacionais fundamentados na associação, complementaridade, compartilhamento, troca e ajuda mútua.
  • 5. ROLIM, Germana F. germanafrolim@gmail.com  A noção de redes, no campo organizacional, é abstrata.  Joint ventures, alianças estratégicas, relações de terceirização e subcontratação, distritos industriais, consórcios, redes sociais, redes de cooperação entre pequenas e médias empresas, entre outras.
  • 6. ROLIM, Germana F. germanafrolim@gmail.com  Cooperação pode ocorrer entre duas ou mais organizações ao mesmo tempo: firma com firma, firma com universidade ou com outro tipo de organização.  Cooperação para a inovação, por sua vez, pode assumir as formas de acordos de transferência de tecnologia, acordos com universidades para desenvolvimento ou exploração conjunta de uma patente, e o desenvolvimento conjunto de produtos a serem comercializados em parceria.
  • 7. ROLIM, Germana F. germanafrolim@gmail.com  Uma parte crescente da teorização observada na literatura sobre o assunto tem apontado a formação de redes de atores como fator estratégico para a viabilização do processo de inovação e para a competitividade.
  • 8. ROLIM, Germana F. germanafrolim@gmail.com  Diversos estudos têm indicado que as formações em rede de cooperação proporcionam às pequenas e médias empresas o alcance de vantagens competitivas (CASAROTTO; PIRES, 1999; FACHINELLI; MARCON; MOINET, 2001; FAYARD, 2000; JARILLO, 1988; MARCON; MOINET, 2001).
  • 9. ROLIM, Germana F. germanafrolim@gmail.com  Porter (1998) defende que o sucesso de uma rede de cooperação empresarial está no equilíbrio entre competição e cooperação.  Muitos autores têm empregado a terminação co- opetição (co-opetition) para denominar este equilíbrio (PORTER, 1998; LEVY; LOEBBECKE; POWELL, 2003).
  • 10. ROLIM, Germana F. germanafrolim@gmail.com OBJETIVO
  • 11. ROLIM, Germana F. germanafrolim@gmail.com  Analisar as redes de cooperação como estratégias de inovação para melhoria do resultado das empresas do Nordeste do Brasil a partir de dados de 2005 da Pesquisa de Inovação Tecnológica (PINTEC) realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
  • 12. ROLIM, Germana F. germanafrolim@gmail.com A PINTEC
  • 13. ROLIM, Germana F. germanafrolim@gmail.com IBGE, FINEP e do Ministério da Ciência e Tecnologia – MCT Afinidade metodológica com o Manual de Oslo Fornecer informações para a construção de indicadores nacionais e regionais das atividades de inovação tecnológica das empresas brasileiras Empresas do Território Nacional: registro no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica – CNPJ, do Ministério da Fazenda, e que, no Cadastro Central de Empresas – CEMPRE do IBGE Empresas: classificadas como empresa industrial (principal receita derivada da atuação nas atividades das indústrias extrativas ou indústrias de transformação); ativas; e empregando 10 ou mais pessoas
  • 14. ROLIM, Germana F. germanafrolim@gmail.com METODOLOGIA
  • 15. ROLIM, Germana F. germanafrolim@gmail.com  O trabalho utiliza uma abordagem quantitativa e tem caráter exploratório, como método de pesquisa, utilizando dados secundários de um campo empírico de 9.098 empresas da Região Nordeste do Brasil.  A análise dos dados se deu por estatística descritiva, em especial, medidas de associação de mediação de intervalos e razões, como coeficientes de correlação, sendo possível identificar a direção e a magnitude de tais relações entre as principais variáveis dos processos de inovação em questão.
  • 16. ROLIM, Germana F. germanafrolim@gmail.com OS DADOS
  • 17. ROLIM, Germana F. germanafrolim@gmail.com Regiões Total de empresas % Inovação de produto e/ou processo % Brasil 91.055* 30.377** Nordeste 9.098 9,99* 2.915 9,59** 3,20* As empresas e as inovações por região
  • 18. ROLIM, Germana F. germanafrolim@gmail.com Indústrias extrativas e de transformação (parte 1) Total de empresas Inovação de produto e/ou processo % Indústrias extrativas 208 26 12,50 Fabricação de produtos alimentícios 1.887 536 28,40 Fabricação de bebidas 151 75 49,67 Fabricação de produtos têxteis 437 125 28,60 Confecção de artigos do vestuário e acessórios 1.512 321 21,23 Fabricação de artefatos de couro 222 89 40,09 Edição, impressão e reprodução de gravações 437 273 62,47 Fabricação de coque, álcool e de combustíveis nucleares 13 9 69,23 Fabricação de produtos químicos 350 170 48,57 Indústrias e inovações
  • 19. ROLIM, Germana F. germanafrolim@gmail.com Indústrias extrativas e de transformação (parte 2) Total de empresas Inovação de produto e/ou processo % Fabricação de artigos de borracha e plástico 520 174 33,46 Fabricação de produtos de minerais não- metálicos 1.065 292 27,42 Produtos siderúrgicos 21 10 47,62 Fabricação de produtos de metal 560 141 25,18 Fabricação de máquinas e equipamentos 255 104 40,78 Fabricação de máquinas para escritório e informática 38 25 65,79 Fabricação de máquinas, aparelhos e materiais elétricos 73 9 12,33 Fabricação de artigos do mobiliário 348 170 48,85 Indústrias e inovações
  • 20. ROLIM, Germana F. germanafrolim@gmail.com INOVAÇÃO DE PRODUTO
  • 21. ROLIM, Germana F. germanafrolim@gmail.com Regiões Produto Total de empresas A empresa % Redes de cooperação % Outras empresas ou institutos % Brasil 17.784 16.181 90,99 891 5,01 712 4,00 Nordeste 1.525 1.305 85,57 76 4,98 144 9,44 Origem das inovações de produtos
  • 22. ROLIM, Germana F. germanafrolim@gmail.com Produto novo para a empresa Produto novo para o mercado nacional Produto novo para o mercado mundial Inovações da empresa Inovações em cooperação Inovação de outros Inovações da Empresa 0,979 b 0,637 0,369 1,000 Inovações em Cooperação 0,554 0,939 b 0,527 0,525 1,000 Inovação de Outras 0,679 0,579 0,240 a 0,530 0,613 1,000 Recorte da matriz de correlação – inovações de produto
  • 23. ROLIM, Germana F. germanafrolim@gmail.com INOVAÇÃO DE PROCESSO
  • 24. ROLIM, Germana F. germanafrolim@gmail.com Regiões Produto Total de empresas A empresa % Redes de cooperação % Outras empresas ou institutos % Brasil 24.504 2.421 9,88 740 3,02 21.343 87,10 Nordeste 2.499 204 8,16 64 2,56 2.231 89,28 Origem das inovações de processo
  • 25. ROLIM, Germana F. germanafrolim@gmail.com Produto novo para a empresa Produto novo para o mercado nacional Produto novo para o mercado mundial Inovações da empresa Inovações em cooperação Inovação de outros Inovações da Empresa 0,688 0,163 a -0,159 a 1,000 Inovações em Cooperação 0,763 b 0,301 -0,291 a 0,747 b 1,000 Inovação de Outras 0,989 b 0,509 -0,224 a 0,586 0,707 b 1,000 Recorte da matriz de correlação – inovações de processo
  • 26. ROLIM, Germana F. germanafrolim@gmail.com CONSIDERAÇÕES GERAIS
  • 27. ROLIM, Germana F. germanafrolim@gmail.com  A pouca presença das redes de cooperação no desenvolvimento de inovações, seja em produtos ou processos, sendo menor neste último.  O grau inovador das inovações produzidas, a presença das redes de cooperação destaca-se, no geral, como possível incentivador para o desenvolvimento de produtos novos no nível de mercado nacional.
  • 28. ROLIM, Germana F. germanafrolim@gmail.com OBRIGADA!