Juliana Rodrigues de Sousa
NATURAIS   ARTIFICIAIS
 Ambiente terrestre: os tipos de ecossistemas podem ser identificados e classificados como regiões bióticas ou biomas com...
Marinhos   Água doce
 Oceanos (aprox. 70% da superfície do planeta). Os fatores físicos dominam a vida nos oceanos. O estado das comunidades...
 Plataforma continental: próximo do litoral, onde as condições de nutrientes são favoráveis.   Grande variedade de vida ...
 Plataforma continental   Apresenta regiões de ressurgência de água (pesca   comerciais – salmão, bacalhau, sardinha);  ...
 Fontes Hidrotermais:  Deriva continental – cordilheiras mesoceânicas  (placas tectônicas espalhadas criam saídas, fontes...
 Estuários e Litorais:     Entre os oceanos e os continentes existe uma faixa de     ecossistemas diversos – transição – ...
 Manguezais e Recifes de Coral  Ecótonos terra-mar tropicais e subtropicais.   Mangues: plantas lenhosas que toleram a s...
 Recifes de coral:  Exemplo de como reter, usar e reciclar recursos de forma  eficiente.  Não é nem resistente nem se rec...
 Três grupos:   Lênticos (águas paradas)   Lóticos (água corrente)   Terras úmidas (sazonal e anualmente: brejos e pân...
 Ecossistemas Lênticos:   Lagos e lagoas (variação de duração – semanas, meses,    sazonais, temporárias).   Diversidad...
 Ecossistemas Lênticos:    Regiões temperadas – zonação e estratificação (fótica e    eufótica )    A produção primária d...
 Ecossistemas Lóticos (Córregos e Rios):   A corrente é um fator controlador em córregos;   A troca terra-água é relati...
 Ecossistemas Lóticos (Córregos e Rios):    Conceito de Rio Contínuo: Zona de corredeira fornece    um substrato firme (o...
 Áreas úmidas de água doce:   Área coberta por água doce rasa por, pelo menos, parte    do ciclo anual.   São saturados...
 Brejos de maré de água doce:   Em planícies litorais baixas, as marés se estendem para    dentro em grandes rios.   Ve...
Altas latitudes (especialmente hemisfério norte).Caracteriza-se por um tapete de musgo e liquensespalhados junto a ervas d...
Durante o verão, ao redor de 10 a 15 cm da terra se  descongela. O solo, abaixo dessa profundidade  permanece gelado e se ...
Latitudes altas (especialmente hemisfério norte), abaixo da tundra.Inverno muito frio, verão curto, porém mais longo que n...
Clima subártico com ventos fortes e gelados.Precipitação anual 40 a 100 mm.Temperatura oscila entre 21º a -54º.Solo pobre,...
Encontrado nas regiões situadas entre os pólos e os trópicos.Características das zonas temperadas úmidas e abrange o oeste...
As quatro estações do            anoencontram-se bem definidas.Solo muito rico em nutrientesdevido, sobretudo, a decomposi...
Terra rica em húmus.Precipitação 75 a 100mm ano.Vegetação formam estratos.Sub-bosque. Diversificado (arbusto,    pequenas ...
Climas úmidos e quentes, com estações chuvosas longas.Vegetação perenifólia, complexa, com grande estratificação.Recobre 7...
Temperaturas médias entre 24º e 30ºC.Precipitação anual: 2250 mm ou mais.Algumas       características     fitofisionômica...
Na Floresta amazônica, em dez mil metros quadrados encontramos cerca de 100 espécies de árvores além de epífitas e cipós.D...
Latim desertus, cujo significado é "abandonar".É uma forma de paisagem ou região que recebe poucaprecipitação pluviométrica.
O solo do deserto é principalmente composto de areia, edunas podem estar presentes.Vegetação escassa.Pouca umidade e chuva...
Adaptação da flora e da fauna: Plantas com folhas modificadas em espinhos. Caule clorofilado com armazenamento de água....
Campos é denominação genérica se dá às formaçõesfitogeográficas onde predominam plantas herbáceas.
Podem ser classificados em estepes e savanas.Estepe são encontradas em regiões cujo clima apresentaperíodos de seca, veget...
Região planaVegetação predominante são as gramíneas, árvores esparsase arbustos isolados ou em pequenos grupos. Escassez -...
Temperatura: duas estações - uma quente e seca e outra  chuvosa.Raízes profundas e ramificas.Maiorias da árvores são caduc...
Apresentam dependência energética de regiões distantes euma saída que exerce um impacto sobre elas .
 A agroecologia transcende a ecologia agrícola, tratando de  incorporar em seu arcabouço de conhecimentos outras  dimensõ...
 Em síntese, a agroecologia pretende:   Eliminar a dependência de fontes de energia não-      renováveis;     Gerar tec...
Funcionamento de ecossistemas
Funcionamento de ecossistemas
Funcionamento de ecossistemas
Funcionamento de ecossistemas
Funcionamento de ecossistemas
Funcionamento de ecossistemas
Funcionamento de ecossistemas
Funcionamento de ecossistemas
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Funcionamento de ecossistemas

3,695

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
3,695
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
56
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Funcionamento de ecossistemas

  1. 1. Juliana Rodrigues de Sousa
  2. 2. NATURAIS ARTIFICIAIS
  3. 3.  Ambiente terrestre: os tipos de ecossistemas podem ser identificados e classificados como regiões bióticas ou biomas com base na vegetação madura dominante. Ambiente aquático: os tipos são mais facilmente identificados pelos atributos físicos.
  4. 4. Marinhos Água doce
  5. 5.  Oceanos (aprox. 70% da superfície do planeta). Os fatores físicos dominam a vida nos oceanos. O estado das comunidades biológicas é determinado:  Ondas, marés, correntes, salinidade, temperatura, pressão e intensidade da luz. As comunidades têm influência considerável na composição dos sedimentos e gases das profundezas, em solução e na atmosfera. A cadeia alimentar (oceanos) começa com o menor autótrofo conhecido e termina com os maiores dos animais.
  6. 6.  Plataforma continental: próximo do litoral, onde as condições de nutrientes são favoráveis.  Grande variedade de vida (mais que florestas tropicais úmidas);  Bentos: epifauna (organismos que vivem na superfície, presos ou que se movem livremente) e infauna (escavam o substrato ou constroem tubos ou tocas);  Acessibilidade e riqueza de vida -> litorais são a parte mais estudada;  Os organismos precisam se adaptar: nível de energia física das ondas que quebram, a arrebentação e as marés (baixa energia – mais diversificação de espécies)
  7. 7.  Plataforma continental  Apresenta regiões de ressurgência de água (pesca comerciais – salmão, bacalhau, sardinha); Onde os ventos movem consistentemente a água da superfície para longe dos declives dos precipícios costeiros, trazendo para a superfície água fria e rica em nutrientes que estavam acumulados nas profundezas. Cria o mais produtivo de todos os ecossistemas. (riqueza de organismos) Dá suporte a grandes populações de pássaros marinhos (fósforo - no solo de litorais costeiros)
  8. 8.  Fontes Hidrotermais: Deriva continental – cordilheiras mesoceânicas (placas tectônicas espalhadas criam saídas, fontes de água sulfurosas quentes e infiltrações). Sustentam comunidades únicas geotermicamente ativas. Teia alimentar se inicia com bactérias qumiossintetizantes – animais que se alimentam por filtração – predadores (peixes, caranguejos).
  9. 9.  Estuários e Litorais: Entre os oceanos e os continentes existe uma faixa de ecossistemas diversos – transição – características ecológicas próprias. Fatores variáveis perto da praia; físicos, salinidade e temperatura. Estuário: corpo semifechado de água (foz de rio ou baía costeira) onde a salinidade é intermediária entre água salgada e doce, e a ação da maré é um regulador físico importante e um subsídio de energia. Sistemas mais férteis do mundo. Alta taxa de produtividade bruta. Produtividade primária líquida muito alta. Organismos desenvolveram muitas adaptações aos ciclos de marés (caraguejo).
  10. 10.  Manguezais e Recifes de Coral Ecótonos terra-mar tropicais e subtropicais.  Mangues: plantas lenhosas que toleram a salinidade do mar aberto (raízes aéreas extensas – lama anaérobica; madeira dura e comercialmente valiosa)  Recifes de coral: distribuídos de maneira ampla em águas quentes e rasas. Comunidades bióticas mais produtivas e diversificadas. Pode m desenvolve-se em águas pobres em nutrientes por causa do fluxo de água e de um grande investimento em mutualismo. Superorganismo planta-animal.
  11. 11.  Recifes de coral: Exemplo de como reter, usar e reciclar recursos de forma eficiente. Não é nem resistente nem se recupera fácil das perturbações (poluição, aumento de temperatura da água). Branqueamento (alga verde simbiótica deixa o animal coral)
  12. 12.  Três grupos:  Lênticos (águas paradas)  Lóticos (água corrente)  Terras úmidas (sazonal e anualmente: brejos e pântanos) Ocupam uma pequena parte da superfície da terra (marinhos e terrestres), porém com importância maior (fonte de água doce, ciclo hidrológico). A variação de temperatura é menor e as mudanças na temperatura ocorre mais lentamente na água do que no ar.
  13. 13.  Ecossistemas Lênticos:  Lagos e lagoas (variação de duração – semanas, meses, sazonais, temporárias).  Diversidade de espécies é baixa. Zona litoral: vegetação enraizada ao longo da praia; Zona limnética: águas abertas dominadas pelo plâncton; Zona profunda: contendo somente heterótrofos; Zona bentônica: dominada por organismos de habitat profundo.
  14. 14.  Ecossistemas Lênticos: Regiões temperadas – zonação e estratificação (fótica e eufótica ) A produção primária depende da natureza química da bacia e da natureza das importações de correntes de terra. Classificação lagos – base da produtividade: Oligotróficos: baixo nível de nutrientes Eutróficos: altos níveis de nutrientes
  15. 15.  Ecossistemas Lóticos (Córregos e Rios):  A corrente é um fator controlador em córregos;  A troca terra-água é relativamente mais extensa;  A tensão do oxigênio costuma ser alta e mais uniforme em córregos, e há pouca estratificação térmica ou química ;
  16. 16.  Ecossistemas Lóticos (Córregos e Rios): Conceito de Rio Contínuo: Zona de corredeira fornece um substrato firme (organismos especializados que se fixa e se agarram no substrato); Zona de poças são águas mais fundas com corrente reduzida onde a areia e a lama podem assentar (fundo macio – animais de tocas e nadadores).
  17. 17.  Áreas úmidas de água doce:  Área coberta por água doce rasa por, pelo menos, parte do ciclo anual.  São saturados com água durante todo o ano ou durante parte dele.  Hidroperíodo (periodicidade das flutuações do nível da água): determina a produtividade e a composição das espécies da comunidade da área úmida.
  18. 18.  Brejos de maré de água doce:  Em planícies litorais baixas, as marés se estendem para dentro em grandes rios.  Vegetação carnosa, com pouca fibra.  Produção primária em marismas culmina em animais aquáticos (peixes, moluscos).  Os animais tendem a ser anfíbios semi-aquáticos (jacarés), aves (patos, garças) e mamíferos.
  19. 19. Altas latitudes (especialmente hemisfério norte).Caracteriza-se por um tapete de musgo e liquensespalhados junto a ervas de floração e arbustosbaixos.
  20. 20. Durante o verão, ao redor de 10 a 15 cm da terra se descongela. O solo, abaixo dessa profundidade permanece gelado e se denomina permafrost. O sol permanece no céu por aproximadamente 24 horas cada dia (verão).Grandes quantidades de produtos da fotossíntese sãoproduzidos e armazenados nesta estação.Os musgos são a base da cadeia alimentar; maioria dosanimais (aves insetívoras, lebres, caribus, lobos, raposas)
  21. 21. Latitudes altas (especialmente hemisfério norte), abaixo da tundra.Inverno muito frio, verão curto, porém mais longo que na tundra.Floresta onde mais se explora a madeira.
  22. 22. Clima subártico com ventos fortes e gelados.Precipitação anual 40 a 100 mm.Temperatura oscila entre 21º a -54º.Solo pobre,em nutrientes e cobre-se de folhas.Vegetação: coníferas,abetos e pinheiros.Vegetação adaptadas. Folhas aciculares e cobertas por uma película cerosa, forma cônica, folhas perenes.
  23. 23. Encontrado nas regiões situadas entre os pólos e os trópicos.Características das zonas temperadas úmidas e abrange o oeste e centro da Europa, leste da Ásia.As temperaturas médias anuais são moderadas.
  24. 24. As quatro estações do anoencontram-se bem definidas.Solo muito rico em nutrientesdevido, sobretudo, a decomposiçãodas folhas que vai enriquecendo osolo em nutrientes.A vegetação é variada, desde asconíferas e árvores com folhas largascaducas.Maioria das árvores caducifólias(tons vermelhos e amarelos nooutono)
  25. 25. Terra rica em húmus.Precipitação 75 a 100mm ano.Vegetação formam estratos.Sub-bosque. Diversificado (arbusto, pequenas árvores,samambaias, musgos, ervas e brotos).
  26. 26. Climas úmidos e quentes, com estações chuvosas longas.Vegetação perenifólia, complexa, com grande estratificação.Recobre 7% da superfície da terrestre.
  27. 27. Temperaturas médias entre 24º e 30ºC.Precipitação anual: 2250 mm ou mais.Algumas características fitofisionômicas: folhasmesófilas, grandes trepadeiras lenhosas, troncosgeralmente cilíndricos que podem atingir mais de 30metros de altura por 4,5 m de diâmetro e a presença deepífitas heliófilas e ombrófilas são freqüentes. Briófitassão raras.Folhas latifoliadas (latim latus = largo folia = folhas).Grande biodiversidade vegetal e animal. Em torno de 60%de todas as espécies do planeta se encontram nesteecossistema.
  28. 28. Na Floresta amazônica, em dez mil metros quadrados encontramos cerca de 100 espécies de árvores além de epífitas e cipós.Decomposição rápida.
  29. 29. Latim desertus, cujo significado é "abandonar".É uma forma de paisagem ou região que recebe poucaprecipitação pluviométrica.
  30. 30. O solo do deserto é principalmente composto de areia, edunas podem estar presentes.Vegetação escassa.Pouca umidade e chuva.Grande variação diária da temperatura.Solo pobre a moderadamente fértil.Predominam os cactos e alguns arbustos.
  31. 31. Adaptação da flora e da fauna: Plantas com folhas modificadas em espinhos. Caule clorofilado com armazenamento de água. Produção de urina concentrada e de fezes relativamente seca. Escassez ou ausência de glândulas sudoríparas. Capacidade de utilização da água metabólica. Plantas xerófilas.
  32. 32. Campos é denominação genérica se dá às formaçõesfitogeográficas onde predominam plantas herbáceas.
  33. 33. Podem ser classificados em estepes e savanas.Estepe são encontradas em regiões cujo clima apresentaperíodos de seca, vegetação predominantementeformada por gramíneas. Incluem-se na categoria de estepes as pradarias(América do Norte) e os pampas( América do Sul )
  34. 34. Região planaVegetação predominante são as gramíneas, árvores esparsase arbustos isolados ou em pequenos grupos. Escassez -Água (semi-áridas)
  35. 35. Temperatura: duas estações - uma quente e seca e outra chuvosa.Raízes profundas e ramificas.Maiorias da árvores são caducifólias.Solo pobre e compactado.Fauna: biodiversidade de mamíferos maior.
  36. 36. Apresentam dependência energética de regiões distantes euma saída que exerce um impacto sobre elas .
  37. 37.  A agroecologia transcende a ecologia agrícola, tratando de incorporar em seu arcabouço de conhecimentos outras dimensões que integram a dinâmica do agroecossistema. O agroecossistema possui ademais da dimensão material ou realista, uma dimensão cultural ou construtivista. Por isso, a agroecologia se preocupa com a dimensão econômica, social e política do agroecossistema, defendendo a necessidade de harmonia destas com a dimensão ambiental.
  38. 38.  Em síntese, a agroecologia pretende:  Eliminar a dependência de fontes de energia não- renováveis;  Gerar tecnologias a partir de processos cognitivos que dialogam com a realidade histórica dos agricultores, gerando autonomia;  Ser sustentável em termos energéticos e materiais;  Estimular os processos adaptativos e co-evolutivo desenvolvidos pela agricultura tradicional;  Diversificar práticas, produtos e processos, sendo um estímulo para as individualidades (identidade, localidade, cultura) dos povos.
  1. A particular slide catching your eye?

    Clipping is a handy way to collect important slides you want to go back to later.

×