Documento de Aparecida
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Documento de Aparecida

on

  • 11,560 views

Sobre o Documento da Assembléia dos Bispos da América Latina e do Caribe (CELAM) em Aparecida, SP, Brasil.-

Sobre o Documento da Assembléia dos Bispos da América Latina e do Caribe (CELAM) em Aparecida, SP, Brasil.-
Apresentação para a Assembléia dos Leigos Claretianos em 2009.

Statistics

Views

Total Views
11,560
Views on SlideShare
11,559
Embed Views
1

Actions

Likes
5
Downloads
368
Comments
2

1 Embed 1

http://www.slideshare.net 1

Accessibility

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel

12 of 2

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
  • Subsídio para IX APA
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
  • Para estudo
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Documento de Aparecida Documento de Aparecida Presentation Transcript

    • ENCONTRO DE LEIGOS CLARETIANOS Araçatuba – SP Maio de 2009
    • Oração dos Missionários Senhor, que nos chamais como os Apóstolos, fazei que nos esforcemos com todos os nossos meios e recursos para conseguirmos que sejais amado, conhecido e servido por todos e no mundo inteiro. Dai-nos um coração aberto para amarmos a todos sem exceção, anunciando e levando a todos a bem-aventurança do Reino, já iniciada nesta existência terrena.
    • Todos os dons que acreditemos possuir, saibamos atribuí-los unicamente à vossa graça inefável, fazê-los frutificar para a vossa maior glória, sempre reconhecendo nossas limitações e defeitos, assim como nossa total dependência de Vós. Daí que saibamos expressar esta íntima convicção em nossa forma de agir e de nos relacionar com os demais, dispostos a pedir perdão por nossas falhas e equívocos; prestar serviços de sincero amor a nossos irmãos, vivendo no meio deles como quem serve, como Nosso Senhor Jesus Cristo. Amém.
    • DOCUMENTO DE APARECIDA V Conferencia Geral do Episcopado Latino Americano e do Caribe 13 a 31 de maio de 2007 Aparecida do Norte - SP
    • América Latina Caribe América Latina e Caribe
    • INTRODUÇÃO
      • Objetivos da V Conferência Geral do Episcopado da América Latina e do Caribe:
      CAMINHO VERDADE VIDA
      • Estimular a ação evangelizadora
      • Fazer de todos os seus membros discípulos missionários de CRISTO
      PARA QUE TODOS OS NOSSOS POVOS TENHAM VIDA NELE
    • Fé no amor de DEUS AMOR Tradição Católica na vida e na cultura MANIFESTAM-SE:
      • Na fé madura dos batizados
      • Na piedade popular
      • Na caridade
      Gestos Obras Caminhos de solidariedade A Igreja tem experimentado luzes e sombras: As maiores riquezas de nossos povos:
    • Estas riquezas estão presentes também:
      • Na conciência da dignidade da pessoa;
      • Na sabedoria diante da vida;
      • Na paixão pela justiça;
      • Na esperança contra toda esperança;
      • Na alegria de viver.
      “ O dom da tradição católica é um cimento fundamental de identidade, originalidade e unidade de nossos povos.” (Introdução)
    • A V Conferência é um novo passo no caminho da Igreja
      • Contexto marcado por turbulências sociais e políticas;
      • Difusão de uma cultura distante e hostil à tradição cristã.
      • A Igreja é chamada a repensar e a relançar com fidelidade e audácia a sua missão;
      • Ela deve confirmar, renovar e revitalizar a novidade do Evangelho neste contexto.
    • ISSO DEPENDE DE: Discípulos de Jesus Cristo e missionários do Reino, protagonistas de uma VIDA NOVA
      • Que recomecem a partir de Cristo
      • Que revitalizem o modo de ser católico
      “ O encontro vivificante com Cristo se manifesta como novidade de vida e missão em todas as dimensões da existência pessoal e social.”
    • “ É hora de mostrar a capacidade da Igreja para promover e formar discípulos e missionários que correspondam à vocação recebida e comuniquem em toda parte o dom do encontro com Jesus Cristo . Não temos outro tesouro, senão este. Não temos outra prioridade, senão sermos instrumentos do Espírito de Deus na Igreja .” (Introdução)
    • I Parte do Documento
      • Título : “A vida de nossos povos”.
      • Foco do texto : ver a realidade, ver os dons recebidos pela graça e fé que nos fazem seguidores de Jesus em vista de uma missão !
    • Discípulos Missionários
      • Ação de Graças a Deus
      • A alegria de ser discípulos e missionários de Jesus
      • A missão da Igreja é evangelizar
      • Vejamos a realidade que nos circunda à luz de sua providência, e a julguemos segundo Jesus Cristo, e atuemos a partir da Igreja”
      • Método “VER – JULGAR – AGIR”.
      • DAMOS GRAÇAS A DEUS:
      • Pelo dom da Palavra;
      • Pela celebração da fé, que culmina na Eucaristia;
      • Pelo Sacramento do Perdão;
      • Pelo presente de Maria, Mãe de Deus e da Igreja.
      Ação de graças a Deus
      • Ser cristão não é uma carga, mas um DOM;
      • Que a alegria da Boa Nova do Reino de Deus chegue a todos;
      A alegria de ser discípulos e missionários de Jesus Cristo ALEGRIA DO DISCÍPULO É Face um mundo atemorizado pelo futuro e oprimido pela violência e pelo ódio. ANTÍDOTO
      • Anunciar a Boa Nova do Reino aos pobres e pecadores, adotando as atitude de Jesus:
        • O Senhor se fez servidor e obediente até à morte de cruz;
        • Sendo rico se fez pobre;
        • Colocou sua confiança no Pai;
      A missão da Igreja é evangelizar “ Na generosidade dos missionários se manifesta a generosidade de Deus.”
    • Somos chamados a transfigurar estes rostos:
      • Pela promoção da dignidade pessoal e,
      • Pela fraternidade entre todos.
      “ No rosto sofrido de Jesus, com o olhar da fé, podemos ver o rosto humilhado de tantos homens e mulheres de nossos povos.”
    • Olhar dos discípulos missionários sobre a realidade “ Como discípulos de Jesus Cristo nos sentimos interpelados a discenir os “sinais dos tempos”, à luz do Espírito Santo, para nos colocar a serviço do Reino, anunciando Jesus, que veio para que todos tenham vida e ‘vida em abundância’ (Jo 10, 10)”
      • A realidade que nos desafia como discípulos e missionários
      • Situação de nossa Igreja nesta hora histórica de desafios
      • Realidade marcada por grandes mudanças;
          • Fenômeno da globalização – alcançe universal
          • Fator determinante – a ciência e a tecnologia
      • A fragmentação gerou uma crise de sentido
      • A religião e a cultura são dois âmbitos que dão unidade ao todo, mas também vêem suas tradições desmoronar-se.
      A realidade que nos desafia
      • Capacidade de manipular geneticamente a vida
      • Criar rede de comunicações de alcançe universal
      • Os meios de comunicação invadiram todos os espaços – consequências para a família.
      • A sociedade crê que pode funcionar como “se Deus não existisse – mas não consegue responder à vocação humana.
      • Supervalorização da subjetividade individual
      • O individualismo enfraquece os vínculos comunitários
      • Verifica-se uma espécie de colonização cultural – cultura homogeneizada que conduz à indiferença do outro
      • Prefere-se viver o presente - imediatismo
      • Mulheres submetidas a múltiplas formas de violência, dentro e fora de casa.
      • Emergem novos sujeitos, com novos estilos de vida, maneiras de pensar, de sentir, de perceber, e novas formas de relacionar-se.
      • Riqueza e diversidade culturais de nossos povos.
      • Poder e riqueza concentrados nas mãos de poucos
      • É preciso promover uma globalização marcada pela solidariedade, pela justiça e pelo respeito aos direitos humanos.
      • Economias locais subordinadas às instituições financeiras e às empresas transnacionais.
      • Alarmante nível de corrupção, tanto do setor público como do privado
      • Subemprego, desemprego, trabalho informal.
      • Fenômeno da mobilidade humana devido à precária situação econômica, à violência e à falta de oportunidades.
      • Falta de credibilidade das instituições públicas
      • Crescimento da violência
      • A natureza continua sendo agredida.
      • O aquecimento global.
      • Os indígenas e os afro-americanos carecem ainda de reconhecimento – ainda são marcados pela exclusão e pela pobreza.
      • As transformações culturais provocam a rápida desaparição de algumas culturas e linguas.
      • É preciso fomentar o diálogo intercultural, inter-religioso e ecumênico
      • Resgate das identidades, dos direitos civis.
    • Situação da Igreja diante destes desafios Servidora dos pobres Esforço para promover sua dignidade nos campos da: Economia solidária Educação Trabalho Acesso à terra Cultura Habitação Assistência Saúde
    • OUTRAS INSTITUIÇÕES Empenho em:
      • Promover a Justiça
      • Os Direitos Humanos
      • A Reconciliação dos Povos
      Instância de confiança e credibilidade Empenho em favor dos pobres Redundou em perseguição e morte de muitos TESTEMUNHAS DA FÉ
      • Animação bíblica da pastoral;
      • Renovação da catequese;
      • Formação dos catequistas.
      • Renovação litúrgica – destacando a dimensão celebrativa e festiva;
      • Inculturação da Liturgia.
      • Santidade de muitos presbíteros;
      • Testemunho de vida e trabalho missionário;
      • Criatividade pastoral;
      • Diaconato permanente;
      • Ministérios confiados aos Leigos;
      • Testemunho da Vida Consagrada.
      • Abnegada entrega de missionários na missão “Ad Gentes”.
      • Renovação pastoral nas paróquias;
      • Florescimento das CEB’s;
      • Valorização dos movimentos eclesiais e novas comunidades;
      • Pastoral Familiar / do Menor e / da Juventude.
      • Maior interesse pela formação teológica de leigos e leigas;
      • Novo impulso na Pastoral Social e na Pastoral da Comunicação.
      • Avanço na pastoral orgânica;
      • Desenvolvimento do diálogo ecumênico e inter-religioso;
      • Busca de espiritualidade, de oração e de mística;
      • Profundo sentimento de solidariedade.
      • Crescimento do número de católicos menor que o crescimento da população;
      • Aumento do Clero se distancia do crescimento da população;
      • Tentativas de voltar a uma eclesiologia e espiritualidade contrárias à renovação do Vaticano II;
      • Ausência de uma autêntica obediência, infidelidade à doutrina, à moral e à comunhão.
      Observamos também as SOMBRAS SOMBRAS
      • Escasso acompanhamento aos leigos em suas tarefas de serviço à sociedade;
      • Evangelização com pouco ardor; ritualismo; falta de formação dos agentes de pastoral; espiritualidade individualista;
      • Linguagem pouco significativa; falta de presença no campo da cultura, do mundo universitário e da comunicação social;
      • Dificuldades na sustentação econômica das estruturas pastorais.
      Observamos também as SOMBRAS SOMBRAS
      • Perda do sentido da vida e abandono da religião; católicos que deixam a Igreja para aderir a outros grupos religiosos;
      • Grande quantidade de grupos pseudocristãos
      • Falta de coerência evangélica – estilo de vida incompatível com a verdade e a caridade;
      • Falta coração, persistência e docilidade para continuar a renovação do Vaticano II.
      Observamos também as SOMBRAS SOMBRAS
    • II Parte do Documento
      • Título : “ A vida de Jesus Cristo nos discípulos missionários”.
      • Foco do texto : da fé em Jesus Cristo como fonte de vida para os homens e as mulheres percorrem o caminho do discipulado missionário
    • A alegria de ser discípulos missionários para anunciar o Evangelho de Jesus Cristo
      • A Boa Nova da dignidade humana ;
      • A Boa Nova da vida;
      • A Boa Nova da família;
      • A Boa Nova da atividade humana;
      • A Boa Nova do destino universal dos bens e da ecologia;
      • O Continente da esperança e do amor.
    • CAMINHO, VERDADE E VIDA JESUS Primeiro e maior evangelizador Missionários Para proclamar O Evangelho de Jesus, a Boa Nova da dignidade humana, da vida, da família, do trabalho, da ciência e da solidariedade Envia-nos como
    • Deus nos criou à sua imagem e semelhança Associou-nos à continuidade da obra da Criação Devemos trabalhar incansavelmente na defesa da dignidade da pessoa, especialmente dos pobres e marginalizados A Boa Nova da dignidade humana
    • A vida é dom e é dignificada quando é posta a serviço dos outros. Todo ser humano tem direito à vida, do início até o seu fim natural.
      • Vida sem sentido
      • Desespero da morte
      • Idolatria dos bens
      • Subjetivismo hedonista
      • Individualismo
      • Exclusão
      • Estruturas de morte
      • Natureza ameaçada
      • Intimidade com Deus
      • Ressurreição - VIDA
      • Vida em Deus
      • Entrega a vida - doação
      • Viver e caminhar juntos
      • Vida digna para todos
      • Vida plena
      • Cuidar da terra
      A Boa Nova da Vida
    • RECIPROCIDADE COMPLEMENTARIDADE No seio de uma família, a pessoa descobre os motivos e o caminho para pertencer à família de Deus. A Boa Nova da família Deus criou o ser humano, homem e mulher FAMÍLIA “ Patrimônio da humanidade”
    • TRABALHO Discípulos Missionários PARTICIPAÇÃO DA TAREFA CRIADORA DE DEUS SERVIÇO AOS IRMÃOS E IRMÃS Garante a dignidade e a liberdade do homem – é a chave essencial de toda a “questão social”
      • Promovem a dignidade do trabalhador e do trabalho;
      • O justo reconhecimento de seus deveres e direitos;
      • Desenvolvem a cultura do trabalho;
      • Denunciam toda injustiça.
      A Boa Nova da atividade humana
    • A criação também é manifestação do amor providente de Deus; foi-nos entregue para que cuidemos dela e a transformemos em fonte de vida digna para todos. O discípulo missionários, a quem Deus confiou a criação, deve contemplá-la, cuidar dela e utilizá-la – deve promover uma ecologia humana aberta à transcendência. O destino universal dos bens exige a solidariedade com as gerações presentes e as futuras. A criação também é manifestação do amor providente de Deus; foi-nos entregue para que cuidemos dela e a transformemos em fonte de vida digna para todos. O discípulo missionários, a quem Deus confiou a criação, deve contemplá-la, cuidar dela e utilizá-la – deve promover uma ecologia humana aberta à transcendência. O destino universal dos bens exige a solidariedade com as gerações presentes e as futuras. A Boa Nova do destino universal dos bens e ecologia
    • RECONHECEMOS LOUVAMOS AO SENHOR
      • O Dom da vitalidade da Igreja
      • Sua opção pelos pobres;
      • Suas paróquias;
      • Suas comunidades;
      • Suas associações;
      • Seus movimentos eclesiais;
      • As novas comunidades;
      • Seus múltiplos serviços sociais e educativos
      Por ter feito deste continente um espaço de comunhão e comunicação de povos e culturas indígenas Toda a vida de nossos povos fundada em Cristo e redimida por Ele, pode olhar para o futuro com esperança e alegria, acolhendo o chamado do Papa Bento XVI: “Só da Eucaristia brotará a civilização do amor que transformará a America Latina e o Caribe para que, além de ser o Continente da esperança, seja também o Continente do amor!” O Continente da esperança e do amor
    • A vocação dos discípulos missionários à santidade
      • Chamados ao seguimento de Jesus Cristo ;
      • Parecidos com o Mestre;
      • Enviados a anunciar o Evangelho do Reino da Vida;
      • Animados pelo Espírito Santo.
    • A VOCAÇÃO DOS DISCÍPULOS MISSIONÁRIOS À SANTIDADE Não é o discípulo que elege o mestre, Mas é ele quem chama A resposta a seu chamado exige entrar na dinâmica do Bom Samaritano Acolhe os pequeninos Cura os leprosos Perdoa e liberta a mulher pecadora Fala com a Samaritana Seguindo a prática de Jesus Cristo
    • PARECIDOS COM O MESTRE No seguimento de Jesus Praticamos as bem-aventuranças O estilo de vida do próprio Jesus Seu amor e obediencia ao Pai Sua compaixão diante da dor Sua proximidade aos pobres Sua fidelidade à missão Seu amor serviçal; entrega da vida Identificar-se com Jesus é partilhar seu destino, inclusive até a cruz. Estimula-nos o testemunho de tantos missionários e mártires, de ontem e de hoje. JESUS CRISTO Mandamento do Amor
    • ENVIADOS A ANUNCIAR DO EVANGELHO DO REINO DA VIDA TODO DISCÍPULO É MISSIONÁRIO Jesus o faz partícipe de sua missão, ao mesmo tempo que o vincula a Ele como amigo e irmão não pode deixar de anunciar ao mundo que só Ele nos salva. JESUS LEIGOS CLARETIANOS CHAMADO RESPOSTA opção preferencial pelos pobres; a promoção humana integral ; a autêntica libertação cristã.
    • ANIMADOS PELO ESPÍRITO SANTO COMUNICOU O O mesmo e único Espírito guia e fortalece a Igreja No anúncio da Palavra; Na celebração da fé; No serviço da caridade. PENTECOSTES Experimenta a vitalidade divina que se expressa em diversos dons e carismas Jesus Ressuscitado
    • A comunhão dos discípulos missionários na Igreja
      • Chamados a viver em comunhão;
      • Lugares eclesiais para a comunhão;
      • Discípulos missionários com vocações específicas;
      • Os que deixaram a Igreja para se unir a outros grupos religiosos
      • Diálogo ecumênico e inter-religioso.
    • Os discípulos de Jesus são chamados a viver em comunhão Não há discipulado sem comunhão A comunhão é missionária e a missão é para a comunhão. A diversidade dos carismas é dom do Espírito Santo, que contribui para a comunhão, quando colocados à disposição dos demais. CHAMADOS A VIVER EM COMUNHÃO A Igreja “atrai” quando vive em comunhão
      • DIOCESES:
      • Lugar privilegiado da comunhão;
      • Primeiro âmbito da comunhão e da missão.
      • PARÓQUIAS:
      • São células vivas da igreja;
      • Espaços de iniciação cristã, educação e celebração da fé.
      • CEBs:
      • escolas que formam cristãos comprometidos com a fé;
      • Resgatam a experiência das primeiras comunidades;
      • Célula inicial de estruturação eclesial;
      • Palavra de Deus é a fonte de sua espiritualidade;
      • Fonte e semente de serviços e ministérios.
      • CONFERÊNCIAS EPISCOPAIS:
      • Espaço de discernimento solidário dos bispos sobre os grandes problemas da sociedade e da Igreja.
      Lugares eclesiais para a comunhão
    • Discípulos missionários de Jesus Sumo Sacerdote Discípulos missionários de Jesus Bom Pastor Discípulos missionários de Jesus Servidor Discípulos missionários de Jesus Luz do Mundo Discípulos missionários de Jesus Testemunha do Pai
      • Formam o Povo de Deus e participam das funções de CRISTO: sacerdote, profeta e rei;
      • Realizam, segundo sua condição, a missão de todo o povo cristão na Igreja e no mundo;
      • Necessitam de espaços de participação e ministérios, bem como de responsabilidades próprias, em uma Igreja onde todos sejam co-responsáveis;
      • Necessitam de uma sólida formação doutrinal, pastoral es espiritual;
      • Sua associações devem ser apoiadas pelos pastores, como sinal de esperança, ainda que com o devido discernimento.
      Discípulos missionários com vocações específicas BISPOS PRESBÍTEROS DIÁCONOS PERMANENTES LEIGOS E LEIGAS CONSAGRADOS E CONSAGRADAS LEIGOS E LEIGAS
      • Muita gente que passa para outros grupos religiosos espera encontrar respostas a suas inquietações e aspirações.
      • Os motivos não são doutrinais, mas vivenciais; não são dogmáticos, mas pastorais; não são teológicos, mas metodológicos de nossa Igreja.
      A Igreja precisa reforçar quatro eixos: Os que deixaram a Igreja para se unir a outros grupos religiosos A experiência religiosa A vivência comunitária A formação bíblico-doutrinal O compromisso missionário de toda a comunidade A experiência religiosa A vivência comunitária A formação bíblico-doutrinal O compromisso missionário de toda a comunidade
    • é consequência de uma eclesiologia de COMUNHÃO é antes de tudo um DOM do Espírito Santo IMPLICA CONVERSÃO DO CORAÇÃO E ORAÇÃO Diálogo ecumênico e inter-religioso ECUMENISMO UNIDADE
    • O caminho de formação dos discípulos missionários
      • Uma espiritualidade trinitária do encontro com Jesus Cristo;
      • O processo de formação dos discípulos missionários;
      • Iniciação à vida cristã e catequese permanente;
      • Lugares de formação para dos discípulos missionários.
    • O ENCONTRO COM JESUS A experiência batismal é o ponto de início de toda espiritualidade cristã que se funda na Trindade . Que nos permite superar o egoísmo e nos colocarmos plenamente ao serviço do outro. Para ser discípulo é preciso fazer a experiência do “encontro com Jesus”. A própria natureza do cristianismo consiste em reconhecer a presença de Jesus Cristo e SEGUI-LO .
    • Lugares de encontro com Jesus Cristo
      • Na Sagrada Escritura;
      • Na Liturgia;
      • No Sacramento da Reconciliação;
      • Na Oração Pessoal e Comunitária;
      • No meio de uma Comunidade viva;
      • Na Fé e no Amor fraterno;
      • Naqueles que dão testemunho de luta pela justiça, pela paz e pelo bem comum;
      • Nos acontecimentos da vida de nossos povos;
      • Nos pobres, aflitos e enfermos
      No reconhecimento desta presença e proximidade, e na defesa dos direitos dos excluídos, encontra-se a fidelidade da Igreja a Jesus Cristo.
    • Processo de formação dos discípulos missionários Deve estar pautado em cinco aspectos:
      • O encontro com Jesus Cristo
      • A conversão
      • O discípulado
      • A comunhão
      • A missão
      O querigma como iniciação cristã Mudança na forma de pensar e viver Amadurecimento do seguimento Inserção na comunidade Necessidade de partilhar com os outros a alegria de ser enviado
    • Uma formação em QUATRO DIMENSÕES, integradas harmonicamente ao longo do processo A dimensão humana e comunitária A dimensão espiritual A dimensão intelectual A dimensão pastoral e missionária
    • Lugares de formação para os discípulos missionários 1. 2. 3. FAMÍLIA PARÓQUIAS PEQUENAS COMUNIDADES ECLESIAIS Primeira escola da fé “ Escola de comunhão” Para que sejam centro de irradiação missionária, devem ser lugares de formação permanente. Ambientes propícios para viver a fraternidade, para a oração, para aprofundar processos de formação na fé e para fortalecer o compromisso de ser apóstolo na sociedade de hoje.
    • 4. 5. SEMINÁRIOS E CASAS DE FORMAÇÃO MOVIMENTOS ECLESIAIS Oportunidades para que muitas pessoas distantes possam ter uma experiência de encontro vital com Jesus e recuperem sua identidade batismal e sua ativa participação na vida da Igreja A Pastoral Vocacional começa na família e continua na comunidade. É urgente dedicar cuidado especial à Pastoral Vocacional Lugares de formação para os discípulos missionários
    • Reino de Deus e promoção da dignidade humana
      • A promoção da vida plena em Cristo nos leva a assumir as tarefas prioritárias que contribuem com a dignificação de todos os seres humanos.
      • É urgente criar estruturas que consolidem uma ordem social, econômica e política, inclusiva de todos
      • É tarefa da Igreja ajudar com a pregação, a catequese, a denúncia e o testemunho do amor e da justiça
      • A fidelidade ao Evangelho nos exige proclamar em todos os areópagos a verdade sobre o ser humano e a dignidade de toda pessoa.
    • Reino de Deus e promoção da dignidade humana
      • Somos chamados a contemplar,
      • nos ROSTOS SOFREDORES de nossos irmãos,
      • o ROSTO DE CRISTO que nos chama a serví-lo neles.
      Estes rostos interpelam a essência do ser da Igreja, da pastoral e de nossas atitudes cristãs.
    • Aparecida