Processo de Retificação com
Carboneto de Silício

PROCESSAMENTO DE MATERIAIS CERÂMICOS
INTRODUÇÃO
O Carboneto de silício é um composto químico de silício e carbono.
Grãos de carboneto de silício podem ser agre...
OBJETIVO
O objetivo do trabalho é fazer uma breve introdução sobre o processo de
retificação e estudar a influência da apl...
DESENVOLVIMENTO
Os rebolos moldados se constituem de dois elementos
básicos: o material abrasivo (GRÃO) e o aglomerante (L...
As ligas, conhecidas também como aglutinantes, é o elemento
que tem como função ligar os grãos abrasivos entre si formando...
O Grão é classificado segundo o número de malhas por
polegada quadrada da
peneira classificada.
Empregam-se os seguintes g...
As Durezas são representadas por letras e aumenta a ordem
alfabética.

A dureza dos rebolos não significa o grão, que é se...
A Estrutura ou porosidade é o espaçamento deixado
entre grãos e a liga.
São verdadeiros "vácuos" e agem como respiradouros...
Com relação aos processos, a retificação pode ser:
FRONTAL: Processo de retificação executado com a
face do rebolo.
Geralm...
A retificadora é uma máquina empregada na usinagem de peças
para dar às suas
superfícies uma exatidão maior e um melhor ac...
DISCUSSÕES
Os objetivos principais de se aplicar grãos abrasivos de carboneto de silício
nos
rebolos de retificação é redu...
Já em operações de acabamento, o ideal é que o rebolo de carboneto de
silício
seja vitrificado, ou seja, mais duro, devido...
CONCLUSÃO

Analisando materiais e peças que podem ser retificados com ou sem
tratamento
térmico; tipo de usinagem a fazer,...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Apresentação materias

1,200 views
985 views

Published on

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
1,200
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
17
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Apresentação materias

  1. 1. Processo de Retificação com Carboneto de Silício PROCESSAMENTO DE MATERIAIS CERÂMICOS
  2. 2. INTRODUÇÃO O Carboneto de silício é um composto químico de silício e carbono. Grãos de carboneto de silício podem ser agregados por sinterização, formando uma cerâmica muito dura. Algumas propriedades: • Baixa densidade • Alto grau de dureza • Alta condutividade térmica • Baixo coeficiente de expansão linear • Excelente resistência ao choque térmico • Resistente à corrosão e ao desgaste mesmo em altas temperaturas Na indústria, o carboneto de silício é muito utilizado no setor de processos de fabricação por retificação, na produção de peças com exigências de acabamento, tolerâncias dimensionais extremas e/ou componente exigindo rigidez, onde o material a ser usinado é bastante duro, ou é muito frágil. PROCESSAMENTO DE MATERIIS CERÂMICOS
  3. 3. OBJETIVO O objetivo do trabalho é fazer uma breve introdução sobre o processo de retificação e estudar a influência da aplicação do abrasivo de carboneto de silício em um rebolo de corte em operações de retificação, demonstrando suas características, suas propriedades como: dureza, friabilidade, granulometria; em qual tipo de processo é utilizado: desbaste ou acabamento; tipo de rebolo empregado: resinoide ou vitrificado; a porosidade do rebolo, e quais os tipos de matérias retifica. PROCESSAMENTO DE MATERIIS CERÂMICOS
  4. 4. DESENVOLVIMENTO Os rebolos moldados se constituem de dois elementos básicos: o material abrasivo (GRÃO) e o aglomerante (LIGA). O trabalho enfatizará a utilização do grão abrasivo de carboneto de silício que possui dureza 10 da nova escala Mohs. Figura 1: Rebolos de Carboneto de Silício e Óxido de Alumínio PROCESSAMENTO DE MATERIIS CERÂMICOS
  5. 5. As ligas, conhecidas também como aglutinantes, é o elemento que tem como função ligar os grãos abrasivos entre si formando assim uma massa aglutinante (ferramenta abrasiva). Podem ser do tipo mineral ou vitrificado (V), resinoide ou baquelite (B), borracha (R) e goma-laca (E), cada tipo tendo as suas finalidades, subdividas por letras para permitir a classificação do rebolo. A Liga Vitrificada é uma liga inorgânica, constituída de argila, quartzo e feldspato, e que após combinados quimicamente e submetidos a temperaturas da ordem de 1200ºC, formam uma estrutura vitrificada de extrema rigidez, porém frágil contra impactos e grandes pressões de trabalho. Apresentam friabilidade no corte e manutenção de seu perfil de corte por maior tempo ,sendo mais utilizada para retificações de precisão. A Liga Resinóide é uma liga que se caracteriza por conferir às ferramentas abrasivas após polimerização, uma elevada resistência e resiliência. Para operações refrigeradas em retíficas de precisão, o PH do líquido refrigerante deve estar na faixa de 8,5~9,0, evitando-se desta forma a degradação da liga. As ligas resinóides são normalmente empregadas em operações de corte, operações severas de desbaste operações de precisãoDE MATERIIS como abertura PROCESSAMENTO de canais em ferramentas de corte. CERÂMICOS
  6. 6. O Grão é classificado segundo o número de malhas por polegada quadrada da peneira classificada. Empregam-se os seguintes grãos neste processo: Figura 2: Tabela de Granulometria PROCESSAMENTO DE MATERIIS CERÂMICOS
  7. 7. As Durezas são representadas por letras e aumenta a ordem alfabética. A dureza dos rebolos não significa o grão, que é sempre uniforme, mas indica a aderência dos grãos abrasivos ao aglomerante. Um bom rebolo deve ter seus grãos desagregados da liga quando começam a perder seu corte, expondo ao trabalho novos grãos, de corte mordente (friabilidade). Figura 4: Tabela de Dureza do Grão PROCESSAMENTO DE MATERIIS CERÂMICOS
  8. 8. A Estrutura ou porosidade é o espaçamento deixado entre grãos e a liga. São verdadeiros "vácuos" e agem como respiradouros do rebolo, quando no trabalho dão um corte mais frio, facilitando a refrigeração. São fabricados rebolos especiais cuja porosidade alcança 50% do volume do rebolo. A marcação dos rebolos nas etiquetas de papelão é na seguinte ordem: Figura 5: Marcação na etiqueta do rebolo PROCESSAMENTO DE MATERIIS CERÂMICOS
  9. 9. Com relação aos processos, a retificação pode ser: FRONTAL: Processo de retificação executado com a face do rebolo. Geralmente executado em superfícies planas, perpendicular ao eixo do rebolo pode ser executado com avanço retilíneo e circular da peça; CILÍNDRICA: Processo tangencial no qual a superfície retificada é cilíndrica. Pode ser interna, externa de revolução ou não; CÔNICO: Processo tangencial no qual a superfície usinada é uma superfície cônica. Da mesma forma que o processo cilíndrico, pode ser subdividido em avanço longitudinal da peça, avanço radial do rebolo, avanço circular do rebolo e avanço longitudinal do rebolo; PERFIL: Processo tangencial no qual a superfície retificada é uma superfície com sua forma gerada pelo perfil do rebolo; PLANA: Processo tangencial no qual a superfície retificada é uma superfície PROCESSAMENTO DE MATERIIS plana; CERÂMICOS
  10. 10. A retificadora é uma máquina empregada na usinagem de peças para dar às suas superfícies uma exatidão maior e um melhor acabamento do que as conseguidas máquinas convencionais. Há basicamente três tipos de retificadora: a plana, a cilíndrica universal e a cilíndrica sem centros (centerless). Quanto ao movimento, em geral as retificadoras podem ser manuais, semiautomáticas e automáticas. No caso da centerless, ela é automática, pois se trata de uma máquina utilizada para a produção em série. PROCESSAMENTO DE MATERIIS CERÂMICOS
  11. 11. DISCUSSÕES Os objetivos principais de se aplicar grãos abrasivos de carboneto de silício nos rebolos de retificação é reduzir rugosidades ou saliências e rebaixos de superfícies usinadas com máquinas-ferramenta dar à superfície da peça a exatidão de medidas que permitirá obter peças semelhantes que possam ser substituídas umas pelas outras. Em geral, os grãos abrasivos de carboneto de silício devem ser muito duros, para que tenham gumes afiados (aresta vivas) por muito tempo; termicamente estáveis, para resistir às altas temperaturas de usinagem; quimicamente estáveis, diante de altas temperaturas, altas pressões de usinagem, na presença do ar, fluido de corte e material da peça. Quando se pretende fazer uma operação de desbaste, onde a quantidade de material removido (cavaco) é grande, o ideal é que o rebolo de carboneto de silício seja resinoide, pois a velocidade de corte aplicada é baixa, a profundidade de corte é alta e consequentemente as forças de corte também PROCESSAMENTO DE MATERIIS são altas, sendo necessária a aplicação de um rebolo que resista as forças CERÂMICOS
  12. 12. Já em operações de acabamento, o ideal é que o rebolo de carboneto de silício seja vitrificado, ou seja, mais duro, devido aos baixos esforços de corte gerados pelas baixas profundidades de corte, evitando variações dimensionais no acabamento final da peça. Os grãos devem ter alta friabilidade, quebrando com maior facilidade e se soltando com maior dificuldade. Os grãos abrasivos devem ser menores gerando menor rugosidade na peça e melhorando o acabamento. PROCESSAMENTO DE MATERIIS CERÂMICOS
  13. 13. CONCLUSÃO Analisando materiais e peças que podem ser retificados com ou sem tratamento térmico; tipo de usinagem a fazer, com retificadora plana ou cilíndrica universal. E também os cinco elementos do rebolo: abrasivo, granulação, aglomerante, grau de dureza e estrutura. Depois de analisar os elementos, é capaz de escolher o rebolo eficiente para a superfície que deseja retificar. A escolha de carboneto de silício é para um melhor acabamento, com menos rugosidades ou saliências nas superfícies das peças retificadas. Por isso o carboneto de silício deve ser muito duro, para que tenham arestas de cortes afiadas por muito tempo; termicamente estáveis, para resistir às altas temperaturas de usinagem; quimicamente estáveis, diante de altas temperaturas, altas pressões de usinagem, na presença do ar, fluido de corte e material da peça. Com base nos estudos apresentados foi capaz de perceber que o PROCESSAMENTO DE MATERIIS aglomerante CERÂMICOS usado depende do processo de retificação escolhido, resinoide ou vitrificado.

×