Your SlideShare is downloading. ×
Geertz   transição para humanidade
Geertz   transição para humanidade
Geertz   transição para humanidade
Geertz   transição para humanidade
Geertz   transição para humanidade
Geertz   transição para humanidade
Geertz   transição para humanidade
Geertz   transição para humanidade
Geertz   transição para humanidade
Geertz   transição para humanidade
Geertz   transição para humanidade
Geertz   transição para humanidade
Geertz   transição para humanidade
Geertz   transição para humanidade
Geertz   transição para humanidade
Geertz   transição para humanidade
Geertz   transição para humanidade
Geertz   transição para humanidade
Geertz   transição para humanidade
Geertz   transição para humanidade
Geertz   transição para humanidade
Geertz   transição para humanidade
Geertz   transição para humanidade
Geertz   transição para humanidade
Geertz   transição para humanidade
Geertz   transição para humanidade
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Geertz transição para humanidade

1,941

Published on

0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
1,941
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
21
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. CLIFFORD GEERTZ: - A TRANSIÇÃO PARA A HUMANIDADE
  • 2. Transição para a Humanidade  Tema constante nas ciências humanas: questionamento sobre o parentesco do homem com outros animais.  Duas grandes revoluções intelectuais: 1. Revolução copernicana - séc. XVI. Visão heliocêntrica do mundo - Copérnico 2. Revolução darwiniana - séc. XIX - homem como parte da natureza - e não como sobrenatural.
  • 3. Transição para a Humanidade - DEBATE GIRA EM TORNO DA NATUREZA E DO GRAU DE PROXIMIDADE: a) Ciências Biológicas (Zoologia, Paleontologia) - enfatizam tal parentesco - evolução como processo biológico mais ininterrupto - homem como uma das mais interessantes formas que a vida assumiu, tal como o dinossauro. - Unidade intrínseca ao mundo orgânico, universalidade absoluta dos princípios (como o da evolução).
  • 4. Transição para a Humanidade - debate gira em torno da natureza e do grau de proximidade: b) Ciências Sociais (Antropologia, Psicologia, Sociologia, Ciência Política) - não negam a natureza animal do homem. - Visto como sendo o único diferente em “grau” e em “espécie”. - Fabrica instrumentos, fala, adota símbolos, tem consciência histórica, da finitude, de outros mundos, tem valores, senso moral e CULTURA. Obs.: mitologia científica - separação natureza e cultura. Antropologia aponta para outro caminho.
  • 5. Tempo geológico - coluna do tempo geológico é dividida em Éons, Eras, Períodos e Épocas. - divisão não é arbitrária reflete grandes acontecimentos que ocorreram nas histórias geológica e biológica da Terra. - éons Arqueano e Proterozóico correspondem a grupos de rochas ígneas e metamórficas que formam grande volume da crosta continental, com um registro fóssil escasso, composto somente de seres microscópicos. - No final do Proterozóico é que começaram a aparecer os primeiros seres multicelulares. - o on Fanerozóico significa “vida visível”, refletindo a fase em que a vida se tornou abundante no planeta.
  • 6. Tempo geológico - As três Eras do on Fanerózóico - Paleozóica, Mesozóica e Cenozóica ilustram um momento especial da história da Terra e o limite entre as Eras é pautado por eventos de extinção em massa. - Era Cenozóica significa “vida recente”.
  • 7. Transição para a Humanidade  PALEOCENO (65 milhões de anos – dominação dos mamíferos)  EOCENO (55 milhões de anos - tronco comum)  OLIGOCENO (36 milhões de anos - início do ramo dos seres humanos e divisão dos primatas)  MIOCENO (23 milhões de anos)  PLIOCENO (2 a 5 milhões de anos)  PLEISTOCENO (1,8 milhão a 11.000 anos atrás – expansão do Homo Sapiens e ao final os seres humanos tinham se espalhado por quase todo o mundo – Homo sapiens neandertais ) Obs.: mudanças decorrentes do clima, geografia global (extinções, especiação ou divisão de linhagens e migrações), impacto de cometa/asteroide - radiações adaptativas.
  • 8. PRIMÓRDIOS DOS HOMINÍDIOS 1. Homo habilis (2,4 milhões de anos) - mão completa; estrutura compatível com a habilidade de fazer e utilizar ferramentas. 2. Homo Erectus (australopitecos africano - 2 milhões de anos) - ancestral direto do homo sapiens - Plioceno. 3. Homo sapiens neandertais - (homem da caverna) - 500mil anos - língua falada. 4. Homo sapiens sapiens - homem moderno (+/- 400 mil anos).
  • 9. PRIMÓRDIOS DOS HOMINÍDEOS
  • 10. Sobre os hominídeos Bipedismo + visão estereoscópica + uso das mãos = cultura Bipedismo + visão estereoscópica + uso das mãos + cultura = homem
  • 11. A transição para a Humanidade  Antropologia Americana - desenvolve trabalhos nos dois campos – compreender a condição humana: 1. evolução física; 2. significados culturais - enfoque sobre a origem da cultura a partir da história da evolução física do homo sapiens. - Não separação entre natureza e cultura. (32). - traçam-se etapas da evolução (de um ancestral primata comum ao homem moderno).
  • 12. Teoria do ponto crítico  Teoria do ponto crítico - Kroeber: capacidade de adquirir cultura - acontecimento súbito, completo salto quantitativo na filogenia dos primatas - evolução das unidades taxionômicas - alteração orgânica prodigiosa. (33). - mudança na estrutura cortical capacitando o animal a exprimir-se, aprender, ensinar e fazer generalizações. - cultura nasce e prossegue independente da evolução orgânica. Humanização de um ramo da família primata (alterações em termos anatômicos e genéticos). - surgimento repentino da condição humana. (33)
  • 13. Razões da teoria do ponto crítico 1. Abismo entre a capacidade mental do homem e a de seus parentes vivos mais próximos (os grandes símios)  capacidade de falar, adotar símbolos, fabricação de instrumentos. Ex. experiência de socialização entre um chimpanzé e uma criança - o primeiro não falou e o segundo sim. Ao final, Geertz mostra que a distância entre o homem e os símios é grande.
  • 14. Razões da teoria do ponto crítico 2. Linguagem, abstração e simbolização - assuntos bem definidos e excludentes - ou fala ou não fala. - Processos realizados na totalidade e não pela metade. - série de saltos na passagem da simples atividade reflexa para as respostas condicionadas e comportamento complexo em resposta a determinado sinal e daí para o pensamento simbólico.
  • 15. Razões da teoria do ponto crítico 3. Unidade psíquica do homem - deduz que a cultura já surgiu completa anteriormente. - Relaciona-se com a tese de que não há grandes diferenças na natureza do processo mental das raças humanas (34). - igualdade na condição da capacidade de adquirir cultura das diferentes espécies de hominídeos. - Kroeber - sobre o Homem - quase completo neurologicamente antes que a cultura tivesse começado a se desenvolver - capacidade biológica necessária à aquisição de cultura era tida como algo que não admitia meio termo.
  • 16. Crítica à teoria do ponto crítico  Crítica paleontológica à teoria do ponto crítico - análise de restos fósseis (Eugene Du Bois): - formação do corpo humano realizada aos poucos - dispersão hominídea pela locomoção bipedal como grande transformação na estrutura e na função do sistema locomotor  modificação de ossos, da musculatura - pressões seletivas para permitir postura ereta e a marcha bipedal (46) - processo de hominização - aumento da área de habitação e defesa dos limites do território para evitar ameaça à alimentação; organização em bandos; grupos familiares: parentesco, proibição do incesto; divisão do trabalho.
  • 17. Crítica à teoria do ponto crítico  “Homens australoptecus” - formação da pelve e da perna e a capacidade craniana. - Sistema de locomoção bipedal “tipo homem” e de um cérebro “tipo macaco” (35). - “proto-homens” - mais ou menos eretos, dotados de pequenos cérebros, não necessitando usar as mãos para locomoção, manufaturavam instrumentos e caçavam pequenos animais. - capazes de adquirir alguns (e não todos) elementos de cultura. - capacidade de adquirir cultura surgiu gradual e continuamente (36). - logo a maior parte do crescimento cortical humano foi posterior e não anterior ao “início” da cultura.
  • 18. Crítica à teoria do ponto crítico “Homens australoptecus” Crânios 1. Gorilla 2. Australopithecus 3. Homo erectus 4. Neanderthal (La Chapelle aux Saints) 5. Steinheim Skull 6. Euhominid
  • 19. Crítica à teoria do ponto crítico  “Homens-macacos australoptecus” - formação da pelve e da perna e a capacidade craniana. - Sistema de locomoção bipedal “tipo homem” e de um cérebro “tipo macaco” (35). - “proto-homens” - mais ou menos eretos, dotados de pequenos cérebros, não necessitando usar as mãos para locomoção, manufaturavam instrumentos e caçavam pequenos animais. - capazes de adquirir alguns (e não todos) elementos de cultura. Dúvidas sobre a teoria do ponto crítico - não surgimento completo da cultura. - capacidade de adquirir cultura surgiu gradual e continuamente (36). - logo a maior parte do crescimento cortical humano foi posterior e não anterior ao “início” da cultura.
  • 20. Crítica à teoria do ponto crítico  Desenvolvimento cultural processava-se bem antes de cessar o desenvolvimento orgânico - natureza do homem torna-se não apenas o produtor da cultura e num sentido especificamente biológico, o produto da cultura. - pressões seletivas das fases terminais da evolução do animal humano foram determinadas pelas fases iniciais do desenvolvimento da cultura humana e não simplesmente pela força do meio ambiente.
  • 21. Crítica à teoria do ponto crítico - aptidões, habilidades, disposições dependem do desenvolvimento do sistema nervoso. - inter-relação de mudanças culturais e biológicas (37). - constituição genética e inata do homem é um produto cultural e biológico. (38). - Dúvidas sobre a teoria do ponto crítico - não surgimento completo da cultura. .
  • 22. Crítica à teoria do ponto crítico  Idade glacial - modificações rápidas e radicais no clima, nas formações terrestres e na vegetação. - Condições ideais para um rápido e eficiente desenvolvimento evolutivo do homem. - meio cultural passou a ser suplementar ao meio ambiente natural no processo seletivo, intensificando e acelerando o processo de evolução do homem.
  • 23. Crítica à teoria do ponto crítico  Cultura como componente das capacidades. - forjaram as principais características humanas: 1. sistema nervoso encefálico; 2. estrutura social baseada na Proibição do Incesto; 3. capacidade de criar e utilizar símbolos. - Implicação - sistema nervoso do homem o torna apto a adquirir cultura como exige para funcionar que o homem adquira essa cultura. - cultura e mente - cérebro do homo sapiens não seria viável fora da estrutura cultural humana (38).
  • 24. Conclusão  Estabelece-se o caráter distinto da linhagem hominídea (5 a 20 milhões de anos). - postulado da existência de diferenças na capacidade de adquirir cultura não contradiz com o fato de que não há diferenças significativas na capacidade mental inata das várias raças humanas atuais (40).  Idade glacial favoreceu a formação mental do homem, produzindo a natureza humana  interação das fases iniciais do desenvolvimento cultural com as fases culminantes da transformação biológica. - capacidade de adquirir cultura foi forjada por longo período à medida que o homem criava seus instrumentos, tornando explícita a doutrina da unidade física. (41).
  • 25.  Implicações na nova maneira de encarar a cultura: 1. Ambiente cultural como fator indispensável da existência das capacidades; 2. Sem o homem não haveria formas de cultura; sem formas de cultura não haveria o homem. - instrumentos, caça, organização familiar, arte, religião moldaram somaticamente o homem, necessários à sobrevivência e realização existencial. 3. Singularidade do homem no fato dele ter que aprender; imprescindível os padrões orientadores. Cognição depende da existência de modelos simbólicos externos da realidade - sem a orientação das ideias aceitas encontradas nos ritos, no mito e na arte não saberíamos como sentir. (42). 4. Ideias e emoções são artefatos culturais.

×