Your SlideShare is downloading. ×
Workshop de Finanças - Mentoring Desafio Brasil 2009
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Workshop de Finanças - Mentoring Desafio Brasil 2009

1,985
views

Published on

Workshop de Finanças feito por Caio Ramalho para os participantes do 2º dia de Mentoring do Desafio Brasil 2009. …

Workshop de Finanças feito por Caio Ramalho para os participantes do 2º dia de Mentoring do Desafio Brasil 2009.

05 de setembro de 2009

Published in: Business

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
1,985
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
46
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. WORKSHOP FINANÇAS Desafio Brasil 2009 Prof: Caio Ramalho Setembro, 2009
  • 2. Workshop Finanças – Desafio Brasil 2009 Introdução ao ‘Valuation’ Pesquisa nos EUA sobre Ferramentas Utilizadas pelos CFOs Fonte: Graham and Harvey, “The Theory and Pratice of Finance Evidence from the Field”, Journal of Financial Economics 61 (2001) pp. 187-243 PROF: CAIO RAMALHO 2 SETEMBRO, 2009
  • 3. Workshop Finanças – Desafio Brasil 2009 VPL - Valor Presente Líquido Definição Implicações: VPL > 0 VPL = 0 VPL < 0 PROF: CAIO RAMALHO 3 SETEMBRO, 2009
  • 4. Workshop Finanças – Desafio Brasil 2009 VPL - Valor Presente Líquido (cont.) Exemplo: 57.900 57.900 57.900 57.900 57.900 0 1 2 3 4 5 -150.000 Taxa de Desconto = 18% a.p. PROF: CAIO RAMALHO 4 SETEMBRO, 2009
  • 5. Workshop Finanças – Desafio Brasil 2009 VPL - Valor Presente Líquido (cont.) Exemplo: 57.900 57.900 57.900 57.900 57.900 0 1 2 3 4 5 -150.000 VPL = FLC(1) + FLC(2) + FLC(3) + FLC(4) + FLC(5) - 150.000 (1+0,18)1 (1+0,18)2 (1+0,18)3 (1+0,18)4 (1+0,18)5 Onde FLC = 57.900 VP = 49.068 + 41.583 + 35.240 + 29.864 + 25.309 = 181.063 I0 = - 150.000 VPL = 31.063 PROF: CAIO RAMALHO 5 SETEMBRO, 2009
  • 6. Workshop Finanças – Desafio Brasil 2009 VPL - Valor Presente Líquido (cont.) Exemplo: 57.900 57.900 57.900 57.900 57.900 ... 0 1 2 3 4 5 -150.000 VPL = FLC(1) + FLC(2) + (1+0,18)1 (1+0,18)2 FLC(3) + FLC(4) + FLC(5) + (1+0,18)3 (1+0,18)4 (1+0,18)5 P - 150.000 Onde FLC = 57.900 e P = FLC(6) = 321.667 0,18 VP = 49.068 + 41.583 + 35.240 + 29.864 + 165.912 = 321.667 I0 = - 150.000 VPL = 171.667 PROF: CAIO RAMALHO 6 SETEMBRO, 2009
  • 7. Workshop Finanças – Desafio Brasil 2009 VPL - Valor Presente Líquido (cont.) Exemplo: 57.900 57.900 57.900 57.900 57.900 ... 0 1 2 3 4 5 -150.000 VPL = FLC(1) + FLC(2) + (1+0,18)1 (1+0,18)2 FLC(3) + FLC(4) + FLC(5) + (1+0,18)3 (1+0,18)4 (1+0,18)5 P - 150.000 Onde FLC = 57.900 e P = FLC(6) = 321.667 0,18 VP = 49.068 + 41.583 + 35.240 + 29.864 + 165.912 = 321.667 I0 = - 150.000 VPL = 171.667 vs. 31.063 PROF: CAIO RAMALHO 7 SETEMBRO, 2009
  • 8. Workshop Finanças – Desafio Brasil 2009 Fluxo de Caixa Descontado Definição: O valor intrínseco de um ativo pode ser estimado através do valor presente dos seus fluxos de caixa Principais informações necessárias: Determinar a vida dos ativos Estimar os fluxos de caixa e seu crescimento Definir a taxa de desconto (custo de capital) Vantagens x Desvantagens PROF: CAIO RAMALHO 8 SETEMBRO, 2009
  • 9. Workshop Finanças – Desafio Brasil 2009 Fluxo de Caixa Descontado (cont.) O que tenho que descontar afinal? Sempre olhe para os Fluxos de Caixa: contábil ≠ caixa!!! Seja consistente: real x nominal Estime os Fluxos de Caixa de forma incremental Lembre-se de alocar as despesas extras do projeto (‘overhead’) Desconsidere os custos afundados (‘sunk costs’) Depreciação: ‘tax shields’ Nunca esqueça do Capital de Giro!!! PROF: CAIO RAMALHO 9 SETEMBRO, 2009
  • 10. Workshop Finanças – Desafio Brasil 2009 Fluxo de Caixa Descontado – Taxa de Crescimento Sempre observe os dados históricos Compare com os dados setoriais e com a taxa de crescimento das empresas concorrentes Taxa de crescimento (g) e o efeito do reinvestimento PROF: CAIO RAMALHO 10 SETEMBRO, 2009
  • 11. Workshop Finanças – Desafio Brasil 2009 Fluxo de Caixa Descontado – Valor Terminal As empresas tem vida potencialmente infinita. Deve-se analisar o fluxo já estabilizado (modelo de 2 ou 3 estágios) Formas de cálculo: Modelo de crescimento estável Valor de liquidação Múltiplos PROF: CAIO RAMALHO 11 SETEMBRO, 2009
  • 12. Workshop Finanças – Desafio Brasil 2009 Introdução ao Custo de Capital Erros na taxa de desconto pode levar a graves erros de ‘Valuation’ Nunca misture os Fluxos de Caixa e as Taxas de Desconto! FCFE Custo do Acionista (Re) FCFF Custo Médio Ponderado de Capital (WACC) Taxa Nominal vs Real A taxa de desconto deve estar na mesma moeda dos fluxos que irão descontar PROF: CAIO RAMALHO 12 SETEMBRO, 2009
  • 13. Workshop Finanças – Desafio Brasil 2009 Fluxo de Caixa Descontado (cont.) Fluxo de Caixa do Acionista (FCFE): VS. Fluxo de Caixa da Firma (FCFF): PROF: CAIO RAMALHO 13 SETEMBRO, 2009
  • 14. Workshop Finanças – Desafio Brasil 2009 Custo do Acionista Risco Sistemático x Risco não-Sistemático CAPM: E(Re) = Rf + β x [E(Rm) – Rf] Onde, Rf Taxa livre de risco β Risco sistemático de um ativo com risco E(Rm) Retorno esperado do portfólio de mercado [E(Rm) – Rf] Prêmio de mercado Modelos alternativos PROF: CAIO RAMALHO 14 SETEMBRO, 2009
  • 15. Workshop Finanças – Desafio Brasil 2009 Custo do Acionista (cont.) Taxa livre de risco: Títulos do Governo (curto prazo x longo prazo) Problemas dos mercados emergentes Beta: Como calcular e problemas no cálculo Impacto da sazonalidade e da alavancagens (financeira e operacional) Beta alavancado e desalavancado Retorno esperado do portfólio de mercado: Dificuldade dos mercados emergentes Cálculos alternativos Exposição das empresas à mais de 1 mercado PROF: CAIO RAMALHO 15 SETEMBRO, 2009
  • 16. Workshop Finanças – Desafio Brasil 2009 WACC: Custo Médio Ponderado de Capital Custo Médio Ponderado de Capital: WACC = Re x We + Rd x Wd x (1–T) Onde, Re Custo do acionista We Proporção de capital próprio no capital total Rd Custo da dívida Wd Proporção de capital de terceiros no capital total T Alíquota de imposto PROF: CAIO RAMALHO 16 SETEMBRO, 2009
  • 17. Workshop Finanças – Desafio Brasil 2009 WACC: Custo Médio Ponderado de Capital (cont.) Proporção do capital próprio: Valor das ações x valor contábil Proporção da dívida: Valor de mercado x valor contábil Custo da dívida Custo de mercado Alternativas PROF: CAIO RAMALHO 17 SETEMBRO, 2009
  • 18. Workshop Finanças – Desafio Brasil 2009 Principais Procedimentos Análise dos Resultados Históricos Projeção da Performance Futura Determinação da Taxa de Desconto Estimativa do Valor Residual Cálculo e Interpretação dos Resultados PROF: CAIO RAMALHO 18 SETEMBRO, 2009
  • 19. Workshop Finanças – Desafio Brasil 2009 Análise dos Resultados Históricos Principais aspectos Macro: Análise das influências dos fatores macroeconômicos Estudo de dados sobre o setor Identificação dos principais concorrentes, fornecedores e clientes, além das barreiras de entrada, vantagens competitivas, etc Principais aspectos Micro: Entendimento da estrutura de capital e da Governança Corporativa Identificação dos executivos-chave (incluindo entrevistas) Análise dos demonstrativos financeiros (incluindo notas explicativas) Identificação e análise dos principais ‘value drivers’ Leitura e entendimento dos principais contratos PROF: CAIO RAMALHO 19 SETEMBRO, 2009
  • 20. Workshop Finanças – Desafio Brasil 2009 Análise dos Resultados Históricos (cont.) Durante a análise dos demonstrativos financeiros devemos observar, entender e ajustar: Receitas e despesas não-recorrentes (‘one-time’) Fluxos negativos Receitas e despesas financeiras tratadas como resultados operacionais, e vice-versa (ex. Leasing, CPMF) Investimentos vs. Despesas (ex. P&D) Outras contas (ex. Bônus) PROF: CAIO RAMALHO 20 SETEMBRO, 2009
  • 21. Workshop Finanças – Desafio Brasil 2009 Projeção da Performance Futura Principais passos da projeção: 1. Determinação do período de projeção 2. Observação e introdução de dados macro-econômicos e setoriais 3. Modelagem da linha de receita (preços x quantidades) e impostos 4. Projeção dos custos variáveis e fixos 5. Determinação do capital de giro, capex e eventuais ajustes 6. Fechamento do DRE, Balanço e Fluxo de Caixa (inter-relação) PROF: CAIO RAMALHO 21 SETEMBRO, 2009
  • 22. Workshop Finanças – Desafio Brasil 2009 Projeção da Performance Futura (cont.) Repensar nos principais fatores de influência identificados durante a análise histórica (i.e. aspectos Macro e Micro) e como eles se relacionam Checagem se as projeções estão razoáveis: análise vertical e horizontal Desenvolvimento de cenários alternativos e análise de sensibilidade PROF: CAIO RAMALHO 22 SETEMBRO, 2009
  • 23. Workshop Finanças – Desafio Brasil 2009 Projeção da Performance Futura (cont.) Análise de Sensibilidade Análise de Cenários SE BA VPL @10% = $ 3,43 bi O RI NÁ CE CE NÁ R IO OT IM IST A VPL @10% = $ 5,77 bi PROF: CAIO RAMALHO 23 SETEMBRO, 2009
  • 24. Workshop Finanças – Desafio Brasil 2009 Outros Métodos - Avaliação Relativa ou por Múltiplos Definição: O valor intrínseco de um ativo é muito difícil de ser estimado e é determinado apenas pelo que o próprio mercado está disposto a pagar. Informações necessárias: Ativos comparáveis Medidas padronizadas de valor (múltiplos) Controle das diferenças entre os ativos Vantagens x Desvantagens PROF: CAIO RAMALHO 24 SETEMBRO, 2009
  • 25. Workshop Finanças – Desafio Brasil 2009 Outros Métodos – TIR ou IRR Definição Premissa: Taxa de Desconto constante ao longo de todo o projeto Vantagens x Desvantagens PROF: CAIO RAMALHO 25 SETEMBRO, 2009

×