Workshop de Finanças - Mentoring Desafio Brasil 2009

2,321 views

Published on

Workshop de Finanças feito por Caio Ramalho para os participantes do 2º dia de Mentoring do Desafio Brasil 2009.

05 de setembro de 2009

Published in: Business
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
2,321
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
5
Actions
Shares
0
Downloads
49
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Workshop de Finanças - Mentoring Desafio Brasil 2009

  1. 1. WORKSHOP FINANÇAS Desafio Brasil 2009 Prof: Caio Ramalho Setembro, 2009
  2. 2. Workshop Finanças – Desafio Brasil 2009 Introdução ao ‘Valuation’ Pesquisa nos EUA sobre Ferramentas Utilizadas pelos CFOs Fonte: Graham and Harvey, “The Theory and Pratice of Finance Evidence from the Field”, Journal of Financial Economics 61 (2001) pp. 187-243 PROF: CAIO RAMALHO 2 SETEMBRO, 2009
  3. 3. Workshop Finanças – Desafio Brasil 2009 VPL - Valor Presente Líquido Definição Implicações: VPL > 0 VPL = 0 VPL < 0 PROF: CAIO RAMALHO 3 SETEMBRO, 2009
  4. 4. Workshop Finanças – Desafio Brasil 2009 VPL - Valor Presente Líquido (cont.) Exemplo: 57.900 57.900 57.900 57.900 57.900 0 1 2 3 4 5 -150.000 Taxa de Desconto = 18% a.p. PROF: CAIO RAMALHO 4 SETEMBRO, 2009
  5. 5. Workshop Finanças – Desafio Brasil 2009 VPL - Valor Presente Líquido (cont.) Exemplo: 57.900 57.900 57.900 57.900 57.900 0 1 2 3 4 5 -150.000 VPL = FLC(1) + FLC(2) + FLC(3) + FLC(4) + FLC(5) - 150.000 (1+0,18)1 (1+0,18)2 (1+0,18)3 (1+0,18)4 (1+0,18)5 Onde FLC = 57.900 VP = 49.068 + 41.583 + 35.240 + 29.864 + 25.309 = 181.063 I0 = - 150.000 VPL = 31.063 PROF: CAIO RAMALHO 5 SETEMBRO, 2009
  6. 6. Workshop Finanças – Desafio Brasil 2009 VPL - Valor Presente Líquido (cont.) Exemplo: 57.900 57.900 57.900 57.900 57.900 ... 0 1 2 3 4 5 -150.000 VPL = FLC(1) + FLC(2) + (1+0,18)1 (1+0,18)2 FLC(3) + FLC(4) + FLC(5) + (1+0,18)3 (1+0,18)4 (1+0,18)5 P - 150.000 Onde FLC = 57.900 e P = FLC(6) = 321.667 0,18 VP = 49.068 + 41.583 + 35.240 + 29.864 + 165.912 = 321.667 I0 = - 150.000 VPL = 171.667 PROF: CAIO RAMALHO 6 SETEMBRO, 2009
  7. 7. Workshop Finanças – Desafio Brasil 2009 VPL - Valor Presente Líquido (cont.) Exemplo: 57.900 57.900 57.900 57.900 57.900 ... 0 1 2 3 4 5 -150.000 VPL = FLC(1) + FLC(2) + (1+0,18)1 (1+0,18)2 FLC(3) + FLC(4) + FLC(5) + (1+0,18)3 (1+0,18)4 (1+0,18)5 P - 150.000 Onde FLC = 57.900 e P = FLC(6) = 321.667 0,18 VP = 49.068 + 41.583 + 35.240 + 29.864 + 165.912 = 321.667 I0 = - 150.000 VPL = 171.667 vs. 31.063 PROF: CAIO RAMALHO 7 SETEMBRO, 2009
  8. 8. Workshop Finanças – Desafio Brasil 2009 Fluxo de Caixa Descontado Definição: O valor intrínseco de um ativo pode ser estimado através do valor presente dos seus fluxos de caixa Principais informações necessárias: Determinar a vida dos ativos Estimar os fluxos de caixa e seu crescimento Definir a taxa de desconto (custo de capital) Vantagens x Desvantagens PROF: CAIO RAMALHO 8 SETEMBRO, 2009
  9. 9. Workshop Finanças – Desafio Brasil 2009 Fluxo de Caixa Descontado (cont.) O que tenho que descontar afinal? Sempre olhe para os Fluxos de Caixa: contábil ≠ caixa!!! Seja consistente: real x nominal Estime os Fluxos de Caixa de forma incremental Lembre-se de alocar as despesas extras do projeto (‘overhead’) Desconsidere os custos afundados (‘sunk costs’) Depreciação: ‘tax shields’ Nunca esqueça do Capital de Giro!!! PROF: CAIO RAMALHO 9 SETEMBRO, 2009
  10. 10. Workshop Finanças – Desafio Brasil 2009 Fluxo de Caixa Descontado – Taxa de Crescimento Sempre observe os dados históricos Compare com os dados setoriais e com a taxa de crescimento das empresas concorrentes Taxa de crescimento (g) e o efeito do reinvestimento PROF: CAIO RAMALHO 10 SETEMBRO, 2009
  11. 11. Workshop Finanças – Desafio Brasil 2009 Fluxo de Caixa Descontado – Valor Terminal As empresas tem vida potencialmente infinita. Deve-se analisar o fluxo já estabilizado (modelo de 2 ou 3 estágios) Formas de cálculo: Modelo de crescimento estável Valor de liquidação Múltiplos PROF: CAIO RAMALHO 11 SETEMBRO, 2009
  12. 12. Workshop Finanças – Desafio Brasil 2009 Introdução ao Custo de Capital Erros na taxa de desconto pode levar a graves erros de ‘Valuation’ Nunca misture os Fluxos de Caixa e as Taxas de Desconto! FCFE Custo do Acionista (Re) FCFF Custo Médio Ponderado de Capital (WACC) Taxa Nominal vs Real A taxa de desconto deve estar na mesma moeda dos fluxos que irão descontar PROF: CAIO RAMALHO 12 SETEMBRO, 2009
  13. 13. Workshop Finanças – Desafio Brasil 2009 Fluxo de Caixa Descontado (cont.) Fluxo de Caixa do Acionista (FCFE): VS. Fluxo de Caixa da Firma (FCFF): PROF: CAIO RAMALHO 13 SETEMBRO, 2009
  14. 14. Workshop Finanças – Desafio Brasil 2009 Custo do Acionista Risco Sistemático x Risco não-Sistemático CAPM: E(Re) = Rf + β x [E(Rm) – Rf] Onde, Rf Taxa livre de risco β Risco sistemático de um ativo com risco E(Rm) Retorno esperado do portfólio de mercado [E(Rm) – Rf] Prêmio de mercado Modelos alternativos PROF: CAIO RAMALHO 14 SETEMBRO, 2009
  15. 15. Workshop Finanças – Desafio Brasil 2009 Custo do Acionista (cont.) Taxa livre de risco: Títulos do Governo (curto prazo x longo prazo) Problemas dos mercados emergentes Beta: Como calcular e problemas no cálculo Impacto da sazonalidade e da alavancagens (financeira e operacional) Beta alavancado e desalavancado Retorno esperado do portfólio de mercado: Dificuldade dos mercados emergentes Cálculos alternativos Exposição das empresas à mais de 1 mercado PROF: CAIO RAMALHO 15 SETEMBRO, 2009
  16. 16. Workshop Finanças – Desafio Brasil 2009 WACC: Custo Médio Ponderado de Capital Custo Médio Ponderado de Capital: WACC = Re x We + Rd x Wd x (1–T) Onde, Re Custo do acionista We Proporção de capital próprio no capital total Rd Custo da dívida Wd Proporção de capital de terceiros no capital total T Alíquota de imposto PROF: CAIO RAMALHO 16 SETEMBRO, 2009
  17. 17. Workshop Finanças – Desafio Brasil 2009 WACC: Custo Médio Ponderado de Capital (cont.) Proporção do capital próprio: Valor das ações x valor contábil Proporção da dívida: Valor de mercado x valor contábil Custo da dívida Custo de mercado Alternativas PROF: CAIO RAMALHO 17 SETEMBRO, 2009
  18. 18. Workshop Finanças – Desafio Brasil 2009 Principais Procedimentos Análise dos Resultados Históricos Projeção da Performance Futura Determinação da Taxa de Desconto Estimativa do Valor Residual Cálculo e Interpretação dos Resultados PROF: CAIO RAMALHO 18 SETEMBRO, 2009
  19. 19. Workshop Finanças – Desafio Brasil 2009 Análise dos Resultados Históricos Principais aspectos Macro: Análise das influências dos fatores macroeconômicos Estudo de dados sobre o setor Identificação dos principais concorrentes, fornecedores e clientes, além das barreiras de entrada, vantagens competitivas, etc Principais aspectos Micro: Entendimento da estrutura de capital e da Governança Corporativa Identificação dos executivos-chave (incluindo entrevistas) Análise dos demonstrativos financeiros (incluindo notas explicativas) Identificação e análise dos principais ‘value drivers’ Leitura e entendimento dos principais contratos PROF: CAIO RAMALHO 19 SETEMBRO, 2009
  20. 20. Workshop Finanças – Desafio Brasil 2009 Análise dos Resultados Históricos (cont.) Durante a análise dos demonstrativos financeiros devemos observar, entender e ajustar: Receitas e despesas não-recorrentes (‘one-time’) Fluxos negativos Receitas e despesas financeiras tratadas como resultados operacionais, e vice-versa (ex. Leasing, CPMF) Investimentos vs. Despesas (ex. P&D) Outras contas (ex. Bônus) PROF: CAIO RAMALHO 20 SETEMBRO, 2009
  21. 21. Workshop Finanças – Desafio Brasil 2009 Projeção da Performance Futura Principais passos da projeção: 1. Determinação do período de projeção 2. Observação e introdução de dados macro-econômicos e setoriais 3. Modelagem da linha de receita (preços x quantidades) e impostos 4. Projeção dos custos variáveis e fixos 5. Determinação do capital de giro, capex e eventuais ajustes 6. Fechamento do DRE, Balanço e Fluxo de Caixa (inter-relação) PROF: CAIO RAMALHO 21 SETEMBRO, 2009
  22. 22. Workshop Finanças – Desafio Brasil 2009 Projeção da Performance Futura (cont.) Repensar nos principais fatores de influência identificados durante a análise histórica (i.e. aspectos Macro e Micro) e como eles se relacionam Checagem se as projeções estão razoáveis: análise vertical e horizontal Desenvolvimento de cenários alternativos e análise de sensibilidade PROF: CAIO RAMALHO 22 SETEMBRO, 2009
  23. 23. Workshop Finanças – Desafio Brasil 2009 Projeção da Performance Futura (cont.) Análise de Sensibilidade Análise de Cenários SE BA VPL @10% = $ 3,43 bi O RI NÁ CE CE NÁ R IO OT IM IST A VPL @10% = $ 5,77 bi PROF: CAIO RAMALHO 23 SETEMBRO, 2009
  24. 24. Workshop Finanças – Desafio Brasil 2009 Outros Métodos - Avaliação Relativa ou por Múltiplos Definição: O valor intrínseco de um ativo é muito difícil de ser estimado e é determinado apenas pelo que o próprio mercado está disposto a pagar. Informações necessárias: Ativos comparáveis Medidas padronizadas de valor (múltiplos) Controle das diferenças entre os ativos Vantagens x Desvantagens PROF: CAIO RAMALHO 24 SETEMBRO, 2009
  25. 25. Workshop Finanças – Desafio Brasil 2009 Outros Métodos – TIR ou IRR Definição Premissa: Taxa de Desconto constante ao longo de todo o projeto Vantagens x Desvantagens PROF: CAIO RAMALHO 25 SETEMBRO, 2009

×