RCC - Planejamento  2010-2017
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

RCC - Planejamento 2010-2017

on

  • 1,925 views

RCC - Planejamento 2010-2017

RCC - Planejamento 2010-2017

Statistics

Views

Total Views
1,925
Views on SlideShare
1,925
Embed Views
0

Actions

Likes
1
Downloads
49
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

RCC - Planejamento 2010-2017 Document Transcript

  • 1. 1
  • 2. 2
  • 3. Carta do PresidenteCarta do Presidente Quando lançamos um olhar para o nosso passado, podemos com todacerteza exclamar, como nos ensina a Palavra de Deus em I Samuel 4, 12 “...até aqui nos socorreu o Senhor”. De fato, nestes 42 anos, o Espírito Santo tem conduzido a RenovaçãoCarismática Católica, levantando um povo fiel à Palavra de Deus, à Igreja eà sua própria identidade. No entanto, é preciso continuar em “estado permanente de missão”,por isso, estamos nos preparando para o grande Jubileu de Ouro da RCC.Em 2017, vamos completar 50 anos de existência e queremos festejar estadata ofertando ao Senhor uma Renovação Carismática Católica ainda maisvigorosa. Com este intuito, depois de muita oração, partilha, reuniões com nos-sas lideranças, consultas às nossas bases e, sobretudo, escuta ao EspíritoSanto, colocamos em suas mãos este Planejamento Estratégico para o pe-ríodo de 2010 até 2017. Certamente, serão anos de muito trabalho, mas, também, de muitacolheita. Neste período queremos investir ainda mais na formação de nos-sas lideranças, levar muitas pessoas a experimentar a graça do Batismo noEspírito Santo, aumentar o número de Grupos de Oração e construir nossaSede Nacional, tudo isso, com o objetivo final de sermos aquilo que Deusnos tem chamado a ser: rosto e memória de Pentecostes. Para tanto, cada carismático terá um papel fundamental dentro desseplanejamento. É necessário o envolvimento de todos, a fim de que nossasmetas sejam alcançadas. Assim, em unidade, na força do Espírito Santo, cumpriremos a nossamissão de semear a Cultura de Pentecostes. Fraternalmente, Marcos Volcan Presidente do Conselho Nacional da RCCBrasil 3
  • 4. Contato 4
  • 5. Missão e VisãoPLANEJAMENTO ESTRATÉGICODE EVANGELIZAÇÃO 1. Nossa Missão Fazer discípulos de nosso Senhor Jesus Cristo evangeli- zando o povo de Deus no Brasil, a partir da experiência do Batismo no Espírito Santo. 2. Nossa Visão a) Visão organizativa Consolidar em todo o território brasileiro, a Renovação Carismática Católica na condição de Movimento Eclesial ardoroso, organizado, unido e missionário, que manifes- ta o rosto e a memória de Pentecostes, tanto em comu- nidade quanto na pessoa de cada um dos seus membros em todos os ambientes onde se encontrarem. b) Visão profética Com militância apostólica e combatividade profética, trabalhar pela implantação e difusão da espiritualidade e Cultura de Pentecostes. 5
  • 6. Valores 3. Valores • Procurar constantemente a plenitude do Espírito Santo, deixando-se possuir e conduzir por Ele para bem viver a vocação cristã na Igreja e no mundo. • Considerar a unidade como fundamento de todas as atividades da RCCBRASIL. • O primado dado à vocação de cada cristão à santidade. • A responsabilidade em professar a fé católica, acolhendo e proclamando a ver- dade sobre Cristo, sobre a Igreja e sobre o homem, em obediência ao Magisté- rio da Igreja, que autenticamente a interpreta. • O testemunho de uma comunidade sólida e convicta, em relação filial com o Papa e com o Bispo. • Conformidade, estima recíproca e adequada comunhão entre todas as formas de apostolado da Igreja. • O empenho de uma presença na sociedade humana que, à luz da doutrina social da Igreja, coloque-se a serviço da dignidade integral do homem. • Relação filial com Maria, mãe de Jesus, vivência sacramental, vida pessoal de oração, prática de jejuns e das virtudes teologais e morais, além da observância dos mandamentos da Lei de Deus e da Igreja. 4. Análise da Situação a) Ambiente externo a.1) Desafios: • Concorrência com formas de entretenimento atraentes oferecidas pelo mundo civil. • Grande variedade cultural existente no Brasil, trazida por migrantes. • Escassez de tempo provocada pelo modo de vida imposto ao ser humano deste século. • Ateísmo prático. • Indiferentismo religioso vivenciado pelos líderes sociais. • Fortalezas modernas – condomínios verticais e horizontais – que segregam as pessoas e embaraçam ou impedem o acesso aos missionários. • O secularismo que contamina e vicia a prática da moral e dos costumes até den- tro da Igreja. • O relativismo, o comodismo e a superficialidade que governam os costumes e a moral, além de influenciarem diversas “filosofias” de vida que no dia a dia se apresentam como fáceis soluções espirituais para problemas individuais e sociais. • Falta de compreensão e de sentido para sofrimentos e problemas inteiramente humanos. • Construção da paz e da unidade no meio das adversidades existentes no mundo e na Igreja. • Evangelização nos meios de comunicação. • Captação de recursos para a evangelização. 6
  • 7. Análise da Situação• Diálogo com as novas comunidades cujas atividades evangelizadoras dividem espaço, povo e recursos com a RCCBRASIL.• Diálogo com autoridades eclesiais e com lideranças dos movimentos leigos a fim de lhes comunicar eficazmente que o propósito da RCCBRASIL é servir a Jesus Cristo nosso Senhor e Salvador, servindo à Igreja por meio da colabora- ção que aquela lhe pode prestar, anunciando o Evangelho a todos os povos.• Diálogo eficaz com o mundo, fazendo-se entender quando comunicar o Evan- gelho.• Incompreensão da experiência do Batismo no Espírito Santo e a graça dos ca- rismas.• Apresentação ao mundo, por palavras e obras, o que entendemos por Cultura de Pentecostes.• Fraqueza moral de lideranças católicas, que por vezes têm chegado a cair no abismo dos pecados hediondos aos olhos do mundo, provocando fissuras na autoridade ético-moral da Igreja, de forma a levar pessoas ao indiferentismo religioso e à rejeição de sérias propostas de vida conforme o Evangelho.a.2) Oportunidades:• Realização pessoal mediante a experiência do amor de Deus e da participação nas diversas atividades evangelizadoras realizadas pela Renovação.• Um enorme contingente de pessoas cujas necessidades não foram atendidas pelo mundo que lhes prometia o paraíso científico-terrestre e que agora pode se voltar para Deus como esperança de vida e felicidade, buscando-o incessan- temente.• Ambiente social adverso, hostil e agressivo que tem sacado das pessoas o di- reito a uma vida segura e digna. Tal ambiente as leva a buscarem na religião as soluções que a sociedade não lhes consegue proporcionar.• Curiosidade e simpatia que o povo em geral nutre pelos frutos da experiência do Batismo no Espírito Santo.• A existência de pessoas que desejam sinceramente experimentar um modo de vida espiritual e material narrado nas Sagradas Escrituras, em particular no Novo Testamento, com destaque para o livro dos Atos dos Apóstolos, que fundamenta a vivência comunitária.• Simpatia e aceitação, de modo geral, pela hierarquia da Igreja.• Projetos de evangelização elaborados pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e pelo Conselho Episcopal Latino-Americano (CELAM) que con- templam vários atributos missionários e vivenciais da Renovação Carismática Católica como movimento eclesial.• Comunicação direta com o povo.• Criação e desenvolvimento de tecnologias sociais que atendem a vários interes- ses das comunidades que freqüentam os grupos de oração.• Metodologia evangelizadora que se comunica tanto com as pessoas individual- mente, quanto com as multidões.• Trabalho articulado com todas as expressões pentecostais, notadamente os grupos de oração e as comunidades. 7
  • 8. Análise da Situação • Grande quantidade de vocações sacerdotais, para a vida religiosa em geral, para a vida leiga consagrada e para outras formas de vida comunitária. • Capacidade de mobilização social. • Boas oportunidades para levantar fundos para projetos de evangelização. • Existências de pessoas sedentas de Deus e ansiosas por um verdadeiro conhe- cimento de Jesus. • A autoridade moral de muitos católicos do passado e do presente, cujas vidas foram e são reconhecidamente santas pela Igreja e pelo mundo. • Existência de lideranças sociais e políticas que desejam servir ao Senhor com dons materiais e imateriais. • Na Igreja e no mundo há lugar para projetos sociais que aliem uma promoção humana que priorize o anúncio do Evangelho. • Tecnologias acessíveis a todas as camadas sociais. b) Ambiente interno: b.1) Pontos fracos: - Existência de pessoas com: • evangelização querigmática incompleta, às vezes deficiente; • formação catequética insuficiente; • pouco tempo que a vida leiga deixa disponível para desenvolver grandes proje- tos de evangelização; • dificuldade de transmitir a visão do Movimento a todos os seus integrantes; • formação missionária insuficiente; • testemunho de santidade inconsistente, chegando, às vezes, a ferir a ética e os costumes; • pouco comprometimento missionário. • acúmulo de atividades que prejudica a qualidade dos serviços prestados. - Ocorrência dos seguintes fatores: • dificuldade de articulação dos principais níveis de coordenação (Grupo de Ora- ção <–> diocesana <–> estadual <–> nacional); ‌ • falta de formação para coordenadores visando a capacitação para o exercício do ministério de coordenação, provocando estrangulamento das estratégias evangelizadoras; • grande quantidade de integrantes e participantes dos grupos de oração; • pouca expressividade carismática por parte de membros de ministérios; • missionários com pouca formação bíblica, doutrinal e metodológica; • alta rotatividade dos integrantes; • formação formal (escolar) em quantidade e qualidade insuficientes – analfabe- tos funcionais, de forma a atrasar a formação catequética e missionária da RC- CBRASIL; • pouco conhecimento da RCCBRASIL por parte de lideranças locais; • discernimento vocacional deficiente para o exercício missionário nos ministé- rios; • desenvolvimento de projetos pessoais em paralelo com os projetos da RCCBRASIL; 8
  • 9. Análise da Situação• em virtude da pouca formação e do acúmulo de atividades, há pastoreio insu- ficiente;• multiplicidade de eventos;• inexistência de metodologia para os grupos de oração, que, sem pretender uni- formizá-los, consiga apresentar-lhes um modo simples e eficaz de realizar sua missão evangelizadora, além de ajudar seus participantes a compreender que o Grupo de Oração é um local de cultuar a Deus, bem como de buscar a plenitu- de do Espírito Santo (permanente Pentecostes), além de preparar os fiéis para celebração da missa;• a perda de participantes por causa de servos despreparados;• comprometimento, fidelidade e oração pessoal, por vezes, deficientes;• elevação de custos de eventos por faltarem locais pertencentes ao Movimento;• integrantes que apresentam dificuldades para ligarem fé e vida.b.2) Pontos fortes:- Existência de pessoas com:• experiência de fé;• experiência de salvação;• experiência pentecostal/carismática;• consciência do chamado ao discipulado de nosso Senhor Jesus Cristo;• pertença à Igreja como fruto do discipulado;• crescimento espiritual e pessoal por meio de formação e treinamentos;• vida de oração;• experiência de vida fraterna;• vocação missionária cumprida com vigor e ardor missionário;• elevado grau de empenho missionário;• grande busca por formação;• hábito da leitura de livros espirituais;• dinamismo;• visão inovadora;• carisma de liderança;• capacidade para levantar fundos destinados aos projetos de evangelização;• motivação;• boa espiritualidade;• existência de pessoas com boa formação formal;• perseverança;• dom de liderança nato;• abertura para o novo espiritual;• ardor e vigor missionário;• bom relacionamento com a hierarquia da Igreja peregrina e triunfante;• destemor;• amor evangélico.- Ocorrência dos seguintes fatores:• evangelização nova no ardor e nos métodos; 9
  • 10. Objetivos • evangelização querigmática; • busca da unidade e constante vigilância para não perdê-la; • valorização do ser humano como pessoa sujeita de direitos e obrigações em ambiente profundamente comunitário onde cada qual pode ser conhecido pes- soalmente e ter seus dons e carismas, incluindo os talentos naturais, fraternal- mente reconhecidos; • grande quantidade de pessoas que se prontificam a servir nos ministérios; • união sinérgica de suas expressões; • objetividade evangelizadora; • versatilidade; • convivência fraterna e partilha de dons e talentos por pessoas de vários graus de formação (de alfabetizados a doutores), em prol da evangelização; • aproveitamento de talentos e bens materiais pessoais em prol da missão; • organização interna simples e eficaz; • abriga grande quantidade de tendências religiosas unidas pela singular experi- ência pentecostal; • autonomia canônica; • boa imagem que seus integrantes têm do Movimento; • razoável capacidade para agregar valores; • assessores e lideranças que atestam a seriedade do Movimento. 5. Objetivos a) Permanentes: a.1) fomentar a graça do Batismo no Espírito Santo e a prática dos carismas, inclusive como forma de melhorar a qualidade e aumentar a quantidade de Gru- pos de Oração; a.2) formar discípulos capazes de pastorear, formar, liderar, evangelizar eficaz- mente, e administrar todas essas ações no âmbito da RCCBRASIL; a.3) priorizar o Grupo de Oração como espaço privilegiado para evangelização; a.4) promover o Grupo de Oração como um meio eficaz de levar o Evangelho a todos os ambientes, tais como: famílias, escolas, universidades, locais de traba- lho, presídios, hospitais, ruas; a.5) ocupar-se em preparar, de forma adequada, pessoas que possam assumir as funções de coordenação da RCCBRASIL; a.6) formar missionários para evangelizar crianças, jovens, universitários, pro- fissionais e famílias. b) Para o período de 2010 a 2017: b.1) capacitar a maioria dos integrantes da RCCBRASIL a ser testemunha ativa da ressurreição de Jesus Cristo no poder do Espírito Santo; b.2) orar e trabalhar pela criação de grupos de oração em locais afastados das sedes paroquiais e das capelas onde eles já existam; b.3) difundir a obra, o culto e a Pessoa do Espírito Santo com vistas a promover 10
  • 11. Metas a espiritualidade e a Cultura de Pentecostes, favorecendo, assim, a construção da civilização do amor em nosso País; b.4) apresentar a Jesus, na festa do Jubileu de Ouro da Renovação Carismática Católica mundial, um povo renovado, celebrativo e fraterno que adore a Santís- sima Trindade em Espírito e Verdade e que seja comprometido com a transfor- mação da sociedade segundo critérios evangélicos. b.5) criação de Grupos de Partilha e Perseverança a partir dos Grupos de Oração.6. Metasa) Para cada ano: a.1) realizar o Seminário de Vida no Espírito (SVE), querigmático, com nove se- manas, para a maioria dos iniciantes no Movimento, em dias e/ou horários dife- rentes dos da reunião de oração; a.2) realizar aprofundamentos com o Seminário sobre o Batismo no Espírito Santo; a.3) realizar Experiências de Oração (como encontros de fim de semana); a.4) conduzir ao último encontro do Módulo Básico – Doutrina Social – pelo me- nos setenta e cinco por cento dos que se inscreverem ao SVE; a.5) ministrar ensinos e pregações sobre adoração e incentivar essa prática em grupos e individualmente; a.6) cada Grupo de Oração deverá gerar, sob a unção do Espírito Santo, pelo menos mais outro Grupo, preferencialmente em locais onde não existam; a.7) priorizar os grupos de oração como local de exercício dos serviços e minis- térios; a.8) executar o Projeto Semeando a Cultura de Pentecostes.b) Em 2010:Cadastrar todos os grupos de oração do Brasil.c) Para o período de 2010 a 2012: c.1) implantar o Projeto Amigos de Deus; c.2) implantar escolas permanentes para formação de líderes, com especial atenção à formação de coordenadores e pregadores; c.3) ler toda a Bíblia, com pequeno diário espiritual; c.4) estabelecer, por prelazias, dioceses, arquidioceses e por Estados estatutos para a Renovação, em consonância com o estatuto da RCCBRASIL; c.5) promover a formação e o envio de missionários. c.6) Consolidar: c.6.1) o Projeto Celebrando Pentecostes; c.6.2) a Missão Marajó; c.6.3) a Comunicação Social no âmbito da RCCBRASIL; c.6.4) o Projeto Eu Amo a RCC. 11
  • 12. Estratégia d) Até 2012: d.1) promover a consagração ao Espírito Santo; d.2) consolidar a rede intranet na RCCBRASIL (coordenações estaduais, prelatí- cias, diocesanas, arquidiocesanas e de grupos de oração); d.3) construir uma Sede Nacional para a RCCBRASIL, contendo Escritório Ad- ministrativo, Santuário Elena Guerra, Arena de Eventos, Salas de Workshops, Centro de Formação, Biblioteca, Centro de Pesquisa Carismático, Editora e Pro- dutora RCCBRASIL, Alojamentos. 7. Estratégia Formar discípulos para Jesus Cristo tendo a oração, a formação, e a missão como tripé do crescimento espiritual, a partir do Seminário de Vida no Espírito Santo. 8. Atribuição de Responsalibilidades a) Aos conselhos da Renovação Carismática Católica organizados nas prelazias, dio- ceses e arquidioceses compete operacionalizar o planejamento estratégico, devendo para isso elaborar planos táticos e operacionais, considerando sempre a unidade com os discernimentos e decisões do Conselho Nacional1 . b) No âmbito da Renovação Carismática Católica, aos conselhos estaduais organiza- dos nos Estados e no Distrito Federal compete gerenciar a execução do planejamento estratégico nas prelazias, dioceses e arquidioceses. c) À Comissão de Formação Nacional compete: c.1) elaborar projeto pedagógico para formação de discípulos que integre toda a atividade evangelizadora da Renovação Carismática Católica no Brasil, considerando a pregação querigmática destinada a todas as pessoas, a forma- ção básica destinada a todos os integrantes da Renovação e a formação especí- fica e missionária destinada aos ministérios; c.2) produzir material pedagógico destinado à evangelização, consideran- do a pregação querigmática, a formação básica e a formação missionária como seus principais itens; c.3) facilitar a formação de discípulos em todo o Brasil, disponibilizando aos conselhos estaduais, prelatícios, diocesanos e arquidiocesanos núcleos de formação destinados a formar missionários para todos os ministérios. 1 O planejamento tático visa à otimização dos meios (recursos materiais e humanos) utilizados para executar o planejamento estratégico, além de decompor-lhe os objetivos e estratégias. Ele trata do como fazer para atingir os objetivos, assegurando o cumprimento da missão. O planejamento operacional trata dos métodos que serão utilizados para conquistar as metas e obje- tivos do planejamento estratégico. Nele, seguindo as orientações do planejamento tático, o coorde- nador detalha as etapas do planejamento estratégico, organiza os métodos de trabalho, as pessoas, as atividades, os equipamentos, os prazos, enfim, ele trata do como fazer e do fazer. 12
  • 13. Responsabilidades d) O projeto pedagógico de formação de discípulos é parte essencial do planeja-mento estratégico de evangelização e deve ser seguido por todos os integrantes daRenovação quando realizarem qualquer atividade evangelizadora, desde um atendi-mento de oração a uma só pessoa, uma pregação, um encontro semanal de oração re-alizado pelos grupos de oração, até os grandes encontros nacionais; deverá tambémlevar todas as atividades da Renovação Carismática Católica no Brasil a serem eficazesinstrumentos destinados à missão de fazer “que todas as nações se tornem discípulos”(Mt 28, 19, Bíblia de Jerusalém). e) Aos ministérios, organizados nos grupos de oração, nas prelazias, dioceses e nasarquidioceses, compete colaborar com as coordenações de Grupo de Oração e tambémcom os conselhos prelatícios, diocesanos, arquidiocesanos, estaduais e nacional na exe-cução dos planejamentos estratégico, táticos e operacionais. f) Ao Conselho Nacional, por meio de sua presidência, e também por intermédiode cada conselheiro ou conselheira, cabe a gerência geral do planejamento estratégi-co, cabendo-lhe a elaboração de planejamentos táticos e operacionais com abrangênciapara todo o Brasil. 9. GLOSSÁRIOAteísmo prático: Dizer que se tem fé, participar de cultos ou de outras espécies de encontrosreligiosos, ler livros sagrados; enfim, em tudo parecendo ser crente, porém praticando atosque contrariam a Sagrada Escritura e a Doutrina da Igreja existente nos documentos eclesiaispublicados pelo Papa ou pelos Bispos em unidade com o Papa.Autonomia canônica: conforme o cânon 215 do Código do Direito Canônico, os fiéis têm odireito de fundar e dirigir livremente associações para fins de caridade e piedade, ou parafavorecer a vocação cristã no mundo, e de se reunir para a consecução comum dessas finali-dades. Os movimentos eclesiais, entre eles a Renovação, são associações leigas.Evangelização querigmática: evangelização que contempla a pregação apostólica (amor deDeus, pecado, Jesus Salvador, fé e conversão, Batismo no Espírito Santo e vida comunitária).Falta de compreensão e de sentido para sofrimentos e problemas inteiramente humanos:essa expressão significa que há pessoas que não conseguem compreender que os seres hu-manos estão envoltos em situações ruins que não são causadas por Deus. Tais pessoas, nãoraras vezes, tornam-se resistentes às ações evangelizadoras.Fomentar: proporcionar os meios para o desenvolvimento de (algo); estimular, promover,desenvolver.Formação formal: educação recebida nas escolas públicas ou privadas. Segue orientação doMinistério da Educação e Cultura. 13
  • 14. Glossário Formas de entretenimento atraentes oferecidas pelo mundo civil: televisão, cinema, jogos informatizados, bate-papos via internet, vídeos. Indiferentismo religioso: “tanto faz uma religião como a outra”. Qualquer coisa vale. Missão Marajó: “Missão realizada pela Renovação Carismática Católica, na Prelazia de Mara- jó, na Ilha do Marajó, Estado do Pará (http://www.rccbrasil.org.br/noticia.php?noticia=5656, acessado em 10/12/2009). Mobilização social: união de pessoas para realizar projetos. Módulo Básico: formação doutrinária ministrada pelo Ministério de Formação. Identidade da Renovação Carismática Católica, Carismas, Grupo de Oração, Oração, Santidade, Liderança em Serviço, Igreja, Doutrina Social. Prelatícias: relativos ou pertencentes à prelazia. Prelazia Territorial: “A prelazia territorial ou a abadia territorial são uma determinada porção do povo de Deus, territorialmente delimitada, cujo cuidado, por circunstâncias especiais, e confiado a um Prelado ou Abade, que a governa como seu próprio pastor, à semelhança do Bispo diocesano” (CIC, Cân. 370). Primado: condição do que está em primeiro lugar; prioridade. Secularismo: exclusão, rejeição ou indiferença à religião e a ponderações teológicas. Tecnologia social: “Todo produto, método, processo ou técnica criados para solucionar algum tipo de problema social e que atendam aos quesitos de simplicidade, baixo custo, fácil aplicabilidade e impacto social comprovado” (http://www.consciencia.net/2003/11/08/ ts.html, acessado em 10/12/2009). Todas as formas de apostolado da Igreja: movimentos, ordens e congregações religiosas. União sinérgica (sinérgico: relativo a ou produzido por sinergia). Sinergia: ação ou esforço simultâneos; cooperação, coesão; trabalho ou operação associados. Rubrica: fisiologia: ação associada de dois ou mais órgãos, sistemas ou elementos anatômicos ou biológicos, cujo resultado seja a execução de um movimento ou a realização de uma função orgânica. Rubrica: comércio, economia: ação conjunta de empresas, visando obter um desempenho melhor do que aquele demonstrado isoladamente. Rubrica: sociologia: coesão dos membros de um grupo ou coletividade em prol de um objetivo comum. Virtudes Teologais: fé, esperança e caridade. Fontes de pesquisa: Além das citadas acima, o Dicionário Houaiss e o Código do Direito Ca- nônico. 14
  • 15. Calendário 2010Calendário 2010Calendário 2011 15
  • 16. Planejamento 2010 16
  • 17. Planejamento 201017
  • 18. Planejamento 2010 18
  • 19. Planejamento 201019
  • 20. Planejamento 2010 20
  • 21. Planejamento 201021
  • 22. Planejamento 2011 22
  • 23. 23
  • 24. 24