Your SlideShare is downloading. ×
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
A S G A  M M O63 E1
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

A S G A M M O63 E1

613

Published on

Published in: Technology, Business
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
613
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
13
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. AsGa MMO 63E1 ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO DO MMO 63E1 ----------------------------------------------------- 1 1.1. Painel Frontal --------------------------------------------------------------------------- 3 1.2. Placas de Interfaces ------------------------------------------------------------------ 4 2. ESPECIFICAÇÃO DE CARACTERÍSTICAS------------------------------------------ 6 2.1. Interfaces Ópticas --------------------------------------------------------------------- 6 2.2. Interfaces Elétricas -------------------------------------------------------------------- 7 2.3. Alimentação e Condições Ambientais -------------------------------------------- 8 2.4. Flutuação de Fase (JITTER) -------------------------------------------------------- 9 2.5. Taxa de Erro ---------------------------------------------------------------------------- 9 2.6. Relógio Externo ------------------------------------------------------------------------ 9 2.7. Canal de Serviço ---------------------------------------------------------------------- 10 2.8. Canal de Comunicação de Dados ------------------------------------------------- 11 2.9. Interface de Configuração e Atualização de Software ------------------------ 11 2.10. Teclas / Display de Cristal Líquido ---------------------------------------------- 11 2.11. Placa LAN ----------------------------------------------------------------------------- 11 2.12. Gerência SNMP --------------------------------------------------------------------- 12 2.13. Configuração de Proteção --------------------------------------------------------- 12 2.14. Alarmes ------------------------------------------------------------------------------- 14 2.15. Detecção de SIA -------------------------------------------------------------------- 14 2.16. Alarmes Urgentes e Alarmes Não Urgentes ---------------------------------- 14 2.17. Realização de Testes ------------------------------------------------------------- 15 2.18. Gerência de Desempenho --------------------------------------------------------- 15 2.19. Facilidades de Gerência ----------------------------------------------------------- 16 2.20. Funcionamento em Anel ----------------------------------------------------------- 16 2.21. Mecânica Horizontal --------------------------------------------------------------- 17 3. DESCRIÇÃO FUNCIONAL --------------------------------------------------------------- 18 3.1. MMO 63E1 ----------------------------------------------------------------------------- 18 3.2. Características da Placa TRO ----------------------------------------------------- 19 3.3. Características da Placa TRE ----------------------------------------------------- 20 3.4. Características da Placa de Tributários ----------------------------------------- 21 3.5. Características da Placa LAN ------------------------------------------------------ 24 3.6. Características da Placa de Entrada de Alimentação ------------------------ 27 3.7. Características da Placa ADM63 -------------------------------------------------- 27 4. CONFIGURAÇÃO -------------------------------------------------------------------------- 30 4.1. Configuração Inicial do Sistema --------------------------------------------------- 30 4.2. Configuração Padrão ----------------------------------------------------------------- 30 4.3. Configuração Através do Display de Cristal Líquido -------------------------- 30
  • 2. AsGa MMO 63E1 ÍNDICE 4.4. Configuração via Telnet -------------------------------------------------------------- 38 4.5. Configuração Através do Configurador SDH AsGa ---------------------------- 39 4.6. Configuração das Interfaces Ópticas -------------------------------------------- 52 4.7. Configuração dos Conectores do MMO 63E1 ---------------------------------- 53 4.8. Senha de Inicialização -------------------------------------------------------------- 55 5. OPERAÇÃO --------------------------------------------------------------------------------- 56 5.1. Funcionamento do MMO 63E1 ----------------------------------------------------- 56 5.2. Painel de Leds ------------------------------------------------------------------------- 56 5.3. Operação Através do Display de Cristal Líquido ------------------------------- 58 5.4. Uso do “Reset” ------------------------------------------------------------------------ 69 6. INSTALAÇÃO ------------------------------------------------------------------------------- 70 6.1. Recomendações de Desembalagem e Estocagem --------------------------- 70 6.2. Descrição Mecânica ------------------------------------------------------------------ 71 6.3. Lista de Materiais de Instalação --------------------------------------------------- 72 6.4. Método de Instalação ---------------------------------------------------------------- 73 7.INSTALAÇÃO DE SOFTWARE --------------------------------------------------------- 80 7.1. Instalação do Configurador SDH AsGa ------------------------------------------ 80 7.2. Conexão Slip --------------------------------------------------------------------------- 80 8.REFERÊNCIAS ------------------------------------------------------------------------------ 86
  • 3. AsGa MMO 63E1 INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA Segurança Observe sempre precauções de segurança durante a instalação, operação e ma- nutenção deste produto. Nenhum ajuste, reparo ou manutenção deve ser realizado pelo operador ou usuário. Somente pessoas qualificadas ou serviço autorizado estão aptos a realizar reparos ou ajustes neste equipamento. Dispositivo Óptico Este produto é equipado com dispositivo óptico. Sendo assim, as seguintes medidas de segurança devem ser observadas: · Nunca olhe diretamente para a interface de transmissão óptica, alinhando o olho com o dispositivo óptico do equipamento, pois seu olhos poderão ser atingidos por radiação óptica concentrada. · Não tente realizar ajustes nos dispositivos ópticos com intenção de atenuar ou amplificar o sinal óptico. · Não use conectores ópticos defeituosos, cabos de fibra óptica rompidos ou não termi- nados com conectores. Voltagens Internas As entradas e as saídas de tributários do equipamento operam com tensões abaixo do limiar de 5 volts. Portanto, o equipamento pode ser manuseado pelo usuário sem nenhum perigo de alta voltagem. Por outro lado, é bom estar atento a sobretensões provenientes da Rede de Telecomunicações, principalmente se não houver instalação adequada do equipamento. Descarga Eletrostática O produto (caixa e placas acopladas à mesma) pode ser manuseado pelo usuário, não apresentando problemas quanto à descarga eletrostática. Porém, como o produto é um equipamento modular, recomenda-se fortemente que o usuário siga a Norma ANSI IPC-A-610 referente à descarga eletrostática (ESD) e utilize pulseira de aterramento quando retirar ou inserir alguma placa no equipamento. As informações contidas neste documento são propriedades da AsGa, sendo sua utilização, divulgação ou reprodução desautorizada. A AsGa reserva-se o direito de alterar as informações contidas neste manual sem aviso prévio.
  • 4. AsGa MMO 63E1 APRESENTAÇÃO 1. APRESENTAÇÃO DO MMO 63E1 O MMO 63E1 da AsGa é um multiplexador síncrono STM-1 que opera a 155 Mbps, com capacidade de transporte de até 63 tributários de 2 Mb/s. Pode ser utilizado em enlaces ponto-a-ponto ou em topologia anel, com inserção/derivação distribuída de tributários ao longo de uma rota fechada (anel óptico). O MMO 63E1 dispõe de sistema de gerência interna para exteriorização de alarmes e “status” do enlace, através de um conjunto de leds ou do display de cristal líquido, situados no painel frontal do equipamento. Além disso, o MMO 63E1 pode ser gerenciado a partir de um ponto centralizado, utilizando o protocolo SNMP. O MMO 63E1 utiliza chaveamento de proteção do tipo SNC (Sub-Network Connection), onde o sinal de transmissão está sempre presente nas linhas Princi- pal e Reserva, e o sinal de recepção é selecionado através de lógica baseada no estado local de cada tributário recebido. O MMO 63E1 está disponível em três versões de interface óptica: LED, Laser e Laser Bidirecional. As figuras a seguir ilustram o MMO 63E1 com tampa de proteção e os painéis com as versões Laser e Laser Bidirecional. MMO 63E1 Vista Frontal com Tampa de Proteção 1
  • 5. AsGa MMO 63E1 APRESENTAÇÃO MMO 63E1 – Versão LASER Vista Frontal MMO 63E1 – Versão LASER BIDIRECIONAL Vista Frontal 2
  • 6. AsGa MMO 63E1 APRESENTAÇÃO 1.1. PAINEL FRONTAL A figura a seguir mostra o painel frontal do MMO 63E1 da AsGa. Alguns com- ponentes, como os leds e botões, possuem mais de uma função, sendo aqui indicadas apenas as funções “default” de cada componente. As outras funções são detalhadas nas seções adiante. Vista Frontal Posição Designação [1] “Jack” para conexão de monofone para utilização do canal de serviço. [2] Botão de chamada do canal de serviço. [3] Entrada para conexão de “notebook”. [4] Display de cristal líquido. [5] Teclas para acessar o display de cristal líquido. [6] Display indicativo do grupo de tributários que está sendo visualizado. [7] Chave push-button para a escolha do grupo de tributários a ser visualizado. [8] Conjunto de leds indicativos de status das entradas elétricas visualizados por grupo (A, B, ..., I). O grupo é escolhido através da chave push-button e confirma- do através do display. [9] Led indicativo de status do enlace principal (Main). [10] Led indicativo de status do enlace reserva (Backup). [11] Led indicativo de operação sob comutação forçada. [12] Led indicativo de link ethernet (SNMP). [13] Led indicativo de recepção de dados pela interface ethernet (SNMP). [14] Led indicativo de transmissão de dados pela interface ethernet (SNMP). 3
  • 7. AsGa MMO 63E1 APRESENTAÇÃO [15] Acesso a chave de reset. [16] Led indicativo de equipamento ligado. 1.2. PLACAS DE INTERFACES A figura a seguir mostra as placas de interfaces do MMO 63E1 em sua versão Laser. As versões Led e Laser Bidirecional são semelhantes. Para o Laser bidirecional, em vez de dois conectores, tem-se apenas um, com entrada e saída ópticas juntas. Para uma descrição mais detalhada sobre qualquer componente ver seções seguin- tes. Posição Designação [1] Orifícios para fixação do MMO 63E1 em bastidor de 19” através de parafusos. [2] Calha para acomodação dos cabos elétricos e fibras ópticas. [3] Painel frontal do módulo de 155 Mbps A. [4] Conector BNC para entrada de relógio externo. [5] Conector SC para saída do sinal de 155 Mbps do enlace principal (TX-M). [6] Conector SC para entrada do sinal de 155 Mbps do enlace reserva (RX-B). [7] Led indicativo de placa energizada. 4
  • 8. AsGa MMO 63E1 APRESENTAÇÃO [8] Painel frontal do módulo de 155 Mbps B. [9] Conector BNC para saída de relógio externo regenerado. [10] Conector SC para saída do sinal de 155 Mbps do enlace reserva (TX-B). [11] Conector SC para entrada do sinal de 155 Mbps do enlace principal (RX-P). [12] Led indicativo de placa energizada. [13] Painel frontal da placa de tributários do grupo A, com as entradas (IN) e saídas (OUT) elétricas e led (PWR) indicativo de placa energizada. [14] Painel frontal da placa de tributários do grupo B, com as entradas (IN) e saídas (OUT) elétricas e led (PWR) indicativo de placa energizada.. [15] Painel frontal da placa de tributários do grupo C, com as entradas (IN) e saídas (OUT) elétricas e led (PWR) indicativo de placa energizada. [16] Painel frontal da placa de tributários do grupo D, com as entradas (IN) e saídas (OUT) elétricas e led (PWR) indicativo de placa energizada. [17] Painel frontal da placa de tributários do grupo E, com as entradas (IN) e saídas (OUT) elétricas e led (PWR) indicativo de placa energizada. [18] Painel frontal da placa de tributários do grupo F, com as entradas (IN) e saídas (OUT) elétricas e led (PWR) indicativo de placa energizada. [19] Painel frontal da placa de tributários do grupo G, com as entradas (IN) e saídas (OUT) elétricas e led (PWR) indicativo de placa energizada. [20] Painel frontal da placa de tributários do grupo H, com as entradas (IN) e saídas (OUT) elétricas e led (PWR) indicativo de placa energizada. [21] Painel frontal da placa de tributários do grupo I, com as entradas (IN) e saídas (OUT) elétricas e led (PWR) indicativo de placa energizada. [22] Painel frontal da placa de entrada de energia. [23] Conector RJ45 para acesso ao canal de comunicação de dados e exteriorização de alarme urgente e não urgente. [24] Conector RJ45 para acesso à gerência SNMP (Ethernet 10baseT). [25] Terminal para entrada de GND. [26] Terminal para entrada de alimentação 48V (+) da fonte 1. [27] Terminal para entrada de alimentação 48V ( - ) da fonte 1. [28] Terminal para entrada de alimentação 48V (+) da fonte 2. [29] Terminal para entrada de alimentação 48V ( - ) da fonte 2. [30] Chave liga / desliga. 5
  • 9. AsGa MMO 63E1 ESPECIFICAÇÃO DE CARACTERÍSTICAS 2. ESPECIFICAÇÃO DE CARACTERÍSTICAS 2.1. INTERFACES ÓPTICAS AsGa oferece 3 tipos de interface óptica, a saber: LASER, LASER Bidirec.e LED. As características dadas abaixo são válidas para toda a faixa de temperatura especificada para o equipamento e levam em consideração uma margem de 3 dB para envelhecimento de equipamentos, cabos, emendas e conectores ópticos. T ra n s c e p to r C a r a c te r ís tic a U n id a d e P o t ê n c ia Ó p t ic a M ín im a -1 2 dBm LASER S e n s ib ilid a d e M ín im a -3 4 dBm A t e n u a ç ã o M á x im a d o e n la c e 22 dB F a ix a 2 A lc a n c e e s tim a d o * 45 km F ib r a M o n o m o d o C o m p r im e n t o d e o n d a 1310 nm C o n e c to r S C ou S T P o t ê n c ia Ó p t ic a M ín im a -4 dBm LASER S e n s ib ilid a d e M ín im a -3 4 dBm A t e n u a ç ã o M á x im a d o e n la c e 30 dB F a ix a 3 A lc a n c e e s tim a d o * 75 km F ib r a M o n o m o d o C o m p r im e n t o d e o n d a 1310 nm C o n e c to r S C ou S T P o t ê n c ia Ó p t ic a M ín im a -1 6 dBm L A S E R B id ir e c i o n a l S e n s ib ilid a d e M ín im a -3 0 dBm A t e n u a ç ã o M á x im a d o e n la c e 14 dB F a ix a 2 A lc a n c e e s tim a d o * 30 km F ib r a M o n o m o d o C o m p r im e n t o d e o n d a 1310 nm C o n e c to r E 2 0 0 0 o u S C /A P C P o t ê n c ia Ó p t ic a M ín im a - 8 dBm S e n s ib ilid a d e M ín im a -3 0 dBm L A S E R B id ir e c i o n a l A t e n u a ç ã o M á x im a d o e n la c e 22 dB F a ix a 3 A lc a n c e e s tim a d o * 55 km F ib r a M o n o m o d o C o m p r im e n t o d e o n d a 1310 nm C o n e c to r E 2 0 0 0 o u S C /A P C P o t ê n c ia Ó p t ic a M ín im a -1 6 dBm L A S E R B id ir e c i o n a l S e n s ib ilid a d e M ín im a -3 0 dBm A t e n u a ç ã o M á x im a d o e n la c e 14 dB F a ix a W 2 A lc a n c e e s tim a d o * 40 km F ib r a M o n o m o d o C o m p r im e n t o d e o n d a 1550 nm C o n e c to r E 2 0 0 0 o u S C /A P C P o t ê n c ia Ó p t ic a M ín im a -5 dBm LASER S e n s ib ilid a d e M ín im a -3 4 dBm A t e n u a ç ã o M á x im a d o e n la c e 29 dB F a ix a 4 A lc a n c e e s tim a d o * 100 km F ib r a M o n o m o d o C o m p r im e n t o d e o n d a 1550 - D FB nm C o n e c to r S C ou S T P o t ê n c ia Ó p t ic a M ín im a -1 8 dBm (4 ) S e n s ib ilid a d e M ín im a -3 4 dBm LED A t e n u a ç ã o M á x im a d o e n la c e 16 dB F i b r a M u l t im o d o A lc a n c e e s tim a d o * 2 km .8 5 C o m p r im e n t o d e o n d a 850 nm C o n e c to r S C ou S T P o t ê n c ia Ó p t ic a M ín im a - 12 dBm (4 ) LED S e n s ib ilid a d e M ín im a -3 4 dBm A t e n u a ç ã o M á x im a d o e n la c e 22 dB F i b r a M u l t im o d o A lc a n c e e s tim a d o * 6 km 1 .3 C o m p r im e n t o d e o n d a 1310 nm C o n e c to r S C ou S T * Para o cálculo do alcance estimado foi considerado aproximadamente 0,35 dB de atenuação por km para Laser com comprimento de onda de 1310nm e 0,25 dB de atenuação por km para Laser com comprimento de onda de 1550nm. Foi considerado também uma margem de aproximadamente 4 dB para envelhecimento do equipamento e variação de temperatura. Observações: 1. Consultar a AsGa para outros tipos de conectores ópticos / enlaces com características diversas. 2. Laser Bidirecional F2 (F3) com Laser Bidirecional W2 podem ser combinados com WDM1315 da AsGa para se atingir 30 (40) km de alcance com fibra única – 2 sistemas independentes. 3. Para outras interfaces ópticas, consultar a AsGa. 4. Dados válidos para fibra de 62,5/125μm. Se utilizado fibra de 50/125μm,considerar perda de 3,5 dB. 6
  • 10. AsGa MMO 63E1 ESPECIFICAÇÃO DE CARACTERÍSTICAS Figura 1 - Tipos de Interface Óptica 2.2. INTERFACES ELÉTRICAS As interfaces elétricas do MMO 63E1 satisfazem à Prática Telebrás 225-100-706 e à Recomendação G.703 do ITU. A taxa dos sinais nas interfaces elétricas deve ser de 2048 kb/s com desvio máximo de ±50 ppm e código de linha HDB3. As taxas dos sinais tributários são independentes. Existem 2 tipos de interfaces elétricas disponíveis: uma para 75Ω coaxial e outra para 120 Ω bifilar balanceado. 2.2.1. Interfaces de Saída (OUT dos grupos A, B, C, D, E, F, G, H e I) · Formato do Pulso: retangular, de acordo com a Rec. ITU-T G.703. · Impedância Nominal: 75Ω para coaxial 120Ω para bifilar · Tensão de Pico para “nível lógico 1”: 2,37 V para coaxial 3,00 V para bifilar · Tensão de Pico para “nível lógico 0”: 0±0,237 V para coaxial 0±0,3 V para bifilar · Duração Nominal do Pulso: 244 ns · A malha do cabo coaxial é aterrada ao terra de referência. 7
  • 11. AsGa MMO 63E1 ESPECIFICAÇÃO DE CARACTERÍSTICAS 2.2.2. Interfaces de Entrada (IN dos grupos A, B, C, D, E, F, G, H e I) O sistema não apresenta nenhuma perda de desempenho para um sinal de entrada que segue as características de saída de acordo com item 2.2.1, quando a interconexão se dá através de um cabo coaxial com dispersão do tipo √f e atenuação na freqüência de 1024 kHz entre zero e 6 dB. As terminações de cabos a serem interligadas aos MMO 63E1s devem ser realiza- das com conectores do tipo DB15, especial para cabo coaxial / bifilar. 2.2.3.Conector DB15 O MMO 63E1 possui um conector DB15 especial para 7 tributários. Em cada placa de tributários existem dois conectores DB15: um para entrada (IN) e outro para saída (OUT) dos 7 tributários. A pinagem do conector DB15 é apresentada na seção 4. 2.2.4. Perda de Retorno A Perda de Retorno em qualquer entrada de sinais a 2048 kbps do MMO 63E1 satisfaz à Rec. ITU-T G.703. 2.3. ALIMENTAÇÃO E CONDIÇÕES AMBIENTAIS A placa de entrada de alimentação do MMO 63E1 possui duas entradas individuais DC de -48V +- 25%. O MMO 63E1 pode operar com 1 entrada ou 2 entradas de alimentação (com proteção). Porém, se uma das entradas não estiver sendo utilizada, o equipamento vai apresentar alarme não urgente (Minor). Para desativá-lo basta curto-circuitar os ter- minais de polaridade negativa (-) das 2 entradas de alimenta- ção. Cada placa de interface de 2Mbps e de 155Mbps possui um conversor DC / DC com saída de 5V para a alimenta- ção das próprias placas. As placas de interface de 155Mbps alimentam também a placa principal ADM63. A figura 2 ilustra as entradas de alimentação das duas fontes. Internamente, no sistema de gerência, as fontes são denominadas como fonte #1 e fonte #2, sendo a fonte #1 Figura 2 - Entrada de Alimentação correspondente à entrada superior da placa. 8
  • 12. AsGa MMO 63E1 ESPECIFICAÇÃO DE CARACTERÍSTICAS 2.3.1.Características das Fontes Internas Alimentação DC: · Alimentação DC de -48 V ± 25% - Faixa de -36 a -60 VDC; · Eficiência típica de 80%; · Proteção contra sobretensão e sobrecorrente na saída; · Fusível de proteção instalado em cada placa de interface; · Cada entrada de energia é monitorada pelo sistema de gerência; · Consumo: 40 W. 2.3.2. Condições Ambientais O MMO 63E1 atende integralmente às especificações da Prática Telebrás 240-600- 703, como equipamento classe C – variante 2 – para operação em ambiente abriga- do não climatizado, na faixa de 0ºC a 50ºC de temperatura. 2.4. FLUTUAÇÃO DE FASE (JI TTER) O Jitter Intrínseco do equipamento, a sua curva de Aceitação de Jitter e o Ganho de Jitter satisfazem às especificações da ITU-T G.823, G.825 e O.171. 2.5. TAXA DE ERRO A taxa de erro em qualquer terminal elétrico do MMO 63E1, para um enlace que satisfaz as condições estabelecidas para as interfaces ópticas e elétricas, é menor que 1,0x10-10. 2.6. RELÓGIO EXTERNO O MMO 63E1 possui entrada para relógio externo de acordo com a recomenda- ção G.703 da ITU, para freqüência de sincronização de 2048 kHz ± 4,6 ppm, impedância de 75Ω e conector BNC, para sincronização dos equipamentos quando desejado. O MMO 63E1 possui também saída de relógio. O mesmo relógio de entrada é regenerado e enviado à saída de relógio externo. O relógio externo de saída obede- ce, da mesma forma, a recomendação G.703 da ITU. Essa saída pode ser usada para não se sobrecarregar o relógio da central. Os conectores BNC para entrada e saída de relógio estão situados nas placas de 155 Mbps, conforme verificado na figura 3 a seguir. Dependendo do slot no qual está inserida a placa, o conector funciona como entrada ou como saída. Se estiver no 9
  • 13. AsGa MMO 63E1 ESPECIFICAÇÃO DE CARACTERÍSTICAS compartimento à esquerda, o conector serve de entrada para relógio externo (SYNC IN), ao passo que se estiver inserido no compartimento à direi- ta, serve como saída de relógio externo (SYNC OUT). Se não houver relógio sendo injetado, não haverá, da mesma forma, saída de relógio. Obs.: O equipamento Mestre é configurado com prioridade de relógios. As fontes de relógio po- dem ser relógio externo, recuperado de um dos tributários A1, B1 ou C1 ou relógio interno. Na TRO TRO falta do relógio configurado é realizada a comuta- LASER LASER ção automática para outra fonte de relógio seguin- do a prioridade. 2.7. CANAL DE SERVIÇO TX-M/RX-B TX-B/RX-M O MMO 63E1 oferece um canal de comuni- SINC IN SINC OUT cação para transporte de canal de serviço. O Figura 3 - Entrada e Saída canal de serviço utiliza circuitos de codificação de Relógio Externo de voz baseados em modulação digital Sigma- Delta e pode ser utilizado através da conexão de um monofone externo portátil ao painel frontal através de “jack” de monofone. A chamada é realizada através do display / teclado. O alerta acústico se dá através de campainha interna. 2.7.1 Canal Endereçável O canal de serviço do MMO 63E1 é endereçável para qualquer elemento da rede, através de controle por teclado/display. A campainha do equipamento escolhido é acionada e no display aparecerá a informação de qual equipamento está chamando.
  • 14. A figura 4 ilustra o esquema de ligações 78219 4 a serem feitas no “plug” do monofone do 1234536 canal de serviço. O “plug” deve ser do tipo P-10 stereo. Figura 4 - Esquema de ligação do plug do Canal de Serviço 10
  • 15. AsGa MMO 63E1 ESPECIFICAÇÃO DE CARACTERÍSTICAS 2.8. CANAL DE COMUNICAÇÃO DE DADOS O MMO 63E1 possui uma interface de comunicação de dados que pode ser utilizada para transportar dados de forma assíncrona a uma velocidade recomenda- da de até 19200 bps e interface física RS-232. A comunicação é endereçável para qualquer elemento da rede, através de controle por teclado/display ou gerência ex- terna. Este canal é 100% transparente e independente de protocolo, desde que seja respeitada a taxa máxima de operação. O conector utilizado é um RJ45, situado na placa de entrada de alimentação (COM / ALARMS). Quatro pinos deste conector são utilizados para a exteriorização de alarme urgen- te e alarme não urgente do equipamento, através de contato seco de relé. A pinagem deste conector é apresentada na seção 4. 2.9. INTERFACE DE CONFIGURAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DE SOFTWARE No painel frontal do MMO 63E1 existe uma interface RS-232 com conector DB9, onde pode ser conectado um computador (notebook, por exemplo) para realizar toda a configuração do equipamento, inclusive configuração das rotas. A configuração pode ser realizada através do software Configurador SDH AsGa, que possui interface gráfica amigável, ou via telnet. Através desta interface também pode-se carregar versões mais novas do software interno de operação do MMO 63E1. Na seção 4, é apresentada a pinagem do conector DB9. 2.10. TECLAS / DISPLAY DE CRISTAL LÍQUIDO O teclado e o display de cristal líquido, situados no painel frontal, realizam todas as funções de controle do MMO 63E1. Pode-se utilizar o teclado e o display para configurar tributários, verificar desempenho, selecionar elemento da rede para cha- mada de serviço, realizar loopback em canais distantes, etc. 2.11. PLACA LAN Os compartimentos destinados às placas de tributários também podem ser utili- 11
  • 16. AsGa MMO 63E1 ESPECIFICAÇÃO DE CARACTERÍSTICAS zados para acomodar placas LAN que fornecem interface de rede ethernet para 10BaseT ou 100BaseT. Esta placa pode mapear de 1xE1 a 7xE1 no fluxo STM-1, permitindo uma velocidade programável de 2 a 14 Mbps. Utiliza conector RJ-45 com a pinagem apresentada na seção 4. 2.12. GERÊNCIA SNMP O MMO 63E1 disponibiliza uma interface para gerên- cia SNMP. A interface de gerência utiliza o protocolo de transpor- te Ethernet, interface física 10BaseT e está localizada na placa de entrada de alimentação (SNMP). O conector é o RJ-45, com a mesma pinagem da placa LAN. Figura 5 - Placa LAN 2.13. CONFIGURAÇÃO DE PROTEÇÃO O MMO 63E1 possui um sistema de proteção que evita a perda de comunicação entre os equipamentos, caso haja falha em algum dos componentes constituintes do anel principal, como danos na cabeça óptica, rompimento da fibra usada para a comunicação, etc. Caso haja qualquer problema que prejudique o desempenho do enlace principal, o MMO 63E1 realiza a comutação para o enlace reserva automati- camente. Para maior segurança, os dois enlaces (principal e reserva) ficam operando continua- mente, de modo que, se houver uma comutação do principal para reserva, ou vice-versa, haja a menor perda de dados possível. O MMO 63E1 utiliza dois esquemas de proteção: o do tipo SNC (SubNetwork Connection) e o de camada física. Na comutação do tipo SNC, o sinal de recepção é selecionado através de lógica baseada no desempenho local de cada um dos tributários recebidos. Deste modo, não existe protocolo de comunicação para chaveamento de proteção e a decisão de chaveamento é tomada sempre localmente e por tributário. A comutação de camada física ocorre quando se tem falta de sinal óptico em um dos enlaces. Neste caso, o equipamento não recebe mais o quadro SDH e precisa de um relógio para gerar o quadro e transmitir o sinal para o próximo ponto. Essa é a comutação utilizada quando ocorre rompimento da fibra. Após serem restabelecidas as condições normais de operação no anel principal, o 12
  • 17. AsGa MMO 63E1 ESPECIFICAÇÃO DE CARACTERÍSTICAS sistema aguardará o tempo de retorno e comutará para o anel principal. Porém, se ocorrer algum alarme no anel reserva durante a espera do tempo de retorno de comutação, haverá comutação para o anel principal instantaneamente. O MMO 63E1 dispõe ainda da facilidade de comutação forçada, usada durante os testes iniciais de alinhamento do enlace óptico. Para tanto, o operador pode exe- cutar o comando através das teclas/ display de cristal líquido. Uma vez executado o comando de comutação forçada, o respectivo led do painel frontal (FS) começará a piscar. Quanto ele estiver piscando em verde indica que o anel principal está sob comutação forçada. Quando o led piscar em vermelho, indica comutação forçada para o anel reserva. A condição de comutação forçada somente será desfeita através da intervenção do operador. 2.13.1 Comutação por taxa de erro O MMO63E1 dispõe também da facilidade de comutação dos tributários e da gerência por taxa de erro. Habilitando-se a função de comutação dos tributários por taxa de erro, assim que a taxa de erro de um tributário for superior ao limiar escolhido, haverá comutação deste tributário para o outro enlace. Caso os dois enlaces tenham ultrapassado o limiar escolhido, só haverá comutação quando a taxa de erro de um enlace for dez vezes maior que a do outro. Os limiares disponíveis são 1E-7, 1E-8 e 1E-9. A configuração padrão desta função é desabilitada. A taxa de erro para cada tributário e para cada seção é apresentada no display. A comutação por taxa de erro é baseada no desempenho local de cada tributário recebido. O retorno da comutação ocorre quando a taxa de erro torna-se menor que o limiar configurado por no mínimo 15 minutos ou quando o enlace em opera- ção passa a ter uma taxa de erro maior. Para a comutação do sinal de gerência por taxa de erro, sempre que a taxa de erro for maior que 1E-6, automaticamente ocorre comutação da gerência para o outro enlace, desde que este outro esteja operando sob uma taxa de erro inferior. Neste caso, o retorno ocorre 30 minutos após o enlace estar operando sem proble- mas. Vale ressaltar que a gerência de desempenho deve estar habilitada para que haja comutação por taxa de erro tanto dos tributários quanto da gerência. Obs.: As versões de software iguais e superiores à 3.06 possibilitam a comuta- ção por taxa de erro. 13
  • 18. AsGa MMO 63E1 ESPECIFICAÇÃO DE CARACTERÍSTICAS 2.14. ALARMES O MMO 63E1 exterioriza através do painel de leds e do sistema externo de gerên- cia os seguintes alarmes: · LOS XY Ausência de recepção do sinal elétrico na entrada elétrica Y do grupo X, onde Y = 1, 2, ..., 7 e X = A, B, ..., I. · AIS XY Sinalização Indicativa de Alarme detectada na entrada elétrica Y, do grupo X onde Y= 1, ..., 7 e X = A, B, ..., I. · J2 Erro de identificação de rota. De acordo com a identificação de cada rota E1, realizada na configuração, o sinal de 2Mb/s nãoestá sendo enviado para o equipamento correto. · LOS Perda de recepção do sinal de 155 Mbps. . AIS Sinalização indicativa de alarme detectada no sinal de 155 Mbps. · LOF Perda da palavra de alinhamento de quadro no sinal de 155 Mbps. · XFO As fibras do enlace principal e do enlace reserva estão invertidas. · J1 Erro de rastreio. De acordo com a identificação realizada, o sinal de 155Mbps não está sendo recebido do equipamento correto. · Power Supply Ausência de entrada de alimentação #1 / #2. · 5V Falha na fonte interna de 5V. · Clk Falta de recepção do relógio configurado para o equipamento mestre. · Eth Link Falta de link Ethernet. 2.15. DETECÇÃO DE SIA O MMO 63E1 é capaz de detectar a presença de SIA (Sinalização Indicativa de Alarme) na entrada de qualquer tributário. Quando este tipo de sinal estiver presente em alguma entrada, o LED localizado no painel frontal do equipamento corresponden- te a este tributário indicará esta condição, piscando muito rapidamente (aproximada- mente 10 Hz). 2.16. ALARMES URGENTES E ALARMES NÃO URGENTES Além das indicações anteriores, os alarmes urgente e não urgente estão disponíveis através do conector RJ45 (COM/ALARMS) localizado na placa de entrada de alimenta- ção do MMO 63E1, sendo exteriorizado através de contatos secos de relê. A condição de Alarme Urgente é alcançada através de uma lógica interna de alarmes, ocorrendo sempre que houver algum tipo de alarme no sinal de 155Mb/s, no sinal de 14
  • 19. AsGa MMO 63E1 ESPECIFICAÇÃO DE CARACTERÍSTICAS 2Mb/s, na fonte de alimentação ou no transceptor óptico, de forma a interromper a transmissão e/ou recepção de dados do MMO 63E1. A condição de Alarme Não Urgente ocorre quando há falha em umas das entradas de alimentação e quando há falta de link Ethernet. 2.17. REALIZAÇÃO DE TESTES No MMO 63E1 podem ser realizados os seguintes testes: · Facility Loopback em cada canal E1; · Remote Loopback em cada canal E1; · Facility Loopback no sinal de 155 Mbps; · Remote Loopback no sinal de 155 Mbps; · Comutação forçada para o sistema principal ou reserva. Uma descrição mais detalhada de cada teste pode ser encontrada na seção 3. 2.18. GERÊNCIA DE DESEMPENHO O MMO 63E1 monitora os parâmetros de desempenho definidos pela recomenda- ção ITU-T G.821 e G.826, mostrados na tabela a seguir. Parâmetro Descrição ES Errored Seconds SES Severe Errored Seconds BBE Background Block Error UAS Unavailable Seconds A cada 15 minutos são consolidados os parâmetros ES, SES, BBE e UAS para cada porta alocada do MMO 63E1. Estes resultados são armazenados na memória volátil do próprio equipamento. A cada 24 horas, os 96 blocos dos parâmetros de desempenho de cada porta são somados e gravados na memória FLASH do equi- pamento e os segmentos de 15 minutos vão sendo substituídos por novas medidas. No display está disponivel a taxa de erro (BER) para cada porta alocada, levando em consideração as últimas 24 horas e o último bloco de 15 minutos consolidado. Porém no equipamento estarão armazenados os parâmetros consolidados de até 3 meses. Todos os resultados (inclusive os blocos de 15 min) podem ser acessados e armazenados através de um sistema de gerência SNMP. Vale ressaltar que os intervalos medidos são sempre fixos, independente da hora que o equipamento foi ligado. O dia consolidado começa sempre às 00:00h e termi- 15
  • 20. AsGa MMO 63E1 ESPECIFICAÇÃO DE CARACTERÍSTICAS na às 00:00h da dia seguinte e os intervalos de 15 minutos são consolidados a cada quarto de hora. Por exemplo, se o equipamento for ligado às 14:10h, às 14:15h será consolidado um bloco de 15 minutos e às 00:00h o equipamento armazenará os parâmetros do dia consolidado. Obs.: As versões de software iguais e superiores à 3.00 possibilitam a Gerência de Desempenho do equipamento. A versão de software do equipamento é verificada através do Display de Cristal Líquido presente no painel frontal do equipamento. A atualização do software pode ser feita com o equipamento em funcionamento, através da porta frontal RS232. 2.19. FACILIDADES DE GERÊNCIA As capacidades de comunicação de gerência do MMO 63E1 são: 1. Comunicação através do conector frontal padrão DB9 para porta serial de um computador pessoal, usando interface RS232 e protocolo Slip. 2. Comunicação com os outros equipamentos que compõem o enlace óptico através do display de cristal líquido do MMO 63E1 local. Neste caso, o protocolo utilizado é o TCP/IP. 3. Comunicação com um sistema de gerência SNMP, utilizando interface física Ethernet, através do conector RJ45 situado na placa de entrada de alimentação do MMO 63E1. Esta facilidade permite a gerência e configuração do equipamento por um sistema de gerência remoto. O MMO 63E1 pode ser gerenciado por qualquer sistema de gerência que utilize o protocolo SNMP. 2.20. FUNCIONAMENTO EM REDE PÚBLICA ANEL MMO 63E1 O MMO 63E1 pode ser utilizados na MMO 21E1 distribuição de acessos E1 através de MMO 21E1 uma rede formada por um anel óptico, Até 63 tributários por anel como mostra a Figura 6. Vindo da Rede Pública, o MMO63E1 MMO 21E1 MMO 21E1 Anel recolhe os troncos digitais E1 e os Reserva transmite pelo anel óptico. Os MMO Anel Principal MMO 21E1 21E1, situados em armários ópticos ao longo do anel, provêm inserção/deriva- Figura 6 – Configuração em Anel 16
  • 21. AsGa MMO 63E1 ESPECIFICAÇÃO DE CARACTERÍSTICAS ção de troncos para os Estágios Remotos de Central Pública, interface Ethernet para Rede IP, além de canais E1 para atendimento direto de clientes (PABX de grande porte atendido por uma Central Mãe, canais ADSL, acesso de dados, etc). Em cada MMO 21E1 podem ser retirados até 21 tributários e no MMO 63E1 podem ser retirados até 63 tributários. O quadro STM-1 é enviado pelo anel principal e pelo anel reserva ao mesmo tempo. Na recepção, através de análise de desempenho é escolhido de qual anel será retirado cada tributário. 2.21. MECÂNICA HORIZONTAL O MMO 63E1 é acomodado em caixa metálica de 480 mm de largura, 358 mm de altura e 271 mm de profundidade. Esta estrutura permite uso do equipamento sobre mesa, ou então sua fixação em bastidor de 19 polegadas. No painel frontal da placa principal encontram-se um conjunto de LEDs indicativos de alarmes, display de cristal líquido e teclas para realização das funções de con- trole da rede, entrada para monofone e chave push-button para o canal de serviço e conector tipo DB9 para conexão de microcomputador (notebook). Nas placas de interfaces encontram-se: - Chave liga-desliga - Conectores tipo DB15 para interfaces elétricas; - Conectores para interface óptica; - Entradas de energia; - Conector RJ45 para o canal de comunicação de dados e exteriorização de alarme urgente e não urgente; - Conector tipo RJ45 para Ethernet 10BaseT (SNMP); - 2 conectores tipo BNC para entrada e saída de relógio. 17
  • 22. AsGa MMO 63E1 DESCRIÇÃO FUNCIONAL 3. DESCRIÇÃO FUNCIONAL 3.1. MMO 63E1 O MMO 63E1 é composto por uma placa fixa responsável pela acomodação dos circuitos de mapeamento e controle dos tributários, geração e terminação dos qua- dros STM-1, gerência do equipamento, além de placas removíveis que podem ser de três tipos: placa de entrada de alimentação, placa de tributários e placa de interface de 155 Mbps. A placa de entrada de alimentação do MMO 63E1 possui duas entradas individuais DC de -48V +- 25%. O MMO 63E1 pode operar com 1 fonte ou 2 fontes de alimenta- ção (backup). Nesta placa também estão presentes conectores RJ45 para a gerência SNMP, canal de comunicação de dados e ainda para exteriorização de alarme urgente e não urgente (COM/ALARMS). Os tributários são interfaceados com o MMO 63E1 através de nove placas de tributários que suportam até 7 tributários cada uma. As placas de tributários são independentes e pode-se utilizar o MMO 63E1 na forma sub-equipada, com quantas placas de tributários se desejar. Dessa forma, pode-se operar com 7, 14, 21, ..., até 63 tributários em cada equipamento. Cada placa de tributários possui um conversor DC / DC com saída de 5V para a alimentação das próprias placas. O led Power indica se cada placa está energizada. Interface de 155Mbps B Interface de 155Mbps A Placa de Tributários Placa de Tributários Placa de Tributários Placa de Tributários Placa de Tributários Placa de Tributários Placa de Tributários Placa de Tributários Placa de Tributários Placa de Entrada de alimentação Grupo G Grupo E Grupo H Grupo A Grupo B Grupo D Grupo F Grupo C Grupo I MMO 63E1 Multiplex STM-1 Figura 1 – Módulos do MMO 63E1 18
  • 23. AsGa MMO 63E1 DESCRIÇÃO FUNCIONAL As placas de interface de 155Mbps podem fazer conversão eletro-óptica dos si- nais para lançamento do sinal SDH em fibra óptica (nesse caso chamadas de TRO) ou para lançar o sinal SDH em cabo coaxial (TRE). O MMO 63E1 pode operar com 2 TROs, 2 TREs ou 1 TRO e 1 TRE. Da mesma forma que as placas de tributários, essas placas são totalmente independentes. Cada placa de interface de 155Mbps possui um conversor DC / DC com saída de 5V para a alimentação das próprias placas e também para alimentação da placa principal ADM63. O led Power indica se cada placa está energizada. As demais funções do MMO 63E1 estão baseadas na placa fixa, ADM63, que conta ainda com duas placas filhas: uma que acomoda o display de cristal líquido e suas respectivas teclas de operação e outra que acomoda o microprocessador responsável pelo controle do MMO 63E1. A seguir, tem-se uma descrição detalhada de cada placa do MMO 63E1. 3.2 CARACTERÍSTICAS DA PLACA TRO Os módulos TRO são responsáveis pela conversão eletro-óptica do sinal SDH que vai ser lançado em fibra e pela conversão opto-elétrica do sinal SDH que chega da fibra. O módulo TRO pode ser sistematizado no diagrama de blocos da figura 2. O sinal a ser transmitido (vindo da placa ADM63) dirige-se diretamente para o transmissor óptico (TXO) sendo con- vertido de sinal elétrico em sinal óptico sinal a ser e lançado em fibra óptica. transmitido TXO O mesmo ocorre com o sinal recebi- sinal do. O sinal óptico da fibra chega ao recebido RXO receptor óptico (RXO), sendo transfor- alarme de mado em sinal elétrico e direcionado LOS para a placa ADM63. Em caso de au- dado sência de sinal, o receptor óptico (RXO) relógio ID gera um alarme de ausência de recep- relógio ção óptica (LOS). Esse alarme é cole- externo tado na placa ADM63. Como os demais módulos do MMO Figura 2 – Diagrama de 63E1, o módulo TRO possui um dispo- Blocos da Placa TRO sitivo de identificação que é acessado pela placa ADM63 e que carrega todas as informações necessárias para identifica- 19
  • 24. AsGa MMO 63E1 DESCRIÇÃO FUNCIONAL ção da placa. TRO A TRO B Como pode ser observado na figura 3, quando se usa uma configuração em anel, o sinal de um dos anéis chega em um dos módulos TRO e sai pelo outro, e vice versa. Dessa forma, cada placa TRO trabalha tanto com o anel principal como com o anel reserva. Foi estabelecido por convenção que o sinal que chega pelo TRO B e sai pelo TRO A faz parte do anel principal. Da mesma forma, o sinal que chega pelo TRO A e parte do TRO B faz parte do anel re- serva. TRO TRO LASER LASER Quando se opera com um TRO do tipo Laser Bidirecional há apenas um cabo monofibra para a transmissão e recepção óptica. A placa TRO suporta ainda uma entrada ou saída de relógio externo usado para sincronização do MMO TX-M/RX-B TX-B/RX-M SINC IN SINC OUT 63E1 quando desejado. Quando uma placa TRO é Figura 3 – Módulo TRO colocada no slot à esquerda, o conector BNC é uma entrada de relógio externo de 2 MHz, ao passo que quando a placa é inserida à direita, o conector é de saída, correspondendo ao próprio relógio que fora inserido pela placa à esquerda. Se não houver relógio sendo injetado, não haverá, da mesma forma, saída de relógio. Essa saída de relógio de 2 MHz pode ser usada para não se sobrecarregar o relógio da central. 3.3 CARACTERÍSTICAS DA PLACA TRE Como observado anteriormente, além de módulos TRO (Transceptores Ópticos), o MMO63E1 pode operar com módulos TRE (Transceptores Elétricos). Esses módulos possuem a mesma função dos módulos TRO, porém servem para a recep- ção e transmissão de dados para a linha elétrica (cabo coaxial). Dessa forma, possuem conectores para cabo coaxial (BNC ou IEC) e transformadores de trans- missão e recepção. Assim como o módulo TRO, possui também entrada e saída de relógio externo. Conforme os demais módulos do MMO 63E1, há um circuito para identificação que guarda as informações referentes à placa. 20
  • 25. AsGa MMO 63E1 DESCRIÇÃO FUNCIONAL 3.3.1 Interfaces Elétricas As interfaces elétricas satisfazem as especificações G.703 do ITU. O código de linha utilizado é o CMI (Coded Mark Inversion) com características físicas apresentadas na Tabela 1 a seguir. 3.3.2 Flutuação de Fase 3.3.2.1 Tolerância a Jitter O equipamento satisfaz as recomendações G.782, 783, 825 e 958 do ITU, tolerando jitter de entrada aci- G.703 155Mb/s ma da máscara da Figura 5. 3.3.2.2 Jitter Intrínseco O jitter intrínseco fica abaixo da máscara da reco- mendação G.813, dada pela tabela a seguir: Faixa d e Am plitud e Frequência M áxim a do Jitter Figura 4 – Módulo TRE 500 H z a 1,3 M H z 0,50 U I pp 65 kH z a 1,3 M H z 0,10 U I pp 3.3.2.3 Ganho de Jitter O ganho de jitter deve se situar abaixo da curva dada pela Rec. G.958 do ITU, com valor máximo de 0,1 dB até uma freqüência de corte de 130 kHz, acima da qual o ganho deve se reduzir à uma taxa superior ou igual a 20 dB/década. 3.4 CARACTERÍSTICAS DA PLACA DE TRIBUTÁRIOS As placas de tributários (Grupos A, B, ..., I) têm a função de manipular até 7 tributários a serem lançados e extraídos nos anéis. Compõe-se basicamente de conectores de entrada e saída elétricas (do tipo DB-15 fêmea), transformadores de sinal, interfaces de linha e, além desses componentes que são responsáveis pela manipulação dos tributários, possui, como os demais módulos, dispositivo para identificação da placa. 21
  • 26. AsGa MMO 63E1 DESCRIÇÃO FUNCIONAL Tabela 1 – Características Físicas da Interface Elétrica de 155Mb/s Formato do Pulso Retangular, de duração T = 6,43 ns para transmissão de “1” e de dois segmentos T/2 para transmissão de “0” Tipo de conexão um par de cabos coaxiais (TX, RX) Impedância 75 ohm, resistiva Voltagem pico a pico (1±0,1) volt Tempo de subida ≤ 2 ns Negativas: ±0,1 ns Tolerância no tempo de Positivas no fim dos intervalos: ±0,5 ns transição Negativas no meio dos intervalos: ±0,35 ns Perda de Retorno ≥ 15 dB na faixa de frequência 8 a 240 MHz A1 A2 Jitter pico Rampa a 20 dB/década pico UIpp A3 A4 f11 f10 f9 f8 f1 f2 f3 f4 Frequência de Jitter A1 = 311 f11 = 1,6 mHz f1 = 0,5 kHz A2 = 39 f10 = 15,6 mHz f2 = 6,5 kHz A3 = 1,50 f9 = 0,125 Hz f3 = 65 kHz A4 = 0,15 f8 = 19,3 Hz f4 = 1300 kHz Figura 5 – Máscara para Tolerância a Jitter 22
  • 27. AsGa MMO 63E1 DESCRIÇÃO FUNCIONAL 3.4.1 Conectores de Entrada e Saída O conector DB15 superior (OUT) corresponde às saídas de tributários e o conector inferior (IN) corresponde às entradas. 3.4.2 Facility Loopback IDL1 O facility loopback é realizado sobre as entradas elétricas independentemente. Ati- 2 Mbps vando-se o comando de facility loopback, o sinal de entrada do canal é devolvido atra- 155 Mbps vés da saída elétrica do mesmo canal. IDL2 MAP/ A Figura 6 exemplifica a execução deste DMAP tipo de loopback. Enlace IDL3 Note que o sinal que é lançado de volta Óptico ... também continua o processo de mapeamento, porém, o sinal que é emitido IDL7 pelo desmapeador para esse tributário é in- terrompido internamente na interface. Figura 6 – Facility Loopback 3.4.3 Remote Loopback O remote loopback pode ser realizado independentemente por canal e, quando executado, faz com que o sinal de 2Mbps que chega ao equipamento local passe pela interface de linha e volte para o equipamento remoto. Esse comando é especialmente útil para se testar todo o enlace óptico pois, colocando-se um analisador de sinais em uma entrada elétrica do MMO 63E1 e realizando-se o remote loopback na porta do equipamento remoto correspondente a esta entrada, tem-se o sinal que fora injetado pelo analisador de volta na saída do tributário local, podendo, assim, ser verificado o funcionamento de toda a rota em questão. A figura 7 exemplifica o Remote Loopback. A execução do comando é independente para cada tributário, sendo que os ou- tros que porventura estejam sendo utilizados não sofrem influência do comando. Note que o sinal que é lançado de volta também está disponível da saída elétrica do equipamento remoto. 23
  • 28. AsGa MMO 63E1 DESCRIÇÃO FUNCIONAL MMO63E1 (A) MMO63E1 (B) IDL1 IDL1 2 Mbps Enlace IDL2 Óptico IDL2 MAP/ ... MAP/ DMAP ... DMAP IDL3 155 Mbps IDL3 ... ... IDL7 IDL7 Figura 7 – Remote Loopback 3.5 CARACTERÍSTICAS DA PLACA LAN Os slots destinados às placas de tributários podem ser usados também para acomodar placas LAN, independentemente se os outros slots possuam ou não placas de tributários. A interface LAN do MMO 63E1 possibilita a interconexão de duas redes locais remotas, formando uma única rede local. Este módulo possui uma interface de rede local 10BaseT/100BaseTx (10/100Mbps), com seleção automática de velocidade, e uma interface WAN interna, com velocidade de 2Mb/s a 14Mb/s (utilizando de 1 a 7 tributários), que pode ser selecionada pelo usuário. 3.5.1 Função BRIDGE A interface LAN possui a função de bridge, que otimiza o tráfego de dados que atravessa a interface WAN. A operação do bridge é a seguinte : O bridge aprende automaticamente o endereço de todos os computadores per- tencentes à rede local, na qual o MMO 63E1 está conectado. Quando ele receber um pacote de dados, cujo endereço destino pertença a um computador localizado na mesma rede local, o pacote é descartado. Caso contrário, ele transmite o paco- te para o MMO 63E1 / MMO21E1 remoto que contém a outra interface LAN, que por sua vez, enviará o pacote para a rede conectada a ele. Isto garante que somen- 24
  • 29. AsGa MMO 63E1 DESCRIÇÃO FUNCIONAL te os pacotes de dados relacionados à comunicação de dois computadores de redes situadas em locais distintos atravessarão a interface WAN. Importante : Nunca conectar duas redes locais remotas através de duas cone- xões paralelas de interfaces LAN, ou ainda, quando for utilizar a interface LAN para conectar duas redes locais remotas,verificar se não existe nenhuma outra conexão entre estas redes, pois se isto ocorrer, irá formar um loop por onde os pacotes de dados circularão indefinidamente. 3.5.2 Controle de Fluxo Back-Pressure Como a placa LAN possui interface Ethernet com velocidade maior do que a interface WAN, é necessário um controle de fluxo para evitar a perda de dados no caso de um congestionamento. O congestionamento pode ser causado por uma carga excessiva de pacotes (dados) na interface Ethernet. Como estes pacotes chegam a uma taxa máxima de 10 ou 100 Mbps e têm que sair pela interface WAN a uma taxa de transmissão de dados menor (2 a 14 Mb/s), o buffer de pacotes interno do módulo pode encher causando assim perdas de dados. Para resolver este problema, a interface LAN possui um mecanismo de controle de fluxo, conhecido como Back Pressure. Quando o congestionamento ocorrer, o mecanismo Back Pressure é ativado, evitando a perda de pacotes, e consequentemente aumentando o desempenho e a confiabilidade da comunicação. O Back Pressure pode ser habilitado e desabilitado pelo display e gerência SNMP. 3.5.3 Estatísticas do módulo Interface LAN Os contadores da interface LAN disponíveis através de um software de gerência SNMP são apresentados abaixo. 1 : Número de bytes transmitidos pela interface WAN. 2 : Número de bytes recebidos pela interface WAN. 3 : Número de bytes transmitidos pela interface LAN. 4 : Número de bytes recebidos pela interface LAN. 5 : Número de pacotes Unicast transmitidos pela interface WAN. 6 : Número de pacotes Unicast recebidos pela interface WAN. 7: Número de pacotes Unicast transmitidos pela interface LAN. 8 : Número de pacotes Unicast recebidos pela interface LAN. 25
  • 30. AsGa MMO 63E1 DESCRIÇÃO FUNCIONAL 9 : Número de pacotes Broadcast transmitidos pela interface WAN. 10: Número de pacotes Broadcast recebidos pela interface WAN. 11: Número de pacotes Broadcast transmitidos pela interface LAN. 12 : Número de pacotes Broadcast recebidos pela interface LAN. 13: Número de pacotes descartados vindos da interface LAN, por falta de espaço no buffer de pacotes. 14: Número de pacotes descartados vindos da interface WAN, por falta de espaço no buffer de pacotes. 15: Número de pacotes recebidos com erro pela interface LAN. 16: Número de pacotes recebidos com erro pela interface WAN. Com estes contadores é possível avaliar o tráfego de pacotes que transitam pela interface WAN e se está havendo congestionamento, ou seja, é possível saber se o enlace de dados entre as duas redes locais está subdimensionado. 3.5.4 Características técnicas · Porta RJ45 10BaseT (Ethernet)/100BaseTX (Fast Ethernet) com seleção au- tomática; · Compatível com as normas IEEE 802.3; · Função bridge; · Controle de fluxo back pressure; · Capacidade máxima de endereços MAC : 16000 endereços; · Capacidade do buffer de pacotes: 256 pacotes Ethernet; · Descarte de pacotes com erro vindos da LAN e WAN; · Velocidade de operação da interface WAN : 2 a 14 Mbps. 3.5.5 Dispositivo de identificação Como as demais placas do MMO 63E1, a placa LAN possui uma memória do tipo E2PROM. Esse dispositivo de identificação guarda informações que facilitam o rastreio da placa. 26
  • 31. AsGa MMO 63E1 DESCRIÇÃO FUNCIONAL 3.6 CARACTERÍSTICAS DA PLACA DE ENTRADA DE ALIMENTAÇÃO A placa de entrada de alimentação do MMO 63E1 possui duas entradas individuais DC de -48V +- 25%. O MMO63E1 pode operar com uma entrada de alimentação (alimentação sim- ples) ou com duas entradas de alimentação (operação com proteção). Internamente, no sistema de gerência, as fontes são denominadas como fonte #1 e fonte #2, sendo a fonte #1 correspondente à entrada superior da placa de alimentação. Além da entrada de alimentação, essa placa contém dois conectores RJ45. O RJ45 à direita serve como entrada para gerência SNMP. O RJ45 à esquerda presta-se à interface de comunicação de dados e exteriorização de alarme urgente e não urgente (COM/ALARMS). Como as demais placas do MMO 63E1, a placa fonte dispõe de um dispositivo para identificação. 3.7 CARACTERÍSTICAS DA PLACA ADM63 A placa ADM63 é a mais importante do equipamento e, ao contrário das citadas anteriormente, é fixa e faz parte da caixa. Ela contém todos os circuitos de processamento do sinal SDH bem como placas filhas responsáveis pela monitoração e gerenciamento do equipamento (placa PC) e exibição visual de alarmes, status e configurações (placa painel). A placa de gerência é responsável pelo mapeamento e desmapeamento dos tributários no sinal SDH, formação dos cabeçalhos (overheads), monitoração de desempenho, dentre outras. Comanda diretamente ainda os leds presentes no painel do equipamento. 3.7.1 Facility Loopback e Remote Loopback Os transceptores de 155 Mbps apresentam dois tipos de loopback para testes que podem ser realizados a partir de qualquer ponto do anel. A figura 8 a seguir indica esses dois tipos de loopback. O primeiro tipo é o Facility Loopback. Esse teste faz com que o sinal E1 a ser transmitido chegue até o transceptor e retorne novamente para a interface E1. Com isso, pode ser realizado o teste de todo o circuito interno do equipamento, desde as interfaces de linha de 2Mbps até os terminadores de overhead. O segundo tipo de teste possível é o Remote Loopback. Nesse caso, o sinal SDH que está chegando pela fibra é enviado de volta sem ser manipulado pelo transceptor. 27
  • 32. AsGa MMO 63E1 DESCRIÇÃO FUNCIONAL Assim, pode-se testar a trajetória do sinal SDH. Estes testes podem ser realizados tanto na seção leste quanto na seção oeste, conforme pode ser visto na Figura 8. 3.7.2 Plataforma de Gerência A plataforma de processamento é montada em um módulo independente, do tipo placa filha e incorpora todos os circuitos necessários à plataforma do microprocessador, tais como memória de programa FLASH, memória RAM, UART, módulo SNMP, dentre outros componentes. A plataforma de processamento incor- pora ao sistema de gerenciamento e controle dos equipamentos AsGa uma série de vantagens, tais como: · Alta velocidade de processamento. Facility Loopback de 155Mbps Seção Oeste Seção Leste TRO W MMO 63E1 TRO E Anel 155 Mbps Principal Anel Reserva 2 Mbps Remote Loopback de 155Mbps Seção Oeste Seção Leste TRO W MMO 63E1 TRO E Anel 155 Mbps Principal Anel Reserva 2 Mbps Figura 8 - Loopback de 155Mbps 28
  • 33. AsGa MMO 63E1 DESCRIÇÃO FUNCIONAL · Modularidade de software. · Gerência SNMP. · Facilidade de download de programas com o equipamento em operação. · Relógio com data e hora para registro histórico de eventos. · Configuração via display de cristal líquido. 3.7.3 Display de Cristal Líquido No painel frontal do MMO 63E1 encontra-se um display de cristal líquido, contro- lado diretamente pelo micro-processador. Esse display, acoplado a um conjunto de chaves do tipo push-button permite várias facilidades, tais como configuração do equipamento, do sistema de gerência, alocação de tributários, além de permitir realização de testes diversos e leitura de status do equipamento local e do sistema como um todo, através de menu multicamadas. Esse módulo, assim como a placa de gerência, faz parte da caixa do MMO 63E1. 29
  • 34. AsGa MMO 63E1 CONFIGURAÇÃO 4. CONFIGURAÇÃO 4.1. CONFIGURAÇÃO INICIAL DO SISTEMA O MMO 63E1 sai de fábrica com configuração padrão, que pode ser alterada através do display de cristal líquido, via Telnet ou pelo Configurador SDH AsGa. 4.2. CONFIGURAÇÃO PADRÃO O MMO 63E1 possui a seguinte configuração padrão: · Relógio Master. · Topologia em Anel. · Tempo de Retorno de Comutação: corresponde ao tempo necessário para que o equipamento volte a operar normalmente através do enlace principal, após ter ocor- rido comutação para o enlace reserva. O tempo de retorno padronizado é de 10 minutos. · Uso de senha: configura o uso ou não de senha de proteção para acesso ao display de cristal líquido. O padrão de fábrica é para acesso sem uso de senha. 4.3. CONFIGURAÇÃO ATRAVÉS DO DISPLAY DE CRISTAL LÍQUIDO Através do display de cristal líquido, pode-se realizar todas as funções de controle do MMO 63E1. Recomenda-se a leitura completa deste item antes de se iniciar qualquer tentativa de configuração do equipamento a fim de evitar configurações equivocadas. Como configurar o equipamento: Para navegar pelo display, são utilizadas as teclas de controle ao lado direito do display. Através das setas para direita e esquerda, pode-se escolher a opção do menu desejada. A tecla ‘ENTER’ entra no menu escolhido, a tecla ‘ESC’ retorna ao menu anterior e as teclas para cima e para baixo setam os parâmetros e navegam pelas opções configuradas na forma vertical. Entrando no display, as opções apresentadas na figura a seguir aparecem no mostrador. Esses são os menus principais e através deles todas as opções do MMO 63E1 podem ser acessadas. A seguir, o menu de configuração (Config) será descrito detalhadamente. Os outros menus serão descritos na seção 5. 30
  • 35. AsGa MMO 63E1 CONFIGURAÇÃO MMO 63E1 Vx.xx mm/dd/aaaa Status Service Status Tests Config Telnet 4.3.1- Config: Neste menu é realizada a configuração do equipamento. Para continuar a navegar por este menu é necessário uma senha (caso esta esteja habilitada). Sempre ao sair deste menu uma mensagem aparece com a opção para salvar a configuração realizada ou não. Ao setar uma opção de configuração, automaticamente o MMO 63E1 começa a trabalhar sob a nova configuração. Porém, ela só poderá ser salva na saída deste menu. Se a configuração não for salva, caso o equipamento reinicie, ele voltará a configuração anterior. Logo após a senha, aparecem no display as seguintes opções, conforme a figura abaixo: - Modem: Neste menu estão as opções de configuração do MMO 63E1. Esta opção será detalhada adiante. - Passwrd: Neste menu, é realizado o cadastro de senha (4 dígitos) e a habilita- ção ou não do uso de senha. Config Password Modem Passwrd Dat/Tim Reset Psswrd: [xxxx] Date: mm/dd/aaaa Active?: No Yes Time: hh:mm RstConf WarmRst Setup Managmt Advance RstPort Perform Full 2M All Port: A1, ...,I7 Reset Perf. Confirm Reset? Monitoring? 31
  • 36. AsGa MMO 63E1 CONFIGURAÇÃO - Dat / Tim: Neste menu, a data e a hora são configuradas. Os parâmetros de desempenho são gerados de acordo com a data e hora setadas. - Reset: Através deste menu, pode-se realizar alguns tipos de reset no equipa- mento. Ele se subdivide em: - RstConf: Este tipo de reset apaga configurações realizadas no equipamen- to. Se subdivide em: RstPort: desconfigura (desaloca) as portas já alocadas no equipamento. Perform: reseta os contadores das últimas 24 horas da gerência de desempenho e também o histórico de 3 meses que é armazenado no equipamento. Somente os contadores dos últimos 15 minutos são mantidos. Pode ser realizado um reset individualmente por porta (2M) ou de todo o desempenho, incluindo todas as portas e seções Leste e Oeste (All). Full: apaga todas as configurações realizadas, ou seja, o MMO21E1 volta a ope- rar com a configuração default de fábrica. - WarmRst: O Warm Reset realiza um reset apenas na gerência do equipamen- to, não havendo interrupção nos tributários utilizados. Voltando ao menu Modem, percebe-se que este é subdividido em três opções de configuração: Setup, Managmt e Advance. Em Setup são realizadas as configura- ções de operação do equipamento e em Managmt as configurações necessárias para a gerência. Em Advance podem ser realizadas algumas configurações espe- ciais do equipamento, que serão apresentadas a seguir. Entrando em Setup, obtém-se os seguintes menus conforme mostrado na figura a seguir: - Ports: Este menu se subdivide em dois: G.703 e Lan. O primeiro se refere à interface elétrica G.703 e o segundo à interface LAN. No menu G.703, obtém-se as duas opções descritas em seguida. - Port/TS: Neste menu os tributários são alocados, ou seja, é feita a associ- ação de uma porta do MMO 63E1 (A1, ..., I7) a um canal (time slot) do quadro SDH (1, ..., 63) ou ao KLM correspondente (de acordo com a Norma G.707, apresentada na tabela a seguir). Caso um Time Slot seja configurado em mais de 2 equipamen- tos da rede, será gerado Minor alarme e o erro Alloc Error on TS x no menu status / alarms / general / advancd dos equipamentos em questão. - J2Trace: Essa opção não precisa ser necessariamente configurada, por 32
  • 37. AsGa MMO 63E1 CONFIGURAÇÃO Setup Type: G703 Type: LAN Port: A1, ..., I7 Port: A1, ..., I7 TS: 1, ..., 63 TS: 1, ..., 63 KLM: 1,1,1, ..., 3,7,3 KLM: 1,1,1, ..., 3,7,3 isso tem-se a opção ativar ou desativar ASSOCIAÇÃO DE KLM's NORMA G.707 monitoração de J2 na entrada do menu. G.707 KLM G.707 KLM G.707 KLM Neste menu, é feita a identificação da rota 1 1,1,1 22 1,1,2 43 1,1,3 2 2,1,1 23 2,1,2 44 2,1,3 para cada tributário, ou seja, para quem o 3 3,1,1 24 3,1,2 45 3,1,3 equipamento deve enviar o tributário 4 1,2,1 25 1,2,2 46 1,2,3 5 2,2,1 26 2,2,2 47 2,2,3 (Forward) e de quem ele deve recebê-lo 6 3,2,1 27 3,2,2 48 3,2,3 (Backward). Na recepção de cada tribu- 7 1,3,1 28 1,3,2 49 1,3,3 ====== ====== ====== ====== ====== ====== tário estas informações são checadas e 8 2,3,1 29 2,3,2 50 2,3,3 9 3,3,1 30 3,3,2 51 3,3,3 se a informação enviada pelo equipamen- 10 1,4,1 31 1,4,2 52 1,4,3 to remoto (forward) não coincidir com a 11 2,4,1 32 2,4,2 53 2,4,3 12 3,4,1 33 3,4,2 54 3,4,3 informação do equipamento local 13 1,5,1 34 1,5,2 55 1,5,3 (backward), é gerado o erro de identifica- 14 2,5,1 35 2,5,2 56 2,5,3 ====== ====== ====== ====== ====== ====== ção de rota (J2). 15 3,5,1 36 3,5,2 57 3,5,3 16 1,6,1 37 1,6,2 58 1,6,3 17 2,6,1 38 2,6,2 59 2,6,3 No menu Lan, obtém-se as opções des- 18 3,6,1 39 3,6,2 60 3,6,3 critas em seguida. 19 1,7,1 40 1,7,2 61 1,7,3 20 2,7,1 41 2,7,2 62 2,7,3 - Port/TS: Neste menu deve ser con- 21 3,7,1 42 3,7,2 63 3,7,3 figurada a velocidade de transmissão WAN 33
  • 38. AsGa MMO 63E1 CONFIGURAÇÃO para a interface LAN. Pode-se mapear (alocar) de 1 a 7 tributários do grupo onde a placa LAN foi inserida, permitindo uma velocidade de 2 a 14 Mbps no quadro SDH. Para a interface LAN funcionar corretamente, as duas placas LAN que formam o link WAN devem ter os mesmos time slots alocados. Caso contrário, as placas vão apresentar alarme de ausência de Link WAN ou podem entrar na condição de loop ativo (descrito abaixo). - J2Trace: Neste menu, é configurada a identificação da rota para cada porta alocada, da mesma forma que é feita para a interface G.703. - Setup: Neste menu são apresentadas algumas opções para a interface LAN: BkPress: Neste menu, pode-se habilitar ou não a função Back Pressure, utilizada para controle de fluxo. Enable: Nesta opção pode-se habilitar ou desabilitar a interface LAN. ATENÇÃO: Se um Time Slot associado a uma placa LAN estiver em PASSTHROUGH em todos os outros elementos do anel, essa placa LAN recebe de volta seu próprio sinal, garantindo portando o link WAN. Porém, tem-se um erro grave dentro da rede que é o efeito de LOOP ATIVO. O loop Ativo ocorre quando um sinal retorna para a mesma entrada podendo provocar uma repetição infinita de informações. Esse efeito é especialmente grave caso entre um pacote Broadcast na placa LAN. O Broadcast entra na rede, circula no anel chegando novamente na placa LAN que espalha o pacote novamente na rede, recebe de volta e assim por diante num circulo infinito. Assim, em pouco tempo a rede pode travar por estar totalmente ocupada em transmitir um Broadcast. A placa LAN dos modens AsGa SDH resolve esse problema analisando a configu- ração do J2 do time slot em questão. Se houver um erro de J2, a placa LAN desativa a saída desse time slot. É importante perceber que se os J2 dos time slots referentes à placa LAN não forem devidamente configurados (valores diferentes de J2 Forward e Backward em cada elemento), esse mecanismo de proteção não funcionará corretamente. - J1Trace: Essa opção não precisa ser necessariamente configurada, por isso tem-se a opção ativar ou desativar monitoração de J1 na entrada do menu. Neste menu, é feita a identificação das fibras ópticas para se evitar erro de rastreio (troca 34
  • 39. AsGa MMO 63E1 CONFIGURAÇÃO de fibra no DIO, por ex.). Para cada equipamento é realizada a identificação das fibras de transmissão Tx (Forward) e de recepção Rx (Backward), tanto do lado oeste (West) quanto do lado leste (East). Após a ligação das fibras ópticas, estas informações contidas no quadro SDH são checadas e caso haja troca de alguma fibra, é gerado o erro de rastreio. - Mode: Neste menu é configurado se o MMO 63E1 vai operar como Master (mestre) ou como Slave (Escravo). Deve-se configurar um elemento da rede como mestre (o que gera o quadro SDH) e os outros como escravo. Caso ele seja mestre, são realizadas mais duas configurações relacionadas ao relógio a ser utilizado para gerar o quadro: - Priority Clock: Neste menu é configurado o sincronismo do relógio. O equipamento Mestre é configurado com prioridade de relógios. As fontes de relógio podem ser relógio externo, recuperado de um dos tributários A1, B1 ou C1 ou reló- gio interno. Na falta do relógio de maior prioridade é realizada a comutação automá- tica para outra fonte de relógio seguindo a prioridade configurada. O equipamento utiliza relógio interno quando nenhuma das fontes configuradas estão presentes ou quando não for configurada nenhuma fonte de relógio. Fst é a primeira opção de relógio, Snd é a segunda, Thd a terceira e Fth a quarta. Não é necessário configu- rar todas as prioridades. Logo após, entra-se na opção Clock Level onde é configurada a qualidade dos relógios configurados (Local ou Transit). - Topolog: Neste menu, configura-se a arquitetura a ser utilizada: Ring (Anel) ou Cascade (Ponto Multiponto). No caso da configuração Ponto Multiponto é necessário configurar se o equipa- mento é terminal (TermMux) ou Intermediário (IntMux). - Switch: Este menu subdivide-se em TimeOut e Ber THR. Em TimeOut confi- gura-se o tempo de retorno de comutação, ou seja, caso haja falha no enlace prin- cipal e o sistema comute para o reserva, depois de quanto tempo com o anel prin- cipal funcionando corretamente que o sistema volta a operar por este enlace. Este tempo pode ser de 10 segundos, 5, 10 ou 15 minutos ou a opção NR: não retorna para o anel principal (somente quando houver algum problema no reserva). Em Ber THR configura-se o limiar de taxa de erro para que haja comutação do tributário (ver item 2.13). Os limiares disponíveis são 1E-7, 1E-8 e 1E-9. Em OFF desativa-se a 35
  • 40. AsGa MMO 63E1 CONFIGURAÇÃO função de comutação dos tributários por taxa de erro. Voltando ao menu Modem, na opção Managmt, obtém-se as seguintes configu- rações, conforme pode ser visto na figura a seguir. ID: Neste menu, configura-se o nome (Name) e o local (Local) de operação do MMO 63E1. TCP / IP: - Eth: Neste menu, configura-se o endereço IP (Address) e a máscara de subrede (Mask) da interface Ethernet 10BaseT utilizada para gerência SNMP e configuração remota do equipamento. Caso se deseje acessar uma outra rede, deve-se configu- rar na opção Gateway o endereço IP do roteador. Managmt ID TCP / IP OH Ch Overhead Channel: Management: DCCm DCCr E1 F1 F2 Name Local Set the Name Set the Local Eth Intern SNMP Address Mask Gateway Address Mask Ethernet Ethernet Gateway IP Internal Internal IP Address Mask Address Mangr Addr Mangr Mask Managrs Communt TrpRate RDI Trp Periodic Trap Rate: RDI Traps Sending? xx mins e yy secs No Yes Manager Database: Set Read mgr1, ..., mgr6: IP Address Set Read Community Community 36
  • 41. AsGa MMO 63E1 CONFIGURAÇÃO - Intern: Neste menu, configura-se o endereço IP (Address) e a máscara de subrede (Mask) do equipamento, para a comunicação interna entre os elementos que compõem a rede. Os endereços IP e máscaras são fornecidos pelo administrador da rede local. - SNMP: Neste menu, são configuradas opções referentes a gerência SNMP. São apresentadas as seguintes opções: Managrs: Configura-se o endereço IP dos gerentes (no máximo 6) para os quais as traps (alarmes) devem ser enviadas. Para cada gerente habilita-se também o envio ou não de traps (Manager Status: OFF / ON). Caso o gerente seja configura- do como habilitado, configura-se em seguida uma das opções de envio das traps: Retry: Cada trap é enviada 3 vezes para o gerente com um intervalo de tempo de dois segundos entre elas. Period: As traps são enviadas periodicamente para o gerente. O intervalo de tempo do envio periódico é configurado no menu TrpRate. Obs.: caso não haja nenhum alarme, o equipamento envia uma trap indicando que está ativo na rede. Norm: Cada trap é enviada uma vez para o gerente. Na opção Traps Port, pode-se alterar a porta de recepção das TRAPs no servidor. A porta default é a 162. Communt: Neste menu são configuradas as comunidades de acesso de escrita (Set) e de leitura (Read) do MMO 63E1. TrpRate: Configura o intervalo de tempo do envio periódico de traps. O tempo mínimo escolhido é de 10 segundos. RDI Trp: Habilita o envio de traps de indicação RDI (Remote Defect Indication), ou seja, o equipamento local é capaz de enviar traps indicando que o equipamento remoto tem algum alarme. Essa opção é utilizada principalmente no caso de equi- pamentos AsGa que estejam interligados a equipamentos de outros fabricantes que não tenham ou não estejam usando gerência. OH Ch: Neste menu, pode-se configurar o canal do quadro SDH (Overhead Channel) a ser utilizado para passagem da gerência. Pode-se utilizar um dos seguintes canais: DCCm, DCCr, E1, F1 ou F2. Essa facilidade é importante para garantir a 37
  • 42. AsGa MMO 63E1 CONFIGURAÇÃO interoperabilidade com equipamentos de outros fabricantes. Porém quando se esti- ver utilizando somente equipamentos AsGA, indica-se utilizar o canal DCCm (default). Obs.: Vale ressaltar que os canais que podem ser utilizados para gerência e dados são os mesmos. O canal escolhido para gerência tem sempre preferência sobre o canal de dados. Voltando ao menu Modem, na opção Advance, obtém-se as seguintes configu- rações, conforme pode ser visto na figura a seguir. Advance Beep Perform Scrambl TSwitch Beep Active? Activate PM? Scrambler Setup: Switch Trib Control? No Yes No Yes Off 2E13 2E7 2E11 No Yes Beep: Este menu ativa ou desativa o “beep” do display. Perform: Ativa ou desativa a geração dos parâmetros relativos a gerência de desempenho. Vale ressaltar que essa configuração deve estar habilitada para que haja comutação por taxa de erro. Scrambl: Configura o polinômio a ser utilizado pelo embaralhador do equipamen- to. As opções são 2E13, 2E7 e 2E11 ou desligar o embaralhador (off). TSwitch: Esta opção habilita ou desabilita a comutação forçada por tributário. Habilitando essa função pode-se forçar a recepção de cada um dos tributários para o enlace principal ou reserva independentemente. Quando ativada, no menu de con- figuração das portas (Config/modem/setup/ports/G.703/Ports/TS) aparece a função Switch, onde pode-se realizar comutação forçada para cada tributário para o enlace principal (Main), enlace reserva (Back) ou deixar em automático (Auto). Escolhen- do a opção Main ou Back, a comutação automática é desativada e o tributário sempre será recebido pelo enlace escolhido independente do estado deste enlace. 4.4. CONFIGURAÇÃO VIA TELNET O MMO 63E1 pode ser configurado via telnet. Acessando o endereço IP do equi- pamento desejado, tem-se acesso ao seu menu. Assim qualquer função realizada através do menu pode ser realizada via telnet. O telnet pode ser realizado pelo painel frontal (conexão Slip), pela interface Ethernet (SNMP) ou através de outro MMO63E1 ou MMO21E1 da rede utilizando a opção 38
  • 43. AsGa MMO 63E1 CONFIGURAÇÃO Telnet do menu. Os menus que aceitam caracteres alfanuméricos (Nome, Local, J1, J2 e IPs) podem ser configurados diretamente através do teclado do microcomputador que estiver realizando Telnet. Para isso basta teclar ’!’ no menu correspondente que este passa a aceitar os caracteres digitados no teclado do computador. Para voltar a operação normal, deve-se teclar ‘!’ novamente ou teclar ‘enter’. 4.5. CONFIGURAÇÃO ATRAVÉS DO CONFIGURADOR SDH O Configurador SDH AsGa é uma ferramenta de ambiente amigável utilizada para configurar uma rede de equipamentos SDH ou carregar a configuração de uma rede já instalada. Para se utilizar o configurador SDH AsGa é necessário um computador com as seguintes características: - Sistema Operacional WINDOWS. - 40M de HD disponível. - 128 MegaBytes de RAM ou mais (recomendado). Aplicativos necessários: - Configurador SDH AsGa. - Adaptador de Rede Dial-up (para configuração através do painel frontal); - Conexão Slip (para configuração através do painel frontal); Os passos para a instalação dos aplicativos mencionados e realização da cone- xão computador - MMO 63E1 estão descritos na seção 7. 4.5.1 Como utilizar o Configurador AsGa O Configurador SDH permite projetar uma rede SDH e criar um arquivo que con- tém os dados do projeto. Este arquivo pode ser aberto novamente e editado confor- me a necessidade. O arquivo criado será usado pelo Configurador SDH para descarregar a configura- ção nos elementos da rede. Para desenvolver um projeto, basta entrar com os dados desejados no Configurador SDH. Alguns campos de entrada de dados tem preenchimento obrigatório, outros são preenchidos automaticamente e outros não são imprescindíveis. Para os cam- pos que são preenchidos automaticamente, é possível fazer alterações desejadas. O Configurador SDH possui abas que apresentam a seqüência de desenvolvimen- 39
  • 44. AsGa MMO 63E1 CONFIGURAÇÃO to de um projeto. Assim, indica-se o preenchimento das abas da esquerda para a direita. A seguir, serão descritas as funcionalidades de cada aba. 4.5.1.1 Elementos Inicialmente deve-se inserir um nome para o projeto e logo depois inserir os ele- mentos presentes na rede. Isto é feito através do botão “Inserir Elemento”. Cada linha da tabela representa um equipamento da rede. O botão ”Excluir Elemento” exclui uma linha da tabela. Basta clicar na linha dese- jada para selecioná-la e clicar no botão “Excluir Elemento”. Nesta aba também é escolhida a topologia desejada: Rede em Anel ou Ponto MultiPonto. No campo “Nome” é realizada a identificação dos elementos. Os caracteres acei- tos são: letras maiúsculas, números, “_”, “ ”, “.” e “/”. No campo “Localidade” identifica-se o local onde o equipamento está situado. Figura 1 – Configuração dos Elementos 40
  • 45. AsGa MMO 63E1 CONFIGURAÇÃO Caso não seja preenchido, quando o projeto for salvo, este campo copiará o conteú- do do nome. A coluna “Equipamento” indica o tipo de equipamento a ser utilizado: MMO 21E1 ou MMO 63E1. Em “Modo de Operação” é definido qual elemento será configurado como MES- TRE. Vale observar que somente 1 elemento será o MESTRE. A figura 1 apresenta a tela de configuração dos elementos. 4.5.1.2 Relógio Esta aba permite a configuração da fonte de relógio de maior prioridade utilizada pelo elemento configurado como MESTRE. Para configurar as outras prioridades deve-se utilizar o display (local ou via telnet) ou o sistema de gerência SNMP. Se for escolhido Relógio Externo, deve-se escolher a qualidade de relógio: Local ou Trân- sito. A figura 2 ilustra a configuração do relógio. Figura 2 – Configuração da Fonte de Relógio utilizado pelo Mestre 41
  • 46. AsGa MMO 63E1 CONFIGURAÇÃO 4.5.1.3 Rotas Esta tela permite configurar as rotas dos tributários, ou seja associar as portas do equipamento aos canais do quadro STM-1. É possível alocar tributários para as interfaces G.703 e LAN. Conforme apresentado na figura 3, um desenho representa a rede SDH projeta- da. Clicando nos elementos desta figura seleciona-se a origem e o destino da rota desejada. Criando uma Rota G.703: Primeiramente deve-se clicar em “Criar Rotas: G.703”. A origem e o destino das rotas são preenchidos quando se clica nos elementos correspondentes. O número de rotas a serem criadas com a origem e destino escolhidos deverá ser preenchido no campo “Número de rotas”. Caso haja algum engano, o botão “Cancelar” permite apagar os dados selecionados. Preenchidos Figura 3 – Configuração das Rotas 42
  • 47. AsGa MMO 63E1 CONFIGURAÇÃO os campos, basta clicar no botão “Inserir” que as rotas serão criadas. Vale lembrar que o Configurador SDH aloca automaticamente as portas do equipamento e o canal do quadro SDH de forma crescente. Criando uma Rota LAN: Clicando no botão “LAN” no campo “Criar rotas”, o campo de preenchimento das rotas se adapta para a interface LAN. Da mesma forma que para as rotas G.703, a origem e o destino são preenchidos clicando-se nos elementos na figura. Deve-se selecionar o slot (grupo A, B, ...,I) onde está presente a placa LAN, tanto para o equipamento de origem quanto para o de destino. A velocidade da interface WAN é escolhida através do Campo “Velocidade”. Cada 2 Mbps corresponde a um tributário alocado, assim a velocidade vai de 2 Mbps até 14 Mbps. Nesta tela também pode-se habilitar o controle de fluxo Back Pressure para os equipamentos de origem e destino. Clicando em “Inserir”, as rotas são criadas. O Configurador SDH aloca automati- camente as portas do equipamento e o canal do quadro SDH de forma crescente. Tanto para a rota G.703 quanto para a rota LAN, caso se deseje mudar o canal do quadro SDH setado automaticamente, basta clicar no campo relativo à identificação do canal e abrirá uma tela onde é possível escolher o canal desejado desde que esteja disponível (figura 4). Da mesma forma, as portas do equipamento podem ser alteradas clicando-se na identificação da porta (figura 5). Como pode ser visto na figu- ra 3, a configuração do J2 é re- alizada automaticamente, uti- lizando o nome dos equipa- mentos de origem e destino e a porta utilizada. Caso se quei- ra alterar esse parâmetro, bas- ta clicar no campo desejado. O botão “Info” fornece infor- mações sobre os elementos da rede. Basta clicar em “Info” e no elemento desejado. Para visualizar as rotas que estão alocadas para um certo Figura 4 – Alteração do Canal SDH 43
  • 48. AsGa MMO 63E1 CONFIGURAÇÃO elemento, deve-se clicar com o botão direi- to do mouse sobre o elemento desejado e escolher a opção “selecionar” no menu. Desta forma, as rotas que estão alocadas para este elemento ficam em tom azul. 4.5.1.4 Rastreio J1 Nesta tela é realizada a configuração do rastreamento de seção (J1). Conforme pode-se verificar na figura 6, os campos são preenchidos automaticamente de acordo com o nome dado aos equipamentos. Caso o usuário queira modificá-los, basta clicar Figura 5 – Alteração da Porta duas vezes sobre o campo desejado. Figura 6 – Configuração do Rastreio J1 44
  • 49. AsGa MMO 63E1 CONFIGURAÇÃO 4.5.1.5 Config. IP Esta tela permite configurar as características da rede IP para cada elemento. Deve-se configurar um endereço IP interno para cada elemento da rede, para possibilitar a comunicação entre os equipamentos. O equipamento que possui a placa Ethernet, ou seja, que fornece acesso à rede Ethernet tem uma segunda interface que deve ser configurada (Endereço IP Ethernet) e se necessário deve-se configurar o Gateway (Roteamento). A tela da Configuração IP é apresentada na figura 7. Na tabela são configurados o endereço IP interno dos equipamentos e a máscara de subrede. O valor default para a máscara sugere uma rede classe C, mas o usuário pode alterá-lo clicando duas vezes sobre o campo desejado. Para o elemento com placa Ethernet, no campo “Ethernet” deve-se mudar a opção para “sim”. Desta forma, aparecerá um novo campo a ser configurado: “Con- Figura 7 – Configuração da Rede IP 45
  • 50. AsGa MMO 63E1 CONFIGURAÇÃO figuração Ethernet”, que define o endereço IP e a máscara de subrede para a interface Ethernet e Gateway. 4.5.1.6 Gerência SNMP Esta tela, apresentada na figura 8, permite configurar os dados relativos a gerên- cia SNMP. Podem ser cadastrados até 6 destinos (endereço IP) para os quais as traps (alar- mes) devem ser enviadas. Estes destinos podem ser configurados individualmente por equipamento ou o mesmo valor para todos os equipamentos da rede. Existem três formas de envio das traps a ser escolhida: envio normal, envio peri- ódico e envio com repetição. No envio periódico, as traps são enviadas periodicamente e o intervalo de envio pode ser configurado. Na repetição de traps, a trap é enviada e repetida duas vezes Figura 8 – Configuração da Gerência SNMP 46
  • 51. AsGa MMO 63E1 CONFIGURAÇÃO com intervalo de 2 segundos entre elas. No envio normal, a trap é enviada uma única vez. Nesta tela também são configuradas as comunidades de escrita e leitura. 4.5.1.7 Retorno de Comutação Esta tela permite configurar o Tempo de Retorno de Comutação (Return Timeout) dos elementos, ou seja, caso haja falha no enlace principal e o sistema comute para o reserva, depois de quanto tempo com o anel principal funcionando correta- mente o sistema deve voltar a operar por este enlace. A tela de configuração é apresentada a seguir na figura 9. Este tempo pode ser de 10 segundos, 5, 10 ou 15 minutos ou a opção Não Retornar: não retorna para o anel principal (somente quando houver algum problema no reserva). Figura 9 – Configuração do Tempo de Retorno de Comutação 47
  • 52. AsGa MMO 63E1 CONFIGURAÇÃO O tempo de retorno de comutação pode ser configurado individualmente por equi- pamento ou o mesmo valor para todos os equipamentos da rede. 4.5.1.8 Canal de Comunicação de Dados Nesta tela, o usuário pode configurar o Canal de Comunicação de Dados (Auxiliary Channel), caso se queira utilizá-lo. Estão disponíveis três canais: E1, F1 e DCCr. Existe ainda a opção Nenhum para desabilitar o uso do canal. A configuração do canal F2 só pode ser realizada pelo display (local ou via telnet). Cada equipamento pode utilizar somente um destes canais (comunicação Ponto a Ponto), porém em uma rede (um anel, por exemplo) pode-se utilizar os três simul- taneamente em equipamentos distintos. A tela de configuração do Canal de Comunicação de Dados está apresentada na figura 10. Figura 10 – Configuração do Canal de Comunicação de Dados 48
  • 53. AsGa MMO 63E1 CONFIGURAÇÃO 4.5.1.9 Senhas Na última tela, o usuário cadastra a senha de acesso ao menu de configuração e testes pelo display de cristal líquido no painel frontal. A senha pode ser habilitada ou não. Conforme pode ser visto na figura 11, o cadastro e a habilitação da senha pode ser comum para toda a rede ou independente para cada elemento. 4.5.2 Relatório Através do botão de atalho na parte superior do Configurador SDH ou através do menu Ferramentas, pode-se ter acesso a um relatório das rotas alocadas. O relató- rio pode ser impresso ou salvo em formato pdf. Figura 11 – Configuração da Senha 49
  • 54. AsGa MMO 63E1 CONFIGURAÇÃO 4.5.3 Aplicar Configuração Finalizado o projeto e após salvar o arquivo criado é possível aplicar a configura- ção em cada equipamento. Vale ressaltar que quando se aplica a configuração no equipamento, pri- meiro a configuração atual é apagada e depois o equipamento é configura- do novamente. Caso haja algum tributário sendo utilizado, ele será inter- rompido por alguns instantes. Para aplicar a configuração, é importante lembrar que o PC onde está instalado o Configurador deve realizar uma conexão IP com o equipamento que se deseja con- figurar. A conexão pode ser realizada de 3 formas diferentes dependendo do equipa- mento a ser configurado: 1- Equipamento com configuração default de fábrica: Para configurar este elemento deve-se realizar uma conexão SLIP através do painel frontal do MMO 63E1. O PC deve estar conectado ao SDH através da porta serial. Neste caso, os elementos da rede são configurados um a um. O procedi- mento para a realização desta conexão é detalhada na seção 7. A configuração do cabo utilizado é apresentada na figura 12 a seguir. 1 1 6 6 2 2 Figura 12 – Cabo DB9 - DB9 7 7 de Gerência SDH 3 3 8 8 4 4 9 9 5 5 2- Equipamento com placa Ethernet já configurada: Neste caso é possível fazer a configuração via Ethernet. Basta que o PC esteja conectado à mesma rede dos equipamentos SDH. Neste caso também, os elemen- tos da rede são configurados um a um. 3- Equipamento com IPs internos e Ethernet já configurados: Através de qualquer equipamento da rede SDH, seja via painel frontal do equipa- mento ou pela rede Ethernet, tem-se conexão com qualquer elemento da rede SDH, possibilitando a configuração de forma remota. 50
  • 55. AsGa MMO 63E1 CONFIGURAÇÃO Clicando no botão de atalho ou através do menu Ferramentas é possível acessar a tela onde se aplica a configuração nos elementos. Basta escolher o elemento que se dese- ja configurar e clicar no botão “Aplicar”. A partir deste momento, o configurador se conectará a este equipamento e descarre- gará a configuração referente à ele. Logo após, o configurador apresenta uma tela onde são dadas as opções para con- firmar a configuração (gravar a configura- ção realizada na Flash), mantê-la tempo- rariamente (caso o equipamento seja resetado, ele volta a configuração anterior) ou retornar ao estado anterior (cancela a configuração). Ao final deste processo, o Configurador SDH exibirá uma tela com o status da con- figuração realizada. 4.5.4 Habilitar o Envio Periódico das Traps Durante o período de configuração da rede SDH, o envio de Traps SNMP para o siste- ma de gerência é inibido pois há um gran- de número de mudanças de estado nos equipamentos, o que geraria grande núme- ro de Traps. Para contornar esta situação, são inibidos o envio de traps de todos os elementos, até que seja realizado um co- mando para ativá-las. Através da opção “Desinibir envio de Traps” do menu Ferramentas é possível habilitar o envio de traps em cada elemen- to ou para todos elementos. Indica-se que 51
  • 56. AsGa MMO 63E1 CONFIGURAÇÃO esta habilitação seja feita após a configuração de todos os elementos da rede SDH. 4.5.5 Como Carregar a Configuração da Rede O Configurador SDH AsGa também permite carregar a configuração de uma rede já instalada. Basta conetar a um dos ele- mentos da rede e escolher a opção “Carre- gar Configuração” no menu Arquivo. Na tela que se apresenta, deve-se infor- mar o endereço IP e a comunidade SNMP de leitura do equipamento conectado. Clicando em carregar, os equipamentos serão questionados e o status das confi- gurações coletadas será apresentado na tela. Terminada a captura dos dados, a configuração de toda a rede instalada será apresentada nas abas do Configurador, do mesmo modo que na criação de uma nova configuração. O arquivo pode ser alterado e aplicado novamente nos equipa- mentos da rede. Também pode-se salvar o arquivo da configuração. Para o Configurador carregar todos os dados da rede, os endereços IP dos equi- pamentos devem estar configurados corretamente, de forma que a gerência interna (entre os equipamentos) esteja funcionando e a comunidade de leitura deve ser a mesma para todos os elementos. 4.6. CONFIGURAÇÃO DAS INTERFACES ÓPTICAS Cada módulo do MMO 63E1 na sua versão LED e LASER possui um adaptador para conector SC ou ST para entrada óptica e um conector SC ou ST para saída óptica tanto do anel principal (Main) quanto do anel reserva (Backup). O anéis principal e reserva operam de forma simultânea e redundante. Em cada placa óptica (TRO) percebe-se que está disponível o conector Tx do anel principal (TX-M) e o Rx do anel reserva (RX-B) ou o Tx do reserva (TX-B) com o Rx do principal (RX-M). As ligações para a configuração em anel devem ser feitas conforme a Figura 13. No caso da versão Laser Bidirecional os painéis frontais das placas ópticas possu- em apenas um conector SC. O processo de operação neste caso é semelhante ao visto anteriormente. A diferença básica é que no caso do laser bidirecional apenas um 52
  • 57. AsGa MMO 63E1 CONFIGURAÇÃO cordão monofibra serve à entrada e saída óptica. Caso haja inversão das fibras do anel principal com o anel reserva, os leds M e B piscam, alter- nando as cores verde e vermelho, indicando que há erro na ligação em anel. 4.7.CONFIGURAÇÃO DOS CONETORES DO MMO 63E1 4.7.1 Interface de Comunicação de Dados A configuração dos pinos do conector RJ45 para canal de comunicação de dados e exteriorização de alarme urgente e alarme não urgente está apre- sentada na figura 14 a seguir. Figura 14 - Pinagem do conector do Canal de Comunicação de Dados e Alarme Urgente / Não Urgente (COM/Alarms) 8 - Alarme Não Urgente 7 - Alarme Não Urgente 6 - Alarme Urgente 5 - Alarme Urgente 4- 3 - GND 2- Saída do Canal de Dados 1- Entrada do Canal de Dados 4.7.2 Interface SNMP e Placa LAN A configuração dos pinos do conector RJ45 para a gerência SNMP e para a placa LAN está apre- sentada na figura 15. Figura 13 – Ligação em Anel
  • 58. AsGa MMO 63E1 CONFIGURAÇÃO 8 7 6 – Rx Negativo 5 4 3 – Rx Positivo 2 – Tx Negativo 1 – Tx Positivo Figura 15 - Pinagem dos Conectores da Gerência SNMP e Placa LAN 4.7.3 Placa de Tributários A configuração dos pinos do conector DB15 da placa de tributários está apresen- tada na figura 16. Conector de saída (OUT): Tx - pinos 1, 2, 3, 4, 5, 6 e 7 respectivamente das portas 1, 2, 3, 4, 5, 6 e 7. Malha - pinos 9, 10, 11, 12, 13, 14 e 15 respectivamente das portas 1, 2, 3, 4, 5, 6 e 7. Conector de entrada (IN): Rx - pinos 1, 2, 3, 4, 5, 6 e 7 respectivamente das portas 1, 2, 3, 4, 5, 6 e 7. Malha - pinos 9, 10, 11, 12, 13, 14 e 15 respectivamente das portas 1, 2, 3, 4, 5, 6 e 7. 8 7 6 5 4 2 1 3 35 34 32 31 33 3 9 Figura 16 54
  • 59. AsGa MMO 63E1 CONFIGURAÇÃO 4.8. SENHA DE INICIALIZAÇÃO O MMO 63E1 possui uma senha de proteção para o acesso ao display de cristal líquido, que pode ser configurada e habilitada pelo usuário. O MMO 63E1 sai de fábrica configurado para uso sem senha. Dessa forma, se o equipamento for acionado via display, pode-se configurá-lo sem se digitar a senha. Porém, se o MMO63E1 estiver configurado para ser usado a partir de senha, para que o usuário execute um comando de configuração ou de teste ele deverá digitar a senha primeiro. Caso contrário, não se consegue avançar no menu. A senha inicial do equipamento é: 0000 Importante: caso se perca a senha, não será mais possível acessar o menu de configuração e testes pelo display. Nesse caso deve-se entrar em contato com a AsGa de forma oficial (carta) para que se restabeleça a senha padrão através de procedimento extra! 55
  • 60. AsGa MMO 63E1 OPERAÇÃO 5.OPERAÇÃO 5.1. FUNCIONAMENTO DO MMO 63E1 O MMO 63E1 encontra-se sob operação normal quando nenhum alarme está ocor- rendo, ou seja, as entradas e saídas elétricas estão operando conforme o esperado, o enlace óptico não apresenta problemas, as gerências internas entre os equipa- mentos constituintes da rede travam comunicação normal. 5.2. PAINEL DE LEDS O painel de Leds situado no painel frontal do MMO 63E1 exterioriza alguns alar- mes importantes. A figura abaixo indica os componentes responsáveis pela exteriorização visual de alarmes e “status”. Através da figura observa-se que o painel dispõe de 15 leds. A seguir serão descritas as funções de cada componente. · Tributaries: os leds PORT tem a função de indicar o status de recepção elétri- ca nas entradas de 1 a 7 dos grupos A, B, ..., I. Através da chave push-button, escolhe-se o grupo a ser visualizado, que é indicado pelo display GROUP. Estes leds são bicolores e possuem três estados, como mostra a tabela a se- guir. Portanto, caso haja sinal elétrico na en- Led Situação trada, o respectivo led exibirá a cor verde. Verde Canal Ativo Ok Caso haja perda de sinal elétrico (LOS), o Vermelho Canal com Alarme led exibirá a cor vermelha. Porém, se a res- Apagado Canal Inativo pectiva porta não estiver alocada, o led per- manecerá apagado. Se o grupo indicado no display estiver piscando, quer dizer que existem alarmes em outro(s) grupo(s), que não está sendo visualizado no momento. Os Leds dos Tributários possuem também a capacidade de realizar outras indi- 56
  • 61. AsGa MMO 63E1 OPERAÇÃO cações importantes: SIA: detecção de SIA (Sinalização Indicativa de Alarme) nas entradas elétricas. A detecção de SIA é feita independentemente por porta e é indicada através de cintilação na coloração verde do respectivo Led. J2: O erro de identificação de rota (J2) dos tributários pode ser verificado por uma piscadela no respectivo Led. Quando se estiver utilizando placa Lan, os Leds do grupo correspondente sinali- zam: Status de Link LAN: se não há link LAN, ou seja, não há conexão entre a placa LAN do SDH e a rede LAN, os Leds ficam acesos em vermelho. Se há link LAN os leds ficam acessos em verde. Status de Link WAN: ausência de link WAN ocorre quando não se associa o mesmo time slot (TS) nas duas placas LAN que estabelecem comunicação. Se não há link WAN, os Leds correspondentes piscam rapidamente. Leds RXO: · M : este led tem a função de indicar ausência de recepção óptica no enlace principal (Main) do modem. O led aceso em verde indica operação normal. O led aceso em vermelho indica ausência de recepção óptica (LOS). · B : este led tem a função de indicar ausência de recepção óptica no enlace reserva (Backup) do modem. O led aceso em verde indica operação normal. O led aceso em vermelho indica ausência de recepção óptica (LOS). Os leds M e B indicam também: SIA: detecção de SIA (Sinalização Indicativa de Alarme) na interface de 155Mbps. A detecção de SIA é feita independentemente por seção e é indicada através de cintilação na coloração verde do respectivo Led. J1: o erro de rastreio (J1) pode ser verificado por uma piscadela no Led da respec- tiva seção. XFO: inversão das fibras do anel principal com o anel reserva. Neste caso os Leds das seções com fibras invertidas piscam, alternando as cores verde e vermelho. · FS: este led piscando indica que um dos enlaces está operando sob comutação forçada ativada pelo operador e a coloração deste led indica se a comutação foi 57
  • 62. AsGa MMO 63E1 OPERAÇÃO realizada no enlace principal (led piscando em verde) ou no enlace reserva (led piscando em vermelho). Leds SNMP: · LINK, RX e TX: estes leds indicam o status da conexão com a rede Ethernet. LINK quando aceso em verde indica enlace Ethernet ativo e com conexão, em vermelho indica que o equipamento não está conectado à rede Ethernet. Os leds TX e RX indicam que o MMO 63E1 está respectivamente transmitindo e recebendo dados da rede. · ON: quando aceso (verde) este led indica presença de energia elétrica no equipa- mento (ou seja, equipamento ligado). Além dos leds, o painel possui ainda os seguintes componentes mecânicos: · Chave de RESET: esta chave realiza um Reset no equipamento (seção 5.4). · Teclas e Display de Cristal Líquido: através deles qualquer configuração e comando de controle do equipamento pode ser acionado. 5.2.1. Visualização de comandos O painel de leds do MMO 63E1 permite a visualização dos comandos executados através de uma simples codificação. O comando de comutação forçada é exteriorizado e pode ser confirmado pelo led FS como já foi visto anteriormente Caso se execute um teste de loopback em uma determinada porta do MMO 63E1, o respectivo led piscará lentamente. Da mesma forma, o loopback de 155M é indicado pelo led M ou B, dependendo do loop escolhido. 5.3. OPERAÇÃO ATRAVÉS DO DISPLAY DE CRISTAL LÍQUIDO. O display de cristal líquido do MMO 63E1 permite: - Verificação de status; - Seleção de elemento da rede para chamada de serviço; - Realização de testes de loopback; - Configuração (conforme visto na seção anterior). 58
  • 63. AsGa MMO 63E1 OPERAÇÃO Como operar o MMO 63E1: Para navegar pelo display, são utilizadas as teclas de controle ao lado direito do mostrador. Através das setas para direita e esquerda, pode-se escolher a opção do menu desejada. A tecla ‘enter’ entra no menu escolhido, a tecla ‘esc’ retorna ao menu anterior e as teclas para cima e para baixo setam os parâmetros e navegam pelas opções configuradas na forma vertical. Entrando no display, as opções apresentadas na figura a seguir aparecem no mostrador. Esses são os menus principais e através deles todas as opções de configuração do MMO 63E1 podem ser acessadas. A seguir, os menus de operação do MMO 63E1 (Service, Status, Tests e Telnet) serão descritos detalhadamente. O Menu de configuração está descrito na seção 4. 59
  • 64. AsGa MMO 63E1 OPERAÇÃO MMO 63E1 Vx.xx mm/dd/aaaa Status Service Status Tests Config Telnet 5.3.1- Service Através do Menu Service , pode-se ter acesso ao canal de voz (EOW) e à confi- guração do canal de comunicação de dados (Aux Ch). Ao entrar no menu EOW, aparecerá uma lista com o nome e endereço IP dos MMO 63E1 disponíveis para receber a chamada. Service Realizada a escolha, a campainha do equi- pamento selecionado é acionada. Este EOW Aux Ch pode aceitar ou não a chamada. Para Available Nodes Overhead Channel: aceitá-la, tecla-se ‘enter’ e para recusá-la Auxiliar: None E1 F1 ‘esc’. Aceitando a chamada, pode-se co- F2 DCCr DCCm municar através do monofone fornecido com cada equipamento. No menu Aux Ch, pode-se escolher o canal do quadro SDH (Overhead Channel) a ser utilizado para comunicação de dados. Pode-se utilizar um dos cinco canais: E1, F1, F2, DCCr e DCCm. Existe ainda a opção None para desabilitar o uso do canal. Cada MMO 63E1 pode utilizar somente um canal por vez, porém em uma rede (um anel, por exemplo) pode-se utilizar mais de um canal simultaneamente em equipamentos distintos. Obs.: Vale ressaltar que os canais que podem ser utilizados para gerência e dados são os mesmos. O canal de gerência tem sempre preferência em relação ao canal de dados. Escolhendo-se o canal de gerência (default é o DCCm), automati- camente tal canal desaparece da opção de dados. Se o canal a ser escolhido para gerência já estiver alocado para dados, automaticamente este canal é desalocado e passa a pertecer a gerência. 60
  • 65. AsGa MMO 63E1 OPERAÇÃO 5.3.2- Status Neste menu, estão apresentadas todas as informações de status e alarmes da rede. Entrando no menu principal, aparecem duas opções: Alarms e Multplx, con- forme visto na figura a seguir. Alarms: Entrando neste menu, têm-se as opções de alarmes dos tributários, alarmes do enlace e alarmes gerais. - Tribut: No menu Tribut (Tributários), pode-se ver o status de cada tributário alocado inclusive dos tributários referentes a interface LAN. São apresentados: - As portas (A1, ...,I7), os time slots associados (1, ..., 63) e o tipo de interface (G.703 ou LAN). -Realização de testes de loopback: facility Loopback FLB, Remote Loopback Status Alarms Multplx Softwar Hardwar Tribut Section General Modem Name Int155 A Type Port: A1, ..., I7 Sect.: West / East Modem Local Int155 B Type Type: G703 / LAN Sts: Ok / LOS / AIS / XFO Operation Mode LIU A Type TS: 1, ..., 63 Md: SL / MS Topology LIU B Type Tst: FLB / RLB Tst: FLB / RLB Main Ring LIU C Type Sts: OK, AIS, LOS J1: Ok / Err Main Ring clk LIU D Type J2: Ok / Err BER Backup Ring LIU E Type Pth: Mn / Bck Back Ring Clk LIU F Type Swt : Aut / Mn / Bck Rx, Tx Clk Quality LIU G Type BER24h Origin Rx - Leds LIU H Type Hardwar Advancd BERMn Return Timeout LIU I Type BERBck Scrambler ETH Board Trib Swtch Fcn Mainbrd Type Switch Due BER Date / Time Eth IP Addr Eth Mask Int. IP Addr Intern. Mask Gateway Addr Performance Monitoring Firm. / Soft. Version 61
  • 66. AsGa MMO 63E1 OPERAÇÃO RLB. - Status de funcionamento de cada tributário: AIS, LOS, OK. - Status do J2 - Identificação de rota: Ok / Err. - Status da comutação (Pth): o tributário está sendo recebido pelo anel principal (Mn) ou pelo reserva (Bck). - Em Swt, pode-se verificar se o tributário está sob comutação forçada para o anel principal (Mn), para o reserva (Bck) ou em Auto, no caso da comutação por tributá- rio (Tributary Switch) estar habilitada. Se esta função estiver desabilitada, a informa- ção é sempre Auto. - BER24h: taxa de erro das últimas 24 horas para cada porta alocada. - BERMn: taxa de erro dos últimos 15 minutos levando em consideração a recep- ção pelo enlace principal de cada porta alocada. - BERBck: taxa de erro dos últimos 15 minutos levando em consideração a recep- ção pelo enlace reserva de cada porta alocada. Obs.: Caso se esteja utilizando a placa LAN em algum grupo de tributários, o menu apresentará para este grupo informações sobre o status de Link LAN e de Link WAN (Link - LNK / Não Link - NLK) na posição referente a Testes e Status. Não podem ser realizados testes de loopback na placa LAN. - Section: No menu Section são apresentados as seguintes informações para cada seção (West / East): - Status: Ok, LOS, LOF (perda de quadro), AIS, XFO (fibra invertida). - Modo de operação no momento: mestre (MS) / escravo (SL). -Realização de testes de loopback de 155M: facility Loopback FLB, Remote Loopback RLB. - Status de J1 - erro de rastreio: Ok / Err. - BER: taxa de erro para cada seção. - General: Este menu se subdivide em Hardwar e Advancd. Hardwar: Neste menu são indicados os alarmes existentes no hardware do equi- pamento. Por exemplo: falha na alimentação de 5V, falta de alimentação na fonte #1, falha em alguma placa, ausência de placa, ausência de relógio. Advancd: Neste menu são apresentados os alarmes internos do quadro SDH. 62
  • 67. AsGa MMO 63E1 OPERAÇÃO Caso um Time Slot seja configurado em mais de 2 equipamentos da rede, neste menu será gerado o alarme Alloc Error on TS x, nos equipamentos em questão. Multplx: Neste menu, são apresentadas todas as configurações realizadas e característi- cas do funcionamento momentâneo do MMO 63E1. Estas informações estão dividi- das em Software e Hardware. Nas informações de software, obtém-se: - Nome e local do equipamento; - Modo de operação; - Topologia; - Relógio; - Qualidade de relógio; - Recepção dos tributários pelo anel principal ou reserva; - Tempo de retorno de comutação; - Polinômio utilizado pelo embaralhador; - Status da comutação forçada por tributário: habilitada ou desabilitada; - Limiar para comutação por taxa de erro; - Data e hora; - Endereço IP e Máscara da Ethernet; - Endereço IP e Máscara para gerência Interna; - Endereço IP do Gateway; - Status da análise de Desempenho: habilitada ou desabilitada; - Versões de Software e Firmware; Em hardware, obtém-se a configuração do equipamento de acordo com o hardware instalado. A detecção do tipo de placa é automática. Assim, são apresentadas as informações: - Tipo de Interface de 155M: Elétrica / Óptica; - Tipo de Interface de Linha: G.703 / LAN; - Placa ethernet; - Versão da placa ADM63; - Processador. Também é detectada a ausência de placas no respectivo Slot. 63
  • 68. AsGa MMO 63E1 OPERAÇÃO Tests Password 2M 155 M Traps Resend active traps? No Yes Facilit Remote 2M Facility Loop 2M Remote Loop Loopbk FSwitch Port: A1, ..., C7 Port: A1, ...,C7 ON / OFF ON / OFF Forced Switch: Auto Main Back Facilit Remote Sect: East / West Sect: East / West Facility Lbk: Remote Lbk: OFF / ON OFF / ON 5.3.3- Tests Através deste menu, são realizados os testes disponíveis para o MMO 63E1. Ao entrar no menu tests, é pedido uma senha (caso esta esteja habilitada). Ao passar pela senha, são apresentadas as opções 2M e 155M, conforme a figura a seguir. O menu 2M corresponde aos testes realizados na interface elétrica de 2Mbps e o menu 155M corresponde aos testes realizados na interface de 155 Mbps (elétrica ou óptica). 2M: Seguindo a figura, pode-se observar que o menu 2M tem as seguintes opções de teste: - Facility Loopback: Neste teste, o sinal elétrico inserido na porta escolhida retorna por loop na interface de linha do mesmo equipamento. Serve para testar a ligação do DID à entrada do multiplexador. - Remote Loopback: Este teste realiza um remote loopback no equipamento local. Neste caso, o sinal 64
  • 69. AsGa MMO 63E1 OPERAÇÃO que vem do equipamento remoto retorna por loop na interface de linha local. Para realizar loops em equipamentos remotos, deve-se utilizar o menu Telnet. 155M: Este menu oferece as seguintes opções de teste de 155Mbps: - Loopbk: Neste menu, primeiro escolhe-se o tipo de loopback a ser realizado no sinal de 155Mbps: Facility ou Remote e logo após se o loop vai ser realizado na seção leste (East) ou oeste (West) do equipamento. Todos os tipos de loops estão explicados em detalhes na seção 3. - Switch: Este comando força o equipamento a receber todos os tributários pelo anel princi- pal (Main), reserva (Back) ou deixa de forma automática (Auto) a realização de comutações. Este comando permanece até ser desativado. - Traps: Este menu possibilita o reenvio de todas as traps ativas do equipamento para os gerentes cadastrados (gerência SNMP). 5.3.4- Telnet Através deste menu, pode-se ter acesso ao menu de qualquer equipamento do anel via telnet. Ao entrar no menu Telnet, aparecerá uma lista com o nome e ende- reço IP dos MMO 63E1 ou MMO21E1 disponíveis. Escolhendo o equipamento, o display local passa a mostrar exatamente o menu do equipamento escolhido. Des- ta forma, pode-se realizar qualquer configuração, teste ou verificação de status de forma remota. 5.3.5- Resumo do Menu Nas figuras a seguir, está apresentado um resumo de todo o menu. 65
  • 70. AsGa MMO 63E1 OPERAÇÃO MMO63E1 Vx.xx mm/dd/aaaa Status Service Status Tests Config Telnet EOW Aux Ch Available Nodes Overhead Channel: Auxiliar: None E1 F1 F2 DCCr DCCm Alarms Multplx Softwar Hardwar Tribut Section General Modem Name Int155 A Type Port: A1, ..., I7 Sect.: West / East Modem Local Int155 B Type Type: G703 / LAN Sts: Ok / LOS / AIS / XFO Operation Mode LIU A Type TS: 1, ..., 63 Md: SL / MS Topology LIU B Type Tst: FLB / RLB Tst: FLB / RLB Main Ring LIU C Type Sts: OK, AIS, LOS J1: Ok / Err Main Ring clk LIU D Type J2: Ok / Err BER Backup Ring LIU E Type Pth: Mn / Bck Back Ring Clk LIU F Type Swt: Mn / Bck / Aut Rx, Tx Clk Quality LIU G Type BER24h Hardwar Advancd Origin Rx - Leds LIU H Type BERMn Return Timeout LIU I Type BERBck Scrambler ETH Board Trib Swtch Fcn Mainbrd Type Switch Due BER Date / Time Eth IP Addr Eth Mask Int. IP Addr Intern. Mask Gateway Addr Performance Monitoring Soft. Version Tests Password 2M 155 M Traps Resend active traps? No Yes Facilit Remote 2M Facility Loop 2M Remote Loop Loopbk FSwitch Port: A1, ..., C7 Port: A1, ...,C7 ON / OFF ON / OFF Forced Switch: Auto Main Back Facilit Remote Sect: East / West Sect: East / West Facility Lbk: Remote Lbk: OFF / ON OFF / ON 66
  • 71. AsGa MMO 63E1 OPERAÇÃO Config Password Modem Passwrd Dat / Tim Reset Psswrd: [xxxx] Date: mm/dd/aaaa Active?: No Yes Time: hh:mm RstConf WarmRst Setup Managmt Advance Página seguinte RstPort Perform Full Beep Perform Scrambl TSwitch 2M All Beep Active? Activate PM? Scrambler Setup: Switch Trib Control? No Yes No Yes Off 2E13 2E7 2E11 No Yes Type: G703 Type: LAN Port: A1, ..., I7 Port: A1, ..., I7 TS: 1, ..., 63 TS: 1, ..., 63 KLM: 1,1,1, ..., 3,7,3 KLM: 1,1,1, ..., 3,7,3 67
  • 72. AsGa MMO 63E1 OPERAÇÃO Managmt ID TCP / IP OH Ch Overhead Channel: Management: DCCm DCCr E1 F1 F2 Name Local Set the Name Set the Local Eth Intern SNMP Address Mask Gateway Address Mask Ethernet Ethernet Gateway IP Internal Internal IP Address Mask Address Mangr Addr Mangr Mask Managrs Communt TrpRate RDI Trp Periodic Trap Rate: RDI Traps sending xx mins e yy secs No Yes Manager Database: Set Read mgr1, ..., mgr6: IP Address Set Read Community Community 68
  • 73. AsGa MMO 63E1 OPERAÇÃO 5.4. USO DO “RESET” · Warm Reset: reinicializa o software de controle do equipamento. O tráfego de tributários não é interrompido. Este reset é realizado através do display do equipamento. · Cold Reset: reseta o microcontrolador e reinicializa o sistema operacional. A execução do Cold Reset é feita via hardware, todas as vezes que o equipamento é ligado (power on) ou pela chave Reset no painel frontal. Obs.: Para versões de software igual ou superiores a 3.08, o cold reset através da chave RESET do painel frontal não interfere na transmissão e recepção dos tributários. 69
  • 74. AsGa MMO 63E1 INSTALAÇÃO 6 - INSTALAÇÃO 6.1- RECOMENDAÇÕES DE DESEMBALAGEM E ESTOCAGEM Os equipamentos da AsGa são embalados individualmente em caixas de papelão e adequadamente acomodados através de calços internos de poliuretano expandi- do, como mostrado na figura 6.1 Figura 6.1 - Caixa de papelão, calços de poliuretano, equipamento, manual de operação e instalação e kit de fixação para bastidor 19. A embalagem conforme descrita anteriormente está adequada para: · Empilhamento (conforme descrito na serigrafia externa da caixa); · Suportar pequenos choques mecânicos; · Transporte a longas distâncias; · Resistente a respingos de água. Na desembalagem dos equipamentos da AsGa recomenda-se: · Manusear a caixa com cuidado; · Na abertura da fita adesiva utilizar ferramentas cortantes com cautela de modo a não atingir o conteúdo da caixa; Para uma adequada estocagem: · Não armazenar em ambiente com umidade relativa maior que 80%; · Respeitar o empilhamento; · Estocar na embalagem original. 70
  • 75. AsGa MMO 63E1 INSTALAÇÃO 6.2 - DESCRIÇÃO MECÂNICA 6.2.1 - Sub-Bastidor Modem Óptico MMO 63E1 Figura 6.2 - Foto do MMO 63E1 Dimensões do equipamento MMO 63E1 re- levantes no tocante à instalação: · Largura: 480mm (19 polegadas) · Profundidade do equipamento: 271mm · Altura do equipamento: 358mm O MMO 63E1 pode ser instalado em diver- sos tipos de bastidores. Descreve-se a se- guir o bastidor de 19 polegadas e 40U de altu- ra. 6.2.2 - Bastidores de 19 Polegadas Bastidor 40U (consultar a AsGa para ou- tras medidas disponíveis) Um desenho do bastidor de 40U que pode ser utilizado na instalação do MMO 63E1 é mostrado na figura 6.3 Figura 6.3 - Dimensões do Bastidor de 19 x 40U. OBS: Dimensões em centímetros. 71
  • 76. AsGa MMO 63E1 INSTALAÇÃO 6.2.3 - Bandeja de Emenda Óptica Uma bandeja de emenda óptica que pode ser utilizada na instalação do MMO 63E1 é apresentada na foto da figura 6.4. Figura 6.4 - Bandeja de Emenda Óptica. 6.3 - LISTA DE MATERIAIS DE INSTALAÇÃO A seguir apresenta-se a lista de materiais necessários para a adequada instala- ção do equipamento em bastidor de 19’’. As quantidades de alguns itens aqui apre- sentadas são estimadas. 6.3.1 - Instalação em Bastidor de 19 x 40U Quantidade Descrição Código AsGa 1 caixa p/ modem MMO 63E1 CXA-MMO63U*-ASG 2 placa transceptor óptico PLN-M63SF2*-ASG 1 placa de entrada de alimentação PLN-M63EN**-ASG 1a9 placa de tributários (7E1) PLN-M63IDT*-ASG 1 bastidor 40U (*) BSD-SSX40U*-ASG 1 kit de fixação KIT-FIXSUB*-ASG 4 cordão óptico de 20m (exemplo) CCO-M34V200-ASG 18 cabos coaxiais DB15 de 4m (exemplo) CCE-BJ10040-ASG 10m barbante encerado BRD-CERA***-XXX 10 braçadeira de 10cm BRC-T30R***-XXX 1 manual de instalação do modem MMO 63E1 MNL-M63E1SP-ASG 1 bandeja de emenda óptica para 12 fibras BDJ-BEO12F**-XXX 1 kit de fixação do bastidor KIT-FIXBAST-XXX (*) Temos disponíveis outras alturas de bastidor, sendo que os mais usuais são os de 40U e 44U. 72
  • 77. AsGa MMO 63E1 INSTALAÇÃO 6.4 - MÉTODO DE INSTALAÇÃO Como citado anteriormente, o MMO63E1 pode ser instalado no bastidor de 19. Para a instalação existem procedimentos adequados, descritos a seguir. 6.4.1 - Instalação do Bastidor de 19 A figura 6.5 ilustra a instalação do bastidor de 19 por 40U. Figura 6.5 73
  • 78. AsGa MMO 63E1 INSTALAÇÃO 6.4.1.1- Fixação do Bastidor O bastidor de 19 x 40U deve ser fixado ao chão com o KIT-FIXBAST-XXX, verifi- cando-se o alinhamento e o nível do mesmo. 6.4.1.2 - Amarração dos Cabos de Alimentação Os cabos de alimentação devem ser amarrados com barbante encerado e conduzidos pela coluna do bastidor até o rasgo superior do mesmo. Quando estes encontrarem a esteira de subida, devem ser amarrados a mesma na parte inferior dos degraus e condu- zidos até o QDF ou ponto de alimentação destinado ao equipamento, sempre verificando se a proteção (fusível ou disjuntor)estão adequados. Não utilizar emendas nos cabos de alimentação. 6.4.1.3 - Amarração dos Cabos Coaxiais Os cabos coaxiais devem ser amarrados com barbante encerado com moderação, de modo a não amassar o dielétrico, e conduzidos pela coluna do bastidor até o rasgo superior do mesmo. Quando estes encontrarem a esteira de subida, devem ser amar- rados a mesma na parte superior dos degraus e conduzidos até o DID. 6.4.1.4 - Cabos Ópticos Os cabos ópticos devem ser conduzidos através de eletrodutos corrugados emborrachados, lisos internamente, desde o modem óptico, passando pela coluna do bastidor e a esteira, até a calha de fibras ópticas que deve conduzi-los até o DIO. Os eletrodutos podem ser fixados através de abraçadeiras plásticas. Os cabos ópticos não devem ser amarrados. 6.4.1.5 - Aterramento O MMO 63E1 deve ser conectado à cordoalha de aterramento da estação diminu- indo-se assim o risco de mal funcionamento por interferências externas. É importante não cascatear a ligação dos terras dos equipamentos dentro dos bastidores. Utilize conectores split-bolt no ponto mais próximo da cordoalha de aterramento. 6.4.2 - Instalação do MMO 63E1 no Bastidor de 19 A primeira etapa da instalação do equipamento no bastidor de 19 é a sua fixação mecânica no bastidor. Isto é feito com auxílio do kit de fixação, que é composto de quatro porcas gaiola e quatro parafusos M5x16. Uma vez fixadas as porcas gaiola 74
  • 79. AsGa MMO 63E1 INSTALAÇÃO no bastidor, o equipamento pode ser preso ao mesmo, como indicado na figura 6.6. Figura 6.6 - Fixação do equipa- mento no bastidor de 19 x 40U . A segunda etapa deste modo de instalação é a conexão dos cabos elétricos e ópticos como indicado nas figuras 6.7 e 6.8. Os cabos devem ser acomodados através da calha superior de modo que eles sejam distribuídos pela direita e pela esquerda do bastidor. Figura 6.7 - Instalação dos cabos coaxiais das entradas e saídas elétricas e das fibras ópticas do MMO 63E1 . Figura 6.8 - Detalhe da instalação do cabo de alimentação do MMO 63E1. 75
  • 80. AsGa MMO 63E1 INSTALAÇÃO Após a conexão, segue-se a etapa da amarração dos cabos, utilizando-se bar- bante encerado (ver na figura 6.9) Figura 6.9 - Detalhe da subida dos cabos coaxiais pela parte interna do perfil do bastidor de 19. 6.4.3 - Cabo de Alimentação O MMO 63E1 da AsGa pode ser alimentado por uma fonte de corrente contínua de -48V com tolerância de ±25% ou simultaneamente por duas fontes para proteção, caso uma delas falhe. A entrada de alimentação deve ser realizada com terminais adequados. Figura 6.10 - Entrada dos cabos de alimentação 76
  • 81. AsGa MMO 63E1 INSTALAÇÃO 6.4.4 - Identificação de Conectores Ópticos As figuras a seguir ilustram alguns dos tipos de conectores ópticos mais utiliza- dos. FC/PC FC/APC 77
  • 82. AsGa MMO 63E1 INSTALAÇÃO SC/PC SC/APC 78
  • 83. AsGa MMO 63E1 INSTALAÇÃO ST/PC E2000/APC 79
  • 84. AsGa MMO 63E1 INSTALAÇÃO DE SOFTWARE 7- INSTALAÇÃO DE SOFTWARE Como visto anteriormente, para se utilizar o Configurador SDH AsGa é necessário um computador com algumas características. Com o equipamento, é fornecido um CD-ROM que possui os aplicativos necessá- rios, incluive o Configurador SDH AsGa. Este CD-ROM possui os seguintes diretórios: 1- Utilitários 2- Manuais 3- MIBs MMO63E1 4- MIBs MMO21E1 5- AsGa No diretório Utilitários estão presentes os arquivos necessários para instalação do Configurador SDH AsGa e do NullModem. Nos outros diretórios estão disponíveis, respectivamente, o manual do MMO 21E1 e do MMO63E1, as MIB’s do MMO 21E1 e do MMO63e1 para gerência SNMP e a especificação dos produtos e contato da AsGa. Nesta seção serão descritas os passos necessários para a instalação dos aplicativos mencionados. 7.1 - INSTALAÇÃO DO CONFIGURADOR SDH ASGA O diretório ConfigSDH contém o arquivo de instalação do Configurador SDH AsGa. Basta executá-lo (clicar duas vezes com o botão esquerdo do mouse) que a insta- lação do Configurador é realizada automaticamente. O caminho default de instalação está setado para C:Arquivos de programas AsGaConfiguradorSDH (recomendado). Caso não se queira utilizar o caminho default, basta selecionar o caminho desejado durante a instalação. Obs.: O Configurador SDH AsGa utiliza plataforma Java. O Java (JRE) é instalado automaticamente no mesmo diretório que o Configurador. 7.2 - CONEXÃO SLIP Para realizar a conexão MMO 63E1 - Computador e descarregar a configuração pelo painel frontal do equipamento, utiliza-se o protocolo SLIP. A seguir serão des- critos os passos necessários para a criação da conexão SLIP, tanto para Windows 95 e 98 quanto para Windows 2000 e XP. 80
  • 85. AsGa MMO 63E1 INSTALAÇÃO DE SOFTWARE 7.2.1 - Windows 95 e 98: 7.2.1.1 - Instalação do NullModem No caso do Windows 95 e 98, para se ter acesso ao protocolo SLIP é necessário a instalação de um novo modem (Null Modem) no computador. O drive do Null Modem está no CD-ROM dentro do diretório NullModem. Para instalá-lo siga os seguintes passos. 1. Abra o Painel de Controle. 2. Abra rede. 3. Certifique se o Adaptador para Rede Dial-Up está instalado e em Propriedades - ligações escolha o protocolo TCP/IP. 4. No Painel de Controle, abra a opção Modems. 5. Clique em Adicionar. 6. Escolha a opção Outro e Avançar. 7. Clique em Não detectar o modem; vou selecioná-lo em uma lista e Avançar. 8. Escolha a opção com disco. 9. Clique em procurar e selecione o arquivo mdmai.inf, dentro do diretório Nullmodem do CD-ROM. 10. Selecione Direct Connection e Avançar. 11. Selecione a porta do computador que realizará a conexão Slip (geralmente a COM1) e Avançar. 12. Em seguida o modem é instalado e basta clicar em Concluir para terminar a instalação. 7.2.1.2 - Criação da Conexão SLIP Para criar a conexão Slip, deve-se seguir os passos a seguir: 1. Entre no menu Iniciar - Programas - Acessórios - Comunicações - Acesso à rede dial-up. 2. Clique duas vezes em Fazer Nova Conexão. 3. Escolha um nome para a conexão e selecione o dispositivo Direct Connection. 4. Clique em Configurar. 5. Na opção Geral, confirme a porta de comunicações escolhida e selecione a velocidade de trabalho de 115200. Clique na opção Conectar somente nesta veloci- dade. 6. Na opção Conexão, sete as seguintes configurações: Bits de dados: 8 Paridade: Nenhuma 81
  • 86. AsGa MMO 63E1 INSTALAÇÃO DE SOFTWARE Bits de parada: 1 Aguardar o sinal antes de discar: não selecionar Cancelar chamada se não for conectada dentro de 1s Desconectar chamada se ociosa por mais de 30 min: Não selecionar. 7. Clique em configurações e certifique que o buffer de recepção está setado em 3/4 do máximo e o buffer de transmissão no máximo. 8. Volte a opção Conexão e clique em avançadas. 9. As opções Controle de erro, Controle de fluxo e Exibir Log devem estar desabilitadas e o Tipo de modulação deve estar em Padrão. 10. Na opção Opções, verifique se todas as opções estão desabilitadas. 11. Realizada todas as configurações mencionadas, clique em OK. 12. De volta a tela Fazer nova conexão, clique em Avançar e configure um Código da cidade qualquer e o Número do telefone como 1. 13. Clique em Avançar e Concluir. Logo após é necessário configurar o protocolo TCP/IP da rede: 1. Entre em Painel de Controle e dê um clique duplo sobre Rede. 2. Selecione TCP/IP - adaptador para rede dial-up. 3. Clique em Propriedades e em seguida OK para a mensagem que aparecerá na tela. 4. Configure o Endereço IP e a Máscara de subrede para a porta Slip do micro. É recomendado que o endereço Slip esteja em uma subrede única para todos os endereços Slip dos modens, para que não seja afetado o funcionamento da rede Ethernet. 5. Clique em OK e o micro deverá ser reiniciado para que as novas configurações sejam aceitas. Após o computador ser reiniciado, entre no menu Iniciar - Programas - Acessóri- os - Comunicações - Acesso à rede dial-up e siga as instruções. 1. Clique com o botão direito do mouse na conexão Slip que foi criada e selecione Propriedades. 2. Entre na opção Tipos de servidor. 3. Em Tipo de servidor de rede dial-up selecione a opção Slip: Conexão Unix. 4. Desative as opções Efetuar logon na rede e Gravar um arquivo de log para esta conexão. 5. Clique em Configurações de TCP/IP e selecione Especificar um endereço IP. 82
  • 87. AsGa MMO 63E1 INSTALAÇÃO DE SOFTWARE Coloque o mesmo endereço IP escolhido na configuração do TCP/IP em redes. 6. Selecione Endereços do servidor de nomes atribuídos pelo servidor. 7. Desative as opções Utilizar compactação de cabeçalho IP e Utilizar gateway padrão em rede remota. 8. Clique em OK e novamente OK. Após a conclusão dos procedimentos descritos nas seções 7.1e 7.2.1, o compu- tador estará pronto para estabelecer conexão Slip com o MMO 63E1 e realizar a configuração através do Configurador SDH AsGa. Sempre que se quiser ter acesso a essa conexão Slip, basta entrar no menu Iniciar - Programas - Acessórios - Comunicações - Acesso à rede dial-up ou então pode-se criar um atalho na área de trabalho. 7.2.2 - Windows 2000 e XP: No caso do Windows 2000 e XP, para se ter acesso ao protocolo SLIP é necessá- rio apenas criar a conexão SLIP. 7.2.2.1 - Criação da Conexão SLIP Para criar a conexão Slip, deve-se seguir os passos a seguir: 1. O usuário deve se logar como administrador do microcomputador em configura- ção. 2. Entre no menu Iniciar - Programas - Acessórios - Comunicações - Conexões dial-up e de rede. 3. Dê um clique duplo sobre Fazer nova conexão. 4. Ao entrar no Assistente para Conexão de Rede, clique em Avançar. 5. Clique sobre a opção Conectar-se diretamente a outro computador e em segui- da em Avançar. 6. A próxima tela solicita a escolha de função do computador. Clique sobre Con- vidado e em seguida em Avançar. 7. Selecione o dispositivo Porta de Comunicações COMx, onde x é o número da porta COM disponível no computador. Se não é fornecida nenhuma opção com dispositivo COM não será possível continuar a instalação. Certifique-se de que o micro possui um dispositivo COM disponível. Para continuar a instalação clique em Avançar. 8. Selecione a disponibilidade da conexão (para todos os usuários por exemplo) e 83
  • 88. AsGa MMO 63E1 INSTALAÇÃO DE SOFTWARE em seguida clique em Avançar. 9. Dê um nome a essa conexão e clique em Concluir. 10. O Windows vai imediatamente efetuar essa conexão, entretanto ainda é ne- cessário fazer alguns ajustes, então clique em Cancelar para a solicitação de conexão. 11. Dentro da pasta Conexões dial-up e de rede existe agora um link para a nova conexão que acabou de ser configurada. Clique com o botão direito do mouse sobre ela e em seguida em propriedades. 12. Na primeira aba das propriedades selecione um dispositivo Cabo de comuni- cação entre dois computadores COMx. Clique no botão logo abaixo dessa mensa- gem Configurar... 13. Selecione a velocidade de comunicação para 115200 bps. Desmarque todas as caixas de seleção que existem em Configuração do Modem. 14. Clique na aba Rede e selecione em Tipo de servidor dial-up que estou cha- mando, a opção Slip Conexão UNIX. Se desejar podem ser desmarcadas as op- ções Compartilhamento de arquivos e impressoras de rede e Cliente para redes Microsoft. Clique em Protocolo Internet (TCP/IP) e em seguida no botão Proprieda- des. Coloque o endereço IP para a interface do computador. Uma observação importante é que ao contrário do Windows 95/98 no Windows2000/ XP não é possível setar uma máscara de rede, obrigando que isso seja feito após a conexão. Esse fato também obriga que a conexão SLIP no Windows2000 (ou supe- rior) tenha um endereço IP que esteja em uma rede diferente da rede interna dos modens que se deseja configurar. Por exemplo: se temos uma rede de modens com os seguintes IP’s internos 10.0.20.(1, ..., 254) cuja máscara de rede interna é 255.255.255.0, a conexão SLIP deve assumir um endereço que esteja em uma rede diferente de 10.0.20.0. Podendo ser por exemplo 10.0.30.1. É necessário um conhecimento prévio da rede interna dos equipamentos para selecionar um endereço IP válido para a interface da conexão. Selecione então o IP que deseja. Não é preciso configurar nenhum servidor de DNS. 15. Clique no botão Avançado. Desmarque a opção Usar compactação de cabe- çalho IP. Selecione o tamanho do quadro MTU que deseja. Clique em OK. Caso apareça a mensagem Essa conexão tem um endereço WINS primário vazio. Dese- ja continuar? Clique em SIM. Clique em OK novamente para Propriedades de Pro- tocolo Internet (TCP/IP). 16. De volta em Propriedades, clique em na aba Opções. Desmarque a opção 84
  • 89. AsGa MMO 63E1 INSTALAÇÃO DE SOFTWARE Solicitar nome e senha, certificado, etc. 17. Clique na aba Compartilhamento e desmarque a opção Ativar compartilhamento da conexão com internet para conexão. 18. Clique em OK. Após a conclusão dos procedimentos descritos nas seções 7.1e 7.2.2, o compu- tador estará pronto para estabelecer conexão Slip com o MMO 63E1 e realizar a configuração através do Configurador SDH AsGa. Sempre que se quiser ter acesso a essa conexão Slip, basta entrar no menu Iniciar - Programas - Acessórios - Comunicações - Acesso à rede dial-up ou então pode-se criar um atalho na área de trabalho. OBSERVAÇÕES IMPORTANTES: 1- Somente as versões de software a partir da versão 3.00.05 aceitam conexão SLIP de um computador com Windows 2000 ou XP. 2- Como o Windows 2000 e XP aguardam o recebimento de uma palavra de con- trole por parte do micro cliente, primeiramente o cabo deve ser conectado no microcomputador e a conexão deve ser solicitada. Logo após, deve-se conectar o cabo ao MMO63E1 e finalmente configurar uma rota de saída pela conexão. 3- Uma vez estabelecida a conexão, é necessário configurar uma rota de saída devido ao fato mencionado no passo 14. Para isso, abra a tela referente ao prompt do MS-DOS e crie a rota de saída: route add IP-da-rede-destino mask Mascara-da-rede-destino IP-da-Conexão-SLIP (e ENTER) onde: IP-da-rede-destino é o endereço IP da rede interna dos modens SDH AsGa. Mascara-da-rede-destino é a máscara da rede interna dos modens SDH AsGa. IP-da-Conexão-SLIP é o IP criado para a conexão SLIP (configurado no passo 14). Sempre que a desconexão for efetuada, a rota de saída deverá ser novamente configurada na próxima conexão. 4- Para que a conexão SLIP funcione quando se logar no Windows 2000 ou XP como um usuário diferente do admistrador, este deve ter permissão para criar rotas de saída. 85
  • 90. AsGa MMO 63E1 REFERÊNCIAS 8- REFERÊNCIAS · Prática Telebras 225-100-706 - Especificações Gerais do Equipamento Multiplex Digital a 2048 kb/s. · Prática Telebras 240-600-703 - Condições Ambientais Aplicáveis a Equipamentos de Telecomunicações e Equipamentos Auxiliares. · Prática Telebras 225-100-722 – Características Gerais do Sistema SDH. · Prática Telebrás 225-100-723 – Especificações Gerais do Sistema STM-1 · Prática Telebras 225-100-724 – Funções de Gerência da SDH. · Prática Telebras 210-120-101 – Implementação da Hierarquia Digital Síncrona no Sistema Telebras. · Rec. ITU G.703 – Physical/Electrical characteristics of hierarchical Digital Interfaces. · Rec. ITU G.736 – Characteristics of a synchronous digital multiplex equipment operating at 2048 kbit/s. · Rec. ITU G.813 – Timing Characterisitcs of SDH equipment slave clocks (SEC). · Rec. ITU G.821 – Error performance of an international digital connection operating at a bit rate below the primary rate and forming part of an integrated services digital network. · Rec. ITU G.823 – The control of jitter and wander within digital networks which are based on the 2048 kbit/s hierarchy. · Rec. ITU G.825 – The control of jitter and wander within digital networks which are based on the Synchronous Digital Hierarchy (SDH). . Bellcore SONET GR-253. · Rec. ITU G.826 – Error performance parameters and objectives for international, constant bit rate digital paths at or above the primary rate. · Rec. ITU G.841 – Types and characteristics of SDH network protection architectures. · Rec. ITU G.707 – Synchronous Digital Hierarchy bit rates. · Rec. ITU G.708 – Network node interface for the Synchronous Digital Hierarchy. · Rec. ITU G.709 – Synchronous multiplexing structure. · Rec. ITU G. 782 – Types and general characteristics of SDH equipment. · Rec. ITU G.783 – Characteristics of SDH equipment functional blocks. · Rec. ITU G.784 – SDH Management. · Rec. ITU G.957 – Optical interfaces for equipments and systems relating to the Synchronous Digital Hierarchy. · Rec. ITU G.958 – Digital line systems based on the Synchronous Digital Hierarchy for use on optical fibre cables. 86
  • 91. AsGa MMO 63E1 REFERÊNCIAS Este produto está certificado pela Anatel, de acordo com os procedimentos regu- lamentados pela Resolução nº 242/2000. 0399-03-0643 (01)07892386020030 Para consulta de produtos certificados pela Anatel visite: http://sistemas.anatel.gov.br/sgch/ 87
  • 92. AsGa MMO 63E1 GARANTIA Este produto é garantido contra defeitos de fa- bricação por um período de 12 meses a contar à partir da data do faturamento do produto. Em caso de defeito de fabricação constatado, a AsGa decidirá em trocar ou reparar o equipamen- to defeituoso. As despesas de transporte do equipamento do Cliente para a AsGa correrão por conta do Clien- te. As despesas de remessa do equipamento re- parado/trocado da AsGa para o Cliente correrão por conta da AsGa. Esta garantia não é extensiva aos defeitos ou danos causados por manuseio impróprio, manu- tenção inadequada, modificação não autorizada, mau uso ou funcionamento em ambiente fora das especificações do equipamento, assim como de- feitos provocados por descargas atmosféricas. 24/04/2006 MNL-M63E1SP-ASG ED.07

×