FUNDO CRISTÃO PARA CRIANÇAS                                                              DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS          ...
FUNDO CRISTÃO PARA CRIANÇASDEMONSTRAÇÕES CONTÁBEISREFERENTES AOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 E 2008CONTEÚD...
PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTESAos Conselheiros e AdministradoresFundo Cristão para Crianças1.   Examinamos os balanço...
QUADRO 1FUNDO CRISTÃO PARA CRIANÇASBALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 E 2008(Valores expressos em reais)ATIVO...
QUADRO 2FUNDO CRISTÃO PARA CRIANÇASDEMONSTRAÇÃO DOS SUPERÁVITS (DÉFICITS)PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 20...
QUADRO 3FUNDO CRISTÃO PARA CRIANÇASDEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDOPARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEM...
QUADRO 4FUNDO CRISTÃO PARA CRIANÇASDEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXAPARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 E 2...
FUNDO CRISTÃO PARA CRIANÇASNOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEISREFERENTES AOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO...
Fundo Cristão para Crianças      Na elaboração das demonstrações contábeis de 2009, a Entidade adotou as alterações na    ...
Fundo Cristão para Crianças      ii. O critério utilizado para determinar a estimativa de vida útil remanescente de tais  ...
Fundo Cristão para Crianças      b.4. Doações      As doações são provenientes do exterior e locais, as quais são apropria...
Fundo Cristão para Crianças6.    INVESTIMENTOS      Os investimentos da Entidade incluem salas do Edifício Work Center, à ...
Fundo Cristão para Crianças      Os custos de mercado para os imóveis de propriedade da Entidade podem ser assim      suma...
Fundo Cristão para Crianças9.    PROVISÕES PARA DEMANDAS JUDICIAIS      As provisões para demandas judiciais podem ser ass...
Fundo Cristão para Crianças       Essas receitas são proporcionadas pelo sistema de apadrinhamento e outras doações       ...
Fundo Cristão para Crianças      O saldo de DFCs repassado no exercício foi:                                              ...
Fundo Cristão para Crianças                                                                                            200...
Fundo Cristão para Crianças                                                                                 2009          ...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Demonstrações contábeis 2008-2009

1,166

Published on

Demonstrações contábeis 2008-2009 - Fundo Cristão para Crianças Brasil

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
1,166
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
5
Actions
Shares
0
Downloads
14
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Demonstrações contábeis 2008-2009

  1. 1. FUNDO CRISTÃO PARA CRIANÇAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO 2009 E 2008 E PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTESBDO Auditores Independentes, uma empresa brasileira de sociedade simples, é membro da BDO International Limited, uma companhialimitada por garantia do Reino Unido, e faz parte da rede internacional BDO de firmas membro independentes.BDO é o nome comercial para a rede BDO e cada uma das Firmas Membro BDO.
  2. 2. FUNDO CRISTÃO PARA CRIANÇASDEMONSTRAÇÕES CONTÁBEISREFERENTES AOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 E 2008CONTEÚDOParecer dos auditores independentesQuadro 1 - Balanços patrimoniaisQuadro 2 - Demonstração dos superávits (déficits)Quadro 3 - Demonstração das mutações do patrimônio líquidoQuadro 4 - Demonstração dos fluxos de caixaNotas explicativas às demonstrações contábeis
  3. 3. PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTESAos Conselheiros e AdministradoresFundo Cristão para Crianças1. Examinamos os balanços patrimoniais do Fundo Cristão para Crianças (“Entidade”), levantados em 31 de dezembro de 2009 e 2008, e as respectivas demonstrações dos Superávits (Déficits), das mutações do patrimônio líquido e dos fluxos de caixa correspondentes aos exercícios findos nestas datas, elaborados sob a responsabilidade de sua Administração. Nossa responsabilidade é expressar uma opinião sobre essas demonstrações contábeis.2. Nossos exames foram conduzidos de acordo com as normas de auditoria aplicáveis no Brasil e compreenderam: a) o planejamento dos trabalhos, considerando a relevância dos saldos, o volume de transações e o sistema contábil e de controles internos da Entidade; b) a constatação, com base em testes, das evidências e dos registros que suportam os valores e as informações contábeis divulgados; e c) a avaliação das práticas e das estimativas contábeis mais representativas adotadas pela Administração da Entidade, bem como da apresentação das demonstrações contábeis tomadas em conjunto.3. Em nossa opinião, as demonstrações contábeis referidas no parágrafo 1 representam adequadamente, em todos os aspectos relevantes, a posição patrimonial e a financeira do Fundo Cristão para Crianças em 31 de dezembro de 2009 e 2008, os superávits (déficits) de suas operações, as mutações de seu patrimônio líquido e os fluxos de caixa referentes aos exercícios findos naquelas datas, de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil.Belo Horizonte, 19 de março de 2010Antônio de Pádua Soares PelicarpoSócio-contadorCRC MG027739/O-3BDO Auditores IndependentesCRC 2SP013439/O-5
  4. 4. QUADRO 1FUNDO CRISTÃO PARA CRIANÇASBALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 E 2008(Valores expressos em reais)ATIVO 2009 2008 PASSIVO 2009 2008CIRCULANTE CIRCULANTEDisponibilidades (nota 4) 1.129.877 1.216.953 Fornecedores 91.758 48.448Outros ativos circulantes (nota 5) 79.653 70.779 Impostos e contribuições a recolher 53.680 50.543 Gratuidades a repassar (nota 13) 231.514 137.287 1.209.530 1.287.732 Provisões p/ férias e encargos 209.665 197.798 Outros passivos 44.487 78.684 631.104 512.760Total do ativo circulante 1.209.530 1.287.732 Total do passivo circulante 631.104 512.760ATIVO NÃO CIRCULANTE PASSIVO NÃO CIRCULANTEREALIZÁVEL A LONGO PRAZO EXIGÍVEL A LONGO PRAZODepósitos judiciais (nota 9) 7.357 10.078 Provisões p/ demandas judiciais (nota 9) 7.357 - 7.357 10.078 7.357 - Total do passivo não circulante 7.357 -PERMANENTE PATRIMÔNIO SOCIAL (nota 10)Investimentos (nota 6) 719.109 733.152 Fundo patrimonial 2.741.456 2.741.456Imobilizado (nota 7) 5.032.272 5.112.566 Reserva de reavaliação 4.516.039 4.734.158Intangíveis (nota 8) 83.499 114.330 Déficit acumulado (844.189) (730.516) 5.834.880 5.960.048 6.413.306 6.745.098Total do ativo não circulante 5.842.237 5.970.126TOTAL DO ATIVO 7.051.767 7.257.858 TOTAL DO PASSIVO 7.051.767 7.257.858As notas explicativas são parte integrante das demonstrações contábeis.
  5. 5. QUADRO 2FUNDO CRISTÃO PARA CRIANÇASDEMONSTRAÇÃO DOS SUPERÁVITS (DÉFICITS)PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 E 2008(Valores expressos em reais) 2009 2008RECEITAS ORDINÁRIASDoações do exterior (nota 11) 22.110.580 21.804.103Doações locais (nota 11) 4.358.843 4.368.902 26.469.423 26.173.005DESPESAS ORDINÁRIASSubsídios - Projetos conveniados (nota 12) (21.095.327) (21.263.730)Verbas especiais a projetos (nota 12) (281.657) (20.611) (21.376.984) (21.284.341)SUPERÁVIT ORDINÁRIO 5.092.439 4.888.664RECEITAS (DESPESAS) OPERACIONAISPessoal e encargos (2.486.835) (2.359.878)Serviços de terceiros (759.728) (721.640)Despesas gerais (nota 14) (1.853.234) (1.447.604)Despesas com depreciação (nota 15) (241.664) (232.521)Impostos e taxas (16.939) (21.460)Despesas INSS (nota 17) (471.539) (470.670)Receita gratuidade isenção INSS (nota 17) 471.539 470.670 (5.358.400) (4.783.103)OUTRAS RECEITAS (DESPESAS)Receitas financeiras 97.817 104.792Despesas financeiras (151.833) (164.602)Receitas de aluguéis 66.652 48.373Alienação ou baixas de bens ativo imobilizado (82.492) (66.144)Outras receitas (despesas) 4.025 70.450 (65.831) (7.131)SUPERÁVIT (DEFICIT) DO PERÍODO (331.792) 98.430As notas explicativas são parte integrante das demonstrações contábeis.
  6. 6. QUADRO 3FUNDO CRISTÃO PARA CRIANÇASDEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDOPARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 E 2008(Valores expressos em reais) Patrimônio Reservas de Déficit social reavaliação acumulado TotalSALDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 2.741.456 4.978.495 (1.073.283) 6.646.668Realização da reserva de reavaliação - (244.337) 244.337 -Superávit do período - - 98.430 98.430SALDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 2.741.456 4.734.158 (730.516) 6.745.098Realização da reserva de reavaliação - (218.119) 218.119 -Déficit do período - - (331.792) (331.792)SALDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 2.741.456 4.516.039 (844.189) 6.413.306As notas explicativas são parte integrante das demonstrações contábeis.
  7. 7. QUADRO 4FUNDO CRISTÃO PARA CRIANÇASDEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXAPARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 E 2008(Valores expressos em reais) 2009 2008FLUXO DE CAIXA PROVENIENTE DAS OPERAÇÕESSuperávit (déficit) do exercício (331.792) 98.430Ajustes ao resultado do exercício: Depreciação e amortização 241.664 232.521 Constituição (reversão) de provisões - (49.790) Baixa de ativos imobilizado 82.492 66.144 (7.636) 347.305Redução (aumento) nos ativos: Adiantamentos diversos (5.667) (6.819) Despesas antecipadas (3.207) 191 Impostos a recuperar - 2.147 Depósitos judiciais 2.721 14.426 (6.153) 9.945Aumento (redução) nos passivos: Fornecedores 43.310 42.552 Impostos e contribuições a recolher 3.137 4.851 Gratuidades a repassar 94.227 94.863 Provisões p/ férias e encargos 11.869 27.520 Provisões p/ demandas judiciais 7.357 (144.885) Outros (34.199) 20.287 125.701 45.188RECURSOS LÍQUIDOS PROVENIENTES DAS ATIVIDADES OPERACIONAIS 111.912 402.438FLUXO DE CAIXA UTILIZADO NAS ATIVIDADES DE INVESTIMENTOSAdições ao ativo permanente (198.988) (88.978)RECURSOS LÍQUIDOS PROVENIENTES DAS ATIVIDADES DE INVESTIMENTO (198.988) (88.978)FLUXO DE CAIXA PROVENIENTE DAS ATIVIDADES DE FINANCIAMENTO - -RECURSOS LÍQUIDOS PROVENIENTES DAS ATIVIDADES DE FINANCIAMENTO - -Aumento (redução) no caixa e equivalentes (87.076) 313.460Disponibilidades no início do exercício 1.216.953 903.493Disponibilidades no final do exercício 1.129.877 1.216.953Aumento (redução) no caixa e equivalentes (87.076) 313.460As notas explicativas são parte integrante das demonstrações contábeis.
  8. 8. FUNDO CRISTÃO PARA CRIANÇASNOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEISREFERENTES AOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 E 2008(Valores expressos em reais)1. CONTEXTO OPERACIONAL O Fundo Cristão para Crianças é uma sociedade civil de caráter filantrópico e sem fins lucrativos, reconhecida de utilidade pública em âmbitos Federal, Estadual e Municipal. Iniciou suas atividades no Brasil em 1966. Com atuação em quatro Estados (Minas Gerais, Ceará, Pernambuco e Rio Grande do Norte), apoia, técnica e financeiramente, entidades que desenvolvem programas de atendimento a crianças, adolescentes, famílias e comunidades carentes e/ou em situação de risco, urbanas e rurais, creches, escolas e centro de serviços de acordo com as políticas básicas de atendimento determinadas pelo Estatuto da Criança e do Adolescente e Convenção Internacional dos Direitos da Criança. A ênfase maior do trabalho do FCC está no processo de educação, com a participação da família e da comunidade. O FCC atua em 862 comunidades, sediadas em 55 municípios. Atende mais de 117 mil crianças e adolescentes, totalizando 48 mil famílias em 102 entidades conveniadas, beneficiando um público de mais de 229 mil pessoas entre crianças, adolescentes e suas famílias. É mantido exclusivamente pelo sistema de apadrinhamento e de doações especiais de grupos de pessoas ou empresas. Em 2009 foram investidos mais de R$21 milhões em programas sociais e atualmente conta com 5.185 voluntários. O Fundo Cristão é uma entidade que não faz distinção de raça, cor, credo religioso ou político. Sua Administração é composta por uma Assembleia Deliberativa, por um Conselho Fiscal e por um Órgão de Direção Geral. A Entidade, em conformidade com o seu estatuto social, não distribui qualquer parcela de seu patrimônio ou de seu superávit como lucro ou participação em resultados, aplicando integralmente os seus recursos no País, na manutenção e no desenvolvimento de seus objetivos refletidos, devidamente, em seus demonstrativos contábeis.2. APRESENTAÇÃO E ELABORAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS As demonstrações contábeis foram elaboradas de acordo com a Norma Brasileira de Contabilidade NBCT 10.19 - Entidades Sem Finalidade de Lucros, aprovada pela Resolução nº 877/00 de 18 de abril de 2000, do Conselho Federal de Contabilidade.
  9. 9. Fundo Cristão para Crianças Na elaboração das demonstrações contábeis de 2009, a Entidade adotou as alterações na legislação societária introduzidas pela Lei nº 11.638, aprovada em 28 de dezembro de 2007 e as respectivas modificações introduzidas pela Lei nº 11.941, aprovada em 27 de maio de 2009. Os aspectos relativos à adoção da Lei nº 11.638/07 e Lei nº 11.941/09 estão detalhados na nota explicativa nº 3.3. RESUMO DAS PRINCIPAIS PRÁTICAS CONTÁBEIS a. Sumário das principais práticas contábeis modificadas pela adoção inicial da Lei nº 11.638/07 e Lei nº 11.941/09 a.1. Ativo intangível Registra os direitos que tenham por objeto bens incorpóreos destinados à manutenção da Entidade ou exercidos com essa finalidade. A Entidade procedeu, na data da transição, à reclassificação de determinados bens do ativo imobilizado para o ativo intangível, de acordo com as disposições previstas no Pronunciamento Técnico CPC nº 04 - Ativo Intangível, aprovado pela Deliberação CVM nº 553, com base no disposto na Lei nº 11.638/07 e Lei nº 11.941/09. O montante reclassificado em dezembro de 2009 foi de R$83.499 (R$114.330 em 2008). a.2. Ajustes a valor presente Determinadas contas do ativo e passivo não circulante, bem como do ativo e passivo circulante, quando relevantes, devem ser ajustadas ao valor presente nas datas das respectivas transações, com base em taxas que refletem o custo do dinheiro no tempo para a Entidade, bem como os riscos específicos relacionados aos fluxos de caixa programados para as contas em questão. Atualmente, a Entidade não possui nenhuma operação que gere efeito significativo de ajuste a valor presente. a.3. Valor recuperável dos ativos Obrigatoriedade de a Entidade analisar, periodicamente, a capacidade de recuperação dos valores registrados no ativo imobilizado e intangível, com o objetivo de assegurar que: i. A perda por não recuperação desses ativos é registrada como resultado de decisões para descontinuar as atividades relativas aos referidos ativos ou quando há evidência de que os resultados das operações não serão suficientes para assegurar a realização de referidos ativos. 2
  10. 10. Fundo Cristão para Crianças ii. O critério utilizado para determinar a estimativa de vida útil remanescente de tais ativos com o objetivo de registrar a depreciação e amortização, é revisado e ajustado. A Entidade realizou essa análise e não identificou nenhum ajuste. a.4. Eliminação da reserva de reavaliação Os saldos existentes nas reservas de reavaliação deverão ser mantidos até a sua efetiva realização ou estornados até o fim do exercício social em que a Lei entrar em vigor. Em 31 de dezembro de 2009 a Entidade possuía reservas de reavaliação no valor de R$4.516.039 (R$4.734.158 em 2008) que serão mantidas até sua efetiva realização conforme definido pela Administração. b. Sumário das principais práticas contábeis b.1. Aplicações financeiras São demonstradas ao valor de aplicação, acrescidas dos rendimentos auferidos “pro rata temporis” até a data do balanço. b.2. Imobilizado Até outubro de 2006, registrado ao custo de aquisição, formação ou construção e corrigido monetariamente até 31 de dezembro de 1995. A depreciação é calculada pelo método linear. Os bens imobilizados da Entidade foram reavaliados a valor de mercado, conforme Laudo de Reavaliação nº 481 de 31 de outubro de 2006. A partir da reavaliação os bens seguem demonstrados pelos seus valores líquidos de depreciação acumulada até outubro de 2006, adicionados da reavaliação indicada em laudo. A depreciação dos ativos reavaliados passou a ser calculada conforme a vida útil remanescente indicada em laudo. Conforme aprovado em Assembleia Geral Ordinária e Diretoria Nacional em 6 de junho de 2006 a Entidade passou a manter registrados em seu Ativo Imobilizado apenas os bens cujo valor de custo de aquisição for igual ou superior a R$1.000 (mil reais), sendo os bens inferiores tratados como despesas do exercício e controlados administrativamente. b.3. Passivo circulante Estão registrados pelos valores conhecidos e atualizados até a data dos balanços. 3
  11. 11. Fundo Cristão para Crianças b.4. Doações As doações são provenientes do exterior e locais, as quais são apropriadas no momento da disponibilização do recurso em conta-corrente bancária, ou quando do recebimento do bem, no caso de doações. b.5. Apuração do déficit e superávit O déficit ou superávit do período é apurado pelo regime contábil de competência.4. DISPONIBILIDADES Os saldos das disponibilidades estão representados pelos valores de realização, acrescidos, quando aplicável, dos rendimentos auferidos até a data do balanço patrimonial. As aplicações financeiras referem-se a investimentos em CDB. As disponibilidades da Entidade podem ser assim demonstradas. 2009 2008 Caixa 2.700 2.700 Bancos 146.570 17.273 Aplicações Financeiras 980.607 1.196.980 1.129.877 1.216.9535. OUTROS ATIVOS CIRCULANTES Os saldos da rubrica “Outros ativos circulantes”, estão representados pelos valores antecipados a diretores e funcionários para fins de custeio a viagens de treinamento, reuniões do Conselho e outros eventos, adiantamentos concedidos a funcionários em razão de férias programadas, despesas antecipadas com seguros e outros. Os saldos podem ser assim sumariados: 2009 2008 Adiantamentos a terceiros 16.455 12.463 Adiantamentos a funcionários 54.808 53.134 Despesas antecipadas 8.390 5.182 79.653 70.779 4
  12. 12. Fundo Cristão para Crianças6. INVESTIMENTOS Os investimentos da Entidade incluem salas do Edifício Work Center, à Av. Afonso Pena, nº 3.111, em Belo Horizonte - MG, reavaliadas de acordo com Laudo nº 481, em 31 de outubro de 2006. Os referidos imóveis são alugados a terceiros conforme preços de mercado e suas rendas revertidas ao objeto social da Entidade. 2009 2008 Ações 18.373 18.373 Imóveis 743.000 743.000 (Depreciação) (42.264) (28.221) 719.109 733.1527. IMOBILIZADO Os bens imobilizados da Entidade foram reavaliados conforme Laudo de Reavaliação emitido pela empresa Dhisa Auditores Associados, nº 481, datado de 31 de outubro de 2006, quando suas taxas de depreciação, vida útil remanescente e valores foram ajustados conforme laudo. 2009 2008 Custo/ Depreciação Total Total Mercado acumulada líquido líquido Terrenos (i) 1.167.000 - 1.167.000 1.167.000 Edificações (i) 3.776.700 (398.075) 3.378.625 3.504.333 Máquinas e equipamentos 85.158 (15.102) 70.056 89.773 Móveis e utensílios 29.857 (7.320) 22.537 29.951 Veículos 260.700 (31.856) 228.844 130.851 Computadores e periféricos 252.757 (87.547) 165.210 190.658 Total geral 5.572.172 (539.900) 5.032.272 5.112.566 (i) Parte dos terrenos e edificações da Entidade que não constava dos registros do Ativo Imobilizado foi identificada, avaliada e registrada conforme Laudo nº 481, de 31 de outubro de 2006, sendo assim adicionada ao patrimônio. Esses imóveis são utilizados para fins sociais em Entidades Conveniadas ao Fundo Cristão para Crianças. 5
  13. 13. Fundo Cristão para Crianças Os custos de mercado para os imóveis de propriedade da Entidade podem ser assim sumariados em 31 de dezembro de 2009: Imóveis avaliados Terrenos Edificações Total avaliado Imóvel Aerolândia - Fortaleza/CE 465.000 925.600 1.390.600 Imóvel - R. Luiz Guimarães, 261 – Fortaleza/CE 70.000 482.800 552.800 Imóvel - R. Alberto Ferreira, 564 – Fortaleza/CE 150.000 696.000 846.000 Imóvel Caucáia - R. Nova Alvorada, 490 - Fortaleza/CE 155.000 476.300 631.300 Imóvel Governador Valadares - Gov. Val./MG 80.000 447.000 527.000 Salas no Edifício João de Deus - BH/MG 98.000 392.000 490.000 Salas no Edifício Top Center - Fortaleza/CE 149.000 357.000 506.000 Total 1.167.000 3.776.700 4.943.700 Conforme Assembleia Geral Ordinária da Diretoria Nacional de 6 de junho de 2006, em 2007 a Entidade passou a incorporar a seu ativo fixo somente os bens de valor individual superior a R$1.000. O montante dos bens de valor inferior registrado no resultado do exercício findo em 31 de dezembro de 2009 foi de R$30.220 (R$38.861 em 2008).8. INTANGÍVEIS Em 2008 a Entidade reclassificou para o Ativo Intangível os direitos que tenham por objeto bens incorpóreos destinados à manutenção da Entidade ou exercidos com essa finalidade. O saldo de seus ativos intangíveis pode ser assim demonstrado: 2009 2008 Custo/ Amortização Total Total Mercado acumulada líquido líquido Softwares 188.297 (104.798) 83.499 114.330 Total geral 188.297 (104.798) 83.499 114.330 6
  14. 14. Fundo Cristão para Crianças9. PROVISÕES PARA DEMANDAS JUDICIAIS As provisões para demandas judiciais podem ser assim apresentadas: Depósitos judiciais Provisão para contingências 2009 2008 2009 2008 Demandas judiciais 7.357 10.078 7.357 - 7.357 10.078 7.357 - A Entidade realiza provisão dos processos cuja probabilidade de perda é determinada como provável pela sua assessoria jurídica e para aqueles processos cuja Entidade tenha realizado depósito judicial.10. PATRIMÔNIO SOCIAL Os resultados dos períodos são mantidos na rubrica “Déficit acumulado”, enquanto não aprovados pela Assembleia Deliberativa e, após a sua aprovação, são transferidos para a conta de Patrimônio Social.11. RECEITAS COM DOAÇÕES 2009 2008 Subsídios internacionais 18.636.555 18.619.367 Verbas do orçamento operacional 3.472.804 3.184.099 Outras doações recebidas 1.221 637 Doações externas 22.110.580 21.804.103 Subsídios brasileiros 2.625.850 2.656.977 Arrecadações nacionais para custeio 1.609.392 1.711.925 Outras doações recebidas 123.601 - Doações locais 4.358.843 4.368.902 26.469.423 26.173.005 As receitas com doações auferidas pela Entidade são provenientes do Brasil e do exterior, na forma de subsídios a projetos conveniados e verbas especiais a projetos. Não são registrados como receitas os presentes às crianças apadrinhadas (DFCs), que são tratados em contas patrimoniais até sua efetiva entrega aos destinatários. 7
  15. 15. Fundo Cristão para Crianças Essas receitas são proporcionadas pelo sistema de apadrinhamento e outras doações eventuais. A Entidade possui aproximadamente 9.318 crianças apadrinhadas por brasileiros e 50.494 crianças apadrinhadas por estrangeiros.12. CONCESSÃO DE GRATUIDADES (REPASSE A PROJETOS CONVENIADOS) 2009 2008 Subsídios - Projetos conveniados 21.095.327 21.263.730 Verbas especiais a projetos 281.657 20.611 21.376.984 21.284.341 As gratuidades convertidas à comunidade carente estão registradas dentro do grupo de despesas ordinárias. As verbas e subsídios recebidos foram aplicados em projetos conveniados à Entidade, firmados e lançados em conta específica de despesa, tendo as seguintes principais entidades conveniadas: Frente Assist. Criança Carente, APRISCO - Assoc. Prom, ARAI - Assoc. Rural Assistência, Grupo A. Cr. Ad. Cabana e Região, Proj. Frente Benef. para Criança, GEDAM, Proj. do Bem-estar Comunitário, Proj. Feliz Jornada, Projeto União, Associar, GEDECOM, Projeto Criança Feliz, ABITA - Assoc. Benef. de Itaporé, Projeto Famílias Reunidas, Assoc. Municipal de Assistência, Assoc. Municipal de Assistência, Inst. Educ. Fraternidade Cristã, ASCAI - Assoc. Cr. Adol. Itaobim, etc. A finalidade dessas entidades conveniadas é, principalmente, a de apoiar programas sociais e de desenvolvimento de acordo com os planos de atividades. A Entidade mantém controle financeiro e realiza acompanhamento permanente sobre todas as verbas repassadas aos projetos conveniados. A cada repasse, a respectiva prestação de contas é obrigatória e, necessariamente, enviada ao FCC no prazo máximo de 20 dias do mês posterior ao do repasse, viabilizando o acompanhamento da coerência na aplicação das verbas.13. GRATUIDADES A REPASSAR Conforme Resolução nº 188, de 20 de outubro de 2005, em 2006 a Entidade passou a controlar em contas patrimoniais os efeitos de gratuidades com DFC (Presentes em valores para repasses a crianças inscritas nos projetos credenciados), mantendo no seu passivo circulante os valores arrecadados até dezembro de 2009 para repasse no início do exercício seguinte. Nessa rubrica também são registrados os valores recebidos de projetos especiais. Em 31 de dezembro de 2009 o saldo a repassar é de R$231.514 (R$137.287 em 2008). 8
  16. 16. Fundo Cristão para Crianças O saldo de DFCs repassado no exercício foi: 2009 2008 DFCs de doações internacionais 4.168.914 4.679.005 DFCs de doações locais 1.139.213 1.137.393 5.308.127 5.816.39814. DESPESAS GERAIS O grupo de despesas gerais considera diversas despesas necessárias à operacionalidade da Entidade, sendo as mais relevantes: 2009 2008 Despesas com Publicidade e Propaganda 345.504 170.924 Despesas com Viagens 295.176 213.157 Despesas Postais 218.409 131.731 Despesas entre Escritórios 176.451 92.676 Despesas com Telecomunicações 167.975 181.853 Despesas com Reuniões, Conferências e Eventos 111.838 66.880 Taxa de Condomínio 90.645 90.128 Despesas com Material de Escritório 95.734 119.656 Despesas com Energia Elétrica 62.783 61.743 Despesas com Taxas Diversas 55.229 28.896 Despesas com Alimentação 42.567 29.030 Despesas com Manutenção de Instalações e Equipamentos 40.994 15.912 Outras* 149.929 245.018 1.853.234 1.447.604 (*) Consideradas pulverizadas. Entre as despesas gerais, em 2009 a Entidade passou a custear despesas específicas de suas Entidades Credenciadas de modo a fazer uma melhor gestão destes referidos gastos, dos quais podemos destacar: 9
  17. 17. Fundo Cristão para Crianças 2009 Honorários de Auditoria 105.487 Serviços de Tradutores 95.137 Despesas Postais 144.435 Outras 4.899 349.95815. DESPESAS COM DEPRECIAÇÃO Após reavaliação dos bens do ativo imobilizado, conforme laudo emitido pela empresa Dhisa Auditores Associados, nº 481, em 31 de outubro de 2006, a Entidade passou a registrar os efeitos da depreciação dos bens reavaliados no resultado do exercício, com base na vida útil informada no laudo, sendo a reserva correspondente simultaneamente transferida para a rubrica “Déficit ou Superávit acumulado no Patrimônio Líquido”. Os efeitos da depreciação correspondentes à reavaliação e ao custo original no resultado do exercício podem ser assim demonstrados: 2009 2008 Despesas de Depreciações (Custo líquido) 63.048 53.924 Despesas de Amortizações 9.527 5.717 Despesas de Depreciações/Amortização (Custo reavaliado) 169.089 172.880 241.664 232.52116. SEGUROS Em 31 de dezembro de 2009, a Entidade mantém cobertura de seguros para as edificações e veículos imobilizados, considerando-os suficientes para cobrir eventuais sinistros.17. ISENÇÃO TRIBUTÁRIA Em função da isenção tributária quanto ao INSS patronal, por se tratar de entidade sem fins econômicos, devidamente regularizada nos órgãos normativos, não foram recolhidos nos exercícios de 2009 e 2008 os seguintes valores: 10
  18. 18. Fundo Cristão para Crianças 2009 2008 INSS Patronal-Fopag 403.993 394.590 INSS Patronal-Autônomos 57.030 66.171 INSS Patronal-Cooperativas 10.516 9.909 471.539 470.67018. INSTRUMENTOS FINANCEIROS Os valores contábeis dos ativos financeiros da Entidade estão compatíveis com os valores que poderiam ser obtidos na sua negociação, ou, na ausência deles, com o valor presente líquido ajustado com base na taxa vigente de juros no mercado. Durante os períodos de 2009 e 2008 a Entidade não realizou operações com derivativos.19. INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR AO CONSELHO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - CNAS Conforme artigo 4º do Decreto nº 2.536, de 6 de abril de 1998 a Entidade deve apresentar ao Conselho Nacional de Assistência Social - CNAS as Demonstrações das Origens e Aplicações de Recursos - DOAR referentes aos seus últimos exercícios, contudo essa demonstração não é mais requerida pelas práticas contábeis adotadas no Brasil segundo a Lei nº 11.638/07. Conforme nota explicativa nº 2 a partir do exercício findo em 31 de dezembro de 2008 a Entidade passou a elaborar pelo método indireto as Demonstrações dos Fluxos de Caixa.20. EVENTOS SUBSEQUENTES NOVOS PRONUNCIAMENTOS, INTERPRETAÇÕES E ORIENTAÇÕES CONTÁBEIS EDITADOS EM 2009 E QUE ENTRARAM EM VIGOR A PARTIR DE 2010 Com o advento da Lei nº 11.638/07, que atualizou a legislação societária brasileira para possibilitar o processo de convergência das práticas contábeis adotadas no Brasil para as normas internacionais de contabilidade (IFRS), novas normas e pronunciamentos, interpretações e orientações foram emitidos durante o ano de 2009 com aplicação mandatória para os exercícios encerrados a partir de dezembro de 2010 e para as demonstrações contábeis de 2009 a serem divulgadas em conjunto com as demonstrações de 2010 para fins de comparação. A Administração da Entidade está em processo de avaliação dos potenciais efeitos relativos aos pronunciamentos, interpretações e orientações emitidos pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC. * * *RA1267 11

×