Infraestrutura, competitividade e os determinantes para o investimento privado

  • 931 views
Uploaded on

Série Bradesco 2012

Série Bradesco 2012

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
931
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
23
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. CI1212 Gestão Estratégica do Suprimento e o Impacto no Desempenho das Empresas BrasileirasSérie Bradesco 2012Infraestrutura, Competitividade e os Determinantespara o Investimento PrivadoCarlos Arruda, Hugo Ferreira Braga Tadeu, Jersone Tasso Moreira Silva, DanielBerger 1 Introdução Revisão BibliográficaA infraestrutura e as condições de competitividadesão essenciais para a manutenção do investimento Os investimentos em infraestrutura representam uma condição necessária para a manutenção do crescimentoprivado em um país. Para o caso brasileiro, percebe- econômico de curto e longo prazos no Brasil. Dados dose que os baixos investimentos em relação ao PIB Banco Mundial (2005) indicam que, para o crescimentoem setores como energia elétrica, telecomunicações, com qualidade, os países precisariam das seguintestransporte rodoviário, ferroviário, aeroportuário, portos, condições:hidrovias e saneamento resultam em expectativas •• Investimentos constantes, em torno de 3% doinsatisfatórias para o crescimento econômico de PIB, para a infraestrutura, como uma função delongo prazo. Da mesma forma, as avaliações sobre manutenção do estoque de capital. Destaca-a competitividade nacional sugerem que a formação se a necessidade para a centralização dessesbruta de capital, a poupança interna, PIB, finanças investimentos para os setores de transportespúblicas e a produtividade poderiam estar em condições (rodoviário, ferroviário, cabotagem, hidroviáriomelhores, em relação aos países da OCDE, desde que e aeroportuário), eletricidade e saneamentoinvestimentos de longo prazo fossem realizados. Nesse básico.sentido, o presente artigo tem por objetivo avaliar o setorde infraestrutura, os investimentos em relação ao PIB •• Para o crescimento significativo do PIB no longoe os principais indicadores para a competitividade. Ao prazo, os países em desenvolvimento deveriamfinal, são realizadas expectativas de longo prazo para investir entre 4% até 6% do PIB, tendo a Coreiaos investimentos privados. do Sul como exemplo, devido ao seu processo de modernização da infraestrutura.ImportanteO Caderno de Ideias – Série Bradesco representa a visão dos autores e não representa a opinião da Fundação Dom Cabral.O Caderno de Ideias – Série Bradesco representa um trabalho preliminar, cujo objetivo é o desenvolvimento de futuras publicaçõesnacionais e internacionais. Mesmo que este artigo represente um trabalho preliminar, solicita-se a citação de fonte.Autores: agradecementos à FDC – Fundação Dom Cabral – e ao Bradesco, pelo suporte a esta pesquisa.1
  • 2. •• Para o caso brasileiro, um investimento público Transporte Ferroviário 13,06 8,26 entre 5% até 7% do PIB poderia ter um impacto significativo nas condições econômicas (as taxas Transporte 4,36 2,43 atuais de investimentos são de 2,5% do PIB, o Aeroportuário que, em tese, não sustentaria o crescimento Portos 3,21 1,18 sustentado). Hidrovias 0,77 0,61 Saneamento 41,92 28,34Para o caso brasileiro, fica evidente que os investimentospúblicos em infraestrutura não são suficientes. Conforme Total 284,31 183,14as projeções realizadas pelo Caderno de Ideias – Série Investimento/PIB (%) 2,11 2,18Bradesco “Determinantes do Investimento Privado Fonte: IPEA (2012)no Período 2011 - 2017: Simulação de Monte Carlo ePerspectivas de Longo Prazo”, os dados sugerem queos investimentos públicos continuarão em um patamar Os dados da TAB. 2 evidenciam que os investimentosinferior às necessidades de crescimento, atingindo o públicos e privados para o período 2008-2011 seriamvalor de 1,61% do PIB, conforme a TAB. 1. superiores a 2001-2007. Mesmo com o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) – Programa do Governo Federal cujo objetivo é o estímulo ao TABELA 1 investimento público-privado em infraestrutura –, os Investimentos Públicos em Infraestrutura dados do IPEA (2012) estimam que o crescimento Período 2011 - 2017 Valor nos investimentos em infraestrutura seriam de 2,65% já em 2012, sendo um patamar inferior ao necessário PIB em trilhões de Reais 3.548.704,97 para o país. Investimentos Públicos em Os problemas relacionados aos investimentos em 57.192,54 Infraestrutura infraestrutura estão ligados ao ambiente regulatório, à elevada carga tributária – inibidora do investimento,Fonte: Adaptado de TADEU; SILVA; OLIVEIRA, 2012. às elevadas taxas de juros, ao gasto público e ao posicionamento dos bancos nacionais, tipicamente paraHaveria uma maior necessidade da participação o varejo.pública nesse setor bem como uma maior inserção do Para o gasto público, os investimentos em infraestruturacapital privado, destacando-se uma maior presença de parecem fadados às constantes limitações, sendofundos de investimentos com taxas de financiamento uma real oportunidade para os bancos privados. Umcompetitivas e comparáveis ao mercado internacional. dos principais problemas para a maior presença doAinda segundo os dados do Banco Mundial (2005), todo governo nos setores relatados na TAB. 2 refere-se aoo investimento em infraestrutura realizado por países aumento do gasto corrente, em torno de 32% do PIB,em desenvolvimento determinam, em grande parte, o e a dificuldade de aumentar a carga tributária paraaumento da competitividade. Dados do IPEA (2011), essa finalidade.disponibilizados na TAB. 2, indicam os investimentos Dado esse cenário, os investimentos públicos emem infraestrutura, com ampla necessidade de aumento infraestrutura do governo federal, somente, nãopara os próximos anos. ultrapassam 0,40% do PIB, muito aquém dos patamares internacionais. Logo, a inserção dos bancos privados torna-se imperativo, como uma complementação aos TABELA 2 limites do governo. Investimentos públicos e privados em Infraestrutura (bilhões de Reais) Os países em desenvolvimento, segundo dados do Banco Mundial (2012), apresentam uma íntima relação público- Setores 2001-2007 2008-2011 privada, com taxas de investimento em infraestrutura Energia Elétrica 83,47 71,91 em torno de 7% do PIB, citando os exemplos chinês e chileno. Os dados dos investimentos em infraestrutura Telecomunicações 92,09 46,34 no Brasil para o período 2010-2011 estão disponíveis Transporte Rodoviário 45,43 24,08 na TAB. 3. Caderno de Ideias - Nova Lima - 2012 - CI 1212 2
  • 3. TABELA 3 indicam que a Petrobras vem investindo cercaInvestimentos em infraestrutura no período 2010-2011 de 0,18% do PIB, enquanto os estados 0,11 (bilhões de Reais) % e o mercado privado, 0,33%, considerando os aumentos de custos das empresas, devido Fonte 2010-2011 % do PIB ao parque de geração ainda ter tecnologia Governo Federal 8,7 0,39 defasada, quando comparada a países como China, Alemanha e Estados Unidos. Investimento Público 18,4 0,98 •• Telecomunicações: nos últimos anos, o Governo Investimento Privado 24,9 0,97 Federal vem buscando um novo marco regulatório Investimento Total 52 2,34 e tarifário para o setor. O objetivo central seria o aumento da competitividade, mas o que seFonte: IPEA (2012) pode observar é uma fragilidade da fiscalização e da qualidade do atendimento das empresasA seguir, será feita uma avaliação setorial para os privadas. Apesar das áreas fixas de atuaçãoinvestimentos públicos e privados em infraestrutura. das operadoras e das regras claras de abertura de mercado, o crescimento favorável para os clientes depende dos investimentos nos serviços de banda larga. Dados do IPEA (2012) estimam que os investimentos no setor não ultrapassam2.1. Avaliação Setorial 0,58% do PIB, com maior participação atualmente para a telefonia móvel. Uma grande oportunidadeOs investimentos em infraestrutura têm um comportamento para investimentos é a maior integração entrerelacionado ao retorno sobre o investimento para o longo os serviços de telefonia móvel, fixa, TV abertaprazo, devido à alocação de recursos em ativos, à e fechada, com grandes possibilidades para anecessidade de avaliação constante de passivos, aos atuação de empresas de outros segmentos, masproblemas de alta competição por mercados e à ampla com vultosos investimentos em cabeamentosatuação de agentes reguladores. No entanto, a ausência de telefonia.de investimentos no segmento pode causar uma reduçãona competitividade e no crescimento econômico. •• Transporte rodoviário: há a necessidadePortanto, os investimentos em infraestrutura têm de grandes investimentos nesse setor.características de risco e retorno particulares por setores, Variáveis como o grande percentual de viasmas com amplo aspecto social para o crescimento de sem pavimentação, número de acidentes,outros segmentos da economia. A seguir, são analisados velocidade média baixa, aumento significativoos setores compreendidos na TAB. 1. da movimentação de caminhões e trechos com alta demanda para a duplicação representam •• Energia Elétrica: a busca recente pela redução as rodovias brasileiras. Apesar das concessões tarifária e pelo leilão de energia revelou a privadas, os investimentos privados vêm caindo necessidade de um novo modelo de negócios consideravelmente, em função das taxas de para o setor. A complexidade das empresas de retorno. Apesar dessa queda, as concessões energia e a crise na geração e distribuição em investiram 2,8 vezes a mais do que o governo, 2002 trouxeram a necessidade da revisão do segundo a ANTT (2012). Dados do IPEA (2012) marco regulatório e a busca pelo investimento indicam que os investimentos do Governo Federal até mesmo em novas fontes de energia, com foram de 0,23% do PIB, das concessionárias os derivados de petróleo para a indústria. de 0,12% e dos Estados 0,14%. Como um A necessidade de equilíbrio financeiro das modelo de longo prazo, caberia ao governo uma empresas de energia, em um cenário de avaliação técnica e a maior participação privada, expansão, retrata a necessidade da ampla reduzindo os gargalos do setor. participação de investimentos públicos e privados, alterando o modelo operacional das •• Transporte ferroviário: destaca-se a grande empresas do setor. Dada a sua relevância, participação para a movimentação de minério diversos estudos da EPE (2012) indicam que de ferro, produtos agrícolas e derivados de os investimentos deveriam ser maiores para petróleo. Desde a privatização do setor, em um funcionamento cada vez mais integrado 1996, os principais investimentos favorecem as do sistema. No entanto, dados do IPEA (2012) empresas de mineração com destino aos portos Caderno de Ideias - Nova Lima - 2012 - CI 1212 3
  • 4. do litoral do estado do Rio de Janeiro, Espírito com baixo investimento privado. Destaca-se a Santo e Maranhão. Esse setor vem exigindo a grande participação das empresas estaduais, participação do setor público para a expansão assumindo 50% dos investimentos, com menor da malha, o que, em tese, exigiria uma maior participação para o Governo Federal e empresas presença de capital. Dados da ANTF (2012) privadas. Apesar das inúmeras mudanças no sugerem que diversos problemas operacionais marco regulatório desse setor e até mesmo ainda afetam a qualidade do transporte ferroviário, da participação das empresas de saneamento evidenciando a necessidade de investimentos. do governo do estado de São Paulo e Minas Destaca-se a baixa velocidade média (30 Gerais na Bolsa de Valores, as incertezas são quilômetros por hora), a limitação de ramais consideráveis, devido à fiscalização da ANA – (29.000 quilômetros), o estrangulamento do Agência Nacional de Águas. ramal ferroviário de grande porte, com as vias de metrô, em Santos, problemas de geografia e vias e o grande número de acidentes. De acordo com a avaliação dos setores de infraestrutura, haveria a disponibilidade de maior realização de•• Transporte aeroportuário: esse setor vem sendo investimentos privados, como garantia da competitividade representado pelos limites de capacidade, nacional no longo prazo? tanto dos terminais aeroportuários quanto das empresas aéreas. Nunca se viajou tanto por esse modal no país. No entanto, as empresas aéreas vêm apresentando constantes prejuízos. Esse cenário é o resultado de uma infraestrutura defasada, número de aeroportos insuficientes, Metodologia terminais de passageiros ultrapassados para os padrões internacionais e pistas demandando A metodologia utilizada foi qualitativa, com a adoção de expansão. Recentemente, coube ao Governo análises de dados disponíveis em bases como a ANTT, Federal a realização de leilões para concessão. ANTF, Banco Mundial, EPE, Fórum Econômico Mundial e Apesar do ágil e da importância estratégica do IPEA, com a adoção de análises técnicas a posteriori. setor, os investimentos públicos e privados não ultrapassam 0,4% do PIB, inferior às demandas Compreende-se, ainda, a avaliação da infraestrutura de crescimento nacional. brasileira bem como os investimentos públicos e privados realizados ao longo dos últimos anos. Os•• Portos: esse setor da economia vem recebendo problemas enfrentados ao longo deste artigo referem-se grande atenção do Governo Federal, devido a às expectativas de longo prazo para os investimentos sua participação na navegação de cabotagem privados, em função dos riscos inerentes do setor de e de longo curso. Considerando a hipótese infraestrutura para a economia brasileira. de portos bem estruturados, a capacidade de importação e exportação seria favorecida, com saldo positivo para a balança comercial brasileira. Destaca-se a Lei 8.630-93, ou a lei dos portos, facilitando a entrada de investimentos privados, considerando-se os terminais e as Competividade e os áreas de acesso. Como restrição, percebe-se uma grande resistência das companhias de Determinantes para o docas, responsáveis pelo gerenciamento de pessoal. Apesar da importância do setor, nos Investimento Privado últimos anos, o Governo Federal investiu cerca de 0,009% do PIB, e os investimentos privados não ultrapassaram o valor de 0,06% do PIB, O investimento em infraestrutura depende muito baixo para uma país com pretensões fundamentalmente do crescimento do PIB. No entanto, desenvolvimentistas. percebe-se uma desaceleração da atividade econômica, desde o último trimestre de 2011, segundo dados do•• Saneamento: nos últimos anos, segundo IPEA (2012), refletindo na perda de competitividade. dados do IPEA (2012), esse setor recebeu Para a manutenção da atividade econômica, o investimentos de no máximo 0,40% do PIB, Governo Federal vem estimulando a redução de Caderno de Ideias - Nova Lima - 2012 - CI 1212 4
  • 5. juros e a expansão do gasto das famílias, sendo uma para o investimento público e privado. Outrapolítica de curto prazo em contrassenso ao que seria o consequência para a política de juro alto refere-estímulo à infraestrutura e a uma visão de longo prazo se à depreciação do câmbio, afetando ascomo garantia para a competitividade. A seguir, são exportações e balança comercial brasileira. Umavaliados os principais indicadores de competitividade último critério refere-se ao custo da dívida, empropostos pelo Fórum Econômico Mundial (2012), os que o governo tem que alocar grande quantidadeimpactos para a infraestrutura e os determinantes para de recursos para o pagamento da dívida, como investimento privado: menor capacidade para investimentos no setor produtivo. Nesse caso, a dívida total do governo •• Formação Bruta de Capital: percebe-se que a apresentou um crescimento de 4,6% em 2011, formação bruta de capital fixo de 2010 foi de comparado a 2,46%, em 2010. US$ 385,32 bilhões, enquanto em 2011 foi de US$ 477,08 bilhões, representando 18,26%, •• Produtividade e eficiência: a produtividade total bem inferior ao padrão internacional para os nacional (PIB/pessoa empregada) no Brasil é países da Organização para Cooperação e de US$ 25.264,86 em 2011, sendo um valor Desenvolvimento Econômico (OCDE), em média inferior aos países da OCDE, em média, US$ de 21,43%. Esse indicador é importante, pois 62.319,51. Avaliando o ano de 2011, houve mede o quanto as empresas aumentaram os um crescimento da produtividade brasileira, seus bens de capital, com reais possibilidades de alcançando o patamar de 62%, abaixo dos produzirem mais, com destaque para máquinas, países da OCDE. Em relação à produtividade no equipamentos e material de construção. O trabalho, o valor do trabalhador brasileiro é de inibidor para o aumento desse indicador é US$ 12,56, enquanto no restante do mundo a taxa de juros – elevada para os padrões é de US$ 31,84. Cabe uma ressalva, pois internacionais, a carga tributária e o câmbio. este é um dos principais indicadores para o crescimento econômico. •• Poupança Interna Bruta: esse indicador é calculado através do PIB total, menos o consumo da população e governo. Verifica-se que houve um acúmulo de US$ 381,36 bilhões em 2010 e A produtividade é um importante critério para medir a US$ 470 bilhões em 2011. Comparado ao PIB, competitividade em um país. Quanto mais riqueza é o aumento foi de 18,26% em 2010, para 18,99% obtida com a mesma quantidade de capital investido, em 2011, enquanto que, para os países da pelo número de trabalhadores, maior a produtividade. OCDE, a média é de 27%. Para o Brasil, esse aumento de competitividade deveria ser estimulado com uma melhoria das condições de •• Desaceleração do PIB: os fatores para a infraestrutura, capacidade industrial e por ganhos de redução da atividade econômica são (i) fraco qualificação de mão de obra. desempenho da indústria, principalmente a de transformação de produtos de base ou bens de consumo, devido ao comportamento do câmbio; (ii) aperto monetário, com o lançamento de medidas para conter o aquecimento da economia e a entrada de investimentos estrangeiros, Expectativas de como o aumento do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF); (iii) política fiscal, em que o Longo Prazo para os equilíbrio das contas públicas não foi alcançado, Investimentos Privados sem espaço para uma maior redução de juros; (iv) acúmulo de estoques, com destaque para a indústria automobilística, com queda nos As análises realizadas para a infraestrutura e índices de confiança do setor; (v) crise europeia, competitividade sugerem uma necessidade de maiores com elevado grau de incerteza e redução dos investimentos para o crescimento da economia, investimentos em todo o mundo. em especial para o modelo privado. Nesse caso, •• Finanças Públicas: as altas taxas de juros o crescimento econômico deveria passar por uma vêm trazendo consequências negativas para redefinição do papel das instituições financeiras e do a economia nacional, gerando desestímulos seu modelo de curto prazo centrado no varejo. Caderno de Ideias - Nova Lima - 2012 - CI 1212 5
  • 6. Muito pode ser feito pelo Brasil, desde a redução dos Conclusõesjuros e da carga tributária pelo governo. Da mesmaforma, o aumento significativo de investimentos pelosbancos privados em infraestrutura, como garantia do O objetivo deste artigo é a avaliação do setor deaumento da qualidade de energia, telecomunicações, infraestrutura, os investimentos em relação ao PIB, ostransportes e saneamento, resultaria em uma maior principais indicadores de competitividade e as expectativasprodutividade, geração de emprego e competitividade. de longo prazo para os investimentos privados.Apesar dos resultados benéficos do investimento público, As análises realizadas indicam a ampla necessidadedesde que não existissem limitadores para o mesmo no de melhorias em setores como energia elétrica,momento atual, como a situação fiscal precária, torna-se telecomunicações, transporte rodoviário, ferroviário,imperativo o desenvolvimento de linhas de financiamento aeroportuário, portos, hidrovias e saneamento, paraprivado e de longo prazo para a infraestrutura. um modelo em que o investimento privado torna-se mais atrativo e com retorno considerável do que oA correlação entre crescimento econômico, retorno investimento púbico.e infraestrutura fica evidente, segundo os dados doIPEA (2012) e Fórum Econômico Mundial (2012), ainda Conclui-se que os determinantes para o investimento privadomais pelas perspectivas para os desdobramentos na no Brasil passam fundamentalmente por uma mudança deprodutividade do capital empregado. posicionamento dos bancos, tradicionalmente focados no varejo e no curto prazo, para as melhores condições deOportunidades para o financiamento em projetos infraestrutura e no longo prazo, caso os mesmos queiramde infraestrutura, ainda mais dada a escassez de manter as taxas atuais de rentabilidade.fundos específicos para o tema no Brasil, resultariamem ganhos de capital elevados. Caberia aosbancos privados a melhoria das condições para oinvestimento, acelerando a estratégia de crescimentosustentado nacional, ajustando os desequilíbrios Referênciasatuais existentes, conforme foi mencionado. Comoconsequência, o retorno sobre o investimento seriao resultado da aplicação em projetos com ampla TADEU, H. F. B; SILVA, J. T. M.; ARRUDA, C. A.capacidade bem como nos ganhos do crescimento Determinantes do Investimento Privado no Brasil paraeconômico regional e dos demais investimentos o período 2011-2017 – Simulação de Monte Carlo ecomplementares nas cadeias produtivas. Perspectivas de Longo Prazo, 33 folhas.Consideram-se investimentos em infraestrutura, com ANTF (2012). Agência Nacional de Transporte Ferroviário.altas taxas de retorno, os projetos relacionados à Disponível em: <www.antf.gov.br>mobilidade urbana, à maior disponibilidade de energia ANTT (2012). Agência Nacional de Transportese ao elevado nível de serviço em telecomunicações, Terrestres. Disponível em: <www.antt.gov.br>gerando redução de custos e maior produtividade BANCO MUNDIAL (2005). Connecting East Asia: a newdesses setores. framework for infrastructure. Tokio, Março.Os ganhos de competitividade somente seriam Banco Mundial (2012). Disponível em: <www.worldbank.org>possíveis de acordo com o equilíbrio gerado entre ocrescimento econômico e os investimentos gerados. EPE (2012). Empresa de Planejamento Energético.Tradicionalmente, a teoria econômica justifica os Disponível em: <www.epe.gov.br>investimentos em infraestrutura como uma função FÓRUM Econômico Mundial (2012). Disponível em:única pública. No entanto, o investimento privado, ainda <www.weforum.org>mais para o caso brasileiro, torna-se mais atrativo ecom retorno considerável, ainda mais em tempos de IPEA (2012). Instituto de Pesquisas Econômicasprivatizações e instabilidade das finanças públicas. Aplicadas. Dados disponíveis no IPEADATA, em: <www. ipea.gov.br> Caderno de Ideias - Nova Lima - 2012 - CI 1212 6