Indicadores da Economia Brasileira: Emprego e Rendimento 2016

791 views

Published on

Relatório produzido pelo Observatório de Políticas Econômicas da FDC.

Published in: Economy & Finance
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
791
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
2
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Indicadores da Economia Brasileira: Emprego e Rendimento 2016

  1. 1.  www.fdc.org.br  Indicadores da Economia Brasileira: Emprego e Rendimento Observatório de Políticas Econômicas|2016
  2. 2. Material de responsabilidade do Observatório de Políticas Econômicas Indicadores da Economia Brasileira: Emprego e Rendimento IR  Quadro-Resumo  Taxa mensal de desemprego PME  Taxa trimestral de desemprego PNAD C  Rendimento médio habitual da população ocupada  Vagas de emprego formal Publicação completa na NOTA DE CONJUNTURA BRASILEIRA, disponível em: http://www.fdc.org.br/professoresepesquisa/nucleos/Paginas/centro-de-referencia.aspx?Nucleo=Estrat%C3%A9gia%20e%20Neg%C3%B3cios%20Internacionais&Info=Materiais&CR=33 IR IR IR IR
  3. 3. Material de responsabilidade do Observatório de Políticas Econômicas Quadro-Resumo (com relação ao período imediatamente anterior) VOLTAR Anterior Atual Variação TAXA DE DESEMPREGO MENSAL – PME (BRASIL METROPOLITANO) 7,6% (janeiro 2016) 8,3% (fevereiro 2016) 0,7 p.p. TAXA DE DESEMPREGO TRIMESTRAL – PNAD C 9,0% (out-nov-dez 2015) 10,9% (jan-fev-mar 2016) 1,9 p.p. RENDIMENTO MÉDIO REAL HABITUAL DA POPULAÇÃO OCUPADA R$ 1.961 (out-nov-dez 2015) R$ 1.966 (jan-fev-mar 2016) 0,3% VAGAS DE EMPREGO FORMAL – ADMISSÕES 1276620 (fevereiro 2016) 1374485 (fevereiro 2016) VAGAS DE EMPREGO FORMAL – DEMISSÕES 1381202 (fevereiro 2016) 1493261 (março 2016) VAGAS DE EMPREGO FORMAL – SALDO -104582 (fevereiro 2016) -118776 (março 2016) -0,30%
  4. 4. Material de responsabilidade do Observatório de Políticas Econômicas  TAXA MENSAL DE DESOCUPAÇÃO (PME)  A PME, elaborada pelo IBGE, é uma pesquisa de caráter longitudinal que estima os resultados para o mercado de trabalho formal e informal para o Brasil Metropolitano (Recife, Salvador, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo e Porto Alegre). Segundo os dados coletados, o contingente de pessoas desocupadas em janeiro de 2016 foi estimado em 2,0 milhões, crescendo 7,2% com relação a janeiro de 2015 (acréscimo de 136 mil novos desempregados). Na comparação em 12 meses, a taxa de desemprego cresceu 39,0%. Ou seja, em relação a janeiro de 2015, houve acréscimo de 565 mil pessoas desocupadas. 4,0 4,5 5,0 5,5 6,0 6,5 7,0 7,5 8,0 jan/14 mar/14 mai/14 jul/14 set/14 nov/14 jan/15 mar/15 mai/15 jul/15 set/15 nov/15 jan/16 Taxa Mensal de Desemprego (PME – PESQUISA MENSAL DE EMPREGO) VOLTAR
  5. 5. Material de responsabilidade do Observatório de Políticas Econômicas  TAXA TRIMESTRAL DE DESOCUPAÇÃO (PNAD C)  A trajetória do desemprego tem apresentado crescimento, encerrando o primeiro trimestre de 2016 a 10,9% – ou seja, estimou-se cerca de 11,1 milhões de pessoas desocupadas no país ao final do trimestre móvel. Nesse sentido houve 22,2% de crescimento na população desocupada comparado ao último trimestre de 2015. Já no horizonte de doze meses, nota-se que houve crescimento de 39,8%. Taxa Trimestral de Desemprego (PNAD-C – PESQUISA NACIONAL POR AMOSTRA DE DOMICÍLIOS CONTÍNUA) VOLTAR 6,0 6,5 7,0 7,5 8,0 8,5 9,0 9,5 10,0 10,5 11,0 Taxa de desemprego Taxa natural de desemprego
  6. 6. Material de responsabilidade do Observatório de Políticas Econômicas  RENDIMENTO MÉDIO HABITUAL DA POPULAÇÃO OCUPADA  Apesar do arrefecimento no poder de compra dos trabalhadores brasileiros observado no último trimestre de 2015, no primeiro trimestre de 2016, estimou-se que o rendimento médio habitual da população ocupada se manteve estável (variando 0,3% no trimestre) encerrando o trimestre a cerca de R$ 1.966,00.  Ao comparar o resultado do primeiro trimestre de 2016 ao mesmo período do ano anterior, observa-se que houve queda de 3,2% no rendimento real dos trabalhadores brasileiros (cerca de R$ 65,00 no ano de contração na renda real em doze meses). Rendimento Médio Habitual da População Ocupada (PNAD-C – PESQUISA NACIONAL POR AMOSTRA DE DOMICÍLIOS CONTÍNUA) VOLTAR 1.950,00 1.960,00 1.970,00 1.980,00 1.990,00 2.000,00 2.010,00 2.020,00 2.030,00 2.040,00 2.050,00 Rendimento Real Habitual
  7. 7. Material de responsabilidade do Observatório de Políticas Econômicas  EMPREGO FORMAL  De acordo com os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados, houve 1.374.485 novos admitidos no mercado formal em março de 2016 (de modo que se observou 97865 novos postos a mais do que aqueles observados no mês de janeiro de 2016). Entretanto, observou-se também o crescimento de 112.059 empregados demitidos com relação a fevereiro de 2016, nesse sentido, março de 2016 consolidou 1.493.261 demissões.  No horizonte de 12 meses, observou-se queda de 4,49% no saldo de empregos formais, o que configura a destruição de - 1883696 postos de trabalho nesse período. Com saldo de admissões menos demissões de 104.582, março de 2016 apresentou 6,31% da destruição de postos de trabalho formal dos últimos 12 meses no Brasil. Vagas de Emprego Formal (CAGED – Ministério do Trabalho e Emprego) VOLTAR -1000 -500 0 500 1000 1500 2000 2500 jan/14 abr/14 jul/14 out/14 jan/15 abr/15 jul/15 out/15 jan/16 Milhares Saldo Admissões Demissões
  8. 8. Material de responsabilidade do Observatório de Políticas Econômicas  www.fdc.org.br  Campus Aloysio Faria Av. Princesa Diana, 760 Alphaville Lagoa dos Ingleses 34000-000 – Nova Lima (MG) Campus Belo Horizonte Rua Bernardo Guimarães, 3.071 Santo Agostinho 30140-083 – Belo Horizonte (MG) Campus São Paulo Av. Dr. Cardoso de Melo, 1.184 Vila Olímpia – 15º andar 04548-004 – São Paulo (SP) Campus Rio de Janeiro Av. Afranio de Melo Franco, 290 2º andar – Leblon 22430-060 – Rio de Janeiro (RJ) atendimento@fdc.org.br 0800 941 9200 Associados em todo Brasil

×